UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA ECONOMIA BRASILEIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA ECONOMIA BRASILEIRA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA ECONOMIA BRASILEIRA Por: Athayde da Costa Santos Orientadora Profª. ALEKSANDRA SLIWOWSKA

2 2 Rio de Janeiro 2010 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA ECONOMIA BRASILEIRA Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão Empresarial. Por:. Athayde da Costa Santos

3 3

4 4 AGRADECIMENTOS.Meus agradecimentos aos Mestres do Instituto A Vez do Mestre, pelos conhecimentos transmitidos, aos Diretores e funcionários pelo apoio logístico disponibilizado.

5 5 DEDICATÓRIA às minhas filhas, pelo apoio incondicional e estímulo.

6 6 RESUMO Objetiva esse estudo demonstrar a importância das micro e pequenas empresas na economia brasileira. Representam as MPE s 98% das empresas existentes no Brasil, são responsáveis por quase 50 % das vagas de emprego existentes, são motores propulsores nas mais remotas regiões do País da elevação dos níveis educacionais, da geração de riqueza e distribuição de renda, da inovação e da modernidade. Ratificam essa importância, a existência de um órgão governamental, o SEBRAE, com presença em todos os estados da federação voltado para apoiar as iniciativas empreendedoras e contribuir também para a formação do empreendedor nacional e A existência do estatuto nacional da micro e pequena empresa com a aprovação de uma lei específica para esse importantíssimo segmento da nossa economia, com a aprovação da Lei Complementar 123, de 14/12/2006, que tem, entre seus objetivos a desoneração tributária, redução da burocracia e estímulo a legalização e abertura de novas empresas. As micro e pequenas empresas são responsáveis por uma país mais solidário e socialmente mais justo.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 09 CAPÍTULO I - OS PRIMEIROS PASSOS 11 CAPÍTULO II - A FORÇA DAS PEQUENAS 18 CAPÍTULO III OBSTÁCULOS A SUPERAR 29 CONCLUSÃO 36 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 37 ÍNDICE 38 FOLHA DE AVALIAÇÃO 39

8 8

9 9 INTRODUÇÃO Desde o surgimento do homem na face da terra o espírito empreendedor está sempre presente em suas atividades. Foi empreendedorismo que permitiu ao homem revolucionar a vida com a invenção da roda, da imprensa, da lâmpada e tudo o mais que lhe possibilitou ter uma vida mais longeva e com mais conforto e qualidade. Enfim, o espírito empreendedor do homem o arrancou das cavernas e o lançou no espaço. A importância da atividade empreendedora que inova e traz nova riqueza a economia, gerando emprego e atendendo a necessidades sociais, esta amplamente evidenciada. Os estudos do GEM (Global Entrepreneurship Monitor), confirmam essa constatação, revelando que, dentre os que empreendem, seja pelo motivo que for, são aqueles que buscam a inovação e almejam o crescimento do seu negócio os que realmente contribuem para o crescimento e evolução social. Como os demais países que estão na corrida pela liderança dos mercados globais, o Brasil, apesar de continuar a se destacar como possuidor de uma população empreendedora, requer ainda alguns avanços considerados críticos para que a verdadeira força do empreendedorismo possa cumprir seu papel histórico de transformação e criação do novo, garantindo, dessa forma, o tão almejado desenvolvimento sustentável. Nos próximos três capítulos seguintes será mostrado o cenário relativo às MPE s. No primeiro, o histórico desde as primeiras preocupações

10 10 governamentais com as micro e pequenas empresas, os primeiros dados sobre elas, o arcabouço que começava a se de delinear sobre a forma como deveriam ser tratadas, considerando-se sua relevância para a economia. O Capítulo dois tratará da situação hoje das micro e pequenas empresas até a aprovação do novo estatuto da MPE s e o Capítulo abordará as principais dificuldades enfrentadas por esse importante segmento da economia.

11 11 CAPÍTULO I OS PRIMEIROS PASSOS OU OS PRIMEIROS DADOS CONCEITO A força das pequenas O empreendedorismo, apesar da sua indissociabilidade da evolução e progresso do homem, só recentemente passou a ser objeto de estudo e de políticas governamentais que buscam criar instrumentos, incentivos legais e melhores condições para a existência de um ambiente mais favorável ao seu desenvolvimento, notadamente às micro, pequenas e médias empresas. Nos Estados Unidos, primeiro (Dorfman, 1983), e depois na Europa, surgiram as primeiras tentativas de entender as condições em que o empreendedorismo se desenvolvia e de que forma essas condições poderiam ser influenciadas para criar meios e mecanismos que tornassem essa tarefa, embora não menos árdua, com probabilidades maiores de sucesso. No Brasil até o início da década de 80 não havia nenhum trabalho nem dados sobre esse importante segmento da economia. Somente tínhamos estatísticas

12 12 de empresas falimentares (Portela, 1984, pág. 16). Conforme o Professor Silvio A Santos, da USP, a tabela abaixo só se tornou possível através de busca ao Diário Oficial, veículo através do qual a Junta Comercial publica os atos de criação e extinção de empresas. Tabela 1 - Empresas criadas no Estado de São Paulo NATUREZA EMPRESAS CRIADAS NO ESTADO D E SÃO PAULO JURÍDICA 1977 % 1978 % 1979 % 1980 % 1981 % Firmas Individuais , , , , ,77 Sociedades Limitadas , , , , ,43 Sociedades Anônimas 121 0, , , , ,005 Sociedades Cooperativas 43 0, , , , ,002 Outros Tipos de Sociedades 20 0, , ,005 TOTAIS , , , , ,0 Fonte: Santos (1983). Os dados acima demonstram que das empresas abertas no período utilizado para análise, grande parte delas é constituída por micro, pequenas e médias empresas. Números mais recentes ratificam essa suprema maioria de micro, pequenas e médias empresas no universo da economia do Brasil. O Núcleo de Empresas Juniores da Unicamp organizou no dia 08 de agosto de 2008, no auditório dois do Centro de Convenções, mais uma edição do Fórum Permanente de Empreendedorismo, desta vez sobre o tema Micros & Pequenas Empresas. Responsáveis pela maioria das ocupações no mercado de trabalho, as micro e pequenas empresas (MPE s) têm uma importância fundamental na economia do país. De cada 50 empresas instaladas no Brasil, 49 são MPE s. (Fórum debate a importância das micro e pequenas empresas, em 08/08/2008 UNICAMP).

13 Um dos pilares de sustentação da economia As micro e pequenas empresas são um dos principais pilares de sustentação da economia brasileira, quer pela sua enorme capacidade geradora de empregos, quer pelo infindável número de estabelecimentos desconcentrados geograficamente. Em termos estatísticos, esse segmento empresarial representa 25% do Produto Interno Bruto (PIB), gera 14 milhões de empregos, ou seja, 60% do emprego formal no país, e constitui 99% dos seis milhões de estabelecimentos formais existentes, respondendo ainda por 99,8% das empresas que são criadas a cada ano, segundo dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). A importância das micro e das pequenas empresas para o desenvolvimento do país se revela em dados. É o segmento que mais emprega no Brasil. Notabiliza-se pela capacidade de dinamizar a economia e ampliar o mercado interno de consumo. Segundo o Caged/MTE, de 2000 a 2009, de cada 10 empregos, nove foram gerados pelas MPE /Caged/MTE). Nas empresas com até quatro trabalhadores, o número de vagas chegou a mais de quatro milhões. No primeiro bimestre de 2010 foram gerados mais de 390 mil empregos (64,3% do saldo de empregos em fevereiro). Os pequenos

14 14 negócios no Brasil somam cinco milhões de empresas formais (99%) e 10 milhões de informais. Esse segmento representa 56,1% da força de trabalho formal urbana; 26% da massa salarial; 20% do PIB; 2% das exportações e 13% do fornecimento para o governo. Dados da pesquisa Onde estão as Micro e Pequenas Empresas no Brasil, realizada pelo SEBRAE, em 2009, revelam a exata dimensão da força e da importância das micro e pequenas empresas para a economia do país. Entre 2000 e 2004, o número de MPEs no Brasil aumentou 22,1%. De 4,11 milhões em 2000, passou para 5,02 milhões, quatro anos depois. Dos 924 mil novos estabelecimentos abertos no Brasil neste período, 99% eram micro e pequenas empresas. A maior expansão aconteceu nas regiões Norte e Centro- Oeste, onde o número de MPEs aumentou, respectivamente, 29,1% e 27,2% nos quatro anos estudados. Entretanto, 85% destas novas empresas estão concentradas em 10 Estados - São Paulo (30,7%), Minas Gerais (11.6%), Rio Grande do Sul (10,7%), Paraná (7,9%), Rio de Janeiro (6,7%), Santa Catarina (5,3%), Bahia (4,5%), Goiás (3%), Ceará (2,9%) e Pernambuco (2,4%) (Anuário da Micro e Pequena Empresa ª. Ed. SEBRAE/DIEESE). O presidente do Conselho Deliberativo do SEBRAE/PR, Jefferson Nogaroli, destacou que a realização da Semana da Pequena Empresa representa reconhecer o trabalho desenvolvido por milhares de empreendedores e empresários. No Brasil, mais de 98% das empresas são micro e pequenas, disse Nogaroli.

15 15 Para o presidente do Conselho Deliberativo do SEBRAE/PR, os avanços com relação ao segmento, nos últimos anos, também demonstram o quanto as micro e pequenas empresas estão sendo reconhecidas como peças-chave no desenvolvimento social e econômico do País. A aprovação da Lei Geral (da Micro e Pequena Empresa, em dezembro de 2006) foi um avanço e o SEBRAE foi fundamental nesse processo. Uma legislação que dá tratamento diferenciado às micro e pequenas empresas. Nogaroli afirmou ainda que o empreendedorismo é uma alternativa de desenvolvimento capaz de mudar realidades. Segundo ele, a revolução deste País virá pelo empreendedorismo. O presidente do Conselho ressaltou ainda o trabalho do SEBRAE em prover soluções que aumentem a competitividade dos pequenos negócios, frisou Nogaroli. As micro e pequenas empresas têm papel fundamental para alavancar crescimento do País, segundo análise do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho. Durante palestra realizada na Semana de Capacitação do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), nesta quarta-feira (01/09/2010), o economista apresentou números estimados pela instituição para o avanço do Brasil em 2010 e ressaltou a importância dos pequenos negócios para fomentar o desenvolvimento. A expectativa do BNDES é que a economia cresça acima de 5% nos próximos cinco anos, que a geração de empregos formais dobre em 2010, que a massa salarial das famílias brasileiras atinja R$ 1,38 trilhão e que os

16 16 investimentos internos cresçam a uma taxa de 9,6% ao ano até "O País está muito bem e a micro e pequena empresa é a principal mola impulsionadora da redução das desigualdades sociais. Sem micro e pequena empresa não há desenvolvimento", frisou o palestrante. A expectativa do BNDES é que neste ano sejam criados 2,2 milhões de empregos formais, contra 995 mil registrados em As micro e pequenas empresas são responsáveis por 52,3% do emprego formal em todo o País, segundo os dados do banco, o que equivale a 13 milhões trabalhadores. A massa salarial deve atingir R$ 1,38 trilhão ao fim deste ano, aumentando o poder de compra no mercado interno, que, como destacou, foi responsável por salvar o Brasil da crise. O aumento da massa salarial e do emprego são as alavancas da economia brasileira, afirmou Coutinho. O economista apresentou números que mostram aumento do poder de compra das classes mais baixas, o que impulsiona as micro e pequenas empresas. Em 2002, 58% do consumo era feito pelas classes A e B. As famílias das classes C e D representavam 36% do total. Apenas oito anos depois, a participação se inverteu. Em 2010, as classes C e D são responsáveis por 59%, enquanto os mais abastados das classes A e B compram 40% dos R$ 1,38 trilhão consumidos no País. Esse é um mercado muito bom para a pequena empresa, que está mais próxima dos consumidores das classes C e D. É um círculo virtuoso. O desenvolvimento da pequena empresa cria esse novo mercado e esse novo mercado gera oportunidades para a pequena empresa, disse Coutinho. (Fonte: Agência SEBRAE de Notícias).

17 17 Como podemos ver, a pujança das pequenas empresas é inegável. A sua representatividade na geração de riqueza e distribuição de renda é inquestionável. No capítulo seguinte trataremos da mudança ocorrida na forma de tratamento das micro e pequenas empresas até advento do novo estatuto o que ocorreu com a aprovação da Lei Complementar nº 123/06.

18 18 CAPÍTULO 2 MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESA: A FORÇA DAS PEQUENAS Navegar com habilidade e eficiência em mares revoltos As MPE s, fundamentais para a economia brasileira As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico do Pais. São numerosas (98% das indústrias brasileiras) e estimulam a competição e o livre mercado. Geram emprego (43,7% dos postos de trabalho do setor industrial) e, por serem pequenas, são mais flexíveis e tem mais capacidade para responderem a inovações. As MPE ajudam no combate à pobreza e às desigualdades sociais O empreendedorismo prove ocupação, renda e cidadania para empresários e trabalhadores. Nas pequenas comunidades, as MPE são o alicerce da economia local. As pequenas comunidades não conseguem suportar as

19 19 grandes empresas, pela quantidade de recursos que demandam tanto os naturais quanto os humanos. Ainda temos no Brasil localidades que conhecem o telefone celular só do ouvi falar e a internet ainda é miragem. O nível de escolaridade é muito baixo e sem mão de obra qualificada. Nesse contexto, a pequena empresa é a opção para geração de emprego, pois, em sua grande maioria, demandam mão de obra de pouca qualificação profissional. Dados do Anuário do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2009, conforme abaixo demonstram a importância dessas empresas na geração de emprego para as pessoas com menor qualificação profissional: ANO PEQ(1) GDE(2) ,1 32, ,8 28, ,2 26, ,1 24, ,8 23, ,9 21, ,2 20, ,5 19, ,5 16, ,8 17, ,5 16, ,7 16,4 (1) empregados analfabetos ou com ensino fundamental incompleto em pequenas empresas na Grande Recife (2) empregados analfabetos ou com o ensino fundamental incompleto em grandes empresas na Grande Recife (1) e (2) Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: ed. /.Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - São Paulo: SEBRAE; DIEESE, 2010

20 20 As empresas de pequeno porte necessitam de políticas de apoio O segmento enfrenta muitos desafios em suas operações, tais como dificuldade de acesso ao crédito e a informação, pouca capacitação gerencial e dificuldade para capacitar sua mão de obra. Sua vulnerabilidade ao ambiente econômico hostil, dominado por grandes e vorazes corporações, é elevada e, sozinha, a MPE não tem condições de implementar as mudanças necessárias para fomentar seu desenvolvimento. O pequeno empreendedor tem-se que portar como um homem de sete instrumentos e ter a atitude de um gladiador para enfrentar os embates na arena corporativa. A sua relação com as grandes corporações muito se assemelha com a de Sansão e Golias tem de dar saltos triplos para não ser engolido pelos gigantes. A maioria dos países tem uma política de apoio aos pequenos Nos Estados Unidos o Small Buzines Act foi criado em Em 2008, a União Européia intensificou sua ação em prol das MPE e criou o Small Business Act for Europe, tendo como base o principio do Think Small First, onde a MPE se projeta como o cerne das políticas e regulamentos europeus. No Brasil a Constituição de 1988, nos seus artigos 170 E 179 reconheceu a necessidade de uma política específica para as MPE s, porém, somente quase 10 anos depois esse importante segmento de empresas começou a ter um tratamento diferenciado, primeiro em 1996, com a criação do SIMPLES e, depois, em 1999, com o primeiro Estatuto da MPE, conforme descrito abaixo. Em 2006 o País inaugura uma nova etapa na defesa dos negócios pequenos

21 21 Em 2006 é inaugurada uma nova etapa na relação com as micro e pequenas empresas com a aprovação do novo Estatuto da MPE (que inclui o novo regime tributário simplificado o Simples Nacional) também conhecido como a Lei Geral das MPE, destaca-se tanto pelas inovações trazidas pela lei como pela mobilização empresarial que resultou na sua aprovação e pelo amplo debate na sociedade e no Congresso. O novo estatuto trouxe várias inovações, com destaque para o Simples Nacional, o tratamento diferenciado nas compras governamentais, a sociedade de propósito especifico (consorcio de compra ou venda), a simplificação dos procedimentos de abertura e fechamento de empresas e a sociedade de garantia de credito. Algumas inovações foram implementadas parcialmente e outras como não raro ocorre - não saíram do papel. A formulação de políticas no Brasil ainda não é regida pelo princípio Pense nas Pequenas Primeiro. O novo Estatuto das MPE s trouxe alguns avanços na área tributária, com a simplificação do cálculo de tributos federais, englobados agora com uma única base de cálculo que inclui, inclusive, o INSS do empregado mas, por outro lado, não lhes faculta parcelar débitos em atraso, benefício concedido às grandes empresas, bem como o atraso no recolhimento de tributos as exclui automaticamente da sistemática do SIMPLES. No Brasil convivemos com várias definições para as MPE De acordo com o novo estatuto, a definição de microempresa e empresa de pequeno porte e baseada no faturamento bruto anual. Microempresas são aquelas com faturamento de ate R$ 240 mil; pequenas empresas são aquelas

22 22 com faturamento entre R$ 240 mil e R$ 2,4 milhões. Um dos benefícios do novo estatuto deveria ser a uniformização do conceito de MPE, mas a própria lei prevê critérios diferentes para situações especificas: No caso de financiamento para a exportação, os limites são aqueles definidos no âmbito do MERCOSUL; Para fins de enquadramento do ICMS no Simples Nacional, alguns Estados podem adotar limites inferiores (R$ 1,2 milhão e R$ 1,8 milhão); O BNDES considera como pequena empresa aquela com faturamento bruto anual de ate R$ 16 milhões. A adoção de diferentes conceitos dificulta a construção das políticas públicas e o alcance de seus resultados, ao dispersar esforços e recursos. A diferença entre o valor limite determinado na Lei Geral e o utilizado pelo BNDES reforçam os argumentos de que o limite das MPE esta abaixo do adequado. O mesmo se observa quando comparamos o limite de enquadramento com base no número de empregados, em que as pequenas empresas teriam até 99 empregados. Pesquisa da CNI de 2006(A indústria e o Brasil Uma Agenda para crescer mais e melhor) mostrou que apenas 40% das empresas com menos de 99 empregados apresentam faturamento bruto anual dentro do limite estabelecido pela Lei Geral das MPE s, jogando para fora do sistema do SIMPLES a maioria delas, que acabam assim solapadas pela perversa política tributária do País. Nem todas as MPE podem usufruir dos benefícios proporcionados pela Lei Geral a legislação prevê uma serie de restrições setoriais para o enquadramento das MPE, em especial para o regime tributário simplificado, excluindo pequenas empresas da principal política de apoio desenvolvida para o segmento. E preciso universalizar os benefícios da lei. Um caso emblemático é que as empresas enquadradas no SIMPLES não podem ter prejuízo operacional, conforme redação do inciso IX do artigo 29 da Lei

23 23 Complementar 123/06. Se isso vier a acontecer a empresa ser desenquadras de ofício por decisão do Comitê Gestor, órgão que cuida da regulamentação do Simples Nacional. Se ocorrer a exclusão de ofício, a empresa excluída ficará impedida de optar pelo Simples Nacional pelos próximos três anos (parágrafo 1º do artigo 29), sendo que o desenquadramento gerará efeitos a partir do mês da ocorrência da mencionada situação. A burocracia excessiva é especialmente nociva às MPE, que tem escassez de recursos e não conseguem lidar com a burocracia sem o apoio de terceiros. O impacto da burocracia e ainda mais severo sobre os novos empreendedores como conseqüência os pequenos empreendedores começam na informalidade. Dados de IBGE demonstram que para cada uma pequena empresa formal há duas na informalidade. A recentíssima Lei Complementar 128/2008 que criou a figura do Microempreendedor Individual ( faturamento anual bruto de até R$ ,00), com vigência a partir de , buscou alterar, pelo menos em parte, esse imenso quadro de informalidade. Em 14 meses de funcionamento, o programa Microempreendedor Individual ultrapassou a marca de meio milhão de inscritos. De acordo com dados divulgados disponíveis no site do pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o número de trabalhadores cadastrados no Portal do Empreendedor era de , até o dia 1º/09/2010. São brasileiros que deixaram a informalidade e passaram a ter um pouco de cidadania. Nos últimos meses, ainda segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior três mil pessoas, por dia, têm se inscrito no programa, que formaliza profissionais autônomos por meio do recolhimento simplificado de contribuições para a Previdência Social e de impostos para estados e municípios. Segundo o ministério, as atividades com maior número de adesões são comércio de vestuário e cabeleireiros e os estados com maior número de inscrições no programa são: São Paulo, com 108,6 mil cadastrados; Rio de

24 24 Janeiro (65 mil); Minas Gerais (51,9 mil); Bahia (37,6 mil); e Rio Grande do Sul (29,7 mil). A dificuldade de acesso ao crédito, um dos principais entraves ao crescimento do setor As exigências de garantias, o excesso de burocracia e a grande falta de informação são obstáculos significativos para o acesso de uma parcela expressiva das MPE as linhas públicas de crédito com baixo custo. Como conseqüência, as empresas tornam-se dependentes de fontes de crédito mais caras e inapropriadas para suas operações. O cartão BNDES e uma inovação que reduziu a burocracia para o acesso ao credito. A Lei Geral autorizou a criação da Sociedade Nacional de Garantia de Credito, mas ela ainda a não saiu do papel. Também foram criados, com o apoio da União, dois Fundos de Garantia (FGO e FGI) que possibilitaram maior acesso das MPE as linhas de credito, inclusive com taxas menores, na medida em que funcionam como avalistas em operações de capital de giro, pois, se o empresário não conseguir honrar o empréstimo o Fundo Garantidor o fará, conforme informações disponíveis no site do Banco do Brasil. A carga tributária e sua complexidade A elevada carga tributaria e a principalmente a complexidade do sistema tributário brasileiro atingem em cheio todas as empresas, independente de seu porte. O problema se agrava quando se trata das MPE s. As grandes

25 25 empresas tem quadro próprio para buscar entender o cipoal de leis de brotam por todo o lado e no caso das MPE S, essas ficam na dependência da assessoria de seus contadores, que muitas vezes só conseguem calcular os tributos que elas têm que pagar. A nova lei foi um avanço para as MPE A criação do Simples em 1996 e, posteriormente, do Simples Nacional em 2006 reduziu a carga tributária que incidiam sobre as pequenas empresas e a complexidade de leis para as MPE. O Simples Nacional, alem de incorporar os tributos federais e, também inclui o ICMS e o ISS, totalizando oito tributos pagos com um único formulário e com alíquotas inferiores, no entanto observase que o ICMS e o ISS ainda continuam a ser pagos separadamente. No caso do Simples Nacional, apesar do pouco tempo de vigência, já se percebem efeitos positivos em relação ao numero de empresas beneficiadas. De 2007 a 2009, o numero médio mensal de empresas que recolheram seus tributos por meio do Simples Nacional cresceu 12,6%. A maioria dos Estados não conjuga o princípio do Pense nas Pequenas Primeiro Na contramão dessa idéia inspiradora, muitos governos estaduais, em sua sanha de aumentar suas receitas, tem adotado medidas relativas ao ICMS que retiram os benefícios oferecidos pelo novo sistema. A utilização do mecanismo da substituição tributária ( o estado pré determina por quanto o produto será vendido ao consumidor final) de forma generalizada acaba por retirar o beneficio previsto na legislação do Simples Nacional. O substituto, geralmente localizado no inicio da cadeia produtiva, ao pagar o tributo com base nas alíquotas regulares, retira o beneficio da redução de alíquotas das MPE que estejam sendo substituídas.

26 26 A real extensão desse problema pode ser dimensionada pelas montadoras de automóveis que passaram a vender direto para o consumidor final. A propaganda com nota fiscal direta de fábrica nada mais é que a forma por elas encontrada para contornar a pré determinação do preço. Isto é uma carro modelo X é faturado pelo preço Y e as montadoras já eram obrigadas a recolher na fonte o valor do ICMS já considerando o preço pelo qual ele seria vendido ao consumidor final e sem permitir o crédito do imposto na eventualidade de o veículo ser vendido por um preço inferior ao que o Estado pré-julgou que o seria. Situação semelhante ocorre também, dentre muitas outras, com a indústria de colchões que são obrigadas a recolher na origem o valor do ICMS pelo dobro do valor de nota fiscal de venda para o lojista, pois, o Estado pré determinou que a margem de lucro nesse segmento é de 100 % e, nesse caso, a indústria de colchões ainda não consegue vender direto para o consumidor com nota fiscal de fábrica. Outro aspecto é a impossibilidade de transferir créditos de ICMS que reduz a competitividade das MPE optantes pelo Simples e estimula as grandes empresas varejistas a adquirirem mercadorias de outras companhias que não sejam optantes do Simples Nacional ou pressionado por descontos das empresas optantes, para compensar o não recebimento dos créditos do ICMS. Tal aspecto, segundo dados da CNI, contribuem para perda de competitividade, com diferenças de até 15% no preço final do produto, caso uma empresa varejista opte por adquirir o produto de uma optante pelo SIMPLES ao invés de adquiri-lo de outra não optante, devido a perda do direito de usufruir do crédito do ICMS. Só três Estados, entre 27, concedem o crédito presumido de ICMS Na ultima modificação da Lei Geral realizada pelo Congresso Nacional (Lei Complementar 128/08), os Estados foram autorizados a conceder credito presumido de ICMS relativo ao recolhido nas fases anteriores da cadeia

27 27 produtiva as empresas clientes das MPE optantes pelo Simples Nacional, no entanto, apenas os Estados de Santa Catarina, Piauí e Bahia permitem essa transferência o que representa, segundo o SEBRAE, um número menor que 5%, do universo das MPE s brasileiras. No plano federal, o crédito presumido é utilizado no caso do PIS/COFINS. O poder de compra do Estado pode estimular o crescimento da MPE O capitulo da Lei Geral relativo às compras governamentais trouxe uma nova visão na gestão das compras publicas. O Estado brasileiro passou a poder usar seu poder de compra para promover o fortalecimento das micro e pequenas empresas, buscando gerar emprego e renda e contribuindo para o crescimento do Pais. O uso das compras de Governo para estimular o crescimento das MPE e uma das principais medidas de apoio oficial, alem do Simples Nacional. Essa política foi espelhada no Small Business Act dos Estados Unidos, e também é adotada com sucesso no Japão, Austrália e União Européia. No Brasil, o potencial de mercado das compras governamentais e significativo. E um mercado que movimenta cerca de R$ 260 bilhões por ano, segundo estimativa do SEBRAE. A nova lei favorece a política de compras do Estado junto às MPE Dados do Ministério do Planejamento mostram uma melhora sensível, devido as mudanças introduzidas pela Lei Geral, na política de compras (administração direta, autarquias e fundações) envolvendo empresas de pequeno porte. Comparando-se os anos de 2002 e 2009, verifica-se um aumento de 44 mil para 76 mil no numero de MPE que hoje integram o rol de fornecedores da

28 28 União. Como decorrência, a participação das MPE no total de compras da União aumentou de R$ 2,8 bilhões para R$ 14,9 bilhões mas, segundo dados do SEBRAE, apenas 17 estados elaboraram legislação sobre a matéria e podem realizar, com tratamento diferenciado, contratações com as MPE S. De uma forma geral aconteceram mudanças importantes, foi implementado, ainda que parcialmente, o novo estatuto das MPE s, e o governo têm buscado melhorar as condições para fazer das micro e pequenas empresas fornecedores importantes para suas demandas mas há ainda um longo caminho a percorrer. No próximo capítulo serão mostrados, apesar dos avanços conseguidos, os obstáculos que as pequenas empresas ainda enfrentam nesse ambiente ambíguo e, em alguns momentos, até hostil.

29 29 CAPÍTULO 3 OBSTÁCULOS A SUPERAR Se o vento não está a favor mude a posição das velas Como vimos até aqui já ocorreram mudanças no cenário econômico brasileiro que buscam proporcionar melhores e mais adequadas condições para a sobrevivência das micro e pequenas empresas brasileiras mas é inegável e, sem buscar mudanças utópicas, há ainda muito o que fazer. Os governantes, em todas as esferas, devem colocar em pratica os preceitos previstos na Constituição Brasileira de 1988, que prevêem o tratamento

30 30 diferenciado e favorecido as micro e aspectos da economia brasileira. pequenas empresas, em todos os Devem aprofundar as políticas de apoio e incentivo aos arranjos produtivos locais berço primeiro das micro e pequenas empresas, fortes indutores de melhoria das condições econômicas e sociais e incremento dos resultados de políticas públicas. REAVALIÇÃO DOS LIMITES DE ENQUADRAMENTO Reavaliar automática e anualmente os limites de enquadramento das micro, pequenas e médias empresas. Os limites atuais datam de dezembro de A inflação acumulada desde então supera os 15%. Assim, o teto estabelecido em 2005, de R$ ,00 deveria ser de, pelo menos, R$ ,00 mas a sua elevação esbarra na insaciável necessidade geração de caixa por parte do governo. UNIFICAÇÃO DAS POLÍTICAS VOLTADAS PARA AS MICRO EMPRESAS Hoje temos o Simples Federal e o Simples Estadual, ou melhor, o Simples de cada Estado da Federação como podemos ver, o Simples não é tão simples assim. Temos que caminhar para uma política uníssona e deixarmos de ser uma Federação apenas nas aulas de geografia, história e nas campanhas políticas. Incentivar os Estados a adotarem os mesmos limites de enquadramento da empresas usados pelo Governo Federal, unificando assim o conceito de micro e pequena empresa.

MICRO E PEQUENA EMPRESA

MICRO E PEQUENA EMPRESA Agenda para MICRO E PEQUENA EMPRESA BRASÍLIA 2010 Uma agenda para crescer mais e melhor 4. Micro e pequena empresa: um caso especial As MPE, fundamentais para a economia brasileira As Micro e Pequenas

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs O atual contexto do ambiente econômico das MPEs Brasil e Minas Gerais Belo Horizonte, outubro de 2013 1 Presidente Roberto Luciano Fortes Fagundes Superintendência Geral Gilson Elesbão de Siqueira Departamento

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

Importância da Lei Geral e do Simples Nacional para o Desenvolvimento. SEBRAE. Curitiba, 24 de janeiro de 2012. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.

Importância da Lei Geral e do Simples Nacional para o Desenvolvimento. SEBRAE. Curitiba, 24 de janeiro de 2012. 0800 570 0800 / www.sebrae.com. Importância da Lei Geral e do Simples Nacional para o Desenvolvimento. Curitiba, 24 de janeiro de 2012 REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 7 milhões de negócios formais (99%) e 10 milhões

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

SeminárioADI-2012. Inclusão financeira inovação para as MPE s

SeminárioADI-2012. Inclusão financeira inovação para as MPE s SeminárioADI-2012 Inclusão financeira inovação para as MPE s Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Barcelona Outubro 2012 1. Diagnóstico Não

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles)

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles) REQUERIMENTO nº, de 2015 (Do Sr. Carlos Melles) Requer a Convocação de Sessão Solene em 2016, em Homenagem ao vigésimo aniversário da Lei que criou o SIMPLES no Brasil. Senhor Presidente, Representando

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia.

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO O presente mini-ensaio, apresenta os desvios que envolvem o conceito de micro e pequena empresa

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes.

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Por Palmira Santinni No Brasil, nos últimos anos, está ocorrendo um significativo aumento na criação de novas empresas e de optantes pelo

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas As diretrizes estratégicas dão foco ao negócio Perspectivas Simplificar e agilizar a utilização

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade Bem-Vindos! APRESENTAÇÃO Ana Afonso organizadora profissional em São Paulo atua desde 2006 realizando serviços de organização de espaços, gestão de residências, treinamento de funcionários domésticos,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual Apresentação Muitos brasileiros trabalham informalmente por conta própria, ou seja, não têm nenhum tipo de registro. E por isso ficam sem acesso a diversos benefícios, como a Previdência Social, cursos

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

Rede Brasileira de Produção mais Limpa

Rede Brasileira de Produção mais Limpa Rede Brasileira de Produção mais Limpa Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável SENAI Sistema FIERGS Rede Brasileira de Produção mais Limpa PARCEIROS Conselho Empresarial Brasileiro

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Medidas de Incentivo à Competitividade Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Devolução mais rápida de créditos tributários federais por exportações Devolução de 50% dos créditos de PIS/Pasep, Cofinse IPI

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Lei Complementar n o 139, sancionada em 10 de novembro de 2011 (PLC 77/2011, do Poder Executivo) Entre os principais avanços do projeto está

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Viabilidade da Tributação Verde Lucilene Prado Existe no sistema jurídico brasileiro fundamentos para uma tributação que induza a comportamentos e atividades empresariais

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza

EMPREENDEDORISMO. Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza EMPREENDEDORISMO Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza ORGANIZAÇÃO CONCEITO: A sociedade humana é feita de organizações que fornecem os meios para o atendimento de necessidades

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior Ministro Augusto Nardes TEMA 2: Geração de emprego e renda na economia nacional 1. Frente Parlamentar e a micro

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

A LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS O PAPEL DOS TRIBUNAIS DE CONTAS FRENTE ÀS DEMANDAS SOCIAIS

A LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS O PAPEL DOS TRIBUNAIS DE CONTAS FRENTE ÀS DEMANDAS SOCIAIS A LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS O PAPEL DOS TRIBUNAIS DE CONTAS FRENTE ÀS DEMANDAS SOCIAIS 05 de agosto de 2014 Força das Pequenas Empresas 9 Milhões optantes no Simples 4,2 milhões MEI 52% das

Leia mais

Eficiência Tributária

Eficiência Tributária Eficiência Tributária Cenário Tributário Brasileiro Características negativas: Tributação excessiva Multiplicidade de tributos e de Obrigações Acessórias Tributação em cascata (tributo incide sobre outros

Leia mais

REDEPETRO RN. Grandes Compradores, pequenos fornecedores. M.Sc. Gutemberg Dias

REDEPETRO RN. Grandes Compradores, pequenos fornecedores. M.Sc. Gutemberg Dias REDEPETRO RN Grandes Compradores, pequenos fornecedores M.Sc. Gutemberg Dias MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO BRASIL 5 milhões de empresas formais (99% das empresas formais) e 10 milhões de informais;

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

Gastos Tributários do governo federal: um debate necessário

Gastos Tributários do governo federal: um debate necessário do governo federal: um debate necessário Coordenação de Finanças Sociais Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Assessoria Técnica da Presidência do Ipea Este Comunicado atualiza trabalho publicado ano

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Os Desafios do Desenvolvimento na Perspectiva dos Município e dos Pequenos Negócios

Os Desafios do Desenvolvimento na Perspectiva dos Município e dos Pequenos Negócios Os Desafios do Desenvolvimento na Perspectiva dos Município e dos Pequenos Negócios João Pessoa - PB Arnaldo Júnior Farias Doso OBJETIVO E DESAFIO DE TODOS EMPREGO EDUCAÇÃO RENDA INFRA ESTRUTURA TRABALHO

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento 1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento O EMPREENDEDORISMO E O MERCADO DE CAPITAIS - Luiz Guilherme

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito PROJETO DE LEI Nº 15 DE 22 DE JANEIRO DE 2010. Altera a Lei nº 1.943, de 10 de dezembro de 1979, para conceder isenção da Taxa de Fiscalização de Atividades (TFA); a Lei nº 5.252, de 20 de dezembro de

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

BNB - Segmentação de Clientes

BNB - Segmentação de Clientes BNB - Segmentação de Clientes Grande Pirâmide dos Empreendedores (Formais ou Informais) FORMAL Médio Pequeno MICROEMPRESA INFORMAL EMPREENDEDOR URBANO EMPREENDEDOR RURAL SERVIÇO INDÚSTRIA COMÉRCIO ATIVIDADES

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira Do microcrédito às microfinanças Monica Valente Microcrédito Tânia Machado Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

Como participar pequenos negócios Os parceiros O consumidor

Como participar pequenos negócios Os parceiros O consumidor Movimento incentiva a escolha pelos pequenos negócios na hora da compra A iniciativa visa conscientizar o consumidor que comprar dos pequenos é um ato de cidadania que contribui para gerar mais empregos,

Leia mais