BANQUE PRIVÉE ESPÍRITO SANTO S.A. Sucursal em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANQUE PRIVÉE ESPÍRITO SANTO S.A. Sucursal em Portugal"

Transcrição

1 BANQUE PRIVÉE ESPÍRITO SANTO S.A. Sucursal em Portugal Disciplina de Mercado Relatório Anual de Divulgação 2009

2 2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA DECLARAÇÃO DE RESPONSABILIDADE ÂMBITO DE APLICAÇÃO E POLÍTICAS DE GESTÃO DE RISCO Banque Privée Espírito Santo, S.A. Sucursal em Portugal, Banque Privée Espírito Santo, S.A. Suíça e Espírito Santo Financial Group SA: Identificação do Grupo e suas origens Perímetro e Base de Consolidação para Efeitos Contabilísticos e Prudenciais A Função de Risco Enquadramento Geral, Organização da Função de Gestão de Riscos Estratégias adequação de capitais Informação qualitativa Informação Quantitativa RISCO DE CRÉDITO DE CONTRAPARTE Determinação do Valor em Risco Processo de Aprovação e Controlo RISCO DE CRÉDITO Definição e Métodos Correcções de Valor e Provisões Risco de Concentração Informação Quantitativa TÉCNICAS DE REDUÇÃO DO RISCO DE CRÉDITO Enquadramento Geral Informação Quantitativa OPERAÇÕES DE TITULARIZAÇÃO RISCOS DE POSIÇÃO, DE CRÉDITO DE CONTRAPARTE E DE LIQUIDAÇÃO DA CARTEIRA DE NEGOCIAÇÃO Metodologias e avaliação RISCOS CAMBIAL E DE MERCADORIAS DAS CARTEIRAS BANCÁRIA E DE NEGOCIAÇÃO Metodologias POSIÇÕES EM RISCO SOBRE ACÇÕES DA CARTEIRA BANCÁRIA Enquadramento Geral...26

3 3 11 RISCO OPERACIONAL Enquadramento Geral Informação Quantitativa RISCO DE TAXA DE JURO NA CARTEIRA BANCÁRIA Metodologias Informação Quantitativa...30

4 4 NOTA INTRODUTÓRIA Com a implementação das medidas preconizadas no Acordo de Basileia II, é pedido às Instituições Bancárias que assegurem, em coerência com um objectivo de transparência da sua actividade, a divulgação de informação ao público de um conjunto de elementos materiais de informação, nomeadamente os relativos à sua capitalização, à adequação dos seus fundos próprios, à sua exposição a determinados tipos de risco, e à sua estrutura de monitorização e gestão de riscos. Trata-se do designado Pilar III do Acordo referido, que abarca a Disciplina de Mercado, e que em Portugal se encontra enquadrado pelos nº 1 do Artigo 29º do Decreto-Lei nº 104/2007 de 3 de Abril, regulamentado pelo Aviso 10/2007 do Banco de Portugal. Seguindo o principio da materialidade, o Grupo Espírito Santo, por referencia à Espírito Santo Financial Holding, procede à divulgação da informação, em base consolidada para o Grupo, a qual se encontra permanentemente disponível na área Investor Relations do site da ESFG (www.esfg.com). O Banque Privée Espírito Santo, S.A., enquanto parte do Grupo ESFG, é objecto de avaliação a nível consolidado, no âmbito da supervisão em base consolidada exercida pelo Banco de Portugal. A sua Sucursal em Portugal (Banque Privée Espírito Santo, S.A. Sucursal em Portugal, adiante BPES Portugal) é supervisionada a nível individual pelo Banco de Portugal, atendendo às suas características de Sucursal de Instituição de Crédito com Sede fora da União Europeia. A presente informação reporta-se ao final do exercício de 2009 do BPES Portugal, e estará disponível no site do Banco em

5 5 1 DECLARAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Tendo por referência o disposto no Anexo I Declaração de Responsabilidade do Aviso do Banco de Portugal nº 10/2007, os Gerentes do Banque Privée Espírito Santo, S.A. Sucursal em Portugal, declaram e certificam que: 1. No presente documento Disciplina de Mercado, elaborado com referência ao final do exercício de 2009, foram diligenciados e desenvolvidos todos os procedimentos considerados necessários à divulgação pública de informação. Mais certificam que, tanto quanto é do seu conhecimento, a informação divulgada neste documento é verdadeira e fidedigna. 2. É adequada a qualidade da informação divulgada no presente documento, comprometendo-se os Gerentes a divulgar, tempestivamente, quaisquer alterações significativas que ocorram ao longo do exercício subsequente àquele a que o presente documento Disciplina de Mercado se refere. 3. Que a informação apresentada neste documento estará acessível ao público em geral, pela divulgação deste documento no site do Banco em e 4. Os Gerentes confirmam, para os devidos efeitos, e nos termos do mencionado no Aviso nº 10/2007 (nº 2 do Anexo I), que a informação constante do presente documento, divulgada com referencia ao final do exercício de 2009, não sofreu no exercício subsequente de 2010 da influência de eventos passíveis de serem considerados factos relevantes. Lisboa, 27 de Outubro de 2010 Banque Privée Espírito Santo, S.A. Sucursal em Portugal Os Gerentes Bernardo Holstein Guedes José Pedro Castanheira

6 6 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO E POLÍTICAS DE GESTÃO DE RISCO 2.1 BANQUE PRIVÉE ESPÍRITO SANTO, S.A. SUCURSAL EM PORTUGAL, BANQUE PRIVÉE ESPÍRITO SANTO, S.A. SUÍÇA E ESPÍRITO SANTO FINANCIAL GROUP SA: IDENTIFICAÇÃO DO GRUPO E SUAS ORIGENS O Banque Privée Espírito Santo, S.A. Sucursal em Portugal (adiante também designado por BPES-S ou Sucursal ), é uma instituição de crédito, cuja actividade em Portugal é desenvolvida ao abrigo de autorização do Ministro de Estado e das Finanças. O Banco encontra-se registado junto do Banco de Portugal (código de instituição 0186). O quadro regulamentar aplicável é o de Instituição de Crédito de País Terceiro, que reflecte tratar-se de sucursal de instituição de crédito com sede em país não-membro da União Europeia. Para além da actividade bancária para a qual obteve a autorização referida, está registado para o exercício de actividades associadas à guarda de valores, recepção e transmissão de ordens e gestão de carteiras por conta de outrem junto da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (instituição nº 323). A Sucursal iniciou a sua actividade em 11 de Janeiro de A supervisão bancária em base individual compete ao Banco de Portugal. Paralelamente, está sujeita a uma supervisão consolidada por parte da autoridade de supervisão Suíça (FINMA Autorité Fédérale de Surveillance des Marchés Financiers) e o Banco incluído no perímetro de supervisão consolidada, exercido pelo Banco de Portugal, relativamente à Espírito Santo Financial Group. O Banque Privée Espírito santo, S.A. é uma Instituição de Crédito autorizada ao abrigo da lei suíça, com Sede Social no número 70a Avenue General Guysan, Pully, Suíça. A origem do Banco remonta a 11 de Janeiro de 1977, data em que foi concedia à Família Espírito Santo, enquanto accionistas, uma Licença para uma société financière à caractère bancaire, isto é, a autorização para a constituição de uma Sociedade Financeira, à data designada Compagnie Financière Espírito Santo S.A.. O objecto da Sociedade excluía a recepção de depósitos junto do público, mas incluía a capacidade de conceder crédito e, igualmente, a negociação em valores mobiliários, o aconselhamento financeiro, gestão de carteiras e registo e depósito de valores mobiliários. Por força de alterações legislativas verificadas na Suíça, que entraram em vigor em 1 de Janeiro de 1995, a Compagnie Financière transformouse, findo um período transitório que terminou em 24 de Abril de 1997, em négociant en valeurs mobilières.

7 7 Em 1998, o Conselho de Administração da Sociedade decidiu requerer uma licença bancária, concedida em 26 de Agosto de 1999, pelo que em 28 de Setembro desse ano a sociedade financeira transformou-se em Banco, e alterou a denominação social para Compagnie Bancaire Espírito Santo, S.A.. Por ocasião da passagem do seu 30º Aniversário, em Janeiro de 2007, e para melhor reflectir a sua actividade, a designação social alterou-se para Banque Privée Espírito Santo. S.A.. O capital da Banque Privée Espírito Santo é integralmente detido, directa e indirectamente, pela Espírito Santo Financial Group S.A.. A Espírito Santo Financial Group SA, com sede no Luxemburgo, é a sociedade holding de participações sociais no sector financeiro do Grupo Espírito Santo. A sua actividade centra-se em Portugal, onde está localizada a maior parte dos seus investimentos. O grupo de empresas financeiras que compõem o Grupo ESFG está articulado de forma a fornecer à sua clientela uma gama completa e diversificada de serviços, nomeadamente na área de banca comercial, banca de investimento, gestão de activos, seguros e saúde, tanto em Portugal como internacionalmente. As actividades de banca comercial e de investimento são conduzidas, maioritariamente, pelo BES e pelo BESI. A gestão de activos e o private banking são levados a cabo pela Espírito Santo Activos Financeiros S.G.P.S., S.A. (ESAF), pelo Banque Privée Espírito Santo, S.A. (BPES), na Suiça, e pelo ES Bankers (Dubai) Limited, no Dubai. Na área dos seguros o negócio é conduzido fundamentalmente pela Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., pela T-Vida Companhia de Seguros, S.A., pela AdvanceCare - Gestão e Serviços de Saúde, S.A. e pela Seguros LOGO, S.A., que actuam através de agentes e outros canais. A área de bancassurance é assegurada pela BES Vida, Companhia de Seguros, S.A. e pela BES Seguros, Companhia de Seguros, S.A.. Adicionalmente, a ESFG tem uma participação no sector da saúde através da Espírito Santo Saúde, S.G.P.S., S.A. ( ESS ). A ESS opera nas seguintes áreas da prestação de cuidados de saúde: unidades hospitalares, clínicas ambulatórias, hospitais residenciais e residências para a população sénior.

8 8 2.2 PERÍMETRO E BASE DE CONSOLIDAÇÃO PARA EFEITOS CONTABILÍSTICOS E PRUDENCIAIS De acordo com a legislação em vigor, nomeadamente o exposto no regulamento CE nº 1606/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de Julho de 2002, na sua transposição para a legislação portuguesa através do Decreto-Lei nº 35/2005 de 17 de Fevereiro e do Aviso nº 1/2005 do Banco de Portugal, as Demonstrações Financeiras do Banque Privée Espírito Santo Sucursal em Portugal foram preparadas de acordo com as Normas de Contabilidade Ajustadas (NCA), tal como definidas pelo Banco de Portugal. As NCA traduzem-se na aplicação às demonstrações financeiras individuais das Normas Internacionais de Relato Financeiro (IFRS) tal como adoptadas na União Europeia, com excepção de algumas matérias reguladas pelo Banco de Portugal, como a imparidade do crédito a clientes. Os IFRS incluem as normas contabilísticas emitidas pelo International Accounting Standards Board (ISB) e as interpretações emitidas pelo International Financial Reporting Interpretation Commitee (IFRIC), e pelos respectivos órgãos antecessores. As políticas contabilísticas utilizadas pelo Banco na preparação das suas demonstrações financeiras referentes a 31 de Dezembro de 2009 são consistentes com as utilizadas na preparação das demonstrações financeiras anuais com referência a 31 de Dezembro de Para efeito deste documento, a informação refere-se à actividade do Banque Privée Espírito Santo, S.A. Sucursal em Portugal, que à data de referência era exercida a partir das suas instalações em Lisboa. 2.3 A FUNÇÃO DE RISCO ENQUADRAMENTO GERAL, ORGANIZAÇÃO DA FUNÇÃO DE GESTÃO DE RISCOS Os Responsáveis pela função de Gestão dos Riscos são parte integral da política de gestão. As suas tarefas e responsabilidades encontram-se definidas no Regulamento Geral de Organização, em referência às exigências impostas pela Circular 2008/24 Surveillance et Controle Interne de l Autorité Féderale de Surveillance dês Marches Financiers (FINMA), e Aviso do Banco de Portugal nº

9 9 5/2008. Esta função é exercida no âmbito do Controlo de Riscos do Banco, envolvendo a análise global do Banco, e das unidades individualmente consideradas (Sede, actividade exercida a partir da Suíça e Sucursal em Portugal). As referências feitas ao Banco devem assim ser entendidas como reflectindo a abrangência da análise a estas três dimensões: Risco Global da Instituição e Riscos Individuais da Sede e da sua Sucursal em Portugal. São atribuições do Responsável pela Função: 1. Assegurar a aplicação efectiva do sistema de gestão de riscos, através do acompanhamento contínuo da sua adequação e eficácia, bem como da adequação e da eficácia das medidas tomadas para corrigir eventuais deficiências desse sistema; 2. Monitorar o perfil de risco em que a Sucursal e o Banco incorrem, fornecendo as informações necessárias ao controlo dos riscos e à elaboração das bases em que assenta a política de risco do Banco. Neste desígnio, organiza e põe em prática adequados sistemas de controlo dos riscos e adapta-os em função de novas actividades e produtos. 3. Prestar aconselhamento à Gerência da Sucursal e ao Comité Executivo e elaborar e apresentar a estes e ao Comité de Auditoria um relatório, de periodicidade pelo menos anual, relativo à gestão de riscos, indicando se foram tomadas as medidas adequadas para corrigir eventuais deficiências. Compete aos Responsáveis monitorar o perfil de risco em que o Banco incorre, fornecendo as informações necessárias ao controlo dos riscos e à elaboração das bases em que assenta a política de risco do Banco. Neste desígnio, organizam e põem em prática adequados sistemas de controlo dos riscos e adapta-os em função de novas actividades e produtos. O Banco mantém um processo de identificação dos riscos, internos e externos, que, em relação a cada categoria de riscos, sejam susceptíveis de afectar a sua capacidade para implementar a estratégia ou atingir os objectivos definidos, aprovada pelo seu órgão de administração. Os princípios base que a seguir se enunciam, são observados pelos Responsáveis, na proporção da dimensão, natureza e complexidade das actividades do Banco: 1. Controlo dos riscos da actividade da instituição, nomeadamente os riscos de crédito, de mercado, de taxa de juro, de taxa de câmbio, de liquidez, de compliance, operacional, de sistemas de informação, de estratégia e de

10 10 reputação, bem como todos os outros riscos que, em face duma situação concreta, se possam revelar materiais; 2. Validar com alto grau de segurança que o Banco possui condições para assegurar a manutenção de uma completa, fiável e tempestiva informação contabilística e financeira, permitindo uma adequada avaliação dos activos e das responsabilidades, nomeadamente para o efeito de constituição de provisões ESTRATÉGIAS Na política de gestão de riscos são estabelecidos os seus objectivos globais e específicos para cada área funcional, no que respeita ao perfil de risco e ao seu grau de tolerância face do risco, sendo a mesma revista periodicamente. Neste âmbito, a Gerência da Sucursal propõe ao Comité Executivo uma política de risco, a qual é validada no seu perfil e consonância com as orientações emanadas do Conselho de Administração. São estabelecidos procedimentos para alcançar aqueles objectivos sistematizando as tarefas que deverão ser desempenhadas por cada função, que asseguram, de forma tempestiva, a prevenção de situações não desejadas ou não autorizadas e a detecção dessas situações quando, não obstante os procedimentos de prevenção, as mesmas possam ocorrer. A realização de verificações e reconciliações periódicas, com vista à autenticidade e validade das operações registadas. A adopção imediata de medidas correctivas, na ocorrência de situações não desejadas. O Responsáveis asseguram a criação de procedimentos, com vista ao seu planeamento das acções de gestão de riscos, designadamente quanto à abrangência do processo de identificação e monitorização aos processos, actividades e produtos, e tendo presente a regular validação da abrangência do modelo de hierarquização de riscos (no espírito do Modelo de Avaliação de Riscos), que deve identificar os riscos mais relevantes para a actividade. O sistema de gestão de riscos tem influência activa nas tomadas de decisão do órgão de administração e nos órgãos executivos, estando estabelecida a independência da função. Trimestralmente o Conselho de Administração, enquanto

11 11 responsável máximo pela actividade avalia o relatório do Risk Manager sobre esta matéria, o qual engloba a actividade da Sucursal em Portugal. O acompanhamento dos riscos julgados relevantes é efectuado por reflexo às seguintes variáveis: Risco de crédito No âmbito da sua actividade, o Banco pode conceder aos seus clientes crédito e garantias, essencialmente com garantias. Na área de gestão de tesouraria, o Banco estabeleceu uma lista de correspondentes autorizados, constituída somente por instituições de primeira classe. A gestão do risco de crédito segue critérios rigorosos de margens de cobertura, de repartição, de qualidade dos devedores e medidas colaterais. Os limites são aceites em função dos diversos níveis hierárquicos de competência. Os colaterais são avaliados ao preço do mercado, ponderados pelas margens definidas pelo tipo de investimento pela Gerência. O Rácio de Cobertura por Garantias atribuído pode ser adaptado por decisão do Comité de Créditos, para prevenção e reacção ao desenvolvimento dos mercados A adequação das margens é periodicamente verificada pelo Departamento de Crédito, sob a supervisão do Comité de Crédito. Empréstimos não colateralizados ou insuficientemente colateralizados são revistos mensalmente por este Comité, onde são decididas as provisões individuais apropriadas aos montantes em dívida. O Comité tem o poder de executar o colateral, ou parte dele, se o cliente não exercer as suas obrigações para com o Banco. Risco de Mercado As posições sobre divisas e sobre títulos destinados ao negócio representam o essencial dos ricos de mercado. Estas são sujeitas a um sistema de limites diários, que dá origem a controles regulares por responsáveis não operacionais que informam periodicamente a Gerência. O Banco cobre integralmente o risco cambial. Em função do volume limitado destas operações, o Banco aplica um método simplificado para o cálculo das exigências relativamente aos fundos próprios. Risco de taxa de juro Devido à estrutura dos seus activos e ao seu refinanciamento, o Banco está pouco exposto ao risco de variações de taxa de juro.

12 12 Os riscos de variações de taxas são periodicamente avaliados com a ajuda da análise dos Gaps e de simulações de variações de taxa. Risco de Liquidez O Risco de Liquidez advém da incapacidade potencial de financiar o activo satisfazendo as responsabilidades exigidas nas datas devidas e da existência de potenciais dificuldades de liquidação de posições em carteira sem incorrer em perdas significativas. O Controlo dos níveis de liquidez tem como objectivo manter um nível satisfatório de disponibilidades para fazer face às necessidades financeiras no curto, médio e longo prazo. Para avaliar a exposição global a este tipo de risco são elaborados relatórios que permitem não só identificar os mismatchs negativos, como efectuar a cobertura dinâmica dos mesmos. Adicionalmente é também realizado um acompanhamento por parte do Banco dos rácios de liquidez de um ponto de vista prudencial, calculados segundo a Instrução nº 13/2009 do Banco de Portugal. Em 31 de Dezembro de 2009 o rácio de liquidez era de 102% Risco Operacional O Risco operacional é definido como o risco de perdas directas ou indirectas resultantes de procedimentos inadequados, factor humano ou eventos externos. Este risco está controlado por um sistema interno de regras e directivas de controlo e organização na dependência de um responsável pelo controlo de riscos ( Risk Manager ). O Departamento de Auditoria Interna monitoriza regularmente este sistema de controlo e reporta os resultados à Gerência e à Administração, via Comité de Auditoria. Risco de Sistemas de Informação O Banco obteve a certificação SAS70, que garante a fiabilidade do seu sistema informático. Adicionalmente, o plano de continuidade de negócio garante a mitigação deste risco, sendo efectuados testes regulares, por forma a validar a eficácia das soluções implementadas, que visam garantir a salvaguarda de dados, e a continuidade da actividade, face a situações de contingência. Compliance e Risco Jurídico O Departamento de Compliance e o Departamento Jurídico asseguram que o Banco segue as regras e os regulamentos em vigor, assim como asseguram que está em

13 13 consonância com os princípios de due diligence que obrigam os Intermediários Financeiros. Asseguram ainda que as directivas internas estão de acordo com regulamentos e provisões legais. 3 ADEQUAÇÃO DE CAPITAIS 3.1 INFORMAÇÃO QUALITATIVA De acordo com o definido no Aviso nº12/1992 do Banco de Portugal, o capital regulamentar é composto pelos fundos próprios de base (Tier 1) e pelos fundos próprios complementares (Tier 2), que formam em conjunto os fundos próprios totais. Os fundos próprios totais são utilizados no cálculo do rácio de solvabilidade. O enquadramento regulamentar do cálculo dos requisitos de fundos próprios pode ser feito como segue: O Aviso nº5/2007 do Banco de Portugal define as regras de cálculo dos requisitos de capital regulamentar para os riscos da carteira bancária; O Aviso nº8/2007 do Banco de Portugal define as regras de cálculo dos requisitos de capital regulamentar para os riscos de mercado; e O Aviso nº9/2007 do Banco de Portugal define as regras de cálculo dos requisitos de capital regulamentar para o risco operacional. Esta abordagem é semelhante em todas as Instituições Financeiras e é definida de acordo com a regulamentação publicada pela entidade responsável pela supervisão. Permite garantir que cada Instituição Financeira consegue absorver perdas potenciais sem provocar uma perda para os depositantes. No final do exercício de 2009 o BPES Portugal apresentava um rácio de solvabilidade de 76,80%, fundos próprios de EUR (integralmente fundos próprios de base), e requisitos de fundos próprios de EUR

14 9ANQUE ""'vte EspíRITO SANTO INFORMAÇÃO QUANTITATIVA ADEQUAÇÃO DE CAPITAIS - PARTE 1 Unidade: tu,os

15 15

16 16 4 RISCO DE CRÉDITO DE CONTRAPARTE 4.1 DETERMINAÇÃO DO VALOR EM RISCO O Banco analisa a exposição a risco de crédito por contraparte nas operações de tesouraria, operações cambiais e igualmente a potencial exposição associada aos depositários de títulos ou instrumentos financeiros detidos por conta de clientes. Cabe às áreas de negócio propor a criação de limites de exposição por contraparte bancária ou depositária de títulos. Estas propostas são avaliadas pelo Risk Manager, e submetidas à consideração do Conselho de Administração, único órgão com poderes para aprovar estes limites. O acompanhamento das exposições, controlo da manutenção das mesmas dentro dos limites aprovados, e as eventuais necessidades de revisão, são acompanhados em permanência, e objecto de reporte trimestral ao Conselho de Administração. À data de 31 de Dezembro de 2010 o BPES Sucursal em Portugal assumia como risco apenas contrapartes abrangidas no âmbito de supervisão em base consolidada da Espírito Santo Financial Group. 4.2 PROCESSO DE APROVAÇÃO E CONTROLO Cabe às áreas de negócio propor a criação de limites de exposição por contraparte bancária ou depositária de títulos. Estas propostas são avaliadas pelo Risk Manager, e submetidas à consideração do Conselho de Administração, único órgão com poderes para aprovar estes limites. O acompanhamento das exposições, controlo da manutenção das mesmas dentro dos limites aprovados, e as eventuais necessidades de revisão, são acompanhados em permanência, e objecto de reporte trimestral ao Conselho de Administração. 5 RISCO DE CRÉDITO 5.1 DEFINIÇÃO E MÉTODOS Define-se como risco de crédito a probabilidade de ocorrência de eventos de não pagamento, no âmbito de operações activas ou de natureza extra-patrimonial

17 17 (garantias, avalaes), que possam por em causa o integral cumprimento de obrigações assumidas por uma contraparte, e cujo efeito de não cumprimento seja passível gerar impactos negativos nos resultados ou no capital do Banco. Na sistematização do crédito para efeitos da determinação das perdas por imparidade visa-se satisfazer dois ordenamentos normativos, que apesar de estarem relacionados, obrigam a duas análises distintas: (a) a sistematização do crédito segundo as regras do Aviso nº 3/95 do Banco de Portugal para as entidades onde este normativo é aplicável; (b) a sistematização do crédito para efeitos do cálculo da imparidade de modo a dar cumprimento às regras estabelecidas no IAS 36. Na preparação das demonstrações financeiras consolidadas o crédito é sistematizado tendo em vista a divulgação do crédito vencido por prazos decorridos desde o vencimento, sendo os critérios dos IFRS (International Financial Reporting Standards) prevalecentes na determinação dos saldos das provisões. Principais conceitos e definições Crédito vencido: Considera-se geralmente como crédito vencido, e registado na contabilidade como tal, a parte de uma operação de crédito que não tenha sido liquidada pelo seu devedor após 30 dias da data contratualmente estabelecida para o seu pagamento. A sistematização do crédito vencido obedece às regras instituídas pelo Aviso nº 3/95 do Banco de Portugal, quando aplicável, estando instituído um reporte obrigatório para efeitos de consolidação em que o crédito vencido é desagregado por tipo de crédito e por classes (I, II, III e IV, V a IX e da X à XII). Crédito de cobrança duvidosa: Créditos enquadrados nos critérios definidos no número 4º do Aviso nº 3/95 do Banco de Portugal. Genericamente correspondem à parte vincenda de uma operação de crédito em que a componente vencida atinge um certo nível de significância (+25% do capital em dívida) ou cujo tempo decorrido desde o incumprimento ultrapassa um certo número de meses de mora. Também pode incluir outros créditos especificamente classificados como tal, seja porque são casuisticamente assim classificados pelo Banco de Portugal ou pelo próprio Banco; Crédito objecto de imparidade:

18 18 Em conformidade com as NCA, o Banco avalia regularmente se existe evidência objectiva de que um activo financeiro, ou grupo de activos financeiros, apresenta sinais de imparidade. Para os activos financeiros que apresentam sinais de imparidade, é determinado o respectivo valor recuperável, sendo as perdas por imparidade registadas por contrapartida de resultados. Um activo financeiro, ou um grupo de activos financeiros, encontra-se em imparidade sempre que exista evidência objectiva de imparidade resultante de um ou mais eventos que ocorreram após o seu reconhecimento inicial, tais como: (i) para os títulos cotados, uma desvalorização continuada ou de valor significativo na sua cotação, e (ii) para títulos não cotados, quando esse evento (ou eventos) tenha um impacto no valor estimado dos fluxos de caixa futuros do activo financeiro, ou grupo de activos financeiros, que possa ser estimado com razoabilidade. No que se refere aos investimentos detidos até à maturidade, as perdas por imparidade correspondem à diferença entre o valor contabilístico do activo e o valor actual dos fluxos de caixa futuros estimados (considerando o período de recuperação) descontados à taxa de juro efectiva original do activo financeiro. Estes activos são apresentados nos balanços líquidos de imparidade. Caso estejamos perante um activo com uma taxa de juro variável, a taxa de desconto a utilizar para a determinação da respectiva perda de imparidade é a taxa de juro efectiva actual, determinada com base nas regras de cada contrato. Se num período subsequente o montante da perda de imparidade diminui, e essa diminuição pode ser objectivamente relacionada com um evento que ocorreu após a imparidade ter sido reconhecida, esta é revertida por contrapartida de resultados do exercício. Crédito em incumprimento: Corresponde ao conceito instituído pela Instrução nº 16/2004 do Banco de Portugal que inclui o crédito vencido há mais de 90 dias adicionado do crédito vincendo de cobrança duvidosa cujo provisionamento esteja a ser efectuado como se de créditos vencidos se tratassem. Abordagens e métodos adoptados: Na determinação do risco de crédito e respectivas provisões associadas, há a considerar as seguintes categorias de activos: (a) Crédito a clientes;

19 19 (b) Activos disponíveis para venda; (c) Investimentos até à maturidade; (d) Activos tangíveis e intangíveis; (e) Activos não correntes detidos para venda; (f) Investimentos em subsidiárias e associadas e (g) Passivos contingentes. Provisões para riscos de crédito a clientes Os critérios de valorimetria e provisionamento do crédito concedido são definidos pelas regras do Banco de Portugal de acordo com o Aviso nº 3/95 do Banco de Portugal, e outras disposições emitidas pelo mesmo, o Banco deverá constituir, se aplicável, as seguintes provisões para riscos de crédito: i) Provisão para crédito e juros vencidos ii) Provisão para créditos de cobrança duvidosa iii) Provisão para riscos gerais de crédito No exercício o Banco registou apenas provisões para riscos gerais de crédito. A correcção dos valores de balanço do crédito a clientes é concretizada na contabilidade através do mecanismo das provisões. Este mecanismo contabilístico consiste em isolar o montante das perdas identificadas para uma dada categoria de activos através do seu registo em contas específicas cujo saldo de natureza credor é criado através de custos do exercício, ajustados pelas recuperações ocorridas, saldo esse utilizado quando se opera o abate ou a venda do crédito. Provisões para activos disponíveis para venda Os activos financeiros disponíveis para venda são activos financeiros não derivados que o Banco tem a intenção de deter por tempo indeterminado. Estes activos específicos são Obrigações do Tesouro Português, que o Banco tem obrigação legal de deter em carteira, de modo a cumprir com as normas estabelecidas pelo Sistema de Indemnização aos Investidores. Nos títulos representativos de dívida, há registo de perdas por imparidade apenas nas situações em que haja evidências objectivas de que não ocorrerão todos os influxos contratualmente estabelecidos nas condições de emissão da dívida. Adicionalmente as avaliações são obtidas através de preços de mercado (mark to market) ou de modelos de avaliação (mark to model) os quais requerem a utilização

20 20 de determinados pressupostos ou julgamento no estabelecimento de estimativas de justo valor. Os activos financeiros disponíveis para venda são igualmente registados ao justo valor. Os juros, calculados à taxa de juro efectiva são reconhecidos na demonstração de resultados. A utilização de metodologias alternativas e de diferentes pressupostos e estimativas, poderá resultar num nível diferente de perdas por imparidade reconhecidas, com o consequente impacto nos resultados do banco. Investimentos até á maturidade Só podem integrar esta carteira os instrumentos elegíveis nos termos do IAS 39. Estes activos são valorizados ao custo amortizado, sendo objecto de testes de imparidade. Esta é contabilizada e reconhecida no exercício em que haja evidências objectivas de que não ocorrerão para o Banco todos os influxos contratualmente estabelecidos nas condições de emissão da dívida. Activos tangíveis e intangíveis Estes activos são valorizados ao custo, deduzidos das respectivas amortizações acumuladas. Sempre que sejam identificadas imparidades nestes activos as mesmas são objecto de reconhecimento. Os activos tangíveis são amortizados de acordo com o método das quotas constantes durante o período de vida útil dos activos que varia em função da sua natureza (para mais detalhes consulte-se o último Relatório e Contas publicado pelo Banco). Activos não correntes detidos para venda Não aplicável. Investimentos em subsidiárias e associadas Não aplicável. 5.2 CORRECÇÕES DE VALOR E PROVISÕES Não existe qualquer valor a reportar.

BANQUE PRIVÉE ESPÍRITO SANTO S.A. Sucursal em Portugal

BANQUE PRIVÉE ESPÍRITO SANTO S.A. Sucursal em Portugal BANQUE PRIVÉE ESPÍRITO SANTO S.A. Sucursal em Portugal Disciplina de Mercado Relatório Anual de Divulgação 2012 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 4 1 DECLARAÇÃO DE RESPONSABILIDADE... 5 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO 2013 MARÇO DE 2014 2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 1. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO... 3 2. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE MERCADO... 4 3. CONCENTRAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 8/2007 Anexo VII - Utilização de Modelos Internos para o Cálculo dos Requisitos de Fundos Próprios

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 8/2007 Anexo VII - Utilização de Modelos Internos para o Cálculo dos Requisitos de Fundos Próprios Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 8/2007 Anexo VII - Utilização de Modelos Internos para o Cálculo dos Requisitos de Fundos Próprios 1 - O Banco de Portugal, nas condições definidas no presente Anexo,

Leia mais

Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013

Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013 Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013 Síntese Financeira ao abrigo da Circular No. 026/B/2012-DSB/AMCM de 16/11/2012 Síntese Financeira ao abrigo da Circular N.º 026/B/2012-DSB/AMCM de 16/11/2012

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS Nos termos da alínea f) do artigo 58.º do Decreto-lei n.º 144/2006, de 31 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Fortis Lease Portugal, Instituição Financeira de Crédito, S.A

Fortis Lease Portugal, Instituição Financeira de Crédito, S.A FORTIS LEASE PORTUGAL IFIC S.A. AVISO 10/2007 DISCIPLINA DE MERCADO Disciplina de Mercado - 2010 1 Índice Nota Introdutória 3 1. Declaração de Responsabilidade 3 2. Âmbito de Aplicação e Políticas de Gestão

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

29.12.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 360/145

29.12.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 360/145 29.12.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 360/145 REGULAMENTO (UE) N. o 1256/2012 DA COMISSÃO de 13 de dezembro de 2012 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais

Leia mais

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas Índice 01 02 Demonstrações financeiras consolidadas 6 Demonstração

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas contabilísticas e de relato financeiro Norma contabilística e de relato financeiro 1 - Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Norma contabilística e de relato financeiro 2 - Demonstração

Leia mais

Decreto-Lei 333/2001, de 24 de Dezembro-I Série A

Decreto-Lei 333/2001, de 24 de Dezembro-I Série A Decreto-Lei 333/2001, de 24 de Dezembro-I Série A Transpõe para o ordenamento jurídico interno a Directiva n.º 98/31/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Junho, que altera a Directiva n.º

Leia mais

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9.

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9. ÍNDICE (parágrafos) Objectivo 1 e 2 Âmbito 3 Considerações Gerais 4 e 5 Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8 Período de Relato 9 Balanço 10 a 31 Demonstração dos Resultados 32 a 38 Demonstração

Leia mais

Edifício Quartzo - Rua Alexandre Herculano nº 38-1269-161 Lisboa Portugal. Capital Social: 180.000.000 euros

Edifício Quartzo - Rua Alexandre Herculano nº 38-1269-161 Lisboa Portugal. Capital Social: 180.000.000 euros BANCO ESPÍRITO SANTO DE INVESTIMENTO, S.A. Edifício Quartzo - Rua Alexandre Herculano nº 38-1269-161 Lisboa Portugal Capital Social: 180.000.000 euros Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de

Leia mais

Manual de Instruções do Banco de Portugal. Instrução nº 13/2009. ASSUNTO: Informações periódicas de liquidez

Manual de Instruções do Banco de Portugal. Instrução nº 13/2009. ASSUNTO: Informações periódicas de liquidez Manual de Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 13/2009 ASSUNTO: Informações periódicas de liquidez Considerando que o Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras prevê, no

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Em sede do compromisso para uma "Better Regulation", assumido pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, foi proposta, nomeadamente,

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras fevereiro de 2015 Este relatório contém 64 páginas Capital Social 22.375.000 o matricula na CRCL com o número único de matricula e identificação de pessoa coletiva 501 836 926

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

DISCIPLINA DE MERCADO BANCO DE INVESTIMENTO GLOBAL, S.A.

DISCIPLINA DE MERCADO BANCO DE INVESTIMENTO GLOBAL, S.A. DISCIPLINA DE MERCADO BANCO DE INVESTIMENTO GLOBAL, S.A. 2009 Índice 1. Declaração de responsabilidade do Conselho de Administração 2. Âmbito de aplicação e Políticas de gestão de risco 3. Adequação de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Encontro de Gestão de Riscos para IFDs Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Outubro de 2014 Agenda 1. Entendendo Basileia III 1.1 Nova composição do

Leia mais

L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011

L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011 L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011 REGULAMENTO (UE) N. o 1205/2011 DA COMISSÃO de 22 de Novembro de 2011 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008 que adopta certas normas internacionais

Leia mais

Disciplina de Mercado

Disciplina de Mercado Disciplina de Mercado Abril de 2014 GGH PARTNERS PORTUGAL SOCIEDADE GESTORA DE PATRIMÓNIOS, S.A. RUA BARATA SALGUEIRO, 30 7º ESQ./8º 1250-044 LISBOA TEL: +351 21 359 21 80 FAX: +351 21 359 21 89 CAPITAL

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

sobre Instrumentos Financeiros

sobre Instrumentos Financeiros A Informação que deve ser Prestada pelos Intermediários Financeiros sobre Instrumentos Financeiros CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 A Informação que deve ser prestada pelos

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS 1/12 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS 1 - OBJECTIVO A presente directriz tem por objectivo o tratamento contabilístico dos contratos de futuros, negociados em mercados organizados com

Leia mais

Agenda Evolução de mapas legais Obrigado AGENDA Evolução do Normativo Contabilístico Nacional SNC Demonstrações Financeiras A nova terminologia Dificuldades de transição Siglas SNC: Sistema de Normalização

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras fevereiro de 2015 Este relatório contém 28 páginas CONTEÚDO I Pág. Demonstrações financeiras Demonstração dos resultados 3 Demonstração do rendimento integral 3 Balanço 4 Demonstração

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 8/2005 Considerando a Directiva nº 98/31/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Junho, que alterou a Directiva nº 93/6/CE, de 15 de Março, relativa à adequação

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Havendo necessidade de se rever a regulamentação relativa

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

O resultado consolidado do exercício é no valor de 223 403,05 Euros.

O resultado consolidado do exercício é no valor de 223 403,05 Euros. RELATÓRIO DE GESTÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2014 CONTAS CONSOLIDADAS Senhores Accionistas, De acordo com a Lei e os Estatutos, submetemos à Vossa apreciação, discussão e votação o Relatório,

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo)

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 118/96 ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Tendo presente as alterações introduzidas no Código do Mercado de Valores

Leia mais

Balanço inicial do Novo Banco em base individual, incorporando o resultado da validação levada a cabo pela PricewaterhouseCoopers, por determinação

Balanço inicial do Novo Banco em base individual, incorporando o resultado da validação levada a cabo pela PricewaterhouseCoopers, por determinação Balanço inicial do Novo Banco em base individual, incorporando o resultado da validação levada a cabo pela PricewaterhouseCoopers, por determinação do Banco de Portugal, nos termos da primeira parte do

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 2/2007 PROJECTOS DE INSTRUÇÃO DO BANCO DE PORTUGAL

CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 2/2007 PROJECTOS DE INSTRUÇÃO DO BANCO DE PORTUGAL CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 2/2007 PROJECTOS DE INSTRUÇÃO DO BANCO DE PORTUGAL Sobre a adequação dos fundos próprios ao nível de um conglomerado financeiro Sobre

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2012 Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

Adopção das recomendações do FSF e do CEBS relativas à transparência da informação e à valorização de activos Grupo Tecnicrédito SGPS / Banco Mais, S.A. 0. Introdução Este anexo é apresentado em resposta

Leia mais

05 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS DO GRUPO

05 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS DO GRUPO 05 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS DO GRUPO 1. BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, C.R.L. Balanços em 31 de Dezembro de e 2010 2010 ACTIVO Notas Activo

Leia mais

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007 Contabilidade Normas Internacionais 1 de Março de 2007 O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas (William George Ward) 1. Influência do meio envolvente

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009)

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Assunto: s às Perguntas Mais Frequentes sobre a Instrução da CMVM n.º 3/2008 - Informação sobre Concessão de Crédito para a

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 113 SONAE, SGPS, SA BALANÇOS CONSOLIDADOS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E DE 2008 (Montantes expressos em euros) ACTIVO Notas ACTIVOS NÃO CORRENTES:

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

2. Bases de apresentação das demonstrações financeiras e principais políticas contabilísticas adoptadas

2. Bases de apresentação das demonstrações financeiras e principais políticas contabilísticas adoptadas Notas explicativas integrantes das Demonstrações Financeiras (Montantes expressos em euros, excepto quando indicado) 1. Informação Geral A N Seguros, S.A. ( N Seguros ou Seguradora ) foi constituída em

Leia mais