PROVA OBJETIVA. (E) have-nots. LÍNGUA INGLESA Despite in Despite agreement on lofty principles (l.16) has the same meaning of:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA OBJETIVA. (E) have-nots. LÍNGUA INGLESA. 03 - Despite in Despite agreement on lofty principles (l.16) has the same meaning of:"

Transcrição

1 LÍNGUA INGLESA READ TEXT I AND ANSWER QUESTIONS 01 TO 04: TEXT I How has new technology changed your life? The impact of new technology, especially in the developed world, is apparent all around us in the way we communicate, run business and understand the world. But the new century has seen questions arise about how rapid and how extensive the information revolution will be. Will the internet turn out to be a radical force for uniting and democratising the world, as some have prophesied or will it cause deeper divisions between the haves and the have-nots? Delegates to a United Nations summit on information technology in December failed to approve practical measures to deliver the internet and other technologies to the world s poorest regions. Despite agreement on lofty principles, negotiators could not agree on key questions such as whether a UN agency should be created to govern the internet and whether to create a separate fund for projects to close the technology gap between rich and poor nations. (http://newsvote.bbc.co.uk 07/04/04) 01- The text points out that the impact of technology on social classes is: (A) predictable; (B) fabulous; (C) uncertain; (D) disgraceful; (E) irrelevant In as some have prophesied (l.09-10) there is a word missing. It is: (A) projects; (B) people; (C) technologies; (D) questions; (E) have-nots Despite in Despite agreement on lofty principles (l.16) has the same meaning of: (A) In spite of; (B) Instead of; (C) In favor of; (D) In view of; (E) For the sake of lofty in lofty principles (l.16) indicates that the principles are: (A) simple; (B) essential; (C) credible; (D) noble; (E) base. 05 READ TEXT II AND ANSWER QUESTIONS 05 TO 10: TEXT II INNOVATE AND DOMINATE When you hear the phrase tech-market domination, you probably think of Microsoft. But in the world of mobile phones, the name is Nokia: depending on whose numbers you believe, the Finnish giant sells up to a whopping 40% of the world s consumer cell phones, almost 180 million last year. Yet even mighty Nokia risks developing an achilles heel namely, the soonto-be-hot corporate market. Fortune 500 companies are desperate for phones that double as computers so travelling execs can tap into corporate data from afar. It s an important growth market, and Nokia is worried that the PC guys like Microsoft are coming into that space as computers and phones converge, says London-based International Data Corp. analyst Tim Mui. IDC forecasts that in Europe alone, business users will buy 60 million phones this year. (Time, March 1, 2004:38)

2 05 - One of the strengths of the innovation mentioned is that it can be used by executives: (A) contradiction; (B) suggestion; (C) complaint; (D) question; (E) prediction. LÍNGUA PORTUGUESA (A) in the office; (B) in the market; (C) on trips; (D) in space; (E) at the corporation. TEXTO EM DEFESA DA RAZÃO Isaías Raw 06 - The word giant in the Finnish giant (l.04) refers to: (A) Nokia; (B) world; (C) Microsoft; (D) consumer; (E) phones Yet (l.06)in Yet even mighty Nokia can be replaced by: (A) Also; (B) However; (C) Moreover; (D) Too; (E) Meanwhile If Nokia develops an achilles heel (l.07) this means it may develop a: (A) possible solution; (B) desperate action; (C) huge problem; (D) fantastic idea; (E) weak point The word double in that double as computers (l.09) can be replaced by: (A) bend; (B) function; (C) multiply; (D) divide; (E) close At the end of the text there is a: Durante décadas, lutei desesperadamente para trazer racionalidade às gerações que me sucederiam, acreditando na ciência e nas suas conquistas. A caminhada do homem na Lua, as fotos dos planetas distantes, os computadores, a televisão direta dos satélites, as vacinas que eliminaram da face da Terra a varíola, a poliomielite, os remédios desenhados em computadores que curam o câncer quando detectado a tempo, os transplantes de coração e rins, a biotecnologia gerando plantas mais resistentes e mais produtivas, que liquidaram com a profecia de Malthus, afastando o perigo da fome universal. E, apesar disso, o que colhemos? Uma geração de crédulos sem capacidade crítica. Até mesmo pessoas que seguiram carreira técnicocientífica não entendem a racionalidade da ciência. Consomem toneladas de pseudomedicamentos sem nenhum efeito positivo para o organismo. Engolem comprimidos de vitaminas que serão eliminadas na urina. Consomem extratos de plantas com substâncias tóxicas e abandonam o tratamento médico. Gastam fortunas com diferentes marcas de xampu que contêm sempre o mesmo detergente, mas anunciam alimentos para os cabelos, quando estes recebem nutrientes diretamente do sangue que irriga suas raízes. Há os que untam o rosto com colágeno geléia de mocotó e ovos e acham que estão rejuvenescendo. [...] Fico pasmado ao ver que, às portas do ano 2000, as pessoas lêem horóscopos sem jamais comparar as previsões da véspera com o que realmente aconteceu. Desconfiam dos cientistas, mas acreditam nas cartomantes, que prevêem o óbvio. Formamos uma geração de pseudo-educados, que querem ser enganados nas farmácias, pelos curandeiros que enfiam agulhas em seus pés e manipulam sua coluna, pelos ufologistas, que vêem extraterrestes chegar e sair sem ser detectados pelos radares. Uma geração que se deixa levar por benzedeiras e charlatães com suas poções, por anúncios desonestos na 4

3 televisão e por pregadores a quem entregam parte do salário. Saem as descobertas e as experiências científicas e entram os duendes, anjos e bruxos. (D) para que acreditassem; (E) porque acreditava. Veja, 4 /9/ O título do texto Em defesa da razão apresenta razão como: (A) a capacidade do ser humano de produzir conhecimento; (B) a possibilidade de ver a verdade nas falsas notícias dos jornais; (C) a crença na ciência e nas suas conquistas; (D) a característica humana oposta à emoção; (E) a confiança nos antigos conhecimentos do Homem A razão, segundo o título, necessita de defesa porque: (A) as descobertas científicas mostraram-se falsas; (B) o Homem é incapaz de distinguir o falso do verdadeiro; (C) a emoção acaba por prevalecer sobre a razão; (D) há muitas pessoas sem cultura no mundo atual; (E) a religiosidade esconde a verdade do Homem Se o autor do texto declara que lutou durante décadas para trazer racionalidade aos homens, infere-se que, no mínimo, esse autor luta há: (A) dez anos; (B) vinte anos; (C) vinte dias; (D) três semanas; (E) vinte meses pra trazer racionalidade às gerações que me sucederiam, acreditando na ciência e nas suas conquistas ; a oração iniciada pelo gerúndio acreditando poderia ser substituída adequadamente por: 15 - Ao citar a caminhada do homem na lua, as fotos dos planetas distantes, o autor do texto pretende mostrar: (A) o maior desenvolvimento das conquistas espaciais em relação a outros setores; (B) a maior eficiência dos americanos no caminho do progresso científico; (C) o triunfo da Física sobre as demais ciências; (D) a validade dos conhecimentos científicos na estrada para o futuro; (E) a certeza de que os fatos citados representam, de fato, a realidade No primeiro parágrafo do texto, para comprovação do valor das descobertas científicas, o autor do texto cita os conhecimentos novos de vários ramos da ciência; está ausente da lista a: (A) Eletrônica; (B) Medicina; (C) Biologia; (D) Psicologia; (E) Astronomia Ainda que não apareça claramente identificada no texto, a profecia de Malthus, citada no final do primeiro parágrafo, deve referir-se a(o): (A) possibilidade de os homens padecerem de fome; (B) capacidade de o Homem viver por mais tempo; (C) crescimento das riquezas naturais; (D) esgotamento das reservas naturais do planeta; (E) nova inundação provocada pelo aumento de temperatura. (A) mesmo que acreditasse; (B) apesar de acreditar; (C) enquanto acreditava; 5

4 18 - Ao dizer que o que há hoje é uma geração de crédulos sem capacidade crítica, o autor do texto quer dizer que os homens de hoje: (A) não acreditam na ciência; (B) não diferenciam o certo do errado; (C) ignoram os novos conhecimentos científicos; (D) não estudam o suficiente; (E) desconhecem a verdadeira religião No texto há a condenação clara de uma série de pessoas e atividades; entre elas só NÃO estão: (A) os ufologistas; (B) os astrólogos; (C) as cartomantes; (D) os camelôs; (E) os publicitários A falsidade de alguns elementos da vida moderna aparece manifestada na composição de um vocábulo, que é: (A) pseudomedicamentos; (B) vitaminas; (C) substâncias; (D) detergente; (E) tratamento O item abaixo que mostra um segmento do texto com valor de condição é: (A)...os remédios desenhados em computadores que curam o câncer quando detectado a tempo... ; (B)...a biotecnologia gerando plantas mais resistentes e mais produtivas... ; (C)...que liquidaram a profecia de Malthus, afastando o perigo da fome universal... ; (D) Até mesmo pessoas que seguiram a carreira técnico-científica não entendem a racionalidade da ciência... ; (E) Fico pasmado ao ver Ao colocar o termo alimentos entre aspas, o autor do texto quer mostrar que: (A) essa palavra é citada nos rótulos dos produtos; (B) o vocábulo está mal empregado em relação a cabelos; (C) o termo não atua conforme o significado que expressa; (D) o termo provém de uma citação alheia; (E) os cientistas não aprovam a utilização desse termo Ao dizer colágeno geléia de mocotó -..., o autor quer dizer que: (A) certos termos enganam os consumidores; (B) a ciência moderna tem tradições antigas; (C) o colágeno não deveria custar tão caro; (D) a geléia de mocotó é boa para a saúde; (E) o consumidor precisa comprar os genéricos Ao colocar colchetes com pontos em seu interior no final do segundo parágrafo, o editor do texto quer comunicar ao leitor que: (A) nesse momento deve haver uma reflexão a respeito do que foi dito; (B) houve um corte de um pedaço do texto original; (C) algumas coisas foram acrescentadas ao texto original; (D) nessa parte, o texto original estava ilegível; (E) certas partes do texto foram censuradas Segundo o autor do texto, as pessoas lêem horóscopos sem comparar as previsões da véspera com os fatos ocorridos; se fizessem isso, portanto, essas pessoas: (A) veriam que os horóscopos dizem sempre a mesma coisa; (B) constatariam que os horóscopos só falam de coisas positivas; (C) verificariam que pelo menos parte do previsto não ocorreu de fato; (D) teriam mais crença nos horóscopos; (E) mostrariam que não possuem nenhum senso crítico. 6

5 26 - A crítica identificada de forma INCORRETA nos itens abaixo é: (A)...curandeiros que enfiam agulhas em seus pés... acupunturistas; (B)...que vêem extraterrestes... ufologistas; (C)...anúncios desonestos nas televisões... políticos; (D)...pregadores a quem entregam parte do salário líderes religiosos; (E)...que pregam o óbvio adivinhos Até mesmo pessoas que seguiram carreira técnicocientífica não entendem a racionalidade da ciência ; isso significa uma verdade que está de acordo com um ditado popular, que é: (A) quem espera sempre alcança; (B) quem tudo quer tudo perde; (C) casa de ferreiro, espeto de pau; (D) nem tudo que reluz é ouro; (E) Deus ajuda a quem cedo madruga Duendes, anjos e bruxos representam: (A) a vitória da realidade sobre a ficção; (B) o triunfo do esoterismo sobre a religião; (C) a derrota da mentira diante da verdade; (D) a valorização da irracionalidade em relação à racionalidade; (E) a maior presença da magia em relação à fantasia Os elementos citados nos itens abaixo estão em lugar de outros, considerados de maior racionalidade; essa substituição só NÃO está correta em: (A) curandeiros médicos; (B) anúncios desonestos propaganda ética; (C) alimentos nutrientes; (D) poções remédios; (E) pregadores pastores evangélicos Clara ou implicitamente, o autor do texto condena uma série de campos do conhecimento ou da atividade; entre esses alvos de crítica só NÃO está a/o: (A) religião; (B) medicina alternativa; (C) esoterismo; (D) magia; (E) droga. AP A ética, definida de maneira ampla, é o estudo dos direitos e dos deveres das pessoas, das regras morais que as pessoas aplicam ao tomar decisões, e da natureza das relações entre as pessoas. O relativismo cultural diz respeito à idéia de que a moralidade é relativa a uma cultura, sociedade ou comunidade específica. Dependendo do tipo de instituição, pública ou privada, alguns valores poderão ser mais valorizados. Sobre os conceitos que envolvem o comportamento ético, NÃO é correto afirmar que: (A) moralidade comum é o conjunto de regras morais que governam problemas éticos comuns; (B) regras morais são regras de comportamento que freqüentemente são internalizadas como valores morais; (C) deveres são obrigações de realizar determinadas ações ou de obedecer à lei; (D) direitos são obrigações relativamente permanentes e internalizadas pelas pessoas; (E) valores são desejos relativamente permanentes que aparecem ser bons em si A partir de mudanças de hábito, dando ênfase à valorização da auto-estima, um programa de melhora da qualidade de vida pode conseguir diminuir significativamente os índices de sedentarismo, hiper-tensão, 7

6 excesso de peso, fadiga, fumo, alcoolismo e alimentação inadequada às pessoas que o adotem; como já foi comprovado em algumas empresas. O termo QVT foi cunhado, na década de 1970, por : (A) Louis Davis; (B) Abraham Maslow; (C) Douglas McGregor; (D) Vroom; (E) Frederick Herzberg. (D) reembolso de estudos universitários em nível de graduação; (E) empréstimos e participação nos lucros As empresas oferecem vários tipos de benefícios para seus funcionários. São benefícios não-monetários oferecidos no mercado brasileiro: (A) férias; (B) gratificação; (C) 13 o salário; (D) refeitório; (E) complementação salarial em caso de doença Sobre os métodos de avaliação para a remuneração existentes no mercado, assinale a alternativa correta: (A) Método de Avaliação por Pontos: os cargos são avaliados e comparados através de fatores de avaliação de cargos; (B) Método de Comparação por Fatores: os cargos são comparados através de fatores e avaliação com valores em pontos, com atribuição de pontos aos graus dos fatores de avaliação; (C) Método de Categorias Predeterminadas: divisão e separação de categorias predeterminadas e posterior utilização de escalonamento simples; (D) Método de Escalonamento Simples: diferenças essenciais entre os cargos do ponto de vista quantitativo ou qualitativo, pesquisa de mercado de salários; (E) Método Tradicional de Avaliação de Cargos: comparação simples cargo a cargo, levando em consideração complexidade, responsabilidade e importância São benefícios legais: (A) férias e décimo terceiro; (B) auxílio moradia e plano de previdência complementar; (C) creche e escola para os filhos; 36 - É benefício espontâneo não monetário que a empresa oferece aos funcionários: (A) especialização (cursos como MBA, etc); (B) reembolso de estudos universitários em nível de graduação; (C) automóvel; (D) vale-alimentação; (E) plano de previdência complementar São fatores negativos para a adoção da remuneração flexível nas organizações: (A) focalizar os resultados e o alcance de objetivos; (B) requerer uma certa des-administração salarial; (C) permitir uma auto-avaliação que funcione como feedback para o funcionário; (D) estabelecer uma remuneração adicional e contingencial; (E) funcionar como motivação intrínseca NÃO se configura como uma variável que determina a concessão de benefícios: 8

7 (A) recompensas relacionadas a objetivos de realização empresarial (participação nos resultados anuais ou semestrais, por exemplo); (B) recompensas vinculadas a tempo de serviço dos funcionários (são concedidas automaticamente em um período de cinco ou dez anos); (C) recompensas relacionadas a desempenhos claramente excepcionais (mérito); (D) recompensas relacionadas a resultados departamentais, divisionais ou mesmo globais (podem ser compartilhadas dentro do grupo, em termos de igual porcentagem com relação a base salarial de cada pessoa); (E) recompensas por serviços prestados por terceirizados. (E) os componentes da CIPA são todos escolhidos pelo voto dos funcionários, periodicamente. 41- A expressão nexo causal NÃO se relaciona com: (A) a necessidade de buscar comprovação de que as doenças surgiram no ambiente de trabalho; (B) a implementação e a avaliação de um programa de treinamento para evitar acidente de trabalho; (C) a relação entre o acidente ou doença e a morte, perda ou redução e cadeia de causa e efeito relacionadas com a vida laboral da pessoa; (D) a necessidade de compreender as verdadeiras causas da doença e sua relação com a atividade laboral; (E) a relação entre a doença e os fatores endógenos e exógenos que corroboram para o aparecimento dos sinais e sintomas da doença do trabalho Uma pesquisa de clima organizacional serve para medir: (A) eficácia organizacional; (B) qualidade dos processos da organização; (C) eficiência organizacional; (D) satisfação das pessoas nas organizações; (E) produtividade A CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) é uma imposição legal da CLT Consolidação das Leis Trabalhistas. Sobre a CIPA é INCORRETO afirmar: (A) metade dos componentes da CIPA é indicada pela empresa e a outra metade é escolhida pelo voto dos funcionários periodicamente; (B) à CIPA cabe apontar os atos inseguros dos trabalhadores; (C) à CIPA cabe apontar as condições inseguras existentes na organização; (D) um membro da CIPA, durante o seu mandato, possui estabilidade no emprego; 42 - A noção de carga em ergonomia é de modo geral associada à preocupação de quantificação e objetividade. Tratando-se de carga psíquica, não é possível quantificar o prazer, a satisfação, a frustração, a agressividade, entre outras. As vias de descarga são: (A) três: psíquica, motora, endógena; (B) duas: psicossensorial, psíquica; (C) quatro: psicossensorial, psíquica, motora e visceral; (D) quatro: endógena, psíquica, motora e visceral; (E) quatro: psicossensorial, psíquica, motora, endógena Uma empresa, ao investigar as causas dos acidentes de trabalho, irá analisar os seguintes elementos: (A) tipo de acidente e condição econômica; (B) tipo de acidente e erro no processo seletivo; (C) tipo de acidente e insatisfação com a remuneração; (D) ato inseguro e fator pessoal de insegurança; (E) erro no processo seletivo e tipo de acidente. 9

8 44 - A adoção de prática de responsabilidade social com o público interno promove a valorização dos seus funcionários, um ambiente de maior respeito, a qualidade de vida e maior eqüidade nas oportunidades. A alternativa que NÃO se ajusta às práticas de responsabilidade com o público interno no tocante ao programa de integração/indução de novos empregados da empresa é: (A) o processo de integração apresenta os pressupostos básicos da cultura organizacional para minimizar o impacto a um novo ambiente de trabalho; (B) o programa de integração estabelece estágios padronizados de transição da etapa de entrante para a etapa de funcionário; (C) no processo de integração, a empresa encoraja os novos funcionários como nos programas de aprendizagem e de tutoração; (D) o processo de integração confirma e apóia certas qualidades e qualificações do novo funcionário como ingredientes necessários para o sucesso no cargo; (E) o funcionário é colocado imediatamente em seu cargo, sem orientação especial. (D) o Balanço Social se caracteriza por uma linguagem simples e direta e põe em evidência a responsabilidade social da organização; (E) as empresas divulgam nos Balanços Sociais os seus principais indicadores de ação laborais, sociais e do quadro funcional De acordo com o modelo piramidal de Archie Carrol, a responsabilidade social da empresa pode ser subdividida em quatro tipos: (A) econômico, legal, ético e discricionário; (B) econômico, estatístico, legal e paralelo; (C) econômico, legal, discricionário e paralelo; (D) ético, discricionário, estatístico e legal; (E) ético, discricionário, estatístico e paralelo Em 1984, ocorre a publicação do primeiro balanço social de uma empresa brasileira - a Nitrofértil. João Sucupira, pesquisador do IBASE, define o balanço social como: "(...) um documento publicado anualmente reunindo um conjunto de informações sobre as atividades desenvolvidas por uma empresa, em promoção humana e social, dirigidas a seus empregados e à comunidade onde está inserida. Sobre balanço social, NÃO é correto afirmar que: (A) nos Balanços Sociais as empresas divulgam seus programas em áreas como educação e comprometimento, cultura de resultados, qualidade de vida; (B) desde 1960 a divulgação do Balanço Social se tornou uma obrigatoriedade para as empresas brasileiras; (C) o Balanço Social deve constituir um avanço da contabilidade tradicional e envolver necessariamente um ativo social e um passivo social; 47 - Montana e Charnov (1998) e Donnelly, Gibson e Ivancevich (2000) destacam que da diferença entre a ausência de responsabilidade social, exceto da exigida por lei, e a adoção de uma postura socialmente responsável mais ampla, surgem três níveis diferentes de abordagem da responsabilidade social a serem adotadas como ações das empresas em relação as suas demandas sociais. Sobre estes três níveis, é INCORRETO afirmar que: (A) a obrigação social é um comportamento exigido por grupos que têm uma participação direta nas ações da organização; (B) a obrigação social é um comportamento de negócio que reflete a responsabilidade econômica e legal da empresa; 10

9 (C) a reação social é um comportamento exigido por grupos que têm uma participação direta nas ações da organização; (D) sensibilidade social tem um comportamento antecipador, pró-ativo e preventivo; (E) sensibilidade social tem um comportamento que analisa as demandas da comunidade antes de oferecer qualquer tipo de auxílio. (A) posição de assessoria e participação em cursos e seminários externos e jogos de empresas; (B) modelagem de cargos e exercícios de simulação; (C) rotação de cargos e cursos de pós-graduação; (D) aprendizagem prática (on-the-job) e exercícios de simulação; (E) assignação em projetos multi-departamentais e estudo de casos Em uma empresa, são indicadores de necessidades de treinamento a priori: (A) baixa qualidade da produção; (B) baixa produtividade; (C) modernização dos equipamentos e novas tecnologias; (D) comunicações deficientes; (E) erros na execução de ordens NÃO são objetivos dos programas de treinamento: (A) atrair e reter funcionários; (B) ampliar as possibilidades de carreira; (C) adaptar-se a um novo modelo de negócios; (D) aumentar a produtividade; (E) identificar o nível de insatisfação dos funcionários NÃO faz parte do conjunto de técnicas de treinamento utilizadas nas instituições: 11

10 12

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho?

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho? A abordagem típica da Escola da Administração Científica é a ênfase nas tarefas; Objetivava a eliminação dos desperdícios e elevar os níveis de produtividade Frederick W. Taylor (1856-1915): Primeiro período

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

PROCESSO SELETIVO N 04-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

PROCESSO SELETIVO N 04-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PROCESSO SELETIVO N 04-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL A unidade nacional do Sescoop Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo, personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-CEPE/UNICENTRO, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em MBA Gestão Estratégica de Pessoas, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL 1 ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL ORGANIZATION THE FIRST STEP TO BUSINESS CONTROL Adriane C. Lopes * Elisiane Godoy* Emanuel O. Batista* Sheila C. M. Guilherme* Aparecida Vani Frasson

Leia mais

LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO

LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO A EMPRESA Desde a sua fundação, a LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO atua nas áreas de Recrutamento & Seleção, Gestão de Cargos e Salários, Gestão de Desempenho, Levantamento

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO

RECURSOS HUMANOS EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO RECURSOS HUMANOS EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação

Leia mais

Alfredo Castro Sócio Diretor da MOT Mudanças Organizacionais e Treinamento

Alfredo Castro Sócio Diretor da MOT Mudanças Organizacionais e Treinamento 9h30 às 10h15 Developing Effective Leaders Desenvolvendo Líderes Eficazes Alfredo Castro Sócio Diretor da MOT Mudanças Organizacionais e Treinamento Meus objetivos Abordar aspectos práticos Combinar fatos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PARA ESTUDANTE DE INTERCÂMBIO EXCHANGE STUDENT APPLICATION FORM Semestre

Leia mais

Mercado De Trabalho. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios

Mercado De Trabalho. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Mercado De Trabalho Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Sucesso $$$ sonho habilidade satisfação Mercado de Trabalho Trabalho CLT Consolidação das Leis de Trabalho Previdência

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: técnica de Nível

Leia mais

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA A Gestão do desempenho e outros requisitos Planejamento Estratégico A Importância do Planejamento Estratégico Menos de 10% das estratégias efetivamente formuladas são

Leia mais

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Concurso Público 2015 Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Questão 1 a) Para Walton, QVT refere-se a valores ambientais e humanos, negligenciados pelas sociedades industriais

Leia mais

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração.

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Módulo 2 Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Elaboração do PPRA Para iniciarmos a elaboração do PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

Inglês 25 Vestibulares

Inglês 25 Vestibulares Inglês 25 Vestibulares Nos vestibulares. É bom que você leia primeiro as questões e depois os textos. Assim, você já terá uma idéia do que procurar no texto. Faça esta experiência agora. 1) Sobre o que

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVOS

PROGRAMA DE INCENTIVOS PROGRAMA DE INCENTIVOS - Recompensas e Punições - Novos Métodos em Remuneração - Remuneração Variável - Plano de Bonificação Anual - Distribuição de Ações da Empresa aos Funcionários - Opção de Compra

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro A Empresa será reconhecida como uma organização comprometida com a valorização do homem O Significado dos

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Qualidade de Vida no Trabalho O conceito de QVT é muito abrangente, e precisa ser definido com clareza, uma vez que as posições profissionais dos trabalhadores dentro de uma organização

Leia mais

09/07/2013. Apresenta

09/07/2013. Apresenta Apresenta 1 por Diana Santos 2 Muitos estudos sobre políticas de gestão de pessoas com vistas a melhorar o desempenho dos colaboradores; Durante toda existência humana, as equipes constituíram a forma

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

www.pwc.com Stock Plans Cenário atual Junho de 2015 (DC1) Uso Interno na PwC - Confidencial

www.pwc.com Stock Plans Cenário atual Junho de 2015 (DC1) Uso Interno na PwC - Confidencial www.pwc.com Stock Plans Cenário atual Junho de Remuneração x Salário CLT, Arts. 457 e 458 Art. 457. Compreendem-se na remuneração do empregado, para todos os efeitos legais, além do salário devido e pago

Leia mais

Toda e qualquer análise de mercado irá demandar uma série de etapas a ser seguida, dentre elas:

Toda e qualquer análise de mercado irá demandar uma série de etapas a ser seguida, dentre elas: Capítulo 16 - Os Stakeholders O termo foi originado na língua inglesa e hoje, foi completamente absorvido pela área da administração. Traduzido para o português como sendo parte interessada esse termo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

OS 10 INDICADORES DE RH

OS 10 INDICADORES DE RH OS 10 INDICADORES DE RH Oportunidades para aumentar as margens da Concessionária Francisco Nunes Administrador de Empresas; Especialista em Recursos Humanos; Especialista em Gestão da Qualidade; MBA em

Leia mais

BALANÇO SOCIAL. Prof. Edson Degraf 1

BALANÇO SOCIAL. Prof. Edson Degraf 1 BALANÇO SOCIAL Prof. Edson Degraf 1 O balanço social é uma demonstração que pode ser publicada anualmente pelas empresas, e que reúne uma série de informações sobre sua atuação social, como por exemplo:

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética Sistema de Gestão Integrada Código de Ética CE-01/2012 Rev: 01 Data: 11/12/2012 1 Mensagem da Diretoria Prezados (as) Colaboradores (as), É com imensa satisfação que apresentamos o Código de Ética da EQUIPOMAN

Leia mais

Diálogo sobre Apoio à Pesquisa para Inovação na Pequena Empresa São Paulo, 28 de março de 2016

Diálogo sobre Apoio à Pesquisa para Inovação na Pequena Empresa São Paulo, 28 de março de 2016 FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas Diálogo sobre Apoio à Pesquisa para Inovação na Pequena Empresa São Paulo, 28 de março de 2016 Diálogo sobre Apoio à Pesquisa para

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

Treinamento & Desenvolvimento

Treinamento & Desenvolvimento INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO: Administração Site: www.posgrad.net DISCIPLINA: Administração de Pessoas Treinamento & Desenvolvimento Professora: Maria Laura 2o. Semestre 2010 Material

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL

A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL MORAIS, Rafael Oliveira Lima Discente do curso de Pedagogia na Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva RESUMO O profissional que entender que é importante

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ISSN 1984-9354 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO JAQUELINE ARAUJO DOS SANTOS (LATEC / UFF) Resumo: Os temas relacionados à qualidade de vida no trabalho estão cada vez mais sendo objeto de estudo e presentes

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA 2 INTRODUÇÃO O processo de gerenciamento de problema busca eliminar, de forma permanente, os problemas e os incidentes repetitivos que afetam a

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA

GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA Ana Cristina Limongi França Professora livre-docente da FEA-USP (011) 30915908 Qvt@fia.fea.usp.br NO TRABALHO GQVT: oportunidades de resultados empresariais conteúdo O Stress

Leia mais

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais?

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Patrícia Freitas de Sá Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

AT A HOTEL NO HOTEL. I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Poderia sugerir um hotel mais barato?

AT A HOTEL NO HOTEL. I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Poderia sugerir um hotel mais barato? I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Gostaria de ficar por perto da estação. Poderia sugerir um hotel mais barato? I d like to stay near the station. (I would ) in a cheaper

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

Circular Interna. Transferência Ato de movimentar colaboradores entre as áreas do Instituto.

Circular Interna. Transferência Ato de movimentar colaboradores entre as áreas do Instituto. Circular Interna Emissor: Nº doc: Diretoria Administrativa Corporativa 101-2015 Data: 31/10/2014 Destinatário: Todas as unidades/contratos Assunto: Política de Recrutamento e Seleção OBJETIVO: Estabelecer

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

PAI RICO PAI POBRE PDF

PAI RICO PAI POBRE PDF PAI RICO PAI POBRE PDF ==> Download: PAI RICO PAI POBRE PDF PAI RICO PAI POBRE PDF - Are you searching for Pai Rico Pai Pobre Books? Now, you will be happy that at this time Pai Rico Pai Pobre PDF is available

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

5.5 Enterprise Resources Planning

5.5 Enterprise Resources Planning 5.5 Enterprise Resources Planning 5.5 Enterprise Resources Planning Enterprise Resources Planning (ERP), significa Planejamento de Recursos do Empreendimento e abrange todas as necessidades de informação

Leia mais

ENFERMAGEM DO TRABALHO E CIPA, UMA VERIFICAÇÃO SOBRE O CONHECIMENTO DAS EMPRESAS SOBRE ESTE TRABALHO CONJUNTO.

ENFERMAGEM DO TRABALHO E CIPA, UMA VERIFICAÇÃO SOBRE O CONHECIMENTO DAS EMPRESAS SOBRE ESTE TRABALHO CONJUNTO. ENFERMAGEM DO TRABALHO E CIPA, UMA VERIFICAÇÃO SOBRE O CONHECIMENTO DAS EMPRESAS SOBRE ESTE TRABALHO CONJUNTO. Edson Carlos Sassi¹; Fernanda Moura¹; Joyce Martha Gonçalves¹; Karolina Rosa ¹ ; Pamela Angeline

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

Liderança e as novas gerações: um desafio insuperável? Por Arthur Diniz

Liderança e as novas gerações: um desafio insuperável? Por Arthur Diniz Liderança e as novas gerações: um desafio insuperável? Por Arthur Diniz Num passado não muito distante, os líderes nas empresas tinham uma postura profundamente autoritária, reflexo do funcionamento da

Leia mais

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes Lesson 6 Notes Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job Welcome to Fun With Brazilian Portuguese Podcast, the podcast that will take you from beginner to intermediate in short, easy steps. These

Leia mais

competências e habilidades

competências e habilidades Remuneração e Carreira com base em competências e habilidades Reflexão inicial Qual o percentual de pessoas desmotivadas nas organizações? Até que ponto e de que forma a remuneração influencia na desmotivação

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Introduçao Ao Microsoft Dynamics Ax

Introduçao Ao Microsoft Dynamics Ax Introduçao Ao Microsoft Dynamics Ax Download: Introduçao Ao Microsoft Dynamics Ax PDF ebook Introduçao Ao Microsoft Dynamics Ax PDF - Are you searching for Introduçao Ao Microsoft Dynamics Ax Books? Now,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA Art. 1º O presente regulamento estabelece as orientações básicas

Leia mais

User Guide Manual de Utilizador

User Guide Manual de Utilizador 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE User Guide Manual de Utilizador 2014 1Life Simplify it All rights reserved. www.1-life.eu 2 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE ENGLISH USER GUIDE...4 MANUAL DE UTILIZADOR PORTUGUÊS...18

Leia mais

Vigilância e saúde do trabalhador

Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância em Saúde do Servidor é o conjunto de ações contínuas e sistemáticas, que possibilita detectar, conhecer, pesquisar, analisar e monitorar os fatores determinantes

Leia mais

Treinamento E Desenvolvimento De Pessoas E Carreira [Português] [Capa comum] PDF,

Treinamento E Desenvolvimento De Pessoas E Carreira [Português] [Capa comum] PDF, Treinamento E Desenvolvimento De Pessoas E Carreira [Português] [Capa comum] Download: Treinamento E Desenvolvimento De Pessoas E Carreira [Português] [Capa comum] PDF ebook Treinamento E Desenvolvimento

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Instituições universitárias, todas elas, são empresas, com missões distintas e oriundas da concessão de um serviço

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

CORREÇÃO DA PROVA DE GESTÃO DE PESSOAS STN 2013 Professor: Alyson Barros

CORREÇÃO DA PROVA DE GESTÃO DE PESSOAS STN 2013 Professor: Alyson Barros Caros colegas, como vão? No domingo passado muitos alunos fizeram a prova do STN e aproveito para colocar a parte de Gestão de Pessoas nas Organizações corrigida aqui. Alerto que as únicas que, na minha

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO The importance of Financial Planning

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO The importance of Financial Planning A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO The importance of Financial Planning OLIVEIRA, Donizete Cosme Faculdade de Jaguariúna Resumo: Este trabalho tem como objetivo principal consolidar a necessidade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE IBT

CÓDIGO DE CONDUTA DE IBT CÓDIGO DE CONDUTA DE IBT PARA FORNECEDORES E OUTROS ASSOCIADOS COMERCIAIS O IBT Group, LLC e suas empresas relacionadas (em conjunto IBT ), mantêm o compromisso de executar suas atividades comerciais de

Leia mais

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 2 1.2-História

Leia mais

CARGOS E SALÁRIOS APRESENTAÇÃO. 1. Bacharel em Administração Uneb TCC Organização, Sistemas e Métodos: manualização;

CARGOS E SALÁRIOS APRESENTAÇÃO. 1. Bacharel em Administração Uneb TCC Organização, Sistemas e Métodos: manualização; APRESENTAÇÃO CARGOS E SALÁRIOS Diel Junior E-1/2: dielprof@gmail.com Fone: 8402 4184 1. Bacharel em Administração Uneb TCC Organização, Sistemas e Métodos: manualização; 2. Especialista em Gestão e Consultoria

Leia mais

Segurança do Trabalho. Papel do Gestor Frente a Prevenção

Segurança do Trabalho. Papel do Gestor Frente a Prevenção Segurança do Trabalho Papel do Gestor Frente a Prevenção Papel do gestor frente a prevenção O gestor é responsavel pela segurança de suas equipes: Integração de novos funcionários Conhecer através da CIPA

Leia mais

Prática de Risco Socioambiental Procedimentos Banco Santander Brasil

Prática de Risco Socioambiental Procedimentos Banco Santander Brasil Prática de Risco Socioambiental Procedimentos Banco Santander Brasil Riscos Ambientais e Sociais para Analistas de Crédito Programa Ambiental das Nações Unidas Iniciativa Financeira (UNEP FI) Silvia Chicarino

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais