GARANTIDORAS SOCIEDADES DE CRÉDITO NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GARANTIDORAS SOCIEDADES DE CRÉDITO NO BRASIL"

Transcrição

1

2

3 SOCIEDADES GARANTIDORAS DE CRÉDITO NO BRASIL EVOLUÇÃO, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS BRASÍLIA-DF Julho de 2012

4 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, consitui violação aos direitos autorais (Lei n.º 9.610) Informações e contatos Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae SGAS 605 Conjunto A Brasília/DF Tel.: Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho Diretor-Técnico Carlos Alberto dos Santos Diretor de Administração e Finanças José Claudio dos Santos Unidade de Acesso a Mercados e Serviços Financeiros Gerente Paulo Cesar Rezende Carvalho Alvim Elaboração e Execução: Unidade de Acesso a Mercados e Serviços Financeiros Núcleo de Inclusão e Articulação Coordenação Técnica Robson Vitor Gonçalves de Matos Apoio Técnico Luiz Humberto de Castro 3.Com Assessoria Empresarial Revisão Ortográfica i-comunicação Projeto Gráfico e Editoração i-comunicação

5 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EVOLUÇÃO HISTÓRICA A CHAMADA PÚBLICA PERSPECTIVAS... 18

6 SOCIEDADES GARANTIDORAS DE CRÉDITO NO BRASIL 1. INTRODUÇÃO O Sebrae possui diversas formas de atuação no sentido de dar apoio às Micro e Pequenas Empresas (MPE). Uma delas é facilitar o acesso ao crédito e aos serviços financeiros. Tratase de questão imperiosa para acelerar o desenvolvimento econômico, haja vista as políticas governamentais de redução de juros para reaquecer a economia. No Brasil o volume de crédito concedido às pessoas jurídicas vem aumentando nos últimos anos. Porém, o crédito para as MPE não acompanha o ritmo de crescimento do que é destinado às médias e grandes empresas. Além disso, as condições financeiras para as MPE nem sempre são mais favoráveis. Em muitos casos, os juros ou o custo efetivo total da operação é elevado, os prazos inadequados ao fluxo de caixa da empresa, as linhas não são as mais recomendáveis para a necessidade financeira, enfim, as MPE nem sempre obtêm o crédito que seria mais saudável ao seu desenvolvimento. Os problemas e obstáculos frequentemente observados no crédito para MPE podem ser agrupados em: desconhecimento por parte dos empresáriosdas melhores linhas disponíveis; assimetria de informações, muitas vezes ocasionada pela informalidade; linhas adequadas à realidade das MPE; e exigências de garantias sólidas. Nesse último grupo, segundo pesquisas realizadas pelo próprio Sebrae e pela FEBRABAN (Federação dos Bancos) estão os maiores motivos de recusa do crédito. Para fortalecer as MPE neste ponto, surgem os sistemas de garantia de crédito que apresentam as Sociedades Garantidoras de Crédito como uma das alternativas para minimizar o risco por parte das Instituições Financeiras e aumentar o acesso ao crédito, colaborando com seu crescimento. No Brasil, os sistemas de garantia de crédito ainda são restritos, pouco utilizados e muito aquém da demanda para as MPE. Apesar dos fundos garantidores (conhecidos por fundos de aval) outros mecanismos tais como seguros de crédito, seguros performance e as Sociedades Garantidoras de Crédito (SGC) ainda estão em evolução. 6

7 EVOLUÇÃO, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS Este trabalho visa a registrar o histórico da evolução das SGC no Brasil desde seus antecedentes, até aos fatos mais recentes com o apoio do Sistema Sebrae, assim como as perspectivas futuras ao seu desenvolvimento. 2. DEFINIÇÃO Sociedades Garantidoras de Crédito SGC são sociedades de caráter privado, cujo objetivo é complementar as garantias exigidas aos seus associados nas operações de crédito do Sistema Financeiro. Além disso, podem também lhes fornecer aval técnico, comercial e assessoria financeira. No caso das SGC apoiadas pelo Sebrae, são associações civis, sem fins lucrativos, com prazo de duração indeterminado que têm por objetivo a promoção do desenvolvimento econômico local, propiciando às micro e pequenas empresas condições de acesso ao crédito, por meio de concessão de garantias com a rede bancária. As SGC são formadas essencialmente por empresas, mas podem também ter a participação de entidades públicas e outros apoiadores. Seu objetivo principal é a promoção da competitividade e desenvolvimento empresarial, por intermédio do acesso ao crédito e assessoria financeira para as empresas associadas. Seus principais objetivos são: aproximar as MPE do sistema financeiro; favorecer o acesso das MPE ao crédito; prestar garantias complementares a seus associados; reduzir a assimetria de informações; prestar assessoria econômica e financeira; reduzir o custo da operação de crédito. 7

8 SOCIEDADES GARANTIDORAS DE CRÉDITO NO BRASIL É importante frisar que as SGC não realizam empréstimo ou financiamentos, mas prestam garantias (aval ou fiança) nas operações de crédito de suas associadas com as instituições financeiras. As garantias podem também ser dadas aos fornecedores das associadas (aval comercial) ou em processos de licitações. A principal vantagem é favorecer o crédito, muitas vezes viabilizando-o e também reduzindo os custos com a formalização de outras garantias, além da redução das taxas de juros. Outra grande vantagem apresentada pelo modelo operacional das SGC é a dupla análise de crédito. A operação tem de ser analisada e aprovada tanto pela instituição financeira quanto pela SGC. Cada uma possui seus profissionais, seus critérios, sua política de crédito e sua visão sobre a realidade e as perspectivas econômicas. Assim, a probabilidade de inadimplência diminui ao passar a demanda do associado por duas análises distintas. Resumidamente, os benefícios de uma SGC podem ser agrupados em: benefícios ao poder público: - desenvolvimento econômico e social; - aumento da produtividade e sustentabilidade das empresas; - geração de emprego e renda; - aumento de investimentos na região; - visibilidade local e regional; - promoção do desenvolvimento; benefícios aos agentes financeiros: - garantia líquida; - redução do risco; - redução dos custos de análise; - aumento da base de clientes; - apoio ao desenvolvimento das empresas locais gerando, consequentemente, melhoria ao mercado; 8

9 EVOLUÇÃO, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS benefícios às associadas: - melhoria no acesso e poder de barganha; - maior prazo e menores taxas de juros; - acesso ao assessoramento financeiro e empresarial; - melhoria da competitividade; - acesso a informações; - integração a uma rede empresarial; benefícios aos sócios apoiadores: - visibilidade local e regional; - promoção do desenvolvimento; - cumprimento com o papel de fomento ao desenvolvimento econômico e social. A Lei Geral das MPE (LC n.º 123/2006) autorizou o Poder Executivo a constituir o Sistema Nacional de Garantia de Crédito, pertencente ao Sistema Financeiro Nacional. Porém, ainda falta a regulamentação do disposto em Lei. De qualquer forma, a Legislação Brasileira atual já possibilita a abertura e operacionalização das SGC que podem ser constituídas sob a forma de Associação embasada na Lei n.º /2001 Código Civil. Além disso, as SGC podem obter a qualificação de OSCIP (Lei n.º 9.790/99 Lei do Terceiro Setor) para facilitar a obtenção de recursos públicos à realização de convênios e à prestação de contas. Na operacionalização do dia a dia, as fianças e avais fornecidos pelas SGC são embasados na legislação comercial sobre títulos de crédito e nos procedimentos para negativação e execução de dívidas. 9

10 SOCIEDADES GARANTIDORAS DE CRÉDITO NO BRASIL SAIBA MAIS Na série Empreendimentos Coletivos: Cooperar para Competir, publicada pelo Sebrae Nacional, há um fascículo sobre Sociedade Garantidora de Crédito, disponível em: AF35A8BF9DA2350B CE6/$Fi le/nt00042c16.pdf 3. EVOLUÇÃO HISTÓRICA As sociedades garantidoras surgiram na Europa no início do século 20, principalmente, na Itália, onde são denominadas Confidis. Assim como as cooperativas de crédito, elas se popularizaram com característica de ser um negócio de comunidade, ou seja, pequenas associações atuando em nichos específicos de mercado ou com delimitações territoriais. No Brasil, as discussões sobre mecanismos de garantias de crédito para MPE acentuaramse nos anos 90, principalmente com a participação e o apoio do Sebrae. Em 1995, surgiu o FAMPE Fundo de Aval da Micro e Pequena Empresa, primeiro fundo de aval voltado para as MPE no país. Instituído pelo Sebrae, ele surgiu com a finalidade de viabilizar a concessão de garantias complementares nos financiamentos e empréstimos pleiteados pelas MPE, com as instituições financeiras credenciadas. O fundo opera até hoje tendo viabilizado dezenas de milhares de operações. Logo em seguida, dezembro de 1997, o Governo Federal criou o Fundo de Garantia da Promoção da Competitividade FGPC, constituído por recursos do Tesouro Nacional. Além das micro e pequenas empresas, o fundo atendia também as médias garantindo as operações com seu próprio administrador, o BNDES. 10

11 EVOLUÇÃO, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS No ano de 1999, o antigo Estatuto das Micro e Pequenas Empresas (Lei n.º 9.841/1999) já previa a criação de sociedades de garantia solidária, inclusive com vários detalhes constitutivos, mas seu modelo jurídico, baseado na Lei das S/A, não foi o mais adequado. O Fundo de Aval para Geração de Emprego e Renda Funproger foi criado no ano de 1999 com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador FAT. Sua finalidade é garantir parte do risco dos financiamentos concedidos pelas instituições financeiras oficiais federais (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste e Banco da Amazônia) em operações no âmbito do Programa de Geração de Emprego e Renda Proger par micro e pequenas empresas e do Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado PNMPO. Com os resultados iniciais obtidos por esses fundos de aval chegou-se à conclusão que o mecanismo era interessante, mas não resolvia parte dos problemas ligados ao acesso ao crédito por parte das MPE. Assim, o Sebrae decidiu intensificar os estudos sobre sociedades de garantia. Assim, em 2000, o Sebrae, o poder público, instituições financeiras e lideranças empresariais começaram a realizar estudos e visitas técnicas às instituições internacionais que já utilizavam essa metodologia de garantia de crédito. Os primeiros estudos foram baseados no modelo dos Confidis da Itália. A primeira iniciativa sob esse modelo de garantia inovador no Brasil foi a Associação de Garantia de Crédito da Serra Gaúcha, ou Garantiserra, instituída na região da Serra Gaúcha, no Rio Grande do Sul, no final de Essa iniciativa contou com o apoio técnico e financeiro da Região do Vêneto da Itália, do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, das Prefeituras Municipais da região da Serra Gaúcha, do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID, do Sebrae RS e do Sebrae Nacional. A Garantiserra é até hoje o modelo de inspiração para várias outras iniciativas. Até maio de 2012 ela possuía 530 associados, emitido 572 cartas de garantia no montante acumulado de R$ 13,8 milhões, o que viabilizou créditos da ordem de R$ 23,8 milhões ao sistema financeiro. A partir de 2004, o cenário internacional ficou bastante positivo, com forte crescimento das economias da China e Estado Unidos. O período de prosperidade mundial e a própria força da economia nacional marcaram a retomada do crescimento do crédito em relação ao PIB. Neste ambiente favorável, com a economia aquecida, houve um aumento na constituição de empresas e, o mais importante, uma diminuição da taxa de mortalidade de MPE. 11

12 SOCIEDADES GARANTIDORAS DE CRÉDITO NO BRASIL Consequentemente, a demanda por crédito para as MPE também aumentou. Porém, as limitações com relação às garantias ainda persistiam. Em 2005 foi realizado em São Paulo o I Fórum sobre Sistemas de Garantias de Crédito. O evento foi promovido pelo Bacen, Febraban e Sebrae e contou com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do Banco do Brasil. Durante o evento, os participantes puderam ver exemplos de experiências em andamento em alguns países europeus e latino-americanos com objetivo de levantar subsídios para a implantação de um sistema semelhante de garantias no Brasil. Além disso, ficou evidente a necessidade de um marco regulatório para o setor no País. No ano seguinte, em 2006, foi promulgada da Lei Complementar n.º 123, conhecida como Lei Geral das MPE. Além da definição sobre micro e pequenas empresas e do regime tributário simplificado (Simples Nacional ou Supersimples ), a lei trouxe várias outras questões como tratamento diferenciado para as MPE com relação à fiscalização, acesso a mercados, linhas de crédito específicas, constituição de consórcios entre outros. Devido ao sucesso da Lei Geral e à inclusão de milhares de empresas em seus benefícios, já em 2007, houve alguns ajustes e acréscimos aos seus preceitos. Foi inserido um importante artigo sobre a questão de garantias. O art. 60-A, que prevê a possibilidade de se constituir um Sistema Nacional de Garantias de Crédito, integrante do Sistema Financeiro Nacional. Art. 60-A Poderá ser instituído Sistema Nacional de Garantias de Crédito pelo Poder Executivo, com o objetivo de facilitar o acesso das microempresas e empresas de pequeno porte a crédito e demais serviços das instituições financeiras, o qual, na forma de regulamento, proporcionará a elas tratamento diferenciado, favorecido e simplificado, sem prejuízo de atendimento a outros públicos-alvo. (Incluído pela Lei Complementar n.º 127, de 2007). Parágrafo único. O Sistema Nacional de Garantias de Crédito integrará o Sistema Financeiro Nacional. (Incluído pela Lei Complementar n.º 127, de 2007). Convicto da importância do crédito para as MPE e ciente das respectivas dificuldades para acessá-lo, em março de 2008, o Sebrae Nacional abriu uma chamada pública para apoiar projetos de constituição de novas Sociedades Garantidoras de Crédito no Brasil. Detalhes dessa chamada serão apresentados mais adiante. Em 2008 foi realizado em Salvador o II Fórum Brasileiro de Sistemas de Garantia de Crédito. O evento ocorreu em hora apropriada, após o lançamento da chamada pública de 12

13 EVOLUÇÃO, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS apoio à criação de SGC. O evento foi uma iniciativa do Sebrae e do Banco Central do Brasil e contou com a participação de representantes do Sebrae, Banco Central, Banco do Brasil, Associação Brasileira de Instituições Financeiras de Desenvolvimento (ABDE), Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Banco do Nordeste, além de empresários e representantes de entidades de classe. Na oportunidade foram discutidos temas como o Movimento de Constituição de SGC no Brasil, Sistemas de garantias e crédito bancário, Chamada pública do Sebrae para Constituição de SGC. Além do II Fórum Nacional, por iniciativa do Sebrae, em parceria com a Rede Iberoamericano de Garantia (Regar), foi realizado, pela primeira vez no Brasil, o (XIII) Fórum Ibero- Americano de Sistemas de Garantia e Financiamento para Micro e Pequenas Empresas. Em novembro de 2009 foram criados dois novos Fundos Garantidores de Crédito: o FGI (administrado pelo BNDES) e o FGO (administrado pelo Banco do Brasil) com o objetivo de garantir diretamente o risco em operações de crédito para microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte entre outros. No final de 2010, foi realizado em Brasília um workshop para avaliar a missão à Itália, realizada em setembro de 2010, no âmbito do Programa Brasil Próximo Acordo de Cooperação entre a Presidência da República e Regiões Italianas. Participaram do workshop, além da Secretaria-Geral da Presidência da República e gabinete pessoal do Presidente da República, representantes do Banco Central; do Banco do Brasil; dos Ministérios da Fazenda; da Agricultura e Pecuária; do Banco Central; Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social; Sebrae Nacional; do Paraná; e de Minas Gerais. Também estiveram presentes representantes da Fiesp; do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob); da OCPAR e da SGC Serra Gaúcha. O workshop teve como objetivo central a obtenção de subsídios para a construção de propostas para modelos, políticas públicas e marcos regulatórios sobre o Sistema de Garantia de Crédito. Com isso, visava-se também a elaborar um conjunto de sugestões para o próximo Governo Federal, no contexto do Acordo de Cooperação Brasil e Itália, além de oferecer subsídios para a construção de políticas públicas e marcos regulatórios, para promover o desenvolvimento e aprimoramento dos mecanismos de garantia de crédito em operação no País. Mais recentemente, em setembro de 2011, representantes das sociedades de crédito, dirigentes de entidades empresariais e instituições financeiras brasileiras e internacionais, o Sebrae Nacional, e os Sebrae de algumas unidades da Federação participaram do XVI 13

14 SOCIEDADES GARANTIDORAS DE CRÉDITO NO BRASIL Fórum Iberoamericano de Sistema de Garantias e Financiamento para Micro e Pequenas Empresas, realizado em São José da Costa Rica. A Comitiva Brasileira, com mais de 40 participantes, foi expressiva e contou também com técnicos, consultores e representantes de cooperativas de crédito e do poder público. Além da divulgação e formação de opinião, o evento proporcionou a realização de alinhamento sobre o estágio atual de abertura das SGC apoiadas pela chamada pública do Sebrae. O Fórum foi marcado pelas experiências de vários países da América Latina e de Portugal. Embora apresentem particularidades, devido a diferentes estágios de evolução econômica, política e legislativa, os sistemas de garantias de crédito possuem em comum a necessidade de apoio do poder público e de entidades representativas de classe, além dos órgãos de apoio às MPE para seu desenvolvimento. A preocupação não é somente abrir, ou constituir um fundo garantidor ou sociedade garantidora, mas mantê-la viável, para atingir seu objetivo de fortalecimento das MPE por meio do crédito. Assim, a tônica principal do Fórum foi a sustentabilidade dos mecanismos de garantia. O quadro a seguir apresenta um resumo da evolução dos sistemas de garantia no Brasil. Ano Evento 1995 Constituição do fundo de aval FAMPE; 1998 Criação do FGPC; 1999 Estatuto da MPE. Lei n.º Instituição da SGR; 2000 Criação do Funproger; Estudos iniciais do Sebrae sobre sociedades de garantia; 2003 Apoio do Sebrae e BID para constituição da Garantiserra; 2005 Realização de missão técnica para Itália e Espanha; Realização do I Fórum Nacional de Sistema de Garantia; 2006 Lei Geral das MPE. LC n.º 123 Institui o SNGC; 2007 Disseminação do conceito e forte mobilização empresarial; 2008 Lançamento de chamada pública de SGC; Realização do II Fórum Brasileiro de Garantia e XIII Fórum Ibero-americano; 2009 Constituição dos Fundos de Aval FGI e FGO; 2010 Constituição de 12 SGC no país e discussões estruturadas sobre marco regulatório; 2011 Início das atividades das SGC no Paraná; Missão Brasileira no XVI Fórum Ibero-americano Costa Rica. 14

15 EVOLUÇÃO, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS 4. A CHAMADA PÚBLICA Convicto da importância do crédito para as MPE e ciente das respectivas dificuldades para acessá-lo, em março de 2008, o Sebrae Nacional abriu uma chamada pública para apoiar projetos de constituição de novas Sociedades Garantidoras de Crédito no Brasil. Os recursos estimados para o projeto são da ordem de R$ 30 milhões. O objetivo era selecionar propostas de parcerias para receberem apoio técnico e/ ou financeiro, destinadas à constituição de sociedades de garantia de crédito voltadas majoritariamente para micro e pequenas empresas. Com isso, o Sebrae visa a contribuir para a promoção de um amplo sistema de garantia de crédito no país, apoiando o surgimento de iniciativas, com vistas a oferecer maiores oportunidades de acesso ao crédito e serviços empresariais pelos pequenos empreendimentos. Com esta chamada pública o Sebrae pretende, ainda: contribuir para a expansão do acesso aos serviços financeiros, sob melhores condições de custos e prazos, visando ao aumento da competitividade das micro e pequenas empresas brasileiras; imprimir maior dinâmica na implementação de SGC e impacto nacional sobre o tema; propiciar suporte ao surgimento e ao desenvolvimento técnico e institucional de SGC; formar parcerias com os setores privado e público, que permitam complementar e potencializar recursos e esforços envolvidos. A iniciativa visa a apoiar iniciativas de prestação de garantia complementar, no formato mutualista e de prestação de serviços empresariais às micro e pequenas empresas. Nessa chamada foram apresentados 19 projetos primeira fase da chamada pública de nove Estados da Federação, envolvendo 83 proponentes e 193 parceiros. Em março de 2010 ocorreu o término da chamada pública, com a seleção dos projetos aprovados e início da constituição das SGC. Nessa época, algumas SGC já estavam constituídas devido ao prazo que a chamada ficou em aberto. Ao todo foram apresentadas 19 propostas, envolvendo 83 proponentes e 193 parceiros. Das propostas, 17 são de âmbito regional e duas nacional. 15

16 SOCIEDADES GARANTIDORAS DE CRÉDITO NO BRASIL Segundo o Diretor-Técnico do Sebrae Nacional, Dr. Carlos Alberto dos Santos, O número e a qualidade de propostas entregues demonstra, de forma muito satisfatória, que as lideranças empresariais e públicas receberam bem o conceito e o formato de funcionamento das SGC e acrescenta que As instituições financeiras, públicas, privadas e cooperativas de crédito também demonstraram grande interesse no modelo e há perspectiva de se tornarem agentes financeiros das SGC constituídas. Os projetos aprovados foram: Rio Grande do Sul: Vale dos Sinos; Paraná: Centro Sul, Noroeste, Oeste, Norte e Sudoeste; Rio de Janeiro: bacia produtora de petróleo e gás e sul-fluminense; Minas Gerais: Alto Parnaíba, leste de Minas, sul de Minas e Belo Horizonte; Goiás: Goiânia e região metropolitana; Mato Grosso: região metropolitana de Cuiabá; Bahia: Salvador e Recôncavo; Paraíba: Campina Grande; Amazonas: Manaus e região do entorno; União dos Empreendimentos e Cooperativas Solidárias Unisol (âmbito nacional); Associação Brasileira de Franquias Postais Abrapost (também nacional). 16

17 EVOLUÇÃO, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS Após a chamada pública do Sebrae, começaram a surgir os primeiros projetos e constituição de SGC. Em junho de 2008, foi criada a Noroeste Garantias, com sede em Maringá. Em agosto de 2009, foi constituída a Sociedade Garantidora de Crédito do Sudoeste, localizada em Francisco Beltrão, e, três meses depois, em novembro, a Garantioeste, que atende as cidades de Cascavel, Toledo e Foz do Iguaçu. As três primeiras começaram a operar efetivamente em Além dessas, estão em processo de estruturação as SGC da região norte do estado, que atenderá Londrina e vizinhanças, e da região centro-sul, que beneficiará os municípios do entorno de Guarapuava. No Rio de Janeiro, também em 2011, foi inaugurada a Garantinorte em Campos dos Goytacazes no APL de Gás e Petróleo. A expectativa é que a SGC atenda inicialmente aproximadamente em torno de 500 empresas e que sua área de atuação abranja 25 municípios da região da Bacia de Campos. Em Campina Grande, na Paraíba, outra iniciativa encontra-se em fase de estruturação e será a primeira SGC na Região Nordeste. Além de Campina Grande, que é de médio porte com aproximadamente 400 mil habitantes, a SGC deverá atender também a 23 17

18 SOCIEDADES GARANTIDORAS DE CRÉDITO NO BRASIL outros municípios. Além das empresas do setor de Comércio e Serviços, as MPE do Polo Tecnológico também deverão ser beneficiadas com a SGC. Em Minas, estavam previstas a abertura de quatro SGC, mas até o momento duas estão em estágio mais avançado. A Garantia dos Vales com sede em Governador Valadares começou a operar em julho de 2012 com uma área de abrangência nos Vales do Aço, do Rio Doce e do Mucuri. Sua área de atuação abrange mais de 1,2 milhão de habitantes, com 44 mil empreendimentos em 78 municípios. Outra inciativa no estado é a do Alto Paranaíba, atuando basicamente em Patos de Minas e Araxá e mais 29 municípios da região. As iniciativas apoiadas pelo Sebrae em outros estados encontram-se em diversos estágios sendo algumas ainda na fase de articulação, umas inviabilizadas e outras ainda em fase de estruturação. 5. PERSPECTIVAS Diante desse cenário, o Sebrae aposta no sucesso das SGC e mantém as iniciativas de apoio à sua constituição e desenvolvimento. Aos poucos o assunto vai sendo mais difundido e aumenta o interesse por parte dos empresários, o poder público, as entidades representativas de classe e as instituições financeiras. Para o futuro próximo estão previstas as seguintes iniciativas: realização do III Fórum Brasileiro de Garantias de Crédito para MPE em Belo Horizonte em agosto de O evento pretende discutir a situação das SGC já em funcionamento e as perspectivas do crédito para MPE em um ambiente de redução de spread no SFN, além de divulgar as experiências exitosas; missão técnica ao XVII Fórum Iberoamericano de Garantias a ser: realizada em Buenos Aires/Argentina entre os dias 24 e 26 de outubro de O Sebrae, por meio da UAMSF, será responsável por conduzir a missão de brasileiros e promover a tradicional reunião de SGC do Brasil que acontece nesse evento; conforme antecipado, em 2011, no 17º Fórum na Costa Rica, o Brasil pretende ser candidato a sediar o XVIII Fórum Ibero-americano de Garantias : O Brasil 18

19 EVOLUÇÃO, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS apresentará por intermédio do Sebrae Nacional a candidatura para sediar a 18ª edição do Fórum Ibero-americano de Garantias em 2013; em fins de 2011, o Sebrae lançou a Revista Conhecer Sebrae SGC. Diante do interesse dos diversos públicos-alvo, será também lançada uma edição em espanhol; dentre os produtos e serviços que o Sebrae desenvolveu para as SGC estão os manuais de operação, modelos de estatutos, modelos de convênios com instituições financeiras e clientes e os procedimentos de análise de garantia e crédito. Para 2012/2013, a proposta é fazer uma revisão dos manuais e procedimentos desenvolvidos no passado, buscando atualizá-los em relação às necessidades de monitoramento do Sebrae nos recursos do Fundo de Risco Local; o Sebrae Nacional já aplicou cerca de R$ ,00 nos Fundos de Risco nas cinco novas SGC já constituídas e conveniadas em Em sintonia com a revisão dos manuais e procedimentos, se faz necessária a fiscalização das operações de garantia já realizadas por elas por meio de Auditorias nas SGC em funcionamento com vistas à maior transparência à gestão da instituição; um dos maiores desafios, na constituição de um SGC no Brasil, é a falta de informação e entendimento do que vem a ser essa modalidade de Empreendimento Coletivo, seu funcionamento, suas vantagens para o desenvolvimento territorial, para as MPE e as Instituições Financeiras em geral. Além disso, os próprios empresários terão de entender o que é uma SGC para querer associar a uma delas. Assim, torna-se importante um instrumento de divulgação do assunto e, por isso tudo, o Sebrae pretende lançar um Plano de Comunicação e Disseminação de Informação das SGC; outro aspecto importante será a participação nas articulações e elaboração da regulamentação do Sistema Nacional de Garantias de Crédito previsto na Lei Geral. A falta de legislação específica sobre o assunto não impede o funcionamento de uma SGC, mas ficam pendentes questões como normatização e fiscalização pelas autoridades monetárias (Conselho Monetário Nacional e Banco Central do Brasil). Além disso, uma regulamentação própria poderia trazer incentivos e benefícios para criação e fortalecimento dos mecanismos de garantias de crédito e a abertura de novas SGC. 19

20 SOCIEDADES GARANTIDORAS DE CRÉDITO NO BRASIL Por fim, com a efetivação de algumas inciativas e as perspectivas otimistas para as SGC em funcionamento há a possibilidade do Sebrae lançar uma nova chamada pública de apoio à criação de novas SGC no Brasil. Com isso, espera-se que essa modalidade de apoio às MPE seja fortalecida, ampliando o acesso ao crédito saudável e contribuindo para seu desenvolvimento. Afinal, O crédito saudável antecipa os sonhos. 20

21 EVOLUÇÃO, CENÁRIO ATUAL E PERSPECTIVAS 21

22

23

24

Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval. Brasília (DF), 22/09/09

Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval. Brasília (DF), 22/09/09 Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval Brasília (DF), 22/09/09 Agenda Contextualização FGO Funproger Fampe Sociedades de Garantia de Crédito Governança Agenda Contextualização FGO Funproger

Leia mais

XVII Foro Iberoamericano de Sisgtema de Garantia - Buenos Aires Outubro de 2012

XVII Foro Iberoamericano de Sisgtema de Garantia - Buenos Aires Outubro de 2012 XVII Foro Iberoamericano de Sisgtema de Garantia - Buenos Aires Outubro de 2012 I A Idéia - 1999 Missão empresarial do Estado do Rio Grande do Sul Região Vêneto Itália. - CENÁRIO ECONOMICO - Estabilidade

Leia mais

HISTÓRICO DO APOIO DO SEBRAE AOS SISTEMAS DE GARANTIA DE CRÉDITO

HISTÓRICO DO APOIO DO SEBRAE AOS SISTEMAS DE GARANTIA DE CRÉDITO HISTÓRICO DO APOIO DO SEBRAE AOS SISTEMAS DE GARANTIA DE CRÉDITO BRASÍLIA-DF Novembro de 2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução

Leia mais

SOCIEDADE GARANTIDORA DE CRÉDITO. série empreendimentos coletivos

SOCIEDADE GARANTIDORA DE CRÉDITO. série empreendimentos coletivos SOCIEDADE GARANTIDORA DE CRÉDITO série empreendimentos coletivos 2009. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO 20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE NACIONAL RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Brasília / 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JUNHO/2014

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Panorama da Inclusão Financeira no Brasil. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional

Panorama da Inclusão Financeira no Brasil. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional Panorama da Inclusão Financeira no Brasil Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional Panorama da Inclusão Financeira no Brasil Agenda 1. Inclusão financeira: a construção de uma estratégia

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO DA SERRA GAÚCHA. GarantiSerra - Novembro de 2010 Oficina Superando Dificuldades no Acesso ao Crédito

ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO DA SERRA GAÚCHA. GarantiSerra - Novembro de 2010 Oficina Superando Dificuldades no Acesso ao Crédito ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO DA SERRA GAÚCHA GarantiSerra - Novembro de 2010 Oficina Superando Dificuldades no Acesso ao Crédito INSTITUCIONAL HISTÓRICO - Idéia junho/2001; - Estudos Jurídicos novembro/2002;

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL Abril/2014 2014 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME Fortaleza, 30 de outubro de 2006 1 Sumário 1 - Mercado MPE 2 - Acesso ao

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Inclusão Bancária. e Microcrédito

Inclusão Bancária. e Microcrédito Inclusão Bancária e Microcrédito 3. Inclusão Bancária e Microcrédito 116 INTRODUÇÃO Em 2003, no início do novo governo, a discussão sobre microfinanças e inclusão financeira no Brasil era restrita às operações

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira Do microcrédito às microfinanças Monica Valente Microcrédito Tânia Machado Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e

Leia mais

Rede Brasileira de Produção mais Limpa

Rede Brasileira de Produção mais Limpa Rede Brasileira de Produção mais Limpa Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável SENAI Sistema FIERGS Rede Brasileira de Produção mais Limpa PARCEIROS Conselho Empresarial Brasileiro

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: GRANDES CIDADES

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: GRANDES CIDADES Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Grandes Cidades CATEGORIA: GRANDES CIDADES Município de Feira de Santana BA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng 2/59 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/59 Foto: Stock.Schng

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Santo Antônio da Patrulha RS Vencedores

Leia mais

FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ

FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ MISSÃO DO FÓRUM REGIONAL Promover, articular e integrar governo, entidades de apoio e de representação visando

Leia mais

AS SOCIEDADES DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR ORIGEM, DESENVOLVIMENTO E FUTURO

AS SOCIEDADES DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR ORIGEM, DESENVOLVIMENTO E FUTURO AS SOCIEDADES DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR ORIGEM, DESENVOLVIMENTO E FUTURO (Versão Preliminar) Autores: Rubens de Andrade Neto Economista Diretor Presidente da ABSCM e da Socialcred SCM Edson Luiz

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012. Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes.

SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012. Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes. SUMÁRIO EXECUTIVO COMITÊ TEMÁTICO INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO JULHO/2012 Agenda Estratégica 2010 horizonte de 2 anos: Ampliar e fomentar a utilização dos Fundos Garantidores já existentes. Padronização

Leia mais

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas As diretrizes estratégicas dão foco ao negócio Perspectivas Simplificar e agilizar a utilização

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Tratamento diferenciado CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO Município de Pelotas RS Vencedores do 4º Prêmio Sebrae

Leia mais

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA VAREJO Julho - 2012 O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA Fonte imagem: Disponível em:< http://4.bp.blogspot.com/_caqa6tpillu/tjevn_ah_ei/ AAAAAAAAAAM/3dTp5VPhJ9E/s1600/69589_Papel-de-Parede-Todos-juntos_1280x800.

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

ARRANJOS PRODUTIVOS. w w w. b r d e. c o m. b r. Fonte: Site SEBRAE

ARRANJOS PRODUTIVOS. w w w. b r d e. c o m. b r. Fonte: Site SEBRAE ARRANJOS PRODUTIVOS Arranjos produtivos são aglomerações de empresas localizadas em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantém algum vinculo de articulação, interação, cooperação

Leia mais

III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento

III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento Pesquisa Sebrae: Empresários participantes do III FOMENTA Nacional (2010) e efeitos do evento Brasília, Novembro 2012 * *Conhecer o perfil das empresas participantes do III Fomenta Nacional; *Investigar

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: GRANDES CIDADES

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: GRANDES CIDADES Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Grandes Cidades CATEGORIA: GRANDES CIDADES Município de Cuiabá MT Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor

Leia mais

Vencedor Estadual Novos Projetos

Vencedor Estadual Novos Projetos COMO MUDAR A PERSPECTIVA DE SUA CIDADE O desenvolvimento acontece com a força dos Pequenos Negócios Vencedores do 8º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor (2013-2014) Vencedor Estadual Novos Projetos Município

Leia mais

Projeto Piloto de Desenvolvimento de Fornecedores da Cadeia de Petróleo, Gás e Naval

Projeto Piloto de Desenvolvimento de Fornecedores da Cadeia de Petróleo, Gás e Naval Projeto Piloto de Desenvolvimento de Fornecedores da Cadeia de Petróleo, Gás e Naval Comitê Nacional Comitê Regional Minas Gerais 1 Sumário Objetivo do projeto... 3 Público Alvo... 3 Funding... 3 Justificativa...

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Banco do Brasil. Encontro da ABRASP Associação Brasileira de Produtores de Soluções Parenterais. Salvador (BA) Novembro/2009

Banco do Brasil. Encontro da ABRASP Associação Brasileira de Produtores de Soluções Parenterais. Salvador (BA) Novembro/2009 Banco do Brasil Encontro da ABRASP Associação Brasileira de Produtores de Soluções Parenterais 1 Salvador (BA) Novembro/2009 1 Índice Contextualização 3 Fundo de Garantia de Operações - FGO 7 Fundo de

Leia mais

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA AMÉRICA PAINEL: Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das Pequenas e Médias Empresas (PMES). HENRIQUE Jorge

Leia mais

Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial

Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial O ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE), Guilherme Afif Domingos, apresentou

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar Brasília 2011 2011. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra

Leia mais

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Comitê Temático Investimento e Financiamento Diretoria de Micro e Pequenas Empresas setembro/2008 Agenda Atuação do BB no Segmento MPE Evolução

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Nova Friburgo RJ Vencedores do 4º

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 BRASIL Série Estudos e Pesquisas A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE 2009 A 2012 Junho/2014 Estudos e Pesquisas

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Acesso ao Crédito: Caminho para um Investimento Seguro

Acesso ao Crédito: Caminho para um Investimento Seguro Gestão Financeira Acesso ao Crédito: Caminho para um Investimento Seguro Diálogo Empresarial Manual do Participante Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Unidade de Capacitação

Leia mais

O FOMENTO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ATUAÇÃO DAS COOPERATIVAS FINANCEIRAS COM OS PEQUENOS NEGÓCIOS: A ATUAÇÃO DO SISTEMA SEBRAE

O FOMENTO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ATUAÇÃO DAS COOPERATIVAS FINANCEIRAS COM OS PEQUENOS NEGÓCIOS: A ATUAÇÃO DO SISTEMA SEBRAE O FOMENTO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ATUAÇÃO DAS COOPERATIVAS FINANCEIRAS COM OS PEQUENOS NEGÓCIOS: A ATUAÇÃO DO SISTEMA SEBRAE Robson Vitor Gonçalves de Matos robson.matos@sebrae.com.br Resumo Em 2002 o Conselho

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ASSOCIADOS, CLIENTES E COMUNIDADE: Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO I DA CONVOCAÇÃO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO Sebrae/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins econômicos, torna público que promoverá seleção de expositores para

Leia mais

O SISTEMA SEBRAE. Dados históricos

O SISTEMA SEBRAE. Dados históricos O SISTEMA SEBRAE Dados históricos A história do SEBRAE começa realmente bem antes do nascimento dessa Instituição com a marca que conhecemos atualmente. Na verdade, nossa história está intimamente relacionada

Leia mais

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs O atual contexto do ambiente econômico das MPEs Brasil e Minas Gerais Belo Horizonte, outubro de 2013 1 Presidente Roberto Luciano Fortes Fagundes Superintendência Geral Gilson Elesbão de Siqueira Departamento

Leia mais

Mecanismos Garantidores de Crédito para Micro e Pequenas Empresas: Principais Modelos, Abordagens Teóricas e Alcance

Mecanismos Garantidores de Crédito para Micro e Pequenas Empresas: Principais Modelos, Abordagens Teóricas e Alcance Mecanismos Garantidores de Crédito para Micro e Pequenas Empresas: Principais Modelos, Abordagens Teóricas e Alcance Resumo Autoria: Roberto Marinho Figueiroa Zica, Henrique Cordeiro Martins É notória

Leia mais

FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO

FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO Bahia que Faz: Densificação da Base Econômica e Geração de Emprego e Renda 233 FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO No desempenho do seu papel de indutor do desenvolvimento, o Governo do Estado promove ações específicas

Leia mais

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado O Caso CREDIAMIGO Conceitos Microfinanças: todos os serviços financeiros para populações de baixa renda, inclusive financiamento ao

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS AÇÕES E PROGRAMAS DOS ORGÃOS E ENTIDADES EXERCÍCIO 2014 5703 - AGENCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A - GOIASFOMENTO

CONSOLIDAÇÃO DAS AÇÕES E PROGRAMAS DOS ORGÃOS E ENTIDADES EXERCÍCIO 2014 5703 - AGENCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A - GOIASFOMENTO INSTITUCIONAL 1. Gestor HUMBERTO TANNÚS JÚNIOR 2. Visão Institucional 2.1 Objetivo Institucional Ser um instrumento de execução de políticas públicas de desenvolvimento do Estado de Goiás e ter por objetivo

Leia mais

INCLUSÃO PRODUTIVA COM SEGURANÇA SANITÁRIA. VIII Reunião de Vigilância Sanitária de Alimentos Goiânia - 2012

INCLUSÃO PRODUTIVA COM SEGURANÇA SANITÁRIA. VIII Reunião de Vigilância Sanitária de Alimentos Goiânia - 2012 INCLUSÃO PRODUTIVA COM SEGURANÇA SANITÁRIA VIII Reunião de Vigilância Sanitária de Alimentos Goiânia - 2012 BRASIL SEM MISÉRIA Uma das principais macro-políticas sociais brasileiras relacionadas ao desenvolvimento

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JULHO/2014

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho brasília-df 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA:

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor VENCEDOR NACIONAL CATEGORIA: Royalties e Compensações Financeiras Município de Coari am Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor VENCEDOR

Leia mais

Soluções Educacionais do Sebrae para a Cooperação e para liderança

Soluções Educacionais do Sebrae para a Cooperação e para liderança Soluções Educacionais do Sebrae para a Cooperação e para liderança 26ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Mel e Produtos Apícolas Brasília26 de Setembro de 2012 Reginaldo Barroso de Resende

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO

AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO Copyright 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A reprodução não

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO INTRODUÇÃO OBJETIVO PRINCIPAL. Oferecer microcrédito para população de baixa renda, atendendo pessoas que não tem perspectivas e nenhum crédito nas instituições financeiras tradicionais. Acreditamos que,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

Viabilizando o Crédito

Viabilizando o Crédito Palestra: Viabilizando o Crédito Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br O que é CRÉDITO? Credare: Confiar, acreditar. Percepção externa baseada

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: GRANDES CIDADES

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: GRANDES CIDADES Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Grandes Cidades CATEGORIA: GRANDES CIDADES Município de Santa Luzia MG Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

ambientais e sociedade em geral dos municípios, e entre estes e a realidade da gestão ambiental local e regional.

ambientais e sociedade em geral dos municípios, e entre estes e a realidade da gestão ambiental local e regional. TR Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE PESSOA JURÍDICA PARA CRIAÇÃO E PRODUÇÃO DE VÍDEO INSTITUCIONAL EDUCATIVO SOBRE OS CONCEITOS, A LEGISLAÇÃO, OS PROCEDIMENTOS E AS METODOLOGIAS

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

ORGANIZACIÓN Y FINANCIAMIENTO DE LAS PEQUEÑAS Y MEDIANAS EMPRESAS EXPERIENCIA COMPARADA EN CADA PAIS

ORGANIZACIÓN Y FINANCIAMIENTO DE LAS PEQUEÑAS Y MEDIANAS EMPRESAS EXPERIENCIA COMPARADA EN CADA PAIS SEMINARIO CILEA COLONIA DEL SACRAMENTO, 2000 ORGANIZACIÓN Y FINANCIAMIENTO DE LAS PEQUEÑAS Y MEDIANAS EMPRESAS EXPERIENCIA COMPARADA EN CADA PAIS Marcos Morais de Freitas Economista (Brasil) SUMÁRIO 1.0.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais em várias categorias CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO Município de Três Marias MG Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito

Leia mais

Abril/2014 - BRASIL. Análise do emprego. Brasil Abril/2014

Abril/2014 - BRASIL. Análise do emprego. Brasil Abril/2014 Abril/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Abril/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

O QUE É MICROCRÉDITO?

O QUE É MICROCRÉDITO? O QUE É MICROCRÉDITO? Empréstimos de pequeno valor, concedido a pessoas de baixa renda ou em ramo de negócio com baixo volume de recurso, que usualmente não tem acesso ao crédito convencional. CRESCER

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 20, DE 26 DE MAIO DE 2015.

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 20, DE 26 DE MAIO DE 2015. DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 20, DE 26 DE MAIO DE 2015. Regulamenta a concessão de apoio institucional pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás (CAU/GO), caracteriza as suas modalidades e dá outras

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Tratamento diferenciado CATEGORIA: TRATAMENTO DIFERENCIADO Município de Itapecuru Mirim MA Vencedores do 4º Prêmio

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais