UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TEORIA DA COMPUTAÇÃO Aula 02 Introdução à Teoria da Computação Prof.ª Danielle Casillo

2 Linguagem: é uma forma precisa de expressar problemas, permitindo um desenvolvimento formal adequado ao estudo da computabilidade. As definições que seguem são construídas usando como base a noção de símbolo ou caractere, que é uma entidade abstrata básica, não sendo definida formalmente. Letras e dígitos são exemplos de símbolos frequentemente usados. Teoria da Computação - Aula 02 2

3 Definição: Alfabeto É um conjunto finito de símbolos ou caracteres. Um conjunto infinito não é um alfabeto. O conjunto vazio é um alfabeto. Exemplo de alfabetos: {a, b, c}; conjunto vazio. Exemplo de conjuntos que não são alfabetos: Conjunto dos números naturais; {a, b, aa, ab, ba, bb, aaa,...}. Teoria da Computação - Aula 02 3

4 Cadeia de Símbolos, Palavra. É uma sequência de zero ou mais símbolos (do conjunto) justapostos. Uma Palavra é uma Cadeia de Símbolos Finita. Exemplo: abcb é uma palavra sobre o alfabeto {a, b, c}; Teoria da Computação - Aula 02 4

5 Uma cadeia sem símbolos é uma palavra válida. ε denota a cadeia vazia ou palavra vazia. O símbolo representa um alfabeto, então: * denota o conjunto de todas as palavras possíveis sobre ; + denota * - {ε} Exemplo: Se = {a, b}, então: + = {a, b, aa, ab, ba, bb, aaa,...} * = {ε, a, b, aa, ab, ba, bb, aaa,...} Teoria da Computação - Aula 02 5

6 Comprimento ou tamanho de uma palavra w, representado por w, é o número de símbolos que compõem a palavra. Exemplo: abcb = 4 ε = 0; Teoria da Computação - Aula 02 6

7 Prefixo e Sufixo Um Prefixo (respectivamente, Sufixo) de uma palavra é qualquer sequência inicial (respectivamente, final) de símbolos da palavra. Uma Subpalavra de uma palavra é qualquer sequência de símbolos contígua da palavra. Exemplo: Relativamente à palavra abcb, tem-se que: ε, a, ab, abc, abcb são os prefixos; ε, b, cb, bcb, abcb são os respectivos sufixos. Qualquer prefixo ou sufixo de uma palavra é uma subpalavra. Teoria da Computação - Aula 02 7

8 Linguagem formal é um conjunto de palavras sobre um alfabeto. Exemplo: Suponha o alfabeto = {a, b}. Então: O conjunto vazio e o conjunto formado pela palavra vazia são linguagens sobre. Obviamente, Ø { ε }. O conjunto de palíndromos (palavras que tem a mesma leitura da esquerda para a direita e viceversa) sobre é um exemplo de linguagem infinita. ε, a, b, aa, bb, aaa, aba, bab, bbb, aaaa,... Teoria da Computação - Aula 02 8

9 Concatenação de palavras associa a cada par de palavras uma palavra formada pela justaposição da primeira com a segunda. A operação de concatenação satisfaz às seguintes propriedades (suponha v, w, t palavras): Associatividade: v(wt) = (vw)t Elemento neutro à esquerda e à direita: εw = w = wε Teoria da Computação - Aula 02 9

10 Exemplo de concatenação de palavras: Suponha o alfabeto = {a, b}. Então, para as palavras v = baaaa e w = bb, tem-se que: vw = baaaabb vε = v = baaaa Teoria da Computação - Aula 02 10

11 A concatenação sucessiva de uma palavra é representada na forma de um expoente. w n em que n é o número de concatenações sucessivas Exemplo: Sejam w uma palavra e a um símbolo, então: w 3 = www w 1 = w a 5 = aaaaa a n = aaa...a (o símbolo a repetido n vezes) Teoria da Computação - Aula 02 11

12 Exemplo de concatenação sucessiva: x = e y = ; A concatenação xy é x k denota a concatenação de x consigo mesma k vezes: Exemplo: se x = 110, então x 3 = Teoria da Computação - Aula 02 12

13 Sequências e uplas Uma sequência de objetos é uma lista desses objetos na mesma ordem. Ex: (7, 21, 57) Em um conjunto a ordem não importa, mas em uma sequência sim. Portanto, (7, 21, 57) não é o mesmo que (57, 7, 21). Como os conjuntos, sequências podem ser finitas ou infinitas. As sequências finitas são chamadas de uplas. Ex: (7, 21, 57) é uma 3-upla (tripla). Uma 2-upla (dupla) é também chamada de par. Teoria da Computação - Aula 02 13

14 Conjuntos: Um conjunto é uma coleção de elementos distintos Um conjunto é descrito enumerando um a um seus elementos em alguma ordem adequada ou descrevendo uma propriedade que só os elementos do conjunto satisfazem A = {1,2} B = {x / x = 1 ou x = 2} Teoria da Computação - Aula 02 14

15 Conjuntos: Conjuntos são denotados por letras maiúsculas com ou sem índices (A, B, C 1,...) Se a é um elemento de A a A Se vários elementos pertencem a A a,b,c A Se temos o produto cartesiano de um conjunto com si próprio, usamos a abreviação. Ex: Teoria da Computação - Aula 02 15

16 Conjuntos: Se A e B são dois conjuntos, o produto cartesiano ou produto cruzado de A e B, descrito como AxB, é o conjunto de todos os pares nos quais o primeiro elemento é um membro de A e o segundo é um membro de B. Ex: Se A = {1, 2} e B = {x, y, z} A x B = {(1, x), (1, y), (1, z), (2, x), (2, y), (2, z)} Teoria da Computação - Aula 02 16

17 Funções e Relações Função: é um objeto que estabelece um relacionamento de entrada-saída. f ( a) = b Ex: f é uma função cujo valor de saída é b quando o valor de entrada é a. O conjunto de entradas possíveis para uma função é chamado seu domínio e as saídas contradomínio. Ex: f : D C Teoria da Computação - Aula 02 17

18 EXERCÍCIOS 1. Marque os conjuntos que são alfabetos: a) Conjunto dos números naturais [ ] b) Conjuntos dos números primos [ ] c) Conjunto das letras do alfabeto brasileiro [ ] d) Conjunto dos algarismos romanos [ ] e) Conjunto {a, b, c, d} [ ] f) Conjunto das partes de {a, b, c} [ ] g) Conjunto das vogais [ ] h) Conjunto das letras gregas [ ] Teoria da Computação - Aula 02 18

19 EXERCÍCIOS 2. Dê os possíveis prefixos e sufixos de cada uma das seguintes palavras: a) teoria b) aaa c) AbccBa d) UFERSA e) abcabc Teoria da Computação - Aula 02 19

Linguagens Formais. Aula 01 - Conceitos Básicos. Prof. Othon Batista Mestre em Informática

Linguagens Formais. Aula 01 - Conceitos Básicos. Prof. Othon Batista Mestre em Informática Linguagens Formais Aula 01 - Conceitos Básicos Prof. Othon Batista Mestre em Informática Sumário Introdução à Linguagem Alfabeto Cadeias de Símbolos, Palavras Tamanho de Palavra Prefixo, Sufixo ou Subpalavra

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof.ª Danielle Casillo Nome: Teoria da Computação Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: segundas e quintas das 20:40 às 22:20

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação - P. Blauth Menezes

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo

Linguagens Formais e Autômatos. Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo Linguagens Formais e Autômatos Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo Introdução Teoria das Linguagens Formais Originariamente desenvolvida na década de 1950. Objetivo inicial: desenvolver teorias relacionadas

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Linguagens Formais e Autômatos Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/3) A Teoria das Linguagens Formais foi originariamente desenvolvida na década de 1950 com

Leia mais

Apostila 01 Fundamentação da Teoria da Computação e Linguagens Formais

Apostila 01 Fundamentação da Teoria da Computação e Linguagens Formais Cursos: Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplinas: (1493A) Teoria da Computação e Linguagens Formais, (4623A) Teoria da Computação e Linguagens Formais e

Leia mais

Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES

Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES LINGUAGENS: INTERPRETADAS X COMPILADAS Resumo: Linguagem compilada: Se o método utilizado traduz todo o texto do programa, para só depois executar o programa, então

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 3. Autômatos Finitos

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 3. Autômatos Finitos Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série Aula 3 Autômatos Finitos Alfabeto Alfabeto Conjunto finito de símbolos; Normalmente descrito por ; Exemplos: ={a, b} ={1, 2, 3} ={00, 11} Ø Alfabeto romano

Leia mais

Teoria da Computação

Teoria da Computação 1 Teoria da Computação Última atualização: 2/2/2009 1 Autômatos: Introdução e Conceitos Básicos A teoria de autômatos é o estudo de computadores abstratos, também chamados de máquinas. Em 1930, antes de

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Linguagens Formais e Autômatos Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Introdução Problema: definir um conjunto de cadeias de símbolos; Prof. Yandre Maldonado - 2 Exemplo: conjunto

Leia mais

Teoria das Linguagens. Linguagens Formais e Autómatos (Linguagens)

Teoria das Linguagens. Linguagens Formais e Autómatos (Linguagens) Teoria das Lic. em Ciências da Computação Formais e Autómatos () Carla Mendes Dep. Matemática e Aplicações Universidade do Minho 2010/2011 Teoria das - LCC - 2010/2011 Dep. Matemática e Aplicações - Univ.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof.ª Danielle Casillo NORMA (NumberTheOreticRegisterMAchine) Possui como memória um conjunto infinito de registradores naturais e

Leia mais

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ).

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). Alfabeto e palavras Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). {A,...,Z}, {α, β,... }, {a,b}, {0,1}, ASCII Palavra de Σ sequência finita de símbolos do alfabeto Σ Σ = {a, b} aabba a aaaaaaaa Comprimento

Leia mais

Expressões Regulares e Gramáticas Regulares

Expressões Regulares e Gramáticas Regulares Universidade Católica de Pelotas Escola de informática 053212 Linguagens Formais e Autômatos TEXTO 2 Expressões Regulares e Gramáticas Regulares Prof. Luiz A M Palazzo Março de 2007 Definição de Expressão

Leia mais

Linguagens Regulares, Operações Regulares

Linguagens Regulares, Operações Regulares Linguagens Regulares, Operações Regulares 1 Definição de Linguagem Regular Relembre a definição de linguagem regular: DEF: A linguagem aceita por um AF M é o conjunto de todos os strings que são aceitos

Leia mais

AXB = {(x, y) x A e y B}

AXB = {(x, y) x A e y B} CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA LÓGICA E MATEMÁTICA DISCRETA 2010 1 Produto Cartesiano Par ordenado: são dois elementos em uma ordem fixa, (x,y) Produto Cartesiano: Dados dois conjuntos A e B, não

Leia mais

Matemática Discreta para Ciência da Computação

Matemática Discreta para Ciência da Computação Matemática Discreta para Ciência da Computação P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação

Leia mais

Matemática Discreta - 07

Matemática Discreta - 07 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 07 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos Pode-se dizer que a é em grande parte trabalho de um único matemático: Georg Cantor (1845-1918). noção de conjunto não é suscetível de definição precisa a partir d noções mais simples, ou seja, é uma noção

Leia mais

Matemática tica Discreta Módulo Extra (2)

Matemática tica Discreta Módulo Extra (2) Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática tica Discreta Módulo Extra (2) Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br - www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

ÁLGEBRA. AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora

ÁLGEBRA. AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora 1 ÁLGEBRA AULA 1 _ Conjuntos Professor Luciano Nóbrega Maria Auxiliadora 2 Pode-se dizer que a é, em grande parte, trabalho de um único matemático: Georg Cantor (1845-1918). A noção de conjunto não é suscetível

Leia mais

: p, q Z,q = 0} Os números racionais têm uma expansão decimal finita ou periódoca (os decimais são repetidas): 1 2 =0, 5 ; 2

: p, q Z,q = 0} Os números racionais têm uma expansão decimal finita ou periódoca (os decimais são repetidas): 1 2 =0, 5 ; 2 Capítulo Números reais. Álgebra dos números reais.. O conjunto R Neste curso vamos sempre se referir aos números reais cujo conjunto se nota R. Principais subconjuntos de R: conjunto dos números naturais

Leia mais

Linguagens e Autômatos

Linguagens e Autômatos 167657 - Controle para Automação Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília Linguagens e Autômatos Geovany A. Borges gaborges@ene.unb.br

Leia mais

LÓGICA I ANDRÉ PONTES

LÓGICA I ANDRÉ PONTES LÓGICA I ANDRÉ PONTES 3. Introdução à Teoria dos Conjuntos Um conjunto é uma coleção ou um agregado de objetos. Introduzindo Conjuntos Ex.: O conjunto das vogais; O conjuntos de pessoas na sala; O conjunto

Leia mais

Compiladores. Análise lexical. Plano da aula. Motivação para análise lexical. Vocabulário básico. Estrutura de um compilador

Compiladores. Análise lexical. Plano da aula. Motivação para análise lexical. Vocabulário básico. Estrutura de um compilador Estrutura de um compilador programa fonte Compiladores Análise lexical () Expressões Regulares analisador léxico analisador sintático analisador semântico análise gerador de código intermediário otimizador

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aulas 5 e 6 03/2014 Erros Aritmética no Computador A aritmética executada por uma calculadora ou computador é diferente daquela

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios 2004/2...

Terceira Lista de Exercícios 2004/2... UFLA Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciência da Computação COM162 Linguagens Formais e Autômatos Prof. Rudini Sampaio Monitor: Rodrigo Pereira dos Santos Terceira Lista de Exercícios 2004/2

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Prof. Ulisses Lima Parente 1 Os números irracionais Ao longo deste módulo, vimos que a representação

Leia mais

Construção de Compiladores

Construção de Compiladores Construção de Compiladores Parte 1 Introdução Linguagens e Gramáticas F.A. Vanini IC Unicamp Klais Soluções Motivação Porque compiladores? São ferramentas fundamentais no processo de desenvolvimento de

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Prof. Diógenes Furlan Linguagens Formais e Autômatos Módulo 1 2016 VII BIBLIOGRAFIA BÁSICA Bibliografia HOPCROFT, John E. Introdução à teoria de autômatos, linguagens e computação. Rio de Janeiro: Elsevier;

Leia mais

Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4. Quarta Edição por William Stallings

Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4. Quarta Edição por William Stallings Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4 Quarta Edição por William Stallings Capítulo 4 Corpos Finitos Na manhã seguinte, ao nascer o dia, Star entrou em casa, aparentemente ávida por uma lição. Eu

Leia mais

Apostila 03 - Linguagens Livres de Contexto Exercícios

Apostila 03 - Linguagens Livres de Contexto Exercícios Cursos: Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplinas: (1493A) Teoria da Computação e Linguagens Formais, (4623A) Teoria da Computação e Linguagens Formais e

Leia mais

Gramáticas Livres de Contexto

Gramáticas Livres de Contexto Gramáticas Livres de Contexto 25 de novembro de 2011 Definição 1 Uma Regra (ou produção) é um elemento do conjunto V (V Σ). Sendo que V é um conjunto finito de elementos chamados de variáveis e Σ um conjunto

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012 Prof. Luiz Antonio do Nascimento luiz.anascimento@sp.senac.br www.lnascimento.com.br Conjuntos Propriedades das operações de adição e multiplicação: Propriedade comutativa: Adição a + b = b + a Multiplicação

Leia mais

1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo).

1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo). 1 a Lista de Exercícios de Álgebra II - MAT 231 1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo). 2. Seja A um anel associativo. Dado a A, como você definiria a m, m IN?

Leia mais

Definição: Todo objeto parte de um conjunto é denominado elemento.

Definição: Todo objeto parte de um conjunto é denominado elemento. 1. CONJUNTOS 1.1. TEORIA DE CONJUNTOS 1.1.1. DEFINIÇÃO DE CONJUNTO Definição: Conjunto é toda coleção de objetos. Uma coleção de números é um conjunto. Uma coleção de letras é um conjunto. Uma coleção

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO. Curso Superior de Tecnologia. Aula 02 TEORIA DOS CONJUNTOS

RACIOCÍNIO LÓGICO. Curso Superior de Tecnologia. Aula 02 TEORIA DOS CONJUNTOS Aula 02 TEORIA DOS CONJUNTOS 1. Definição de Conjuntos 2. Como se representa um Conjunto 3. Subconjunto, Pertinência e Continência 4. Conjunto das Partes 5. Operação com Conjuntos 1. União ou Reunião (Conjunção)

Leia mais

O que é Linguagem Regular. Um teorema sobre linguagens regulares. Uma aplicação do Lema do Bombeamento. Exemplo de uso do lema do bombeamento

O que é Linguagem Regular. Um teorema sobre linguagens regulares. Uma aplicação do Lema do Bombeamento. Exemplo de uso do lema do bombeamento O que é Linguagem Regular Um teorema sobre linguagens regulares Linguagem regular Uma linguagem é dita ser uma linguagem regular se existe um autômato finito que a reconhece. Dada uma linguagem L: É possível

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 2. Conceitos Básicos da Teoria da Computação

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 2. Conceitos Básicos da Teoria da Computação Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série Aula 2 Conceitos Básicos da Computação pode ser definida como a solução de um problema ou, formalmente, o cálculo de uma função, através de um algoritmo. A

Leia mais

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57 Aula 2 p.1/57 Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE Definição e representação Aula 2 p.2/57 Aula 2 p.3/57 Função Definição: Uma função de um conjunto em um conjunto, é uma correspondência

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Matemática - Departamento de Matemática Estruturas Algébricas Prof. M.Sc. Guilherme Luís Roëhe Vaccaro e-mail: vaccaro@mat.pucrs.br Prof.

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Teoria de Conjuntos Um conjunto é uma colecção de objectos/elementos/membros. (Cantor

Leia mais

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Simão Melo de Sousa 12 de Outubro de 2011 Conteúdo 1 Linguagens e Expressões Regulares 2 2 Autómatos de Estados Finitos

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Linguagens Formais e Autômatos - P. Blauth Menezes 1 Linguagens

Leia mais

Aula 2: Linguagem Proposicional

Aula 2: Linguagem Proposicional Lógica para Computação Primeiro Semestre, 2015 Aula 2: Linguagem Proposicional DAINF-UTFPR Prof. Ricardo Dutra da Silva Linguagens naturais, como o nosso Português, podem expressar ideias ambíguas ou imprecisas.

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

a n Sistemas de Estados Finitos AF Determinísticos

a n Sistemas de Estados Finitos AF Determinísticos a n Sistemas de Estados Finitos AF Determinísticos 1 Relembrando Uma representação finita de uma linguagem L qualquer pode ser: 1. Um conjunto finito de cadeias (se L for finita); 2. Uma expressão de um

Leia mais

Aula 9: Máquinas de Turing

Aula 9: Máquinas de Turing Teoria da Computação Aula 9: Máquinas de Turing DAINF-UTFPR Prof. Ricardo Dutra da Silva Uma máquina de Turing é uma máquina de estados finitos que pode mover o cabeçote em qualquer direção, ler e manipular

Leia mais

Linguagens, Gramáticas e Máquinas

Linguagens, Gramáticas e Máquinas Linguagens, Gramáticas e Máquinas 1 INTRODUÇÃO Pode-se olhar um computador como uma máquina M que tem as propriedades descritas a seguir. A cada instante, M tem um "estado interno", M lê alguma "entrada",

Leia mais

CURSO DO ZERO. Indicamos um conjunto, em geral, com uma letra maiúscula A, B, C... e um elemento com uma letra minúscula a, b, c, d, x, y,...

CURSO DO ZERO. Indicamos um conjunto, em geral, com uma letra maiúscula A, B, C... e um elemento com uma letra minúscula a, b, c, d, x, y,... ssunto: Conjunto e Conjuntos Numéricos ssunto: Teoria dos Conjuntos Conceitos primitivos. Representação e tipos de conjunto. Operação com conjuntos. Conceitos Primitivos: CURSO DO ZERO Para dar início

Leia mais

RLM - PROFESSOR CARLOS EDUARDO AULA 3

RLM - PROFESSOR CARLOS EDUARDO AULA 3 AULA 3 Sucessões = sequências(numéricas) São conjuntos de números reais dispostos numa certa ordem. Uma sequência pode ser FINITA ou INFINITA. Ex: a) (3, 6, 9, 12) sequência finita P.A de razão 3 b) (5,

Leia mais

Elementos de Matemática Discreta

Elementos de Matemática Discreta Elementos de Matemática Discreta Prof. Marcus Vinícius Midena Ramos Universidade Federal do Vale do São Francisco 9 de junho de 2013 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Marcus

Leia mais

O ESTUDO DAS FUNÇÕES INTRODUÇÃO

O ESTUDO DAS FUNÇÕES INTRODUÇÃO O ESTUDO DAS FUNÇÕES INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO As funções explicitam relações matemáticas especiais entre duas grandezas. As grandezas envolvidas nessas relações são conhecidas como variável dependente

Leia mais

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez).

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez). SISTEMA DECIMAL 1. Classificação dos números decimais O sistema decimal é um sistema de numeração de posição que utiliza a base dez. Os dez algarismos indo-arábicos - 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 - servem para

Leia mais

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 Neste curso, consideraremos o conjunto dos números naturais como sendo o conjunto N = {0, 1, 2, 3,... }, denotando por N o conjunto N \ {0}. Como

Leia mais

Algoritmos de Compressão sem Perdas

Algoritmos de Compressão sem Perdas Algoritmos de Compressão sem Perdas (continuação) Aula 08 Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal Rural do Semiárido Departamento de Ciências Exatas e Naturais Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Matemática Conjuntos - Teoria

Matemática Conjuntos - Teoria Matemática Conjuntos - Teoria 1 - Conjunto: Conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. Esta forma de representar

Leia mais

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V.

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V. Capítulo 2 Definição de Linguagens 2.1 Linguagens Formais Definição 2.1 (Alfabeto) Um conjunto finito e não vazio de símbolos arbitrários é designado por um alfabeto, e é denotado por V. Os elementos de

Leia mais

Definição: Um ou mais elementos que tenham características iguais ou atendam a uma regra que lhes permitam fazer parte de um mesmo meio.

Definição: Um ou mais elementos que tenham características iguais ou atendam a uma regra que lhes permitam fazer parte de um mesmo meio. CONJUNTOS Definição: Um ou mais elementos que tenham características iguais ou atendam a uma regra que lhes permitam fazer parte de um mesmo meio. Exemplos: A = {a, e, i, o, u} (conjunto das vogais do

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Ciência da Computação

Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Ciência da Computação Não são aceitas respostas sem justificativa. Explique tudo o que você fizer. Linguagens Formais o semestre de 999 Primeira Prova

Leia mais

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS O conjunto é um conceito fundamental em todos os ramos da matemática. Intuitivamente, um conjunto é uma lista, coleção ou classe de objetods bem

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/20 4 - INTROD. À ANÁLISE COMBINATÓRIA 4.1) Arranjos

Leia mais

Outras Máquinas de Turing

Outras Máquinas de Turing Capítulo 10 Outras Máquinas de Turing 10.1. Pequenas variações da TM padrão 10.2. MT s com dispositivos de armazenamento mais complexos 10.3. MT s não-determinísticas 10.4. A Máquina de Turing Universal

Leia mais

Inteligência Artificial IA II. LÓGICA DE PREDICADOS PARA REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO

Inteligência Artificial IA II. LÓGICA DE PREDICADOS PARA REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO Inteligência Artificial IA Prof. João Luís Garcia Rosa II. LÓGICA DE PREDICADOS PARA REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO 2004 Representação do conhecimento Para representar o conhecimento do mundo que um sistema

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 ALGORITMOS

INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 ALGORITMOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 ALGORITMOS Profª ª Danielle Casillo ESTRUTURA DE REPETIÇÃO Nos exemplos e exercícios que

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 6. Programas, Máquinas e Computações

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 6. Programas, Máquinas e Computações Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série Aula 6 Programas, Máquinas e Computações Avisos Hoje tem dúvidas sobre a segunda etapa da ATPS. Somente 28 alunos/alunas entregaram a ATPS etapa 1. Ainda dá

Leia mais

Introdução à Matemática

Introdução à Matemática Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas de Anápolis Introdução à Matemática Conjuntos e Conjuntos Numéricos Introdução A noção de conjunto Propriedades,

Leia mais

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos Prof.:

Leia mais

Programação de Computadores:

Programação de Computadores: Instituto de C Programação de Computadores: Introdução a Algoritmos (Parte II) Luis Martí Instituto de Computação Universidade ederal luminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Informática DEI/ISEP Linguagens de Programação 2006/07

Licenciatura em Engenharia Informática DEI/ISEP Linguagens de Programação 2006/07 Licenciatura em Engenharia Informática DEI/ISEP Linguagens de Programação 2006/07 Ficha 3 Autómatos Finitos Objectivos: Introdução ao conceito de Autómato Finito e notações utilizadas na sua representação;

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos (LFA)

Linguagens Formais e Autômatos (LFA) Linguagens Formais e Autômatos (LFA) Aula de 28/08/2013 Sobre as respostas das duplas aos exercícios cios propostos 1 Fatos extraídos dos scores das duplas Tempo médio de resposta - A série inteira de

Leia mais

Transformação sobrenome + nome em nome completo utilizando Máquina de Turing

Transformação sobrenome + nome em nome completo utilizando Máquina de Turing Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Computabilidade e Complexidade de Algoritmos Prof. Ney Laert Vilar Calazans

Leia mais

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima.

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. 1 /2013 Para calcular Hom(G 1,G 2 ) ou Aut(G) vocês vão precisar ter em

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Sentenças Abertas

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Sentenças Abertas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Sentenças Abertas Lógica Computacional 1 Site: http://jeiks.net E-mail: jacsonrcsilva@gmail.com Sentença

Leia mais

Matemática Discreta para Ciência da Computação

Matemática Discreta para Ciência da Computação Matemática Discreta para Ciência da Computação P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação

Leia mais

Modelagem e CLP Linguagens e Expressões Regulares

Modelagem e CLP Linguagens e Expressões Regulares Modelagem e CLP Linguagens e Expressões Regulares Rafael Garlet de Oliveira Instituto Federal Catarinense - IFC Câmpus Luzerna 5 de março de 2014 Rafael Garlet de Oliveira 1 / 19 Sumário 1 Linguagens Alfabetos

Leia mais

MULTIPLOS; DIVISORES; TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO E GEOMETRIA PROFª GERLAINE ALVES

MULTIPLOS; DIVISORES; TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO E GEOMETRIA PROFª GERLAINE ALVES MULTIPLOS; DIVISORES; TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO E GEOMETRIA PROFª GERLAINE ALVES MULTIPLOS E DIVISORES MULTIPLOS E DIVISORES MULTIPLOS E DIVISORES MULTIPLOS E DIVISORES MULTIPLOS E DIVISORES MULTIPLOS E

Leia mais

Prof. Jorge Cavalcanti

Prof. Jorge Cavalcanti Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 01 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO. Introdução à Ciência da Computação ICC0001

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO. Introdução à Ciência da Computação ICC0001 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Introdução à Ciência da Computação ICC0001 2 Histórico Como surgiram os sistemas de numeração? Primeiro: As pessoas precisavam contar... Dias, rebanho, árvores e tudo mais... Segundo:

Leia mais

Linguagens Livres de Contexto

Linguagens Livres de Contexto Universidade Católica de Pelotas Centro Politécnico Bacharelado em Ciência da Computação 364018 Linguagens Formais e Autômatos TEXTO 4 Linguagens Livres de Contexto Prof. Luiz A M Palazzo Maio de 2011

Leia mais

01. D e m o n s t r a r q u e s e. 02. Mostre que se a 1 a2

01. D e m o n s t r a r q u e s e. 02. Mostre que se a 1 a2 Série Professor(a) Aluno(a) Rumo ao ITA Marcelo Mendes Sede Turma Turno Data N / / Ensino Pré-Universitário TC Matemática Revisão de Álgebra OSG.: 85/0 Exercícios de Fixação 0. Encontre os valores das

Leia mais

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.1/dim0330 1/36 Autômatos a pilha David Déharbe UFRN/DIMAp Campus Universitário, Lagoa Nova, 59072-970 Natal,

Leia mais

2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }.

2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. ASSUNTO DE MATEMATICA=CONJUNTOS REAIS E ETC. 2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. Esta forma

Leia mais

Bases Matemáticas. Definição ingênua de conjunto. Aula 3 Conjuntos. Rodrigo Hausen

Bases Matemáticas. Definição ingênua de conjunto. Aula 3 Conjuntos. Rodrigo Hausen 1 ases Matemáticas ula 3 Conjuntos Rodrigo Hausen v. 2012-9-26 1/14 Definição ingênua de conjunto 2 Um conjunto é uma qualquer coleção de objetos, concretos ou abstratos, sem repetição. Dado um conjunto,

Leia mais

2. Pré-requisitos do 3. Ciclo. 7. ano PR 7.1. Resolução

2. Pré-requisitos do 3. Ciclo. 7. ano PR 7.1. Resolução 7. ano PR 7.1. Dados dois conjuntos A e B fica definida uma função 1ou aplicação2 f de A em B, quando a cada elemento de A se associa um elemento único de B representado por f 1x2. Dada uma função numérica

Leia mais

Programação Universidade da Beira Interior Departamento de Informática 2007/08

Programação Universidade da Beira Interior Departamento de Informática 2007/08 Programação Universidade da Beira Interior Departamento de Informática 1. Faça o fluxograma e o respectivo programa que resolva equações de 2º grau (ax 2 +bx+c=0). O programa deverá pedir ao utilizador

Leia mais

MATEMÁTICA - SEMI/NOITE PROF. FELIPE HEY 20/04/ Assinale V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. a) ( ) -8 = 8 b) ( ) 5 = ±5

MATEMÁTICA - SEMI/NOITE PROF. FELIPE HEY 20/04/ Assinale V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. a) ( ) -8 = 8 b) ( ) 5 = ±5 MATEMÁTICA - SEMI/NOITE PROF. FELIPE HEY 20/04/2016 Aula 04 FUNÇÃO MODULAR 01.01. Assinale V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. a) ( ) -8 = 8 b) ( ) 5 = ±5 c) ( ) x² d) ( ) 3 ² 3 e) (

Leia mais

eixo das ordenadas y eixo das abscissas Origem 1º quadrante 2º quadrante O (0, 0) x 4º quadrante 3º quadrante

eixo das ordenadas y eixo das abscissas Origem 1º quadrante 2º quadrante O (0, 0) x 4º quadrante 3º quadrante PLANO CARTESIANO eixo das ordenadas y 2º quadrante 1º quadrante eixo das abscissas O (0, 0) x Origem 3º quadrante 4º quadrante y ordenado do ponto P 4 P P(3, 4) O 3 x abscissa do ponto P No caso, 3 e 4

Leia mais

Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas

Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas Prof a.: Elisangela Farias e Sérgio Motta FUNÇÕES Sejam X e Y conjuntos.

Leia mais

Curso de Matemática Aplicada.

Curso de Matemática Aplicada. Aula 1 p.1/25 Curso de Matemática Aplicada. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE Sistema de números reais e complexos Aula 1 p.2/25 Aula 1 p.3/25 Conjuntos Conjunto, classe e coleção de objetos possuindo

Leia mais

Conjunto Quociente e Classe de Equivalência (Alguns Exemplos e Definições)

Conjunto Quociente e Classe de Equivalência (Alguns Exemplos e Definições) Exemplos Definições Conjunto Quociente e Classe de Equivalência (Alguns Exemplos e Definições) Matemática Elementar - EAD Departamento de Matemática Universidade Federal da Paraíba 4 de setembro de 2014

Leia mais

Reconhecimento de Padrões. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Reconhecimento de Padrões. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Reconhecimento de Padrões Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Força Bruta 2. Knuth-Morris-Pratt 3. Boyer-Moore 4. Aho-Corasick Capítulo: 13 (APOSTILA). Força Bruta Características principais

Leia mais

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 8: Linguagens Livres de Contexto

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 8: Linguagens Livres de Contexto INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 8: Linguagens Livres de Contexto baseado em material produzido pelo prof Paulo B auth Menezes e pelo prof Olinto Jos é Varela Furtado Ricardo Azambuja Silveira

Leia mais

Lista de Exercícios STRING LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PROF. EDUARDO SILVESTRI.

Lista de Exercícios STRING LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PROF. EDUARDO SILVESTRI. Lista de Exercícios STRING LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PROF. EDUARDO SILVESTRI. ATUALIZADO EM: 29/10/2007 1. Faça um programa que inverta uma string: leia a string com gets e armazene-a invertida em outra

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo Universidade do Vale do Paraíba Cálculo Diferencial e Integral I Prof. Rodrigo Sávio Pessoa São José dos Campos 0 Sumário Tópico Tópico Tópico Tópico Tópico

Leia mais

1.2. ELEMENTOS DE ÁLGEBRA EXPANSÃO DE PRODUTOS

1.2. ELEMENTOS DE ÁLGEBRA EXPANSÃO DE PRODUTOS 1.2. ELEMENTOS DE ÁLGEBRA 1.2.1. EXPANSÃO DE PRODUTOS Em álgebra, é frequente termos de expandir produtos cujos fatores são expressões algébricas (polinômios, por exemplo). Para isso, aplicamos a propriedade

Leia mais

A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há

A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há 1 Produto Cartesiano Par Ordenado A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há casos entretanto em que a ordem é importante. Daí a necessidade de se introduzir

Leia mais

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 6: Autômatos Finitos Com S aída

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 6: Autômatos Finitos Com S aída INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 6: Autômatos Finitos Com S aída baseado em material produzido pelo prof Paulo B auth Menezes e pelo prof Olinto Jos é Varela Furtado Ricardo Azambuja Silveira

Leia mais

TIPOS DE DADOS E VARIÁVEIS

TIPOS DE DADOS E VARIÁVEIS AULA 3 TIPOS DE DADOS E VARIÁVEIS 3.1 Tipos de dados Os dados manipulados por um algoritmo podem possuir natureza distinta, isto é, podem ser números, letras, frases, etc. Dependendo da natureza de um

Leia mais