IV.11- TRANSIÇÕES. Apresenta-se na Figura IV.11.1 exemplo de transições na barragem de Porto Primavera.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV.11- TRANSIÇÕES. Apresenta-se na Figura IV.11.1 exemplo de transições na barragem de Porto Primavera."

Transcrição

1 TRANSIÇÕES

2 IV.11- TRANSIÇÕES Para a mudança de um material mais fino, como a areia do dreno horizontal, para um material de granulometria maior, como pedras de mão, é necessário que seja feita uma transição com materiais de granulometria intermediária. Como o nome indica, as transições têm por finalidade impedir a passagem dos materiais mais finos através dos de maior diâmetro, seja pela ação do carreamento dentro do maciço, ou por carreamento externo, como ondas de reservatório, rebaixamento do nível d água e chuva. Estes materiais devem satisfazer as condições necessárias para que um material seja filtro do outro, impedindo assim o carreamento de partículas. Devem também satisfazer a condição de permeabilidade, para que possibilite o escoamento das águas que chegam até eles. Nas barragens de enrocamento, o aterro não pode ser colocado diretamente em contato com o enrocamento, pois os problemas de carreamento de partículas de solo, através dos vazios do enrocamento, aparecem em maiores proporções que os mencionados no dimensionamento de filtros. Os critérios de filtro entre os dois materiais adjacentes devem ser respeitados, sempre que o sentido da percolação da água for do aterro para o enrocamento, o que acontece na transição de jusante. Na transição de montante, apesar do problema de carreamento de partículas não existir, também devem ser introduzidas uma ou duas camadas de materiais de granulometria intermediária, para permitir que se proceda à compactação adequada na faixa de controle de materiais (Gaito, 2003). Apresenta-se na Figura IV.11.1 exemplo de transições na barragem de Porto Primavera.

3 Apresenta-se na Figura IV.11.2 exemplo de transição em dreno francês na barragem de Três Irmãos. barragens. Apresenta-se nas Figuras IV.11.3 a IV.11.9, fotos de transições em Ávila, J. P. (1983) lista as seguintes providências importantes no projeto de transições: 1- Os materiais alternativos para utilização em transições precisam ser pesquisados desde as fases iniciais do projeto, e todas as possibilidades devem ser bem caracterizadas antes da contratação da construtora; 2- Para os materiais naturais é necessária a pesquisa através de poços e trincheiras para coleta de amostras realmente representativas. As sondagens não recuperam parcelas importantes dos materiais. Apesar disto, estas sondagens dão boa indicação da existência de camada de alteração mesmo sem amostragem representativa; 3- Os materiais existentes acima das linhas de escavação, precisam ser investigados quanto à aplicabilidade nas transições; 4- Caso se adote as transições com materiais processados, é indispensável prever nos histogramas de consumo de materiais processados os volumes correspondentes às transições; 5- É aconselhável que os materiais de transição sejam ensaiados para verificação da capacidade de retenção dos materiais mais grossos a fim de ser evitada a aplicação generalizada dos critérios Terzaghi-Bertram como único critério de filtro. Além disto estes ensaios podem indicar se as espessuras das camadas de transição são suficientes para promoverem a auto-estabilização do processo de carreamento.

4 Figura IV Barragem de Porto Primavera Margem direita Corte típico 11 Estaca 180 à estaca 280 (in Cruz, 1996). Figura IV Transição em dreno tipo francês na Barragem de Três Irmãos (in Cruz, 1996).

5 Figura IV Transição no dreno tipo francês Barragem Três Irmãos. Figura IV Transição no dreno tipo francês Barragem Três Irmãos.

6 Figura IV Transição no dreno tipo francês Barragem Três Irmãos. Figura IV Transição em Rip-Rap de uma barragem.

7 Figura IV Transição próxima ao núcleo impermeável. Figura IV Núcleo de argila Filtro vertical de areia Transições.

8 Figura IV Núcleo de argila Filtro vertical de areia Transições.

9 DRENO DE PÉ

10 IV.12 DRENO DE PÉ O dreno de pé capta todas as águas que percolam através do filtro em chaminé e do tapete drenante, chegando ao pé de jusante, conduzindo-as de volta ao rio, à jusante da barragem. Devido ao grande volume de água que pode chegar ao dreno de pé, para possibilitar o escoamento, o dreno de pé corresponde a uma seção de enrocamento, ou seja, construído com rochas, que podem variar de brita a pedras maiores. Para se chegar do material da granulometria do filtro horizontal a granulometria do enrocamento, é necessária a utilização de uma transição de materiais, com granulometrias intermediárias, seguindo-se os critérios estabelecidos para filtros. Quando as vazões nos drenos de pé são muito grandes, podem ser introduzidos tubos de drenagem em seu interior, para facilitar o escoamento e reduzir o volume de enrocamento necessário. Cruz (1983) recomenda que o dreno de saída ou de pé deva ter altura, no mínimo, igual a duas vezes a espessura do dreno horizontal, e largura de crista mínima de 4,0 metros (Ver Figura IV.12.1). É recomendável a norma de construção de drenos situados no pé de jusante das barragens de terra. Juntamente com os tapetes drenantes, desempenham o papel de coletores de águas freáticas, conduzindo-as ao leito do rio. Deverão ser utilizadas tubulações furadas, com diâmetro interno mínimo de 0,15m. Dimensionados de acordo com a área a ser drenada, os drenos aumentam progressivamente da seção até o coletor de condução das águas ou leito do rio. O dreno deve ser colocado numa vala de profundidade mínima de 1m, com enchimento de material de filtro (conforme apresentado no item IV.12.1) para evitar o carregamento dos materiais do maciço e/ou fundação.

11 Apresenta-se nas Figuras IV.12.2 a IV.12.5, detalhes de drenos de pé. Apresenta-se nas Figuras IV.12.6 a IV.12.9, fotos da construção de drenos de pé. Apresenta-se nas Figuraras IV a IV.12.14, fotos da água que escoa através dos sistemas de drenagem de barragens, saindo pelo dreno de pé.

12 Figura IV Drenos de pé de pequenas barragens (Cruz, 1996).

13 Figura IV Dreno de pé da Barragem de Marimbondo (SCGBAP,1983).

14 Figura IV Execução de drenos de pé (Rosa, 1982). Figura IV Exemplo de dreno de pé (Eletrobrás, 2008).

15 Figura IV Seção transversal do tapete drenante tipo sansuiche e dreno de pé de um trecho da Barragem de Três Irmãos (Gaito, 2003). Figura IV Construção de dreno de pé.

16 Figura IV Construção de dreno de pé. Figura IV Construção de dreno de pé.

17 Figura IV Construção de dreno de pé. Figura IV Água que escoa através de dreno de pé.

18 Figura IV Água que escoa através de dreno de pé.

19 Figura IV Água que chega ao de dreno de pé. Figura IV Água, de parte da Barragem de Itaipú, que escoa pelos sistemas de drenagem e chega ao dreno de pé. Observar medidor triangular de vazão.

20 Figura IV Água, de parte da Barragem de Itaipú, que escoa pelos sistemas de drenagem e chega ao dreno de pé. Observar medidor triangular de vazão.

21 Figura IV Machadinho Barragem de Enrocamento com Face de Concreto Vazão Total média pelos Drenos: 600 litros / segundo m 3 / dia - (ano de 2013). Figura IV Machadinho Galeria de Drenagem

22 Figura IV Machadinho Galeria de Drenagem

23 Figura IV Machadinho Galeria de Drenagem

24

25 TERRAPLAN

26 IV.13- POÇOS DE ALÍVIO TRINCHEIRA DRENANTE GALERIAS DE DRENAGEM IV POÇOS DE ALÍVIO Os poços de alivio são furos de drenagem abertos no terreno, com o objetivo de reduzir as subpressões desenvolvidas pela percolação de água na fundação. Os diâmetros mais usuais dos poços de alívio variam entre 75 e 150 mm. Quando abertos em rocha sã, não devem ser preenchidos com qualquer material, mas deixados livres. Quando abertos em solo e rocha alterada, devem ser preenchidos por material que dê estabilidade ao furo e que sirva de filtro, permitindo o fluxo da água e impedindo o carreamento de partículas do solo da fundação. Os materiais de preenchimento podem ser materiais granulares, telas, geotexteis, etc e tubos perfurados (50 a 100 mm), para aumentar a área de escoamento da água e, conseqüentemente as vazões drenadas. Os poços de alívio devem ser executados em uma só linha e com espaçamento médio de 3,0 m, com uma profundidade definida de acordo com as condições da fundação da barragem. Geralmente são construídos sob o dreno de pé, mas podem ser construídos à montante deste, até a base do filtro em chaminé. Também podem ser construídos à jusante da barragem, quando são detectadas subpressões excessivas durante o enchimento do reservatório (Gaioto, 2003).

27 Bureau (2002), para construção de pequenas barragens, apresenta: Quando as fundações permeáveis são cobertas por uma camada impermeável de espessura tal que se torna tecnicamente desaconselhável o uso de valas drenantes, recomenda-se a construção de poços de alívio. As indicações básicas para construção são: a) Os poços devem atravessar a camada impermeável, atingindo a zona permeável, até uma profundidade tal que não se atinja a condição de levitação ( uplift ), isto é, o gradiente hidráulico seja inferior ao crítico. É geralmente satisfatória uma profundidade do poço igual à profundidade do reservatório; b) O espaçamento entre os poços deve ser tal que intercepte a descarga freática, drenado-a e, conseqüentemente, aliviando as subpressões. É recomendável um espaçamento inicial de 15 a 30m; c) Os poços devem oferecer resistência mínima à descarga freática. O diâmetro interno mínimo do poço deve ser igual a 0,15m. Assim, asseguram-se pequenas perdas de cargas na coleta pelo poço de descarga freática. Deve existir uma camada de, pelo menos, 0,15m de filtro entre a tela do poço de fundação. O material do filtro deve seguir os critérios: a) D(15) do filtro / D(15) da base maior ou igual a 5. ( O filtro não deve ter mais de 5% de grãos passando na peneira N o 200 diâmetro igual a 0,075 mm.); b) D(15) do filtro / D(85) da base menor ou igual a 5;

28 c) D(85) do filtro / diâmetro dos furos no tubo de drenagem ( ou da malha do poço de alívio) maior ou igual a 2; No anterior, D(ij) corresponde à ordenada ij % do material que passa nas peneiras. Isso significa que o material possui ij% dos grãos mais finos. São apresentados nas Figuras IV.13.1 e IV.13.2 exemplos utilização de poços de alívio em duas barragens. Figura IV Poços de alívio na barragem de Promissão (in SSGBAP, 19823).

29 Figura IV Poços de alívio na barragem de Porto Colombia (in SSGBAP, 19823). IV TRINCHEIRA DRENANTE A trincheira drenante tem por objetivo a interceptação de fluxos de água através de camadas permeáveis mais superficiais da fundação. São particularmente recomendadas quando a permeabilidade na direção vertical dessas camadas é muito baixa, para garantir o acesso da água ao tapete drenante ou ao dreno de pé. Sua construção é semelhante ao dreno de pé, com camadas de areia e transição. Tubos perfurados somente devem ser utilizados quando a trincheira situa-se próxima ao pé da barragem ou quando escavada em rocha de baixa deformabilidade, sob a garantia de que não ocorrerão recalques que possam ocasionar ruptura ou deslocamento dos tubos (Gaioto, 2003).

30 (Cruz, 1996) recomenda que as trincheiras drenantes na fundação de ombreiras devem ter largura mínima de 0,8 m e profundidade máxima de 3,0 m. Alves Filho et al (1980), citam a trincheira construída na ombreira esquerda da Barragem de Água Vermelha, com 4 metros de largura na base e 5 metros de profundidade. Após o enchimento do reservatório a vazão de água coletada por essa trincheira era da ordem de litros por minuto. Bureau (2002), para construção de pequenas barragens, apresenta: No caso de fundações permeáveis cobertas com uma camada de aluvião impermeável, que é de ocorrência freqüente, representa uma boa norma escavar a faixa impermeável, construindo-se, assim, uma vala drenante ao longo do pé do talude. O enchimento deverá seguir os critérios de filtros (conforme apresentado no item IV.13.1 deste Capítulo). Esta vala deverá conter um dreno de pé. Apresenta-se na Figura IV.13.3 a escavação do solo para a construção de uma trincheira de drenagem. IV GALERIAS DE DRENAGEM As galerias de drenagem quando construídas objetivam permitir a execução de serviços de drenagem e/ou injeção, durante e após a construção da barragem.

31 Figura IV Escavação para a construção da trincheira de drenagem. Por apresentar custo elevado, a decisão sobre a construção de uma galeria na fundação de uma barragem deve ser tomada quando existirem fortes indícios sobre a possibilidade de ocorrência de subpressões elevadas, que não possam ser controladas eficientemente por outros meios e que representem problemas importantes para estabilidade da barragem e/ou sua fundação (Gaito, 2003). A galeria de drenagem, executada juntamente com um sistema de poços de alívio nas fundações, permite um maior rebaixamento das subpressões, pois as saídas dos poços de alívio ficam posicionadas em cotas muito mais baixas que aquelas em que a água drenada tem que alcançar na superfície do terreno. Para isso, é preciso que a galeria seja

32 construída com centenas de metros de comprimento e com dimensões internas que permitam o acesso de equipamentos para a execução dos furos de drenagem (Gaioto, 2003). Apresenta-se na Figura IV.13.4 injeção sendo realizada dentro de galeria de drenagem. Apresenta-se na Figura IV.13.5 um detalhe da galeria de drenagem da Barragem de Jupiá, onde pode-se observar o sistema de drenagem sob a fundação, injeções realizadas e piezômetros instalados. Figura IV Realização de injeção dentro de uma galeria de drenagem

33 Figura IV Galeria de drenagem, sistemas de drenos, injeções e piezômetros de uma seção em concreto da Barragem de Jupiá.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...2 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA 3.7. REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Quando as escavações atingem o nível das águas subterrâneas e há o afloramento das mesmas, torna-se necessária a drenagem ou o rebaixamento do lençol freático com o

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III Aula 08 Barragens Elementos de uma barragem Eng. Civil Augusto Romanini

Leia mais

7 Análise dos Resultados e Conclusões

7 Análise dos Resultados e Conclusões 7 Análise dos Resultados e Conclusões 7.1. Análise dos Resultados 7.1.1. MVL1 O MVL1 mede a vazão coletada por um sistema de drenos tipo espinha de peixe construído logo a jusante da canaleta de drenagem

Leia mais

DRENAGEM DAS ÁGUAS DE INFILTRAÇÃO

DRENAGEM DAS ÁGUAS DE INFILTRAÇÃO DRENAGEM DAS ÁGUAS DE INFILTRAÇÃO Forma de umidade nos solos Drenagem através do pavimento. Dispositivos Controle do fluxo de infiltração Drenagem subterrânea. Dispositivos Dimensionamento do material

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO NA DRENAGEM PROFUNDA DA RODOVIA RS-239 NOVO HAMBURGO RS

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO NA DRENAGEM PROFUNDA DA RODOVIA RS-239 NOVO HAMBURGO RS APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO NA DRENAGEM PROFUNDA DA RODOVIA RS-239 NOVO HAMBURGO RS Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando Spinelli Alves MAIO 1993 Revisado

Leia mais

E-BIDIM#056. Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim. Colaboração: Sr. Ivo Corrêa Meyer Neto

E-BIDIM#056. Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim. Colaboração: Sr. Ivo Corrêa Meyer Neto UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM EXECUÇÃO DE REDE DRENANTE PARA CAPTAÇÃO DAS ÁGUAS DE INFILTRAÇÃO E REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO NO TERMINAL RODOVIÁRIO DE CAMPO GRANDE Autor: Departamento Técnico -

Leia mais

CORTINAS DE VEDAÇÃO. There is no Glory Attached to the Foundations Karl Terzaghi

CORTINAS DE VEDAÇÃO. There is no Glory Attached to the Foundations Karl Terzaghi CORTINAS DE VEDAÇÃO There is no Glory Attached to the Foundations Karl Terzaghi IV.6- CORTINAS DE VEDAÇÃO Uma barragem de terra nunca fica apoiada sobre um maciço perfeitamente estanque, existindo sempre

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim PERÍODO 2005 Revisado ABRIL 2011 - Departamento

Leia mais

3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos

3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos 3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos Nos itens a seguir serão abordados os aspectos geológicos e geotécnicos de maior interesse na área da Barragem de Terra da Margem Esquerda. 3.1. Características Gerais

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Marçal

Leia mais

Hidráulica de Canais. Universidade Regional do Cariri URCA

Hidráulica de Canais. Universidade Regional do Cariri URCA Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Hidráulica Aplicada Hidráulica de Canais Renato de Oliveira Fernandes Professor Assistente

Leia mais

Capítulo 88 Pequenas barragens de terra

Capítulo 88 Pequenas barragens de terra Capítulo 88 Pequenas barragens de terra 88-1 Capítulo 88- Pequenas barragens de terra 88.1 Introdução A grande vantagem da barragem de terra é que a mesma não é exigente nem nas fundações nem nos materiais

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NAS PAREDES E FUNDO DO CANAL DO GUARULHOS

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NAS PAREDES E FUNDO DO CANAL DO GUARULHOS UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NAS PAREDES E FUNDO DO CANAL DO GUARULHOS Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Marçal Brasil Alves de Souza DEZEMBRO 1992

Leia mais

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO 4.1. Introdução A redução da resistência mecânica é um aspecto de grande preocupação na aplicação de rochas em engenharia civil e, por isso, constitui tema de vários relatos

Leia mais

Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume:

Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume: Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume: Porosidade - é a razão entre o volume de vazios e o volume total de uma amostra da rocha: Absorção de água ou índice de absorção

Leia mais

V- DESVIO DO RIO. canais ou túneis. túneis escavados nas ombreiras. Apresenta-se no item V.1 deste capítulo, o desvio do rio através de

V- DESVIO DO RIO. canais ou túneis. túneis escavados nas ombreiras. Apresenta-se no item V.1 deste capítulo, o desvio do rio através de DESVIO DO RIO V- DESVIO DO RIO Já no anteprojeto da obra, é preciso definir os procedimentos a serem adotados para o desvio do rio para construção da obra, analisando-se criteriosamente todos os aspectos

Leia mais

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos 1 Art. 115. As águas pluviais que escoam nos limites das propriedades não poderão aumentar as vazões do sistema de drenagem acima das condições naturais e as intervenções por edificações não poderão introduzir

Leia mais

RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA

RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA Gonçalo Tavares goncalo.tavares@cenor.pt SUMÁRIO CONSIDERAÇÕES

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Especificação de Serviço Página 1 de 6 1. DEFINIÇÃO São segmentos da plataforma da via, cuja implantação requer o depósito de materiais, quer proveniente de cortes, quer de empréstimos, sobre o terreno

Leia mais

DRENAGEM AULA 01 INTRODUÇÃO: CONCEITOS BÁSICOS TIPOS DE DRENAGEM ELEMENTOS DE PROJETO

DRENAGEM AULA 01 INTRODUÇÃO: CONCEITOS BÁSICOS TIPOS DE DRENAGEM ELEMENTOS DE PROJETO AULA 01 INTRODUÇÃO: CONCEITOS BÁSICOS TIPOS DE DRENAGEM ELEMENTOS DE PROJETO Uma estrada depois de construida só terá 03 problemas: Drenagem, Drenagem e Drenagem Drenagem consiste no controle das

Leia mais

Classificação das Barragens. Prof. Dr. João Luiz Armelin Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Classificação das Barragens. Prof. Dr. João Luiz Armelin Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Classificação das Barragens Prof. Dr. João Luiz Armelin Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira 2/48 Classificação das Barragens A classificação das barragens pode ser feita em função dos seguintes condicionantes:

Leia mais

MOVIMENTO DE ÁGUA NOS SOLOS TRAÇADO DE REDES DE FLUXO

MOVIMENTO DE ÁGUA NOS SOLOS TRAÇADO DE REDES DE FLUXO MOVIMENTO DE ÁGUA NOS SOLOS TRAÇADO DE REDES DE FLUXO 1 Movimento de Água nos Solos O estudo do fluxo de água em obras de engenharia é de grande importância: visa quantificar a vazão que percola no maciço;

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Disciplina: SISTEMAS HIDRÁULICOS URBANOS arquivo 04 Captação em mananciais superficiais Prof.: Flavio Bentes Freire Locais apropriados para a localização da

Leia mais

Seminários PAVIMENTOS PERMEÁVEIS

Seminários PAVIMENTOS PERMEÁVEIS Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental PHA PHA2537 Água em Ambientes Urbanos Seminários PAVIMENTOS PERMEÁVEIS e sua influência sobre a Drenagem

Leia mais

Aplicação de Geossintéticos em Ferrovia. Prof. Dr. Gilberto Fernandes

Aplicação de Geossintéticos em Ferrovia. Prof. Dr. Gilberto Fernandes Aplicação de Geossintéticos em Ferrovia Prof. Dr. Gilberto Fernandes INTRODUÇÃO O termo geossintético é usado para descrever uma família de produtos sintéticos utilizados para resolver problemas em geotecnia.

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO 1. Objetivo Determinar o coeficiente de permeabilidade à carga constante e à carga variável, com percolação de água através do solo em regime de escoamento laminar.

Leia mais

BARRAGEM DE CAMPOS NOVOS

BARRAGEM DE CAMPOS NOVOS 3º SIMPÓSIO SIO DE SEGURANÇA A DE BARRAGENS E RISCOS ASSOCIADOS ACIDENTES EM BARRAGENS BRASILEIRAS BARRAGEM DE CAMPOS NOVOS LAILTON VIEIRA XAVIER CARLOS CORREA LOCALIZAÇÃO ARRANJO GERAL 650 650 600 550

Leia mais

Gafisa Construtora - Rio de Janeiro

Gafisa Construtora - Rio de Janeiro Injeções de Consolidação Obra Executada Impermeabilização abaixo da parede Diafragma Gafisa Construtora - Rio de Janeiro Sumário da obra: Na área acima havia um prédio que foi demolido, cujo local está

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO INDIVIDUAL DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMA DE TRATAMENTO INDIVIDUAL DE ESGOTO SANITÁRIO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Hidráulica e Saneamento Curso: Engenharia Civil Disciplina: TH030 - Sistemas Prediais Hidráulicos Sanitários Prof.ª Heloise Garcia Knapik

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM DRENAGEM DE PAVIMENTO NA DUPLICAÇÃO DA RODOVIA SP-332 PAULÍNIA COSMÓPOLIS

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM DRENAGEM DE PAVIMENTO NA DUPLICAÇÃO DA RODOVIA SP-332 PAULÍNIA COSMÓPOLIS APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM DRENAGEM DE PAVIMENTO NA DUPLICAÇÃO DA RODOVIA SP-332 PAULÍNIA COSMÓPOLIS Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Claudinei Romano Distribuidor: Ramalho

Leia mais

DRENAGEM AULA 04 DRENAGEM SUPERFICIAL

DRENAGEM AULA 04 DRENAGEM SUPERFICIAL AULA 04 DRENAGEM SUPERFICIAL Drenagem Superficial O sistema de drenagem superficial tem por objetivo a captação ou interceptação e remoção das águas precipitadas, sobre as estradas e áreas adjacentes,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO EM GABIÃO COLCHÃO CALHA DO TIETÊ SP

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO EM GABIÃO COLCHÃO CALHA DO TIETÊ SP UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO EM GABIÃO COLCHÃO CALHA DO TIETÊ SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 2003/2004 Revisado ABRIL 2011 -

Leia mais

VAZÕES DE INFILTRAÇÃO ATRAVÉS DA BARRAGEM DE ITAIPU. Julio César ROYER Professor, MSc. IFPR. Etore Funchal de FARIA Eng. Civil, DSc.

VAZÕES DE INFILTRAÇÃO ATRAVÉS DA BARRAGEM DE ITAIPU. Julio César ROYER Professor, MSc. IFPR. Etore Funchal de FARIA Eng. Civil, DSc. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXX SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS FOZ DO IGUAÇU PR 11 A 13 DE MAIO DE 2015 RESERVADO AO CBDB VAZÕES DE INFILTRAÇÃO ATRAVÉS DA BARRAGEM DE ITAIPU Josiele PATIAS

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM. Prof. Fernando Campos Mendonça. Aula 11 Drenagem Subterrânea

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM. Prof. Fernando Campos Mendonça. Aula 11 Drenagem Subterrânea Hidrologia e Drenagem Aula 11 Drenagem Subterrânea 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça Aula 11 Drenagem Subterrânea

Leia mais

FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA

FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA Nome da barragem /estrutura: Endereço: Bairro/Distrito: CEP: Telefone /Fax: ( ) I. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Complemento: Município/UF: E-mail:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO, CAMADA DE SEPARAÇÃO, REFORÇO E CURA DE CONCRETO NO COMPLEXO ESPORTIVO DE DEODORO RIO DE JANEIRO - RJ

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO, CAMADA DE SEPARAÇÃO, REFORÇO E CURA DE CONCRETO NO COMPLEXO ESPORTIVO DE DEODORO RIO DE JANEIRO - RJ UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO, CAMADA DE SEPARAÇÃO, REFORÇO E CURA DE CONCRETO NO COMPLEXO ESPORTIVO DE DEODORO RIO DE JANEIRO - RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB PARA REVESTIMENTO DE CANAL DO SESC BARRA DA TIJUCA RJ

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB PARA REVESTIMENTO DE CANAL DO SESC BARRA DA TIJUCA RJ UTILIZAÇÃO DE GEOWEB PARA REVESTIMENTO DE CANAL DO SESC BARRA DA TIJUCA RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Geomaks Comércio de Geossintéticos Ltda. PERÍODO 2003/2004 Revisado

Leia mais

SEPARAÇÃO E FILTRAÇÃO EM SISTEMA DE DRENAGEM NO GRAMADO DO MARACANÃ (RIO DE JANEIRO RJ)

SEPARAÇÃO E FILTRAÇÃO EM SISTEMA DE DRENAGEM NO GRAMADO DO MARACANÃ (RIO DE JANEIRO RJ) CASO DE OBRA #199 SEPARAÇÃO E FILTRAÇÃO EM SISTEMA DE DRENAGEM NO GRAMADO DO MARACANÃ (RIO DE JANEIRO RJ) Autor: Departamento Técnico da Bidim Julho de 2013 1. DADOS GERAIS Tipo de obra Drenagem do gramado

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Sistemas de Tratamento São constituídos por unidades de captação, adução, tratamento, reservação e distribuição; Para cada tipo de água

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO NO COLCHÃO DRENANTE DO SISTEMA DE DRENAGEM DE JARDINS DA PRAIA DE BELAS SHOPPING CENTER

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO NO COLCHÃO DRENANTE DO SISTEMA DE DRENAGEM DE JARDINS DA PRAIA DE BELAS SHOPPING CENTER UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO NO COLCHÃO DRENANTE DO SISTEMA DE DRENAGEM DE JARDINS DA PRAIA DE BELAS SHOPPING CENTER Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando

Leia mais

PRINCIPAIS ELEMENTOS. Nature to be Commanded must be Obeyed. A Natureza para ser Comandada precisa ser Obedecida. Francis Bacon

PRINCIPAIS ELEMENTOS. Nature to be Commanded must be Obeyed. A Natureza para ser Comandada precisa ser Obedecida. Francis Bacon PRINCIPAIS ELEMENTOS Nature to be Commanded must be Obeyed A Natureza para ser Comandada precisa ser Obedecida Francis Bacon B A R R A G E N S UMA INTRODUÇÃO PARA GRADUANDOS Prof. David de Carvalho d 33

Leia mais

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR 0 v1.0-030510 Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR APRESENTAÇÃO A Estação Elevatória é uma estação completa de recolha e elevação para águas carregadas pronta a ser instalada. É composta por um reservatório

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas. Unidade I: pluviais

Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas. Unidade I: pluviais Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas Unidade I: pluviais 0 Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas pluviais 1.1 Terminologia Área de contribuição: é a área somada

Leia mais

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE.

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. PRIMAVERA DO LESTE-MT ABRIL DE 2014. 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...

Leia mais

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE Karl Terzaghi em seu discurso de abertura, referindo-se aos solos residuais brasileiros, disse que os nossos técnicos estavam em condições de pesquisar e experimentar nas

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Civil 4º Ano 1º Semestre. MECÂNICA DOS SOLOS 1 Ano lectivo 2002/2003

Licenciatura em Engenharia Civil 4º Ano 1º Semestre. MECÂNICA DOS SOLOS 1 Ano lectivo 2002/2003 Licenciatura em Engenharia Civil 4º Ano 1º Semestre MECÂNICA DOS SOLOS 1 Ano lectivo 2002/2003 FOLHA DE EXERCÍCIOS Nº 5 Compressibilidade e Consolidação de Estratos de Argila Exercício resolvido - nº 1

Leia mais

Manuseamento, armazenamento, transporte e instalação.

Manuseamento, armazenamento, transporte e instalação. Manuseamento, armazenamento, transporte e instalação. Manuseamento Armazenamento Transporte Instalação Cuidados a ter no manuseamento, armazenamento, transporte e instalação de tubos de PE e PVC Os sistemas

Leia mais

Sondagem rotativa. Elementos de prospecção geotécnica. Apresentação dos resultados. Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.

Sondagem rotativa. Elementos de prospecção geotécnica. Apresentação dos resultados. Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail. Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Elementos de prospecção geotécnica Elementos de prospecção geotécnica Profa.

Leia mais

ETAR S > MICRO ETAR Compacta

ETAR S > MICRO ETAR Compacta ETAR S ETAR S A Etar Compacta ROTOPORT é uma estação de tratamento de águas residuais do tipo doméstico. Fabricada em polietileno de alta densidade e construída num depósito único, apresenta duas zonas

Leia mais

EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM

EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM Operações básicas da terraplenagem Escavação: é um processo empregado para romper a compacidade do solo em seu estado natural tornando possível o seu manuseio. Carga

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-F01 FUNDAÇÕES RASAS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. S... 3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 3 4. MATERIAIS... 4 5. EXECUÇÃO DA

Leia mais

Capítulo 31 Infiltração de água de chuva do telhado em trincheira

Capítulo 31 Infiltração de água de chuva do telhado em trincheira Capítulo 31 Infiltração de água de chuva do telhado em trincheira Na África do Sul, o plantio de Eucalyptus grandis numa microbacia experimental com vegetação original de savana, resultou, aos 5 anos de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS037 POÇOS DE VISITA TIPOS 3A, 3B e 3C Revisão: 03 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS037 POÇOS DE VISITA TIPOS 3A, 3B e 3C Revisão: 03 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

E-BIDIM#030. Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim. 1º SEMESTRE 1992 Revisado JANEIRO Departamento Técnico Mexichem Bidim Ltda.

E-BIDIM#030. Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim. 1º SEMESTRE 1992 Revisado JANEIRO Departamento Técnico Mexichem Bidim Ltda. APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA EXECUÇÃO DA REDE DRENANTE DO LENÇOL FREÁTICO CONSORCIADA COM UMA REDE COLETORA DE ÁGUAS PLUVIAIS, DO PARQUE RESIDENCIAL ARNALDO ESTEVÃO DE FIGUEIREDO Autor: Departamento

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I. Prof. MsC. Roberto Monteiro

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I. Prof. MsC. Roberto Monteiro FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I Prof. MsC. Roberto Monteiro CONCEPÇÃO DE OBRAS DE FUNDAÇÕES Pof. Msc. ROBERTO MONTEIRO INTRODUÇÃO Comentário Inial O estudo de concepção

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO Rede de água 1-DETERMINAÇÕES CONSTRUTIVAS A Empresa responsável pela execução das redes

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE FILTROS

DIMENSIONAMENTO DE FILTROS DIMENSIONAMENTO DE FILTROS Até o meio da barragem faço tudo para a água não chegar. A partir daí faço tudo para a água sair da maneira que quero Arthur Casagrande IV.8- DIMENSIONAMENTO DE FILTROS IV.8.1-

Leia mais

Injeções de Consolidação

Injeções de Consolidação Injeções de Consolidação CGC GEOTECNIA E CONSTRUÇÕES www.cgcbr.com.br 1 1 PRODUTOS PARA INJEÇÕES DE CONSOLIDAÇÃO Os tipos de produtos utilizados nos serviços de injeções de consolidação mudam de acordo

Leia mais

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA PROTEÇÃO CONTRA EROSÃO DOS TALUDES DAS LAGOAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DA BAHIA SUL CELULOSE S/A

A UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA PROTEÇÃO CONTRA EROSÃO DOS TALUDES DAS LAGOAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DA BAHIA SUL CELULOSE S/A A UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA PROTEÇÃO CONTRA EROSÃO DOS TALUDES DAS LAGOAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DA BAHIA SUL CELULOSE S/A Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração:

Leia mais

Costa Fortuna Fundações e Construções

Costa Fortuna Fundações e Construções Jet Grouting 1 Costa Fortuna Fundações e Construções A Costa Fortuna Fundações e Construções Ltda opera no mercado de fundações e contenções e tem por filosofia o desenvolvimento empresarial baseado em

Leia mais

EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III

EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III EUVG PARQ 5 TMTC III 24.10 ESTABILIZAÇÃO DE TALUDES TÉCNICA DE ENGENHARIA NATURAL AMRP-AP NATURAIS E ARTIFICIAIS: TALUDE NATURAL é aquele

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 13)

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 13) 1 Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 13) Helio Marcos Fernandes Viana Tema: Permeabilidade dos solos e fluxo unidimensional (2. o Parte) Conteúdo da parte 13 1 Classificação do solo de acordo

Leia mais

Procedimento de Aprovação e Recepção

Procedimento de Aprovação e Recepção Pag. 1 de 7 1. Normas de referência/publicações Regulamento de Fundações, Guia de Dimensionamento de Fundações, Norma de Betões, REBAP, EN 1536:1999, ARP/DEE/001, ARP/DG/11, ARP/DG/13, ARP/DG/14, Code

Leia mais

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança?

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Execução de edificações Serviços preliminares Rebaixamento do lençol freático

Leia mais

MATERIAIS DE BASE, SUB- BASE E REFORÇO DO SUBLEITO

MATERIAIS DE BASE, SUB- BASE E REFORÇO DO SUBLEITO MATERIAIS DE BASE, SUB- BASE E REFORÇO DO SUBLEITO Introdução Tipos de revestimentos asfálticos 2 Introdução Classificação dos materiais segundo seu comportamento frente aos esforços: Materiais granulares

Leia mais

Execução dos Serviços de Terraplenagem

Execução dos Serviços de Terraplenagem 1 Execução de Aterros Estabilidade dos Aterros / Consolidação das Fundações 2 ATERROS Definição São segmentos de rodovia que requerem o depósito, espalhamento e compactação controlada de materiais, provenientes

Leia mais

Obras de Drenagem Subsuperficial da Rodovia PA Subsuperficial Drainage Work of PA-287 Highway

Obras de Drenagem Subsuperficial da Rodovia PA Subsuperficial Drainage Work of PA-287 Highway Obras de Drenagem Subsuperficial da Rodovia PA - 287 Subsuperficial Drainage Work of PA-287 Highway Nome dos autores: Petrucio dos Santos Junior Esdras Vilela de Oliveira Paulo Cesar Belesso Ferretti Instituição:

Leia mais

Ramalho Comercial, São Paulo, São Paulo, Brasil,

Ramalho Comercial, São Paulo, São Paulo, Brasil, Drenagem de subsolo Máximo Ramalho Ramalho Comercial, São Paulo, São Paulo, Brasil, vendastecnicas@ramalho1.com.br Gabriela Poliszuk Ramalho Comercial, São Paulo, São Paulo, Brasil, gabriela@ramalho1.com.br.

Leia mais

Para análise e solução dos problemas mais importantes de engenharia de solos é necessário o conhecimento das características de resistência ao

Para análise e solução dos problemas mais importantes de engenharia de solos é necessário o conhecimento das características de resistência ao Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada de suportar tensões de tração e de cisalhamento. Geralmente

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Classificação de Materiais e Equipamentos Generalidades Ciclo de Operações Classificações dos Materiais Classificação dos Equipamentos

Leia mais

DIRETRIZES PARA PROJETO

DIRETRIZES PARA PROJETO ELABORAÇÃO EQUIPE TÉCNICA USHI: Ely Carlos de Alvarenga Josete de Fátima de Sá Nicolás Lopardo 1 INTRODUÇÃO Esta Diretriz tem como função principal indicar critérios técnicos necessários para permitir

Leia mais

Investigações Geotécnicas!" " #$"""

Investigações Geotécnicas!  #$ Investigações Geotécnicas!" " #$""" Investigações Geotécnicas Investigação geotécnica de campo: levantamento de superfície, sondagens, ensaios; coleta de amostras. Investigação geotécnica de Laboratório

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 080200 - REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO FOLHA: SUMÁRIO 1. OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.1 OBJETIVO:...1 1.2 DEFINIÇÕES:...1 2. MATERIAIS...1 3. EQUIPAMENTOS...1 4. EXECUÇÃO...2 4.1 REBAIXAMENTO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM TRINCHEIRAS DRENANTES E JARDINS SUSPENSOS NA CONCENTRAÇÃO DA SELEÇÃO BRASILEIRA TERESÓPOLIS/RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM TRINCHEIRAS DRENANTES E JARDINS SUSPENSOS NA CONCENTRAÇÃO DA SELEÇÃO BRASILEIRA TERESÓPOLIS/RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM TRINCHEIRAS DRENANTES E JARDINS SUSPENSOS NA CONCENTRAÇÃO DA SELEÇÃO BRASILEIRA TERESÓPOLIS/RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Gerson Dias da

Leia mais

σ = ±, onde (σ) é a tensão, (M) é o momento e (ω ) é o módulo de resistência da ω

σ = ±, onde (σ) é a tensão, (M) é o momento e (ω ) é o módulo de resistência da ω QUESTÃO UNIV. TECNOL. FEDERAL DO PARANÁ UTFPR - 015. Dada uma viga com carregamento e geometria indicados abaixo, a tensão normal máxima de compressão equivale a: A) 40MPa. B) MPa. C) 14MPa. D) 0KN/m.

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DOS CAMPOS DE FUTEBOL DO ZICO RECREIO DOS BANDEIRANTES RJ

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DOS CAMPOS DE FUTEBOL DO ZICO RECREIO DOS BANDEIRANTES RJ APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DOS CAMPOS DE FUTEBOL DO ZICO RECREIO DOS BANDEIRANTES RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Dias da Cunha Eng. Maria

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM COLCHÃO DRENANTE EM CAMPO DE FUTEBOL SOBRE LAJE DO ESTACIONAMENTO ESPORTE CLUBE BANESPA

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM COLCHÃO DRENANTE EM CAMPO DE FUTEBOL SOBRE LAJE DO ESTACIONAMENTO ESPORTE CLUBE BANESPA APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM COLCHÃO DRENANTE EM CAMPO DE FUTEBOL SOBRE LAJE DO ESTACIONAMENTO ESPORTE CLUBE BANESPA Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Valéria C. Pellicci

Leia mais

ESCOAMENTO SUPERCRÍTICO: CANAL DE MACRODRENAGEM CÓRREGO VILA ISABEL PROF. DR. ROBERTO FENDRICH DHS UFPR

ESCOAMENTO SUPERCRÍTICO: CANAL DE MACRODRENAGEM CÓRREGO VILA ISABEL PROF. DR. ROBERTO FENDRICH DHS UFPR ESCOAMENTO SUPERCRÍTICO: CANAL DE MACRODRENAGEM CÓRREGO VILA ISABEL PROF. DR. ROBERTO FENDRICH DHS UFPR ESTUDO HIDRÁULICO DO CÓRREGO VILA ISABEL Regime de Escoamento em Canais De acordo com (Baptista e

Leia mais

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES DAER-RS INSTRUÇÕES DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS GEOTÉCNICOS IS-101/94 1. OBJETIVO Os Estudos Geotécnicos tem como objetivo a obtenção dos dados geotécnicos do subleito da rodovia projetada, empréstimos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA maio/ de 6 PONTEIRA FILTRANTE PARA REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO DIRETORIA DE ENGENHARIA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA maio/ de 6 PONTEIRA FILTRANTE PARA REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO DIRETORIA DE ENGENHARIA TÍTULO ESPECIFICÇÃO TÉCNIC maio/2006 1 de 6 PONTEIR FILTRNTE PR REBIXMENTO DE LENÇOL FREÁTICO ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Rebaixamento. Estabilidade. Suporte. PROVÇÃO PROCESSO PR 010974/18/DE/2006

Leia mais

Ficha Técnica IE01 ESTRUTURA: Piso e Cobertura

Ficha Técnica IE01 ESTRUTURA: Piso e Cobertura Ficha Técnica IE01 Piso e Cobertura Função: Acomodar a Estação Renova e seus leitos de secagem de lodo, protegendo-os dos raios solares e intempéries. O piso deverá ser construído de acordo com as dimensões

Leia mais

Reservatórios de Distribuição de Água

Reservatórios de Distribuição de Água UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Reservatórios de Distribuição de Água Disciplina: Saneamento Prof. Carlos Eduardo F Mello e-mail: cefmello@gmail.com Foto: Reservatórios

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. Guia de Instalação. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

FOSSA SÉPTICA. Guia de Instalação. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. FOSSA SÉPTICA Guia de Instalação Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. 1. Apresentação Acqualimp apresenta sua linha de Fossas Sépticas, projetadas especialmente

Leia mais

PROJETO DE TERRAPLENAGEM

PROJETO DE TERRAPLENAGEM PROJETO DE TERRAPLENAGEM C A D E I A D E J O V E N S E A D U L T O S A e B Estrada do Capão Grande Várzea Grande / MT Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Estado de Mato Grosso - SEJUDH Setembro

Leia mais

Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal.

Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal. Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/7 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal. 1.1. Abreviaturas e definições

Leia mais

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial INTRODUÇÃO A água da chuva causa danos: à durabilidade das construções; à boa aparência das construções. A água de chuva deve ser coletada e transportada

Leia mais

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. 1 Material de apoio 2 Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto,

Leia mais

Temos convicção de que estamos plenamente capacitados a atender e superar suas expectativas! VISÃO GERAL DO FORNECIMENTO SISTEMAS DE

Temos convicção de que estamos plenamente capacitados a atender e superar suas expectativas! VISÃO GERAL DO FORNECIMENTO SISTEMAS DE Prezado Cliente, É com grande satisfação que enviamos este material. Nosso intuito é ajudá-lo a compreender melhor as etapas e rotinas necessárias à boa especificação, fabricação e instalação de seu sistema

Leia mais

CAIXA SEPARADORA ÁGUA/ÓLEO DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO Memória de Cálculo

CAIXA SEPARADORA ÁGUA/ÓLEO DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO Memória de Cálculo DISTR. QTDE/TIPO ÓRGÃO DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS a COMPATIBILIDADE COM O GEDOC REV FEITO VISTO DATA APROV ALTERAÇÕES PROJ. DES. CONF. IPGC/AAR VISTO APROV. MERP 39737 DATA 16/02/2004 Companhia

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES 1. ALTURA DE SUCÇÃO (AS) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba. 2. ALTURA DE RECALQUE (AR)

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOA DE DECANTAÇÃO DE LODO DO RIO CAPIBARIBE COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC RECIFE - PE

IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOA DE DECANTAÇÃO DE LODO DO RIO CAPIBARIBE COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC RECIFE - PE IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOA DE DECANTAÇÃO DE LODO DO RIO CAPIBARIBE COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC RECIFE - PE AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel M. Meucci ANO - 2013 1.

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

SUMÁRIO HDD para Redes de Água HDD para Redes de Esgoto Sanitário...4

SUMÁRIO HDD para Redes de Água HDD para Redes de Esgoto Sanitário...4 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 HDD...3 5.2 Túnel Linner...3

Leia mais

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva 1 Ciclo hidrológico global Energia do sol que atua sobre o sistema terrestre: 36% de toda a energia que chega a terra é utilizada

Leia mais

elevado volume de tráfego

elevado volume de tráfego Long-Life Asphalt Pavements Technical version Pavimentos Asfálticos de Elevada Performance e Pavimentos de Longa Duração Conservação de Pavimentos de Longa Duração Exemplo prático de um projecto de conservação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO DE PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA DE PVC NA PASSAGEM SUBTERRÂNEA CONEXÃO RIO SUL, BOTAFOGO RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO DE PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA DE PVC NA PASSAGEM SUBTERRÂNEA CONEXÃO RIO SUL, BOTAFOGO RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO DE PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA DE PVC NA PASSAGEM SUBTERRÂNEA CONEXÃO RIO SUL, BOTAFOGO RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson

Leia mais

Fone: Florianópolis - SC 1

Fone: Florianópolis - SC 1 . CISTERNA 2350 L DADOS TÉCNICOS: Volume útil - 2300 L Material fabricado - Polietileno de média densidade Resitência UV - Fator UV 4 Peso corpo - 55 kg Altura total - 1.670 m Diâmetro máximo - 1,420 m

Leia mais