As Sociedades Recolectoras e as Primeiras Sociedades Produtoras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Sociedades Recolectoras e as Primeiras Sociedades Produtoras"

Transcrição

1 Slide 1 As Sociedades Recolectoras e as Primeiras Sociedades Produtoras

2 Slide 2 O Aparecimento do Homem Ocorreu em África, há mais de 4 milhões de anos. O mais antigo antepassado do Homem é conhecido por Australopiteco, já era bípede (andava sobre as duas pernas) e caminhava na vertical. Podia utilizar as mãos para fabricar instrumentos.

3 Slide 3 A Evolução do Homem Ao longo de séculos o ser humano evoluiu e transformou-se. Este lento processo de evolução chama-se Hominização. Os primeiros hominídeos viveram na Pré-História - período anterior à invenção da escrita. Este período é também conhecido por Paleolítico período da pedra antiga ou lascada.

4 Slide 4 O Fabrico de Utensílios Utilidade dos primeiros utensílios: caça; defesa e preparação de alimentos. Técnica de fabrico de utensílios lascagem. Efectuava-se batendo uma pedra contra a outra, tentando aguçá-la, à medida que se iam tirando lascas. Tipos de utensílios: seixos quebrados, raspadores, bifaces, pontas de seta, agulhas, lanças, arpões. Técnica de fabrico de utensílios lascagem

5 Slide 5 Utensílios do Paleolítico Seixo quebrado Biface Ponta de seta Agulha em osso Arpão em osso

6 Slide 6 A Descoberta do Fogo

7 Slide 7 A Descoberta do Fogo Foi descoberto pelo Homo Erectus. Fabricava-se friccionando dois pedaços de madeira ou percutindo duas pedras. Provocou importantes transformações na vida do Homem: - melhor alimentação; - defesa e protecção de animais ferozes; - iluminação das cavernas; - protecção do frio; - endurecer as pontas de seta; - contribuiu para estreitar laços e solidariedade.

8 Slide 8 A VIDA NO PALEOLÍTICO

9 Slide 9 A Caça Começaram por caçar pequenos animais; Depois passaram a caçar animais de grande porte (mamutes, elefantes, bisontes, ursos, veados, cavalos); Caçavam em grupo, utilizavam os seus utensílios e faziam armadilhas.

10 Slide 10 Principais actividades Colhiam frutos; Pescavam; Caçavam. Assim, dizemos que estes Homens tinham uma economia recolectora, ou seja, recolhiam o que a Natureza lhes dava.

11 Slide 11 Habitação Habitavam em cavernas e grutas; Construíam pequenas tendas, com estrutura de ossos ou madeira e cobertas de peles de animais ou ramos de árvores. Quando os alimentos começavam a faltar numa zona tinham de partir em busca de novos alimentos. Por isso dizemos que eram nómadas.

12 Slide 12 Alargamento das áreas habitadas

13 Slide 13 Alargamento das áreas habitadas Crescimento populacional Procura de novos territórios de caça Formação de grandes glaciares Factores que contribuíram para que o homo erectus saísse de África e se espalhasse pela Europa, Ásia, América e Oceânia.

14 Slide 14 A ARTE NO PALEOLÍTICO

15 Slide 15 ARTE RUPESTRE Animais de caça Figuras humanas Mãos

16 Slide 16 ARTE MÓVEL Vénus de Willendorf

17 Slide 17 A ARTE NO PALEOLÍTICO Existem dois tipos de arte no Paleolítico: Arte Rupestre pinturas e gravuras feitas nas paredes de grutas e cavernas ou nas rochas ao ar livre. Aparecem representados animais, mãos, sinais difíceis de interpretar e, raramente, figuras humanas. Alguns dos locais mais importantes onde se podem encontrar são: Grutas de Lascaux e Altamira e Vila Nova de Foz Côa (Portugal). Arte móvel pequenos objectos que se podem transportar, por exemplo, pequenas estatuetas femininas chamadas Vénus, instrumentos de caça e amuletos. Eram feitos de pedra, madeira, osso ou marfim.

18 Slide 18 RITOS MÁGICOS E FUNERÁRIOS O ser humano foi sentindo a necessidade de explicar fenómenos como o nascimento, a morte, a chuva, o dia, a noite, etc. Isto levou-os a desenvolver crenças religiosas. Para tentar dominar as forças da Natureza começaram a praticar ritos mágicos como danças, gestos e sacrifícios de animais. Também começaram a acreditar na vida para além da morte, o que os levou a praticar ritos funerários (enterro de mortos com adornos, flores e comida).

As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras

As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras A origem do Homem Várias teorias científicas e religiosas Charles Darwin (1809/1882) Evolução das espécies As espécies originaram-se umas

Leia mais

Mas nem sempre o Homem habitou a terra...

Mas nem sempre o Homem habitou a terra... A Pré-História abarca um período de tempo muito longo, desde há mais de 4 milhões de anos até cerca de 4000 a.c., quando surgiu a escrita nas primeiras civilizações. Mas nem sempre o Homem habitou a terra...

Leia mais

1. O Paleolítico Idade da Pedra Lascada (Die Altsteinzeit)

1. O Paleolítico Idade da Pedra Lascada (Die Altsteinzeit) 1. O Paleolítico Idade da Pedra Lascada (Die Altsteinzeit) Muito antes de 500 000 anos a.c. até cerca de 10 000 anos a.c. Arqueólogos em busca de vestígios da Idade da Pedra. Objetos feitos de pedra, osso

Leia mais

TEXTO BASE: PRÉ-HISTÓRIA

TEXTO BASE: PRÉ-HISTÓRIA TEXTO BASE: PRÉ-HISTÓRIA A Pré-História é um termo utilizado para definir o período que compreende desde o surgimento dos primeiros gêneros humanos (por volta de 4 milhões de anos) no leste do continente

Leia mais

A Arte na Pré-História. 6º Ano 1º Bimestre 2015

A Arte na Pré-História. 6º Ano 1º Bimestre 2015 A Arte na Pré-História 6º Ano 1º Bimestre 2015 Um dos períodos mais instigantes e encantadores da história humana. Entretanto, não há registros em documentos escritos que nos forneçam dados daquela época,

Leia mais

1.3 Os Recursos naturais e a fixação humana

1.3 Os Recursos naturais e a fixação humana 1.3 Os Recursos naturais e a fixação humana As primeiras comunidades recolectoras Desde há muitos milhares de anos que o Homem habita a Península Ibérica. Vieram de África através do estreito de Gibraltar.

Leia mais

Podemos considerar arte da pré-historia todas as manifestações que surgiram antes do aparecimento das primeiras civilizações e da arte escrita.

Podemos considerar arte da pré-historia todas as manifestações que surgiram antes do aparecimento das primeiras civilizações e da arte escrita. Podemos considerar arte da pré-historia todas as manifestações que surgiram antes do aparecimento das primeiras civilizações e da arte escrita. Inicialmente as formas de arte possuíam uma utilidade prática,

Leia mais

A Arte na Pré-História. 1º Ano 1º Bimestre 2015

A Arte na Pré-História. 1º Ano 1º Bimestre 2015 A Arte na Pré-História 1º Ano 1º Bimestre 2015 Um dos períodos mais instigantes e encantadores da história humana. Entretanto, não há registros em documentos escritos que nos forneçam dados daquela época,

Leia mais

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação.

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. ENERGIA origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. A mais antiga forma de energia é a produzida pelos músculos

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador Pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 6º ano. TURMA 603 NOME: nº ARTE DA PRÉ-HISTÓRIA As primeiras manifestações artísticas

Leia mais

HISTÓRIA 6º ano 1º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

HISTÓRIA 6º ano 1º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES Capítulo 1 O que é história? Capítulo 2 A história, o empo e o espaço? Capítulo 3 O ser humano em busca de suas origens. 1. Defina os termos: a) Fontes históricas. b) Patrimônios históricos. HISTÓRIA 6º

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Agrupamento de Escolas de Arraiolos Escola EB 2,3/S Cunha Rivara de Arraiolos Ano Lectivo 2009/2010 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º Ano Teste de Avaliação nº 2 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita.

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. A PRÉ-HISTÓRIA Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. PERÍODO PALEOLÍTICO OU IDADE DA PEDRA LASCADA No começo de sua trajetória, o homem usou sobretudo a pedra (além do

Leia mais

Nome: Turma: ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA

Nome: Turma: ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA Colégio Pedro II Campus São Cristóvão II 6 ano Artes Visuais Professora: Maria Lia Nome: Turma: ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA A arte nasceu da vontade dos seres humanos de representarem o mundo

Leia mais

I Introdução. II Desenvolvimento

I Introdução. II Desenvolvimento I Introdução Nos tempos primitivos não havia documentos escritos sobre a vida nem sobre o homem. Esse período é chamado de pré-história e o que se conhece a seu respeito baseia-se nos objetos que restam

Leia mais

ORIGENS DO SER HUMANO E POVOS ÁGRAFOS: descobrindo mais sobre nós mesmos. Prof. Renata Fernandes Maia de Andrade

ORIGENS DO SER HUMANO E POVOS ÁGRAFOS: descobrindo mais sobre nós mesmos. Prof. Renata Fernandes Maia de Andrade ORIGENS DO SER HUMANO E POVOS ÁGRAFOS: descobrindo mais sobre nós mesmos. Prof. Renata Fernandes Maia de Andrade ORIGENS DO SER HUMANO 2 Evolucionismo Criacionismo Desenvolvida principalmente por Charles

Leia mais

Revisão Arte 1 Ano Ensino Médio

Revisão Arte 1 Ano Ensino Médio Revisão Arte 1 Ano Ensino Médio Um olhar sobre a Arte/ Aprendendo a olhar as artes plásticas/ Arte pré-histórica: Paleolítico e Neolítico/ Arte no Brasil da pré-história Assim como o conceito de Arte,

Leia mais

CICLO DE WORKSHOPS DE ARQUEOLOGIA EXPERIMENTAL: PRÁTICAS ANCESTRAIS DE SOBREVIVÊNCIA: TALHE DE PEDRA E CONSTRUÇÃO DE FERRAMENTAS NO NEOLÍTICO

CICLO DE WORKSHOPS DE ARQUEOLOGIA EXPERIMENTAL: PRÁTICAS ANCESTRAIS DE SOBREVIVÊNCIA: TALHE DE PEDRA E CONSTRUÇÃO DE FERRAMENTAS NO NEOLÍTICO CICLO DE WORKSHOPS DE ARQUEOLOGIA EXPERIMENTAL: PRÁTICAS ANCESTRAIS DE SOBREVIVÊNCIA: TALHE DE PEDRA E CONSTRUÇÃO DE FERRAMENTAS NO NEOLÍTICO WORKSHOP 1: MACHADOS (CABO E LÂMINA) - 8H Introdução teórica

Leia mais

Arte da Pré-História

Arte da Pré-História ALUNO(A) Nº SÉRIE: 6º. Ano TURMA: DATA: / /2013 Profª Ana Lúcia Leal - DISCIPLINA: ARTE Ficha de Aula - III Trimestre Arte da Pré-História As primeiras expressões artísticas As mais antigas figuras feitas

Leia mais

L/O/G/O Evolução da população

L/O/G/O Evolução da população L/O/G/O Evolução da população Comportamento dos indicadores demográficos Resumo 1 2 Indicadores demográficos Evolução da população 3 4 Click t add title in here Click to add title in here Indicadores demográficos

Leia mais

Universidade Federal do Ceará 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. Data: 14.12.2009 Duração: 04 horas CORRETOR 1

Universidade Federal do Ceará 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. Data: 14.12.2009 Duração: 04 horas CORRETOR 1 1ª AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO FINAL CORRETOR 1 01 02 03 04 05 06 07 08 Reservado à CCV Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Reservado à CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA

Leia mais

AS ORIGENS DO SER HUMANO

AS ORIGENS DO SER HUMANO AS ORIGENS DO SER HUMANO A evolução do ser humano O ser humano faz parte do processo de formação e evolução que criou toda a vida do planeta. A VIDA NA TERRA- Existe algo em comum entre uma baleia e uma

Leia mais

Sistemática dos seres vivos

Sistemática dos seres vivos Sistemática dos seres vivos O mundo vivo é constituído por uma enorme variedade de organismos. Para estudar e compreender tamanha variedade, idd foi necessário agrupar os organismos de acordo com as suas

Leia mais

Evolução humana. NEANDERTHAL Parente próximo do Pedro Vitória 1 ser humano

Evolução humana. NEANDERTHAL Parente próximo do Pedro Vitória 1 ser humano Evolução humana NEANDERTHAL Parente próximo do Pedro Vitória 1 ser humano Árvore evolutiva Há cerca de 5 milhões de anos, o grupo de primatas que habitava a selva africana subdividiu-se, o que originou

Leia mais

Abril de 2008. Daniela Alexandra Diogo

Abril de 2008. Daniela Alexandra Diogo O Abril de 2008 Daniela Alexandra Diogo 16 1 Ambos os métodos podem criar severos danos ambientais, portanto, devem ser muito bem controlados. Conclusão Com este trabalho aprendemos que a água é muito

Leia mais

A História da Terra. Ciências Naturais - 7º Ano

A História da Terra. Ciências Naturais - 7º Ano A História da Terra Ciências Naturais - 7º Ano Como evoluiu o planeta Terra e a vida que ele contem A Terra gira à volta do Sol há cerca de 4600 milhões de anos, e não teve sempre o mesmo aspecto que hoje

Leia mais

Pré-história prof. Emerson Guimarães. José Adolfo S. de Campos Observatório do Valongo

Pré-história prof. Emerson Guimarães. José Adolfo S. de Campos Observatório do Valongo Pré-história prof. Emerson Guimarães José Adolfo S. de Campos Observatório do Valongo Período Paleolítico (~ 2 milhões a ~ 8000 a.c.) Vivia em cavernas Fogo, Facas Tacapes Caça Segurança Habitação Alimentação

Leia mais

1. A carroça de fogo (De Feierwon )

1. A carroça de fogo (De Feierwon ) V. O Luxemburgo país industrial (Luxembourg wird ein Industrieland) 1. A carroça de fogo (De Feierwon ) Uma nova força: o vapor (Eine neue Kraft: der Dampf) Nos diversos sectores, os moinhos de energia

Leia mais

Proposta para a apresentação ao aluno. Alunos de 1ª a 4ª série

Proposta para a apresentação ao aluno. Alunos de 1ª a 4ª série Alunos de 1ª a 4ª série O QUE É ARQUEOLOGIA? Ciência que estuda a história humana através dos materiais usadas no dia a dia das pessoas no passado (ferramentas, utensílios e outras coisas antigas). Tipo

Leia mais

Introdução. Curso de Economia Política. A Guerra do Fogo Jean Jacques Annaud, 1981

Introdução. Curso de Economia Política. A Guerra do Fogo Jean Jacques Annaud, 1981 Estudo da obra : uma introdução crítica Netto e Braz, 2006 Introdução : da origem à crítica marxiana Capítulo 1 Trabalho, sociedade e valor Capítulo 2 Categorias (da Crítica) da Exibição do filme 28 de

Leia mais

A arte reflete a vida

A arte reflete a vida A arte reflete a vida A arte é uma constante na vida. Ela faz parte da história de todos nós. Aquele general autoritário, aquele padre severo, aquela mulher bondosa e aquela criança endiabrada são todos

Leia mais

HISTÓRIA DOS PRIMÓRDIOS PROFESSOR: EDUARDO C. FERREIRA

HISTÓRIA DOS PRIMÓRDIOS PROFESSOR: EDUARDO C. FERREIRA HISTÓRIA DOS PRIMÓRDIOS PROFESSOR: EDUARDO C. FERREIRA 1.Origem: Parindo da África De acordo com os estudos mais aceitos acredita-se que nosso planeta formou-se há cerca de 5 bilhões de anos. Milhões e

Leia mais

Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Comunicação / Informação / Dados

Comunicação / Informação / Dados Comunicação / Informação / Dados Pensa-se que já os nossos antepassados Homo Sapiens já comunicavam através da linguagem. A linguagem é uma capacidade estritamente humana. Linguagem É a faculdade de um

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA 5ºAno 1.5 CIÊNCIAS 4º período 10 de dezembro de 2015 Cuide da organização da sua prova. Escreva de forma legível. Fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado na correção.

Leia mais

Colette Swinnen. Ilustrações de Loïc Méhée. Tradução Hildegard Feist

Colette Swinnen. Ilustrações de Loïc Méhée. Tradução Hildegard Feist Colette Swinnen Ilustrações de Loïc Méhée Tradução Hildegard Feist Para minhas filhas, Cécile e Marianne Copyright 2008 by Actes Sud Graf ia atualizada segundo o Acordo Ortográf ico da Língua Portuguesa

Leia mais

Avaliação Ciências 6º ano Unidade 7

Avaliação Ciências 6º ano Unidade 7 1. A ilustração abaixo representa um ecossistema. Com relação a esse ecossistema responda: a) O que é um ecossistema? b) Quais são os componentes vivos representados? c) Cite alguns dos elementos não vivos

Leia mais

Mudanças no feudalismo

Mudanças no feudalismo Mudanças no feudalismo Capítulo 06 Prof: Diego Gomes e Ariane Bastos Disciplina: História Série: 7 ano Mudanças... Mudanças na forma de produção A partir do século XI, a Europa feudal começou a mudar;

Leia mais

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão HISTÓRIA DA ARTE Aluno (a): Professor: Lucas Salomão Data: / /2015 9º ano: A [ ] B [ ] ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem

Leia mais

A MENINA DO MAR Introdução do léxico

A MENINA DO MAR Introdução do léxico A MENINA DO MAR Introdução do léxico Actividade oral: com ajuda de flash-card (um peixe, um cavalo marinho, uma estrela do mar, um caranguejo, um búzio, um polvo, uma concha). Os alunos nomeiam, repetem

Leia mais

Centro Hípico de Alcaria

Centro Hípico de Alcaria Bem-vindo ao Centro Hípico de Alcaria A natureza encarregou-se de esculpir o Parque Natural da Serra de Aire, e o Centro Hípico de Alcaria oferece-lhe o dorso de um cavalo para viajar entre os maravilhosos

Leia mais

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2. Tabelas e Diagramas de Freqüência

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2. Tabelas e Diagramas de Freqüência Tabelas e Diagramas de Freqüência Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2 O primeiro passo na análise e interpretação dos dados de uma amostra consiste na descrição (apresentação) dos dados

Leia mais

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais.

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman Centro Universitário Estácio da Bahia Conteúdo O contexto histórico

Leia mais

Levando em consideração o valor das cores nas obras de arte, explique:

Levando em consideração o valor das cores nas obras de arte, explique: Atividade extra Módulo 1 Fascículo 1 Artes Unidade 1 Artes: Princípios e Linguagens Questão 1 As cores são capazes de nos transmitir diversas sensações, criar espaços, dar volume a um objeto, aproximá-lo

Leia mais

www.interaulaclube.com.br

www.interaulaclube.com.br A UU L AL A O mar Observe atentamente a figura abaixo. Uma olhada mais despreocupada para o desenho pode dar a impressão de que estamos diante de uma região desértica na superfície da Terra. Mas, prestando

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA APOSTILA 1 ARITMÉTICA PARTE I INTRODUÇÃO Durante muitos períodos da história

Leia mais

Sistemas de classificação

Sistemas de classificação Sistemas de classificação A Ciência da classificação!!! Se não conhecerem o nome das coisas, perde-se também o conhecimento da sua existência. (Lineu, Philosophia Botanica) Os animais dividem-se em a)

Leia mais

DERIVA CONTINENTAL E TECTÔNICA DE PLACAS

DERIVA CONTINENTAL E TECTÔNICA DE PLACAS DERIVA CONTINENTAL E TECTÔNICA DE PLACAS Entende-se como deriva continental os deslocamentos que as placas apresentam. A tectônica de placas consiste na teoria que explica a causa desses deslocamentos.

Leia mais

PERCURSO 5 Brasil: distribuição e crescimento da população. 7º ano EBS Prof. Gabriel Rocha

PERCURSO 5 Brasil: distribuição e crescimento da população. 7º ano EBS Prof. Gabriel Rocha PERCURSO 5 Brasil: distribuição e crescimento da população 7º ano EBS Prof. Gabriel Rocha PAÍSES MAIS POPULOSOS DO MUNDO 1 China: 1.372.470.000 2 Índia: 1.278.160.000 3 EUA: 321.968.000 4 Indonésia: 255.780.000

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia. Lista de atividades 6º ano

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia. Lista de atividades 6º ano 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 6º ano Apostila 1 Tempo histórico, periodização da História, ocupação da América. Apostila 2 Egito, Mesopotâmia,

Leia mais

Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de

Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de Ginástica Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de soldados. A ginástica deve a sua história ao militarismo.

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo.

Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo. Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo. 2 Habilidades: Aula 1: Diferenciar as formas de relevo da

Leia mais

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS PRISMAS Os prismas são sólidos geométricos muito utilizados na construção civil e indústria. PRISMAS base Os poliedros representados a seguir são denominados prismas. face lateral base Nesses prismas,

Leia mais

ECOLOGIA. Conceitos fundamentais e relações alimentares

ECOLOGIA. Conceitos fundamentais e relações alimentares ECOLOGIA Conceitos fundamentais e relações alimentares A ECOLOGIA estuda as relações dos seres vivos entre si e deles com o ambiente onde vivem. Assunto da atualidade: crescimento exagerado da população

Leia mais

Segunda Revolução Industrial. Um mundo cheio de mudanças

Segunda Revolução Industrial. Um mundo cheio de mudanças Segunda Revolução Industrial Um mundo cheio de mudanças Nas relações humanas da contemporaneidade, a informação circula com muita rapidez. A globalização envolve diferentes esferas sociais tais como a

Leia mais

Ciências/15 7º ano Turma:

Ciências/15 7º ano Turma: Ciências/15 7º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / 7ºcie301r Roteiro de Estudos- Recuperação de Ciências 7 ANO 1º trimestre O que estudamos no primeiro trimestre? No primeiro trimestre estudamos as

Leia mais

OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. Resumo

OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. Resumo OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA Resumo Os grandes matemáticos surgiram antes e depois de Cristo, inventando novas fórmulas, soluções e cálculos. A inteligência do homem era algo tão magnífico, que a matemática

Leia mais

1. Como sabes vais usar frequentemente o Método Científico. 1.1. Indica as fases do método científico.

1. Como sabes vais usar frequentemente o Método Científico. 1.1. Indica as fases do método científico. Nome: 1. Como sabes vais usar frequentemente o Método Científico. 1.1. Indica as fases do método científico. 1.2. Considera as frases que se seguem e completa os espaços ( ) com algumas das fases do método

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 8.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 8.º Ano Projeto 1 Condições que permitem a vida na Terra Ciências Naturais Compreender o ambiente! Tempo Previsto: 1 quinzena 1.ª Fase: Posição da Terra no Sistema Solar 2.ª Fase: Condições da Terra que permitem

Leia mais

Química Orgânica I QFL Definição e Importância da Química Orgânica

Química Orgânica I QFL Definição e Importância da Química Orgânica 1. Introdução Química rgânica I QFL-305 1.1. Definição e Importância da Química rgânica 1.2. Alguns Eventos da istória da Química rgânica (Bibliografia principal: Solomons, 7ed) 1.3. Ligações Químicas

Leia mais

O Casamento do Saci-Pererê

O Casamento do Saci-Pererê O Casamento do Saci-Pererê Pedro Miguel Miralante Ilustrações Thiago Vaccani Catalogação na Publicação (CIP) Ficha catalográfica feita pelo autor Miralante, Pedro Miguel, 2012 O Casamento do Saci-Pererê

Leia mais

História de pescador. Sucuri assassina engole pescador em Barra do Garças

História de pescador. Sucuri assassina engole pescador em Barra do Garças História de pescador. Sucuri assassina engole pescador em Barra do Garças Sucuri assassina, anaconda assassina, a cobra devoradora de homens: são muitos os títulos adequados a essa lenda. 1 / 9 A história

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Olho D'Água das Flores, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 183,96 km² IDHM 2010 0,565 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS BRASIL

BIOMAS BRASILEIROS BRASIL BIOMAS BRASILEIROS BRASIL BIOMAS BRASILEIROS Aziz Ab Sáber (1924) Floresta Tropical pluvial-úmida Tropical:próxima ao Equador, estabilidade climática Pluvial: chuvas intensas e regulares ao longo do ano

Leia mais

Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos

Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA I Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos Industrialização e Imperialismo Heranças africanas A Primeira Guerra Mundial A Revolução Russa

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 Quanto ao contexto do surgimento da Sociologia, marque a alternativa correta. A) A Sociologia nasceu como ciência a partir da consolidação da sociedade burguesa urbana-industrial

Leia mais

Revolução Industrial I e II

Revolução Industrial I e II HISTÓRIA ORIGEM PIONERISMO INGLÊS CURIOSIDADES INVEÇÕES ENTRE OUTROS RELAÇÕES DE TRABALHO Revolução Industrial I e II Editoras/Grupo: Ana Clara, Kaline, Maria Bheatriz Sumário Pagina 3- O que foi a Revolução

Leia mais

Vídeo 2. Bônus. Dicas especiais para você praticar o conteúdo e tornar a sua experiência mais envolvente. Aproveite ; )

Vídeo 2. Bônus. Dicas especiais para você praticar o conteúdo e tornar a sua experiência mais envolvente. Aproveite ; ) Vídeo Bônus Dicas especiais para você praticar o conteúdo e tornar a sua experiência mais envolvente. Aproveite ; ) NESTE BÔNUS 3 Resumo do que foi visto no vídeo Dicas para praticar em um teclado virtual

Leia mais

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios Lisboa, 8 de Maio de 2012 ADENE Agência para a Energia sce@adene.pt ÍNDICE A Directiva Europeia EPBD Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Pré história. Criação: Ana Cláudia B.Sanches

Pré história. Criação: Ana Cláudia B.Sanches Pré história Pré-história Paleolítico inferior 500.000 a.c. Paleolítico superior 30.000 a.c. Idade da pedra lascada / cortante Primeiras manifestações artísticas Pedra lascada Paleolítico 30.000 a.c. Idade

Leia mais

Espaço Geográfico. As transformações realizadas pela ação humana

Espaço Geográfico. As transformações realizadas pela ação humana Espaço Geográfico As transformações realizadas pela ação humana Concepção teórica É por demais sabido que a principal forma de relação entre o homem e a natureza, ou melhor, entre o homem e o meio, é dada

Leia mais

PREÇO EM PEDIDO! Único quinta, 5 quartos, piscina, vista do mar, 2 apts e estábulos, Aljezur. CASA DE CAMPO EM ALJEZUR

PREÇO EM PEDIDO! Único quinta, 5 quartos, piscina, vista do mar, 2 apts e estábulos, Aljezur. CASA DE CAMPO EM ALJEZUR PREÇO EM PEDIDO! Único quinta, 5 quartos, piscina, vista do mar, 2 apts e estábulos, Aljezur. CASA DE CAMPO EM ALJEZUR ref. S2132 A pedido 5 3 250 m2 160.000 m2 Utilização Tipo Cidade Freguesia Concelho

Leia mais

Os Recursos Hídricos nos Países Lusófonos

Os Recursos Hídricos nos Países Lusófonos Os Recursos Hídricos nos Países Lusófonos Países Lusófonos Os Países Lusófonos são aqueles cuja a língua oficial é a Língua Portuguesa, sendo eles: Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique Portugal

Leia mais

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. José Geraldo Mill Diretor de Pós-Graduação A origem do conhecimento Conhecer: É buscar explicações para os fatos que podem

Leia mais

Ano: 8 Turma: 81 / 82

Ano: 8 Turma: 81 / 82 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: Ciências Professor (a): Felipe Cesar Ano: 8 Turma: 81 / 82 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

A NOVA CASA DE JOCA FICOU MAIS DO QUE A PRIMEIRA CASA.

A NOVA CASA DE JOCA FICOU MAIS DO QUE A PRIMEIRA CASA. 1ºano 1.1 HISTÓRIA & GEOGRAFIA 2º período 9 de junho de 2014 1. OUÇA A LEITURA DA HISTÓRIA ABAIXO, FEITA POR SUA PROFESSORA, E FAÇA O QUE É SOLICITADO. JOÃO-DE-BARRO JOCA É UM JOÃO-DE-BARRO MUITO ESPECIAL.

Leia mais

Economia? Conceito. Objeto QUESTÃO CENTRAL. Análise Microeconômica I Assuntos Preliminares RACIONALIDADE ECONÔMICA. Econ.

Economia? Conceito. Objeto QUESTÃO CENTRAL. Análise Microeconômica I Assuntos Preliminares RACIONALIDADE ECONÔMICA. Econ. Economia? Análise Microeconômica I Econ. Edilson Aguiais Material Disponível em: www.puc.aguiais.com.br microeconomia ou teoria de formação de preços: exame da formação de preços em mercados específicos.

Leia mais

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa.

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa. O ESPAÇO GEOGRÁFICO As sociedades humanas desenvolvem, durante sua história, modos próprios de vida. Estes decorreram da combinação de formas de subsistência material - com culturas diversas -, de diferentes

Leia mais

Meu Azerbaijão. Firuza MURADOVA, Doutor em ciências históricas. Arte rupestre de Gobustan. 4 www.irs-az.com

Meu Azerbaijão. Firuza MURADOVA, Doutor em ciências históricas. Arte rupestre de Gobustan. 4 www.irs-az.com Meu Azerbaijão Firuza MURADOVA, Doutor em ciências históricas Arte rupestre de Gobustan 4 www.irs-az.com 2(3), VERÃO 2014 SABE-SE QUE O AZERBAIJÃO PERTENCE ÀS REGIÕES DA EXPANSÃO INICIAL E ASSENTAMENTO

Leia mais

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 Como Nasceu a União Europeia? Depois da guerra...a paz, a solidariedade na Europa Em 1951, nasceu a primeira Comunidade - a Comunidade Europeia

Leia mais

Gabarito das Questões do Caderno de Estudante. História dos grandes personagens e das nações

Gabarito das Questões do Caderno de Estudante. História dos grandes personagens e das nações Gabarito das Questões do Caderno de Estudante Introdução A produção do conhecimento histórico Questão 4 Séculos XIX e XX Séculos XX e XXI Temas centrais pesquisados História dos grandes personagens e das

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 77/VIII ALTERA O REGIME PENAL DO TRÁFICO E DETENÇÃO DE ARMAS. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 77/VIII ALTERA O REGIME PENAL DO TRÁFICO E DETENÇÃO DE ARMAS. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 77/VIII ALTERA O REGIME PENAL DO TRÁFICO E DETENÇÃO DE ARMAS Exposição de motivos O regime criminal sobre tráfico e porte de armas, que tem hoje a sua sede no Código Penal e na Lei

Leia mais

Projecto de aumento de capacidade de produção

Projecto de aumento de capacidade de produção Projecto de aumento de capacidade de produção Apresentação a Analistas Leirosa, 26-01 01-2007 CELBI 2009 Projecto C 09 Celbi_Projecto_C09.ppt 1 ÍNDICE Apresentação Financeira.pág.3 a 6 Apresentação Comercial..pág.8

Leia mais

A Estatística nas Provas de Aferição

A Estatística nas Provas de Aferição Escola E.B. 2 e 3 de Sande Ficha de Trabalho de Matemática 6.º Ano A Estatística nas Provas de Aferição Nome: N.º Turma: 1. A tabela indica os quilogramas de papel que os alunos do 6º ano da escola do

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo.

Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo. Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo. 2 Habilidades: Aula 1: Diferenciar as formas de relevo da

Leia mais

Coberturas em Telhados TC-038

Coberturas em Telhados TC-038 Coberturas em Telhados TC-038 Cobertura Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, em geral caracterizado

Leia mais

FORMAÇÃO LITÚRGICA: LITURGIA: O QUE É?

FORMAÇÃO LITÚRGICA: LITURGIA: O QUE É? Escola de Maria: Escola da Fé FORMAÇÃO LITÚRGICA: LITURGIA: O QUE É? Formação Litúrgica: Liturgia: conceito O que é Liturgia? Termo de origem grega. ERGON (OBRA, AÇÃO, EMPREENDIMEN TO) (PÚBLICO) LEITON

Leia mais

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA O Futuro do Território Rural JOVENS EMPRESÁRIOS NO ESPAÇO RURAL Firmino Cordeiro Director-Geral da AJAP Organização: Apoio Institucional: AGRICULTURA NACIONAL - Agricultura profissional deve continuar

Leia mais

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Formações Florestais: Coníferas, Florestas Temperadas, Florestas Equatoriais e Florestas Tropicais. Formações Herbáceas e Arbustivas: Tundra, Pradarias Savanas,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Esperança, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,54 km² IDHM 2010 0,623 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 31095 hab. Densidade

Leia mais

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: A gruta de lascaux

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: A gruta de lascaux 5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 1 5 10 15 20 25 Leia este texto para resolver as questões de 1 a 4. A gruta de lascaux Alberto Alexandre Martins No dia 12 de

Leia mais

Vida no Paleozóico: As Trilobites

Vida no Paleozóico: As Trilobites Vida no Paleozóico: As Trilobites Helena Couto Directora-Adjunta Museu de História Natural da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Professora Associada Departamento Geologia da Faculdade de Ciências

Leia mais

GRUPO I 1 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO I 1 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 16/3/2011 PROVA GRUPO GRUPO I 1 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

MUSEU NACIONAL DA IMPRENSA

MUSEU NACIONAL DA IMPRENSA MUSEU NACIONAL DA IMPRENSA O PRAZER DA CULTURA SERVIÇOS EDUCATIVOS PROGRAMA ESCOLAS 2012 / 2013 CRIANÇAS MUSEU NACIONAL DA IMPRENSA SERVIÇOS EDUCATIVOS 2012 / 2013 CRIANÇAS 1 LEGENDAS Pré-Escolar 1º Ciclo

Leia mais

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome: 1- OBSERVE as imagens abaixo. a) CITE a planta que produz frutos e sementes.

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome: 1- OBSERVE as imagens abaixo. a) CITE a planta que produz frutos e sementes. Atividade de Estudo - Ciências 4º ano Nome: 1- OBSERVE as imagens abaixo. a) CITE a planta que produz frutos e sementes. b) EXPLIQUE o que são os pontinhos na folha da planta 1. c) DIFERENCIE a reprodução

Leia mais

Minas de Santo Adrião I

Minas de Santo Adrião I Vimoso 19 Os jazigos de mármore e alabastro de Santo Adrião, assim chamados do ponto onde predominam, estendem-se numa área superior a seis quilómetros pelos concelhos de Miranda do Douro e Vimioso, desde

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rondonópolis, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4181,58 km² IDHM 2010 0,755 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 195476 hab. Densidade

Leia mais

AULA 2 - Assíncrona Conteúdo:

AULA 2 - Assíncrona Conteúdo: 2 - Assíncrona Conteúdo: Crescimento da População Mundial Distribuição Geográfica 1.1 Habilidades: Compreender a estrutura atual da população mundial por faixa etária e por sexo, utilizando as pirâmides

Leia mais