UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MONOGRAFIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MONOGRAFIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MONOGRAFIA ANÁLISE, CONSIDERAÇÕES E ALTERNATIVAS PARA A POLÍTICA DE CRÉDITO DIRECIONADA ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL DALMO FERREIRA SOARES Orientadora: DANIELLE MIGUELETTO Rio de Janeiro 2006

2 GLOSSÁRIO IF: Instituição Financeira ME: Microempresa MPE: Micro e Pequena empresa GME: Grande e Média Empresa OBJETIVOS Efetuar uma análise da política de crédito direcionada às micro e pequenas empresas adotada no Brasil, sob a ótica da inadimplência registrada neste segmento da sociedade e das condições sob as quais é concedido, por órgãos públicos e privados. Identificar causas da adoção do modelo atual, e buscar alternativas que favoreçam uma melhor aplicação, controle e retorno do crédito concedido. ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Este trabalho está estruturado em quatro capítulos. O capitulo inicial aborda o problema, a justificativa e os objetivos do trabalho. O segundo capítulo apresenta os principais personagens do trabalho MPE s e o Sistema Financeiro Nacional, além de delimitar o cenário de estudo: política, econômica e geograficamente. Este capítulo faz referência, ainda, a dados estatísticos envolvendo a concessão e o retorno do crédito obtido pelas MPE s, assim como as condições de obtenção do mesmo. No terceiro capítulo são apresentadas alternativas à situação atual, com sugestões de ordem macro e microeconômicas e de aplicação de curto e médio prazo. Por fim, apresentam-se no último capítulo as considerações finais deste trabalho seguido das referências bibliográficas. 1

3 CAPÍTULO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMA O micro ou pequeno empresário que entra em uma agência bancária brasileira hoje, em busca de financiamento para seu estoque ou aquisição de bens de produção encontrará, seguramente, grandes dificuldades na liberação do recurso. A comprovação e as razões desta situação, assim como as sugestões para alterá-la, constituem o escopo deste trabalho. O fato motivador deste documento é o encontro, normalmente frustrante, entre o micro ou pequeno empresário e o gerente de agência bancária. As dificuldades encontradas são de toda ordem, da falta de capacitação do profissional que recepciona o empresário à falta de organização financeira deste último. Expandindo o campo de observação, verifica-se ainda a alta complexidade e o custo tributário imposto pelo Poder Público, dificultado o controle financeiro das MPE s. Assim como as condições exigidas pelos bancos, como taxas, prazos, valor e outros custos agregados que, sendo extremamente similares, somam à lista de dificuldades e denotam uma origem comum. Aumentando ainda mais a escala estudada, chega-se a influência das grandes corporações, nacionais e internacionais, nas condições impostas pelo sistema financeiro às MPE s. Estudos sobre micro e pequenas empresas no Brasil não são novidade, apesar do considerável aumento destes nos últimos anos. A metodologia utilizada pela maioria, contudo, deixa a desejar pela abordagem simplista, resumindo a problemática empresarial ao volume de crédito concedido e à capacitação do microempresário. Aprofundando estas informações, procura-se aqui inserir também fatores macro e microeconômicos, como a inadimplência e o alto custo bancário, essenciais ao entendimento dos dificultadores encontrados pelos micro e pequenos empresários no acesso ao crédito. 2

4 CAPÍTULO 2 SITUAÇÃO ATUAL Caracterizando micro e pequenas empresas A adoção de critérios de classificação de porte para micro e pequenas empresas é fundamental para que as mesmas possam obter tratamento diferenciado por parte do Poder Público (tributos) e das Instituições Financeiras (crédito). Existem duas maneiras de classificar empresas, a primeira, e mais utilizada, é por faturamento anual bruto. A outra é por quantidade de empregados registrados pela empresa. Para a adoção de políticas públicas de incentivo às MPE s, o Governo Federal utiliza o Estatuto da Micro e Pequena Empresa, com última atualização realizada pelo Decreto de 31 de março de A classificação é: Microempresa: Receita bruta anual igual ou inferior à R$ ,14; Empresa de Pequena Porte: Receita bruta superior à R$ ,14 e igual ou inferior à R$ ,00; A Receita Federal, por sua vez, utiliza outro critério para aplicar o regime simplificado de tributação - SIMPLES. Conforme disposto na Medida Provisória 275/05, os limites são: Microempresa: Receita bruta anual igual ou inferior à R$ ,00; Empresa de Pequeno Porte: Receita bruta anual superior à R$ ,00 e igual ou inferior à R$ ,00; A classificação de porte do BNDES difere bastante dos apresentados anteriormente e será, por isso, objeto de análise no item 2.7 deste capítulo: Micro empresa: Receita bruta anual até R$ ,00; Pequena empresa: Receita anual bruta superior à R$ ,00 e inferior ou igual à R$ ,00; O SEBRAE e o IBGE, em seus estudos sócio-econômicos, utilizam o critério de pessoas ocupadas. Os números são: Microempresa: I) Na indústria e construção: até 19 pessoas ocupadas; II) No comércio e serviços: até 09 pessoas ocupadas; Empresa de Pequeno Porte: I) Na indústria e construção: de 20 a 99 pessoas ocupadas; II) No comércio e serviços: de 10 a 49 pessoas ocupadas; 3

5 2.2 - Importância das micro e pequenas empresas As microempresas somam, segundo pesquisa realizada pelo IBGE/CEMPRE em 2002, unidades, correspondendo a 93,6% do total de empresas no País. A participação entre os empregos formais registrados para este segmento é de 36,2%. As pequenas empresas, por sua vez, somam unidades, correspondendo a 5,6% do total de empresas formais no Brasil. O percentual de empregos gerados é da ordem de 21,0%. A distribuição por porte e setor de atividade pode ser observada na tabela abaixo (em %). Tabela 2.1 Distribuição por porte e setor de atividade (%) Setor Geral Micro Pequenas Médias Grandes Total Indústria 17,36 85,87 10,59 2,86 0, Comércio 55,65 97,38 2,30 0,28 0, Serviços 26,99 93,69 4,99 1,06 0, Fonte: IBGE, Rio de Janeiro (1997). Os números acima atestam a importância destes segmentos MPE - para a economia do País. A geração de emprego, os impostos arrecadados e o complemento às atividades das GME s (empresas satélites ) estão entre as principais razões das políticas de apoio técnico e creditício (público e privado) a esses segmentos. A última razão apresentada, a propósito, tem se mostrando mais do que uma característica, mas uma necessidade de adaptação das MPE s à realidade brasileira, segundo a qual as GME s ditam a atividade/ramo, a localização, a tecnologia empregada e, às vezes, a marca do produto ou serviço. Exemplos conhecidos, como a indústria automobilística, que possui microempresas satélites para o fornecimento de componentes e serviços de manutenção, se somam hoje às grandes redes varejistas de supermercados, que impõe, além do preço, sua marca ( Extra, Carrefour, Pão de Açúcar, etc.) aos demais fabricantes, para que estes possam oferecer seus produtos em condições razoáveis nas prateleiras. A insistência em tentar competir com as GME s é considerada por alguns pesquisadores uma das principais causas da alta mortalidade de MPE s. 4

6 Apesar da grande participação das MPE s na quantidade e na geração de empregos, o mesmo não acontece no faturamento, conforme demonstrado na tabela abaixo, que representa a distribuição da receita por porte e setor de atividade (em %). Tabela 2.2 Distribuição da receita por porte e setor de atividade (%) Setor Micro Pequenas Médias Grandes Participação Indústria 6,94 10,30 21,67 61,09 51,18 Comércio 23,04 22,30 9,53 45,13 32,70 Serviço 14,34 14,06 7,46 64,14 16,12 Total 13,40 14,82 15,41 56,37 100,00 Fonte: Pequenas Empresas, Grandes Negócios (2000); SEBRAE, com dados do IBGE. Os números acima refletem a diferença existente na estrutura empresarial brasileira. A desproporção observada não pode ser atribuída, isoladamente, aos ganhos com a economia de escala. As verdadeiras causas estão mais relacionadas ao hiato tecnológico existente entre os segmentos e ao claro favorecimento na política de crédito das instituições financeiras públicas e privadas, que este trabalho tentará demonstrar. Relacionando as duas tabelas acima (2.1 e 2.2) verifica-se a concentração de receita existente entre as empresas, reproduzindo, de certo modo, a desigualdade existente na pessoa física. O PIB brasileiro, que alcançou em 2005 a cifra de R$ ,00, também expõe a concentração sobre as GME s, que representam 79% daquele valor, aproximadamente. O processo de industrialização e desenvolvimento da classe econômica empresarial dominante no Brasil não possui nenhuma semelhança com a gradual evolução das micro, pequenas e médias empresas observada em paises como os EUA, Inglaterra e França. As grandes empresas instaladas aqui foram montadas com a estrutura e características das grandes multinacionais. Este processo gerou uma espécie de castas entre as empresas, de pouquíssima mobilidade entre elas, comprovada pelos números acima Envolvidas historicamente com o Poder Público, as GME s sempre obtiveram os meios de manterem a vantagem sobre as MPE s. O CADE Conselho Administrativo de Defesa Econômica, autarquia vinculada ao Ministério da Justiça, e criado em 1962 é responsável pela fiscalização sobre abusos de poder econômico e observância sobre matéria de cunho concorrencial, não goza do prestígio e autoridade necessários ao cumprimento de suas atribuições. Bastando observar casos recentes, 5

7 como os das cervejarias BRAHMA/ANTARTICA e da indústria de chocolate GAROTO/NESTLÊ Sobrevivência das MPE s Uma das conseqüências mais visíveis das dificuldades vividas pelas MPE s é a alta taxa de mortalidade existente. Inúmeros trabalhos e pesquisas já foram realizados com o intuito de identificar e solucionar este problema. A mais recente, de abrangência nacional, foi realizada pelo SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às micro e pequenas empresas e pela FUBRA Fundação Universitária de Brasília durante o primeiro trimestre de Antes de proceder à análise, vale lembrar que esta pesquisa, assim como a imensa maioria dos trabalhos desta natureza, não aborda as relações de dependência entre as empresas pesquisadas, fundamental para o correto diagnóstico das causas do problema. Este fato não diminui a importância da pesquisa, que desmistifica algumas crenças relacionadas ao fracasso das pequenas empresas. A tabela abaixo reproduz as taxas de mortalidade (%) verificadas pela pesquisa para o Brasil e Regiões. Tabela 2.3 Taxas de mortalidade de empresas (%) Ano de constituição Região Sudeste Região Sul Região Nordeste Região Norte Região Centro- BRASIL Oeste ,9 52,9 46,7 47,5 49,4 49, ,7 60,1 53,4 51,6 54,6 56, ,1 58,9 62,7 53,4 53,9 59,9 A pesquisa teve o mérito de inovar, abordando também as principais causas de sucesso das empresas que se mantiveram em atividade até aquela data. As principais foram: Bom conhecimento do mercado de atuação; e Boa estratégia de vendas. Pode-se atribuir às causas citadas acima conhecimentos técnicos em administração, como estratégia de mercado (planejamento do local, clientela alvo, etc.) e de venda (marketing e precificação). 6

8 Outros fatores apontados, com menor representatividade foram características subjetivas e pessoais, como perseverança, criatividade e liderança. Houve ainda menções ao profissionalismo na administração e investimentos próprios no empreendimento. Estão relacionadas na tabela 2.4 as principais causas do fracasso para os empresários que fecharam suas portas. Tabela 2.4 Principais causas do fracasso Falta de Capital de Giro 42% Falta de Clientes 25% Problemas Financeiros 21% Maus pagadores 16% Falta de Crédito Bancário 14% Recessão Econômica 14% Outra Razão 14% Ponto/Local inadequado 8% Falta de Conhecimentos Gerenciais 7% Problemas com a Fiscalização 6% Falta de Mão-de-Obra Qualificada 5% Instalações Inadequadas 3% Carga Tributária Elevada 1% Deve-se ressaltar que as respostas acima são induzidas, ou seja, na metodologia utilizada por esta pesquisa, o questionário é do tipo fechado, onde as respostas são colocadas previamente como opção aos empresários. A pesquisa também apurou as respostas espontâneas, que alterou significativamente o item Carga Tributária para 29% das respostas. Com base nos dados acima, os pesquisadores atribuíram a alta mortalidade de empresas no Brasil à falhas de origem gerencial. Sem ignorar este fato, está explícita a falta de recursos para o financiamento do empreendimento, com 77% das respostas relacionadas a esta causa (em negrito). A pesquisa revela o óbvio: 96% das empresas extintas são microempresas. Entre os ramos de atividades, 51% são comerciais, 46% serviços e 3% pertencem à indústria, onde se concentram as grandes empresas. 7

9 Um tabu derrubado trata da escolaridade dos empresários, sempre associando a baixa instrução formal ao fracasso. A pesquisa revelou que os índices de escolaridade são idênticos entre os que fracassaram e os que obtiveram sucesso. Menos um fator a se corrigir. Outra informação reveladora está no capital médio investido pelos empreendedores. A relação entre os valores aportados pelas empresas ativas e inativas alcança cinco para um (2001), sendo 74% destes valores de origem própria (empreendedor). Sem maiores informações, deduz-se que as empresas que abriram e permaneceram em atividade iniciaram seu funcionamento por empresários com recursos significativos, incluindo-se neste grupo, franquias e empresas satélites criadas para complementar GME s. A procura por auxilio técnico (SEBRAE, contadores, etc.) foi levemente superior para as empresas que permaneceram em atividade, o que descarta este fator como responsável pelo fracasso das demais. Os números finais da pesquisa são impressionantes: Fechamento de empresas entre os anos 2000 e 2002; Perda de 2,4 milhões de ocupações; Desperdícios potenciais de R$ 19,4 bilhões de inversões na atividade econômica, decorrente do encerramento das atividades empresariais no período de 2000 a A despeito da causa diagnosticada pelo SEBRAE e pela FUBRA - aspectos gerenciais, deve-se tentar ler o que não está na pesquisa. O problema da falta de crédito às MPE s foi minimizado, assim como a questão tributária. O tratamento destes dois fatores, por si só, teria impacto imediato no prolongamento da vida empresarial dos pequenos negócios. A ausência de informações sobre o relacionamento entre as empresas ou atividades exercidas dentro da indústria, comércio e serviços entre as pesquisadas pode ser atribuída à metodologia aplicada, mas que, registre-se, compromete a correta identificação das causas de sucesso ou fracasso entre as MPE s. 8

10 2.4 - Conjuntura econômica nacional Para entender as causas da dificuldade na obtenção de crédito pelas MPE s, é necessário entender o Sistema Financeiro Nacional, ou simplesmente SFN. O SFN é formado pelo conjunto de Órgãos de Regulação e de Instituições que operam os instrumentos do sistema, com o objetivo básico de transferir recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, governo) superavitários para os deficitários. Figura 2.1 Mercado Financeiro Estrutura O Sistema Financeiro Nacional do Brasil tem seus alicerces nas leis da Reforma Bancária de 1964 e do Mercado de Capitais de Em 1988, uma nova lei criou os Bancos Múltiplos, aperfeiçoando o SFN. O SFN é composto por dois subsistemas: o Subsistema Normativo e o Subsistema de Intermediação. 9

11 Figura 2.2 Subsistemas do SFN O CMN Conselho Monetário Nacional é um órgão normativo, responsável pelas políticas e diretrizes monetárias para a economia do País, não desempenhando funções executivas. O CMN, pelo seu papel no cenário econômico nacional, assume o papel de Conselho de Política Econômica. O CMN é a entidade superior do SFN, sendo composto por três membros: o Ministro da Fazenda, o Ministro do Planejamento e o Presidente do Banco Central. Banco Central do Brasil: O BACEN, vinculado ao Ministério da Fazenda, é o principal agente executivo das políticas traçadas pelo CMN e é também o principal órgão de fiscalização do Sistema Financeiro Nacional. Possui duas funções básicas: Como agente disciplinador e fiscalizador do mercado financeiro e como agente executor das políticas monetária e cambial. Como executor de Política Monetária o Banco Central opera os seguintes instrumentos: mercado aberto, depósitos compulsórios e redesconto. Compõe, ainda, o núcleo da Política Monetária, além do CMN e do BACEN, o COPOM Conselho de Política Monetária, cujos objetivos são definir a meta para a taxa selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) e avaliar o Relatório das metas da inflação. Compõe o COPOM, os diretores do Banco Central e o Ministro da Fazenda. 10

12 A Política de Metas Inflacionárias, adotado pelo Brasil na década de 90, é a razão principal da manutenção da maior taxa de juro do mundo atualmente a taxa SELIC está em 14,75% a.a. A influência deste índice na política de crédito das instituições financeiras é muito alta, tendo em vista que é este índice que remunera os títulos emitidos pelo Governo Federal para adquirir recursos e financiar a dívida existente com as IF s, nacionais e internacionais. Recursos que poderiam destinar-se ao mercado produtivo, sob a forma de financiamentos e empréstimos, terminam por serem aplicados nos referidos títulos, por apresentarem um retorno financeiro mais seguro, caracterizando o lucro de tesouraria dos bancos. Subsistema de Intermediação O Subsistema de Intermediação é a parte operacional do sistema financeiro, constituído por instituições monetárias e não monetárias que operam na intermediação financeira. O Banco Comercial é o principal componente deste sistema, sendo uma instituição financeira, privada ou pública, que tem como objetivo principal suprir recursos para financiar, a curto e médio prazo, o comércio, a indústria, as empresas prestadoras de serviço, as pessoas físicas e terceiros em geral Principais bancos comerciais Para este trabalho foram usados como referência os cinco maiores bancos, assim considerados pelo Banco Central do Brasil, mais o BNDES (banco de investimento). São eles: Tabela 2.5 Principais bancos comerciais Banco do Brasil SA Caixa Econômica Federal Bradesco SA Itaú SA Unibanco SA 11

13 TAXAS DE JUROS MENSAIS PRATICADAS Fonte: Banco Central do Brasil, julho de 2006 BANCO BRADESCO SA Modalidade Prefixado PJ Taxa Média Desc. De Duplicata 2,93 Capital de Giro 2,75 Conta Garantida 3,99 BANCO DO BRASIL SA BANCO ITAÚ SA Modalidade Prefixado PJ Taxa Média Desc. De Duplicata 2,36 Capital de Giro 1,74 Conta Garantida 4,66 Modalidade Prefixado PJ Taxa Média Desc. De Duplicata 2,71 Capital de Giro 2,58 Conta Garantida 4,30 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Modalidade Prefixado PJ Taxa Média Desc. De Duplicata 2,90 Capital de Giro 2,76 Conta Garantida UNIBANCO SA Modalidade Prefixado PJ Taxa Média Desc. De Duplicata 3,26 Capital de Giro 2,23 Conta Garantida 3,07 12

14 As taxas expostas acima atestam, de maneira inequívoca, a homogeneidade encontrada pelos micro e pequenos empresários na busca por alternativas de crédito. A igualdade de condições para a tomada de crédito é, por si só, um sinal de anormalidade no mercado, configurando um oligopólio. Contudo, os baixos limites e prazos praticados acrescentam outro: A vantagem obtida pelas IF s em aplicar seus recursos no mercado financeiro, em detrimento do produtivo Ações de apoio às MPE s A preocupação com o fomento das MPE s no Brasil existe há mais de quarenta anos. Seja sob a forma de leis ou decretos, com recursos públicos e privados, nacionais e estrangeiros. Marcos desta política são: GEAMPE Grupo Executivo de Assistência à Média e Pequena Empresa, datado de 1960, este grupo tinha o objetivo de elaborar um plano de aperfeiçoamento técnico a pequenas empresas industriais. O FIPEME Financiamento à Pequena e Média Empresa, criado em 1964, tinha como propósito intermediar créditos provenientes do BID Banco Interamericano de Desenvolvimento às pequenas empresas. O resultado, segundo técnicos do BNDE (antigo BNDES), foi o desvio da maioria dos recursos às médias empresas. O CEBRAE Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa, foi criado em 1972 com o objetivo de fornecer apoio gerencial aos gestores de pequenas empresas. Posteriormente teve sua denominação alterada para SEBRAE, entidade civil e sem fins lucrativos. Financiada pelo empresariado nacional, destina-se hoje a apoiar técnica e financeiramente as pequenas empresas. O Programa de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda (PROGEREN BNDES) possui muita similaridade ao PROGER, ambos condicionando o crédito concedido à geração de novos postos de trabalho. Contudo não há qualquer controle sobre o cumprimento desta condição. O crédito é concedido mediante a análise de um Plano de Negócio, criterioso do ponto de vista financeiro (de modo a garantir o retorno dos valores), apresentado pelo proponente a uma IF s credenciada. Após a aprovação financeira do Plano, o capital é liberado, não havendo contrapartida alguma. Tampouco existe fiscalização sobre os demais pontos do Plano, como os empregos gerados. 13

15 Segundo recente informe do Governo Federal, publicado na Revista Brasil, os financiamentos para micro e pequenas empresas foram duplicados no período que vai de fevereiro de 2003 a agosto de Sendo que várias ações resultaram na ampliação das linhas de financiamento, sobretudo no Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) e no Banco do Brasil. Em relação ao Banco do Brasil, o Governo informa que as operações para este tipo de segmento representaram mais que o dobro das realizadas no governo anterior: enquanto em 2002, por exemplo, foram realizadas 656 mil operações; em 2003, esse número foi ampliado para 906 mil e, em 2004, para mil operações. Em 2005, até junho, a instituição realizou mil operações, em valores que chegaram a R$ 18,7 bilhões. São citadas, além das realizações anteriores, as seguintes ações: Mais de MPE s apoiadas pela Agência de Promoção de Exportações Brasileiras Apex-Brasil. O sistema de exportação foi simplificado com a utilização das remessas postais. Tendo atendido em 2004 cerca de empresas de pequeno porte em mais de US$ 100 milhões em vendas para fora do país. Redução de até 70% dos custos para certificação dos produtos das MPE s, através de bônus. Ações integradas de políticas públicas para o aumento da competitividade das diversas cadeias produtivas, através dos Arranjos Produtivos Locais. Estes são sistemas de produção localizados. Caracterizados pela integração e cooperação entre seus elementos produtivos, contando com incentivos governamentais fiscais e financeiros. Foi realizado o parcelamento de débitos fiscais federais contraídos até dezembro de 2004, com prazo de até 60 meses para quitação das dívidas. Está no Congresso um projeto que estimula a formalização de micro empreendedores com faturamento anual de até R$ ,00. Faz mister aqui tecer algumas considerações sobre as ações citadas acima. O BNDES receberá atenção no próximo item deste trabalho. A informação sobre o aumento das operações de crédito pelo Banco do Brasil, isoladamente, não acrescenta muito, tendo em vista o dinamismo do sistema bancário em inventar e reinventar operações de crédito. Além de omitir o tipo de crédito. Nos últimos anos observa-se uma alteração no tipo de crédito oferecido, de longo para curto prazo, ou seja, do capital de giro convencional para linhas semelhantes ao 14

16 cheque especial/conta garantida, notoriamente mais seguras e rentáveis para as IF s que outras opções. O parcelamento de débitos, associado à rigorosa fiscalização fiscal exercida pela Receita Federal, ambas mostradas como ações positivas do Governo na edição da referida Revista, são conseqüências de um só fato: Uma política fiscal inadequada à realidade brasileira. O Programa de Exportações por Remessas Postais foi citado como responsável por ter atendido a empresas de pequeno porte. A questão é saber qual referência de porte BNDES, Receita Federal, IBGE, etc. foi utilizada para classificar pequeno porte. A propósito, as exportações tem sido para o Governo Federal uma prioridade em termos de apoio financeiro às empresas. Conforme consta na página do BNDES na internet:...promover o aumento das vendas externas é objetivo fundamental do governo brasileiro,... Os números relativos ao comércio exterior são robustos: Receita oriunda de exportações em 2005 (total): US$ 118,3 bilhões; Saldo positivo da Balança Comercial de 2005 em US$ 44,8 bilhões; empresas atuando no mercado externo Deve-se lembrar, contudo, que apenas 10 empresas incluindo as estatais são responsáveis por 25% deste resultado. Dentre estes, a Petrobrás respondeu por 37% (Fonte: VEJA Janeiro de 2006) BNDES Conforme informado no site do BNDES, as operações apresentadas por micro, pequenas e médias empresas são financiadas por meio de instituições financeiras credenciadas pelo BNDES, que são responsáveis pela análise e aprovação do crédito e das garantias. Estes bancos, públicos ou privados, teriam, pela sua proximidade com os clientes, as melhores condições para avaliar os pedidos de financiamento. 15

17 Dentre as instituições mencionadas acima, as que mais concederam crédito com recursos do BNDES (entre janeiro e dezembro de 2005) foram: 1º) Banco Bradesco SA R$ 4,3 bilhões 2º) Banco do Brasil SA R$ 4,1 bilhões 3º) Unibanco SA R$ 2,5 bilhões 4º) Votorantim BM R$ 1,3 bilhão 5º) Daimlerchrysler R$ 1,00 bilhão 13º) Itaú SA R$ ,00 24º) Caixa Econômica Federal R$ ,00 O primeiro registro a ser feito aqui é sobre o critério adotado pelo BNDES para classificar o porte das empresas proponentes, conforme informado no início deste capítulo: Muito superior ao utilizado por qualquer outra instituição brasileira pública ou privada. Estas adaptações são compreensíveis, tendo em vista o volume de recursos manipulados pelo Banco. A divulgação dos números à mídia, contudo, deveria basearse nos parâmetros utilizados pelo mercado ou pela Receita Federal, de modo a fazer conhecer o real desempenho do Banco no que se refere aos desembolsos feitos às MPE s. Hoje, a informação do que chega sobre as microempresas, por exemplo, é imprecisa, nula ou ainda deliberadamente distorcida. Lembrando que, entre os números atribuídos às MPE, estão os relacionados aos produtores rurais, transportadores autônomos e micro empreendedores. Apesar deste dificultador na leitura, os números falam por si. Verifica-se na Tabela 2.6 que houve crescimento nos último cinco anos no volume concedido às MPE s (ainda que se considere como pequena empresa um faturamento de R$ ,00 ao ano). Contudo, também ocorreu significativo aumento para os demais portes. Ou seja, considerando-se valores absolutos, mais de 75% dos recursos do Banco foram para as médias e grandes empresas. 16

18 Tabela 2.6 Desembolso anual do Sistema BNDES (R$ milhões) Porte / Ano ME/EPP 3.031, , , , , ,20 MÉDIA 1.374, , , , , ,70 GRANDE , , , , , ,40 TOTAL , , , , , ,20 Fonte: site Nº de Operações 2005 R$ milhões 2005 Figura 2.3 Sistema BNDES (Fonte: site A informação sobre a intermediação de recursos feita pelos bancos credenciados é clara na afirmação que a mesma destina-se às micro, pequenas e médias empresas, tendo em vista o relacionamento com o cliente. Os primeiros três colocados são, notoriamente, os bancos possuidores das maiores carteiras de clientes no segmento empresarial. Dentre estes, os de maior porte. Explicando, em parte, os grandes valores intermediados. O quarto e o quinto colocado são instituições financeiras criadas a partir de multinacionais vinculadas a segmentos específicos da indústria (Automobilística e Cimento, entre outros). 17

19 2.8 - Inadimplência estatísticas A inadimplência no segmento empresarial, pelas características utilizadas em sua mensuração (quantidades, valores), reflete de maneira particular as MPE s. Considerando a homogeneidade de condições encontrada pelos micro e pequenos empresários no acesso ao crédito, não resta a estes outra opção além da tomada de crédito em condições desfavoráveis, tornando a inadimplência uma conseqüência natural, e não um risco circunstancial do negócio como deveria ser. O aparente descaso das IF s com os índices de inadimplência denotam, por sua vez, a real origem de seus lucros: Os já mencionados lucros de tesouraria. SERASA A SERASA é uma das maiores empresas do mundo em gestão de informações para decisões de crédito e apoio aos negócios. A SERASA possui um indicador chamado Indicador Serasa de Inadimplência Pessoa Jurídica, que analisa eventos ocorridos em todo o Brasil, refletindo o comportamento da inadimplência em âmbito nacional. O modelo estatístico de múltiplas variáveis considera as variações registradas no número de cheques sem fundos, títulos protestados e dívidas vencidas com instituições financeiras. Este indicador apontou uma alta de 7,9% na inadimplência da pessoa jurídica em novembro de 2005, na comparação com outubro do mesmo ano. Comparada a novembro de 2004, a inadimplência de empresas apresentou acréscimo de 8,4%. Nos onze meses de 2005, houve uma alta de 14,1% no indicador, na comparação com o mesmo período de Segundo os técnicos da SERASA, a redução no ritmo da atividade econômica e as taxas de juros ainda elevadas pressionaram o fluxo de caixa das empresas, restringindo a sua capacidade de honrar os compromissos financeiros, e por conseqüência, aumentando a inadimplência. Representatividade De acordo com o indicador, os títulos protestados registraram a maior representatividade na inadimplência das empresas, com a participação de 40,7% em novembro de No entanto, o peso dos protestos no indicador vem caindo a cada 18

20 ano e a participação em novembro de 2005 foi inferior a registrada em novembro de 2004, quando os títulos representaram 43,2% da inadimplência. O segundo índice na representatividade do indicador de inadimplência é o de cheques sem fundos, que em novembro de 2005 teve um peso de 39,1% na inadimplência das empresas. Em novembro de 2004, a participação dos cheques sem fundos foi de 39,5%. Com a menor representatividade, mas crescendo a cada ano, estão as dívidas registradas com os bancos, 20,2% em 2005, superior à participação de novembro de 2004 que foi de 17,3%. No acumulado de janeiro a novembro de 2005, o valor médio das anotações de títulos protestados da pessoa jurídica atingiu R$ 1.400,45. Já o de cheques sem fundos registrou R$ 1.234,27 e o valor médio das dívidas registradas com os bancos foi de R$ 3.180,36. Em relação ao período de janeiro a novembro de 2004, houve um aumento de 3,3% no valor médio das dívidas com cheques sem fundos e de 5,4% no valor médio das anotações de protestos. O valor médio das dívidas com bancos e financeiras, nos onze meses de 2005, foi 13,1% maior que no mesmo período de Abaixo encontram-se os dados referentes ao ano de 2005 (até novembro). Tabela Cheques devolvidos 2º vez PJ Fonte Equifax Variação % 2004/2005 Janeiro ,7 Fevereiro ,4 Março ,0 Abril ,7 Maio ,3 Junho ,026 28,4 Julho ,1 Agosto ,2 Setembro ,2 Outubro ,5 Total

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia.

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO O presente mini-ensaio, apresenta os desvios que envolvem o conceito de micro e pequena empresa

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento. QUEM SÃO AS EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO E MÉDIO PORTES? Critérios de Classificação: São dois os principais critérios para classificação da empresa por porte. Um é baseado na receita operacional bruta anual,

Leia mais

SeminárioADI-2012. Inclusão financeira inovação para as MPE s

SeminárioADI-2012. Inclusão financeira inovação para as MPE s SeminárioADI-2012 Inclusão financeira inovação para as MPE s Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Barcelona Outubro 2012 1. Diagnóstico Não

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Proposta para SEBRAE/RJ Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Maio de 2011 Introdução As boas perspectivas de desenvolvimento para o Estado do Rio de Janeiro, com grandes

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA

CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA PERGUNTAS FREQUENTES Este guia com perguntas e respostas foi desenvolvido para possibilitar um melhor entendimento

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 Sistema Financeiro Nacional Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista Bancos Múltiplos Bancos Comerciais

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Spread Bancário Brasileiro

Spread Bancário Brasileiro UNICAMP Projeto Supervisionado Spread Bancário Brasileiro Daniel Hauschild de Aragão RA 093607 Orientador: Laércio Vendite Objetivo: Este trabalho tem como objetivo a apresentação do método de cálculo

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2013

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2013 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2013 (Do Sr. Otavio Leite e da Sra. Fátima Pelaes) Acrescenta dispositivos à Lei Complementar n.º 123, de 14 de dezembro de 2006, que institui o Estatuto Nacional da

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas As diretrizes estratégicas dão foco ao negócio Perspectivas Simplificar e agilizar a utilização

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Programa Juro Zero. Guilherme Calheiros Coordenador. Dezembro de 2008

Programa Juro Zero. Guilherme Calheiros Coordenador. Dezembro de 2008 Programa Juro Zero Guilherme Calheiros Coordenador Dezembro de 2008 OBJETIVO O Programa Juro Zero foi criado com a finalidade de estimular o desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas Inovadoras (MPEI

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Aula 06: Moedas e Bancos

Aula 06: Moedas e Bancos Aula 06: Moedas e Bancos Macroeconomia Agregados Monetários. As contas do Sistema Monetário. Gilmar Ferreira Janeiro 2010 Moeda Conceitualmente, o termo moeda é usado para denominar tudo aquilo que é geralmente

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças V Seminário Banco Central sobre Microfinanças - Depoimento sobre criação de SCM - Motivos que levaram a decisão de criar - Bases e Princípios que precisam ser levados em conta - O que a experiência tem

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

Nova Estrutura de Dados de Crédito

Nova Estrutura de Dados de Crédito Nova Estrutura de Dados de Crédito Este boxe apresenta as principais alterações introduzidas recentemente nas estatísticas de crédito publicadas pelo Banco Central 1. A reformulação objetivou ampliar a

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás O presente informe técnico tem o objetivo de mostrar a importância da micro e pequena empresa para o Estado de Goiás, em termos de geração de emprego

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional Dez/14 e 2014 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3.022 bilhões em dezembro de 2014, após expansão

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0026_V1_2014 CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - FEVEREIRO DE 2014 -

NOTA TÉCNICA Nº 0026_V1_2014 CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - FEVEREIRO DE 2014 - NOTA TÉCNICA Nº 0026_V1_ CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - FEVEREIRO DE - Jaraguá do Sul (SC), Março de. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Jaraguá Ativa: Cidade inteligente e sustentável,

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros Categoria Setor de Mercado Seguros 1 Apresentação da empresa e sua contextualização no cenário competitivo A Icatu Seguros é líder entre as seguradoras independentes (não ligadas a bancos de varejo) no

Leia mais