Continuidade. Estudo de um Caso. Auditoria. Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Continuidade. Estudo de um Caso. Auditoria. Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas"

Transcrição

1 Continuidade Estudo de um Caso Auditoria Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas

2 Introdução Em abril de 2011 Portugal foi obrigado a pedir ajuda externa para evitar a bancarrota, comprometendo-se a executar um programa de assistência económico e financeiro muito exigente que obriga a ajustar os elevados défices das contas públicas, reduzindo-os gradualmente. A redução da despesa e a escassez de crédito conduziu o país a viver em forte austeridade, estando em recessão desde 2011 e assim se devendo manter até 2013 (Relatório OE 2013). Esta é uma situação geradora de desemprego onde se assiste ao aumento do número de falências. Quando ocorre a falência de uma empresa sujeita a revisão legal de contas logo se procura averiguar se o Revisor Oficial de Contas (ROC) tinha alertado nos seus relatórios de auditoria para esta eventualidade, extremamente gravosa para os acionistas e restantes stakeholders (trabalhadores, fornecedores, clientes. bancos, Estado, etc.), bem como para a própria sociedade. É, de facto, um problema sério, cujos efeitos vão para além da própria empresa, envolvendo o meio onde se insere e a sociedade em geral. A avaliação do pressuposto de continuidade da empresa na atual conjuntura portuguesa obriga a grande ponderação e cuidado pois é uma matéria muito sensível. Na verdade, se o auditor não alerta para a eventualidade da falência e ela ocorre (erro tipo I) logo se diz que falhou. Se, pelo contrário, alerta para a possibilidade de falência e esta não ocorre (erro tipo II) critica-se o auditor por lançar uma falsa suspeita, prejudicando, gravemente, a reputação da empresa e podendo dificultar o acesso ao crédito bancário e ao abastecimento pelos fornecedores. de volta. No caso português a situação é extremamente complexa, pois em 2013 deverá continuar em recessão enquanto a economia mundial crescerá. Por este motivo, em Portugal, espera-se que as falências de empresas continuem a ser frequentes e até venham a aumentar. Este panorama leva a que os ROC, na elaboração dos relatórios de auditoria, perante empresas pouco saudáveis, abordem de forma cuidadosa o princípio da continuidade, sobretudo pelas consequências, potencialmente nefastas de colocar em causa este princípio na atual e difícil conjuntura. Como exemplo deste facto, temos o alerta do PCAOB 1 para os elevados riscos que o auditor tem de ter em conta, especialmente os relacionados com a continuidade das empresas (Whitehouse, 2012). O papel do auditor é muito sensível e de grande impacto na sociedade e por isso deve evitar falhas. Nesta medida, tem de se socorrer de ferramentas que o ajudem a emitir opiniões de forma sustentada. Uma dessas ferramentas, de grande utilidade e simplicidade, é o z-score de Altman que, apesar de ter surgido há mais de quarenta anos (Altman 1968) e de terem aparecido outros métodos, mantém grande utilização como refere Divsalar et al. (2012) que se apoia também em Charitou (2004) e Li e Sun (2010). O papel do auditor é muito sensível e de grande impacto na sociedade e por isso deve evitar falhas. Nesta medida, tem de se socorrer de ferramentas que o ajudem a emitir opiniões de forma sustentada. A avaliação do pressuposto de continuidade da empresa na atual conjuntura portuguesa obriga a grande ponderação e cuidado. Na verdade, se o auditor não alerta para a eventualidade da falência e ela ocorre logo se diz que falhou. Se, pelo contrário, alerta para a possibilidade de falência e esta não ocorre critica-se o auditor por lançar uma falsa suspeita, prejudicando, gravemente, a reputação da empresa. Pode-se até chegar ao ponto de, no caso da falência de uma empresa, ter sido a opinião negativa do auditor que contribuiu para essa situação. Esta problemática é designada de profecia autocumprida (Citron e Taffler, 2001 e Guiral e Gonzalo, 2008), onde a opinião do auditor pode mesmo ter influência na própria continuidade da empresa. Na verdade, a pressão que existe sobre a profissão nesta matéria é muito grande (Comissão Europeia, 2010 e ACCA 2011), tendo começado com a crise das dot-com, em que foram mediatizados os escândalos da Enron e da Worldcom, e que acabou por conduzir ao desaparecimento da Arthur Anderson. Nunca o prestígio da profissão de auditoria tinha sido tão gravemente atingido. O dedo foi apontado aos auditores que não previram estas falências e que, portanto, terão falhado clamorosamente. Por este motivo, a profissão ficou sob escrutínio constante. A crise financeira de 2008, com as falências inesperadas de bancos e de empresas, trouxe o problema Este trabalho analisa o problema da emissão de opinião do auditor sobre a avaliação do pressuposto continuidade realizada pelo órgão de gestão de uma empresa, apoiando-se, para tal, no Z-score de forma a antecipar a eventual ocorrência de falência ou, pelo menos, para avaliar o grau de dificuldades financeiras existente. Este é um tema que, tendo em conta a conjuntura atual, assume grande interesse, relevância e atualidade, onde se procurará dar um cunho prático, apresentando um caso real de uma empresa acompanhada durante todo o estágio. Naturalmente que apesar da importância da análise prática, é necessário ser apresentado um suporte teórico e normativo sobre o tema da continuidade da empresa, analisando os aspetos relevantes do relatório de auditoria. Também se explica e analisa o Z-Score de Altman numa perspetiva de apoio à análise e avaliação da continuidade da empresa. Para tal, é necessário ter presente que uma previsão de falência não significa necessariamente que esta venha a acontecer, pois dependerá da conjuntura externa e da capacidade de gestão dos seus responsáveis. No que concerne à estrutura do trabalho, começaremos por analisar e discutir o princípio da continuidade nos seus aspetos normativos bem como as implicações existentes para os utilizadores da informação financeira e a correta aplicação deste princípio. Será efetuada uma abordagem detalhada à auditoria deste pressuposto, analisando a sua importância, os seus efeitos, as suas limitações e problemas, bem como aspetos relevantes do relatório de auditoria. Em seguida, abordar-se-á os modelos de predição de falências, destacando-se o Z-Score de Altman como meio subsidiário de apoio ao julgamento e à emissão de opinião por parte do auditor relacionada com o pressuposto da continuidade. Finalmente, apresentar-se-á uma aplicação real deste modelo e as conclusões. Revisores Auditores ABRIL_JUNHO

3 Continuidade e Auditora Contexto económico atual Para se compreender a situação económica e financeira atual é importante descrever a sua evolução ao longo do tempo. Constata-se que existem ciclos económicos de prosperidade, seguindo-se de períodos recessivos para, logo de seguida surgirem novos ciclos de crescimento, o que mostra uma alternância entre períodos de contração económica e de recuperação. Naturalmente que as condições externas (v. g. guerras) condicionam esta evolução, bem como a capacidade dos líderes e as medidas que tomam. No inicio do século XX, depois de termos assistido, nos anos vinte, a um período de crescimento e grande euforia bolsista, surge a crise de Wall Street de 1929 que se estendeu-se a todo o mundo, gerando a conhecida grande depressão, com muitas falência e desemprego. Com o fim da guerra (1945) a Europa foi reconstruída com a ajuda do Plano Marshall, resolvendo a criste existente nos EUA. Foram quase três décadas de grande crescimento, com taxas de desemprego muito baixas e de elevados lucros empresariais, até surgirem os dois choques petrolíferos (1973 e 1979), cujo grande aumento do preço do petróleo fez reduzir o crescimento das economias ocidentais. O triunfo económico do Japão levou à introdução no ocidente de técnicas de gestão com paradigmas inovadores (JIT, Melhoria Contínua, Custo Alvo, etc.), originando um novo ciclo de prosperidade na segunda metade da década de oitenta. Depois de um novo período recessivo, no final do século viveu-se grande prosperidade e nova euforia bolsista com as empresas do setor da internet a atingirem uma capitalização bolsista muito elevada (bolha das dot-com). Em março de 2000 esta bolha rebentou, originando uma nova crise bolsista que foi agravada, no ano seguinte, pelo 11 de setembro. Este período foi pautado por uma grave recessão que originou várias insolvências e muitos escândalos (v. g. Enron, Worldcom) tendo culminado com grandes consequências na auditoria com a publicação da legislação Sarbanes-Oxley (SOX). Esta crise só se inverteu em março de 2003, voltando a economia a crescer até ao fim de Mais uma vez, agora por via da bolha do imobiliário (crise do subprime), surge uma forte queda da bolsa nos EUA. Esta crise bolsista rapidamente alastrou a todo o mundo, e fez com que todo o sistema financeiro mundial tremesse e quase colapsasse. Faliu o Banco Lehman Brothers e a seguradora AIG correu o risco de falência que só foi evitada pela intervenção do Estado. Se esta tivesse ocorrido, existiriam falências em cadeia nos mais diversos setores e em todo o mundo. Para mitigar este risco, os governos foram obrigados a socorrer o sistema bancário, o que levou ao seu endividamento e a ter défices orçamentais elevados. Em 2009 a recessão, a nível mundial, foi muito forte. Os Estados Unidos e a Europa seguiram políticas diferentes. Os primeiros injetaram liquidez no sistema (QE Quantitive easing) enquanto a Europa seguiu políticas de austeridade. Em 2010 a Grécia e a Irlanda foram obrigadas a solicitar assistência financeira e em 2011 foi a vez de Portugal. Estas medidas de austeridade agravam a recessão e aumentam o desemprego. Em Portugal o número de falências tem vindo a crescer e prevê-se que estas continuem a aumentar. Qualidade da informação financeira e seus utilizadores A informação financeira é um bem público da maior relevância. Permite, de forma sustentada, todo o tipo de decisões financeiras que contribuem para o bem-estar de toda a sociedade e de toda a qualidade de vida de que atualmente se usufrui. A informação financeira é um bem público da maior relevância. Permite, de forma sustentada, todo o tipo de decisões financeiras que contribuem para o bem-estar de toda a sociedade e de toda a qualidade de vida de que atualmente se usufrui. É necessário que a informação financeira seja fidedigna dado que as consequências de se tomar decisões financeiras sobre informação de pouca qualidade podem ser desastrosas. Por esta razão, o papel do auditor é de extrema importância na garantia da qualidade da informação financeira e deve, fundamentalmente, defender o interesse público. Mas o que é o interesse público? IFAC (2012) define o interesse público como os benefícios líquidos derivados para toda a sociedade, em relação a qualquer ação, decisão ou política, utilizando em seu nome rigorosos procedimentos. Este documento questiona em seguida: Quem é o Público e quais são os seus interesses? O Público, isto é, os utilizadores da informação financeira, são classificados em três grupos pelo IFAC (2012): - Investidores e acionistas estes utilizadores confiam em informação financeira sólida para tomar decisões acerca da alocação dos seus recursos. - Consumidores e fornecedores dado que inclui todos os que são afetados pelos custos, qualidade e disponibilidade de bens e serviços, sofrem o impacto de decisores financeiros e daqueles que os aconselham. - Contribuintes, eleitores e cidadãos (envolve todos os que são influenciados pelo trabalho de profissionais de contabilidade do setor público) a gestão eficiente dos recursos públicos afeta os seus custos, qualidade e disponibilidade e, através deles, a sociedade no seu todo. Os interesses do Público englobam tudo o que é valorizado pelos indivíduos e pela sociedade. Assim, a informação financeira deverá servir para colmatar certos interesses da sociedade, muitos dos quais são de natureza económica e estão relacionados com a gestão eficiente de recursos. A preparação das demonstrações financeiras deverá servir o interesse público. 22 Revisores Auditores ABRIL_JUNHO 2013

4 Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas Poder-se-iam apresentar outras classificações de utilizadores da informação financeira. Por exemplo, Almeida, J. (2000) divide os utilizadores em internos (administração) e externos e estes em diretos e indiretos. Os primeiros correspondem às grandes funções da empresa (v. g. Finanças, Produção). Os utilizadores externos diretos são investidores, credores e fornecedores e os externos indiretos são autoridades fiscais, sindicatos, clientes, planeamento económico e entidades reguladoras. Desta forma, independentemente do tipo de utilizadores da informação financeira é de todo importante que esta seja fidedigna, de modo a que as suas decisões tenham impacto de acordo com o esperado e previsto por eles. Para poderem decidir, avaliam esta informação tendo em conta as suas demonstrações financeiras e as expectativas que têm acerca daquelas entidades. Em última análise, estas decisões podem fazer com que a economia possa evoluir em determinado sentido ou não. Segundo Almeida, J. (2000) as variáveis mais importantes, do ponto de vista do utilizador da informação contabilística investidores e credores financeiros são as previsões de resultados, a capacidade da empresa para gerar fluxos de caixa futuros e, também, a previsão de quebras de continuidade. Enquanto os utilizadores internos utilizam a informação e o valor acrescentado que ela proporciona para atingirem fins específicos fixados pela própria administração, os externos, apoiando-se na informação financeira da empresa e nas suas perspetivas futuras, estão mais interessados em saber o que vai acontecer no futuro os investidores em saberem quanto esperam ganhar e os credores, trabalhadores, e outros utilizadores externos em saber se a entidade estará a laborar no futuro (se estará em continuidade). É o futuro da empresa que se encontra pa- tente no centro das preocupações nos utilizadores da informação. (Almeida, J. 2000). Também e Estrutura conceptual do Sistema de Normalização Contabilística (EC-SNC) no seu prefácio refere que: As demonstrações financeiras preparadas com o propósito de proporcionar informação que seja útil na tomada de decisões económicas devem responder às necessidades comuns da maior parte dos utentes. Com efeito, todos os utentes tomam decisões económicas, nomeadamente para: a. Decidir quando comprar, deter ou vender um investimento em capital próprio; b. Avaliar o zelo ou a responsabilidade do órgão de gestão; c. Avaliar a capacidade de a entidade pagar e proporcionar outros benefícios aos seus empregados; d. Avaliar a segurança das quantias emprestadas à entidade; e. Determinar as políticas fiscais; f. Determinar os lucros e dividendos distribuíveis; g. Preparar e usar as estatísticas sobre o rendimento nacional; ou h. Regular as atividades das entidades. Revisores Auditores ABRIL_JUNHO

5 preparadas segundo um regime diferente que terá de ser divulgado. ( 23 EC-SNC) Desta forma, tendo em conta que as demonstrações financeiras preparadas com o propósito de proporcionar informação que seja útil na tomada de decisões económicas, devem responder às necessidades comuns da maior parte dos utentes ( 1 EC-SNC), quer sejam investidores, empregados, mutuantes, fornecedores e outros credores comerciais, clientes, governo ou o público em geral, e tendo em conta que o objetivo das demonstrações financeiras é o de proporcionar informação acerca da posição financeira, do desempenho e das alterações na posição financeira de uma entidade que seja útil a um vasto leque de utentes na tomada de decisões económicas ( 12 EC-SNC), torna-se claro que é fundamental que o pressuposto da continuidade esteja a ser corretamente aplicado na sua preparação. Para tal, no momento da preparação das demonstrações financeiras, o órgão de gestão deve fazer uma avaliação da capacidade da entidade de prosseguir, encarando-a como uma entidade em continuidade. Estas devem ser preparadas neste pressuposto a não ser que o órgão de gestão pretenda liquidar a entidade ou cessar de negociar ( Sistema de Normalização Contabilística - anexo D.L. 158/2009 de 13 de julho; 25 IAS 1). Ainda de acordo com o normativo, o órgão de gestão deve proceder à divulgação das incertezas materiais relacionadas com eventos que possam fazer com que a entidade não venha a cumprir o pressuposto da continuidade. Por outro lado, caso as demonstrações financeiras não sejam preparadas neste pressuposto, este facto deverá ser divulgado bem como os fundamentos sobre as quais são preparadas e as razões que levam a entidade não estar em continuidade. O órgão de gestão para avaliar se a entidade está ou não em continuidade deverá levar em linha de conta toda a informação sobre o futuro e deverá considerar os 12 meses seguintes à data do balanço ( Sistema de Normalização Contabilística; 26 IAS 1). Esta análise terá, necessariamente, de ter em conta o percurso recente da entidade, se é lucrativa ou não, se acede facilmente a recurso financeiros, mas também com o que espera que venha acontecer no futuro, atendendo a aspetos relativos à rendibilidade esperada, a questões conjunturais da própria evolução da economia em geral, quer seja localmente ou globalmente, ou até a aspetos regulamentares da própria atividade. Segundo IFRS (2012) se a informação financeira é para ser útil, deve ser relevante e deve representar fielmente e de forma verdadeira a atividade da entidade, isto é, a informação deve ser completa, neutra e livre de erro. A utilidade da informação financeira é melhorada se ela for comparável, verificável, tempestiva e compreensível. O Princípio da Continuidade As demonstrações financeiras são, normalmente, preparadas no pressuposto da continuidade. Quer isto dizer que se espera que a entidade irá continuar a operar, normalmente, num futuro previsível, pelo que é assumido que não tem nem a intenção nem a necessidade de liquidar ou de reduzir drasticamente o nível das suas operações, caso contrário as demonstrações financeiras terão de ser Por outro lado, pode suceder que depois da data de balanço existam acontecimentos que indiquem que o pressuposto da continuidade possa estar em causa. Neste caso a entidade não deverá preparar as suas demonstrações financeiras numa base de continuidade ( 1, NCRF 24). Note-se que falamos de acontecimentos que ocorram entre a data do balanço e a data em que as demonstrações financeiras forem autorizadas para emissão pelo órgão de gestão ( 3, NCRF 24). Tal como referido antes, se o órgão de gestão determinar, após a data de balanço, que pretende liquidar a entidade ou cessar de negociar, esta não poderá considerar que está em continuidade mesmo que isto aconteça após a data do balanço ( 11, NCRF 24). Por outro lado, a deterioração dos resultados operacionais e da posição financeira após esta data pode indicar se ainda é ou não apropriado o pressuposto da continuidade. Caso não seja, a norma contabilística e de relato financeiro exige uma alteração fundamental no regime contabilístico e não apenas um ajustamento nas quantias reconhecidas ( 12 NCRF 24). 24 Revisores Auditores ABRIL_JUNHO 2013

6 Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas Se as demonstrações financeiras não forem preparadas numa base de continuidade ou se o órgão de gestão estiver ciente de incertezas materiais relacionadas com acontecimentos ou condições que possam lançar dúvida significativa na capacidade da entidade para prosseguir em continuidade, este facto deve ser divulgado, mesmo se tais acontecimentos surjam após a data do balanço ( 13 NCRF 24). O anexo às contas deverá divulgar quais os pressupostos relativos ao futuro, bem com as principais políticas contabilísticas ( 46 a 48, NCRF 1). Como se verifica, o órgão de gestão, com vista à preparação das demonstrações financeiras, é obrigado a proceder à avaliação da capacidade da entidade prosseguir em continuidade. Ainda que o referencial de relato financeiro não o obrigasse, o órgão de gestão teria sempre de o fazer dado que é fundamental para a preparação das demonstrações financeiras ( 4, ISA 570). A Auditoria da Continuidade Generalidades O auditor deve adquirir conhecimento suficiente da entidade e do seu negócio através de uma prévia recolha e apreciação crítica de factos significativos ( 12 Normas Técnicas de Revisão/Auditoria - NTRA). Na determinação do risco de auditoria, deve usar o seu julgamento, tendo em conta a materialidade e o relacionamento desta com aquele risco ( 14 NTRA). Note-se que determinada informação é materialmente relevante se a sua omissão ou distorção puder influenciar as decisões dos utilizadores das demonstrações financeiras ( 14 NTRA). Facilmente se compreende que a utilização correta ou incorreta do principio de continuidade afeta, de maneira definitiva, as decisões dos utilizadores das demonstrações financeiras. Assim, cabe ao auditor obter prova de auditoria suficiente e apropriada acerca da adequação do uso, pelo órgão de gestão, do pressuposto da continuidade na preparação das demonstrações financeiras e concluir se existe uma incerteza material acerca da capacidade da entidade para prosseguir em continuidade e, naturalmente, quais as implicações que existem para o seu relatório ( 6 e 9 ISAQuando são executados pelo auditor procedimentos de avaliação do risco, este deve considerar se existem acontecimentos ou condições que possam colocar dúvidas significativas sobre a capacidade da entidade manter-se em continuidade ( 9 ISA 570). Assim, na avaliação do risco inerente - um dos componentes do risco de auditoria - devem ser avaliados diversos fatores, de forma individual ou coletiva, que nos podem permitir obter indicações sobre se a entidade pode aplicar ou não o pressuposto da continuidade. Alguns destes fatores poderão ser os que seguem ( 10 DRA 400; A2 a A5 ISA 570): - Experiência e conhecimentos da gestão e alterações na gestão durante o período. - Pressões fora do habitual sobre a gestão de uma entidade, (que esteja inserida num setor em crise ou cujo capital não seja suficiente para prosseguir as suas operações). - Condições económicas e de concorrência identificadas por tendências e rácios financeiros e alterações na tecnologia. - Indicações de retirada de apoio financeiro por parte de credores. - Fluxos de caixa operacionais negativos. - Incapacidade de pagamento a credores nas datas acordadas. - Incapacidade de obtenção de financiamento essencial para o desenvolvimento do negócio. - Intenção do órgão de gestão de liquidar a entidade ou cessar operações. - Rutura de abastecimentos. - Processos legais pendentes cujo resultado pode resultar em situações que a entidade pode não satisfazer. - Alterações na legislação, regulamentação ou na políticas governamentais que possam vir a afetar negativamente a entidade. - Catástrofes não devidamente cobertas por seguros quando ocorrem....cabe ao auditor obter prova de auditoria suficiente e apropriada acerca da adequação do uso, pelo órgão de gestão, do pressuposto da continuidade na preparação das demonstrações financeiras e concluir se existe uma incerteza material acerca da capacidade da entidade para prosseguir em continuidade... Na análise deste tipo de fatores, individualmente ou de forma coletiva, o auditor deverá ter em consideração que também podem existir outros que permitam a atenuação dos seus efeitos (Mutchler et. al., 1997). Informação financeira prospetiva Como referido antes, o órgão de gestão deve fazer uma apreciação da capacidade da entidade prosseguir em continuidade. Por este motivo, deve o auditor discutir os pressupostos daquela avaliação, levando-os em consideração na sua análise, nomeadamente planos contingentes que façam face aos fatores negativos identificados ou a própria redefinição da sua estratégia. A crise atual levou à redução do crédito atribuído às empresas, quer sejam pequenas, médias ou grandes. Este facto pode afetar a capacidade de manutenção da continuidade. Desta forma, estes são dados de capital importância para a avaliação da informação prospetiva preparada pelo órgão de gestão para suportar a manutenção do pressuposto da continuidade (IAASB, 2009). Tal como acontece com a informação financeira histórica também para a informação financeira prospetiva o auditor deverá dar opinião sobre a razoabilidade e credibilidade da informação financeira prospetiva que seja elaborada com base nessa perspetiva ( 2 Recomendação Técnica 11 OROC). Refira-se que a informação financei- Revisores Auditores ABRIL_JUNHO

7 ra prospetiva deverá ser tratada nos termos da Recomendação Técnica nº 11 da Ordem dos Revisores Oficias de Contas e da ISAE Pereira (2006) afirma que sendo a informação financeira prospetiva qualquer informação financeira futura de um modo geral, esta torna-se uma ferramenta bastante útil, senão mesmo indispensável, para mitigar ou confirmar a incerteza relativa à continuidade, este é aliás o único fator que pode evitar uma reserva por incerteza. Com efeito, poderá ser esta informação, complementada com outras já referidas anteriormente que poderá levar o auditor a concordar, ou não, com a aplicação do princípio da continuidade por parte do órgão de gestão. De salientar Almeida, J. (2000) que refere que a utilização da informação financeira prospetiva é importante para equacionar problemas relacionados com a continuidade bem como permite aos auditores verificarem os orçamentos em que se projeta a continuidade da empresa. Para além deste facto, o auditor deve certificar-se se a apreciação da gerência inclui toda a informação relevante obtida em consequência da auditoria ( 14 ISA 570) que deve cobrir o mesmo período que foi usado pelo órgão de gestão para sua aplicação de acordo com o definido pelo referencial de relato financeiro ( 13 ISA 570). O artigo 35º CódIGo das Sociedades Comerciais No âmbito da auditora do pressuposto da continuidade da empresa, merece também destaque o estabelecido no Código das Sociedades Comerciais. Preceitua o seu artigo 35º (perda de metade do capital): resultando das contas de exercício ou de contas intercalares, tal como elaboradas pelo órgão de administração, que metade do capital social se encontra perdido, ou havendo em qualquer momento fundadas razões para admitir que essa perda se verifica, devem os gerentes convocar de imediato a assembleia geral ou os administradores requerer prontamente a convocação da mesma, a fim de nela se informar os sócios da situação e de estes tomarem as medidas julgadas convenientes Segundo o número 2 do mesmo artigo considera-se estar perdida metade do capital social quando o capital próprio da sociedade for igual ou inferior a metade do capital social. Segundo Almeida, A. (2006), em termos de direito societário, uma das funções do capital social é a de determinar a situação financeira da sociedade. Por outro lado, e segundo este jurista, costuma dizer-se que o capital é garantia comum dos credores embora seja o património que é efetivamente garantia geral dos credores. Também Almeida B. (2010) refere que é objetivo desta norma jurídica credibilizar as sociedades comerciais e proteger os interesses dos credores. Desta forma, se o seu capital próprio for inferior a metade do seu capital social a lei obriga a que seja deliberada a dissolução da sociedade, a redução do capital social (nunca inferior ao capital próprio) ou a realização de entradas para reforço da cobertura do capital. Assim, este é mais um dos indicadores a ser levado em linha de conta pelo auditor na avaliação do pressuposto da continuidade. Caso se verifique que, nos termos do artigo 35º do CSC existe perda de metade do capital social, este facto, só por si, não deverá afetar a opinião do auditor quanto aquele pressuposto, mas deverá servir de alerta para a problemática em questão. Será uma nova peça no quadro de indicadores que sustentarão a avaliação do auditor. Naturalmente que, no âmbito dos seus deveres de prevenção (art.º 262-A CSC Sociedades por Quotas) e vigilância (art.º 420-A - Sociedades Anónimas) e/ou nas suas funções no âmbito do órgão de fiscalização, o revisor deverá alertar para a existência da situação, verificar se foram tomadas as medidas adequadas e se foi respeitada a obrigatoriedade de publicitação, quando for caso disso (Interpretação técnica nº 14 OROC). Contabilidade Criativa e Fraude Tal como havíamos visto é da responsabilidade do órgão de gestão avaliar a capacidade da entidade se encontrar em continuidade. Como se sabe em situações de crise económica, as entidades são sujeitas a uma maior pressão no sentido de melhorar resultados de modo a atingir um esperado objetivo de lucros ou resultado financeiro, a não perderem as suas fontes de financiamento e a melhor poderem operar no mercado ( A1 ISA 240). O órgão de gestão pelas funções que ocupa está numa posição primordial para perpetrar fraude, tendo em conta a sua capacidade para manipular registos contabilísticos e para preparar demonstrações financeiras fraudulentas, derrogando controlos que parecem estar a operar com eficácia. Embora o nível do risco de derrogação dos controlos varie de entidade para entidade, esse risco existe em todas as entidades. Dada a forma imprevisível como estas derrogações podem ocorrer, constitui um risco de distorção material devido a fraude e, portanto, um risco significativo ( 31 ISA 240). Por outro lado, é o próprio órgão de gestão que tem a responsabilidade primária pela prevenção e deteção da fraude ( 4 ISA 240)....em situações de crise económica, as entidades são sujeitas a uma maior pressão no sentido de melhorar resultados de modo a atingir um esperado objetivo de lucros ou resultado financeiro, a não perderem as suas fontes de financiamento e a melhor poderem operar no mercado. A fraude envolve, geralmente, esquemas concebidos para esconder decisões intencionais para não registar ou registar inapropriadamente transações ou prestação de informações falsas ao auditor, situações que se revelam ainda mais difíceis de detetar quando há conluio dentro do órgão de gestão ou quando a evidência fornecida para efeitos de auditoria é falsa. Apesar de existir constante necessidade dos auditores estarem alerta para a possibilidade de fraude, em tempos de crise essa necessidade revela-se de maior importância (OROC, 2009). 26 Revisores Auditores ABRIL_JUNHO 2013

8 Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas Conclusões de auditoria (pressuposto da continuidade) Com base na prova obtida o auditor deve concluir se existe ou não uma incerteza material relacionada com acontecimentos ou condições que, individual ou coletivamente, possam colocar dúvidas significativas sobre a capacidade da entidade prosseguir em continuidade ( 17 ISA 570). E que efeitos podem existir no relatório de auditoria? Teremos várias alternativas: Uso apropriado do pressuposto da continuidade, mas existe incerteza material Se o auditor concluir que o uso do pressuposto da continuidade é apropriado mas existe uma incerteza material, deve verificar se as demonstrações financeiras descrevem adequadamente os principais acontecimentos ou condições que podem colocar dúvidas sobre a continuidade, e os planos do órgão de gestão para fazer face a essas situações bem como se existem divulgações suficientes sobre a incerteza material ( 18 ISA 570). Se for verificado que as divulgações são adequadas o relatório não é modificado mas deverá existir um parágrafo de ênfase a alertar para esta situação ( 19 ISA 570). Como exemplo temos o caso da perda de metade do capital social referido anteriormente. Em casos extremos, onde possam existir muitas incertezas materiais, deverá considerar uma escusa de opinião em alternativa ( A22 ISA 570). Se não for efetuada divulgação adequada o auditor deverá expressar uma opinião com reservas ou uma opinião adversa mencionando que existe uma incerteza material que pode colocar dúvidas significativas sobre a capacidade da entidade para prosseguir em continuidade ( 20 ISA 570). Uso não apropriado do pressuposto da continuidade Caso o auditor verifique que as demonstrações foram preparadas numa base de continuidade, mas não o deveriam ter sido, isto é, o uso por parte da gerência do pressuposto da continuidade não foi o apropriado então deverá expressar uma opinião adversa. ( 21 ISA 570). Quando as demonstrações financeiras sejam preparadas considerando que o uso do pressuposto da continuidade não é apropriado para aquelas circunstâncias, estas serão preparadas numa base alternativa (base de liquidação por exemplo). O auditor terá de verificar se esse referencial de relato financeiro é aceitável e o relatório poderá não ser modificado, mas poderá considerar necessário incluir uma ênfase no relatório no sentido de alertar o utente da informação para essa base alternativa e para as razões do seu uso ( A26 ISA 570). Relutância do órgão de gestão em fazer ou alargar a sua apreciação quanto ao pressuposto da continuidade Existem casos em que é necessário para o auditor o órgão de gestão fazer ou alargar a sua apreciação quanto ao pressuposto da continuidade. Caso este se mostre relutante em fazer ou alargar a sua apreciação, pode ser apropriada uma opinião modificada ou uma escusa de opinião no relatório, dado que o auditor pode não conseguir obter prova de auditoria suficiente e apropriada em relação ao uso do pressuposto da continuidade na preparação das demonstrações financeiras, nomeadamente no que concerne à existência de planos colocados em prática ou de outros fatores atenuantes ( A27 ISA 570). Revisores Auditores ABRIL_JUNHO

9 Particularidades A situação de crise atual não significa, necessariamente, que existe uma incerteza material sobre a capacidade de uma entidade em continuar as suas operações nem justifica que o auditor modifique o seu relatório chamando a atenção para esse facto. Por outro lado, não é por serem feitas divulgações extensivas que, por si só, há indícios da existência de dúvidas relevantes sobre a capacidade de uma entidade continuar a operar. Nem o órgão de gestão nem os auditores podem prever acontecimentos ou condições no futuro que possam causar a uma entidade a descontinuidade das suas operações, tal como aconteceu com a inesperada rapidez da crise atual e Estes modelos preditivos servirão, necessariamente, para orientar e proporcionar apoio no julgamento profissional do auditor quanto ao pressuposto da continuidade. Existem diversos fatores que, de forma individualizada ou em conjunto com outros indicadores devem orientar o julgamento do auditor. Não obstante existirem situações em que a aplicação, ou não, do pressuposto da continuidade não oferece qualquer dúvida, existem outras que apesar do órgão de gestão da entidade afirmar que esta está em continuidade o auditor poderá não ter essa certeza. Esta avaliação é de extrema importância e depende em grande medida do julgamento do auditor e pode ter efeitos significativos na suas consequências (OROC, 2009). Por este motivo, a ausência de qualquer referência quanto à incerteza de continuidade no relatório do auditor não pode ser vista como uma garantia da capacidade da entidade prosseguir em continuidade ( 7, ISA 570). De qualquer modo, de acordo com Arnold Schilder, chairman do IA- ASB, As dificuldades económicas levantam importantes considerações quanto ao processo de auditoria das entidades, mas nenhuma mais importante, ou mais difícil, que a avaliação, por parte do auditor, da perceção do órgão de gestão de uma entidade do pressuposto da continuidade e determinar a opinião apropriada a emitir no relatório de auditoria, tendo em conta as circunstâncias da entidade. Os auditores devem permanecer alerta durante todo o processo de auditoria para acontecimentos ou eventos que possam colocar em dúvida a capacidade da entidade manter-se em continuidade. (IAASB 2011). Por esta razão, dever-se-ão analisar todos os indicadores que permitam aferir da atual (e futura) situação económica e financeira da entidade, tendo em conta todos os fatores e suportando-se, porque não, em modelos preditivos de falências com maior ou menor grau de complexidade. Como se verá, esta pode ser uma via de alerta para problemática da continuidade de uma entidade e até uma forma de potenciar a implementação de medidas corretivas por parte da gestão, levando a entidade de uma situação de possível falha para uma situação de sucesso, ou, pelo menos, de não falha. entidade auditada. Poderá significar a perda do financiamento da empresa, da sua credibilidade e o aumento do risco de incumprimento. Assim, é importante que a tomada de decisão do auditor seja coerente com a realidade da empresa e tomando em consideração todos os fatores que poderão influenciar a aferição do pressuposto da continuidade (Costa, 2011). Também, Almeida J. (2000) refere que os auditores sejam prudentes na forma de tornar públicas as suas preocupações. A sobrevivência de uma empresa pode muito bem depender do facto dos utilizadores da informação financeira não terem quaisquer dúvidas sobre a continuidade da sua atividade. Deste modo, em última análise, a opinião do auditor sobre a avaliação da continuidade por parte do órgão de gestão da empresa pode ter impacto na própria continuidade desta. Blay et al. (2001) refere que, segundo o seu estudo, o mercado interpreta a modificação do relatório quanto ao pressuposto da continuidade como uma comunicação de risco. Inácio e Serrano (2010) refere que o relatório do auditor produz efeitos e apresenta-se como mais uma informação disponível no momento da tomada de decisão, pelo que se trata de uma informação importante para os utilizadores da informação. Este facto pode afetar o julgamento do auditor. Guiral e Gonzalo (2008) realizaram um estudo em que chegaram à conclusão que o julgamento do auditor dependerá na crença que tem na profecia autocumprida 2. Quer isto dizer que, segundo aqueles autores, se o auditor acreditar que a modificação do seu relatório por questões re- 28 Revisores Auditores ABRIL_JUNHO 2013

10 Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas lativas à continuidade poderá levar, por si só, à extinção da entidade, ele tenderá, num caso em que exista alguma dúvida, a não apresentar um relatório modificado. O contrário também se verifica. O Auditor, nas suas funções, deve cumprir determinados princípios fundamentais 3 com vista a poder exprimir opinião sobre se as demonstrações financeiras apresentam, ou não, de forma verdadeira e apropriada a real situação da entidade auditada. Contudo podem existir ameaças àqueles princípios como acabamos de ver. Segundo Carcello et al. (2000) muitos investigadores e entidades reguladoras expressaram preocupação acerca da possibilidade de perda de independência do auditor nos casos em que possa existir a possibilidade de perda do cliente caso emita determinada opinião, essencialmente no caso de clientes de dimensão elevada. Por esta razão, é importante que o auditor se muna da informação necessária que o permita aferir das reais capacidades da entidade auditada prosseguir em continuidade. Z-Score Modelos Preditivos de Falências Sempre que existem cenários de crise económica que se aprofundam estudos relacionados com a previsão de falências das empresas como forma de mitigar o risco existente quanto à tomada de decisão. Desta forma, os últimos anos foram profícuos na análise deste tema, no sentido de serem encontrados modelos que possam antecipar as situações de falência. Na generalidade dos casos, estes modelos apresentam-se sempre muito ligados à situação financeira da empresa. Apesar de estarmos perante dados basilares, estes não são o único fator. Na realidade, duas entidades em igual situação financeira podem acabar por ter dois desfechos completamente contrários, por razões imputáveis à capacidade da gestão, à sua credibilidade junto de terceiros, à aceitação do seu produto ou a muitos outros fatores (Inácio, 2010). Por esta razão, e de acordo com o referido antes, o julgamento do auditor deve levar em consideração todo um conjunto de fatores para avaliar o pressuposto da continuidade por parte do órgão de gestão. As técnicas preditivas do fracasso empresarial fornecem ao auditor critérios operativos e subsidiários de orientação da sua atuação profissional, sendo, portanto, uma ferramenta objetiva na qual o auditor se baseia, para dar uma opinião acerca da continuidade, reduzindo os riscos dessa mesma opinião e evitando as possíveis consequências de cometer esses erros (Almeida e Almeida, 2011). Segundo Almeida, J. (2000), e de acordo com o que foi referido anteriormente, os modelos preditivos de falências são uma ferramenta analítica fundamental para os auditores aquando da avaliação da aplicação do pressuposto da continuidade e funciona também como um sinal de alerta permitido recomendações e até mudanças na estratégia da própria entidade. De referir que estes modelos seriam, para os auditores uma ferramenta fundamental, que conjuntamente com a sua experiência e conhecimento do ramo de negócios dos seus clientes, ajudariam o julgamento do auditor quando tivesse dúvidas sobre a continuidade da empresa (Almeida e Almeida, 2011). Iremos de seguida apresentar o modelo Z-Score de Altman, por ser um dos modelos mais utilizados. Z-Score Como referido, existem neste momento vários modelos de previsão de falências. A opção tomada foi a do modelo Z-Score de Edward I. Altman. A opção prendeu-se tanto pelo facto de ser um modelo de simples aplicação bem como pelo facto de ser comumente aceite como um modelo válido para avaliação das dificuldades financeiras de uma empresa (Divsalar et al, 2012). Altman através de uma técnica de análise estatística multivariada (análise multidiscriminante 4 ) construiu o modelo Z-Score dentro da problemática da previsão de falências das empresas (Balcaen e Ooghe, 2006). Trata-se, assim, de um modelo discriminante baseado num conjunto de rácios financeiros selecionados por Altman como tendo capacidade de prever falências (Libby, 1975). Assim, de acordo com o estudo de Altman a função discriminante expressa-se da seguinte forma (Altman, 196 Z = V1X1 + V2X2 + V3X3 + V4X VnXn Em que: Z = ponto discriminante V1, V2,, Vn = coeficientes discriminantes X1, X2,, Xn = variáveis independentes Da análise efetuada, e partindo de vinte e dois rácios iniciais (variáveis), Altman obteve a combinação ótima de cinco rácios com os seguintes coeficientes: Z = 0,012X1 + 0,014X2 + 0,033X3 + 0,006X4 + 0,999X5 Em que os rácios são os seguintes X1 Fundo de Maneio / Ativo X2 Reservas / Ativo X3 Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) / Ativo X4 Valor da Empresa / Capitais Alheios X5 Vendas / Ativo Como se percebe, existem no modelo rácios económicos, financeiros e de rotatividade. Remete-se a análise de cada um destes rácios ou indicadores para o capítulo 4 deste trabalho onde o modelo se aplica a um caso real. Como referido, trata-se de um modelo multivariante, pelo que o valor Z não é um somatório das suas variáveis consideradas individualmente. Devido às ligações existentes entre os rácios, as sinergias existentes entre eles são potenciadas. De acordo com Almeida e Almeida (2011) o Z-Score proporciona informação comparativa da Revisores Auditores ABRIL_JUNHO

11 sua posição relativa e da sua situação de mais risco ou mais solvência, todavia, não proporciona dados diretos que permitam prever as falências eminentes. Estudo de Um Caso Apresentação da empresa Durante o estágio da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, tendo em conta o período de grande turbulência económica e financeira em que vivemos em que as empresas encontram dificuldades extremas, tais como a dificuldade de acesso ao crédito e também a baixa procura existente, uma das preocupações na fase de planeamento das diversas auditorias efetuadas foi tentar perceber a capacidade de algumas empresas continuarem a laborar. Existem empresas que, por estarem mais expostas a mercados mais instáveis, estão mais sujeitas a alterações gravosas na atividade. Desta forma foi utilizada numa das empresas o modelo Z- Score de E. Altman já tratado em cima. Trata-se de uma empresa do setor metalúrgico cuja atividade consiste na construção metalomecânica de estruturas e tubagens, na manutenção de conservação industrial e construção de estruturas de edifícios e equipamentos industriais. Por aqui se percebe que, apesar de ser uma empresa com uma existência no mercado já longa, opera num setor em claras dificuldades por, neste momento, não existir a implantação ou mesmo a renovação de grandes estruturas industriais e o setor da construção enfrentar uma crise severa. Por outro lado, esta é uma empresa que concentra grande parte da sua produção em poucos clientes sendo que um deles está ligado ao setor da construção, que se encontra numa profunda crise. Assim, foi opção na fase de planeamento da auditoria testar o Z- Score, como complemento à avaliação do risco, de modo a determinar se existem fatores que possam indiciar a incapacidade da entidade prosseguir em continuidade. Dado que este modelo deve ser analisado de forma contínua, de modo a que seja avaliada a sua evolução, e não de forma estática, a análise foi efetuada desde o ano de Balcaen e Ooghe (2006) refere que mais do que medir a probabilidade de falha, o Z-Score deverá ser encarado como uma medida de avaliação da saúde financeira de uma empresa e deverá ser avaliado ao longo do tempo. O modelo foi aplicado entre o ano de 2008 até à atualidade estimando-se depois até Naturalmente que, importa que seja avaliado tendo em conta os condicionalismos externos existentes em cada momento, isto é, tendo em conta o ambiente existente. É totalmente diferente avaliar um determinado resultado se estivermos numa situação de expansão económica ou se, por outro lado, vivermos um período de crise e recessão. Estando num período de recessão o auditor deverá estar mais alerta para indicadores que possam revelar dificuldades na capacidade intrínseca da entidade em gerar resultados. Apesar de não ter sido usado o modelo nos procedimentos de auditoria do ano de 2011 existiram fatores que alertaram para a possibilidade de, em 2012, a entidade poder apresentar riscos de, a médio prazo, começar a ter dificuldades. Os indicadores relativos ao ano de 2011, o que se espera do ano de 2012 e as perspetivas que existem para o ano de 2013 e seguintes, vieram dar maior preocupação em analisar os pressupostos de continuidade assumidos pela empresa. Desta forma, tendo em conta o ceticismo profissional que deve caracterizar o auditor, passou a existir um maior controlo e atenção em evidências que possam fazer com que a entidade continuasse num percurso descendente. Na realidade, observando o indicador escolhido para complementar o julgamento acerca da assunção do órgão de gestão quanto ao pressuposto da continuidade, verificamos que a tendência é bastante gravosa. Não existindo alterações de fundo na estratégia da entidade existirá elevada probabilidade do seu desfecho não ser favorável. A previsão para o volume de negócios para o ano de 2012 foi, no início do ano, de cerca de De acordo com as estimativas, o valor final deverá ser significativamente inferior. Esta previsão teve como erro a consideração demasiado otimista que o seu maior cliente, que representa cerca de 50% do volume de negócios, não reduzisse significativamente as suas encomendas tendo em conta o setor onde opera (minas). Na realidade, o nível de atividade com este cliente reduziu para cerca de 60% do previsto. Também o segundo cliente (cimenteira) reduziu a sua atividade significativamente, prevendo-se que a sua produção passe para 1/3 da que já existiu. Estima-se neste momento que o volume de negócios seja, no final do ano, de 2012 de cerca de valor significativamente inferior ao inicialmente previsto. De acordo com a estrutura de custos existente neste momento isto fará com que os resultados sejam negativos. Neste momento a entidade depende significativamente do recurso ao crédito que tem cada vez mais dificuldade em obter. Por outro lado, com a redução nas vendas para o maior cliente, em que existe um contrato de factoring associado, começa a ter problemas de liquidez e tesouraria. A entidade debate-se neste momento, por um lado, com problemas de rendibilidade, por via da redução nas vendas do cliente com mais representatividade e, para além deste facto, com problemas financeiros. Demonstrações Financeiras Apresentam-se as demonstrações financeiras da entidade: Balanços Activo Activo não corrente Activo corrente Total Activo Cap. Próprio + Passivo Capital Próprio Capital Social Reservas Resultado Liquido Total C. Próprio Passivo Passivo não corrente Passivo corrente Total Passivo Total Pas + Cap. Prop Valores em euros 30 Revisores Auditores ABRIL_JUNHO 2013

12 Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas Demonstrações de Resultados Vendas + PS Ganhos/perdas subsidiárias Variação produção Trabalhos Prop. Entidade CMVMC FSE Gastos Pessoal Imparidades Aumentos/reduções JV Outros rendimentos e ganhos Outros gastos e perdas Resultado antes de depreciações, gastos fin. E impostos Gastos dep/amortiz Imparidades Resultado Operacional (RAJI) Juros e Rendimentos Similares Obtidos Juros e Gastos Similares Suportados RAI ISR Resultado Liquido do período Aplicação do modelo Valores em euros De acordo com a aplicação do modelo Z-Score, obtiveram-se os seguintes resultados: Capital Próprio , , , , ,85 Passivo , , , , ,29 Book Value 0,14 0,19 0,25 0,26 0,22 Capital Social , , , , ,00 C. Circulante , , , , ,82 Activo Líquido , , , , ,31 Reservas , , , , ,69 RAJI , , , , ,66 Vendas , , , , ,00 Valores em euros x1 0, , , , ,02781 x2 0, , , , ,05006 x3 0, , , , ,00095 x4 0, , , , ,21780 x5 1, , , , ,99241 Z-Score 2, , , , ,15667 Graficamente a evolução do resultado do modelo (Z) apresenta-se da seguinte forma: 3, , , , , , , ,00000 Z- Score Forte probabilidade de falência Reduzida probabilidade de falência Como se verifica entre o ano de 2008 e 2010 a entidade apresentou valores (Z) superiores ao limiar de falência provável. Apesar de não serem valores ótimos são valores que consideramos aceitáveis. De acordo com o modelo, para aquele período, a entidade apresenta-se como estando numa situação de insucesso pouco provável. Durante estes exercícios económicos a continuidade da entidade nunca foi colocada em causa, como se veio a comprovar. Já para o ano de 2011 o valor obtido foi inferior ao limiar de insucesso provável. Apesar de existirem indicadores em clara degradação, o julgamento foi que a assunção do órgão de gestão da continuidade da empresa estaria correta como, aliás, se confirma. Vários fatores permitiram chegar a essa conclusão, tais como as encomendas em carteira ou a abertura da empresa ao mercado externo. Também a criação de uma filial em Moçambique foi um fator que teve de ser levado em conta dado o tipo de mercado em que a entidade opera e o crescimento e dinâmica daquele novo mercado. Prevê-se que, para o ano de 2012 os resultados sejam ainda mais gravosos passando o indicador a ser ainda mais baixo. De modo a que melhor se percebam as causas desta evolução devemos analisar cada uma das variáveis do modelo de per si. X1 Fundo de Maneio / Ativo 0, , , , , , , ,04000 Este, sendo um indicador de equilíbrio financeiro de curto prazo, tenta refletir a capacidade da entidade solver os seus compromissos, isto é, se tem ou não problemas de liquidez. O gráfico apresenta uma clara tendência negativa com um cada vez maior problema de liquidez e de tesouraria tal como já havíamos evidenciado. X2 Reservas / Ativo 0, , , , , , ,00000 Esta segunda variável que relaciona as reservas (lucros retidos) com o seu ativo total, mostra a capacidade que a entidade tem em gerar resultados e em mantê-los com o objetivo de serem reinvestidos. Como se verifica, esta capacidade é cada vez menor. Não é alheio o facto de terem existido distribuições de dividendos nem o facto de se ter aumentado o capital social por incorporação de reservas. Neste caso o indicador é influenciado negativamente apesar de não existir qualquer efeito real. Interessa referir que, neste caso, a entidade fica mais desprotegida no que concerne ao cumprimento do artigo 35 do Código das Sociedades Comerciais dado que o capital próprio fica com valores mais próximos do capital social, o que, existindo resultados negativos, como se prevê que possa acontecer, faz Revisores Auditores ABRIL_JUNHO

13 com que o primeiro passe a ser inferior ao segundo. Ainda assim, esta entidade não tem problemas relacionados com este assunto o que não significa que não possa a vir a ter caso a tendência não seja invertida. X3 Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) / Ativo 0, , , , , , , , ,01000 Este rácio mede a rendibilidade do ativo e, como se verifica, apresenta também uma tendência negativa. Esta é grandemente influenciada pelo ano de 2012, que poderá ser negativo, o que significa que deverão ser adotadas medidas, como veremos mais à frente, para inverter esta tendência e assegurar a continuidade da entidade. X4 Valor da Empresa / Capitais Alheios 0, , , , , , ,00000 Este rácio mede o grau de endividamento da entidade relacionando o seu valor com os seus capitais alheios totais. Dado não se tratar de uma entidade cotada em bolsa não conseguimos saber qual a sua capitalização bolsista pelo que consideraremos o valor contabilístico da entidade (capital próprio). A entidade tem vindo a aumentar os seus capitais próprios mantendo nos últimos anos o mesmo nível de passivo, pelo que a tendência é positiva. De qualquer modo, cerca de metade dos capitais alheios totais diz respeito a financiamentos obtidos. Esta e uma situação de risco tendo em conta que a entidade tem cada vez mais encargos financeiros e os próprios bancos tendem a ser cada vez mais exigentes na renegociação dos créditos existentes (por exemplo contas correntes caucionadas ou descobertos bancários). X5 Vendas / Ativo 2, , , , , , , , , , ,00000 Este indicador relaciona as vendas com o ativo da entidade permitindo aferir o grau de rotatividade deste face às vendas. Também apresenta uma tendência negativa por via, essencialmente, da redução do volume de negócios da entidade nos últimos três anos analisados. Considerações finais Assim, pela análise deste modelo aplicado à entidade surge a questão: A entidade está em continuidade? Como referido antes, pela simples análise deste indicador não se poderá responder a esta questão. Este servirá, antes, para nos dar um alerta e até fazer com que o próprio órgão de gestão reavalie a sua estratégia. No caso desta entidade é urgente que se repense a sua estratégia. Ao longo dos últimos anos esta empresa tem vindo, de forma gradual a adequar a sua estrutura ao nível de atividade em cada momento. No ano de 2011 foram efetuados alguns despedimentos e ainda para o ano corrente (2012) está previsto um despedimento coletivo de cerca de 50 a 60 pessoas de modo a reajustar a sua estrutura de custos ao nível de atividade que passou a existir. Prevê-se que esta redução signifique um decréscimo de custos anual na ordem de Para além deste facto, existe uma clara adequação dos restantes gastos de funcionamento ao nível de atividade de cada ano - atentese à evolução do peso dos fornecimentos e serviços externos no volume de negócios. Por outro lado, a entidade espera que o mercado internacional aumente essencialmente por via do crescimento da sua subsidiária no mercado africano. Esperase que estas vendas venham substituir, pelo menos em parte, a redução de vendas que se tem vindo a verificar no mercado nacional. Assim, Medidas a implementar pelo órgão de gestão - Despedimento coletivo colaboradores redução custos Adequação restantes gastos de funcionamento ao novo nível de atividade - Aumento das vendas no mercado africano por via da subsidiária Também, de acordo com o descrito, os seus capitais próprios mantêm-se num nível elevado. Apesar de se prever que venham a reduzir não se coloca em questão quaisquer problemas relacionados com o art.º 35 do código das sociedades comerciais. Naturalmente que, não mudando o caminho a percorrer, provavelmente este tipo de problemas venham a surgir. Tendo em conta as previsões da empresa em análise para os próximos três anos, e tendo sido verificados os respetivos pressupostos, temos as seguintes demonstrações financeiras: 32 Revisores Auditores ABRIL_JUNHO 2013

14 Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas Balanços Activo Activo não corrente Activo corrente Total Activo Cap. Próprio + Passivo Capital Próprio Capital Social Reservas Resultado Liquido Total C. Próprio Passivo Passivo não corrente Passivo corrente Total Passivo Total Pas + Cap. Prop Valores em euros Demonstrações de Resultados Vendas + PS Ganhos/perdas subsidiárias Variação produção Trabalhos Prop. Entidade CMVMC FSE Gastos Pessoal Imparidades Aumentos/reduções JV Outros rendimentos e ganhos Outros gastos e perdas Resultado antes de depreciações, gastos fin. E impostos Gastos dep/amortiz Imparidades Resultado Operacional (RAJI) Juros e Rendimentos Similares Obtidos Juros e Gastos Similares Suportados RAI ISR Resultado Liquido do período Valores em euros Aplicando novamente o modelo Z.Score, mas incluindo a previsões de 2013 a 2015 temos: Capital Próprio , , , , , , , ,86 Passivo , , , , , , , ,43 Book Value 0,14 0,19 0,25 0,26 0,22 0,22 0,25 0,32 Capital Social , , , , , , , ,00 C. Circulante , , , , , , , ,77 Activo Líquido , , , , , , , ,00 Reservas , , , , , , , ,85 RAJI , , , , , , , ,66 Vendas , , , , , , , ,00 Valores em euros x1 0, , , , , , , ,06262 x2 0, , , , , , , ,00836 x3 0, , , , , , , ,09645 x4 0, , , , , , , ,32220 x5 1, , , , , , , ,14194 Z-Score 2, , , , , , , ,74038 Revisores Auditores ABRIL_JUNHO

15 Como se verifica, tendo em conta as medidas implementadas e eventos previstos, existe uma inversão clara neste indicador apresentando-se agora num sentido ascendente em todos os rácios. A entidade encontra-se já muito próximo do limiar inferior. 3, , , , , , , ,00000 Z- Score Forte probabilidade de falência Reduzida probabilidade de falência Já desde o ano de 2011 que o modelo aplicado sugere que a entidade entre em rutura a breve trecho. Na realidade isso não aconteceu. Tendo em conta a opinião da própria entidade este problema não se verifica. Como referido antes só não existirá este problema se a entidade se adequar ao seu novo nível de atividade. O mesmo se verifica quanto aos gastos de financiamento que têm vindo a aumentar significativamente. Neste caso, poderá não ser fácil reduzir os gastos mas caso exista uma boa reestruturação poderá não existir necessidade de recurso a novo crédito, resolvendo a entidade este problema a médio prazo. Até determinada altura a entidade poderá sobreviver protelando pagamentos a fornecedores e até ao Estado ou tentando fazer com que as próprias contas não reflitam a realidade. Tendo em conta que a entidade depende em grande medida do crédito bancário, esta pode ser uma tentação dado que com resultados negativos poderse-á antever a não renovação de créditos existentes. O próprio relatório do auditor, tal como foi referido no subcapítulo particularidades, pode, eventualmente, precipitar esta situação. Ainda assim, tendo em conta o exposto, apesar da auditoria não ter terminado ainda, a grande conclusão quanto a este caso será que a atenção deverá ser redobrada quanto ao aspeto da continuidade. Como se verifica, através do estudo apresentado, as condições económicas e financeiras desta entidade têm-se vindo a degradar ao longo dos anos e só com uma alteração no caminho traçado esta poderá subsistir, tal como constatámos. Verifica-se claramente que, de acordo com as previsões decorrentes das medidas que se esperam implementar todos os indicadores invertem. É este o objetivo da entidade que, iniciando agora essas novas mudanças, fará com que consiga prosseguir em continuidade. Por esta razão, se os dados atuais fossem os dados da altura de aprovação de contas a opinião seria, apesar do sugerido pelo modelo que mais do que prever falências deve ser um indicador da saúde da empresa, concordar com o órgão de gestão quanto à continuidade da empresa mas tendo em conta que podem existir incertezas materiais. Desta forma, caso estas fossem divulgadas, deveria ser incluído um parágrafo de enfâse e caso não fossem, uma reserva quanto a estas incertezas. Conclusões Como ficou patente ao longo deste trabalho, a avaliação do pressuposto da continuidade na elaboração das demonstrações financeiras é de capital importância. Mais ainda quando se tratam de entidades sujeitas a certificação legal das contas. Apesar de ser o órgão de gestão o responsável pela avaliação deste pressuposto cabe ao auditor a verificação se foi devidamente aplicado. Tendo em conta a importância que a informação financeira reveste para os seus utilizadores e tendo em conta o que pode significar se esta não representar fielmente a realidade da empresa em questão, o auditor é o garante da estabilidade que os mercados necessitam. Sendo certo que o auditor apenas emite um julgamento com base nos elementos de que dispõe e que se julgam suficientes, é necessário, sobretudo num clima recessivo, onde as falências são em número crescente, encontrar ferramentas que lhe permitam aferir de forma mais correta e apropriada se cada entidade auditada se encontra em condições de permanecer em continuidade. Esta opinião deve trazer segurança quanto às decisões dos diversos stakeholders da entidade auditada. Tendo em conta a importância que a informação financeira reveste para os seus utilizadores e o que pode significar se esta não representar fielmente a realidade da empresa em questão, o auditor é o garante da estabilidade que os mercados necessitam. Por outro lado, pela dificuldade de avaliação do pressuposto da continuidade, principalmente em períodos de crise económica, e pela pressão que pode existir sobre os auditores quanto à modificação do relatório de auditoria por motivos relacionados com a continuidade, é fundamental que se encontrem formas de corroborar a opinião que o auditor detém pelas demonstrações financeiras e pelo conhecimento que tem do negócio de cada entidade. Os modelos preditivos de falências, tais como o Z-Score, cumprem esta função, não tanto por indicar de forma precisa a falha ou não da entidade, mas, essencialmente, por ter a faculdade de orientação do auditor quando a problemas económicos e financeiros que possam vir a ter. Como analisado no caso real apresentado, o modelo pode sugerir uma falha eminente de uma entidade, mas, apesar disso, tendo em conta o conhecimento do negócio, a capacidade de governação do órgão de gestão e os seus planos contingentes para fazer face a situações de crise, a opinião pode ser a de que o pressuposto da continuidade está bem aplicado. Em suma, verifica-se que que é uma ferramenta útil para a auditoria em cenários de crise (e não só) que permite maior atenção para determinados problemas e também para proporcionar a procura e apresentação de novos caminhos à empresa. 34 Revisores Auditores ABRIL_JUNHO 2013

16 Pedro Miguel Torres Carvalho RevisoR oficial de contas...pela dificuldade de avaliação do pressuposto da continuidade, principalmente em períodos de crise económica, e pela pressão que pode existir sobre os auditores quanto à modificação do relatório de auditoria por motivos relacionados com a continuidade, é fundamental que se encontrem formas de corroborar a opinião que o auditor detém pelas demonstrações financeiras e pelo conhecimento que tem do negócio de cada entidade. BIBLIOGRAFIA ACCA (2011) Audit under fire: a review of the post-financial crisis inquiries (www.accaglobal.com/.../audit.../pol-af-auf.pdf) Almeida, Bruno J. Machado de (2010) O auditor e a continuidade da empresa O artigo 35º do Código das Sociedades Comerciais, Revista de Ciências Empresariais e Jurídicas, ISCAP Almeida, José J. Marques de (2000) Auditoria Previsional e Estratégica, Vislis Editores, Lisboa Almeida, José J. Marques de, e Almeida, Bruno J. Machado de (2011) O Triângulo Contabilidade, Finanças e Auditoria no Diagnóstico de Falênci as: Um tema atual em Portugal, Revista Portuguesa de Contabilidade, Vol.1, Nº 003 Almeida, António Pereira de (2006) Sociedades Comerciais, 4ª Edição, Coimbra Editora Altman, Edward I., (1968). Financial ratios, discriminant analysis and the prediction of corporate bankruptcy. The Journal of Finance, 23 (4) Balcaen, Sofie e Ooghe, Hubert (2006) 35 years of studies on business failure: an overview of classical statistical methodologies and their related problems, The British Accounting Review, 38 Blay, Allen D., Geiger, Marshall A. e North, David S. (2011), The Auditor s Going-Concern Opinion as a Communication of Risk, Auditing: A Journal of Pratice & Theory, Vol. 30, N.º 2 Carcello, Joseph V., Hermanson, Dana R. and Huss, H. Fenwick, (2000) Going concern opinions: The effects of partner compensation plans and client size, Auditing: A Journal of Practice & Theory, 19, 1 Charitou A, Neophytou E, Charalambous C Predicting corporate failure: empirical evidence for the UK., European Accounting Review, 13 Citron, D. B. e Taffler, R. J. (2001), Ethical Behaviour in the U.K. Audit Profession: The Case of the Self-Fulfilling Prophecy Under Going-Concern Uncertainties, Journal of Business Ethics, 29 (4) Código de Ética da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Manual do Revisor Oficial de Contas Comissão Europeia (2010) Livro Verde - Política de auditoria: as lições da crise (http:// ec.europa.eu/internal_market/auditing/reform/index_en.htm) Costa, Tiago M. P. Roque (2011) O Pressuposto da Continuidade e o Auditor: Estudo de um Caso Real, Tese de Mestrado, Universidade de Aveiro (https://ria.ua.pt/bitstream/10773/8945/1/ pdf) Divsalar, Mehdi, Roodsaz, Habib, Vahdatinia, Farshad, Norouzzadeh, Ghassem and Behrooz, Amir (2012) A Robust Data-Mining Approach to Bankruptcy Prediction, Journal of Forecasting, 31 DRA 400 Avaliação do Risco de Revisão/Auditoria, Manual do Revisor Oficial de Contas Guiral Contreras, Andrés e Gonzalo Angulo, José A. (2008) La Hipótesis de la Profecia Autocomplida en la Evaluación de la Evidencia en el Contexto de la Gestión Continuada, Revista de Contabilidad - Spanish Accounting Review, v 11-1 IAASB (2009) Audit Considerations in Respect of Going Concern, in the Current Economic Environment, Staff Audit Practice Alert (http://www.ifac.org/sites/default/files/publications/files/sapa%20-%20audit%20 Considerations%20in%20Respect%20of%20Going%20Concern%20in%20the%20 Current%20Economic%20Environment_0.pdf) IAASB (2011) Economic Conditions Continue to Challenge Preparers and Auditors Alike; Focus Must Include Going Concern Assumption and Adequacy of Disclosures (http:// IAS 1 Apresentação de Demonstrações Financeiras, Manual do Revisor Oficial de Contas ISA 570 Continuidade, Manual do Revisor Oficial de Contas ISA 240 As Responsabilidades do Auditor Relativas a Fraude numa Auditoria de Demonstrações Financeira, Manual do Revisor Oficial de Contas ISAE 3400 O Exame da Informação Financeira Prospetiva, Manual do Revisor Oficial de Contas Interpretação Técnica nº 14 Perda de Metade do Capital, Manual do Revisor Oficial de Contas IFAC (2012) A Definition of Public Interest, Policy Position Paper 5 (www.ifac. org) IFRS (2012) The conceptual Framework for Financial Reporting 2011 as issued at 1 January 2012 Technical Summary (http://www.ifrs.org/ifrss/documents/english%20ias%20and%20ifrs%20pdfs% /conceptual%20Framework.pdf) Inácio, Helena Coelho, (2007), Risco em Auditoria: Uma análise dos fatores de risco na indústria e o pressuposto da continuidade, Tese Doutoral, Madrid Inácio, Helena Coelho e Serrano Moracho, Francisco (2010), Avaliação do pressuposto da continuidade: esboço de uma nova ferramenta, Estudos do ISCA Série IV Nº 1 Li H, Sun J Business failure prediction using hybrid2 case-based reasoning (H2C- BR). Computers and Operations Research, 37 Libby, R (1975) Accounting ratios and the prediction of failure: Some behavioral evidence, Journal of Accounting Research, Spring Mutchler, Jane, Hoopwood, William, McKeown, James (1997) The influence of Contrary Information and Mitigating Factors on Audit Opinion Decisions on Bankrupt Companies, Journal of Accounting Research, 35 NCRF 1 Estrutura e Conteúdo das Demonstrações Financeiras, Manual do Revisor Oficial de Contas NCRF 24 Acontecimentos Após a Data do Balanço, Manual do Revisor Oficial de Contas Normas Técnicas de Revisão/ Auditoria, Manual do Revisor Oficial de Contas OROC (2009) Assuntos de Relevância pra os Revisores Auditores em Tempos de Crise Financeira, Newsletter 01/09 Pereira, Ana S. Simões (2006) Revisão da Informação Financeira Prospetiva, Revisores & Empresas, julho/setembro Recomendação Técnica nº 11 - Revisão da Informação Financeira Prospetiva, Manual do Revisor Oficial de Contas Relatório do Orçamento de Estado de 2013 (http://www.portugal.gov.pt/pt/os-ministerios/ministerio-das-financas/documentos-oficiais/ oe2013.aspx) SNC EC (2009) Estrutura conceptual do Sistema de Normalização Contabilística, Aviso n.º 15652/2009, Diário da República, Série II, 7 de setembro Whitehouse, Tammy (2012) PCAOB Alerts Auditors to Risk from Economic Pressures, Compliance Week, January (http://www.docstoc.com/docs/ /pcaob-alerts-auditors-to-risk-from-economic-pressures) 1 Public Company Accounting Oversight Board 2 Self-Fullfilling Prophecy 3 Integridade, objetividade, competência e zelo profissional, confidencialidade e comportamento profissional ( CEOROC) 4 MDA - Multiple Discriminant Analysis SOFTWARE DE AUDITORIA LÍDER MUNDIAL EFICIÊNCIA SEGURANÇA PLANEAMENTO CONTROLO PROGRAMAS DE TRABALHO CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS REDUÇÃO DE PAPEL Prémios Internacionais Ferramenta de vanguarda à sua medida Dinamize o seu trabalho de Auditoria/Revisão de Contas e de Consolidação de Contas com a ferramenta utilizada pelas principais networks internacionais, adaptável à sua dimensão e exigências. Trabalhe em conformidade com as normas nacionais e internacionais de auditoria e de contabilidade. Para mais informações contacte-nos através do Distribuidores para: Portugal, Espanha, Angola e Cabo Verde

Newsletter Número 1/09 Março 2009

Newsletter Número 1/09 Março 2009 ASSUNTOS DE RELEVÂNCIA PARA OS REVISORES/AUDITORES EM TEMPOS DE CRISE FINANCEIRA Foram publicados recentemente tanto pelo IAASB (International Auditing and Assurance Standards Board) como pela FEE (Fédération

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

CIRCULARIZAÇÃO. I Introdução

CIRCULARIZAÇÃO. I Introdução CIRCULARIZAÇÃO I Introdução A circularização, ou confirmação externa, é uma prova de auditoria obtida como resposta directa que o revisor/auditor recolhe de uma terceira entidade (a entidade que confirma

Leia mais

Os valores inseparáveis da profissão:

Os valores inseparáveis da profissão: Os valores inseparáveis da profissão: Ética e Qualidade da Auditoria Ética Óscar Figueiredo membro do conselho diretivo (Tradução livre da comunicação feita pelo Membro do Conselho Diretivo Óscar Figueiredo

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705 Directriz de Revisão/Auditoria 705 FUNDOS DE INVESTIMENTO ÍNDICE Agosto de 2006 Parágrafos Introdução 1-3 Objectivo 4-5 Particularidades e Procedimentos de Validação 6-25 Outros Deveres e Competências

Leia mais

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A.

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A. 1 de 5 04-08-2014 8:34 www.bportugal.pt O Banco e o Eurosistema > Intervenções públicas Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Relevância e Fiabilidade do Justo Valor. Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15

Relevância e Fiabilidade do Justo Valor. Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15 Relevância e Fiabilidade do Justo Valor Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15 Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções:

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções: Leia com atenção as seguinte instruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com um círculo e

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão,

Leia mais

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos.

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos. NOTA: ------------ -- Docente atribuído: Docente que frequentou e que corrigirá a prova: Aluno Nº: Turma: Nome: Assinatura: GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

INSUFICIÊNCIA DE CAPITAL. Aumento do capital social da instituição junto do mercado financeiro através de uma oferta pública de subscrição.

INSUFICIÊNCIA DE CAPITAL. Aumento do capital social da instituição junto do mercado financeiro através de uma oferta pública de subscrição. 1 MECANISMOS PARA LIDAR COM INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO COM INSUFICIÊNCIA DE CAPITAL I. CAPITALIZAÇÃO COM RECURSO A FUNDOS PRIVADOS A. Fonte jurídica Código das Sociedades Comerciais; Código dos Valores Mobiliários.

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Horwath & Associados, SROC, Lda. Member Crowe Horwath International Edifício Scala Rua de Vilar, 235 2º andar 4050-626 Porto, PORTUGAL +351 22 605 17 80 Tel +351 22 605 17 89 Fax

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA ESTRUTURA CONCEPTUAL (EC) Prefácio ( 1) 2 Introdução ( 2 a 11) 3

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA ESTRUTURA CONCEPTUAL (EC) Prefácio ( 1) 2 Introdução ( 2 a 11) 3 SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA ESTRUTURA CONCEPTUAL (EC) Este documento tem por base a Estrutura Conceptual do IASB, constante do Anexo 5 das Observações relativas a certas disposições do Regulamento

Leia mais

EXAME PARA AUDITOR CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 002/CTEC/2014 - ÉPOCA DE DEZEMBRO DE 2014 GRUPO IV MATÉRIAS DE AUDITORIA E COMPORTAMENTAIS

EXAME PARA AUDITOR CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 002/CTEC/2014 - ÉPOCA DE DEZEMBRO DE 2014 GRUPO IV MATÉRIAS DE AUDITORIA E COMPORTAMENTAIS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA PARTE I AUDITORIA FINANCEIRA 50% (Cotação: cada questão 2,0 Valores) 1. De acordo com a ISA 500 da IFAC, Prova de Auditoria significa: a) ( ) Toda a informação que o Auditor

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910 Directriz de Revisão/Auditoria 910 Setembro de 2003 Exames Simplificados ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4 ÂMBITO 5-6 TERMOS DO COMPROMISSO 7-9 PLANEAMENTO E EXECUÇÃO 10-15 CONCLUSÕES E RELATO

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

Exmos. Senhores Accionistas da BES VIDA, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.,

Exmos. Senhores Accionistas da BES VIDA, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A., RELATÓRIIO E PARECER DO CONSELHO FIISCAL DA BES VIIDA,, COMPANHIIA DE SEGUROS,, S..A.. Exmos. Senhores Accionistas da BES VIDA, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A., Nos termos da lei e do contrato de sociedade,

Leia mais

Relatórios Informa D&B

Relatórios Informa D&B Relatórios Informa D&B RELATÓRIO COMPLETO Toda a informação sobre uma empresa, em comparação com o seu sector, para quem necessite de decidir com plena confiança. - Sumário executivo Novo - Avaliação de

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA DA PORTUGAL TELECOM

ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA DA PORTUGAL TELECOM Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5.º ANO 1.º SEMESTRE ECÓNOMIA E GESTÃO 2001/2001 2.º TRABALHO ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

IESF Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. 1. Introdução..2. 2. Gestão Financeira...2 a 4

IESF Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. 1. Introdução..2. 2. Gestão Financeira...2 a 4 Índice 1. Introdução..2 2. Gestão Financeira......2 a 4 3. Planeamento Financeiro de Curto Prazo:.. 5 3.1. Conta Previsional de Exploração e de Resultados...6 a 7 3.2. Orçamento Anual de Tesouraria..7

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

3. SUPERVISÃO DE RECOMENDAÇÕES DE INVESTIMENTO ENTRE OUTUBRO DE 2011 E SETEMBRO DE 2012

3. SUPERVISÃO DE RECOMENDAÇÕES DE INVESTIMENTO ENTRE OUTUBRO DE 2011 E SETEMBRO DE 2012 3. SUPERVISÃO DE RECOMENDAÇÕES DE INVESTIMENTO ENTRE OUTUBRO DE 2011 E SETEMBRO DE 2012 O enquadramento jurídico 15 em matéria de recomendações não sofreu nenhum aditamento face ao período analisado no

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se

Leia mais

1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira

1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 Capitalização de Gastos com Empréstimos Obtidos 4 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Tribunal Constitucional

Leia mais

Anexo 1. NTRA Normas Técnicas de Revisão/ Auditoria. DRA Directrizes de Revisão/ Auditoria. IT Interpretações Técnicas. RT - Recomendações Técnicas

Anexo 1. NTRA Normas Técnicas de Revisão/ Auditoria. DRA Directrizes de Revisão/ Auditoria. IT Interpretações Técnicas. RT - Recomendações Técnicas Anexo 1 NTRA Normas Técnicas de Revisão/ Auditoria DRA Directrizes de Revisão/ Auditoria IT Interpretações Técnicas RT - Recomendações Técnicas I NTRA NORMAS TÉCNICAS DE REVISÃO/ AUDITORIA Prefácio Enquadramento

Leia mais

O SNC e os Juízos de Valor uma perspectiva crítica e multidisciplinar. Principais Implicações da adopção do Justo Valor

O SNC e os Juízos de Valor uma perspectiva crítica e multidisciplinar. Principais Implicações da adopção do Justo Valor O SNC e os Juízos de Valor uma crítica e multidisciplinar 16 de Março de 2012 Ana Maria Rodrigues Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) anarodri@fe.uc.pt Principais Implicações da adopção

Leia mais

Guia de Apoio à Utilização da Ferramenta de Autodiagnóstico Financeiro

Guia de Apoio à Utilização da Ferramenta de Autodiagnóstico Financeiro Guia de Apoio à Utilização da Ferramenta de Autodiagnóstico Financeiro JULHO DE 2015 NOTA INTRODUTÓRIA A disponibilização deste mecanismo de autodiagnóstico constitui uma iniciativa de caráter experimental,

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas contabilísticas e de relato financeiro Norma contabilística e de relato financeiro 1 - Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Norma contabilística e de relato financeiro 2 - Demonstração

Leia mais

Ciclo de Formações em Prestação de Contas

Ciclo de Formações em Prestação de Contas Ciclo de Formações em Prestação de Contas A prestação de informação financeira, exige uma constante actualização, quer gerada pela experiência prática de diferentes casos, cada vez mais complexos e não

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4984 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 220/2015 de 24 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 700 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4-5 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA 6-21 Considerações gerais 6-10 Elementos

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

UWU PERSONNEL - CONHECE OS INDICADORES DE GESTÃO FUNDAMENTAIS PARA A SUA EMPRESA 2

UWU PERSONNEL - CONHECE OS INDICADORES DE GESTÃO FUNDAMENTAIS PARA A SUA EMPRESA 2 UWU PERSONNEL - CONHECE OS INDICADORES DE GESTÃO FUNDAMENTAIS PARA A SUA EMPRESA 2 ÍNDICE 04 Introdução 06 Análise de rácios 08 Indicadores de Liquidez 10 Indicadores de Rentabilidade 13 Indicadores de

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Conheça os significados dos principais termos técnicos utilizados na IGNIOS no âmbito dos: DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Criação de Valor Valor criado pela empresa num período temporal (fonte: Demonstração

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

LICENCIATURA EM ECONOMIA CONTABILIDADE II. Contabilidade II. Resultados. O Relatório de Gestão e a. Certificação Legal de Contas

LICENCIATURA EM ECONOMIA CONTABILIDADE II. Contabilidade II. Resultados. O Relatório de Gestão e a. Certificação Legal de Contas Contabilidade II Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados. O Relatório de Gestão e a Certificação Legal de Contas 1 Tópicos a abordar: Resultados Relatório de Gestão 2 Tópicos a abordar: Resultados

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Setembro de 2011 1 Goodwill e Testes de Imparidade Parte II 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Setembro de 2011 1 Goodwill e Testes de Imparidade Parte II 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Setembro de 2011 1 Goodwill e Testes de Imparidade Parte II 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL SETEMBRO DE 2011 Presidência do Conselho de Ministros - Resolução

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 1 2 Plano da Apresentação 1. As IAS/IFRS no ordenamento contabilístico Comunitário

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2012 Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro NCRF

Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro NCRF Sistema de Normalização Contabilística Após leitura e análise das Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro (NCRF), a entrarem em vigor já em Janeiro próximo, senti me na obrigação de escrever este

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701 Directriz de Revisão/Auditoria 701 RELATÓRIO DE AUDITORIA ELABORADO POR AUDITOR REGISTADO NA CMVM SOBRE INFORMAÇÃO ANUAL Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-4 OBJECTIVO 5-6 RELATÓRIO DE AUDITORIA

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

SOCIEDADE E AUDITORIA: UM ESTUDO EMPÍRICO

SOCIEDADE E AUDITORIA: UM ESTUDO EMPÍRICO 48h SOCIEDADE E AUDITORIA: UM ESTUDO EMPÍRICO Bruno José Machado de Almeida Professor Coordenador do Instituto Politécnico de Coimbra Investigador do CERNAS Área Temática: H) Responsabilidad Social Corporativa

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais

AJUDAR AS PEQUENAS E MÉDIAS FIRMAS DE AUDITORIA A ENFRENTAR OS DESAFIOS E A APROVEITAR AS OPORTUNIDADES DE AMANHÃ

AJUDAR AS PEQUENAS E MÉDIAS FIRMAS DE AUDITORIA A ENFRENTAR OS DESAFIOS E A APROVEITAR AS OPORTUNIDADES DE AMANHÃ 16 AJUDAR AS PEQUENAS E MÉDIAS FIRMAS DE AUDITORIA A ENFRENTAR OS DESAFIOS E A APROVEITAR AS OPORTUNIDADES DE AMANHÃ DEPARTAMENTO TÉCNICO Entrevista a Giancarlo Attolini A IFAC publicou recentemente uma

Leia mais

Legislação. Resumo: Homologação das Normas Interpretativas do Sistema de Normalização Contabilística.

Legislação. Resumo: Homologação das Normas Interpretativas do Sistema de Normalização Contabilística. MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Aviso n.º 8258/2015, de 29 de julho Estado: vigente

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Índice Índice...2 Introdução...3 Tipos de rácios...4

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES)

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) I. VOTAÇÃO E CONTROLO DA SOCIEDADE I.1. As sociedades devem incentivar os seus acionistas a participar e a votar nas assembleias gerais, designadamente

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004)

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) Regulamento da CMVM n.º 2/2014 Papel comercial (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) As alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 52/2006, de 15 de março, e pelo Decreto-Lei n.º 29/2014, de

Leia mais

ANEXO À DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR FATORES DE RISCO

ANEXO À DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR FATORES DE RISCO ANEXO À DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR FATORES DE RISCO Antes de tomar a decisão de adquirir as frações imobiliárias hoteleiras do Pestana, potenciais investidores devem considerar cuidadosamente todas as informações

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

ORA newsletter. Nº 62 MARÇO/2012 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL FEVEREIRO DE 2012

ORA newsletter. Nº 62 MARÇO/2012 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL FEVEREIRO DE 2012 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Fevereiro de 2012 1 As Instituições Particulares de Solidariedade Social: Regime Contabilístico e Novo Quadro Normativo (Parte II) 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL DEZEMBRO DE

LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL DEZEMBRO DE Índice Resumo Fiscal/Legal Dezembro de 2009 1 Operações de Cobertura IAS 39 (Parte III) 2 O Uso de Confirmações Externas numa Auditoria às Demonstrações Financeiras 6 Revisores e Auditores 10 LEGISLAÇÃO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 5. NORMAS CONTABILÍSTICAS E DE RELATO FINANCEIRO

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 5. NORMAS CONTABILÍSTICAS E DE RELATO FINANCEIRO C N C C o m i s s ã o d e N o r m a l i z a ç ã o C o n t a b i l í s t i c a SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA Índice 1. APRESENTAÇÃO 2. BASES PARA A APRESENTAÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2.1.

Leia mais

República, 2.ª série, n.º 173, de 7 de setembro de 2009.

República, 2.ª série, n.º 173, de 7 de setembro de 2009. c) Prestação ou receção de serviços; d) Locações; e) Transferências de pesquisa e desenvolvimento; f) Transferências segundo acordos de licenças; g) Transferências segundo acordos financeiros (incluindo

Leia mais