EMPREENDEDORISMO E PRÁTICAS FINANCEIRAS NAS MICROEMPRESAS DE ITABIRA-MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPREENDEDORISMO E PRÁTICAS FINANCEIRAS NAS MICROEMPRESAS DE ITABIRA-MG"

Transcrição

1 EMPREENDEDORISMO E PRÁTICAS FINANCEIRAS NAS MICROEMPRESAS DE ITABIRA-MG Erasmo Lage Vieira (Funcesi) Ricardo Lanna Campos (Funcesi) Wanderson Rocha Bittencourt (Funcesi) Camila Lage Fonseca (Funcesi) RESUMO O desenvolvimento da economia brasileira incentiva a criação de empreendimentos em micros e pequenas empresas. Os empreendedores podem ser classificados quanto ao perfil de inserção no mercado: empreendedores por necessidade e empreendedores por oportunidade. Este trabalho foi realizado com o objetivo de identificar e analisar as práticas financeiras adotadas pelas microempresas de Itabira/MG, fundadas por empreendedores com diferentes perfis de inserção no mercado, bem como identificar seus conhecimentos sobre técnicas de gestão financeira. A metodologia deste trabalho se baseou numa abordagem qualitativa descritiva, com realização de entrevistas semi-estruturadas com os gestores. Os resultados da pesquisa demonstraram que os empreendedores, independente do perfil de inserção no mercado, possuem pouco conhecimento sobre as técnicas financeiras. A gestão financeira se fundamenta, em geral, na experiência dos gestores. Apesar disso, as empresas apresentaram crescimento nos últimos anos, ou seja, os empreendimentos se tornaram viáveis a partir de uma gestão financeira pratica empírica. Palavras-Chave: Empreendedorismo. Gestão Financeira. Microempresa. Abstract The development of the Brazilian economy encourages the creation of new projects in micro and small businesses. Entrepreneurs can be classified according to their insertion profile in the market: entrepreneurs by necessity and by opportunity entrepreneurs. This work was carried out in order to identify and analyze financial practices adopted by small firms Itabira / MG, founded by entrepreneurs with different profiles of market integration and to identify their knowledge of financial management techniques. The methodology of this study was based on a qualitative descriptive approach, with performance of semi-structured interviews with managers. The survey results showed that entrepreneurs, regardless of the insertion profile in the market, have little knowledge of the financial techniques. Financial management is based, in general, the experience of managers. Nevertheless, the companies reported growth in recent years, the business became viable with an empirical financial management practices. Ken words: entrepreneurship, financial management, microenterprise.

2 INTRODUÇÃO O empreendedorismo tem recebido atenção de governantes de todo o mundo, que tem direcionado esforços e investimentos ao setor. Este fato deve-se à importância das micro e pequenas empresas na geração de empregos, distribuição de renda e criação de valor, fatores essenciais ao desenvolvimento econômico de qualquer país. Neste contexto, corroboram para esta afirmativa, dados apresentados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) em 2008, mostrando que o setor é responsável por 51% da força de trabalho do setor privado, 28% do faturamento do setor formal, 20% do Produto Interno Bruto brasileiro e 38% da massa salarial. Neste cenário, considera-se empreendedor a pessoa que é movida por desafios e tem capacidade de perceber novas possibilidades de negócios. Pode-se afirmar, com base em Lemes Junior e Pisa (2010), que o sucesso de um empreendimento deve-se em especial a dois fatores: à visão do empreendedor e ao conhecimento que o mesmo tem sobre gestão financeira. Assim, são dois e distintos os perfis dos empreendedorismo: os empreendedores por necessidade e os empreendedores por oportunidade. O empreendedor por necessidade enxerga, no novo investimento, a oportunidade de sustento, já que a falta de emprego não lhe deixa alternativas, sendo esta, uma visão voltada à segurança e à estabilidade. Ao contrário, a visão por oportunidade é focada em inovações, arrojada, audaciosa, persistente e de longo prazo. O despreparo de alguns empreendedores e a precariedade de seus mecanismos de planejamento e gestão financeira é destacado por Lemes Júnior e Pisa (2010) como fatores que contribuem para o elevado índice de fechamento das micro e pequenas empresas até o quinto ano de existência. Diante dessa realidade, esse trabalho de pesquisa torna-se relevante devido ao seu objetivo de identificar e analisar as práticas financeiras adotadas pelas microempresas de Itabira/MG, fundadas por empreendedores que apresentam diferentes perfis de inserção no mercado. Para tal, são verificados aspectos sobre o conhecimento que os empreendedores de diferentes perfis possuem sobre as técnicas de gestão financeira, o processo de abertura das microempresas, as técnicas de investimento e financiamento adotadas e os fatores de sucesso e fracasso de uma microempresa. Se, tradicionalmente, as literaturas e as faculdades de administração privilegiam as grandes empresas, este estudo possibilitou uma maior aproximação com as microempresas, buscando identificar a sua real necessidade de existência. Os referenciais teóricos elaborados por pesquisadores são vinculados às organizações de grande porte, não apresentando aplicabilidade imediata quando direcionadas para as organizações de pequeno porte, criando

3 assim uma lacuna entre às práticas cotidianas e a teoria (ESTHER, CUNHA; SANÁBIO, 2006). Desta forma, este trabalho se justifica pela contribuição para as microempresas no aspecto da importância da utilização da administração financeira. O resultado desta pesquisa serve como instrumento para auxiliar os futuros empreendedores, bem como fonte de pesquisa acadêmica, por abordar um tema de grande importância na gestão de uma microempresa. EMPREENDEDORISMO A formação do conceito de empreendedorismo passa por várias interpretações e estas sofrem influências de acordo com o período em que foram escritas as obras. Alguns autores, dentre os quais Kirzner (1986), Schumpeter (1961) e Hisrich, Peters e Shepherd (2009), associam o termo à coordenação dos recursos produtivos, outros com a introdução da postura inovadora e por último com a evolução da economia. Desta forma, não se apresenta um conceito conclusivo para o termo empreendedorismo. Neste cenário, de acordo com Kirzner (1986), o empreendedor é aquele que cria um equilíbrio, encontrando uma posição clara e positiva em um ambiente de caos e turbulência, ou seja, identifica oportunidades na ordem presente. Neste mesmo contexto, Schumpeter (1961) e Kirzner (1986) têm o mesmo entendimento afirmando que o empreendedor é um exímio identificador de oportunidades, apresentando características como a curiosidade e busca pelas informações. Estas qualidades permitem ao empreendedor aumentar seu grau de conhecimento, ampliando, assim, sua percepção acerca das oportunidades. Para um economista, conforme entendimento de Hisrich, Peters e Shepherd (2009), o empreendedor é aquela pessoa que combina recursos para aumentar seu valor, enquanto o psicólogo define empreendedor como uma pessoa impulsionada por determinadas forças para obter algo. Já um homem de negócio vê o empreendedor como um concorrente agressivo ou um aliado que utiliza as melhores maneiras para trabalhar com os recursos existentes. Entretanto, mesmo reconhecendo a diversidade de conceitos sobre empreendedorismo, tornase mais fácil definir o tema a partir da identificação dos princípios em uma perspectiva empresarial, administrativa e pessoal: iniciativa, organização e riscos. Na visão de Dornelas (2001) e Dolabela (2000), o empreendedor é o individuo que detecta uma oportunidade, criando ou comprando um negócio, introduzindo inovações, agregando valores, assumindo o risco de forma calculada, sendo esses na forma de administrar, vender, fabricar, distribuir. Abordando o empreendedorismo a partir de outro enfoque, mas não muito distante, Bernardi (2003) credita o sucesso de um empreendimento à personalidade do empreendedor. Para o referido autor, o empreendedorismo vincula-se ao senso de oportunidade, dominância, agressividade, energia para realizar, autoconfiança, otimismo, dinamismo, independência, persistência, flexibilidade e resistência a frustrações, criatividade, propensão ao risco, liderança carismática, habilidade de equilibrar sonho e realização e de relacionamento. Dois tipos de empreendedorismo são listados por Lemes Junior e Pisa (2010): o empreendedorismo por oportunidade e o empreendedorismo por necessidade. Os citados autores consideram que entender a diferenciação entre estes dois tipos de empreendedorismo é essencial para que se percebam as razões do Brasil ser o país com a maior taxa de

4 empreendedorismo do mundo, e ao mesmo tempo, deter taxas alarmantes de mortalidade de Micro e Pequenas Empresas (MPE s) até o quinto ano de vida. Lemes Júnior e Pisa (2010) utilizam a Teoria das Necessidades de Maslow para explicar o empreendedorismo por necessidade. É apontado que a pirâmide é composta por cinco categorias de necessidades, que seriam capazes de justificar o comportamento humano em função da busca da satisfação de cada uma delas: necessidades fisiológicas, necessidades de segurança, participação e afeição, necessidade de estima e auto-realização. As necessidades fisiológicas referem-se às necessidades básicas (sono, fome) e somente a partir da satisfação destas necessidades, o homem parte em busca da satisfação da necessidade seguinte, até chegar ao topo, a necessidade de auto-realização. Assim, os empreendedores por necessidade iniciam seu próprio negócio, quase sempre de maneira informal, movidos pela necessidade de garantir a sobrevivência (necessidade fisiológica), a mais baixa na escala de valores proposta. Outro ponto fundamental levantado pelos autores refere-se à ausência de oportunidades de emprego, direcionando os indivíduos para a criação do próprio negócio, uma vez que não lhes resta alternativa. Já o empreendedorismo por oportunidade pode ser definido como o desejo de aproveitar uma oportunidade de negócio existente no mercado, através da criação de uma empresa por iniciativa própria (LEMES JUNIOR; PISA, 2010). Todo o processo de planejamento e criação na nova empresa se inicia a partir da identificação da oportunidade. É importante destacar que a oportunidade é característica difícil de ocorrer no cotidiano das pessoas. Entretanto, ao se implantar a inovação e consolidar o conceito, imediatamente surgirão as imitações. Este fato exige que se invista continuamente no desenvolvimento de novas tecnologias e novas linhas de produto, amenizando ou até neutralizando a concorrência. O empreendedor, de acordo com Bernardi (2003), quer por oportunidade ou por necessidade, deve possuir algumas características próprias que são necessárias para o desenvolvimento e sucesso do negócio. Dentre as características necessárias ao bom empreendedor, o autor descreve: a dominância, energia para realizar, autoconfiança, otimismo, dinamismo, independência, persistência, flexibilidade e resistência a frustrações, criatividade, propensão ao risco, liderança carismática, equilíbrio e habilidade de se relacionar bem. O empreendedor, decorrente da sua necessidade de existência, assume uma visão de como o mercado é constituído. O empreendedor por necessidade enxerga basicamente no novo investimento a oportunidade de sustento, já que a falta de emprego não lhe deixa alternativas. Neste cenário, Lemes Junior e Pisa (2010) e Dolabela (2000) afirmam que a visão de um empreendedor por necessidade é uma visão imediatista, que exige pressa. Normalmente, esta visão, não tem sustentação em um conhecimento mais profundo das potencialidades do empreendedor, que quase nunca teve oportunidade de fazer esta avaliação. Dolabela (2000) ressalva ainda que, a visão de quem empreende por necessidade é voltada à segurança e à estabilidade, com isso este investidor não está disposto a arriscar. No entanto, este tipo de visão limita e até mesmo impede o sucesso de seu empreendimento. Conforme destacado por Dornelas (2001), Lemes Junior e Pisa (2010), a disponibilidade de correr riscos e a disposição de inovar são características essenciais para a consolidação de um empreendimento. Esta visão, do empreendedorismo por necessidade, pode justificar, em parte, o alarmante índice de 56% de morte das empresas antes do quinto ano de existência.

5 O empreendedor por oportunidade é aquele que visualiza as necessidades do mercado e das prováveis demandas, quer sejam atuais ou futuras, ou ainda de novas ideias, investindo em novos empreendimentos voltados para a inovação do mercado e a satisfação de seus ideais. Neste contexto, a visão do empreendedor por oportunidade é focada em inovações, arrojo e audácia. Para Teodoro e Oliveira (2006), o empreendedor por oportunidade acredita que o fracasso é uma fonte de aprendizagem e, por isto, procura aprender com seus erros. Dornelas (2001) e Lemes Junior e Pisa (2010) fazem alusão que o empreendedor por oportunidade tem a visão de como será o futuro do seu negócio e a habilidade de implementar seus sonhos. Ou seja, este tem a capacidade de sonhar e de realizar seus sonhos. Trata-se de uma visão voltada ao concreto, à realização. Assim, esta é uma visão imaginativa voltada a novos desafios, não havendo o medo de arriscar e do desconhecido. Desta forma, o empreendedor por oportunidade se enxerga independente, livre para tomar as decisões sobre seus negócios e prestar contas apenas a si mesmo, a fugir da posição de subordinado e abandonar a rotina. MICRO E PEQUENA EMPRESA A definição de micro empresa está ligada diretamente a dois fatores: à classificação quanto ao faturamento ou quanto ao número de empregados, sendo utilizado de acordo com entendimentos individuais. Para Lemes Júnior e Pisa (2010), a classificação de micro e pequenas empresas sofrem alterações em função dos objetivos das instituições que têm competência para fazer esta classificação. Assim, diante desta constatação, optou-se, neste trabalho, por apresentar os critérios utilizados pelo SEBRAE, Banco Nacional de Dese.nvolvimento Econômico e Social (BNDES) e pela Lei do Simples Nacional, por serem instituições responsáveis pela legislação e enquadramento das empresas no Brasil. Para os efeitos da Lei Complementar 123 de 14 de dezembro de 2003, consideram-se como microempresas a sociedade empresária, a sociedade simples e o empresário cuja receita bruta não ultrapasse a quantia de R$ ,00. Ressalta-se que este critério também é utilizado pelo BNDES, com a seguinte diferença: é considerada microempresa aquela que obtiver receita bruta R$ 1,2 milhão, conforme circulares 10 e 11/2010, datadas de 05 de março de O critério de classificação das microempresas utilizado pelo SEBRAE (2009) é o número de empregados, separados de acordo com dois ramos de atividade distintos: indústria e construção; comércio e serviços. Evidencia-se que no ramo da indústria e construção civil, a empresa pode ter até 19 empregados para se enquadrar como microempresa, sendo este número de até nove para o setor de serviços e comércio, assim. Acima destes números a empresa já se enquadra como pequena empresa. No ano de 2006, conforme SEBRAE (2010), 83.6% das empresas enquadravam-se na categoria de micro e 13,9 na de pequena empresa. Com relação à distribuição por ramo de atividade, os números indicam que microempresas estão no ramo do comércio, no setor de serviços, na indústria e na construção civil. Já as pequenas empresas estão concentradas na proporção de no comércio, em serviços, estão na indústria e na construção civil. Assim, a microempresas

6 estão concentradas preferencialmente no ramo de comércio, enquanto as pequenas empresas estão concentradas em sua maioria no setor de serviços. Finalizando, Lemes Júnior e Pisa (2010) alertam que esta dificuldade de caracterização, graças aos diferentes critérios adotados, tanto quantitativos quanto qualitativos, representa um entrave para se estudar as MPE no Brasil. Dados divulgados pelo SEBRAE em conjunto com o DIEESE indicam que existiam no ano de 2008, 16,2 milhões de MPEs, concentrando 28 milhões de postos de trabalho, 38% da massa salarial, 20% do PIB e 2,7% das exportaçõeso contexto atual das MPE s atesta a grande importância do setor para a economia nacional. Cumpre destacar o posicionamento de Lemes Júnior e Pisa (2010) de que quando se alinham as condições econômicas, fatores culturais, legais e sociais em diretrizes de apoio, o setor se expande e responde com geração de emprego e renda. Finalizando, os referidos autores listam aspectos favoráveis e desfavoráveis às atividades empreendedoras. Como aspectos favoráveis, destacam-se a infra-estrutura comercial e profissional, o tamanho da população e a inserção no comércio internacional. Os pontos desfavoráveis são as dificuldades de acesso ao capital, devido ao alto custo e à burocracia, os elevados encargos e carga tributária, a desconsideração de características regionais e a precariedade da educação básica e do ensino do empreendedorismo. Os fatos relatados apontam que, se por um lado o governo tem se esforçado e criado leis de proteção e incentivo ao empreendedorismo, como o Simples Nacional e linhas de crédito, ainda há muito que ser feito, especialmente em termos de capacitação profissional e educação empreendedora. Administração financeira Zdanowicz (1998) descreve a administração financeira como uma eficiente ferramenta para uma boa gestão empresarial, pois possibilita gerenciar a aplicação dos recursos financeiros e sua distribuição de forma eficiente, visando o cumprimento de seus objetivos. Conforme Hoji (2000), o principal objetivo econômico das empresas é a maximização de seu valor no mercado a longo prazo. Desta forma, aumenta-se a riqueza de seus proprietários que investiram recursos com finalidade de obter um retorno compatível com o risco assumido. A administração financeira tem por finalidade obter o capital necessário para saldar os compromissos assumidos, dentro dos prazos estabelecidos. As decisões tomadas pela administração financeira são fundamentais para o bom desenvolvimento da empresa, podendo representar sua liquidez e sucesso ou uma série de problemas financeiros que encaminham a empresa para o fracasso. De acordo com Zdanowicz (1998), através do conhecimento de fluxo de caixa é possível que o administrador financeiro planeje ações, de forma a obter liquidez e capital de giro como forma de cumprir com as obrigações assumidas com terceiros. Estas decisões baseiam-se nas entradas e saídas de caixa, ou seja, nas compras e vendas realizadas, que servem como estimativa para projeção de investimentos. Gitman (2008) divide as decisões financeiras em dois grupos: decisões de investimentos e decisões de financiamentos. As decisões de investimento determinam a composição e tipos de

7 ativos da empresa. Já as decisões de financiamento determinarão a composição e os tipos de recursos financeiros que serão usados pela empresa. Várias são as atividades de investimento de uma empresa, podendo variar desde valores monetários, a aquisição de bens permanentes ou softwares que facilitem a realização dos trabalhos. Para Braga (2009), os investimentos dizem respeito tanto a estrutura de ativos, quanto aos novos projetos. O autor ainda salienta sobre a importância das empresas se manterem atualizadas para acompanhar a concorrência, o que exige que novos projetos sejam realizados para a implementação. As decisões de financiamentos, para Braga (2009), são de inteira responsabilidade do administrador financeiro, e algumas questões que se referem à composição dos recursos devem ser levantadas a fim de montar a estrutura de financiamento mais adequada. São elas: definição da proporção entre os recursos permanentes e temporários, identificação da necessidade de se utilizar recursos próprios e de financiamentos a longo prazo, decisões se o re-investimento de lucros é suficiente para atender as necessidades de recursos próprios, definição de como será a reação do mercado com o lançamento de novas ações, qual será o impacto dos custos frente aos financiamentos e, finalmente, a questão sobre a possibilidade de arrendamento dos ativos fixos, em substituição à sua aquisição. Os financiamentos empresariais, de acordo com Braga (2009), ocorrem de duas formas: através de capital próprio ou do capital de terceiros. O capital próprio é representado pelas contas que compõem o patrimônio líquido e o capital de terceiros são representados pelas contas que compõem o passivo circulante e não-circulante. A integralização de aumentos de capital, de acordo com Braga (2009), ocorre através de fontes externas de captação de recursos. Porém as vendas de ativos, redução de estoque, contas a receber e outros ativos, na visão do autor não representam fontes de financiamentos, mas sim realocação de fundos. Os financiamentos, de acordo com Santos (2005), são formados por todos os recebimentos e pagamentos referentes à captação de recursos para financiar os investimentos da empresa. Gitman (2008) define os passivos circulantes como uma fonte espontânea e barata de financiamento de curto prazo não garantido. As contas a pagar e despesas a pagar são passíveis de negociação de prazo com os fornecedores, que deverão ser pagas com uma maior lentidão sem atingir o crédito da empresa, gerando um financiamento sem vinculação de ativos específicos como garantia de dívida. O capital de giro assume grande importância no desempenho operacional das empresas, no entendimento de Gitman (2004), pois cobre normalmente mais da metade dos ativos totais investidos. Por esta razão, uma administração inadequada ou equivocada do capital de giro, certamente tem como conseqüência graves problemas financeiros, podendo levar a empresa à insolvência. O capital de giro é definido por Braga (2009) como sendo recursos investidos em ativos e passivos circulantes formados basicamente por estoque, conta caixa, contas a receber e fornecedores. Também conhecido capital circulante, pois é transformado constantemente dentro do ciclo operacional da empresa.

8 O equilíbrio financeiro de acordo com Silva (1995) é a estabilidade econômica da empresa, ou seja, a garantia de que as receitas serão suficientes para pagar as despesas decorrentes no período. Segundo este conceito, somente a presença de um capital circulante liquido positivo não se torna indicador seguro de um equilíbrio financeiro. É necessário que se identifique nos ativos circulantes as contas de longo prazo (permanentes) e as variáveis (sazonais). Finalizando, Silva (1995) ensina que para manter em equilíbrio financeiro, uma alternativa da empresa é financiar suas necessidades variáveis com dividas de curto prazo, utilizando os recursos de longo prazo para financiar todas suas necessidades permanentes. METODOLOGIA A presente pesquisa é qualitativa e descritiva, uma vez que busca identificar e analisar em profundidade as práticas financeiras adotadas pelas microempresas de Itabira/MG, fundadas por empreendedores que apresentam diferentes perfis de inserção no mercado. Para uma melhor evidenciação e escolha das empresas foi adotado o sistema de classificação do SEBRAE. Desta forma, este tipo de classificação permitiu entrevistar os gerentes sem divulgar os valores das empresas, tendo como base somente a quantidade de funcionários, proporcionado uma maior autenticidade das respostas. Este trabalho realizou-se por meio de uma pesquisa de campo, na qual foram realizadas entrevistas semi-estruturadas junto aos empreendedores nas suas microempresas, constituindo assim, os sujeitos de pesquisa. Teve como universo as microempresas do segmento de vestuário que atuam no comércio da cidade de Itabira/MG. Conforme os dados da Câmara de Diretores Lojistas e da Junta Comercial de Itabira, este segmento é o que apresenta o maior número de microempresas da cidade, razão pela qual foi escolhido para embasar um estudo sobre empreendedorismo. Este trabalho desenvolveu-se com base em uma amostra de seis microempresas do segmento de vestuário, em conformidade com o tema abordado. A escolha do segmento se deveu à grande concentração de microempresas atuantes neste ramo na cidade, o que se tornou um fator facilitador para a coleta de dados. A amostra foi selecionada de acordo com os dois perfis de empreendedores. Foram três empresas de propriedade dos empreendedores por necessidade e três empresas de propriedade de empreendedores por oportunidade. Os empreendedores foram identificados quanto ao perfil de acordo com suas próprias colocações durante a entrevista, sendo que três deles citaram terem aberto suas empresas devido a necessidade de sustento, causados pelo desemprego e os outros três disseram ter visto no mercado a oportunidade de aumentar a renda. A análise dos dados realizou-se através da técnica de análise de conteúdo. Assim, foi possível uma maior interpretação dos dados a partir dos depoimentos obtidos junto aos entrevistados. Partindo do principio que alguns entrevistados possuem pouco conhecimento técnico sobre gestão financeira, este método permitiu a investigação a partir do conteúdo simbólico das mensagens. ANÁLISE DOS DADOS

9 Existem dois perfis de inserção dos empreendedores no mercado: por necessidade e por oportunidade. O primeiro perfil se refere a pessoas que procuram em seus novos empreendimentos uma maneira de garantir o sustento próprio. São normalmente pessoas que se encontram desempregadas e buscam em suas novas atividades um meio de sobrevivência. Já os empreendedores por oportunidade enxergam nas falhas do mercado, a oportunidade de investir em novos ramos ou mesmo de expandir seus negócios. O empreendimento, seja por necessidade ou por oportunidade, exige dos empreendedores conhecimento mínimo na área financeira. É fundamental para o desenvolvimento das atividades, bem como da sustentação da empresa no mercado, que os empreendedores possuam conhecimento sobre gerenciamento de caixa, controle de estoques, investimentos e financiamentos. Lemes Junior e Pisa (2010) apontam que a falta de preparo dos empreendedores são os maiores responsáveis pelo alto índice no Brasil de fechamento das micro e pequenas empresas. De acordo com os dados da entrevista, identifica-se que os entrevistados deixam em evidência as características dos empreendimentos, seja por necessidade ou por oportunidade. Além disso, todos os entrevistas possuíam experiência profissional adquirida anteriormente em outras empresas. Pela pesquisa realizada, constatou-se que não houve planejamento para abertura das empresas. Os empresários acreditavam no sucesso do investimento utilizando como parâmetro experiências profissionais anteriores e apostavam no retorno financeiro maior do que os índices de rendimentos oferecidos pela poupança. Quando solicitados a definir gestão financeira, os empreendedores relacionaram gerir financeiramente suas empresas com a realização de compras em momentos considerados corretos. Foi citada, também, a necessidade de realizar boas vendas e receber dentro do prazo estabelecido, além de conseguir empréstimos em bancos e trabalhar equilíbrios entre prazos de compras e vendas. As respostas dos empreendedores relacionadas à gestão financeira demonstram que, apesar de não utilizarem termos técnicos para definir o tema, os empreendedores possuem noção sobre o assunto, já que citaram os principais fatores que fazem parte da gestão financeira. É preciso destacar ainda que os conhecimentos dos empreendedores em gestão financeira estão voltados apenas para os financiamentos e investimentos de curto prazo. O termo investimento em curto prazo é relacionado por todos os empreendedores por necessidade, como sendo o tempo que o cliente leva para realizar seus pagamentos, enquanto os empreendedores por oportunidade citaram-no como pagamento das dívidas da empresa. No que tange ao financiamento de curto prazo, os empreendedores o definem como o tempo obtido pela empresa para realizar o pagamento de empréstimos, adquiridos nas instituições bancárias. Outra definição obtida foi que este tipo de financiamento é resultante das vendas ao cliente e destacam ainda o crescimento das taxas de juros de acordo com o prazo do que entendem ser financiamento. Foi identificado que o termo liquidez é definido por todos os empreendedores como liquidação, ato de transformar a mercadoria existente nas empresas em dinheiro através da

10 realização de vendas que atraiam o cliente. De acordo com Silva (1995), liquidez é a capacidade de transformar os ativos da empresa em dinheiro. Observa-se que as definições de liquidez relatadas pelos entrevistados possuem coerência com a teoria, apesar da ênfase dada ao termo liquidação de mercadorias. O capital de giro é definido pelos empreendedores como recurso para repor estoques, ou ainda como mercadorias que possuem pouco retorno financeiro, mas, que possuem boa movimentação, fazendo com que o capital esteja disponível, para realizar novas compras e pagamentos. Já o equilíbrio financeiro é apontado pelos empreendedores por necessidade, como mercadorias que são vendidas com facilidade, e apresentam rápido retorno financeiro, funcionando como fonte para repor estoques. Já os empreendedores por oportunidade, definem o equilíbrio financeiro, como o ponto de equilíbrio entre compras e vendas, receitas e gastos. A análise desenvolvida, deixa à mostra o limitado conhecimento que os empreendedores têm sobre os termos comuns e de uso freqüente no sistema financeiro. Somente um empreendedor por oportunidade procurou a CDL para treinamento em gestão financeira deixando claro a pouca preocupação com o tema. Assim, é importante ressaltar o risco gerir um empreendimento sem o conhecimento mínimo necessário para que ele tenha êxito. A precariedade dos mecanismos de planejamento, gestão financeira e a postura demonstrada pelos empreendedores pesquisados apresentam uma forma de administrar através de decisões de forma empírica, o que pode levar as empresas a prejuízos. Órgãos como SEBRAE disponibilizam estudos sobre as micro e pequenas empresas no Brasil, bem como auxiliam os interessados em abrir seus negócios, analisando a viabilidade, gastos e recursos necessários, possibilitando a criação de empresas mais sólidas. É importante ressaltar, que a prática empírica, levaram os proprietários a procurarem o auxílio de amigos, parentes donos de comércios para abertura das empresas. Braga (2009) ressalta que os investimentos representam, também, a oportunidade de novos projetos, mas devem ser bem estruturados e planejados. Quando solicitados a relatar sobre a estrutura de financiamentos das empresas, constatou-se que eram utilizados linhas de créditos bancários e de fornecedores, quando necessário. Com relação às fontes de recurso para financiar o capital de giro, os empreendedores disseram utilizar também os recursos da própria empresa, ressaltando que reduzem as compras em períodos de quedas nas vendas, destacando esses períodos como de início de ano. As compras efetuadas pelos empreendedores por oportunidade são financiadas por fornecedores e capital da própria empresa. Já entre os empreendedores por necessidade, um utiliza cheque especial, sendo que os outros dois disseram não comprar caso não tenha recurso disponível na empresa. De acordo Gitman (2008), as contas a pagar e despesas a pagar, são passíveis de negociação de prazo com os fornecedores, que deverão ser pagas com uma maior lentidão sem atingir o crédito da empresa, gerando um financiamento sem vinculação de ativos específicos como garantia de dívida. Constata-se que os empreendedores por oportunidade incentivam e se beneficiam das garantias de recebimento e menores prazos oferecidos pelas financiadoras de cartões de crédito e débito. Assim, realizam as vendas com maior garantia de recebimento e menores prazos, o que disponibiliza um maior fluxo de caixa para a empresa.

11 A determinação do saldo mínimo de caixa é realizada pelos empreendedores por oportunidade baseando em experiências anteriores, sendo que os empreendedores por necessidade não possuem um saldo mínimo de caixa ou o determinam de forma a não utilizar o cheque especial. Quando questionados a definir e relatar sobre a utilização de outras técnicas de análise de investimentos, payback, TIR e VPL, identificou que os empreendedores não as conhecem. O Sobre o aspecto relacionado ao sucesso ou fracasso das empresas foi solicitado, aos entrevistados, a falar sobre a evolução da empresa quanto ao aumento de número de clientes, vendas, estoque e a disponibilização de novos produtos, verificou-se que todas as empresas tiveram aumento do número de clientes e das vendas. A respeito da gestão de estoque, contatou-se que o investimento ocorre apenas em períodos sazonais para os dois tipos de empreendedores, sendo que alguns empreendedores disseram ser contra manter estoque, em função da compra de mercadoria, para estocagem, configurar em deixar o capital parado, o que de acordo com os empreendedores não é aconselhável. Por esta razão, conforme Gitman (2004), uma administração inadequada ou equivocada do capital de giro, certamente tem como consequência grandes problemas financeiros, podendo levar a empresa à insolvência, fato que tem o consenso dos empreendedores que preferem não manter altos estoques. Apenas a falta de segurança no reduto da empresa e a oportunidade de trabalhar com um bom salário foram citadas como fatores que levariam os empresários por necessidade a encerrar as atividades de suas empresas. Todos os empresários por oportunidade disseram não ter motivos para agir de tal forma. Enfocando a visão empreendedora sob o prisma das necessidades humanas, Dolabela (2000) afirma que a visão de quem empreende por necessidade é voltada à segurança e à estabilidade. Para Teodoro e Oliveira (2006) o empreendedor por oportunidade acredita que o fracasso é uma fonte de aprendizagem, e por isto procura aprender com seus erros. A segurança de receber um salário fixo ao final de cada mês pode ser considerada como atrativo pelos empreendedores em comum acordo com as citações de Dolabela (2000) para que levem o empreendedor por necessidade a cogitar a ideia de encerrar as atividades. Com isso, apresentada a maior diferenciação entre os dois perfis de empreendedores. Aqueles que abriram suas empresas por necessidade possuem uma maior fragilidade ao fechamento do estabelecimento por motivo de um bom emprego, devido às dificuldades presentes e o baixo faturamento. Fato agravado por uma falta de planejamento e desconhecimento de gestão. Os empreendedores por oportunidade por apresentarem uma situação estável com um bom faturamento desconsideram está possibilidade apesar de terem pouca diferenciação em relação aos conhecimentos da gestão financeira. Quanto às expectativas, para os próximos cinco anos, são as mesmas dentre os empreendedores entrevistados, que destacaram principalmente o crescimento da empresa, a aquisição do imóvel comercial próprio e expansão do ramo de atividades, como principais expectativas. Conhecer as técnicas de investimentos torna-se importante de acordo com Santos (2005) porque permite verificar se as tomadas de decisões relacionadas às novas aquisições ou reformas em busca de desenvolvimento, encontram-se acima de sua capacidade de caixa e requerem financiamento junto a terceiros. Avaliar a capacidade de caixa, conforme

12 destaca Santos (2005) é dos um fatores considerados pelos empreendedores, que planejam melhorias de investimento a longo prazo. CONSIDERAÇÕES FINAIS O empreendedorismo é a atividade realizada por pessoas que buscam a oportunidade de gerar renda própria através da criação de novos empreendimentos. São dois os tipos de empreendimentos: por oportunidade e por necessidade. Destaca-se que os dois tipos de empreendimentos requerem que os empresários tenham noções de administração financeira que os auxiliem a gerir seus empreendimentos de forma segura, evitando correr riscos desnecessários. As pesquisas atestaram que os empreendedores possuem pouco conhecimento sobre as técnicas disponíveis, desconhecendo o significado e a aplicação de termos financeiros bastante comuns à gestão financeira, como capital de giro, investimentos a curto e longo prazo e liquidez. Detectou-se, também, que os empreendedores não foram treinados, o que demonstra a necessidade de busca conhecimentos técnicos, em virtude da importância de se preparar e realizar uma gestão financeira que atenda às necessidades das empresas. Quanto a descrição e análise do processo de abertura das microempresas, pode-se afirmar, com base nos dados analisados, que os empreendedores não utilizaram nenhuma ajuda especializada para abrir suas empresas. Os dados indicaram também, que os empresários utilizaram capital próprio para iniciar suas atividades. No que se refere às técnicas de investimento e financiamento adotadas, é baixa a utilização de capital de terceiros, fornecedores e bancos. É também comum, a aquisição de mercadorias à vista (quando dispões do capital). Na falta de capital os estoques ficam a níveis baixos comprometendo os fluxos de caixa, gerando desequilíbrio no capital de giro. Os dados demonstraram similaridade de posicionamento entre os dois tipos de empreendedores, embora a motivação para iniciar o empreendimento seja diferente. Assim, pode-se constatar que os empreendedores consideraram como fatores de sucesso o crescimento das lojas no que se refere ao aumento das vendas e da clientela, e dos estoques apenas em períodos sazonais. Os empreendedores são contra manter estoques elevados por se configurar em capital de giro parado, fator que deve ser considerado, já que a má administração do capital de giro pode levar a empresa à insolvência. Com relação aos fatores negativos, os mais citados foram a necessidade de se realizar cobranças, a falta de segurança e em caso isolado a má relação com funcionários. Estes fatores demonstram as conseqüências de um mau planejamento e treinamento no momento da abertura da empresa. Desta forma, apenas algumas práticas são adotadas pelos empreendedores, como financiamentos e controle de caixa. Porém, o pouco conhecimento financeiro dos empreendedores impossibilita que a utilização de tais práticas seja feita de maneira correta, quando confrontados as atitudes com relação à saúde financeira das empresas, as experiências utilizadas pelos empreendedores e a teoria. Apesar do pouco conhecimento dos empreendedores na área financeira pode-se detectar que as empresas possuem um faturamento anual que atende as expectativas dos proprietários, o que permite avaliar, que se houvesse um

13 maior entendimento acerca da administração e técnicas financeiras disponível, muito provavelmente estes empresários teriam maior sucesso em sua carreira. REFERÊNCIAS ASSAF NETO, Alexandre; SILVA, César Tibúrcio. Administração de capital de giro. 2. ed. São Paulo: Atlas, BRAGA, Roberto. Fundamentos e técnicas de administração financeira. São Paulo: Atlas, BERNARDI, Luiz Antônio. Manual de Empreendedorismo e Gestão: fundamentos, estratégias e dinâmicas. São Paulo: Atlas, BEUREN, Ilse Maria et al. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade. 3. ed. São Paulo: Altas, DOLABELA, Fernando. A Vez do Sonho. São Paulo: Cultura Editores Associados, DORNELAS, Jose Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando idéias em negocio. Rio de Janeiro: Campus, DRUCKER, Peter F. Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): Prática e princípio. 3. ed. São Paulo: Pioneira, GITMAN, Lawrence Jeffrey. Princípios de Administração financeira, 10. São Paulo: Person Addison Wesley, HOJI, Masakazu. Administração financeira: uma abordagem prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, LEMES JÚNIOR, Antonio Barbosa; PISA, Beatriz Jackiu. Administrando micro e pequenas empresas. Rio de Janeiro: Elsevier, SEBRAE Serviço brasileiro de apoio às micro e pequenas empresas. Empreendedorismo no Brasil Curitiba: IBQP, Disponível em: <www.sebrae.com.br>. Acesso em 03 jan SILVA, José Pereira da Silva. Análise Financeira das Empresas. 3. ed. São Paulo: Atlas 1995

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

INVESTIGAÇÃO SOBRE FATORES DETERMINANTES PARA A FALÊNCIA DE MICROEMPRESAS DE PEQUENAS CIDADES DA REGIÃO DE FRANCA

INVESTIGAÇÃO SOBRE FATORES DETERMINANTES PARA A FALÊNCIA DE MICROEMPRESAS DE PEQUENAS CIDADES DA REGIÃO DE FRANCA INVESTIGAÇÃO SOBRE FATORES DETERMINANTES PARA A FALÊNCIA DE MICROEMPRESAS DE PEQUENAS CIDADES DA REGIÃO DE FRANCA Jessica da Silva Marcola (Unifran) jessica_marcola@yahoo.com Vinicius Picanco Rodrigues

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

Administração de Pequena e Média Empresas (PME s)

Administração de Pequena e Média Empresas (PME s) Administração de Pequena e Média Empresas (PME s) Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal larissabbl@hotmail.com 3047-2800 9161-7394 Conteúdo Programático Constituição de uma pequena ou média empresa.

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00)

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) 3 ABRIL ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) DATA: 06 a 10/04/2015 HORÁRIO: 19h às 22h CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Bem tratado ou bem atendido? Momentos da verdade das empresas O perfil do profissional de

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (Universidade Regional de Blumenau

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006

XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Grau de utilização dos sistemas de fluxo de caixa na administração financeira das micro e pequenas empresas da cidade de Ponta Grossa Márcia Cristina de Mello Kaspczak (UTFPR) mcmjk@ig.com.br Luciano Scandelari

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALESSANDRA PAIXÃO HUNGRIA Mat: 0201010801 FABIANA SUELI DAMASCENO DOS SANTOS Mat: 0101009601

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA EDUCAÇÃO CONTÁBIL NA GESTÃO FINANCEIRA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

TÍTULO: O PAPEL DA EDUCAÇÃO CONTÁBIL NA GESTÃO FINANCEIRA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS TÍTULO: O PAPEL DA EDUCAÇÃO CONTÁBIL NA GESTÃO FINANCEIRA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

GERENCIAMENTO FINANCEIRO: um estudo em micro e pequenas empresas do Norte e Noroeste Paranaense RESUMO

GERENCIAMENTO FINANCEIRO: um estudo em micro e pequenas empresas do Norte e Noroeste Paranaense RESUMO GERENCIAMENTO FINANCEIRO: um estudo em micro e pequenas empresas do Norte e Noroeste Paranaense Roberson Chaves Vitor - FAFIJAN Gislaine Oliveira Souza - FAFIJAN Jocimar Aparecido Dutra - FAFIJAN Eliane

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas Geovana Alves de Lima Fedato 1 Claiton Pazzini Goulart 2 Lyss Paula de Oliveira

Leia mais

A Importância da Análise das Demonstrações Contábeis na Concessão de Crédito

A Importância da Análise das Demonstrações Contábeis na Concessão de Crédito A Importância da Análise das Demonstrações Contábeis na Concessão de Crédito Kairo William de Carvalho kairo-william@hotmail.com IPTAN Milena de Paula Melo milenamelo15@hotmail.com IPTAN Carla Agostini

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Prof. MSc. Afrânio Maia Miglioli (REGES) afraniomm@uol.com.br Prof. Dr. Antônio Fernando Traina (UNAERP) atraina@unaerp.br

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL Abril/2014 2014 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO 1 DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil Willian Dela Rosa Canha FAFIJAN Jaiane Aparecida Pereira FAFIJAN/UEM RESUMO O presente estudo tem por objetivo

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO FINANCEIRO PARA MICROEMPRESAS RESUMO

FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO FINANCEIRO PARA MICROEMPRESAS RESUMO FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO FINANCEIRO PARA MICROEMPRESAS RESUMO Lucas de Oliveira COSTA 1 Rafael de Araújo SHUMAHER² Fabiano Martin TIOSSI³ Este trabalho tem como objetivo apresentar ferramentas contábeis

Leia mais

Planejamento Financeiro Empresarial

Planejamento Financeiro Empresarial Planejamento financeiro empresarial 1 Planejamento Financeiro Empresarial Hinara Araújo Thé Prof: Héber Lavor Moreira E-mail: heber@peritocontador.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao planejamento financeiro

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza.

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza. 7CCSADFCOUT1 CONTROLE FINANCEIRO: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DOS SALÕES DA ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DA BELEZA Jannielly Krystianne Laurentino dos Santos (1) ; Luzivalda Guedes Damascena

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL JARDEL JAVARINI BONELI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo objetiva apresentar

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO: UMA ANÁLISE SOBRE O PERFIL DO NOVO EMPREENDEDOR E OS RESULTADOS DE SUA GESTÃO

O EMPREENDEDORISMO: UMA ANÁLISE SOBRE O PERFIL DO NOVO EMPREENDEDOR E OS RESULTADOS DE SUA GESTÃO O EMPREENDEDORISMO: UMA ANÁLISE SOBRE O PERFIL DO NOVO EMPREENDEDOR E OS RESULTADOS DE SUA GESTÃO Judimar da Silva Gomes Administrador, Mestre em Tecnologia pelo CEFET/RJ Celso Suckow da Fonseca Coordenador

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia.

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO O presente mini-ensaio, apresenta os desvios que envolvem o conceito de micro e pequena empresa

Leia mais

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto Gestão de Pequenas e Médias Empresas Brasileiras por Sistema de Consórcio Trabalho de Conclusão de Curso - TCC MBA Executivo Internacional - Turma 34 Fábio Mattos Fernando Alcântara Fernando Moulin Jorge

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos Plano Aula 10 24/10/2011 - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos 1 Exercício de Desenvolvimento Pessoal O objetivo deste exercício é praticar os conceitos de Controle

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO.

EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. MICHEL, Murillo Docente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 01 Finanças e Empresas Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO Finanças e Empresas... 3 1. Introdução a Administração Financeira... 3 2. Definições... 3 2.1. Empresas...

Leia mais

III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento

III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento Pesquisa Sebrae: Empresários participantes do III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento Brasília, Novembro 2012 * *Conhecer o perfil das empresas participantes do III Fomenta Nacional; *Investigar

Leia mais

ATIVIDADE EMPREENDEDORA

ATIVIDADE EMPREENDEDORA ATIVIDADE EMPREENDEDORA Francisco Carlos Petrachi Gera Fransérgio Martins Lucas Menegheti Contini Orientadora: Profª. Ms. Silvia Alonso Y Alonso Bittar Cunha Resumo Embora o empreendedorismo seja um tema

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 2 SUMÁRIO: 1) INTRODUÇÃO A GESTÃO FINANCEIRA a. A IMPORTANCIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS b. O CONTEXTO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA c. A FUNÇÃO DO ADMINISTRADOR

Leia mais

Fontes de Financiamento para Capital de Giro

Fontes de Financiamento para Capital de Giro Fontes de Financiamento para Capital de Giro Camila Diniz Paulo Victor Alan Jivago OBJETIVOS APRESENTAR CONCEITUALMENTE AS MODALIDADES DE FINANCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO Das atividades operacionais da

Leia mais

Palavras-chave: Administração Financeira. Empresa Familiar. Fluxo de Caixa

Palavras-chave: Administração Financeira. Empresa Familiar. Fluxo de Caixa O FLUXO DE CAIXA COMO INSTRUMENTO DE GRANDE RELEVÂNCIA PARA UMA BOA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA FAMILIAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA CIDADE DE IPATINGA MG Lorena Nishio Alves

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ADÉLIA DE FARIAS PANTOJA - 0201013501 MARILÚCIA CORREA DA SILVA - 0201013401 ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté Ailton da Silva, Paulo César Ribeiro Quintairos, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA Cristiane Escarpelini dos Santos - cristianne88@hotmail.com Ricardo dos Santos Gabriel de Jesus - rickccb@gmail.com Profº. M. Sc. Francisco Cezar Vendrame - fcvendrame@unisalesiano.edu.br

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

AANÁLISE DO EMPREENDEDORISMO

AANÁLISE DO EMPREENDEDORISMO AANÁLISE DO EMPREENDEDORISMO INFORMAL NO BAIRRO DE FELIPE CAMARÃO NA CIDADE DE NATAL Rosiane Rocha Rafael 1 Josué Vitor de Medeiros Júnior 2 RESUMO Analisou-se o empreendedorismo informal no Bairro de

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais