UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO EM USINA SUCROALCOOLEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO EM USINA SUCROALCOOLEIRA"

Transcrição

1 PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO EM USINA SUCROALCOOLEIRA Qualificação apresentada ao Programa de Mestrado em Engenharia de Produção da Universidade Paulista UNIP. Orientador: Prof. Dr. José Benedito Sacomano Área de Concentração: Engenharia de Produção. Linha de Pesquisa: Redes de Empresas e Planejamento da Produção. Projeto de Pesquisa: Planejamento e Controle da Produção. SILVÂNIO MÁRCIO FERNANDES SÃO PAULO 2009

2 UNIVERSIDADE PAULISTA PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO EM USINA SUCROALCOOLEIRA SILVÂNIO MÁRCIO FERNANDES Orientador: Prof. Dr. José Benedito Sacomano Área de concentração: Engenharia de Produção Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Paulista para obtenção do título de Mestre. SÃO PAULO 2009

3 Fernandes, Silvânio Márcio Planejamento e controle da produção em usina sucro alcooleira / /Silvânio Márcio Fernandes São Paulo, f.:il. Color. Dissertação (mestrado) Apresentada ao Instituto de Ciências Exatas da Universidade Paulista, São Paulo, Área de Concentração: Gestão de sistemas de operação Orientação: Prof. José Benedito Sacomano 1. Usinas sucroalcooleiras. 2. Controle da produção. 3. Planejamento da produção. I. Título.

4 Agradecimentos - A Deus pela proteção constante e aos aproximadamente 47 mil quilômetros rodados para a realização desta pesquisa. - Ao Professor Dr. José Benedito Sacomano pela compreensão, incentivo e pela orientação para a realização deste trabalho. - À minha esposa, Célida Regina Miquelino Fernandes, pelo amor, carinho, pela espera e motivação constante em minha vida. - Aos meus filhos Felipe e Andreza pelo amor e compreensão. - À minha mãe, Orfalina Palhares de Matos, pela dedicação e ter ensinado muito cedo que o trabalho conduz o ser humano a uma vida digna e honrada. - Ao meu pai, Denizio Fernandes de Matos, pelo amor, carinho e alegria de viver. - Ao Luiz Alberto Uliani pelo apoio e compreensão. - À Dorotea Cândida Magalhães pela atenção dedicada a deste trabalho. - Ao Ricardo Naufel de Toledo pela amizade e oportunidade de crescimento. - Ao José Willams da Silva Luz Superintendente Industrial da Usina Caeté pelo apoio pleno a este trabalho. - Ao Professor Fernando Pedra pelo apoio a esta pesquisa. - José Henrique Nunes Pela atenção e incentivo.

5 RESUMO FERNANDES, S. M. Planejamento e Controle da Produção Em Usina Sucroalcooleira. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção Instituto de Ciências Exatas, Universidade Paulista Palavras Chave: Usinas Sucroalcooleiras, controle da produção, planejamento e controle da produção O presente trabalho trata de analisar o Planejamento e Controle da Produção de uma unidade produtora de açúcar e álcool, entender o processo de fabricação destes produtos levando se em conta as características de um produto completamente diferente dos processos produtivos de outros segmentos como, por exemplo, o do metal mecânico. O trabalho tem por objetivo estudar como é realizado o planejamento e controle da produção e quais os recursos são disponibilizados para este controle levando se em consideração as características da produção em Massa ou Processo Contínuo do setor sucroalcooleiro. A dissertação procura identificar as adequações dos PEGEMs - Paradigmas Estratégicos de Gestão da Manufatura e sua relação com as estratégias do Planejamento e Controle da Produção PCP, direcionando as decisões a serem tomadas para a melhor forma de administração da produção do setor. O estudo de caso examina as técnicas e evoluções usadas no Planejamento e Controle da Produção e identifica qual ou quais PEGEMs deverá ou deverão ser implantado para auxiliar a empresa a alcançar determinados objetivos de desempenho, aumentando desta forma seu poder competitivo. Nesta fase compreende também a visualização e comparações dos sistemas de controle da produção utilizado pela usina e sua relação com a revisão bibliográfica realizado pelo autor.

6 ABSTRACT FERNANDES, S. M. Planning and Control of Production in Plants Sucroalcooleira. Dissertation of Master in Production Engineering - Institute of Exact Sciences, Paulista University in Words - Key: Plants Sucroalcooleiras, control of production, planning and control of production This work is to consider the Planning and Control of Production of a plant producing sugar and alcohol, understand the process of manufacturing these products is taking into account the characteristics of a product completely different production processes of other segments, such as the metal mechanic. The work aims to study how it conducted the planning and control of production and what resources are available for this control is taking into account the characteristics of mass production or continuous process of sugar-alcohol sector. The dissertation seeks to identify the adequacy of PGEMs - Paradigms of Strategic Management of Manufacturing and its relation to the strategies of Planning and Control of Production - CFP, directing the decisions to be taken for better management of the production sector. The case study examines the trends and techniques used in the Production Planning and Control and identifies what or whom SMMPs should be deployed to assist the company to achieve certain performance goals, thereby increasing their competitive power. This phase also includes the viewing and comparison of production control systems used by the plant and its relationship with the literature review conducted by the author.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1 Evolução da produção do etanol Figura Visão de independência do petróleo Figura: Definição de novas tecnologias e processos Figura: 2.4 Central de Operações Integradas COI Figura: Central de Operações Integradas COI Figura Nova fronteira para expansão do setor de bioenergia Figura: Software Flex Fuel Sensor SFS Figura: Vendas de veículos por tipo de combustível Figura: Brasil: produção de cana-de-açúcar, açúcar e etanol Figura: Cadeia de álcool combustível e seus participantes Figura: Cana-de-açúcar processada pelas usinas brasileiras Figura: Produção de etanol pelas indústrias brasileiras Figura: Produção de açúcar pelas indústrias brasileiras Figura EUA: Projeção de oferta e demanda de etanol (bilhões de litros) Figura UE: Projeção de oferta e demanda de etanol (bilhões de litros) Figura: 2.16 Produtores de gases do efeito do estufa Figura 2.17 Licenças ambientais Figura: Desafio para a humanidade: diversificar as fontes de energia Figura Potencial de co-geração em Minas Gerais ( ) Figura: Disponibilidade de terras aráveis Figura 3.1. Fluxograma das atividades que compõem a etapa de CCT Figura 3.2. Configurações processos e produtos Figura: 4.1 Principais causas por trás da recente revalorização da manufatura Figura 4.2 Insumos, processos de conversão e saídas Figura 4.3 Esquemas dos Sistemas de Produção Figura PEGEM Figura Visão Geral do inter-relacionamento das atividades do PCP Figura Origem do planejamento-mestre da produção Figura A estrutura do Planejamento e Controle da Produção Figura 5.4: A estrutura do Controle da Produção Figura Hierarquia dos planos de produção Figura 5.6- Ciclo PDCA Figura Ciclo PDCA e o ciclo SDCA Figura Ciclo de resolução de problemas Figura Abrangência do MRP e do MRP II Figura 5.10 PCP: Antes e depois de Figura 5.11 Inter-relacionamento do processo produtivo e o PCP Figura Hierarquia dos planos de produção Figura Sonda mostradora de cana Figura 5.14 e Laboratório industrial Figuras 5.16 e 5.17 COI Central de Operações Integradas Figura Coluna de desidratração

8 Figura 6.1 Evolução da manutenção a partir da década de Figura Modelo esquemático de um sistema de produção e seu relacionamento com o sistema de manutenção Figura Rolamento com as partes rolantes com defeitos Figura Espectro de defeito juntamente com o espectro de melhoria LA-H Figura Elementos rolantes do rolamento do motor LA Figura Problema após a intervenção Figura Espetro após a intervenção da equipe de manutenção Figura Espetro de freqüência Figura Analisador de vibrações Figura 6.10 Tela de acesso aos programas Figura 6.11 Curva de Avanço Figura 6.12 Quantidade de horas em Manutenção por equipamento Figura 6.13 Quantidade de ocorrência Figura 6.14 Equipamentos com maiores custos de manutenção Figura 6.15 Custos de manutenção por área Figura 6.16 e 6.17 COI Figura 7.1- Escopo dos ambientes relacionados às mutações do Sistema de Administração de Produção (adaptado de Azzolini 2004) Figura Custo de produção do açúcar Figura Custo de produção de etanol Figura 7.4 Composição da cana-de-açúcar Figura 7.5 Hierarquia dos planos de produção de uma usina Figura 7.6 Fator humano do setor sucroalcooleiro LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Resultado do setor referente à Safra 2006 / Tabela 2.1 Percentuais comparativos nos últimos 10 anos na produção sucroalcooleira Tabela Ocorrências mais comuns relacionados aos problemas ambientais no setor sucroalcooleiro Tabela 2.3 Indicador de Sustentabilidade do Etano Brasileiro Brasil / Sekab Tabela Base de Cálculo de Receita Gerada com Venda de Crédito de Carbono Tabela 4.1: Matriz de classificação e posicionamento dos tipos de manufatura em função do output e do fluxo de produção Tabela 4.2: Classes de sistemas de produção de acordo com o fluxo produtivo Tabela Caracteristicas dos sistemas de produção Tabela 4.4: PEGEMs: princípios e capacitadores exclusivos e objetivos estratégicos ganhadores de pedido relacionados Tabela Descrição das áreas de decisão Tabela Etapas de um modelo de previsão Tabela 5.3 Ciclo PDCA e seus passos Tabela Itens de controle

9 LISTA DE SIGLAS ABRAMAN Associação Brasileira de Manutenção CM - Customização em Massa CONWIP - Constant Work in Process CQ - Controle da Qualidade CP - Controle da Produção E 10 Mistura de 10% de etanol na gasolina ERP - Enterprise Resources Planning (Planejamento dos recursos da companhia) JIT - Just in time MA - Manufatura Ágil MAPA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento da Cana ME - Manufatura Enxuta MMA - Manufatura em Massa Atual MMP - Manufatura em Massa Precedente MPS - Master Production Schedule (Programa Mestre de Produção) MR - Manufatura Responsiva MRP - Material Requirements Planning (Planejamento das Necessidades de Materiais) MRPII - Manufacturing Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Manufatura) OPT - Optimized Production Technology (Sistema de Controle da Produção que se utiliza da abordagem da teoria das restrições) PDCA - Plan - Do - Check Action (Planejar Fazer Checar Agir corretivamente) PCP Planejamento e Controle da Produção PEGEM - Paradigma Estratégico de Gestão da Manufatura PERT - Program Evaluation and Review Technique (Técnica de revisão e avaliação do programa) SICOPROC - Sistema de Coordenação de Ordens de Produção e Compra TPM - Total Productive Maintenance (Manutenção Produtiva Total) TQM - Total Quality Management (Gerenciamento da Qualidade Total) UDOP União dos Produtores de Bioenergia LISTA DE TERMOS ESTRANGEIROS Empowerment - Delegação de responsabilidades Et al - e outros

10 Feedback - retroalimentação Flow-Shop - padrão de fluxo unidirecional ou sistema de manufatura com padrão de fluxo unidirecional Input - entrada Job-shop - padrão de fluxo multi-direcional ou sistema de manufatura com padrão de fluxo multi-direcional Just in time - estratégia de manufatura ou sistema de controle da produção que prega a produção no momento certo Kaizen - mudança incremental Kanban - SICOPROC do sistema just in time Lay out - arranjo físico das máquinas em um setor produtivo Lead time => tempo decorrente entre a notificação da necessidade e o fim da produção ou da compra de um material Marketing - uma função empresarial Mix - conjunto, grupo, combinação

11 1. INTRODUÇÃO Objetivo Objetivo secundário Metodologia Metodologia de pesquisa Pesquisa cientifica Finalidade da pesquisa Método de abordagem Pesquisa exploratória ou descritiva Método escolhido Estrutura do trabalho Justificativa Histórico EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO Pró-Álcool Programa Nacional do Álcool O setor sucroalcooleiro Evolução do setor sucroalcooleiro no Brasil O meio ambiente e sua relação com a produção do Etanol Contribuição do etanol para redução do efeito estufa Sustentabilidade ambiental um desafio para o crescimento Cogeração de energia A relação da produção do etanol e a fome no mundo PROCESSO DE FABRICAÇÃO DO ÁLCOOL Sacarinas Cana-de-açúcar Amostragem Descarga e armazenamento Lavagem da cana Preparo da cana Extração do caldo Moagem Tratamento do caldo misto Peneiramento Sulfitação Calagem Adição de ácido fosfórico e outros auxiliares da clarificação Aquecimento Decantação Filtração Produção de etanol Fermentação Processos descontínuos Processo de corte Processo de decantação

12 Processos de fermentos individuais Processo Melle-Boinot Processos contínuos Sistema em cascata Sistema com um único fermentador Destilação Destilação do vinho para obtenção do etanol GESTÃO DA MANUFATURA E OS NOVOS PARADIGMAS PRODUTIVOS Introdução Administração da Produção Conceitos da Administração da Produção Evolução da Gestão da Manufatura SICOPROC - Sistemas de pedido controlado SICOPROC - Sistemas de estoque controlado que puxa a produção SICOPROC - Sistemas de Fluxo Programado que empurra a produção SICOPROC - Sistemas Híbridos PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PCP Estudo de Caso Introdução Conceitos aplicados ao Planejamento e Controle de Produção Classificação dos sistemas produtivo Classificação das usinas em função de sua estratégia de comercialização Planejamento da Produção Plano de Produção Área de decisão na produção Previsão de demanda Etapas de um modelo de previsão Planejamento-mestre da produção Seqüenciamento e emissão de ordens Seqüenciamento nos processos contínuos Seqüenciamento nos processos repetitivos em massa Seqüenciamento nos processos repetitivos em lote Seqüenciamento nos processos repetitivos por projeto Acompanhamento e Controle da Produção Funções do acompanhamento e controle da produção Controle de processos Medidas de desempenho do processo Sistema MRP II Manufacturing Resources Planning De MRP para MRP II Principais Módulos do MRP II Cadastros básicos MRP Material requirements planning e CRP Capacity requirements planning MRP MPS - Master Production Schedule - e RCCP - Rough Cut Capacity Planning

13 MRP MPS - Master Production Schedule - e RCCP - Rough Cut Capacity Planning S&OP Sales and Operations Planning Estrutura do sistema MRP II Características hierárquica do MRP II Estrutura hierárquica do planejamento de capacidade ERP - Enterprise Resource Planning Estudo de caso Introdução Empresa pesquisada Planejamento e Controle da Produção Introdução Planejamento e controle da produção Sistemas Integrados para o Planejamento e Controle das operações agrícolas e industriais Estratégia de localização Estoques Gestão da manutenção... Erro! Indicador não definido Histórico da manutenção Classificação Básica dos Serviços de Manutenção em Máquinas Gestão da Manutenção - Sua Influência nas Operações Industriais Gestão da Manutenção em uma Unidade Produtora de Açúcar e Álcool Gestão da manutenção aplicada a uma usina de açúcar e álcool ANÁLISES E CONCLUSÕES Análises e Conclusões Áreas de decisão Áreas estruturais Áreas infra-estruturais Paradigmas dos sistemas produtivos Trabalhos futuros BIBLIOGRAFIA

14 14 CAPÍTULO I 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho levou em consideração a importância do segmento sucroalcooleiro e a sua forma de administração da produção. Existe uma forte tendência mundial de substituir de forma constante e gradativa os derivados do petróleo por fontes de energias renováveis. Em função desta tendência, há um potencial de crescimento enorme do setor no mercado externo ocasionado principalmente por três fatores: as oscilações contínuas do preço do petróleo, a pressão crescente da sociedade por combustíveis renováveis e menos poluentes e a expectativa de que no futuro o petróleo vai acabar. O setor conhecido até a presente data como a indústria do açúcar e do álcool compreende um portfólio de produtos com elevado valor agregado como a bioeletricidade, bioplásticos, biorefinarias, alcoquímica entre outros, passando a ser conhecido também como segmento sucroenergético. O aumento da produção do etanol e os novos derivados da cana-de-açúcar mudaram o panorama operacional do setor, transformando os processos semi-artesanais em processos com alto nível de automatização, provocando uma mutação da mão-de-obra que era constituída principalmente de profissionais com atividades braçais e com baixa escolaridade em mão-de-obra especializada com exigência de nível de escolaridade. E que auxilie a gestão operacional dos processos automatizados, utilizando recursos computacionais nas atividades administrativas, no setor rural ou industrial das usinas. As usinas sucroalcooleiras caracterizam-se por produzir em grande escala, sendo classificando-as como empresas de produção em massa ou de fluxo contínuo, portanto, não apresentam grande variedade e diferenciação nos processos e nos produtos, podendo o planejamento da produção ser realizado baseando-se em um único plano mestre de produção o qual poderá ser feito anualmente. As decisões de quanto produzir quanto estocar e quanto investir ficam condicionadas às intempéries advindas da macroeconomia e de uma forte dependência das condições climáticas. Outra situação a ser considerada e a indisponibilidade dos equipamentos destinados à produção em função de paradas para manutenção. Estes são os fatores que têm influência direta na organização do PCP Planejamento e Controle da Produção no segmento sucroalcooleiro.

15 15 Sendo este a primeira dissertação que estuda o Planejamento e Controle da Produção em usina sucroalcooleira, faz-se necessário reservar um capítulo completo para uma breve apresentação da expansão sustentável do setor no Brasil com projeções a nível mundial. Este capítulo visa estabelecer, primeiramente, um ambiente propício para a compreensão das principais causas que levaram a evolução crescente do setor nos últimos anos e apresentar os principais fatores que alavancaram o consumo do etanol. Mostrar o novo cenário que se estabeleceu com a introdução dos carros bicombustíveis no mercado, os quais exigiram maior confiabilidade nos contratos de fornecimento de etanol e foram responsáveis por promoveram profundas modificações nos processos produtivos do setor, exigindo maior agilidade e produtividade na manufatura dos derivados da cana-de-açúcar. Além de descrever o processo evolutivo do setor, esta dissertação também procura apresentar as tecnologias utilizadas para a fabricação do etanol, assim como apresentar as principais ferramentas de planejamento e controle da produção utilizadas numa unidade produtora de açúcar e etanol. A indústria sucroalcooleira basicamente divide as suas atividade em três produtos, açúcar, álcool e co-geração de energia, sendo que o etanol foi o escolhido como objeto de estudo desta dissertação, em razão, principalmente, dos seguintes motivos: 1. O etanol é visto como substituto factível à gasolina em varias parte do mundo, aumentando desta forma o interesse crescente por este produto devido a inconstância no preço do petróleo e ao impacto da queima de combustíveis fósseis no aquecimento global. 2. Existe dados estatísticos que o setor sucroalcooleiro é um dos segmentos que mais têm crescido nos últimos anos em números de industrias, investimentos, produção e geração de oportunidades de trabalho. 3. O etanol ainda tem um potencial muito grande a ser explorado, que é o mercado mundial de combustíveis, portanto, a cana-de-açúcar tende a se manter como a biomassa mais competitiva para produção de etanol. 4. O etanol tem um papel cada vez mais importante na matriz energética brasileira não só no que se refere aos biocombustíveis, mas também na co-geração de energia. Outra face que esta dissertação aborda é a imagem do etanol no Brasil e no mundo que ainda é péssima em função da queima da cana-de-açúcar, do enriquecimento dos

16 16 usineiros, da indústria da fome e da exploração da mão-de-obra. Mas, o setor pode representa uma das alternativas para o aquecimento global, uma solução social, via geração de emprego fora dos grandes centros e como solução ambiental. Os Estados Unidos e os países da União Europeia abrem no Brasil oportunidades no mercado de álcool ou no mercado de açúcar. No entanto, terão vantagens as empresas e principalmente as regiões que avançarem nos aspectos: Sociais, e; Ambientais. Por se tratar de uma dissertação que observou ao longo dos meses a gestão do PCP, foi necessário um estudo a respeito das estratégias de manufatura que privilegia autores como CORRÊA (2001), FERNANDES F.C.F (1991), VOLMANN (1997), SLACK (2002), CONTADOR (1996), TUBINO (2000), GODINHO (2004), AZZOLINI (2004) e outros que conduziram suas conclusões teóricas condizentes com a atual forma de gestão das operações industriais do momento contemporâneo em que vive as industrias brasileiras e em especial, neste caso, as industrias sucroalcooleiras. Os estudos realizado pelo Godinho (2004) Paradigmas Estratégicos de Gestão da Manufatura, nortearam este trabalho, onde os novos paradigmas produtivos que hoje vigoram no mercado também foram cuidadosamente estudados e confrontados com a forma de planejar e controlar a produção de uma unidade produtora de açúcar e álcool. Essas questões são importantes na dissertação porque, os paradigmas definem a forma mais eficiente que se deve conduzir a produção industrial. Trata-se, portanto, de conceitos essenciais para o bom entendimento dos paradigmas, suas respectivas modalidades de produção e a seleção mais adequada dos sistemas de gestão da produção. A indústria sucroalcooleira tem alguns fatores que influenciam na produção como a qualidade da canade-açúcar, o clima e o alto desgaste dos equipamentos disponibilizados para a produção. A definição correta dos paradigmas pode auxiliar as usinas no planejamento e controle da produção contribuindo com a eficiência dos processos produtivos tornando-as mais competitivas

17 Objetivo Caracterizar as funções do Planejamento e Controle da Produção dentro de uma usina produtora de açúcar e álcool tomando-se como referencial os conceitos utilizados pela Engenharia de Produção. Explicitar quais os sistemas de controle são utilizados para o Planejamento e Controle da Produção tendo em vista o processo produtivo do etanol Objetivo secundário Apresentar o panorama da produção do etanol no Brasil levando-se em consideração os aspectos técnicos, políticos, ambientais e sociais que envolvem a manufatura do etanol. 1.2 Metodologia Metodologia de pesquisa Para a escolha do método de pesquisa desta dissertação foram estudados diferentes conceitos de diversos autores. Com foco no cenário de expansão do setor sucroalcooleiro que apresenta uma série de inovações em seus processos produtivos e gerenciais, houve a necessidade do pesquisador de conhecer a realidade do setor, através de visitas a uma unidade produtora de açúcar e álcool ao longo do ano de As conclusões e análises foram confrontadas com outras empresas da região com o objetivo de verificar a sistematização dos processos pesquisados Pesquisa cientifica A pesquisa cientifica é definida segundo alguns autores como sendo: procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos (GIL, 1994, p.19). 2. Asti Vera, citado por Lakatos (1989, p.15) afirma que o significado da palavra não parece ser muito claro ou, pelo menos, não é unívoco. Para a autora há vários

18 18 conceitos sobre pesquisa, nos diferentes tipos de conhecimento humano. Ainda afirma que o ponto de partida da pesquisa encontra-se no problema que se deverá definir, examinar, avaliar, analisar criticamente, para depois ser tentada uma solução. 3. o significado da palavra não parece ser muito claro ou, pelo menos, não é unívoco, pois há vários conceitos sobre pesquisa, nos diferentes tipos de conhecimento humano. Ainda afirma que o ponto de partida da pesquisa encontra-se no problema que se deverá definir, examinar, avaliar, analisar criticamente, para depois ser tentada uma solução. Asti Vera, citado por Lakatos (1989, p.15) a pesquisa é uma indagação minuciosa ou exame crítico e exaustivo na procura de fatos e princípios; uma diligente busca para averiguar algo. Pesquisar não é apenas procurar a verdade; é encontrar respostas para questões propostas, utilizando métodos científicos. Webster s Internacional Dictionary citado por Lakatos (1989, p.15). 5. Já para o estudioso AnderEgg, citado por Lakatos (1989, p.15): a pesquisa é um procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis, em qualquer campo do conhecimento. É, portanto, um procedimento formal, com método de pensamento reflexivo, que requer um tratamento científico e se constitui no caminho para se conhecer a realidade ou para descobrir verdades parciais Finalidade da pesquisa Gil (2002) descreve, com muita clareza, por que as pesquisas são realizadas. Ressalta que os motivos partem de razões organizadas, que podem ser classificadas em dois grandes grupos: a) Razão de ordem intelectual: decorre do desejo de conhecer pela própria satisfação do conhecer, e é também conhecida como pesquisa pura. Geralmente os resultados gerados por uma pesquisa pura não têm uma aplicabilidade imediata, ou seja, é um conhecimento construído e poderá ser utilizado em outras situações. Conduz à descoberta de princípios científicos (leis, teorias, conceitos, explicações) e pode conduzir a conhecimentos passíveis de aplicação prática imediata.

19 19 b) Razão de ordem prática: decorre do desejo de conhecer com vistas a fazer algo de maneira mais eficiente ou eficaz e é também conhecida como pesquisa aplicada. Geralmente os resultados gerados por essa pesquisa têm uma aplicabilidade imediata. É um conhecimento construído e poderá ser utilizado na melhoria ou até mesmo na criação de novos produtos e ou serviços. A pesquisa prática ou aplicada conduz a conhecimentos passíveis de aplicação prática imediata e que pode conduzir, ou seja, não assegura que de fato irá conduzir à descoberta de princípios científicos (leis, teorias, conceitos, explicações). Para Trujillo citado por Lakatos (1989, p.16), a pesquisa tem como objetivo tentar conhecer e explicar os fenômenos que ocorrem no mundo existencial, ou seja, como esses fenômenos operam, qual a sua função e estrutura, quais as mudanças efetuadas, porque e como se realizam, e até que ponto pode sofrer influências ou ser controlados Método de abordagem Para Lakatos & Marconi (1991) existem quatro tipos de métodos de abordagens para realização da pesquisa, os quais vão destacar a seguir: 1. Método indutivo: quando a aproximação dos fenômenos caminha geralmente para os planos cada vez mais abrangentes, indo das constatações mais particulares às leis ou teorias; 2. Método dedutivo: partindo das teorias e leis, na maioria das vezes prediz a ocorrência dos fenômenos particulares; 3. Método hipotético-dedutivo: inicia-se pela percepção de uma lacuna nos conhecimentos acerca da qual formula hipóteses e, pelo processo de inferência dedutiva, testa a presença da ocorrência de fenômenos abrangidos pela hipótese; 4. Método dialético: penetra o mundo dos fenômenos e da mudança dialética que ocorre na natureza e na sociedade.

20 Pesquisa exploratória ou descritiva O tipo de pesquisa é realizado em função do determinado problema a ser investigado. Tipos de pesquisas segundo Salomon (1991): 1. Pesquisa exploratória: pesquisar sobre um determinado assunto, descrever comportamentos ou classificar fatos e variáveis. 2. Pesquisa pura ou teórica: explorar a definição e a descrição de problemas na busca da interpretação e da predição dos mesmos por meio de teorias, leis ou modelos; 3. Pesquisa aplicada: Aplicar leis, teorias e modelos na descoberta de soluções ou no diálogo da realidade Método escolhido Para o levantamento de dados teóricos e práticos para direcionar este trabalho e apontar respostas para algumas indagações que sugiram ao longo do trabalho, o pesquisador usou os seguintes processos para a aquisição do conhecimento: Caráter do estudo = Exploratório ou descritivo Método de abordagem = Hipotético dedutivo Abordagem = Qualitativa Método de pesquisa = Estudo de caso 1. 3 Estrutura do trabalho Esta dissertação foi estruturada em 07 capítulos, conforme mostrado a seguir. No capítulo 1 é feita a apresentação do trabalho, são mostrados os objetivos, a metodologia de pesquisa, a justificativa do trabalho e também apresenta um breve histórico do setor sucroalcooleiro. No capítulo 2 apresentada a evolução do setor sucroalcooleiro ao longo dos anos fazendo uma abordagem a nível mundial e apresentando as principais estratégias utilizadas para a conquista da competitividade.

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Álcool combustível histórico e situação atual no Brasil

Álcool combustível histórico e situação atual no Brasil Álcool combustível histórico e situação atual no Brasil Doutorando: Julio Cesar Neves dos Santos Orientadora: Profa. Ph.D Eunice Maia de Andrade O que é Álcool combustível? Histórico UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos MARÇO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Histórico...3

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 24 e 25 de outubro de 2013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO PARCERIAS INTERORGANIZACIONAIS: ESFORÇO INOVADOR NO SETOR DE AÇÚCAR E ÁLCOOL JEFFERSON SILVA DE PÁDUA

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

Carro flex com etanol: uma atitude inteligente.

Carro flex com etanol: uma atitude inteligente. Carro flex com etanol: uma atitude inteligente. O carro flex, abastecido com álcool combustível, o etanol, é uma arma poderosa no combate ao aquecimento global, um dos principais problemas que o mundo

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroenergético e a Importância da Escala de Geração. Nivalde J. de Castro Guilherme de A.

Fusões e Aquisições no Setor Sucroenergético e a Importância da Escala de Geração. Nivalde J. de Castro Guilherme de A. Fusões e Aquisições no Setor Sucroenergético e a Importância da Escala de Geração Nivalde J. de Castro Guilherme de A. Dantas TDSE Textos de Discussão do Setor Elétrico Nº14 Novembro de 2009 Rio de Janeiro

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório

Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório 14 de abril de 2007 Senado Federal Produção Sucroalcooleira: Introdução Agroindústrias: processam um produto agrícola Cana-de-açúcar: Origem

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Leonardo Lopes Bhering leonardo.bhering@embrapa.br In: 5º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Guarapari ES, 13

Leia mais

MERCADO DO ETANOL BRASILEIRO: COMPOSIÇÃO DE PREÇOS E PERSPECTIVAS

MERCADO DO ETANOL BRASILEIRO: COMPOSIÇÃO DE PREÇOS E PERSPECTIVAS MERCADO DO ETANOL BRASILEIRO: COMPOSIÇÃO DE PREÇOS E PERSPECTIVAS Sara Lucia da Silva Ribas (UFOP) saraluribas@yahoo.com.br Bruna de Fatima Pedrosa Guedes Flausinio (UFOP) brunafpguedes@gmail.com Este

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS Prof. Drº Nilton Cesar Lima Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Universidade Federal de Alagoas AGENDA Objetivos

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo, 26 de maio de 2011 SOBRE A UNICA Maior organização representativa

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 CREEM 2005 Energia de Biomassa I C Macedo NIPE/UNICAMP UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 Energia de biomassa no mundo 45±10 EJ/ano (~16 comercial; 7 moderna ); em ~400 EJ Pode crescer para 100-300

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO S E T O R D E P R O M O Ç Ã O C O M E R C I A L BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE ÁLCOOL NO JAPÃO 1. Definição da Categoria do Produto A categoria enquadra-se no Grupo 22 da

Leia mais

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento:

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: Incentivar o Etanol e o Biodiesel (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: O governo adota medidas econômicas de forma a ampliar relativamente o emprego dos dois combustíveis. O termo ampliar relativamente

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

6 Indústria do Etanol e Açúcar no Brasil

6 Indústria do Etanol e Açúcar no Brasil 60 6 Indústria do Etanol e Açúcar no Brasil 6.1 Overview do Mercado Brasileiro "Somos e seremos os campeões mundiais de energia limpa, um país que sempre saberá crescer de forma saudável e equilibrada.

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Central de Cases COSAN: uma nova potência mundial? www.espm.br/centraldecases

Central de Cases COSAN: uma nova potência mundial? www.espm.br/centraldecases Central de Cases COSAN: uma nova potência mundial? www.espm.br/centraldecases Central de Cases COSAN: uma nova potência mundial? Preparado pelos Profs. Drs. Richard Lucht e Júlio César Bastos de Figueiredo,

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL Marcelo Cavalcanti Guerra Recife, 22 de julho de 2014. 11 PRODUÇÃO / CONSUMO ETANOL BRASIL ÚLTIMOS 5 ANOS ANIDRO (M3) HIDRATADO (M3) ANO PRODUÇÃO

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar Marcello Cuoco Rio de Janeiro, 28/11/11 AGENDA Overview dos mercados de Energia e Açúcar Perspectivas do mercado de Etanol ETH AGENDA Overview dos mercados

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2014 CEPEA - AÇÚCAR & ETANOL I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional

Leia mais

etanol e bioeletricidade!!). Ora a cana de açúcar se presta a ambas as tecnologias mencionadas. Ao converter açúcar em etanol, nas dornas de

etanol e bioeletricidade!!). Ora a cana de açúcar se presta a ambas as tecnologias mencionadas. Ao converter açúcar em etanol, nas dornas de Comentários sobre o Resumo do Segundo Seminário Internacional sobre Uso Eficiente do Etanol, realizado nos dias 17 e 18 de setembro de 2015, no Auditório do BNDES, Rio de Janeiro, RJ, organizado pelo INEE.

Leia mais

Abioeletricidade cogerada com biomassa

Abioeletricidade cogerada com biomassa bioeletricidade Cana-de-Açúcar: um pr energético sustentável A cana-de-açúcar, a cultura mais antiga do Brasil, é hoje uma das plantas mais modernas do mundo. A afirmação é do vice-presidente da Cogen

Leia mais

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS CICLO DE DEBATES O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE ASSSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS BELO HORIZONTE - MG 29/10/2009 A CANA COMO

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Junho de 2015 Cotação do açúcar deve seguir em baixo patamar, refletindo elevado nível de estoques globais Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos O nível de estoques de açúcar

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional?

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Com a participação ativa dos Metalúrgicos da CNM/CUT, em 3 de outubro de 2012 o Governo Federal publicou o decreto 7.819/2012 1 que

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Considerações sobre a indústria do etanol do Brasil. A experiência brasileira da produção e uso do álcool combustível: o Proálcool

Considerações sobre a indústria do etanol do Brasil. A experiência brasileira da produção e uso do álcool combustível: o Proálcool Considerações sobre a indústria do etanol do Brasil Márcia Azanha Ferraz Dias de Moraes 1 A experiência brasileira da produção e uso do álcool combustível: o Proálcool Em novembro de 1975, por meio do

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

Programação da produção adequada à realidade

Programação da produção adequada à realidade Divulgação TECNOLOGIA Programação da produção adequada à realidade Com a implantação de um sistema APS, de planejamento e programação detalhada da manufatura, desenvolvido pela Ortems, a fábrica da filial

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Maico Jeferson de Oliveira (UTFPR) maico@agraria.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL Maurílio Biagi Filho Roteiro Evolução e perspectivas da indústria sucroalcooleira no Brasil. Brasil: potencial para aumento da produção e produtividade. Expansão

Leia mais

Reunião Pública 2013 Safra 13/14

Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Grupo São Martinho 300.000 ha Área agrícola de colheita 4 usinas São Martinho, Iracema, Santa Cruz e Boa Vista 21 milhões de tons Capacidade de processamento de cana de

Leia mais

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA 1 A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA INTRODUÇÃO As recentes altas dos preços dos alimentos remetem a vários questionamentos de

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil O Panorama brasileiro e mundial Diego Nyko - Departamento de Biocombustíveis Rio de Janeiro, 07-04-2015 // 1 1 Agenda 1. Contexto setorial: produtividade

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 Este é um documento em progresso. A CNI

Leia mais

Estimativa do Comportamento dos Preços dos Insumos do TRC para 2008

Estimativa do Comportamento dos Preços dos Insumos do TRC para 2008 Estimativa do Comportamento dos Preços dos Insumos do TRC para 2008 Estimativa é método de cálculo da facturação, utilizado na ausência de leituras reais, que consiste na determinação de valores de consumo

Leia mais

Panorama do Setor de Açúcar e Álcool. Alexandre Enrico Figliolino

Panorama do Setor de Açúcar e Álcool. Alexandre Enrico Figliolino Panorama do Setor de Açúcar e Álcool Alexandre Enrico Figliolino SETEMBRO, 2012 SUMÁRIO SEÇÃO 1 SEÇÃO 2 SEÇÃO 3 SEÇÃO 4 SEÇÃO 5 Avaliação Setorial Desempenho Econômico-Financeiro Quadro Evolutivo Setorial

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL Cintia de Souza Oliveira 8662479 Karina Siqueira 8658676 Verônica Carvalho

Leia mais

Agro-Combustíveis e segurança alimentar

Agro-Combustíveis e segurança alimentar Agro-Combustíveis e segurança alimentar Jean Marc von der Weid Novembro/2008 Não há dúvida de que estamos vivendo o início de uma grave crise alimentar mundial. Após décadas de excedentes na produção agrícola

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Alexandre de Souza Correa¹; Jaylton Bonacina de Araujo² UFGD/FACE Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

$ $ À espera da competitividade

$ $ À espera da competitividade etanol À espera da competitividade foi mais um ano de sufoco para o setor sucroalcooleiro, que ainda sente os reflexos da crise de 2008, que deixou as usinas sem crédito, justamente quando haviam assumido

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA Al nº 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Estudar a retomada do Programa Nuclear Brasileiro, com o enfoque nos aspectos econômico e científico-tecnológico,

Leia mais

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina 1. Quem somos 2. O que é o Ethabiodiesel 2.1. Diferencial competitivo 2.2. Certificações/Autorizações 3. Transportes com Ethabiodiesel Quem somos Vinna

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais