A MEMÓRIA NA LITERATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MEMÓRIA NA LITERATURA"

Transcrição

1 A MEMÓRIA NA LITERATURA

2 O MEMORIALISMO OCASIONAL Uma confissão indireta, uma revelação camuflada, às s vezes inconsciente, do que sepassa na cabeça a do escritor, das suas experiências e das recordações que marcaram sua vida.

3 O MEMORIALISMO DELIBERADO É aquele em que o escritor visa, conscientemente, a narrar os fatos de sua vida passada que ficaram mais marcadamente guardados na memória.

4 A INFÂNCIA NA POESIA Alguns poetas escreveram suas poesias deixando explícita a vida na infância. Casimiro de Abreu é um deles e sua poesia é marcada por temas como: saudades da infância e da terra natal, o nacionalismo, a religiosidade, a melancolia, a tristeza, o pessimismo, a exaltação da natureza e a idealização da mulher. BRASILEIRA

5 ADOLESCÊNCIA A Segunda Geração Romântica, denominada de geração do mal-doséculo, caracterizou-se pelo pessimismo, pela melancolia, pelo tédio, pela idéia fixa da morte. Esses aspectos ganharam ênfase nesta Geração.

6 POETAS Álvares de Azevedo Casimiro de Abreu Manuel Bandeira Carlos Drummond de Andrade Mário Quintana

7 ROMANTISMO: A CONQUISTA DO PÚBLICO P LEITOR Romances folhetinescos; Surgiu como uma forma de suprir a escassez de editoras e também m para popularizar leitura dos folhetins; Enredos simples e previsíveis veis que mexiam com as emoções do público; A Moreninha: o primeiro grande romance brasileiro

8 REALISMO E NATURALISMO O Realismo/Naturalismo assumiu uma atitude de crítica à sociedade burguesa, ao moralismo hipócrita, ao endeusamento idealizador dos personagens, ao falseamento da lógica l e da verossimilhança

9 O REALISMO Os realistas propõem uma explicação racional para o comportamento do homem, baseada na análise psicológica e num estudo do comportamento humano em que se leva em conta o íntimo das pessoas, suas ações e reações, e suas intenções mais escondidas.

10 O NATURALISMO Os naturalistas rebaixam ainda mais a condição humana, nivelando-a à dos animais irracionais; O homem é produto do determinismo biológico, com a hereditariedade do caráter e não só dos elementos físicos; As pessoas agem e reagem em função dos instintos e da ocasião.

11 ROMANCE DE 30: OS MENINOS DE ENGENHO E AS CRIANÇAS DA SECA A literatura surge como instrumento de denúncia, de protesto e de mudança; Alguns temas referentes à realidade do Nordeste foram discutidos e sugeridos como temas de uma literatura engajada, que denunciasse as barbaridades na região; Os autores buscavam a verossimilhança, ou seja, uma correspondência entre o fato histórico e o fato narrado.

12 AS OBRAS Menino de Engenho - José Lins do Rego Vidas Secas Graciliano Ramos

13 O romance de 30 trabalha fatos reais, fatos que pertencem a uma realidade concreta misturados a uma linguagem lírica, l uma linguagem poética; Maneira sutil e lapidada de apresentar uma dura e triste realidade. Os personagens são calados, revoltados, impotentes; O vaqueiro, o coronel, o jagunço, o retirante, o sertanejo, etc.

14 O ÍNDIO COMO SUJEITO Homens bons por natureza; Homens felizes, que viviam inocentemente em estado natural; Sem malícia; Ignoravam os nomes de virtude e vício; v Defendiam suas tribos com unhas e dentes; Viviam da caça a e da pesca.

15 O ÍNDIO NA LITERATURA Os índios foram empurrados para o interior distante, exterminados, esmagados culturalmente, escravizados e tiveram destruídos dos todos os seus valores coletivos ou individuais; O indianismo surgiu dentro do Romantismo brasileiro para: Atender aos desejos, aos sentimentos e ao conteúdo emocional dos leitores que pertenciam à classe dominante e utilizavam-se da mão-de de-obra, sendo, portanto, impensável para os autores valorizar o negro; Valorizar o nacional.

16 OBRAS I-Juca Pirama (Gonçalves Dias): neste poema são enaltecidos os valores físicos f e morais do índio; Os Timbiras (Gonçalves Dias): vemos a previsão do extermínio que os índios sofrerão com a chegada dos brancos; Canção dos Tamoios (Gonçalves Dias): como um filósofo ou conselheiro, o índio ensina ao filho uma lição de bravura, perseverança a e audácia; entre outras obras...

17 O indianismo firmou-se e tornou-se popular no Brasil durante o período romântico, em meados do século XIX; Esse indianismo idealizador teve um cunho folclórico; Esse indianismo, símbolo da nacionalidade e da liberdade, exaltava o nobre selvagem que exercia um controle fantástico sobre o ambiente paradisíaco da flora tropical e da fauna exótica.

18 No começo o do século s XX, com o advento do Modernismo, desaparece o mito em torno do índio, e a temática tica passa a revestir-se se de aspectos ainda nacionalistas, mas também m críticos, científicos, políticos e acusatórios, principalmente a partir da década d de 60.

19 O NEGRO COMO SUJEITO O negro é aquele ser humano que veio da África para trabalhar como escravo aqui no Brasil; Trouxe na bagagem sua cultura, sua linguagem e seus rituais; Foi tratado como subordinado e bruto que só servia para o trabalho braçal;

20 O NEGRO NA LITERATURA Nossa literatura glorificou o índio como herói i nacional, pois o negro escravo, humilde representante da força a de trabalho e submisso ao senhor, não servia como modelo de herói i de forma alguma; No final da fase indianista,, o negro surge na literatura como uma antítese tese do índio: o índio era apresentado como um mito, era orgulhoso, corajoso e independente, enquanto o negro era de índole humilde, resignada e escrava.

21 Quando, em 1850, foi abolido o tráfico, a literatura passa a focalizar o negro com um misto de piedade, horror e desgosto e o senhor como protótipo da maldade; Os autores começam a apresentar o preconceito criando personagens negros com uma imagem imoral dominada pela sexualidade, feroz, animalesco, estuprador e demoníaco

22 AUTORES Castro Alves: Vozes d África Cruz e Sousa: Praticamente todos os seus poemas; Bernardo Guimarães: A Escrava Isaura Entre outros...

23 NATURALISMO A conclusão prática dos racistas que também m eram republicanos e, portanto, abolicionistas, era de que a abolição era necessária para o progresso econômico e social, pois evitaria que os senhores de terras dependessem de uma raça a inferior que, justamente por ser inferior, não seria nenhuma ameaça a após s a abolição.

24 A animalização do homem e sua dependência de fatores biológicos, ambientais e históricos deram aos naturalistas carta branca para descrever o negro dominado pelos instintos bestiais, ou seja, ele era visto como um animal.

25 OBRAS O Cortiço Aluísio Azevedo O Mulato Aluísio Azevedo Clara dos Anjos Lima Barreto Entre outras...

26 A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO Quando os portugueses chegaram aqui no Brasil, encontraram os índios; Para trabalharem como escravos, vieram da África os negros; Cada povo com sua cultura e com sua linguagem típica. t

27 MISCIGENAÇÃO RACIAL E CULTURAL Quando se trata da sexualidade, Gilberto Freyre defende a tese de que a influência negativa do negro sobre a sexualidade do branco era incentivada pelos senhores brancos; Desses relacionamentos sexuais, começaram a surgir indivíduos miscigenados, ou seja, apresentando a mistura das raças.

28 Continuando... Com a vinda de outros povos para o Brasil e a instalação deles em várias regiões, a mistura continuou e hoje temos um povo extremamente miscigenado; A obra de Antônio Alcântara Machado Brás, Bexiga e Barra Funda apresenta a chegada dos imigrantes italianos à cidade de São Paulo e que lá se instalaram também participando desta mistura

29 MULHER BRASILEIRA EM PRIMEIRO LUGAR Zélia Gattai é uma das poucas mulheres escritoras que, no Brasil, teve a coragem de escrever obras no gênero memorialístico. Este gênero, como afirmam os estudiosos, é tipicamente feminino e, no entanto, sempre foi praticado quase que somente pelos homens. Por quê?

30 Porque as memórias foram quase sempre marcadas pela história oficial e pela importância dada pela sociedade à verdade dos depoimentos masculinos; Em Anarquistas, Graças as a Deus,, Zélia Z Gattai conta sua própria pria vida de menina, que acompanha com olhos deslumbrados e inteligentes as transformações por que passava a cidade de São Paulo, a sociedade e a política brasileiras.

31 AS MULHERES DE JORGE AMADO A mulher é o eixo ao redor do qual tudo gira. Mulheres do povo, morenas, sensuais. Mulheres positivas que melhoram a vida dos homens e dos lugares a que pertencem. Essas mulheres encarnam a paixão de Jorge Amado pelo feminino e por isso a presença a delas em sua obra é muito forte e tão importante quanto o amor que ele tem à Bahia, o carinho pelo povo pobre de sua terra e a aversão, dissimulada pelo humor, contra os aristocratas e os poderosos; É o que podemos notar em Gabriela, Cravo e Canela

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Prof. Paulo Alexandre

Prof. Paulo Alexandre Prof. Paulo Alexandre As indicações mostradas nesta apresentação funcionam como guia de estudos do Realismo e do Naturalismo. Todas as informações devem ser complementadas pelo aluno, com a utilização

Leia mais

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA MARIA PEREIRA SARMENTO-PANTOJA

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA MARIA PEREIRA SARMENTO-PANTOJA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CASTANHAL FACULDADE DE LETRAS CURSO LETRAS- HABILITAÇÃO PORTUGUÊS PLANO DE CURSO ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES DLA LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA I Professor: Manoel Anchieta Nery JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com)

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA

LITERATURA BRASILEIRA LITERATURA BRASILEIRA 13 Em relação à produção literária do Modernismo brasileiro, mais especificamente à de Mário e Oswald de Andrade, assinale a alternativa correta. a) A ficção de Mário de Andrade aborda

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17. João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22

Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17. João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22 Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17 João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22 2. UM POETA NO JORNALISMO 25 O (quase) pai de família 35 3.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários IDENTIDADE BRASILEIRA NO ROMANTISMO DE CASIMIRO DE ABREU E SOUSÂNDRADE JOÃO BOSCO DA SILVA

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

O CORTIÇO 13 de maio de 1890

O CORTIÇO 13 de maio de 1890 O CORTIÇO 13 de maio de 1890 intenção Descrever as habitações coletivas. Diagnóstico do país: descarado alpinismo social dos negociantes portugueses. Usar a literatura como denúncia dos preconceitos e

Leia mais

Sumário. Introdução 9

Sumário. Introdução 9 Sumário Introdução 9 1. A desigualdade racial brasileira 15 Os números da desigualdade 17 Existe racismo no Brasil? 21 A manifestação do preconceito no Brasil 23 A relação racial no espaço público e privado

Leia mais

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite coleção Nov s P l vr s N O V A E D I Ç Ã O Nov s P l vr s Nov e ıç o 2 Ricardo Silva Leite Emília Amaral Mestre em Teoria Literária e doutora em Educação pela Unicamp, professora do Ensino Médio e Superior

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua das Ameixeiras, 119 Núcleo Cristo Rei Fone/Fax: 0xx42 3624 3095 CEP 85060-160 Guarapuava Paraná grpcristorei@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

- ANÁLISE: - A MORENINHA JOAQUIM MANUEL DE MACEDO - LUCÍOLA JOSÉ DE ALENCAR - PROSA ROMÂNTICA:

- ANÁLISE: - A MORENINHA JOAQUIM MANUEL DE MACEDO - LUCÍOLA JOSÉ DE ALENCAR - PROSA ROMÂNTICA: - ANÁLISE: - A MORENINHA JOAQUIM MANUEL DE MACEDO - LUCÍOLA JOSÉ DE ALENCAR - PROSA ROMÂNTICA: O romance romântico: o texto em prosa predominou no Romantismo, sendo a forma de expressão mais significativa

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

Pré Exame Literatura

Pré Exame Literatura Pré Exame Literatura Romantismo Macedo Álvares de Azevedo Gonçalves Dias Alencar Castro Alves Manuel Antônio de Almeida Romantismo Características Subjetivismo Sentimentalismo Culto à natureza Escapismo

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

1. A TRADIÇÃO REALISTA

1. A TRADIÇÃO REALISTA 1. A TRADIÇÃO REALISTA Se você alguma vez passou os olhos por um livro chamado Raízes do Brasil (1936)*, talvez tenha lido uma passagem famosa, que refere uma característica portuguesa que Sérgio Buarque

Leia mais

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL AULA 13 LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL+ISMO

Leia mais

Português 3 Módulo 5 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA O ROMANTISMO NO BRASIL

Português 3 Módulo 5 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA O ROMANTISMO NO BRASIL Português 3 Módulo 5 O ROMANTISMO NO BRASIL 1. a) O poeta defende o menosprezo pelas regras de metrificação enquanto mera convenção. O poeta a- firma usar todas as metrificações, baseado apenas em sua

Leia mais

Introdução ao Realismo

Introdução ao Realismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2 Disciplina: Literatura Data da prova: 15/02/2014. Introdução ao Realismo P1-1 BIMESTRE Os textos seguintes

Leia mais

Content Area: Literatura Brasileira Grade 11ª. Quarter 1ª. Serie Serie Unidade

Content Area: Literatura Brasileira Grade 11ª. Quarter 1ª. Serie Serie Unidade Content Area: Literatura Brasileira Grade 11ª. Quarter 1ª. / Objetivos de Aprendizado O projeto literário da poesia simbolista. Os momentos de incerteza, indefinição e pessimismo que marcaram a transição

Leia mais

O Romantismo - 1. Gonçalves de Magalhães: Suspiros Poéticos e Saudades (1836)

O Romantismo - 1. Gonçalves de Magalhães: Suspiros Poéticos e Saudades (1836) O Romantismo - 1 Gonçalves de Magalhães: Suspiros Poéticos e Saudades (1836) O sentimento dos descontentes com as novas estruturas: a nobreza, que já caiu, e a pequena burguesia, que ainda não subiu. As

Leia mais

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século *Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século XX; * É quando surge uma literatura social, através de

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário:

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário: A primeira frase do emissor do texto denota inicialmente sua intenção de se pôr em uma situação simétrica, e não submissa ou inferior, aos não índios. O código de vocês, adotado como contato e respeitado

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua das Ameixeiras, 119 Núcleo Cristo Rei Fone/Fax: 0xx42 3624 3095 CEP 85060-160 Guarapuava Paraná grpcristorei@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

3º trimestre de 2014 Literatura

3º trimestre de 2014 Literatura LEITURAS INDICADAS 3º trimestre de 2014 Literatura 1ª Leitura: TOMÁS, Antônio Gonzaga. Cartas Chilenas. Sinopse: O livro Cartas Chilenas (1788-1789), de autoria do inconfidente Tomás Antônio Gonzaga, é

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945)

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) Tarsila do Amaral, cartão-postal, 1929 1. Que elementos da natureza estão representados nessa obra? 2. Que aspectos da natureza brasileira Tarsila do Amaral escolheu

Leia mais

Edison Mendes. A realidade de uma vida

Edison Mendes. A realidade de uma vida Edison Mendes A realidade de uma vida Rio de Janeiro Barra Livros 2014 Copyright 2014 by Edison Mendes Todos os direitos reservados à Barra Livros Proibida a reprodução desta obra, total ou parcialmente,

Leia mais

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor,

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor, PREFÁCIO DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil Prezada leitora, estimado leitor, Ao longo dos séculos, a pobreza foi um fenômeno cercado de interesses e de preconceitos. Houve momentos

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

KARIN HALLAN SANTOS SILVA

KARIN HALLAN SANTOS SILVA HIBRIDIZAÇÃO: UMA ESTRATÉGIA IDENTITÁRIA EM VIVA O POVO BRASILEIRO KARIN HALLAN SANTOS SILVA RESUMO: Há um consenso de que a história oficial do Brasil é a história escrita pelas elites e assim esta História,

Leia mais

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1 Língua Portuguesa 1º ano Unidade 1 Linguagem Linguagem, língua, fala Unidade 4 - capítulo 12 Linguagem verbal e não verbal Unidade 4 - capítulo 12 e 13 Signo linguístico Unidade 4 - capítulo 12 Denotação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca INAUGURAÇÃO DA «CASA DE CULTURA JORGE

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2º BIMESTRE. São obras que exemplificam o surto do romance a que se refere o crítico:

LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2º BIMESTRE. São obras que exemplificam o surto do romance a que se refere o crítico: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 3º ano Disciplina: Literatura Data da prova: 16/04/2014. LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2º BIMESTRE 01. (PUCCAMP -SP)

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A HISTÓRIA, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Antes de você iniciar a leitura do

Leia mais

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se 1 A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se envolveram na arrumação da sociedade étnica que estava

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA INSTITUCIONAL DE ENSINO E APRENDIZAGEM LICENCIATURAS DO TURNO NOTURNO - PIB LIC (2013.1)

PROGRAMA DE BOLSA INSTITUCIONAL DE ENSINO E APRENDIZAGEM LICENCIATURAS DO TURNO NOTURNO - PIB LIC (2013.1) PROGRAMA DE BOLSA INSTITUCIONAL DE ENSINO E APRENDIZAGEM LICENCIATURAS DO TURNO NOTURNO - PIB LIC (2013.1) TÍTULO DO PROJETO Literatura Afro-Brasileira como Debate para as Relações Étnico-Raciais na Escola

Leia mais

ESCOLA COMO ESPAÇO DE GARANTIA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS

ESCOLA COMO ESPAÇO DE GARANTIA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS ESCOLA COMO ESPAÇO DE GARANTIA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS Verlani Catarina da Silva 1 ; Thales Valença Ferreira Castro 2 A escola como um espaço tão múltiplo de ideias, classes sociais e diversidades culturais

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges Jussara Braga Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Ilustrações de Rogério Borges 1 O desejo das águas é um livro poético escrito em prosa, mas cheio de poesia e lirismo. Por isso,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA 1 A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA Isaac Santos Cajé (UNIT) INTRODUÇÃO Os estudos recentes da literatura portuguesa alargaram as fontes, possibilitando um novo olhar para velhos

Leia mais

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Questão 1 O canto das três raças, de Clara Nunes Ninguém ouviu Um soluçar de dor No canto do Brasil Um lamento

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente Curricular: Língua

Leia mais

1948 É forçado a novo exílio, desta vez em Paris. 1949 É expulso da França e passa a morar na Checoeslováquia. 1951 Recebe em Moscovo o Prémio

1948 É forçado a novo exílio, desta vez em Paris. 1949 É expulso da França e passa a morar na Checoeslováquia. 1951 Recebe em Moscovo o Prémio B I B L I O T E C A Vida e Obra 1902 João Amado de Faria instala-se em Ilhéus, na zona do cacau, e casa, anos mais tarde, com a baiana Eulália Leal. 1912 Em 10 de Agosto nasce Jorge Amado. 1913 O «coronel»

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

Compreender a arte como saber cultural e estético gerador de significação e integrados da organização do mundo e da própria identidade.

Compreender a arte como saber cultural e estético gerador de significação e integrados da organização do mundo e da própria identidade. Literatura no Enem COMPETÊNCIA DE ÁREA 4 Compreender a arte como saber cultural e estético gerador de significação e integrados da organização do mundo e da própria identidade. COMPETÊNCIA DE ÁREA 5 Analisar,

Leia mais

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO 1 LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO Vanuza Oliveira do Carmo (UFS) 1- INTRODUÇÃO Presenciamos atualmente muitas discussões acerca da Lei 10.639 aprovada em janeiro

Leia mais

Frei Liberdade Luiz Antonio Aguiar PROJETO DE LEITURA. O autor

Frei Liberdade Luiz Antonio Aguiar PROJETO DE LEITURA. O autor Frei Liberdade Luiz Antonio Aguiar PROJETO DE LEITURA 1 O autor Luiz Antonio Aguiar nasceu em 1955, no Rio de Janeiro. Mestre em Literatura Brasileira, pela PUC-RJ, com tese sobre leitura na cultura de

Leia mais

Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian.

Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian. Alguns planos de aula elaborados pelos bolsistas Angelita, Sheynna e Willian. Leitura do conto O gato preto, de Edgar Allan Poe (duas aulas) 1- Leitura compartilhada do conto, dividido em duas partes.

Leia mais

1º- Dentre as escolas literárias abaixo, assinale aquela que não aconteceu no Brasil:

1º- Dentre as escolas literárias abaixo, assinale aquela que não aconteceu no Brasil: QUESTÕES DE LITERATUA PROF: Xanda Guedes Exercícios: 1º- Dentre as escolas literárias abaixo, assinale aquela que não aconteceu no Brasil: A- Barroco B- Romantismo C- Modernismo D- Trovadorismo E- Arcadismo

Leia mais

MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A "ESCRITA DE HOSPÍCIO" REVELANDO SENSIBILIDADES

MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A ESCRITA DE HOSPÍCIO REVELANDO SENSIBILIDADES MODOS DE ESCREVER, JEITOS DE SENTIR, MANEIRAS DE REFLETIR: A "ESCRITA DE HOSPÍCIO" REVELANDO SENSIBILIDADES Nádia Maria Weber Santos PPG-UFRGS Professora convidada FEEVALE / RS Pensar o "fenômeno social"

Leia mais

Turma: 3º ano FG e ADM

Turma: 3º ano FG e ADM COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 3º ano FG e ADM Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01 (1,0 ponto) Leia atentamente a proposição. O Romantismo era a apoteose do sentimento; O Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP Sandra Mara Pereira dos Santos soul_mara@yahoo.com.br PPGCSo-UNESP Doutoranda Analiso que na questão de gênero no rap nacional existe

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades As desigualdades sociais instalaram-se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda hoje são

Leia mais

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL 1 DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com) A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

Século XII Idade Média TROVADORISMO. Cristianismo. - Temas profanos. - Predomínio da emoção. - Influência das tradições populares

Século XII Idade Média TROVADORISMO. Cristianismo. - Temas profanos. - Predomínio da emoção. - Influência das tradições populares Século XII Idade Média TROVADORISMO Cristianismo - Temas profanos - Predomínio da emoção - Influência das tradições populares - Ambiente cortês, rural ou marítimo - Exaltação do ideal cavaleiresco - Emprego

Leia mais

LITERATURA PORTUGUESA II AULA 04: A PROSA REALISTA TÓPICO 02: A PROSA DE EÇA DE QUEIRÓS Fonte [1] Eça de Queirós em 1882. José Maria de Eça de Queirós (Póvoa de Varzim, 1845 Neuilly-sur- Seine, 1900) estudou

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

Lıter tur. O Pré-Modernismo no Brasil... 15. As vanguardas artísticas europeias e o Modernismo no Brasil... 37

Lıter tur. O Pré-Modernismo no Brasil... 15. As vanguardas artísticas europeias e o Modernismo no Brasil... 37 s u m r ı o Lıter tur 1 O Pré-Modernismo no Brasil... 15 Primeira leitura: Como imagino o Municipal amanhã João do Rio... 15 Um pouco de História... 19 Principais características do Pré-Modernismo no Brasil...

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA FILOSOFIA. Objetos do Conhecimento (conteúdos)

CIÊNCIAS DA NATUREZA FILOSOFIA. Objetos do Conhecimento (conteúdos) CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA MAIS ROTEIRO DE AVALIAÇÕES 1º TRIMESTRE ATIVIDADE AVALIATIVA AV1 2ªs Séries - EM CIÊNCIAS HUMANAS HISTÓRIA O absolutismo e a formação do Estado Moderno O Império colonial português

Leia mais

Pedro Almeida Filho. Maternidade da Vida

Pedro Almeida Filho. Maternidade da Vida Maternidade da Vida Pedro Almeida Filho Maternidade da Vida Editor responsável Zeca Martins Projeto gráfico e diagramação Juliana Smeers Controle editorial Manuela Oliveira Capa Pedro Brondi Revisão Bruna

Leia mais

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia

Poesia AUTOR. Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas. Poesia OBRA ANALISADA: O Coração Disparado 1978 GÊNERO Poesia AUTOR Adélia Prado DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: Adélia Luzia Prado de Freitas BIBLIOGRAFIA Poesia Bagagem, Imago - 1975 O Coração Disparado, Nova

Leia mais

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo PORTUGUÊS LITERATURA 1) Realismo 1.1) Introdução: É a denominação genérica da reação aos ideais românticos existentes na segunda metade do século XIX. As profundas transformações ocorridas na sociedade

Leia mais

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Prof. Bruno César dos Santos Objetivos 1. compreender a linguagem e a metodologia específica no que diz respeito à relação entre antropologia e cultura; 2. analisar

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

IMAGEM E IMAGINÁRIO NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL. SEU PODER DE LIBERTAÇÃO OU DE PRISÃO.

IMAGEM E IMAGINÁRIO NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL. SEU PODER DE LIBERTAÇÃO OU DE PRISÃO. IMAGEM E IMAGINÁRIO NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL. SEU PODER DE LIBERTAÇÃO OU DE PRISÃO. RESUMO Angélica de Paula Gonçalves Rosa Licenciada em História e Especialista em Literatura e Cultura Afro-brasileira

Leia mais

AULA 12.1 Conteúdo: O Romantismo brasileiro: prosa de ficção. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES

AULA 12.1 Conteúdo: O Romantismo brasileiro: prosa de ficção. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES 12.1 Conteúdo: O Romantismo brasileiro: prosa de ficção. 12.1 Habilidades: Caracterizar o projeto literário dos romances urbanos e regionalistas e justificar a importância de compor um panorama literário

Leia mais

PORTUGUÊS e SOCIOLOGIA

PORTUGUÊS e SOCIOLOGIA PORTUGUÊS e SOCIOLOGIA Terceiro ano integrado EDI 3-2009 Instruções: Leia atentamente cada questão para resolvê-la com segurança. A marcação do gabarito deverá ser feita com caneta de tinta azul ou preta

Leia mais

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval História 6A Aula 17 A Cultura Medieval Cultura Medieval Síntese de elementos grecoromanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 Sofia Z. Na parte anterior vimos algumas das razões do declínio do tesão entre os casais que têm uma relação estável. Nesta parte vamos fazer algumas considerações

Leia mais

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Escritor brasileiro Dados de Identificação: Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Turma: 201 Professora: Ivânia Lamb Romancista brasileiro nascido em São

Leia mais

A QUESTÃO RACIAL NO ENSINO SECUNDÁRIO BAIANO: PROBLEMATIZANDO O LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA

A QUESTÃO RACIAL NO ENSINO SECUNDÁRIO BAIANO: PROBLEMATIZANDO O LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA A QUESTÃO RACIAL NO ENSINO SECUNDÁRIO BAIANO: PROBLEMATIZANDO O LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA Maria Cristina Dantas PINA UESB/PQI-CAPES Neste trabalho analisa-se como o escravo negro foi retratado nos livros

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

Alunos: Francini Medeiros, Giseli Duarte, Hadassa Marques, Jéssica Santos, Luana Beatriz e Sérgio Araújo. Turma: 9020511.

Alunos: Francini Medeiros, Giseli Duarte, Hadassa Marques, Jéssica Santos, Luana Beatriz e Sérgio Araújo. Turma: 9020511. Alunos: Francini Medeiros, Giseli Duarte, Hadassa Marques, Jéssica Santos, Luana Beatriz e Sérgio Araújo. Turma: 9020511. "Todo momento pré é de prenúncios, de pressupostos. Todo momento pré transita

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Versículo para Decorar: 1 Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens, olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna

Leia mais

APRENDIZAGEM EMOCIONAL

APRENDIZAGEM EMOCIONAL APRENDIZAGEM EMOCIONAL Escrito por Mauricio Aguiar Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento do POINT. Nesta

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA A PUCPR elaborou uma prova, no geral, de bom nível, embora tenha apresentado algumas falhas de revisão

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02 O Cordel, Paixão e Poesia: Castro Alves o poeta da Bahia foi feito pelos alunos do 1º ano A (IF Baiano campus Itapetinga). O cordel é uma grande homenagem ao grande poeta baiano Castro Alves, conhecido

Leia mais

Anexo 1 Clássicos da Literatura

Anexo 1 Clássicos da Literatura Anexo 1 Clássicos da Literatura Autor (a) Livro 1 Adélia Prado Bagagem 2 Aluísio Azevedo O Cortiço 3 Álvares de Azevedo Lira dos Vinte Anos / Noite na Taverna 4 Antônio Callado Quarup 5 Antônio de Alcântara

Leia mais

Os dez mandamentos da ética

Os dez mandamentos da ética Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro Os Dez Mandamentos da Ética de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão. A esperança é o sonho do homem acordado Aristóteles, citado

Leia mais

A PROSA ROMÂNTICA BRASILEIRA

A PROSA ROMÂNTICA BRASILEIRA A PROSA ROMÂNTICA BRASILEIRA Introdução A ficção no Brasil: romances, contos e novelas aparecem na literatura brasileira no período romântico. Folhetins (romances publicados semanalmente em jornais ou

Leia mais

As 120 grandes obras da Literatura Brasileira, segundo o professor Alfredo Bosi Para você usufruir e construir sua cultura literária

As 120 grandes obras da Literatura Brasileira, segundo o professor Alfredo Bosi Para você usufruir e construir sua cultura literária As 120 grandes obras da Literatura Brasileira, segundo o professor Alfredo Bosi Para você usufruir e construir sua cultura literária OU: não morra antes de ler estes livros! Que tal uma lista com as 120

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA

LITERATURA BRASILEIRA LITERATURA BRASILEIRA 01 Leia o poema Pintura admirável de uma beleza, de Gregório de Matos. Vês esse sol de luzes coroado? Em pérolas a aurora convertida? Vês a lua de estrelas guarnecida? Vês o céu de

Leia mais

TEXTO DEFINITIVO. Mirtes Timpanaro. A morte como memória: imigrantes nos cemitérios da Consolação e do Brás (FFLCHUSP mestre em História Social)

TEXTO DEFINITIVO. Mirtes Timpanaro. A morte como memória: imigrantes nos cemitérios da Consolação e do Brás (FFLCHUSP mestre em História Social) TEXTO DEFINITIVO Mirtes Timpanaro. A morte como memória: imigrantes nos cemitérios da Consolação e do Brás (FFLCHUSP mestre em História Social) Quando eu morrer quero ficar, Não contem aos meus inimigos

Leia mais