RELATÓRIO ANUAL SICREDI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO ANUAL SICREDI"

Transcrição

1 RELATÓRIO ANUAL SICREDI

2

3 TEM MAIS FORÇA PRODUZ MAIS TEM MAIS AMIGOS FAZ ACONTECER É GENTE MODERNA

4 APRESENTAÇÃO Este Relatório Anual 2011 é um quais estão ligados entre si por uma relação de causa e consequência. Uma parte do trabalho está repleta de cifras e números, os quais, invariavelmente, retratam mais um ano extremamente positivo na trajetória de crescimento constante e solidez do Sicredi esta é a face consequência. A causa deste desempenho impressionante remonta aos princípios que inspiraram o surgimento do cooperativismo de crédito no Brasil, no início do século XX. O ideal cooperativo, desde seus primeiros passos, em 1902, com as iniciativas do padre Theodor Amstad, sempre carregou consigo a capacidade transformadora, o potencial de gerar benefícios coletivos para quem descobre a força da colaboração. Passados 110 anos do plantio das primeiras sementes do cooperativismo de crédito brasileiro, em Nova Petrópolis (RS), a campanha publicitária do Sicredi, lançada em 2011, resgata o slogan que expressa com perfeição estes conceitos centenários: gente que coopera cresce. É o que será demonstrado a seguir: unir o espírito cooperativo e as mais modernas ferramentas de gestão e tec- ro é a certeza de colocar o Sicredi em uma posição de destaque no cenário brasileiro inclusive como protago- cooperativas de crédito no país. Ao Sicredi, portanto, não surpreende que a ONU tenha escolhido 2012 como o Ano Internacional das Cooperativas. Esta força, que no mundo inteiro gera 100 milhões de empregos diretos e congrega 1 bilhão de associados, está no DNA do Sicredi. E vem crescendo continuamente prova disso é a marca de 2 milhões de associados e os ativos superiores a R$ 26 bilhões. O Sicredi almeja novos horizontes e desde 2010 está empenhado em seu Planejamento Estratégico E por quê? Porque o Sicredi acredita que quem coopera não apenas cresce, mas também tem mais força, produz mais, tem mais amigos, é gente moderna e faz acontecer. ATIVOS SUPERIORES A R$ 26 BILHÕES ATESTAM A FORÇA DO SICREDI 4

5 5

6 6

7 CENÁRIO O ano de 2011 mostrou-se positivo para a economia brasileira, com crescimento próximo a 3%. Já a economia mundial apresentou expansão de 3,8%, com os países desenvolvidos apresentando desempenho fraco, de 1,6%, e os países em desenvolvimento avançando 6,2%. Este último grupo seguiu sendo o motor do crescimento global, puxado por China e Índia. O desempenho da atividade em termos setoriais dentro do Brasil foi díspar, e o principal destaque foi o setor de Serviços, espe- Comércio. A taxa de desemprego em recorde de baixa próxima de 6% e a alta de 19% na carteira de crédito do Sistema Financeiro Nacional foram os principais impulsionadores. A Agricultura apresentou bom desempenho no ano safra 2010/11, quando preços altamente remuneradores ao produtor ajudaram a elevar a renda do campo. Para da estiagem e as consequentes quebras das safras de soja e milho na região Sul, o que foi amenizado pelos preços em patamares historicamente elevados. Já a Indústria foi o setor de pior desempenho no ano, sofrendo com restrições de oferta de mão-de-obra e com a concorrência das importações, permanecendo praticamente estagnada. Ainda em 2011, o Brasil e grande parte da economia mundial voltaram a ser afetados pela crise da dívida soberana na Europa, em especial em países como Grécia, Espanha, Itália, Irlanda e Portugal. Os investidores internacionais passaram a duvidar, novamente, da capacidade de alguns destes países honrarem seus compromissos. Como se não bastasse, na metade do ano a crise se agravou, na medida em que sua dívida esteve por ultrapassar o limite constitucional, e, até que o impasse fosse resolvido, o nervosismo to- com impactos negativos sobre a economia do país. Como a Europa e os EUA representam, aproximadamente, metade do PIB mundial, os efeitos destas adversidades sobre os demais países não podem ser desconsiderados. Foi justamente alegando a existência de efeitos nocivos destes riscos que o Banco Central do Brasil rompeu abruptamente com o processo de elevação da Selic e passou surpreendentemente a reduzi-la, encerrando 2011 em 11%. Como resultado de uma po- encerrou 2011 em 6,5%, muito acima do alvo central estipulado pelo Regime de Metas, de 4,5%. No início de 2012, embora os EUA tenham dado sinais mais positivos, seguem algumas inquietações a respeito da economia europeia. Embora haja disposição entre os países europeus e suas instituições em evitar um desfecho mais grave para a crise no continente, os riscos não devem desaparecer rapidamente. Dentro do Brasil, cabe mencionar a intenção do Governo em estimular a atividade econômica. Para tanto, os juros deste ano devem ser menores que os de 2011, e para cessário uma contenção dos gastos públicos, mesmo em ano eleitoral. Se os problemas advindos do exterior se mantiverem estáveis sem piora, o ambiente já se torna propício para o crescimento da economia brasileira em patamar semelhante ao de É possível concluir que o cenário para este ano, em geral, é positivo, com riscos podem ser minimizados pelos instrumentos disponíveis pelo governo brasileiro. Desta forma, projeta-se um bom ano para a economia e para os negócios. 7

8 FUTURO PROMISSOR O ano de 2011 foi marcado por uma caminhada repleta de bons acontecimentos que permitem visualizar um futuro promissor. Foi o ano de, mensalmente, todas as cooperativas, Centrais, SicrediPar e Organizações do Centro Administrativo Sicredi (CAS) acompanharem passo a passo os indicadores do Planejamento Estratégico , o que nos deu a foram corretos quando da construção do PE em Acolher o Banco Cooperativo Holandês Rabobank como um sócio do Sicredi e ter membros externos no Conselho da SicrediPar consolidaram o projeto de criação da Sicredi Participações e elevaram os aspectos de Governança no Sicredi. A parceria com a IFC Banco Mundial também colaborou com esta construção. ções do Banco Central trouxeram para as cooperativas no quesito Governança certamente trarão diferenciais impor- ção da Gestão Cooperativa. Aliado a isso, a ampla discussão em torno da construção de uma Política de Gestão de Pessoas para o Sicredi ganhou notoriedade e relevância para o futuro. Na esteira de uma série de ações Financeiras, Comerciais e de Processos, em que as melhorias foram percebidas e valorizadas pelas cooperativas, construiu-se um resultado consolidado muito robusto e uma evolução patrimonial que permitiu alavancar um crescimento em negócios, em carteiras em rede e, em especial, novos associados. O reconhecimento de organizações internacionais como WOCCU (World Council of Credit Unions) e DGRV (Confederação Alemã de Cooperativas), dentre outras, pelo modelo e marca Sicredi ganharam notoriedade quando em viagens, visitas internacionais e congressos, nos quais destacaram-se as participações organizadas e focadas de dirigentes e executivos, visibilidade esta que angariou respeito junto à Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Banco Central do Brasil (Bacen) e outros órgãos de destaque no País. do Sicredi que demonstraram ser colaboradores em prol da nossa causa e do nosso movimento cooperativista, o que permitirá celebrar o Ano Internacional das Cooperativas com muita participação. DESEMPENHO E CONSOLIDAÇÃO O presente Relatório, de cunho institucional, tem como objetivo registrar os fatos relevantes e o desempenho do conjunto das Cooperativas de Crédito Singulares, Centrais, Confederação, Fundação, Banco Cooperativo e empresas controladas, integrantes do Sistema de Crédito Cooperativo Sicredi. 2011, representam um crescimento de 72,1% em sobras, totalizando R$ 518,2 milhões, e de 28,8% nos ativos totais, que somaram R$ 26 bilhões, em relação à mesma posição de Uma análise mais detalhada demonstra o extraordinário desenvolvimento das várias famílias de produtos e serviços (seguros, consórcios, cartões de crédito e débito etc.), consolidando a atuação do sistema no atendimento integral das necessidades dos associados das Cooperativas de Crédito que o integram. Neste contexto de desempenho elevado e consolidação operacional, merecem destaque diversas ações institucionais e estra- de terceiro grau, mediante segregação da gestão estratégica de responsabilidade da SicrediPar e gestão operacional por uma única diretoria executiva responsável pela administração do Banco e das empresas controladas Administradora de Consórcio, Administradora de Cartões, Administradora de Bens e Corretora de Seguros, da Confederação e da Fundação Sicredi; II Efetiva parceria formal com o Rabobank representando o sistema cooperativo de crédito da Holanda, mediante participação minoritária formal no capital do Banco Cooperativo Sicredi S.A.; III Formalização da parceria entre a IFC Internacional Finance Corporation e o Banco Cooperativo Sicredi S.A., em uma operação única da instituição até o presente momento; IV Modernização da infraestrutura, processos, tecnologias, sistemas e demais itens do processamento de dados centralizados na Confederação; V Vigorosas melhorias em processos, canais de distribuição, produtos e serviços à disposição das cooperativas e dos seus associados. Isto posto temos a honra de apresentar, em nome de todas as administrações e colaboradores das organizações que integram 8

9 9

10 SUMÁRIO PERFIL GENTE QUE COOPERA CRESCE RESULTADOS GENTE QUE COOPERA PRODUZ MAIS GOVERNANÇA GENTE QUE COOPERA TEM MAIS FORÇA

11 PRODUTOS E SERVIÇOS GENTE QUE COOPERA É GENTE MODERNA PESSOAS GENTE QUE COOPERA FAZ ACONTECER COMUNIDADE GENTE QUE COOPERA TEM MAIS AMIGOS

12 12

13 Associados da cooperativa Sicredi Araguaia/MT desde 2007, quando iniciaram sua empresa, Artidonio Fontoura Cunha e Lilian Francisca Alves têm uma certeza: quando inaugurarem a nova sede da Atlanta Cosmetic Center, em Barra do Garças, reservarão um momento na cerimônia para reconhecer a importância da parceria com a cooperativa. Proximidade, segurança e credibilidade são diferenciais que, aliados à possibilidade de, ao final do ano, ainda se receber um retorno via distribuição de resultados, fazem com que o Sicredi seja a primeira opção para quem trabalha especialmente com crédito rotativo, capital de giro e antecipação de recebíveis. Eu recomendo a associados ou não, que ainda não conhecem tudo o que o Sicredi oferece, que procurem se informar. Ter relacionamento e proximidade com uma instituição séria e de respeito é muito importante para quem quer crescer, assegura Artidônio. ARTIDÔNIO FONTOURA CUNHA É ASSOCIADO SICREDI DESDE 2007 PERFIL GENTE QUE COOPERA CRESCE 13

14 PERFIL QUEM SOMOS O Sicredi opera com 115 cooperativas de crédito, integradas horizontal e verticalmente. A integração horizontal está representada na rede de mais de unidades de atendimento (UAs) e postos avançados, distribuídos em 905 municípios, em dez estados brasileiros. Na integração vertical, as cooperativas estão organizadas em quatro Centrais acionistas da Sicredi Participações S.A., uma Confederação, uma Fundação e um Banco Coopera- que atuam na distribuição de seguros, administração de cartões e de consórcios. Em dezembro de 2011, o Sistema superou 2 milhões de associados. Conta com mais de 13 mil colaboradores. MISSÃO EM DEZEMBRO DE 2011, O SISTEMA SUPEROU A MARCA DE 2 MILHÕES DE ASSOCIADOS Como sistema cooperativo, valorizar o relacionamento, oferecer soluções financeiras para agregar renda e contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos associados e da sociedade. VISÃO Ser reconhecido pela sociedade como instituição financeira cooperativa, comprometida com VALORES Preservação irrestrita da natureza cooperativa do negócio. Respeito à individualidade do associado. o desenvolvimento econômico e social dos associados e das comunidades, com crescimento sustentável das cooperativas, integradas em sistema sólido e eficaz. Valorização e desen volvi men to das pessoas. Preservação da instituição co mo sistema. Respeito às normas oficiais e internas. Eficácia e transparência na ges tão. AO LADO, CENTRO ADMINISTRATIVO SICREDI (CAS), EM PORTO ALEGRE (RS) 14

15 15

16 PERFIL SALA DE MONITORAMENTO DOS SERVIÇOS DE TI FUNCIONA 24 HORAS POR DIA, SETE DIAS POR SEMANA AS COOPERATIVAS DO SICREDI POSSUEM MARCA FORTE E CONTAM COM EMPRESAS ESPECIALIZADAS E GANHOS DE ESCALA EM TODOS OS NÍVEIS ESTRUTURA SICREDI COOPERATIVAS DE CRÉDITO Atuam no atendimento aos associados, pessoas físicas e jurídicas, que utili- do Sicredi. Têm como objetivos administrar os recursos e conceder empréstimos aos associados e prestar serviços São as instâncias decisoras do Sistema. CENTRAIS Difundem o coo perativismo de crédito e coordenam a atuação das coopera- de desenvolvimento e expansão. SICREDI PARTICIPAÇÕES e a deliberação de políticas de compliance, ética e auditoria. É através da SicrediPar que as decisões corporativas são formalizadas. CONFEDERAÇÃO SICREDI Provê serviços às empresas e entidades integrantes do Sicredi, nos segmentos de informática e administrativo e nas áreas tributária, contábil e de folha de pagamento. BANCO COOPERATIVO SICREDI É o instrumento de acesso das coo- - em escala os recursos e desenvolve produtos e serviços corporativos e políticas de comunicação, marketing e gestão de pessoas. Controla a Corretora de Seguros, a Administradora de Cartões e a Administradora de Consórcios. Também atua na gestão de risco. O Rabo Financial Institutions Development B.V. (RFID) - braço de desenvolvimento do grupo holandês Rabobank - detém 24,91% do capital votante do Banco Cooperativo Sicredi, e a SicrediPar, 75,09% deste capital. FUNDAÇÃO SICREDI Tem como objetivo estruturar, desenvolver e coor denar programas de ewducação que promovam o cooperativismo de crédito e a formação dos associados. 16

17 ORGANOGRAMA DO SICREDI ASSOCIADOS COOPERATIVAS CENTRAL SICREDI SUL CENTRAL SICREDI PR/SP CENTRAL SICREDI MT/PA/RO CENTRAL SICREDI BRASIL CENTRAL SICREDI PARTICIPAÇÕES S.A. Assembleia Geral Conselho de Administração Diretoria Conselho de Administração CONSELHO FISCAL AUDITORIA INTERNA DIRETORIA EXECUTIVA RABOBANK (RFID) BANCO COOPERATIVO SICREDI Assembleia Geral Diretoria CONFEDERAÇÃO SICREDI Assembleia Geral Diretoria FUNDAÇÃO SICREDI CORRETORA DE SEGUROS ADM. DE CARTÕES ADM. DE BENS ADM. DE CONSÓRCIOS PERFIL DAS CENTRAIS CENTRAIS ESTADOS COOPERATIVAS UNIDADES DE ATENDIMENTO ASSOCIADOS E POSTOS AVANÇADOS SUL RS e SC PR/SP PR e SP BRASIL CENTRAL MS, GO e TO MT/PA/RO MT, PA e RO TOTAIS FONTE: DADOS CORPORATIVOS - SICREDI. ATUALIZADOS EM 12/

18 PERFIL UNIDADES DE ATENDIMENTO BUSCAM OFERECER AS MELHORES CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DIFERENCIAIS SICREDI RELACIONAMENTO No Sicredi, o associado é o dono do negócio. Por isso as cooperativas buscam o máximo envolvimento de seus associados e participam ativamente da comunidade em que estão inseridas. INSTITUIÇÃO DA COMUNIDADE As cooperativas de crédito rever- área de atuação, em benefício dos associados e da comunidade. ATO COOPERATIVO O ato cooperativo se diferencia do relacionamento fornecedor-consumidor pelo fato do associado ser dono e usuário do negócio. AUTONOMIA As cooperativas têm alto grau de autonomia no âmbito local e regional e cumprem as mesmas regras/normas corporativas, atuando como um Sistema integrado. MODELO AGREGADOR DE RENDA Em função da natureza cooperativa, da organização em sistema e da forma como atuam no mercado, as cooperativas de crédito do Sicredi agregam renda aos seus associados e, indiretamente, também à comunidade. ORGANIZAÇÃO SISTÊMICA As cooperativas de crédito integrantes do Sicredi possuem uma marca corporativa forte e contam com empresas especializadas e ganhos de escala em todos os níveis, que determinam o crescimento sustentado e a sua continuidade. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA Como integrantes do Sicredi, as cooperativas de crédito diminuem seus riscos e se fortalecem, contando com instrumentos que oferecem associados quanto à comunidade. 18

19 PALAVRA COOPERAÇÃO FOI ESCRITA POR COLABORADORES EM MOSAICO DE AZULEJOS, NO CENTRO ADMINISTRATIVO SICREDI COOPERATIVISMO DE CRÉDITO O cooperativismo é um instrumento de organização econômica da sociedade. Criado na Europa no século XIX, caracteriza-se como uma forma de ajuda mútua através da cooperação e da parceria. A sociedade cooperativa é uma associação autônoma de pessoas unidas voluntariamente para satisfazer suas necessidades econômicas, sociais e culturais em comum, por meio de uma empresa de propriedade conjunta e de gestão democrática. PRINCÍPIOS UNIVERSAIS Adesão voluntária e livre Gestão democrática Participação econômica dos membros Autonomia e independência Educação, formação e informação Intercooperação Interesse pela comunidade Entre os vários tipos de cooperativas, existem as cooperativas de crédito, cria- constituindo-se em instrumento para que seus associados tenham acesso a produtos e serviços adaptados às suas necessidades e condições. Na América Latina, o cooperativismo de crédito teve início em 1902, na localidade de Linha Imperial, município de Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul, pelas mãos do padre suíço Theodor Amstad. NO MUNDO 1 BILHÃO DE ASSOCIADOS EM MAIS DE 100 PAÍSES FONTE: ACI E WOCCU NO BRASIL COOPERATIVAS DE CRÉDITO 9 MILHÕES DE ASSOCIADOS FONTE: ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS DO BRASIL (OCB) 19

20 20

21 A família Scherer nem precisaria fazer pose para a foto ao lado. De fato, Daniel Scherer, seus três irmãos e o pai trabalham juntos na propriedade que mantêm em Três Passos (RS), dividindo tarefas diariamente. Associados da unidade de atendimento ligada à Sicredi Celeiro RS/SC, eles utilizam todo o portfólio de produtos e serviços disponível para garantirem bons resultados na produção de grãos e na criação de gado de leite. Recentemente, duas linhas de crédito oferecidas pelo Sicredi via BNDES proporcionaram saltos na produtividade e agregaram renda para a família. Em 2010, os recursos foram investidos no confinamento de gado leiteiro. No ano seguinte, o empréstimo permitiu a aquisição de uma multiplantadeira. Mais ligado diretamente à cooperativa, Daniel já participou do Programa Crescer. E crescer, cada vez com melhores resultados, é tudo o que a família Scherer deseja. DANIEL SCHERER E FAMÍLIA SÃO ASSOCIADOS SICREDI EM TRÊS PASSOS (RS) RESULTADOS GENTE QUE COOPERA PRODUZ MAIS 21

22 RESULTADOS SOLIDEZ E CRESCIMENTO REAFIRMADOS As duas tabelas ao lado atestam: o cooperativismo é de fato e na prática um modelo econômico que contribui para a construção de um mundo melhor. No caso do Sicredi, estes uma instituição moderna, alicerçada não apenas no espírito cooperativista que une seus mais de 2 milhões de associados, mas também na competência de seu quadro de colaboradores, na tecnologia de ponta e na implantação e gerenciamento das melhores práticas. Dito de outra forma: os resultados ora apresentados Sicredi sabem há mais de 100 anos: cooperar é uma maneira inteligente e sustentável de viver. É por isso que o crescimento constante e sólido do Sistema permitiu que em 2011 se ultrapassasse a casa dos R$ 26 bilhões em ativos totais e dos R$ 3,6 bilhões em patrimônio líquido. Se analisados em separado os números do Banco Cooperativo Sicre- celebração não são menos relevantes. O Banco Cooperativo alcançou a marca de R$ 16,8 bilhões em ativos totais e um patrimônio líquido que ultrapassa R$ 437 milhões, com lucro líquido de R$ 54 milhões. Outra importante cifra é a geração de sobras (resultado positivo), que foi de R$ 518,2 milhões em é valorizar o relacionamento, ofere- renda e, em especial, contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos associados e da sociedade. Diante de tão consistente desempenho, só nos cresce. BANCO COOPERATIVO, CENTRAIS E COOPERATIVAS ATIVO TOTAL ATIVO PASSIVO RESULTADO CONSOLIDADO SICREDI DISPONIBILIDADES APLICAÇÕES INTERFINANC. DE LIQUIDEZ TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS RELAÇÕES INTERFINANC. E INTERDEPEND CRÉDITO COMERCIAL CRÉDITO RURAL OUTROS CRÉDITOS OUTROS ATIVOS PERMANENTE DEPÓSITOS OPERAÇÕES COMPROMISSADAS EMPRÉSTIMOS/REPASSES OUTROS PASSIVOS PATRIMÔNIO LÍQUIDO RECEITA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS DESPESAS INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA OUTRAS DESPESAS OPERACIONAIS RESULTADO NÃO OPERACIONAL SOBRAS * *As sobras não são integralmente distribuídas. Cada cooperativa gera suas sobras, que são direcionadas conforme estatuto e decisão assemblear. VALORES EM R$ MIL 22

23 BANCO COOPERATIVO SICREDI ATIVO TOTAL APLICAÇÕES INTERFINANC. DE LIQUIDEZ TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS ATIVO RELAÇÕES INTERFINANC. E INTERDEPEND OPERAÇÕES DE CRÉDITO CP OPERAÇÕES DE CRÉDITO LP PASSIVO OUTROS ATIVOS PERMANENTE DEPÓSITOS CAPTAÇÕES MERCADO ABERTO EMPREST./REPASSES CP EMPREST./REPASSES LP OUTROS PASSIVOS INSTRUM. HÍBRIDO CAPITAL E DÍVIDA PATRIMÔNIO LÍQUIDO A GERAÇÃO DE SOBRAS SUPEROU R$ 518 MILHÕES RESULTADO RECEITA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS DESPESAS INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA OUTRAS DESPESAS OPERACIONAIS RESULTADO NÃO OPERACIONAL IMPOSTO RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL LUCRO LÍQUIDO Depósitos à vista, de Poupança, Interfinanceiros e a Prazo 2 Empréstimos no País, no exterior, BNDES e Finame VALORES EM R$ MIL 23

24 RESULTADOS DESTAQUES 2011 CAMPANHA INSTITUCIONAL A ONU chancelou 2012 como o Ano Internacional das Cooperativas. Os ideais cooperativos vivem um momento único, pois cada vez mais o mundo reconhece a força da cooperação. O que as pessoas estão descobrindo hoje, o Sicredi sabe há mais de cem anos. E por isso lançou sua nova campanha institucional, momento de levantar a bandeira da cooperação e mostrar aos associados que eles fazem parte de uma instituição financeira moderna; que o cooperativismo é um modelo econômico que coopera para a construção de um mundo melhor; que é uma maneira inteligente e sustentável de viver. Para isso, nada melhor do que resgatar e valorizar a essência do Sicredi, traduzida no conceito da campanha: gente que coopera cresce. PROMOÇÃO FORÇA PREMIADA SICREDI Nada menos que 853 prêmios distribuídos ao longo de oito meses, resultado de um investimento de R$ 2,5 milhões. Este é o resumo da Promoção Força Premiada Sicredi, que gerou mais de 37 milhões de cupons (superando a meta de 22 milhões), a partir do uso de produtos e serviços como crédito, cartões, poupança, seguros, consórcios, entre outros. Televisores LCD 40, notebooks, motos e videogames Xbox 360 foram sorteados durante as diversas fases da campanha, além de outros 100 mil brindes, distribuídos via 8 milhões de raspadinhas. O ápice da Promoção foi o sorteio final, que, em meio a 70 toneladas de cupons, apontou os felizardos ganhadores das cinco picapes Toyota Hilux, no dia 20 de dezembro. NOVA PLATAFORMA DE CARTÕES O Sicredi passou a oferecer aos associados cartões com chip na modalidade débitocrédito (cartão múltiplo), tanto para plásticos da bandeira própria quanto da parceira Visa (Eletron, Classic e Gold), aceita inclusive internacionamente. A migração da base de dados dos portadores de cartões da bandeira própria para uma nova plataforma de processamento (Vision Plus) foi realizada em tempo recorde e colocou o Sistema em um patamar de igualdade com seus principais concorrentes de mercado. SOMOS MAIS DE 2 MILHÕES O espírito cooperativista celebrou em dezembro de 2011 uma marca histórica no Brasil: ultrapassamos a casa de 2 milhões de associados ao Sicredi. Este incrível desempenho é resultado da sinergia entre colaboradores, Centrais, cooperativas e os próprios associados do Sicredi, reunidos em prol de uma mesma missão: fazer com que o sistema cooperativo de crédito possa cada vez mais oferecer soluções financeiras para agregar renda e contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos associados e da sociedade. 24

25 CRÉDITO FÁCIL O Sicredi Crédito Fácil traz aos associados benefícios como agilidade e acessibilidade ao crédito. A contratação pode ser realizada 24 horas por dia, sete dias por semana, pelo internet banking e também nos caixas eletrônicos das unidades de atendimento. É preciso apenas simular, escolher a melhor opção de parcelamento e contratar. RECORDE NO CRÉDITO COMERCIAL Se 2010 já havia sido excelente, 2011 foi melhor ainda. O Sicredi superou a marca dos R$ 10 bilhões em vendas de crédito comercial no ano, resultado da política baseada na reciprocidade e na oferta de soluções financeiras aos seus associados. PESQUISA NPS Como parte do Planejamento Estratégico , o Sicredi está realizando a Pesquisa de Satisfação NPS, baseada na métrica desenvolvida pela Bain & Company que apura a satisfação dos associados em relação ao Sicredi através da pergunta central: Você recomendaria o Sicredi a um amigo ou familiar?. O NPS do Sicredi alcançou, em 2011, 55%, percentual que, se comparado com outras pesquisas de mercado sobre NPS, posiciona a instituição como a que apresenta o maior índice de satisfação entre as instituições de varejo: desempenho este comparável aos valores de NPS das instituições premium do mercado. A Pesquisa do Sicredi também avalia a satisfação dos associados quanto aos produtos e serviços contratados e a satisfação em relação ao principal canal de relacionamento utilizado para se comunicar com a instituição. SICREDI RACING Os pilotos João e Márcio Campos (pai e filho), da equipe Sicredi Racing, conquistaram por antecipação o primeiro lugar no Mercedes-Benz Grand Challenge, campeonato que faz parte do calendário de provas do Itaipava GT Brasil. O patrocínio esportivo à dupla marcou a estreia sistêmica no Marketing Esportivo, iniciativa apoiada pela Corretora de Seguros Sicredi em parceria com as seguradoras Icatu e Mapfre. Mais de pessoas integraram a Torcida Sicredi presente em várias das 16 etapas, mobilizadas via ação de vendas Sicredi Racing. COLABORADORES ENGAJADOS O Sicredi mais uma vez foi incluído no ranking Melhores Empresas para Você Trabalhar, promovido pela editora Abril. A exemplo do que já havia ocorrido em 2008, a qualidade do ambiente e do modelo de gestão de pessoas foi medida a partir da opinião dos próprios colaboradores. Estar neste ranking é participar de um seleto grupo de empresas que se torna referência no mercado, atraindo e retendo talentos. 25

26 CREDIBILIDADE DO SICREDI É CONSTRUÍDA DIARIAMENTE PELOS COLABORADORES E ASSOCIADOS RECONHECIMENTOS PRÊMIO REPUTAÇÃO CORPORATIVA 2011 COMO UMA DAS 15 EMPRESAS DA REGIÃO SUL COM MELHOR CREDIBILIDADE. O SICREDI MARCOU PRESENÇA NO RANKING DAS 150 MELHORES EMPRESAS PARA VOCÊ TRABALHAR, ELABORADO PELAS REVISTAS EXAME E VOCÊ S/A. 19ª POSIÇÃO NO RANKING DAS 500 MAIORES EMPRESAS DO SUL DO PAÍS, REALIZADO PELA REVISTA AMANHÃ. O BANCO COOPERATIVO SICREDI CONQUISTOU A 3ª POSIÇÃO DO RISKBANK NA CLASSIFICAÇÃO DE BAIXO RISCO PARA LONGO PRAZO, EM JUNHO DE

27 DISTINÇÕES RECEBIDAS DE DIFERENTES INSTITUIÇÕES COMPROVAM A BUSCA PELA EXCELÊNCIA NO SICREDI DESTAQUE AGÊNCIA ESTADO PROJEÇÕES, CLASSIFICANDO O SICREDI ENTRE AS DEZ MELHORES NO RANKING TOP BÁSICO, REFERENTE AO 3º TRIMESTRE DE O BANCO COOPERATIVO SICREDI FIGUROU COMO O BANCO COM MAIOR CRESCIMENTO NO SEGMENTO DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL, NO RANKING TOP ASSET DA REVISTA INVESTIDOR INSTITUCIONAL. TOP DE MARKETING NO RIO GRANDE DO SUL E NO PARANÁ, PELO TERCEIRO ANO CONSECUTIVO. NO RIO GRANDE DO SUL, O SICREDI TAMBÉM FOI AGRACIADO COM O TROFÉU PETER DRUCKER. 27

28 RESULTADOS (valores em R$ milhões) A PRAZO À VISTA (valores em R$ milhões) CENTRAL SICREDI SUL A atuação do Sicredi no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina se destaca pelo aumento da geração de negócios ção e do crescimento de desempenho, que apontam um aumento de 39% das conjunto empreendido no desenvolvi- ção da gestão, via Programa de Quali- Para 2012, são quatro macroobjetivos: pertencimento: aumentar a participação dos associados nos negócios e processos assembleares; rentabilidade: potencializar o re- para os associados, com base nos investimentos e operações nas cooperativas; produtividade: mobilizar esforços participação de mercado: desenvolver estratégias buscando crescimento CONSOLIDADO CENTRAL SICREDI SUL Central e Cooperativas Singulares RS e SC ATIVO TOTAL LIQUIDEZ/TVM (valores em R$ milhões) ATIVO CRÉDITO COMERCIAL CRÉDITO RURAL OUTROS ATIVOS PERMANENTE PASSIVO DEPÓSITOS EMPRÉSTIMOS/REPASSES OUTROS PASSIVOS PATRIMÔNIO LÍQUIDO (valores em mil) RESULTADO RECEITAS OPERACIONAIS FINANCEIRAS OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS RECEITAS/DESPESAS NÃO OPERACIONAIS DESPESAS OPER. FINANCEIRAS OUTRAS DESPESAS OPERACIONAIS SOBRAS Saldo de Coobrigações/dez 2011: R$ ,44 Valores em R$ mil 28

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE AGENTES DA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DAS COMUNIDADES ONDE ATUAM Principais

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

Sicredi aprimora monitoramento de data center com o CA Data Center Infrastructure Management

Sicredi aprimora monitoramento de data center com o CA Data Center Infrastructure Management CUSTOMER SUCCESS STORY Sicredi aprimora monitoramento de data center com o CA Data Center Infrastructure Management PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços Financeiros Empresa: Sicredi Funcionários: 12.000+

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Sicredi Aprimora Monitoramento de Data Center Com o CA DCIM

Sicredi Aprimora Monitoramento de Data Center Com o CA DCIM CUSTOMER SUCCESS STORY SETEMBRO 2013 Sicredi Aprimora Monitoramento de Data Center Com o CA DCIM CUSTOMER LOGO HERE EMPRESA O Sicredi é um dos maiores sistemas de crédito cooperativo do Brasil. Presente

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO DEZEMBRO/2011 Contexto Operacional A Agiplan Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Agiplan ) é uma instituição financeira privada, com

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Dario Fonseca Junior TITULAÇÃO MBA Controladoria, Auditoria e Tributos pela Fundação Getúlio Vargas MBA Gestão Empresarial

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS MENSAGEM DO PRESIDENTE O cooperativismo vive seu momento de maior evidência. O Ano Internacional das Cooperativas, instituído

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Liquidez no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE JULHO/2014 1. Objetivos O gerenciamento de riscos no BRDE tem como objetivo mapear os eventos de riscos, sejam de natureza interna ou externa, que possam afetar

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros Categoria Setor de Mercado Seguros 1 Apresentação da empresa e sua contextualização no cenário competitivo A Icatu Seguros é líder entre as seguradoras independentes (não ligadas a bancos de varejo) no

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS No Banco De Lage Landen SA (DLL) a Gestão de Riscos é responsabilidade da Diretoria de Risco que se reporta diretamente à Presidência. 1 - Risco Operacional (RO) A

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Sicredi qualifica sua gestão de serviços de TI com CA Service Assurance

Sicredi qualifica sua gestão de serviços de TI com CA Service Assurance CUSTOMER SUCCESS STORY Sicredi qualifica sua gestão de serviços de TI com CA Service Assurance PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços Financeiros Empresa: Sicredi A EMPRESA O Sicredi é um dos maiores sistemas

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015 Relatório da Administração 1º Semestre de 2015 Sumário 1. Senhores Acionistas... 3 2. Banco Luso Brasileiro S.A.... 3 3. Estrutura Acionária... 3 4. Desempenho Operacional... 3 5. Destaques do Semestre...

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME Junho/2013 Diretoria de Sustentabilidade Linda Murasawa Brasil SANTANDER NO MUNDO 102 milhões DE CLIENTES 14.392 AGÊNCIAS 186.763 FUNCIONÁRIOS Dezembro de

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Dezembro/2008 Agenda 1. Histórico 2. Escopo de Aplicação 3. Estrutura da Norma 4. Detalhamento da Norma Normativos similares Histórico Resolução

Leia mais

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Cooperativa de Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da Policia Militar do Estado de São Paulo Cooperacs - SP Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Aprovados pela Diretoria Executiva em 02/08/2010

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Standard Chartered Bank, Brasil Página 1 de 8 ÍNDICE I. OBJETIVO... 3 II. CICLO DE REVISÃO... 3 III. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 IV. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA... 4

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO Define-se como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela Cooperativa, o que inclui os riscos das operações

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS ATIVOS INTANGÍVEIS Embora a Organização não registre seus ativos intangíveis, há evidências da percepção de sua magnitude pelos investidores e que pode ser encontrada na expressiva diferença entre o Valor

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

Nordeste FEVEREIRO 2015

Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste do Brasil Visão Geral Banco Múltiplo com 62 anos de atuação para o desenvolvimento da região Nordeste, norte de MG e do ES. Ativos Totais R$ 71,0 bilhões

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais