CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Programa de Pós-Graduação em Modelagem Matemática e Computacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Programa de Pós-Graduação em Modelagem Matemática e Computacional"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Modelagem Matemática e Computacional UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA DE CREDIT SCORING USANDO ANÁLISE DISCRIMINANTE: eficiência na concessão de crédito para o segmento de pessoas físicas no Brasil Marcos dos Santos Dutra BELO HORIZONTE 2008

2 Marcos dos Santos Dutra UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA DE CREDIT SCORING USANDO ANÁLISE DISCRIMINANTE: eficiência na concessão de crédito para o segmento de pessoas físicas no Brasil Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Modelagem Matemática e Computacional do CEFET-MG, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Modelagem Matemática e Computacional. Orientadora: Prof. Dra. Elenice Biazi Belo Horizonte 2008 ii

3 Dutra, Marcos dos Santos D978a Uma abordagem alternativa de credit scoring usando análise 2008 discriminante: eficiência na concessão de crédito para o segmento de pessoas físicas no Brasil f. Orientadora: Elenice Biazi Dissertação (mestrado) Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. 1. Análise discriminatória Teses. 2. Administração de crédito Brasil. 3. Estatística matemática. I. Biazi, Elenice. II. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. III. Título. CDD Elaboração da ficha catalográfica por Biblioteca-Campus II / CEFET-MG iii

4 Marcos dos Santos Dutra Uma abordagem alternativa de credit scoring usando análise discriminante: eficiência na concessão de crédito para o segmento de pessoas físicas no Brasil Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Modelagem Matemática e Computacional do CEFET-MG. Belo Horizonte, Prof. Dra. Elenice Biazi (Orientadora) CEFET-MG Prof. Dr. Wagner Moura Lamounier UFMG Prof. Dr. Sérgio Ricardo de Souza CEFET-MG Prof. Dr. Allbens Atman Picardi Faria CEFET-MG iv

5 AGRADECIMENTOS Grande é minha lista de agradecimentos (o que me torna uma pessoa de sorte). Primeiramente, agradeço a Deus, por ter-me concedido o privilégio de realizar mais um sonho de minha vida. Agradeço à minha esposa, Cris, pelo incentivo, amor e carinho nesses momentos não partilhados. Agradeço à minha mãe, Maria Elza, pelo cuidado, amor e ensinamentos indispensáveis à minha formação. Agradeço ao meu pai, Célio, por não medir esforços para ajudar-me em minhas decisões. Agradeço a meus irmãos, Marcelo, Amarildo e Ângela, pelo apoio e incentivo fundamentais para que eu pudesse prosseguir nessa caminhada. Agradeço ao meu tio Epifânio, meu sogro Hélio e minha sogra Elizabete, pelo carinho e incentivo. Agradeço à Professora Dra. Elenice Biazi, pelo incentivo, paciência, orientações e, principalmente, por sua amizade ao longo desses dois anos. Incluo, de forma especial, o Professor Dr. Sérgio Ricardo de Souza, pelo incentivo e sugestões que permearam este trabalho. Agradeço aos amigos Nédson e Marcus Tadeu, sempre disponíveis para discussões de algumas questões relevantes e importantes aqui desenvolvidas. Agradeço de forma carinhosa às minhas amigas Maria José e Luciana, pela disponibilidade nos momentos que precisei. Agradeço ao CAPES, pela bolsa concedida durante os dois anos de curso. v

6 Quanto mais vivo, mais profundamente me convenço de que o que faz a diferença entre o homem e outro homem é a energia, uma determinação invencível, uma decisão tomada e mantida até a vitória final. Fowell Buxton vi

7 RESUMO Nestes últimos anos, após o Plano Real, o volume de crédito mostrou expressivo crescimento, principalmente o crédito para pessoas físicas, o que pode ser explicado pela estabilização da inflação e a conseqüente queda da taxa de juros. Paralelamente, observa-se que o sistema financeiro brasileiro tem apresentado excesso de liquidez, gerado principalmente por investimentos externos. Diante desse cenário, é fundamental que as instituições financeiras, além de tornarem mais ágil o processo de concessão de crédito e controlar a inadimplência, sejam capazes de ampliar a concessão de crédito de forma eficaz. Assim, a gestão do risco de crédito vem alcançando uma posição de destaque nas instituições financeiras e, conseqüentemente, existe um maior interesse por modelos de credit scoring. Contudo, esses modelos inibem a gestão de riscos por oferecerem apenas duas opções: rejeição ou aceitação da operação. Dessa forma, não permitem à instituição financeira o controle do nível de risco, ou seja, ser mais ou menos agressiva na concessão de crédito. Neste trabalho, é proposta uma metodologia alternativa de credit scoring capaz de atender às tendências atuais que induzem a operar com uma menor aversão ao risco, ou seja, com maior agressividade, resguardando a relação risco-retorno. Entre as diversas metodologias existentes, optou-se neste trabalho pela estatística de análise discriminante. Essa metodologia, que apresenta a vantagem de classificar os indivíduos em grupos, de acordo com seu grau de risco, torna-se uma das aplicações mais difíceis em credit scoring, devido às fortes pressuposições necessárias à correta avaliação dos tipos de dados envolvidos. No entanto, através da aplicação de técnicas sofisticadas em estatística, conseguiu-se viabilizar o uso da análise discriminante, mesmo quando há violações de pressuposições. Os resultados indicam que o modelo proposto é conveniente e eficiente quando há violações das pressuposições da análise discriminante. Contudo, é fundamental o uso combinado de técnicas poderosas em estatística. A transformação de Box-Cox (1964) e a técnica de influência local de Cook (1986) são algumas delas. Palavras-chave: análise discriminante, credit scoring, influência local, transformação de Box-Cox. vii

8 ABSTRACT After the Plano Real, the credit volume has shown expressive growth, mainly the consumer credit, what can be explained by the stabilization of the inflation and the consequent fall of the interest rate. As a matter of fact, it is observed that the Brazilian financial system has been presenting liquidity excess generated mainly by external investments. In this scenario it is fundamental that the financial institutions not only become more agile in the process of credit concession and control of lack of payment, but are also able to enlarge the credit concession in an effective way. Thus, the administration of credit risk is reaching a prominence position in the financial institutions and consequently there is a larger interest in methods of credit scoring. These models, however, inhibit the management of risks as they offer only two options, refusal or acceptance of the operation. This does not allow the financial institution the control of the level of risk, that is, the choice to be mores or less aggressive in the credit concession. In this paper an alternative methodology of credit scoring is proposed, which is able to fulfil the current tendencies that induce financial operations with smaller aversion to risk, that is, greater aggressiveness while protecting the relation risk-return. In this paper, among the several existing methodolies, the statistical methodology of discriminant analysis was chosen. This methodology that presents the advantage of classifying the individuals in groups according to its risk degree, becomes one of the most difficult applications in credit scoring due to the strong assumptions for the correct evaluation of the types of data involved. However, through the application of sophisticated statistical techniques the use of the discriminant analysis became possible even when there are violations of assumptions. The results indicate that the proposed model is appropriate and efficient when there are violations of assumptions in discriminant analysis. However, it is fundamental the combined use of powerful techniques in statistics. The Box-Cox (1964) transformation and the technique of local influence of Cook (1986) are some of them. Key-words: discriminant analysis, credit scoring, local influence, Box-Cox transformation. viii

9 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: Distribuição dos escores de crédito de contas boas e ruins em um modelo de scoring de crédito FIGURA 2: Problema de classificação ix

10 LISTA DE TABELAS TABELA 1: Classificação da função discriminante de Fisher (dados sem transformação) 61 TABELA 2: Classificação da função discriminante de Fisher (método stepwise) TABELA 3: Classificação da função discriminante de Fisher (dados transformados) TABELA 4: Classificação da função discriminante de Fisher retirados 22 pontos influentes TABELA 5: Classificação da função discriminante de Fisher retirados 68 pontos influentes TABELA 6: Classificação da função discriminante de Fisher procedimento TABELA 7: Classificação da função discriminante de Fisher procedimento TABELA 8: Teste de Box seção (DFFITS) TABELA 9: Teste de Box seção (influência local procedimento 1) TABELA 10: Teste de Box seção (influência local procedimento 2) TABELA 11: Classificação da função discriminante quadrática seção (DFFITS) TABELA 12: Classificação da função discriminante quadrática seção (influência local procedimento 1) TABELA 13: Classificação da função discriminante quadrática seção (influência local procedimento 2) TABELA 14: Validação cruzada seção (procedimento 2) TABELA 15: Resultado da classificação do modelo final x

11 LISTA DE QUADROS QUADRO 1: Variáveis necessárias para a classificação das operações de crédito QUADRO 2: Variáveis explicativas do modelo de credit scoring QUADRO 3: Composição dos grupos estudados QUADRO 4: Proposta de tratamento dos dados, passos a serem seguidos, propósitos e os processos estatísticos utilizados xi

12 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1: Carteira de operações de crédito dez/ GRÁFICO 2: Carteira de operações de crédito dez/ GRÁFICO 3: Evolução da relação de crédito/pib no Brasil GRÁFICO 4: Crédito em relação ao PIB n mundo mai/ GRÁFICO 5: Spread bancário no Brasil (jul/1994 a out/2003) GRÁFICO 6: Qui-Quadrado (Q-Q ployt) GRÁFICO 7: Probabilidades com envelopes GRÁFICO 8: Resíduo de Pearson GRÁFICO 9: Resíduo studentizado GRÁFICO 10: Diagonal da matriz H (Leverage) GRÁFICO 11: Distância de Cook GRÁFICO 12: DFFITS GRÁFICO 13: Influência local caso variáveis explanatórias xii

13 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Justificativa Problema Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos REFERENCIAL TEÓRICO DOS MODELOS DE CREDIT SCORING Surgimento dos modelos de credit scoring Difusão dos modelos de credit scoring no Brasil Vantagens e desvantagens dos modelos de credit scoring tradicionais METODOLOGIA Análise discriminante Problema Premissas Função discriminante linear de Fischer Função discriminante quadrática Robustez da função discriminante linear e quadrática Métodos de verificação das premissas da análise discriminante Método stepwise Normalidade multivariada Comparando matrizes de covariância Análise de diagnósticos Diagonal da matriz H (Leverage) Resíduo de Pearson xiii

14 Resíduo studentizado Distância de Cook DFFITS Influência local Metodologia de influência local Variáveis explanatórias em regressão linear Técnicas gráficas Transformação de Box-Cox (1964) Validação do modelo Método de Wilk Validação cruzada Reclassificação das observações dos dois grupos que apresentarem maior quantidade de observações misturadas Base de dados APLICAÇÃO A metodologia alternativa de credit scoring Passo 1: Preparação da base de dados Passo 2: Análise discriminante de Fisher Passo 3: Aplicação do método stepwise Passo 4: Análise discriminante de Fisher Passo 5: Verificação da normalidade multivariada Passo 6: Transformações de Box-Cox Passo 7: Análise discriminante de Fisher Passo 8: Análises de diagnósticos Influência local Passo 9: Reanálise dos dados xiv

15 Leverage DFFITS Influência local caso variáveis explanatórias Passo 10: Teste de Box Passo 11: Função discriminante quadrática Validação do modelo CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE ANEXO xv

16 1. INTRODUÇÃO Assaf Neto e Silva (1997) definem crédito como sendo uma troca de bens no presente por bens futuros. Assim, pode-se definir uma operação de crédito como a troca de um valor atual pela promessa de pagamento futuro. No ambiente das finanças, quando acontece uma concessão de recursos, a instituição financeira passa a possuir o chamado risco de crédito. Jorion (1997) afirma que esse risco pode ser definido como a possibilidade de a contraparte não cumprir as obrigações monetárias contratuais relativas às transações financeiras. Esse não cumprimento das obrigações contratuais é chamado inadimplência e deve ser monitorado. Assim, se não existirem metodologias eficazes de previsão da inadimplência e controle no processo de concessão de limites, as operações de crédito podem levar a economia a um processo de desaquecimento, em decorrência da retração das fontes financiadoras. Um melhor entendimento e aperfeiçoamento do processo de gestão do crédito deve levar a uma expansão dos níveis de crédito concedidos em decorrência do maior grau de certeza das instituições bancárias quanto às perdas nos financiamentos. A incerteza quanto à veracidade do compromisso tem levado os bancos a elaborarem modelos mais sofisticados para estimar a chance de não pagamento. O objetivo principal dos modelos é obter um conjunto de parâmetros que demonstrem a real chance de o devedor honrar a dívida. Um desses modelos é chamado credit scoring 1. Huang, Chen e Wang (2006) afirmam que os modelos de credit scoring são desenvolvidos para aceitar ou rejeitar candidatos ao crédito de acordo com suas características, tais como idade, renda e condição conjugal. Santos e Fama (2007) complementam essa definição explicando que o modelo, que se fundamenta em uma forma estatística desenvolvida com base nas principais informações cadastrais dos clientes, atribui a elas pesos de acordo com a importância destacada em suas políticas internas de crédito. Como resultado final, obtém-se um sistema de pontuação que possibilita o cálculo de valores que serão interpretados em conformidade com a classificação de risco adotada, as quais recomendarão a aprovação ou a recusa dos financiamentos pleiteados pelas pessoas físicas. 1 Neste trabalho será mantido o termo em inglês credit scoring, que significa pontuação de crédito, por ser um termo usado nas instituições financeiras, mesmo as oficiais, como o Banco do Brasil. 16

17 Ao somar as pontuações de todos os clientes, define-se uma pontuação mínima, ou seja, o ponto de corte (ver figura 1), que será a base para aprovação ou recusa do crédito. Distribuição dos Escores de Crédito de Contas Boas e Ruins em um Modelo de Scoring de Crédito Porcentagem das Contas Contas Ruins Escore de Corte Contas Boas Escore de Crédito Fonte: Caouette, Altman e Narayanan (1999) Santos e Fama (2007) recomendam um intervalo estatístico de confiança a partir do ponto de corte que permitiria a aprovação ou recusa de clientes através de uma análise em comitê. Conforme afirmam Huang, Chen e Wang (2006), profissionais e pesquisadores têm desenvolvido uma variedade de modelos estatísticos para credit scoring, como os modelos discriminantes lineares, os de regressão logística, dos k-vizinhos mais próximos, de programação genética, de árvore de decisão e de redes neurais. Caouette, Altman e Narayanan (1999) afirmam que, na maioria das vezes, os modelos de credit scoring apresentam alguns problemas como a violação da normalidade multivariada que podem afetar sua validade estatística. Entretanto, dificilmente são encontrados na literatura métodos que visem solucionar ou mesmo amenizar esses problemas de violação. A maior razão para isso é a necessidade de sigilo, já que boas e sofisticadas técnicas trazem vantagens competitivas e, portanto, as instituições que as utilizam procuram não as divulgar. O que existe em abundância são discussões acerca dos problemas das metodologias estatísticas, sendo, no entanto, dificilmente encontrado algum estudo empírico revelando todas as etapas do processo de formação até a aplicação do modelo. Outra questão relevante é que os modelos de credit scoring, além de aceitarem na maior parte das vezes clientes que sempre pagam em dia, podendo a operação não ser muito rentável em termos de juros e multa por atraso no pagamento, também inibem a gestão de risco; esses problemas motivaram a escolha do tema no presente estudo. 17

18 A análise discriminante apesar de criticada pelos problemas de violação de pressuposições (normalidade multivariada, ausência de pontos influentes e igualdade das matrizes de covariância), que podem inviabilizar o uso desta técnica possui aplicação bastante usual em modelos de credit scoring, sendo Altman (1968) o pioneiro em sua utilização. Além disso, ela possui vantagem em relação ao tempo de processamento despendido, quando comparada a outros métodos, tais como o logístico, árvore binária e k- vizinhos mais próximos, entre outros. Essa vantagem é de suma importância para tais modelos 2, levando em conta que um menor tempo de processamento significa maior agilidade na concessão. Nesse contexto, será proposta neste trabalho a metodologia estatística de análise discriminante, fazendo uso combinado de técnicas que visem amenizar ou mesmo resolver os problemas de violação de suas pressuposições. Este estudo está dividido em seis capítulos. O capítulo 1 preocupa-se em localizar a necessidade da existência de metodologias eficazes de gestão de riscos, identificar o problema da pesquisa, caracterizar as justificativas para o tema e expor os objetivos a serem atingidos. O capítulo 2 apresenta o contexto histórico dos modelos de credit scoring, desde a sua origem à sua difusão. No capítulo 3, é apresentada a metodologia estatística usada para o desenvolvimento do modelo proposto. Já no capítulo 4, são apresentadas as variáveis necessárias para a divisão dos grupos e as variáveis explicativas para a formulação do modelo em questão. Desenvolve-se no capítulo 5 o modelo propriamente dito de avaliação na concessão de crédito. A conclusão e sugestões para estudos futuros se dão no capítulo Justificativa Uma questão abordada na literatura de modelos de concessão de crédito remete à discussão da divisão dos créditos em classes do tipo bom e ruim. Vasconcelos (2002) explica que o foco da maior parte dos modelos é a divisão de acordo com o risco de atraso no pagamento, ou seja, de acordo com o comportamento de inadimplência da carteira de crédito. 2 Um trabalho interessante que apresenta de forma comparativa os principais métodos de discriminação é encontrado em Sanda (1990). 18

19 Candidatos a crédito com risco muito baixo e que pagam suas prestações pontualmente conseguem-no com taxas de juros mais baixas, além de não pagarem juros e multas por atrasos; não são, no entanto, muito rentáveis. Analogamente, candidatos com risco muito alto e que atrasam o pagamento de suas prestações podem ser bastante rentáveis, desde que as taxas de juros de suas operações sejam suficientemente altas e que os atrasos não sejam prolongados. Contudo, se a análise não for bem feita, o lucro obtido com uma venda adicional pode ser totalmente comprometido com as despesas de cobrança de um mau pagador ou com a perda do crédito. Caouette, Altman e Narayanan (1999) comentam que o posicionamento em relação ao crédito tem mudado na sociedade. Enquanto palavras como devedor ou tomador são consideradas depreciativas (têm conotações de ato vergonhoso e de miséria), ao serem substituídas modernamente por alavancador 3 denotam motivo de orgulho. De fato, os norte-americanos são bombardeados por todos os lados com convites para aumentar os empréstimos que tomam [...]. Até pessoas com problemas de crédito [...] são logo vistas como bons riscos de crédito por estarem livres de dívidas. (CAOUTTE, ALTMAN e NARAYANAN, 1999, p.12). No mesmo raciocínio, observa-se, na carteira de ativos bancários 4, a existência de produtos de renegociação de dívidas, desenvolvidos para atender pessoas físicas e jurídicas, que reconhecem dificuldades em manter as bases inicialmente acordadas no contrato. Esse tipo de cliente pode ser visto como alavancador, sugerindo a possibilidade de aumentar significativamente o lucro da instituição credora. Assim, é proposta uma nova metodologia para mensuração do risco de crédito, utilizando uma técnica estatística denominada análise discriminante, sendo incluído, no modelo, um novo grupo de clientes que obtiveram dificuldades em manter o acordo contratual, mas que renegociaram e liquidaram a dívida. Com essa inclusão, é possível ampliar o nível de concessão de crédito, resguardando a relação risco-retorno. A motivação da escolha desse tema é devida a duas problemáticas identificadas, descritas a seguir. 3 O termo alavancador é usado aqui no sentido da utilização de recursos de terceiros para aumentar as possibilidades de lucro de uma empresa, aumentando, conseqüentemente, o grau de risco da operação. 4 Também conhecida como carteira de contas a receber, a carteira de ativos bancários é um registro de todas as contas e saldos das vendas a crédito de uma empresa. 19

20 a) Aumento substancial das operações concedidas a pessoas físicas no Brasil após o Plano Real, apesar de, numa perspectiva internacional, a relação crédito/ PIB ser muito baixa. A expansão das operações de crédito no Brasil após o Plano Real foi abrangente em vários segmentos da economia. Entretanto, as operações de crédito para pessoas físicas foram as que mais cresceram nos últimos anos. As informações consolidadas divulgadas pelo Banco Central do Brasil para cada modalidade de crédito mostram que, já no início de 1999, o saldo das operações concedidas a pessoas físicas representava um volume superior a 50% do saldo total das operações concedidas a pessoas jurídicas, conforme gráfico 1. Carteira de Crédito % 65% GRÁFICO 1: Carteira de operações de crédito dez/1999 Fonte: adaptado de Banco Central do Brasil. PF PJ O gráfico 2 mostra que, em 2006, o saldo das operações concedidas a pessoas físicas representa um volume de apenas seis pontos percentuais a menos que as operações concedidas a pessoas jurídicas. Carteira de Crédito % 47% PF PJ GRÁFICO 2: Carteira de operações de crédito dez/2006 Fonte: adaptado de Banco Central do Brasil. 20

21 Apesar de a expansão das operações de crédito no Brasil ser abrangente em vários segmentos da economia, sendo explicada, principalmente, pelo aumento do crédito para pessoas físicas, o volume de crédito como proporção do nível de Produto Interno Bruto (PIB) tem-se mostrado muito baixo, numa perspectiva internacional. O Banco Central apurou a relação crédito/pib 5, no ano 2007, em 36,5%, nível muito baixo se comparado a outros países, tanto desenvolvidos como em desenvolvimento. O gráfico 3 mostra a evolução do crédito em relação ao PIB entre 1994 e 2007, evidenciando uma queda e recente recuperação da participação do crédito. Participação do crédito no PIB % participação 40,00% 35,00% 30,00% 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% 36,40% 36,50% 35,80% 31,00% 28,70% 31,00% 29,70% 26,90% 30,70% 27,80% 25,80% 26,60% 26,00% 23,90% GRÁFICO 3: Evolução da relação crédito/pib no Brasil ANO Fonte: adaptado de Banco Central do Brasil. O gráfico 4 mostra a relação crédito/pib de vários países em O Chile apresentou uma relação crédito/pib de 70%, ainda assim considerada baixa em relação a países desenvolvidos como EUA, com 146%, e Alemanha, com 120%. GRÁFICO 4: Crédito em relação PIB no mundo mai/2007 Fonte: Banco do Brasil. 5 A experiência internacional sugere uma relação causal entre desenvolvimento financeiro e crescimento econômico. Um trabalho interessante, citado por Andrezo e Lima (1999), foi realizado por King e Levine. 21

22 Apesar do desenvolvimento financeiro do Brasil ser considerável nos últimos anos, há amplas evidências empíricas e suporte teórico considerável que sugerem que o nível de crescimento do crédito ainda é muito baixo no País. b) Críticas da aplicação da análise discriminante em modelos de credit scoring. A análise discriminante tem, em modelos de credit scoring, uma de suas aplicações mais difíceis de serem implementadas. Isso acontece por dois motivos: a amostra disponível é composta por supostos bons pagadores, isto é, clientes que foram considerados pelo analista de crédito como bons pagadores e, portanto, merecedores de crédito. A população de maus clientes para o modelo é criada, basicamente, a partir dos erros do analista, ou seja, clientes que tiveram o crédito e não o honraram; a análise é feita considerando três tipos de variáveis (binárias, contínuas e discretas), apesar de, na literatura, modelos que consideram três tipos de variáveis conjuntamente serem pouco explorados. Entretanto, Caouette, Altman e Narayanan (1999) afirmam que a análise discriminante tem sido freqüentemente aplicada em modelos de credit scoring. Um modelo alternativo seria o de Krzanowski, denominado, em inglês, de location model, introduzido por Olkin e Tate (1961) e utilizado em análise discriminante inicialmente por Chang e Afifi (1974). Posteriormente, Krzanowski (1975, 1980, 1982, 1986) escreveu diversos artigos que demonstram viabilidade a sua aplicação daí muitos pesquisadores nomearem esse método com o seu nome. Em credit scoring, modelos que utilizam outros métodos quantitativos, além da análise discriminante, são objetos de contínua investigação, sempre visando à melhoria das decisões de crédito, apesar de alguns pesquisadores, como Sanda (1990), acreditarem que não existe um método que seja sempre melhor que os demais. A EQUIFAX, conforme relatado por Adriano Blatt 6, apresenta a técnica de análise matemática que melhor se adapta às necessidades das empresas na área de risco: a análise discriminante aplicada às decisões de crédito (EQUIFAX, 2007). Dessa forma, neste trabalho serão usadas técnicas sofisticadas capazes de amenizar os problemas de violações de pressuposições da análise discriminante, o que, conseqüentemente, tornará o modelo de score mais eficiente. O presente trabalho justifica-se então por tratar de um tema de fundamental importância para as empresas que trabalham com crédito a pessoas físicas, pois, além de 6 É o autor brasileiro com maior quantidade de livros publicados versando sobre o tema. 22

23 oferecer uma metodologia alternativa de credit scoring que permitirá ampliar o nível de concessão de crédito, resguardando a relação risco/retorno 7, propõe a aplicação de técnicas sofisticadas em estatísticas que viabilizam a aplicação da análise discriminante, mesmo quando as pressuposições necessárias à correta discriminação dos dados são violadas. 1.2 Problema As instituições financeiras captam e administram recursos de terceiros com o objetivo de maximizar o lucro. Entretanto, alguns administradores são mais agressivos que outros e, por isso, algumas empresas são mais propensas à utilização de dívidas para sua alavancagem financeira. Gitman (2001) define risco no sentido mais básico como sendo a chance de perda financeira. Ele explica ainda que os administradores geralmente procuram evitar o risco, com tendência a serem conservadores em vez de agressivos ao aceitarem-no. Bernstein (2000) cita que, quanto à etimologia, a palavra risco vem do italiano antigo risicare, que significa ousar, sendo portanto uma opção e não um destino. E continua: a capacidade de administrar riscos e com ela a vontade de correr riscos e fazer opções ousadas são elementos chaves da energia que impulsiona o sistema econômico. Entende-se por risco exposição à sorte ou perigo. Os chineses têm uma definição melhor: para representar riscos eles combinam dois símbolos, o de perigo e o de oportunidade. Cada investidor tem de fazer uma análise de custo-benefício entre as recompensas que potencialmente vêm com as oportunidades e os riscos decorrentes do perigo. (BERNSTEIN, 2000, p.62). Os modelos de credit scoring tradicionais inibem a ação da gestão de risco, tirando do gestor as opções de decisões agressivas. Além disso, apesar de a análise discriminante ser freqüentemente utilizada em modelos de credit scoring tradicionais, se não houver estratégias eficazes capazes de amenizar ou resolver os problemas de violações, pode-se ter um modelo impreciso. 7 Administradores financeiros geralmente tendem a ser conservadores em vez de agressivos ao aceitarem riscos, ou seja, para certo aumento no risco, eles exigem um aumento no retorno. 23

24 Segundo Groppel e Nikbakht (1999, apud SOETHE, 2004, p.14), risco e retorno são a base sobre a qual são tomadas decisões racionais e inteligentes de investimento. Assim, na maioria dos casos, o sucesso das instituições financeiras encontra-se diretamente associado ao potencial de mensurar seu ambiente de risco e usufruir dos mecanismos de gerenciamento e/ou monitoramento de tais operações. Conquistar retornos mais expressivos sobre os investimentos realizados, seja pelos proprietários ou pelos acionistas das empresas, tem sido o grande motivador da adoção de estratégias mais arrojadas nos mercados competitivos. Atualmente, o sistema brasileiro tem apresentado excesso de liquidez, segundo afirma Carneiro (2007). Essa liquidez é gerada, principalmente, por investimentos externos que, de acordo com as informações do Banco Central, no ano de 2003 somavam US$ 10,1 bilhões, apresentando recorde ao somar US$ 34,616 bilhões em Diante disso, os bancos têm aumentado o nível de alavancagem, sendo, conseqüentemente, induzidos a trabalhar com uma menor aversão ao risco. Um bom exemplo disso é apresentado no Diário do Comércio, explicado por Lisboa, analista de bancos da agência Moody s: A qualidade das carteiras pode variar de acordo com as garantias exigidas pelos bancos. Com a competição, algumas instituições tendem a ser mais agressivas e diminuir o volume de créditos como garantia, precisando realocá-los para uma classificação de risco maior (o que vai além da classificação AA a C), explica Lisboa. Ela aponta o Santander como um exemplo de banco que teve uma mudança de mix de carteira. O banco ficou mais agressivo no varejo, o que imputa um risco maior, principalmente quando se refere a cartão de crédito e crédito pessoal. (DIÁRIO DO COMÉRCIO, 2008) Se os bancos não estiverem preparados, porém, a agressividade na concessão de crédito pode contribuir para a sua fragilização e até mesmo quebra. Diante dessas perspectivas, o problema da pesquisa relaciona-se com o tratamento dos dados e a viabilização da inclusão de um terceiro grupo, chamado intermediário, em credit scoring; pergunta-se então: é possível a construção de um modelo funcional 8, usando análise discriminante, capaz de controlar a inadimplência e ao mesmo tempo contribuir para a ampliação da concessão de crédito além do estabelecido pelos modelos tradicionais de credit scoring? 8 Na literatura de credit scoring, não é apresentada a proporção mínima de acertos considerada aceitável à construção do modelo. Uma exceção é encontrada em Caouette, Altman e Narayanan (1999), que consideram o modelo funcional, se apresentar uma taxa de sucesso superior a 80%. Em Rêgo (2004), é afirmado que, em um modelo discriminante, um percentual de classificação inferior a 60% indicaria sua fragilidade. 24

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO A análise de crédito é o momento no qual o agente cedente irá avaliar o potencial de retorno do tomador do crédito, bem como, os riscos inerentes à concessão. Tal procedimento

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada

Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada Equipe

Leia mais

Algoritmo CHAID aplicado à análise de risco de inadimplência no setor imobiliário. Miriam Rodrigues Silvestre (miriam@fct.unesp.

Algoritmo CHAID aplicado à análise de risco de inadimplência no setor imobiliário. Miriam Rodrigues Silvestre (miriam@fct.unesp. Algoritmo CHAID aplicado à análise de risco de inadimplência no setor imobiliário Miriam Rodrigues Silvestre (miriam@fct.unesp.br) Dep. Matemática, Estatística e Computação (DMEC), FCT, Unesp Univ Estadual

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II! Como implementar o escore de crédito?! Como avaliar o escore de crédito?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como aplicar a função

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Cenário econômico Cenário econômico Contexto Macro-econômico e Regulamentação Redução de spreads Incremento

Leia mais

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 O melhor perfi l de investimento é o que mais se parece com você. FAÇA A SUA ESCOLHA. A Valia está disponibilizando três perfis

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL Luciano Rodrigues Lara* Resumo No Brasil, a partir da implantação do Plano Real, houve uma acentuada queda no spread bancário,

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Senhor Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, demais presentes:

Senhor Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, demais presentes: Senhor Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, demais presentes: Inicio esta minha intervenção cumprimentando Vossa Excelência pela convocação desta audiência pública. Com esta iniciativa, Vossa Excelência

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I! A utilização de escores na avaliação de crédito! Como montar um plano de amostragem para o credit scoring?! Como escolher as variáveis no modelo de credit

Leia mais

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito (Abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista Os sistemas de seguro depósito, a par dos problemas de perigo moral e seleção adversa

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR SCORING

O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR SCORING O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR! O que é o gerenciamento do crédito através do behavior scoring?! Como construir o behavior scoring?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como implantar

Leia mais

Introdução ao Value-at-Risk

Introdução ao Value-at-Risk 1 Introdução ao Value-at-Risk Objetivos da aprendizagem Discutir o conceito de Value-at-Risk. Apresentar as principais características do Value-at- Risk. Explicar o conceito de Value-at-Risk, evidenciando

Leia mais

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11)

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANCAS - FAF PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE I TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

Mercado de Crédito Consignado. Agosto 2014

Mercado de Crédito Consignado. Agosto 2014 Mercado de Crédito Consignado Agosto 2014 EMPRÉSTIMO CONSIGNADO EM FOLHA DE PAGAMENTO O empréstimo consignado é o melhor produto financeiro de crédito do país e seu desenvolvimento só foi possível por

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Projeto Supervisionado

Projeto Supervisionado Projeto Supervisionado Caio Almasan de Moura ra: 095620 Indice 1. Introdução 2. Principal Projeto: Modelo de Score 2.1. Objetivo... pg 3 2.2. Agentes Envolvidos... pg 3 2.3. Contextualização... pg 3 2.4.

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC VITÓRIA - ES ABRIL/2014 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3 - Famílias

Leia mais

Banco Central e Sistema Financeiro: O Caso Brasileiro. Pós-Plano Real e Implicações sobre Fiscalização Bancária.

Banco Central e Sistema Financeiro: O Caso Brasileiro. Pós-Plano Real e Implicações sobre Fiscalização Bancária. Tiago Couto Berriel Banco Central e Sistema Financeiro: O Caso Brasileiro Pós-Plano Real e Implicações sobre Fiscalização Bancária. Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática 1. Introdução; 2. Conceito e classificação das taxas de juros; 3. Taxas equivalentes e proporcionais; 4. Juros pagos antecipadamente; 5. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO No mercado financeiro brasileiro, mesmo

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Spread Bancário Brasileiro

Spread Bancário Brasileiro UNICAMP Projeto Supervisionado Spread Bancário Brasileiro Daniel Hauschild de Aragão RA 093607 Orientador: Laércio Vendite Objetivo: Este trabalho tem como objetivo a apresentação do método de cálculo

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS JULHO/2014 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC CAMPO GRANDE - MS JANEIRO/2015 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS JANEIRO/2014 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO A COMBINAÇÃO DA DINÂMICA DE SISTEMAS E A ANÁLISE ESTATÍSTICA MELHORA O PROCESSO DE DECISÃO EM SISTEMAS LOGISTICOS FECHADOS

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC CURITIBA - PR DEZEMBRO/2013 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE COMO FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE COMO FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013 Veículo: Exame.com Os melhores e os piores investimentos de setembro Ibovespa fecha o mês com a maior alta, seguido pelos fundos de ações small caps; na renda fixa, a LTN, título do Tesouro prefixado,

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PALMAS - TO MAIO/2014 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3 - Famílias

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais