O papel do micro-crédito e das micro-finanças como instrumentos de redução da pobreza

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O papel do micro-crédito e das micro-finanças como instrumentos de redução da pobreza"

Transcrição

1 O papel do micro-crédito e das micro-finanças como instrumentos de redução da pobreza 1. Introdução Marcelo Roque da Silva O crescimento econômico e a distribuição da renda no interior das nações são duas das formas conhecidas para reduzir a pobreza. Porém, em uma época na qual a globalização tende a se aprofundar, não há porque ignorar um outro aspecto do problema, o fato de que também existe uma grande desigualdade entre as diferentes nações, desigualdade esta que tem crescido ao longo dos últimos dois séculos. Atualmente a questão da desigualdade mundial de renda é amplamente conhecida e debatida. Ela implica em que, enquanto alguns países proporcionam uma qualidade de vida - proveniente de sua elevada renda per-cápita - relativamente alta a seus cidadãos, outras nações ao redor do planeta sofrem com a fome, miséria, doenças, ignorância, falta de crescimento econômico e de produtividade, entre outros males. Para se ter uma noção numérica desta diferença basta olhar para os dados. Ficaremos em um só deles: no início do século XIX, a razão da renda real per-cápita entre os países mais ricos e os mais pobres era de 3 para 1; ao redor de 1900, esta razão havia subido para 10 para 1; no ano 2000, a mesma razão estava em 60 para 1. Nota-se claramente que, apesar de a produção mundial de bens e serviços - e consequentemente a renda mundial - haver crescido 50 vezes desde 1820 até os dias atuais (enquanto a população cresceu apenas 6 vezes durante o mesmo período) esse crescimento tem sido consideravelmente mal distribuído entre as diversas nações do planeta (Wolf, 2000). O que se nota é uma piora na distribuição da riqueza mundial (se essa tendência irá um dia se inverter é ainda uma questão em aberto) ao longo do tempo e uma das principais conseqüências disso é uma maior dificuldade em se reduzir a miséria das nações mais pobres, pois estas não conseguem crescer em um ritmo rápido o suficiente, apesar de haver exceções. Maior crescimento econômico, ou seja, maior produção de bens e serviços, significa maior riqueza, e o crescimento econômico é considerado por muitos economistas, e inclusive pelo Banco Mundial, a melhor alternativa para a redução da pobreza (The World Bank Group, 1999a). É claro, no entanto, que o crescimento não é a única arma nessa luta. A simples distribuição da renda - retirar dinheiro dos ricos e dar aos pobres, seja sob forma monetária seja em benfeitorias - pode, e talvez deva, possuir um papel importante nessa luta por melhores condições para os mais necessitados, desde que a política interna das nações assim o permita ou deseje. Quanto à distribuição da renda no interior das nações, o Brasil representa um exemplo conhecido. O país possui um dos piores índices de distribuição de renda no planeta e não tem melhorado essa situação mesmo sendo um país democrático durante as últimas duas décadas (considerando que em democracias o povo deve deter o poder e, teoricamente, votar em políticos que reduzissem a sua pobreza). Para completar seus problemas, o crescimento do país ao longo desse período tem sido apenas uma fração dos índices verificados no restante do século XX. A falta de crescimento, assim como a má distribuição da renda, também são problemas no restante da América Latina. Os anos 90 trouxeram para o sub-continente um crescimento médio de 3% ao ano ao passo que nos anos 80 o crescimento ficou ao redor de 2%. Estes números significam um crescimento médio da renda per-cápita de 1,1% durante os anos 90 enquanto uma pequena queda desse indicador foi verificada durante os anos 80. Se tal tendência se mantiver a pobreza dificilmente poderá ser eliminada, ou mesmo reduzida significativamente na região somente através do crescimento econômico. Segundo estimativas do Banco Mundial, em 1998 cerca de 36% dos 500 milhões de pessoas que vivem na América latina e no Caribe eram considerados pobres, e cerca de 16% delas eram consideradas extremamente pobres.

2 Apesar de haver outras formas de medida, geralmente é considerado pobre quem vive com menos de 2 dólares por dia, e é considerado extremamente pobre quem sobrevive com a metade desta quantia diáriamente. A América Latina é a região do mundo com maiores índices de desigualdade de renda entre seus cidadãos (The Economist, 2000). Se apenas o crescimento econômico não basta para solucionar o problema da pobreza, ao menos se as taxas atuais se mantiverem, torna-se necessária a procura de novas formas para amenizar a situação de miséria nos países afligidos. Várias são as opções existentes no sentido de reduzir a desigualdade. Elas vão desde os esquemas de renda básica ou de renda mínima, que se tratam de doações em dinheiro aos pobres até o microcrédito e as microfinanças, que visam fornecer serviços financeiros especialmente desenhados para suprir as necessidades dos mais carentes (Silva, Basso e Pinho, 2000). 2. O microcrédito e suas características básicas Antes de iniciar qualquer análise a respeito de programas para redução da pobreza é interessante notar que a própria definição do conceito de pobreza não é destituído de controvércias entre os economistas e pesquisadores. Isso ocorre porque ele pode ser visto, de forma simplificada, sob dois aspectos distintos: o quantitativo e o qualitativo. O aspecto quantitativo considera a pobreza como sendo simplesmente uma carência de bens materiais. Nesse caso, para que seja possível retirar uma pessoa da situação de miséria é necessário aumentar seus rendimentos, tornando maiores suas possibilidades de aquisição de bens e serviços diretamente no mercado. O aspecto qualitativo, por sua vez, afirma ser a pobreza é um conceito que abrange uma leque mais amplo de características. Estas incluem a vulnerabilidade, o isolamento social, a propriedade de um corpo fraco e doente, a humilhação que estas pessoas costumam sofrer, a falta de poder em relação aos demais cidadãos, entre outras. O aspecto qualitativo da pobreza adota uma visão holística do problema ao invés de uma visão simplesmente quantitativa (Hulme e Mosley, 1996). Neste trabalho iremos utilizar preferencialmente a primeira abordagem, por ser ela de mais simples mensuração, o que pode tornar mais fáceis os movimentos no sentido de aliviar a pobreza, inclusive a própria adoção do microcrédito. Isso não significa dizer que não tenhamos respeito pela forma qualitativa de mensuração da pobreza, ou que a consideremos uma forma de mensuração de inferior qualidade. Simplificadamente, microcrédito significa a realização de micro-empréstimos financeiros feitos aos pobres com a finalidade de torná-los auto-empregados, e se possível micro-empresários de sucesso. Seu objetivo é reduzir a pobreza de um modo geral e também o desemprego. Tais empréstimos são realizados por órgãos especializados, as chamados institituições de microfinança (IMFs). O microcrédito, é apenas um dos instrumentos das chamadas microfinanças, sendo também o mais popular deles. Microfinança, por seu lado, significa o fornecimento, aos mais pobres, de serviços financeiros diversos, adequados às suas necessidades próprias, também objetivando o alívio da pobreza. Dentre tais serviços fazem parte, além dos micro-empréstimos, os micro-seguros, as micropoupanças, entre outros. A instituição pioneira na área de microcrédito foi o Grameen Bank, de Bangladesh, fundado no início dos anos No final da década de 80, quando o sucesso das ações de microcrédito já estavam estabelecidas, muitas instituições passaram a disponibilizar microcrédito, a maioria delas Organizações Não-Governamentais (ONGs) que não visavam lucro. A partir desse momento, o microcrédito se tornou popular e começou a se espalhar pelo mundo. Por exemplo, o Grameen Bank, entre 1994 e 1999, emprestou U$ 2,4 bilhões a aproximadamente 2,3 milhões de pessoas (The World Bank Group 1999b). A vantagem inicial de um programa de microcrédito está relacionada à possibilidade de fornecer crédito aos pobres que, anteriormente, para conseguir algum empréstimo no intuito de se auto- 2

3 empregar ou se tornar micro-empresário, necessitavam se voltar aos agiotas, pois os bancos normais lhes negavam crédito. O maior problema existente para um banco normal emprestar a um cidadão pobre é o fato deste dificilmente possuir bens em quantidade e de valor suficientes que possam ser utilizados como garantia do dinheiro emprestado (Costa, 2001). Por ser um esquema de empréstimos, o microcrédito necessita, para funcionar adequadamente, ser adotado em um ambiente onde haja um nível mínimo de atividade econômica. Além disso, também são exigidas algumas características da parte dos tomadores dos empréstimos, que devem possuir algum talento administrativo e as capacidades: empresarial, de gerenciamento de riscos financeiros, de identificação de oportunidades, de tomada de decisões difíceis, etc.. Isso significa que nem todos os cidadãos pobres poderão ser beneficiados pelo esquema, pois nem todos eles possuem os pré-requisitos citados, que possibilitarão a eles se tornarem autoempregados ou mesmo micro-empresários bem sucedidos. Estas características são, de um modo geral, ainda mais raramente encontradas justamente entre os mais pobres dentre os pobres (os pobres entre os pobres ). Caso pessoas sem as características citadas recebam empréstimos, muito provavelmente tornarse-ão simplesmente devedores, o que irá piorar ainda mais sua condição financeira e social. Além disso, mesmo em ambientes nos quais as pré-condições acima são observadas, podem ainda ocorrer situações que impedem o funcionamento de ações de microcrédito. Estas são situações nas quais: alguma doença impõe sérias dificuldades para que as pessoas possam aproveitar as possibilidades oferecidas pelos empréstimos. Um caso notório é a epidemia de AIDS que atualmente castiga diversos países africanos. trata-se de tentar auxiliar os pobres entre os pobres. Apenas com a utilização do microcrédito isso é muito difícil, a menos que sejam utilizados outros mecanismos de auxílio em conjunto. há ambientes onde uma situação emergencial ocorreu a pouco tempo, e onde ainda existem problemas relativos a ela. Exemplos são guerras civis, terremotos, secas, etc.. o esquema é tentado em áreas rurais, onde não há um nível mínimo de acesso aos mercados, ou de infra-estrutura. a população não pode ser considerada fixada permanentemente a um determinado local, o que é comum quando guerras civis obrigam-nas a viverem temporariamente em algum local que não suas residências originais. Essa situação torna tais populações instáveis e móveis. haja leis, ou alguma outra espécie de regulamentação, que sirvam de barreira à constituição, administração e funcionamento de micro-empresas. a população é tão dispersa que torna-se muito custoso a trabalho de visita a clientes, dificultando assim os negócios. a moeda não costuma possuir sua função de meio de troca. Ou seja, as pessoas utilizam-se do escambo, e não da moeda, como forma de trocar mercadorias. existe considerável probabilidade de ocorrência de crises. Dentre estas pode-se citar hiperinflação, desastres naturais ou mesmo violências de diversas espécies entre a população. toda uma região depende basicamente de uma única atividade econômica. Isso comumente se dá com atividades agrícolas, significando que a região depende de uma só cultura. não é possível confiar nas leis. não existe ordem estabelecida. Por outro lado, para que o microcrédito seja possível é necessária a existência de uma instituição responsável pelos empréstimos. Esta deve preferencialmente ser de uma das três seguintes 3

4 modalidades: uma organização internacional de microcrédito, que pode ser uma ONG; um banco comum, desde que possua comprometimento de emprestar aos pobres; ou uma instituição regional, desde financeiramente robusta e especializada em empréstimos de pequeno porte destinados às pessoas mais pobres. Estas instituições, seja de que tipo forem, devem seguir, e perseguir, quatro princípios básicos: Profundidade de abrangência: os serviços devem atingir o objetivo básico de chegar até os pobres, caso contrário seriam praticamente inúteis como instrumentos de redução imediata da pobreza. Sustentabilidade: a instituição encarregada de fornecer os empréstimos deve procurar ser financeiramente auto-sustentável. Isso somente será atingido caso os empréstimos efetuados sejam devidamente pagos pelos tomadores, logo, o órgão deve se acostumar a cobrar efetivamente os empréstimos realizados. Escala: é importante que o serviço possua uma ampla escala, ou seja, atinja um grande número de pessoas. Caso contrário ele irá beneficiar a poucos, não atingindo o objetivo de reduzir a pobreza. Além disso, operando com uma base reduzida de clientes, a IMF irá encontrar maiores dificuldades para a obtenção da sustentabilidade. Permanência: o microcrédito só conseguirá obter algum impacto efetivo sobre as condições financeiras dos necessitados caso seja um serviço que perdure ao longo do tempo, ou seja, forneça serviços financeiros de longo prazo (Parker e Pearce, 2001). Devido aos requerimentos e exigências vistos acima, necessários ao bom funcionamento de um programa de microcrédito, poucas são as instituições que, na prática, estão plenamente aptas a fornecer os empréstimos e a funcionar adequadamente. Avalia-se que de cada 20 instituições que tentam atuar na área apenas duas acabem sendo bem sucedidas, tais são as modificações exigidas sobre sua forma anterior de atuação. Muitos agentes que tentam prover microcrédito falham por possuírem outros objetivos concomitantes, ou então por serem muito fracos financeiramente. Bancos, por seu lado, costumam ser instituições financeiramente robustas, porém, na maioria dos casos, não possuem flexibilidade para fazer as mudanças necessárias que um programa de microcrédito exige. Quanto às instituições internacionais especializadas em prover microcrédito, elas existem em pequeno número e não tem condições de prover o serviço no mundo todo. Resta portanto, como melhor opção, o desenvolvimento de agentes locais, principalmente instituições financeiras que podem se voltar ao microcrédito mas que anteriormente não atuavam nesta área. Consegue-se tal transformação provendo-as com assistência técnica adequada, o que somente obterá sucesso caso estes órgãos se comprometam a longo prazo e atuem profissionalmente, requerimentos que valem também para os demais agentes, como por exemplo os bancos. O sucesso de um programa de microcrédito exige, cima de tudo, disciplina, que é vital tanto da parte da instituição fornecedora dos empréstimos quanto da parte dos beneficiários. Para a instituição, a responsabilidade está diretamente ligada à sua sustentabilidade, à sua qualidade e à eficiência de seu serviço. É necessário que os agentes envolvidos em microcrédito iniciem suas atividades apenas após um rigoroso planejamento; possuam, ou criem, produtos financeiros que satisfaçam as necessidades dos clientes; cobrem taxas de juros que cubram todos os seus custos; exijam o pagamento efetivo dos empréstimos; e invistam o suficiente na área administrativa e atuem descentralizadamente Para o cliente, a disciplina significa maior responsabilidade, seja para pagar corretamente os empréstimos seja para começar a dirigir sua própria vida. Sem o pagamento dos empréstimos, o microcrédito nada mais seria do que simples caridade, e somente a responsabilidade e a disciplina podem auxiliar o pobre a quebrar as amarras que os mantém presos à miséria, a caridade pura e 4

5 simples não o fará. Esta é a opinião de Mohammad Yunus, o fundador do Grameen Bank de Bangladesh que, como visto anteriormente, foi um dos pioneiros mundiais do microcrédito (Parker e Pearce, 2001). Portanto, uma das principais diferenças que o microcrédito apresenta em relação aos demais programas de redução da pobreza - como por exemplo os esquemas de renda básica e renda mínima, baseados no fornecimento de uma renda garantida aos mais pobres pelo governo e que tendem a aumentar sobremaneira os impostos cobrados do restante da população - é o fato de ele não ser um programa paternalista. Os empréstimos devem ser pagos, e isso tende a incutir nos beneficiários um senso de responsabilidade que muitos dos demais programas de redução da pobreza não possuem. No microcrédito o sucesso dos micro-negócios implementados pelos beneficiários com o dinheiro emprestado é muito importante para o prosseguimento do esquema, pois é uma condição necessária ao próprio pagamento dos empréstimos. Se um cliente pediu um montante de dinheiro emprestado para abrir um negócio, e este for bem sucedido, ele poderá pagar o emprestador sem maiores dificuldades, e o fará, mesmo porque, provavelmente ele sabe que poderá necessitar de mais empréstimos no futuro e quer poder contar com o auxílio do órgão. No caso oposto, caso haja falências, haverá um alto grau de inadimplência e o programa como um todo dificilmente poderá seguir em frente, uma vez que o dinheiro pago por um cliente é utilizado para o fornecimento de novos empréstimos a novos clientes, e assim por diante, auxiliando mais e mais pessoas. Além disso, é justamente o pagamento dos empréstimos que irá tornar a instituição emprestadora financeiramente viável, garantindo sua sustentabilidade. Dessa forma, do sucesso daqueles que foram beneficiados anteriormente depende, em grande parte, o sucesso dos seguintes e a redução da pobreza via fornecimento de microcrédito. Imagine-se, por exemplo, o que ocorreria caso os clientes de uma determinada IMF não se vissem obrigados a pagar os empréstimos. A conseqüência direta dessa situação seria um impacto perverso sobre quaisquer outros programas de microcrédito de outras instituições, pois os demais pobres também irão se considerar desobrigados do pagamento dos empréstimos. Isso inviabilizaria todos os programas de microcrédito vigentes em uma vasta área, talvez em todo o país, com os programas sendo encerrados ou com os órgãos passando a depender apenas de doações, quando o ideal é a sustentabilidade. Por vezes ocorre de o programa terminar gerando lucros ao agente emprestador, e na verdade esse é um objetivo importante pois garante a continuidade do programa ao longo do tempo. Em alguns programas de microcrédito financiados pelo Banco Mundial (o dinheiro a ser emprestado era fornecido pelo Banco a uma ONG especializada) já está ocorrendo a ligação direta entre o microcrédito e o mercado de dinheiro formal. Dessa forma, as entidades emprestadoras, por estarem obtendo lucro com seus microempréstimos, estão passando a buscar o dinheiro para este fim diretamente de bancos comerciais, a taxas de juros competitivas, dispensando as doações do Banco. Este é um esquema ideal em termos de sustentabilidade a longo prazo, e uma meta a ser buscada por todas as IMFs (The World Bank Group, 2000). Nos programas de microcrédito, a próprio IMF acaba se envolvendo de alguma maneira com os negócios de seus clientes. Isso pode ocorrer através da provisão de alguma espécie de acompanhamento, através do fornecimento de certo grau de capacitação técnico-gerencial, ou ainda através do auxílio na comercialização dos bens ou serviços produzidos pelo micro-empreendedor com o dinheiro emprestado. Tais auxílios não se dão somente porque o agente visa o sucesso dos negócios dos clientes, mas também porque muitos tomadores de empréstimo não possuem a educação, ou o acesso às informações sobre negócios e economia em geral, necessários à administração de uma empresa mesmo que de tamanho consideravelmente reduzido (Caldas, 1998). 5

6 Entre os diversos agentes de microcrédito (e de microfinanças) há diferenças a se considerar. Enquanto existem aqueles que são especializados em empréstimos, também existem os que, apesar de muitas vezes também operarem com microcrédito, possuem como atividade principal outras formas de auxílio, entre elas o treinamento, a assistência de marketing, entre outras. Um esquema de microcrédito típico costuma possuir as seguintes características essenciais: envolve grupos, de forma que o beneficiário geralmente faz parte de um grupo que inclui de 15 a 20 pessoas, que costumam se encontram com certa regularidade. as transações agente-beneficiário são realizadas na frente dos demais integrantes do grupo, no intuito de valorizar a transparência das negociações. não há exigência de garantias para os empréstimos. costuma haver um teto máximo de valor para os empréstimos para que os mesmos sejam destinados primordialmente aos mais necessitados. os empréstimos devem ser pagos através de parcelas semanais e possuem um prazo médio de maturação de 50 semanas. acredita-se que, para o microcrédito conseguir retirar uma pessoa da pobreza, esta deve ter direito a empréstimos por um período ininterrupto de aproximadamente nove anos. o beneficiário possui ampla liberdade para escolher a qual atividade irá se dedicar e aplicar o dinheiro. A maioria destas atividades são pequenos comércios, criação de gado, artesanato, etc., e ocorrem na área rural. é dada a preferência às mulheres na concessão dos empréstimos, sendo que elas formam 90% do total de beneficiários atualmente. os empréstimos são pequenos no início, variando entre U$ 25 a U$ 75, mas podem ser maiores à medida que o cliente prove estar comprometido com o esquema, ou seja, à medida que ele pague corretamente as parcelas do empréstimo. As taxas de inadimplência, ao contrário do que comumente se acredita, são baixas, inferiores a 5%. Busca-se emprestar somente à população pobre (The World Bank Group, 1999b). 3. As microfinanças Conforme afirmado acima, as microfinanças constituem-se no fornecimento, aos carentes, de micro-poupança, micro-seguros, micro-doações, além do microcrédito. Estima-se que, na atualidade, aproximadamente 500 milhões de pessoas pobres ao redor do planeta sejam demandantes de algum tipo de serviço financeiro. No entanto, a microfinança serve apenas uma pequena fração desta demanda, cerca de 16 milhões de necessitados. As IMFs somam cerca de no mundo todo. Várias são as formas das IMFs. Entre elas, as mais importantes são os bancos comerciais, os intermediários não-financeiros, as uniões de crédito e as ONGs. Algumas delas atingiram sucesso na atividade, demonstrando que a microfinança pode ser uma atividade financeiramente viável. Porém, as estatísticas mostram que o número de IMFs realmente auto-sustentáveis é muito pequeno, estimado em 1% delas, sendo que as demais continuam a depender de doações Como visto, a demanda pela microfinança é extremamente volumosa. Para suprí-la é necessário que as IMFs deixem de depender tanto das doações - que inclusive provém de um número pequeno de doadores atualmente - e se tornem parte do ambiente financeiro comum. Caso consigam atingir esse intento, as IMFs estarão atraindo recursos financeiros de um número muito maior de fontes comerciais, o que contribuirá para torná-las independentes e auto-sustentáveis. Somente a partir desse momento é que será possível uma expansão numérica em alta escala (CGAP, 2002). 6

7 Conforme visto acima, o próprio microcrédito deve, preferencialmente, para que possa ser mais efetivo, ser utilizado em conjunto com outros instrumentos de microfinança. Além do microcrédito, poupança e seguros são os outros dois serviços financeiros mais procurados pelos pobres - apesar de que os pobres aptos a deles desfrutar ainda se constituem em uma minoria. Algumas espécies de doações (grants) especialmente desenhadas para reduzir a pobreza, também podem desempenhar um papel importante neste aspecto. Se uma família pobre sofre algum tipo de choque, como uma enfermidade que afete um de seus componentes; um caso de desemprego inesperado; um desastre natural como terremotos, secas, enchentes; ou mesmo um problema não previsto com a sua plantação, ela pode estar preparada para enfrentar as dificuldades resultantes desde que possua alguma riqueza previamente reservada para este fim. Essa é a principal razão pela qual praticamente todas as famílias pobres poupam, desde que tenham a oportunidade de fazê-lo. Nota-se que o microcrédito é virtualmente inútil para solucionar a maior parte das situaçõesproblema listadas imediatamente acima, assim como muitas outras mais; por outro lado, esquemas de micro-finança, como os seguros e a poupança, poderiam ser de grande auxílio. Com relação às situações que impossibilitam, ou dificultam, a utilização do microcrédito, apresentadas no capítulo anterior, na maioria delas (porém não em todas), a micro-poupança também pode ser utilizada com sucesso. A micro-poupança não é necessariamente realizada apenas em dinheiro. Ela pode ser constituída também de jóias, cabeças de gado, ou de outro tipo de riqueza. A poupança aumenta a capacidade de administração de riscos (household risk management) das famílias pobres. O efeito disso é a redução de sua vulnerabilidade, que se constitui em um dos principais problemas decorrentes da pobreza e da miséria. A micro-poupança ainda é útil para a realização de possíveis investimentos futuros, provavelmente com o auxílio de um esquema de microcrédito. Devido à importância que a poupança pode ter sobre o bem estar do pobre, é portanto fundamental a existência de IMFs especializadas em fornecer a eles, de forma adequada, este tipo de serviço. As características principais que os esquemas de micro-poupança devem apresentar são segurança, simplicidade, acessibilidade e perenidade. O órgão responsável deve ser bem administrado, estar legalizado e sofrer a devida regulamentação pelo governo. Os pobres devem ter a possibilidade de depositar pequenas quantias com uma certa freqüência. Por ser um serviço diferenciado, as IMFs responsáveis pelo fornecimento do serviço de micropoupança devem, idealmente, receber assistência técnica adequada para estarem aptos a proverem os produtos mais adequados a este tipo de demanda. Elas também devem operar com uma grande reserva financeira, maior do que a usual, uma vez que sempre existe a possibilidade de haver períodos de maior demanda, causados por algum efeito externo que afete vários depositantes ao mesmo tempo, o que poderá acarretar uma corrida aos fundos da instituição. Atualmente, devido à complexidade que envolve a administração deste tipo de atividade, muitas vezes o papel das ONGs voltadas ao auxílio aos mais necessitados não chega a ser a efetiva provisão do serviço de micro-poupança, mas sim uma atuação como intermediária entre o cidadão pobre e um órgão especializado na área financeira, ou na área de poupança, mas não propriamente especializado em lidar com os mais carentes. Nos dias atuais está-se dando uma maior atenção aos micro-seguros, através dos quais os pobres podem se resguardar de alguns perigos como mortes e doenças na família, entre outros males. O microseguro funciona através de um seguro não muito diferente daquele encontrado normalmente no mercado. O micro-seguro, voltado aos mais pobres, já vem sendo inclusive realizado a alguns anos através de cooperativas de crédito voltadas para a área. Entretanto, também o micro-seguro é uma atividade de complicada operação, seja para uma ONG, seja para outra instituição não especializada qualquer. Portanto, da mesma forma que ocorre com 7

8 a micro-poupança, muitas vezes o melhor que uma ONG pode fazer é intermediar o serviço entre o cidadão carente e uma instituição que atue no segmento de seguros (Parker e Pearce, 2001). Conforme afirmado acima, o microcrédito exige dos possíveis clientes, para que estes sejam bem sucedidos, algumas qualidades que nem todos os pobres possuem, e geralmente os pobres entre os pobres possuem em ainda menor escala. Quando o microcrédito é tentado com estas pessoas, elas geralmente terminam como devedoras de um órgão que não as ajudou e que, por seu lado, tende a não se sustentar financeiramente por estar emprestando a quem não irá (ter a possibilidade de) pagar. Para estes cidadãos o microcrédito simplesmente não é uma opção viável. O mais indicado é algum esquema de micro-doação (micro-grants), que pode até mesmo estar associado a um plano de empréstimo futuro visando a implementação de um micro-negócio, o que irá incentivar a poupança. A doação ainda pode ser desembolsada em conjunto com algum treinamento objetivando aumentar o grau de empregabilidade do beneficiário. As doações também podem não estar associadas a nada além do simples fornecimento de uma rede de proteção temporária contra eventos negativos, como desastres naturais, ou um conflito qualquer, que possam ter deixado a família ou a pessoa sem casa e/ou sem bens por um período determinado. As micro-doações são efetuadas uma única vez, e são especialmente indicadas para os chamados pobres entre os pobres, que não possuem capacidade de fazer uso de empréstimos para gerar negócios. Após receberem as micro-doações, estes podem passar a ter a possibilidade de se prepararem para um emprego, ou mesmo de analisarem a viabilidade de um eventual micro-negócio, situação tornada possível devido ao espaço de tempo proporcionado pela doação, durante a qual a pessoa pode deixar de pensar apenas em sua sobrevivência e passar a fazer planos para o futuro, adquirir qualificações úteis, etc.. As micro-doações podem se constituir, portanto, em um estágio inicial e preparatório para o microcrédito. Porém, uma possibilidade indesejadas das micro-doações é que elas tenham o efeito de, após certo tempo, passarem a prejudicar o mercado para o microcrédito, pois do ponto de vista do cliente, é mais fácil receber um crédito independente do que receber empréstimo e ser obrigado a pagálo após seu prazo de maturação. Para evitar que um programa de micro-doações acabe por prejudicar outros programas de microcrédito ou de outro instrumento de micro-finança, ele deve: tentar incluir um possível uso posterior do microcrédito para o cliente, integrando os dois programas, ou então tentar integrá-lo a programas de treinamento; ser realizado uma única vez (um único pagamento); analisar cuidadosamente quem poderá receber o dinheiro; ser bem administrado e monitorado; quando o dinheiro doado for utilizado em alguma atividade produtiva, exigir alguma contribuição em dinheiro da parte do cliente, para garantir que ele está realmente comprometido com o projeto; consultar os gerentes de programas de microfinanças ou microcrédito que estiverem em funcionamento antes da implantação do programa. Para concluir, devemos afirmar que, no intuito de auxiliar as microfinanças e o microcrédito em seu objetivo de aliviar a pobreza, deve-se considerar ações que, apesar de se situarem fora da área financeira, possuem a capacidade de reforçar aquelas na busca de tal objetivo. Entre elas pode-se citar como as mais importantes, as reformas legais e regulamentatórias, os serviços não-financeiros, a melhoria da infra-estrutura regional e os programas de emprego. A importância de reformas nas regulamentações e nas leis deriva diretamente do fato de que, quanto mais fácil for a implementação de novos negócios, mais numerosos eles tenderão a se tornar. Deve-se, portanto, entras ações, trabalhar no sentido de reduzir a burocracia existente para se registrar uma nova empresa. Um papel que as ONGs, e outros grupos interessados, podem ter nessa área é auxiliar juridicamente os pobres em seus processos, ou atuar diretamente, sob a forma de lobby, em relação ao poder legislativo local. 8

9 Os serviços não-financeiros, por seu lado, abrangem um amplo espectro de ações sociais capazes de auxiliar na redução da pobreza. Entre elas pode-se citar o treinamento, seja para microempresários, seja visando aumentar a empregabilidade do beneficiário; a intermediação de informações, realizadas para facilitar os negócios; o providenciamento de contato do micro-empresário com possíveis clientes; o fornecimento de serviços de consultoria; a alfabetização, entre outras. Sistemas de comunicação pouco efetivas, serviços públicos inexistentes ou precários, estradas em mau estado nas quais é difícil e caro transportar mercadorias e pessoas, são exemplos de áreas nas quais a infra-estrutura pode ser melhorada em certas regiões. A melhoria da infra-estrutura tende a facilitar substancialmente as condições sobre as quais se realizam negócios e tenderão a facilitar os programas de redução da pobreza por elevar o número de negócios em funcionamento e, consequentemente, o de vagas de trabalho disponíveis. Os programas de emprego possuem a finalidade de fornecer algum tipo de emprego - seja remunerado por dinheiro ou, em certos casos, apenas por comida - para os mais necessitados que não possuem talento ou vocação para se auto-empregar. Ao trabalhar, estas pessoas, além de proverem sua subsistência estarão, ao mesmo tempo, adquirindo conhecimentos úteis que, no futuro, irão aumentar sua empregabilidade (Parker e Pearce, 2001). 4. Conclusão A redução das desigualdades de rendimentos é éticamente defensável, muitos acreditam. Ela é ainda mais defensável nos casos em que esta diferença é considerável (casos, por exemplo, do Brasil e da América Latina) e nos casos em que esta diferença não só é considerável mas também tem aumentado ao longo das décadas (caso da desigualdade entre os países). Porém, mesmo não atuando diretamente sobre ela, pode-se fazer muito em benefício dos mais necessitados. A microfinança é um dos instrumentos atualmente mais analisados para atingir este objetivo. Na área da microfinança destaca-se o microcrédito, que deve, sempre que possível, para atingir mais pessoas e obter um efeito maior, ser utilizado em conjunto com outros instrumentos de microfinança, como a micro-poupança, o micro-seguro e as micro-doações. Quando a finalidade for o auxílio dos pobres ente os pobres não deve ser utilizado o microcrédito, mas, na área da microfinança deve-se utilizar a micro-poupança e os micro-seguros. Porém, acima de tudo, as micro-doações posuem um papel fundamental quando se tratar dessa faixa de pobreza. Para os pobres que se encontrem em situação não tão desesperadora, deve-se utilizar o microcrédito, se possível em conjunto com as demais microfinanças. As instituições que atualmente fornecem microcrédito sofrem para se tornar viáveis, pois poucas são as instituições fornecedoras desse serviço capazes de obter lucro. A obtenção do lucro é possível, mas, para que isso ocorra, os esquemas de fornecimento de microcrédito devem deixar de depender de doações para se integrar, o máximo possível, ao ambiente financeiro comum, se possível adquirindo o dinheiro para ser emprestado diretamente dos bancos comerciais. Para tanto é fundamental que as IFMs exijam o pagamento dos empréstimos e consigam gerir competentemente o programa. Também não se deve deixar de utilizar das demais ações que, apesar de se situarem fora da área das microfinanças, possuem grande importância sobre a possibilidade de concretização de novos negócios (que geram novos empregos) e novos micro-negócios (que no mínimo geram o autoemprego). Os mais importantes deles são as reformas legais e regulamentatórias, os serviços nãofinanceiros, a melhoria da infra-estrutura regional. Os programas de emprego agem diretamente sobre a empregabilidade. O microcrédito, assim como as microfinanças, possuem algumas regras, que devem ser seguidas para que eles sejam bem sucedido. Porém, ao se fazer uso destes instrumentos, deve-se resistir à 9

10 tentação de acreditar na existência um padrão único para todas as diferentes situações encontradas. Cada caso deve ser analisado individualmente, e sua solução deve conter elementos específicos. Agindo de acordo com estas premissas, o microcrédito, e as microfinanças, tem muito a crescer e a contribuir para o nobre fim da redução da pobreza no mundo. Bibliografia: Caldas, Eduardo de Lima (1998). Viva o Microcrédito. Revista Cidades. (20), 19, Março. CGAP (2002). Helping to Build a Microfinance Industry. The Consultative Group to Assist the Poorest. Home Page: Costa, Fernando Nogueira (2001). A Revolução do Microcrédito. Folha de São Paulo, 15 de Janeiro. Hulme, David e Mosley, Paul (1996). Finance against poverty. 1. Ed. London/New York: Routledge. Parker, Joan e Pearce, Doug (2001). Microfinance, Grants, and Non-Financial Responses to Poverty Reduction: Where Does Microcredit Fit? CGAP - The Consultative Group to Assist the Poorest - Focus Note 20; 20 de Maio. Silva, Marcelo Roque; Basso, Leonardo F. Cruz e Pinho, Fernando J. M. (2000). Renda Básica - Explorando o Potencial Arrecadatório dos Municípios: Um Estudo de Caso Para o Município de Bauru. Anais do Congresso 33 Jornadas Nacionales e Interamericanas de Finanzas Públicas. Córdoba / Argentina; Setembro. Artigo 03, p. 77, livro II. The Economist (2000). The Slow Road to Reform. The Economist Newspaper Limited, 30 de Novembro The World Bank Group (1999a). Building Poverty Reduction Strategies. Home Page: The World Bank Group (1999b). New Study Confirms Benefits of Bangladesh s Microcredit Programs: Microfinance Alone Is Not a Panacea for Poverty Reduction or Reaching Poor Women. News Release No. 99/2063/SAS, 14 de Janeiro. The World Bank Group (2000). Empowering the Poor Through Microcredit: the Bangladesh Poverty Alleviation Project. News Released, Janeiro. Wolf, Martin (2000). Inequality: The Curse of Globalism. The Financial Times Co., 26 de Janeiro. Resenha Bibliográfica: Marcelo Roque da Silva Endereço: Rua Brigadeiro Gama Barcelos, 265 Parque Jabaquara - São Paulo - SP - Brasil CEP: Telefones: (011) , (011) s: ou Mestre em Economia pela Universidade Mackenzie; de São Paulo, Brasil Professor de Economia. Instituições de ensino nas quais leciona atualmente: 1) Universidade do Grande ABC (Uni-ABC) tels: ; ou ) Faculdade Torricelli tels:

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil MICROFINANÇAS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA

O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DO PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA CONDITIONAL CASH TRANSFER PROGRAMS: OPERATIONAL EXPERIENCES WORLD BANK WORKSHOP O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA Contexto Após

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia RESUMO

CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia RESUMO CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia Caio Márcio Ferreira Greve 1 RESUMO O presente artigo faz uma rápida descrição da modalidade de crédito intitulada Microcrédito, e como ela se

Leia mais

BNB - Segmentação de Clientes

BNB - Segmentação de Clientes BNB - Segmentação de Clientes Grande Pirâmide dos Empreendedores (Formais ou Informais) FORMAL Médio Pequeno MICROEMPRESA INFORMAL EMPREENDEDOR URBANO EMPREENDEDOR RURAL SERVIÇO INDÚSTRIA COMÉRCIO ATIVIDADES

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

O microcrédito como instrumento de desenvolvimento social e econômico

O microcrédito como instrumento de desenvolvimento social e econômico O microcrédito como instrumento de desenvolvimento social e econômico D- Desenvolvimento humano e social Zisleide Soares Moraes1 (UFS) magali alves de Andrade (UFS) Thiago de souza oliveira (UFS) Andersonn

Leia mais

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 3: Gerenciamento de dívidas

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 3: Gerenciamento de dívidas Educação Financeira Crédito Consignado Módulo 3: Gerenciamento de dívidas Objetivo Auxiliar no gerenciamento de dívidas e de como quitá-las, conscientizando as pessoas da importância em diminui-las e de

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países Tema 6: Atuaçã ção o Das Entidades Não-reguladasN Análise da atuaçã ção o das entidades não-reguladas n brasileiras: Comparaçã ção o com outros países Visão o de futuro para essas entidades. VII Seminário

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Microfinancas e Desafios da Habitação em Angola

Microfinancas e Desafios da Habitação em Angola Microfinancas e Desafios da Habitação em Angola Allan Cain DEVELOPMENT WORKSHOP Fórum Urbano Nacional Huambo, 05 Otubro 2009 Desafio da Pobreza Urbana O mercado informal foi a principal forma de subsistência

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS FERRAMENTA A QUEM É DESTINADA? O QUE É O QUE FAZ OBJETIVOS Guia de finanças para as empresas sociais na África do Sul Guia Jurídico

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado O Caso CREDIAMIGO Conceitos Microfinanças: todos os serviços financeiros para populações de baixa renda, inclusive financiamento ao

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Social Europeu são uma forma eficiente e sustentável de investir no crescimento

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária Acesso a produtos e serviços bancários a cidadãos de baixa renda; Serviços bancários + preocupação social. Ações para inclusão

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA > O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS > CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização da sua Empresa, exigem conhecimento

Leia mais

Fontes de Financiamento para Capital de Giro

Fontes de Financiamento para Capital de Giro Fontes de Financiamento para Capital de Giro Camila Diniz Paulo Victor Alan Jivago OBJETIVOS APRESENTAR CONCEITUALMENTE AS MODALIDADES DE FINANCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO Das atividades operacionais da

Leia mais

O PASSO A PASSO PARA A OBTENÇÃO DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS

O PASSO A PASSO PARA A OBTENÇÃO DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS O PASSO A PASSO PARA A OBTENÇÃO DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS OVERVIEW Este treinamento tem como objetivo oferecer aos participantes uma ampla visão de quais os passos para se obter financiamento para implementar

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas O que é o BID Organismo multilateral de desenvolvimento que tem como propósito financiar projetos viáveis de desenvolvimento econômico, social e

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A concentração bancária no Brasil é uma ameaça à justiça econômica e social 1 Quais as ameaças

Leia mais

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS Fórum Banco Central de Inclusão Financeira Painel MDS Brasília, 18/nov/2010 Sumário Breve descrição do PBF; Razões para inclusão financeira; Marco legal da inclusão financeira; Atual agenda de inclusão

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

O HSBC é uma organização de serviços financeiros e bancários internacionais, sediada no Reino Unido.

O HSBC é uma organização de serviços financeiros e bancários internacionais, sediada no Reino Unido. Princípios e valores comerciais. Introdução O HSBC é uma organização de serviços financeiros e bancários internacionais, sediada no Reino Unido. Pertencemos a cerca de 200.000 acionistas, em aproximadamente

Leia mais

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil SEGURANÇA ALIMENTAR - O DUPLO DESAFIO ERRADICAR A FOME DO PRESENTE; ALIMENTAR A POPULAÇÃO DO FUTURO E NÃO TER

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

Microcrédito Damos Rumo à Vida

Microcrédito Damos Rumo à Vida Microcrédito Damos Rumo à Vida 1 Microcrédito no Millennium bcp O Microempreendedor e o seu perfil Empreendedorismo Dar Rumo à Vida Resultados Conclusões 2 Microcrédito no Millennium bcp Responsabilidade

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.

Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress. Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com Estrutura da apresentação Problemas de Acesso ao Crédito Evolução

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Desafios para a Inclusão Financeira e Desenvolvimento Territorial

Desafios para a Inclusão Financeira e Desenvolvimento Territorial Desafios para a Inclusão Financeira e Desenvolvimento Territorial Sumário Importância de transferência de poupança para desenvolvimento Problemas para transferência de poupança Acirramento de problemas

Leia mais

Compras de recebíveis, avaliações e consultoria INVESTIMENTOS EM RECEBÍVEIS. Liberte O VALOR DE SEUS RECEBÍVEIS

Compras de recebíveis, avaliações e consultoria INVESTIMENTOS EM RECEBÍVEIS. Liberte O VALOR DE SEUS RECEBÍVEIS Compras de recebíveis, avaliações e consultoria INVESTIMENTOS EM RECEBÍVEIS Liberte O VALOR DE SEUS RECEBÍVEIS INVESTIMENTOS EM RECEBÍVEIS Temos os recursos para financiar as maiores transações e examinamos

Leia mais

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira Do microcrédito às microfinanças Monica Valente Microcrédito Tânia Machado Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 128/2013. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

PROJETO DE LEI Nº 128/2013. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 128/2013 Institui o Programa Banco de Alimentos do Município de Foz do Iguaçu, e dá outras providências. Prefeito Municipal Mensagem nº 064/2013. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu,

Leia mais

INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS

INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS Introdução INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS Este informativo tem a finalidade de auxiliar os solicitantes estrangeiros a entender

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Resultados. sitawi. resumo 2009. www.sitawi.com.br

Resultados. sitawi. resumo 2009. www.sitawi.com.br Resultados sitawi resumo 2009 www.sitawi.com.br Carta do CEO Amigos, Este relatório é um 'resumo' do ano que passou. O ano de 2010 já começou com 2009 foi um ano especialmente importante e maior visibilidade

Leia mais

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina Apoio financeiro e técnico no setor água O CAF apoia os esforços que os países da região realizam para garantir que toda a população

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI?

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? SUMÁRIO EXECUTIVO Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? EM ASSOCIAÇÃO COM A TERCEIRIZAÇÃO DE RH LIBERA AS EQUIPES DE TI Nove em cada 10 CIOs se preocupam em reter os melhores

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS

2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS 2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS Msc. Economista Carlos Kibuba INAPEM-MALANJE carloskibuba@hotmail.com GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS CARLOS QUIBUBA REPRESENTANTE PROVINCIAL DO INAPEM-MALANJE.

Leia mais

O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014

O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014 O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014 Novembro 2014 1 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo dos Pequenos Negócios no Brasil, quanto à questão do seu

Leia mais

Women s World Banking. Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda

Women s World Banking. Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda Women s World Banking Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda Women s World Banking Network Afiliados, Associados, Membros GNBI e AFMIN fornecem serviços financeiros

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda Rogério Nagamine Costanzi* Desde a experiência do Grameen Bank em Bangladesh, o microcrédito passou a se disseminar

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org. Agosto 2015

Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org. Agosto 2015 Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org Agosto 2015 Desde 1959 A principal fonte de financiamento para o desenvolvimento da América Latina e Caribe 26 Países Conta com 26

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional são uma forma eficiente

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças V Seminário Banco Central sobre Microfinanças - Depoimento sobre criação de SCM - Motivos que levaram a decisão de criar - Bases e Princípios que precisam ser levados em conta - O que a experiência tem

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Diretoria de Negócios Internacionais Setembro/2013 Banco do Brasil. Do Brasil para o mundo. Do mundo para o Brasil O Banco do Comércio

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Assunto: Integração das Transferências Sociais directas e indirectas no Orçamento do Estado: O Caso de Moçambique 1. A economia moçambicana registou nos

Leia mais

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia A Igualdade dos Géneros como Boa Economia Um Plano de Acção do Grupo Banco Mundial Banco Mundial o acesso à terra, ao trabalho, aos mercados financeiros e de produtos é crucial para se aumentar o rendimento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE

Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE TEXTOS PARA DISCUSSÃO Óticas para o Desenho, Monitoramento

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais