Metodologia de investigação usada: M2 (Case/Field Study) e M7 (Survey)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia de investigação usada: M2 (Case/Field Study) e M7 (Survey)"

Transcrição

1 Título da Comunicação: Strategy, going concern e Z-score Autores: Pedro Miguel Torres Carvalho Bruno José Machado de Almeida Área temática: A2 Gestão Estratégica de Custos Palavras-chave: estratégia, going concern, Z-score, prospetiva, orçamentos, previsões. Metodologia de investigação usada: M2 (Case/Field Study) e M7 (Survey)

2 Resumo Na atual envolvente de incerteza, todos os agregados que integram as demonstrações financeiras devem ser considerados contingentes, na medida em que os números que refletem a situação da empresa podem ser válidos e certificados por entidades externas, mas a entidade, como um todo, pode não ser viável devido à complexidade e interdependência que afetam os negócios. O risco do negócio não se confina às transações, em virtude de as relações da empresa com a envolvente se terem modificado profundamente, desde Com efeito, hoje, a envolvente da empresa é muito mais instável, não linear, pelo que a necessidade de antecipação do futuro é mais premente do que no passado. As demonstrações financeiras das empresas não são meras agregações patrimoniais, devendo, por isso, ser examinadas, prioritariamente, como o resultado de uma estratégia eleita pela administração. Neste contexto, o going concern está umbilicalmente ligado à estratégia empresarial, sendo, esta última, o detonador da eventual continuidade empresarial. A monitorização destas situações requer instrumentos de análise adequados, em que inclui a técnica de Z-score. Assim, estratégia, going concern e Z-score representam um triângulo de fertilização mútua, cuja utilização no atual quadro económico mundial, é indispensável. Palavras-chave: estratégia, going concern, Z-score, prospetiva, orçamentos, previsões. 1

3 1. Introdução A utilidade das demonstrações financeiras, numa conjuntura instável como a atual, deve materializar, também, no conhecimento da capacidade da empresa para lidar com o futuro. A necessidade de obtenção, por parte do auditor externo ou interno, de um conhecimento total do negócio do cliente, da indústria, do setor, da economia do país e da economia mundial (Lewis, 2012), direciona tendencialmente a auditoria para a estratégia, prevendo-se a sua utilização, cada vez mais intensa neste nicho específico de mercado (Vanderbeck, 2012). O risco de auditoria centrado nas transações conduz o processo de auditoria para a validação das asserções da administração através das lentes da contabilidade: nesta ótica validam-se atividades, balanços, classes de transações e outros instrumentos contabilístico-financeiros, através de um enfoque bottom-up, que inibe o auditor da compreensão global do negócio do cliente (Bell et al., 1997). Por sua vez, uma abordagem baseada no risco estratégico, top-down, permitirá ao auditor um conhecimento muito mais profundo do negócio que analisa. Esta linha de pensamento está de acordo com a chamada responsabilidade social da empresa e com a sua própria sustentabilidade, que direciona a auditoria para a análise dos fatores estratégicos internos e externos, incluindo a problemática da seleção de estratégia, implementação, avaliação e controlo. A auditoria da estratégia representará uma visão integrada da estratégia empresarial em ação, e um corte do cordão umbilical com a auditoria financeira (Marques de Almeida, 2000; Bell et al., 2005). Com efeito, uma envolvente de complexidade não linear, em que o todo já não é igual à soma das partes, apela para que a informação gerada pela contabilidade de gestão, não seja igualmente unidimensional. Esta situação é normalmente ignorada pela contabilidade, bem como por toda a ciência tradicional, que ignoram a complexidade ou reduzemna a complicadas versões de sistemas simples lineares. O downturn da economia mundial, a partir do ano 2000, criou nas organizações internacionais da auditoria IAASB - a consciência de desenvolver um plano 2

4 ambicioso que fomentou um conjunto de novas normas internacionais de Auditoria (ISA s), focando o risco de negócio, a avaliação dos sistemas de controlo interno ISA 240, 315, 220, 540, etc. o que fez emergir novas necessidades e instrumentos de análise mais aperfeiçoados para a condução da auditoria em envolvente instável. A KPMG (1997, 2005), na sequência da emergência da Sarbanes Oxley SOX (2002) e da criação do PCAOB como entidade de supervisão auditoria nos EUA, aperfeiçoou os modelos de análise de risco. Concebeu o BMP business measurement process -, propôs modelos de auditoria global renovados global audit methodology triangulation e novas abordagens para o planeamento da análise do risco, com o objetivo de ganhar a diferença na chamada strategic audit conceituada como a avaliação total dos fatores materialmente relevantes que afetam o bem-estar económico de uma empresa (Namada e Bajire, 2012). A compreensão da estratégia do cliente para sobreviver num mundo em turbulência, a análise dos planos do cliente, a compreensão do setor em que o cliente está envolvido, são hoje, mais importantes para a entidade, do que o conhecimento individualizado das transações ocorridas. O próprio enfoque da auditoria está em contínua mutação, exigindo-se, às organizações empresariais, o conhecimento da estratégia competitiva da empresa: o futuro é prioritário em relação ao passado. Hunger e Wheelen (1996), Rodriguez (1998), Marques de Almeida (2000), Bell et al. (1997), Bell (2005), Norton (2012) chamam a atenção para uma auditoria de tipo global ou integral, que requer uma equipa disciplinar, dotada de uma visão sistémica da empresa, que proporciona uma visão direta da envolvente dinâmica em que o cliente atua, e permite avaliar a posição estratégica e força das relações com a envolvente, quer a nível local, quer a nível global. Esta estratégia sustentável (Azzelino, 2012) abarca: a compreensão da vantagem estratégica do cliente, a compreensão dos riscos que ameaçam a consecução dos objetivos da empresa, a mediação e comparação da performance obtida com os concorrentes mais eficientes, compreensão, através de um modelo, do negócio do cliente e a sua capacidade para criar valor e gerar cash-flows, usar a compreensão do 3

5 negócio para desenvolver previsões acerca dos factores chave subjacentes às demonstrações financeiras e comparar as previsões com as realizações e desenhar testes de auditoria para abordar a compreenda dos desvios. Como as demonstrações financeiras são o resultado de uma estratégia, a ligação ao going concern nem carece de demonstração. O conceito pressupõe que a empresa opere ilimitadamente e que não será liquidada num futuro próximo. Com efeito, o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) (2009) no ponto refere que as demonstrações financeiras são normalmente preparadas no pressuposto da continuidade (IAS1), devendo o órgão de gestão proceder à divulgação das incertezas materiais relacionadas com eventos que possam fazer com que a entidade não venha a cumprir o pressuposto da continuidade. A avaliação da continuidade da empresa não é uma garantia sobre a sua viabilidade futura, o que está de acordo com estrutura atual da economia. Com efeito, os fundos de pensões investem nas organizações empresariais com o objetivo de proporcionar, aos investidores, ganhos futuros, daí o seu interesse na informação prospetiva e nos cenários alternativos de desenvolvimento das empresas. Esta situação criou uma mudança de orientação nos organismos nacionais e internacionais FEE, AICPA, IAASB, REA que superintendem a problemática da auditoria, encorajando-os de solicitar aos auditores o envolvimento com a chamada informação financeira prospetiva, que, em períodos de turbulência, ganha uma importância reconhecidamente universal. Makridakis (1987), Abdel (2011), Stack (2012) referem que quando a informação financeira pode ser tendencialmente exata, a sua procura é limitada e poucos elogiam o seu sucesso, todavia, em conjunturas instáveis em que este tipo de informação tem toda a probabilidade de ser inexata, todos compreendem a sua subjetividade, mas entendem a sua necessidade. Assim, quando permanecem dúvidas quanto à continuidade da empresa, a única possibilidade de evitar uma reserva por incerteza na aplicação do princípio da empresa em funcionamento, é precisamente a análise da informação financeira prospetiva, facultada pela administração da entidade. Esta auditoria implica o conhecimento do negócio 4

6 da empresa, situação que se interlaça com a problemática da estratégia. Surge, seguidamente, a problemática da monitorização da estratégia e da previsão da continuidade/descontinuidade. Estas técnicas devem ser encaradas como preventivas, atendendo a que a suspensão de pagamentos ou a falência é um julgamento empresarial da gestão e é uma sombra para a sociedade, em geral, e repercute-se na auditoria, pelo facto de não ter previsto as circunstâncias que originaram este drama social. A monitorização destas situações pode materializar-se na utilização de modelos de análise univariantes, multivariantes, que utilizam informação contabilística e financeira histórica que permitem, através da extrapolação da tendência, detetar atempadamente problemas de continuidade. A capacidade preditiva dos modelos de previsão (Beaver, 1966; Deakin, 1972; Zmijewski, 1984; Lau, 1987; Altman, 1974), depende de um conjunto de ratios económico-financeiros que se estima que tenham, à partida, capacidade como preditores de falências. São definidas, à priori um conjunto de caraterísticas referentes a cada um dos grupos de empresas consideradas solventes e insolventes, competindo à análise descriminante gerar uma função linear que recolhe a combinação ótima de indicadores e coeficientes em ordem a fazer a distinção entre as duas classes selecionadas. Portanto, ratios económico-financeiros e de produtividade, são utilizados como variáveis independentes e que determinam o coeficiente Z. Este valor Z proporciona uma informação comparativa da posição relativa da empresa relativamente à sua insolvência. O Z é assim considerado por Trigo (1990), como um indicador global de todos os utilizados no modelo. Em face do exposto, torna-se evidente a interdependência da estratégia, going concern e o Z-score, conforme evidenciamos na figura I, arquétipo que iremos aplicar ao estudo de um caso relativo a uma unidade industrial, onde pretendemos demonstrar a interligação deste triângulo que sustenta a manutenção das vantagens competitivas da empresa. Figura I Interligação 5

7 Manutenção das vantagens competitivas da empresa ESTRATÉGIA 2. Revisão da bibliografia De 1975, até aos nossos dias, a forte internacionalização dos negócios, a escassez de recursos, a globalização da economia e das trocas, a emergência da concorrência ao nível mundial, a que se alia a constante inovação tecnológica, impõe, cada vez mais veemente, o conhecimento do risco do negócio. Surge, assim, a escola do posicionamento competitivo (Porter, 1997), que utiliza no seu objeto abstrato-formal o modelo das cinco forças, bem como os conceitos de vantagens competitivas e de cadeia de valor para determinar a concorrência em determinado setor, bem como a resposta genérica da empresa. Em contrapartida, surge a escola da emergência (Mintzberg, 1996), para quem a estratégia não se planeia, sendo antes, o resultado de um modelo sequencial de decisões que engloba estratégias deliberadas e estratégias emergentes: as primeiras são pensadas e as segundas terão de ser executadas apesar de inicialmente não estarem programadas. 6

8 Hamel e Prahalad (1995) visualizam a empresa como uma árvore 1 e colocam a ênfase no desenvolvimento das competências distintivas, não só na conquista dos mercados presentes, mas também, nos mercados futuros, o que pressupõe objetivos de longo prazo (strategic intent). A mensagem desta escola pode sintetizar-se na expressão as empresas que criam o futuro querem ir para além da satisfação do cliente: tentam surpreendê-lo e encará-lo. Este novo paradigma de abordagem do management reflete mais adequadamente a dinâmica do mundo atual, ganhando um nítido avanço relativamente às filosofias de gestão ancoradas no primado da produção escola da organização científica do trabalho (Taylor e Fayol) -, na escola das relações humanas e da teoria do comportamento e da escola do planeamento estratégico ou de direção estratégica. Todas estas escolas tinham como objetivo responder à envolvente económica existente, em que a empresa estava fechada, voltada sobre si mesmo, não se preocupando em identificar as necessidades e os valores de um mercado alvo. A escola de direção estratégica assenta numa ideia de incrementalismo: a estratégia é considerada como um plano (Bueno Campos, 1996), como um guia, em que o foco é colocado no campo formal e organizativo. Trata-se de uma escola prescritiva ou racionalista da estratégia, em que, ainda que de uma maneira vaga, se pretendia dar uma resposta a uma envolvente mais instável e descontínua, que já exigia uma reflexão sobre o conjunto das ameaças e oportunidades que envolvem as organizações. A perspetiva estratégica de Godet (1997) que engloba várias correntes 2 tem a sua origem nas ciências sociais, que aplicadas, nos anos 70, às ciências sociais, dão origem à corrente do determinismo indeterminável, que abarca as teorias da bifurcação e do caos. Estas teorias abarcam um conjunto de conceitos novos, tais como: - efeito borboleta, atrator estranho, 1 Como produtos finais (folhas e árvores), unidade estratégica do negócio (ramos mais pequenos), produtos chave (tronco e principais ramos), competências chave (raízes). 2 Corrente pós-indústria, neo-malthusiana, corrente dos ciclos longos, corrente da distribuição criadora. 7

9 princípio da incerteza de Heizenberg, ordem, desordem, catástrofe - e têm, na sua base, as teorias de Poincaré (1896). Mintzberg (1996) aponta à estratégia 3 erros fundamentais 3, porque, no fundo, a estratégia clássica aponta para um futuro pré determinado, e, por consequência, único. A estratégia adaptada ao primado da competitividade, num contexto de incerteza, sugere a existência de vários futuros possíveis, tendo subjacente uma reflexão estratégica qualitativa e global, baseada no pluralismo e complementaridade de enfoque, contestando, assim, a ideia de que uma previsão exata seja necessariamente vital. Dess et al. (2005), Baye (2006), Johnson et al. (2006, 2008), Eckerson (2006), Hitt et al. (2007), Parmenter (2007), Trott (2008), Antolin (2008), Besanko (2010), Hoskisson (2009), Grant (2010), apontam para as consequências estratégicas das mudanças da envolvente, focando a necessidade de flexibilidade estratégica para que a empresa se adapte à evolução da sua envolvente, o que impõe um esforço permanente de vigilância tecnológica, económica e social, chamando à atenção que a vantagem competitiva é adquirida através de um diagnóstico adequado que identifique que os fatores estratégicos externos e internos, obtidos através de diversificados modelos de análise. A formação de estratégia, num mundo em constante mutação, é objeto de análise por um conjunto amplo de autores: Hagel et al. (2008), Porter (2008), Neilson et al. (2012), Lafley et al. (2012), Norton (2012), Lotto (2012), que chamam a atenção para o facto de uma estratégia brilhantemente concebida ser somente uma condição necessária e não suficiente. A sua execução sólida e implementação adequada são indispensáveis para o êxito e continuidade da empresa going concern - Sabemos que todas as organizações, que operam numa envolvente de incerteza, têm de planear como enfrentar as condições futuras, das quais se tem um conhecimento imperfeito. Estas preocupações refletidas nas demonstrações financeiras, fruto da mudança do paradigma legalista para o paradigma utilitarista, implicam o aparecimento das contas intercalares ou 3 Erro de pré-determinação, erro de indiferença e erro de formalização. 8

10 previsionais que servem de suporte aos chamados modelos de decisão e de capacidade preditiva. Samuels (1995), Pereda (1991), o Asobat (1966), Relatório Trueblood (1973), Corporate Report (1975), o FASB (1973), o AICPA (1975), preocuparam-se com a problemática das previsões, projeções, estudos de viabilidade, análise do break even point e orçamentos, a que se chama, em sentido lato, informação financeira prospetiva, cujo exame é o objetivo do guia para análise da informação financeira prospetiva (AICPA, 1993). O Livro Verde da Comissão Europeia 4, assume que as contas anuais assentam na hipótese de continuidade de exploração, estando implícito, nestes documento, uma preocupação muito grande consubstanciada na identificação preventiva dos problemas de continuidade de exploração, apontando-se para um sistema de alerta que diagnostique as dificuldades da empresa. O going concern é assumido de uma maneira geral como o pressuposto em que assenta a contabilidade (Dicksee, 1902). Na mesma linha, Lorenz (1989), Paton, Littleton e Grady atribuem ao conceito de continuidade em funcionamento a categoria de postulado básico em que assenta a teoria da contabilidade. Outros, Ijiry (1965), Sterling (1968) contestam os argumentos da corrente do pressuposto da continuidade, observando que as estatísticas, que analisam o tempo médio de vida das empresas, apontam a limitação temporal como um facto corrente e indesmentível. O pressuposto da continuidade impõe que a empresa mantenha a sua capacidade competitiva, e, neste contexto, o conceito de continuidade que deve ser retido, deve ser interpretado preferentemente como uma previsão. É por isso, que o órgão de gestão, para avaliar se a entidade está ou não em continuidade, deverá levar em linha de conta toda a informação sobre o futuro e deverá considerar os 12 meses seguintes à data do balanço ( Sistema de Normalização Contabilística; 26 IAS 1). Esta análise terá, necessariamente, de ter em conta o percurso recente da entidade, se é lucrativa ou não, se acede facilmente a recurso financeiros, mas também com o que espera que venha acontecer no futuro, atendendo a aspetos relativos à 4 Papel, estatutos e responsabilidades do Revisor Oficial de Contas na União Europeia. 9

11 rendibilidade esperada, a questões conjunturais da própria evolução da economia em geral, quer seja localmente ou globalmente, ou até a aspetos regulamentares da própria atividade. Por outro lado, pode suceder que depois da data de balanço existam acontecimentos que indiquem que o pressuposto da continuidade possa estar em causa. Neste caso a entidade não deverá preparar as suas demonstrações financeiras numa base de continuidade ( 1, NCRF 24). Note-se que falamos de acontecimentos que ocorram entre a data do balanço e a data em que as demonstrações financeiras forem autorizadas para emissão pelo órgão de gestão ( 3, NCRF 24). Tal como referido antes, se o órgão de gestão determinar, após a data de balanço, que pretende liquidar a entidade ou cessar de negociar, esta não poderá considerar que está em continuidade mesmo que isto aconteça após a data do balanço ( 11, NCRF 24). Por outro lado, a deterioração dos resultados operacionais e da posição financeira após esta data pode indicar se ainda é ou não apropriado o pressuposto da continuidade. Caso não seja, a norma contabilística e de relato financeiro exige uma alteração fundamental no regime contabilístico e não apenas um ajustamento nas quantias reconhecidas ( 12 NCRF 24). Se as demonstrações financeiras não forem preparadas numa base de continuidade ou se o órgão de gestão estiver ciente de incertezas materiais relacionadas com acontecimentos ou condições que possam lançar dúvida significativa na capacidade da entidade para prosseguir em continuidade, este facto deve ser divulgado, mesmo se tais acontecimentos surjam após a data do balanço ( 13 NCRF 24). O anexo às contas deverá divulgar quais os pressupostos relativos ao futuro, bem com as principais políticas contabilísticas ( 46 a 48, NCRF 1). Como se verifica, o órgão de gestão, com vista à preparação das demonstrações financeiras, é obrigado a proceder à avaliação da capacidade da entidade prosseguir em continuidade. Ainda que o referencial de relato financeiro não o obrigasse, o órgão de gestão teria sempre de o fazer dado 10

12 que é fundamental para a preparação das demonstrações financeiras ( 4, ISA 570). Ao colocar-se a problemática da continuidade/descontinuidade, no âmbito e alcance da auditoria, a auditoria sai do seu nicho tradicional para se situar na análise da viabilidade do negócio e da lucratividade que passariam a ser elementos fundamentais da auditoria às demonstrações financeiras. A auditoria à estratégia pressupõe uma informação estratégica, de natureza previsional, impondo, aos auditores, o domínio das técnicas de previsão capazes de o auxiliarem no diagnóstico do going concern, porque a saúde financeira das entidades empresariais é um tema central para todos os stakeholders (Auchterloine, 1997). Neste contexto, os modelos de previsão interessam a todos os interessados na empresa e, igualmente, aos auditores que, ao utilizarem este pensamento fundamental ligado à sua experiência e conhecimento do negócio em causa, estariam mais habilitados a julgar sobre a continuidade das empresas. Assim, as técnicas preditivas do fracasso empresarial constituem uma ferramenta objetiva de apoio à sua opinião profissional independente. São utilizados modelos univariantes, multivariantes e prospetivos. Os primeiros modelos utilizam a informação financeira contabilística e histórica na conceção dos modelos de previsão, através da extrapolação da tendência, não sendo, assim, considerados na estrutura destes modelos os objetivos futuros que a administração da empresa pretende alcançar. Isto é, a atuação da empresa não é uma variável considerada (Marques de Almeida, 2000). Beaver (1966), informa que a análise variante começou a ser utilizada no início do século XX, pelas entidades bancárias, como propósito de avaliar o chamado risco de crédito, focado no chamado indicador de liquidez geral, que indicava o grau de solvência da empresa, técnica conhecida pelo current ratio. Os modelos multivariantes discriminantes ou modelos de probabilidade condicional logit têm a sua origem na fórmula inicial de Altman (1974) que procura uma combinação óptica de ratios que melhor desempenhe o papel de preditor de falência. 11

13 No atual contexto de incerteza, os modelos de previsão de falência voltaram a despertar o interesse dos práticos e dos académicos. Gerantonis (2009), estudou a aplicação do Z-score às empresas gregas e conclui pela necessidade de os managers adotarem uma estratégia que conduz a baixos Altman Z-scores, sugerindo que o modelo é bastante útil, por balancear os dados contabilísticos e o valor de mercado expresso na capitalização bolsista. Conclui ainda, que o modelo tem a mesma capacidade preditiva quando aplicado a empresas dos Estados Unidos ou da Grécia. Por sua vez, Anjum (2012) analisa a evolução histórica do modelo de Altman desde a sua formulação original (1968), passando pela sua reformulação (1983, 1993), e nota que o modelo tem uma taxa de sucesso de cerca de 90,9% na previsão de falências. No entanto, Chao et al. (2012), referem que o modelo tem sido sucessivamente modificado para aplicação às diferentes indústrias, mas que tem mantido uma larga aceitação por parte dos auditores, tribunais e financiadores. Salientam, ainda, que uma das caraterísticas fundamentais do Z-score é a sua capacidade de utilização de informação financeira e contabilística apresentada e divulgada pelas empresas e que é agregada num conjunto de indicadores de grande importância contabilística. Estes autores propõem que o modelo seja ajustado tendo em conta o grau de flexibilidade da contabilidade que pode gerar Z-scores diferentes, por isso, a globalização da contabilidade pode afetar esta técnica. Assim, a alteração dos atributos da contabilidade pode ter influência na utilização efetiva do Z-score. 3. Estudo de Um Caso 3.1. Apresentação da empresa Trata-se de uma empresa do setor metalúrgico cuja atividade consiste na construção metalomecânica de estruturas e tubagens, na manutenção de conservação industrial e construção de estruturas de edifícios e equipamentos industriais. Por aqui se percebe que, apesar de ser uma empresa com uma existência no mercado já longa, opera num setor em claras 12

14 dificuldades por, neste momento, não existir a implantação ou mesmo a renovação de grandes estruturas industriais e o setor da construção enfrentar uma crise severa. Por outro lado, esta é uma empresa que concentra grande parte da sua produção em poucos clientes sendo que um deles está ligado ao setor da construção, que se encontra numa profunda crise. Assim, foi opção na fase de planeamento da auditoria testar o Z-Score, como complemento à avaliação do risco, de modo a determinar se existem fatores que possam indiciar a incapacidade da entidade prosseguir em continuidade. Dado que este modelo deve ser analisado de forma contínua, de modo a que seja avaliada a sua evolução, e não de forma estática, a análise foi efetuada desde o ano de Balcaen e Ooghe (2006) refere que mais do que medir a probabilidade de falha, o Z-Score deverá ser encarado como uma medida de avaliação da saúde financeira de uma empresa e deverá ser avaliado ao longo do tempo. O modelo foi aplicado entre o ano de 2008 até à atualidade estimando-se depois até Naturalmente que, importa que seja avaliado tendo em conta os condicionalismos externos existentes em cada momento, isto é, tendo em conta o ambiente existente. É totalmente diferente avaliar um determinado resultado se estivermos numa situação de expansão económica ou se, por outro lado, vivermos um período de crise e recessão. Estando num período de recessão o auditor deverá estar mais alerta para indicadores que possam revelar dificuldades na capacidade intrínseca da entidade em gerar resultados. Apesar de não ter sido usado o modelo nos procedimentos de auditoria do ano de 2011 existiram fatores que alertaram para a possibilidade de, em 2012, a entidade poder apresentar riscos de, a médio prazo, começar a ter dificuldades. Os indicadores relativos ao ano de 2011, o que se espera do ano de 2012 e as perspetivas que existem para o ano de 2013 e seguintes, vieram dar maior preocupação em analisar os pressupostos de continuidade assumidos pela empresa. Desta forma, tendo em conta o ceticismo profissional que deve caracterizar o auditor, passou a 13

15 existir um maior controlo e atenção em evidências que possam fazer com que a entidade continuasse num percurso descendente. Na realidade, observando o indicador escolhido para complementar o julgamento acerca da assunção do órgão de gestão quanto ao pressuposto da continuidade, verificamos que a tendência é bastante gravosa. Não existindo alterações de fundo na estratégia da entidade existirá elevada probabilidade do seu desfecho não ser favorável. A previsão para o volume de negócios para o ano de 2012 foi, no início do ano, de cerca de De acordo com as estimativas, o valor final deverá ser significativamente inferior. Esta previsão teve como erro a consideração demasiado otimista que o seu maior cliente, que representa cerca de 50% do volume de negócios, não reduzisse significativamente as suas encomendas tendo em conta o setor onde opera (minas). Na realidade, o nível de atividade com este cliente reduziu para cerca de 60% do previsto. Também o segundo cliente (cimenteira) reduziu a sua atividade significativamente, prevendo-se que a sua produção passe para 1/3 da que já existiu. Estima-se neste momento que o volume de negócios seja, no final do ano, de 2012 de cerca de valor significativamente inferior ao inicialmente previsto. De acordo com a estrutura de custos existente neste momento isto fará com que os resultados sejam negativos. Neste momento a entidade depende significativamente do recurso ao crédito que tem cada vez mais dificuldade em obter. Por outro lado, com a redução nas vendas para o maior cliente, em que existe um contrato de factoring associado, começa a ter problemas de liquidez e tesouraria. A entidade debate-se neste momento, por um lado, com problemas de rendibilidade, por via da redução nas vendas do cliente com mais representatividade e, para além deste facto, com problemas financeiros A estratégia desenvolvida de A estratégia geral da empresa baseou-se no crescimento e na identificação dos concorrentes que operavam no mercado, bem como, 14

16 identificação das oportunidades e ameaças subjacentes à envolvente externa caracterizada por pequenas e médias empresas que oferecem um serviço de construção e manutenção industrial praticamente de uma forma idêntica, e que conseguem desenvolver estratégicas ao nível do negócio de liderança pela produtividade e não pela diferenciação. Assim, esta empresa definiu o negócio e a indústria onde ia desenvolver a sua atividade e estabeleceu ligações estratégicas a grandes indústrias cimenteiras, papel, minas, etc. - que praticavam o outsorcing relativamente às construções e manutenções que periodicamente são obrigadas a efetuar. A estratégia desenvolvida centrou-se num segmento muito reduzido do mercado, ao qual concorrem empresas que dispõem de recursos humanos e técnicos acima da média. Além da identificação da estratégia geral e da estratégia ao nível do negócio, a estratégia funcional adotada centrou-se na maximização da produtividade, que induzia uma competência distintiva, e possibilitava à empresa a obtenção de uma vantagem competitiva importante, tendo em conta a existência de prazos muito apertados na manutenção e construção das grandes unidades industriais. Uma vez identificada a posição atual e futura da empresa, a valorização das competências básicas distintivas foram identificadas com a produtividade e o prazo, como fatores importantes da manutenção da capacidade produtiva da empresa e, portanto, da sua continuidade. Selecionada esta estratégia como a melhor alternativa possível, a mesma foi adequadamente implementada através da conversão das políticas eleitas em táticas, programas e orçamentos para cada obra adjudicada. No plano de médio longo prazo 8 anos foram tratados fundamentalmente os recursos necessários para se atingirem os objetivos definidos. Ao nível do curto prazo, a posição estratégica deve refletir-se na conta de resultados, que, por sua vez, se pode segmentar por obras. Esta estratégia deu claros frutos até 2008, ano em que as vendas atingiram 30M e o EBITDA 1,199M. 15

17 A partir deste ano, a crise económica afetou a capacidade de leadership dos seus dirigentes, começando a verificar-se um planning gap entre o planeado e a realidade, situação que requer uma mudança de estratégia: a missão e os objetivos devem ser constantemente repensados, para se gerar a melhor estratégia para a organização. No ano 2008, a empresa apresentou um Z-score superior ao limiar da falência provável, e portanto, em termos futuros, a evolução previsível da empresa apontava inequivocamente para a continuidade. Como corolário da estratégia desenvolvida, o going concern e o Z-score apresentavam um equilíbrio saudável e permitiam, ao auditor externo, reforçar a sua convicção de continuidade. No período de , a envolvente económica é caraterizada pela incerteza. Como não foram preventivamente analisadas as oportunidades e ameaças subjacentes à envolvente externa - de que se selecionam os fatores estratégicos externos - e observadas as forças e fraquezas da organização de que se selecionam os fatores estratégicos internos, constata-se que a estratégia de crescimento através de nicho de mercado construção e manutenção de equipamentos industriais de grandes empresas materializadas na produtividade, tempo, e concomitante redução dos custos começava a não funcionar, situação que se refletia negativamente nas demonstrações de resultados e balanço. A estratégia já não resultava, a continuidade assume contornos cada vez mais cinzentos, e o Z-score, como instrumento de monitorização evidencia indicadores preocupantes Demonstrações Financeiras Apresentam-se as demonstrações financeiras da entidade: 16

18 Balanços Activo Activo não corrente Activo corrente Total Activo Cap. Próprio + Passivo Capital Próprio CapitalSocial Reservas Resultado Liquido Total C. Próprio Passivo Passivo não corrente Passivo corrente Total Passivo Total Pas + Cap. Prop Valores em euros Demonstrações de Resultados Vendas + PS Ganhos/perdas subsidiárias Variação produção Trabalhos Prop.Entidade CM VM C FSE Gastos Pessoal Im paridades Aum entos/reduções JV Outros rendim entos e ganhos Outros gastos e perdas Resultado antes de depreciações, gastos fin. Eimpostos Gastos dep/am ortiz Im paridades Resultado Operacional (RAJI) JuroseRendim entossim ilaresobtidos Juros e Gastos Sim ilares Suportados RAI ISR Resultado Liquido do período Valores em euros 3.4. Aplicação do modelo De acordo com a aplicação do modelo Z-Score, obtiveram-se os seguintes resultados: 17

19 CapitalPróprio , , , , ,85 Passivo , , , , ,29 Book Value 0,14 0,19 0,25 0,26 0,22 CapitalSocial , , , , ,00 C.Circulante , , , , ,82 Activo Líquido , , , , ,31 Reservas , , , , ,69 RAJI , , , , ,66 Vendas , , , , ,00 Valores em euros x1 0, , , , ,02781 x2 0, , , , ,05006 x3 0, , , , ,00095 x4 0, , , , ,21780 x5 1, , , , ,99241 Z-Score 2, , , , ,

20 Graficamente a evolução do resultado do modelo (Z) apresenta-se da seguinte forma: Figura II Evolução do Resultado do modelo (Z). Como se verifica entre o ano de 2008 e 2010 a entidade apresentou valores (Z) superiores ao limiar de falência provável. Apesar de não serem valores ótimos são valores que consideramos aceitáveis. De acordo com o modelo, para aquele período, a entidade apresenta-se como estando numa situação de insucesso pouco provável. Durante estes exercícios económicos a continuidade da entidade nunca foi colocada em causa, como se veio a comprovar. Já para o ano de 2011 o valor obtido foi inferior ao limiar de insucesso provável. Apesar de existirem indicadores em clara degradação, o julgamento foi que a assunção do órgão de gestão da continuidade da empresa estaria correta como, aliás, se confirma. Vários fatores permitiram chegar a essa conclusão, tais como as encomendas em carteira ou a abertura da empresa ao mercado externo. Também a criação de uma filial em Moçambique foi um fator que teve de ser levado em conta dado o tipo de mercado em que a entidade opera e o crescimento e dinâmica daquele novo mercado. Prevê-se que, para o ano de 2012 os resultados sejam ainda mais gravosos passando o indicador a ser ainda mais baixo. De modo a que melhor 19

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

Newsletter Número 1/09 Março 2009

Newsletter Número 1/09 Março 2009 ASSUNTOS DE RELEVÂNCIA PARA OS REVISORES/AUDITORES EM TEMPOS DE CRISE FINANCEIRA Foram publicados recentemente tanto pelo IAASB (International Auditing and Assurance Standards Board) como pela FEE (Fédération

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Federação Nacional de Karate - Portugal Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Índice Fórum de Formadores 2013 Introdução Diferentes influências e realidades Pessoal qualificado e Especializado em Serviços

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014

Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014 www.pwc.pt/academy Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014 Formação profissional para profissionais. Mobilizar e capacitar profissionais Valorizar conhecimentos, experiências

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt PRINCIPAIS TÓPICOS A emergência da Diplomacia Económica e suas razões As mudanças

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012 Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 Assunto: Orientação sobre os deveres e responsabilidades dos administradores e dos auditores independentes, na elaboração

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO 2013 MARÇO DE 2014 2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 1. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO... 3 2. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE MERCADO... 4 3. CONCENTRAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma A nossa competência e experiência e a qualidade dos nossos serviços ao seu serviço A Grant Thornton assenta a sua estratégia no desenvolvimento

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Continuidade. Estudo de um Caso. Auditoria. Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas

Continuidade. Estudo de um Caso. Auditoria. Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas Continuidade Estudo de um Caso Auditoria Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas Introdução Em abril de 2011 Portugal foi obrigado a pedir ajuda externa para evitar a bancarrota, comprometendo-se

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Índice Índice...2 Introdução...3 Tipos de rácios...4

Leia mais

Master in Management for Human Resources Professionals

Master in Management for Human Resources Professionals Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com: Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com APG Um dos principais objectivos da Associação Portuguesa

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO / (MBA)

MESTRADO EM GESTÃO / (MBA) MESTRADO EM GESTÃO / (MBA) (2007/2008) DISCIPLINA: CONTABILIDADE FINANCEIRA FINANCIAL ACCOUNTING Docente: Professor Auxiliar Convidado do ISEG/UTL jlacunha@iseg.utl.pt Objectivos da disciplina: Compreender

Leia mais

Transferência parcial para a Segurança Social das responsabilidades. dos fundos de pensões das instituições de crédito

Transferência parcial para a Segurança Social das responsabilidades. dos fundos de pensões das instituições de crédito Transferência parcial para a Segurança Social das responsabilidades dos fundos de pensões das instituições de crédito Audição parlamentar de 11 de janeiro de 2012 Muito bom dia, senhores Presidentes e

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

DISCIPLINA: Finanças Empresariais II Ano Lectivo: 2011/2012 3º ANO - 2º Semestre

DISCIPLINA: Finanças Empresariais II Ano Lectivo: 2011/2012 3º ANO - 2º Semestre DISCIPLINA: Finanças Empresariais II Ano Lectivo: 2011/2012 3º ANO - 2º Semestre PROGRAMA Área Científica (Secção): Finanças Coordenador: Gualter Couto Docente: Gualter Manuel Medeiros do Couto, Ph.D,

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

Gestão de Marketing e Ética Empresarial

Gestão de Marketing e Ética Empresarial Escola de Economia e Gestão Gestão de Marketing e Ética Empresarial Reconhecer e explicar os conceitos pilares do marketing e seu ambiente; Reconhecer a estratégia de marketing e aplicar os principais

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 16:13:42 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

Gestão Financeira. Trabalho Realizador Por: Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja. Tiago Conceição Nº 11903. Tiago Marques Nº 11904

Gestão Financeira. Trabalho Realizador Por: Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja. Tiago Conceição Nº 11903. Tiago Marques Nº 11904 Escola Superior de Tecnologia e de Beja Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Marques Nº 11904 Paulo Martins Nº 11918 Ruben Estrela Nº 11905 Leonel Fontes Nº 11908 Miguel Baia Nº 11915

Leia mais

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios Workshop A Competitividade das Empresas & o Balanced Scorecard Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão JAIME RAMOS GUERRA JLM CONSULTORES DE GESTÃO, SA () INSTITUTO POLITECNICO DE LEIRIA jaime.guerra@jlm.pt

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

IFRS Update Newsletter

IFRS Update Newsletter www.pwc.pt Newsletter 10ª Edição dezembro 2015 César A. R. Gonçalves Presidente do Comité Técnico da PwC Portugal Quando olhamos em retrospetiva, não é possível definir o ano de 2014 como um ano plácido,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701 Directriz de Revisão/Auditoria 701 RELATÓRIO DE AUDITORIA ELABORADO POR AUDITOR REGISTADO NA CMVM SOBRE INFORMAÇÃO ANUAL Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-4 OBJECTIVO 5-6 RELATÓRIO DE AUDITORIA

Leia mais

HP NonStop Server Capacity Planning

HP NonStop Server Capacity Planning HP NonStop Server Capacity Planning Serviços HP Dados técnicos Determinar futuros requisitos de capacidade de hardware para sistemas NonStop de processamento de transações online em constante crescimento

Leia mais

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo João Carvalho das Neves Professor catedrático, Finanças e Controlo, ISEG Professor convidado, Accounting & Control, HEC Paris Email: Página Web:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE Edição Especial Terceirização ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins junho de 2014 UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE 72% das empresas industriais

Leia mais

Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal

Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal E HCMS Hospitality Concepts & Management Solutions Índex Sobre a HCMS Empresa Missão Valores Serviços Áreas de Intervenção Directrizes

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS

MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: NOVAS TENDÊNCIAS EM CONTABLIDADE DE GESTÃO Semestre 1º ECT s 6 Área Científica: Docente: CONTABILIDADE HUMBERTO RIBEIRO

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular FINANÇAS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular FINANÇAS

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate KPMG no Brasil Building, Construction & Real Estate FINANCIAL SERVICES kpmg.com/br Quem somos Constituída na Suíça e com sede em Amsterdã, a KPMG International Cooperative (KPMG International) é uma rede

Leia mais

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Para se aplicar a Teoria dos Jogos em situações reais, é preciso em primeiro lugar saber como modelar esses processos e como analisá-los,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Auditoria e Fiscalização de Contas

Auditoria e Fiscalização de Contas Auditoria e Fiscalização de Contas Docente: António Samagaio Contactos: ISEG Departamento de Gestão Morada: Gabinete 314, Rua Miguel Lupi n.º 20, 1249 078 Lisboa Telefone directo: 21 392 59 99 Email: antonio.samagaio@iseg.utl.pt

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Horwath & Associados, SROC, Lda. Member Crowe Horwath International Edifício Scala Rua de Vilar, 235 2º andar 4050-626 Porto, PORTUGAL +351 22 605 17 80 Tel +351 22 605 17 89 Fax

Leia mais

Relevância e Fiabilidade do Justo Valor. Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15

Relevância e Fiabilidade do Justo Valor. Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15 Relevância e Fiabilidade do Justo Valor Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15 Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

CAPÍTULO II - A CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE OS LUCROS SITUAÇÃO INTERNACIONAL

CAPÍTULO II - A CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE OS LUCROS SITUAÇÃO INTERNACIONAL AGRADECIMENTOS... NOTA PRÉVIA... ABREVIATURAS... RESUMO... PREFÁCIO... INTRODUÇÃO... BREVE ABORDAGEM DA PROBLEMÁTICA E OBJECTIVOS DO ESTUDO... METODOLOGIA... PLANO DA INVESTIGAÇÃO... PARTE I - AS RELAÇÕES

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 700 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4-5 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA 6-21 Considerações gerais 6-10 Elementos

Leia mais

Consolidação de Contas

Consolidação de Contas A Valorgest soluções de gestão Consolidação de Contas especialização Serviços / Produtos produtividade Quem somos Missão Valores Abordagem DADIT-M Objetivos da consolidação Consolidação de Grupos Municipais

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Escola de Economia e Gestão. Empresas e Mercados

Escola de Economia e Gestão. Empresas e Mercados Empresas e Mercados Pré-Requisitos: Nenhuns Prerequisites: None Compreender o funcionamento dos mercados e a forma como o mecanismo preço permite a afetação de recursos Compreender e explicar o processo

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV O trabalho da Avaliação de Investimentos limita-se quase sempre a uma análise

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação.

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. 5ª Emissão Janeiro, 2013 Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. SEÇÃO 1 Características Características Fundo Carteira Remuneração FUNDO FII fechado

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais