Programa Angola Investe Conselho Consultivo da ANIP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Angola Investe Conselho Consultivo da ANIP"

Transcrição

1 Programa Angola Investe Conselho Consultivo da ANIP 5 de Dezembro de 203 Ministério da Economia

2 Agenda Síntese do Programa Mecanismos de Financiamento Linhas de Crédito Bonificado Garantias Públicas de Crédito

3 O programa Angola Investe é um programa nacional de fomento às MPMEs com enfoque em 5 áreas chave Áreas de enfoque Dificuldades de acesso a financiamento Principais constrangimentos MPME's com dificuldades de financiamento por falta de colateral e escassez de oferta para MPME's Acções chave Lançar programa de apoio ao financiamento para MPME's Qualificação dos Recursos Humanos Falta de qualificação das pessoas leva a uma baixa taxa de sucesso dos negócios e das iniciativas empreendedoras Capacitar os empresários com programas de formação e consultoria e facilitar a instalação de novas empresas Excesso de processos burocráticos Processos de licenciamento, prazos de pagamento e concursos públicos demasiado demorados e onerosos limitam MPME's Criar um ambiente administrativo que facilite a abertura de empresas, e apoie as MPME's na sua relação como fornecedores do Estado Fraco incentivo à produção nacional Dificuldades sociais e informalidade Produção nacional em Angola é pouco estimulada, existindo rápida preferência pela via importadora Populações rurais e urbanas com baixa renda, que sobrevivem na economia informal Promover a produção nacional e estimular o consumo dos produtos nacionais Lançar programas com impacto social e económico imediato, fazendo chegar meios financeiros e equipamentos / serviços sociais às populações

4 As iniciativas do Programa Angola Investe terão impacto em particular nos sectores de produção prioritários Sectores prioritários Iniciativas transversais Impactos Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Agricultura, Pecuária e Pescas, Indústria Extractiva Indústria Transformadora Serviços de Apoio ao Sector da Produção Facilitar acesso ao crédito Crédito bonificado Fundo de garantia Fundo de capital de risco Suporte ao empreendedor Formação e consultoria a MPMEs Centros de incubação empresarial Desburocratização e apoios a MPME Simplificação dos processos burocráticos Incentivos fiscais e institucionais Incentivo à produção nacional Fomento do cooperativismo, Dinamização sectores bandeira Programa Feito em Angola Dinamização de polos agroindustriais e indústrias nas ZEE Iniciativas de impacto social e económico imediato PROAPEN / PREI Criação de cooperativas Melhoria da logística da produção Melhoria da gestão dos projectos agro-pecuários Melhoria da operação de indústrias transformadoras Aumento da oferta de infraestruturas Cadeia de abastecimento da produção Criação de uma rede de fornecedores locais Capacitação dos recursos em áreas chave de suporte

5 Os Mecanismos de Financiamento do Angola Investe são já o maior programa público de apoio à concessão de crédito... Número de financiamentos aprovados Evolução de financiamentos aprovados via Angola Investe Out Nov Dez Jan # financiamentos aprovados Feb Mar Abr Valor a disponibilizar Mai. Valor à data da última auditoria realizada ao PROAPEN, referente ao montante concedido em 202; Nota: Entre os meses de Novembro e Maio, o montante aprovado foi estimado baseado no montante médio por financiamento de Junho e no número de financiamentos aprovados no mês em questão, dado não se dispor do valor de financiamentos aprovados. Fonte: Dados de financiamento dos Bancos; MINEC; BNA Jun Jul Ago Valor disponibilizado Set Out Nov Montante (M Kz) Outros programas de financiamento público CA PROAPEN Investimento CA Campanha

6 ...tendo todas as restantes iniciativas do Programa já resultados concretos Iniciativa Resultados actuais 3 Fundo Público de Capital de Risco Fundo de Capital de Risco (FACRA) já dotado com 70 M USD para investir Recebidos, até à data, mais de 200 projectos,5 dos quais em análise preliminar 4 Suporte ao empreendedor Mais de empresas já certificadas como MPME Mais de 200 solicitações de consultoria, das quais mais de 50 já finalizadas Mais de formandos capacitados 5 Simplificação dos processos burocráticos Novo alvará comercial mais simples, mais barato e mais rápido Aprovada proposta de simplificação do processo de constituição de empresas Criação de benefícios fiscais para o empreendedorismo Apoios institucionais Diversos benefícios fiscais definidos para MPMEs certificadas (p. ex.: redução da taxa de imposto industrial e isenção do Imposto de Consumo sobre matérias-primas para MPMEs certificadas) Tratamento preferencial das MPME's na contratação pública, incluindo redução de prazos de pagamento e reserva de verbas exclusivas para a sua contratação Fomento cooperativismo Criada proposta de revisão da Lei das Cooperativas Dinamização dos sectores bandeira Promoção de investimentos nos sectores dos Ovos, Frangos e Leite Programa de incentivo ao comprar nacional Programa "Feito em Angola" com mais de 40 produtos aderentes, e com nova campanha de comunicação massiva em curso PDIs e ZEEs Novos diplomas legais da ZEE e da ZEE Luanda-Bengo em aprovação 2 PROAPEN / PREI Documentos legais preparados para PREI, a operacionalizar com BCI, BPC, Sol e BMF

7 Agenda Síntese do Programa Mecanismos de Financiamento Linhas de Crédito Bonificado Garantias Públicas de Crédito

8 A facilitação de acesso ao crédito é realizado com recurso à bonificação de juros e às garantias públicas Bonificação de Juros Através da Bonificação de Juros, o Estado bonifica parte da taxa de juro do financiamento, permitindo aos empresários a possibilidade de terem um crédito onde pagam uma taxa de juro máxima de 5% O Estado suporta o diferencial entre a taxa de juro total e a taxa de juro paga pela MPME Garantias Públicas As Garantias Públicas permitem aos empresários com reduzido património a possibilidade de, numa proposta de financiamento, apresentarem garantias suportadas pelo Estado de até 70% do valor concedido Para acesso às Garantias Públicas existirá uma comissão anual de 2%, sobre os saldos vivos garantidos em cada momento, paga pela MPME Benefício para a MPME Menor custo do crédito mais fácil suportar os juros Benefício para a MPME Menor risco para o Banco maior acesso a crédito Ambas as iniciativas estão a ser operacionalizadas pelos Bancos aderentes ao Programa

9 Estes mecanismos só podem ser acedidos por empesas e projectos cumpridores de um conjunto de critérios Que empresas podem aceder aos mecanismos? Capital angolano igual ou superior a 75% Apresentação de certificado do INAPEM Exposição, de cada MPME, no âmbito do Angola Investe, inferior aos limites definidos Que projectos podem ser contemplados? Projecto inserido nos sectores prioritários definidos Financiamento aplicado sobretudo em imobilizado corpóreo Contrato de crédito cumpre com outros requisitos Exemplos: Maturidades, Carências,...

10 Agenda Síntese do Programa Mecanismos de Financiamento Linhas de Crédito Bonificado Garantias Públicas de Crédito

11 Outros requisitos do contrato de crédito As Linhas de Crédito Bonificado e as Garantias Públicas de Crédito têm condições de financiamento específicas Carência de capital: Existirá um período de carência de capital, o qual não poderá ser inferior a 6 meses Reembolso: O prazo máximo de reembolso dos financiamentos concedidos será de 7 anos Limite da taxa de juro total do financiamento: As taxas de juro anuais acordadas entre o Banco e cada MPME não poderão superar, tanto à data da celebração do contrato como à data de posteriores revisões desta taxa, o valor da taxa LUIBOR a 6 meses acrescido de spread máximo de: 6,0% para Micro Empresas 4,5% para Pequenas Empresas 3,0% para Médias Empresas Tipologia de taxa de juro: A taxa de juros anual será acordada entre o Banco e a MPME, necessariamente dentro dos limites referidos acima durante a vigência do contrato, podendo esta ser: Uma taxa fixa, ou Uma taxa variável igual a uma taxa de referência, a acordar entre o Banco e a MPME, à qual é adicionado um spread fixo, a acordar entre o Banco e a MPME; Moeda do financiamento: Os financiamentos serão concedidos exclusivamente em AKZ

12 Maioria dos Bancos aderentes já concederam financiamento a MPMEs nacionais com projectos produtivos Divisão por banco dos financiamentos aprovados no Angola Investe # financiamentos Financiamentos a disponibilizar Financiamentos disponibilizados Valor total dos financiamentos (M Kz) 0 24 Millennium BPC BCI BFA BAI BIC Caixa Totta Sol BESA Keve BNI BANC Standard Finibanco Bancos privados têm sido grandes motores do Programa sendo responsáveis por mais de 60% do crédito concedido Total. Valores referentes aos financiamentos aprovados.

13 O programa tem já uma abrangência nacional com impacto substancial previsto na geração de emprego Dispersão geográfica dos financiamentos aprovados no Angola Investe # total de empregos previstos N/a # financiamentos Financiamentos a disponibilizar Financiamentos disponibilizados 35 Valor total dos financiamentos (M Kz) 0 Luanda Benguela Huíla Bengo Malanje Uíge Namibe Huambo Kwanza-Cabinda Norte Bié Kwanza- Sul Lunda- Cuando Moxico Sul Cubango Zaire Total. Valores referentes ao total de financiamentos aprovados.

14 Todos os macro-sectores prioritários têm já financiamentos com predominância da Indústria Transformadora e Extrativa Dispersão sectorial dos financiamentos aprovados no Angola Investe # total de empregos previstos # financiamentos Financiamentos a disponibilizar Financiamentos disponibilizados 40 Valor total dos financiamentos (M Kz) 0 Indústria Transformadora e Indústria Extractiva Agricultura, Pecuária e Pescas Serviços de Apoio ao Sector Produtivo Materiais de Construção Total. Valores referentes ao total de financiamentos aprovados.

15 Agenda Síntese do Programa Mecanismos de Financiamento Linhas de Crédito Bonificado Garantias Públicas de Crédito

16 As Garantias públicas têm sido essenciais para dinamização do Programa existindo mais de 85 garantias emitidas # garantias emitidas 00 Dispersão geográfica das garantias públicas emitidas Número garantias 20 Valor garantias (M Kz) 0 Luanda Huíla Benguela Bengo Uige Huambo Kuanza - Norte Valor financiamentos (M Kz) Nota: Dados referentes a Novembro Malange Cabinda 30 Kuanza - Sul Namibe Bié Zaire Total

17 O Programa Angola Investe

18 Anexo

19 Limite de exposição por MPME Cada MPME terá acesso às Linhas de Crédito Bonificado com diferentes limites consoante a sua dimensão Artigo 5.º (Lei MPME) Trabalhadores Facturação bruta anual Valor máximo do total de crédito bonificado Micro Empresas Até 0 trabalhadores Até $ (equivalente Kz) até Kz 20 milhões Pequenas Empresas De 0 e até 00 trabalhadores De $ e até $3M (equivalente Kz) até Kz 50 milhões Médias Empresas De 00 e até 200 trabalhadores De $3M e até $0M (equivalente Kz) até Kz 500 milhões Artigo 7.º e 2.º (Lei das MPME) Empresas Excluídas Não são consideradas MPME nem apoiadas as seguintes entidades: Participada ou accionista de outra empresa Pública ou que não MPME Filial ou sucursal no país de uma empresa com sede no exterior Exerça a actividade no sector financeiro bancário e não bancário Não tenham a sua situação legal ou fiscal regularizada. Excepto universidades e centros de investigação, nestes casos com o limite máximo de 25 % do capital social Fonte: Lei n.º 30/ de 3 de Setembro - LEI DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS; Memorandos de Entendimento assinados com os Bancos

20 Limite de exposição por MPME Cada MPME terá acesso às Garantias Públicas com diferentes limites consoante a sua dimensão Artigo 5.º (Lei MPME) Trabalhadores Facturação bruta anual Valor máximo do total de garantias públicas Micro Empresas Até 0 trabalhadores Até $ (equivalente Kz) até Kz 4 milhões Pequenas Empresas De 0 e até 00 trabalhadores De $ e até $3M (equivalente Kz) até Kz 05 milhões Médias Empresas De 00 e até 200 trabalhadores De $3M e até $0M (equivalente Kz) até Kz 350 milhões Memorando de Entendimento Limites por financiamento Garantias públicas + Garantias reais (hipotecas, penhores de depósitos) <= 70% do financiamento Garantias públicas + Garantias reais (com penhor de bens adquiridos por via dos fundos concedidos) <= 80% do financiamento Restantes garantias poderão ser sob a forma de: Garantias pessoais (Fiança ou Aval) ou Consignação de receitas., Excepto universidades e centros de investigação, nestes casos com o limite máximo de 25 % do capital social Fonte: Lei n.º 30/ de 3 de Setembro - LEI DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS; Memorandos de Entendimento assinados com os Bancos

21 As Garantias de Crédito são instrumentos de fomento ao crédito com características específicas Na Garantia de Crédito um Fundo de Garantia (habitualmente público), ou uma Sociedade de Garantia de Crédito, garante perante uma instituição financeira que em caso de incumprimento do cliente beneficiário de financiamento, o Fundo pagará o crédito Caso a Garantia seja accionada, tanto o Banco como o Fundo procuram reaver o valor do financiamento não pago pelo cliente Tipicamente os Fundos de Garantia não cobrem 00% do valor do crédito À utilização da Garantia está associada uma Comissão de Garantia pelo risco e serviços prestados a pagar pelo beneficiário Em Angola, as Garantias de Crédito são concedidas pelo Fundo de Garantia de Crédito Garantia pública ajuda a ultrapassar dificuldade de MPMEs em apresentar garantias reais executáveis aos Bancos

22 Incumprimento, accionamento da garantia e recuperação do crédito O incumprimento no serviço da dívida pelo empresário e consequente accionamento da garantia não anula as obrigações da empresa Em termos práticos, o empresário terá em tal momento 2 credores: O Fundo pelo accionamento da garantia O Banco pela percentagem do financiamento não coberta pela garantia pública Como em qualquer crédito, os credores reservam o direito de procurar recuperar o seu dinheiro por quaisquer vias, incluindo a via judicial É crucial que se evite o incumprimento já que limita acesso ao crédito a empresários e pode levar ao esgotamento do FGC

23 Sector de actividade do financiamento Financiamentos terão de ser concedidos a projectos no âmbito dos sectores prioritários (I/III) Macro sector Agricultura, Pecuária e Pescas Materiais de Construção Serviços de Apoio ao Sector Produtivo Micro sector Cereais (p.ex.: milho, arroz, trigo, massango e massambala, entre outros) Leguminosas (p.ex., feijão, ervilhas, grão, tremoços, leguminosas forrageiras, entre outros) Oleaginosas (p.ex., amendoim, palmeira de dendém, girassol, soja, linhaça, mostarda, entre outros) Produtos hortícolas, raízes e tubérculos (p.ex., mandioca, batata, batata rena, batata doce, inhame, cenoura, beterraba, cebola, entre outros) Cana-de-açúcar e café Flores e plantas ornamentais Frutos (p.ex., manga, abacaxi/ananás, coco, banana, mamão, papaia, goiaba, pitanga, tamarindo, maracujá) Bovinos Equinos, asininos e muares Ovinos e caprinos Suinicultura Avicultura Apicultura Cunicultura Pesca e aquicultura (p.ex., peixes, crustáceos e molúsculos) Varão de aço Tubos pretos e galvanizados Chapas de zinco e fibrocimento Gesso, cimento e produtos cerâmicos Ferragens e carpintarias Tubos e perfis em PVC Tintas, vernizes e colas Produtos de canalização (ex. torneiras e chuveiros) Aparelhos/sistemas de refrigeração Lâmpadas, cabos, fios e painéis eléctricos Mecânica industrial e automóvel Electricista industrial e automóvel Incubadora de empresas com serviços de consultoria, contabilidade e marketing Entrepostos logísticos de conservação e congelação Transportes rodoviários de mercadorias Construção de naves industriais, avícolas e pecuárias

24 Sector de actividade do financiamento Financiamentos terão de ser concedidos a projectos no âmbito dos sectores prioritários (II/III) Macro sector Indústria Transformadora, Geologia e Minas Micro sector Bebidas (p.ex., cervejas, vinhos, águas, sumos, cidras, vermutes e alcoólicas destiladas, entre outros) Conservas de frutas, produtos hortícolas, concentrados, carne, peixe e moluscos Leite Derivados do leite Fermento fresco e seco Moagem de farinhas em rama e espoadas Panificação, pastelaria e massas alimentícias Bolachas, biscoitos e tostas Fabrico de açúcar, melaço, bagaço e álcool Fabrico de chocolate e produtos de confeitaria Óleos e gorduras animais e vegetais Descasque de arroz e café, torrefacção de café Derivados da pesca Rações animais Têxteis e confecções Curtume, couro, peles e calçado Obras de cestaria e de espartaria Artefactos e artes de pesca Resinas Fabrico de pneus e câmaras-de-ar, materiais de recauchutagem, artefactos de borracha e recauchutagem Artigos de madeira e mobiliário Colchões Indústrias gráficas Embalagens metálicas, de cartão e de plástico e sacaria Implementos agrícolas, produtos de apoio ao campo, máquinas, equipamentos e utensílios Balcões, Arcas, vitrinas frigorificas e frigoríficos Fileira de derivados do petróleo e gás Manufactura de minerais não metálicos Pasta de papel, papel, cartão e seus artigos Rochas ornamentais e pedras semipreciosas

25 Sector de actividade do financiamento Financiamentos terão de ser concedidos a projectos no âmbito dos sectores prioritários (III/III) Macro sector Indústria Transformadora, Geologia e Minas (cont.) Micro sector Indústria de fertilizantes e de soda caustica, Adubos Pesticidas Sabões e detergentes, produtos de limpeza e de polimento Perfumes e produtos de higiene Fibras sintéticas ou artificiais Vidro: plano, fibra, embalagens e loiça Metalomecânica pesada e ligeira Siderurgia: electro-siderurgia e electro-metalurgia Indústrias químico-farmacêuticas Fabrico de veículos automóveis, reboques, semi-reboques, motociclos e bicicletas Construção e reparação naval Indústria Mineira Extractiva Indústria transformadora de aproveitamento de recursos mineiros Extracção e refinação de sal Silvicultura e exploração florestal Captação, tratamento e distribuição de água Recolha, drenagem e tratamento de águas residuais Recolha, tratamento e eliminação de resíduos Valorização de materiais Descontaminação e actividades similares Reciclagem: papel, vidro, embalagens de metal e de plástico, pilhas e baterias, pneus e resíduos sólidos Aproveitamento de peças e tratamento de sucata ferrosa e não ferrosa

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Março 212 1 I. ENQUADRAMENTO II. VISÃO E OBJECTIVOS DO PDMPME 2 República de Angola PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DAS MPME I. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Programa de Desenvolvimento das MPME's Encontro com empresários - Luanda. Luanda, 10 de Abril de 2012

Programa de Desenvolvimento das MPME's Encontro com empresários - Luanda. Luanda, 10 de Abril de 2012 Programa de Desenvolvimento das MPME's Encontro com empresários - Luanda Luanda, 1 de Abril de 212 Programa de Desenvolvimento das MPME's Coordenação MINEC Coordenação Sec. da Presidência Assuntos Socias

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

Empreendedorismo: Experiências de Angola

Empreendedorismo: Experiências de Angola Empreendedorismo: Experiências de Angola Globalização Resulta Redução do emprego formal Esbarra Visão Empreendedora Exige Necessidade de mudança Mecanismos de Incentivo ao Empreendedorismo Programas do

Leia mais

Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto

Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto Tabela 1 alança Tecnológica Sectorial de Portugal Período 1996-98 Fonte: anco de Portugal CAE Total Direitos de utilização e Propriedade Industrial Serv. assistência

Leia mais

Processos Especiais de Revitalização Homologados: por Classificação de Actividades Económicas (CAE) desagregada

Processos Especiais de Revitalização Homologados: por Classificação de Actividades Económicas (CAE) desagregada Processos Especiais de Revitalização Homologados: por Classificação de Actividades Económicas (CAE) desagregada Divisão Grupo Classe Designação Nº de Processos 0 Agricultura, produção animal, caça, floresta

Leia mais

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p - C O R R E S P. = igual + mais - menos p - Rev.1 OBSERVAÇÕES 0 1 Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades dos serviços = 0 1 relacionados + 81p Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades

Leia mais

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Em conformidade com o disposto no nº 1 do Capítulo I, nº 2 do Anexo I, nº 2 do Anexo II e nº 1 do Anexo III, todos do Protocolo da

Leia mais

ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES

ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES A. CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA 1. Montante Global: Até 500 Milhões de Euros. 2. Empresas beneficiárias: As empresas beneficiárias terão de

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA GABINETE DO SECRETARIO DE ESTADO

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA GABINETE DO SECRETARIO DE ESTADO 1 Caracterizacao do Sector Industrial; Os Grandes Objectivos do Sector Industrial e as Accoes em curso; As Infra-estruturas de Apoio as Actividades Produtivas; As Oportunidades de Negocios no Sector Industrial

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

Condições Legais de Acesso ao Mercado

Condições Legais de Acesso ao Mercado Condições Legais de Acesso ao Mercado Página 1/10 Índice 1. Regime Geral de Importação 2 2. Regime de Investimento Estrangeiro 6 3. Quadro Legal 7 Página 2/10 1. Regime Geral de Importação No contexto

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS (CAE REV. 3) ATIVIDADES OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO INTEGRADOS NOS SETORES DE ATIVIDADE

CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS (CAE REV. 3) ATIVIDADES OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO INTEGRADOS NOS SETORES DE ATIVIDADE S OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO (Artigo 79.º da Lei 102/2009, de 10 de Setembro) CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS S ECONÓMICAS GRUPO CLASSE SUBCLASSE SETORES DE 011 0111 0112 0113 0114 0115 0116 0119 012 0121

Leia mais

Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA

Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA SUMÁRIO 1. Generalidades- Factores/Alterações 2. Fundamentos para as Alterações 3. Opções de Política

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado. LEI No.17/03 de 25 de JULHO

Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado. LEI No.17/03 de 25 de JULHO Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado LEI No.17/03 de 25 de JULHO Artigo 1.º Âmbito da aplicação A presente lei regula os procedimentos, os tipos e modalidades de concessão

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ACTUAÇÃO DO BDA ATÉ 2017

ESTRATÉGIA DE ACTUAÇÃO DO BDA ATÉ 2017 ESTRATÉGIA DE ACTUAÇÃO DO BDA ATÉ 2017 PARTE I: TRAJECTÓRIA HISTÓRICA ASPECTOS LEGAIS FUNDAMENTOS ASPECTOS MACROECONÓMICOS Aspectos Legais CRIAÇÃO DO FUNDO DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL - FDES

Leia mais

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº Anexo 1 Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº empresas C.A.E. Sector terciário 46 41200 Construção de edifícios (residenciais e não residenciais). 37 56301

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014*

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* Estabelece parâmetros para o Licenciamento Ambiental das atividades de comércio atacadista e de confecção e fabricação de produtos têxteis. O SECRETÁRIO

Leia mais

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 O Sector Bancário Angolano Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 1 Julho de 2012 The big picture... 23 (2011) 47% (Abril 2012) 7 Bancos (#) Quota depósitos a ordem 21% Bancos Angolanos no Top

Leia mais

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MAIO 2012 1. REGULAMENTO DAS MICRO,, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS A Lei n.º 30/11, publicada em Setembro, definiu o novo regime das Micro, Pequenas e Médias

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 4294 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Lei n.º 30/11

ASSEMBLEIA NACIONAL 4294 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Lei n.º 30/11 4294 DIÁRIO DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 30/11 de 13 de Setembro Tradicionalmente, as Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPME) têm sido dos principais instrumentos de sustentação das economias

Leia mais

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 3 500 3 336 3 000 valores em milhares de euros 2 500 2 000 1 500 1 000 1 367 1 279 727 500

Leia mais

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO 1 Operações de investimento estrangeiro (%) Outros investimentos 2 Processo de investimento externo Reinvestimento externo ETAPAS DE INVESTIMENTO 3 INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 70 000 62 207 60 000 valores em milhares de euros 50 000 40 000 30 000 20 000 21 786 17 825 8 620 10

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA. Por Sebas*ão Franque Banganga Del.

FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA. Por Sebas*ão Franque Banganga Del. FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA Por Sebas*ão Franque Banganga Del. Regional da BRC 26 de Março de 2015 001 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO II. ANTECEDENTES

Leia mais

2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS

2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS 2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS Msc. Economista Carlos Kibuba INAPEM-MALANJE carloskibuba@hotmail.com GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS CARLOS QUIBUBA REPRESENTANTE PROVINCIAL DO INAPEM-MALANJE.

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Outubro 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação AGO SET OUT

Leia mais

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2014-2020 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Portal dos Incentivos Maio 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal Módulo 3 Incentivos ao investimento 5 de Julho de 2012 1 Sumário UMA SOCIEDADE DE ADVOGADOS DE REFERÊNCIA,

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

NELAG Núcleo de Empresários da Lagoa NEWSLETTER n.º5 25.Outubro.2013

NELAG Núcleo de Empresários da Lagoa NEWSLETTER n.º5 25.Outubro.2013 Boletim Informativo: - Calendário Fiscal Novembro e Dezembro - Novo Regime de Bens - Manual Regime Circulação de Bens em circulação para venda e consulta - Controlo Integrado de Roedores novas imposições

Leia mais

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO CAPITAL: LISBOA CAPITAL: LUANDA AIA Março 2012 OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO Caracterização do Mercado Angolano 1,2 milhões de Km2 Fronteiras com RDC, Zâmbia

Leia mais

SERVE/DNID. Glossário de Códigos da Classificação Industrial Padrão Internacional (ISIC) FABRICAÇÃO DE COQUE, PRODUTOS PETROLÍFEROS REFINADOS E

SERVE/DNID. Glossário de Códigos da Classificação Industrial Padrão Internacional (ISIC) FABRICAÇÃO DE COQUE, PRODUTOS PETROLÍFEROS REFINADOS E AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANIMAL, CAÇA, FLORESTA, PESCA E AQUICULTURA AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANIMAL, CAÇA E ATIVIDADES DOS SERVIÇOS RELACIONADOS 011 CULTURAS TEMPORÁRIAS 012 CULTURAS PERMANENTES 013 CULTURA

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Estatísticas do Comércio 2013 26 de dezembro de 2014 Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Em 2013 o setor do Comércio era constituído

Leia mais

Tendências Económicas e Oportunidades de Negócio e Investimento em Angola Fórum Económico e Empresarial Angola-Itália

Tendências Económicas e Oportunidades de Negócio e Investimento em Angola Fórum Económico e Empresarial Angola-Itália Tendências Económicas e Oportunidades de Negócio e Investimento em Angola Fórum Económico e Empresarial Angola-Itália 08 de Abril de 2014 Ministério da Economia Agenda 1. Apresentação de Angola 2. Política

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho LINHAS DE CRÉDITO E APOIO ÀS EMPRESAS DOS AÇORES 2011- Junho CONJUNTURA INTERNACIONAL ADVERSA No final do ano de 2008 dá-se o colapso de algumas das principais instituições financeiras dos EUA Rápida contaminação

Leia mais

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2020 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição da Operação... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Junho 2014 Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Índice Enquadramento..3 Tipos de Apoio da Ação 1.1.1....4 Quem são os beneficiários?...5 Critérios de elegibilidade dos beneficiários...6

Leia mais

Incentives News Flash nº 30/2014 Create value with public funding

Incentives News Flash nº 30/2014 Create value with public funding 11 de Novembro de 2014 Incentives News Flash nº 30/2014 Create value with public funding Acção 3.2 Investimento na exploração agrícola e Acção 3.3 Investimento na transformação e comercialização de produtos

Leia mais

PORTUGAL GREECE Trade Balance

PORTUGAL GREECE Trade Balance PORTUGAL GREECE Trade Balance March 2013 TRADE BALANCE PORTUGAL GREECE IMPORTS (CIF) Annual Variation % EXPORTS (FOB) Annual Variation % 10³ Euros BALANCE 2003 81.998 121.881 39.883 2004 76.487-6,72 126.685

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS Página: 001 / 052 S ECONÔMICAS A 01 011 0111-3 0111-3/01 0111-3/02 0111-3/03 0111-3/99 0112-1 0112-1/01 0112-1/02 0112-1/99 0113-0 0113-0/00 0114-8 0114-8/00 0115-6 0115-6/00 0116-4 0116-4/01 0116-4/02

Leia mais

DECRETO N 28.745, DE 06 DE JUNHO DE 2007

DECRETO N 28.745, DE 06 DE JUNHO DE 2007 DECRETO N 28.745, DE 06 DE JUNHO DE 2007 * Publicado no DOE em 08/06/2007. Altera o Decreto n.º 24.569, de 31 de julho de 1997, com suas alterações, que consolida e regulamenta a legislação do ICMS, e

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas em Angola. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas em Angola. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas em Angola Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Em Angola, de acordo com a Lei n 30/11, de 13 de setembro de 2011, as PMEs distinguem-se

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO (PALÁCIO DE VIDRO LUANDA AV. 4 DE FEVEREIRO, 7 ) 0 BEM VINDOS A CONFERÊNCIA E EXPOSIÇÃO IPAD ANGOLA 1 PALESTRA SOBRE PROGRAMA DE CONEXÃO DAS ZONAS REMOTAS COM AS GRANDES CIDADES-

Leia mais

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Enquadramento 1. O programa de Apoio às Actividades Tradicionais, adiante designado PRATA, é gerido pela Câmara Municipal de Moura em parceria com a Caixa de Crédito

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE

SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de

Leia mais

Código LER Descrição (os mais utilizados estão sublinhados) Resíduos de minas 01 01 01 Resíduos metálicos 01 01 02 Resíduos não metálicos 01 03 06 Rejeitados de minério 01 03 08 Poeiras e pós de extracção

Leia mais

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni.

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni. Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01 de Outubro de 2015 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Seções CNAE 2.0 - subclasses Divisões Grupos Classes Subclasses (Fiscal) A - 01.. 03 - Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura 3 12 34 122 B -

Leia mais

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Franca Total da Indústria NA NA Indústria Extrativa 0,157899 0,018606 Indústria de Transformação 99,842101 99,981394

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 Dispõe sobre as empresas industriais enquadráveis nos Artigos 59 e 60 da Lei n.º 5.194/66. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA, no uso das

Leia mais

Cesta básica volta a subir em Novembro

Cesta básica volta a subir em Novembro Piracicaba, 03 de dezembro de 2014. Cesta básica volta a subir em Novembro Os preços médios mensais da Cesta Básica de Piracicaba ICB - ESALQ/FEALQ, calculado pela EJEA, têm oscilado nos últimos meses

Leia mais

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais - CTE e

Leia mais

Projecto de Apoio à. Implementação da ENSAN

Projecto de Apoio à. Implementação da ENSAN Projecto de Apoio à Implementação da ENSAN Estudo sobre o Crédito Agrícola de Campanha Luanda, 18/2/15 Índice 1. Enquadramento do Estudo 2. Constatações 3. Reflexões sobre as Constatações 4. Conclusões

Leia mais

Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média)

Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média) Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média) 0111-3/01 Cultivo de arroz 0111-3/02 Cultivo de milho 0111-3/03 Cultivo de trigo 0111-3/99 Cultivo

Leia mais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais ------------------ NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais A ANIP Agência Nacional para o Investimento Privado é o órgão do Governo encarregue da execução, coordenação,

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária REUNIÃO DOS DIRECTORES DE PRODUÇÃO ANIMAL, RECURSOS ANIMAIS EM AFRICA de 14 15 de Abril de 2013 - ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR. ISII - Inquérito sobre o Investimento Internacional

MANUAL DO UTILIZADOR. ISII - Inquérito sobre o Investimento Internacional MANUAL DO UTILIZADOR ISII - Inquérito sobre o Investimento Internacional Maio de 2013 ÍNDICE I Introdução 3 II Acesso à aplicação 3 III Entrada na aplicação 4 IV Instruções de preenchimento 4 V Modo de

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS 1.º Encontro Jovem Produtor de Queijo Serra da Estrela Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Enquadramento A aicep Portugal Global Canais de

Leia mais

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010 Descrição CNAE Início da obrigatoriedade 0722701 EXTRACAO DE MINERIO DE ESTANHO 1/4/2010 0722702 BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO DE ESTANHO 1/4/2010 1011201 FRIGORIFICO - ABATE DE BOVINOS 1/4/2010 1011202 FRIGORÍFICO

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

ANEXO I Classificação das Atividades económicas - TIMOR-LESTE Versão 1.1 Seção Divisão Grupo Classe Subclasse Designação AGRICULTURA, PRODUÇÃO

ANEXO I Classificação das Atividades económicas - TIMOR-LESTE Versão 1.1 Seção Divisão Grupo Classe Subclasse Designação AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANEXO I Classificação das Atividades económicas - TIMOR-LESTE Versão 1.1 Seção Divisão Grupo Classe Subclasse Designação A AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANIMAL, CAÇA, FLORESTA, PESCA E AQÜICULTURA 01 AGRICULTURA,

Leia mais

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional Consultoria de Gestão Projectos de Investimento Formação Profissional - 2009 - Candidaturas de 22 de Janeiro a 11 de Março O Objectivo Modernizar e revitalizar a actividade comercial, em especial, em centros

Leia mais

Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01

Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01 Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01 Cultivo de açaí 0133-4/02 Cultivo de banana 0133-4/03

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais Padrão Mínimo Tipo de Impresso Emissão Operação Série Subsérie Nota Fiscal, modelo 1 Bloco Manual *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto Mecanizado *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto

Leia mais

ANEXO A Lista das Empresas Existentes em Almancil, por Ordem Alfabética, por Sector

ANEXO A Lista das Empresas Existentes em Almancil, por Ordem Alfabética, por Sector ANEXO A Lista das Empresas Existentes em Almancil, por Ordem Alfabética, por Sector ACTIVIDADE ECONÓMICA PRINCIPAL Concelho Freguesia Loulé Almancil Abate de gado (produção de carne) 1 Acção social para

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga São Paulo - SP 16.abr.2015 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2014, CONFORME DEC. Nº 24.

ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2014, CONFORME DEC. Nº 24. ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2014, CONFORME DEC. Nº 24.712/2013 CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES Seção Divisão Grupo Classe Subclasse

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS EMISSÕES DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente Anexo I a que se refere o Art. 2º, da Resolução do COEMA nº 107, de 08 de março de 2013. TIPOLOGIA SUB-TIPOLOGIA CONDIÇÃO ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Índice. Roda dos Alimentos

Índice. Roda dos Alimentos Índice Índice... 2 O que é a roda dos alimentos?... 3 Como é constituída?... 4 Cereais, Leguminosas Secas e Tubérculos Ricos em Hidratos de Carbono... 5 Produtos Hortícolas e Frutos... 6 Conclusão... 7

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

APOIOS ÀS PME S. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS ÀS PME S. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS ÀS PME S Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada PROGRAMA DE APOIO À RESTAURAÇÃO E HOTELARIA PARA A AQUISIÇÃO DE PRODUTOS REGIONAIS LINHA DE APOIO À REABILITAÇÃO URBANA DOS AÇORES

Leia mais

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia)

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia) PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Incentivo às Micro-empresas, adiante designado por PRIME, é gerido pela Câmara Municipal de Vidigueira

Leia mais

ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2015, CONFORME DEC. Nº 25.

ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2015, CONFORME DEC. Nº 25. ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2015, CONFORME DEC. Nº 25.746/2014 CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 Estabelece valores de referência para outorga de uso de recursos hídricos em corpos de água de domínio do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros Sectores Alvo Tendo em vista implementar a sua visão de uma transição para uma economia de mercado forte, o Governo de Angola, por intermédio da ANIP, promove activamente o investimento privado por parte

Leia mais