FASES E METODOLOGIAS DO BRANQUEAMENTO. Bruno Melo Alves

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FASES E METODOLOGIAS DO BRANQUEAMENTO. Bruno Melo Alves"

Transcrição

1 FASES E METODOLOGIAS DO BRANQUEAMENTO Bruno Melo Alves 22 de Abril de 2009

2 REGIME PENAL BRANQUEAMENTO CONCEITO (art. 368.º-A Código Penal) converter, transferir, auxiliar ou facilitar alguma operação de conversão ou transferência de vantagens, obtidas por si ou por terceiro, directa ou indirectamente, com o fim de dissimular a sua origem ilícita, ou de evitar que o autor ou participante dessas infracções seja criminalmente perseguido ou submetido a uma reacção criminal ocultar ou dissimular a verdadeira natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou titularidade das vantagens, ou os direitos a ela relativos

3 REGIME PENAL Conceito de Branqueamento: Processo de ocultação ou dissimulação de recursos provenientes de actividades ilícitas

4 REGIME PENAL Actividade que lesa diversos bens jurídicos: Impede a administração da justiça ao dificultar a actuação contra o agente do crime subjacente Atinge a concorrência económica e o livre desenvolvimentodo mercado Prejudica a segurança geral ao constituir uma facilitação à prática dos crimes primários

5 REGIME PENAL Atenta contra a integridade dos mercados financeiros Desestabiliza o controlo da política económica Diminui as receitas fiscais A prazo, se não for combatido, transfere o poder do mercado e do Estado para organizações criminosas

6 REGIME PENAL O Tipo Objectivo: Considerações Gerais Quanto ao agente: o crime de branqueamento pode ser cometido por qualquer pessoa singular ou colectiva Quanto às modalidades de acção: o crime de branqueamento é apenas passível de ser cometido por via de acção (crime de mera actividade que se esgota na própria acção)

7 REGIME PENAL O Tipo Objectivo: Considerações Gerais As vantagens ou bens que relevam são os provenientes da prática, sob qualquer forma de comparticipação, dos factos ilícitos típicos subjacentes Tem de haver um nexo de causalidade mínimo entre as vantagens e bens e a conduta do agente

8 REGIME PENAL O Tipo Objectivo: Considerações Gerais É punível a tentativa de qualquer das condutas previstas nos n.º 2 e 3 do artigo 368.º - A do Código Penal

9 REGIME PENAL Factos ilícitos típicos (método misto) Lenocínio Abuso sexual de crianças ou menores dependentes Extorsão Tráfico de estupefacientes e substâncias psicotrópicas Tráfico de armas Tráfico de órgãos ou tecidos humanos

10 REGIME PENAL Factos ilícitos típicos (método misto) Tráfico de espécies protegidas Fraude fiscal Tráfico de influência Corrupção e demais crimes tipificados no n.º 1 do artigo 1.º da Lei n.º 36/94, de 29 de Setembro Crimes puníveis com pena de duração mínima superior a seis meses ou de duração máxima superior a cinco anos

11 REGIME PENAL Concurso Real Pode cometer o crime de branqueamento aquele que seja o autor do facto ilícito subjacente (n.º 2 do artigo 368.º A ) É de admitir concurso real também em relação ao tipo autónomo do n.º 3 do artigo 368.º A

12 REGIME PENAL Autonomia em relação ao crime precedente O crime de branqueamento e a respectiva acção penal são autónomos em relação ao crime precedente Não é punível quando o procedimento criminal relativo aos factos típicos de onde provêm as vantagens depender de queixa e a queixa não tiver sido tempestivamente apresentada

13 REGIME PENAL Tipo subjectivo Basta que o agente conheça ou configure a proveniência ilícita dos bens incluídos no n.º1 do artigo 368.º A. Não tem de saber se os bens são provenientes de um concreto ilícito típico Não tem de saber que esse facto típico foi praticado em certo momento, por certo agente, em certo sitio ou de determinada forma

14 FASES E METODOLOGIA DO BRANQUEAMENTO

15 FASES DO BRANQUEAMENTO Foram sendo construídos ao longo do tempo inúmeros modelos explicativos do branqueamento Modelo das Três Fases adoptado pelo Grupo de Acção Financeira Internacional (GAFI) o modelo mais conhecido e utilizado pela doutrina para a explicação e estudo do processo de branqueamento de capitais

16 FASES DO BRANQUEAMENTO COLOCAÇÃO Inserção no sistema financeiro CIRCULAÇÃO O agente procura disfarçar a origem dos capitais INTEGRAÇÃO Os capitais, de fonte já aparentemente legal, são investidos ou utilizados na aquisição de bens e serviços

17 METODOLOGIAS Métodos de Branqueamento Mercado negro de câmbio colombiano o Complexo sistema que serve os empresários colombianos, os quais se dedicavam à importação de produtos internacionais, e os traficantes de droga, que precisavam de lavar o dinheiro proveniente do tráfico

18 METODOLOGIAS Métodos de Branqueamento Operações de crédito o O cliente, inesperadamente, liquida um empréstimo em contencioso o Operações de crédito cujas amortizações ou liquidações sejam, em regra, efectuadas através de numerário em conta. Em particular, comerciante que encaminha numerosas operações de crédito ao consumo, sendo posteriormente grande percentagem das mesmas liquidadas antecipadamente através da entrega em numerário, em nome dos respectivos clientes (beneficiários).

19 METODOLOGIAS Métodos de Branqueamento Operações relacionadas com a actividade offshore o Empréstimos para ou de empresas off-shore o Empréstimos garantidos por caução prestada a Bancos off-shore o Propostas de depósitos de milhões de dólares (ou equivalente), de fonte confidencial, a serem remetidos por um Banco off-shore ou garantidos por Banco também sediado em off-shore

20 METODOLOGIAS Métodos de Branqueamento Transferências o O cliente sabe pouco acerca do endereço do beneficiário de uma ordem de pagamento que pretende efectuar e é relutante em revelar tal informação o Transferências electrónicas com entrada e saída imediata da conta, sem qualquer explicação lógica o Transferências efectuadas de e/ou para jurisdições fiscalmente mais favoráveis, sem que existam motivos comerciais consistentes com a actividade conhecida do cliente

21 METODOLOGIAS Métodos de Branqueamento Depósitos em numerário o Depósitos efectuados em vários locais e em vários momentos sem uma razão lógica o Depósitos que, com alguma regularidade, contenham notas falsas o Depósitos com alguma regularidade, alegando o cliente tratar-se de valores provenientes de venda de activos que não podem ser comprovados

22

23 Obrigado Bruno Melo Alves

24

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da.

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da. REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Lei n.º /2004 (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da Criminalidade A Assembleia Legislativa decreta, nos termos da alínea

Leia mais

澳門金融管理局 AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU EXEMPLOS DE TRANSACÇÕES DE NATUREZA SUSPEITA

澳門金融管理局 AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU EXEMPLOS DE TRANSACÇÕES DE NATUREZA SUSPEITA EXEMPLOS DE TRANSACÇÕES DE NATUREZA SUSPEITA 1. Transacções em Numerário a) Transacções onde grandes depósitos e levantamentos acima dos limites mínimos definidos na Directiva AML/CFT através de transacções

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E 2. Ética, Regulamentação e análise do Perfil do investidor 21. Princípios Éticos - Final 22. Códigos de Regulação

Leia mais

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Publicado no Diário da República, I série, nº 61, de 29 de Março AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Considerando a necessidade de se estabelecer os padrões para o exercício do serviço de remessas de valores

Leia mais

DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL PRINCÍPIOS Legalidade: Somente a lei, elaborada na forma que a Constituição permite, pode determinar o que é crime e indicar a pena cabível. Taxatividade: As leis que definem

Leia mais

BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS

BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS Benja Satula BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS Mestrado em Direito Penal sob a orientação do Professor Doutor Germano Marques da Silva UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2010 PREFÁCIO É sempre razão para grande

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 37/2013

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 37/2013 INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 37/2013 Regulamento dos deveres de prevenção e combate ao branqueamento de vantagens de proveniência ilícita e ao financiamento do terrorismo no setor comercial Índice 1.Introdução...

Leia mais

actividade pública administrativa ou jurisdicional. internacional e no sector privado). 2 Artigos 375.º e 376.º do CP.

actividade pública administrativa ou jurisdicional. internacional e no sector privado). 2 Artigos 375.º e 376.º do CP. A Lei n.º 30/2015, de 22 de Abril, alterou diversos diplomas «no sentido de dar cumprimento às recomendações dirigidas a Portugal em matéria de corrupção pelo Grupo de Estados do Conselho da Europa contra

Leia mais

RES CFC 1.445/13 DECLARAÇÃO NEGATIVA OU DECLARAÇÃO DE INEXISTENCIA DE OPERAÇÕES AO COAF

RES CFC 1.445/13 DECLARAÇÃO NEGATIVA OU DECLARAÇÃO DE INEXISTENCIA DE OPERAÇÕES AO COAF RES CFC 1.445/13 DECLARAÇÃO NEGATIVA OU DECLARAÇÃO DE INEXISTENCIA DE OPERAÇÕES AO COAF LAVAGEM DE DINHEIRO Convenção contra o tráfico ilícito de entorpecentes e substância psicotrópicas (Convenção de

Leia mais

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO (RELATÓRIO) SOBRE AS RESPONSABILIDADES DAS SOCIEDADES E DOS SEUS ADMINISTRADORES CONEXAS

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância CURSO DIS1209 1 - OBJECTIVOS: Curso: INFRACÇÕES TRIBUTÁRIAS O curso de Infracções Tributárias tem como objectivo dar conhecer aos TOC

Leia mais

BOTELHO & BOTELHO Advogados Associados

BOTELHO & BOTELHO Advogados Associados BOTELHO & BOTELHO Advogados Associados LAVAGEM DE DINHEIRO (lavado de dinero o lavado de capitales) EXPOSITOR: Luiz Claudio Botelho 21 2524.8956 3083.1508 luizbotelho@botelho.adv.br 1 Em Portugal branqueamento

Leia mais

D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012

D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012 D E C L A R A Ç Ã O PARA ELEIÇÕES 2012 Nome do Candidato: Nome do pai: Nome da mãe: Partido Político ou Coligação: Cargo a que concorre: ( ) Prefeito ( ) Vice-Prefeito ( ) Vereador Município: Declaro,

Leia mais

Política de Prevenção a Lavagem de Dinheiro e Fraudes

Política de Prevenção a Lavagem de Dinheiro e Fraudes Política de Prevenção a Lavagem de Dinheiro e Fraudes 1.0 Lavagem de Dinheiro Lavagem de dinheiro é o processo pelo qual agentes criminosos tentam disfarçar a verdadeira origem do capital proveniente de

Leia mais

(D) extinguem a punibilidade. (E) excluem a tipicidade.

(D) extinguem a punibilidade. (E) excluem a tipicidade. Maratona Fiscal ISS Direito penal 1. A regra que veda a interpretação extensiva das normas penais incriminadoras decorre do princípio constitucional da (A) culpabilidade. (B) igualdade. (C) legalidade.

Leia mais

Fonte: Correio Braziliense 28/06/2016

Fonte: Correio Braziliense 28/06/2016 CORRUPÇÃO: VISÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS Fonte: Correio Braziliense 28/06/2016 O que é corrupção? É um fenômeno complexo e global, de natureza multidisciplinar. Corrupção é

Leia mais

PRAZOS E MÉTODOS DE AMORTIZAÇÃO. Índice: Capítulo II Disposições Gerais... 3

PRAZOS E MÉTODOS DE AMORTIZAÇÃO. Índice: Capítulo II Disposições Gerais... 3 AVISO N.º [XX/2015] PRAZOS E MÉTODOS DE AMORTIZAÇÃO Índice: Capítulo I... 3 Disposições Gerais... 3 Capítulo II... 3 Prazos e Métodos de Amortização... 3 Capítulo III... 7 Disposições Finais... 7 1 Aviso

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública O direito administrativo é o direito que regula a Administração pública Administração pública: é o objeto do direito administrativo Fernanda Paula Oliveira 1. Administração: gestão

Leia mais

TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES

TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES Fonte site BNA TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES 1. Posso efectuar pagamentos em moeda estrangeira para bens ou serviços adquiridos no país? Não. Os pagamentos devidos pela aquisição

Leia mais

Requisitos para os ordenamentos jurídicos. H. Investigações

Requisitos para os ordenamentos jurídicos. H. Investigações Capítulo V Requisitos para os ordenamentos jurídicos A. Criminalização do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo 1. Definição do crime 2. Alcance da infracção subjacente 3. Considerações

Leia mais

Desembaraço aduaneiro e pena de perdimento, classificação e reclassificação fiscal. Processo administrativo e judicial

Desembaraço aduaneiro e pena de perdimento, classificação e reclassificação fiscal. Processo administrativo e judicial Desembaraço aduaneiro e pena de perdimento, classificação e reclassificação fiscal. Processo administrativo e judicial PAULO CALIENDO PROF. DR. PUC/RS E MEMBRO DA FESDT Perdimento e os reflexos do novo

Leia mais

Relatório e Saneamento (0,5 valores) ou (4,0 valores no caso de o candidato ter optado pela solução 1 cf. C infra)

Relatório e Saneamento (0,5 valores) ou (4,0 valores no caso de o candidato ter optado pela solução 1 cf. C infra) PROVA PROFISSIONAL 1ª CHAMADA PROPOSTA DE SOLUÇÃO 1 (20 Valores) Relatório e Saneamento (0,5 valores) ou (4,0 valores no caso de o candidato ter optado pela solução 1 cf. C infra) A - Referência ao requerimento

Leia mais

PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO

PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO Na crise Swiss Leaks, investidores se beneficiaram do sigilo bancário dos paraísos fiscais para ocultar e movimentar valores provenientes de operações ilegais. DEVIDO A

Leia mais

LEI Nº , DE 7 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº , DE 7 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 12.015, DE 7 DE AGOSTO DE 2009 Altera o Título VI da Parte Especial do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, e o art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, que dispõe

Leia mais

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL A VIDA ASSOCIATIVA É UM INSTRUMENTO DE EXERCÍCIO DA SOCIABILIDADE. POR MEIO DELA CONQUISTA SE NOVOS AMIGOS, EXPANDE SE CONHECIMENTOS,

Leia mais

IDPCC Instituto de Direito Penal e de Ciências Criminais III CURSO PÓS-GRADUADO DE APERFEIÇOAMENTO EM DIREITO DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL E DA PROVA

IDPCC Instituto de Direito Penal e de Ciências Criminais III CURSO PÓS-GRADUADO DE APERFEIÇOAMENTO EM DIREITO DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL E DA PROVA III CURSO PÓS-GRADUADO DE APERFEIÇOAMENTO EM DIREITO DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL E DA PROVA Coordenadores: Professora Doutora Maria Fernanda Palma Professor Doutor Augusto Silva Dias Professor Doutor Paulo

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS I - PARECERES, AUTORIZAÇÕES, NOTIFICAÇÕES, RECLAMAÇÕES, QUEIXAS E PETIÇÕES

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS I - PARECERES, AUTORIZAÇÕES, NOTIFICAÇÕES, RECLAMAÇÕES, QUEIXAS E PETIÇÕES I - PARECERES, AUTORIZAÇÕES, NOTIFICAÇÕES, RECLAMAÇÕES, QUEIXAS E PETIÇÕES PROCESSOS Pendentes do ano anterior Entrados durante o ano Total Terminados durante o ano Sem emissão de parecer/ autorização/

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS EM TIMOR-LESTE

PREVENÇÃO E COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS EM TIMOR-LESTE PREVENÇÃO E COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS EM TIMOR-LESTE A LEI N. O 17/2011, DE 28 DE DEZEMBRO ANOTAÇÕES PREVENSAUN NO KOMBATE BRANKEAMENTU KAPITÁL IHA TIMOR-LESTE LEI N. O 17/2011, 28 DEZEMBRU

Leia mais

Comentário. Código Penal

Comentário. Código Penal Paulo Pinto de Albuquerque Comentário do Código Penal à luz da Constituição da República e da Convenção Europeia dos Direitos do Homem 2.ª edição actualizada Universidade Católica Editora Índice geral

Leia mais

PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA

PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Parte Geral Legislação Específica Convenções para Evitar a Dupla Tributação Convenção 90/436/CEE Acordos prévios sobre preços de transferência Conceito de Preços de Transferência

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Funções 1. O Provedor do Cliente do BCN tem por função principal a defesa e promoção dos direitos, garantias e

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS)

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) ALTERAÇÕES AO IRS, IRC, IMPOSTO DO SELO E LGT A Lei 55-A/2012, de 29 de Outubro introduziu alterações relevantes no Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS), Imposto sobre o Rendimento das

Leia mais

Convite para apresentação de proposta ao abrigo do Acordo Quadro ANCP

Convite para apresentação de proposta ao abrigo do Acordo Quadro ANCP «Empresa» «Morada1» «Cod_Postal» «Localidade» Nossa referência Assunto: Convite para apresentação de proposta ao abrigo do Acordo Quadro ANCP Aquisição de serviços de dados acesso à internet e conectividade

Leia mais

Altera a Lei Geral Tributária, o Código de Procedimento e de Processo Tributário e o Regime Geral das Infracções Tributárias

Altera a Lei Geral Tributária, o Código de Procedimento e de Processo Tributário e o Regime Geral das Infracções Tributárias DECRETO N.º 139/X Altera a Lei Geral Tributária, o Código de Procedimento e de Processo Tributário e o Regime Geral das Infracções Tributárias A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

PROJETO DE EMENDA A LEI ORGÂNICA Nº 13/2011

PROJETO DE EMENDA A LEI ORGÂNICA Nº 13/2011 PROJETO DE EMENDA A LEI ORGÂNICA Nº 13/2011 Acrescenta o art. 109-A ao Capítulo II do Título IV da Lei Orgânica do Município. A Câmara Municipal de São Paulo PROMULGA: Art. 1º Fica acrescido o art. 109

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 02/2012

INSTRUTIVO N.º 02/2012 INSTRUTIVO N.º 02/2012 Considerando que o Banco Nacional de Angola é a instituição competente para autorizar a constituição e proceder à supervisão das casas de câmbio, nos termos da Secção I do Capítulo

Leia mais

Lei n. o 72/

Lei n. o 72/ Lei n. o 72/2015 20-07-2015 Assunto: Define os objetivos, prioridades e orientações de política criminal para o biénio de 2015-2017, em cumprimento da Lei n.º 17/2006, de 23 de maio, que aprova a Lei-Quadro

Leia mais

DECRETO N.º DE 15 DE MAIO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas disposições legais, e

DECRETO N.º DE 15 DE MAIO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas disposições legais, e DECRETO N.º 35610 DE 15 DE MAIO DE 2012 Institui o regime FICHA LIMPA como requisito para o ingresso em cargo ou emprego público no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Município do Rio

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 24/16 de 16 de Novembro

INSTRUTIVO N.º 24/16 de 16 de Novembro INSTRUTIVO N.º 24/16 de 16 de Novembro ASSUNTO: DEVERES DE DILIGÊNCIA REFORÇADA Considerando o desenvolvimento do Sistema Financeiro Angolano, que exige o reforço da sensibilidade ao risco de branqueamento

Leia mais

PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO DE ATIVOS NO EXTERIOR. Repatriação de Bens e Recursos não declarados : Aspectos Tributários, Criminais e Cambiais

PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO DE ATIVOS NO EXTERIOR. Repatriação de Bens e Recursos não declarados : Aspectos Tributários, Criminais e Cambiais PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO DE ATIVOS NO EXTERIOR Repatriação de Bens e Recursos não declarados : Aspectos Tributários, Criminais e Cambiais Agenda Palestrante: Carlos Iacia. Lei nº 13.254/16 Regime Especial

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU CURSO DE DIREITO EM LÍNGUA PORTUGUESA ANO LECTIVO 2007/2008 ECONOMIA PÚBLICA 2º ANO PLANO DO CURSO

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU CURSO DE DIREITO EM LÍNGUA PORTUGUESA ANO LECTIVO 2007/2008 ECONOMIA PÚBLICA 2º ANO PLANO DO CURSO FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU CURSO DE DIREITO EM LÍNGUA PORTUGUESA ANO LECTIVO 2007/2008 ECONOMIA PÚBLICA 2º ANO PLANO DO CURSO PARTE I INTRODUÇÃO 1) Economia Pública objecto da disciplina

Leia mais

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011 www.pwc.com/pt : Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil Jaime Carvalho Esteves Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Agenda 1. Introdução 2. Investir em Angola e no Brasil

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 163 25 de Agosto de 2008 5889 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Centro Jurídico Declaração de Rectificação n.º 46/2008 Ao abrigo da alínea h) do n.º 1 e do n.º 2 do

Leia mais

SECÇÃO III - Prestação de trabalho a favor da comunidade e admoestação

SECÇÃO III - Prestação de trabalho a favor da comunidade e admoestação Código Penal Ficha Técnica Código Penal LIVRO I - Parte geral TÍTULO I - Da lei criminal CAPÍTULO ÚNICO - Princípios gerais TÍTULO II - Do facto CAPÍTULO I - Pressupostos da punição CAPÍTULO II - Formas

Leia mais

Preçário CAIXA DE CREDITO AGRICOLA MUTUO DE BOMBARRAL,CRL CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário CAIXA DE CREDITO AGRICOLA MUTUO DE BOMBARRAL,CRL CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário CAIXA DE CREDITO AGRICOLA MUTUO DE BOMBARRAL,CRL CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01 de janeiro de 2017 O Preçário completo da CCAM

Leia mais

O CRIME DE INFRACÇÃO DE REGRAS DE CONSTRUÇÃO

O CRIME DE INFRACÇÃO DE REGRAS DE CONSTRUÇÃO PERSPECTIVAS ACTUAIS DA SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO O CRIME DE INFRACÇÃO DE REGRAS DE CONSTRUÇÃO Artigo 277º do Código Penal (Infracção de regras de construção, dano em instalações e perturbação

Leia mais

ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 02/12/2013

ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 02/12/2013 Doc. Identificação: Classificação: PARTE I Escolha a resposta correcta entre as opções apresentadas sinalizando-a de forma visível 1. As sociedades Comerciais têm por finalidade a prática de uma: a) Actividade

Leia mais

PREPARATÓRIO PARA OAB DISCIPLINA: DIREITO PENAL

PREPARATÓRIO PARA OAB DISCIPLINA: DIREITO PENAL PREPARATÓRIO PARA OAB DISCIPLINA: DIREITO PENAL Capítulo 11 - Aula 2 CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor: Dr. Ivan Francisco Pereira Agostinho Coordenação: Dr. Ivan Francisco Pereira Agostinho

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 9/ (BO N.º 3, ) MERCADOS Mercados Monetários

INSTRUÇÃO N.º 9/ (BO N.º 3, ) MERCADOS Mercados Monetários INSTRUÇÃO N.º 9/2012 - (BO N.º 3, 15.03.2012) Temas MERCADOS Mercados Monetários ASSUNTO: Mercado de Operações de Intervenção (M.O.I.) O Banco de Portugal, no uso da competência que lhe é atribuída pelos

Leia mais

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa Renda Fixa O produto A (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper, é um título emitido por companhias com o objetivo de captar recursos, geralmente para financiar seu capital de giro.

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO 1 ART. 42 - VEDAÇÕES de 1º de maio a 31 de dezembro: Contrair obrigação de despesa, nos últimos 8 meses, que não possa ser cumprida (paga)

Leia mais

Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros

Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros Perdas fiscais decorrentes da fraude carrossel Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros MSP - Janeiro 2008 26 Medidas de combate à fraude A dimensão

Leia mais

SATAPOCAL -FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 8 /2007/RC

SATAPOCAL -FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 8 /2007/RC FAT revista em Março de 2008 1. QUESTÃO E SUA RESOLUÇÃO 1.1. QUESTÃO COLOCADA Deve o IVA ser incluído nos movimentos contabilísticos a efectuar nas fases de cabimento, compromisso e pagamento para registar

Leia mais

ii. Fundo de Acidentes de Trabalho

ii. Fundo de Acidentes de Trabalho ii. Fundo de Acidentes de Trabalho Actividade Desenvolvida A actividade do FAT durante o ano 2007 centrou-se na análise e manutenção dos processos de indemnizações devidas por acidente de trabalho, de

Leia mais

A PRÁTICA DA TRIBUTAÇÃO FAVORECIDA EM UM SISTEMA DE ESTADOS GLOBALIZADOS E INTERDEPENDENTES

A PRÁTICA DA TRIBUTAÇÃO FAVORECIDA EM UM SISTEMA DE ESTADOS GLOBALIZADOS E INTERDEPENDENTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS - CCJ DEPARTAMENTO DE DIREITO - DIR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PPGD CURSO - MESTRADO A PRÁTICA DA TRIBUTAÇÃO FAVORECIDA

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO

ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO Conceito de Ato Administrativo Ato administrativo é todo ato praticado no exercício da função administrativa.

Leia mais

CALENDÁRIO DE ESPECIAL DE EXAMES 2016/2017 (De 17 a 29 de Julho de 2017) Mestrado em Direito Administrativo

CALENDÁRIO DE ESPECIAL DE EXAMES 2016/2017 (De 17 a 29 de Julho de 2017) Mestrado em Direito Administrativo Mestrado em Direito Administrativo Direito Administrativo Global Direito Administrativo I Direito do Ambiente Metodologias de Investigação Direito da Contratação Pública Direito Processual Administrativo

Leia mais

FRAUDE AO IVA EM QUE SE TRADUZ

FRAUDE AO IVA EM QUE SE TRADUZ FRAUDE AO IVA TIPOLOGIA: CARROUSSEL DO IVA UNIVERSIDADE CATÓLICA 26 de Novembro 2009 EM QUE SE TRADUZ - Aproveitamento do regime do IVA nas transacções intra-comunitárias - Suspensão do imposto nas aquisições

Leia mais

8 Definir e compreender os princípios fundamentais do Direito processual penal;

8 Definir e compreender os princípios fundamentais do Direito processual penal; DIREITO E PROCESSO PENAL [5453310] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS 1 Definir e compreender o conceito de Direito Penal; 2 Definir e compreender o problema dos fins das penas; 3 - Definir e compreender

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes:

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes: CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA A) Declaram constituir uma sociedade nos termos dos artigos seguintes: Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

Fundo de Segurança Social Serviço de Declarações Electrónicas

Fundo de Segurança Social Serviço de Declarações Electrónicas 1 Fundo de Segurança Social Serviço de Declarações Electrónicas 2 Serviço de Declarações Electrónicas 1 2 Apresentação do serviço de declarações electrónicas Apresentação do sistema de declarações electrónicas

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Sumário. Serviço Público e Administração Pública

Sumário. Serviço Público e Administração Pública Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública 1.1 Conceito 1.2 Objeto 1.3 Objetivo 1.4 Campo de Aplicação 1.5 Exercício Financeiro 1.6 Regime Orçamentário e Regime Contábil 1.6.1 Regime de Caixa 1.6.2 Regime

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 389

CARTA CIRCULAR Nº 389 Às Instituições Financeiras CARTA CIRCULAR Nº 389 Em conformidade com a Circular nº 492, de 07.01.80, comunicamos que, a partir desta data, as seções 16 12 1, 16 13 2, 16 13 3, 16 13 4, 16 13 5, 16 13

Leia mais

Código de Conduta e Ética Profissional

Código de Conduta e Ética Profissional Código de Conduta e Ética Profissional Universo empresarial SCC*, SAL*,NSDU*,CERTCER* *Identificadas no texto apenas por EMPRESA INTRODUÇÃO Este Código de Conduta e Ética Profissional pretende definir

Leia mais

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto DECRETO N.º 378/X Estabelece medidas de protecção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a exploração sexual e o abuso sexual de crianças e procede à segunda

Leia mais

EXERCÍCIOS. I - anistia, graça e indulto; II - fiança.

EXERCÍCIOS. I - anistia, graça e indulto; II - fiança. Legislação Especial Wallace França EXERCÍCIOS Lei dos Crimes hediondos Art. 1 o São considerados hediondos os seguintes crimes, todos tipificados no Decreto-Lei n o 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código

Leia mais

Regime da Conta Poupança-Condomínio

Regime da Conta Poupança-Condomínio CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Regime da Conta Poupança-Condomínio Todos os direitos reservados à DATAJURIS, Direito e Informática, Lda. É expressamente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 001/15/2017

PROJETO DE LEI Nº 001/15/2017 PROJETO DE LEI Nº 001/15/2017 Súmula: Institui a Ficha Limpa Municipal na nomeação de secretários, diretores e cargos comissionados para a administração direta (Prefeitura e Câmara Municipal) e na administração

Leia mais

PREÇÁRIO DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA VALORES MOBILIÁRIOS

PREÇÁRIO DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA VALORES MOBILIÁRIOS Entrada em vigor: 02-novembro-2016 PREÇÁRIO DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA (Elaborado em cumprimento do disposto no artigo 312.º-G do Código dos Valores Mobiliários) VALORES MOBILIÁRIOS Informações Gerais

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

Anistia e a Regularização de Capitais. Prof. Roberto Quiroga Mosquera

Anistia e a Regularização de Capitais. Prof. Roberto Quiroga Mosquera Anistia e a Regularização de Capitais Prof. Roberto Quiroga Mosquera Contexto Político e Econômico ll Dados Econômicos Dados internos: Déficit 2015 R$ 50bi Downgrade para junk pelas agências de risco:

Leia mais

Imposto Industrial Lei n.º 19/14 de 22 de Outubro

Imposto Industrial Lei n.º 19/14 de 22 de Outubro Imposto Industrial A) Regime Transitório Taxa de II de 30% aplicável já ao exercício de 2014; Obrigatoriedade de todas as empresas terem contabilidade organizada a partir do exercício de 2017; Tributações

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira Curso Profissional de Técnicas de Secretariado. Escola Secundária de Paços de Ferreira

Escola Secundária de Paços de Ferreira Curso Profissional de Técnicas de Secretariado. Escola Secundária de Paços de Ferreira Escola Secundária de Paços de Ferreira Curso Profissional Técnicas de Secretariado Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva Novembro de 2009 Trabalho realizado

Leia mais

Política de. Compliance, Controles Internos e. Prevenção à Lavagem de Dinheiro

Política de. Compliance, Controles Internos e. Prevenção à Lavagem de Dinheiro Política de Compliance, Controles Internos e Prevenção à Lavagem de Dinheiro Documento confidencial - Circulação restrita Compliance e Controles Internos Outubro / 2012 31/12/2015 02 2 ÍNDICE ASSUNTO PAG

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS 1. JUSTIFICAÇÃO Decorrente da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção, datada de 1 de Julho de 2009, entendeu o Conselho de Administração

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTENCIOSO DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTENCIOSO DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular CONTENCIOSO DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular CONTENCIOSO DO PODER

Leia mais

Crime Circunstância Órgão competente Fundamento

Crime Circunstância Órgão competente Fundamento Crime Circunstância Órgão competente Fundamento Doloso contra a vida (Júri) Abuso de autoridade Crimes "Internacionais" Descaminho Militares Autor militar federal e vítima militar Justiça Militar art.

Leia mais

AULA 12: DESPESA PÚBLICA

AULA 12: DESPESA PÚBLICA 1 AULA 12: DESPESA PÚBLICA João Pessoa 2016 Profª Ma. Ana Karla Lucena aklucenagomes@gmail.com Introdução 2 Glossário do Tesouro Nacional: Despesa pública é a aplicação (em dinheiro) de recursos do Estado

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 17 e 18 de Fevereiro 2011 Imposto Predial Urbano Sisa Imposto de Consumo Imposto do Selo Imposto Predial Urbano Incidência objectiva Rendimentos

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei nº 38/VII/2009. de 20 de Abril

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei nº 38/VII/2009. de 20 de Abril ASSEMBLEIA NACIONAL Lei nº 38/VII/2009 de 20 de Abril Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 174º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Leandro Vilain Diretoria de negócios e operações FEBRABAN. Nova Plataforma De Cobrança

Leandro Vilain Diretoria de negócios e operações FEBRABAN. Nova Plataforma De Cobrança Leandro Vilain Diretoria de negócios e operações FEBRABAN Nova Plataforma De Cobrança 1 Objetivo Fortalecer o produto cobrança de forma a proporcionar mais agilidade, segurança e conveniência para a sociedade

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE 13 DE MAIO DE 2009 PONTO 8 DA ORDEM DO DIA

ASSEMBLEIA GERAL DE 13 DE MAIO DE 2009 PONTO 8 DA ORDEM DO DIA ASSEMBLEIA GERAL DE 13 DE MAIO DE 2009 PONTO 8 DA ORDEM DO DIA (DELIBERAR SOBRE A ALIENAÇÃO DE ACÇÕES PRÓPRIAS A TRABALHADORES E MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO DA SOCIEDADE OU DE SOCIEDADES PARTICIPADAS,

Leia mais

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património 1º (Objecto A presente lei cria o Imposto Único sobre o Património (IUP) que se gere pelos princípios e normas previstos nesta lei e pelo respectivo regulamento. 2º IUP- Imposto Único sobre o Património

Leia mais

Algumas questões tiveram um nível relativamente elevado, considerando o cargo a que destinadas. Contudo, não vejo possibilidade de recurso.

Algumas questões tiveram um nível relativamente elevado, considerando o cargo a que destinadas. Contudo, não vejo possibilidade de recurso. Olá, pessoal Para quem não me conhece ainda, meu nome é Renan Araujo e sou professor aqui no Estratégia Concursos, lecionando as matérias de Direito Penal, Processual Penal e Legislação aplicada ao MP

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS

Leia mais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito 1 A presente lei regula as relações jurídico-tributárias geradoras da obrigação de pagamento de taxas às autarquias

Leia mais

AVISO Nº 08/2011 de 15 de Julho

AVISO Nº 08/2011 de 15 de Julho AVISO Nº 08/2011 de 15 de Julho Havendo a necessidade de estabelecer regras complementares à regulação do processo de instrução do pedido de constituição, bem como estabelecer os requisitos mínimos de

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO Sumário INTRODUÇÃO... 3 LAVAGEM DE DINHEIRO... 3 FERRAMENTAS DE COMBATE E PREVENÇÃO AOS CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO... 4 KNOW YOUR CLIENT KYC... 5 MONITORAMENTO...

Leia mais

Deliberação n.º 515/2010, de 3 de Março (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010)

Deliberação n.º 515/2010, de 3 de Março (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) Define os elementos que devem instruir a notificação, a efectuar ao INFARMED, I. P., do exercício da actividade de distribuição por grosso de dispositivos

Leia mais

Lei n.º 2/92. De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º - Objecto. ARTIGO 2º - Modalidade

Lei n.º 2/92. De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º - Objecto. ARTIGO 2º - Modalidade Lei n.º 2/92 De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º - Objecto A presente lei estabelece as condições de atribuição, aquisição, perda e requisição da Nacionalidade Guineense. ARTIGO 2º

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

Decreto-Lei nº 204/2008, de 14 de Outubro

Decreto-Lei nº 204/2008, de 14 de Outubro Decreto-Lei nº 204/2008, de 14 de Outubro O Serviço de Centralização de Riscos de Crédito consagrado no Decreto-Lei nº 29/96, de 11 de Abril, tem vindo a cumprir os seus objectivos, dando resposta à necessidade

Leia mais

A EQUIPE DO DIREITO CONCENTRADO ESTÁ COM VOCÊ!

A EQUIPE DO DIREITO CONCENTRADO ESTÁ COM VOCÊ! Olá CONCENTRADOS! Como está a sua preparação para a 2ª fase da OAB? Muito estudo e dedicação? Sabemos como é difícil conseguir conciliar tudo nesta fase, o período é curto, a matéria longa e você precisa

Leia mais