UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS TATIANE MEIER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS TATIANE MEIER"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS TATIANE MEIER PROPOSTA DE PLANO DE NEGÓCIOS PARA MICROEMPRESA DO RAMO EDUCACIONAL JOINVILLE, SC 2013

2 1 TATIANE MEIER PROPOSTA DE PLANO DE NEGÓCIOS PARA MICROEMPRESA DO RAMO EDUCACIONAL Trabalho de Graduação apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Engenheiro de Produção e Sistemas. Orientador: Dr. José Oliveira da Silva JOINVILLE, SC 2013

3 2 TATIANE MEIER PROPOSTA DE PLANO DE NEGÓCIOS PARA MICROEMPRESA DO RAMO EDUCACIONAL Trabalho de Graduação aprovado como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheira do curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora Orientador: Dr. José Oliveira da Silva Membro: Msc. Alan Christian Schmitt Membro: Msc. Valdésio Benevenutti

4 3 AGRADECIMENTOS Primeiramente agradeço a Deus, por ter me guiado, por ter dado forças, me carregado em momentos difíceis e proporcionado o necessário para chegar até aqui. Agradeço aos meus pais, irmã e toda a minha família pelo apoio e por ter estado junto, mesmo estando longe. Agradeço ao Fernando, meu noivo, por ter mudado a minha vida e enchido-a de alegria. Gostaria de agradecer também aos amigos que estiveram presentes, há muitos anos e também aos mais recentes, vocês são anjos que Deus colocou no meu caminho. Agradeço também aos professores que me acompanharam desde o meu primeiro dia de aula, há 17 anos, até os atuais, que se dispuseram a compartilhar o seu conhecimento. Enfim, agradeço a todos que de alguma forma contribuíram para que este momento chegasse e que se envolveram para que fosse possível.

5 4 TATIANE MEIER PROPOSTA DE PLANO DE NEGÓCIOS PARA MICROEMPRESA DO RAMO EDUCACIONAL RESUMO Na atualidade, muitos pesquisadores têm verificado que o planejamento, principalmente antes de se iniciar um negócio, gera muitos benefícios aos empreendedores, entre eles estão o conhecimento do mercado e da viabilidade financeira, e o mais importante, o aumento nas chances de sobrevivência da empresa nos seus anos iniciais. O objetivo deste trabalho foi principalmente mostrar que os micro e pequenos empreendimentos devem possuir um plano de negócios, e que ele seja atualizado periodicamente, para que funcione como ferramenta de gestão. Para tanto, foi criada uma proposta de plano de negócios para uma microempresa individual do setor educacional, pois este empreendimento não possuía inicialmente nenhuma informação detalhada do seu planejamento, ou das suas finanças, sabia-se que o negócio era lucrativo, mas não qual seu valor real. Para elaborar o plano de negócios do empreendimento foi verificado seu estado atual e a partir deste resultado foram sugeridas ações para o futuro. O negócio estudado é de uma pedagoga que ministra aulas particulares a crianças com dificuldades de aprendizagem em horário extracurricular, que passou por algumas dificuldades pouco depois de sua criação. A elaboração deste plano de negócios permitiu à microempresária individual um maior conhecimento em outras áreas além do conhecimento técnico na sua área de atuação, como nas áreas financeira, de marketing e de gestão. Com a criação de um Plano de Negócios pôde-se obter e verificar os números reais da empresa, que apresentaram bons resultados, bem como gerar estratégias específicas para os objetivos do empreendimento. Além disso, foi elaborada uma Matriz SWOT para analisar o plano de negócios criado. PALAVRAS-CHAVE: Plano de Negócios, Planejamento, Micro e Pequenas Empresas, Ramo Educacional.

6 5 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Fatores que influenciam no processo empreendedor...15 Figura 2 O processo empreendedor...16 Figura 3 Taxa de mortalidade de empresas de 2 anos, evolução no Brasil...17 Figura 4 Estrutura de plano de negócios para pequenas empresas em geral...24 Figura 5 Estrutura de plano de negócios utilizada para a MEI estudada...26 Figura 6 Layout da sala de aula...32 Figura 7 Receita x Custos...39

7 6 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Empreendedores iniciais segundo motivação, no Brasil...12 Quadro 2 Fatores associados ao sucesso ou extinção de empresas...19 Quadro 3 Tipos de empresas e suas características...21 Quadro 4 Comparação entre MEI estudada e concorrentes...34 Quadro 5 Investimento inicial...37 Quadro 6 Cronograma de ações estratégicas...43 Quadro 7 Matriz SWOT do plano de negócios...45

8 7 LISTA DE ABREVIATURAS AJORPEME Associação de Joinville e Região da Pequena, Micro e Média Empresa CEMPRE Cadastro Central de Empresas EI Empresa Individual EIRELI Empresa Individual de Responsabilidade Limitada EPP Empresa de Pequeno Porte GEM Global Entrepreneurship Monitor ou Monitor do Empreendedorismo Global IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ME Micro Empresa MEI Micro Empresa Individual MPE Micro e Pequenas Empresas MTE Ministério do Trabalho e Emprego SBA Small Business Administration ou Administração de Pequenos Negócios SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SWOT Strengths, Weaknesses, Opportunities, Threats ou Forças, Fraquezas, Oportunidades, Ameaças

9 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA EMPREENDEDORISMO Características do Espírito Empreendedor O Processo Empreendedor ESTATÍSTICAS Causas da Mortalidade de Empresas DIFERENÇAS ENTRE TIPOS DE EMPRESAS Empresa Individual Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Sociedade Limitada PLANO DE NEGÓCIOS PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS MÉTODO DA PESQUISA ETAPAS DA PESQUISA Formulação do Problema Coleta e Análise dos Dados Elaboração da Proposta ESTUDO DE CASO SITUAÇÃO ATUAL SITUAÇÃO PROPOSTA Sumário Executivo O negócio Declaração de missão Declaração de visão Descrição da Empresa Localização e infra estrutura Serviços Mercado e Competidores Consumidores Marketing...36

10 Estratégias de serviço Estratégias de preço Estratégias de propaganda / comunicação Plano Financeiro Investimentos Custos e despesas fixos e variáveis Receita Ponto de equilíbrio Lucro Análise Estratégica Ambiente externo Ambiente interno Objetivos Definição de estratégias CONSIDERAÇÕES GERAIS CONCLUSÃO...47 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...49 APÊNDICE A...53

11 10 1 INTRODUÇÃO Nos dias atuais, a criação de novos empreendimentos vem aumentando significativamente, e de acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE, 2011), dos negócios criados todos os anos, 99% deles são micro e pequenas empresas. Os empresários envolvidos nesses processos de criação de empresas, conforme Dornelas (2008), nem sempre possuem conceitos de gestão de negócios, atuando geralmente de forma empírica e sem planejamento. Isso se reflete diretamente no índice de mortalidade dessas pequenas empresas que, em alguns casos, superam os 50% nos primeiros anos de atividade. Estes números têm melhorado nos últimos anos para resultados de sobrevivência acima dos 70% e por isso podem ser comparados com países como Finlândia, Itália e Espanha. Uma pesquisa realizada pelo Small Business Administration (SBA) nos Estados Unidos comprovou que 98% das empresas que fracassaram em 1998, obtiveram este resultado por causas de falha ou falta de planejamento adequado para o negócio. Atualmente já existem técnicas e métodos eficientes para auxiliar as empresas tanto no seu desenvolvimento, quanto no seu amadurecimento, e uma das principais ferramentas para o empreendedor conseguir chegar nestes objetivos é o plano de negócios. Sua importância está associada diretamente à sobrevivência das empresas em geral, pois o planejamento propicia uma análise de todas as áreas necessárias para o bom funcionamento do empreendimento, mostra de forma verdadeira informações do mercado e as chances do negócio, além de poder ser utilizado como documento para obtenção de recursos financeiros (DORNELAS, 2008). Ao se analisar uma determinada micro empresa individual que atua no setor de ensino, verificou-se que a mesma está passando por dificuldades em relação ao planejamento e finanças, e em virtude disso pode fechar suas portas e este é o principal motivo que justifica a elaboração de um plano de negócios. Neste contexto, expõe-se a pergunta problema deste trabalho, que é: como aumentar a expectativa de vida da microempresa individual do setor educacional em questão e identificar sua viabilidade? O objetivo geral é propor um plano de negócios, no qual possa ser feita uma análise geral do empreendimento. A partir deste objetivo, apresentam-se também os objetivos específicos ligados a ele, que são: verificar os resultados financeiros do empreendimento; definir qual o número mínimo de alunos para obter lucro no negócio; demonstrar a

12 11 importância do planejamento na criação de um empreendimento; e por fim, apresentar sugestões de melhoria para o negócio. Os processos metodológicos utilizados na elaboração deste trabalho foram as pesquisas em livros, artigos e sites, bem como a análise de vários autores e organizações importantes e conceituadas neste assunto, como o SEBRAE, AJORPEME, Bangs Jr., Chiavenato, Dornelas, entre outros. Desta forma pode ser considerada uma pesquisa exploratória, pois também é de natureza tanto quantitativa, quanto qualitativa e se dará na forma de estudo de caso. De acordo com a pesquisa, o modelo selecionado para criar o plano de negócio deste trabalho foi o de Dornelas, por apresentar contribuição para a gestão do empreendimento através do plano de negócios. Este trabalho está organizado em cinco capítulos, além das referências bibliográficas e apêndice, que apresenta o Plano de Negócios final. O primeiro capítulo contextualiza o âmbito e delimitação do trabalho, bem como a sua importância e objetivos pretendidos com a elaboração do trabalho. Já no segundo capítulo é apresentada a fundamentação teórica do trabalho, esclarecendo os pontos e teorias necessárias para entendimento e desenvolvimento do mesmo. No terceiro capítulo são abordados os procedimentos metodológicos utilizados na elaboração deste trabalho. O quarto capítulo apresenta o estudo de caso, no qual é feita uma análise do estado atual, apresentação do estado futuro, bem como a verificação de resultados obtidos e análise do Plano de Negócios elaborado. E no quinto capítulo são apresentadas as considerações finais.

13 12 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 EMPREENDEDORISMO O empreendedorismo tem sido visto como um engenho que direciona a inovação e promove o desenvolvimento econômico (Schumpeter, 1934 apud Reynolds, 1997 apud Chiavenato, 2008). Há muitos anos o termo empreendedorismo já vem sendo utilizado, embora no mundo todo também seja conhecido como entrepreneurship, que significa segundo Barreto (1998), ser um ato criativo. É a concentração de energia no iniciar e continuar um empreendimento. É o desenvolver de uma organização em oposição a observá-la, analisá-la ou descrevê-la. Já de acordo com o relatório da Pesquisa GEM (2012), dirigida pela London Business School e pelo Babson College investiga informações acerca do empreendedorismo mundial, entende-se como empreendedorismo qualquer tentativa de criação de um novo empreendimento, como por exemplo: uma atividade autônoma, uma nova empresa ou a expansão de um empreendimento existente. O empreendedorismo pode ser motivado por duas formas, por oportunidade e por necessidade. Portanto, empreendedores por necessidade consistem naqueles que iniciam negócios motivados pela falta de alternativa satisfatória de ocupação e renda. Já os empreendedores por oportunidade, são motivados pela percepção de um nicho de mercado em potencial (SANTOS, 2007). No Brasil, este termo começou a ser difundido com maior ênfase no final da década de 1990, como uma tentativa empresarial e governamental de gerar competitividade, reduzir custos e inclusive permanecer no mercado de forma saudável. Com o aumento do desemprego e a ascensão e difusão da Internet o número de empreendimentos no Brasil aumentou consideravelmente, ou seja, inicialmente os novos negócios eram construídos por uma necessidade pessoal. Quadro 1 - Empreendedores iniciais segundo motivação, no Brasil Percentual de empreendedores iniciais Ano Por oportunidade 43,9% 69,2% Por necessidade 56,1% 30,8% Fonte: Pesquisa GEM, 2002 e Pesquisa GEM 2012.

14 13 O Brasil sofreu várias mudanças na forma de empreender, tanto que, atualmente, conforme pode ser visualizado no Quadro 1 houve uma inversão na motivação para abrir um negócio, existem mais negócios sendo abertos pela percepção de oportunidades no mercado do que os abertos por necessidade. Isso ocorreu em virtude do aquecimento da economia nacional e também em razão dos novos empreendedores terem mais conhecimento acerca do novo negócio que pretendem criar, bem como do mercado Características do Espírito Empreendedor De acordo com Chiavenato (2008), o empreendedor é a pessoa que consegue fazer as coisas acontecerem, pois é dotado de sensibilidade para os negócios, tino financeiro e capacidade de identificar oportunidades. Já para Schumpeter, (1947) o empreendedor é a pessoa que destrói a ordem econômica existente graças à introdução no mercado de novos produtos/serviços, pela criação de novas formas de gestão ou pela exploração de novos recursos, materiais e tecnologias. Chiavenato (2008) acredita ainda que existam três características básicas para identificar o espírito empreendedor, a necessidade de realização, a disposição de assumir riscos e a autoconfiança. As pessoas com alta necessidade de realização gostam de competir com certo padrão de excelência e preferem ser responsáveis por tarefas e objetivos que atribuíram a si próprias. (...) elas preferem situações arriscadas até o ponto em que podem exercer determinado controle pessoal sobre o resultado, não dependendo exclusivamente da sorte (Chiavenato, 2008). Estas características embora sejam muito importantes, em geral são mais encontradas em empreendedores por oportunidade, do que em empreendedores por necessidade. Existem pessoas que entram em negócios para escapar de algum fator ambiental, portanto, existem fatores ambientais que encorajam e impulsionam as pessoas para iniciar novos negócios, que foram identificadas por Knight (1980). Conforme sua teoria, essas pessoas foram rotuladas como refugiados: Refugiados estrangeiros: escapam das restrições políticas, religiosas ou econômicas de seus países de origem, atravessando as fronteiras internacionais. Refugiados corporativos: fogem do ambiente burocrático das grandes e médias empresas, iniciando negócios por conta própria. Refugiados dos pais: abandonam a família para mostrar a ela que são capazes de fazer as coisas de maneira independente.

15 14 Refugiados do lar: iniciam um negócio após o crescimento dos filhos ou quando se sentem livre das responsabilidades da casa. Refugiadas feministas: mulheres que sentem discriminações e iniciam um negócio independentemente dos outros. Refugiados sociais: são os alheios à cultura que prevalece na empresa, que buscam uma atividade como empreendedores. Refugiados educacionais: são pessoas que se sentem cansadas dos cursos acadêmicos e decidem iniciar um novo negócio. Segundo Dornelas (2008), além das características do espírito empreendedor, existem características extras dos empreendedores de sucesso: eles são visionários, sabem tomar decisões, são indivíduos que fazem a diferença, sabem explorar ao máximo as oportunidades, são determinados e dinâmicos, são dedicados, são otimistas e apaixonados pelo que fazem, são independentes e constroem o próprio destino, ficam ricos, são líderes, e formadores de equipes, são bem relacionados (networking), são organizados, planejam, possuem conhecimento, assumem riscos calculados e criam valor para a sociedade O Processo Empreendedor A decisão de tornar-se empreendedor ocorre devido a vários fatores: externos, ambientais e sociais, aptidões pessoais ou a um somatório de todos esses fatores, que são críticos para o surgimento e o crescimento de uma nova empresa (Dornelas, 2008). Quando um evento gerador desses fatores possibilita o início de um novo negócio, inicia-se o processo empreendedor. Na figura 1, podem ser visualizados alguns exemplos de fatores que influenciam o processo empreendedor em cada fase pela qual passa um novo empreendimento. Atualmente, os maiores fatores de diferenciação no desenvolvimento econômico são as inovações tecnológicas. Mas para que o desenvolvimento econômico ocorra é importante atentar para quatro fatores críticos, que auxiliam a se entender o processo empreendedor: talento ou pessoas, tecnologia ou ideias, capital ou recursos e know-how ou conhecimento. A atenção, dedicação e gerenciamento desses pontos culminam em negócios de sucesso.

16 15 Figura 1 - Fatores que influenciam no processo empreendedor Fonte: Dornelas, 2008, p.25 (adaptado de Moore, 1986) Mas, para que o empreendimento tenha maiores chances de sucesso, é necessário entender e utilizar as quatro fases do processo empreendedor no novo negócio. Conforme Dornelas (2008) as quatro fases deste processo são: Identificar e avaliar a oportunidade; Desenvolver o plano de negócios; Determinar e captar os recursos necessários; Gerenciar a empresa criada. Não são raros os casos em que é possível perceber que as pessoas têm ideias muito interessantes para um novo negócio, que podem ser inovadoras ou não, mas que acabam não enxergando as oportunidades e acabam perdendo com isso. Dornelas (2008) também explica que é muito importante que o empreendedor teste sua ideia ou conceito de negócio junto a clientes em potencial, empreendedores mais experientes, amigos próximos, antes que a paixão pela ideia cegue sua visão analítica do negócio. (...) É necessário desenvolvê-las, implementálas (as ideias) e construir um negócio de sucesso. Talvez uma das atividades que mais dão trabalho para os empreendedores no iniciar do novo negócio é a segunda fase, a elaboração do plano de negócios, pois envolve vários conceitos que devem ser expressos de forma escrita, criando-se um documento que sintetiza toda a essência da empresa. É muito importante também, na fase seguinte, determinar os recursos necessários e como eles serão captados. Esta fase utiliza muitas informações geradas na elaboração do

17 16 plano de negócios. Nos dias atuais é possível obter recursos para empresas nascentes de várias formas, por exemplo: financiamentos em bancos, utilização de recursos próprios ou de familiares/amigos e também é possível contar com o angel anjo/investidor pessoa física. A partir daí, inicia-se a quarta fase, de gerenciamento da empresa. O empreendedor deve reconhecer suas limitações e saber, antes de qualquer coisa, recrutar uma excelente equipe de profissionais para ajudá-lo a gerenciar a empresa, implementando ações que visem a minimizar os problemas, e identificando o que é prioridade e o que é crítico para o sucesso do empreendimento (DORNELAS, 2008). Figura 2 - O processo empreendedor Fonte: Dornelas, 2008, p.27 (adaptado de Hisrich, 1998) A Figura 2 esboça quais são as etapas do processo empreendedor, e os itens que compõem cada uma de suas fases. O processo é essencial para se organizar um negócio, pois explica os passos a serem seguidos, como gerenciá-lo e mostra os principais pontos de ação para o empreendedor. 2.2 ESTATÍSTICAS Conforme dados obtidos pelo IBGE (2012), em 2010, o Cadastro Central de Empresas, CEMPRE, continha 4,5 milhões de empresas ativas, que ocupavam 37,2 milhões de pessoas, sendo 30,8 milhões (82,9%), como assalariadas e 6,4 milhões (17,1%) na condição de sócio ou proprietário. (...) A idade média dessas empresas era de 9,7 anos. De acordo com o SEBRAE (2011), no Brasil, são criados anualmente mais de 1,2 milhões de novos empreendimentos formais. Desse total, mais de 99% são micro e pequenas

18 17 empresas e Empreendedores Individuais. Só as MPEs são responsáveis por gerar mais da metade dos empregos com carteira assinada no país, e se forem incluídos os EIs, este valor sobe para dois terços. Os dados educacionais do empresário brasileiro mostram que, das empresas ativas no Brasil, 3% dos empreendedores têm até o primeiro grau completo, sendo que nas empresas extintas tal percentual sobe para 5%. Tais números sofrem alteração de 6% para 7% no nível primário completo até ginásio incompleto e de 12% para 14% de ginásio completo até colegial incompleto (SEBRAE, 2004). Os dois primeiros anos são os mais complicados para a sobrevivência das empresas, por isso é importante que esta etapa seja monitorada periodicamente. Na sua última pesquisa, finalizada em 2011, o SEBRAE aponta que as empresas no Brasil estão diminuindo o seu percentual de mortalidade até os dois primeiros anos de vida, conforme pode ser visualizado na Figura 3. De acordo com este mesmo relatório, o Brasil apresenta melhores resultados de sobrevivência de empresas criadas em 2005 e 2006 do que países como Finlândia, Itália e Espanha, que possuem um percentual de mortalidade de 38% em 2005 e 37% em 2006, 33% em 2005 e 32% em 2006, e 29% em 2005 e 31% em 2006 respectivamente. Figura 3 - Taxa de mortalidade de empresas de 2 anos, evolução no Brasil Fonte: SEBRAE, 2011, p. 15 Nota: as empresas constituídas em 2005 foram verificadas nas bases de 2005, 2006, 2007 e As empresas constituídas em 2006 foram verificadas nas bases de 2006, 2007, 2008 e Como observa o IBGE (2008), as empresas maiores, com maior capital imobilizado, tendem a permanecer mais tempo no mercado, pois os custos de saída costumam ser elevados, dentre outros fatores.

19 Causas da Mortalidade de Empresas As principais causas da mortalidade de empresas de acordo com o SEBRAE-SP são: o comportamento do empreendedor, o planejamento prévio, a gestão empresarial, as políticas de apoio, a conjuntura econômica e problemas pessoais. Para cada um destes itens, o SEBRAE também sugere recomendações, como: aprimoramento de características empreendedoras: busca de informações, planejamento e monitoramento, antecipação aos fatos, estabelecimento de objetivos e metas e contato com clientes e parceiros, para o primeiro item. Para acompanhar e aperfeiçoar o planejamento prévio e conhecer clientes, concorrentes e fornecedores, é necessário elaborar o plano de negócios. A gestão empresarial pode ser melhorada com a capacitação dos sócios e colaboradores, bem como atualizações tecnológicas, inovação de processos, acompanhamento de receitas e despesas, ou ainda a busca de novos mercados. Já para o item de políticas de apoio, é importante que o empreendedor receba o suporte necessário do governo, como o acesso ao crédito e às inovações. No quesito conjuntura econômica, é importante que o empreendedor saiba que existem oscilações no mercado, e que nesse meio é preciso manter uma estabilidade de preços, o crescimento da economia e a recuperação de renda. Fatores que podem influenciar ainda na sobrevivência ou não do novo negócio são também os pessoais, tanto com sócios, como problemas de saúde ou de falta de segurança. Conforme relatório do SEBRAE (2007), o fator crucial para as empresas é a dificuldade encontrada no acesso ao mercado, principalmente nos quesitos propaganda inadequada; formação inadequada dos preços dos produtos/serviços; informações de mercado e logística deficiente, caracterizando a falta de planejamento dos empresários. Santos e Silva (2012), apresentam no Quadro 2 os fatores associados ao negócio que podem trazer a ele um grande risco de extinção.

20 19 Quadro 2 Fatores associados ao sucesso ou extinção de empresas FATOR NEGÓCIOS COM MAIOR RISCO DE EXTINÇÃO NEGÓCIOS COM MAIORES CHANCES DE SUCESSO EXPERIÊNCIA PRÉVIA Empreendedor sem Empreendedor com experiência no ramo experiência no ramo TEMPO DE ESTUDO ANTES DE ABRIR A EMPRESA Falta de um planejamento prévio (ou falta de planejamento adequado) Período maior de estudo ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Descuido com o fluxo de caixa, com o aperfeiçoamento do produto e com o cliente Administração eficiente do fluxo de caixa e aperfeiçoamento do produto as necessidades do cliente. O empresário ouve o cliente e investe em propaganda e divulgação. DEDICAÇÃO AO NEGÓCIO Parcial Exclusiva USO DE CONSULTORIA Não utiliza consultoria externa Utiliza consultoria externa DISPONIBILIDADE DE CAPITAL Falta de capital (Capital de giro Certa disponibilidade e capital próprio) IDADE DA EMPRESA Há maior risco no primeiro ano de atividade Empreendimento mais maduro tem menor probabilidade de fechar PORTE DA EMPRESA Estrutura excessivamente Estrutura maior pequena Fonte: Adaptação do SEBRAE/FIPE (1999) apud SANTOS; SILVA (2012) Estes fatores são cruciais para o sucesso ou a extinção de uma empresa, por isso, se forem estudados e verificados com atenção tem maiores chances de permitir que a empresa permaneça e cresça no mercado. 2.3 DIFERENÇAS ENTRE TIPOS DE EMPRESAS Existem vários tipos de empresas, que variam de acordo com o número de sócios, a responsabilidade jurídica, o faturamento e o tamanho da empresa. Algumas das empresas são: Empresa Individual (EI), Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) ou ainda, Sociedade Limitada Empresa Individual Conforme o Portal Brasil (2010), um empresário individual atua sem separação jurídica entre os seus bens pessoais e seus negócios, ou seja, não vigora o princípio da separação do patrimônio. O proprietário responde de forma ilimitada pelas dívidas contraídas no exercício da sua atividade perante os seus credores com todos os bens pessoais que integram o seu patrimônio (casas, automóveis, terrenos etc.) e os do seu cônjuge (se for casado num regime de comunhão de bens). O inverso também acontece: o patrimônio integralizado para explorar a atividade comercial também responde pelas dívidas pessoais do empresário e do cônjuge. A responsabilidade é, portanto, ilimitada nos dois sentidos.

21 20 O Empresário Individual pode ter uma Micro Empresa Individual (MEI), que terá um faturamento anual máximo de R$60.000,00, apenas um titular e terá de se enquadrar no sistema Simples Nacional. No caso de ser uma Micro Empresa (ME), o faturamento anual deve ser de até R$ ,00, se for uma Empresa de Pequeno Porte (EPP),o faturamento anual deverá estar entre R$ ,00 e R$ ,00, e ainda, no caso de ser uma Empresa Normal, o empresário individual poderá optar por esta opção, mas se o faturamento anual ultrapassar os R$ ,00, não será mais opcional. Para os casos de ME, EPP e Empresa Normal, o empreendimento poderá ter apenas um titular, mas poderá se enquadrar no Simples Nacional, ou Lucro Real ou Presumido Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Esta natureza jurídica possibilita a solução de vários problemas atuais, como a situação de responsabilidade ilimitada do empresário individual e a formação de sociedades limitadas com a participação de sócios, tais como filho (a), mulher ou marido, ou terceiros com um percentual mínimo, somente para atender o requisito de se ter um segundo sócio. A EIRELI deve ter um titular, pessoa física maior de 18 anos (ou menor antecipado), brasileiro ou estrangeiro, e capital mínimo de 100 vezes o maior salário-mínimo do País totalmente integralizado, sendo a responsabilidade do titular limitada ao valor do capital. O titular pessoa física não poderá ter mais de uma EIRELI (PORTAL BRASIL, 2010). Já para o enquadramento em MEI, ME, EPP e Empresa Normal funciona da mesma forma que a Empresa Individual, permanecendo as mesmas características Sociedade Limitada De acordo com o Portal Brasil (2010), a Empresa de Sociedade Limitada é aquela que reúne dois ou mais sócios para explorar atividades econômicas organizadas para a produção ou circulação de bens ou de serviços, constituindo elemento de empresa. Já quanto à forma jurídica, os sócios respondem separadamente/limitadamente ao capital social da empresa pelas dívidas contraídas no exercício da sua atividade perante os seus credores. Nas demais características quanto ao enquadramento da empresa, a Sociedade Limitada permanece com as mesmas informações do EI e do EIRELI, com exceção da titularidade, que permite que o negócio tenha dois ou mais sócios. Estas características podem ser verificadas resumidamente no Quadro 3.

22 21 Quadro 3 Tipos de empresas e suas características Fonte: Portal do Empreendedor A definição do tipo de empresa é importante para que ela possa conhecer melhor suas características, definir seu enquadramento, entender quais são suas obrigações legais que devem ser cumpridas e em qual ponto deve ser alterado seu enquadramento. 2.4 PLANO DE NEGÓCIOS Qual seria o motivo pelo qual é tão importante a criação de um plano de negócios em uma empresa nascente? De acordo com Bangs Jr. (2002), existem três razões principais: 1 O processo de organizar um plano de negócios (...) obriga-o a assumir um posicionamento não emocional, crítico e objetivo em relação ao seu projeto como um todo. 2 (...) O seu plano de negócios é um instrumento operacional que, se usado de forma apropriada, irá auxiliá-lo a gerenciar o seu negócio e a trabalhar efetivamente para seu sucesso. 3 O plano de negócios concluído transmite suas ideias para outros e fornece a base para sua proposta de financiamento. De forma complementar, Chiavenato (2008) aponta que o planejamento produz um resultado imediato: o plano. Todos os planos têm um propósito comum: a previsão, a programação e a coordenação de uma sequência lógica de eventos, os quais, se bemsucedidos, deverão conduzir ao alcance do objetivo que se pretende. Para Peters e Hisrich (2004) apud Santos e Silva (2012), o plano de negócios, frequentemente criticado por ser um sonho de glória, é seguramente o documento mais importante para o empreendedor no estágio inicial e durante o processo, nas tomadas de

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES 1 PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES Angela Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas -AEMS) E-mail:angelabrasil@ibest.com.br Cleucimar Aparecida Pereira Prudente

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

PARTE VI O Plano de Negócios

PARTE VI O Plano de Negócios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO O Plano de Negócios é parte fundamental do processo empreendedor, visto que os empreendedores precisam saber planejar suas ações e delinear

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 6 PLANO DE NEGÓCIOS (PN): UMA VISÃO GERAL - O QUE É E PARA QUE SERVE? Plano de negócios (do inglês business plan), também chamado plano empresarial, é um documento que especifica, em linguagem

Leia mais

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR 1. 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSOR (A): NAZARÉ FERRÃO ACADÊMICO (A):------------------------------------------------ TURMAS: 5- ADN-1 DATA: / / II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor. Idalberto Chiavenato

Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor. Idalberto Chiavenato Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor Idalberto Chiavenato 3º Edição 2008 Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor Idalberto Chiavenato Doutor (PhD) e mestre (MBA) em Administração

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA FELIPE RABELO DE AGUIAR Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA feliperabelo11@yahoo.com.br Héber Lavor Moreira Professor Orientador

Leia mais

Módulo de Gestão Aplicada à TIC. Curso Técnico de Informática Aula 02 Prof. Amadeu Campos

Módulo de Gestão Aplicada à TIC. Curso Técnico de Informática Aula 02 Prof. Amadeu Campos Módulo de Gestão Aplicada à TIC Curso Técnico de Informática Aula 02 Prof. Amadeu Campos FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA EMPREENDEDORISMO NA ÁREA DE INFORMÁTICA Competências a serem trabalhadas Semana

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Após traçadas as estratégias através da análise de mercado propiciada pelo plano de negócios - e se mesmo diante das dificuldades

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

Modelo de Plano de Negócio

Modelo de Plano de Negócio Modelo de Plano de Negócio Atitude e Negócios Direitos Autorais Os textos publicados neste livro eletrônico são de propriedade exclusiva, e estão protegidos pelas leis de direito autoral. Esta edição eletrônica

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

Grupo Educacional UNIS - MG

Grupo Educacional UNIS - MG 1º CONCURSO NEUNIS DE PLANOS DE NEGÓCIO PARA UNIVERSITÁRIOS 2014 1 REALIZAÇÃO: UNIS/MG REGULAMENTO CAPÍTULO 1 DOS OBJETIVOS Art. 1º O Concurso NEUNIS de Planos de Negócio para Universitários é uma iniciativa

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo PN PLANO DE NEGÓCIOS Conceito PLANO DE NEGÓCIO É um documento que contempla a descrição do empreendimento e o modelo de gestão que sustentará a empresa É O CARTÃO DE VISITA DA EMPRESA Plano de Negócio

Leia mais

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas Relatório final Realização: Dezembro - 1999 Estudo da Mortalidade

Leia mais

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto Gestão de Pequenas e Médias Empresas Brasileiras por Sistema de Consórcio Trabalho de Conclusão de Curso - TCC MBA Executivo Internacional - Turma 34 Fábio Mattos Fernando Alcântara Fernando Moulin Jorge

Leia mais

6. Planejamento do Negócio

6. Planejamento do Negócio 6. Planejamento do Negócio Conteúdo 1. O que é um Plano de Negócios 2. Elaboração de um Plano de Negócios 3. Sessões Propostas para um Plano de Negócios 4. Idéias para um Plano de Negócios 5. Sites para

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA RESUMO

PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA RESUMO 43 PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA Vivian Silveira Ferreira Eliane Vargas de Campos RESUMO Vive-se uma nova realidade no mercado brasileiro onde as micro e pequenas

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

8/8/2013. O empreendedor. Quem é o empreendedor? Empreendedores de sucesso. Página 4 de 32. Página 5 de 32. Página 6 de 32

8/8/2013. O empreendedor. Quem é o empreendedor? Empreendedores de sucesso. Página 4 de 32. Página 5 de 32. Página 6 de 32 Empreendedorismo por José Dornelas Página 1 de 32 Empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos O empreendedor é aquele que percebe uma oportunidade e cria meios (nova empresa, área de negócio,

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

PARTE VII Criando um Plano de Negócios Eficiente I

PARTE VII Criando um Plano de Negócios Eficiente I FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo

UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo PLANO DE ENSINO Novo Contexto Educacional ENSINO X APRENDIZAGEM SEGUNDO LESSARD Novo Contexto Educacional

Leia mais

AULA 4 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho

AULA 4 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho AULA 4 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho AVALIAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO AVALIAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO VÍDEO: VENDER NA INTERNET - POR QUE MINHA LOJA NÃO VENDE? Caso

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Plano de Negócios Maria José Aguilar Madeira Silva Professora Auxiliar do DGE UBI 1 Objectivos Programa Conteúdo Lista de Questões

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial

Leia mais

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Prof. MSc. Afrânio Maia Miglioli (REGES) afraniomm@uol.com.br Prof. Dr. Antônio Fernando Traina (UNAERP) atraina@unaerp.br

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Plano de negócio Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Estrutura do plano de negócio Capa Sumário 1. Sumário executivo 2. Analise estratégica 3. Descrição da empresa 4. Produtos e serviços 5. Plano

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

Aula 2 Assunto: Modelos para Plano de Negócios

Aula 2 Assunto: Modelos para Plano de Negócios DISCIPLINA: Gestão Empresarial Aula 2 Assunto: Modelos para Plano de Negócios Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

Empreendedorismo Transformando idéias em negócios

Empreendedorismo Transformando idéias em negócios Empreendedorismo Transformando idéias em negócios A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO EM CIENCIAS CONTÁBEIS PROF: HÉBER LAVOR MOREIRA Eline Cristina Miranda 0501006001 Administração

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Nome_da_Empresa

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Nome_da_Empresa PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Nome_da_Empresa 2008-2009-2010 Conteúdo Introdução... 3 Etapas para a elaboração do Planejamento Estratégico... 3 Análise de Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças... 5 Sugestão

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas Resumo. PEMPEC é um software de distribuição gratuita que visa auxiliar o gestor das micro e pequenas empresas na tomada de decisão, utilizando

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

ROTEIRO DE PROJETOS IV

ROTEIRO DE PROJETOS IV ROTEIRO DE PROJETOS IV O Objetivo da Disciplina de : Analisar as potencialidades e fragilidades de uma organização (com ou sem fins lucrativos), elaborando um levantamento diagnóstico acerca do quadro

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO

EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO Prof. Ricardo Suñer Romera Neto rsromera@hotmail.com Prof. Ricardo Suñer Romera Neto 1 Ementa Estudo dos fundamentos, experiências e conhecimentos acumulados a respeito das atividades

Leia mais

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário REGULAMENTO I Prêmio do Empreendedorismo Universitário 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente regulamento visa orientar os interessados em participar da 1.ª edição do Prêmio do Empreendedorismo Universitário, iniciativa

Leia mais

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo tem como objetivo abordar o tema empreendedorismo, suas características,

Leia mais

Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito de Bebidas no Município de Benevides sob a ótica do plano de negócios

Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito de Bebidas no Município de Benevides sob a ótica do plano de negócios UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Diego Begot da Silva Dantas Francisco Mateus da Costa Mota Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ATIVIDADES EXTRA-CURRICULARES (ESPORTIVOS OU DE ÁREA)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ATIVIDADES EXTRA-CURRICULARES (ESPORTIVOS OU DE ÁREA) ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ATIVIDADES EXTRA-CURRICULARES (ESPORTIVOS OU DE ÁREA) I - CAPA NA CAPA DEVE CONSTAR: - Nome da Unidade Escolar com DRE; - Nome do professor responsável pela elaboração

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais