Estranham e n to, curiosidade, motivação. Que sentimentos essa fala atribui

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estranham e n to, curiosidade, motivação. Que sentimentos essa fala atribui"

Transcrição

1 Introdução oa tarde a você que mora na Vila Alvorada. Quem está cumprimentado você é o índio Kaiowa da reserva indígena Bororó direta m e n t e da 107,1, FM Awaete Mbarete. Vocês que estão ouvind o, não repare m a minha voz, que daqui a pouco o Epitácio de Sousa vai falar com vocês e ele vai falar melhor que eu um pouq uin h o. É assim mes m o.(...) Desde já quero falar pra vocês que índio está pront o pra colocar a língua no mundo.(ambrósio Ricarde, jan/2004) 1 Estranham e n to, curiosidade, motivação. Que sentimentos essa fala atribui ao locutor e quais ela pode causar em quem a ouve (ou lê)? Quem seriam os/as 2 Kaiowa e por que o desejo de colocar sua língua no mundo? A quem se dirige a provocação de Seu Ambrósio? Desde a década de 50, em países latino- americanos de língua espanhola, se desenvolvem experiências de rádio no meio indígena surgidas no âmbito dos movimentos sociais. Experiências como as ligadas à Fundación Escuelas Radiofónicas Populares del Ecuador (ERPE) 3 e a Coordenação de Rádios Populares e Educativas (CORAPE) 4 e as rádio mineiras da Bolívia 5, foram importantíssimas na criação de espaços onde os vários grupos destes países pudera m dizer suas 1 Essa fala foi gravada em vídeo no estúdio da rádio por uma equipe do Centro de Mídia Independe nt e, que realizou, no início de 2004, uma viagem ao Mato Grosso do Sul para acompa n har, apoiar e cobrir uma ação Guarani de retomada de terras. 2 Esse texto se propõe a usar a linguagem inclusiva de gênero, não usando plurais apenas no gênero masculino. 3 Organização de serviço social e educação apoiada por comunida de s de base da Igreja Católica, realiza de 1962 ações que possibilitam acesso à produção de rádio em muitas comunidade s marginalizada s da sociedade equatoriana. (in / w ww.erpe.org.ec/ q uie ne s. ht m, acessado em 23/ j u n / ) Na década de 70, adotavam um modelo controlador, fechado, e acabaram perden do audiência para as rádios comerciais (Rocha; Silva, 2000) 4 Essa coordenação existe ainda hoje, tendo filiadas emissoras de língua espanhola e quichua, a segunda língua mais falada do Equador e presente em vários outros países. (in / acessado em 23/jun / 2005 ) 5 Rádios A Voz do Mineiro, 21 de deze m bro e Llallagua, dos trabalhadore s e trabalha do ras mineiros/ a s na Bolívia, levavam ao ar vozes Quéchua e o Aymara (Viezzer, 1975)

2 verdades e expor, dialogar e fortalecer suas expectativas frente às sociedades nacionais. No Brasil, a radiodifusão popular é marcada por décadas de atraso, quadro que demons tra tanto uma fragilidade do modelo de democracia do país como uma tendência de tratar os povos coloniza dos sempre como marginais, 500 anos depois, excluindo- os da arena das discussões políticas. Na língua Guarani- Kaiowa Awaete Mbarete significa índio nato tem poder. Desde setembro de 2002, esse é também o nome da emissora de rádio de onde fala S. Ambrósio, no Posto Indígena de Dourados, no Mato Grosso do Sul. Criada por um projeto de comunicação e saúde 6, a emissora adquiriu novas funções em seu processo de apropriação e condução por um grupo Guarani- Kaiowa. Este trabalho busca mostrar como as relações étnicas vividas na área e as deter minações desse povo condicionaram essa experiência, desde sua inauguração em 2002, até agosto de 2004, quand o ela interro m p e provisoriamente suas transmissões. Dois momentos distintos de contato com essa cultura antecede m esse trabalho: o primeiro, foi durante as atividades que implementara m o projeto da rádio 7. O segundo foi em uma viagem autônoma realizada para acompanhar uma ação de retomada de terras por guaranis numa área mais ao sul de Dourados, próxima à cidade de Amambaí. Nessas vivências, o contato com a religiosidade e com a forma de organização e ação desse grupo impulsionou o interesse em 6 Program a de rádio integrado às emissoras comunitárias em terras indígenas uma propos ta preliminar. Mais adiante o tema do projeto será tratado em detalhes. 7 Participação no Curso de Formação em Comunicação Comunitária, realizado em agosto de 2002 na Escola Tengatui Marangat u, no Posto Indígena de Dourados, com vistas a mobilizar a comunidade indígena em torno da rádio, como monitora da oficina de Jornal Impress o.

3 conhecer mais e compreender melhor como se deram (e se dão) os processos desencadeados e conduzidos por ele na experiência da rádio. Entre 10 e 28 de fevereiro de 2005, foi realizado um trabalho de campo na área indígena de Dourados, uma imersão no universo Kaiowa. No planejamen to, havia sido programa do um mês de permanência na área, mas devido às condições materiais e de tempo reduzidas, essa etapa durou pouco mais de duas semanas. O objetivo da viagem era, a partir da convivência com o grupo, conhecer as formas de apropriação e de uso da emissora no interior da área, observand o as relações que as transmissões mediavam. Quando ela se realizou, a rádio já havia saído do ar, o que excluiu a possibilidade de uma observação prolongada sobre a prática da experiência e valorizou as entrevistas como meio de obtenção de dados. Outros documentos também foram obtidos 8. Durante os dias na área, ela foi insistente me nt e percorrida em busca de pessoas que participara m de alguma forma das trans missões e que pudessem narrar fatos e relações que viveram por meio dela. Esta monografia se apresenta como um esforço em sistematizar essa experiência de campo, apoiada nos dois contatos anteriores, a partir de estudos teóricos a respeito do grupo indígena Kaiowa, protagonista dos eventos que se busca compreender aqui. O primeiro capítulo mostra os funda me nt o s teóricos e metodológicos do trabalho de campo e desta reflexão. Nele são discutidas algumas proposições de autores recentes que apresenta m alguns caminhos para o estudo da alteridade, 8 Ver ANEXOS

4 entendida aqui nas culturas que se distinguem daquelas confor mad a s segun do os padrões de racionalidade cristã- ocidental e cientificista. O segundo capítulo apresenta brevemen te os/as Kaiowa, seu pensa me n t o e suas determinações na história no Mato Grosso do Sul e especificamente do Posto Indígena de Dourados, área onde se desenvolve a experiência em foco. O terceiro capítulo traz, em falas colhidas no trabalho de campo, um pouco do que foi a trajetória da FM Awaete Mbarete entre esse povo e as relações que a conformar a m. O quarto e último busca analisar essas falas a partir de algumas categorias da racionalidade Kaiowa, que auxiliam uma compreens ão menos etnocêntrica dessa experiência popular indígena. Como nesta introdução, várias falas de um senhor chamado Ambrósio, que pode ser considerado um poeta e intelectual Kaiowa, costuram as reflexões desse trabalho, com toques do seu pensame nto e de sua forma peculiar de elaborar a realidade.

5 1. A Escola do Outro Dinamismo, troca, inovação e reinvenção nas culturas populares indígenas Entre dezembro de 2003 e janeiro de 2004, cerca de 6 mil guaranis expulsaram funcionários e donos / a s de 14 propriedades rurais do cone sul no Mato Grosso do Sul, numa ação de retomada de terras comprovada m en te dessa etnia. A área ocupada é chamada de Yvy Katu [Terra Sagrada], terra onde estão enterrados ancestrais de cerca de 400 guarani - kaiowas, familiares que, por esse motivo, se sentem pertencentes àquela região. Pressionadas pela polícia e por fazendeiros, as lideranças dos grupos que participavam da ação se reuniram num Aty Guassu [Grande Assembléia], instância político- religiosa, para decidir entre eles os rumos da ocupação antes das negociações com as autoridades do Estado. Devido a ameaças, o grupo decidiu sair das sedes das fazendas e permitir a volta dos proprietários, manten d o a área ocupad a apenas pelas famílias que devem viver ali, cuja pretensão é esperar a desapropriação e a demarcação da área. Desde a década de 70, quando começa sua luta por terras, sempre que querem ou precisam discutir e obter forças as/os Guarani realizam um Aty Guassu. É uma reunião onde as lideranças familiares 9, principalmente as 9 Entre os Guarani as lideranças não têm poder coercitivo sobre as outras pessoas, nem pode m delegar autorida de e estabelecer punições. São apenas pessoas que cujo conheciment o e ação lhes garante respeito do grupo e confiança para participar de espaços de discussão represent a n d o momenta nea m e n t e sua família. Há também as lideranças religiosas, pessoas que

6 religiosas, se juntam em muitos rituais e conversas sobre a sua situação territorial. Nesses 30 anos, eles construíram um conhecimento imensurável sobre as condições dos rios, das matas, dos animais, sobre o uso da terra, a poluição do meio ambiente da área Guarani do Mato Grosso do Sul e do Paraguai, tanto nas porções de terra que estão em sua posse, quanto nas ocupadas por colonos. A partir desse conhecimen to, esse povo vai traçand o estratégias de retomad a de seus espaços, onde podem realizar plenamente seu modo de ser. Aqui surge um problema. O que fazer com o que dizem os mitos acerca das sociedades pré- colombianas habitantes do território brasileiros? Como essa, há infinitas histórias sobre a deter minação desses povos que não se encaixam nas imagens fornecidas pelas escolas, por livros e pela mídia sobre eles. Essas histórias apresenta m um profundo fosso existente entre a cultura branca e eles, fosso esse cavado, em parte, pela própria ciência, essa que sempre se propõe a contribuir para a diminuição de distâncias no entendimento entre as culturas Da distância à aproximação Encarar a ignorância sobre o que move cada etnia exige uma revisão dos parâmetros comume nte usados para se pensar esses povos e as relações que os envolvem. Essa revisão aponta para a necessidade de entender cada um em sua singularidade, abandonan d o o estereótipo que os une na categoria índio. Tratase de um esforço de aproximação, nesse caso, da cultura Kaiowa. conversam com seu deus criador e conhecem os cantos de reza.

7 Há uma ótica relativista radical que propõe a impossibilidade de pensar o outro como ele mesmo se pensa, ou seja, que seria impossível a compreensão entre as culturas (Rognon, 1991). Há algum tempo, no entanto, alguns/ m a s estudiosos / a s, principalmente da antropologia, se propõem a descobrir racionalidades sociais guardadas em cada povo (Oliveira, 2004), conhecimento que poderia nos ajudar a não imprimir- lhes olhares tão auto- referentes ou etnocentrados, prática que levou muitos / a s pesquisadores / a s a dissolver a alteridade e estudar a si mesmos projetados no outro (Rognon, 1991). Trata - se de nos situarmos com humildade na escola do outro e de nos esforçar m o s, como diz Remo Guidieri, para entrar em um logos diferen te. Eis a única experiência de iniciação que permite pensar o outro sem o assimilar ao mesmo.(idem:49 / 50) Situar- se na escola do outro" significa aqui buscar a abertura de canais de comunicação com os/a s Kaiowa. O ponto de partida para isso seria uma definição semiótica de cultura, em que ela é encarada como um tecido de significações confeccionadas pelas pessoas, um conjunto de estrutu r as de sentido através das quais todos os comporta m e n t os são produ zidos, percebidos e interpreta dos pelos próprios atores (Geertz, apud Rognon: 136) A fim de tornar mais inteligíveis os compor ta me n t o s dos indivíduos, Rognon propõe uma via que chama de "interpretação". O exercício de interpretar exigiria do/a estudante dessa nova escola atividades que iriam além de formular questões e ouvir o "objeto", ou apenas dialogar, na posição de interlocutor. Não se trataria, tampouco, de conceder créditos sem limites ao discurso de um povo sobre ele mesmo, porque as

8 situações de contato são, com muita freqüência, bastante traum atiza n tes para que seu discurso se faça aberto e verdadeiro. Trata- se de tomar do ator a trama de interpretação, seu ponto de vista sobre o próprio compor ta m e nt o, para interpretá- la por nossa vez. (ibid: p. 137) Na busca pela fala Kaiowa e pelo entendimento do seu universo, o trabalho de campo foi escolhido como método. Depois de algumas leituras e de um mapea men t o sobre a situação daquele momento na área, partiu- se para o contato. As primeiras entrevistas foram realizadas de forma desatenta à necessidade dessa interpretação, devido a uma certa idealização do discurso desse povo e de uma inabilidade com o contato e com esse método. A sugestão de Fábio Mura 10 foi o que reorientou a relação estabelecida com essas falas. Ele chama a atenção para intencionalidades da fala dos/ as Kaiowa de Dourados quand o dirigida a pessoas brancas. Seu discurso sempre explicaria um fenômeno chaman d o as atenções para questões que considera mais importan tes naquele dado momento. A interpretação requereria, portanto, um conhecimento avançado dos contextos indígenas. Rubem Almeida, outro pesquisador e ex- agente 11 entre os/as Guarani- Kaiowa, nos ajuda a entender isso com algumas categorias do seu pensamen t o. Segundo ele, a situação em que as informações são levantadas condicionam as respostas dos indivíduos desse grupo, e isso tem grandes implicações tanto para a pesquisa quanto para a ação prolongada. 10 Antropólogo pesquisador dos Guarani do Mato Grosso do Sul. Uma conversa em Dourados, onde trabalha, durante o trabalho de campo desta pesquisa, serviu como orientação na lida com os Guarani. 11 Autor e condutor do Projeto Kaiowa- Ñandeva, de roças comunitárias.

9 Os índios represe n t a m, teatraliza m, realiza m o jogo do nembo tavy [fazer- se de bobo] diante das situaçõe s inconvenien te s. Mas não o fazem, como indicou Nimendaj u (1978:49-50), necessaria me n t e para burlar, como o agente ou mes m o o pesquisa d o r desaten t o pode m pensar, mas para esconde r - se, estabelecer limites e marcos definidores de seus desejos ao deixar- se ver pelo civilizado. Assim, inter p re t a m as palavras e intenções do interlocu to r e reage m de acor do com elas, comportando - se de modo a corresponder às expectativas que sobre ele deposita o interlocu to r não Guarani.(Almeida, 2001:187) Esses são os primeiros dados que chama m a atenção para a vontade de diferenciação Kaiowa, que se intensifica à medida que o contato com o mun d o branco se torna mais inevitável e constante. (Almeida, apud Brianezi; Pimentel, 2005)

10 1.2. Da aculturação à reinvenção Entender o universo Guarani- Kaiowa de Dourados requer perceber a comunidade em que ele se insere enquanto um grupo formado e constituído por contatos e conflitos interétnicos, ou seja, pela convivência de diferentes etnias entre si. Isso não significa, como supõem as teorias de evolucionistas de muda nça cultural, que os grupos indígenas foram aculturados pelo branco e assimilaram seus costumes, teorias que supõe m existir uma direção geral e única para as transfor mações de todas as culturas. Nessa perspectiva, ao invés de perceber sociedades diferentes como contem porâ nea s, os diferentes grupos étnicos são dispostos ao longo de uma escala evolutiva do progresso da humanida de e o contato é descrito em termos de contraste entre instituições e costu mes moderno s e arcaicos. (Oliveira Filho, 1988, p. 29) É preciso afastar - se de concepções reducio nis ta s, que veriam o proces so de domin ação como uma relação de sujeição absoluta onde o pólo dominado não desempenha também uma função ativa, reinterpretando, selecionando e remanejando as pressões que recebe do pólo domina n t e. A dominação não é apena s um fato externo, impost o por forças estran h a s ao grupo hu ma n o direta me n t e observad o. A forma e a função concreta que assu me decorre de virtualida de s (existência real, lacunas ou ambigüida d e s) das próprias instit uições nativas, aproveita d as no interesse de reforçar o poder de indivíduos ou grup os situad o s no pólo domina d o.(ide m, p. 10) A atividade do grupo que sofreria a intervenção do contato, o pólo que Oliveira Filho chama dominado, é lida por Rognon a partir da possibilidade de 0

11 reinterpretação das culturas, idéia que vai contra os olhares literalmen te conservadores sobre os povos pré- colombianos. Dois tipos de crítica já foram form ula d a s com respeito à ideologia primitivista: críticas de orde m científica e crítica de orde m política. As primeiras pode m resu mir - se como se segue: os novos etnólogo s encara m a acultu ração como perdição cultu ral. O culto da auten ticida d e perdida leva- os a excluir de sua a análise todas as formas híbridas conte m p o r â n e a s, todos os 'desvios' sincréticos, como contaminados pela modernidade. Por outro lado, esse pon to de vista é vítima de pesado s press u p o s t o s quant o à natu re z a das socieda d e s tradicionais: nelas, de fato, a tradição não era simples m e n t e trans mi tid a como código imutável de uma geração para outra; era reinter p r e t a d a em cada geração. As socieda de s tradicionais eram então basicame n te dinâ micas, abertas à inovação. E, além disso, em um plano pura m e n t e prático, essa própria etnologia está conde na d a a se tornar em pouco tem po nada mais do que longa lamentação de nostálgicos. Perderá a razão de ser quan d o a próxima rodovia transa m a z ô n ica estiver pronta, o que acarreta rá fatalme n t e o desloca m e n t o das populações indígenas para as favelas do litoral.(ibid:127) A idéia de mobilidade das culturas e a perspectiva de reinvenção propos ta por Rognon são interessantes para esta reflexão porque permitem o reconhecimento de um papel ativo dos povos na entrada de elementos criados por outros grupos em suas culturas. O uso de roupas, a adoção dos tijolos na constr ução de casas, a bicicleta, o carro, são elementos que, criados por uma cultura branca, adquirem novos sentidos e funções dentro do mundo Kaiowa. O mundo onde vivem hoje os povos pré- colombianos é muito diferente de onde se encontravam antes das colonizações, bem como as relações vividas entre eles. Nesse contexto, algumas mudanças e adaptações se fazem necessárias para a continuida de da vida tradicional, no que se refere às relações no interior do grupo. Instrume nt o s, instituições e conceitos agregados a uma cultura, não 1

12 significam a perda de valores, mas a busca de meios que permitam a manutenção e realização de valores essenciais do seu modo de ser, o que os une. A roupa européia dá, pois, ao guara ni maior segurança de atitu d e s e capacida d e de auto afirmação diante do civilizad o, que encara a nude z do índio como a expressã o mais eloqüen te de atraso cultural e mes m o de selvageria. Na luta por statu s aceitável e, face do caboclo, o índio não pode prescindir da indumentária.(...) Outra função da indu me n t á ria de tipo ociden tal é a defesa das esferas nucleares da vida cultural tribal. Vestindo - se à euro péia, o guarani tem a aparência de civilizado; evita, assim, críticas e zomba rias, e mais fácil lhe é conservar valores culturais a que em hipóte se alguma quer renunciar. (Schaden, 1974, p. 30) É com base nessas idéias que esse trabalho analisa o processo de apropriação e uso da emissora de rádio, buscando entender a sua importância para a afirmação da cultura Kaiowa, no contexto de Dourados, e o que esse grupo imprimiu de si em seu funcionamento. Muitas iniciativas que propõem apropriações de tecnologia para outras culturas, como o projeto da FM Awaete Mbarete, partem de espaços exteriores aos seus contextos, o que pressupõe experiências invasoras e/ou mal sucedidas. Não foram encontra das reflexões teóricas a respeito de experiências dessa naturez a, mas a imagem de outros povos operando câmeras de vídeo, por exemplo, não é mais tão surpreenden te aos olhos brancos. No entanto, a idéia de preservação da cultura indígena, tão difundida no senso comum brasileiro, ainda impõe a essas imagens o aporte de certa inadequação. 2

13 Gruzinski (2001) apresenta um estudo sobre entendimentos de algumas concepções do pensamen t o indígena que podem contribuir para essa desmitificação. (...) existem entre o mundo ocidental e os mundos extra- europeus espaços de troca e de comu nicação. Os temp o s moder n o s pode m mist ur a r - se. Misturas e hibridaçõe s até agora tão pouco estu d a d a s e tão desde n h a d a s indicam como escapar ao dualis mo do nós e os outros, como escapar das retóricas desgas ta da s da alterida de e como substit uir o relativism o integral por uma visão mais complexa das sociedad e s e das culturas.(...) Contraria m e n t e ao que imagina m o s com nossas visões estereotipa d a s da conq uis ta espan h ola, uma parte do mun d o indígena sobreviveu, porta n t o, ao choq ue, adapta n d o - se de maneira original e inventiva ao mun d o colonial. (idem, p. 389) Segundo Mura [200?] 12, é possível afirmar que as variações nas instituições Kaiowá inscrevem- se numa historicidade cujos valores, conceitos e regras são norteados pela tradição de conhecimento indígena. Em texto sobre os processos de transform ação histórica nos contextos Guarani no Mato Grosso do Sul, o autor descreve três situações de mudanças para esses povos e a flexibilidade de suas instituições. (...) podemos afirmar que as mudanças de formas, assumidas pelas famílias extensas 13 nas três situações históricas descritas, em lugar de sere m interp re ta d a s como incongr uê ncias inter na s a um supos to siste m a social fechad o e coerente, acarreta n d o a desagregação das instituições indígenas, represe n t a m exatame n t e o contrário, isto é, a procur a constan te, por parte dos Guarani, de sua conservação, fator essencial para a man u t e n çã o do equilíbrio cósmico, e com este, dos próprios índios enqua n t o atores 12 MURA, Fábio. As relações entre os Guarani Kaiowa e Guarani Ñandeva e o mun do material: processos de transfor m ação histórica. Não publicado, data aproximada. Citação autoriza da pelo autor. 13 Célula básica da organização social Guarani. 3

14 etnicamente diferenciados da realidade contemporânea.(mura, 200?) Em capítulo posterior, essas categorias serão mais trabalhadas O trabalho de campo e suas (im)possibilidades Na fuga de olhares e de práticas conservadoras, o trabalho de campo aparece como necessário para este estudo, e ouvir seu atores aparece como seu o primeiro passo. O estudo sobre os processos de formação daquela comunidade, sobre sua cultura e a observação de suas vivências são tomadas como parâmetros para as interpretações. Como já era previsto, os primeiros contatos com o grupo explicitam um limite que acompanh a este trabalho do início ao fim: não conhecer seu idioma. Ora, o pensamen t o é feito de palavras, são as palavras dão contorno ao que se pensa, compõe m as reflexões. Nos estudos antrop ológicos, aprender a língua da sociedade que se procura compreen d er é sempre um pré- requisito. Essa pesquisa não contou com os investimentos necessários para aquisição desse conhecimento, como tempo e apoio. A insistência na aventura que é a escola do outro, mesmo com essa grande limitação, parte da necessida de de refletir sobre os processos que vive. Acreditar que o conhecimento pode se dar nessa aventura é uma aposta de uma comunicação com os/as Guarani é possível e necessária. 4

15 É claro que não se desfaze m as desconexões dos idiomas e das incapacidades do português, enquanto segundo idioma, de aportar o pensa men t o guarani. Em muitos momentos, falas de pessoas entrevistadas foram impedidas de serem concluídas por faltarem a elas muitas palavras. Os discursos se desviaram, alternativas foram buscadas, nem sempre com sucesso. O material obtido em campo e as análises possíveis neste momento a partir dele devem, portanto, ser consideradas como aproximações, reflexões iniciais sobre questões que estão longe de se esgotar. Pois em alguns meses pode - se tudo comp reen d e r? Não há risco maior, desde a form ulação das hipóte ses, de projeta r sobre a realidad e seus próp rio s press u p o s t o s, a fim de preenche r as lacuna s inevitáveis da investigação? Não se deve, aliás, pensar que deter mi n a d o nú mero de fatos, crenças, represen t aç ões, pode ser simples m e n t e express o e consigna d o em uma obra, porque não se redu z ao discu rso, à linguage m? Sua reconstit uição, nesse caso, e por natureza, altera - os, trunca - os, esquematiza - os e os trai. Uma maior fidelidade à observação deveria, pois condu z ir mais a interp re t aç ões aproxi ma tivas, inacabad as, do que a uma monografia perfeita. (Rognon, 1991:103) 5

16 2. Teko porã o modo de ser Kaiowa Num primeiro olhar, a área indígena de Dourados não se diferencia em nada de uma comunidade rural cabocla. As casas de tijolo à mostra, dispersas entre pequenas roças, seguem ao longo das estradas de chão, por onde vão e vêm carroças e bicicletas, mulheres carregando crianças, grupelhos de crianças brincando e muita, muita poeira. Nos pátios e quintais, pequenos grupos tomam tereré 14, conversam e ouvem rádio. Apesar de alguns cabelos meio louros de sol, ou meio crespos de mistura, uma pele mais clara e outra mais escura, as fisionomias confirmam a ascendência indígena. Caboclos/ a s e pobres: é o que sugere a imagem aos olhos brancos. As roupas são surradas, nas casas não há muito o que comer, falta água e energia para muitos; os postos médicos estão sempre lotados e as entregas de cesta básica são bastante concorridas. Recentemente, denúncias sobre mortes infantis por desnutrição levaram essa população aos jornais de todo o Brasil, em matérias onde o quadro era, quase invariavelmente, atribuído à miséria em que vive 15. No entanto, um contato mais próximo e prolongado da realidade dos povos daquela área, associado ao conhecimento de sua história recente e de 14 Bebida muito popular em todo o Mato Grosso do Sul.Erva mate verde servida com água fria ou gelada e tomada com auxílio de bombas, como chimarrão. O terere é o elemento sem o qual parecem não caminhar, trabalhar ou mesmo existir os índios Kaiowá e Ñandeva do Mato Grosso do Sul (Almeida, 2001, p.87). 15 Ver exemplo no anexo X. Em duas situações anteriores relativamente recente, essa mesma área foi pauta da mídia nacional. Primeiro entre as décadas de 80 e 90, devido ao impressiona nt e número de suicídios entre os Kaiowa, tema também de muitos estudos a respeito desse povo, e depois, no fim dos anos 90/início de 2000, a respeito da alta incidência de doenças sexualmente transmissíveis na área, incluindo Aids. 6

17 aspectos de suas culturas, pode revelar, por detrás da dramática miséria desse índio genérico 16 e aculturado, um povo que se auto- determina e cujos indivíduos são, apesar das agressões da política indigenista oficial e das aspirações progressistas sociedade civil brasileira, sujeitos ativos em todos os processos que os envolvem, cada vez mais politicamente organizados. O teko porã [modo correto de ser] aparece no processo de reinvenção da cultura Kaiowa como elemento valioso para de manute nção de sua organização e forma de entender o mundo Mato Grosso do Sul: território Kaiowa Kaiowá é o nome como é conhecido o maior dos subgrupos Guarani brasileiros. Sua população no país é estima da hoje entre 13 mil e 15 mil pessoas 17, divididas em mais de 20 áreas no Mato Grosso do Sul, sendo encontrados também em áreas contíguas do Paraguai (Almeida, 2001:19) 18. Há outros dois subgrupos entre os Guarani, os Ñandeva, habitantes do mesmo estado, e os Mbÿa, que vivem hoje basicamente no litoral sudeste e sul do país. O 16 Ribeiro, 1996, p.12. Em Darcy Ribeiro, a idéia de índio genérico está associada à criação de indivíduos descende nte de indígenas longe de seu povo, e à uma aculturação de grupos inteiros. 17 Somando os indivíduos Kaiowa e Ñandeva, dados de 2005 mostram o número de aproximada m e n t e 35 mil indígenas Guarani só no cone sul do MS. (Mura, apud Brianezi; Pimentel, 2005) 18 Rubem Almeida, juntam e nt e com Fábio Mura, são as duas principais referências usadas neste trabalho nas falas sobre os Guarani Kaiowa. A terminologia e as grafias usadas nas citações de língua indígena, bem como suas formas de emprego neste texto, têm como base essas referências. Antropólogos e conhecedores da língua Kaiowa, são autores de alguns dos textos mais recentes e mais teoricamente atuais sobre esse povo. 7

18 subgru po Kaiowá seria o único que não usa a auto den o minação Guarani. São conhecidos também como Teüi e Tembekuá, sendo o primeiro nome empregado por eles próprios para todos os índios, qualquer que seja a etnia, com o significado de naturais da terra (Schaden, 1974). No estudo de Almeida (2001) consta que sua auto- denominação, entre os grupos viventes no Paraguai, seria Pai- Tavyterã, nome como são conhecidos naquele país. O território que ocuparam as famílias Guarani, em tempos passado s, é muito maior do que o espaço hoje reservado para elas. Grandes porções de terra das que hoje constituem o estado do Mato Grosso do Sul eram território desse povo, que chegou a abranger uma extensão de aproximada m e n t e 40mil km² de terra (Brand, 1997). Para se ter uma idéia, quase todo o território tomado pelo Brasil ao fim da Guerra do Paraguai era habitado por kaiowas, além de grande parte do antigo sul do Mato Grosso (hoje Matogrosso do Sul). Sua unidade social básica é a família extensa [te yi], um grupo familiar que une pelo menos três gerações em torno de um chefe religioso, o tamõi. Antigamente, essas famílias viviam sob um mesmo teto, numa grande habitação chamada ogajekutu ou oygusu (Schaden 1974; Almeida 2001; Mura 2000). Diferentes famílias extensas se relacionariam numa unidade político- territorial deno minad a guará, dentro da qual se localizariam a léguas de distância uma da outra, sendo relativamente autônomas em relação a ela (Mura, 2000:9). A partir da segunda metade do século XIX, os Guarani intensificaram suas relações com os brancos, na busca por instru me n t o s técnicos, como ferramen tas e indument árias. (Mura, 200?:.9 e 10). Logo após a guerra entre Brasil e Paraguai, 8

19 iniciou- se na região de ocupação desse povo a exploração da erva- mate nativa. No Brasil a Cia. Matte Laranjeiras, fundada em 1892, conseguiu concessões do estado brasileiro para explorar com exclusividade enormes espaços territoriais. Os/as Guarani se tornaram a principal mão- de- obra nos ervais, por serem exímios conhecedores e apreciadores das qualidades do vegetal extraído (idem:10). A nova configuração do contexto sócio- ecológico- territo rial possibilitou novas técnicas e estratégias de subsis tê ncia para os índios, constit uíd a s num primeiro mo me n t o pela troca siste má tica, e em seguida pelo estabelecime n t o de relações de trabalho temp o rá rio com os novos colonos, deno min a d a s de changa (Thoma z de Almeida 2001; Mura 2000). Contraria me n t e ao que apon tava m alguns autores nos anos 50, nortea d o s pelo paradigm a da acultur ação (Schade n 1974 [1954], Watson 1955) - posições estas hoje difun di d as pelo senso comu m -, o engaja me n t o dos indígenas nestas novas atividade s não implicou numa muda nç a radical do estilo de vida guarani (Thoma z de Almeida 2001). Os indígenas passara m progres siva m e n t e a transformar a organização das unidades domésticas, tornando - as mais flexíveis e adaptadas às novas circunstâncias (ibid:10 ). Novos assenta me n to s, novas habitações, novas mercadorias e ferramen tas, abando n o da cerâmica. Mesmo integrand o técnicas aquisitivas que requeriam o estabelecimento de relações sociais e políticas com o povo branco, essas integrações eram sempre motivadas por distribuir seus resultados no interior dos circuitos de cooperação primária, isto é, interna men te às famílias extensas (Mura, 200?:11), ou seja, na distribuição de bens conforme manda sua tradição. 9

20 Ao longo da vivência na nova situação, seus membros deixaram de viver todos em uma única cabana. As famílias nucleares passara m a habitar cabanas menores em torno da residência do tamõi, líder da família extensa, ocupan d o um espaço que garantisse o cultivo dos campos, a colocação de armadilhas, a coleta de plantas medicinais, de frutos selvagens, de mel, etc.(idem:12) A nova configuração espacial definida por relações como a extração de mate, embora apresenta n d o novidades, dava continuidade à lógica de apropriação do território perpetua d a pelos Guarani. (...) as famílias extensa s guarani pudera m se estabelecer preferivelmen t e nas nascentes de rios e córregos, distrib uin d o as famílias nucleares ao longo e ao redor destes cursos fluviais ou minas de água. O espaço intercorr e n te entre os lugares de domínio de uma família extens a e o de outra tendia a seguir as características da rede fluvial, poden d o ocorrer, porta n t o, que os grupo s ficasse m muito distan t es um do outro. O que unia estes grupos familiares entre si fisicame n te era uma rede de trilhas (tape po i) através das quais os indígena s se comu nicava m e mantin ha m elevada circulação de pessoas, seguin d o a lógica do oguata (andança), que deter mi n a a amplitu d e das relações de parentelas comu nitá rias.(ibid:14) Em 1910 foi criado órgão de assistência e tutela do governo federal chamado Serviço de Proteção ao Índio (SPI), que mais tarde viria a se tornar Fundação Nacional do Índio (Funai). Ignorando a forma de organização social e ocupação territorial Guarani, essa agência indigenista oficial atuou no sentido de confinar os grupos em áreas reduzidas, com vistas a desocupar espaços para a colonização do interior do país (Lima, 1995, apud Mura, 200?:13). Uma das 0

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 5 SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE Percepção de diferenças entre índios e não índios no Brasil hoje Estimulada e única, em % Base: Total da amostra (402) NÃO S/ URBANOS POPULAÇÃO NACIONAL

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás.

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. Comunicação, Ciência e Conservação do Cerrado: Mídia e Jornalismo na conscientização e

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS dos Santos, Coordenadora de Assistência Farmacêutica da Funasa, em Pernambuco, e do programa de assistência farmacêutica na saúde indígena. Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. m programa

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO

EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO QUESTÕES QUE ENVOLVEM CONHECIMENTO RELATIVO À NORMA CULTA DA LÍNGUA (CONCORDÂNCIA VERBAL, REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL, PONTUAÇÃO,

Leia mais

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL Projeto GCP/RLA/199/BRA: Fortalecimento do Setor Algodoeiro por meio da Cooperação Sul-Sul Termos de Referência: ESPECIALISTA EM SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS (01 Consultor/a): CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A felicidade do adolescer

A felicidade do adolescer A felicidade do adolescer Clodolina Martins* Indianara Ramires Machado* Thaisa Dias* Zuleica da Silva Tiago* Desenvolvemos o projeto A felicidade do adolescer: o adolescente conhecendo a si mesmo 1, na

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

dicas para usar o celular nas aulas

dicas para usar o celular nas aulas E-book 11 dicas para usar o celular nas aulas Sugestões de atividades com os aplicativos mais básicos e simples de um aparelho Por Talita Moretto É permitido compartilhar e adaptar este material, desde

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Pedagogia 4ª Série Organização e Metodologia da Educação Infantil A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta A Escola portuguesa no séc. XXI (1/5) Falar de Escola é falar de educação. Compreender a escola é, também, compreender a evolução das ideias sobre educação ao longo dos tempos. Nesta linha de evolução,

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Nossa Missão, Visão e Valores

Nossa Missão, Visão e Valores Nossa Missão, Visão e Valores Missão Acolher e mobilizar os imigrantes na luta por direitos, cidadania e empoderamento social e político; Combater o trabalho escravo, a xenofobia, o tráfico de pessoas

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI

Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI Eranir Martins de Siqueira 1 Orientador: Antônio Jacó Brand. 2 Introdução. O presente trabalho centra-se na análise de

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 3º Encontro Planejando intervenções Polo 6 P.E. Serra do Mar Núcleo Caraguatatuba Algo que pode provocar ou, também, inspirar...

Leia mais

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissao de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Depois de realizar a Conferência... Realizada a Conferência em sua Escola ou Comunidade, é

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Objetivo:Promover a interação entre pais e filhos, de maneira divertida, prazerosa e colaborativa, dentro do contexto escolar de convivência e socialização.

Leia mais

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Índios Lecionando: troca de saberes 1 Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Os vários trabalhos

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Atividades. Caro professor, cara professora,

Atividades. Caro professor, cara professora, Atividades Caro professor, cara professora, Apresentamos mais uma nova proposta de atividade sobre alguns dos temas abordados pelo programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil*. Ela inaugura a

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Missões para os índios americanos

Missões para os índios americanos Missões para os índios americanos Em busca do Nobre Selvagem A história de missões ameríndias é intrigante: Iniciada pela igreja Católica; Despertou o interesse dos protestantes. Depois de muito zelo e

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Relatório de atividades Socioambientais

Relatório de atividades Socioambientais Relatório de atividades Socioambientais Ação 1: Apresentação da programação da Feira do Empreendedor 2014 às instituições da comunidade do entorno do SESI. Realização: Amazônia Socioambiental Equipe Técnica

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O investidor-anjo e acadêmico Antonio Botelho discute as barreiras ao empreendedorismo e à inovação colaborativa no Brasil, e as formas de

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela

Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela 02 de novembro de 2014 Durante o II Encontro Binacional Yanomami Ye kwana foi criado o Fórum Permanente Binacional

Leia mais