Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior"

Transcrição

1 Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Apresentação do novo sistema de reporte de informação Março 2013 Esquema da Apresentação Área de Empresa Comunicação de Operações e posições com o exterior Casos práticos Banco de / Departamento de Estatística março de

2 Área de Empresa Banco de / Departamento de Estatística março de Área de Empresa Área de empresa como meio privilegiado de comunicação Banco de / Departamento de Estatística março de

3 Área de Empresa Serviços de Consulta Vocacionados para disponibilizar informação para as empresas que auxilie a tomada de decisão ao nível empresarial Banco de / Departamento de Estatística março de Área de Empresa Serviços de Consulta Vocacionados para disponibilizar informação para as empresas que auxilie a tomada de decisão ao nível empresarial Central de Responsabilida ades de Crédito Banco de / Departamento de Estatística março de

4 Área de Empresa Serviços de Consulta Vocacionados para disponibilizar informação para as empresas que auxilie a tomada de decisão ao nível empresarial Qua adro da empresa e do setor Banco de / Departamento de Estatística março de Área de Empresa Serviços de Entrega Disponibilização de documentação e de ferramentas para apoio ao reporte de informação Diversas formas de comunicação entre o reportante e o Banco de Banco de / Departamento de Estatística março de

5 Novo sistema de reporte de informação estatística Empresas com operações com o exterior Bancos residentes SISTEMA ATUAL Reporte direto de todas as operações (Declarantes diretos) Reporte direto das operações de compensação e contas no estrangeiro Banco de / Departamento de Estatística março de Novo sistema de reporte de informação estatística Entidades com operações com o exterior Bancos residentes Classificação estatística das SISTEMA NOVO operações SISTEMA ATUAL Reporte direto de todas as operações (Declarantes diretos) Reporte direto das operações de compensação e contas no estrangeiro Banco de / Departamento de Estatística março de

6 Novo sistema de reporte de informação estatística Reportantes Bancos COL Comunicação de operações de liquidação Operações em nome de clientes (sem classificação estatística) COPE Comunicação de operações e posições face ao exterior Empresas Banco de / Departamento de Estatística março de Novo sistema de reporte de informação estatística Entidades abrangidas Todas as entidades que desenvolvam operações com o exterior, que totalizem um valor anual igual ou superior a 100 mil euros Reporte a efetuar em Abril de 2013 com o reporte da informação relativa a Março Banco de / Departamento de Estatística março de

7 Comunicação de Operações e posições com o exterior O QUE reportar? COMO pode reportar? QUANDO deve reportar? Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Princípios Gerais 1. Reporte na ótica da atividade individual da entidade reportante 2. Reporte de: Operações com entidades não residentes em (importações, exportações, prestação de serviços, aquisição de títulos, ), exceto as operações relacionadas com deslocações, estadas e transportes que constituam despesas auxiliares à atividade das entidades residentes Operações com entidades residentes que alterem o saldo da sua conta externa Posições (saldos) faceaentidades d não residentes em referentes a depósitos, empréstimos e créditos comerciais Banco de / Departamento de Estatística março de

8 Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Princípios Gerais 3. Data de referência: Operações, qualquer dia do mês, tendo por referência o momento em que ocorre (possibilidade de agregação de operações referentes a diferentes dias dentro do mesmo mês) Posições, último dia do mês 4. Registo: Operações, no momento do pagamento / recebimento à exceção das operações efetuadas em contas de compensação (tipo conta C) e/ou sem movimentação de conta (tipo conta X), cujo registo se reporta ao momento da sua contabilização (habitualmente coincide com o momento da faturação) Posições, quando são reconhecidas em balanço Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Código de identificação unívoca do registo Banco de / Departamento de Estatística março de

9 Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Data de referência da operação/posição Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Entrada / Saída / Posição Banco de / Departamento de Estatística março de

10 Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Código de classificação estatística da operação/posição Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar I conta interna E conta bancária externa O outra conta externa C conta de compensação X sem movimentação de conta Banco de / Departamento de Estatística março de

11 Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Identificação da entidade associada à conta interna movimentada Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Identificação do país onde se encontra domiciliada a conta externa Banco de / Departamento de Estatística março de

12 Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Divisa que se encontra expresso o montante da operação/posição Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Montante da operação/posição, expresso em unidades Banco de / Departamento de Estatística março de

13 Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Identificação do país de residência da entidade d de contraparte t Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Identificação do país de residência da entidade do ativo financeiro subjacente à operação Banco de / Departamento de Estatística março de

14 Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Identificação da entidade em nome da qual está a ser reportada a operação/posição Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Data de vencimento da posição Banco de / Departamento de Estatística março de

15 Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Identificação da entidade da contraparte/do ativo financeiro subjacente Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar Campo livre para introdução de informação adicional sobre a operação/posição Banco de / Departamento de Estatística março de

16 Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar CAMPOS OBRIGATÓRIOS Único campo a preencher caso se utilizem as COL (disponibilizadas na Aplicação de Recolha) Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar CAMPOS CONDICIONAIS A preencher se Tipo de Conta = I A preencher se Tipo de Conta = E ou O A preencher se Tipo de valor = P (empréstimos e depósitos com prazo definido) Banco de / Departamento de Estatística março de

17 Comunicação de operações e posições com o exterior O QUE reportar CAMPOS ESPECÍFICOS A preencher em situações específicas, como são exemplo operações financeiras entre entidades do mesmo grupo, imóveis, viagens e turismo e serviços de construção Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior COMO pode reportar: Canais de reporte COMO? Via Área de Empresa ou BPnet Na Área de Empresa, Registar o utilizador master (passos 2 e 3) Caso queira conceder acesso ao serviço COPE a terceiros o utilizador master deve subscrever o serviço para esses utilizadores (passo 4) Pré-requisito: garantir que esse(s) utilizador(es) existam no Portal das Finanças Registar os novos utilizadores (passo 2) Banco de / Departamento de Estatística março de

18 Comunicação de operações e posições com o exterior COMO: Canais de reporte Representatividade na Área de Empresa Master Empresa 1 1º momento Utilizador x Uso de credenciais próprias Master Empresa 2 Master Empresa 3 Utilizador x TOC Master Empresa 4 Concessão de acesso ao serviço COPE Acesso ao serviço COPE para as empresas 1, 2, 3 e 4 Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior COMO pode reportar: Perfil do reportante A forma de reportar está associado ao Perfil do Reportante, definido a partir das seguintes variáveis: Número de operações com o exterior Baixo Elevado A Forma preferencial/disponível para o reporte Recurso à Aplicação de Recolha Criação de ficheiros B Banco de / Departamento de Estatística março de

19 Comunicação de operações e posições com o exterior COMO pode reportar: Opções de reporte A Inserção de registos diretamente na Aplicação de Recolha sem necessidade de desenvolvimento informático B Criação de ficheiro XML a partir dos sistemas de informação da empresa Alternativa: Utilização de um ficheiro Excel,,para criação de ficheiro XML (solicitar ficheiro junto do Banco de ) Nota: As empresas poderão adotar estratégias mistas em que reportem algumas operações utilizando a Aplicação de Recolha e, outras, utilizando um ficheiro XML. Banco de / Departamento de Estatística março de A Comunicação de operações e posições com o exterior COMO pode reportar: Processo de Reporte perfil A Área de Empresa 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP Aplicação de Recolha Transf. Fich. Banco de / Departamento de Estatística março de

20 Perfil A 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior COMO pode reportar: Resumo Aplicação de Recolha Funcionalidades globais Zona das COPE - registos efetuados pela empresa Zona das COL - registos a utilizar como apoio (opcional) Banco de / Departamento de Estatística março de

21 Perfil A 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP Opção 1: Utilização da COL para criação de COPE Banco de / Departamento de Estatística março de Perfil A 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP Ecrã da COPE parcialmente preenchido Pré-preenchido Banco de / Departamento de Estatística março de

22 Perfil A 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP Opção 2: Criar COPE de raiz Banco de / Departamento de Estatística março de Perfil A 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP Guardar a informação Banco de / Departamento de Estatística março de

23 Perfil A 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP Avaliar COPE Banco de / Departamento de Estatística março de Perfil A 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP COPE editada Banco de / Departamento de Estatística março de

24 Perfil A 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP Banco de / Departamento de Estatística março de Perfil A 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP Notificação por Banco de / Departamento de Estatística março de

25 Perfil A 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP Ficheiro de resposta automática disponível na Área de Empresa Banco de / Departamento de Estatística março de Perfil A 1. Criar COPE 2. Avaliar / retificar erros e alertas 3. Submeter informação 4. Consultar ficheiro de resposta do BdP Banco de / Departamento de Estatística março de

26 Comunicação de operações e posições com o exterior COMO pode reportar: Processo de Reporte perfil B B Área de Empresa 1. Criar ficheiro XML 2. Transferir informação para o BdP 3. Consultar ficheiro de resposta do BdP Sist. Inf. Empresa Transferência de Ficheiros Banco de / Departamento de Estatística março de Perfil B 1. Criar ficheiro XML 2. Transferir informação para o BdP 3. Consultar fich. resposta do BdP Criação de um ficheiro XML a partir dos sistemas de informação (contabilística, financeira, outra) da empresa, tendo em consideração um conjunto de requisitos a nível de: Nomenclatura Estrutura (schema do ficheiro) * Cada ficheiro apenas pode conter COPE de um período específico e para uma empresa. * Podem ser enviados tantos ficheiros por mês quanto desejado. Banco de / Departamento de Estatística março de

27 Comunicação de operações e posições com o exterior COMO pode reportar: Processo de Reporte Alternativa Excel Banco de / Departamento de Estatística março de Perfil B 1. Criar ficheiro XML 2. Transferir informação para o BdP 3. Consultar fich. resposta do BdP Banco de / Departamento de Estatística março de

28 Perfil B 1. Criar ficheiro XML 2. Transferir informação para o BdP 3. Consultar fich. resposta do BdP Banco de / Departamento de Estatística março de Perfil B 1. Criar ficheiro XML 2. Transferir informação para o BdP 3. Consultar fich. resposta do BdP Notificação por Banco de / Departamento de Estatística março de

29 Perfil B 1. Criar ficheiro XML 2. Transferir informação para o BdP 3. Consultar fich. resposta do BdP Banco de / Departamento de Estatística março de Comunicação de operações e posições com o exterior COMO pode reportar: Opções de reporte submeter Aplicação de Recolha importar Transferência de ficheiros XML EXCEL Banco de / Departamento de Estatística março de

30 Comunicação de operações e posições com o exterior QUANDO deve reportar QUANDO? Mensalmente: Bancos: ao 5º dia útil (COL) e ao 10º dia útil (COPE) Todos, à exceção de bancos: ao 15º dia útil (COPE) Início de reporte Todos, à exceção de bancos, com informação referente ao mês anterior Janeiro a abril de 2013 Fase de testes para quem não tenham iniciado o reporte no novo sistema As entidades que iniciem o reporte antes de abril, devem comunicar essa intenção ao Banco de, através do endereço Outubro de 2013 Bancos com informação referente a setembro de 2013 Banco de / Departamento de Estatística março de 2013 Casos práticos Banco de / Departamento de Estatística março de

31 Caso prático 1 Importação de mercadorias (p.p.) Empresário Pagamento c/ cartão de crédito Feira internacional Itália Variáveis Preenchimento Data da operação 2013/03/05 Tipo de valor S Classificação estatística A1010 Mercadorias Exportação e importação de mercadorias Aquisição de mercadorias para a empresa por um empresário português a um fornecedor italiano, paga com cartão de crédito pessoal. Data de aquisição: 2013/03/05 Valor: 3 mil Tipo de conta I Banco 1234 Banco ABC País da conta Divisa EUR Montante País da entidade de contraparte ITA País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente Data de vencimento Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de Caso prático 2 Exportação de mercadorias, recebimento a 60 dias Empresa Recebimento (60 dias) Empresa França Variáveis Preenchimento Data da operação 2013/07/31 Tipo de valor P Classificação estatística N1011 Mercadorias Exportação de mercadorias para um cliente francês: Data de faturação: 2013/07/01 Data de liquidação: 2013/08/30 (recebido na conta do banco residente) Valor: 200 mil JULHO CRÉDITOS COMERCIAIS Créditos comerciais concedidos a entidades s/ rel. de grupo Tipo de conta X Banco País da conta Divisa EUR Montante País da entidade de contraparte FRA País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente Data de vencimento Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de

32 Caso prático 2 Exportação de mercadorias, recebimento a 60 dias Empresa Recebimento (60 dias) Empresa França Variáveis Preenchimento Data da operação 2013/08/30 Tipo de valor E Classificação estatística A1010 Mercadorias Exportação de mercadorias para um cliente francês: Data de faturação: 2013/07/01 Data de liquidação: 2013/08/30 (recebido na conta do banco residente) Valor: 200 mil AGOSTO RECEBIMENTO Exportação e importação de mercadorias Tipo de conta I Banco 1234 Banco ABC País da conta Divisa EUR Montante País da entidade de contraparte FRA País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente Data de vencimento Contraparte Posição credora face ao cliente é saldada => não reporta COPE posição de créditos comerciais Banco de / Departamento de Estatística março de Caso prático 3 Importação de mercadorias, com pagamentos desfasados Adiantamento Empresa Pagamento na entrega Empresa Espanha Restantes campos preenchidos de acordo com as orientações anteriores Mercadorias Data Ago/2013 Set/2013 Out/2013 Nov/2013 Descrição Adiantamento Faturação Liquidação Valor 10 mil 100 mil 90 mil COPE Entrada/Saída Tipo valor: Saída CCE: Importação mercadorias M t t Tipo valor: Saída CCE: Importação mercadorias M t t Montante: Montante: COPE Posição Tipo valor: Posição CCE: Créditos comerciais concedidos Montante: Tipo valor: Posição CCE: Créditos comerciais obtidos Montante: Tipo valor: Posição CCE: Créditos comerciais obtidos Montante: Banco de / Departamento de Estatística março de

33 Caso prático 4: Aquisição de imóveis Empresa Direito de propriedade Pagamento Ativo (armazéns) França Proprietários Espanha Variáveis Preenchimento Data da operação 2013/01/31 Tipo de valor S Classificação estatística G1001 Investimento imobiliário de no exterior Tipo de conta I Uma empresa portuguesa adquiriu a diferentes entidades espanholas 3 armazéns localizados em França, respetivamente por 1, 2 e 3 milhões de euros. Os pagamentos foram realizados, em diferentes dias do mês de janeiro, através de uma conta junto de um banco residente. Banco 1234 Banco ABC País da conta Divisa EUR Montante País da entidade de contraparte ESP País da entidade do ativo financeiro FRA NPC do 2º interveniente Data de vencimento Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de Caso prático 5: Aquisição de moeda estrangeira Empresa EUR USD Balcão banco Uma empresa portuguesa adquiriu 20 mil euros de USD junto de um banco residente A empresa portuguesa não reporta qualquer COPE uma vez que tem subjacente uma operação com uma entidade residente COPE reportada pelo banco residente, utilizando o código especial B2210 (exceção ao princípio geral) Banco de / Departamento de Estatística março de

34 Caso prático 6: Transferência entre contas Conta Transferência Conta Suiça Variáveis Preenchimento Data da operação 2013/03/05 Tipo de valor S Classificação estatística Z1020 Transferência entre contas, no estrangeiro e em PRT Empresa portuguesa transfere 50 mil euros da sua conta junto do banco ABC residente para a sua conta junto do banco suiço XYZ Nota: Reporte de COPE de posição com o saldo da conta suiça no final do mês Tipo de conta I Banco 1234 Banco ABC País da conta Divisa EUR Montante País da entidade de contraparte CHE País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente Data de vencimento Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de Empresa gestora Cliente A Caso prático 7: Aquisição de obrigações pela sociedade gestora Variáveis Preenchimento Pagamento Central Clearing Data da operação 2013/02/13 Bélgica Tipo de valor S Obrigações do tesouro Classificação estatística K1211 No âmbito da gestão discricionária da carteira de um cliente residente A (npc ), uma sociedade gestora portuguesa adquire 75 mil euros de obrigações do tesouro alemão através de Central de Clearing residente na Bélgica Pagamento efetuado através da conta jumbo da sociedade gestora junto do banco residente ABC Títulos de dívida com prazo >1ano detidos pelo reportante, de entidades sem relação de grupo Tipo de conta I Banco País da conta Divisa 1234 Banco ABC EUR Montante País da entidade de contraparte País da entidade do ativo financeiro Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de BEL DEU NPC do 2º interveniente Data de vencimento 34

35 Caso prático 8: Emissão de papel comercial Empresa Papel 2 comercial Pagamento comissão 1 Recebimento Investidor final Canadá Banco Bélgica Emissão de 300 milhões de euros de papel comercial, intermediada por um banco residente na Bélgica, a quem foi paga uma comissão de 2.58 milhões de euros. Emissão adquirida por um investidor residente no Canadá (sem qualquer relação de grupo com o emitente). Os pagamentos e recebimentos ocorreram numa conta domiciliada no banco belga. 1 Variáveis Preenchimento Data da operação 2012/12/06 Tipo de valor S Classificação estatística C2120 Serviços auxiliares de intermediação financeira Tipo de conta E Banco País da conta BEL Divisa EUR Montante País da entidade de contraparte BEL País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente Data de vencimento Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de Empresa Papel 2 comercial Caso prático 8: Emissão de papel comercial Pagamento comissão 1 Recebimento Investidor final Canadá Banco Bélgica Emissão de 300 milhões de euros de papel comercial, intermediada por um banco residente na Bélgica, a quem foi paga uma comissão de 2.58 milhões de euros. Emissão adquirida por um investidor residente no Canadá (sem qualquer relação de grupo com o emitente). Os pagamentos e recebimentos ocorreram numa conta domiciliada no banco belga. Variáveis Preenchimento Data da operação 2012/12/06 Tipo de valor Classificação estatística 2 E K2111 Títulos de dívida próprios com prazo <= 1 ano, transacionados com entidades sem relação de grupo Tipo de conta E Banco País da conta Divisa BEL EUR Montante País da entidade de contraparte País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente Data de vencimento Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de 2013 CAN 70 35

36 Empresa X Caso prático 9: Amortização de um empréstimo externo Pagamento prestação Banco KYZ Luxemburgo Variáveis Preenchimento Data da operação 2012/12/31 Tipo de valor 1 S Empréstimo bancário de 75 milhões de euros obtido em 2002 junto do banco XYZ, residente no Luxemburgo, com data de vencimento de 22/02/2022 Pagamento de uma prestação de 1.5 milhões de euros através da conta domiciliada no banco residente ABC, sendo: 1 milhão de euros de capital milhões de euros de juro 2 Classificação estatística L2211 Empréstimo com prazo > 1 ano obtido de entidades sem relação de grupo Tipo de conta I Banco País da conta Divisa Banco ABC EUR Montante País da entidade de contraparte País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente Data de vencimento Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de LUX Empresa X Caso prático 9: Amortização de um empréstimo externo Pagamento prestação Banco KYZ Luxemburgo Variáveis Preenchimento Data da operação 2012/12/31 Tipo de valor 2 S Empréstimo bancário de 75 milhões de euros obtido em 2002 junto do banco XYZ, residente no Luxemburgo, com data de vencimento de 22/02/2022 Pagamento de uma prestação de 1.5 milhões de euros através da conta domiciliada no banco residente ABC, sendo: 1 milhão de euros de capital milhões de euros de juro 2 Classificação estatística L0214 Juros de empréstimo com prazo > 1 ano entre entidades sem relação de grupo Tipo de conta I Banco País da conta Divisa Banco ABC EUR Montante País da entidade de contraparte País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente Data de vencimento Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de LUX 36

37 Empresa X Caso prático 9: Amortização de um empréstimo externo Pagamento prestação Banco KYZ Luxemburgo Variáveis Preenchimento Data da operação 2012/12/31 Tipo de valor 3 P Empréstimo bancário de 75 milhões de euros obtido em 2002 junto do banco XYZ, residente no Luxemburgo, com data de vencimento de 22/02/2022 Pagamento de uma prestação de 1.5 milhões de euros através da conta domiciliada no banco residente ABC, sendo: 1 milhão de euros de capital milhões de euros de juro 2 Classificação estatística L2211 Empréstimo com prazo > 1 ano obtido de entidades sem relação de grupo Tipo de conta X Banco País da conta Divisa EUR Montante País da entidade de contraparte País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de 2013 LUX Data de vencimento 2022/02/22 73 Caso prático 10: Cash pooling Empresa Transferência Casa mãe Brasil Variáveis Preenchimento Data da operação 2012/12/31 Tipo de valor S Cash pooling entre a sucursal em e a sua casa-mãe no Brasil (nif em ) que, no agregado do mês, resultou na transferência para a casa-mãe de 100 mil euros, através de uma conta numa entidade financeira do grupo. Adicionalmente reportar COPE de Posição (com mesmo CCE) Classificação estatística L1131 Empréstimos com prazo <=1ano, concedidos a entidades do grupo onde os direitos de voto sejam >=10% Tipo de conta O Banco País da conta Divisa BRA EUR Montante País da entidade de contraparte País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente Data de vencimento Contraparte PRT_ Banco de / Departamento de Estatística março de BRA 37

38 Caso prático 11: Constituição de sucursal, empréstimo e aumento de capital Constituição Empresa Concessão empréstimo Conversão do empréstimo em capital Sucursal Angola Identificação da contraparte. Restantes campos preenchidos de acordo com as orientações anteriores Data Ago/2013 Ago/2014 de Set/2014 a Jul/2015 Ago/2015 Constituição de Concessão de Descrição uma sucursal em empréstimo à Conversão do empréstimo em capital Angola sucursal em Angola Tipo valor: Saída Tipo valor: Saída CCE: Ações CCE: Empréstimos detidas via com prazo >1 ano, constituição COPE concedidos a /liquidação de Entrada/Saída entidades onde os entidades onde direitos it de voto os direitos de sejam >=10% voto sejam (L1221) >=10% (H1022) COPE Posição CCE: Empréstimos com prazo >1 ano, concedidos a entidades onde os direitos de voto sejam >=10% (L1221) CCE: Empréstimos com prazo >1 ano, concedidos a entidades onde os direitos de voto sejam >=10% Tipo valor: Entrada Tipo valor: Saida CCE: Empréstimos CCE: Ações detidas com prazo >1 ano, via aumento de concedidos a capital de entidades entidades onde os onde os direitos de direitos de voto sejam voto sejam >=10% >=10% (L1221) (H1023) Tipo de conta: X (sem movimentação de conta) Banco de / Departamento de Estatística março de 2013 (L1221) Tipo de conta: X (sem movimentação de conta) 75 Caso prático 12: Conta de compensação Empresa Liquidação do saldo em final de trimestre Prestação e obtenção de serviços diversos Fornecedores Espanha Conta de compensação entre uma empresa portuguesa e diversas empresas suas fornecedoras/clientes residentes em Espanha, sendo o encontro de contas efetuado em final de trimestre e o saldo apurado liquidado por transferência bancária junto de um banco ABC residente em. Registo em termos brutos dos serviços prestados / recebidos (entradas/saídas) no mês da faturação tipodecontac Registo dos créditos comerciais observados (posição) Registo da liquidação se e quando ocorrer (entrada ou saída) sem especificar a natureza estatística dos serviços (código de classificação estatística especial Z1040) restantes variáveis de acordo com os orientações gerais Banco de / Departamento de Estatística março de

39 Caso prático 12: Conta de compensação Empresa Liquidação do saldo em final de trimestre Fornecedores Espanha Variáveis 1 Preenchimento Data da operação 2012/01/31 Tipo de valor E Classificação estatística B1410 Prestação e obtenção de serviços diversos Em janeiro, a empresa portuguesa faturou à empresa espanhola 10 mil euros por um serviço de transporte 1 rodoviário e foi facturada em 6 mil euros por serviço de armazenagem 2 Serviços de transporte rodoviário de mercadorias Tipo de conta C Banco País da conta Divisa EUR Montante País da entidade de contraparte ESP País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente JANEIRO Registo (bruto) das operações Data de vencimento Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de Caso prático 12: Conta de compensação Empresa Liquidação do saldo em final de trimestre Fornecedores Espanha Variáveis 2 Preenchimento Data da operação 2012/01/31 Tipo de valor S Classificação estatística B1440 Prestação e obtenção de serviços diversos Em janeiro, a empresa portuguesa faturou à empresa espanhola 10 mil euros por um serviço de transporte 1 rodoviário e foi facturada em 6 mil euros por serviço de armazenagem 2 Serviços de suporte e auxiliartes de transporte rodoviário Tipo de conta C Banco País da conta Divisa EUR Montante País da entidade de contraparte ESP País da entidade do ativo financeiro NPC do 2º interveniente JANEIRO Registo (bruto) das operações Data de vencimento Contraparte Banco de / Departamento de Estatística março de

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Apresentação do novo sistema de reporte Dezembro 2012 Esquema da Apresentação Novo sistema de reporte Reporte de informação Casos práticos Área de Empresa

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos Casos práticos Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente aos casos práticos da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE)

Leia mais

Banco de Portugal - Comunicação para a balança de pagamentos e informação sobre a estrutura empresarial distrital. Formação eventual OTOC 0113

Banco de Portugal - Comunicação para a balança de pagamentos e informação sobre a estrutura empresarial distrital. Formação eventual OTOC 0113 Banco de Portugal - Comunicação para a balança de pagamentos e informação sobre a estrutura empresarial distrital Formação eventual OTOC 0113 Esquema da Apresentação Área de Empresa e estrutura empresarial

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Apresentação

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Apresentação Apresentação Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente à introdução da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE Perguntas Frequentes - COPE Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Departamento de Estatística Banco de Portugal +351 707 201 409 ddebp.reporte@bportugal.pt Versão Maio de 2013 Comunicação de Operações

Leia mais

Banco de Portugal Comunicação de Operações e Posições com o Exterior. Formador: Tiago Nunes OTIMIZAMOS NEGÓCIOS

Banco de Portugal Comunicação de Operações e Posições com o Exterior. Formador: Tiago Nunes OTIMIZAMOS NEGÓCIOS Banco de Portugal Comunicação de Operações e Posições com o Exterior Formador: Tiago Nunes OTIMIZAMOS NEGÓCIOS SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115 2775-564 Carcavelos tel. 214 585 700

Leia mais

Âmbito das operações desenvolvidas por transitários

Âmbito das operações desenvolvidas por transitários Âmbito das operações desenvolvidas por transitários Banco de / Departamento de Estatística março de 2013 1 - s Transporte de mercadorias B1*10 Inclui os fretes relativos ao transporte de mercadorias. Não

Leia mais

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Apresentação do novo sistema de reporte Dezembro 2012 Esquema da Apresentação Novo sistema de reporte Área de Empresa Aplicação de Recolha Questões específicas

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Versão completa do curso

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Versão completa do curso Versão completa do curso Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente a todas as secções da Comunicação de Operações com o

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Perfil A

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Perfil A Perfil A Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente ao perfil A da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Perfil B

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Perfil B Perfil B Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente ao perfil B da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação

Leia mais

Apresentação do novo sistema de reporte. Dezembro 2012

Apresentação do novo sistema de reporte. Dezembro 2012 Apresentação do novo sistema de reporte Dezembro 2012 Esquema da Apresentação Novo sistema de reporte Área de Empresa Aplicação de Recolha Questões específicas da rubrica Viagens e Turismo Banco de Portugal

Leia mais

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques Papel das empresas no P ld novo sistema das estatísticas externas Carla Marques ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. Estatísticas externas Portuguesas II. Sistema das estatísticas externas e necessidade de reformulação

Leia mais

Âmbito da rubrica Viagens e Turismo. Indicações específicas de reporte para hotéis e outros empreendimentos turísticos

Âmbito da rubrica Viagens e Turismo. Indicações específicas de reporte para hotéis e outros empreendimentos turísticos Questões específicas da rubrica Viagens e Turismo Âmbito da rubrica Viagens e Turismo Indicações específicas de reporte para hotéis e outros empreendimentos turísticos Âmbito da rubrica Viagens e Turismo

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. REPORTE DE INFORMAÇÃO AO BANCO DE PORTUGAL 4 3. EMPRESA REPRESENTADA 5 4. ECRÃ PRINCIPAL RESUMO DE COPE E COL 6

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. REPORTE DE INFORMAÇÃO AO BANCO DE PORTUGAL 4 3. EMPRESA REPRESENTADA 5 4. ECRÃ PRINCIPAL RESUMO DE COPE E COL 6 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. REPORTE DE INFORMAÇÃO AO BANCO DE PORTUGAL 4 3. EMPRESA REPRESENTADA 5 4. ECRÃ PRINCIPAL RESUMO DE COPE E COL 6 Escolher período 6 Comunicação de operações e posições com o exterior

Leia mais

DE OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM O EXTERIOR)

DE OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM O EXTERIOR) COPE - Configuração e Recolha de Informação (COMUNICAÇÃO DE OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM O EXTERIOR) Versão 1.0 abril de 2013 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Configurações Gerais... 4 Administrador...4

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual de Instrução

Leia mais

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados?

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados? PAGAMENTOS DE VAREJO E CANAIS DE ATENDIMENTO Perguntas freqüentes 1. Arquivo ESTATCRT.TXT Informações relativas aos cartões com função saque e e-money 1.1. Devo informar os saques efetuados sobre linhas

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ISII - Inquérito sobre Investimento Internacional Maio 2012 Lisboa, 2012 www.bportugal.pt ÍNDICE I Introdução 1 II Enquadramento legal 2 III Contatos 2 IV Página Inicial 3

Leia mais

Preçário FINIBANCO ANGOLA SA

Preçário FINIBANCO ANGOLA SA Preçário FINIBANCO ANGOLA SA Instituição Financeira Bancaria com sede em território nacional, de acordo com o previsto na Lei das Instituições Financeiras Anexo I Tabela de comissões e despesas Data de

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA > O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS > CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização da sua Empresa, exigem conhecimento

Leia mais

Questões específicas do transporte aéreo. Classificação dos serviços de transporte aéreo. Reporte das operações relacionadas com o transporte aéreo

Questões específicas do transporte aéreo. Classificação dos serviços de transporte aéreo. Reporte das operações relacionadas com o transporte aéreo Questões específicas do Classificação dos serviços de Reporte das operações relacionadas com o Banco de Dezembro de 2012 1 Classificação dos serviços de Banco de Dezembro de 2012 2 Classificação dos serviços

Leia mais

Área de Empresa no sítio institucional do Banco de Portugal

Área de Empresa no sítio institucional do Banco de Portugal Luís Teles Apresentação A na internet é uma área reservada a que qualquer empresa a operar em Portugal poderá ter acesso, utilizando para tal as mesmas credenciais com que se autentica no Portal das Finanças

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes.

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes. Página1 TESOURARIA Âmbito Recibos O módulo de recibos do Multi permite associar os valores recebidos de terceiros aos documentos regularizados, registar os meios de liquidação e emitir o Recibo. O recibo

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banif Banco de Investimento, SA contém o Folheto

Leia mais

ESTATÍSTICAS DE OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM O EXTERIOR

ESTATÍSTICAS DE OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM O EXTERIOR rroco ESTATÍSTICAS DE OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM O EXTERIOR MANUAL DE PROCEDIMENTOS Agosto 2013 Versão 2.0 ESTATÍSTICAS DE OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM O EXTERIOR ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Conteúdo do Manual

Leia mais

Formulários ANEXO C 239) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES?

Formulários ANEXO C 239) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? Formulários ANEXO C 239) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 240) SOU UM MEDIADOR DE SEGUROS (CAE REV.3

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição Denominação Caixa Geral de Depósitos,

Leia mais

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO 1 ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO Regulamento n.º [ ] / 2014 Preâmbulo Inserido no contexto da reforma legislativa em curso no Direito dos valores mobiliários cabo-verdiano, o presente regulamento

Leia mais

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo.

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo. Imposto do Selo O imposto do selo incide sobre determinados atos e contratos, sendo cobrado um valor fixo ou aplicada uma taxa ao valor do ato ou contrato. O campo de aplicação deste imposto tem vindo

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO Índice Conceito de responsabilidade de crédito Central de Responsabilidades de crédito (CRC) O que é a CRC? Para que serve a CRC? Mapa de

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

1) O QUE É A INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (IES)?

1) O QUE É A INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (IES)? Âmbito Geral 1) O QUE É A INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (IES)? A IES, criada pelo Decreto-Lei n.º 8/2007, de 17 de janeiro, recentemente alterado pelo Decreto-lei n.º 10/2015, de 16 de janeiro, consiste

Leia mais

Cod_estat A1010 A1020 A1030 A1040 A2010 A3010 A4010 A5010 A5020 B1110 B1120 B1130 B1140 B1211 B1212 B1213 B1214 B1221 B1222 B1223 B1224 B1230 B1240

Cod_estat A1010 A1020 A1030 A1040 A2010 A3010 A4010 A5010 A5020 B1110 B1120 B1130 B1140 B1211 B1212 B1213 B1214 B1221 B1222 B1223 B1224 B1230 B1240 Cod_estat A1010 A1020 A1030 A1040 A2010 A3010 A4010 A5010 A5020 B1110 B1120 B1130 B1140 B1211 B1212 B1213 B1214 B1221 B1222 B1223 B1224 B1230 B1240 B1310 B1320 B1330 B1340 B1410 B1420 B1430 B1440 B1510

Leia mais

PHC Letras CS BUSINESS AT SPEED

PHC Letras CS BUSINESS AT SPEED PHC Letras CS A gestão de todas as tarefas relacionadas com Títulos de Dívida A execução de todos os movimentos com títulos de dívida a receber ou a pagar e o controle total da situação por cliente ou

Leia mais

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira EXEMPLO Tendo em conta as operações realizadas pela empresa CACILHAS, LDA., pretende-se a elaboração da Demonstração de fluxos de caixa, admitindo que o saldo de caixa e seus equivalentes, no início de

Leia mais

Operações Documentárias no Portal de Empresas www.millenniumbcp.pt Apresentação para Clientes

Operações Documentárias no Portal de Empresas www.millenniumbcp.pt Apresentação para Clientes Operações Documentárias no Portal de Empresas www.millenniumbcp.pt Apresentação para Clientes Abril 2015 MT2569 Versão 5 Texto escrito conforme o Novo Acordo Ortográfico Índice Novo Pág. 1. Introdução/Enquadramento

Leia mais

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes.

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Data Base 31.12.2010 Dados do declarante Participação no capital social do declarante Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Poder de voto de

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

INSTRUÇÕES DO SISTEMA DE EMISSÃO ELETRÓNICA DAS FATURAS-RECIBO

INSTRUÇÕES DO SISTEMA DE EMISSÃO ELETRÓNICA DAS FATURAS-RECIBO INSTRUÇÕES DO SISTEMA DE EMISSÃO ELETRÓNICA DAS FATURAS-RECIBO O sistema de preenchimento e emissão das faturas-recibo está disponível em www.portaldasfinancas.pt, nos SERVIÇOS, opção Obter e Consultar.

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

ESTATÍSTICAS DE OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM O EXTERIOR

ESTATÍSTICAS DE OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM O EXTERIOR ESTATÍSTICAS DE OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM O EXTERIOR ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Conteúdo do Manual 1 1.2. Leitura guiada de acordo com o perfil e/ou objetivos do utilizador 2 2. COMUNICAÇÃO COM O BANCO

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Gestão Financeira de curto prazo Ano letivo 2015/2016 1 1 - A Gestão Financeira de Curto

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA 1. CONTAS DE TÍTULOS CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) Em todas as Bolsas 12,00 (*) - Aplicável a todas as Contas Títulos com saldo médio diário superior a zero unidades

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

Faturação simplificada: Principais alterações

Faturação simplificada: Principais alterações Faturação simplificada: Principais alterações Informação elaborada pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Atualizado em 22 11 2012 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Grupo I Múltipla Escolha

Grupo I Múltipla Escolha Grupo I Múltipla Escolha 1 A empresa comprou 250 USD a 0,98 USD/EUR com o pagamento de despesas bancárias de 10. Qual das seguintes afirmações está correcta? a) Movimentar a conta 11 Caixa a crédito por

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 11 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO Atendendo a que o turismo é um sector estratégico na economia nacional e considerando que a APAVT tem tido um papel fundamental no desenvolvimento do turismo nacional, o acordo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS RECOLHA DE CARTEIRA DE TÍTULOS. Estatísticas de Títulos Banco de Portugal

MANUAL DE PROCEDIMENTOS RECOLHA DE CARTEIRA DE TÍTULOS. Estatísticas de Títulos Banco de Portugal MANUAL DE PROCEDIMENTOS RECOLHA DE CARTEIRA DE TÍTULOS Estatísticas de Títulos Banco de Portugal Versão 1.0 27 março 2015 BANCO DE PORTUGAL Recolha de Carteira de Títulos 3 Índice Introdução 5 Aplicação

Leia mais

1,00% Isento. Taxa AKZ USD Comissão de emissão 1% Livro Corporativo Cheques (41 Cheques) Equivalente $41,00 n.a. Cheque Visado 1,00% 1,00% 1,00%

1,00% Isento. Taxa AKZ USD Comissão de emissão 1% Livro Corporativo Cheques (41 Cheques) Equivalente $41,00 n.a. Cheque Visado 1,00% 1,00% 1,00% APLICAÇÕES À ORDEM 1. Abertura de Contas 1.1. Montante Mínimo Conta Corporativa Conta Corporativa PLUS Equivalente $10.000,00 Equivalente $10.000,00 APLICAÇÕES A PRAZO 1. Constituição Aplicações 1.1. Certificados

Leia mais

Governo de Portugal Ministério da Economia Secretaria de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade

Governo de Portugal Ministério da Economia Secretaria de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade Propostas de apoio de tesouraria a empresas portuguesas com atividade comercial em Angola: Linha de Crédito com garantia mútua Governo de Portugal Ministério da Economia Secretaria de Estado da Inovação,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

INFORMAÇÃO FISCAL. O Anexo A da IES. Algumas notas sobre a informação de natureza fiscal

INFORMAÇÃO FISCAL. O Anexo A da IES. Algumas notas sobre a informação de natureza fiscal INFORMAÇÃO FISCAL O Anexo A da IES Algumas notas sobre a informação de natureza fiscal O Anexo A da IES contém, fundamentalmente, informação de natureza contabilística mas também alguns quadros com conteúdos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho MANUAL DE PROCEDIMENTOS 01 de Janeiro de 2013 NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013 ASPETOS A TER EM CONTA NA FATURAÇÃO VIA INFORMATICA Pedro Moreira Fiscalista

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 30 de Setembro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 30 de Setembro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 30 de Setembro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER NORMA DE PAGAMENTOS Componente A PRESENTE NORMA DE PAGAMENTOS APLICA-SE AOS PEDIDOS DE PAGAMENTOS A FORMALIZAR (APÓS 18-01-2013) E AINDA AOS QUE SE ENCONTRAM EM ANÁLISE NO IDE- RAM, NO ÂMBITO DO SISTEMAS

Leia mais

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente)

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) 1 CONTAS DE DEPÓSITO 1.1. DEPÓSITOS À ORDEM ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) Movimentos efetuados até últimos 31 meses inclusive Envio por email 1,00 Envio por correio 5,00 Movimentos

Leia mais

DIRETORIA COLEGIADA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO E DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO

DIRETORIA COLEGIADA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO E DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO DIRETORIA COLEGIADA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO E DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO CARTA-CIRCULAR Nº 3.389, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Altera e consolida os procedimentos

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

Preçário BBVA LEASIMO - SOCIEDADE DE LOCACAO FINANCEIRA, SA SOCIEDADES DE LOCAÇÃO FINANCEIRA

Preçário BBVA LEASIMO - SOCIEDADE DE LOCACAO FINANCEIRA, SA SOCIEDADES DE LOCAÇÃO FINANCEIRA Preçário BBVA LEASIMO - SOCIEDADE DE LOCACAO FINANCEIRA, SA SOCIEDADES DE LOCAÇÃO FINANCEIRA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto

Leia mais

Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares)

Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares) POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE SEGURANÇA PRIVADA (SIGESP) Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares)

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS Produtos e serviços CGD para profissionais liberais e jovens advogados: CONTAS À ORDEM Conta Extracto A informação onde preferir. Com esta conta recebe um extracto com toda a informação da sua conta, na

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Conteúdo Condições para crédito a descoberto... 3 Artigo 1. Definições... 3 Artigo 2. Relação contratual... 3 2.1 Aceitação... 3 2.2 Bureau krediet registratie

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco?

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco? Quais as principais funções de um banco? A Captar depósitos e gerir a poupança dos seus clientes. B Conceder empréstimos a empresas, particulares e ao Estado. C Disponibilizar meios e formas de pagamento

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014.

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre os procedimentos para a remessa das informações relativas às exposições ao risco de mercado e à apuração das respectivas parcelas no cálculo

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

PHC Letras CS BUSINESS AT SPEED

PHC Letras CS BUSINESS AT SPEED PHC Letras CS A gestão de todas as tarefas relacionadas com Títulos de Dívida A execução de todos os movimentos com títulos de dívida a receber ou a pagar e o controle total da situação por Cliente ou

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

Preçário BANCO BIC, SA

Preçário BANCO BIC, SA Preçário BANCO BIC, SA Bancos ANEXO II Consulte o Índice de TAXAS DE JURO Consulte o Índice de TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS Informação Complementar DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 10/11/2014 O Preçário pode

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões EBA/GL/2015/01 11.05.2015 Orientações da EBA relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões 1 Obrigações em matéria

Leia mais

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009)

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Assunto: s às Perguntas Mais Frequentes sobre a Instrução da CMVM n.º 3/2008 - Informação sobre Concessão de Crédito para a

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business Estrangeiro:

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27 43,27

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

INFORMATIVO 06/2014 REFIS DA COPA: REDUÇÃO DA PARCELA DE ENTRADA (ADESÃO AO PARCELAMENTO)

INFORMATIVO 06/2014 REFIS DA COPA: REDUÇÃO DA PARCELA DE ENTRADA (ADESÃO AO PARCELAMENTO) Novo Hamburgo, 22 de julho de 2014. INFORMATIVO 06/2014 REFIS DA COPA: REDUÇÃO DA PARCELA DE ENTRADA (ADESÃO AO PARCELAMENTO) Conforme anunciado no Informativo nº 05/2014, por meio da Lei nº 12.996, de

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES

ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES RUBRICA DE 1.º NÍVEL: É preenchido com as constantes A, B, C ou D consoante a informação respeite, respectivamente, à carteira de activos, ao valor

Leia mais