F " fi BIBLlOTHECA J: MARTINS FRANCISCO. Oaixa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "F " fi BIBLlOTHECA J: MARTINS FRANCISCO. Oaixa"

Transcrição

1

2 F " fi BIBLlOTHECA FRANCISCO J: MARTINS Est Prat. Oaixa N. I

3

4 III11III11II1 e00014ss9u Dlgitized by Coosle

5

6 DiQitizedby.

7

8

9 l-iamlet DRAMA EM CINCO ACTOS

10

11 WILLIAM SHAKESPEARE! DRA IA E 1 C':{NàO ACTOS TRADUCÇÃO PORTUGUEZA SEGUNDA EDI(;{O LISBOA IMPRENSA NACIONAL 1880

12

13 PIHWIUEDADE CEnIDA 1'011 SUA liagestade EJrltEI.\ ASSOCIAÇÃO DAS CRECHES, r Coog Ie

14

15 INTERLOCUTORES CLAUDIO - Rei de Dinamarca. HAILET - Filho do defunto Rei e saltinho do Rei reinante. POLONIO - Camareiro mór. HORACIO - Amigo de Hamlet. LAERTE - Filho de Polonio. VOLTIIANDO CORBELIO ROSENCRANTl Cortezãos dinamarquezes. GUILDENSTERN OSRICO UI OUTRO CORTEZAO. UlI PADRE. REINALDO - Creado de Polon:o. IARCELLO e BERNARDO - Officiaes. FRANCISCO - Soldado. UlI EIBAIXADOR. A SOIERA DO REI HAlLET. FORTIIBRAZ - Principe de Noruega. GERTRUDES - Rainha de Dinamarca. mãe de Hamlet. OPHELIA - Filha de Polonio. Senhores, damas, omclaes, soldados, actores, padres, covplros, marinbeiros, mensageiros, creadns, etc. A scena passa se em Elsenor

16 1 J

17 ACTO PRIMEIRO SCENA I EIseno1. a e xplanada do castello FRANCISCO de sentinclla, BERNARDO vem e ncontrar-se com elle BER ARDO Quem vem lá? viva quem? FRANCISCO Responde tu primeiro, faze alto, deixa-te reconhecer. BERNARDO Viva o rei. FRANCI SCO Bernardo'? BERNARDO Eu mesmo. FRANCISCO És pontual. BERNARDO Acaba de dar meia noite ; vae descansar, Francisco. rrancisco e Agt'adeço-te de m e teres vindo render ; faz um fri o glacial,. começava a s ntir-me i ncommodado.

18 BERNARDO Não houve novidade emquanto estiveste de sentinella? FRANC I SCO Nem sequer ouvi correr um rato. BERNARDO Então boas noites ; se vires Ho ra c io e Marcello, que lam bem estão d e guarda, d ize-lhes que se aviem. Chegam HORACIO e MARCELLO FRANCISCO Creio ouvil-os, façam alto, quem vem l á?, HORACIO Ami gos da pat ria. MARCELLO Sübditos do rei de Dinamarca. FRANCISCO Santas noites. MARCEI.LO Viva, meu valente soldado, quem te rendeu? " FRANCISCO Bernardo est á agora de sentinella. Boa noite. (Retira-se.) MARCELLO Olá, B ernardo? BERNARDO Não é Horacio que eu vej o? HORACIO Elle m esmo em corpo e alma. BERNARDO Bemvindo sejas, Horacio, e tu tambem, amigo Mal'cello. &IARCELLO Dize-me, já viste a apparição esta noite?

19 \} BERNARDO Ain da nada vi. MARCELLO Horacio diz que é effeito da minha imaginação, e nega-se a acreditar na visão temerosa, de que já por duas vezes fomos testemunhas ; pedi-lhe portanto que viesse comnosco, para que se o p hantasma d e novo apparecer, elle possa testemunhar a verdade do que afiançâmos e dirigir-lhe a palavra. HORACI O Histori as, qual apparecer! BERNARDO Sentemo-nos u m i nstante, e vamos repetir-te a narração tio que temos p resenceado duas noi t es consecutivas e a que p restas tão pouco credito. HORACIO Com todo o gosto, e deixemos fal1ar Bernardo.. BERNARDO A noite passada, á hora em que esta estrella que vêem ao poente do polo descreve o seu gi ro e vem i lluminar esta parte do firmamento, em que ora brilha, no m omento em que na torre soava uma hora, Marcel10 e eu... MARCELLO Silencio, eil-o que apparece. ' Apparcce a sombra do REI BERNARDO Assimilha-se ao defunto rei. MARÇELLO Tu que estudaste, Horacio, falia-lhe. BERN A RDO Não é verdade que se parece com o defu n t o rei? Observa bem, Horacio. HORACIO A simil hança é espantosa ; a surpreza e o terror paralysa ram-me. Digitized b y

20 to BERNARDO Parece esperar que lhe fanem. MARCELLO FalIa-lhe, Horacio. HORACIO Quem quer que és, que a esta hora da noite usurpas a fórma magestosa e guerreira, debaixo da qual se mostrava o meu defunto soberano, em nome do céu, fana, ordeno-to eu t MARCELLO Parece descontente. BERNARDO E il-o que se afasta, caminhando lenta e gravemente. HORACI O Detem-te, falia, falia, i ntimo-te a que falies. (A sombra afasta-se.). MARCELLO Foi-se sem responder. BERNARDO Então, Horacio, que é essa tremura e pallidez ; não haverá alguma cou sa mais do que um effeito de imaginação, que d izes agora? HORACIO Pelo Deus do céu, não o acreditava sem o t es temunho po sitivo e i rrecusavel dos meus p roprios olhos. MARCELLO Não se parece com o rei? HORACI O Como t u te pareces comtigo mesmo, era a armadura que usava quando combateu o ambicioso norueguez ; t inha aquelle ar ameaçador, no dia em que no seu p roprio carro, atacou, por causa de uma acalorada porfia, o guerreiro polaco, e o p rostrou no gêlo para nunca mais se levantar. E assombroso t MARCELLO Assi m é que elle já duas vezes passou pelo nosso posto de observação com o seu caminhar grave e marcial.

21 ' u HORACIO Com que design io ignoro-o, mas em m inha opi n ião é u m presagio para o estado d e alguma grand e catastrophe. MARCELLO Pois bem, sentemo-nos, e aquelle d'entre vós todos que o souber, diga porque fatigam, com guardas vigilantes e rigorosas, os subditos d'este reino ; para que esta fun dição d iaria de canhões de bronze, estas compras de armamentos e muni ções no estrangei ro ; para que se enchem de opera.rios os nos sos arsenaes m ariti mos ; porque este augmento de t rabalho, que nem os dias santos são respei tados ; para que esta activi dade de dia e de noite? O que será? Qual de vós m' o poderá ' dizer? HORACIO Posso eu, ao m enos, referir os boatos. Nosso ultimo rei, cuja imagem ainda ha pouco vimos, foi, segundo dizem, con vocado a campo fechado por Fortimbraz de Noruega, que u m cios, o orgulho t i nhajevado a esse acto. N'esse combate o nosso valente Hamlet, e era justa a sua reputação, matou a Fortim braz. Ora em virtude de urna declaração authentica, sanccio nada pelas leis da cavallaria, se Fortimbraz succumbisse, todos os seus estados p ertenceriam ao vencedor. Por sua parte o nosso rei tinha empenhado da mesma fórma a sua palavra ; e no caso de elie ser vencido, uma i gual porção de territorio pertenceria a Fortimbraz. Assim, em virtude d' este pacto recip roco, a s uc cessão do vencido pertencia de direito a Hamlet. Comtudo o joven Fortimbraz, ardente e sem experiencia, reuniu nas fron teiras de Noruega um e xercito de aventureiros, promptos e re solvidos pela soldada aos mais audaciosos comm ettimentos. O seu proj ecto, segundo o nosso governo está informado, é nada menos do que retomar á viva força e de mão armada esse territorio que seu pae perdeu com a vida : eis-aqui, na mi nha fraca opinião, a rasão principal dos preparativos que fa zemos, das guardas a que somos obrigados, e d' esta actividade tumultuosa que se nota em todo o paiz. BERNARDO Tambem eu julgo ser esse o motivo ; i sto explica-nos porqu e vemos passar diante dos postos d e guarda a sombra d o rei,

22 com a sua armadura e com o seu porte magestoso, d'esse rei que foi e é o causador d'esta guerra. BORACIO É um argueiro nos olhos da in telligencia para lhes pertur bar a \Oista. Nos tempos mais glo ri osos e florescentes de Roma, pouco antes da morte do grande Julio, abriram-se os lumulos, e os mortos, nas suas m orta lhas, di\oagaram pel a cidade, sol tando gritos ameaçadores; viram-se estrell as dei x ar ' após si rastos luminosos, choveu sangue, desastrosos signaes appare ceram no céu, e o astro humido, sob cuj a influencia está o imperio de Neptuno, eclipsou-se; todos julgaram ser o fim do mundo. Estes mesmos signaes precursores de acontecimentos terrí\ eis, correios de maus destinos, prel udios de gran des ca tastrophes, o céu e a terra os fizeram apparecer nos nossos c l im as, aos o l h os impre ssionaveis dos nossos compatriotas. A sombra re:lpparece HORACIO continuando Mas silencio, olhem, eil-o que volta. Vou interpell al-o, em bora elie me fulmine. Pára. lilusão. Se tens o dom da pa lavra, se pódes arlicular son s, fali a; se h a alguma boa acção cujo cumprimento te possa al liviar e con tribuir para a minha salvação, responde-me : se és sabedor de alguma desgraça que ameace a tua palria, e que um aviso opportuno possa des viar... Oh fana! ou se em tua vida confiaste ás e n tran has da terra riqueza s mal a dq uiridas; e a maior parte das vezes é por isso que vós, os espiri tos, divagaes depois da morte, dil - o. (O gallo canla.) Delem-te e falia. Veda-lhe o cam inh o, Marcello. alarcello Devo servir-me da minha parta zana? HORACIO Scrve te se não parar. BERNARDO Para cá? nor.\ci O Por acolú. 1.\ sombra acalila-se.i O Di9iliZed by Coog Ie

23 MARCELLO Partiu 1- que presença magestosa 1- são desacertadas es tas demonstrações violentas l é i nvulneravel como o ar, e os nossos golpes não são senão o ridiculo esforço d e uma colera impotente. BERNARDO Ia faliar quando cantou o gabo. HORACIO Estremeceu como um culpado que uma intimação subita aterra. Ouv i dize r que o gano, que é o clarim da aurora, acorda o Deus da manhã com a sua voz sonora e penetrante, e que a esse signal todos os espiritos e rrantes no mar, no fogo, na terra ou no ar se apressam em voltar aos seus respectivos domink>s. A p rova está no que acabâmos de presencear. 1IlARCELLO O gallo cantou, e elie desappareceu. Algumas p essoas dizem que na vespera do dia em que se celebra a natividade do Sal vador do mundo, o arauto da manhã canta toda a noite sem i nterrupção ; p retendem então q u e nenhum espirit o ousa saír da sua mansão, que as noites são salubres, que nenhuma es trella exerce influencia maligna, nenhum maleficio surte effeito que nenhuma fei t iceira exercita os seus fei tiços, tant o esse dia é bento, e está sob o imperio de uma graça celeste. HORACI O Assim o ouvi dizer, e acredito-o. Mas e i s que no oriente acolá no fundo, por detrás dos outeiros, surge a manhã, ves tida de p urpura por entre o orvalho. Demos fim á nossa vigi lia, e vamos dar parte ao joven Hamlet do que vimos esta. noite ; porque, por vida minha, cr,e para todos, l h e fallará. Approvam esta confidencia, que nos impõe o nosso dever e a nossa affeição? MAllCELLO Vamos sem detença ; sei onde o acharemos, e onde lhe po deremos fallar sem constrangimento. (Retiram-se.)

24 SCENA II UIna sala apparatosa no castello E ntram o REI c a sua comi tiva, a RAINHA,, POLONIO', LAERTE, ORNEUO e COR - EI morte de Ham ado i rmão, "ai nte, arecena J usto corações esti rsos na tristeza e saudade, e que uma nuvem de. dor cobrisse o solo d' este reino ; comtudo, a rasão combateu os impulsos da natu reza, tanto que enfreámos a nossa dor, e embora ainda esteja ' bem viva a recordação, pensâmos tambem em nós. Portanto, com u m p razer incompleto, confundi n do os sorrisos com as laas, a ale ria n indo o dob aos r esposa aqu cos nupcmes, ' ora ossa irmã, e partir?omnos este oso paiz. N' e ra OUVImos p ssos rados conselh, grae enunciados. tos. Quanto ao joven Fortimbraz, fazendo seguramente uma fraca idéa do nosso poder, ou i maginando que a morte de nosso chorado irmão lançasse o estado na d issolução e na anarchia, embalando-se em chimerica esperança, ousou mandar-nos men. " a m após m ensaa f do-nos a restituir-lhe o territoerdido por se mente adquir vao i rmão ; isto respeita. Fa de do motivo d ' O motivo é e senraz, ega, tio do j screvemos ao que Jazendo enfermo n um l eito, mal conhece os p rojectos d e s e u sobrinho, pedindo-lhe q u e ponha o seu veto á empreza, porque é de entre os seus subditos que se fazem as l eyas de soldados e os alistamentos. Encarregámo-vos, Corneli o e Vol t imando, de apresentar as nossas" saudações ao i doso monar. vos norueguez, e ade, que nas ossa lrucções que J rmeis adstrict recebereis. A deidade do resu ão dos negoc' con ELIO c VOLTIMANDO Senhor, a nossa dedicação e obediencia não tem l im ites. C)gIe

25 15 o R E I continuando Nem o duvidâmos. Recebam u m cordeai adeu s. (CorncJio c Vol Agora, tu, Laerte, que pretendes? Disseram-nos que nos querias fazer uli!a supplica? Qual é? Tu não podes fazer ao monarcha dinamarquez um pedido que não seja rasoavel, e não recorres a clle em vão. Que poderias desejar, Laerte, a que não estej amos p romptos a annuir, mesmo antes de co nhecer a p retensão. A cabeça.não é mais sympathi ca ao co ração, a mão não é mais prompta em servir a bôca do que o throno oe Dinamarca é dedicado a teu pae. Que desejas pois, Laerte? timando sáem.) LAERTE Meu augusto soberano, a vossa l icença e o vosso consenti mento, para voltar a F rança. Gostosamente vim a Dinamarca para assist ir á vossa coroação, mas, cumprido esse dever, con fesso-o, os meus desejos e a minha vontade m e chamam a França., e suppli co a vossa magestade que m e conceda partir. o REI Já alcançaste o consentimento de teu pae? o que diz Po lonio? A RAINHA Arrancou-me o meu consenti mento, tanto me importu nou ; acabei por ceder, mau grado meu, aos seus desejos. Supplico lhe, pois, senhor, que lhe conceda a l icença pedida. o REI Podes partir quando te aprouver, Laerte ; deixo-te a l iberdade de dispores do teu tempo e da tua pessoa. Então, Hamiet, meu primo, meu filho? á parte Ain daque m u i proximos parentes não somos primos. o REI Potque essas nuvens que p esam sobr'e a tua fronte? fia ILET Engana-se, senhor, como pó de have r nuvens, quando brilha o sol. A RAINHA Querido Hamlet, d espe essas roupas de dó, e lança um olhar

26 16 ami gavel para o rei de Dinamarca. Descrava o s teus olhos do chão; pareces procurar as pegadas do teu glorioso pae. Sabes bem que é um destino invariavel; tudo quant o vive ha de mor rer, e este mundo é uma ponte para a eternidade. IWlLET Sim, senhora, é u m d estino commum. A RAINHA Se é assim, o que te parece a t i tão extraordinario? HAYLET Senhora, não me parece, é-o na verdade. O parecer para m i m nada vale. Minha mãe, não são nem esta capa negra, nem estas vestes obrigadas nos l u tos solemnes, nem os suspi ros que mal pó de sol tar um peito oppri m i do, nem torrentes de lagrimas, nem o semblante m acerado, nem todas as mani festações d e uma dor pungente, que podem exprimir e reve lar o que eu sinto. Todos estes s i gnaes podem parecer dor; é u m papel facil de representar, m as não são verdadeira dor, são como o fat o para o comediante; mas eu (pondo a mão sobre o coração) sinto aqu i, o que não ha palavras que o expressem. o REI Nada ha na verdade, Hamlet, mais commovente e louvavel do que os deveres funebres prestados á m emoria de um pae. Mas l embra-te que teu, pae já perdêra o seu, e que esse tam bem já p erdêra o pae. E para o sobrevivente um dever de pie dade fil i al, dar d urante u m certo praso p rovas de uma dor respe itosa ; mas perseverar n'uma atnicção o bstinada, é mos trar uma teima impia ; é uma dor cobarde, é a prova de uma vontade rebelde aos decretos da p rovidencia, de u m coração sem energia, de uma alma i ncapaz de resignação, de uma intelligencia pobre e l im itada. Porque nos deve impressionar a tal ponto um acontecimento, que sabemos ser uma necessi dade, e que se repete tão frequente, quanto as, occorrencias,. mail' vulgares ; é uma triste indocilidade. Que t t E uma offensa a Deus, uma offensa aos finados, urna absurda ott ensa á na tureza, que não t m em seus fastos mais vulgar acontecimento, qne a morte de u m pae ; a qual, desde o primeiro cadaver até

27 ao homem que h oje se finou, nunca deixou de nos clamar: Assim estava escripto. Supplico-te, portanto, abandona essa aflli cção impotente, e vê em nós um segundo pae ; porque que remos que todos saibam que tu és o mais proximo ao nosso throno, e que a affeição mais terna que um pae tem a seu filho, tenho-a eu a ti. Quanto á tua i nt enção de voltar a Wittem berg, para continuares os teu s estudos, nada ha mais opposto aos n ossos desejos; conj u râmos-te que fiques aqu i, sê o p ra zer de nossos olhos, o primeiro da nossa côrte, nosso sobri n ho, nosso filho. A RAINHA Hamlet, far-te-ha tua mãe uma suppli ca baldada? p eço-te fica comnosco, não vás para Wittemberg. Farei o que podér, para em tudo vos provar obediencia. o REI Eis emfim uma resposta affectuosa e comedi da. Serás n a D inamarca u m segundo Eu. (Á rainha) Venha, senhora, este acto de deferencia de Hamlet, cumpl'ido tão naturalmente e sem esforço, enche de j u bilo o meu coração. Para o celebrar o rei de Dinamarca não l ibará uma t aça, sem que a voz do ca nhão o t ransmitta ás n uvens. A cada taça quero que o céu o annuncie, repercutindo o estrondo dos raios da terra. Va mos agora. (Todos sáem excepto Hamlet.) só Ah I porque não poderá esta carne tão soli da fundir-se e tornar-se orvalho. Ah que se o Eterno não tivesse ful m inado como reprobo o suicida... Senhor Deus, meu Deus, como são insipidos, fasti diosos e vãos os gosos do mundo. Que pena l ElIe é um jardim inculto que só tem plantas grosseiras e mal eficas. Pois será possivel que ousassem tanto? Morto ha doi s mezes I que digo? Nem dois mezes ainda. Um rei tão bom, que tanta. similhança tinha com est e como Hyperion com u m Satyro, t o do t ernura para minha mãe, a ponto de não querer que u m a brisa mais fresca açoutasse o s e u rosto I Céu s e terra I e deverei eu recordar-m e? Pareci a que a vida de u m era a v i da do o utro I Comtudo, passado apenas u m mez - não posso nem quero pen sai-o -"fragilidade é synonymo de mulher. Só um mez, sem Digitized b y

28 18 a inda ter gasto o calçado que usava acompanhando o Ceret ro do marido, banhada e m l agrimas como uma Niobe, ella mesma, essa m ul her, oh céus! um animal privado do soccorro da ra são teria prolongado o seu lut o ; essa mulher desposou meu tio, o irmão de meu pae, mas que tem tanto de meu pae como eu de Hercules. No fim de um mez, anles que seceassem as suas hypocritas lagrimas, easou. O h criminosa precipitação! Voar com tan t o afan a um leito i ncestuoso, é horrivel! E será pos sivel que o c éu o tolere? Despedaça-te coração, já que forçoso é calar. Chegam HORA CIO, BERNARDO e lj..\rcello HORACIO Deus guarde a Vossa Alt eza. HillLET Quanto folgo de te ver de boa saude. És tu, Horacio, não me engano. HOR.\CIO E u mesmo, o vosso servo fiel até á morte. HA1ILET Queres d izer amigo; d e hoje em d iante dar-te-hei esl e nome. Mas que fazes tu longe de Wittemberg, Horacio? Marcello. MARCELLO Meu principe! O Alegro- rne de te ver, bons dias. (A Horacio.) Mas, francamente, que motivo te obrigou a voltar de Wittemberg? HORACIO Tudo dissipei. Nunca consentiri a que u m teu ini m i go assim fal Ias se a teu respei to ; e não m e obri.g arás a forçar a minha rasão a crer no que o meu coração se nega a acre ditar. Accusares-te d'esta ma neira a ti m esmo... tu não és dissipador. Que motivo tão forte te pode pois trazer a Elsenor, tu 01'0 contarás mais tarde, entre dois copos de vinho generoso, antes da tua partida.

29 19 HORAClO Senhor, vim prestar a u lt ima homenagem a seu augusto pae. Peço-te, meu camarada d e estudos, que nã.o zombes ; creio antes que vieste assistir ao casamento de minha mãe. HORACIO Verdade é que não houve quasi intervallo.,. IWILET Por alvitre economico, Horacio. O banquete funerario ainda subministrou as iguarias e as vian das para o festi m nupcial. An tes quizera encontrar no céu o meu mais encarni çado inim i go, do que ter v i sto despontar um tal dia, Horacio. Meu pobre pae, parece-me que o estou ven do t HORACIO Onde, senhor'? Na minha imaginação, Horacio. HORACIO Recordo-me de o ter visto, era um grande rei., Era u m homem que, bem considerado, não tinha rival n a terra. HORACIO Julgo tel-o visto a noite passada. Vi ste, quem?. HORACIO Alteza, v i o rei seu pae. O rei meu pae? HORACIO Senhor, acalme e sta agitação e espanto, e preste attenção, emquanto eu, fundado no testemunho ocular d'estes sen hores, vou relatar esse p rodigio. Digitized b y

30 auilet Falia, pelo amor de Deus, sou todo ouvidos. H08.\CIO Durante duas noites consecutivas, no meio das trevas e do silencio, emquanto estes senhores estavam de sentinella, eis ti que lhes aconteceu. Uma figura parecida com seu pac, armada da cabeça aos pés, lhes appareceu caminhando lenta e mages tosamenle. Tres vezes, atemorisados e auonitos, o viram passar á distancia do bastão de commando que empunhava, emquanto elles; fulminados pelo terror, ficaram mudos, nem ousaram fal lar. Confiaram-me, debaixo de segredo, tremulos ainda, o que. tinham presenceado. Na noite seguinte entrei com elles de sen linella, e confirmando a verdade das suas palavras, á hora por elles indicada, debaixo da fórma por elles descripta, voltou a apparição. Reconheci seu pae; as minhas duas mãos não são mais parecidas. IWILET. Mas em que sitio appareceu? MARCELLO Senhor, na explanada, onde estavamos de sentinella. IillfL ET Fallaram-Ihe. HORACIO Fallámos, mas não respondeu. Comtudo uma vez pareceu me que movia a cabeça, como quem quer fallar; mas n'esse momento cantou o gallo matinal; ao som do canto afastou-se o espectro apressadamente, e nós perdemol-o de vista. Na verdade é incomprehimsivel. BORACIO Senhor, juro-lhe pela minha vida que mos nosso dever informar Vossa Alteza. é verdade, e julgá Não posso esta noite? dissim u lar a minha inquietação' Estão de guarda

31 2i 1m tez rm,d' TODO S ra TODOS t\.rmado, meu senhor. MLE Da cabeça aos pés? DO S Tal qual. :'IILE Ira he feiç? 1m tin a a VI - TODOS I nta \ILE i nh a physlonomm carregada? DOS A expressão era antes triste que colerica. Pallido ou córado ') DOS Muito p al l i do. MLET O seu olhar fixou-se em algum de vós? TODOS Constantemente. lile Queria l á ter estado. UCI O seu espanto teria sido i gual ao nosso. ] mais que rova 1. D MLE orou m?. at m HOHACI O raro... t o ess pa co to, p itized JC 3L(

32 li.\rcello l' BER:SAROO Muito mais, muito mais. HORACIO Não a,oez que o vi. ET b31ba era gr Yerdade'l CIO Era, como em sua,olda, de um negro prateado. Velarei tambem esta noite, talvez que volte. CIO em duvida ai LET e se me apre liaro da figura d e ei, embora o m emo me ordenasse o si enclo, pe as suas horrendas rauces. Peço-vos, portanto, que se até hoje tendes guardado um segredo tal a respeito da apparição, de hoje em diànte sejaes ainda mais cautelosos em conservar o sigillo; e aconteça o que acontecer esta noite, reflexão e silencio: serei. a esta prov Assim, pois, trarmeia ei comvosco a entre as onz DOS s nossos resp e. HA.'\ILET Sempre amigos, adeus. (Horacio, Marcello e Bernardo sáemo) {Conti nuando.} A sombra de meu pae, porque apparece armada? Ha verá algum perigo. Suspeito alguma traição. Espero impaciennte a noite. A s tão ega coração. ltos, que o h ssa descobrir, C)gIe

33 SCENA III u quarto em casa de Polonlo Entram LAERTE e OPHELIA LAERTE Já embarcaram os meus creados e roupas. Adeus, minha i rmã ; quando ventos propicios encherem as vélas ao navio que me leva, espero que com a m i nha ausencia não esrriará a tua amisade, e que me darás novas tuas. OPHELlA D uvídas porventura, i rmão?, LAERTE Quanto ao qu e respeita a Hamlet e á sua fri vola amisade, considera-a como uma moda ephemera, u m capricho dos sen tidos, uma v io l eta da primavera, p recoce mas passagei ra, suave mas fenecendo ao d esabrochar, e cujo p erfume dura um mi nuto apenas. OPHELlA Só um m in uto? LAERTE Só, acredita-me, porque o teu desenvolvimento não é só nos musculos e no corpo ; á m edida que o templo toma Ptoporções mais vastas, tambem se expande o espirito e a alma. E possivel que te ame agora, que nenhuma m acula, nenhuma desleal dade offusque a pureza dos seus sentimentos ; mas acautela-te, p orque n a posição que occupa é-lhe vedada a p ropria vonta de, é escravo do seu nascimento. Não póde, como os outros, homens, escolher só por affeição, porque á sua escolha estão ligados o bem-estar c a salvação do estado ; por isso deve subordinal-a ao voto e á approvação da nação d e que é chefe. Se, pois, t e faliar d e amor, assisadamente usarás, não acl'edi t an do senão o que a sua posição lhe permitte offerecer, visto que a sua vontade deve ser a vontade da nação. Pensa bem, que mancha para a tua reputação, se prestasses ouvidos por de mai s credulos, ao encanto das suas falias, se envenenasses tua alma, se abrisses o corre d a castidade ás suas audaciosas instan-

34 cias. Acautela-te, Ophelia, acautela-te, querida i rmã, l ula com a tua affeição para vencer as settas e os perigos dos desejos. A virgem p rudente já é assás prodiga se patenteia a sua belleza aos raios l unares ; a propria virtud e não escapa aos golpes d a calumnia ; o verme roe as filhas predilectas d a primavera, ant, e s das flores desabrocharem ; e é na aurora da vida, regada pelo puro e limpido orvalho, que h a mais perigo para a flor da cas t i dade. Sê, pois, circumspecta, a melhor protecção é o receio do perigo ; a juventude é para si mesma um perigo, se não trava luta com outros maiores. OPHELlA. Em meu coração encerrarei, como um preservativo, a tua salutar lição. Mas, querido i rmão, não sej as tu, como certos pastores sem virtude, que indicam ás suas ovelhas o caminho escarpado e espinhoso que conduz ao céu, emquanto elles, li bertinos, fogosos e sem pudor, tril ham o caminho das flores, da l icença, e são a antithese das suas palavras. I LAERTE De m i m não te arreceies : já devia tel' partido ; eis m eu pac. Entra POLONIO Uma dupla benção é u m beneficio duplo ; abençóo a occasião de me despedi r segunda vez de t i. POLONIO Ainda aqu i, Laerte para bordo, para bordo. Não te enver gonhas Teu navio só te espera para velej ar. Rece' b e a m inha benção, e grava na tua memoria os seguintes preceitos. Guarda para ti o pensamento, e não dês execução apressadamente aos teus projectos ; medita-os maduramente. Sê lhano sem te esque ceres de quem és. Quando tomares um amigo cuja affeição tenhas experimentado, l iga-o a ti por vinculos de aço ; mas não dês confiança i rreflectidamente. Faze por evitar questões ; mas se o não podéres conseguir, conduze-te de manei ra que fiques sem p re superior ao t e u adversario. Ouve a todos, m a s s ê avaro d e palavras ; escuta o consel ho q u e te derem, forma epoi s o teu juizo. No teu trajar sê tão sumptuoso, quanto t'o permittam os teus meios, mas nunca affectado ; rico, mas não offuscante ; o porte dá a conhecer o homem, e n' esse ponto, as pessoas de

35 15 qualidade e m França revel am u m gosto p ri moroso, e o mais fin o tacto. Não emprestes, nem peças emprestad o : quem em presta perde o dinheiro e o ami go, e o pedir emprestado é o primeiro passo para a ruina. Mas sobre tudo sê verdadei ro para a t ua consciencia, e assim como a noite se segue ao dia, seguir-se-ha t ambem, que o teu coração j amais abrigará falsi dade. Adeus, que a minha benção selle em teu coração os meus conselhos. LAERTE Despedindo-me, humil demente vos beij o a mão, meu pae. POLONIO Não tens tempo que perder, teus creados esperam-te. LAERTE Adeus, Ophelia, recorda-te das minhas palavras. OPIIELIA Fechei -as no meu coração ; dou-te a chave, guarda-a. LAERTE Adeus. (Sáe.) I'OLONIO Que t e d i ss e elle, Opheli a? OPHELIA Com l icença de meu pae, fal lou-me a respe ito de Hamlet. POLONIO Folgo que o fizesse. D isseram-me que ultimamente Hamlet tem ti do comti go frequentes entrevistas, e que tu não te esqui vas ás suas frequentes visitas. Se assim é, e crei o na informação que me deram, devo dizer-te que não encaras a tua posição com a lu cidez que convem a mi ha filha, e que a tua hoqra exige. D ize me a verdade, o que h a? OPHELIA Protestos de amor. POLONIO De amor ' como inexperiente fanas, conservas as i llusões t odas. Dás tu porventura credito aos seus protestos, como til lhe chamas?

36 OPHELI A Nem sei, senhor, o que devo pensar. POLONIO Pois bem, eu t'o digo. Ê necessario q u e sejas bem creança para crer uma realidade os seus p rotestos, de cuj a sinceridade devéras duvido. Não te deprecies assim ; seria uma loucura. OPlIELIA O seu respeito foi i nseparavel das suas phrases de amor. POLONIO E tu acreditas, pobre louca. OPHELIA Firmou as suas palavras com os j u ramentos mais sagrados. POLONIO Assim arma o caçador os l aços á avesinha innocente e in cauta. Sei que, quando o sangue ferve, a nossa bóca nunca se nega a protestos e juramentos. Minha filha, estes lampejos que dão mais luz que calor, e cujo brilho é ephemero, nunca os to mes por verdadeira chamma de amor. A datar de h oje, não malbarates tanto a tua presença v irginal ; difficulta mai s as entrevistas, que não baste pedir para as obter. Quanto ao sr. Hamlet e á confiança que n'ell e podes ter, considera que é jo ven, e que póde tomar l iberdades de que depois t enhas que te arrepender. N'uma palavra, Ophelia, descrê dos seus juramen tos, porque não são verdadeiros ; i n terpretes d e d esejos p ro fanos, revestem se da linguagem da mais santa sinceridade. Uma vez por todas, e franqueza, filha, proh ibo-te toda e qual quer conversa com o sr. Hamlet. Pensa b em. Ordeno-t'o. OPHELlA Obedecerei, meu pae. (SAem.)

37 '1.7 SCENA IV A. expl&d&d.a do ca."tello de Eblenor Cbegam, HORA CIO e MARCELLO H A M LE T Que frio horrivel, gélo. HORACIO O ar está devéras glacial. Que horas são '! HORACIO Não deve tardai' a meia noite. MARCELLO Está dando meia noite. HORACIO Já I não ouvi, e m todo o caso approximâmo-nos da hora a que costuma apparece r o phantasma. (Ouvem-se ao longe tangeres de instrumentos, e o troat de artilheria.) Que rumor é este '! O rei consagra esta noite ao prazer, está bebendo, e a cada copo de vinho do Rheno, os timbales e c larins proclamam o brinde que levantou. HORACIO Isso é costume '! Sim é, mas apesar de eu ter nascido n'este paiz, e estar acostumado a Mles usos, ha emquanto a m i m mais gloria em infringil-os, do que em observai-os. Estas orgias abj ectas tra zem-nos, do oriente ao occidente, o desprezo das outras na ções, que nos qualificam de ebrios, e juntam aos nossos no mes os epithetos mais grosseiros. Este defeito embaça as nossas mais brilhantes qualidades, e tira-lhes todo o valor. O mesmo acontece aos individuos. Se ao nascerem, receberam da natu.. reza alguma macula original, de que não são culpados, pois que o nascimento é i ndep e nden t e da nossa vontade; se os Digitized b y

38 28 ami ge algum vicio de temperamento contra o qual t odos os esforços da rasão são impotentes, algum costume que desagrade nos seus modos destrui ndo-lhes o encanto ; acontece a esses homens, tendo o estigm a de um defeito unico, libré da natu reza, sêllo da sua estrella acontece, digo, que todas as suas mitas como a graç udes, fossem opi nto com port a de, ficariam l a de unico. Basta publica por para depreci 1. _ a sombra Apparccc HORACIO Senhor, eil-o. HAMI,ET njos d o céu, ricordiosos, p Genio fazej o, ou de ai, que exha.l es cees, ou as ema erno ; que se] u casas as tuas in reces-me deb fórma t ão grata que te quero fallar. Interrogo-te, Hamlet, senhor, meu pae, rei de D inamarca, oh I responde-me, não me deixes, na ignorancia, morrer de emoção ; mas dize-me, porque teus ben tos ossos encerrados no ataude romperam os sebos ; porque te l evantaste do tumul o e m que te haviamos depositado ; porral para te la ndo? se ergueu a 1 o, cadaver i stindo a tua e aço, ueias t u á di ade da lua, i noite ldo-nos, fraco a nacaracter de h as al, e fazendo su za, nas ancia mas pensamentos que excedem o nosso alcance? Responde. Porque? Com que fim? Que exiges? HORA CIO Faz-vos signal d rr omo se quizesc;e fali'u-vos a sós. CELLO reja, principe O convida a io de cortezia gar mais rem, com vá. HOllACIO Senhor, pelo amor de Deus. C)gIe

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção William Shakespeare Adaptação para neoleitores, a partir do original em inglês: Paulo Seben Revisão técnica: Pedro Garcez Supervisão: Luís Augusto Fischer Hamlet Versão adaptada para neoleitores a Coleção

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Hamlet: Drama em cinco Actos

Hamlet: Drama em cinco Actos Hamlet: Drama em cinco Actos William Shakespeare (2008) Tags: Hamlet (Legendary character) -- Drama, Tragedies, Murder victims' families -- Drama, Princes -- Drama, Denmark -- Drama, Fathers -- Death --

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

1. Quão esplêndida é vida da igreja, um jardim! Como vida plena a nós. Oh, que jardim!

1. Quão esplêndida é vida da igreja, um jardim! Como vida plena a nós. Oh, que jardim! 1. Quão esplêndida é vida da igreja, um jardim! Quão esplêndida é a vida da igreja, um jardim! Cristo, nossa experiência, cresce aqui. Ele é fresco, tão amável, Disponível para mim E a todos santos em

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!...

SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!... SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!...) A cada manhã 71 (A cada manhã as misericórdias se renovam...)

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE

ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE Adaptação para quadrinhos: FRANÇOIS RIVIÈRE & SOLIDOR ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE seguido de MORTE NO NILO 3 ISTAMBUL, INVERNO DE 1932... MEU CARO POIROT, ESTOU ABISMADO. NÃO HÁ MAIS NENHUM LEITO DISPONÍVEL

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F DUS INFINITO utor: Marília Mello Intro: F / /D Db F / /D Db F m b F Senhor eu te apresento o meu coração m b F u coloco toda minha vida em tuas mãos b /b m Dm Porque sei que tudo sabes de mim, Senhor b

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

Cena da varanda, de Romeu e Julieta (William Shakespeare)

Cena da varanda, de Romeu e Julieta (William Shakespeare) Cena da varanda, de Romeu e Julieta (William Shakespeare) [Surge Julieta em cima] Calma!, que luz é aquela na janela? É o leste e traz Julieta como um sol. Sobe, formoso sol, e mata a lua, Que sofre da

Leia mais

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa)

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) HINÁRIO O SIGNO DO TEU ESTUDO Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) Chico Corrente 1 www.hinarios.org 2 01 O SIGNO DO TEU ESTUDO Marcha O signo do teu estudo Estou aqui para te dizer

Leia mais

Toda bíblia é comunicação

Toda bíblia é comunicação Toda bíblia é comunicação Toda bíblia é comunicação de um Deus amor, de um Deus irmão. É feliz quem crê na revelação, quem tem Deus no coração. Jesus Cristo é a palavra, pura imagem de Deus Pai. Ele é

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor!

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor! TUDO POR AMOR A dor, o espinho vil, as lágrimas, o seu sofrer, o meu Senhor na cruz está. Não posso suportar! O que o fez se entregar, pagar o preço lá na cruz? Como um cordeiro foi morrer pra vir me resgatar!

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote ARQUIDIOCESE DE FLORIANÓPOLIS ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009 Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote 1 - MOTIVAÇÃO INICIAL: Dir.: Em comunhão

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Leandro Gomes de Barros

Leandro Gomes de Barros Leandro Gomes de Barros As Proezas de um Namorado Mofino Sempre adotei a doutrina Ditada pelo rifão, De ver-se a cara do homem Mas não ver-se o coração, Entre a palavra e a obra Há enorme distinção. Zé-pitada

Leia mais

ATO I CENA I KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT:

ATO I CENA I KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT: ATO I CENA I (Salão nobre do palácio do Rei Lear. Entram Kent, Gloucester e Edmundo.) KENT: Pensei que o Rei preferisse o Duque de Albânia ao Duque de Cornualha. GLOUCESTER: Também sempre pensamos assim,

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

Festa da Avé Maria 31 de Maio de 2009

Festa da Avé Maria   31 de Maio de 2009 Festa da Avé Maria 31 de Maio de 2009 Cântico Inicial Eu era pequeno, nem me lembro Só lembro que à noite, ao pé da cama Juntava as mãozinhas e rezava apressado Mas rezava como alguém que ama Nas Ave -

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

FESTA DO PERDÃO. Igreja de S. José de S. Lázaro. 2º ano

FESTA DO PERDÃO. Igreja de S. José de S. Lázaro. 2º ano FESTA DO PERDÃO Igreja de S. José de S. Lázaro 2º ano 5 de Março de 2005 FESTA DO PERDÃO As crianças com o seu respectivo catequista estão sentadas nos bancos. Na procissão de entrada, o sacerdote segurando

Leia mais

PESCADOR. Introdução: A E D E (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção. E qual é o meu destino, minha vocação

PESCADOR. Introdução: A E D E (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção. E qual é o meu destino, minha vocação PSCDOR Introdução: D (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção D qual é o meu destino, minha vocação Carregar tua palavra, qualquer direção Dm Dm chamar outras almas, em outros mares pescar Pescador

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor!

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 2º ROTEIRO EUCARISTIA Mistério Pascal celebrado na comunidade de fé! 3º ENCONTRO EVANGELHO Amor para anunciar e transformar o mundo! 1915-2015 SUBSÍDIOS

Leia mais

Da economia do tempo. Sêneca saúda o amigo Lucílio

Da economia do tempo. Sêneca saúda o amigo Lucílio I Da economia do tempo Sêneca saúda o amigo Lucílio Comporta-te assim, meu Lucílio, reivindica o teu direito sobre ti mesmo e o tempo que até hoje foi levado embora, foi roubado ou fugiu, recolhe e aproveita

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

E alegre se fez triste

E alegre se fez triste Manuel Alegre Manuel Alegre nasceu em 1936 e estudou na Faculdade de Direito de Coimbra, onde participou activamente nas lutas académicas. Cumpriu o serviço militar na guerra colonial em Angola. Nessa

Leia mais

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO PRIMEIRO ATO ARGUMENTO Entrando numa horta, procurando um falcão de sua propriedade, Calisto encontra Melibéia. Empolgado de amor por ela, põe-se a falar. Rechaçado por ela volta para casa angustiado.

Leia mais

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Oração Pai Nosso Ave Maria Chave Harmonia Hinos da ORAÇÃO Consagração do Aposento Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Pai Nosso - Ave Maria Prece

Leia mais

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol)

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol) CD EU QUERO DEUS 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) EU QUERO DEUS \ EU QUERO DEUS SEM DEUS EU NÃO SOU NADA EU QUERO DEUS Deus sem mim é Deus \ Sem Deus eu nada sou Eu não posso viver sem Deus \ Viver longe

Leia mais

ORAÇÃO. Hinário. Pad.Sebastião. www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1

ORAÇÃO. Hinário. Pad.Sebastião. www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1 ORAÇÃO Hinário Pad.Sebastião www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1 Abertura dos Trabalhos - Pai Nosso - Ave Maria - Chave de Harmonia - Despacho do SANTO DAIME - ORAÇÃO - Padrinho Sebastião -

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

sinal de tristeza. Sinal de morte!

sinal de tristeza. Sinal de morte! CULTO FAMÍLIA: Reflexão sobre a morte e o luto Acreditamos que todos nós já sofremos a perda de alguém, seja familiar, amigo, vizinho ou apenas conhecido. Nos sentimos impotentes, indefesos, medrosos diante

Leia mais

Com Os Olhos da Fé. Tom: B. Com os olhos da fé já posso contemplar A vitória aqui descendo como chuva neste lugar O cego pode ver, o mudo vai falar

Com Os Olhos da Fé. Tom: B. Com os olhos da fé já posso contemplar A vitória aqui descendo como chuva neste lugar O cego pode ver, o mudo vai falar om Os Olhos da Fé Tom: om os olhos da fé já posso contemplar A vitória aqui descendo como chuva neste lugar O cego pode ver, o mudo vai falar Hoje é dia de milagres Unção para curar F# stou diante de alguém

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA TEXTO: 1 SAMUEL CAPITULO 3 HOJE NÃO É SOBRE SAMUEL QUE VAMOS CONHECER, SABEMOS QUE SAMUEL foi o último dos juízes e o primeiro dos profetas. Ele foi comissionado para ungir asaul, o primeiro rei, e a David,

Leia mais

01 Meu prazer é Te Adorar Eliana Ribeiro

01 Meu prazer é Te Adorar Eliana Ribeiro 01 Meu prazer é Te Adorar Eliana Ribeiro Descanso em Tua presença Nada temerei Senhor sou protegido pelo Teu amor E mesmo que as circunstâncias Se levantem contra mim Senhor eu sei que em Ti sou mais que

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

BERNARDO: FRANCISCO: BERNARDO: FRANCISCO:

BERNARDO: FRANCISCO: BERNARDO: FRANCISCO: ATO I CENA I Elsinor Terraço diante do castelo. (Francisco está de sentinela. Bernardo entra e vai até ele.) BERNARDO: Quem está aí? FRANCISCO: Sou eu quem pergunta! Alto, e diz quem vem! BERNARDO: Viva

Leia mais

HINÁRIO A ARTE DE AMAR

HINÁRIO A ARTE DE AMAR HINÁRIO A ARTE DE AMAR Tema 2012: Flora Brasileira Algodão do Cerrado (Cochlospermum vitifolium) CARLOS STRAZZER Carlos Augusto Strazzer 1 www.hinarios.org 2 I FÉ NA VIRGEM MARIA Oferecido por Isabela

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

LAUSPERENE das Crianças da Catequese 1 de Dezembro de 2010 - Carreço

LAUSPERENE das Crianças da Catequese 1 de Dezembro de 2010 - Carreço LAUSPERENE das Crianças da Catequese 1 de Dezembro de 2010 - Carreço Cântico: Deixa Deus entrar Deixa Deus entrar na tua própria casa Deixa-te tocar pela sua graça Dentro em segredo reza-lhe sem medo Senhor,

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

A Caridade. A caridade é dócil, é benévola, Nunca foi invejosa, Nunca procede temerariamente, Nunca se ensoberbece!

A Caridade. A caridade é dócil, é benévola, Nunca foi invejosa, Nunca procede temerariamente, Nunca se ensoberbece! A Caridade Eu podia falar todas as línguas Dos homens e dos anjos; Logo que não tivesse caridade, Já não passava de um metal que tine, De um sino vão que soa. Podia ter o dom da profecia, Saber o mais

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

Regras para o bem viver IV laboriosidade, temor do Senhor, cuidado dos próximos e uso sensato do poder

Regras para o bem viver IV laboriosidade, temor do Senhor, cuidado dos próximos e uso sensato do poder Regras para o bem viver IV laboriosidade, temor do Senhor, cuidado dos próximos e uso sensato do poder Segundo Tomo: Provérbios 10.1 a 22.16 LABORIOSIDADE Palavras chaves: trabalho diligente preguiçoso

Leia mais

Devocionário de São Miguel Arcanjo

Devocionário de São Miguel Arcanjo Devocionário de São Miguel Arcanjo EDITORA AVE-MARIA Introdução Ao longo do Antigo Testamento se atesta a existência de seres espirituais, não corpo rais, que serão designados, no final do segun do século

Leia mais

OLÁ! CARO AMIGO/ EU SOU PAULO CHAVEIRO E ESTE É O PROGRAMA O SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS LIDO EM TODO O

OLÁ! CARO AMIGO/ EU SOU PAULO CHAVEIRO E ESTE É O PROGRAMA O SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS LIDO EM TODO O REFERÊNCIA: Josué 10:15-11-23 Data de Gravação: 26.05.04 hora 13.31h PRODUTOR: Paulo Chaveiro Locução: Paulo Chaveiro OLÁ! CARO AMIGO/ EU SOU PAULO CHAVEIRO E ESTE É O PROGRAMA O SOM DO LIVRO QUE TRÁS

Leia mais

Anjo Emprestado. Cristina Magalhães

Anjo Emprestado. Cristina Magalhães Anjo Emprestado Cristina Magalhães [uma chancela do grupo LeYa] Rua Cidade de Córdova, n. 2-2610 -038 Alfragide http://caderno.leya.com caderno@leya.pt 2011, Cristina Magalhães Todos os direitos reservados.

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

HINÁRIO Transformação

HINÁRIO Transformação HINÁRIO Transformação Tema 2012: Flora Brasileira Pau-de-rosas (Physocalymma scaberrimum) www.hinarios.org Apolo 2 1 ORAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO Oh! Meu pai, livrai-me da autocomiseração e da preguiça. Dême

Leia mais

Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus

Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Mensagem # 5 IBMC 03/11/12 INTRODUÇÃO Vídeo: Como ter a

Leia mais

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA MAKSOUD PLAZA SÃO PAULO 30/3 a 1/4 de 2006 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHOS DE MEDICINA E CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

Leia mais

O valor do silêncio na vida do cristão

O valor do silêncio na vida do cristão O valor do silêncio na vida do cristão Salve Maria! Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Em nosso blog, temos muitas palavras de profecia sobre o silêncio. E, por Providência Divina, encontramos um

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras)

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Mostre o "Homem em Pecado" separado de Deus Esta luz (aponte para o lado direito) representa

Leia mais

Batalha Espiritual O Princípio de Autoridade

Batalha Espiritual O Princípio de Autoridade Batalha Espiritual O Princípio de Autoridade Efésios 6:10-12... tornem-se cada vez mais fortes, vivendo unidos com o Senhor e recebendo a força do seu grande poder. Vistam-se com toda a armadura que Deus

Leia mais

Bíblia - para que estudar?

Bíblia - para que estudar? Bíblia - para que estudar? por que estudar a Bíblia estudar a Bíblia é envolvente Projeto de vida nunca acaba há sempre algo novo a descobrir: novo sentido, nova conexão, novos achados não há diploma,

Leia mais

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR CANTO 1 - LOUVOR DA CRIAÇÃO D Bm G Em A7 D Bm G Em A7 Aleluia! Aleluia! Aleluia! Aleluia! D F#m G Em A7 1. Javé o nosso Deus é poderoso, seu nome é grande em todas as nações D F#m G Em A7 Na boca das crianças

Leia mais

Hora Santa pela santificação do Clero

Hora Santa pela santificação do Clero Hora Santa pela santificação do Clero Solenidade do Sagrado Coração de Jesus - 12 de Junho de 2015 1. ABERTURA Animador: Caríssimos irmãos e irmãos, neste dia em que a Igreja celebra a Solenidade do Sagrado

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

Vou Louvar Álbum TEMPO DE DEUS DE Luiz Carlos Cardoso

Vou Louvar Álbum TEMPO DE DEUS DE Luiz Carlos Cardoso Vou Louvar DE Luiz Carlos Cardoso EM LUTAS OU PROVAS, TRIBULAÇÕES EU SEMPRE ORO E LOUVO AO SENHOR AO LADO DE JESUS CERTA É A VITÓRIA ELE É O LIBERTADOR NÃO TEMEREI MAL ALGUM NO MEIO DO LOUVOR ESTÁ O SENHOR

Leia mais

CSLD centro para desenvolvimento da vida espiritual

CSLD centro para desenvolvimento da vida espiritual *Adaptado de inúmeras versões Cristo comigo, Cristo à minha frente, Cristo atrás de mim, Cristo em mim, Cristo abaixo de mim, Cristo sobre mim, Cristo a minha direita, Cristo a minha esquerda, Cristo quando

Leia mais

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução Festa do Perdão Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste Cristo Jesus, tu me chamaste Eu te respondo: estou aqui! Tu me chamaste pelo meu nome Eu te respondo: estou aqui! Quero subir à montanha,

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Joaquim Costa Jr 1 Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde 2 repouseis, Que comais o pão de dores: Aos seus amados ele o dá enquanto dormem.

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

CIFRAS - CUKA FRESCA

CIFRAS - CUKA FRESCA INTRODUÇÃO: D9 A/C# Bm7/11 G7+ D9 A/C# G7+ G/A A/C# CIFRAS - CUKA FRESCA EU VOU TE AMAR Bm7/11 G7+ G/A A/C# QUANDO SENTIR TRISTEZA E NÃO PUDER TE ACALMAR Bm7/11 G7+ G/A QUANDO HOUVER UM VAZIO QUE NÃO POSSA

Leia mais

www.aciportugal.org ESTOU NESTE MUNDO COMO NUM GRANDE TEMPLO Santa Rafaela Maria

www.aciportugal.org ESTOU NESTE MUNDO COMO NUM GRANDE TEMPLO Santa Rafaela Maria www.aciportugal.org ESTOU NESTE MUNDO COMO NUM GRANDE TEMPLO Santa Rafaela Maria 2 www.aciportugal.org 11 ORAÇÃO FINAL Senhor Jesus Cristo, hoje sentimos a Tua paixão por cada um de nós e pelo mundo. O

Leia mais

BONE UMA MONTAGEM NA PENITENCIÁRIA INDUSTRIAL DE CASCAVEL. Música 2 Traz alguém numa cadeira de rodas. Montam o palhaço. Sentam-no de volta.

BONE UMA MONTAGEM NA PENITENCIÁRIA INDUSTRIAL DE CASCAVEL. Música 2 Traz alguém numa cadeira de rodas. Montam o palhaço. Sentam-no de volta. BONE UMA MONTAGEM NA PENITENCIÁRIA INDUSTRIAL DE CASCAVEL Música 1 Cenário. CERIMÔNIA (pigarro): Boa noite. Este teatro foi montado na Penitenciária Industrial de Cascavel. Depois de falhas, discussões,

Leia mais

A MISSÃO DE CADA SIGNO

A MISSÃO DE CADA SIGNO A MISSÃO DE CADA SIGNO...E então, naquela manha Deus compareceu ante suas doze crianças e em cada uma delas plantou a semente da vida humana. Uma por uma, cada criança deu um passo à frente para receber

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

Oração ao finalizar o Ano 2015

Oração ao finalizar o Ano 2015 Oração ao finalizar o Ano 2015 QUE SEU AMOR SE EXTENDA POR TODA A TERRA Reunimos em oração no último dia do Ano para dar graças a Deus por tantos dons recebidos pessoalmente, na família, na comunidade,

Leia mais

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco!

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco! Paixão do Povo de Cristo x Paixão de Cristo Texto Base: provérbios 24.10 na Linguagem de Hoje: Quem é fraco numa crise, é realmente fraco. Na Bíblia A Mensagem : Quem Desiste num momento de crise é porque

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10.

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Vigília Jubilar Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Material: Uma Bíblia Vela da missão Velas para todas as pessoas ou pedir que cada pessoa

Leia mais