CARACTERÍSTICAS AGRONÓMICAS E ENOLÓGICAS DA CASTA BAGA, EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERÍSTICAS AGRONÓMICAS E ENOLÓGICAS DA CASTA BAGA, EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO"

Transcrição

1 CARACTERÍSTICAS AGRONÓMICAS E ENOLÓGICAS DA CASTA BAGA, EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO Anabela ANDRADE 1 ; Amândio CRUZ 3 ; M. António BATISTA 2 ;A. DIAS-CARDOSO 1 ; Rogério de CASTRO 3 (1) DRAP Centro (2) CAVES MESSIAS (3) Instituto Superior de Agronomia, 8º SIMPÓSIO DE VITIVINICULTURA DO ALENTEJO Évora, 2010

2 INTRODUÇÃO Local de realização: Região Demarcada da Bairrada - Quinta do Valdoeiro - Caves Messias - Mealhada Ciclo Vegetativo: 2007

3 OBJECTIVOS Avaliar o efeito de diferentes formas de base (arquitectura) da planta sobre a ecofisiologia da planta/vinha de Baga e parâmetros da produção, rendimento e qualidade;

4 OBJECTIVOS Avaliar a oportunidade de supressão de cachos relativamente a critérios de rendimento e qualidade.

5 MATERIAL E MÉTODOS Localização: Parcela de vinha da Quinta do Valdoeiro, Caves Messias, Bairrada, 38º 82 N e 9º 17 O; 2,50 m x , 25 m

6 MATERIAL E MÉTODOS Material Vegetal: Cultivar Baga enxertada sobre 3309 C; Ex-libris, ainda dominante no encepamento tinto bairradino e a figurar obrigatoriamente no vinho de menção Bairrada Clássico

7 MATERIAL E MÉTODOS Solo: argilo-calcário, textura pesada, ph (H2O) pouco alcalino, medianamente provido em potássio assimilável, pobre em fósforo assimilável, de elevada capacidade de troca catiónica e de elevado grau de saturação em bases

8 MATERIAL E MÉTODOS Clima: (Thornthwaite) moderadamente húmido, mesotérmico, de deficiência moderada de água no Verão e medianamente temperado e chuvoso no Inverno

9 F O R M A S D E - MA: A mais habitual das formas de base em sistemas com aramação; Grande implantação é consequência da sua operacionalidade e facilidade de mecanização Monoplano ascendente podado em cordão permanente sob talões B A S E janela de divisão -LYS: Surge integrado nos sistemas de grande SFE: vinha larga em volume com 2 andares de produção Dois planos retombantes, um de cada lado da sebe ascendente

10 N Í V E I S D E M O N D A M1 supressão dos ladrões do tronco e braço (sem monda); M2 supressão dos ladrões do tronco e braço e com monda, ficando 1 cacho/sarmento, ao bago de ervilha;

11 N Í V E I S D E M O N D A M3: supressão dos ladrões do tronco e braço e com monda, ficando 1 cacho/ sarmento, ao pintor ; M4: supressão dos ladrões do tronco e braço e com monda qualitativa a culminar no pintor.

12 Delineamento Experimental 16 linhas experimentais: 8 linhas/forma de base; 2 formas de condução x 4 níveis de monda x 2 blocos; 8 videiras úteis/tratamento

13 Metodologias Poda e carga 5-6 unidades 2 e 3-4 olhos 2 unidades: 8 olhos 4 unidades: 3 olhos

14 Metodologias Fenologia; Abrolhamento e Fertilidade; Potencial Hídrico Foliar;

15 Metodologias Evolução da maturação

16 Pot. hídrico (MPa) RESULTADOS E DISCUSSÃO 1. Actividade Fisiológica Potencial hídrico foliar ( f) de base (ao pintor e à vindima) 0,0 11-Ago Set-07-0,2-0,4-0,6 LYS MA

17 12-Ago 19-Ago 2-Set 9-Set 16-Set 23-Set 27-Set 12-Ago 19-Ago 2-Set 9-Set 16-Set 23-Set 27-Set TAP (% V/V) 2. Maturação e qualidade à vindima Evolução do TAP, nas formas LYS e MA/nível de monda 14,0 12,0 LYS MA 10,0 8,0 6,0 M1 M2 M3 M4

18 12-Ago 19-Ago 2-Set 9-Set 16-Set 23-Set 27-Set 12-Ago 19-Ago 2-Set 9-Set 16-Set 23-Set 27-Set Antocianas (mg/l) 2. Maturação e qualidade à vindima Evolução, ao longo da maturação, do teor de antocianas nas formas LYS e MA/nível de monda LYS MA 0 M1 M2 M3 M4

19 12-Ago 19-Ago 2-Set 9-Set 16-Set 23-Set 27-Set 12-Ago 19-Ago 2-Set 9-Set 16-Set 23-Set 27-Set Polifenóis Totais (DO 280nm) 2. Maturação e qualidade à vindima Evolução, ao longo da maturação, dos polifenóis totais, nas formas LYS 80 e MA/nível de monda LYS MA 0 M1 M2 M3 M4

20 3. Características dos mostos e dos vinhos Influência da forma de condução e da supressão de cachos nos parâmetros analíticos do mosto à entrada da adega Parâmetros Unidade Lys M1 Lys M2 Lys M3 Lys M4 MA M1 MA M2 MA M3 MA M4 Acidez total g ác. tart./l 5,7 5,5 5,4 5,2 6,2 5,5 5,6 5,4 ph 3,2 3,23 3,23 3,24 3,15 3,26 3,21 3,26 Açúcar total g/l ,9 217,4 172,4 204,5 201,7 209,9 Ácido málico g/l 1,9 1,9 1,9 1,8 2,3 2,2 1,9 2,0 Ácido tartárico g/l 4,6 4,7 4,6 4,5 4,8 4,5 4,4 4,6 TAVP % vv 11,4 12,2 12,0 12,4 9,8 11,7 11,5 12,0

21 3. Características dos mostos e dos vinhos Influência da forma de condução e da supressão de cachos nos parâmetros analíticos do vinho Parâmetros Unid Lys M1 Lys M2 Lys M3 Lys M4 MA M1 MA M2 MA M3 MA M4 Massa volúmica a 20 º g/ml 0,9943 0,9947 0,9944 0,9944 0,9951 0,9941 0,9939 0,9938 TAV a 20 º % vol 11,5 12,6 12,3 12,6 9,9 11,8 11,7 12,3 Acidez volátil Acidez total Ac acét (g/l) Ac tart (g/l) 0,26 0,27 0,27 0,29 0,27 0,27 0,29 0,3 7,7 8,3 8,1 8 7,7 7,7 7,9 7,9 ph 3,4 3,37 3,38 3,39 3,31 3,44 3,35 3,4 Antocianas mg/l Açúcares redutores g/l 2,2 4,4 3,7 4,3 2,4 2,0 2,1 2,2 Extracto seco total g/l 29,4 33,9 32,2-26,9-29,2 30,8 ÍPT (DO 280 nm) Ácido málico g/l 2,6 2,7 2,7 2,6 2,5 2,6 2,5 2,7

22 Apreciação organoléptica dos vinhos (prova realizada em Outubro de 2007) Modalidades / Apreciação global Lys M1 Lys M2 Lys M3 Lys M4 MA M1 MA M2 MA M3 MA M

23 4. Rendimento e componentes Valores médios Factores Nº cachos/cepa Kg/cepa Peso/cacho (g) Rendimento (t/ha) LYS 17,2 4,55 267,6 14,6 MA 12,9 4,28 337,3 13,7 Sig. *** ns *** ns M1 20,9 a 5,83 a 279,5 b 18,7 a M2 13,2 b 3,82 b 294,8 b 12,2 b M3 14,2 b 3,81 b 280,6 b 12,2 b M4 12,0 c 4,20 b 355,0 a 13,4 b Sig. * *** ** *** LYS M1 21,2 a 5,22 ab 246,4 b 16,7 ab LYS M2 15,6 b 3,94 bc 248,4 b 12,6 bc LYS M3 16,9 ab 4,10 bc 244,1 b 13,1 bc LYS M4 15,1 bc 4,96 abc 331,6 a 15,9 abc MA M1 20,7 a 6,44 a 312,7 ab 20,6 a MA M2 10,8 d 3,71 bc 341,7 a 11,9 bc MA M3 11,4 cd 3,53 c 317,1 ab 11,3 c MA M4 8,8 d 3,44 c 378,3 a 11,0 c Sig. * * * *

24 Conclusões Lys vs MA: LYS 2 andares de produção sobrepostos aliados a uma diminuição de compactação da folhagem e uma maior SFE: maior número de cachos, mas menos pesados; bagos mais açúcarados, menos ácidos, mais ricos em antocianas e polifenóis totais; vinhos sensorialmente mais apreciados; produções elevadas aliadas a melhor maturação; O MA sem monda revelou-se inapto para vinhos de qualidade. Monda: Diferenças entre níveis de monda ao nível quantitativo e qualitativo: monda provocou menor rendimento; um aumento do peso dos cachos; maior teor de açúcar; menor acidez total; vinhos sensorialmente mais apreciados; No MA a monda ao bago de ervilha (M2) é a mais exequível, com reflexos positivos na luta contra a Botrytis cinerea Pears.

25 OBRIGADA

Palavras chave: Baga, sistema de condução, monda de cachos, ecofisiologia, rendimento, qualidade.

Palavras chave: Baga, sistema de condução, monda de cachos, ecofisiologia, rendimento, qualidade. CARACTERÍSTICAS AGRONÓMICAS E ENOLÓGICAS DA CASTA BAGA, EM DIFERENTES SISTES DE CONDUÇÃO Anabela ANDRADE 1 ; Amândio CRUZ 3 ; M. António BATISTA 2 ;A. DIAS-CARDOSO 1 ; Rogério de CASTRO 3 1 DRAP Centro

Leia mais

VITICULTURA NA CASTA BAGA ANABELA ANDRADE

VITICULTURA NA CASTA BAGA ANABELA ANDRADE VITICULTURA NA CASTA BAGA ANABELA ANDRADE 13 de Novembro de 2010 Com uma área total de 243.000 hectares de vinha (IVV, 2009), Portugal vitivinícola dispõe de dois factores que o caracterizam e projectam

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TIPO DE PODA SOBRE O RENDIMENTO E QUALIDADE DA CASTA VERDELHO RESUMO

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TIPO DE PODA SOBRE O RENDIMENTO E QUALIDADE DA CASTA VERDELHO RESUMO ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TIPO DE PODA SOBRE O RENDIMENTO E QUALIDADE DA CASTA VERDELHO João Brazão 1, José A. Aguiar 2 RESUMO Com o intuito de estudar a influência de vários tipos de poda na casta Verdelho,

Leia mais

PODA MECÂNICA NA VINHA

PODA MECÂNICA NA VINHA PODA MECÂNICA NA VINHA EFEITOS NO RENDIMENTO E NA QUALIDADE Rogério de CASTRO (1) ; Aurélio CLARO (2) ; Ana RODRIGUES (2) ; António TEIXEIRA (3) ; José MACHADO (3) ; Chiara PIOVENE (1,4) ; Amândio CRUZ

Leia mais

DENSIDADE DO COBERTO VEGETAL E MONDA DE CACHOS EFEITO NO COMPORTAMENTO DA CASTA ALFROCHEIRO NA REGIÃO DO DÃO

DENSIDADE DO COBERTO VEGETAL E MONDA DE CACHOS EFEITO NO COMPORTAMENTO DA CASTA ALFROCHEIRO NA REGIÃO DO DÃO DENSIDADE DO COBERTO VEGETAL E MONDA DE CACHOS EFEITO NO COMPORTAMENTO DA CASTA ALFROCHEIRO NA REGIÃO DO DÃO Manuel BOTELHO (1) ; Amândio CRUZ (1) ; Carlos COSTA-RODRIGUES (1) ; Ana RODRIGUES (2) ; Rogério

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO PARA A VITICULTURA PARA A VITICULTURA BAIRRADINA

PLANO DE ACÇÃO PARA A VITICULTURA PARA A VITICULTURA BAIRRADINA INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA PLANO DE ACÇÃO PARA A VITICULTURA PARA A VITICULTURA BAIRRADINA Por: Rogério de Castro Amândio Cruz Manuel Moreira Dezembro 25 INTRODUÇÃO Ao honroso convite que nos foi

Leia mais

Poda de Inverno e Condução da vinha (Princípios da poda; tipos de poda)

Poda de Inverno e Condução da vinha (Princípios da poda; tipos de poda) Poda de Inverno e Condução da vinha (Princípios da poda; tipos de poda) Arcos de Valdevez, 8 de Fevereiro de 2013 João Garrido Teresa Mota (EVAG/CVRVV) Sumário Importância da poda Poda de formação Poda

Leia mais

EFEITO DO PORTA-ENXERTO NO VIGOR, RENDIMENTO E QUALIDADE DO MOSTO DA CASTA JAEN, NUM TERROIR DO DÃO

EFEITO DO PORTA-ENXERTO NO VIGOR, RENDIMENTO E QUALIDADE DO MOSTO DA CASTA JAEN, NUM TERROIR DO DÃO EFEITO DO PORTA-ENXERTO NO VIGOR, RENDIMENTO E QUALIDADE DO MOSTO DA CASTA JAEN, NUM TERROIR DO DÃO Vanda PEDROSO (1) ; Sérgio MARTINS (1) ; Jorge BRITES (1) ; Isabel ANDRADE (2) ; Carlos LOPES (3) (1)

Leia mais

Composição e maturação das uvas

Composição e maturação das uvas 6 de setembro de 2015 Composição e maturação das uvas César Almeida Ciclo vegetativo da videira Choro Floração Maturação Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Abrolhamento Pintor Queda das folhas

Leia mais

PORTA-ENXERTOS RESULTADOS DA EXPERIMENTAÇÃO NA REGIÃO DO DÃO

PORTA-ENXERTOS RESULTADOS DA EXPERIMENTAÇÃO NA REGIÃO DO DÃO PORTA-ENXERTOS RESULTADOS DA EXPERIMENTAÇÃO NA REGIÃO DO DÃO Vanda PEDROSO (1) ; Sérgio MARTINS (1) ; Jorge BRITES (1) ; Alberto VILHENA (1) ; Isabel ANDRADE (2) ; João Paulo GOUVEIA (3) ; Carlos LOPES

Leia mais

CATÁLOGO DAS CASTAS REGIONAIS DA BAIRRADA

CATÁLOGO DAS CASTAS REGIONAIS DA BAIRRADA CATÁLOGO DAS CASTAS REGIONAIS DA BAIRRADA INTRODUÇÃO Este catálogo das castas regionais da Bairrada tem por finalidade, de uma forma simples mas objectiva, possibilitar a identificação e caracterização

Leia mais

Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes

Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes Projecto em curso no âmbito da ação 1.1.1. do ProDeR (Cooperação para a Inovação) António Castro Ribeiro Ana Paula

Leia mais

CABEÇO DA PEDRA VINHO TINTO 2007

CABEÇO DA PEDRA VINHO TINTO 2007 CABEÇO DA PEDRA VINHO TINTO 2007 CLASSIFICAÇÃO : Vinho Regional Ribatejano SUBREGIÃO : Tomar CASTAS: Castelão (60%), Tinta Roriz (40%) CLIMA: Mediterrânico Temperado ANÁLISE SUMÁRIA : Teor Alcoólico 13%

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 I SIMPÓSIO SIO DE CITRICULTURA IRRIGADA MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 MANEJO DAS IRRIGAÇÕES - Maximizar a produção e a qualidade,

Leia mais

Manual em caixas de 15 Kg Vinificação. cubas de aço inox. Estágio Maturação em cubas de aço inox durante 3 meses.

Manual em caixas de 15 Kg Vinificação. cubas de aço inox. Estágio Maturação em cubas de aço inox durante 3 meses. A Serenada Enoturismo integra duas parcelas de vinha: a vinha velha, plantada em 1961 e a nova em 2008. Os vinhos são frescos, minerais, complexos e elegantes. As vinhas situam-se a cerca de 10 km da orla

Leia mais

Efeito do porta-enxerto no desempenho ecofisiológico e agronômico da videira Cabernet Sauvignon durante o ciclo de outono-inverno

Efeito do porta-enxerto no desempenho ecofisiológico e agronômico da videira Cabernet Sauvignon durante o ciclo de outono-inverno Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Efeito do porta-enxerto no desempenho ecofisiológico e agronômico da videira Cabernet Sauvignon durante o ciclo de outono-inverno

Leia mais

CVRA - COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA

CVRA - COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA CVRA - COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA Horta das Figueiras - Rua A, Nº 14 Apartado 498 7002-506 ÉVORA Telefs. (066) 29422-771053-771054. Fax (066) 700591 e-mail: cvralentejo@mail.telepac.pt A

Leia mais

Clima(s) CLIMAS - SOLOS E AGRICULTURA TROPICAL. Mestrado em Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural UC: Agricultura Tropical.

Clima(s) CLIMAS - SOLOS E AGRICULTURA TROPICAL. Mestrado em Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural UC: Agricultura Tropical. CLIMAS - SOLOS E AGRICULTURA TROPICAL Mestrado em Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural UC: Agricultura Tropical Óscar Crispim Machado (omachado@esac.pt) ESAC, abril de 2012 Clima(s) Aula 5 Zonas

Leia mais

Importância da utilização de plantas de qualidade

Importância da utilização de plantas de qualidade DIREÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO CENTRO Importância da utilização de plantas de qualidade Anabela Andrade DAAP, Divisão de Apoio à Agricultura e Pescas, 2014 Com uma área total de 240.000 hectares

Leia mais

Apresentação do Projecto CARVINMAC

Apresentação do Projecto CARVINMAC Apresentação do Projecto CARVINMAC 10:00 Apresentação do Projecto CARVINMAC 10:30 Palestra do Prof Juan Cacho (Universidade de Saragoça) sob o tema: Aromas del Vino: su perception, medida e importancia

Leia mais

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades.

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Informação sobre interpretação de Análise de Solo, segundo o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico de Campinas. Quadro 1 - Fatores para conversão de

Leia mais

Carlos SILVA 1,2 ; Virgílio LOUREIRO Lisboa. RESUMO

Carlos SILVA 1,2 ; Virgílio LOUREIRO Lisboa. RESUMO COMPORTAMENTO DOS CONCELHOS, ANOS DE COLHEITA E PRODUTORES DO DÃO COM BASE NA DESCRIÇÃO SENSORIAL E ANALÍTICA DE VINHOS SUBMETIDOS AO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Carlos SILVA 1,2 ; Virgílio LOUREIRO 2 1 Vines

Leia mais

EFEITO DA ÉPOCA E DA INTENSIDADE DE DESFOLHA NA CASTA SAUVIGNON

EFEITO DA ÉPOCA E DA INTENSIDADE DE DESFOLHA NA CASTA SAUVIGNON EFEITO DA ÉPOCA E DA INTENSIDADE DE DESFOLHA NA CASTA SAUVIGNON Jorge André Correia Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Agronómica Hortofruticultura e Viticultura Orientador: Doutor

Leia mais

As vinhas estendem-se por uma área de 20 ha, o que nos permite obter uma produção de garrafas ano.

As vinhas estendem-se por uma área de 20 ha, o que nos permite obter uma produção de garrafas ano. A Quinta de Carapeços, Lda., produtora de Vinho Verde, é uma empresa familiar estabelecida apenas em 2003, apesar da produção de uvas de altíssima qualidade se verificar na propriedade há mais de 200 anos.

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO

PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO WINETech - SOE1/P1/E071 PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO 2007-2013 MATRIZ CRUZADA DE OPORTUNIDADES DE COLABORAÇÃO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICA (09/06/2011) Entregável E.5.1. 1.

Leia mais

OBJETIVOS. Substituição parcial adubação mineral NPKS por orgânica com esterco de curral (Bacia leiteira confinamentos = Disponibiliade)

OBJETIVOS. Substituição parcial adubação mineral NPKS por orgânica com esterco de curral (Bacia leiteira confinamentos = Disponibiliade) ADUBAÇÃO ORGÂNICA NA FORMAÇÃO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO EM SOLO DE CERRADO- LATOSSOLO VERMELHO DISTROFEERICO COM DOSES CRESCENTES DE ESTERCO DE CURRAL CURTIDO, ASSOCIADAS Á ADUBAÇÃO MINERAL REDUZIDA PROPORCIONALMENTE

Leia mais

CIVP-ALABE Circuito Interlaboratorial de Vinhos Portugueses

CIVP-ALABE Circuito Interlaboratorial de Vinhos Portugueses CIVP ALABcuito Interlaboratoriade Vinhos Portugueses CIVP-ALABE Circuito Interlaboratorial de Vinhos Portugueses Rua de Ferreira Borges, 27 4050-253 PORTO - Portugal Telemóvel: 932 334 094 Email: civp@alabe.pt

Leia mais

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO GERÊNCIA DE PÓSGRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO

Leia mais

Análise físico-química de uvas e mostos. José Carvalheira EVB/LQE-DLAL

Análise físico-química de uvas e mostos. José Carvalheira EVB/LQE-DLAL Análise físico-química de uvas e mostos José Carvalheira EVB/LQE-DLAL Análise físico-química de uvas e mostos Objectivo Composição em açúcares: Composição em ácidos: Maturação fenólica: Estado sanitário:

Leia mais

A Casa de Cello é uma empresa familiar que se dedica à exploração vitícola das suas quintas há 4 gerações.

A Casa de Cello é uma empresa familiar que se dedica à exploração vitícola das suas quintas há 4 gerações. A Casa de Cello é uma empresa familiar que se dedica à exploração vitícola das suas quintas há 4 gerações. Foi nos anos 80, que um dos proprietários, João Pedro Araujo, deu início à profissionalização

Leia mais

LABORATÓRIO DE REFERÊNCIA ENOLÓGICA - LAREN

LABORATÓRIO DE REFERÊNCIA ENOLÓGICA - LAREN LABORATÓRIO DE REFERÊNCIA ENOLÓGICA - LAREN SECRETARIA DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E AGRONEGÓCIO IBRAVIN INSTITUTO BRASILEIRO DO VINHO LAREN LABORATÓRIO DE REFERÊNCIA ENOLÓGICA LAREN - Inaugurado em 12/2001

Leia mais

tel: fax:

tel: fax: ENCOSTA DO SOBRAL - VINHO BRANCO 2008 CLASSIFICAÇÃO: Regional Tejo SUBREGIÃO: Tomar Tipo: Branco Ano: 2008 CASTAS: Fernão Pires (40%), Arinto (40%), Malvasia (20%) ANÁLISE SUMÁRIA: Teor alcoólico - 13%

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA Carlos Lopes Dep. Ciências e Engenharia de Biossistemas Instituto Superior de Agronomia/Univ. Lisboa Simp. Viticultura Sustentável,

Leia mais

Título - Arial 44pt - Bold

Título - Arial 44pt - Bold Variedades resistentes: intersecção entre rusticidade e qualidade a experiência brasileira Título - Arial 44pt - Bold Patricia Ritschel Outras João Informações Dimas G. Maia - Arial 28pt Umberto Almeida

Leia mais

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte ARBORICULTURA II Manutenção do Solo 1ªParte 2004-2005 As técnicas de manutenção do solo Mobilização Solo sem vegetação Sem mobilização Herbicida total Orgânico Mulching Inerte Solo coberto Cobertura vegetal

Leia mais

Qualidade de Uvas Syrah Colhidas no Sexto Ciclo de Produção de Plantas sob Diferentes Sistemas de Condução e Porta-Enxertos

Qualidade de Uvas Syrah Colhidas no Sexto Ciclo de Produção de Plantas sob Diferentes Sistemas de Condução e Porta-Enxertos 263 Qualidade de Uvas Syrah Colhidas no Sexto Ciclo de Produção de Plantas... Qualidade de Uvas Syrah Colhidas no Sexto Ciclo de Produção de Plantas sob Diferentes Sistemas de Condução e Porta-Enxertos

Leia mais

Caracterização física e físico-química da uva Merlot

Caracterização física e físico-química da uva Merlot Caracterização física e físico-química da uva Merlot cultivada em Urupema na safra de 2009 Fabiana Mortimer Amaral, Sofia Beliza Cabra e Patricia Poggerell Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury

Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury Bento Gonçalves, 4 de Novembro de 2015. Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido 2 Água

Leia mais

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator)

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Campeão da Região Sudeste (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Produtor: Ivaldo Lemes da Costa Consultor: Cleber Longhin Cultura: SOJA Propriedade Agrícola: Sítio Matarazzo Município: Itapetininga/SP

Leia mais

III. CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES Estatuto: Em anexo Nome do processo: Caderno especificações DOP Madeirense IVBAM final.

III. CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES Estatuto: Em anexo Nome do processo: Caderno especificações DOP Madeirense IVBAM final. I. NOME(S) A REGISTAR: Madeirense II. DADOS RELATIVOS AO REQUERENTE: Nome e título do requerente: Instituto da Vinha e do Vinho, I.P. Estatuto jurídico: Instituto Público Nacionalidade: Endereço: 5, Rua

Leia mais

Viticultura Clima. Centros de dispersão da videira. Cultivo da videira no Brasil. A videira. Fatores climáticos no cultivo da uva

Viticultura Clima. Centros de dispersão da videira. Cultivo da videira no Brasil. A videira. Fatores climáticos no cultivo da uva Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP Viticultura Clima Centros de dispersão da videira Eurásia América Mar Negro Mar Cáspio A videira - Cultura de clima temperado

Leia mais

BOLETIM - ANO VITÍCOLA 2016 BALANÇO FINAL

BOLETIM - ANO VITÍCOLA 2016 BALANÇO FINAL BOLETIM - ANO VITÍCOLA 216 BALANÇO FINAL Resumo O ano vitícola de 215/216 caracterizou-se por uma elevada atipicidade em termos climáticos, com um Inverno quente e chuvoso, Primavera fria e extremamente

Leia mais

LEVEDURAS CHALLENGE. São 3 as características que distinguem a gama de leveduras Challenge:

LEVEDURAS CHALLENGE. São 3 as características que distinguem a gama de leveduras Challenge: LEVEDURAS São as características que distinguem a gama de leveduras Challenge: Segurança: o primeiro requisito que devem possuir as leveduras seleccionadas para a gama Challenge é assegurar uma fermentação

Leia mais

M alva Real Portug al 1

M alva Real Portug al 1 1 2 WINE OF DOURO (Portugal) QUINTA DA FONTE NOVA D.O.C. O GRUPO MALVA REAL representa e distribui os vinhos do Douro QUINTA DA FONTE NOVA DOC. Trata-se de vinhos premiados e de alta qualidade, revelando

Leia mais

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Adubação de Lavouras Podadas Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Tipos de Podas Critérios básicos para o sucesso das podas 2. Adubação do cafeeiro

Leia mais

GESTÃO DO SOLO NA VINHA

GESTÃO DO SOLO NA VINHA GESTÃO DO SOLO NA VINHA António José Jordão 2007 Texto elaborado no âmbito do Plano de Acção para a Vitivinicultura da Alta Estremadura INTRODUÇÃO A Agricultura de Conservação em culturas permanentes,

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE NUTRIENTES PELAS VIDEIRAS cvs. ITALIA E BENITAKA CULTIVADAS NO VALE DO SÃO FRANCISCO

EXPORTAÇÃO DE NUTRIENTES PELAS VIDEIRAS cvs. ITALIA E BENITAKA CULTIVADAS NO VALE DO SÃO FRANCISCO EXPORTAÇÃO DE NUTRIENTES PELAS VIDEIRAS cvs. ITALIA E BENITAKA CULTIVADAS NO VALE DO SÃO FRANCISCO Teresinha Costa Silveira de ALBUQUERQUE 1, Antonio Antero Ribeiro de ALBUQUERQUE NETO 2, Magnus Dall Igna

Leia mais

REGIÃO DOS VINHOS VERDES Território, Encepamento e Tecnologia

REGIÃO DOS VINHOS VERDES Território, Encepamento e Tecnologia Seminário "A Geologia na Rota da Vinha e do Vinho Verde: do Lima ao Minho REGIÃO DOS VINHOS VERDES Território, Encepamento e Tecnologia (Rogério de Castro, ISA/CBAA Univ. Lisboa) rogeriodecastro@quintadelourosa.com

Leia mais

PORTFÓLIO ADEGAS EFLUENTES VÍNICOLAS

PORTFÓLIO ADEGAS EFLUENTES VÍNICOLAS PORTFÓLIO ADEGAS EFLUENTES VÍNICOLAS TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS S O L U Ç Õ E S A D A P T A D A S A O S E C T O R V I T I V I N Í C O L A COM VANTAGENS E BENEFÍCIOS CLAROS P. 01 TRATAMENTO DE ÁGUAS

Leia mais

ELABORAÇÃO DE VINHOS

ELABORAÇÃO DE VINHOS ELABORAÇÃO DE VINHOS Raul Luiz Ben Enológo Especialista em Vitivinicultura Embrapa Uva e Vinho - Bento Gonçalves/RS Pelotas, 27 de Fevereiro de 2013 QUALIDADE E COMPOSIÇÃO DA UVA PARA ELABORAÇÃO DE VINHO

Leia mais

DESFOLHA PRECOCE À FLORAÇÃO NA CASTA LOUREIRO (Vitis vinífera L.): EFEITOS NAS COMPONENTES DE RENDIMENTO E CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DO MOSTO

DESFOLHA PRECOCE À FLORAÇÃO NA CASTA LOUREIRO (Vitis vinífera L.): EFEITOS NAS COMPONENTES DE RENDIMENTO E CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DO MOSTO UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE CIÊNCIAS UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA DESFOLHA PRECOCE À FLORAÇÃO NA CASTA LOUREIRO (Vitis vinífera L.): EFEITOS NAS COMPONENTES DE

Leia mais

O Vinho do Porto. Eduardo Abade. Wine - Karen Kauffman. Simple. Wine. Centro de Estudos Vitivinícolas do Douro. Anadia 07Set06

O Vinho do Porto. Eduardo Abade. Wine - Karen Kauffman. Simple. Wine. Centro de Estudos Vitivinícolas do Douro. Anadia 07Set06 O Vinho do Porto Eduardo Abade Centro de Estudos Vitivinícolas do Douro Simple Wine Wine - Karen Kauffman Anadia 07Set06 Região Demarcada do Douro 1ª REGIÃO DEMARCADA E REGULAMENTADA DO MUNDO 1ª REGIÃO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS UVAS DO VALE DO SÃO FRANCISCO SOB O PONTO DE VISTA ENOLÓGICO

CARACTERÍSTICAS DAS UVAS DO VALE DO SÃO FRANCISCO SOB O PONTO DE VISTA ENOLÓGICO I Workshop Internacional de Pesquisa A Produção de Vinhos em Regiões Tropicais CARACTERÍSTICAS DAS UVAS DO VALE DO SÃO FRANCISCO SOB O PONTO DE VISTA ENOLÓGICO Márcia Valéria D. O. Lima 1, Celito Crivellaro

Leia mais

ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO. António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013

ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO. António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013 ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013 SUMÁRIO SOLO NUTRIENTES PLANTA SOLO SOLO MATÉRIA ORGÂNICA ph do SOLO MATÉRIA ORGÂNICA

Leia mais

!!!! Grande Escolha Herdade Fonte Paredes 2012 Regional Alentejano Vinho Branco! Região: Alentejo. Colheita: Castas: 100% Chardonnay.

!!!! Grande Escolha Herdade Fonte Paredes 2012 Regional Alentejano Vinho Branco! Região: Alentejo. Colheita: Castas: 100% Chardonnay. Grande Escolha Herdade Fonte Paredes 2012 Regional Alentejano Vinho Branco Colheita: 2012 Castas: 100% Chardonnay. Prova organoléptica: Cor citrina. Excelente intensidade e complexidade aromática lembrando

Leia mais

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNO: FABIOLA DOS REIS LIMA CURSO:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA 7 CLIMA 7.1 Introdução Para a caracterização do clima de uma região, no que respeita à água, uma das técnicas correntemente utilizadas consiste na realização do balanço sequencial mensal da água no solo.

Leia mais

Apresentação de Resultados FERTILIDADE DO SOLO

Apresentação de Resultados FERTILIDADE DO SOLO Agro Vale Longo, Lda. Sociedade Agrícola Saramago de Brito, Lda. Apresentação de Resultados FERTILIDADE DO SOLO Isabel Guerreiro (IPBeja/ESA) Manuel Patanita (IPBeja/ESA) EDIA, Beja, 17 dezembro 2014 PARÂMETROS

Leia mais

ARROJO 2011 BRANCO DOC DOURO

ARROJO 2011 BRANCO DOC DOURO Clique aqui e conheça os prêmios desse produtor ARROJO 2011 BRANCO DOC DOURO Teor Alcoólico: 12,50 %vol. Acidez Total: 5,30 g/l Ácido Tartárico. Açucares redutores: 2,00 g/dm³ PH: 3,33. Castas: Malvasia

Leia mais

Fertilidade do solo e nutrição das plantas

Fertilidade do solo e nutrição das plantas Ciclo de Colóquios comemorativos do Ano Internacional do Solo Fertilidade do solo e nutrição das plantas F. Calouro Fertilidade do solo e nutrição das plantas Oeiras, 22 de setembro de 2015 Fertilidade

Leia mais

O ano vitícola na região. As castas na sub região do AVE. Mesa Redonda. IV Jornadas Técnicas Ano Vitivinícola 2008 3 de Dezembro de 2008

O ano vitícola na região. As castas na sub região do AVE. Mesa Redonda. IV Jornadas Técnicas Ano Vitivinícola 2008 3 de Dezembro de 2008 O ano vitícola na região Mesa Redonda As castas na sub região do AVE IV Jornadas Técnicas Ano Vitivinícola 2008 3 de Dezembro de 2008 EVAG Área de acção : Sub região do AVE, concelhos de V. N. Famalicão,

Leia mais

Efeito da safra vitícola na composição da uva, do mosto e do vinho Isabel da Serra Gaúcha, Brasil

Efeito da safra vitícola na composição da uva, do mosto e do vinho Isabel da Serra Gaúcha, Brasil Ciência Rural, Santa Efeito Maria, da safra v.36, vitícola n.3, p.959-964, na composição mai-jun, da uva, 2006 do mosto e do vinho Isabel da Serra Gaúcha, RS. ISSN 0103-8478 959 Efeito da safra vitícola

Leia mais

APRESENTAÇÃO ADEGA COOPERATIVA DE PORTALEGRE, CRL

APRESENTAÇÃO ADEGA COOPERATIVA DE PORTALEGRE, CRL APRESENTAÇÃO ADEGA COOPERATIVA DE PORTALEGRE, CRL DA VINHA AO VINHO 55 ANOS DE HISTÓRIA UMA ADEGA COM 55 ANOS Mais de 55 anos contam a História da Adega Cooperativa de Portalegre, uma Adega que, com o

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA ACTIVIDADE ANTIOXIDANTE DE VINHOS PORTUGUESES*

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA ACTIVIDADE ANTIOXIDANTE DE VINHOS PORTUGUESES* COTRIBUIÇÃO PARA O ETUDO DA ACTIVIDADE ATIOXIDATE DE VIHO PORTUGUEE* Rosa M.. Rua, Telma C. A. Ribeiro, M. Fátima F. Félix, Jorge M. T. B. Varejão, M. Conceição Costa Laboratório de Química, CERA, Escola

Leia mais

Custos associados a uma viticultura sustentável

Custos associados a uma viticultura sustentável Custos associados a uma viticultura sustentável João Garrido & Teresa Mota JORNADAS REGIONAIS, 13 de Abril de 2011 Viticultura sustentável conservação do solo, da água e de recursos genéticos não degradação

Leia mais

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO Página 1481 CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. Murilo Barros Pedrosa (Fundação Bahia / algodao@fundacaoba.com.br), Camilo de Lelis Morello (Embrapa

Leia mais

ABORDAGEM MULTIVARIADA À TRILOGIA SOLO-VINHA-VINHO. CASO DA CASTA VINHÃO.

ABORDAGEM MULTIVARIADA À TRILOGIA SOLO-VINHA-VINHO. CASO DA CASTA VINHÃO. ABORDAGEM MULTIVARIADA À TRILOGIA SOLO-VINHA-VINHO. CASO DA CASTA VINHÃO. Ana Rita Silva 1, Ana Cristina Braga 2, Isabel Araújo 3, Teresa Mota 4, José Maria Oliveira 5, Jorge Oliveira 6 1 AR Silva, aluna

Leia mais

Metodologia para análise de mosto e suco de uva

Metodologia para análise de mosto e suco de uva Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Uva e Vinho Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Metodologia para análise de mosto e suco de uva Luiz Antenor Rizzon Editor Técnico Embrapa

Leia mais

Quinta dos Termos, Lda. Carvalhal Formoso Belmonte Portugal Tel.: (+351) Fax: (+351)

Quinta dos Termos, Lda. Carvalhal Formoso Belmonte Portugal Tel.: (+351) Fax: (+351) Localização A Quinta dos Termos está situada no centro de Portugal, nas faldas da encosta Sul da Serra da Estrela (montanha mais alta de Portugal Continental 2.000 m), assim resguardada dos ventos frios

Leia mais

Catálogo de Natal 2013

Catálogo de Natal 2013 Catálogo de Natal 2013 Adega de Portalegre A frescura e a elegância em grandes vinhos com grandes prémios Na Serra de S. Mamede, nascem grandes vinhos do Alentejo Já dizia, o professor Francisco António

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Alexandre de Vicente Ferraz Fábio Poggiani Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais

Leia mais

MONTE AMARELO BRANCO VINHO BRANCO 2013

MONTE AMARELO BRANCO VINHO BRANCO 2013 FICHAS TÉCNICAS MONTE AMARELO BRANCO VINHO BRANCO 2013 Tipo: Branco Castas: Antão Vaz e Arinto Prova: apresenta cor amarelo citrino aroma citrino e frutos tropicais,com toque mineral, suave e fresco, com

Leia mais

Área de Atuação 2010/2011:

Área de Atuação 2010/2011: Área de Atuação 2010/2011: Área de Atuação 2012: Culturas mais Importantes: Norte do ES e Sul da Bahia: Café Conillon, Mamão, Melancia, Banana, Cana de Açúcar, Maracujá e Cacau Região Central do ES: Café

Leia mais

Curriculum Vitae. Identificação : Rui Walter da Cunha Data de Nascimento : 27 de Janeiro de 1972 : Santo Ildefonso Porto

Curriculum Vitae. Identificação : Rui Walter da Cunha Data de Nascimento : 27 de Janeiro de 1972 : Santo Ildefonso Porto Curriculum Vitae Identificação Nome : Rui Walter da Cunha Data de Nascimento : 27 de Janeiro de 1972 Natural : Santo Ildefonso Porto Nacionalidade : Portuguesa Estado Civil : Casado Bilhete de Identidade

Leia mais

- Estrutura orgânica. A região. Os números

- Estrutura orgânica. A região. Os números - Estrutura orgânica A região Os números COMISSÃO DE VITICULTURA DA REGIÃO DOS VINHOS VERDES A CVRVV foi criada em 1926 para regular a PRODUÇÃO e o COMÉRCIO do Vinho Verde. Actualmente é uma entidade certificadora

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS Resumo Danilo Franco 1 Minoru Yasuda 2 Rafael Curimbaba Ferreira 3 Leandro Aparecido Fukuda 4 Rafael Trombin Ferracini 5 O presente

Leia mais

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Como garantir níveis de produtividade desta exigente cultura? geadas Experiencias da adaptação ecológica da cultura da nogueira a varias regiões

Leia mais

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos Embrapa Uva e Vinho A vitivinicultura é uma atividade que apresenta grande importância sócio-econômica em vários Estados brasileiros, com especial destaque para o Rio Grande do Sul. Por esta razão, a Embrapa

Leia mais

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA aaa Aspectos hormonais do crescimento fitormônios e reguladores de crescimento a Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves/RS 1 Introdução! Hormônio: Palavra de origem grega

Leia mais

O Clima e o desenvolvimento dos citros

O Clima e o desenvolvimento dos citros O Clima e o desenvolvimento dos citros Flórida 2010 Glauco de Souza Rolim Centro de Ecofisiologia e Biofísica IAC rolim@iac.sp.gov.br glaucorolim@gmail.com VII Simpósio de Citricultura Irrigada,16 de setembro

Leia mais

FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS.

FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS. FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS. Carvalho, F. F. (1) ; Lange, A. (2) (1) Acadêmico do curso de Bacharelado em Agronomia, UNEMAT, Campus Universitário de Alta Floresta e-mail: fernandofcarvalho@unemat.br.

Leia mais

ESTUDO ESTATÍSTICO DE VARIÁVEIS DE UMA VINHA NUM SOLO GRANÍTICO.

ESTUDO ESTATÍSTICO DE VARIÁVEIS DE UMA VINHA NUM SOLO GRANÍTICO. ESTUDO ESTATÍSTICO DE VARIÁVEIS DE UMA VINHA NUM SOLO GRANÍTICO. Ana Silva (1), Ana Braga (2), Isabel Araújo (3), Teresa Mota (4), José Oliveira (5), Jorge Oliveira (6) (1) Universidade do Minho Campus

Leia mais

ELABORAÇÃO DE VINAGRE UTILIZANDO MEL DE ABELHA (APIS MELLIFERA) EXCEDENTE DE PRODUÇÃO

ELABORAÇÃO DE VINAGRE UTILIZANDO MEL DE ABELHA (APIS MELLIFERA) EXCEDENTE DE PRODUÇÃO ELABORAÇÃO DE VINAGRE UTILIZANDO MEL DE ABELHA (APIS MELLIFERA) EXCEDENTE DE PRODUÇÃO Anaeli ZAPPAROLI 1, Fabiana Bortolini FORALOSSO 2, Álvaro Vargas JUNIOR 3, Nei FRONZA 3, Ingrid GUIMARÃES 3, Josiane

Leia mais

Vale Pereiro Branco 2013

Vale Pereiro Branco 2013 TERRAS DO SUL TINTO EMBALAGEM: Bag in Box (5 e 15 Lt) Vinho de Mesa CARACTERÍSTICAS DO VINHO: Grau Álcool: 12 % vol. Vinificação: Em auto-vinificadores com remontagens programadas. Estágio: Vinho do ano.

Leia mais

MANEJO DA ADUBAÇÃO. Prof. Dr. Danilo Eduardo Rozane.

MANEJO DA ADUBAÇÃO. Prof. Dr. Danilo Eduardo Rozane. CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES EM PI MÓDULO GOIABA CATI - CAMPINAS 07 a 11 de novembro de 2011 MANEJO DA ADUBAÇÃO Prof. Dr. Danilo Eduardo Rozane danilorozane@registro.unesp.br

Leia mais

Técnicas de Experimentação Agrícola

Técnicas de Experimentação Agrícola ProSavana Programa Especial de Capacitação e Treinamento Técnicas de Experimentação Agrícola Embrapa Arroz e Feijão Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Universidade Federal de Goiás Nampula,

Leia mais

CAPÍTULO 2 ASPECTOS FISIOGRÁFICOS. 2.1 Clima

CAPÍTULO 2 ASPECTOS FISIOGRÁFICOS. 2.1 Clima CAPÍTULO 2 ASPECTOS FISIOGRÁFICOS 2.1 Clima A região do Médio Vale do Rio Jequitinhonha situa-se na faixa de clima Bsw (Köppen, 1948 in Oliveira et al., 2002), caracterizado como continental-seco e quente,

Leia mais

Comunicado Nº 54 Técnico

Comunicado Nº 54 Técnico Comunicado Nº 54 Técnico ISSN 1808-6802 Julho, 2004 Bento Gonçalves, RS Isabel Precoce : Alternativa para a Vitivinicultura Brasileira Umberto Almeida Camargo 1 Introdução As uvas americanas e híbridas

Leia mais

SANTA VITÓRIA. O aroma de um estilo de vida

SANTA VITÓRIA. O aroma de um estilo de vida EMPRESA A Casa de Santa Vitória éuma empresa do Grupo Vila Galé, um dos principais grupos hoteleiros portugueses. O negócio de produção de vinhos e azeites de qualidade, surge no final da década de 90

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Matriz Curricular do Curso de Agronomia

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Matriz Curricular do Curso de Agronomia Matriz Curricular do Curso de Agronomia Total 240 120 360 24 2º Período Letivo: Componentes curriculares 1º Período Letivo: Componentes curriculares Prérequisito AGR 100 Biologia Celular Inexistente AGR

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO DE BANANA RESISTENTE À SIGATOKA NEGRA VARIEDADE CAIPIRA

CARACTERIZAÇÃO DOS ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO DE BANANA RESISTENTE À SIGATOKA NEGRA VARIEDADE CAIPIRA CARACTERIZAÇÃO DOS ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO DE BANANA RESISTENTE À SIGATOKA NEGRA VARIEDADE CAIPIRA Melissa de Lima Matias 1 ; Ebenézer de Oliveira Silva 2 ; Raimundo Wilane Figueiredo 3 ; Andréia Hansen

Leia mais

ANÁLISE DE PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO EM CANA DE AÇÚCAR

ANÁLISE DE PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO EM CANA DE AÇÚCAR ANÁLISE DE PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO EM CANA DE AÇÚCAR Isabella Clerici DE MARIA Instituto Agronômico (IAC) Campinas SP As recentes alterações no sistema de cultivo da

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística RELATÓRIO PARCIAL Analise Estatística ASSUNTO: Experimento Gel Estagiário: Elbert Viana Ferreira Junior Supervisor : Fausto Hissashi Takizawa Projeto Mutum Data: 09/2008 1 - APRESENTAÇÃO: Neste documento

Leia mais

Implantação e manutenção da vinha após a plantação

Implantação e manutenção da vinha após a plantação Implantação e manutenção da vinha após a plantação João Garrido & Teresa Mota EVAG / CVRVV Abril de 2015 ASPECTOS A CONSIDERAR 1. Escolha do terreno 2. Preparação do terreno 3. Adubação de fundo 4. Mobilização

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO: INFLUÊNCIA SOBRE A QUALIDADE DAS UVAS E DOS VINHOS

PROGRAMAÇÃO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO: INFLUÊNCIA SOBRE A QUALIDADE DAS UVAS E DOS VINHOS ROUSSEAU ET AL., ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO E INCIDÊNCIA NA QUALIDADE DAS UVAS E DOS VINHOS, P. 1 PROGRAMAÇÃO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO: INFLUÊNCIA SOBRE A QUALIDADE DAS UVAS E DOS VINHOS Jacques

Leia mais

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão Telmo Amado Situação atual. Eficiência de Uso < 50% N e K, e < 30% de P Eficiência do uso da água Potencial genético subutilizado

Leia mais

Benchmarking na Rega e Boas Praticas de Gestão da Rega da Vinha

Benchmarking na Rega e Boas Praticas de Gestão da Rega da Vinha 29 Benchmarking na Rega e Boas Praticas de Gestão da Rega da Vinha Associação Técnica dos Viticultores do Alentejo Caracterização e analise das parcelas englobadas no estudo... 4 Caracterização do sistema

Leia mais