BALANÇA MAS NÃO VAI Tudo que você precisa saber sobre as mudanças no ENEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANÇA MAS NÃO VAI Tudo que você precisa saber sobre as mudanças no ENEM"

Transcrição

1 número 02 ano 01 abril a junho 2010 Publicação Sinepe/PR BALANÇA MAS NÃO VAI Tudo que você precisa saber sobre as mudanças no ENEM MBA ou Pós-graduação Conheça as diferenças e descubra a melhor opção para continuar os estudos Idiomas do futuro Aprender línguas de países em destaque pode ser um grande diferencial Entrevista: Cristovão Tezza O escritor brasileiro aborda literatura e educação

2

3 e.di.to.ri.al adj m+f ex.pe.di.en.te adj m+f ins.ti.tu.cio.nal adj 4 O Sinepe/PR inicia 2010 com muitas expectativas e um novo olhar para o futuro. Com o ano letivo em andamento e a primeira edição da Escada deste ano chegando aos nossos leitores, percebemos que as escolas particulares devem estar cada vez mais em sintonia com a sociedade. Na segunda edição da Escada, você confere quais são as instituições privadas do Paraná que possuem o Selo Escola Legal e atendem as exigências e critérios do governo. Na entrevista principal, Cristovão Tezza conta sua experiência como professor e escritor. Informações sobre as mudanças no ENEM, os idiomas do futuro, as diferenças entre pós-graduação e MBA e artigos preparados pelos colaboradores do Sinepe/PR completam esta edição. Neste ritmo, também seguimos com o portal da escola particular, oferecendo diversos serviços e novidades para auxiliar você na busca das melhores instituições. No os pais podem encontrar a escola que melhor atende suas necessidades por meio da ferramenta Localizar Escolas. As instituições se beneficiam com os documentos jurídicos disponíveis para as escolas. Outros serviços são: biblioteca atualizada com legislação educacional, projetos realizados pelo Sindicato e notícias das regionais do Sinepe/PR. Você ainda pode acessar o Sinepe On Line, atualizado diariamente com notícias sobre educação e sobre as instituições associadas. É nesta trajetória que contamos com a sua participação para conquistar a excelência na educação particular no Paraná! Boa leitura e feliz 2010! Ademar Batista Pereira Presidente Revista Escada Publicação periódica de caráter informativo com circulação dirigida e gratuita. Desenvolvida para o Sinepe/PR. Editada pela IEME Comunicação IEME Integração em Marketing, Comunicação e Vendas Ltda. Rua Heitor Stockler de França, 356-1º andar - Centro Cívico - Curitiba - PR Direção Taís Mainardes / Redação Amanda Laynes, Bruno Reis, Isadora Hofstaetter e Marília Bobato Projeto gráfico e ilustrações D-Lab / Revisão Mariana Leodoro Comercialização Críticas e sugestões Evelyn Bittencourt Almeida e Márcio Mocellin Conselho Diretor gestão 2008/2010 Diretoria Executiva Presidente Ademar B. Pereira 1º Vice-Presidente Jacir José Venturi 2º Vice-Presidente Oriovisto Guimarães Diretor Administrativo Ailton R. Dörl Diretor Econômico/Financeiro Rosa Maria C. V. de Barros Diretor de Legislação e Normas Maria Luiza Xavier Cordeiro Diretor de Planejamento José Manoel de Macedo Caron Jr. Diretoria de Ensino Diretor de Ensino Superior Diretor de Ensino Médio/Técnico Diretor de Ensino Fundamental Diretor de Ensino da Educação Infantil Diretor de Ensino dos Cursos Livres Diretor de Ensino dos Cursos de Idiomas Diretor de Ensino das Academias José Antonio Karam Gilberto Vizini Vieira Esther Cristina Pereira Raquel Adriano Momm Maciel de Camargo José Luis Chong Jaime M. Marinero Vanegas Ilona Cristina Seyer Conselheiros 1º Conselheiro Paulo Arns da Cunha 2º Conselheiro Pedro Roberto Wiens 3º Conselheiro Ir. Maria Zorzi 4º Conselheiro Irmão Frederico Unterberger 5º Conselheiro Wilson Picler 6º Conselheiro Gilberto Paulo Zluhan 7º Conselheiro Edna Luiza Percegona 8º Conselheiro Emília Guimarães Hardy 9º Conselheiro Renato Ribas Vaz 10º Conselheiro Magdal J. Frigotto 11º Conselheiro Segundo Daniel Conselho Fiscal Efetivos Jacinta Caron Márcia E. Dequech Henrique Erich Wiens Delegados Representantes - Fenep Ademar B. Pereira José Manoel de Macedo Caron Jr. Diretorias regionais Suplentes Roberto A. Pietrobelli Mongruel Orlando Serbena Ada Pires de Oliveira (in memoriam) SINEPE/PR - Regional Oeste (Cascavel) Diretor Presidente Adilson J. Siqueira Diretor Vice-Presidente Irmão Jose Egon Kunrath Diretor de Ensino Superior Maria Debora Damaceno de Lacerda Venturin Diretor de Ensino Médio Irmã Mareli A. Fernandes Diretor de Ensino Fundamental Irmã Luquia Banach Diretor de Ensino da Educação Infantil Ione Plazza Hilgert Diretor de Ensino dos Cursos Livres/Idiomas Denise Veronese Trivelado SINEPE/PR - Regional Cataratas (Foz do Iguaçu) Diretor Presidente Artur Gustavo Rial Diretor de Ensino Superior Fouad Mohamad Fakin Diretor de Ensino da Educação Básica Antonio Neves da Costa e Antonio Krefta Diretor de Ensino da Educação Infantil Larissa Jardim Zeni Diretor de Ensino dos Cursos Livres/Idiomas Márcia Nardi e Fabiano de Augustinho SINEPE/PR - Regional Sudoeste (Pato Branco/Francisco Beltrão) Diretor Presidente Ivone Maria Pretto Guerra Diretor de Ensino Superior Hélio Jair dos Santos Diretor de Ensino da Educação Básica João Carlos Rossi Donadel Diretor de Ensino da Educação Infantil Amazilia Roseli de Abreu Pastorello Diretor de Ensino dos Cursos Livres/Idiomas Vanessa Pretto Guerra Stefani Com a missão de desenvolver e melhorar a educação de alunos e professores, o Sinepe atua no Paraná desde Hoje, o Sindicato mostra que atingiu a maturidade com um trabalho extenso realizado em prol da educação. Mas ainda há muito a fazer para obter maior representatividade das escolas particulares no estado. Por isso, o Sinepe/PR realiza periodicamente seminários, palestras e cursos com renomados profissionais que levam uma formação contínua e de qualidade aos educadores. Também desenvolve e pratica responsabilidade social com diversos projetos como o Amo Curitiba Ações Voluntárias, que reúne diversas escolas para ações conjuntas de voluntariado, e o Planeta Reciclável, que visa difundir o conceito de sustentabilidade para alunos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental. O Sindicato conta ainda com um qualificado grupo de funcionários e assessorias - jurídica, pedagógica, contábil e de imprensa - que oferecem serviços em cinco diretorias regionais assim denominadas: Sinepe/PR - Regional Oeste PÓS-PUCPR De inúmeras possibilidades De cursos a infinitas possibilidades profissionais. E MAIS 200 * OPÇÕES DE CURSOS PARA SUA CARREIRA. - MODERNA INFRAESTRUTURA - - CORPO DOCENTE QUALIFICADO CÂMPUS EM TODO O ESTADO - - ESTACIONAMENTO gratuito - - AMbIENTE wireless - (Cascavel), Sinepe/PR - Regional Cataratas (Foz do Iguaçu), Sinepe/PR - Regional Sudoeste (Pato Branco / Francisco Beltrão), Sinepe/PR - Regional Campos Gerais (Ponta Grossa), Sinepe/PR - Regional Central (Guarapuava / União da Vitória), além da sede em Curitiba. Mais informações e serviços: *Considerando todos os Câmpus. Comercial Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não expressam, necessariamente, a opinião desta revista. Conselho editorial Jaime Marinero, Jacir J. Venturi, José Manoel de Macedo Caron Jr. e Márcio M. Mocellin Aprovação Ademar Batista Pereira SINEPE/PR - Regional Campos Gerais (Ponta Grossa) Diretor Presidente Osni Mongruel Junior Diretor de Ensino Superior Marco Antônio Razouk Diretor de Ensino da Educação Básica Irmã Edites Bet Diretor de Ensino da Educação Infantil Maria de Fátima Pacheco Rodrigues Diretor de Ensino dos Cursos Livres/Idiomas Paul Chaves Watkins Tiragem Impressão e acabamento Logística e distribuição 11 mil exemplares Gigapress A&D Comercial SINEPE/PR - Regional Central (Guarapuava/União da Vitória) Em processo de formação/eleição.

4 ín.di.ce sm 08. Escola Legal é Sinônimo de Tranquilidade 10. Desenhando a Diferença 12. Quando Chega a Hora de Mudar de Escola 14/17. Entrevista Cristovão Tezza 18/19. Idiomas do Futuro 20/23. Balança Mas Não Vai ( ) É dirigida e gratuita. ( ) São 11 mil exemplares. ( ) Distribuída em todas as escolas particulares e em pontos comerciais selecionados. ( ) Está disponível para baixar e visualizar na internet. A pr ( ) Todas as alternativas estão corretas. óxim ed a ição junho sairá em Rese de rve j á seu espa ço! Pra Continuar os Estudos, MBA ou Pós-graduação? 26. Momento Cultural 27. Artigo. Raquel A. Momm Maciel de Camargo 28. Artigo. Jacir J. Venturi 29. Artigo. Esther Cristina Pereira 30. Artigo. Ademar Batista Pereira Alameda das Hortências, 48 Ecoville O Portal da Inclusão é formado por uma equipe interdisciplinar que atua na orientação das escolas regulares e na capacitação do corpo docente para trabalhar com os alunos com necessidades educacionais especiais. Assessoramos a equipe escolar com estratégias e estudos de casos através da Tecnologia Assistiva: Adaptações de pequeno, médio e grande porte, Adaptações curriculares, Adaptações de Acesso ao Currículo e das atividades, Adaptação de temporalidade, quantitativa e qualitativa, Acompanhamento no processo Avaliativo, Adaptações estruturais, Agenda compartilhada, Comunicação suplementar e alternativa. Através da experiência de sua equipe, o Portal da Inclusão se tornou um centro de referências na formação da educação inclusiva. inclusão sem barreiras 6

5 T / Bruno Reis F / istock sa.ú.de s.f. ESCOLA LEGAL É SINÔNIMO DE Sinepe/PR orienta instituições em relação à transmissão da Gripe A (H1N1) 8 Certificação do Sinepe/PR qualifica instituições de ensino que atendem a exigências e critérios do governo. Encontrar a escola para seu filho não é uma lição de casa muito fácil. Com tantas opções pedagógicas à disposição, uma pesquisa extensa é extremamente necessária e recomendada. É preciso conhecer as instalações, as propostas educacionais e também a qualificação dos professores. E, para facilitar um pouco a escolha, há 10 anos o Sinepe/PR criou o Selo Escola Legal para proporcionar aos pais a tranquilidade de saber se a instituição de ensino atende a alguns requisitos legais. O Selo Escola Legal atesta que a instituição possui os seguintes documentos verificados: alvará da prefeitura, autorização da Secretaria da Educação e CNPJ do Ministério da Fazenda. O Sinepe/PR emite o certificado todos os anos com cores diferentes para evitar que a escola fique desatualizada. Por isso, atenção pais na hora da matrícula! Apenas o 11 Selo Escola Legal na cor vinho é mais uma garantia para seu filho. Lembrando que o selo é distribuído apenas entre as escolas que são associadas ao Sindicato. Em março, começou o cronograma de vacinação dos grupos prioritários para a prevenção da Gripe A (H1N1). Com o início das aulas e a queda da temperatura, as instituições privadas de ensino também aumentam os cuidados com a transmissão da Gripe A. O Sinepe/PR destaca a seguir algumas medidas de prevenção: Quando tossir ou espirrar: cobrir o nariz e a boca com um lenço de papel e em seguida colocar o lenço usado no cesto de lixo. Limpar sempre as mãos: lavar/higienizar as mãos frequentemente com água e sabão ou álcool gel. Orientação médica: caso receba, utilizar máscaras cirúrgicas para proteger os demais. Não compartilhar: talheres, copos, pratos, toalhas e objetos de uso pessoal. É recomendado também disponibilizar aos alunos o acesso fácil a pias providas de água corrente, sabonete líquido, álcool gel, toalhas descartáveis e lixeiras adequadas. Principalmente os Centros de Educação Infantil e as creches devem reforçar a higienização frequente com álcool gel dos brinquedos de uso comum, maçanetas e carteiras escolares. Alunos que apresentem os sintomas não deverão ser encaminhados para a escola e devem ser avaliados por um médico. Alunos que desenvolvam os sintomas durante o período de aulas deverão ser mantidos isolados dos outros alunos, se possível usando máscara cirúrgica descartável até a chegada dos pais, que devem levar seus filhos para avaliação médica. O retorno à escola deverá ser apenas mediante a apresentação de atestado médico. Para verificar o cronograma de vacinação do Ministério da Saúde: Há 10 anos o Sinepe/PR criou o Selo Escola Legal para proporcionar aos pais a tranquilidade de saber se a instituição de ensino atende a alguns requisitos. Conheça todas as escolas certificadas com o Selo Escola Legal, acessando o portal da escola particular do Paraná:

6 T / Amanda Laynes e Bruno Reis DESENHANDO A DIFERENÇA Estudantes de escolas particulares e públicas de diversas cidades do país foram submetidos a testes ao longo de quatro anos para identificar a diferença de conhecimento entre os alunos da rede privada e da rede pública. Os resultados mostram o óbvio: a vantagem dos alunos de escolas particulares é maior. A surpresa ficou por conta do fato de que a diferença já é grande no 1º ano do Ensino Fundamental e tende somente a crescer ao longo da vida escolar. O estudo realizado pelo projeto Geres é inédito no Brasil por ter contemplado os mesmos alunos ao longo dos anos de estudo. Foram cerca de 20 mil de 303 escolas em Belo Horizonte, Campinas, Campo Grande, Salvador e no Rio de Janeiro Segundo Nigel Brooke, um dos coordenadores do Geres, que entre 2005 e 2008 tiveram os conhecimentos cognitivos de a intenção principal é identificar os fatores escolares que matemática e leitura testados por meio de provas periódicas. mais promovem a aprendizagem e mais reduzem as diferenças 10 As avaliações aconteceram todos os anos de forma que pudés- sociais. Por isso, foram avaliados os mesmos alunos ao longo de 11 semos acompanhar a evolução do aprendizado dos estudantes, explica Lina Katia Mesquita de Oliveira, pesquisadora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e coordenadora da equipe de matemática do Geres. Os exames que eram aplicados até então não permitem essa comparação, já que geralmente são aplicados para alunos a partir da 4ª série, e não de forma longitudinal como prevê o Geres, ou seja, que os mesmos alunos sejam avaliados ao longo das séries do Ensino Fundamental. A diferença começa cedo Uma das principais conclusões no relatório parcial do projeto é que os alunos que ingressam nas escolas particulares chegam à 1ª série com vantagem em relação às crianças da escola pública, contrariando a visão de que a diferença seria fruto dos primeiros anos da Educação Fundamental. Por isso, os coordenadores do projeto dizem que é preciso investir mais na Educação Infantil para diminuir essa desigualdade - creches e pré-escolas que formem melhor e deixem o início do Ensino Fundamental para consolidar e aperfeiçoar as capacidades cognitivas. quatro anos. Para o presidente do Sinepe/PR, professor Ademar Batista Pereira, a pesquisa merece muito respeito por ter contado com esta metodologia inédita até então. Os dados mostram claramente o mérito do Ensino Infantil, quando a pessoa desenvolve todas as habilidades que mais tarde irá aperfeiçoar. Por isso, não cabe mais dizer que as pré-escolas servem apenas para divertir, afirma. Até o final do ano, um relatório final será produzido com os resultados oficiais da pesquisa. Educação em família A diferença entre alunos do sistema público de educação e das escolas particulares tende a crescer ao longo da vida nos bancos escolares até a hora de prestar o vestibular. Já no primeiro ano do Ensino Fundamental, essa diferença é visível. Para o diretor do Colégio Alfa em Cascavel, professor Adilson José Siqueira, a família é um dos fatores que influencia na educação das crianças, especialmente nos primeiros anos. Geralmente - lógico que não sempre - as famílias que estão pagando pela educação têm mais interesse em ver o desempenho do filho, afirma. Os alunos destas escolas seriam mais motivados com o acompanhamento constante dos pais e também dos professores. Outro fator é a cobrança dos mestres pela direção da escola. No ensino particular, o professor é mais cobrado, completa Adilson, por isso os alunos acabam se esforçando mais. E Adilson conhece bem sobre qualidade de educação.

7 T / Amanda Laynes I / D-lab QUANDO CHEGA A HORA DE 12 Angústia, medo, mãos suando, frio na barriga. Sintomas comuns nas crianças que estão prestes a entrar pela primeira vez na escola desconhecida. Sofrendo pelos filhos, os pais ficam ansiosos e apreensivos para levá-los ao primeiro dia de aula na nova escola. Afinal, como eles irão se comportar? Em 2009, Merly Regina Garprecht teve todas essas sensações. Acreditando na qualidade de ensino da escola particular, mudou seu filho Gabriel, de 11 anos, para uma instituição privada. Como temia a discriminação do menino, informou-se sobre todas as ações da escola e a maneira que a instituição poderia ajudar a evitar algum possível constrangimento da criança. Mais do que conhecer a estrutura, procurei conversar com a pedagoga e a psicóloga da escola e também com os professores, até para passar mais segurança para o Gabriel, conta. O processo de adaptação foi realmente difícil. No primeiro mês de aula, Gabriel se sentiu deslocado e receoso. Os professores revisaram o conteúdo do ano anterior e eu fiquei com medo porque não tinha aprendido nada daquilo ainda, lembra o aluno. Mas os professores se dedicaram e me ajudaram muito, e hoje eu consigo aprender com mais facilidade. Já não tenho muita dificuldade, analisa. Em casos assim, o papel do educador se torna imprescindível. O contato entre aluno, pais e professores ajuda a identificar as reais necessidades do estudante, orientando o professor sobre qual caminho tomar. Para a professora do Ensino Fundamental do Colégio Anchieta, de Curitiba, Lenir Delfino Schneider, essa fase é complexa e exige do professor muita atenção para que o aluno se sinta acolhido. A conversa prévia com os pais é importante, visto que podemos entender de que forma a criança vem sendo educada, possibilitando que o professor dê continuidade ao trabalho e não torne o momento da chegada um período traumático para o aluno, afirma. Seguindo o raciocínio da professora, a psicóloga Giovana Tessaro diz que o método como a família trata o assunto influencia muito na maneira como o filho vai encarar a situação. A família deve alertar os filhos sobre os reais motivos da mudança, envolvendo o estudante no processo de avaliação da escola desde o início. É importante colocar a realidade para o filho e dizer por que ele está mudando de escola. Com a honestidade, a criança vai se sentir mais segura e confiar nos pais, completa a profissional, alertando que mesmo que a criança seja pequena, é necessário manter esse laço de cumplicidade com ela. Toda a experiência de Gabriel, filho mais velho de Merly, vai ajudar neste ano letivo, já que o filho mais novo, Matheus, de 10 anos, ingressou na mesma escola do irmão para cursar a 4ª série. Vou poder ajudar meu irmão com as lições e acho que ele vai ter menos dificuldades do que tive, já que vou estar sempre por perto, diz Gabriel, empolgado pela companhia do irmão na mesma escola. MUDANÇA DE CIDADE Há os casos em que o aluno não muda apenas de escola, mas também de cidade, o que pode tornar o processo de adaptação ainda mais difícil. Com todos os amigos distantes, o cuidado deve ser ainda mais especial, afirma a diretora da Escola Mundo da Criança e Mundial, de Francisco Beltrão, Maria Antonieta Silva Fernandes. Na escola, as crianças criam vínculos. Elas chegam à instituição com outras referências e, por isso, os educadores trabalham para dar segurança ao aluno. Trabalhar a diferença é uma forma de educar não apenas o aluno que está chegando, mas toda uma turma. A psicóloga Giovana Tessaro acredita que trabalhar as diferenças pode ser extremamente enriquecedor. O educador pode falar sobre os diversos sotaques presentes no Brasil e sobre regionalização, por exemplo, ou mesmo sobre as diferenças entre a cidade em que moram e a cidade da criança recém-chegada. É transformar a diferença em oportunidade de aprendizagem para todos, conclui.

8 en.tre.vis.ta / Cristovão Tezza sf T / Bruno Reis F / Artur Makos / Andrea Paccini SONHO DE Foram 24 anos lecionando. O início na literatura foi com Monteiro Lobato. Começou aos 10, 11 anos e não parou mais, estimulado pela biblioteca do colégio e pelo impulso de seguir o sonho de se tornar escritor. Os professores foram funda- 14 As salas de aula tomaram a maior parte mentais para a concretização deste sonho, 15 da vida deste escritor que curitibanou-se com o tempo e prestou o primeiro vestibular apenas aos 25 anos. Quando voltou às carteiras, na universidade, escreveu textos, fez provas e acumulou conhecimento mais rápido do que consertava relógios em sua pequena oficina em Antonina, para onde se mudou logo que concluiu a escola. Com a falência declarada em 1977, resolveu ir para o Acre cursar Letras e concluiu a graduação em Curitiba, em Uma história nada usual. Aliás, foi com essas mesmas histórias castas, únicas, que Cristovão Tezza se tornou um dos maiores escritores do Brasil. segundo Tezza. Tudo o que se seguiu na vida do escritor foi em razão deste sonho. A própria profissão de professor escolheu por ser uma que lhe permitia escrever. Cristovão Tezza também revela que a escola é passo fundamental e essencial. Não se pode substituir a escola de forma alguma e foi por este motivo que resolveu tardiamente prestar vestibular para o curso de Letras. Ainda que seja um escritor de destaque, suas aulas sempre foram de Língua Portuguesa e não de Literatura. Em entrevista exclusiva à Revista Escada, o catarinense de nascimento revela que sempre gostou de dar aulas, ainda que 2010 marque sua aposentadoria das salas de universidade. Por que, então, a aposentadoria precoce? Você confere na entrevista a seguir.

9 16 De certa forma, apenas voltei integralmente ao meu projeto de infância. Revista Escada - Para começar, uma curiosidade: Cristovão Tezza foi um bom aluno? Cristovão Tezza - Acho que sim, na maior parte da minha vida escolar. Mas sofri um trauma na vida: fui reprovado no antigo exame de admissão ao ginásio. Era o exame do Colégio Estadual do Paraná. A primeira prova foi de redação, eliminatória, e fui reprovado. Tive de fazer o 5º ano primário no Grupo Escolar Zacarias. No ano seguinte, passei. RE será seu primeiro ano longe das salas de aula, dos estudantes. Vai dar saudades de ser professor? CT - Sempre gostei de dar aulas e posso dizer que jamais tive problemas com meus alunos na universidade - aliás, só dei aulas na universidade; não tenho experiência com o Ensino Médio. Foram 24 anos em sala de aula, predominantemente em turmas de Letras e de Comunicação Social. Foi uma ótima fase da minha vida, mas passou. Agora o trabalho de escrever me absorve completamente. RE - Quando você decidiu ser professor? CT - Entrei na universidade tardiamente - fiz vestibular só aos 25 anos. Como escolhi Letras, já sabia que seria professor. Na verdade, estava atrás de uma profissão que me permitisse sobreviver para escrever. Sempre fui fundamentalmente um escritor. As opções para mim, na época, eram o jornalismo, a publicidade ou as aulas. Preferi as aulas e acho que acertei. RE - Em que momento resolveu parar de lecionar? CT - Como comecei tarde, só iria me aposentar próximo dos 70 anos - e eu simplesmente não estava mais conseguindo conciliar meu trabalho de escritor com o do professor. Fui entrando num processo de estafa e tive de escolher. De certa forma, apenas voltei integralmente ao meu projeto de infância. RE - Os alunos, ao longo desses anos, têm mostrado mais interesse? O que mudou? CT - É difícil dizer. A análise dessas mudanças culturais e de comportamento necessita de dados estatísticos, pesquisas precisas. De certa forma, sempre trabalhei com alunos de bom nível, considerando a média brasileira - isto é, o público das universidades federais, de cursos com grande procura, que passou pela peneira dura do vestibular. A sensação que tenho é que o mundo da internet está gerando um outro tipo de estudante, com muito mais acesso à informação e, aparentemente, com menos armas para lidar com ela. E é claro que a democratização do acesso ao ensino, sempre desejável, vem provocando turbulências com as quais a escola terá de aprender a lidar. RE - Com essas turbulências, o papel do professor mudou? CT - Acho que não. Não acredito muito em revoluções pedagógicas, milagres didáticos, altas tecnologias de ensino, se ali na frente o aluno não contar com a referência concreta e a presença de um bom professor, que goste do que faça, seja bem informado, tenha segurança no trabalho e receba um salário digno. A velha utopia de sempre. RE - A trajetória de um escritor é longa, com histórias únicas e algumas vezes inusitadas. Como foi o início da sua experiência com a Literatura? CT - Comecei escrevendo poemas, como todo adolescente. Daí passei à prosa e em pouco tempo o ato de escrever passou a dominar a minha vida. Não parei mais. RE - A escola o ajudou a construir as habilidades que o transformaram em um escritor? CT - Do ponto de vista artístico, acho que não - e nem é essa a função da escola. O que a escola me deu foi uma ótima formação básica geral. A escola abriu as portas da civilização para mim, digamos assim. Deu as condições para que eu pudesse escolher meu rumo - junto, é claro, com todas as outras influências sociais que nos rodeiam. A escola não pode ser uma redoma isolada do mundo. RE - Você já viajou por diversos países e cidades no Brasil. Como foi o retorno a Curitiba e o processo que o fez criar raízes na cidade? CT - Na verdade, sempre voltei a Curitiba. Nunca deixei de fato de considerá-la minha cidade, desde que minha família veio para cá, em Nunca pensei sobre isso, apenas fui sendo formado pela cidade. RE - Pode-se dizer que você é um graduado na escola da vida. Passou anos em Antonina, na Europa e teve até uma experiência inicial na Marinha Mercante. A vida pode substituir a escola, ou a escola pode substituir a vivência? CT - Não, a vida não pode substituir a escola. A escola não é só um currículo e uma grade horária, é uma convivência social que deixa marcas profundas na vida cultural das pessoas. Ao mesmo tempo, é preciso que as pessoas desenvolvam sua autonomia. Nunca esperei que a escola me ensinasse a escrever Literatura; pelo contrário, queria criar meu próprio caminho (como eu disse, resisti a entrar na universidade...). Mas seria tolice achar que hoje podemos prescindir da formação escolar. RE - O que é fundamental que exista na educação escolar para a formação da pessoa? CT - Não há milagres. A escola precisa proporcionar uma boa formação técnica e humanista aos estudantes. Num país como o Brasil, com carências sociais terríveis, a escola tem um papel especialmente importante para civilizar o país. RE - Leitor contumaz, sua lista de leitura era referência entre seus alunos, dos quais fui um. O que a Literatura ensina sobre o processo de ensino? CT - A Literatura é a linguagem não oficial do mundo. Um bom livro é sempre um olhar único, não pragmático, sobre os sentidos do mundo. A boa Literatura também exige uma participação ativa do leitor - ela quebra expectativas. Lendo, todo leitor se transforma em narrador. O ensino sempre tem algo a aprender com a Literatura, até para se repensar de tempos em tempos. RE - Para finalizar, outra curiosidade: você poderia indicar os livros que mais lhe marcaram? CT - Sou péssimo conselheiro, em geral. No máximo, posso partilhar alguns livros e autores marcantes da minha história. Dos brasileiros, Memórias Póstumas de Brás Cubas, do Machado; São Bernardo, do Graciliano; antologias de Drummond, Bandeira e Cabral. Dos estrangeiros, vão alguns nomes pelo sabor da memória: Crime e Castigo, de Dostoiévski; A Morte de Ivan Ilitch, do Tolstói; O Estrangeiro, de Camus; Lord Jim, de Conrad; Luz em Agosto, de Faulkner; Reparação, de Ian McEwan - e esta lista não tem fim... A LISTA DO TEZZA Nos primeiros dias de aula na universidade, começava a circular uma lista com sugestões de livros do professor Cristovão Tezza. A lista surgia ali, no início do semestre, e depois seguia durante toda a vida acadêmica dos alunos como um guia de referência sem igual. Alguns dos livros da lista de 2005: - O Vermelho e O Negro Stendhal - Crime e Castigo Dostoiévski - O Apanhador no Campo de Centeio J.D. Salinger - Admirável Mundo Novo Aldous Huxley - Laranja Mecânica Anthony Burgess - O Evangelho Segundo Jesus Cristo José Saramago - Fahrenheit 451 Ray Bradbury - Cem Anos de Solidão Gabriel García Marquez A escola abriu as portas da civilização para mim, digamos assim. Deu as condições para que eu pudesse escolher meu rumo.

10 T / Ivo Stankiewicz I / Diego the kid Quais as línguas mais faladas no mundo? IDIOMAS DO ALEMÃO milhões JAPONÊS milhões BENGALI milhões PORTUGUÊS milhões ÁRABE milhões HÍNDI milhões FRANCÊS milhões RUSSO milhões ESPANHOL milhões INGLÊS milhões CHINÊS Mandarim bilhões (contando com pessoas que têm o idioma como segunda língua) Fonte: www2.ignatius.edu 18 O dinheiro comanda o mundo e a busca por riqueza dita novas 19 tendências. Com o constante crescimento da China no cenário econômico mundial e com as enormes reservas de petróleo no Oriente Médio, a procura por cursos de Mandarim e Árabe vem aumentando significativamente nos últimos anos. A presença de uma dessas línguas no currículo está, aos poucos, passando de apenas um adicional curricular para requisito básico em algumas empresas. Isto graças ao grande interesse brasileiro em aumentar ainda mais o número de negócios realizados no oriente, onde o inglês é pouco falado e o domínio da língua local vale ouro. Porém, idiomas como o Inglês e o Espanhol - sempre considerados indispensáveis para a pessoa que deseja um espaço no concorrido mercado de trabalho - não devem ser deixados de lado. Acredito que o Inglês sempre será requisito básico. O Mandarim vem crescendo muito, mas ainda falta bastante para chegar a ter a mesma importância do Inglês, afirma o professor José Luís Chong, que, além de Português e Cantonês (um dos dialetos da China), também estudou Mandarim, Alemão, Inglês e Francês. Com relação ao Espanhol, o professor diz que o Mandarim é praticamente equivalente. O Espanhol hoje é importantíssimo, claro, mas com o enorme crescimento da China, os dois idiomas estão no mesmo nível de importância, em minha opinião. Porém, o brasileiro tem muito mais facilidade de aprendizado com a língua de origem latina. Assim, ele pode terminar um curso de Espanhol mais rápido do que um de Mandarim. Apesar de não ter a mesma relevância que a Língua Chinesa, o Árabe não deixa de ser uma boa opção na hora de aprender novos idiomas. Além da abundância de petróleo, o Oriente Médio possui outros grandes atrativos. Os emirados de Abu Dhabi e Dubai, as duas maiores riquezas dos Emirados Árabes Unidos, são enormes polos turísticos e comerciais. Além de arranha-céus e inúmeras construções consideradas por muitos mero exibicionismo, Abu Dhabi também possui um moderno autódromo recémconstruído no meio do deserto, onde começaram a ser realizadas etapas da Fórmula 1. Por ser um mercado em expansão, é válido começar um curso do idioma Árabe, mas logicamente sem deixar de lado o Inglês. É o que afirma a professora Ane Cibele Palma, coordenadora do Núcleo de Línguas da PUCPR. A prioridade deve ser um curso de Inglês e Espanhol, e assim que tiver aprendido bem, deve-se pensar em outro idioma. A escolha do novo curso vai depender da profissão da pessoa, da empresa em que ela trabalha, ou até mesmo de raízes familiares. É claro que é muito importante aprender uma língua nova como o Mandarim, por exemplo, mas o mundo todo fala Inglês, inclusive os chineses - e muito bem por sinal. Com relação ao nível dos cursos oferecidos e à possibilidade de as escolas começarem a lecionar outras línguas além do Inglês e Espanhol, Ane conta que as aulas nos colégios não têm a mesma profundidade de um curso direcionado, mas que estão no caminho certo. As escolas estão melhorando o nível das aulas, pesquisando bastante, mas ainda tem muito chão. Quando os alunos puderem se virar apenas com o Inglês do colégio, aí sim dá para pensar em novos idiomas. Para quem não tem condições de pagar por cursos de idiomas extracurriculares, vale a pena procurar por alternativas como cursos gratuitos via internet ou até mesmo emprestar o material de algum conhecido. O Inglês ou o Espanhol são pré-requisitos básicos, e o fato de se aprender línguas de países em destaque, como o Mandarim e o Árabe, pode ser um grande diferencial. Apesar de ser mais fácil encontrar professores particulares de idiomas que não sejam Inglês e Espanhol, também existem algumas instituições que lecionam outras línguas. Curitiba: Celin UFPR - Centro de Línguas e Interculturalidade (41) Alemão, Árabe, Esperanto, Francês, Grego, Guarani, Hebraico, Holandês, Inglês, Italiano, Latim, Mandarim, Japonês, Polonês, Russo, Ucraniano e Yorubá (Língua Africana), além de Português para estrangeiros. Cursos ofertados para o primeiro semestre de CELEM - Centro de Línguas Estrangeiras Modernas do Paraná (41) Alemão, Espanhol, Francês, Inglês, Italiano, Japonês, Polonês, Ucraniano e Mandarim. Ponta Grossa: Delin UEPG - Departamento de Línguas Estrangeiras e Modernas (42) Alemão, Espanhol, Francês, Inglês e Italiano. Eventualmente outras línguas poderão ser ofertadas. Cascavel: CELEM/CEEP - Cascavel (45) Espanhol, Inglês e Italiano.

11 T / Bruno Reis I / Diego the kid ENEM 2010 O ministro da Educação, Fernando Haddad, informou no mês de março que o Enem será aplicado este ano apenas após o segundo turno das eleições presidenciais (31 de outubro). A justificativa é que pode haver a possibilidade de uso político de eventual fraude no exame novamente. Haddad deve se reunir com os reitores das universidades federais para decidir se haverá uma nova rodada do Sisu (Sistema de Seleção Unificada) em substituição aos vestibulares do segundo semestre. Para o primeiro semestre de 2010, 52 instituições públicas de Ensino Superior ofereceram mais de 47,9 mil vagas pelo sistema. Caso as instituições federais tenham interesse em selecionar seus alunos pelo modelo unificado para o ingresso no segundo semestre, o processo deve ocorrer em maio, e para disputar as vagas, os candidatos deverão utilizar as notas do Enem MAS NÃO Eduardo Santoro resume a ópera: Eu VAI acho que não passei em parte por causa do Enem. Além das críticas em uníssono com a maioria dos estudantes que fizeram a prova, para Eduardo, as questões não estavam muito bem elaboradas e pouco poderiam avaliar. Em seu caso, realmente. Eduardo tentava a vaga em um curso de Medicina, o mais concorrido em todo o país. O retrato do novo Enem. Sentado em sua carteira, pronto para realizar a primeira prova do novo Exame Nacional do Ensino Médio, Eduardo Santoro olha ao seu redor e se depara com uma sala que ficaria ainda mais vazia durante o segundo dia de provas. O cansaço no fim não seria apenas das questões longas, que exigem uma leitura apurada e detalhada além de uma resistência que seria no mínimo exemplar num país com os índices de educação que tem, especialmente nas escolas públicas. O cansaço também viria dos cerca de 12km que Eduardo percorrera desde sua casa até o local da prova. Ainda assim teve sorte. Não foi como os milhares de alunos em todo o país que tiveram de fazer a prova em outra cidade. Fracasso talvez fosse a palavra para resumir o novo modelo proposto para o Enem. No total, praticamente 40% dos inscritos não realizaram a prova e o vazamento de uma delas fez com que o exame fosse adiado em mais de um mês, prejudicando o processo seletivo de diversas universidades. Muitas delas simplesmente cancelaram o uso do Enem como parte da nota, como foi o caso da USP, Unicamp, FGV e, no Paraná, da UEPG. E quando tudo não poderia mais dar errado, com as provas finalizadas, o MEC divulga em seu site o gabarito errado. de Foz do Iguaçu, a maior dificuldade da prova é separar os alunos em cursos altamente concorridos, como é o caso de Medicina. O Enem é uma excelente prova para dizer quem são os bons alunos, mas ela não conseguiria dizer quem são os excelentes, afirma. Por isso, em sua opinião, a prova pode funcionar como uma primeira fase durante os processos seletivos, mas não elimina a necessidade de testar com mais profundidade certos conhecimentos essenciais dos futuros acadêmicos, que variam de acordo com a área. No caso dos alunos de Medicina, teríamos uma situação em que quase todos os concorrentes sérios tirariam 10, completa. No entanto, o professor Ganem concorda com muitos de seus pares ao dizer que a prova em si estava muito bem elaborada. Ela valoriza muito a interpretação de texto e a maior dificuldade é na quantidade de leitura, mas acredito que ela exige a qualificação mínima de um profissional. O novo Enem valoriza a formação de base. No Colégio Bertoni, os alunos, desde o 1º ano do Ensino Médio, precisam ler uma revista semanal para criar o hábito e dar subsídios na hora da redação. Aliás, a falta de textos de apoio na redação foi outra das maiores reclamações de alunos quanto à prova. O novo Enem está no caminho certo ao exigir uma formação de base mais sólida e mais familiaridade com leitura e conteúdo. Mas, ao torná-lo obrigatório para os alunos que desejam ingressar em universidades federais em todo o Brasil, não seria excluir os que possuem uma má formação no sistema público? UNIFICAÇÃO A ideia do Ministério da Educação é utilizar o Enem como um vestibular único para as universidades federais e dessa forma democratizar o acesso ao Ensino Superior gratuito. Um aluno que vive no Nordeste, por exemplo, poderia aplicar para uma vaga no Sul ou Sudeste e vice-versa. Por meio de um sistema pela internet, que passou a funcionar no fim de janeiro, o aluno tem três chances para tentar uma vaga. Para o professor Pedro Adriano Brandalize, do Colégio Acesso, de Curitiba, a prova pode ter algumas vantagens, mas certamente não ajuda a democratizar o Ensino Superior gratuito. Se todo o ensino no Brasil fosse uniformizado, com o mesmo foco e os mesmos objetivos, a proposta do Ministério seria viável, afirma. Como o Enem demanda um conteúdo que é pouco trabalhado na maioria das escolas públicas, ele acaba se tornando uma prova extremamente fácil para alguns alunos e difícil para outros. O vestibular, por sua vez, seria mais democrático porque dá mais oportunidade aos que estudam exclusivamente o conteúdo da prova. Prova fácil e básica. Foi a opinião da maioria dos alunos das escolas particulares. O Enem cobra muito pouco conteúdo, diz o futuro engenheiro civil Lucas Mendes dos Santos, que fez a prova em 2007 e no ano passado, sendo que, em ambos os anos, foi aprovado nos vestibulares da UFPR. Nada mudou entre um ano e outro, apenas o número de questões foi maior em 2009, afirma. A ideia da prova é boa, mas deveriam cobrar um pouco mais. É por isso que o professor Pedro Adriano acredita que um projeto ambicioso como o novo Enem não tem razão de existir sem um projeto conjunto que procure melhorar a educação no país. UNIVERSIDADE Com dificuldades, a reportagem da Escada conseguiu conversar com o do Curso Sepam, de Ponta Grossa. Na mesma hora, era divulgado o resultado do vestibular da Universidade Estadual de Ponta Grossa que, por causa do atraso na divulgação dos resultados do Enem, não foi incluído o Exame em seu processo de seleção como previsto inicialmente. Muitos alunos ficaram frustrados com o fracasso do Enem no ano passado, comenta. O projeto como um todo foi muito confuso, mas a ideia é boa, talvez não como uma forma de substituir completamente o vestibular mas, certamente, pode ser utilizado como uma parcela da nota. Outra dificuldade apontada pelo professor do Sepam é a adequação das universidades ao calendário formulado pelo Ministério da Educação. Muitas cancelaram quando o Enem teve de ser adiado por mais de um mês, devido ao roubo que ocorreu na gráfica que imprimia as provas. Fica muito difícil para a universidade depender completamente do Ministério, afirma o professor Rubens. ESCOLA E se, apesar dos balanços, o Enem continuar para eventualmente substituir o vestibular? Todos os professores entrevistados concordam que o conteúdo em seus colégios já está mais alinhado com o que pede o Enem, não pela prova em si, mas como uma tendência no ensino de maneira geral. No caso do Dom Bosco, já adotamos uma forma diferente de ministrar as aulas, que são mais contextualizadas e voltadas para 20 da prova, um vazamento provocou seu adiamento. Apesar dos balanços e tropeços, ao que tudo indica, o novo Enem veio para ficar, e aqui você encontra tudo o que precisa saber sobre a prova que promete unificar o vestibular no Brasil. O novo Enem assustou alunos e professores que Para o professor Frederico Ganem, diretor do Colégio Bertoni, professor Rubens Fustenberger Filho, um entendimento maior do tema, afir- foram se acostumando com a ideia até que, poucos dias antes 21 ma Heliomar Rodrigues Pereira, diretor pedagógico da instituição. Sem dúvida, se o Enem acabar substituindo os vestibulares, haverá uma mudança na maneira de se administrar o conteúdo para os alunos, continua. Ainda assim, Heliomar não acredita que os cursinhos devam acabar, já que os cursos pré-vestibulares continuarão a ajudar aqueles que necessitam de mais estudos para entrar em uma universidade. Nada mudou entre um ano e outro, apenas o número de questões foi maior em 2009.

12 Membro da equipe gestora do Enem, o professor Hélio Santos Santana esteve em Curitiba no final de 2009 para realizar uma palestra sobre a prova para diretores de escolas particulares de todo o Paraná. Na ocasião, a Revista Escada esteve lá e conversou sobre o Novo Enem. Revista Escada - O Enem pode vir a substituir todas as provas de vestibular tanto nas universidades federais quanto nas particulares? Prof. Hélio Santos Santana - A intenção é essa mesma, que o Enem acabe se consolidando, substituindo todas as provas diferentes que existem pelo Brasil, e que seja a grande maneira de os alunos serem selecionados do 3º ano para o curso universitário. É uma missão do Enem. Mas isso não acontecerá de forma autoritária ou arbitrária. Não é desta maneira que o Enem quer se impor. O Enem quer respeitar a diversidade, respeitar as idiossincrasias de cada estado, de cada realidade, de cada contexto. Essa substituição vai ser paulatina, vai ser vagarosa. E será uma decisão tomada não pelo MEC e sim pelas próprias instituições de Ensino Superior. Elas é que deverão tomar essa decisão de adotar o Enem como forma de seleção de seus futuros alunos. Ainda estamos na fase de implementação do Enem. Se tudo der certo, ele deve substi- RE - Qual é o conteúdo ideal RE - O senhor falou que a gente está numa fase de implementar. Então a ser cobrado? já se deve saber quais mudanças podem acontecer em PHSS - Eu diria que o ideal seria a PHSS - A fase de implementação, por natureza, é uma fase transitória. formação de competências e habilidades. Isso quer dizer que em 2010 já não é o Enem instalado, mas ainda estamos Fica um pouco complicado falar de nesta fase de implementação, que se arrasta por algum tempo até conteúdo conceitual, procedimental ou que se chegue ao ponto ideal daquilo que nós queremos. Mas teremos de atitude. Estes dois últimos são mais tuir o vestibu- algumas inovações, sim, e a mais clara será na área de conhecimento, fáceis porque dá pra cobrar um no Bra- 22 que é a entrada dos idiomas estrangeiros modernos na prova. Das 180 acho que a tomada de decisão não sil inteiro, porque é a proposta e uma 23 lar em todo o Brasil. questões, passaremos a ter 200 questões. Esta é a mudança que eu acredito ser a mais significativa para o ano de RE questões em dois dias, mais a redação... Esta implementação se torna mais difícil ainda com essa barreira dos professores em aceitar ou até mesmo colaborar? É uma mudança considerável, ainda mais para cursinhos... PHSS - Veja, você pode reagir às mudanças de três maneiras. Uma é fingir que aceitou a mudança, mas manter os velhos hábitos e as velhas formas. A outra é aceitar integralmente a mudança e passar por um processo que podemos chamar de conversão. Você muda seu direcionamento para aquilo que a gente quer fazer. E a outra é rejeitar completamente. O que nós precisamos entender é por que esta rejeição acontece - pode ocorrer por vários fatores. É claro que você está tocando num ponto que é essencial, é uma mentalidade, ou melhor, uma cultura, que é mais abrangente do que uma mentalidade. É uma forma de se fazer as coisas, uma visão de mundo. O que eu considero como aluno ideal, o que eu considero como conteúdo ideal? O que eu acho que meu aluno deve aprender? O que eu acho que eu devo ensinar? Então isso realmente pode se tornar ou um obstáculo pra qualquer tipo de mudança ou pode se tornar, parodiando o educador Ausubel, um subsunsor, uma âncora, uma base para que você possa produzir uma mudança mais sólida, mais firme, partindo da experiência que as pessoas já têm do seu próprio conhecimento, ou melhor, da sua própria competência. A fase de implementação é sempre uma incógnita. Você nunca sabe como isso vai acontecer. Você tem um conjunto de intenções e mobiliza todos os seus recursos, todos os seus materiais, todos os seus objetivos para alcançar aquela meta. Mas é preciso relativizar onde você está entrando. Por quê? Porque as dificuldades encontradas no Paraná podem não ser as dificuldades encontradas na Paraíba, por exemplo. E as dificuldades encontradas em Goiás podem não ser as dificuldades encontradas no Paraná. Então é preciso sempre uma análise ou uma interlocução com os verdadeiros sujeitos da educação. E quem são os verdadeiros sujeitos da educação? São as escolas, as direções, os professores, os coordenadores pedagógicos, os orientadores, os alunos, as famílias dos alunos, as autoridades ligadas às áreas de educação. É preciso ter esse diálogo. Só assim a gente pode alcançar os objetivos aos quais nos propomos. RE - Existe uma análise nesse sentido? PHSS - Sim. Há estudos constantes desde o primeiro momento do Enem. Há um grupo de profissionais em todos os estados do Brasil recolhendo e registrando todas as informações que são necessárias ao Enem. As decisões não podem ser fruto de uma postura subjetiva das autoridades do governo. É preciso levantar dados, já que essa mudança é uma mudança científica. Ela não é uma simples reflexão. Eu pode se apoiar na reflexão, ela tem que se apoiar na investigação, na experimentação e não na experimentação como experiência, usando os alunos como cobaias. É na experimentação de processos, de práticas. É nisso que nós nos apoiamos. Aí, sim, podemos tomar nossas decisões. Essas reuniões, como a que nós fizemos em Curitiba no fim de 2008, são importantes e servem de feedback, que é importante porque é impossível construir um projeto tão ambicioso como o Enem e ignorar justamente o público-alvo deste projeto. RE - E com essas visitas já é possível saber qual região aceitou melhor e aquela que ainda não aceitou? PHSS - Não é possível porque o que há é uma amostra. Você monta um quadro de tendências, a rejeição em estado tal é maior, a aprovação em outro estado é melhor. A partir daí trabalhamos com esses dados, nunca apenas com opiniões. A única opinião que tem valor é justamente a do público-alvo. A nossa opinião em si não tem valor. Temos que trabalhar com dados, senão nossos argumentos caem por terra. sociedade de uma nação inteira para ela mesma. Mas os conteúdos conceituais são bastante significativos em um lugar e em outros não tanto. A busca deve ser a de um conteúdo que complemente essas três formas que citei. Que seja conceitual, procedimental e de atitude. RE - Se bem implementado, o Enem deve mudar o perfil das escolas? PHSS - Das escolas, dos alunos, dos professores. O impacto vai ser significativo em toda a comunidade educacional. Se for adotado, implementado, executado e acompanhado, nós teremos essas mudanças. RE - É possível que acabem os cursinhos? PHSS - Não. Porque o que faz o cursinho sobreviver não é o conteúdo ou um tipo de vestibular que é feito. O que mantém um cursinho é o aluno que teve dificuldade em passar no vestibular, que apresenta deficiências na sua aprendizagem. É o aluno que precisa de uma ajuda para poder entrar em uma universidade. Em qualquer época, momento, lugar, desde que nós tenhamos uma prova como o vestibular, sempre vamos precisar de pessoas que necessitam dessa ajuda para poder passar por essa prova.

13 T / Bruno Reis F / istock MBA OU PÓS-GRADUAÇÃO? 24 Ambos são cursos de especialização e, como vêm após a graduação, também são cursos de pósgraduação. Seguindo a tendência de um número cada vez maior de recém-formados, a arquiteta Gisela Carnasciali Miró começou, em 2008, a fazer um curso de pós-graduação em Gestão de Negócios, na FAE Business School, em Curitiba. Durante a graduação, fiquei muito presa somente à arquitetura. Terminei o curso sem saber o que era um balanço, conta. A ideia de seguir no curso de especialização surgiu de maneira natural. É importante ter noções de administração, ainda mais porque abri meu próprio escritório, completa. É o que pensa também o professor Belmiro Valverde Jobim Castor, para quem um curso de pós-graduação é de fato o caminho natural para o recém-formado no cenário profissional de hoje. O processo de especialização, na verdade, continua a graduação, marcada por um ensino muito amplo e com pouca ênfase em áreas específicas, afirma o professor da PUCPR. É exatamente o conhecimento dessas áreas que diferencia o profissional dentro de uma empresa ou na hora de conseguir um emprego. No entanto, as diferentes nomenclaturas muitas vezes confundem os alunos. A própria arquiteta Gisela não soube dizer a diferença entre uma pós-graduação em Gestão Empresarial e um MBA. E ela não está sozinha. Aliás, em muitos casos, não há mesmo nenhuma diferença, como veremos nas próximas linhas. A prática fez com que os cursos de pós-graduação divergissem muito no Brasil, tanto em carga horária quanto em qualidade, alerta o professor Valverde. Eles variam dos mais básicos aos mais avançados, chegando ao ponto de existirem MBAs menos completos do que outros cursos de pós-graduação. Mas, afinal, o que é um MBA? O pró-reitor de pós-graduação e pesquisa da Universidade Positivo, professor Bruno Henrique Rocha Fernandes, explica que a maior diferença é o público que o Master in Business Administration (MBA) atende. O termo foi cunhado em grandes escolas de negócio americanas e sua proposta inicial era a formação em alto nível para pessoas que estavam se preparando para ocupar - ou já ocupavam - cargos estratégicos em grandes empresas, esclarece. Por isso, o importante era a formação ampla em gestão, com um conhecimento sobre cada departamento, ao passo que outro curso de pós-graduação atenderia necessidades mais específicas de formação. Da proposta original, os cursos de MBA guardam muito pouco e, apesar do nome, o MBA não é considerado um mestrado no Brasil. Assim, os cursos não são fiscalizados pelo CAPES, órgão do MEC que avalia e credencia instituições de Ensino Superior. Hoje encontramos muitos cursos que se autodenominam MBA, acrescenta o pró-reitor. O próprio curso que a arquiteta Gisela está fazendo, por exemplo, poderia se chamar MBA se a instituição desejasse. Ainda assim, as instituições de renome geralmente mantêm a nomenclatura para os cursos que possuem um nível de exigência maior e que sejam voltados para um público diferenciado. Para quem é recomendado o MBA? Não há muito consenso. Embora originalmente o curso tenha sido criado para profissionais que já atuam há algum tempo no mercado e se preparam para ocupar cargos de gestão, já existem MBAs para áreas específicas. Geralmente é indicado em duas situações: para o profissional que está mudando de área ou para o que quer se atualizar, explica o professor do ISAE/FGV, José Carlos de Abreu. Um médico que irá ocupar um cargo de gestão num hospital, por exemplo, é um aluno em potencial de um MBA de Gestão Empresarial, exemplifica. O professor Bruno Henrique, da Universidade Positivo, concorda, e para os alunos recém-formados, como Gisela, recomenda outros cursos de pós-graduação com especialização em alguma área específica porque são geralmente os que fazem o diferencial do profissional no início de carreira. Isso também não impede que a pessoa venha a cursar, após uma maior bagagem profissional, um curso de MBA, segue o professor José Carlos. Mas não se recomenda nem a pós-graduação e nem o MBA para quem queira seguir a carreira acadêmica. São cursos estritamente voltados ao mercado de trabalho.

14 mo.men.to cul.tu.ral sm ar.ti.go adj m+f T / Isadora Hofstaetter I / Divulgação Nos Embalos da Arca de Noé The Beatles De uma coleção de caixinhas de música surge a sonoridade do CD Nos Embalos da Arca de Noé. Músicas de Vinicius de Moraes são compostas com o som de diversas caixas de músicas antigas, encontradas na coleção de Bia Guper. Durante três dias, uma equipe capturou o som de aproximadamente 30 caixinhas e depois de muito trabalho com o tratamento do áudio, o CD revela a delicadeza do material. Quer espaço, documentos raros e, de quebra, música boa? Esta edição limitada de um básico pen drive é muito mais que isso. Em formato de maçã, o pen drive é, na verdade, uma coletânea do The Beatles. Com capacidade de 16 GB, o gagdet une imagens raras da banda, 13 minidocumentários e 14 discos remasterizados, originais do box lançado no ano passado. Entre os sucessos: Love Me Do, She Loves You, Help, Yesterday, e Lucy in the Sky With Diamonds. E os lançamentos baseados nos Beatles não param por aí. Imagine saber exatamente como cada canção surgiu e como a criatividade do quarteto era alimentada. O biógrafo Steve Tuner convida os leitores do The Beatles - A História por Trás de Todas as Canções para entender melhor como as ideias do grupo de Liverpool surgiam. O jornalista Caldão Volpato, convidado pela editora do livro no Brasil - Cosac Naify - para fazer uma resenha, disse: as canções dos Beatles são como pessoas da família que admiramos e conhecemos desde o nascimento, com a diferença de que não morrem nunca. Ideal para quando é preciso colocar as crianças para dormir, o material foi produzido por Leão Leibovich e, apesar de não ser uma novidade - o CD foi lançado em , vale a pena ser conferido e estar sempre à mão quando os pequenos não se entregam ao descanso. Leão Leibovich, durante quatro dias, realizou um meticuloso trabalho de captura de sons e ruídos das caixas. Acionando grampo por grampo, corda por corda, tamborzinhos, campainhas, castanholas... o produtor conseguiu reunir um riquíssimo conjunto de registros sonoros. Produção Executiva CLAUDIA TORRES Ilustrações MARILIA PIRILLO Criação e Arte Finalização LEÃO LEIBOVICH Samplers, Arranjos, Mixagem e Masterização LÉO GUIMARÃES Assistência de LÉO MENDES Vozes LIANE MAYA, LILA SHAKTI e ANANDA FABRES Classificação pen drive: todas as idades Classificação livro: adulto Agradecimentos Especiais a LUCIANA DE MORAES, BIA GUPER, TONGA, BMG MUSIC, EUTERPE, JOBIM MUSIC e a todos os amigos que apoiaram este projeto. Idealização, Produção e Direção Geral LEÃO LEIBOVICH. João e Maria Na primeira quinzena de fevereiro, a bela história de João e Maria voltou às livrarias do país com um charme especial dado pela ilustradora Kveta Pacovská, uma tcheca que acredita que um livro ilustrado é a primeira galeria de arte visitada por uma criança. As 15 ilustrações de Kveta encontradas no livro exploram pintura, design, escultura, colagens e muito contraste. Os desenhos dão espaço para diferentes interpretações e figuram-se realmente como porta de entrada para o surpreendente mundo da arte. O texto dos irmãos Grimm já foi pano de fundo para as mais diversas adaptações e interpretações, figurando de filmes a parques (como o curitibano Bosque do Alemão). A tradução desta nova edição é de Mônica Rodrigues da Costa e Jamil Maluf. Classificação: a partir de 6 anos Um lápis para rabiscar... Classificação: ideal para bebês Marcas como Charles Paillard, Ernest Paillard, Bremond, Kallioppe, Regina e Pollyphon eram as responsáveis pela fabricação das melhores caixas de música do mundo. A maioria delas era também fabricante de relógios e instrumentos de precisão. Antes do fonógrafo de Edison que conseguiu finalmente, em 1925, gravar e reproduzir a voz humana e sons exteriores, as caixas de música dominaram o planeta sendo produzidas e exportadas para inúmeros países contendo canções previamente encomendadas pelos distribuidores. Por esta razão não é raro encontrarmos caixas suíças ou alemãs reproduzindo músicas brasileiras do século XIX. 26 sm T / Raquel A. Momm Maciel de Camargo - Diretora de Ensino da Educação Infantil do Sinepe/PR Alice no País das Maravilhas Lewis Carroll encantou e continua encantando gerações com a história nonsense da garotinha Alice. A cada espaço de tempo, que pode ou não ser cronometrado pelo coelho apressado que figura o livro, uma nova edição é lançada. Com acabamento diferente, em forma de filme, peça teatral ou mesmo com uma tradução inovadora, Alice no País das Maravilhas é sempre uma boa pedida e - o melhor - para todas as idades. No início do ano, os fãs de Alice ganharam ótimos motivos para se orgulhar: uma edição belíssima da Cosac Naify com tradução de Nicolau Sevcenko e ilustrações de Luiz Zerbini chegou a todo o país. A surpresa de Tim Burton, que encara Alice numa leitura em linguagem cinematográfica, promete dar o que falar. Como o filme ainda não está disponível no Brasil, foquemos no livro, ou melhor, nos livros. A Cosac Naify publicou duas novas edições: uma especial e limitada, focada em colecionadores, e outra que só perde pela falta da caixinha em formato de baralho que acompanha a primeira. Duas obras de arte. Zerbini, artista plástico paulista que ilustrou a publicação, criou cenários feitos de cartas de baralho das quais saltam os personagens por meio de recortes. As maquetes foram fotografadas com iluminação teatral, com direito a jogos de luz e sombra. Sevcenko, que é historiador e professor de Harvard (EUA) e da USP, caprichou na tradução - que é integral. O texto é gostoso de ler e um convite para as crianças sentarem ao redor e ouvirem. Não à toa, as duas edições foram as publicações mais vendidas da Cosac Naify dos meses de dezembro de 2009 e janeiro de Classificação: todas as idades Bia Guper, coleciona caixas de música antigas e dá continuidade ao trabalho de seu falecido marido o médico Milton Guper. Sete anos de idade. Meus pais compraram uma enciclopédia Barsa. O resumo do saber do mundo cuidadosamente compilado em 16 luxuosos volumes. Sempre manuseado com cuidado, o material foi de utilidade incrível durante toda a minha formação básica. O arranjador e engenheiro de som Leonardo Guimarães utilizou um microfone Shure SM81, um pré-amplificador API e o Sampler Halion para captar todos os sons das caixas. Sete anos de idade. Minha filha ganhou um notebook. Através da internet, ela tem acesso à maior parte dos conteúdos de pesquisa solicitados pelos seus professores. No intervalo de tempo entre o início da nossa vida escolar e da de nossos filhos, aconteceram muitas mudanças. Muitas coisas tornaram-se mais acessíveis, mais fáceis. Outras, nem tanto. Difícil mesmo tornou-se identificar no que vale a pena investir para assegurar um bom desempenho na vida escolar de seus filhos. Eu diria a você: escolha uma boa escola. E também invista num espelho grande, em diferentes folhas de papel, e num lápis bem macio para rabiscar... Não é uma visão simplista. Ao contrário, estrutural. Toda estrutura de pensamento que seu filho desenvolver irá necessariamente passar pela visão que ele tem dele próprio. Da imagem que tem de seu próprio corpo. Difícil é imaginar como a criança constrói uma imagem sobre seu próprio corpo quando não tem um espelho para se ver de corpo inteiro. Quase irônico é pensar em milhares de famílias, insistindo que seus filhos aprendam a escovar direitinho os dentes e o cabelo quando sequer na pontinha dos pés os pequenos conseguem ver seu rostinho no espelho - ou em escolas de Educação Infantil, onde não existe um espelho para o pequeno se ver de corpo inteiro. A imagem do próprio corpo será internalizada pela criança, pouco a pouco, com a ajuda de um adulto competente, nomeando cada parte do corpo com ele em frente ao espelho. Mostrando, repetindo. E depois reproduzindo. É numa folha de papel, e com um lápis para rabiscar, que seu filho irá aos poucos estruturar o desenho do que ele entende dele próprio. Incentive seu filho a registrar no papel o que ele viu no espelho. Vale comemorar o primeiro cabeção, com olhos imensos, que ele registra no papel. Guarde para sempre aqueles desenhos incríveis, dos braços e pernas diretamente ligados à cabeça... Parabenize. Cole na geladeira. E volte ao espelho. Diga com carinho: você já fez seus olhinhos e boca, agora vamos desenhar o nariz. Cada vez que ele conseguir sozinho, lembre de mais uma parte de seu corpo no desenho, elogie e apresente uma nova parte do corpo: as orelhas, o cabelo... De todo o processo, parece que o mais difícil é representar o corpo sem fazer as pernas e os braços diretamente ligados à cabeça. Por isso, a importância do espelho. Com tranquilidade, faça-o perceber toda a estrutura de seu corpinho. Em breve, uma barriga enorme - com o umbigo bem demarcado - irá fazer parte do seu gracioso desenho. É um tempo de crescimento. Mais que um desenho qualquer, a representação 27 do próprio corpo indica o grau de amadurecimento de uma criança. É através de seu próprio corpo que a criança irá relacionarse com o mundo que a cerca. O corpo é o ponto de referência para desenvolvimento da lateralidade e das noções espaciais. É através do próprio corpo que a criança vai aprender a distinguir a direita da esquerda. A partir daí, escrever da esquerda para a direita é possível. Compreender o que é em cima e embaixo também. Você já se deu conta que muitas letras são apenas uma bolinha com um risquinho? Pense na semelhança do b, d, p, q. São as noções de esquerda e direita, em cima e embaixo, que irão permitir à criança diferenciar cada uma delas. E é a imagem do próprio corpo que irá permitir criar essas estruturas. Mas acho que esse é um papo técnico que não interessa a você. Quer investir em seu filho? Escolha uma boa escola. Mas compre também um espelho grande, muitas folhas de papel, e um lápis macio para ele rabiscar...

15 ar.ti.go sm T / Jacir J. Venturi - Vice-presidente do Sinepe/PR ar.ti.go sm T / Esther Cristina Pereira - Diretora de Ensino Fundamental do Sinepe/PR DROGAS: LUZ, MAIS Iniciamos este texto com uma metáfora: em 1833, Goethe, o maior literato alemão, já em seu leito de morte, pronunciou suas derradeiras palavras: Lich, mehr licht! Luz, mais luz! Uma frase instigante não apenas sob o aspecto histórico, mas, antes de tudo, sob um aspecto simbólico e atitudinal. Não há problema que se resolva sem que projetemos alguma ou muita luz sobre ele. A droga ilícita é um limbo sombrio, enrustido, silente, mas com efeitos devastadores. Deve ser tratada como um problema policial, sim, mas também como um problema social e de saúde pública, a exemplo mais atraente, os traficantes investiram COMO AVALIAR UM PROCESSO Com o intuito de tornar a maconha do câncer, álcool, tabaco, da Aids, Gripe A, pesadamente no incremento da potência e com intensa participação da comunidade Mais um exemplo de que, no início do da cannabis a ponto de seus malefícios DE PSEUDOCLASSE MÉDIA? 28 científica e civil, da mídia e das escolas. banimento do cigarro, o fogo gerou muito estarem próximos aos de outras drogas 29 Na década de 70, o câncer era uma palavra maldita e impronunciável, e hoje o tema circula abertamente em qualquer ambiente, facilitando a prevenção e o diagnóstico. Nos anos 80, ser aidético era sinônimo de pederasta (homossexual). Um conhecido meu, colecionador de namoradas, fazia chiste: Se eu morrer de Aids, divulgue que eu era hemofílico. A hemofilia era a única justificativa ante a homossexualidade. Tabu, vergonha extrema e preconceito pairavam sobre os infectados, a ponto de serem segregados como os leprosos - hoje hansenianos - do evangelho. O HIV saiu do armário escuro e as causas da transmissão são amplamente conhecidas. Hoje bem aceita, a camisinha era, no passado, rejeitada sob o argumento de que ao transar com camisinha perdia-se a libido, tal qual chupar bala com papel. Projetava-se uma pandemia, e, no entanto, o vírus navega em uma curva decrescente, com queda de 17% nos últimos oito anos. Analogamente, embora não eivado de preconceito, o surto da Gripe A se amainou quando todos os holofotes foram lançados sobre o problema e pela mudança de hábitos da população. Há 20 anos, começaram as medidas antitabagistas por causa dos malefícios à saúde, à estética pessoal, ao fumante passivo. Paulatinamente, desconstruiu-se o glamour. Ou, numa apropriada síntese da revista Veja: No apogeu, era símbolo das mais instintivas ambições humanas: a riqueza, o poder, a beleza. No caso, virou câncer, dor e morte. O descenso no número de fumantes foi de 32% para 17% da população brasileira, atingindo-se um dos mais baixos índices do mundo. O número de ex-fumantes (26 milhões) já supera o de fumantes (24,6 milhões). calor (embates) e, na sequência, muita luz. Atualmente, não há fumante que não se autopuna, e o seu remorso é maior que o prazer de suas baforadas. O tabaco é um vício poderoso. Deixá-lo - dizem - é mais difícil do que livrar-se do álcool, da maconha ou cocaína. Dados recentes da Senad (Secretaria Nacional sobre Drogas) indicam que cerca de 12% da população brasileira tem algum tipo de dependência em álcool ou outras drogas que geram comportamentos de risco ou violência. Não se trata de advogar a total abstinência da bebida, pois todos sabem - evidentemente com temperança - dos benefícios da descontração e alegria de alguns copos de cerveja na companhia dos amigos ou do vinho na presença de quem se ama. Só para fazer blague: uma das maiores descobertas da ciência foi o resveratrol contido no vinho tinto, que é benéfico ao coração. Onde reside o problema? Evidentemente, há pessoas que não sabem beber, e a diferença entre o veneno e o remédio é uma questão de dosagem. Em relação aos entorpecentes ilícitos, duas atitudes extremadas são comumente manifestadas em relação ao usuário: como um delinquente ou então como um coitadinho. Nada pior. Nada de marginalização e tampouco de leniência ou lirismo, uma vez que o usuário é coautor dos delitos praticados pelos traficantes. Estamos iniciando mais uma década e vislumbro que poucos temas serão tão recorrentes quanto o álcool, a maconha, a cocaína, o crack e os alucinógenos. com origem em plantas, como a cocaína e a heroína. As drogas sintéticas - ecstasy e LSD - mais consumidas nas raves e na night podem ser facilmente adquiridas pela internet, nas baladas ou através dos colegas universitários. Ademais, alegandose um suposto controle de qualidade na produção, fez-se com que o incremento de usuários aumentasse em 115%, desde O crack provoca dependência quase instantânea, e seus efeitos são devastadores à saúde física, mental e moral. É apavorante o aumento no número de apreensões no Paraná: 1.110% nos últimos quatro anos. Percorreu-se, e ainda se percorre, um espinhoso caminho na busca da redução dos danos causados pelo câncer, tabaco, pela Aids, Gripe A e pelos preconceitos. Maior é o desafio no combate inclemente às drogas ilícitas, ao glamour e aos excessos da bebida. Cada problema com sua peculiaridade, sua fita métrica. É imprescindível a intensa participação do governo, da comunidade científica e civil, da mídia e das escolas. Maior deve ser a energia nesse enfrentamento. Haja luz! Fiat lux, manifestou-se o Criador ante as trevas que cobriam a Terra. A cada dia surgem ao nosso redor pessoas mais abastadas, financeiramente falando, vivendo e criando seus filhos dentro de uma realidade de consumismo desenfreado. É uma realidade advinda da melhoria das condições econômicas do nosso país, com uma economia emergente. Com o consequente aumento do padrão de vida, surge uma nova classe média, que frequenta shoppings, que compra coisas caras, que abastece o filho com o que tem de melhor, que troca a escola pública pela particular, que viaja para o exterior. Situações diferentes que não víamos anteriormente. É uma classe de pessoas que batalhou e trabalhou muito para chegar onde está hoje, com a viabilidade da casa própria, mesmo sendo financiada, do carro próprio, mesmo sendo financiado, do emprego estável e do curso superior, valorizando acima de tudo o ter, o possuir. São pessoas que partem do princípio dos antigos senhores de engenho, que existem pessoas para servi-las, que é apenas pagar e o servimento ocorrerá, pensando que os serviçais ou os prestadores de serviço estão a seus pés, pois pagam por isso, como se o dinheiro valesse por tudo. Um exemplo: frentistas de posto de gasolina, atendentes de panificadora, pessoas da escola, professores, coordenadores, porteiros, secretárias, empregados domésticos ou diaristas. Para muitos, esses profissionais são apenas serviçais, que estão à disposição de seus caprichos. Só que esquecem que nessas pessoas também batem corações. Que são humanos. Seres humanos. Com esses exemplos quero mostrar que para muitos basta ter dinheiro. E lá se vai a boa educação (que o dinheiro pode pagar!) e, não raras vezes, vem a arrogância que normalmente o dinheiro traz. Uma pena. É um tal de pago para burlar normas, para aprovar meu filho na escola, pago e, portanto, posso chamar o professor de incompetente, pago o direito a direitos que nem existem. É essa a concepção da vida que essas pessoas têm. Como se as regras de bom convívio da humanidade tivessem mudado por conta de uma conta bancária mais abastada. Ter uma conta bancária razoável não dá o direito a ninguém de pisar e tripudiar em cima dos outros. É preciso que essas pessoas percebam a necessidade de validar os conceitos de educação, humildade, honestidade e dignidade humana. Nisso tudo e com isso tudo, estamos começando a colheita de crianças sem referenciais, ou com referenciais diferentes de vida, de concepção errônea do que realmente vale a pena. O que vale a pena? Uma corrida diária pelo ter e um esquecer-se do que é o ser, o ser verdadeiro? Nós, pais e educadores, precisamos conceber o que mesmo valerá a pena na educação dos nossos filhos. O que é para toda a vida. Não digo que ter dinheiro é algo ruim, mas que dinheiro não compra respeito e educação pelo outro, educação no trânsito, parcimônia na resolução de problemas, entendimento de regras, do certo e do errado, do verdadeiro e do falso, educação ao falar com as outras pessoas, coisas que nossos filhos copiam de nós. Vale a reflexão. Qual a verdadeira herança que deixaremos para nossos filhos?

16 ar.ti.go sm T / Ademar Batista Pereira - Presidente do Sinepe/PR 30 DITADURA DOS FISCAIS A maioria dos brasileiros com mais de 40 anos, de alguma forma, lutou pelo fim da ditadura, entendendo que num país democrático teríamos mais liberdade e melhores condições para produzir. Ledo engano! Hoje, nos deparamos com uma ditadura mais cruel, mais dura, e que ataca a todos ou pelo menos a todos que precisam de alguma liberação do governo para produzir. É a DITADURA DOS FISCAIS. E são muitos! Temos diversos órgãos com poder ditatorial, que atacam sempre as empresas. Sejam elas pequenas, médias ou grandes, lá estão eles, com seu poder ilimitado para interpretar a lei, e AUTUAR. 1 - Fiscal do Corpo de Bombeiros; 2 - Fiscal da Vigilância Sanitária; 3 - Fiscal da Receita Estadual; 4 - Fiscal da Receita Municipal; 5 - Fiscal dos conselhos profissionais, de Educação Física, Nutrição, Contabilidade, Bibliotecários, dentre outros. Anualmente, as empresas precisam renovar as vistorias, especialmente as do Corpo de Bombeiros e da Vigilância Sanitária, pois são documentos extremamente valiosos e têm duração de um ano. Para conseguir tais preciosidades, as empresas precisam recolher uma taxa, que muitas vezes chega à casa dos milhares de reais, e dar entrada à solicitação, aguardando ansiosamente pela presença do FISCAL. Não sei se acontece somente com as escolas, mas é praticamente impossível que se consiga a liberação na primeira visita. De pranchetas na mão, os fiscais andam pelas empresas, anotam tudo e depois enviam, em um polpudo relatório, a NOTIFICAÇÃO de inúmeros problemas que precisam ser resolvidos. Apenas depois, a empresa pode solicitar nova visita, onde será verificado se as orientações foram atendidas. Se sim, a liberação do precioso documento deve chegar após um processo que costuma demorar mais de 90 dias. Atualmente, os empresários gastam mais de 50% do seu tempo buscando papéis, certidões e comprovando sua idoneidade. Tempo este que poderiam utilizar para melhorar a qualidade de seus produtos ou serviços e atendendo melhor os seus clientes, ou seja, produzindo e gerando mais riqueza, IMPOSTOS. Se não bastasse a fiscalização, o poder intangível e sobrenatural desses órgãos em geral se concentra em profissionais sem preparo de relacionamento, desprovidos de qualquer bom senso, e que quando questionados respondem de forma direta e padronizada: É a norma. Quando as autoridades governamentais tratarão o contribuinte como cliente? Quando as autoridades perceberão que podem matar a galinha dos ovos de ouro? Até quando teremos que suportar isso? Se essa situação não começar a mudar, não tenham dúvida, em 10 ou 15 anos, teremos apenas dois tipos de empresas no Brasil: as grandes e multinacionais e as informais.

17

Sistema completa quatro anos com crescimento significativo e novos problemas

Sistema completa quatro anos com crescimento significativo e novos problemas Sistema completa quatro anos com crescimento significativo e novos problemas AMANDA POLATO 10/02/2014 07h00 - Atualizado em 10/02/2014 13h31 Kindle O Sisu, sistema que seleciona alunos para instituições

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

UVV POST Nº61 11 a 17/08 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

UVV POST Nº61 11 a 17/08 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional ESTÁGIO CURRICULAR E MONITORIA DE ENSINO Estão abertas inscrições para alunos regularmente matriculados

Leia mais

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual Por: Rosana Rodrigues Quando comecei a escrever esse artigo, inevitavelmente fiz uma viagem ao meu passado. Lembrei-me do meu processo de escolha de carreira e me dei conta de que minha trajetória foi

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco NOTÍCIAS Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco Mobilizar. Colaborar. Transformar. Muitas foram as motivações que levaram você e mais 791 colaboradores Itaú Unibanco (e

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1

M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1 M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o próprio INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade básica,

Leia mais

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda )

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda ) PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda ) Introdução O PROPAV foi instituído para permitir à Universidade

Leia mais

INFORME UVV-ES Nº9 15-21/04 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

INFORME UVV-ES Nº9 15-21/04 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO A cadeira que você senta, o quadro que o professor escreve, o portão

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Clipping de Notícias Educacionais

Clipping de Notícias Educacionais Os resultados do Enade são utilizados pelo MEC na elaboração do Índice Geral de Cursos (IGC) e do Conceito Preliminar de Curso (CPC), indicadores de qualidade de instituições de ensino e de seus cursos

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO EDUCAÇÃO 38 GRUPO POSITIVO Contribuição para o desenvolvimento Positivo trabalha para que sua contribuição ao ensino de O qualidade extrapole suas unidades e alcance de forma construtiva toda a sociedade.

Leia mais

PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL?

PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL? PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL? Em épocas de vestibular, cerca de 1,8 milhão de jovens vão escolher uma profissão e dar arrepios no mercado, ou ficarem arrepiados, dando assim o primeiro empurrão

Leia mais

Um grupo de alunos e uma professora. que decidiram escrever um livro...

Um grupo de alunos e uma professora. que decidiram escrever um livro... Um grupo de alunos e uma professora que decidiram escrever um livro... Tudo começou com um garoto chamado Luan que, num belo dia, resolveu compartilhar sua história... Luan Cardoso era um menino de apenas

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD Thatiana Sakate Abe 1 abe.thaty@gmail.com Bianca Serico Leite biancaserico@hotmail.com Fabiano Antonio Bessani

Leia mais

A importância de um plano de aposentadoria complementar

A importância de um plano de aposentadoria complementar INFORMATIVO É a melhor maneira de planejar a sua aposentadoria; Poupança com 100% de rentabilidade - Parte Patrocinadora; Rentabilidade totalmente revertida ao participante Datusprev sem fins lucrativos;

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015 M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1 Manual do Enem 2015 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

Novo curso da Univesp inicia processo seletivo

Novo curso da Univesp inicia processo seletivo Edição 12 de 1 a 7 de junho de 2010 VISITE A PÁGINA DA SALA DE IMPRENSA DA EACH. ALÉM DO CLIPPING SEMANAL, VOCÊ PODERÁ ENCONTRAR OUTRAS NOTÍCIAS IMPORTANTES SOBRE A NOSSA ESCOLA http://each.uspnet.usp.br/each/sala-imprensa.php

Leia mais

A REVISTA 1.044. MOOCs. Uma lista com. opções de graduação E MAIS: VALORIZE SEU CURRÍCULO CURSOS PÚBLICOS APRENDA UM IDIOMA PELA INTERNET

A REVISTA 1.044. MOOCs. Uma lista com. opções de graduação E MAIS: VALORIZE SEU CURRÍCULO CURSOS PÚBLICOS APRENDA UM IDIOMA PELA INTERNET MÍDIA KIT 2014 Os Guias de Educação apresentam um amplo banco de dados sobre instituições de ensino e cursos oferecidos de maneira presencial e a distância em todo o país. A REVISTA Facilitada pelas inovações

Leia mais

Erros Críticos. 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos...

Erros Críticos. 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos... Erros Críticos 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos......E Como Você Pode Evitá-Los, Para Aprender Qualquer Idioma Em Meses E Não Em Anos. Olá, meu nome é Frank Florida, gringo

Leia mais

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv Viçosa Agosto 2015 APRESENTAÇÃO A Wizard Idiomas é a maior rede de franquias no segmento de ensino de idiomas do Brasil. Os dados são da Associação Brasileira de Franchising

Leia mais

Prepare-se para Faculdade. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios

Prepare-se para Faculdade. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Prepare-se para Faculdade Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Sucesso $$$ sonho habilidade Passos para Faculdade 1- Conhecer você mesmo. 2- Características da faculdade.

Leia mais

Respostas dos alunos sobre o curso

Respostas dos alunos sobre o curso Respostas dos alunos sobre o curso Aplicação INDICADOR: ENSINO QUESTÃO: EM TERMOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA, QUE ATIVIDADES VOCÊ CITARIA COMO UM DIFERENCIAL DO CURSO? FACULDADE: PÇL - NÚCLEO DE ARTE E TECNOLOGIA

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA Catya Marques Agostinho de Araujo Amanda Pérez Montanéz (Orientadora) RESUMO Esta investigação tem por objetivos pesquisar, estudar e

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

Dos cursos de MBA, apenas 2,5% são feitos pela internet

Dos cursos de MBA, apenas 2,5% são feitos pela internet Dos cursos de MBA, apenas 2,5% são feitos pela internet Cursos de Master Business Administration (MBA) a distância são minoria no Brasil se comparados aos presenciais. Dos cerca de 4,1 mil MBAs registrados

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

Sistemas Estruturados de Ensino e Redes Municipais do Estado de São Paulo

Sistemas Estruturados de Ensino e Redes Municipais do Estado de São Paulo Sistemas Estruturados de Ensino e Redes Municipais do Estado de São Paulo Coordenadora: Paula Louzano Marcio Kameoka Valéria Rocha Adriana Borges Avaliação pedagógica: Rosa Barros Elenita Berger Rosana

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR Nas contas do ex-reitor da USP, anteprojeto da reforma não atende ao acordo com os reitores REFORMA UNIVERSITÁRIA Gabriel Manzano Filho O aumento de recursos

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho 1 de 5 29/6/2010 00:34 www.ibmeconline.com.br De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho Autora: Patrícia Carla de Souza Della

Leia mais

FAEL comemora 15 anos de atividades

FAEL comemora 15 anos de atividades ANOS FAEL comemora 15 anos de atividades Hoje, comemoramos 15 anos de um projeto que visa à democratização do ensino e que tornou a FAEL uma referência em educação de qualidade. Com o objetivo de proporcionar

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS JOÃO DANILO BATISTA DE OLIVEIRA E CARLOS ALEXANDRE ANDRADE DOS SANTOS (depoimento)

Leia mais

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Rosiane de Jesus Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Brasil rosijs7@yahoo.com.br Wederson Marcos Alves Universidade

Leia mais

PROJETO TERCEIRÃO PRÉ-VESTIBULAR COLÉGIO OFICINA - VITÓRIA DA CONQUISTA

PROJETO TERCEIRÃO PRÉ-VESTIBULAR COLÉGIO OFICINA - VITÓRIA DA CONQUISTA PROJETO TERCEIRÃO PRÉ-VESTIBULAR COLÉGIO OFICINA - VITÓRIA DA CONQUISTA EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA DO TERCEIRÃO 2015 Diretoria Geral- Wagner Rocha Diretoria Pedagógica- Magali Mendes Diretoria Financeira

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Graças ao Coaching. eu descobri o que havia de melhor em mim. Bhia Beatriz

Graças ao Coaching. eu descobri o que havia de melhor em mim. Bhia Beatriz Graças ao Coaching eu descobri o que havia de melhor em mim Bhia Beatriz 1 2 Graças ao Coaching eu descobri o que havia de melhor em mim Ilustração da Capa Nádia Krummenauer Artista Plástica Arte Final

Leia mais

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas A atratividade da Carreira Docente no Brasil Fundação Carlos Chagas Questões de pesquisa Quais são os fatores relacionados à atratividade das carreiras profissionais? E especificamente da carreira docente?

Leia mais

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR INTRODUÇÃO Você está cansado de falsas promessas uma atrás da outra, dizendo

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA CURSO DE ENFERMAGEM MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES Belo Horizonte 2011 1 Presidente do Grupo Splice Antônio Roberto Beldi Reitor Luis Carlos de Souza Vieira Pró-Reitor

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM

As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM Prof. Ph. D. João Benedito dos Santos Jr. Prof. M. Sc. Will Ricardo dos Santos Machado Curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

CURSO EXCLUSIVO IBECO

CURSO EXCLUSIVO IBECO PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR EM ESTÉTICA CURSO EXCLUSIVO IBECO Destinado aos docentes que atuam ou que pretendem atuar no ensino superior e profissionalizante da área estética, o curso

Leia mais

Aos 45 anos, Carlos Ferreirinha é fundador e presidente da

Aos 45 anos, Carlos Ferreirinha é fundador e presidente da Business Batemos um papo com o primeiro gestor de luxo do Brasil e ele abriu o jogo sobre o avanço do mercado em solo nacional, seus projetos e se ainda está em forma para exercer tudo isso. texto LUCAS

Leia mais

INFORME UVV-ES Nº44 17-23/02 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

INFORME UVV-ES Nº44 17-23/02 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA O NEaD oferece oito disciplinas para 36 cursos de graduação tradicional

Leia mais

UVV POST Nº74 10 a 16/11 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

UVV POST Nº74 10 a 16/11 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional 15 ANOS DE NACOM Agência experimental da UVV-ES faz aniversário e comemora sua história vitoriosa com

Leia mais

I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea Universidade Federal de Ouro Preto

I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea Universidade Federal de Ouro Preto A Interdisciplinaridade e o Vestibular: Análise da Prática de Ensino Desenvolvida Durante o 3º ano do Ensino Médio do Colégio de Aplicação Universitário da UFV no ano de 2005 João Henrique Ferreira de

Leia mais

CBA PERFIL DO ALUNO. Certification in Business Administration

CBA PERFIL DO ALUNO. Certification in Business Administration CBA Pós - Graduação QUEM SOMOS PARA PESSOAS QUE TÊM COMO OBJETIVO DE VIDA ATUAR LOCAL E GLOBALMENTE, SER EMPREENDEDORAS, CONECTADAS E BEM POSICIONADAS NO MERCADO, PROPORCIONAMOS UMA FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

A vez e a voz das crianças

A vez e a voz das crianças 119 outubro de 2010-ESPECIAL CRIANÇA PARA LER NO AR A vez e a voz das crianças Às vésperas de 12 de outubro, Dia das Crianças, eu convido você, ouvinte, a refletir sobre os direitos das meninas e meninos

Leia mais

CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA

CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA Central de Cases CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA www.espm.br/centraldecases Central de Cases CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy, da ESPM SP. Recomendado para a área de Administração

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

RELATóRIO ANUAL 2012. victor civita. prêmio victor civita

RELATóRIO ANUAL 2012. victor civita. prêmio victor civita Angela Dannemann Diretora da Fundação Victor Civita Mensagem da diretora A data mais aguardada na Fundação Victor Civita todos os anos o Dia do Professor contou com uma festa especial em 2012. No dia 15

Leia mais

Vida na ESIC 28/09/12

Vida na ESIC 28/09/12 VIDA NA ESIC 9ª Edição Vida na ESIC 28/09/12 Vestibular 2013 Início 01/10/12 Programas Pós-Graduação ESIC são Recomendados por grandes publicações NESTA EDIÇÃO Os programas de pós-graduação, Masters e

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho?

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS 681 1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANEXO 4 - ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS SUJEITO UNIDADE DE CONTEXTO UNIDADE

Leia mais

Dois idiomas, uma criança

Dois idiomas, uma criança REVISTA EDUCAÇÃO - EDICAO 174 - OUTUBRO 2011 Educação Infantil Letramento Tamanho do Texto A+ A- Dois idiomas, uma criança Estudos apontam que alunos bilíngues apresentam ganhos cognitivos, mas o diálogo

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO PATRULHENSE PROJETO DE

Leia mais

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita!

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Hum, essa não é uma novidade. As outras também eram de certa forma inéditas, uma vez que o layout era baseado na estrutura dos Gurus, mas vamos lá,

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

palestras Capacitação Empresarial painel político compartilhando experiências

palestras Capacitação Empresarial painel político compartilhando experiências palestras Capacitação Empresarial painel político e econômico compartilhando experiências O sucesso DA SUA EMPRESA passa por aqui. Um evento, muitas oportunidades, novos negócios. O Gestão e Competitividade,

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES A FORÇA DO ENSINO: É NISSO QUE ACREDITAMOS. EDUCAÇÃO DE RESULTADOS: ESSE É O NOSSO FORTE.

MISSÃO VISÃO VALORES A FORÇA DO ENSINO: É NISSO QUE ACREDITAMOS. EDUCAÇÃO DE RESULTADOS: ESSE É O NOSSO FORTE. A FORÇA DO ENSINO: É NISSO QUE ACREDITAMOS. EDUCAÇÃO DE RESULTADOS: ESSE É O NOSSO FORTE. O Colégio Vital Brazil traz uma proposta pedagógica única na região: ensino forte, que visa à melhor sequência

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

Pedagogia in Foco. Faculdade Polis das Artes. Faculdade Polis das Artes na construção do Plano Municipal de Educação

Pedagogia in Foco. Faculdade Polis das Artes. Faculdade Polis das Artes na construção do Plano Municipal de Educação Pedagogia in Foco Faculdade Polis das Artes Volume 1, edição 1 2º Semestre de 2015 Destaques Faculdade Polis das Artes na construção do Plano Municipal de Educação O Plano Municipal de Educação PME, é

Leia mais

No evento participaram 31 estudantes que realizaram o intercâmbio nos seguintes

No evento participaram 31 estudantes que realizaram o intercâmbio nos seguintes O SWB Experience realizado no dia 10 de junho de 2015, no Campus Curitiba da PUCPR, teve como objetivo criar um espaço para compartilhar as experiências dos bolsistas graduação sanduíche do CSF que já

Leia mais

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PROPOSTA DE AÇÃO Sensibilizar os professores sobre a importância de incentivar seus alunos a participarem do Concurso

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Pós-graduação em Gestão das Minorias

Pós-graduação em Gestão das Minorias 1 Ascensão Acadêmica Pós-Graduação alavanca sucesso na carreira profissional Pesquisa coordenada pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 2010, indica que as pessoas que não

Leia mais

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS práticas colaborativas e políticas públicas Bianca Santana Carolina Rossini Nelson De Luca Pretto organizadores São Paulo Salvador 2012 1ª edição 1ª impressão financiamento

Leia mais

Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão) CURSO PRÉ-VESTIBULAR DA UNIOESTE UM AMBIENTE INTERDISCIPLINAR PARA FORMAÇÃO DE EDUCADORES Área Temática: Educação Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Aparecida Favoretto 2, Bruna S.

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

O início de minha vida...

O início de minha vida... Relato 1 Memórias de minha vida Juliana Pedroso 1 O início de minha vida... Perceber com clareza é o mesmo que ter a visão iluminada pela Luz da Alma. Podemos ficar livres da ignorância e ver corretamente

Leia mais

OBSERVAÇÃO DAS ATIVIDADES DO/A PEDAGOGO/A: NO ESPAÇO EDUCATIVO NÃO FORMAIS: AVALIAÇÃO REALIZADA NA IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO

OBSERVAÇÃO DAS ATIVIDADES DO/A PEDAGOGO/A: NO ESPAÇO EDUCATIVO NÃO FORMAIS: AVALIAÇÃO REALIZADA NA IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO OBSERVAÇÃO DAS ATIVIDADES DO/A PEDAGOGO/A: NO ESPAÇO EDUCATIVO NÃO FORMAIS: AVALIAÇÃO REALIZADA NA IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO Patrícia Rachel Fernandes Costa 1, Lia De Abreu Borges Carminhola 2, Daniela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Letras Diretoria Adjunta de Cultura e Extensão Cursos de Línguas Abertos à Comunidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Letras Diretoria Adjunta de Cultura e Extensão Cursos de Línguas Abertos à Comunidade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Letras Diretoria Adjunta de Cultura e Extensão Cursos de Línguas Abertos à Comunidade EDITAL PARA PROCESSO DE INSCRIÇÃO NOS CURSOS DE LÍNGUAS ABERTOS

Leia mais

Ser voluntário #issomudaomundo. Voluntariado. Cabe na sua vida. NOTÍCIAS. Ciclos fortalecidos em 2014 e novos ciclos que virão

Ser voluntário #issomudaomundo. Voluntariado. Cabe na sua vida. NOTÍCIAS. Ciclos fortalecidos em 2014 e novos ciclos que virão NOTÍCIAS Ciclos fortalecidos em 2014 e novos ciclos que virão Mobilizar e ampliar de forma estruturada. Esse foi o propósito da ação voluntária Estudar Vale a Pena, que em cinco anos de atuação impactou

Leia mais

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR Francisca Helena Carlos- Graduanda do 7º período do Curso de Pedagogia CAP /UERN Maria Solange Batista da Silva Graduanda do

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

+informado. Ele estudou e conseguiu um bom emprego. 2 O diploma que abre portas Amanco ao seu lado. 4 Capa: a Amanco mudou a minha vida

+informado. Ele estudou e conseguiu um bom emprego. 2 O diploma que abre portas Amanco ao seu lado. 4 Capa: a Amanco mudou a minha vida +informado Ano VII - nº 4 - Dezembro de 2013 Ele estudou e conseguiu um bom emprego... E, HOJE, É INSTRUTOR DO SENAI Guilherme Moreira fez o curso de Instalador Hidráulico Amanco... Conheça uma história

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

106 anos. educação de vanguarda. Para ler a realidade e escrever o futuro. A história de uma

106 anos. educação de vanguarda. Para ler a realidade e escrever o futuro. A história de uma 106 anos Publicação da Coordenadoria de Comunicação Social do Instituto Metodista Izabela Hendrix - imprensa@metodistademinas.edu.br Informativo do Colégio Metodista Izabela Hendrix - Outubro 2010 A história

Leia mais