A PROPOSTA PEDAGÓGICA DE SANTO AGOSTINHO PARA A FORMAÇÃO DO INDIVÍDUO E DA SOCIEDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PROPOSTA PEDAGÓGICA DE SANTO AGOSTINHO PARA A FORMAÇÃO DO INDIVÍDUO E DA SOCIEDADE"

Transcrição

1 1 A PROPOSTA PEDAGÓGICA DE SANTO AGOSTINHO PARA A FORMAÇÃO DO INDIVÍDUO E DA SOCIEDADE PEINADO, Maria Rita Sefrian de Souza (PPE/UEM) Palavras-chave: História da Educação; Proposta Pedagógica; Santo Agostinho. Introdução Pode-se reconhecer o valor dos grandes literatos, dos cientistas, dos governantes, dos líderes religiosos, dos artistas, mas as suas obras só devem merecer contemplação num estudo de História da Educação, se tiverem efetivamente contribuído para o patrimônio das idéias pedagógicas ou se tiverem influenciado as instituições ou as atividades educacionais (NUNES, 1979, p. 1,2). Neste artigo, nosso objetivo é analisar em algumas obras de Santo Agostinho ( ), especialmente em A Doutrina Cristã, como se manifesta nelas a premissa metodológica de que os projetos pedagógicos das diferentes épocas correspondem às diferentes necessidades sociais. Neste texto, pontuaremos como sua proposta para a formação do cristão delineia a educação da transição da Antiguidade para a Idade Média. Elegendo o Trivium e o Quadrivium como necessários à compreensão e divulgação das Escrituras, ele sistematizou e preservou o conhecimento clássico, que se apresentou como a base para a formação do cristão e da sociedade. Por meio do método histórico-social, procuraremos analisar os aspectos fundamentais da proposta agostiniana para a formação do indivíduo e para a organização da sociedade medieval. Ao estabelecer a relação com o conhecimento do passado, teremos também condições para refletir sobre o papel social do educador atual. Entendemos que o conhecimento do passado nos oferece parâmetros para situar historicamente tanto a prática formativa atual quanto os conteúdos programáticos formativos que preservam, difundem e produzem o conhecimento humano. Para compreendermos as proposições agostinianas como resposta às necessidades de um período de intensas transformações sociais, primeiramente, com o subsídio da historiografia, situaremos o contexto social dos séculos IV e V, período que o autor viveu e fez sua proposição. Em seguida, analisamos a proposta contida em A Doutrina Cristã, a qual delinearia a educação dos séculos vindouros e, então, passaremos à reflexão sobre a educação atual. Desenvolvimento Para nossa pesquisa, utilizamos fontes fidedignas, como assim as denomina Nunes, a partir das quais compreendemos que as proposições de Santo Agostinho correspondem às necessidades de uma sociedade com a qual esteve comprometido.

2 2 Levamos em consideração as diferenças entre os homens do nosso tempo e os da época de nossa pesquisa. Para Nunes, ao estudioso da História cumpre combater os preconceitos e deles desprender para, então, conhecer as diferenças de mentalidade próprias de cada tempo histórico. [...] Ora, isso nos deve esclarecer quanto às diferenças de mentalidade entre os homens do nosso tempo e os de época transactas. Por isso, ao se estudar a História, importa obter, através de informações corretas, de fontes fidedignas, de documentos autênticos, o conhecimento da mentalidade e dos costumes vigentes nas épocas e regiões consideradas. Além disso, deve-se acionar a própria fantasia para se poder imaginar os homens de outros tempos nas suas situações peculiares de vida, nas circunstâncias de sua existência e, por fim, excitar em nós mesmos um sentimento de empatia histórica, para podermos conceber e apreciar as pessoas de outras sociedades passadas, com sua própria alma, com as suas concepções e costumes. Isto é fundamental para que se possa reconstruir mentalmente a vida passada das sociedades humanas que nos deixaram um legado de idéias, crenças e tradições. Deste modo, ao mesmo tempo em que estudarmos a humanidade passada, idêntica à nossa por natureza, poderemos apreciá-la, também, enquanto diferente acidentalmente de nós mesmos pela sua mentalidade e pela sua cultura. Nas vicissitudes históricas, o estudioso precisa saber discernir o Mesmo e o Outro, o Permanente e o Transitório. Só assim as suas investigações serão produtivas e os conhecimentos crescerão cada vez mais adequados e válidos (NUNES, 1979, p. 14). Desse modo, entender o contexto social dos séculos IV e V nos permite adentrar o panorama cultural e moral de uma época marcada pela ação da Igreja, em que a sociedade religiosa desempenhou a função de transmitir a cultura aos povos. Influência que se estendeu por séculos na Idade Média. Segundo Nunes (1979, p. 4), no medievo a religião impregna as instituições e caracteriza a cultura. Santo Agostinho viveu na transição da Antiguidade para a Idade Média, período marcado pela crise do Império Romano e pela decadência do poder do Estado. Nesse contexto, o poder espiritual se sobrepôs ao estatal, expandindo suas fronteiras, inclusive para o campo educacional. Conforme Nunes (1979, p.102) Essa época, todavia, era de transição e de mudança, pois os estabelecimentos escolares mais importantes ou eficientes eram cada vez mais raros e, à medida que as instituições oficiais desapareciam, estavam a surgir, entre o fim do século IV e o começo do século V, as escolas paroquiais, sob administração exclusivamente eclesiástica. [...] quando os povos germânicos disseminados e fixados em vários rincões do Ocidente desarticularam as estruturas da sociedade romana, arruinaram as cidades, talaram as propriedades rurais e destruíram a rede escolar estabelecida pelo Império Romano do Ocidente. Nesses primeiros séculos medievais as tribos germânicas guerreiam umas com as outras, enquanto novas levas de bárbaros, como os lombardos, despenham sobre a Itália e novas invasões, como as dos sarracenos, põem em polvorosa o litoral europeu do Mar Mediterrâneo (NUNES, 1979, p. 17).

3 3 Nesse contexto de calamidade que modificava paisagens e costumes, além da Igreja, os mosteiros tornaram-se referência de difusão cultural, modelo de organização de vida. Essa função de organizar a vida dos homens, de preservar e difundir a cultura foi desempenhada também pelos mosteiros que se tornaram exemplo de conduta para a sociedade e, posteriormente, lugares preservados da pilhagem, pelo respeito que conquistaram. Conforme Nunes Nessa época de profunda perturbação social os mosteiros beneditinos são as únicas ilhotas de cultura onde ainda se escreve, copiam-se manuscritos; onde se lê, se estuda e se conserva o legado cultural dos romanos (1979, p. 17). Esta situação de insegurança produzida pelas migrações das hordas nômades desencadeou profundas mudanças, quer no âmbito político, quer no social. Os bárbaros, há séculos, já se haviam infiltrado no Império como agricultores, funcionários, soldados e generais. No século V d.c., as tribos germânicas, acossadas pelos hunos, começaram a despenhar no rumo do sul: vândalos, suevos, burgúndios, alanos e visigodos. Estes últimos, chefiados por Alarico, saquearam Roma em 410. A notícia dessa calamidade inspirou a Santo Agostinho o famoso sermão De Urbis excidio, A destruição da Cidade (Roma), no qual ele compara a devastação e a pilhagem de Roma à destruição de Sodoma onde o Senhor Deus não achou cinqüenta, nem quarenta, trinta, vinte nem sequer dez justos para poupar a cidade (NUNES, 1979, p. 37). Mediante as devastações que ocorreram a Igreja buscou explicações, exercendo o papel de consolar e ensinar. No ano 410, o episódio do saque de Roma tornou-se tema de sermão para Santo Agostinho. Temos acesso à tradução, por Lauand, de um sermão agostiniano sobre a devastação de Roma. Depois que situamos o panorama do contexto em que Santo Agostinho estava inserido e a posição do autor, representante da Igreja, analisaremos excertos de seu livro A Doutrina Cristã. Este livro que se tornou manual de educação para a sociedade medieval, uma vez que estabeleceu os fundamentos para as escolas paroquiais e para as escolas dos mosteiros. Os escritos dos padres e dos monges, posteriores ao século V, evidenciam o conhecimento da proposição agostiniana. Oliveira, em seu artigo Agostinho e a Educação Cristã: um olhar da História da Educação, analisa a importância do conhecimento para a formação do cristão, a partir de considerações agostinianas presentes, especialmente na obra A Doutrina Cristã. Ao apresentar um roteiro de como se tornar cristão, Agostinho nos brinda com um verdadeiro programa de estudos, necessários, em nosso entender, para qualquer aprendizagem e que independe da época em que o estudo se realiza. O autor destaca a importância da linguagem, do conhecimento da escrita, portanto, das letras, da necessidade do aprendizado do cálculo, de se entender a música, de se conhecer as instituições nas quais e para quais se realizam determinados estudos, de se conhecer a língua na qual o estudo está sendo realizado. Dentro deste aspecto, destaca a precaução necessária em relação às traduções. Do ponto de vista agostiniano, saber a língua no qual o texto foi escrito é condição para o bom entendimento da mensagem contida no mesmo (mais adiante retomaremos esta questão). Na verdade, a preocupação de Agostinho perdura até os tempos atuais e é constante no ensino e na leitura. Com efeito, a maioria dos nossos alunos não conhece as línguas originais nas quais os autores apresentam suas formulações, dependendo sempre dos

4 4 tradutores que, em última instância, para verterem os escritos para nossa língua também interpretam e modificam muitas vezes o significado das palavras. Acabamos por ler o que o tradutor interpretou e não, efetivamente, o que o autor escreveu (OLIVEIRA, 2008, p. 6). O cuidado de Santo Agostinho para com a leitura e compreensão dos textos das Escrituras foi expresso na forma de uma proposição que aponta para questões atuais, como discute Oliveira. Passa, não só pelo conhecimento de leitura, pela compreensão, mas também pelo conhecimento de línguas e pela precaução com as traduções. A seguir, destacaremos em nossa fonte as passagens que nos permitem compreender tanto a motivação do autor, quanto sua proposta de ensino. Em seu livro A Doutrina Cristã, Santo Agostinho sistematiza as normas para que o estudioso das Escrituras as compreenda. Esse cuidado de estabelecer normas para a compreensão da mensagem cristã tornou-se profícuo, em uma sociedade que carecia de ser instruída nas letras, na fé e na civilização. Resultou em livros e inúmeros textos escritos com o objetivo de auxiliar os que sabiam menos. Assim, poderiam compreender as Escrituras e ensiná-la. A respeito da interpretação das Escrituras existem certas normas que me parecem poder ser ensinadas com proveito aos que se dedicam a esse estudo. Assim, poderão eles prosseguir não apenas lendo as obras de outros que esclareceram as obscuridades dos Livros santos, mas ainda progredir, com os esclarecimentos que eles próprios poderão dar a outros. Proponho-me a comunicar essas normas aos que desejam e são capazes de aprendê-las, se o Senhor nosso Deus, que costuma inspirar-me tais idéias quando reflito sobre elas, não me negar sua graça ao tentar pô-las por escrito (AGOSTINHO, prólogo, 1). Essa prudência para com as causas da incompreensão das Escrituras motivou-o a expor como se proceder no estudo por meio de critérios que os antigos haviam produzido. Nesse sentido, o desconhecimento dos signos próprios, para Santo Agostinho, se constituía em fator de incompreensão, além da preocupação com os signos figurados, muito utilizados nas Escrituras. Ora, há duas causas de incompreensão do texto da Escritura. A verdade encontra-se oculta por signos desconhecidos ou por signos de sentido figurado. Com efeito, os signos são ou próprios ou figurados (AGOSTINHO, Livro II, cap. 10, 15). Esses signos figurados consistiam em expressões da vida cotidiana utilizados para o ensino de outra significação. Para alcançar a condição de compreender o significado dessas passagens que deveriam ser entendidas no sentido alegórico, era necessário, primeiramente, o conhecimento das palavras no sentido próprio. Outro remédio, no entender do autor, era o conhecimento de línguas, já mencionado por Oliveira. Tornava-se necessário ao estudioso latino conhecer o grego e o hebraico para aprofundar a compreensão das Escrituras. Para combater a ignorância dos signos próprios, o grande remédio é o conhecimento das línguas. Os conhecedores da língua latina, a quem pretendemos instruir neste momento, necessitam, para chegar a conhecer a fundo as divinas Escrituras, de duas outras línguas, a saber, o grego e o hebraico. Elas lhes permitirão recorrer aos exemplares

5 5 mais antigos, no caso em que há infinita variedade de traduções latinas lhes traga alguma duvida (AGOSTINHO, Livro II, cap. 11, 16). Esse conhecimento dos idiomas dos textos originais viabilizaria o acesso aos textos originais, pois, em diferentes idiomas, a mesma palavra pode ter significados diferentes, o que prejudicaria a compreensão do sentido originalmente proposto. Outro aspecto que o autor trata é o estudo comparativo das diversas traduções latinas, que poderia auxiliar a compreensão do sentido. A diversidade de traduções, contudo, tem sido mais ajuda do que obstáculo à compreensão do texto, isso ao se tratar de leitores não negligentes. De fato, o exame de muitos códices, com freqüência esclarece certas frases obscuras (AGOSTINHO, Livro II, cap. 12, 17). Assim, também em nosso tempo, o cuidado com as fontes de pesquisa são para nós motivação para estudarmos as línguas originais dos códices e sobre as quais nos debruçamos, a fim de encontrar nelas o sentido que o autor lhes quis conferir e não nos limitarmos ao sentido que o tradutor conferiu ao traduzir o texto original. Tendo em vista que há palavras não traduzíveis e outro caso, o de palavras que permanecem as mesmas, no entanto, conceitualmente adquirem um sentido diferente, dependendo do tempo histórico a que se refere. Para Santo Agostinho, a ignorância da natureza das coisas dificulta a interpretação das expressões figuradas, quando estas se referem aos animais, pedras, plantas ou outros seres citados freqüentemente nas Escrituras e servindo como objeto de comparações (AGOSTINHO, Livro II, cap. 17, 24). Para o autor, a compreensão eficaz das Escrituras passava, necessariamente, pelo conhecimento das coisas, do Quadrivium, pelo conhecimento da ciência do raciocínio, ou seja, do Trivium e pelo conhecimento das instituições humanas. As disciplinas que compõem o Quadrivium a geometria, a aritmética, a astronomia e a música abrangem um conjunto de conhecimentos relacionados à realidades externas, que proporcionava a compreensão de expressões utilizadas nas Escrituras como objeto de comparações a fim de alcançar o entendimento das coisas espirituais e, conseqüentemente, a rejeição das ficções supersticiosas. A astronomia estudava os astros, sua natureza e seu poder. Permitia fazer conjecturas exatas para o tempo futuro, calcular o curso dos astros ou da lua, dizer qual a fase dentro de um período passado ou futuro. Não se devia, contudo, segundo Santo Agostinho, utilizar esse conhecimento para tirar prognóstico de horóscopos, como faziam os genetlíacos, hoje chamados astrólogos. Assim como a ignorância dos números impedia a compreensão de expressões figuradas ou simbólicas empregadas nas Escrituras, também a ignorância das noções musicais impedia a compreensão de várias passagens. Santo Agostinho afirmava que tanto a música como os números eram colocados em lugar de honra em muitas partes das Escrituras. A música, nesse contexto, não deveria ser entendida como a arte do canto, mas como a disciplina que estabelecia as relações da música com a aritmética, com a harmonia dos astros e com as leis da acústica. Segundo Oliveira Assim, para santo Agostinho, a leitura, a matemática, a natureza, a música, o conhecimento das línguas e a memória tornam-se condição primeira para a conversão do cristão. O cristão deve ser antes de tudo um ser que consegue entender e interpretar os escritos sagrados pelo conhecimento e não somente pela fé. O cristão também deve entender as relações sociais de cada tempo presente vivido pelos homens, pois

6 6 são elas que imprimem os signos do conhecimento. É exatamente por isso que o autor chama a atenção para as mudanças que ocorrem de uma dada sociedade para outra (OLIVEIRA, 2008, p. 6). As disciplinas que compõem o conjunto de conhecimentos propostos por Santo Agostinho se constituem em pré-requisitos à formação do cristão. Para Durkheim, em sua análise sobre os campos de conhecimento, o Quadrivium era um conjunto de conhecimentos relacionados com as coisas. Seu papel era tornar conhecidas as realidades externas e suas leis, leis dos números, leis do espaço, leis dos astros, leis dos sons. Assim, as artes que abraçava eram chamadas artes reales ou physica (1995, p. 52). É importante destacar que, às quatro disciplinas, atribuía-se um sentido alegórico. Procurava-se um significado oculto nos números, nos astros. Desse modo, as disciplinas do Quadrivium ofereciam um conjunto de conhecimentos externos, necessários à compreensão das ilustrações ou de expressões figuradas dos Livros Santos. O objetivo da educação, tal como era conhecido já nessa época, era o de formar a mente no que ela tem de mais geral, em seu princípio essencial e fundamental, independente das aplicações, múltiplas e concretas, que pudessem ser realizadas; pareceu que o único meio de alcançar essa meta era levar o homem a pensar sobre si, a entender-se, a tomar consciência de si. Não é que as ciências da natureza não possam servir para esse mesmo fim. Mas, por motivos que havemos de procurar, muito devagar conseguir-se perceber os serviços que as ciências podiam prestar a esse respeito. Durante séculos, pareceu evidentemente que somente os estudos relativos ao homem podiam servir para formar o homem. Chegamos a esse importante resultado de que havia uma necessidade lógica para que o ensino fosse inicialmente todo formal (DURKHEIM, 1995, p. 54). Como explicita Durkheim em sua análise sobre o ensino cristão, no seu aspecto formal. A educação tem por objetivo formar o homem e o levar a pensar sobre si. Para isso, além das artes liberais, bastante apropriadas ao uso da verdade e ainda alguns preceitos morais muito úteis (AGOSTINHO, Livro II, cap. 41, 60), o conhecimento do Trivium dialética, gramática e retórica é muito valorizado por Santo Agostinho, na medida em que constitui a formação do pensamento. Resta discorrermos sobre os conhecimentos relativos não aos sentidos do corpo, mas à razão ou potência intelectiva da alma, entre as quais reina a ciência do raciocínio. A ciência do raciocínio é de muitíssimo valor para penetrar e resolver toda espécie de dificuldades que se apresentam nos Livros santos. Só se há de evitar o desejo de discussões (libido rixandi) e certa ostentação pueril de enganar o adversário (AGOSTINHO, Livro II, cap. 32, 48). As regras da lógica compõem a instrução formal que deveria ter o estudioso das Escrituras, não com o objetivo de articular discussões apenas para enganar o adversário, mas o silogismo torna-se instrumento de convencimento da verdade, que para Santo Agostinho, era o ensino contido nas Escrituras. Uma coisa é conhecer as regras do silogismo e outra conhecer a veracidade das sentenças. Pelas primeiras, aprende-se o que é deduzido logicamente, o que é deduzido ilogicamente e o que repugna

7 7 à razão. A dedução lógica é esta: Se ele é orador, é homem. A dedução ilógica: Se ele é homem, é orador. E a dedução que repugna à razão: Se ele é homem, é quadrúpede (AGOSTINHO, Livro II, cap. 35, 52). As disciplinas do Trivium, portanto constituíam, na perspectiva do autor, em instrumento para o convencimento que poderia ser utilizado para se chegar a conclusões lógicas ou ilógicas, verdadeiras ou falsas. Assim, para o autor, esse conhecimento poderia ser utilizado para o ensino das Escrituras. E quando cada um tiver encontrado tudo o que aprendeu de proveitoso em outros livros, descobrirá muito mais abundantemente aí. E o que é mais, o que não aprendeu em nenhuma outra parte, somente encontrará na admirável superioridade e profundidade destas Escrituras. [...] Bem munido por essa formação e não estando mais paralisado por signos desconhecidos, o leitor manso e humilde de coração, submisso ao jugo de Cristo, carregado com um fardo leve, fundado, enraizado e edificado na caridade, poderá lançar-se ao exame e à discussão dos signos ambíguos das Escrituras, sobre os quais, no próximo livro, eu me preparo a discorrer, conforme o Senhor se dignar me inspirar (AGOSTINHO, Livro II, cap. 43, 63). Em sua análise sobre os campos de conhecimento do Trivium na educação medieval, Durkheim afirma que: O trivium tinha por objetivo ensinar a própria mente, isto é, as leis às quais obedece ao pensar e expressar seu pensamento, e, reciprocamente, as regras às quais deve sujeitar-se para pensar e expressar-se corretamente. Tal é, com efeito, a meta da gramática, da retórica e da dialética. Esse triplo ensino é, pois, totalmente formal. Manipula unicamente as formas gerais do raciocínio, abstração feita de sua aplicação às coisas, ou com o que é ainda mais formal do que o pensamento, ou seja, a linguagem (DURKHEIM, 1995, p. 52). Nesse sentido, o ensino do Trivium desempenhava a função de formador do pensamento e da linguagem do cristão. Conforme Oliveira, essa utilização da linguagem assume parte no ensino e na aprendizagem do cristão Assim, quanto maior for a capacidade das pessoas de usarem a linguagem, melhores suas condições de se apropriar dos sentidos e ensinamentos contidos nos textos bíblicos. Por conseguinte, as conversões ocorrerão de maneira mais consciente. Na verdade, Agostinho apresenta diversos aspectos que julga serem elementos essenciais para se compreender as palavras contidas nas Escrituras. A nosso ver, apresenta, de fato, um roteiro de como se deve proceder para ser cristão. Do seu ponto de vista, a conversão é um processo de aprendizagem. No seu tempo, em geral, não se nascia cristão, mas se tornava, pela aceitação da doutrina. (OLIVEIRA, 2008, p. 6). Outro aspecto que Santo Agostinho destaca são as instituições humanas, que, para ele, se referem ao conhecimento histórico, literário produzido pela humanidade. A primeira vista, poderíamos pensar no acesso restrito a essas obras. No entanto, elas não foram desprezadas, antes se tornaram em fundamentos teóricos para os cristãos

8 8 chegarem a uma compreensão mais aprofundada do ensino contido nas Escrituras. Deveriam, inclusive, segundo o autor, ser aprendidas de memória. Toda essa parte de instituições humanas que são convenientes para as necessidades da vida, os cristãos não têm razão nenhuma para evitá-la. Eles devem, bem ao contrário, à medida de suas precisões, dedicar-se a seu cumprimento e aprende-las de memória (AGOSTINHO, Livro II, cap. 26, 40). Para Santo Agostinho, todos os informes que a ciência chamada história nos oferece sobre o sucedido nos tempos passados nos são de grande ajuda para compreendermos os Livros santos, ainda quando forem aprendidos fora da Igreja, em vã erudição (AGOSTINHO, Livro II, cap. 29, 42). Assim, a responsabilidade do pregador no ensino e na formação assume relevância, na medida em que ensina, mas também deve conquistar os ouvintes e isso com sabedoria. Instruir mediante um conhecimento que advém do estudo, da compreensão era trabalho árduo e que requeria um preparo. O pregador é o que interpreta e ensina as divinas Escrituras. Como defensor da fé verdadeira e adversário do erro, deve mediante o discurso ensinar o bem e refutar o mal. Nesta tarefa, o mestre deve tratar de conquistar o hostil, motivar o indiferente e informar o ignorante sobre o que deve ser feito ou esperado. Mas ao encontrar ouvintes benévolos, atentos, dispostos a aprender ou que os tenha assim conquistado, deverá prosseguir seu discurso como pedem as circunstâncias (AGOSTINHO, Livro IV, cap. 4, 6). Como pregador, além de ensinar com conhecimento, também deveria falar com sabedoria, esta decorrendo daquele. Um homem fala com tanto maior sabedoria, quanto maior ou menor progresso faz na ciência das santas Escrituras. E eu não me refiro ao progresso que consiste em ler bastante as escrituras ou aprendê-las de cor, mas do progresso que consiste em compreendê-las bem e procurar diligentemente o seu sentido (AGOSTINHO, Livro IV, cap. 5, 7). Assim, percebemos que a proposição agostiniana para a difusão do cristianismo passa por um conhecimento de totalidade, na medida em que decorre do conhecimento do Quadrivium, do Trivium e da História. Nesse sentido, para Bloch, o cristianismo é uma religião de historiadores. Os próprios monumentos estão repletos de história e de conhecimento do passado. Trata-se de alguém cujo conhecimento do passado constitui não só a possibilidade de conhecimento do passado, mas a compreensão do presente e, ainda mais, a própria atuação no presente. O cristianismo é uma religião de historiadores. Outros sistemas religiosos puderam assentar suas crenças e seus ritos numa mitologia pouco mais ou menos exterior ao tempo humano. Os cristãos tiveram por Livros Sagrados livros de história, e suas liturgias comemoram, com os episódios da vida terrestre de um Deus, os fastos da Igreja e dos santos. O cristianismo é ainda histórico de uma outra maneira, talvez mais profunda: colocado entre a Queda e o Juízo Final, o destino da humanidade simboliza, a seus olhos, uma longa aventura, de que cada destino, cada peregrinação individual, é, por sua vez, o reflexo; é na duração, portanto na história, que se desenrola o grande

9 9 drama do Pecado e da Redenção, eixo central de toda a meditação cristã. A nossa arte, os nossos monumentos literários, estão cheios dos ecos do passado; os nossos homens de acção têm a boca cheia das lições do passado, reais ou imaginárias (BLOCH, 1965, p. 11,12). Nesse sentido, o conhecimento histórico torna-se um instrumento para a compreensão do homem: saber quem foi, o que fez, quem é, o que faz. Não podemos deixar de estabelecer estas relações. Pois, segundo Bloch, a ignorância do passado não se limita a prejudicar o conhecimento do presente; compromete no presente a própria acção (1965, p. 40). É tal a força da solidariedade das épocas que os laços da inteligibilidade entre elas se tecem verdadeiramente nos dois sentidos. A incompreensão do presente nasce fatalmente da ignorância do passado. Mas talvez não seja mais útil esforçarmo-nos por compreender o passado, se nada sabemos do presente (BLOCH, 1965, p. 42). Na medida em que conhecemos o passado com a sua rica produção cultural, entendemos o homem na sua totalidade quem foi e o que ele fez, quem é e o que é capaz de fazer. O historiador ama a vida. Nesta faculdade de apreensão do que é vivo é que reside, efectivamente, a qualidade fundamental de um historiador (BLOCH, 1965, p. 43). Portanto, o conhecimento histórico oferece melhores condições ao educador no seu trabalho de formar o homem. Considerações finais Percebemos que a proposição de Santo Agostinho foi elaborada em um momento histórico cujas relações sociais convergiam para uma nova proposição, na medida em que as relações sociais e políticas decadentes do Império Romano não respondiam mais às novas necessidades que se colocavam, em virtude da presença dos nômades. Le Goff diz que Este mundo medieval resulta do encontro e da fusão de dois mundos que iam evoluindo um para o outro, de uma convergência de estruturas romanas e de estruturas bárbaras em transformação (1993, p. 48). Nesse contexto de fusão de culturas, na proposta de formação do cristão que sistematizou, Santo Agostinho elegeu um conjunto de saberes que deveriam compor a formação do cristão. Ao estabelecer como necessárias as disciplinas do Quadrivium, do Trivium e da História, ele propõe a preservação da cultura clássica, não apenas no aspecto do discurso de seus escritos como também em sua proposta, que é fortemente marcada pelo ensino da cultura clássica, pois para ele sem esse conhecimento não seria possível a compreensão das Escrituras. Assim, em virtude do cuidado para com a formação do cristão, Santo Agostinho elabora sua proposta eminentemente cristã fundamentada no conhecimento clássico. Pois, para ele, o estudioso das Escrituras deveria ser formado com amplo conhecimento, a fim de promover a difusão da doutrina cristã. Sua proposta delineou a educação da transição da Antiguidade, influenciando também, posteriormente, a educação medieval.

10 10 Entre as escolhas culturais essenciais que o cristianismo medieval fez, em primeiro lugar, e sobretudo está a das classificações científicas e dos métodos de ensino. Transmitida por um retórico latino cristão do século V, Marciano Capella, a classificação e a prática das artes liberais dominam o ensino medieval. Divididas em dois ciclos, o do trivium, ou artes da palavra (gramática, retórica e dialética) e o do quadrivium, ou artes dos números (aritmética, geometria, música e astronomia), estas artes recomendadas por Santo Agostinho vão, nos séculos XII e XIII, fornecer o fundamento do ensino universitário na faculdade propedêutica dita faculdade de artes. (LE GOFF, 2007, p.26) Le Goff nos elucida sobre a influência dos postulados cristãos para a educação medieval, para o desenvolvimento e encaminhamento que forneceria fundamento ao surgimento do ensino universitário. Portanto, conhecer um autor como Santo Agostinho, o seu tempo histórico e sua proposição diante da sociedade, nos permite refletir sobre a sociedade em que estamos inseridos. Em nossa sociedade, marcada por profundas transformações sociais, desencadeadas, dentre outros fatores, pelo crescente desenvolvimento tecnológico, o desafio está para os intelectuais da educação: elaborar proposições que correspondam às novas exigências sociais por meio de uma educação humanizadora, que promova acesso ao conhecimento científico, possibilitando o convívio e a inserção social. Nesse sentido, a proposição de educação atual, a nosso ver, cumpriria sua função, não somente no que diz respeito à preservação do conhecimento produzido pela humanidade, mas desenvolvendo as possibilidades e as condições para a produção do conhecimento científico pelas próximas gerações. Tendo em vista que educamos para o futuro. Referências AGOSTINHO, Santo. A Doutrina Cristã. Traduzido por: Ir. Nair de Assis Oliveira. São Paulo: Paulus, BLOCH, Marc. Introdução à História. Traduzido por Maria Manuel Miguel e Rui Grácio. Lisboa: Publicações Europa-América, LAUAND, Jean. Nota Introdutória ao sermão sobre a devastação de Roma. Cultura e educação na Idade Média.Sao Paulo, Martins Fontes, Disponível em: <http://www.hottopos.com/mp5/agostinho1.htm> Acesso em:05 jun.2008 LE GOFF, Jacques. A instalação dos Bárbaros. A Civilização do Ocidente Medieval. Lisboa: Editorial Estampa, 1993, p. 27, 63. LE GOFF, Jacques. As raízes medievais da Europa. Traduzido por Jaime A. Clasen. Petrópolis, RJ: Vozes, NUNES, Rui Afonso da Costa. História da educação na Idade Média. São Paulo: EPU: Ed. Da Universidade de São Paulo, 1979.

11 OLIVEIRA, Terezinha. Agostinho e a Educação Cristã: um olhar da História da Educação. Notandum 17 jul-dez. ESDC / CEMOrOC-Feusp / IJI-Universidade do Porto, Disponível em: < Acesso em 05 ago

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Cumprimentos Sobre a importância do tempo Desejos HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Introdução História reconstituição do passado, por meio de fatos relevantes, ordenados cronologicamente. A história

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

SANTO TOMÁS DE AQUINO:

SANTO TOMÁS DE AQUINO: SANTO TOMÁS DE AQUINO: A Igreja e o pensamento ocidental Elaine Gai Torres* RESUMO Este artigo propõe uma visão de Santo Tomás de Aquino dentro da Escolástica, a influência de Aristóteles u em seus escritos,

Leia mais

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval História 6A Aula 17 A Cultura Medieval Cultura Medieval Síntese de elementos grecoromanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Revisão geral de conteúdo Avaliação do 1º trimestre Roteiro de Estudos. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Danilo Borges

Revisão geral de conteúdo Avaliação do 1º trimestre Roteiro de Estudos. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Danilo Borges Revisão geral de conteúdo Avaliação do 1º trimestre Roteiro de Estudos Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Danilo Borges Pensamento Medieval Roteiro de Estudos Na Idade Média, a Filosofia se

Leia mais

OPÚSCULO SOBRE O MODO DE APRENDER E DE MEDITAR

OPÚSCULO SOBRE O MODO DE APRENDER E DE MEDITAR Hugo de S. Vitor OPÚSCULO SOBRE O MODO DE APRENDER E DE MEDITAR A humildade é necessária ao que deseja aprender. A humildade é o princípio do aprendizado, e sobre ela, muita coisa tendo sido escrita, as

Leia mais

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa A SAGRADA ESCRITURA Por Marcelo Rodolfo da Costa A palavra bíblia é de origem grega do termo "biblion" que no plural significa "livros". Logo a bíblia é uma coleção de livros. Ela surge no meio de um oriente,

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Expansionismo Romano - Etapas 1ª.

Leia mais

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 Educação Matemática Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO Escolas da Antiguidade Geometria Aritmética Música Elementos de Euclides (300 a.c.) Geometria

Leia mais

UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO TOMASIANA DE AMOR NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: AS QUESTÕES 26, 27 E 28 DA SUMA TEOLÓGICA

UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO TOMASIANA DE AMOR NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: AS QUESTÕES 26, 27 E 28 DA SUMA TEOLÓGICA UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO TOMASIANA DE AMOR NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: AS QUESTÕES 26, 27 E 28 DA SUMA TEOLÓGICA Resumo SANTIN, Rafael H. UEM rafael.h.santin@gmail.com Área temática: História da Educação Agência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação 1 LIÇÃO 1 A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação que Deus tem Se revelado ao homem. Deus revela-se também através da Palavra Escrita, a Bíblia

Leia mais

SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO VOLUNTÁRIO. www.espiritizar.com.br

SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO VOLUNTÁRIO. www.espiritizar.com.br SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO A PROGRAMAÇÃO DA REENCARNAÇÃO Meditando sobre o significado das Leis Divinas em nossas vidas: Feche os olhos e entre em contato com você mesmo(a) em

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO 1 A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO Julimar Fernandes da Silva 1. RESUMO A Educação nos dias atuais é um desafio constante, tanto para a sociedade como para Igreja cristã. Nesse sentido,

Leia mais

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos História da Educação I Prof. Fernando Roberto Campos Reflexão A torneira seca (mas pior: a falta de sede). a luz apagada (mas pior: o gosto do escuro). a porta fechada (mas pior: a chave por dentro). José

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( x ) Fundamental ( ) Médio SÉRIE: _5ª_ TURMA: TURNO: DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSOR(A): Equipe de História Roteiro e Lista de recuperação

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE OS CONCEITOS: HÁBITO (ARISTÓTELES) E ENSINO (TOMÁS DE AQUINO).

UM ESTUDO SOBRE OS CONCEITOS: HÁBITO (ARISTÓTELES) E ENSINO (TOMÁS DE AQUINO). UM ESTUDO SOBRE OS CONCEITOS: HÁBITO (ARISTÓTELES) E ENSINO (TOMÁS DE AQUINO). BOVETO, Laís (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (PPE/UEM) Introdução Refletir sobre a atual dimensão do papel da Educação na sociedade

Leia mais

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE CAPÍTULO 11 LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE Justiça e direitos naturais Direito de propriedade. Roubo Caridade e amor ao próximo Amor maternal e filial JUSTIÇA E DIREITOS NATURAIS 873 O sentimento de justiça

Leia mais

A educação na Idade Média: a educação mediada pela fé

A educação na Idade Média: a educação mediada pela fé A educação na Idade Média: a educação mediada pela fé Edilian Arrais * CONTEXTO HISTÓRICO A Idade Média abarca um período de mil anos (sécs. V a XV), desde a queda do Império Romano (476) até a tomada

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

O SER HUMANO É TRANSFORMADO PELO CONHECIMENTO

O SER HUMANO É TRANSFORMADO PELO CONHECIMENTO O SER HUMANO É TRANSFORMADO PELO CONHECIMENTO Reinaldo Pereira de Aguiar Auxiliar de Biblioteca UFAL Campus Sertão, U. A. de Santana do Ipanema/AL Graduando em Direito e Letras brasileironaodesiste@yahoo.com.br

Leia mais

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino Os textos da Bíblia começaram a ser escritos desde os tempos anteriores a Moisés (1200 ac). Escrever era uma arte rara e cara, pois se escrevia em tábuas de madeira, papiro, pergaminho (couro de carneiro).

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS

INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS 1 INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS OBJETIVO. 7 A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso. 8 Porque a um é dada, mediante o Espírito, a palavra da sabedoria; e a outro, segundo

Leia mais

NOVA ÁGORA: CAMINHO PARA A AÇÃO

NOVA ÁGORA: CAMINHO PARA A AÇÃO NOVA ÁGORA: CAMINHO PARA A AÇÃO Inicia-se, esta semana, a Nova Ágora. Um espaço, por definição, de encontro, de troca de ideias, de estilo aberto, de respeito pela opinião diferente; no fundo, é um espaço

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Doutrina Cristã do Homem

Doutrina Cristã do Homem Doutrina Cristã do Homem DOUTRINA CRISTÃ DO HOMEM. PÁGINA INTRODUÇÃO. 03 I, A CRIAÇÃO DO HOMEM. 03 II, A CONSTITUIÇÃO DO HOMEM. 03 II, 1, A PARTE MATERIAL DO SER HUMANO (CORPO). 04 II, 2, A PARTE IMATERIAL

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

A tradição da escrita e a Bíblia

A tradição da escrita e a Bíblia Perspectiva histórica A tradição da escrita e a Bíblia Erní Walter Seibert* Os historiadores ensinam que, anterior à experiência da escrita e mesmo ao lado dela, há sempre uma tradição oral. Prova disso

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

AD Campinas- SP. Lição 2

AD Campinas- SP. Lição 2 TEXTO ÁUREO Escola Bíblica Dominical AD Campinas- SP Lição 2 12 de Abril de 2009 A Superioridade da Mensagem da Cruz "Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos,

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

A Música na Antiguidade

A Música na Antiguidade A Música na Antiguidade Josemar Bessa A palavra música deriva de arte das musas em uma referência à mitologia grega, marca fundamental da cultura da antigüidade ocidental. No entanto muitos estudiosos

Leia mais

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha História da Educação Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha Na educação clássica grega podemos reconhecer esboços de modelos teóricos, cognitivos, éticos e estéticos que dão origem a toda cultura oriental.

Leia mais

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO José Aparecido 18.03.2015 CURSO DOUTRINARIO OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 Aulas Curso Doutrinário OAM Turma 6

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Estudos na Palavra de Deus. Jovens

Estudos na Palavra de Deus. Jovens Estudos na Palavra de Deus 1º Estudo do 2º Semestre 2012 Pois alguns não ensinam absolutamente nada das Sagradas Escrituras; alguns não ensinam às crianças nada além das Sagradas Escrituras; ambos os

Leia mais

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 História da Educação Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 1 14 fev. 2011 Apresentação dos conteúdos, estratégias, ementa, avaliação

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Espiritismo e Espiritualismo. Palestrante: Altivo Pamphiro. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Espiritismo e Espiritualismo. Palestrante: Altivo Pamphiro. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Espiritismo e Espiritualismo Palestrante: Altivo Pamphiro Rio de Janeiro 01/08/2003 Organizadores da Palestra: Moderador:

Leia mais

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS BAPAK FALA AOS CANDIDATOS PRÓLOGO Subud é um contacto com o poder de Deus Todo Poderoso. Para as pessoas que consideram difícil aceitar tal afirmação, Subud pode ser descrito como a realidade mais além

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

SANTO AGOSTINHO, O TEÓRICO DA IGREJA NA IDADE MÉDIA

SANTO AGOSTINHO, O TEÓRICO DA IGREJA NA IDADE MÉDIA SANTO AGOSTINHO, O TEÓRICO DA IGREJA NA IDADE MÉDIA Maria Rita Sefrian de Souza Peinado * Resumo: A Igreja, na Idade Média, assume a função articuladora da sociedade, por meio de sua mensagem evangelizadora.

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

Therezinha Oliveira. Oratória a Serviço do Espiritismo Coleção:Estudos e Cursos 6ª edição

Therezinha Oliveira. Oratória a Serviço do Espiritismo Coleção:Estudos e Cursos 6ª edição Therezinha Oliveira Oratória a Serviço do Espiritismo Coleção:Estudos e Cursos 6ª edição Campinas SP 2013 Sumário 1. Apresentação... 11 2. O Expositor Espírita... 15 3. A Preparação do Discurso... 21 4.

Leia mais

Arte Bizantina Morte e vida de um novo império

Arte Bizantina Morte e vida de um novo império Arte Bizantina Morte e vida de um novo império Quando o imperador Diocleciano dividiu o império em dois, separando o Oriente do Ocidente, teve início o colapso final da parte oeste. No século V, o império

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Religião, Cristianismo e os significados

Religião, Cristianismo e os significados Religião, Cristianismo e os significados Religião: 1 - Crença na Carlos Alberto Iglesia Bernardo das existência palavras Manifestação dicionário Aurélio de - tal editora crença Nova pela Fronteira doutrina

Leia mais

Estudos na Palavra de Deus. Jovens

Estudos na Palavra de Deus. Jovens Estudos na Palavra de Deus Jovens Grandes Santos de Deus Jovens programação Jovens Sirvo a um Deus preciso Richard Roger (1550-1618) Jovens Família Igreja Sociedade Jovens CTB Os Puritanos Juliano Heyse

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Você se lembra das três palavras abordadas na lição anterior: Revelação, inspiração e iluminação?

Você se lembra das três palavras abordadas na lição anterior: Revelação, inspiração e iluminação? A BÍBLIA Parte 2 Objetivo para mudança de vida: Dar ao estudante um senso profundo e duradouro de confiança em sua capacidade de entender a Bíblia. Capacidade esta que lhe foi dada por Deus. Você se lembra

Leia mais

28/3/2012. Rui de Souza Josgrilberg. Mostrar como a humanidade desenvolve a(s)

28/3/2012. Rui de Souza Josgrilberg. Mostrar como a humanidade desenvolve a(s) Ética: a humanidade em busca da sustentabilidade da vida Rui de Souza Josgrilberg Objetivos Mostrar como a humanidade desenvolve a(s) sua(s) ética(s) a partir de expressões culturais concretas e de seus

Leia mais

I Plenitude do Espírito e vida familiar

I Plenitude do Espírito e vida familiar 13 I Plenitude do Espírito e vida familiar E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA INTRODUÇÃO A História da Educação Física relaciona-se com todas as ciências que estudam o passado e o presente das atividades humanas e a sua evolução. O homem, condicionado

Leia mais

LEIS DA JUSTIÇA, AMOR e CARIDADE 1. O obje6vo deste tema, será o de possibilitar o entendimento das leis de jus6ça, amor e caridade.

LEIS DA JUSTIÇA, AMOR e CARIDADE 1. O obje6vo deste tema, será o de possibilitar o entendimento das leis de jus6ça, amor e caridade. LEIS DA JUSTIÇA, AMOR e CARIDADE 1 O obje6vo deste tema, será o de possibilitar o entendimento das leis de jus6ça, amor e caridade. DIREITOS NATURAIS 2 Direitos Naturais: São os mesmos para todos os indivíduos,

Leia mais

(professora Elisabete eguerato@globo.com) A MATEMÁTICA NA CHINA NOS DIFERENTES PERÍODOS

(professora Elisabete eguerato@globo.com) A MATEMÁTICA NA CHINA NOS DIFERENTES PERÍODOS (professora Elisabete eguerato@globo.com) A MATEMÁTICA NA CHINA NOS DIFERENTES PERÍODOS A HISTÓRIA CHINESA De 2000 a 600 a.c. China Antiga De 600 a.c. a 221 d.c. China Clássica De 221 a 1911 China Imperial

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 31 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Explicar a abrangência da Teoria dos valores e sua evolução histórica Analisar

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos OS EPÍTETOS NOS CÂNTICOS MARIANOS Eliane da Silva (USP) eliane1silva@gmail.com 1. Os epítetos A pesquisa visa mostrar a completude histórica refletida nas cantigas marianas, além das cantigas que tiveram,

Leia mais

Ívia Thatiane do Nascimento Cavalcanti 1,2 ; Alexandre Pierezan 3

Ívia Thatiane do Nascimento Cavalcanti 1,2 ; Alexandre Pierezan 3 O TEMPORAL E O ESPIRITUAL: CONFRONTOS POLÍTICOS A IDÉIA DE PODER ECLESIÁSTICO EM EGÍDIO ROMANO Ívia Thatiane do Nascimento Cavalcanti 1,2 ; Alexandre Pierezan 3 O PRESENTE ESTUDO PROPÕE ANALISAR A IMAGEM

Leia mais

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 166 Como a alma, que não alcançou a perfeição durante a vida corporal,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA. 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA. Grupo de trabalho GT (01) Alfabetização e Letramento Escolar Rita de Cássia da Conceição Maria

Leia mais

ABELARDO E HUGO DE SAINT-VICTOR: UM ESTUDO DA EDUCAÇÃO CITADINA NO SÉCULO XII

ABELARDO E HUGO DE SAINT-VICTOR: UM ESTUDO DA EDUCAÇÃO CITADINA NO SÉCULO XII RESUMO ABELARDO E HUGO DE SAINT-VICTOR: UM ESTUDO DA EDUCAÇÃO CITADINA NO SÉCULO XII VIANA, Ana Paula dos Santos-UEM ra52146@uem.br OLIVEIRA, Terezinha-UEM teleoliv@gmail.com Eixo temático: História da

Leia mais

O ÓDIO E A EDUCAÇÃO NA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO

O ÓDIO E A EDUCAÇÃO NA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO O ÓDIO E A EDUCAÇÃO NA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO SANTIN, Rafael Henrique 1 OLIVEIRA, Terezinha 2 INTRODUÇÃO Este texto apresenta algumas reflexões desenvolvidas durante nossa pesquisa de mestrado

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br Objetivo: Analisar as diferenças e semelhanças entre o NT e o ESE. Pontos a debater: 1) Definições; 2) Avaliação

Leia mais

Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados

Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados 1º Mistério Luminoso Janeiro 2015 Batismo de Nosso Senhor Introdução: Vamos dar inicio à meditação reparadora dos primeiros sábados, que nos foi indicada

Leia mais

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo O brincar hoje: da colaboração ao individualismo Profa. Dra. Maria Angela Barbato Carneiro Campo Grande/ Simpósio Internacional da OMEP Jul/ 2012 Este trabalho tem por objetivo discutir sobre o brincar

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

TRADUÇÃO Angelino Junior do Carmo

TRADUÇÃO Angelino Junior do Carmo TRADUÇÃO Angelino Junior do Carmo Sumário Obtendo o máximo de Tiago... 5 1. Confiança ou dúvida Tiago 1.1-18... 9 2. Palavras, palavras, palavras Tiago 1.19-27... 12 3. Não discrimine as pessoas Tiago

Leia mais

A Bíblia. J. Gresham Machen

A Bíblia. J. Gresham Machen 1 A Bíblia J. Gresham Machen Já observamos que o liberalismo moderno perdeu de vista os dois grandes pressupostos da mensagem cristã o Deus vivo e o fato do pecado. Tanto a doutrina liberal de Deus quanto

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Religião e Espiritualidade

Religião e Espiritualidade Religião e Espiritualidade Há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha vossa vã filosofia. Shakespeare A Mudança de Modelos Mentais O que é Religião? O que é espiritualidade? O que é Meditação? Como

Leia mais

Medicina na Idade MédiaM

Medicina na Idade MédiaM Medicina na Idade MédiaM Yo no creo em brujas, pero que las hay,las hay.... Idade MédiaM Decadência do Império Romano do Ocidente (século V d.c.) Invasões dos povos bárbaros Várias regiões da Europa baixa

Leia mais

Décima Primeira Lição

Décima Primeira Lição 70 Décima Primeira Lição AUTORIDADE NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS A EDUCAÇÃO DOS FILHOS NO LAR A) O lar tem suma importância na vida humana, pois é o berço de costumes, hábitos, caráter, crenças e morais de cada

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO História CONTEÚDO: CAP 3 - Islã CAP 4 Francos e Carolíngios 6ª 3 P2 REVISÃO 1. Na Arábia pré-islâmica, uma cidade em especial se transformou num ponto de encontro,

Leia mais

Unidade 1 O Período Medieval

Unidade 1 O Período Medieval Sugestões de atividades Unidade 1 O Período Medieval 7 HISTÓRIA Religião bizantina Assinale somente as afirmativas incorretas. 1. ( ) Embora a religião oficial bizantina fosse o cristianismo, em razão

Leia mais

O QUE É SER ESPÍRITA?

O QUE É SER ESPÍRITA? Suzane Câmara O QUE É SER ESPÍRITA? pessoa vinculada ao Espiritismo. os espíritas "mexem" com os mortos outros temem, outros permanecem indiferentes ir ao Centro, tomar passe, ouvir ou fazer palestras,

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais