MERCADOS DE CRÉDITO DE CARBONO VOLUNTÁRIO E A EMERGENCIA DE DEFINIÇÃO LEGAL NO BRASIL: ASPECTOS TRIBUTÁRIOS E POLÍTICAS DE INCENTIVO *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MERCADOS DE CRÉDITO DE CARBONO VOLUNTÁRIO E A EMERGENCIA DE DEFINIÇÃO LEGAL NO BRASIL: ASPECTOS TRIBUTÁRIOS E POLÍTICAS DE INCENTIVO *"

Transcrição

1 MERCADOS DE CRÉDITO DE CARBONO VOLUNTÁRIO E A EMERGENCIA DE DEFINIÇÃO LEGAL NO BRASIL: ASPECTOS TRIBUTÁRIOS E POLÍTICAS DE INCENTIVO * CREDIT MARKETS CARBON VOLUNTEER AND LEGAL DEFINITION OF EMERGENCY IN BRAZIL: ASPECTS AND TAX INCENTIVE POLICIES RESUMO Charlene Maria Coradini de Avila Plaza Nivaldo dos Santos O objetivo do presente artigo é a análise sob a perspectiva jurídica da redução certificada de emissões sua aplicabilidade e hipóteses de incidência ou isenção no Direito Tributário Pátrio. A urgência em se definir a natureza jurídica das operações de RCE se justifica devido ao caráter legal tributário em que devem incidir ou isentar as transações negociadas. A comercialização da redução certificada de emissões pressupõe vontade entre particulares não apresentando como incidência qualquer atividade Estatal, isto é, no mercado voluntário. Em contrapartida tais títulos estão sendo comercializados por instituições multilaterais, empresas privadas e governos como compradores. Por existir muitas divergências com relação ao tema será de suma importância definir os parâmetros legais principalmente no que concerne aos aspectos tributários, conferindo um maior grau de segurança aos negócios realizados, vez que existem muitas incertezas também sobre os rumos do Protocolo depois do primeiro período de compromissos entre as nações, Além disso, através da proposta do presente estudo, discorrerá se deve haver a incidência tributária nesses mercados ou ser concedidos benefícios tributários ás receitas decorrentes de cessão onerosa das RCE s, como forma de fomentar o mercado nacional de carbono e promover o combate ao aquecimento global. PALAVRAS-CHAVES: MERCADO DE CARBONO, NATUREZA JURÍDICA, TRATAMENTO TRIBUTÁRIO, INSTITUIÇÕES MULTILATERAIS, MUDANÇAS CLIMÁTICAS ABSTRACT The aim of this article is to examine, under juridical nature of certified reduction emission perspectives, its applicability and hypothesis relating to the Tributary National Law. The need of establishing juridical nature of RCE operation is due to the tributary legal specifities in which the transactions must be inserted. The commercialization of carbon credits requires voluntarily between the involved parties, it does not allow any state intervention. However, such credits has been commercializing by multilateral institutions, private and state companies. Because of so many differences about this * Trabalho publicado nos Anais do XVIII Congresso Nacional do CONPEDI, realizado em São Paulo SP nos dias 04, 05, 06 e 07 de novembro de

2 issue, it becomes essential defining legal parameters, especially about tributary aspects, giving a higher security to this trade, once there are many uncertain about Kyoto Protocol future and the first period of commitments between the participant nations 2008/2012. Moreover, through the proposal of this study will discuss whether there should be a tax incidence in those markets or be granted tax concessions revenue from the sale of CER's costly, as a way of promoting the national carbon market and promote the fight against global warming. KEYWORDS: CARBON MARKET; JURIDICAL NATURE; TRIBUTARY TREATMENT; MULTILATERAL INSTITUTIONS; GLOBAL CLIMATE CHANGE. INTRODUÇÃO No presente artigo, será desenvolvido considerações a respeito da natureza jurídica da redução certificada de emissões ou mais comumente denominadas créditos de carbono, geradas à partir das operações de emissões, além de avaliar os aspectos de incidência ou possível isenção tributária em âmbito nacional para o referido mercado de carbono, bem como demonstrar a convergência entre esses mercados e a efetividade das políticas públicas ambientais do Brasil. A classificação lato sensu da natureza jurídica da RCE (Redução de certificação de emissão), no direito pátrio, faz-se necessária, especialmente por não ter sido definida até o momento no ordenamento jurídico nacional e internacional, o que representa, via de regra, uma omissão normativa sobre o assunto. Além de que, a sua adequação definirá os aspectos jurídicos pátrios, desde o regime legal aplicável à sua origem/negociação até aos tributos exigíveis ou não, nos negócios jurídicos em que estão envolvidos. O que se tem no âmbito internacional na atualidade, é uma definição estritamente técnica, portanto, não jurídica da RCE inserida no Anexo da Decisão[1] 3 CPM/1. Justificamos a classificação lato sensu da natureza jurídica dos referidos certificados, porque a definição imediata e sem um aprofundamento teórico prévio a cerca da natureza jurídica stricto sensu da RCE, poderia prejudicar a evolução e consolidação do Brasil nesse mercado, dadas as incertezas quanto ao tema. Além de que, eventuais regras burocráticas e tributárias dificultaria, sobremaneira a consolidação do Brasil na América Latina como importante indutor de geração e negociação dos RCE s. No estágio evolutivo do ordenamento jurídico pátrio, faz-se precipitada e até mesmo descabida a definição stricto sensu da natureza jurídica da RCE, como tem sido aventado por alguns estudiosos (Hendriksen; Van Breda, 1999, Iudícibus, 2004, Rocha, 2003) como sendo commodity (mercadoria), commodity ambiental, derivativo, 2569

3 título/valor mobiliário, prestação de serviço e outros analisados na nesse trabalho, para efeitos de maiores discussões. Entretanto, são as normas de direito interno que fornecerão o arcabouço normativo apto a definir as incidências tributárias sobre as negociações dos certificados de emissão reduzida, o que, no caso brasileiro, está intimamente ligado à tributação gerada a partir destas operações. Além de que, cumpre-nos ressaltar que o Protocolo de Kyoto, na qualidade de norma internacional a reger a integração das diversas ordens jurídicas nacionais que lhe ratificaram os efeitos no âmbito de seus ordenamentos jurídicos locais (nacionais ou supranacionais), não impôs nenhuma limitação de competência para tributos gerados a partir da circulação/negociação dos referidos mercados de créditos de carbono. Dessa forma, a definição da natureza de tais certificados origina uma discussão complexa, tornando-se ultimamente um dos assuntos mais discutidos pela doutrina. Para fins da leitura, o termo crédito de carbono deve ser compreendido como sinônimo de Redução Certificada de Emissão - RCE, que é a denominação oficial para o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. A RCE nada mais é do que uma tonelada métrica de gás carbônico equivalente - CO² que deixou de ser emitida à atmosfera ou foi absorvida da mesma, como também, não se deve entender o termo créditos de carbono, como aquele atrelado aos demais mercados de carbono, sejam eles voluntários ou regulados, que não o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. Assim, o referencial metodológico consiste na pesquisa analítica dos estudos que cuidam de maneira sistêmica a matéria. Evidencia empiricamente os elementos que possibilitam análises dedutivas acerca das incertezas geradas pela não definição da natureza jurídica dos mercados de RCE s e consequentemente, a não regulamentação da incidência ou isenção dos aspectos tributários na legislação nacional e análises referentes à efetividade das políticas públicas respeitantes a proposta do estudo. 1.CONTROVÉRSIAS NO DIREITO INTERNO SOBRE A NATUREZA JURÍDICA DOS MERCADOS DE REDUÇÃO CERTIFICADA DE EMISSÕES - Certified Emission Reduction O Brasil nos últimos 04 anos tornou-se pólo de geração e negociação de RCEs, apenas perdendo para a China e Índia, como conseqüência lógica da matriz energética destes dois países ser intensiva em emissões de gases de efeito estufa pelo uso em larga escala de carvão mineral (fóssil), o que já estava previsto na Proposta Brasileira[2] de Apesar das negociações privadas de RCEs serem sigilosas e em sua maioria não divulgadas ao público, inúmeras notícias[3] têm veiculado negociações vultosas que demonstram que entidades privadas e públicas no Brasil estão envolvidas neste mercado, em crescente desenvolvimento, o que atrai a atenção do Poder Público para 2570

4 regulamentar a questão como o Congresso Nacional, Secretaria da Receita Federal, Banco Central do Brasil, (MACHADO FILHO, KERLAKIAN SABBAG, 2008). Tanto o regime jurídico internacional, quanto o nacional, não garante aos créditos de carbono existência corpórea ou documental. Isto quer dizer, a existência e transferência ocorrem por intermédio de um sistema eletrônico, não possuindo, portanto, classificação como título de crédito ou cártula. Juridicamente, títulos de crédito são documentos representativos de obrigações pecuniárias; não se confundindo com a própria obrigação, mas dela se distinguindo, porque se limitam a representá-las. Em outros termos, o título prova a existência de uma relação jurídica, especificamente de uma relação de crédito, onde ele constitui a prova de que certa pessoa é credora de outra. Este conceito abrange referências aos princípios básicos da disciplina do documento (cartularidade, literalidade e autonomia). De acordo com Fábio Ulhoa Coelho (2002, p ): Título de crédito é um documento. Como um documento, ele reporta um fato, ele diz que alguma coisa existe. Em outros termos, o título prova a existência de uma relação jurídica, especificamente duma relação de crédito; ele constitui a prova de que certa pessoa é credora de outra; ou de que duas ou mais pessoas são credoras de outras. As reduções certificadas de emissões não condizem com os pressupostos obrigatórios aos títulos de créditos caracterizados na cartularidade, na literalidade e na autonomia, entretanto existem indícios de cartularidade assemelhada aos atuais títulos eletrônicos e da autonomia em alguma dessas formas. Porém, esses indícios são precários pela falta parcial dos elementos característicos aos títulos de crédito, bem como do não efetivo desprendimento do direito representado pelas reduções certificadas daquele mecanismo protocolar que lhes deu origem. A insegurança jurídica sobre a natureza dos RCE s se verifica também na oportunidade da elaboração dos contratos entre as partes. Seriam contratos de compra e venda ou contratos de cessão? Seriam bens de natureza incorpóreas ou corpóreas? Na seara internacional, os RCE s são realizados através de contratos de compra e venda ou ERPA (Emission Reduction Purchase Agreement) consolidando direitos e deveres para paises do Norte/Sul através de um negocio jurídico internacional bilateral. Corroborando o regime jurídico específico e a natureza peculiar, a legislação comercial, notadamente a de regência das sociedades anônimas, introduziu através da reforma perpetrada pela Lei /2007, com vigência a partir de 1º de janeiro de 2008, o reconhecimento expresso da natureza dos bens incorpóreos, determinando um regime especial para o seu registro contábil no inciso VI de seu artigo 179, que dispõe: As contas serão classificadas do seguinte modo: VI no intangível: os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da companhia ou exercidos com essa finalidade, inclusive o fundo de comércio adquirido, dando-lhes tratamento contábil especial que, segundo manual específico,... são agregados de benefícios econômicos futuros sobre os quais uma dada entidade detém o controle e exclusividade 2571

5 na sua exploração. Ocorre que, diferentemente dos ativos tangíveis, que são visivelmente identificados, e contabilmente separados, os intangíveis por vezes não o são [4]. Muito embora embrionária a doutrina jurídica pátria no tocante a natureza jurídica dos RCE s, a tendência para alguns estudiosos, Venosa[5], Natrielle de Almeida[6], Sister[7], Kerlakian[8], é considerá-la como ativo intangível transacionável por meio de contratos de cessão. Como as RCE s são emitidas por órgão da Organização das Nações Unidas (Conselho Executivo do MDL), a classificação da natureza jurídica no presente estudo, limitar-se ao tratamento que receberá exclusivamente no âmbito do regime jurídico brasileiro, pois os países não possuem jurisdição sobre os RCE s. Todavia, o que poderá ser regulamentado na legislação brasileira são as receitas advindas das cessões das RCE s, bem como a forma pelas quais os espelhos destas RCE s serão negociados no Brasil para fins exclusivos de tratamento jurídico interno, (KERLAKIAN, 2008). Destarte, a necessidade da definição da natureza jurídica dos RCE s no direito interno, com vistas a auferir maior suporte e segurança jurídica a esses mercados, existem outras categorias nas quais hipoteticamente podem ser enquadradas as RCE s, como commodity ambiental, commodity, valor mobiliário, mercado de derivativo, prestação de serviços analisadas a seguir. 1.1 Da inserção dos RCE s como natureza jurídica de Commodity, Commodity Ambiental e Prestação de Serviços Ao analisar os RCE s como commodity ou commodity ambiental necessário, em primeiro lugar, conceituar o termo commodity. Para o termo semântico de commodity ter-se-á como significado literal a palavra mercadoria com a definição de ser individualizada pelo seu gênero e espécie que possam ser substituídas por outras da mesma natureza. Partindo deste conceito, reconhece-se o caráter fungível e corpóreo do bem, isto é, a fungibilidade, padronização e á uniformização dos produtos considerados como tal, conceito clássico de mercadoria [9]. O Supremo Tribunal Federal no RE n SP, discorreu que mercadoria é atribuída à designação genérica de coisa móvel que passa ser objeto de comércio por quem exerce a mercancia com freqüência e habitualidade [10]. Como os créditos de carbono não são corpóreos e não compõem o estoque das empresas, não nos parece que seja possível classificá-los como sendo verdadeiras mercadorias. Não há, ademais, a nosso ver, como ocorrer uma saída física de algo que não é corpóreo. Além de que, a 2572

6 possível incidência dos mercados de RCE s na legislação tributária encontra três limites, a saber, (CARRAZA, 1998, p. 176): 1- A Reserva da Lei: O tributo só pode ser cobrado por meio de lei. É o princípio fundamental que nenhuma exação pode ser exigida sem a autorização do Poder Legislativo (no taxation without representation); 2- A disciplina da Lei: não basta que uma lei preveja a existência de um tributo, mas, pelo contrário, deve determinar seus elementos fundamentais, vinculando a atuação da Fazenda Pública e circunscrevendo, ao máximo, o âmbito de discricionariedade do agente administrativo; 3- Os direitos que a Constituição garante: a tributação, ainda que se perfaça com supedâneo na lei, não pode contrastar com os direitos constitucionalmente assegurados. Criar um tributo é estabelecer todos os elementos de que se necessita para saber se este existe, qual é o seu valor, quem deve pagar, quando e a quem deve ser pago. Assim, a lei instituidora do tributo há de conter: (a) a descrição do fato tributável; (b) a definição da base de cálculo e da alíquota, ou outro critério para o estabelecimento do valor do tributo; (c) o critério para a identificação do sujeito passivo da obrigação tributária; (d) o sujeito ativo da relação tributária, se for diverso da pessoa jurídica da qual a lei seja expressão da vontade, (MACHADO, 1999, p. 31). Quanto as commodities ambientais, estas são mercadorias originarias de recursos naturais produzidas e extraídos em condições sustentáveis. Visa estas espécies unificar o sistema financeiro e o meio ambiente, bem como o desenvolvimento limpo para um novo mercado sustentável tanto no âmbito financeiro quanto no ambiental. Entretanto o que existe, na verdade, é uma grande confusão entre os conceitos de commodity ambiental e créditos de carbono. Segundo alguns estudiosos[11], um conceito nada tem a ver com o outro, e o cerne da confusão pode estar na junção das palavras commodity e ambiental, vejamos: Uma commodity visa o lucro imediato, portanto é algo contrário ao meio ambiente, mais precisamente a sua conservação (...). O carbono não é uma commodity porque as suas emissões têm de ser reduzidas. Se fosse uma commodity, o carbono teria de visar o lucro e, para tanto, sua emissão deveria ser incentivada. Quanto mais toneladas de carbono fossem emitidas, maior seria o seu preço de mercado. Dessa forma, a possibilidade de inserir os RCE s como commodity ou commodity ambiental, se torna um equívoco, pois não estão presentes nestes institutos os requisitos de infungibilidade e intangibilidade. Primeiro, porque qualquer situação para enquadramento jurídico no conceito de commodities se deve reconhecer o objeto fungível e corpóreo, sujeito à mercancia. 2573

7 Segundo, os RCE s mantêm total dependência com os projetos de MDL, portanto caracterizando-os como bens de natureza infungível. No que concerne à inserção dos RCE s como prestação de serviços, juridicamente a modalidade significa qualquer esforço humano realizado em favor de terceiro, pressupondo um contrato. Logo, pela teoria das obrigações há uma diferença entre contrato de compra e venda (obrigações de fazer) e obrigações de dar, esta ultima incluída os contratos de cessão. De acordo com Barreto (2005, p. 294/295) ao analisar o significado de prestação de serviços este apregoa: Prestar serviço indica na técnica jurídica, atividade em proveito alheio. É que a prestação de atividade em beneficio próprio não exterioriza riqueza, nem capacidade contributiva. E, como visto, a Constituição só arrolou arquétipos evidenciadores de riqueza. É incompatível com a estrutura sistêmica constitucional a tributação dessas categorias de eventos. Juridicamente, não há prestação de serviços em proveito próprio. Só é reconhecido como tal à prestação que tenha conteúdo econômico mensurável, o que pode dar quando o esforço seja produzido para outrem. Não há serviço para si mesmo: isto seria inaceitável contradictio in terminis. (...) em resumo, o aspecto material da hipótese de incidência do ISS é a conduta humana (prestação de serviço) consistente em desenvolver um esforço visando a adimplir uma obrigação de fazer. Com relação às obrigações de dar e de fazer, espécie basilar do Código Civil corrobora o entendimento da nossa pesquisa, Melo (2005, p.36) ao definir que: Essa espécie de obrigação (fazer) não possui definição e características próprias, configurando-se de modo negativo à outra espécie de obrigação (dar) que consiste na entrega de uma coisa móvel ou imóvel, para a constituição de um direito real (venda, locação...) a concessão de uso (empréstimo, locação) ou a restituição ao dono. Já as de fazer, conquanto se definam em geral de modo negativo, são todas as prestações que não se compreendem entre as de dar, têm, na verdade, por objeto um ou mais atos ou fatos do devedor, como trabalhos materiais ou intelectuais. A definição da natureza jurídica dos CERs como prestação de serviço ganhou força em razão da Circular nº 3.291, emitida em pelo Banco Central do Brasil ( Circular BACEN nº 3.291/05 ), que prevê expressamente um código para a realização de operações de câmbio relativas a operações de mercado de carbono, cuja natureza é classificada como Serviços Diversos - Créditos de Carbono 29/(NR) Como nas operações de RCE s não há obrigação de fazer, mas sim uma obrigação de dar alguma coisa a alguém, mediante a cessão dos créditos de carbono ao adquirente, inexiste serviços. 2574

8 Por outro lado, os RCE s poderiam ser inseridos no direito interno como serviços na modalidade de PSA[12] Pagamentos por serviços ambientais e, portanto, assumiriam feição primordialmente contratual, possivelmente mais próxima das obrigações de fazer, tais como as obrigações de conceber, registrar, monitorar e manter um projeto ecológico envolvendo produção de energia limpa a fim de obter como contraprestação a outorga de aprovação para a sua respectiva emissão pelo Comitê Executivo do MDL, porém sem incidência de tributos ou com efeitos extrafiscais dependendo o caso concreto. Por exemplo, um projeto de reflorestamento de monocultura para fins industriais ou mesmo um reflorestamento com matas nativas para a preservação da biodiversidade. Entretanto, mesmo nos casos de reflorestamentos poderia haver a isenção do ISS vez que, nessa modalidade haverá serviços de acordo com a MP 116 art. 3, XII. Dessa forma, instituía-se um pagamento prêmio para empresas ou pessoas que investissem na captação e mitigação de CO² com a devida isenção tributária como forma de atingir o objetivo maior que é a proteção ao meio ambiente ou tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e de seus processos de elaboração e prestação (Redação dada pela EC nº. 42, de ). Os serviços de interesse ambiental consistiriam na premiação ou pagamento pelo poder público para os agentes econômicos que decidem realizar atividades que gerem externalidades positivas, consistentes em benefícios ambientais. Além de que, poderia ser aplicadas políticas publicas tributárias baseadas na teoria da função promocional do Direito, com a finalidade extrafiscal indireta para fomentar atividades que auxiliem a melhoria do meio ambiente por meio de instrumentos econômico-financeiros e isenções tributárias, buscando a realização de valores constitucionais mediante o comportamento induzido ou evitado. Enquanto a extrafiscalidade[13] presente no fato gerador tende a reprimir ou estimular comportamentos e, mediante a realização ou abstenção do comportamento, visa a atingir o valor constitucional (de distribuição de renda, de riqueza, de proteção do mercado interno, etc), a extrafiscalidade no aspecto finalístico do tributo liga-o diretamente à realização do valor constitucional. Essa hipótese, nada mais seria do que, influenciar os agentes a adotarem posturas que vão ao encontro de interesses, sociais, ambientais e difusos, sem, contudo, o Estado, obrigá-los formalmente por meio de sanções, além de que, plenamente compatível ao princípio constitucional econômico da livre iniciativa preceituado pela Constituição Federal em seu art. 170, caput que visa assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social. Além de que, apenas instrumentos coercitivos são insuficientes para garantir a preservação ou a conservação de biomas singulares. Ademais, visando maior suporte a proposição acima, o inciso VI (art. 170-CF) determina a "defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e de seus processos de elaboração e prestação (Redação dada pela EC nº. 42, de )". 2575

9 1.2 Da inserção dos RCE s como natureza jurídica de Mercados de Derivativos e Valores Imobiliários Os derivativos são ativos financeiros ou valores mobiliários cujo valor e características de negociação derivam do ativo que lhes serve de referência, de tal forma que nas operações no mercado financeiro envolvendo derivativos, o valor das transações deriva do comportamento futuro de outros mercados, como o de ações, câmbio ou juros. Significa dizer que o Mercado de Derivativos é o mercado no qual a formação dos preços deriva dos preços do mercado à vista. No entanto, o mercado voluntário de RCE s já é negociado na Chicago Climate Exchange (CCX) e também no Brasil na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (BVRJ) e na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), como commodities, o que passaria a caracterizar as RCE s como verdadeiros derivativos, tendo em vista que a formação de seu preço passaria a derivar dos preços do mercado à vista. Em relação à classificação dos mercados de RCE s como sendo valores mobiliários, o artigo 2º da Lei nº /1976 com redação dada pela Lei nº , de [14], traz um rol taxativo de quais são os valores mobiliários no Brasil. Não há, no entanto, qualquer menção aos mercados de RCE s. Existe no Congresso um movimento que visa regulamentar os créditos de carbono a partir de três Projetos de Lei de autoria dos deputados Eduardo Gomes (PSDB-TO) e Zequinha Marinho (PMDB-PA) - PL 493/07; PL 494/07 e PL 1.657/07 apensados ao PL 493/07 que deverão ser analisados, sequencialmente, pelas Comissões da Câmara dos Deputados: Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Finanças e Tributação e Constituição e Justiça e de Cidadania. Visam isentar o lucro decorrente das cessões de RCE s do lucro tributável dos PIS/COFINS, IRPJ e CSLL e reconhecer a natureza jurídica de valor mobiliário para efeito de regulação, fiscalização e sanção por parte da Comissão de Valores Mobiliários - CVM, sujeitando-se, portanto, ao regime da Lei supra mencionada. Portanto, os projetos mencionados objetivam a isenção dos impostos mencionados acima, por outro lado, destacam indiretamente como tributos possivelmente incidentes nas receitas decorrentes da alienação de RCE s o PIS/CONFINS, IRPJ e CSLL. Sobre a possível incidência dessas espécies tributárias nas cessões de RCE s por uma entidade brasileira a uma entidade estrangeira, Natrille de Almeida[15] (2005) afirma: Imposto de Renda da Pessoa Jurídica IRPJ e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido CSLL: o valor decorrente da comercialização dos Certificados de Emissão Reduzida deverá ser registrado contabilmente como receita e, desta forma, afetará o lucro contábil, e conseqüentemente as bases de cálculo do IRPJ e da CSLL da empresa que atuar neste mercado. Contribuição para o Programa de Integração Social - PIS e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS: as operações que envolverem a 2576

10 exportação de Créditos de Carbono estarão protegidas da incidência dos PIS e da COFINS por força da imunidade, encontrada no artigo 149, parágrafo 2º, inciso I da Constituição Federal. Imposto sobre Operações Financeiras: há a possibilidade de incidência do IOF sobre o valor da cessão dos Créditos de Carbono, caso esses títulos venham a ser reconhecidos como ativos financeiros (derivativos), e conseqüentemente como títulos ou valores mobiliários. Imposto sobre Serviços ISS: as receitas decorrentes da comercialização de Créditos de Carbono não deverão sofrer a incidência do ISS, tendo em vista que, ao contrário do que se repete incansavelmente na doutrina econômica, a cessão de direitos não se confunde com a prestação de serviços. Vale lembrar que a argumentação da Ciência da Economia não pode invadir a esfera jurídica, da Ciência do Direito. Dessa forma, entendemos que as RCES possuem natureza jurídica distinta tanto com relação as commodities, quanto dos títulos e dos valores mobiliários, por não possuírem nenhuma característica compatível com estas, sendo um certificado com natureza anômala. Só podemos enquadrá-las dentro da classificação de bens incorpóreos/intangíveis, até o presente momento. É de suma importância que as RCES tenham natureza jurídica não anômala, dentro do cenário nacional, para que as regulamentações sejam corretas, dando segurança jurídica no mercado de carbono, e até mesmo para os que estão querendo aderir ao mercado de redução de emissão de gás carbônico. Mister se faz que o legislador pátrio enfrente esta barreira e qualifique com exatidão a natureza jurídica das RCES, sob pena de começarmos um negócio jurídico sem segurança e sem técnica. Em entendimento recente a Comissão de Valores Mobiliários manifestou sobre a possibilidade de aquisição de créditos de carbono por fundos de investimentos, bem como as formas de financiamento de projetos de mecanismo de desenvolvimento limpo por meio do mercado de valores mobiliários. De acordo com a CVM, os referidos créditos não devem ser reconhecidos como derivativos ou titulo de investimento coletivo, pois seria inconveniente caracterizá-los como valores imobiliários por meio de edição de lei, tendo em vista a forma de emissão desses instrumentos, desta feita, não seriam valores mobiliários e sim, ativos. Por outro lado, cumpre ressaltar que, caso sejam caracterizados como valores mobiliários, os RCE s representariam bens tangíveis, o que conferiria aos RCE s uma maior circulabilidade, fazendo-se necessário o estabelecimento de nomenclatura específica, em especial para fins de negociação. Caso os referidos títulos venham eventualmente a ser caracterizados como valores mobiliários, sujeitos, portanto, à regulamentação e fiscalização por parte da CVM, os riscos relacionados à lavagem de dinheiro e atividades ilegais nessa área poderiam ser mitigados, especialmente na medida em que se estabeleçam regras voltadas à ampla, transparente e adequada divulgação de informações sobre a oferta de RCE s, os RCE s ofertados, a empresa emissora e demais participante do projeto de MDL em questão. No que concerne à tributação, caso se entenda que os RCE s se constituem como valor mobiliário, qualquer pretensão de se tributar operações relacionadas por meio de impostos específicos como o ICMS e o ISS seriam claramente ilegais e 2577

11 inconstitucionais, sendo cabível apenas a eventual tributação pelos resultados financeiros positivos oriundos da negociação dos RCE s. Em síntese, embora haja projeto de lei optando pela definição da natureza jurídica dos créditos de carbono como valores mobiliários ou pareceres da Comissão de Valores Mobiliários, essa classificação também é alvo de críticas vis-à-vis especialmente a legislação vigente aplicável ao tema, dado que os RCE s não poderiam ser enquadrados como nenhuma das espécies de valores mobiliários previstas no artigo 2º da Lei nº /76. No entanto, diante das incertezas sobre o tema e da possibilidade de incidência tributária, analisarei a seguir cada espécie dos possíveis tributos que hipoteticamente poderão incidir nas cessões de RCE s. 2. A INDEFINIÇÃO DOS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS NO MERCADO DE RCE s E AS QUESTÕES DAS POLÍTICAS PÚBLICAS INTERNAS Recentemente e pela primeira vez a Superintendência da Receita Federal do Brasil da 9 Região Fiscal que engloba Paraná e Santa Catarina processo consulta n. 59/2008 (DOU DE ) manifestou-se sobre a tributação de créditos de carbono no país, gerados a partir do desenvolvimento de projetos que, de alguma forma, contribuam para a mitigação da emissão de gases responsáveis pelo efeito estufa - Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL). Pela comercialização destes créditos, atestados pela Redução Certificada de Emissão (RCE), nascem às discussões sobre sua tributação, até hoje sem regulamentação no Brasil. Apesar do esclarecimento da Receita Federal resultar de uma solução de consulta - e, portanto, valer apenas para a empresa que formulou o questionamento -, o entendimento do fisco é uma referência, ainda que mínima, sobre a venda das RCEs pelas empresas brasileiras. No caso específico, a Receita Federal entendeu que a empresa sob consulta não deve pagar PIS/COFINS na comercialização do certificado por tratar-se da cessão de direito para o exterior nos termos do artigo 14[16], inciso III e 1, da MP /2001. Entretanto, esta sujeita, para fins de apuração do IRPJ, ao percentual de presunção do lucro presumido previsto na letra c, do inciso III e 1, do artigo 15[17] (Lei n /1995). A empresa que realizou a consulta opta pelo lucro presumido, ou seja, com faturamento de até R$ 48 milhões, e sendo a RCE classificada como cessão de direito ou serviço, o percentual de imposto de renda a ser recolhido será de 4,8% para um faturamento de até R$ 62,5 mil e de 8% sobre o valor que exceder a este montante. Indiretamente a Receita esclareceu que o RCE s seria um serviço, e não uma commodity. Para as pessoas jurídicas tributadas na modalidade do lucro presumido a Consulta n. 59, de 10 de março de 2008, relatou que receita relativa à cessão para o exterior de direitos relativos a créditos de carbono (Protocolo de Quioto) está sujeita ao percentual de 2578

12 presunção de 32% para fins de apuração da base de cálculo do imposto de renda da pessoa jurídica (IRPJ). Em que pese posicionamentos divergentes, entendemos que a RCE não pode ser tributada pelo ISS, por não existir previsão na Lei Complementar nº. 116, de 2003, que regulamenta a tributação dos serviços. Além disto, o certificado não é uma obrigação de fazer, como mencionado anteriormente, característica necessária para a cobrança do imposto municipal. Isto posto, a referida resposta a consulta denota uma visão, em nosso entender, equivocada das autoridades fiscais acerca da natureza jurídica dos certificados de emissão reduzida, caracterizando-os como uma espécie de serviço que comporia a receita bruta das pessoas jurídicas tributadas pelo método do lucro presumido, o que, conforme aludimos anteriormente, não se coaduna com o regramento aplicável a tais direitos. Em razão das incertezas em relação à questão fiscal, algumas empresas brasileiras que têm RCEs para comercializar têm optado por tratar o mercado de RCE s de maneira conservadora e os classificado como "outras receitas". Desse modo, a solução da consulta não trouxe grandes novidades, vez que muitas empresas consideram o RCE s como cessão de direito não se confundindo com a prestação de serviços. Como mencionado anteriormente, o Protocolo de Kyoto na qualidade de norma internacional não restringiu a liberdade de tributar dos estados signatários da Convenção no que concerne à negociação de RCE s, gerados ou adquiridos pelos residentes de cada um dos países signatários, bem como, silenciou acerca da competência tributária impositiva dos estados que o aderiram. Na verdade, o que existe até o presente momento são dois tributos internacionais incidentes no MDL pelo Protocolo de Kyoto[18], através do artigo 12, inciso 8 com finalidades distintas e destinação específica, senão vejamos: A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve assegurar que uma fração dos fundos advindos de atividades de projetos certificadas seja utilizada para cobrir despesas administrativas, assim como assistir às Partes países em desenvolvimento que sejam particularmente vulneráveis aos efeitos adversos da mudança do clima para fazer face aos custos de adaptação. Dessa forma, uma convenção para evitar a dupla tributação da renda é uma norma de repartição de competências tributárias. Ao celebrá-la, um estado abre mão de parte de sua soberania em favor de outro estado contratante de forma a evitar a dupla tributação dos rendimentos tratados pela convenção, (PASSOS DE SOUZA, 2005, p. 54). Além disso, no Brasil, são as normas de direito interno que fornecerão o arcabouço normativo apto a definir as incidências tributárias sobre as negociações dos certificados 2579

13 de emissão reduzida nos mercados voluntários e que está intimamente ligado à tributação da renda gerada a partir destas operações. Nesse raciocínio é importante no âmbito nacional definir o conceito de renda e como ela é tratada em nosso sistema jurídico para fins de incidência do imposto sobre a renda. O conceito de renda no direito brasileiro tem sede constitucional e se ramifica pela legislação complementar e pela legislação de regência do imposto sobre a renda. O inciso III do artigo 153 da Constituição Federal dispõe como elemento material que Compete à União instituir impostos sobre a renda e proventos de qualquer natureza. O 2º do mesmo artigo dispõe que O imposto previsto no inciso III será informado pelos critérios da generalidade, da universalidade e da progressividade, na forma da lei. O Código Tributário Nacional, por sua vez, dispõe, em seu artigo 43 e incisos I e II que: O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica de renda, assim entendido o produto do capital, do trabalho ou da combinação de ambos; e de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos patrimoniais não compreendidos no inciso anterior. Assim, a base de cálculo na apuração do lucro real é encontrada após o levantamento do lucro contábil (receitas despesas), devidamente ajustado com as adições e exclusões permitidas pela legislação fiscal vigente. No caso específico, se tivéssemos o condão de isolar a operação em estudo, cessão de créditos de carbono ao exterior, o lucro real seria o produto obtido na alienação, descontado os custos e despesas de implementação do projeto de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), meio pelo qual serão emitidas e certificadas as RCE s. Adotada a sistemática do Lucro Presumido para a apuração do imposto de renda, assim como define a nomenclatura, a mensuração da base de cálculo é encontrada devido à presunção do lucro de acordo com percentuais definidos na legislação fiscal. Em relação à transferência dos créditos de carbono, sob o valor do contrato de cessão de direitos, este percentual é de 32% (trinta e dois por cento) como aludido anteriormente. Por imposição legal, a determinação do aspecto quantitativo base de cálculo da contribuição Social sobre o lucro líquido está vinculada com a opção adotada para a apuração do imposto de renda. Entretanto, a cobrança desse tributo por ser derivada de receita oriunda do exterior, aplica-se a este caso a imunidade prevista no inciso I, art. 149, 2 da Constituição Federal/88. Todavia, a Receita Federal do Brasil, responsável pelo gerenciamento da arrecadação e cobrança da CSLL não compartilha do mesmo entendimento e, já externou sua posição de que a imunidade do art da CF/88 não se aplica a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Ainda existem polêmicas sobre a tributação pelo Fisco do IRPJ e da CSLL nas transações do mercado de RCE s no país por violar as diretrizes e princípios do Protocolo de Kyoto que foram ratificados pelo Brasil e pelo STF. Alguns doutrinadores 2580

14 alegam que não caberia ao Fisco juízo de valor acerca da questão, tanto em razão do seu caráter supranacional, quanto pela inexistência de uma norma explícita prevendo esta isenção no tratado. É importante lembrar, no entanto, que, do ponto de vista técnico-jurídico, o entendimento da Receita Federal não é inoportuno, já que não cabe ao órgão governamental observar os princípios e diretrizes gerais do Protocolo de Kyoto, mas tão-somente as normas de caráter específico, o que parece não ser o caso dos princípios esculpidos no documento. Entretanto, existem outras questões que merecem considerações, sendo que algumas são análises e reflexões exclusivamente dos autores que atentam para a necessidade do país criar e desenvolver novos modais para as questões que envolvem mudanças climáticas, bem como implementar mecanismos regulatórios efetivos, sejam públicos ou privados, para a mitigação do aquecimento global e das mudanças climáticas, assim vejamos: 3.1 O intuito das iniciativas internacionais e nacionais referentes à mitigação do aquecimento global e das mudanças climáticas: As iniciativas referentes á mitigação do aquecimento global, jamais foram no âmbito das discussões na Convenção sobre mudanças climáticas e no Protocolo de Kyoto tendentes a constituir natureza arrecadatória para quem investissem em projetos de melhoria do clima. Ab initio, foram elaboradas de modo a atender e dinamizar a proteção ambiental com o escopo de garantir melhorias de vida humana no planeta e o maior balanceamento da exploração dos recursos naturais. O que nos parece é que, a intenção precípua dos organismos multilaterais, é fomentar o desenvolvimento com sustentabilidade, estabilizar a concentração de GEE s na atmosfera, sem onerar através de uma tributação arrecadatória a quem se propõe a desenvolver projetos de MDL ou outros, vez que de certa maneira já são tributados no âmbito internacional (um percentual do seu valor para a ONU e outro para o fundo de adaptação do Protocolo). Dessa forma, dentre os princípios e diretrizes do Protocolo estão: (i) o compromisso dos países desenvolvidos em prover recursos para a implementação dos projetos de redução de emissões nos países em desenvolvimento, (ii) a promoção e o financiamento para o acesso a tecnologias ambientalmente seguras, (iii) um ambiente propício no setor privado visando à transferência de tecnologia e, por fim, (iv) a divisão adequada do ônus de implementação destes projetos entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento. Hipoteticamente, se um país desenvolvesse atividades de projetos de MDL e, simplesmente aplicasse o seu regime tributário tradicional às receitas decorrentes da cessão de RCEs, estar-se-ia diante de uma política arrecadatória que confrontaria até 2581

15 mesmo com os compromissos que esta Parte assumiu perante a Convenção e o Protocolo, pois não seria incentivado o investimento de recursos financeiros nacionais e internacionais em atividades de projeto de MDL hospedados no país. Entretanto alguns questionamentos devem ser analisados no contexto do presente estudo: O mecanismo de desenvolvimento limpo MDL pode ser considerado uma política pública ou seria mais um mecanismo de mercado? Sendo o MDL um instrumento considerado multilateral, seria possível enquadra-lo como política pública interna? Antes de responder essas questões é importante ressaltar que sempre houve na história, principalmente do pensamento econômico, autores como David Ricardo, Malthus, Karl Marx, que de certa maneira inter relacionaram economia e meio ambiente. Karl Marx, por exemplo, nos deixou como principal legado a concepção de que o capitalismo transforma tudo em mercadoria, sintetizada na idéia de subsunção da natureza ao capital. No entanto, os grandes problemas ambientais não decorrem de sua transformação em mercadorias, como também não é exclusividade das sociedades capitalistas. Para a maior parte dos problemas ambientais, apenas atualmente, se buscam mecanismos, ditos financeiros ou similares à organização de mercado, como é o caso dos mercados que vulgarmente denominam-se de mercados de carbono. Tal assertiva denota que a equação de um desenvolvimento econômico-social e ambiental qualitativamente melhor às experiências contemporâneas requer posturas e buscas de soluções diferentes e mais complexas que as até agora formuladas. Analisamos que, muito embora os projetos de MDL sejam na maioria realizados pelo setor privado e comercializados via mecanismo de mercado podem ser considerados como mecanismos de políticas públicas, pois a participação do governo é necessária para criar condições de viabilidade e competitividade propiciando a diminuição da burocracia e a constituição de políticas claras para a promoção do desenvolvimento sustentável com a convergência nos âmbitos socioeconômicos, ambiental, políticocultural e geográfico-espacial. Mercado e políticas públicas devem estar integrados como forma de melhoria no manejamento ambiental, além de que essa integração propiciará benefícios, como a criação de mecanismos legais para a redução de subsídios de atividades que degradem o meio ambiente, por ganhos fiscais através da tributação de usuários pelos impostos ambientais e pela criação de serviços e compensações ambientais. Necessário também, além da convergência mercado/políticas públicas, a participação democrática da sociedade e mudanças sociais no padrão de consumo para maior efetividade nas políticas de desenvolvimento sustentável. 2582

16 Entretanto, é necessário atentar que o Brasil ainda é incipiente no tocante as áreas que deveriam ter investimentos de melhoria como infraestrutura, educação, inovação, patentes, ciência & tecnologia e recursos naturais. Apenas para ilustrar mencionamos como exemplo o caso da Lei /05 que dispõe sobre a introdução do biodiesel na matriz energética brasileira, que muito embora, seja quase consenso nacional a importância de incentivos nessa área, não houve adequação legal nos seus aspectos tecnológicos. Além de que, nesta mesma lei, foi vetada a criação de fontes de financiamento para programa de produção de biodiesel e, recentemente em 2009, mais o governo vetou a decisão de ressarcir as contribuições para o PIS/Pasep e COFINS incidentes sobre o valor de matérias-primas compradas da agricultura familiar ou cooperado pessoa física. A efetivação e o compromisso das políticas públicas no Brasil remetem a uma estrofe da canção de Caetano Veloso que diz Alguma coisa esta fora de ordem, fora da nova ordem mundial. Porque não emplacam ou não são efetivamente eficazes e abrangentes? Atualmente, uma das grandes celeumas fica em torno do novo Código Florestal, por um lado, os produtores rurais que argumentam que para crescer o país tem que flexibilizar as leis ambientais, por outro lado, os ambientalistas que contestam o capitalismo exacerbado em detrimento dos impactos negativos ao meio ambiente. Seria cômico, se não fosse trágico a postura do governo que nos idos anos de 1960 a 1980 instituiu políticas públicas, com incentivos e financiamentos de programas[19] aos produtores que cultivassem no cerrado, várzeas e outras áreas, hoje consideradas de preservação permanente, isto é, outrora áreas legalmente incorporadas ao processo produtivo e com incentivo do próprio governo terão que ser pela atual legislação ambiental, recuperada pelos produtores que se beneficiaram da proposta governamental a época. Que país é esse? Não seria um caso de violação por parte do governo de um dos preceitos basilares constitucionais o - direito adquirido? Ademais, a lei somente retroagirá se for para beneficiar, segundo o princípio da irretroatividade legal. É necessário que o governo e a sociedade revisitem a política nacional sob o prisma de desenvolvimento sustentável em sua integralidade. E, desta forma, outras questões se impõem: Será que qualificar de falácia o termo desenvolvimento sustentável não seria rotulante e excludente? Como o governo enquanto sociedade lida com essas percepções e visões de sustentabilidade diferentes, porém convergentes? Quando referimos em desenvolvimento sustentável, não analisamos somente como conceito ambíguo e vago, criado á época do relatório da Comissão Brundtland que o aliava a dimensões econômicas, sociais e ambientais. É imprescindível que o conceito de desenvolvimento sustentável, além dessas três concepções, incorpore também as dimensões político-cultural e geográfico- espacial. Significando que no âmbito da sustentabilidade econômica é necessária política sólida de desenvolvimento, com a ampliação dos bens e serviços produzidos pela sociedade para a população que cresce e sofistica suas necessidades; 2583

17 Na dimensão social é necessária política distributiva e eqüitativa dessa produção ampliada e o acesso social à riqueza material produzida; Na ambiental são necessárias políticas que se volte a buscar o desenvolvimento econômico em harmonia com o meio ambiente natural, entendido não apenas como fonte de recursos naturais enquanto insumos, mas principalmente como patrimônio natural, ou seja, algo cujo valor deve não apenas ser mantido, mas, se possível, melhorado. Aliás, essa última dimensão cria importante espaço para reflexões e ações, não apenas com o intuito de mitigação dos impactos ambientais das atividades humanas, mas também o resgate de passivos ambientais como a recuperação da qualidade do ar, de mananciais hídricos, de fauna e flora degradadas, enfim, o cuidado e o uso da natureza como fonte de qualidade de vida. Na dimensão geográfico-espacial são necessárias políticas visando a percepção e o desafio de harmonização na distribuição espacial das atividades humanas, produtivas ou não, as quais impactam de forma decisiva a sustentabilidade do desenvolvimento. E por fim, na dimensão político-cultural, a participação democrática nas decisões de produção e acesso à riqueza material produzida, em um contexto de respeito à diversidade étnico-cultural existente na sociedade. Esse parece constituir-se no segundo principal desafio para a generalização da sustentabilidade do desenvolvimento e complemento fundamental dos princípios da nova ética do desenvolvimento. Assim, avança-se para uma percepção da natureza enquanto patrimônio. O mais importante a ressaltar quanto a essa dimensão é o fundamental desafio de generalização desse valor basilar de toda a concepção contemporânea de desenvolvimento sustentável. E o que essa assertiva significa? Significa que precisamos de uma drástica mudança cultural de nossa sociedade antropocêntrica, avalizada para utilizar toda e qualquer forma à natureza enquanto estoque de recursos, para outra concepção diametralmente oposta na qual o ser humano, em todas as suas dimensões, é apenas mais um elemento integrante da natureza e que em sua preservação e melhoria residem às bases de nossa qualidade de vida. Utopia? Creio que não. Basta aliar vontade política e participação democrática da sociedade nas questões relevantes do país, e a hora, é agora, além de que, não pode existir um esforço de investigação política íntegro sem uma pitada de utopia[20]. 3.2 A conveniência da aplicação da incidência ou isenção de natureza tributária arrecadatória para o Brasil nos mercados de RCE s: A conveniência em se aplicar a incidência ou isenção tributária aos mercados de RCE s se demonstra tormentosa no direito pátrio, vez que surge várias questões que necessitam ser aclaradas além de que não existem leis específicas visando à concessão de isenção 2584

18 de tributos a esse mercado voluntário, bem como é imperativa a obediência do governo as normas de finanças públicas e de responsabilidade na gestão fiscal, em cumprimento ao artigo 163, inciso I da Constituição Federal. Qualquer subsídio ou isenção, redução de base de cálculo, concessão de crédito presumido, anistia ou remissão, relativos a impostos, taxas ou contribuições, só poderá ser concedido mediante lei específica, federal, estadual ou municipal, que regule exclusivamente as matérias acima enumeradas ou o correspondente tributo ou contribuição é o que preceitua o artigo 150, parágrafo 6 da Constituição Federal e em perfeita sintonia no que depreende dos artigos do Código Tributário Nacional no que tange as isenções e a forma de aplicá-las. Nesse raciocínio, mesmo a Lei de responsabilidade fiscal[21] em seu artigo 14 não faz qualquer menção quanto à proibição da renúncia de receita, apenas estabelecendo exigências e parâmetros para tal ação, além de que somente se aplicará ao que a doutrina nomeia aos incentivos onerosos que causam uma redução de receita esperada previamente prevista no orçamento. O objeto em questão, ou seja, as cessões nos mercados de RCE s, não impactarão negativamente o orçamento, pois não representarão qualquer redução de receita programada, mas na verdade impactarão positivamente o orçamento público ao reduzir os custos futuros de adaptação do Brasil aos efeitos adversos das mudanças climáticas. Assim, o que se tem é um incentivo a custo zero, pois ao ser considerado um mercado futuro, as receitas decorrentes da cessão de RCEs advirão nos anos vindouros, em decorrência de mercado em eminente crescimento, configurando-se como receitas novas. Neste sentido, comungamos com as reflexões de Kerkalian, (2003, p. 15) em que as cessões de direitos relativos à RCE de uma entidade nacional para uma entidade autorizada a participar do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo por um país desenvolvido ou uma economia em transição, bem como as operações relativas ao derivativo RCE - DRCE, deveriam ser isentas do Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos e Valores Mobiliários - IOF. Ademais, as receitas decorrentes das cessões onerosas da RCE e das operações relativas ao DRCE deveriam ficar isentas de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e de Pessoa Física, Imposto sobre Serviço, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, Contribuição para o Programa de Integração Social e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social. Assim, diante das questões analisadas no presente artigo, os autores propõem algumas premissas que tanto o Brasil quanto os outros países em desenvolvimento podem e devem investir:? Na geração de dados de inventariação sobre as mudanças climáticas em um contexto local, vez que o IPCC tem problemas em mapear algumas informações destes países e as alternativas seriam investimentos nas políticas públicas para a colaboração entre países do Sul cooperação Sul-Sul; 2585

19 ?Na infra-estrutura e no capital humano qualificado para desenvolver modelos específicos para cada região;?no crescimento das áreas de reflorestamento como forma de proteção da biodiversidade, geração de renda e empregos para a sociedade, como por exemplo, regulamentar e efetivar os PSA s pagamento por serviços ambientais, com financiamentos de fontes fixas via políticas distributivas ou redistributiva assegurando a sua efetividade nas transições governamentais, através de uma PEC Proposta de Emenda Constitucional.?Na adoção e incorporação nas políticas públicas de novos mecanismos jurídicos e de mercado para obrigar as empresas a adquirirem formas ambientalmente sustentáveis, como a obrigatoriedade de projetos de seqüestro de carbono na oportunidade do deferimento de licença ambiental;?na adoção (seguindo o modelo da União Européia) de custeamento das externalidades impondo aos fornecedores de combustíveis fósseis a inclusão dos custos ambientais;?na discussão e adoção de metas internas e externas de redução das emissões dos GEE s (Gases de efeito estufa) na oportunidade de criação do Plano Nacional de Mitigação das Mudanças Climáticas;?Na criação leis específicas que isentem de tributos todos os agentes que participarem da execução de projetos de MDL como forma de dinamizar o mercado interno e a preservação do meio ambiente;?na consecução de projetos de redução de carbono dinamizando e financiando os projetos viáveis nos setores de maior relevância para esses problemas; como nos casos dos setores de transportes e dos aterros sanitários;?na criação de políticas públicas para o desenvolvimento e aplicação de tecnologias de baixo teor de carbono aliadas com políticas de estímulo ao investimento e a transferência de tecnologias;?na incorporação efetiva do mecanismo de REDD (Reduce imissions for deforestation and degradation) no novo pacto climático pós-kyoto[22]- 2012; bem como a inclusão de medidas práticas de ajuda humanitária para os impactos decorrentes do aquecimento global e degradação do meio ambiente.?na implantação mecanismos mais eficientes de monitoramento e previsão climática através de um banco de dados do clima;?na concessão de direitos de propriedade de florestas para os índios e as comunidades rurais com o objetivo de interromper o deslocamento interno das comunidades indígenas.?na priorização de incentivos, tais como ações para aumentar o valor econômico da floresta em pé, e instrumentos econômicos, como o aumento do perfil ambiental das 2586

20 fontes de financiamento, como partes integrais da estratégia de gestão ambiental do governo. CONSIDERAÇÕES FINAIS Iniciamos nossas considerações atentando para o problema da crise econômica e financeira global, porque tem potencial de afetar negativamente os esforços dirigidos ao enfrentamento das mitigações das mudanças climáticas, como por exemplo, o estreitamento do horizonte temporal dos formuladores de políticas públicas que poderia redirecionar o padrão de desenvolvimento para atividades mais intensivas de carbono. Além disso, tanto a crise global, quanto os riscos premidos pelo aquecimento climático produzem tensões, dilemas e, por vezes inaptidão de determinados países em lidar com as duas questões concomitantemente. Essas duas ameaças têm implicações profundas para a humanidade, entretanto, não se torna prudente permitir que as emergências de curto prazo, criadas pela crise financeira global desviem indevidamente a atenção aos riscos e perigos associados, ao longo prazo, á mudanças climáticas. É notório que a política macroeconômica de curto prazo em tempos de crise é frequentemente priorizada em detrimento as questões ambientais. Nos países em desenvolvimento essa situação se demonstra nitidamente, como é o caso de não se priorizar a conservação florestal e a proteção aos ecossistemas[23]. O desafio está lançado e necessitará de um consenso para a criação, identificação e implementação de tantas políticas públicas quantas forem viáveis com intuito de solucionar ambas as questões. Há necessidade de ação coordenada entre os países Norte e Sul aos desafios da mudança climática. A real eficácia para o enfrentamento das mitigações e das metas de estabilização de GEE s depende da criação de mecanismos que estabeleçam um preço uniforme para o mercado de carbono de forma a se constituir mais viável a sua realização, ou mesmo, a implantação de um imposto global respeitando o princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas. Salientamos que é importante à dinamização no âmbito nacional de políticas públicas que visem alavancar mecanismos para a incrementação da eficiência energética, como adiar a construção de novas usinas geradoras de eletricidade, aumentar a competitividade reduzindo os custos de produção, diminuir o consumo de combustíveis fósseis, a emissão de poluentes locais, implementar as atividades florestais, o transporte coletivo, uso de energias renováveis, manejamento agronômico e pecuário, entre outras. Além disso, existem outras áreas que as políticas públicas serão essenciais para a adaptação eficaz e eficiente. De acordo com o Relatório do Banco Mundial (LA TORRE, FAJNZYLBER, NASH, 2009, p.59-63) há necessidade de: 2587

Fundos de Investimento e Instrumentos Financeiros no Exterior

Fundos de Investimento e Instrumentos Financeiros no Exterior FLAVIO LEONI SIQUEIRA flavio@lsa.com.br HERMANO NOTAROBERTO BARBOSA hermano@lsa.com.br Projeto de Infraestrutura e Fortalecimento das Instituições do Mercado de Carbono Fundos de Investimento e Instrumentos

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO TRIBUTAÇÃO As informações apresentadas abaixo constituem um resumo das principais considerações fiscais da legislação brasileira que afetam o Fundo e seus investidores e não têm o propósito de ser uma

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Ambiente Jurídico para PSA em Pernambuco KLAUS MACIEL Recife, 2010 Contextualização Global Política Nacional de Biodiversidade (Decreto n 4339/2002) Política

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzinifreire.com.br Mercado de Carbono no Brasil

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

RECEITAS E SUBVENÇÕES

RECEITAS E SUBVENÇÕES III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF RECEITAS E SUBVENÇÕES CONCEITOS ANTES E DEPOIS DA LEI 12973 RICARDO MARIZ DE OLIVEIRA RECEITAS E INGRESSOS NEM TODO INGRESSO É

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS Kiyoshi Harada SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Requisitos para Concessão de Incentivos Tributários. 3 Diversas Modalidades de

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 Pela importância da matéria, tomamos a liberdade de lhe enviar o presente boletim extraordinário (maio de 2015). 1. INTRODUÇÃO O STJ

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

Art. 3º A informação a que se refere o art. 2º compreenderá os seguintes tributos, quando influírem na formação dos preços de venda:

Art. 3º A informação a que se refere o art. 2º compreenderá os seguintes tributos, quando influírem na formação dos preços de venda: DECRETO Nº 8.264, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.741, de 8 de dezembro de 2012, que dispõe sobre as medidas de esclarecimento ao consumidor quanto à carga tributária incidente sobre mercadorias

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br o palrimôniode afetação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP) PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP) Estabelece o direito ao reembolso dos gastos efetuados por pessoas jurídicas para cumprimento de obrigações acessórias instituídas pela Secretaria

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

PIS/Cofins e bonificações nas compras

PIS/Cofins e bonificações nas compras PIS/Cofins e bonificações nas compras José Antonio Minatel Mestre e doutor PUC/SP PIS/COFINS Base de Cálculo PIS-COFINS (regime cumulativo ) Lei nº 9.718/98 NR Lei nº 12.973/2014 Art. 3º O faturamento

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Protocolo de Quioto à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Diminuição da emissão de gases de efeito estufa

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 4ª PARTE CARACTERÍSTICAS CONSTITUCIONAIS DOS IMPOSTOS Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com DOS IMPOSTOS DA UNIÃO Art. 153. Compete

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados DOING BUSINESS IN BRAZIL 19 DE JUNHO Lisboa RFF & Associados Preto Advogados Raquel Elita Alves Preto - Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), com especialização

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Page 1 Da base de tributação Page 2 Alteração do art. 3º da Lei nº 9.718/98 Art. 52 A Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, passa a vigorar com as seguintes

Leia mais

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC artigo POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC Mariana Moreira * Kleyton Rogério Machado Araújo ** A Lei federal 13.019/2014, ou Marco Regulatório das Organizações Sociais (MROSC),

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 182 Conteúdo - Atos publicados em Maio de 2015 Divulgação em Junho/2015

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 182 Conteúdo - Atos publicados em Maio de 2015 Divulgação em Junho/2015 www.pwc.com.br Clipping Legis CSLL - Instituições financeiras - Majoração de alíquota - MP nº 675/2015 Receitas financeiras - Alíquota zero de PIS/ COFINS para as variações monetárias e hedge - Alteração

Leia mais

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PROFISSIONAL Ponto 1 A instituição financeira A. A., sediada no município de São Paulo, foi surpreendida com o aumento de 9% para 15% da alíquota da contribuição social sobre o

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

Pronunciamento CPC 30 Receitas: reconhecimento para fins fiscais e demais aspectos ao IRPJ, CSLL, PIS e COFINS.

Pronunciamento CPC 30 Receitas: reconhecimento para fins fiscais e demais aspectos ao IRPJ, CSLL, PIS e COFINS. Pronunciamento CPC 30 Receitas: reconhecimento para fins fiscais e demais aspectos ao IRPJ, CSLL, PIS e COFINS. Índice 1. Normas Contábeis e Normas de Tributação Dois Corpos Distintos de Linguagem e de

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 TRIBUTOS FEDERAIS EXPORTAÇÃO INDIRETA - CONSIDERAÇÕES BÁSICAS... ICMS - MS/MT/RO ENTREGA FUTURA - PROCEDIMENTOS... LEGISLAÇÃO

Leia mais

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO:

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: O PIS e a COFINS são contribuições sociais, cujo fato gerador é a obtenção de faturamento pela pessoa jurídica.

Leia mais

CONCEITO DE RECEITA E A SUA PIS COFINS

CONCEITO DE RECEITA E A SUA PIS COFINS CONCEITO DE RECEITA E A SUA INFLUÊNCIA NA BASE DE CÁLCULO PIS COFINS Profa. Dra. Mary Elbe Queiroz www.queirozadv.com.br LEI FISCAL DIVÓRCIO CONTABILIDADE LEI 11.638/2007 Nova contabilidade IFRS LEI 11.941/2009

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL JANEO 2013 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL MEDIDA PROVISÓRIA 601/2012: BENEFÍCIOS FISCAIS DE FIDCS DE PROJETOS DE INVESTIMENTO (INCLUSIVE INFRAESTRUTURA) A. Introdução 1. A fim de aprimorar os

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Viabilidade da Tributação Verde Lucilene Prado Existe no sistema jurídico brasileiro fundamentos para uma tributação que induza a comportamentos e atividades empresariais

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 22, de 2011, do Senador Lindbergh Farias, que autoriza a União a conceder isenção fiscal,

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA Agosto de 2007 Tópicos da Apresentação Questões tributárias já decididas pelo Judiciário Questões tributárias pendentes de apreciação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO EM SOCIEDADES DE PROPÓSITO ESPECÍFICO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA VENDA DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS

Leia mais

A BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS DAS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE

A BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS DAS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE A BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS DAS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE O objetivo do presente material é contribuir com as operadoras de planos de saúde no que tange à aplicação das alterações introduzidas

Leia mais

PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello

PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello No dia 30 de novembro de 2009 foi publicado no Diário Oficial

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 23 DEZEMBRO / 99 DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Ementa: As sociedades seguradoras estão obrigadas a incluir na apuração da base de cálculo mensal

Leia mais

(Do Sr. Guilherme Campos) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Guilherme Campos) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2007 (Do Sr. Guilherme Campos) Institui incentivos fiscais para a aquisição de bens e prestação de serviços necessários para a utilização de energia solar, eólica ou outras formas

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) Fonte: elaboração própria abril de 2013 EMENTA: CONTEXTO LEGISLATIVO. OS PRINCIPAIS SETORES. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SUBSTITUÍDAS. CRITÉRIO

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

João Francisco Bianco jfb@marizsiqueira.com.br 05.06.2013

João Francisco Bianco jfb@marizsiqueira.com.br 05.06.2013 João Francisco Bianco jfb@marizsiqueira.com.br 05.06.2013 Importação de Serviço Contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público incidente na Importação

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia - MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 33/COGEN/SEAE/MF Brasília, 14 de outubro de 2011. Assunto: Audiência

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 01452-002 SP ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br I) INTRODUÇÃO Para a compreensão do Sistema Tributário Nacional, é preciso recorrer à Constituição

Leia mais

PIS e COFINS Receitas, Insumos e Outros Créditos. Paulo Ayres Barreto Professor Associado USP

PIS e COFINS Receitas, Insumos e Outros Créditos. Paulo Ayres Barreto Professor Associado USP PIS e COFINS Receitas, Insumos e Outros Créditos Paulo Ayres Barreto Professor Associado USP TRIBUTAÇÃO SOBRE A RECEITA Tendência preocupante Problemas decorrentes da adoção do signo receita em relação

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais