Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança. José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança. José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale"

Transcrição

1 Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale

2 CRÉDITO Crédito diz respeito à troca de bens presentes por bens futuros. Função crédito não é exclusividade do sistema bancário: Indústria Comércio Serviços

3 IMPORTÂNCIA DO CRÉDITO Empresa: Obter crédito Conceder crédito Consumidor: Obter crédito

4 VENDAS X CRÉDITO Conflito entre a área de vendas e financeira na gestão de crédito. Redução do conflito: sazonalidade de vendas aumento de vendas estratégia de mercado diferencial de taxas de juros

5 POLÍTICAS DE CRÉDITO IDENTIFICAR E FIXAR PADRÕES PARA A SOLICITAÇÃO DE CRÉDITO A PRÉ-ANÁLISE A ANÁLISE O CADASTRO POSITIVO OS ELEMENTOS DA POLÍTICA DE CRÉDITO OS PADRÕES DE CRÉDITO OS REQUISITOS MÍNIMOS PARA QUE SEJA CONCEDIDO CRÉDITO A UM CLIENTE TENDO COMO OBJETIVOS AUMENTAR RECEITAS E REDUZIR PERDAS AGILIZAR O PROCESSO DE CONCESSÃO DE CRÉDITO REDUZIR PERDAS EM CRÉDITOS VALORIZAR E FIDELIZAR OS BONS CLIENTES CONTROLAR INVESTIMENTOS EM RECEBÍVEIS E CONTROLAR DESPESAS DO PROCESSO DE CRÉDITO E COBRANÇA REDUZIR PERDAS SEM REDUZIR RECEITAS IDENTIFICAR E CONTROLAR PERDAS COM INSOLVÊNCIA

6 POLÍTICAS DE CRÉDITO PADRÕES DE CRÉDITO PRAZO DE CRÉDITO DESCONTOS FINANCEIROS POLÍTICA DE COBRANÇA FROUXO RESTRITO AMPLO PEQUENO GRANDE PEQUENO LIBERAL RÍGIDA VOLUMES DE VENDA DESPESAS DE CRÉDITO INVEST. EM VALORES A RECEBER

7 ANÁLISE DE RISCO Informações para análise - Cadastrais - Comerciais e bancárias - Restritivas - Positivas - Relacionamento - Financeira - Setoriais - Econômicas

8 RISCO FINANCEIRO Risco de Crédito Risco de Mercado Risco Operacional

9 GESTÃO DO RISCO DE CRÉDITO Um dos principais componentes da Gestão de Recebíveis Detecção antecipada do perfil do cliente causador de insolvência Análise para a concessão de Crédito

10 ANÁLISE COMPORTAMENTAL Julgamento pessoal de profissionais treinados - Pessoa física - Pessoa jurídica

11 ANÁLISE QUALITATIVA Análise dos seis C s do crédito - Caráter - Capacidade - Capital - Condição - Colateral - Conglomerado

12 ANÁLISE QUANTITATIVA Apóia-se no uso de modelos matemáticos Representam, em outras palavras, o acúmulo de conhecimento, experiência e experimentação humanos que pode ser aplicado à explicação da maneira como as pessoas se comportam ou as coisas funcionam.

13 CREDIT SCORE Baseado em pesos obtidos estatisticamente para características financeiras e creditícias importantes Visa prever se o cliente pagará o crédito solicitado em dia Utilizado quando há muitos pedidos de crédito de pequeno volume Decisão rápida e de baixo custo

14 CREDIT SCORE - Pontuação A pontuação resultante da atribuição de escores de crédito funciona como medida da qualidade geral de um cliente, sendo calculado como média ponderada de seus pontos nos diversos aspectos de crédito O escore final é utilizado na tomada de decisões de aceitação/rejeição do pedido de crédito feito pelo cliente A finalidade dos escores de crédito é permitir uma tomada de decisão rápida de concessão de crédito, com baixo custo

15 ANÁLISE QUANTITATIVA PESSOA JURÍDICA Estudo de Fitz Patrick Estudo de Winakor e Smith Estudo de Merwin Estudo de Tamari Estudo de Beaver Estudo de Altman Estudo de Backer e Gosman Estudo de Letícia E. Topa

16 ANÁLISE QUANTITATIVA PESSOA JURÍDICA Trabalho de Alberto Borges Matias Modelo de Pereira Modelo Bancário de Classificação

17 ANÁLISE QUANTITATIVA PESSOA JURÍDICA Estudo de Stephen C. Kanitz Fator de Insolvência = 0,55 X (LL/PL) + 1,65 X (AC + ARLP/PC + PRLP) + 3,5 X (AC E/PC) 1,06 X (AC/PC) 0,33 X (ET/PL)

18 ANÁLISE QUANTITATIVA PESSOA JURÍDICA

19 RATINGS Mecanismo de classificação da qualidade de crédito de uma empresa, um país, um título ou uma operação estruturada. Busca mensurar a probabilidade de default de obrigações financeiras

20 RATINGS

21 PADRÕES DE CRÉDITO Os padrões de crédito de uma empresa definem os requisitos mínimos para concessão de crédito

22 RELAXAMENTO NOS PADRÕES DE CRÉDITO Para aumentar suas vendas, uma empresa pode, por exemplo: Relaxar suas exigências em relação ao perfil de crédito do cliente Aumentar o prazo médio de recebimento das vendas Esta mudança de política gera aumento nas vendas, mas pode acarretar maiores perdas com mau pagadores

23 RELAXAMENTO NOS PADRÕES DE CRÉDITO O impacto final do relaxamento nos padrões de crédito no lucro da empresa dependerá do impacto sobre diversas variáveis da empresa, como: Aumento das vendas: Aumento do contas a receber Maiores perdas com clientes Variação nos estoques Variação no contas a pagar

24 Mini Case: Gress do Vale A Gress do Vale, uma fabricante de ferramentas de moldagem, vende um produto por $10/unid. As vendas do ultimo ano (todas a prazo) foram de unid. O custo variável é de $6/unid e os custos fixos totais da empresa são de $ A empresa está considerando relaxar os padrões de crédito esperando os seguintes resultados: aumento de 5% sobre as vendas, aumento do prazo médio de recebimento (30 -> 45), aumento de perdas com clientes (1% -> 2%) e retorno sobre o investimento de 15%. Com essas informações, a Gress do Vale deve relaxar seus padrões de crédito?

25 Mini Case: Gress do Vale A análise do impacto do relaxamento na política de crédito da Gress do Vale deve levar em conta seu impacto em cinco variáveis: Aumento nas vendas Aumento do contas a receber Aumento do estoque Aumento do contas a pagar Aumento nas perdas com mau pagadores

26 Mini Case: Gress do Vale Dados relevantes para avaliar impacto da nova política de crédito: Vendas atuais: unidades Vendas propostas: unidades Preço unitário: $10,00 Margem de contribuição: $4,00 Prazo contas a receber atual: 30 dias Prazo contas a receber proposto: 45 dias Prazo Médio de Estoques: 30 dias Prazo Médio de Pagamento (Fornecedores): 30 dias Nível atual de perdas com clientes: 1% Nível de perdas com clientes na situação proposta: 2% Custo de financiamento do capital de giro: 15%

27 Mini Case: Gress do Vale Contribuição das vendas adicionais ao lucro As vendas da Gress do Vale aumentariam em 3 mil unidades com o aumento do prazo de recebimento. Como cada unidade oferece margem de contribuição de $4 (= $10 - $6), o aumento do lucro resultante do aumento das vendas será de $ (= $4 x 3.000).

28 Mini Case: Gress do Vale Custo do investimento adicional em contas a receber O prazo de recebimento aumentou de 30 dias para 45 dias, e as vendas aumentaram de $ para $ Assim, o custo do investimento adicional em contas a receber pode ser calculado conforme próximo slide:

29 Mini Case: Gress do Vale Custo do investimento adicional em contas a receber * Situação atual: Investimento em contas a receber (30 dias) = $ x 30 / 360 = Custo financeiro = $ x 0,15 = $7.500 Situação proposta: Investimento em contas a receber (45 dias) = $ x 45 / 360 = Custo financeiro = $ x 0,15 = $ Custo financeiro adicional: = $4.312 * Este item está calculado de forma diferente do exemplo do Gitman

30 Mini Case: Gress do Vale Custo do investimento adicional em estoques* Situação atual: Investimento em estoques (30 dias) = $ x 0,70 x 30 / 360 = Custo financeiro = $ x 0,15 = $5.250 Situação proposta: Investimento em estoques (30 dias) = $ x 0,70 x 30 / 360 = Custo financeiro = $ x 0,15 = $5.513 Custo financeiro adicional: = $263 CMV = 70% das vendas * Este item não está calculado no exemplo do Gitman

31 Mini Case: Gress do Vale Ganho financeiro pelo aumento do contas a pagar* Situação atual: Valor do contas a pagar (30 dias) = $ x 0,70 x 0,50 x 30 / 360 = Ganho financeiro = $ x 0,15 = $2.625 Situação proposta: Valor do contas a pagar (30 dias) = $ x 0,70 x 0,50 x 30 / 360 = Ganho financeiro = $ x 0,15 = $2.756 Ganho financeiro: = $131 Compras = 50% do CMV * Este item não está calculado no exemplo do Gitman

32 Mini Case: Gress do Vale Custo de perdas marginais com clientes As perdas com clientes aumentariam de 1% para 2% das vendas. O custo das perdas adicionais é portanto: Perdas atuais: $ x 0,01 = $6.000 Perdas na situação proposta: $ x 0,02 = $ Perdas adicionais: $ $6.000 = $6.600

33 Mini Case: Gress do Vale Lucro adicional com a implantação do plano O lucro adicional com a implantação do plano deve levar em conta os impactos do aumento das vendas, contas de capital de giro e aumento das perdas: Aumento do lucro devido ao aumento das vendas: $ Custo financeiro do aumento do C/R: ($4.312) Custo financeiro do aumento do estoque: ($ 263) Ganho financeiro do aumento do C/P $ 131 Aumento das perdas: ($6.600) Lucro adicional com a implantação do plano $ 956

34 POLÍTICA DE DESCONTOS Os padrões de crédito de uma empresa especificam, entre outras coisas, os prazos de recebimento exigidos dos clientes que compram a prazo Normalmente, os termos de crédito têm três componentes: valor do desconto por pagamento rápido; prazo do desconto por pagamento rápido; prazo de crédito.

35 POLÍTICA DE DESCONTOS O impacto do aumento do desconto por pagamento rápido pode ser percebido em várias variáveis da empresa: Aumento do volume de vendas Queda do investimento em contas a receber Aumento do estoque (devido ao aumento das vendas) Aumento do contas a pagar (devido ao aumento das vendas) Redução de perdas com clientes Impacto direto do desconto na receita de vendas

36 Mini Case: Gress do Vale A Gress do Vale está pensando em oferecer para seus clientes um desconto de 2% para pagamentos feitos em até 10 dias. O PMR atual da empresa é de 30 dias. As vendas totais são de 60 mil unidades, a $10 a unidade, sendo o custo variável unitário igual a $6. A Gress do Vale espera que, com o oferecimento do desconto, ele seja aproveitado por 60% dos clientes. As vendas devem aumentar 5%, para 63 mil unidades. O PMR deve cair para 15 dias e as perdas com clientes que não pagam cairão de 1,0% para 0,5% das vendas. O custo de oportunidade do capital aplicado em contas a receber é de 15%. Suponha que o PME e o PMP se manterão em 30 dias.

37 Mini Case: Gress do Vale Contribuição das vendas adicionais ao lucro Dando sequencia a mesma lógica de raciocínio na solução do mini case, as vendas da Gress do Vale aumentariam em 3 mil unidades com o aumento do prazo de recebimento. Como cada unidade oferece margem de contribuição de $4 (= $10 - $6), o aumento do lucro resultante do aumento das vendas será de $ (= $4 x 3.000).

38 Mini Case: Gress do Vale Redução no contas a receber Como o prazo de recebimento caiu de 30 dias para 15 dias, a empresa terá uma redução no contas a receber (mesmo que tenha ocorrido aumento no volume de vendas), conforme mostra o cálculo do próximo slide

39 Mini Case: Gress do Vale Redução no contas a receber * Situação atual: Investimento em contas a receber (30 dias) = $ x 30 / 360 = Custo financeiro = $ x 0,15 = $7.500 Situação com desconto: Investimento em contas a receber (15 dias) = $ x 15 / 360 = Custo financeiro = $ x 0,15 = $3.938 Ganho financeiro: = $3.562

40 Mini Case: Gress do Vale Custo do investimento adicional em estoques* Situação atual: Investimento em estoques (30 dias) = $ x 0,70 x 30 / 360 = Custo financeiro = $ x 0,15 = $5.250 Situação proposta: = $ x 0,70 x 30 / 360 = Custo financeiro = $ x 0,15 = $5.513 Custo financeiro adicional: = $263 CMV = 70% das vendas

41 Mini Case: Gress do Vale Ganho financeiro pelo aumento do contas a pagar* Situação atual: Valor do contas a pagar (30 dias) = $ x 0,70 x 0,50 x 30 / 360 = Ganho financeiro = $ x 0,15 = $2.625 Situação proposta: = $ x 0,70 x 0,50 x 30 / 360 = Ganho financeiro = $ x 0,15 = $2.756 Ganho financeiro: = $131 Compras = 50% do CMV * Este item não está calculado no exemplo do Gitman

42 Mini Case: Gress do Vale Redução nas perdas com clientes Da mesma forma que na redução do contas a receber, a diminuição das perdas com clientes de 1,0% para 0,5% das vendas gera um ganho para a empresa: Perdas atuais: $ x 0,01 = $6.000 Perdas na situação proposta: $ x 0,005 = $3.150 Ganho com redução nas perdas: $ $3.150 = $2.850

43 Mini Case: Gress do Vale Redução da receita devido ao desconto Por último, o desconto de 2% reduzirá a receita da empresa em: Receita total: $ Desconto para pagamentos em até 10 dias: 2,0% Percentual das vendas pago com desconto: 60% Redução da receita devido ao desconto: $ x 0,02 x 0,6 = $7.560

44 Mini Case: Gress do Vale Lucro adicional com a política de desconto de 2% O lucro adicional com a implantação do desconto deve levar em conta os impactos do aumento da receita, redução do contas a receber e das perdas, e impacto do desconto na receita: Impacto do aumento das vendas no lucro: $ Ganho financeiro com redução do C/R: $ Custo financeiro com aumento do estoque: ($ 263) Ganho financeiro com aumento do C/P: $ 131 Redução das perdas: $ Impacto do desconto na receita ($7.560) Lucro adicional com o desconto $10.720

45 PROVISÃO PARA CRÉDITO DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA (PCLD) Tentativa de reconhecer prováveis perdas Reflete, em parte, o nível de risco que as organizações que oferecem crédito estão incorrendo Impacta na Evidenciação Contábil

46 FORMAS DE CONSTITUIÇÃO DAS PROVISÕES Método da baixa Direct Write-off Método do provisionamento ou allowance - Percentual sobre as vendas - Percentual sobre a carteira de contas a receber - Avaliação da idade da certeira de contas a receber

47 COBRANÇA Período pós-concessão do crédito Definição de políticas claras de cobrança, para que o processo seja eficiente e eficaz Gastos com cobrança X Taxa de recuperação

48 POLÍTICA DE COBRANÇA A política de cobrança de uma empresa é o conjunto de procedimentos adotados para cobrar contas a receber quando elas vencem A eficácia dessa política pode ser parcialmente avaliada por um exame do nível de perdas com clientes A eficácia da política de cobrança depende também das exigências da política de crédito da empresa Em geral, deve-se gastar dinheiro para cobrar clientes em atraso até o ponto em que o custo marginal supera o benefício marginal

49 COMPORTAMENTO DE PAGAMENTO Pagamento antecipado Pagamento com atraso Pagamento com renegociação Não pagamento

50 GRUPOS DE CLIENTE Adimplentes Inadiplentes Insolventes

51 RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS Cobrança amigável Cobrança judicial Medidas extrajudiciais Ação judicial

52 GESTÃO DA CARTEIRAS DE RECEBÍVEIS Resultado financeiro com a carteira de recebíveis RFC= (JVp CMPCG) X CR Pc + Gi Resultado operacional com a carteira de recebíveis ROC = Ma x CR

53 GESTÃO DA CARTEIRAS DE RECEBÍVEIS Perda líquida com a carteira de recebíveis PLR = (Pc Gi) x CR Despesa operacional com a carteira de recebíveis DOC = (Cob x CR) + DC

54 GESTÃO DAS CARTEIRAS DE RECEBÍVEIS Retorno do investimento em recebíveis RTIC = (RFC+ROC-PLR-DOC) x (1 IRCS) Carteira mínima de recebíveis CMC = DC/ (MC x (1 RCS))

55 GESTÃO DAS CARTEIRAS DE RECEBÍVEIS Valor da carteira de recebíveis VPC = FC1 + FC2/(1+i)² + FC3/(1+i)³+...+FCn/(1+I) n

56 GESTÃO DE PERDAS INESPERADAS NA CARTEIRA DE RECEBÍVEIS VaR Value at risk VaR = Pc Max Pc CaR Capital at risk CaR = VaR x CR RAROC Risk adjusted return on capital RAROC MC/CaR Duration = somatório(prazo x participação do saldo na carteira

57 REFERÊNCIAS ASSAF NETO, A. e SILVA, T. C. A. Administração do capital de giro. São Paulo: Atlas, GITMAN, L. J. Princípios da administração financeira, 10 ed., São Paulo: Pearson Addison Wesley, MATIAS, A. B. Finanças Corporativas de curto prazo: a gestão do valor do capital de giro. São Paulo: Atlas, 2007.

58 QUIZ

59

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO. Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO. Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos Objetivos Apresentar o conceito e em que contexto está inserido o capital de giro; Explicar a importância do capital de giro;

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA

MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA Prof. Alberto P. Trez JORNADA CIENTÍFICA DE 2014 CONTEÚDOS 1. Sócios da empresa: participação e ganhos 2. Capital Investido na empresa: fixo e de giro 3. Alocação

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

Pelotas, 24 de abril de 2012 Disciplina: Economia CAPITAL DE GIRO. Professor Alejandro Martins..

Pelotas, 24 de abril de 2012 Disciplina: Economia CAPITAL DE GIRO. Professor Alejandro Martins.. 1) Qual a definição de Capital Circulante Líquido- CCL? 2) O que são recursos não onerosos? 3) Qual o objetivo da administração do capital de giro? 4) Como podemos medir o risco e o retorno de uma empresa?

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE DIAGNÓSTICO

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Ciclo de Crédito uma Visão integrada

Ciclo de Crédito uma Visão integrada Ciclo de Crédito uma Visão integrada Analitix Soluções em Finanças ABBC São Paulo, 18 de junho de 2013 Agenda Processo do Ciclo de Crédito Descrição das etapas e processos do ciclo do crédito Concessão,

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 3º Trimestre de 2013

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 3º Trimestre de 2013 . São Paulo, 31 de outubro de 2013 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis e com grande presença nas classes populares do Brasil, divulga

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE COMO FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE COMO FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 2º Trimestre de 2013

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 2º Trimestre de 2013 . São Paulo, 06 de agosto de 2013 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis e com grande presença nas classes populares do Brasil, divulga seus

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

MBA CONTROLES INTERNOS (COMPLIANCE)

MBA CONTROLES INTERNOS (COMPLIANCE) MBA CONTROLES INTERNOS (COMPLIANCE) Disciplinas Carga horária Gestão de Pessoas 12 Ética Empresarial 15 Cálculos Financeiros 18 Estatística 30 Contabilidade Societária e para Instituições Financeiras (com

Leia mais

Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira

Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira A seguir é apresentada a especificação de alguns operadores financeiros criados pela LMDQL para a realização de análise financeira em documentos

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan Fundamento da Contabilidade Prof. Adilson C. Bassan Conteúdo Análise das Demonstrações Financeiras Análise da Rentabilidade Análise por Indicadores Análise Vertical e Horizontal e Avaliação Geral 1 Análise

Leia mais

AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS

AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS Professora Keilla Lopes Graduada em Administração pela UEFS Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Mestre em Administração pela UFBA Origem

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE QUALITATIVA DOS PROCESSOS EM EMPRESAS

POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE QUALITATIVA DOS PROCESSOS EM EMPRESAS POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE QUALITATIVA DOS PROCESSOS EM EMPRESAS ENSAIO Prof. Dr. Almir Ferreira de Sousa Professor Doutor do Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional)

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM TERMÔMETRO DE INSOLVÊNCIA

CONSTRUÇÃO DE UM TERMÔMETRO DE INSOLVÊNCIA CONSTRUÇÃO DE UM TERMÔMETRO DE INSOLVÊNCIA Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Udson Pacheco de Souza RESUMO

Leia mais

Administração Financeira a Curto Prazo

Administração Financeira a Curto Prazo Administração Financeira a Curto Prazo Fundamentos de administração do Capital de Giro, Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro. Administração de Caixa Considerações sobre o Capital de Giro A administração

Leia mais

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Cátia R. F. Bartz (FAHOR) catia.fahor.com.br Glademir Jagnow (FAHOR) gb000937@fahor.com.br Mabel Bairros (FAHOR) mb000942@fahor.com.br Mariseia Schawinsky (FAHOR)

Leia mais

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 B R A S I L Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 Participantes da Conference Call em 26 de fevereiro de 2008 Wagner Roberto Pugliese - Brasil Gilson Oliveira Marques

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 1º Trimestre de 2013

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 1º Trimestre de 2013 . São Paulo, 13 de maio de 2013 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis e com grande presença nas classes populares do Brasil, divulga seus

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ - UNESPAR CAMPUS DE PARANAVAÍ. ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 215/216 WWW. O N I V A L D O. C O M. BR Administração Financeira oizidoro@uol.com.br

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

Universidade Federal do Pará Instituto de Ciências Sociais Aplicadas Faculdade de Administração Lidiane Mara Marques da Silva

Universidade Federal do Pará Instituto de Ciências Sociais Aplicadas Faculdade de Administração Lidiane Mara Marques da Silva Universidade Federal do Pará Instituto de Ciências Sociais Aplicadas Faculdade de Administração Lidiane Mara Marques da Silva ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA MINERAÇÃO RIO DO NORTE Belém-PA 2011 SUMÁRIO Resumo...

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Administração do Caixa

Administração do Caixa Administração do Caixa 1- Introdução 2- O capital circulante 3- Políticas de gerenciamento do capital circulante 4- Gestão do Caixa 5- Gestão de recursos temporariamente ociosos - Títulos Negociáveis 6-

Leia mais

DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA.

DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA. DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA. Ter uma boa gestão financeira em seu negócio garante a saúde de sua empresa e a tranquilidade do empresário. Mantendo dinheiro em caixa, os compromissos

Leia mais

APOSTILA DE Administração Financeira

APOSTILA DE Administração Financeira 1 APOSTILA DE Administração Financeira 2011 Í N D I C E 2 Apresentação 3 Introdução à Análise das Demonstrações Financeiras 6 Análise por Índices - Liquidez 8 - Endividamento 9 - Atividade 10 - Rentabilidade

Leia mais

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas Alluno:: Karrllos Eduarrdo Souza Corrrrêa Mattrríículla:: 10657 Currso:: Engenharriia de Prrodução Prroffessorr:: Edson Pampllona Conttabiilliidade Gerrenciiall 1- Introdução 1.1- Objetivos Este trabalho

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA ANÁLISE DE BALANÇO - FIBAM CIA INDUSTRIAL Belém - PA 2011 2 HUGO

Leia mais

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos ÍNDICE Aplicativos TOTVS Smart Analytics 03 Controladoria 07 Financeiro 10 Materiais 11 Produção 15 Recursos Humanos 18 App Avaliação de Crédito Vl Limite Crédito Vl Limite Crédito Disponível Indica o

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE DOS TÍTULOS A RECEBER DA EMPRESA DAVID MORATO LTDA.

POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE DOS TÍTULOS A RECEBER DA EMPRESA DAVID MORATO LTDA. POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE DOS TÍTULOS A RECEBER DA EMPRESA DAVID MORATO LTDA. Bianca Cristine de Souza Garcia FAFIPA Onivaldo Izidoro Pereira FAFIPA ISSN 2178-5007 RESUMO A preocupação com a concessão

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Métricas empresariais

Métricas empresariais Métricas empresariais 1 Índice 1. Lista de Indicadores Setoriais Pág. 4 2. Métricas de Marketing Geral Pág. 5. Métricas de Propaganda Pág. 4. Métricas de Promoção Pág. 7 5. Métricas de Distribuição Pág.

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) Divulgação de Resultados do 3º Trimestre de 2014 (em IFRS)

Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) Divulgação de Resultados do 3º Trimestre de 2014 (em IFRS) São Paulo, 30 de outubro de 2014 Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) (em IFRS) Lucro líquido cresce 66% no 3T14 e totaliza R$42 milhões Vendas líquidas crescem 18% no trimestre EBITDA cresce 44%,

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO. 4.1. Conceitos Básicos OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO. 4.1. Conceitos Básicos OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM 1. Definir capital de giro ou capital circulante e capital circulante líquido mostrando as transações que elevam e reduzem

Leia mais

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO 18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais: Recebimentos de Clientes (+) Pagamento de Fornecedores (-) Pagamento

Leia mais

Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito

Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito Lousanne Cavalcanti Barros (Faculdade Novos Horizontes) lousanne@unihorizontes.br Silvana Pereira Silva (NOSSACOOP) sil.fla@bol.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO Esliane Carecho Borges da Silva (Orientadora- Docente dos cursos de Contabilidade e Tecnologia em Gestão Financeira-AEMS) Jose

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2015-1 Análise de Investimento e Capital de Giro Módulo C Carga Horária: 47 h. Ementa da disciplina:

PLANO DE ENSINO 2015-1 Análise de Investimento e Capital de Giro Módulo C Carga Horária: 47 h. Ementa da disciplina: PLANO DE ENSINO 2015-1 Análise de Investimento e Capital de Giro Módulo C Carga Horária: 47 h. Ementa da disciplina: Conteúdo Programático: Estudar as técnicas de análise de investimentos para analisar

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Análise Dinâmica do.capital de Giro

Análise Dinâmica do.capital de Giro Análise Dinâmica do.capital de Giro Questões 12.1 O que são contas cíclicas do giro? Dê exemplos de contas ativas e passivas. 12.2 Desenvolva uma análise comparativa entre as medidas do capital circulante

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Amilca Ferreira Santos (UFPB) adm.amilka@gmail.com

Leia mais

Spread Bancário Brasileiro

Spread Bancário Brasileiro UNICAMP Projeto Supervisionado Spread Bancário Brasileiro Daniel Hauschild de Aragão RA 093607 Orientador: Laércio Vendite Objetivo: Este trabalho tem como objetivo a apresentação do método de cálculo

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

AULA 8: FLUXO DE CAIXA

AULA 8: FLUXO DE CAIXA AULA 8: FLUXO DE CAIXA E os estudos, na reta final? A pedidos estou colocando a aula de Demonstração do Fluxo de Caixa. Como é uma matéria nova em Contabilidade Geral, estou fazendo uma introdução teórica

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E

Leia mais

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais Sumário 1. A Importância Dos Índices Nas Demonstrações Financeiras 1.1 - Preparação e Reclassificação Das Contas 2. Grupos de Índices 3. Capital

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

ANEXO A. Informe Mensal

ANEXO A. Informe Mensal ANEXO A Informe Mensal Competência: MM/AAAA Administrador: Tipo de Condomínio: Fundo Exclusivo: Todos os Cotistas Vinculados por Interesse Único e Indissociável? Aberto/Fechado Sim/Não Sim/Não ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS IGEPP Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas Telefone:(61) 3443 0369 E-mail: contatoigepp@gmail.com MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

Leia mais