Faculdade Boa Viagem Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial Lívia do Amaral Valença

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade Boa Viagem Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial Lívia do Amaral Valença"

Transcrição

1 Faculdade Boa Viagem Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial Lívia do Amaral Valença Tradição e Emergência : O Luxo como Meio de Distinção Social entre Classes Recife, 2009

2 Lívia do Amaral Valença Tradição e Emergência : O Luxo como Meio de Distinção Social entre Classes Orientadora: Sonia Maria Rodrigues Calado Dias, PhD Co-Orientadora: Maria Alice Vasconcelos Rocha, PhD Projeto de Pesquisa de Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Gestão Empresarial, do Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração CPPA da Faculdade Boa Viagem Recife, 2009

3 Nunca deixe que apaguem seu sorriso! (Victorio Bélgamo Neto)

4 Resumo Este trabalho é resultado da pesquisa realizada na cidade de Recife com as classes sociais tradição cristalizada : ricos de berço que vivem principalmente de bens e recursos herdados, e emergência notória : que, embora sem capital econômico inicial, é detentora de bens, propriedades e automóveis, obtidos através de trabalho próprio, num esforço de autoconstrução ou por meio de estudos escolares. O objeto da investigação é a distinção de classes sociais tendo o consumo de luxo como campo social de pesquisa. Para tanto foi utilizada a Teoria da Distinção de Classes de Pierre Bourdieu, onde sugere que classes sociais se distinguem pela cultura e pelo habitus. A pesquisa desenvolvida, de base interpretativista teve como método de investigação a etnografia, que teve como fonte de dados, observações de interações sociais no campo social do luxo. Para a análise dos registros, tomamos como embasamento teórico, contribuições da sociolingüística interacional de Erving Goffman e John Gumperz e da análise de discurso, viabilizadas por um protocolo de análises elaborado por Leão e Mello (2007). Como resultados obtivemos que, além das citadas classes, se fez notar a tradição decadente, ou seja, membros da classe tradição, que ao longo do tempo foram perdendo seus bens e poderio econômico. Constatamos finalmente que, o que pensávamos ser uma tensão entre as classes sociais dominantes, revelou-se uma simbiose, onde os indivíduos de diferentes classes se associam, partilham e compartilham de interesses e vantagens recíprocas, agindo ativamente para proveito mútuo e sendo necessária uma, para a sobrevivência da outra, no que tange a retroalimentação do sistema de consumo de luxo. Palavras-chave: classes sociais, distinção e luxo. Abstract This research investigated the social classes in Recife, a large city in the Northeast of Brazil. The crystallized tradition class is represented by the golden cradle, people that live mainly by inherited properties and resources; and notorious emergent class, people who own properties and resources conquered during their work lives, without any initial economic capital. The aim of the investigation was the distinction among social classes considering the luxury consumption as the social field of the research. The Theory of Class Distinction of Bourdieu was used, as the author suggests that social classes are distinguished by culture and habitus. This interpretative research has used ethnography as the investigation method to analyse data collected by social interaction observations in the luxury environment. All data collected has followed a protocol of registry and analysis developed by Leão e Mello (2007), with the support of the interactional sociolinguistic by Goffman and Gumperz as well as the discourse analysis. The results show that among the already cited classes, there is another one very active in the luxury environment: the decadent tradition class, people that have lost their properties and economic power during their lives. Finally, the tension previously expected between tradition and emergent classes was revealed as symbiosis, where people from distinct classes join, shift and share reciprocal interests and advantages. They act actively in mutual benefit, and the survival of one is dependent upon the other, specially in the context of feeding the luxury consumption system. Key-words: social classes, distinction, luxury i

5 Agradecimentos Em primeiro lugar agradeço e dedico a meu filho Rafael este trabalho. Quem, apesar de seus parcos 15 anos teve maturidade e paciência para entender minhas ausências, minha euforia, diante dos novos conhecimentos adquiridos, minhas tristezas, meu cansaço, minhas lágrimas... Pude ter nele o amigo, o companheiro nas noites mal ou não dormidas e meu maior incentivador na busca dos meus objetivos. Agradeço aos meus pais, representados por minha mãe, ainda presente entre nós, com os quais aprendi pelo exemplo, a trabalhar com responsabilidade, a lutar pelo que se quer e pela formação do caráter de um ser humano. Não posso esquecer minhas irmãs, irmãos, cunhadas, cunhados e sobrinhos, uma vez que cada um, a seu modo, de várias formas contribuíram para o desenvolvimento e conclusão deste trabalho. Agradeço à Faculdade Boa Viagem, primeiramente à diretoria pelo apoio e confiança em mim depositados, sem os quais este trabalho não teria sido viabilizado. Aos colegas, professores e funcionários que, nas horas mais difíceis estiveram sempre ao meu lado. Não posso deixar de agradecer às minhas funcionárias do atelier: Nalva, Maninha, Mirian, Jane e Lili. Durante esses quase 30 meses pude sempre contar com todas, que tomaram para si, cada parte das tarefas que a mim estavam destinadas e também pelo apoio emocional que sempre pude contar nos meus momentos de desespero e cansaço, como verdadeiras amigas. Sônia Calado que, por inúmeras vezes, me acolheu e por fim me adotou como orientanda. Ela foi para mim a quebra do paradigma de que um acadêmico tem que ser sério e sisudo para ser respeitado. Com ela pude me identificar na alegria de viver, no otimismo, no prazer de ensinar e na simplicidade da vida. Com ela aprendi que um profissional, por maior ii

6 que seja sua titulação pode e deve ser normal ; que deve ser admirado e não temido. Mais uma vez obrigada por me ensinar! Maria Alice Rocha posso dizer que foi um anjo que chegou à minha vida. A quem, juntamente com Sônia, me conduziu com sabedoria, competência e muito carinho à conclusão deste trabalho. Com Maria Alice aprendi que um acadêmico não precisa escrever difícil, pois deste modo, estará escrevendo para as prateleiras de uma estante, ou seja, pouco ou nunca lido. Ela me ensinou que devemos escrever para sermos compreendidos e lidos, senão em nada estaremos contribuindo com nossas pesquisas para a ciência. A ela, que me inseriu, com sua simplicidade e tamanho conhecimento e competência, devo a compreensão de uma articulação teórica, como se estivéssemos conversando com amigos com interesses afins. Estou certa que ainda terei muitas oportunidades de continuar aprendendo com ela. Flávia Zimmerle, Ísis Chidid e Anete Sales, minhas amigas e companheiras de todas as horas, sem as quais seria quase impossível a conclusão deste trabalho. Para elas, qualquer palavra é pequena para expressar a importância de uma amizade. Fomos as quatro, as inseparáveis meninas de moda, quase como irmãs. A André Leão, só tenho a agradecer por todos os momentos em que pude usufruir dos seus brilhantes conhecimentos. Sergio Benício, com sua capacidade e conhecimentos infinitos adentrou na minha pesquisa contribuindo, na banca de qualificação, com sugestões que iluminaram meu caminho e me incentivando na busca de resultados mais profundos. Lucia Barbosa e Marise Morais que desde 2003, quando entrei como aluna nesta Instituição, que confiaram na minha capacidade, incentivando e apoiando a seguir a carreira acadêmica. Isa Rocha, minha amiga e incentivadora que sempre confiou na minha capacidade profissional e no poder da amizade. iii

7 Viviane Salazar pelo pronto atendimento quando, em certo momento, me abasteceu de quase tudo referente à Gerenciamento de Impressões (assunto este, que durante esta caminhada, perpassou pelo meu interesse) e me apresentou Erving Goffman, que foi fundamental para minha pesquisa. Meu agradecimento especial a todos os amigos e amigas que, nos últimos tempos, aturaram meu quase único assunto: MESTRADO. A eles posso citar Davi Nasser, jornalista, que nos anos 1970 disse: Amigo, que realmente é amigo: entende, agüenta e perdoa. Tenho certeza que todos já me perdoaram! Não poderia jamais esquecer meus colegas de sofrimento, a Turma 3 deste mestrado e, todos os colegas de outras turmas com quem pude dividir não só os sofrimentos, mas também as alegrias dos trabalhos bem sucedidos e as brincadeiras, quando o tempo permitia, e convivência maravilhosa que tive o prazer de ter junto a todos. Cada um teve sua importância na construção do nosso conhecimento, considerando a variedade de assuntos que foram abordados, gerados pela sede de conhecimento de cada um. Pessoal, amei conhecer e conviver com vocês! Espero que a vida nos dê outras oportunidades de encontrá-los! Gostaria de agradecer a todos os meus alunos que, ao longo desta caminhada, me alimentaram com sua compreensão e incentivo e desculpar-me pelos meus momentos difíceis, porém tão bem compreendidos por eles. Posso dizer que eles sempre serão o elixir da vitalidade. Pois, ao entrar cansada em sala de aula, após a troca de energia e conhecimentos, pude perceber que, ao sair, mais parecia que o dia acabava de se iniciar. Obrigada a todos pela energia que me manteve ativa e feliz durante estes últimos meses. E, finalmente, tenho que agradecer aos deuses. Pois, sem uma força maior, sem fé, independente de qualquer credo, nada se obtém, ou seja, nada se é! iv

8 E, durante esta caminhada, quando o cansaço e desânimo queriam se instalar, me vinha à cabeça a música de Guilherme Arantes: Amanhã será um lindo dia, na mais louca alegria, que se pode imaginar... v

9 Sumário Resumo Agradecimentos Lista de Figuras Lista de Tabelas Lista de Quadros i ii vii viii ix 1 INTRODUÇÃO PROBLEMÁTICA PERGUNTA DE PESQUISA JUSTIFICATIVA LIMITES E LIMITAÇÕES 6 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA CLASSES SOCIAIS Classes: Tradição e Emergência CONSUMO Consumo Hedônico e Utilitário Consumo Conspícuo ou Ostentatório LUXO A TEORIA DA DISTINÇÃO DE PIERRE BOURDIEU 36 3 MÉTODO DE PESQUISA ORIENTAÇÃO PARADIGMÁTICA MÉTODO DE PESQUISA CONSTRUÇÃO DO CORPUS DA PESQUISA PLANO DE ANÁLISE DE DADOS 48 4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ASPECTOS EXTRALINGÜÍSTICOS ASPECTOS DE VISÃO ÊMICA ASPECTOS DE DEFINIÇÃO DO EU Face Tradição Decadente Tradição Cristalizada Emergência Notória Footing Tradição Decadente Tradição Cristalizada Emergência Notória 84 5 CONCLUSÃO 91 6 REFERÊNCIAS 100 Apêndice - Observações - Transcrição 110 vi

10 Lista de Figuras Figura - 1 Aspectos Extralingüísticos Figura 2 Aspectos de Visão Êmica Figura 3 Aspectos de Definição do Eu Figura 4- Triangulação Etnográfica vii

11 Lista de Tabelas Tabela 1 - Variáveis de Classes Sociais 12 Tabela 2 - Cenários Pesquisados (Observações) 59 Tabela 3 - Participação nas Observações 60 Tabela 4 - Classes Sociais Pesquisadas nas Observações 60 viii

12 Lista de Quadros Quadro 1a Protocolo de Análise de Leão e Mello (2007) para Aspectos Não Verbais Quadro 1b Protocolo de Análise de Leão e Mello (2007) para Aspectos Não Verbais Quadro 2a Protocolo de Análise de Leão e Mello (2007) para Aspectos Interacionais Quadro 2b Protocolo de Análise de Leão e Mello (2007) para Aspectos Interacionais ix

13 1 Introdução Classes sociais se distinguem. Esta distinção é estabelecida pela hierarquia social entre pessoas. Neste sentido, foi Veblen (1980), por meio de sua Teoria da Classe Ociosa, um dos primeiros a observar o consumo como meio de estratificação social. Ele, no final do século XIX, teorizou como o clero e a nobreza tidos como classes ociosas demonstravam sua riqueza. Demonstração esta, como prática ostentatória, usada na disputa pelo poder econômico e como estratégia de dominação sobre as demais classes sociais. No início da era pré-capitalista essas fronteiras sociais eram transparentes na vida cotidiana. Limites entre essas classes como nobreza, pequena burguesia, capitalistas e proletariado foram claramente marcados e mantidos através de distintos modos de vida. Mesmo com as inclusões sociais motivadas pelas leis suntuárias, os limites sociais eram quase intransponíveis (LIPOVETSKY, 2005). Com a queda destas leis e com o início da industrialização, surgiu a possibilidade da mobilidade de classes. A elite, por sua vez, desenvolveu uma notável variedade de bens e atividades de lazer que serviam de sustentáculo das suas posições sociais diante de parentes de classe inferior (BOURDIEU, 2007; HOLT, 1998). Após Veblen, é Pierre Bourdieu quem se dedica a pesquisas sobre o processo de diferenciação social no intuito de teorizar esta distinção de classes. Em sua Teoria da Distinção Social, o consumo é parte das muitas práticas sociais utilizadas na legitimação de uma hierarquia na correspondência entre práticas culturais e classes sociais (BOURDIEU, 2007). Para o autor, o que distingue as classes já não é a produção e, conseqüentemente, o capital econômico, mas o capital cultural, com suas práticas intrínsecas que diferencia quem não o detém. A este conjunto de práticas ele denominou habitus, sugerindo que cabe às classes dominantes o poder de distinção das demais, uma vez que este capital cultural não 1

14 está presente nem acessível a todos, mas apenas aos que têm o mesmo habitus. Diante disto, o habitus, por meio de suas práticas, pode definir o gosto e este, por sua vez é que determina o habitus dos dominantes e dos dominados. 1.1 Problemática Podemos observar uma tensão entre classes em busca de ocupação de espaços. No topo da pirâmide social, esta tensão se dá fundamentalmente entre as classes tradicionais e emergentes. Por um lado, vemos uma dificuldade de novos ricos ou emergentes serem legitimados nos ambientes das altas classes; por outro, vemos a dificuldade dos ricos de berço ou da tradição em manterem seu status quando se encontram em dificuldades financeiras (LEÃO, 2007). Trata-se de uma tensão, pois não é comum a aceitação dos emergentes por parte da tradição. Esta cobra daquela formas culturais específicas de escolha e preferência, ou seja, a prática do gosto, segundo Bourdieu (2007). Cobranças estas que se verificam no consumo, em que gosto e estilo são estruturados socialmente (BOURDIEU, 2007; SLATER, 2002). Diante desta estratificação, que denota gostos refinado, médio ou vulgar, fica expressa a posição social dos indivíduos. Pode-se observar a hierarquia no gosto, através das atitudes e atividades, sejam elas sociais ou culturais, quando podemos inferir muitas informações sobre a educação, rendimentos, aspirações sociais e posição econômica e cultural de cada indivíduo. Como diria Bourdieu (2007), os gostos classificam o classificado. Neste momento, a tradição, com seu berço cultural, define as normas do refinamento necessário para o pertencimento àquela classe. Como os emergentes não tiveram este refinamento de berço exigido, tendo tido apenas o necessário para circular com 2

15 propriedade nos círculos econômicos e financeiros para construção, constituição e legitimação de suas fortunas, são repelidos e mesmo banidos dos círculos sociais tradicionais. Já em termos econômicos quem detém o poder são os emergentes, que, por sua vez, ditam as normas por eles definidas no seu espaço de domínio. Tirando proveito da superioridade econômica e da decadência financeira da tradição gerada pelo mau uso dos bens e do dinheiro herdado e a preocupação de manter seu status de ricos de berço, os emergentes tentam ser legitimados por aqueles. Nesta busca por espaços sociais podemos observar que é através do consumo que eles podem se equiparar; seja através de produtos de consumo diário, seja por produtos de luxo, definidos como raros e caros. Diante da impossibilidade do raro e podendo ter apenas o caro, os emergentes passam a consumir um novo luxo. O chamado novo luxo ou luxo contemporâneo difere do luxo tradicional, em que os objetos já não são mais valorizados apenas pela raridade de seus materiais, mas também pela estética, pelo design. Este novo luxo se dá no detalhe, na sofisticação, na tecnologia, na hipermobilidade e nas particularidades percebidas apenas por alguns, porém bem divulgado para tantos quantos possam pagar (CASTILHO e VILLAÇA, 2006; LIPOVETSKY, 2005). Baudrillard (2005) diz que a ostentação e o exagero do luxo passam a ser vistos como vulgaridade ou ingenuidade cultural. Justifica-se deste modo o cuidado da emergência em não parecer o que não quer que pensem. Porém o glamour do luxo só estará disponível para os que entendem sua linguagem. O luxo contemporâneo destina-se àqueles que dispõem de capital cultural e econômico suficiente para decodificar as diferenças e este luxo é uma diferença que diferencia. O novo luxo vem sendo impulsionado por um único fator: o desejo de distinção. No novo ambiente do luxo os indivíduos esforçam-se para fazer parte do clube da exclusividade. Desse modo, o exclusivo vai diferenciá-los e legitimá-los (SOARES, 2006). 3

16 Desta forma, na busca de pertencimento e/ou diferenciação e distinção, as classes tradição e emergência utilizam o consumo de luxo, por meio do capital cultural ou econômico, como forma de distinguirem-se entre si. Podemos assim entender que a tradição e a emergência utilizam o consumo de luxo como forma de distinguirem-se entre si. Para isto se faz necessário enfatizar a produção de preferências distintivas por estilos de vida e bens de consumo; tendo isto em conformidade com os processos sociais e culturais que evidenciam os fatores que levam às produções de preferências e gostos que, nos campos sociais onde se dão as práticas sociais (BOURDIEU, 2007) nomeiam e classificam os grupos e classes sociais (FEATHERSTONE, 1995). 1.2 Pergunta de pesquisa Considerando que nas sociedades contemporâneas, os indivíduos têm consciência da importância da opção das escolhas de consumo, uma vez que estas escolhas se apresentarão como símbolo de status (GOFFMAN, 1985), e que a legitimação deste status se faz necessária por parte dos indivíduos, a adoção de condutas e procedimentos que promovam a classificação visível na classe social que pertença ou queira pertencer (FEATHERSTONE, 1995). Detendo, cada uma das classes estudadas, seu próprio habitus e conseqüentemente um estilo de vida, com suas próprias características que se assemelham no consumo de luxo, buscaremos compreender como se dá este consumo por meio do habitus de cada uma destas classes (BOURDIEU, 2007). Assumindo a possibilidade de que classes sociais no caso, a tradição e a emergência busquem se distinguir entre si por meio do consumo de luxo é crítico que buscaremos compreender como este processo se dá. Sendo assim, chegamos à seguinte pergunta de pesquisa: 4

17 Como classes sociais buscam distinção por meio do consumo de luxo? 1 Assim, a pesquisa que ora propomos objetiva compreender a maneira pela qual as classes altas consomem o luxo em sua busca de manutenção e/ou ocupação do espaço e do status social. São considerados de alta classe os indivíduos detentores de capital econômico, cultural e social elevado (BOURDIEU, 2007), que neste estudo trataremos por tradição e emergência. 1.3 Justificativa A contribuição teórica desta pesquisa está na busca de compreensão de como o consumo de luxo ocupa papel na distinção das classes sociais altas. Esta se mostra como aspecto crucial para um maior aprofundamento no entendimento da influência das classes sociais no comportamento do consumidor. Sabendo-se que nas sociedades contemporâneas, os indivíduos sabem que a sua opção nas escolhas de consumo, apresentar-se-ão como símbolo de status. Status este, que se legitima, por parte dos indivíduos, mediante a adoção de condutas e procedimentos que promovam e determine a classe social que pertença ou queira pertencer (FEATHERSTONE, 1995). 1 Em desenhos qualitativos de pesquisa com orientação paradigmática não-positivista como é o caso do interpretativismo, se tende a optar pela elaboração de uma ou mais perguntas de pesquisa ao invés de objetivos ou hipóteses (CRESWELL, 1998; 2003). Estas podem se apresentar em duas formas: uma questão grand tour ou uma hipótese-guia seguida de questões específicas (CRESWEL, 2003; MILES e HUBERMAN, 1994). A questão grand tour adotada em nossas pesquisas deve ser elaborada na forma mais geral possível, para não limitar as possibilidades do estudo, mas, ao mesmo tempo, ser focada o bastante para delimitá-lo (CRESWEL, 2003; MARSHAL e ROSSMAN, 1999). 5

18 Por outro lado, a base teórica alinhada à teoria bourdieusiana, como se verá tem ganhado amplo espaço de aplicação e discussão na área e uma forte busca de compreensão na área de comportamento do consumidor, tendo sido tema de trabalhos apresentados, por acadêmicos, nos encontros da ANPAD (e.g. CASTILHOS, 2007; MISOCZKY, 2001; ROSA et al, 2006; STREHLAU, 2007). Em termos de aplicabilidade, pretendemos contribuir para as estratégias de produtos de luxo, considerando que os membros destas classes têm consciência que a comunicação do luxo não se dá apenas pelo vestuário, perfumes e jóias, mas também através da moradia, mobiliários incluindo objetos de decoração e obras de arte e automóveis, bem como viagens e atividades de lazer e esportes (BOURDIEU, 2007). Pretendemos ainda contribuir para uma maior compreensão dos consumidores de altas classes acerca de seu lugar na sociedade, considerando que um número cada vez maior de produtos se revestem de características e qualidades aspiracionais, se tornando produtos premium e tops de linha, exclusivos e de notória qualidade (LAGE,2008(a)). 1.4 Limites e Limitações Como limite deste trabalho temos a escolha da Teoria da Distinção de Pierre Bourdieu, em que os atores são analisados pela sua praxiologia, ou seja, pelas práticas sociais dos sujeitos. Esta escolha justifica-se pelo fato desta teoria buscar compreensão da distinção de classes por meio do modus vivendi e da formação cultural de seus integrantes. Uma possível limitação da pesquisa relaciona-se aos diferentes estilos de vida das classes pesquisadas, o que pode incorrer em diferentes códigos de suas linguagens. Uma 6

19 minimização deste impacto está no fato da pesquisadora ter, em sua vida cotidiana, acesso e vivência tanto na classe tradicional quanto na emergente. A seguir apresentaremos a fundamentação teórica que nos dará suporte para tal investigação. 7

20 2 Fundamentação Teórica Neste capítulo são apresentados os principais alicerces teóricos que sustentam este trabalho de pesquisa inserido na perspectiva de estudos culturais e embasado na condição pósmoderna. Inicialmente, apresentaremos as origens e conceitos de classes sociais na visão do comportamento do consumidor e na visão sociológica. Em seguida, as classes sociais Tradição e Emergência. Na seqüência, o consumo, o consumo conspícuo ou ostentatório e o consumo hedônico e utilitário. Após compreendermos o consumo, apresentaremos o luxo com suas origens e conceitos, como se dá o consumo de luxo e a abordagem do luxo pelo marketing. A distinção por meio do luxo antecederá a Teoria da Distinção de Pierre Bourdieu com seus desdobramentos e aplicabilidade no consumo de luxo e na distinção de classes pelo luxo. Deste modo, tornar-se-á evidente nossa compreensão dos signos como forma de ação social e constituindo uma prática cultural baseada na interação dos sujeitos sociais. 2.1 Classes Sociais À luz das ciências sociais, estratificação pode ser definida como a diferenciação de determinada população em estratos hierarquicamente sobrepostos, desde os inferiores aos superiores. Com o início da era pré-capitalista as fronteiras entre as mais diversas classes sociais nobreza, burguesia, proletariado eram bastante claras. As leis suntuárias motivaram estes rigorosos limites. Com o início da industrialização e o surgimento de novas atividades produtivas, numerosos estudos sociológicos a partir das teorias de Karl Marx, Thorstein Veblen, Georg Simmel e Max Weber, serviram para demarcar as fronteiras entre as classes sociais (HOLT, 1998; MATTOSO, 2005). 8

21 O uso do termo estratificação de classes por parte dos teóricos estruturalfuncionalistas pressupõe critérios mais normativos que materiais de descrição e classificação dos grupos sociais nas sociedades designadamente contemporâneas, os quais se opõem diametralmente aos sustentados pela teoria marxista em torno das classes. Em suma, duas grandes tradições sociológicas em contraste, não só quanto ao número de classes, mas, sobretudo quanto à própria definição de estrato/classe: uma de inspiração estruturalfuncionalista, mais fortemente acentuada desde os anos 50, e uma outra, a marxista, que, não obstante variantes internas, é sustentada desde os fundadores do marxismo, no século XIX, até o presente (SANTOS, 2004). Para a concepção marxista tradicional, a classe era basicamente analisada a partir do lugar ocupado pelos atores sociais no sistema econômico, ou, mais precisamente, no/ou em face do processo de produção. Max Weber, por sua vez, releva o grau de estima, honra e prestígio como o critério social de aferição do sentimento de pertença a determinado grupo e seus correlativos modos ou estilos de vida, eventualmente exercidos em círculo fechado (por ascendência, profissão, educação, etnia ou religião) e expressos em diversas formas. O seu conceito de classe é restrito ao critério econômico da distribuição de poder de disposição sobre bens, serviços, qualificações e outros recursos, nomeadamente as capacidades aquisitivas nos diversos tipos de mercados (HENRY, 2002; SANTOS, 2004; WILLIAMS, 2002). É fato que, independente do critério utilizado todas as sociedades exibem uma estrutura em que alguns membros são, de algum modo, melhor colocados do que os outros. Podem ter mais autoridade e poder, ou serem mais admirados e/ou respeitados, isso determinando o acesso às classes sociais. Portanto, classe social define-se como a divisão dos membros de uma sociedade em uma hierarquia de classes de status distintos, de modo que os membros de cada classe tenham relativamente o mesmo status e os membros de todas as outras classes tenham mais ou menos status (SCHIFFMAN E KANUK, 2000, p.267). Considerando que status é o lugar 9

22 que um indivíduo ocupa na sociedade de acordo com o julgamento coletivo ou consenso de opinião do grupo a que pertence. Portanto, o status é a posição em função dos valores sociais correntes na sociedade. Porém, a partir da década de sessenta foi formado um novo conceito, um conceito pósmoderno em torno de uma concepção de organização social, onde observamos uma ruptura entre a classe social e a posição dos padrões de consumo (HOLT, 1998). Segundo a ótica marxista, em praticamente toda sociedade, seja ela pré-capitalista ou caracterizada por um capitalismo desenvolvido, existe a classe dominante, que detém, direta ou indiretamente, o controle e o poder; e as classes dominadas por ela, reproduzida inexoravelmente por uma estrutura social implantada pela classe dominante. A construção das classes sociais passa a ser caracterizada como uma rede de características manipuladas de maneira inconsciente com base em critérios únicos, de modo a apreender as origens e se agruparem em práticas habituais e se mobilizarem pela e para uma ação política, individual e coletiva (SILVA, 1988). A posição social de um indivíduo na sociedade é determinada por um conjunto de variáveis econômicas composto por ocupação, renda e riqueza. Podemos dizer que sua classe é influenciada pela sua família. A ocupação dos pais e sua situação financeira também são fatores determinantes para sua posição social. Não querendo dizer com isto que quem ganha mais, não necessariamente, ocupe posições sociais mais altas, mas que o fato também possa contribuir para as variáveis de interação prestígio pessoal, associação e socialização e as variáveis políticas poder, consciência de classe e mobilidade (ENGEL et al, 2000; SOLOMON, 2002). Todas as sociedades são divididas entre os que tem e os que não tem, ou seja, há uma estratificação ou sistema formal de desigualdade que geram as classes sociais. Esta estratificação ocorre com a finalidade de preservar e desenvolver a identidade social coletiva 10

23 em sociedades com desigualdade econômica. Essa identidade social se dá nas interações entre pessoas de status desigual (ENGEL et al, 2000). Genericamente, definimos status social como o conjunto de direitos e deveres que caracterizam a posição de uma pessoa em suas relações com as outras (HOLANDA, 1984, p.1594). Conceitua-se que o status é atribuído quando independe da capacidade do indivíduo para sua obtenção; ele recebe este status quando nasce. O status é adquirido quando depende do esforço pessoal para sua obtenção. Portanto, através de suas habilidades, conhecimentos e seu sucesso relativo ao de outros na mesma ocupação pelo desempenho pessoal do indivíduo. Este indivíduo pode alterar seu status ao competir com outras pessoas ou grupos e triunfar sobre eles (ENGEL et al, 2000; SOLOMON, 2002). Os produtos e serviços podem representar o status do indivíduo, pois a sua posse depende das restrições impostas a cada classe. Desse modo, sabemos que para representar esse status social, os indivíduos exibem bens compatíveis com sua classe social e esses bens só serão reconhecidos dentro das mesmas, uma vez que são sinais compartilhados culturalmente. Porém, se um membro de outra classe estiver portando um símbolo que não pertence à sua classe, este não representará com precisão o significado desejado por não ser compartilhado. Para que um ítem de consumo seja simbolizado adequadamente para cada classe social será necessário que haja uma codificação e uma decodificação (MOWEN e MINOR, 2003). Um bem para que seja codificado dentro de uma única classe social faz-se necessário ser de propriedade homogênea. Quando um significado de status compartilhado é ligado a um bem material por grande parte dos membros da sociedade, ocorre precisão de codificação (MOWEN e MINOR, 2003, p.330). A codificação de um nível de status é alcançado por apropriação dos símbolos que presumivelmente, são exclusivos para esse nível. O símbolo encontrado com relativa homogeneidade dentro de níveis de classe incluem mobiliário, vestuário, habitação, cuidados com saúde e higiene pessoal e automóveis. Em suma, as 11

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Resenha do livro Comportamentos em Lugares Públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010).

Resenha do livro Comportamentos em Lugares Públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010). PITANGA, Carolina Vasconcelos. Resenha do livro Comportamentos em lugares públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010). RBSE Revista Brasileira

Leia mais

Os dez mandamentos da ética

Os dez mandamentos da ética Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro Os Dez Mandamentos da Ética de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão. A esperança é o sonho do homem acordado Aristóteles, citado

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão.

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão. 28 3 Design e emoção Segundo Norman (2004), as emoções são valiosas para a vida cotidiana de todos os seres humanos. A utilidade e a usabilidade também o são, mas sem a diversão, o prazer, o orgulho e

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO As necessidades humanas estão diretamente

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL GESTÃO DE DESEMPENHO

GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL GESTÃO DE DESEMPENHO GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL GESTÃO DE DESEMPENHO Career Compass Para Fulano de Tal 99999999 Data CONFIDENCIAL Reproduzido através do Inventário de Motivos, Valores e Preferências Copyright 2001

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

Marketing etnográfico

Marketing etnográfico MARKETING Marketing etnográfico Aetnografia pode oferecer ao marketing um rico instrumental para o mapeamento do universo simbólico e das práticas de consumo. Sua eficiência será maior se utilizada segundo

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

AS MUITAS MANEIRAS DO GOSTAR

AS MUITAS MANEIRAS DO GOSTAR Projeto de Pesquisa: A empregada doméstica e a moda Vinculado à Linha de Pesquisa: Design, Arte e Moda: Inter-relações Orientador: Cristiane Mesquita Aluno (a): Luísa Pires Moreira Bessa Mestranda da Universidade

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014 Semana de Treinamento Carnaval 2014 Projeto de Formação Continuada Uma enorme rodinha Juntando Pedacinhos Neste momento essa junção de cacos que são muitas de nossas experiências dos anos anteriores, nossas

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula.

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. 01_IN_CA_FolderTecnico180x230_capa.indd 3 sonhando com uma nova escola e uma nova sociedade 7/24/13 2:16 PM comunidade de

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: INCLUIR E SER INCLUÍDO PARA TRANSFORMAR A SOCIEDADE

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

Metade da humanidade não come...

Metade da humanidade não come... Metade da humanidade não come... ...e a outra metade não dorme com medo da que não come. Josué de Castro DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM Art. 1º Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Perda dos Entes Queridos Palestrante: Mauro Operti Rio de Janeiro 08/05/1998 Organizadores da palestra: Moderador: Macroz (nick:

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

Glossário Ação social: é aquela em que as pessoas orientam suas ações uma para as outras. Quando conversamos com alguém, direcionamos para ele nossa

Glossário Ação social: é aquela em que as pessoas orientam suas ações uma para as outras. Quando conversamos com alguém, direcionamos para ele nossa Glossário Ação social: é aquela em que as pessoas orientam suas ações uma para as outras. Quando conversamos com alguém, direcionamos para ele nossa intenção esperando que receba nossas informações e tenha

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

A filosofia ganha/ganha

A filosofia ganha/ganha A filosofia ganha/ganha Interdependência Talvez nunca tenha existido, na história da humanidade, uma consciência tão ampla sobre a crescente interdependência entre os fatores que compõem nossas vidas,

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

O OLHAR DOS PROFESSORES PARA A INFÂNCIA

O OLHAR DOS PROFESSORES PARA A INFÂNCIA O OLHAR DOS PROFESSORES PARA A INFÂNCIA Ariane Sandrin Pianegonda 1 Inês Bueno Krahe 2 Resumo Este artigo pretende apresentar os resultados da pesquisa desenvolvida durante o curso de extensão: Escola

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 ESTAMOS CONDENADOS A SER DESIGUAIS? No mundo em que vivemos, percebemos que os indivíduos são diferentes

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

O imaginário do casamento ideal na imprensa do interior: um estudo de caso 1

O imaginário do casamento ideal na imprensa do interior: um estudo de caso 1 O imaginário do casamento ideal na imprensa do interior: um estudo de caso 1 Alyne Monique da SILVA 2 Thalita de Freitas SILVA 3 André Azevedo da FONSECA 4 Universidade de Uberaba, Uberaba, MG RESUMO Este

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública 1 O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública Resumo Carla Fabiana Graetz Orientador Prof. Dr. Eduardo Pinto e Silva Mestrado Linha de Pesquisa:

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

JESUS CALDEIRO PAULA FREIRE DORIVAL MATA-MACHADO CÉLIA SASSANO PRISCILLA CASELATTO A CORAGEM PARA MUDAR

JESUS CALDEIRO PAULA FREIRE DORIVAL MATA-MACHADO CÉLIA SASSANO PRISCILLA CASELATTO A CORAGEM PARA MUDAR JESUS CALDEIRO PAULA FREIRE DORIVAL MATA-MACHADO CÉLIA SASSANO PRISCILLA CASELATTO A CORAGEM PARA MUDAR COLOCANDO O CONSUMIDOR NO CENTRO DO REPOSICIONAMENTO ESTRATÉGICO DA COMPANHIA Trabalho apresentado

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Existem sete níveis bem definidos de liderança, que correspondem aos sete níveis de consciência organizacional. Cada nível de liderança se relaciona com a satisfação

Leia mais

O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1

O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1 O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1 Simone Aparecida Lisniowski Mestre em Direito Cooperativo pela UFPR, professora substituta no Departamento

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Captação de recursos desde uma perspectiva cristã

Captação de recursos desde uma perspectiva cristã Seção 1 Captação de desde uma perspectiva cristã Como organizações cristãs, com uma visão e chamado de Deus, devemos buscar apoio de uma forma condizente. Desejamos nos assegurar de que a maneira como

Leia mais

Exercícios Classe Social x Estratificação Social

Exercícios Classe Social x Estratificação Social Exercícios Classe Social x Estratificação Social 1. Para Karl Marx o conceito de Classes Sociais se desenvolve com a formação da sociedade capitalista. Dessa forma, é correto afirmar que : a) As classes

Leia mais

Marketing Pessoal. Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga

Marketing Pessoal. Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga Marketing Pessoal Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga Estratégia de Marketing Pessoal De que forma se pode autopromover? O que é fundamental para alcançar os objetivos próprios? Qual a importância de

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos A Vida Simples Claudio Miklos Nos últimos tempos tenho pensado muito em como seria maravilhoso adquirir o mérito de viver simplesmente, em algum lugar aberto, pleno em verde e azul, abrigado das loucuras

Leia mais

Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO

Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO A Sra Mary Kay já dizia: nada acontece enquanto você não vende alguma coisa. Se você está

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL É muito comum ler em notas de jornais, revistas, internet sobre as classes sociais, geralmente são classificadas da seguinte maneira: classe A, B, C, D, E. No mês de julho de 2008,

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

OS EVENTOS SOCIAIS COMO ESPAÇO DE ANÁLISE DO ESTIGMA DA POBREZA

OS EVENTOS SOCIAIS COMO ESPAÇO DE ANÁLISE DO ESTIGMA DA POBREZA OS EVENTOS SOCIAIS COMO ESPAÇO DE ANÁLISE DO ESTIGMA DA POBREZA Daniele Rocha Silva * RESUMO: O estigma, enquanto pressuposto para divisão social é a base da categorização de pessoas. As relações sociais

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê?

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? DÍVIDA SOCIAL ESCRAVIDÃO E IMIGRAÇÃO FALTA DE ESTRUTURA SOCIAL

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli.

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli. Então você quer experimentar o poliamor Ginny Brown, 7 de abril de 2014, Everyday Feminism http://everydayfeminism.com/2014/04/so-you-want-to-try-polyamory/ Então você tem lido sobre poliamor e decidiu

Leia mais

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Thaísa Fortuni Thaísa Fortuni 15 dicas de Mídias Sociais para Moda Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Sobre Thaísa Fortuni Publicitária por formação, escritora e empreendora digital. Trabalha

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA A IMPORTÂNCIA DA LEITURA Quem não possui o hábito da leitura, precisa desenvolvê-lo, pois é difícil uma formação de qualidade sem muita leitura. Como você costuma selecionar seu material de leitura? O

Leia mais

A Constituição das desigualdades

A Constituição das desigualdades Introdução Muitos estudos, especialmente na área da sociologia da educação, têm demonstrado que os projetos de democratização das sociedades modernas enfrentam dificuldades relacionadas à efetivação dos

Leia mais

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE DESPORTO CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO Um estudo em freqüentadores de academia na região do Grande Porto Dissertação apresentada com vista à obtenção do grau

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais