mém^abémtim^ fk méèmltâ&làé&iv*to&\ LEIA NESTA EDIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "mém^abémtim^ fk méèmltâ&làé&iv*to&\ LEIA NESTA EDIÇÃO"

Transcrição

1 - k -*~i. W^rõr CENIRODE PASIORAI DA COMUNrACAO Rua: Iugoslávia, 384 Tel : Santo André/SP Feverei ro ^ 1 7 MAR 1388 S ü» Pt DOCUMi < AçAO X -3%vz.\ mém^abémtim^ fk méèmltâ&làé&iv*to&\ LEIA NESTA EDIÇÃO Sindicalismo de resultados, pág. 2 Tudo pelo Social, pág. 3 Negro: quatro séculos de Luta. pãg. 4 Escola de Direitos Humanos, pág. 5

2 M, Sindicalismo )L de resultados só resulta em prejuízo Trabalhador brasâfeiro, cuidado: o chamado "sindlcalisíiio ds ressaltados" sé traz prejuízo e atraso. Esta anáüse de Pedro Scmo Neto, do Instituto Roberto (Morena, prova isso. O triste espetáculo promovido a 30 de janeh» passado, por Medeiros, Magri, JoaquinzSo e PC do B, na plenária da CGT, foi o prenuncio de tempos trágicos que podem estar por vir para o sindicalismo brasileiro de nossos dias. Foi a plenária dos que querem ser os primos pobres do capitalismo, daqueles pobres de dinheiro e de espírito que deliram contra a "partidarizaçao" do movimento sindical, em favor de um "sindicalismo de resultados", por "negociações" com o governo e com os monopólios, sem saber, em momento algum, o significado real daquilo que dizem. Magri e Medeiros em particular, por razões virtualmente inconfessáveis, querem que os trabalhadores brasileiros sigam o modelo de sindicalismo da AFL (Americam Federation of Labor), para que assim tenhamos sindicatos fortes e influentes. Mas, qual é mesmo a força do sindicalismo "de resultados"? Politicamente, nenhuma: via de regra, a AFL nao apoia candidatos à presidõncia dos Estados Unidos, mas, quando o fez, como foi o caso com Walter Mondale, lançado em 1984 pela AFL mesmo antes dele ter sido indicado na convenção de seu partido, sofreu contundente derrota em 49 dos 50 estados norte-americanos. Como diz Magri, quando nüo se pode negociar com um governo que nos é favorável, negocia-se com o adversário, como ele próprio tenta fazer com o "Centrão". Para um sindicalista de resultados, governo, político, é tudo igual. Derrotado, seu candidato a AFL foi "negociar" com Ronald Reagan. E o que deu? Os pragmáticos sindicalistas americanos propuseram-se a viabilizar o projeto neoliberal, reanimar o capitalismo, fazê-lo mais competitivo, aumentar os lucros dos monopólios e o dinheiro no bolso dos ricos, subir a produtividade e reduzir os custos de mso-de-obra. Os "resultados" da AFL foram decepcionantes. A indústria automobilística dos EUA, por exemplo, que, em 1979, ocupava mais de 700 mil pessoas, hoje não tem mais de 500 mil, apesar do tempo de montagem de um veículo ter diminuído de três vezes. Nesse mesmo período, a indústria metalúrgica perdeu metade dos seus empregos. Diminuiu a ocupação na indústria e cresceu no setor de serviços, onde freqüentemente ela é apenas temporária, não exige qualificação e, por conseguinte, é muito mal remunerada. Cerca de 19 milhões de norte-americanos trabalhavam, em 1986, segundo dados oficiais, apenas em regime de meio período. Quanto a salários, os "resultados" dos sócios americanos de Medeiros e Magri, são ainda piores: nos acordos salariais, por exemplo, cada vez mais vigora nos EUA um sistema de dois ou mesmo três níveis, que permite reduções de 10 a 80 por cento na remuneração de empregados novos ou readmitidos. Diminui, também, o número de contratos coletivos assinados pelos grandes sindicatos, onde se fixam pisos salariais tendo por referência o aumento do custo de vida (que os americanos chamam de cola, "cost of living allowances", um refresco bem amargo!). Os grandes sindicatos americanos, aliás, estão cada vez menores, pois não representam hoje mais que 6 milhões de empregados, enquanto nos anos 70 representavam 10 mihões. Outro grande "resultado": transferência de capacidade industrial americana para os países de mão-de- obra barata. Em 1985, por exemplo, cerca de 80% da produção norte-americana de microcomputadores (à exceção dos destinados a fins militares) foi transferida para Taiwan, Coréia do Sul, Malásia, Singapura c Hong Kong. Isso explica, aliás, o "sucesso" econômico desses países, tão elogiado e repetido pelos políticos do "Centrão". As pressões dos monopólios e do goverr.o dos EUA contra a reserva de mercado da informática no Brasil têm suas raízes, precisamente, na intenção dos gringos em aplicar transferência semelhante também em nosso País. Na verdade, o íjue é bastante curioso é que enquanto Magri c Medeiros querem nos fazer imitar os americanos, o próprio vice-presidente da Goodyear dos Estados Unidos afirma: "Sc não baixarmos os salários reais (nos EUA) a níveis muito idênticos aos da Coréia do Sul ou do Brasil, não poderemos aumentar os níveis de produtividade ao ponto de considerarmos nossa indústria realmente competitiva" Mas, numa coisa os primos pobres do nosso capitalismo podem realmente invejar seus primos pobres nos EUA: perguntamos, no começo, qual era a força do "sindicalismo de resultados" naquele país, e agora revelamos que ela está mesmo é na relação privilegiad.a das lideranças da AFL com os serviços de informação, com o crime organizado e os órgãos de repressão dos EUA. Tudo isso para impedir que qualquer tipo de oposição possa se desenvolvei contra os objetivos dos monopólios e seus aliados, em qualquer parte do mundo capitalista. Este, sim, é um "resultado" bastante palpável, do qual já tivemos um lamentável exemplo no dia 30. UM BALANÇO E PERSPECTIVAS DO MOVIMENTO SINDICAL K==c*r ==ís=3=: = = = = s====s===r= =s==r==s5 «E5F.5 H0MENS- DIAS PARALISADOS =is«==«e*a- SUHERO CE GREVES 1V Var.d) Vir.m Oan ,5 Fev , Mar , ,3 Abr , ttii , Jun , Jul , Ago Sst , ,4 Out , » 2.0 Hov Doz Primeiro fiem , Secundo uenogtre ,S 7oUl Ooral ' * Com «stibiuví» rtrí novímbro dtteabro que qua s Este o f u t e s mun i Ia p tos nao r en c b 1 em r em t e rm e p e Ia r i s i n d para p o s s Dos real e 44 ai t nc i o t rab c i pa oi í t nao tem ia d a s n 1 imi i na d Io C os d As i ca 1 um ibil 55 milhões i zar am grev % er am serv o nu me ro de na 1 1 smo pub a lha dores ( 1) f oram mu i c a tive nem e Pr a ho t ado os p on se as E pe r s ne s quad idad de a rro ram os mesmo a ecos (U ra de n s aos í elo Min l h o I n t s t a t a i s pec t iva te in íc r o de d es de m de t ra balh adores es no a no d e 1987, idore s do g overno. p a r a 1 i 1ico mo federal i t o p r e cho sal ga t i 1 ho s Unida RP) e e egoc iaç n d i c e s i s t e r i o erm in i s (CISE) s para io de a i f i c u I d u i t a mo saçõ s t r a, es j udi ária s, a de s n f r e a o, o f i c da t e r i es entre que estadual e ca dos pe 1: mui-' ma ior ia de Re f e- ntam pr por fica ia is de- Fa zenda' ai de Sa o movimento' no apontam ' a d e s, com ' bilização. fontt: HtnilUtl* do Tnbjlho.

3 IEGROI QUATRO SÉCULOS DE LUTA E SONHO APAGADOS PELA HISTORIA A Campanha da Fraternidade estende-se pelos 40 dias da Quaresma. Neste tempo a Igreja do Bra- 1 sil promove uma reflexão sobre um determinado assunto que desta vez é "0 Negro". Em seu texto-base a Conferen-' cia Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) explica a escolha do tema: trata-se^ isto sim, de reconhecer ã ' luz da fé, que os traços deste passado permanecem ainda hoje e são contrários a luz da dignidade do homem, ã fraternidade e ã justiça". E esta situação ' de injustiça em que vivem os negros, ' no Brasil, será debatida nos encontros durante a Campanha da Fraternidade e,' esperamos durante todo o ano de Mas, não basta discutir^sobre a questão social, sendo também importante lembrar dos dados da historia que ' foram destruídos por Rui Barbosa quando mandou queimar todos os arquivos so bre a escravidão negra para apagar esta "mancha" do nosso passado. São poucos os que conhecem, realmen ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA Pctrópolis (AGEM) - O teólogo írunciscano Leonardo Boff já aceitou, em princípio, convite da Escola Superior de Guerra (ESG), principal formuiadora das políticas governamentais com base na ideologia de segurança nacional, para fazer palestra na sede da ESG, em março próximo, sohre Teologia da Libertação e suas expressões concretas na atividade pastoral das Igrejas no Brasil. Os detalhes finais para a palestra de Boff na ESG estão sendo acertados entre o teólogo c membros do grupo de trabalho da Escola Superior de Guerra que vem estudando a atuação da Igreja Católica no país, particularmente a atividade pastoral das Comunidades Eclesiais de Base, CEBs. Leonardo Boff será o primeiro teólogo da libertação a comparecer à Escola Superior de Guerra. O primeiro político de esquerda a fazer palestra para os militares e civis da ÈSG, já sob a chamada "Nova República"', foi o presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), deputado federal Luís Inácio Lula da Silva. A motivação de Boff para comparecer à ESG, segundo disse o próprio teólogo à AGl.N. na ultima semana cie janeiro, cm Goiânia (GO), durante o 5- Encontro Nacional dos Direitos Humanos, é a de tentar contribuir para desfazer informações e interpretações distorcidas, sobre o trabalho pastoral das CEBs e o significado da Teologia da Libertação. Entre os dignatáriòs da Igreja Católica no país, o único a ter comparecido à ESG para palestra foi o cardeal arcebispo de Salvador (BA) c prima/ do Brasil. d.avelar Brandão Vilela, falecido cm te, a h i s t o r i Por exe mpl o, de impo r t a n c i pois ti nhám u dade e eram a para es ta gen destes q u i 1 o m como er guiam f a dos os qu a na ma no espe te. V bos? a a vi da do ug i r p ara e negros do Brasil, ilombos tiveram gra época da escravidão va proposta de soei rança de 1i bertação océjá ouviu falar Você sabe o que era s escravos que cons stes 1 oca i s? Outr o fato impo rtan te sã o as pai a- vra s qu e hoje usam os e que fora m traz i das par a o no s so v ocab u 1 á r i o pe los. ' a f r i c a n os. Sã o tan tas e tão com uns co mo bala i o, b a nze, batu que, cach aça, c a çula, m acaco, mand inga, qui abo, quita n da, j a m bo, ma mbemb e, g anda i a, p apagai patuã, pi l^equ e, sa mba, seza Ia, etc., a gente nao s abe d i sto. Voe é co nhece outras pai avr as de or i gem a f r i c ana qu fai amos no no sso d i a-a» dia? Ten te fazer uma rei aç ão de stas pai a vras. Apro v e i t e, também e re 1 ac i one a s co m i d a s que ele s t r o u xeram par a nós Participando da Campanha da Fratern i dade, todos nos, poderemos trabalhar no sentido de recu perar nossas ratzes. NOVA ENCICLICA PAPAL A nova encíclica escrita cm latim, "Sollicitudo Rei Socialis" ("Preocupação ' com os Problemas Sociais") c uma espécie de continuação da "Populorum Progressio" ("Progresso dos Povos) de Paulo 69, que trata daquestão do desenvolvimento e foi divulgada em 26 de ' março de O Papa João Paulo 2? divulgou, este mês, sua primeira encíclica sobre quês toes sociais, na qual condena o sistema de blocos ' políticos e militares e ' acusa os países capitalistas e comunistas desenvolvidos de serem igualmente responsáveis pela exploração dos países pobres, ignorando o dever "ético e ' moral" de ajudarem a alivi ar a "miséria humana". O documento analisa os' problemas dos países em de s e n v o 1 v i m e n t o, a confronta ç ã o I e s t e- o e s t e e norte-' sul, o imperialismo, a opção pelos pobres, a mise-' ria e a opressão e critica a produção de armas, etc.: No ultimo capítulo, o ' papa afirma que a Igreja ' não tem "soluções técnicas para o desenvolvimento e ' pede que todos, trabalhem inspirados pela "solidarie^ dade pelos pobres". PONTOS PRINCIPAIS DO DOCUMENTO Os bens deste mundo»õo destinados a todos. Faz parte do ensinamento e da prática mais antigo da Igreja a convicção de seu dever de ai iviar a miséria dos sofredores, próximos ou distantes, nâo só com o supértluo, mas também com o necessário. Amplio-se o abismo econômico e social, cultural e de valores entre o norte desenvolvido e o sul em vias de desenvolvimento. Sâo indicadores desse abismo a negação ou limitação dos direitos humanos, o desemprego, o subemprego e a dívida externa, que de mecanismo de ajuda ao desenvolvimento passou o' meconismo contraproducente". Diante do "desequíbrio internacional" é preciso reformar o sistema internacional de comércio, hipotecado pelo protecionismo e bilaterolismo, e o sistema monetário e financeiro mundial. Uma das causas do subdesenvolvimento j é o "existência de blocos contrapostos", político o ideologicamente, cada um "ocultando internamente a tendência ao imperialismo ou a formas de neocolonialismo". A Igreja tom um posição critica tantediante do capitalismo liberal coma do colctivismo marxista. Os dois sistemas precisam de reformo. A produção e o comércio de armas, o "perigo tremendo" das armas atômicos, o problema dos refugiados, o terrorismo e o queda da taxo de natalidade nos poises desenvolvidos constituem uma situação que ao invés de levar ao desenvolvimento "nos encaminha rapidamente para a morte". O verdadeiro desenvolvimento implica no respeito oos direitos de todos e de cada um, tanto no ordem nacional como internacional. É necessário incentivar o solidariedade para conseguir "o desenvolvimento e a libertação" de "todo forma de escravidão relativa ao homem e ò sociedade". o, e

4 Nestes últimos dois meses, a crise do Executivo se agravou. Os fatos se sucederam em rápida se-' quencia, mostrando claramente a ' face de um governo que se afastou e continua se afastando dos interesses de nossa sociedade, apegado ao poder pelo poder, a serviço do interesse de um grupo de pes-' soas e das minorias que controlam o próprio governo. 0 uso de dinheiro publico pa ra organizar uma base de apoio para ' prolongar o período de governo do presidente Sarney passou a ser uma pratica corriqueira. Estão aí o ministro ' Prisco Viana e o ex-ministro Aníbal ' Teixeira, que foram pródigos na pratica da compra por baixo preço. Isto sem falar nas concessões de canais de TV e emissoras de radio, sob o comando de ' TUDO PELO SOCIAL Uma analise mais detida dos fa-' tos que ocorreram nestes dois meses,' na vetdade, revela uma política decididamente subversiva por parte do governo, ou seja, o governo nao governa para atender às necessidades da socie dade. Vejamos alguns fatos: Habitação: A política de financiamento da casa própria se reorienta para',a classe média, aumenta a faixa de re cursos de OTNs por mutuário, pa ra OTNs e, em certos casos ate" r OTNs. Além de utilizar este mecanismo para a cooptação (nome elegar^ te do suborno), pensando em ganhar ' apoio de prefeitos, governadores e da classe média. Pobre classe media, que ficara mais pobre. De fato, com esta' reorientação, os programas de casas ' populares e de habitações do baixo ' custo receberão menos recursos propor cionalmente, o que é reconhecido ate pelos corretores de imóveis. Esta eli tização representa, de fato, um privi légio para os possuidores de terrenos (que irão se valorizar), para as em-' presas construtoras (maiores lucros ' com a especulação imobiliária) e para algumas indústrias de materiais de construção civil. Tudo pelo social! mo D* ri i de 5íO%! ÍA(VU! eur De* De Tefi. ÜM iimofomb fot-lissimoi CENAS DE VILANIAS EXPLICITAS Antõnio Carlos Magalhães. Estão aí, também, os constituintes do "Centrão" que desrespeitam a vontade popular. Tudo isso em nome de uma política de "arroz-com-feijão" que faz supor a' prioridade para os programas de nutrição, num país de desnutridos. E em nome de uma austeridade em relação aos ' gastos públicos. Ambos os discursos, ' verdadeiras peças da mais deslavada ' mentira. 0 "arroz-com-feijão" quer dizer nao fazer nada que possa mudar alguma coisa e o controle do orçamento ' quer dizer mais recursos para aqueles que apoiarem o mandato de cinco anos. Isto sem falar na mentira maior deste governo: "Tudo pelo social!..." Saúde: 0 novo ministro está levando a cabo uma política de repressão ideolo gica sem precedentes, promovendo a de missão de Sérgio Arouca da Fundação ' r Oswaldo Cruz (a menos que ele não fale de política). Aqui, também, é preciso' deixar claro que a gente não se esqueça que o ministro Borges da Silveira ' foi do PDS. E ainda, esta ligado aos ' interesses dos donos de hospitais particulares. Telecomunicações: 0 ministro das comunicações, tem sido muito eficiente na' concessão rápida de canais de TV e de' emissoras de radio para a compra de vo tos de constituintes (um deputado fede ral chegou a declarar que a concessão"*" por ele obtida só valia Cz$ 2,5milhões, ou seja, quase nada diante dos recur-' sos de outros parlamentares). Alias, o ministro Magalhães admitiu, em entrevista exclusiva, o uso político de con cessão de radio e TV, com a maior natu ral idade. Tudo pelo Social! Ciência e Tecnologia, Previdência Social, Educação, Cultura, Agricultura, Reforma Agraria, etc.: Nada acontece ' digno de menção, o que e grave. Isto ' significa que estamos praticamente sem políticas publicas nestas áreas.? CENTRAO NAO E DO POVO, Até hoje não se avaliou exatamente quantos votos teve o "Centra"o" nas' eleições. Os meios de comunicação fa-' zem crer que este movimento represente^ a maioria dos eleitores. Não e verdade" São 317 constituintes que representam 24,6 milhões de votos. Somando-se a vq tação dos demais constituintes, o to-'"" tal alcança 56,4 milhões de votos. Ou seja, o "Centrão" representa 30% do ' eleitorado. E se somarmos o número dos votos dos principais lideres do "Centrão" teríamos 293 mil votos no seu ' conjunto, quando se sabe que somente' os votos do Lula sao de 650 mil.

5 Iw f ort.»ia soe & P*íO"1 ~ Hlf-52 8Z NEGO JORNAL NACIONAL DO MOVIMENTO NEGRO UNIFICADO Redação: MNU/Bahia CP Salvador - Bahia A violência hoje, na sociedade brasileira, é um fato corriqueiro. A grande imprensa, escrita e falada, estampa todos os dias notícias tenebrosas. Mas não dá para continuar falando de vio- Wncia como o faz a imprensa empresarial, colocando a violência policial desvinculada da estrutura de poder no país, que faz da agressão um dos seus sustentòculos político e econômico. Este é o conteúdo do primeiro artigo do n9 13 do NEGO. Tem mais: nas páginas seguintes, duas importantes entrevistas: uma com o Embaixador Francisco Romão de Oliveira e Silva, primeiro Embaixador da República Popular de Angola no Brasil; a outra, com Benedita dasilva, a primeira deputada federal negra no Brasil. Traz ainda uma matéria sobre a política do apanheid em Moçambique. Para assinatura de apoio, envie cheque nominal ao Movimento Negro Unificado, no endereço acima, no valor de cem cruzados, o que lhe dá dueito a 3 L, dlçòl,, ". do NEGO. ACORDA PEÃO 1 CAMPANHA SALARIAL 88 DÍPORIÍMÍNIO DOS MÍTOLURCICOS S P ^ A ex pres são "Direitos Humanos" vem sofrendo, junto a op in iã o pública, um processo de degradação que convém anal i sar. E co em meio os d ire h i s t o r i 0 fa r e i t o s 1 o, ond a c i r r a d b 1 e m a d Há o do que da pela a c o n t i r i f e r i a mum s un i tos a de to é huma e se a en e se s qu a v i v i o nuaç de ESCOLA DE DIREITOS HUMANOS ouvir, i v e r s i human direi que d izer-se abertamente "contra os nos" t em uma história peculiar a São vem t ravando, desde os anos 70, uma tre os dois modos de ver e tratar o guranç a. e prop 0 1 e n c i 1 ê n c i a ão da nossas não so da boca do "povão" mas ate 1 tãrios, frases do tipo: "sou contra os", ou "e preciso acabar com essa tos humanos!" di-' Pau- 1 uta pro- ' oem voltar ã lei do Talião, exigina difusa na sociedade seja respond^ institucional: defendem, portanto, surda guerra suja que conflaga a pe cidades. A esse espirito de "olho por olho" contrapõem-se' os que desejam manter os princípios de um pacto so-' ciai civilizado pelo qual todo e qualquer delito deve ser julgado e punido na forma da lei. Para estes, lutar pelos direitos humanos significa, a rigor, cojn solidar os mecanismos de um estado de direito em todas as frentes. Como sempre, quando o objetivo parece colocar-se' muito além das nossas forças atuais (tão grande é o poder dos fatores que geram a violência), apela-se ' para projetos a longo prazo, entre os quais teria lu^ gar de relevo um "programa de educação" realizado no interior dos movimentos populares, entidades e socie d a d e civil. Pensa-se então em "educar para os Direitos Huma-' nos", uma das prioridades, hoje, da Comissão de Justiça e Paz que o Centro de Pastoral da Comunicação - Pacom; Cristãos pelos Direitos Humanos na América La^ tina-cdhal e o Centro de Estudos Políticos e Sociais- CEPS estão tentando concretizar no ABC. 0 objetivo principal desta Escola i de ser um espaço de aprofundamento sobre as mais diversas dimensões dos direitos humanos, servindo a uma formação in tensiva dos militantes nessa área e dos agentes pastorais que começam a dar os primeiros passos nesse ' campo. 0 primeiro ciclo de 1988 (etapa-piloto) serã' realizado de março a junho, todos os sábados das 14 as 17 horas no CEPS - Av: Alfredo Flaquer, San to André. Os professores são militantes de Centros, Comissões e organismos de Direitos Humanos, além de' especialistas nos temas incluídos no programa. PROGRAMA: - 05/0 3 - Bases Históricas e Filosóficas dos DH. - 12/03 - DH e a Questão do Negro no Brasil. - 19/03 - Aspectos Jurídicos. - 26/0 3 - Aspectos Teológicos. - 02/04 - DH e Relações de Produção - 09/04 - Aspectos Políticos - 16/04 - Comunicação e Direitos Humanos, - 23/04 - DH e Reforma Agrária. '- 30/04 - DH e Solo Urbano. - 07/05 - Ecologia e DH. - 14/05 - Direitos Humanos e Violência. - 21/05 - DH e a Situação da Mulher. - 28/05 - DH e Instituições Fechadas. - 04/06 - Menor e os DH. - 11/06 - Direitos Humanos e Saúde. - 18/06 - Direitos Humanos e Educação. 25/06 - DH e a Solidariedade La tinoamericana.

6 TUDO PELO SOCIAL O orçamento das Forças Armadas M para 1988 é de Cz$ 274 bilhões. É ^JQ cerca de 25% mais do que o Minis-.. tério dos Transportes e 100 vezes ^ imais do que o total de gastos do' Ministério do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente com habita-' jjjção (Cz$ 2,7 5 bilhões) e 12 vezes ^^lo que o governo vai gastar com a merenaa escolar. CAMILO TORRES, Sao Pa dia 15 de da morte d colombiano PROFETA E MÁRTIR frentament o com 0 exerci sião, Cami Io Tor res havi sua primei ra arm a, como membro cito de L i bertaç ao Nac i o nal. Na nidade tam bem pr ocurava ajudar companheir o que estava f er i do. de uma fam T1 i a d a alta b u r g u e s 1 tourou-se em Lou va i n, na B e 1 g i c Universida de Nac ional. F oi tecn programa d a Refo rma Agra ria. Seu m os jovens, de 1Tder. descobrind povo. Esta opção radi do os i dea pos Latino própri a Co C a m 11 to, márt i r tã nascend tãs revere tismo numa na Igreja seus prime ulo (A GEN) - C fevere iro o 22 e C a m i Io Torre de 37 anos fa a i o r a dos q Viajou 0 a mi desço cal pe i s da -Ame ri 1 o m b i a postolad ua i s tor por tod séria em berta le 1 os pobr Conferên canos re em Mede o Torres torno e profeta da o. Hoje as com n c i a m Camilo p época em que Católica apena i ros passos. eiebrou 9 a n i v e s, sace 1ec i do to. Na a receb -se no rsãri o rdote ' num en oca- -1 " ido ; do Exer oportíj a um V Filho 1 a, dou a, nã i co do o foi entre ' nou-se um grajn 0 país e foi 1 que vivia o vou-o a uma ' es, antecipan cia dos Bis- T a 1i za d a na ' 1 1 Tn em u-se, portan- Igreja que es unidades c r i s elo seu profé as mudanças ^ s ensa T ayam ' A s cos e , mos o c ebemo Ago 14 4,39 gem de te 7 0% t a o as de seu CARTA ABERTA AOS PAIS Tod os o s t r abalhador sando um p e r ío do de ach a L imp o s t o pe 1 a p o 1 í t i c Govern o Fe dera 1, pois a repond o os sal arios cor fiação, c o mo t o d o s os s tido e m se u p r oprio boi i t ua ção dos fune i a i n d a pi o r ; pois q uan do c om mu i t a últi mo g atilho sa s ma i s n enhum rea juste. ra, com a defasag em salarial de %, o gov ervo Quer nos a f r de reaj sim redu valor r o n t a r, o f u s t e. Nos z id o s em ea 1. es vem atravesatamento salari a econômica do U.R.P. não vem roídos pela in- enhores tem sen so. onarios publi- 1 desde julho de luta consegui-' larial, não re- cia teve a cora erecendo somensos salários es 1/4 (um quartot Alem disso, somos obrigados a assis tir a propagandas demagógicas e mentirosas, pagas com dinheiro publico, em' que o governador diz estar resolvendo' os graves problemas de educação, saúde e segurança em nosso Estado. o s Contamos com a colaboração de todos senhores contra esta injustiça: Pelos 144 ai já. 3 9% + 15% de aumento re Pela manutenção das conquistas con seguidas pelo estatuto do magistério. QUANTO OS GOVERNADORES GASTARAM COM PUBLICIDADE* TAO trrapo, ^^E $o' PA' CERTO, PE CABfeÇA?KA BAIXO. 1 HYFtRlMEWTE VI^AMDo o TO-RMAL. agoslavid, J84 -' das Nações Santc André - SP uarez vollet Filhi. José Sebastião.. etánc - Mar ia ie Ji > Darigues. Pechtoll. Nascimento itana Rodrigue: ' s Sar.tos

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

Por ocasião da Marcha para Jesus, o deputado Wasny de Roure. (PT-DF) pronuncia o seguinte discurso: No próximo dia 11 de

Por ocasião da Marcha para Jesus, o deputado Wasny de Roure. (PT-DF) pronuncia o seguinte discurso: No próximo dia 11 de 1 06.06.05 Por ocasião da Marcha para Jesus, o deputado Wasny de Roure (PT-DF) pronuncia o seguinte discurso: No próximo dia 11 de junho teremos mais uma Marcha para Jesus em Brasília, evento que acontece

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Pesquisa e Consultoria Relatório Síntese PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 89 CNT 18 a 22 de Junho de 2007 SAS Q 06 - Lote 03 - Bloco J Rua Grão Pará, 737-4º andar Ed. Camilo Cola - 2 o andar

Leia mais

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979)

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979) Divisões entre os militares: SORBONNE: oriundos da ESG (Escola Superior de Guerra, intelectuais, veteranos da 2ª Guerra, próximos da UDN, alinhados com os EUA, anticomunistas, executivo forte e soluções

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 57 Imprimir 2015-09-24 Rádio Vaticana Francisco no Congresso Americano acolhido com grandes aplausos. É a primeira vez que um Papa

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o Não Pagamento da Dívida Pública O endividamento público vem pautando a vida do povo brasileiro sob diversas formas, especialmente a partir da

Leia mais

10 motivos para investir e se apaixonar

10 motivos para investir e se apaixonar 10 motivos para investir e se apaixonar CONHEçA UM POUCO MAIS SObRE A CIDADE que NãO PARA DE CRESCER E que TEM TUDO PARA fazer O MESMO PELA SUA EMPRESA. o Brasil está se firmando como um gigante do desenvolvimento

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

- fevereiro/78 Informativo da Arquidiocese de Vitoria para o mundo operário. A LUTA DOS FERROViXRIOS. metalúrgicos

- fevereiro/78 Informativo da Arquidiocese de Vitoria para o mundo operário. A LUTA DOS FERROViXRIOS. metalúrgicos - fevereiro/78 Informativo da Arquidiocese de Vitoria para o mundo operário A LUTA DOS FERROViXRIOS ü nosso FERRAMENTA n2 zero, vimos a luta dos metalúrgicos de S. Paulo. A luta pela reposição salarial;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fonte: O Globo 'Ficam dizendo que vou sair de novo' Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fernanda da Escóssia, Germano Oliveira,

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

FEIRÃO CAIXA DA CASA PRÓPRIA. II Fórum de Comunicação do Governo Federal no Nordeste 11 NOV 2008

FEIRÃO CAIXA DA CASA PRÓPRIA. II Fórum de Comunicação do Governo Federal no Nordeste 11 NOV 2008 FEIRÃO CAIXA DA CASA PRÓPRIA ESTRATÉGIA DO FEIRÃO OS PÚBLICOS TRABALHADOS ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO RESULTADOS ESTRATÉGIA DO FEIRÃO Disponibilizar espaço para a interação entre demanda (população), oferta

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Marcos Leôncio suka02@uol.com.br 1 VOTO VENDIDO, CONSCIÊNCIA PERDIDA. Escrita por: Marcos Leôncio. Elenco: Olga Barroso. Renato Beserra dos Reis

Marcos Leôncio suka02@uol.com.br 1 VOTO VENDIDO, CONSCIÊNCIA PERDIDA. Escrita por: Marcos Leôncio. Elenco: Olga Barroso. Renato Beserra dos Reis VOTO VENDIDO, CONSCIÊNCIA PERDIDA. Escrita por: Marcos Leôncio Elenco: Olga Barroso Renato Beserra dos Reis Zilânia Filgueiras Sérgio Francatti Dodi Reis Preparação de Atores e Direção: Dodi Reis Coordenação

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

Seminário O controle interno governamental no Brasil. A articulação entre os órgãos de controle interno e o foco nos resultados

Seminário O controle interno governamental no Brasil. A articulação entre os órgãos de controle interno e o foco nos resultados Seminário O controle interno governamental no Brasil A articulação entre os órgãos de controle interno e o foco nos resultados Ronald da Silva Balbe CGU 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná

Leia mais

N : PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Entrevistador: Nome do entrevistado: (xx)xxxxxxxx. Endereço: Cidade: Situação do domicílio: 1.Urbano 2.

N : PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Entrevistador: Nome do entrevistado: (xx)xxxxxxxx. Endereço: Cidade: Situação do domicílio: 1.Urbano 2. Entrevistador: Nome do entrevistado: Telefone: (xx)xxxxxxxx N : Endereço: Cidade: Situação do domicílio: 1.Urbano 2.Rural Estado: AC AP DF MA MT PE RJ RR SE AL BA ES MG PA PI RN RS SP AM CE GO MS PB PR

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA A ANGOLA Encontro com Deputados

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO. FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO...

PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO. FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO... CADÊ O BRASIL RICO? FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO... PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO.... E AQUI, DINHEIRO SOBRANDO NO FIM DO MÊS. DESTE

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento?

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? ANA LÚCIA ALVES Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

Ano 1 - nº 1 - Set/15

Ano 1 - nº 1 - Set/15 Ano 1 - nº 1 - Set/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José Aníbal créditos

Leia mais

SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL Largo São Francisco, 173 Centro São Paulo / SP CEP: 01005-010

SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL Largo São Francisco, 173 Centro São Paulo / SP CEP: 01005-010 SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL Largo São Francisco, 173 Centro São Paulo / SP CEP: 01005-010 Ofício 03/2010 A/C: Fraternidades Regionais e Locais da JUFRA e OFS Assunto: Apoio e Participação

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 77 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

p rofissional em foco por Carolina Vilela De olho no

p rofissional em foco por Carolina Vilela De olho no por Carolina Vilela De olho no O economista Ricardo Amorim fala das boas perspectivas para o Brasil nos próximos anos e comenta a reviravolta social e de classes que acontece no país. fu Na semana em que

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6

S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6 S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6 ALIMENTAÇÃO. Com data-base em 1º de setembro, o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Alimentação (Setor de Derivados de Milho e Soja), representando

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA Som da Vila Cifras e Fichas Técnicas Músicas 1. Nosso Louvor... 3 2. És... 4 3. Toda Honra, Glória e Louvor... 5 4. Agora e Sempre... 6 5. Àquele que pode... 7 6.

Leia mais

Trabalho, sindicalismo e pobreza

Trabalho, sindicalismo e pobreza Trabalho, sindicalismo e pobreza António Brandão Guedes 1. Revalorizar o trabalho Tal como no início do século XX também hoje enfrentamos importantes e complexos desafios colocados pela economia e pelo

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso na cerimónia comemorativa

Leia mais

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA Pedro Diniz de Sousa Resumo Parte-se de uma definição do conceito de dramatização e da identificação das funções que o discurso dramático pode desempenhar

Leia mais

DILMA ROUSSEFF - https://www.youtube.com/watch?v=pa3bqinemg8&list=uunpbhpsvgxsokclekxmto Lw

DILMA ROUSSEFF - https://www.youtube.com/watch?v=pa3bqinemg8&list=uunpbhpsvgxsokclekxmto Lw Transcrição 14-10 DILMA ROUSSEFF - https://www.youtube.com/watch?v=pa3bqinemg8&list=uunpbhpsvgxsokclekxmto Lw Governo novo. Ideias novas. (Narrador) O segundo turno é uma oportunidade única para cada eleitor

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 27.11.2015

C L I P P I N G DATA: 27.11.2015 C L I P P I N G DATA: 27.11.2015 Boa notícia para o mercado: Rollemberg reduz para 30 meses prazo para pagamento de dívidas O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) decidiu encurtar de 60 para 30 meses o

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Cardeal Sebastião Leme Grito por justiça Dom Helder Câmara Não deixe morrer o profetismo Dom Luciano Mendes de Almeida Não esqueçam

Leia mais

Benefícios aos associados da ABQV

Benefícios aos associados da ABQV Faça a diferença na sua empresa. Junte-se a nós. Associe-se à ABQV. O bene fício é mútuo. Mais qualidade de vida para os seus co laboradores. Maior produtividade para a sua empresa. Empresa Mantenedora

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

RESUMO DE IMPRENSA. Quinta-feira, 31 de Julho de 2008 RESUMO DE IMPRENSA Quinta-feira, 31 de Julho de 2008 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Queda nos lucros da banca retira 80 milhões ao Fisco. Resultados dos quatro maiores bancos privados caíram mais de 40% no primeiro

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil

Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil Rosana Heringer Resumo O ar ti go apre sen ta as prin ci pa is con clu sões da pes qui sa Ma pe a - men to de Ações e Dis cur

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais