CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF"

Transcrição

1 CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

2 AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA NA APLICAÇÃO DOS CONCEITOS CONCLUSÃO

3 CENÁRIO DE CRÉDITO ATUAL e FUTURO GERALMENTE... FUTURO PROXIMO Taxas são iguais para todos os clientes Os bons clientes (baixo risco) subsidiam os maus clientes (alto risco) Poucos consumidores pesquisam por taxas e praticamente nenhum deles solicita diferenciação da taxa MOTIVADORES Juros em queda Maior competição Maturidade do consumidor Tecnologia de informação Consumidor mais experiente Bons consumidores buscam intensamente por melhores condições Taxas ajustadas ao risco Oferta Similar para Todos Diferenciação da Oferta de Crédito

4 VAREJO AJUDA A REDUZIR RISCO DE BANCOS NO EMPRÉSTIMO POPULAR Os bancos estão encontrando novas formas de aumentar os empréstimos para a classe C evitando a alta inadimplência que gerou perdas para as financeiras no ano passado. As estimativas para o crescimento do crédito à classe C neste ano variam de 25% a 40%, acima da média da carteira de pessoa física. Mas para isso......generalizou-se o uso de birôs positivos internos com informações sobre o comportamento financeiro do cliente classe C, usando informações de compras nas redes de varejo parceiras dos bancos. Jornal Valor Econômico 17/04/07

5 NOVO CENÁRIO DECISÃO HOJE PASSADO Baseada em Negativos Ativos ou Nada Consta FUTURO Avaliação do comportamento PASSADO Histórico de compromissos assumidos e pontualidade de pgto HOJE Avaliação de compromissos futuros FUTURO Valores e horizonte de tempo definidos Análise mais completa do risco Ofertas adequadas de Limites de Crédito Pro-atividade nas renovações/novas ofertas

6 HOJE OS BUREAUS DE CRÉDITO CONTÉM INFORMAÇÕES... DADOS CADASTRAIS ANOTAÇÕES DE INADIMPLÊNCIA BUREAU DE CRÉDITO ANOTAÇÕES COMPLEMENTARES

7 O Próximo Passo... INFORMAÇÕES POSITIVAS DADOS CADASTRAIS ANOTAÇÕES DE INADIMPLÊNCIA BUREAU DE CRÉDITO ANOTAÇÕES COMPLEMENTARES INFORMAÇÕES POSITIVAS DO MERCADO

8 O QUE É INFORMAÇÃO POSITIVA? INFORMAÇÕES POSITIVAS Compromissos assumidos Hábitos de pagamento Apresenta o valor total da dívida assumida pelo consumidor Apresenta o valor mensal já vencido e a vencer de cada compromisso: Crédito Pessoal, CDC Cartão de Crédito e PL Cheque Especial Crédito Imobiliário Cheques Pré-datados Apresenta a pontualidade mensal dos pagamentos já efetuados pelo consumidor nos últimos 2 anos O hábito de pagamento é apresentado separadamente para cada compromisso assumido Outros

9 BENEFÍCIOS DA INFORMAÇÃO POSITIVA CRESCIMENTO ECONÔMICO MAIOR CONSUMO & PRODUÇÃO MENORES CUSTOS & MAIOR VOLUME DE CRÉDITO PREÇOS BASEADOS NO RISCO INFORMAÇÕES POSITIVAS + NEGATIVAS

10 BENEFÍCIOS DA INFORMAÇÃO POSITIVA PARA EMPRESAS REDUÇÃO DA ASSIMETRIA DE INFORMAÇÕES REDUÇÃO DA INADIMPLÊNCIA AUMENTO NAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO EFICIÊNCIA DE PREÇO Menor inadimplência decorrente da alocação mais efetiva de recursos Realização de mais e melhores negócios com bons pagadores Cobrança de juros diferenciados

11 BENEFÍCIOS DA INFORMAÇÃO POSITIVA PARA OS CONSUMIDORES MAIS OPÇÕES DE NEGÓCIOS Facilita a entrada de novas empresas, levando a mais opções, melhores serviços e menores preços CONSUMIDOR DIVULGA SEU COMPORTAMENTO O consumidor assume seu perfil de pagamento e o divulga ao mercado GARANTIA REPUTACIONAL Histórico de pagamentos beneficia o consumidor como se fosse uma garantia

12 BENEFÍCIOS DA INFORMAÇÃO POSITIVA REDUÇÃO DA INADIMPLÊNCIA Fonte: IFC World Bank

13 BENEFÍCIOS DA INFORMAÇÃO POSITIVA AUMENTO DA ACEITAÇÃO DE CLIENTES Fonte: IFC World Bank

14 FONTE DE INFORMAÇÃO POSITIVA COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÕES ENTRE TODAS AS EMPRESAS INSTITUIÇÃO CREDORA Bancos Financeiras BUREAU DE CRÉDITO Teles CONSUMIDOR Seguradoras Varejo Cartões de crédito

15 FONTE DE INFORMAÇÃO POSITIVA COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÕES ENTRE TODAS AS EMPRESAS REGRAS BÁSICAS: O participante fornece ao bureau dados sobre seus clientes de compromissos e hábitos de pagamento O participante pode consultar qualquer consumidor no bureau que contenha dados informados por outros participantes A quantidade de consultas do participante é limitada a uma razão justa de sua contribuição de dados para o bureau A fonte dos dados não é apresentada no produto

16 POLÍTICA DE COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÕES Remessa de Dados Sistema de Controle de Reciprocidade BUREAU DE CRÉDITO Ferramenta para gestão das remessas de dados e consultas Controla o acesso às informações compartilhadas com base no volume de dados fornecidos Consulta de Informação

17 BENCHMARKING: Mercado EUA CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DE CRÉDITO Amplo compartilhamento de dados por diferentes segmentos de mercado Positivos Cadastrais Negativos Intensa utilização de scorings de mercado em conjunto com scoring internos Conceito Risk-Based Pricing = Preço Baseado no Risco

18 BENCHMARKING: Mercado EUA Financiamento imobiliário Operação: $ , em 30 anos, parcelas fixas Fonte: Fair, Isaac (EUA), aplicação FICO X Clientes com scoring na Faixa pagam 17,5% a mais por mês do que clientes com scoring maior que 760

19 BENCHMARKING: Mercado EUA Exemplo de juros diferenciados de acordo com o perfil de risco do consumidor nos Estados Unidos

20 BENCHMARKING: Mercado EUA O que influencia a pontuação de scoring? Informação positiva é o item mais relevante na pontuação de credit scoring O que mais afeta o scoring é o hábito de pagamento das dívidas.

21 TENDÊNCIAS DAS BASES DE INFORMAÇÃO NO MERCADO CADASTRAIS TÍTULOS VENCIDOS EM COBRANÇA COMPROMISSOS MERCADO COMPROMISSOS INST. FINANCEIRAS FRAUDES BASES PRÓPRIAS DO BANCO MILHÕES DE DADOS MILHÕES DE TÍTULOS VENCIDOS EM COBRANÇA MILHÕES DE COMPROMISSOS EM ABERTO MILHÕES DE COMPROMISSOS EM ABERTO MILHARES DE OCORRÊNCIAS BASES ATUAIS BUREAU 1 BILHÃO DE DADOS 1 BILHÃO HISTÓRICO DE NEGATIVOS 159 MILHÕES HISTÓRICO DE COMPROMISSOS SCR BACEN 5 MILHÕES DE OCORRÊNCIAS BASES FUTURAS 4,4 BILHÕES DE DADOS 7 BILHÕES HISTÓRICO DE TÍTULOS VENCIDOS EM COBRANÇA 27 BILHÕES HISTÓRICO DE COMPROMISSOS 22 BILHÕES HISTÓRICO DE COMPROMISSOS 30 MILHÕES DE OCORRÊNCIAS

22 BASES CADASTRAIS CADASTRAIS CADASTROS BASES PRÓPRIAS DO BANCO BASES ATUAIS BUREAU BASES FUTURAS MILHÕES DE DADOS 1 BILHÃO DE DADOS 4,4 BILHÕES DE DADOS Companhias telefônicas Receita Federal Secretaria de Segurança Pública Juntas Comerciais Captação junto a diversos segmentos de mercado Instituições Financeiras Varejo Telefonias Serviços Públicos: água, energia elétrica, etc.

23 BASES DE TÍTULOS VENCIDOS EM COBRANÇA BASES PRÓPRIAS DO BANCO TÍTULOS VENCIDOS EM COBRANÇA MILHÕES DE TÍTULOS VENCIDOS EM COBRANÇA 1 bilhão de histórico registros de anotações de inadimplência, sendo: 8,7 milhões de Ações 128,8 milhões de Protestos 451,1 milhões de PEFIN/REFIN 169,8 milhões de CCFs 287,2 milhões de Recheque Adesões recentes: CASAS BAHIA, SOROCRED, TANGER, etc. BASES ATUAIS BUREAU 1 BILHÃO HISTÓRICO DE NEGATIVOS BASES FUTURAS 7 BILHÕES HISTÓRICO DE TÍTULOS VENCIDOS EM COBRANÇA REFIN PEFIN Evolução das Bases com a captura de Compromissos Vencidos Pendentes (antes da Negativação)

24 SOLUÇÃO INTEGRAL DE COBRANÇA Carteira de Devedores Títulos Vencidos em Cobrança do Mercado Títulos Vencidos entrados na Cobrança Instituição Envio e atualização de posições DIARIAMENTE Data de Vencimento Títulos vencidos entrados na Cobrança Negativação Negativados A Base Base de de Títulos Títulos Vencidos Vencidos em em Cobrança Cobrança é 6 vezes vezes maior maior que que os os negativos negativos tradicionais tradicionais Tempo Cobrança Interna Terceirizada

25 BASES DE COMPROMISSOS BASES PRÓPRIAS DO BANCO COMPROMISSOS MERCADO MILHÕES DE COMPROMISSOS EM ABERTO Bases atuais com: 159 milhões de histórico de compromissos 1,4 bilhões de histórico de Hábitos de Pagamentos 300 milhões de histórico de Cheques 3,5 milhões de consultas / dia Informações atualizadas diariamente Captação de informações dos diversos segmentos BASES ATUAIS BUREAU 159 MILHÕES HISTÓRICO DE COMPROMISSOS Nova Lei do Cadastro Positivo no Congresso envolvendo todo o mercado Lei Complementar Portabilidade para Instituições Financeiras BASES FUTURAS 27 BILHÕES HISTÓRICO DE COMPROMISSOS Grandes Grandes Financeiras Financeiras estão estão retomando retomando o compartilhamento compartilhamento por por meio meio da da Lei Lei de de Portabilidade Portabilidade

26 BASES OPERAÇÕES DE CRÉDITO EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS COMPROMISSOS INST. FINANCEIRAS BASES PRÓPRIAS DO BANCO MILHÕES DE COMPROMISSOS EM ABERTO INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Arquivo BACEN com operações iguais ou superiores a R$ 20,00 BASES ATUAIS BUREAU SCR BACEN SCR BACEN BASES FUTURAS 22 BILHÕES HISTÓRICO DE COMPROMISSOS Cerca de 5,1 bilhões de registros operações de crédito

27 BASES DE FRAUDES Experiência da Serasa FRAUDES BASES PRÓPRIAS DO BANCO MILHARES DE OCORRÊNCIAS ALERTA Bases de Dados Serasa Bases de Dados das Instiuições BASE DE Acordo Acrefi / Febraban INCONSISTÊNCIAS BASES ATUAIS BUREAU 5 MILHÕES DE OCORRÊNCIAS Informação on line tentativas de fraudes BASES FUTURAS 30 MILHÕES DE OCORRÊNCIAS

28 ALERTA EM NEGÓCIOS Experiência da Serasa Negativos Endereços Base Internas Comparação e Correlação com Bases Serasa Telefones DADOS DO PROPONENTE Consultas Análise Comportamental Dados Profissionais Óbitos Cheques Bases Serasa ANÁLISE MENSAGENS DE ALERTA

29 APLICAÇÃO DO BUREAU POSITIVO NA AQUISIÇÃO E CONCESSÃO Informações Positivas: possibilidade de aplicação em diversas fases como, por exemplo, na Concessão de Crédito Prospecção Aquisição e Concessão Gestão de Clientes Gestão da Cobrança Avaliar o perfil de risco do proponente com foco na OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS Avaliar perfil de risco do proponente com foco na ACEITAÇÃO e DEFINIÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO Monitorar e reavaliar o risco de crédito para apoio a processos de COBRANÇA PREVENTIVA, RENOVAÇÂO, CROSS SELLING e PREVENÇÃO Ajustar a abordagem e intensidade do processo de COBRANÇA com base nos perfis de risco dos clientes

30 APLICAÇÃO DO BUREAU POSITIVO NA AQUISIÇÃO E CONCESSÃO Informações Positivas: possibilidade de aplicação em diversas fases como, por exemplo, na Concessão de Crédito Prospecção Aquisição e Concessão Gestão de Clientes Gestão da Cobrança Avaliar o perfil de risco do proponente com foco na OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS Avaliar perfil de risco do proponente com foco na ACEITAÇÃO e DEFINIÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO Monitorar e reavaliar o risco de crédito para apoio a processos de PREVENÇÃO, RENOVAÇÂO, CROSS SELLING e PREVENÇÃO Ajustar a abordagem e intensidade do processo de COBRANÇA com base nos perfis de risco dos clientes

31 SOLUÇÕES DE SCORING Financeiras Teles Bancos Varejo Cartões de crédito Bureau de Crédito Seguradoras Modelos de credit scoring baseados em informações comportamentais de consumidores Considera informações atuais e históricas do consumidor, dentro e fora da Instituição

32 Uso de Informações de Mercado Avaliação de Consumidores g Consumidores podem obter crédito em diversas instituições, sem que estas saibam das operações de seus concorrentes g Oferta crescente + Exposição excessiva + Assimetria de Informação g Clientes de Alto Risco percebidos como de Risco Normal ou Baixo

33 Case de Comparação de Performance de Scorings COMPARAÇÃO DE ABORDAGENS g Modelo I: scoring INTERNO g Modelo II: scorings INTERNO e de MERCADO

34 MODELO I (Interno) INF. COMPORTAMENTAIS INTERNAS: Compromissos Hábitos de Pagamento + Dados Cadastrais Informações Negativas X MODELO II (Conjugado) INF. COMPORTAMENTAIS INTERNAS: Compromissos Hábitos de Pagamento INF. COMPORTAMENTAIS DE MERCADO: Compromissos Hábitos de Pagamento + Dados Cadastrais Informações Negativas X

35 EXPERIÊNCIA SERASA Financeira de grande porte com atuação nacional ESTRATÉGIA I (interno): KS = 35,7 ESTRATÉGIA 2 (interno + mercado): KS = 63,6 (superior em 78%) Scoring Interno Scoring Interno + Mercado Dist. Acumulada % < < < <- 400 KS =35,7 % Score 500 < < < < <-1000 Bons Dist. Acumulada % Maus 0 <- 100 KS = 63,6% 100 < < < <- 300 Score 500 < < < < <- 900

36 O VALOR DAS INFORMAÇÕES COMPORTAMENTAIS Experiência Serasa QUANTIDADE DE COMPROMISSOS RISCO DE DEFAULT EM RELAÇÃO AO RISCO MÉDIO Quanto maior a quantidade de compromissos assumidos, maior o risco de inadimplência % 86% 55% 30% 0-20% ou mais

37 O VALOR DAS INFORMAÇÕES COMPORTAMENTAIS Experiência Serasa PRAZO DO COMPROMISSO (EM DIAS) RISCO DE DEFAULT EM RELAÇÃO AO RISCO MÉDIO Quanto maior o prazo total do 67% compromisso, maior é o risco 32% 13% % ou mais -16% -28%

38 O VALOR DAS INFORMAÇÕES COMPORTAMENTAIS Experiência Serasa QUANTIDADE DE PARCELAS EM ATRASO -19% -11% 0 (ÚLTIMOS 24 MESES) RISCO DE DEFAULT EM RELAÇÃO AO RISCO MÉDIO 1 33% 79% Quanto maior a qtde de 2 47% 102% parcelas em atraso e o tempo de atraso, maior 3 65% 98% o risco do proponente 4 66% 132% 11 a 30 dias de atraso 5 ou mais 102% 158% 31 a 60 dias de atraso

39 O VALOR DAS INFORMAÇÕES COMPORTAMENTAIS Experiência Serasa Hábito de pagamentos Diferença em relação ao risco médio Qtde de pagamentos em dia -26% -18% -10% de 3 a 5 de 6 a 10 de 11 a 20 Quanto mais pagamentos em dia o consumidor apresenta, menor o seu risco -48% mais que 20

40 SCORING CUSTOMIZADO INSTITUIÇÃO 1.Fornece amostra de dados 4. Analistas da Instituição desenvolvem novo modelo 7. Consulta o novo modelo, utilizando as bases da Serasa 3.Fornece variáveis para modelagem AMOSTRA 2. Captura as variáveis disponíveis nas bases Serasa DESENVOLVE NOVO MODELO Case de Sucesso: Incremento de 25% 5. Instituição fornece Scorecard para Serasa NOVO MODELO DE SCORING 6. Serasa implanta o novo modelo customizado em sua base de dados

41 APLICAÇÃO DO BUREAU POSITIVO NA AQUISIÇÃO E CONCESSÃO Informações Positivas: possibilidade de aplicação em diversas fases como, por exemplo, na Concessão de Crédito Prospecção Aquisição e Concessão Gestão de Clientes Gestão da Cobrança Avaliar o perfil de risco do proponente com foco na OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS Avaliar perfil de risco do proponente com foco na ACEITAÇÃO e DEFINIÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO Monitorar e reavaliar o risco de crédito para apoio a processos de COBRANÇA PREVENTIVA, RENOVAÇÂO, CROSS SELLING e PREVENÇÃO Ajustar a abordagem e intensidade do processo de COBRANÇA com base nos perfis de risco dos clientes

42 MONITORAMENTO DE CARTEIRAS INSTITUIÇÃO SERASA JÁ DISPONÍVEL CARTEIRA DE CLIENTES Baixas e Inclusões BUREAU DE CRÉDITO Negativação Reabilitação Novos Compromissos AÇÕES Preventivas Pró-ativas Consultas NOVAS OPORTUNIDADES Pagamentos Gestão de Clientes Informa Ocorrências OCORRÊNCIAS Alterações no Scoring Alteração de End. / Fone Outras

43 APLICAÇÃO DO BUREAU POSITIVO EM SCORING Informações Positivas: possibilidade de aplicação em diferentes fases do Ciclo de Negócios Prospecção Aquisição e Concessão Gestão de Clientes Gestão da Cobrança Avaliar o perfil de risco do proponente com foco na OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS Avaliar perfil de risco do proponente com foco na ACEITAÇÃO e DEFINIÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO Monitorar e reavaliar o risco de crédito para apoio a processos de PREVENÇÃO, RENOVAÇÂO, CROSS SELLING e PREVENÇÃO Ajustar a abordagem e intensidade do processo de COBRANÇA com base nos perfis de risco dos clientes

44 DESAFIOS DA COBRANÇA Qual a melhor estratégia de cobrança? Como otimizar os resultados obtidos? > Quem cobrar em primeiro lugar? > Quem não cobrar? Como melhor alocar os recursos para cobrança?

45 ABORDAGEM DAS QUESTÕES Diferenciar estratégias de cobrança de acordo com o perfil dos devedores Qualificação dos devedores considerando seu comportamento no mercado

46 GESTÃO DOS PAGADORES IMPERFEITOS Carteira de Devedores Data de Vencimento Títulos Vencidos em Processo de Cobrança Negativação Negativados Tempo Cobrança Interna Terceirizada

47 PERGUNTA-CHAVE: Qual a situação desse devedor e como ele se comporta no mercado como um todo? Bancos Financeiras + BUREAU DE CRÉDITO Teles DEVEDOR EMPRESA DE COBRANÇA Seguradoras Varejo Cartões de crédito

48 RELEVÂNCIA DAS INFORMAÇÕES DE MERCADO Experiência Serasa Case Real de Avaliação da Influência de Informações de Mercado na Cobrança Instituição: Banco de Varejo (Gde Porte) Carteira Negativada na Serasa: Jan/2005 ~ Jun/2005 Avaliação do perfil da carteira quando confrontada com toda a base de negativos da Serasa (mesmos CPFs) Total de documentos analisados: CPFs Análise da influência de diferentes variáveis no processo de cobrança

49 RELEVÂNCIA DAS INFORMAÇÕES DE MERCADO Experiência Serasa Distrib. clientes negativados pela Inst. X Qtde de credores com anotações ativas 25,5% dos devedores da instituição tem como único credor a própria Instituição Este fato revela melhores condições de negociação com o devedor uma vez que este só deve para a própria empresa

50 RELEVÂNCIA DAS INFORMAÇÕES DE MERCADO Experiência Serasa Quantidade de Credores Diferença de probabilidade de recuperação em relação aos devedores que possuem apenas 1 único credor -63% -57% % Devedores com 3 ou mais credores apresentam probabilidade de pagamento -80% -83% 5 6 ou Mais sensivelmente abaixo daqueles que possuem 1 ou 2 credores

51 RELEVÂNCIA DAS INFORMAÇÕES DE MERCADO Experiência Serasa Distribuição de clientes negativados pela Instituição X Outros credores que reabilitaram nos últimos 6 meses Indicação de recuperação de crédito recente (nos últimos 6 meses) Oportunidades de diferenciação da renegociação de dívidas

52 RELEVÂNCIA DAS INFORMAÇÕES DE MERCADO Experiência Serasa Pagamento de Outros Credores Pagamento nos últimos 6 meses -17% % Devedores que saldaram suas dívidas com outros 2 71% credores têm maior probabilidade de 3 4 OU MAIS 96% 315% pagamento Fonte: Serasa

53 RELEVÂNCIA DAS INFORMAÇÕES DE MERCADO Experiência Serasa Percentual da carteira de devedores que têm buscado crédito em outras instituições RACIONAL Devedor vem apresentando demanda por novas operações de crédito e é provável que esteja sendo rejeitado Pode significar melhores oportunidades de negociação, dada as circunstâncias do momento

54 RELEVÂNCIA DAS INFORMAÇÕES DE MERCADO Experiência Serasa Registros de Consulta Consulta a Crédito (em dias) 58% 50% 45% 42% 44% 26% 20% Quanto mais a recente a busca a crédito, maior a expectativa de reabilitação Fonte: Serasa

55 RELEVÂNCIA DAS INFORMAÇÕES DE MERCADO Experiência Serasa Tempo Médio de Recuperação Histórica 31,6% Devedores com 21,2% histórico de ciclo mais curto de quitação de suas dívidas apresentam > 1 ano maior probabilidade < 6 meses 7 meses a 1 ano de recuperação -9,7% Fonte: Serasa

56 SCORING DE MERCADO Benefício Tangível no Processo de Recuperação Informação positiva Informação negativa Outras info. Comporta mentais Cadastro

57 SCORING DE MERCADO Benefício Tangível no Processo de Recuperação Informação negativa Informação positiva Informação negativa Informação positiva Cadastro Outras info. Comporta mentais Cadastro Scoring de Mercado Outras info. Comporta mentais

58 UTILIZAÇÃO CONJUGADA DE SCORINGS Cadastrais + Valor do Cliente Comportamentais Internos SCORING INTERNO SCORING DE MERCADO Situação atual no Mercado + Histórico Comportamental + MODELOS COM MELHOR PODER DE PREVISÃO

59 CASE DE COLLECTION SCORING Case de Collection Scoring em Operadora de Telecom g Amostra: CPFs g Valor Total: R$ 4,5 milhões g Ticket Médio: R$ 367 g Faixa de Atraso: 110 dias g Simulação do scoring na data de início das ações de cobrança (21/06/05) g Avaliação de devedores recuperados em função do scoring

60 CASE DE COLLECTION SCORING Operadora de Telefonia DISTRIB. DOS DEVEDORES TAXA DE RECUPERAÇÃO 2,9% 801 a ,0% 8,1% 701 a ,7% 14,4% 601 a ,3% 21,1% 501 a ,5% 23,8% 401 a ,8% 19,3% 301 a ,6% 9,9% 151 a 300 9,6% 0,4% 0 a 151 6,3% FORTE PODER PREDITIVO DO SCORING QUANTO MAIOR A PONTUAÇÃO, MAIOR A RECUPERAÇÃO VERIFICADA

61 UTILIZAÇÃO DE SCORING NA ESTRATÉGIA DE RECUPERAÇÃO Política de Cobrança Inicial Ação Atraso carta amigável 15 dias telefonema 20 dias carta agressiva + telefonema de 30 dias reforço Possibilidade de aplicação de réguas diferenciadas de acordo com o perfil de risco do devedor Ação carta amigável 5 dias 15 dias 20 dias telefonema 10 dias 20 dias 30 dias carta agressiva + telefonema de reforço negativação 45 dias Scoring 20 dias 30 dias 45 dias negativação 35 dias 45 dias 60 dias Política de cobrança baseada em scoring

62 CONCLUSÃO BUREAU POSITIVO Ferramenta estratégica e fundamental, dentro do o novo ambiente de crédito Mais dinâmico, complexo e competitivo Menores margens Exigência de melhor administração do risco de crédito Orientado à quantificação e gerenciamento do risco de crédito (risco X recompensa) Foco no retorno para o acionista

63 CONCLUSÃO Informações Positivas: possibilidade de aplicação em diferentes fases do Ciclo de Negócios Informações Positivas: utilização como importante insumo na construção de scorings com maior poder preditivo

64 CONCLUSÃO Cadastro Positivo: informação mais abrangente contribui significativamente para a realização de mais e melhores negócios. Informações Positivas: utilização como importante insumo na construção de scorings com maior poder preditivo. Nova realidade do mercado com a aprovação do cadastro positivo e início do compartilhamento de informações entre as diversas empresas.

65 CADASTRO POSITIVO Obrigado! Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

Como combater fraudes e minimizar a inadimplência no processamento de cartões Private Label

Como combater fraudes e minimizar a inadimplência no processamento de cartões Private Label Como combater fraudes e minimizar a inadimplência no processamento de cartões Private Label São Paulo, abril de 2007 Ricardo Loureiro Diretor de Produtos AGENDA Objetivo Contexto de mercado Gestão do Ciclo

Leia mais

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP AGENDA NOSSA PROPOSTA DE VALOR CICLO DE CRÉDITO CONCESSÃO GESTÃO DE CARTEIRA FRAUDE COBRANÇA Grupo Experian Experiência global, inteligência e dedicação locais No

Leia mais

O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo. Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo

O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo. Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo Agenda 1 Cadastro Positivo: como estamos 2 O que muda no novo cenário 3 Benefícios do Cadastro Positivo

Leia mais

TABELA DE PREÇOS - CONSUMO MÍNIMO DE R$ 800,00 - ANEXO 1

TABELA DE PREÇOS - CONSUMO MÍNIMO DE R$ 800,00 - ANEXO 1 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PME AVANÇADO 4 TABELA DE PREÇOS - CONSUMO MÍNIMO DE R$ 800,00 - ANEXO 1 Este anexo é parte integrante do contrato assinado entre a CONTRATADA e a CONTRATANTE, referente

Leia mais

TABELA DE PREÇOS - CONSUMO MÍNIMO DE R$ 1.800,00 - ANEXO 1

TABELA DE PREÇOS - CONSUMO MÍNIMO DE R$ 1.800,00 - ANEXO 1 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PME Premium 4 TABELA DE PREÇOS - CONSUMO MÍNIMO DE R$ 1.800,00 - ANEXO 1 Este anexo é parte integrante do contrato assinado entre a CONTRATADA e a CONTRATANTE, referente

Leia mais

Crédito e Cobrança no mercado de Telecom. Out/2009

Crédito e Cobrança no mercado de Telecom. Out/2009 Crédito e Cobrança no mercado de Telecom Out/2009 Desafios de crédito em Telecom aumento do market share aquisição de novos clientes; manter os existentes. otimização do Ebtida separar claramente os bons

Leia mais

Cadastro Positivo. Mariana Macri

Cadastro Positivo. Mariana Macri Mariana Macri Julho/2013 Agenda Benefícios O que é Principais Pontos da Legislação Abertura/Cancelamento Papel e Apoio da Serasa Experian 2 Benefícios Benchmarking 3 Benefícios O cadastro positivo traz

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

Cadastro Positivo Um novo cenário para o crédito no Brasil Agenda

Cadastro Positivo Um novo cenário para o crédito no Brasil Agenda Cadastro Positivo Um novo cenário para o crédito no Brasil Julio Cesar Leandro Superintendente da Unidade de Negócios Business Information Cadastro Positivo Um novo cenário para o crédito no Brasil Agenda

Leia mais

Pontuação: 125 probabilidade média de inadimplência na faixa de 101 a 150: 22,50%

Pontuação: 125 probabilidade média de inadimplência na faixa de 101 a 150: 22,50% Confidencial Para: J&R 28/03/2014 11:05 Versão 2.12.1 RELATO RELATÓRIO DE COMPORTAMENTO EM NEGÓCIOS DISPLAY COMERCIO E DISTRIBUIO EIRELI EPP CNPJ: 19.728.709/0001-36 VALORES EM REAIS 28/03/2014 11:05:22

Leia mais

Manual do sistema. Serasa Empresas Credito e Risco. Manual de operações. Belo Horizonte

Manual do sistema. Serasa Empresas Credito e Risco. Manual de operações. Belo Horizonte Manual do sistema Serasa Empresas Credito e Risco Manual de operações Belo Horizonte Agosto - 2007 Sumário Introdução ------------------------------------------3 Consulta --------------------------------------------4

Leia mais

Credit Bureau. Manual do Produto

Credit Bureau. Manual do Produto Credit Bureau Manual do Produto Índice O que é 04 Como Acessar 05 1 - Tipo de Relatório 06 2 - Consulta de Mais de Um Documento ao Mesmo Tempo 07 3 - Dados do Documento 07 4 - Informações do SPC Brasil

Leia mais

TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência. Francisco Valim, Ago 2009

TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência. Francisco Valim, Ago 2009 TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência Francisco Valim, Ago 2009 A CRISE GLOBAL EM UM DIAGRAMA Política Monetária Expansionista 2003-05 Risco Subestimado nos Mercados Financeiros Falhas

Leia mais

Serasa Experian. Cadastro Positivo. fernanda.monnerat@br.experian.com. fernanda.monnerat@br.experian.com

Serasa Experian. Cadastro Positivo. fernanda.monnerat@br.experian.com. fernanda.monnerat@br.experian.com Serasa Experian Cadastro Positivo fernanda.monnerat@br.experian.com fernanda.monnerat@br.experian.com Inadimplência das Empresas no Brasil Empresas negativadas: 3,9 Milhões de Junho/15 x 3,5 milhões Junho/14

Leia mais

Financiamento estudantil privado: tendências e novas alternativas. Carlos Furlan Diretor Executivo-Ideal Invest

Financiamento estudantil privado: tendências e novas alternativas. Carlos Furlan Diretor Executivo-Ideal Invest Financiamento estudantil privado: tendências e novas alternativas Carlos Furlan Diretor Executivo-Ideal Invest NOSSA HISTÓRIA DE CONQUISTAS E INVESTIMENTO EM EDUCAÇÃO 200 universidades parceiras +1960

Leia mais

Como as informações positivas ajudam o processo de cotação de seguros. Angra dos Reis RJ Novembro 2008

Como as informações positivas ajudam o processo de cotação de seguros. Angra dos Reis RJ Novembro 2008 Como as informações positivas ajudam o processo de cotação de seuros Anra dos Reis RJ Novembro 2008 Experian Experiência lobal, inteliência e dedicação local. Operação em 36 países com clientes em mais

Leia mais

Mercado de Crédito Consignado. Agosto 2014

Mercado de Crédito Consignado. Agosto 2014 Mercado de Crédito Consignado Agosto 2014 EMPRÉSTIMO CONSIGNADO EM FOLHA DE PAGAMENTO O empréstimo consignado é o melhor produto financeiro de crédito do país e seu desenvolvimento só foi possível por

Leia mais

Portabilidade de Crédito sairá do papel?

Portabilidade de Crédito sairá do papel? Portabilidade de Crédito sairá do papel? Paulo Henrique Valadares Pereira Banco Cooperativo Sicredi 1 Objetivo Compartilhar informações sobre a Portabilidade de Crédito, seu desempenho no mercado de crédito

Leia mais

Descrição - Consulta PF

Descrição - Consulta PF - PF CONFIRME (PF) SPC LOCALIZA PF Renda Presumida SPC SPC IMOBILIÁRIO Limite de Crédito Sugerido SPC Top Física SPC Top Física + Confirmação dos dados cadastrais do documento consultado, alerta de documentos,

Leia mais

Cards 2005. Informações para melhorar eficiência do seu negócio

Cards 2005. Informações para melhorar eficiência do seu negócio Cards 2005 Informações para melhorar eficiência do seu negócio Agenda Principais desafios Grandes tendências Share of Wallet Prospecção, ativação e rentabilização Recuperação de clientes Soluções Equifax

Leia mais

Portabilidade de crédito

Portabilidade de crédito Portabilidade de crédito SEMARC 2014 - Seminário de Relacionamento com Clientes Brasília, 4 de agosto de 2014 30.6.99 30.5.01 28.1.05 6.9.06 26.7.07 6.12.07 6.12.09 25.3.10 25.11.10 24.2.11 15.3.13 4.11.13

Leia mais

ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS

ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS 55 CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS IMPEDIMENTO LEGAL É uma situação de apontamento que, por força das normas do Bacen, impedem que pessoas físicas ou jurídicas figurem

Leia mais

Gerencie Carteira - PF

Gerencie Carteira - PF Gerencie Carteira - PF Mais negócios para a sua empresa, com melhor resultado e o risco sob controle. Manual do Produto Manual do Produto 1 Índice Produto 02 Meio de acesso 02 Carteira de Clientes Pessoa

Leia mais

A COBRANÇA NO MUNDO DOS CARTÕES: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS NOS RAMOS DE NEGÓCIO

A COBRANÇA NO MUNDO DOS CARTÕES: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS NOS RAMOS DE NEGÓCIO A COBRANÇA NO MUNDO DOS CARTÕES: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS NOS RAMOS DE NEGÓCIO José Roberto Romeu Roque Presidente da ASERC A QUESTÃO DO CRÉDITO E A RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO Via comparativo da oferta do

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA Diretoria Acadêmica e de Administração fev-2010 Anexo I - PORTARIA Nº 08/2010-DIR Considerando que o melhoramento constante da infra-estrutura física ofertada e a busca

Leia mais

CONSULTA DE LIMITE DE CRÉDITO

CONSULTA DE LIMITE DE CRÉDITO CONSULTA DE LIMITE DE CRÉDITO 1. O que significa Bureau de Crédito? 1 2. Como é definido o Limite de Crédito 2 3. Qual o Bureau utilizado atualmente pelo Grupo Boticário e por quê? 2 4. Fluxo de atribuição

Leia mais

Desdobramento da estratégia em indicadores de gestão. Palestrante: Paulo Ivan de Mello Gerente de Processos e Qualidade Serasa Experian

Desdobramento da estratégia em indicadores de gestão. Palestrante: Paulo Ivan de Mello Gerente de Processos e Qualidade Serasa Experian Desdobramento da estratégia em indicadores de gestão Palestrante: Paulo Ivan de Mello Gerente de Processos e Qualidade Serasa Experian A Experian No mundo líder de mercado Londres Nottingham Grupo de origem

Leia mais

ARTIGO 132 A ESCORAGEM DE CRÉDITO PESQUISA MAIS PROFUNDAMENTE OS DADOS

ARTIGO 132 A ESCORAGEM DE CRÉDITO PESQUISA MAIS PROFUNDAMENTE OS DADOS ARTIGO 132 A ESCORAGEM DE CRÉDITO PESQUISA MAIS PROFUNDAMENTE OS DADOS RESUMO: Escoragem de crédito pode auxiliar na simplificação de operações e eliminação de custos, na redução de perdas, na ampliação

Leia mais

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito 25 de junho de 2010 Sobre este estudo Este estudo foi desenvolvido no início de 2009 e atualizado parcialmente em junho de 2010 2 A operação do cartão

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

Somos distribuidores credenciados da maior empresa de informações de crédito da América latina - SERASA Experian, com isso o associado da nossa

Somos distribuidores credenciados da maior empresa de informações de crédito da América latina - SERASA Experian, com isso o associado da nossa EMPRESA A empresa SCC Check é legalmente constituída e uma das principais empresas no segmento, posição alcançada graças à busca contínua e determinada da plena satisfação de seus clientes e da excelência

Leia mais

Projeto Supervisionado

Projeto Supervisionado Projeto Supervisionado Caio Almasan de Moura ra: 095620 Indice 1. Introdução 2. Principal Projeto: Modelo de Score 2.1. Objetivo... pg 3 2.2. Agentes Envolvidos... pg 3 2.3. Contextualização... pg 3 2.4.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

Crédito Universitário Privado no Brasil

Crédito Universitário Privado no Brasil Crédito Universitário Privado no Brasil Taller Impacto de la Inversión Privada en Educación Superior 19 de maio de 2011 1 MERCADO POTENCIAL PARA O SETOR PRIVADO 2 MERCADO POTENCIAL PARA O SETOR PRIVADO

Leia mais

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos Financiamento de veículos Crédito Pessoa Física Principais Produtos 115 +11% Carteira de Crédito 124 +3% 127 Crédito ao Consumo Veículos R$ Bilhões Pessoa Física Crédito Consignado 1 32 Cartão de Crédito

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 1 Agenda Parte I Risco de Crédito Parte II Estrutura de Cobrança 2 I. Risco de Crédito Visão Geral de Basiléia II Regulamentação Adequação à Resolução

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA ABRIL 2011 1 1. APRESENTAÇÃO A expansão das atividades de ensino e melhoramento da infraestrutura física ofertada tem exigido da Faculdade

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes RELATÓRIO da ADMINISTRAÇÃO - 2012 SENHORES ACIONISTAS A Administração do Banco Luso

Leia mais

FATURAMENTO PRESUMIDO OPÇÕES ADICIONAIS - RELATO

FATURAMENTO PRESUMIDO OPÇÕES ADICIONAIS - RELATO FATURAMENTO PRESUMIDO OPÇÕES ADICIONAIS - RELATO O que é o Faturamento Presumido? O Faturamento Presumido disponibiliza o faturamento anual estimado da maioria das empresas brasileiras no último exercício

Leia mais

Produtos e Serviços Financeiros no Varejo

Produtos e Serviços Financeiros no Varejo Seminário GVcev Produtos e Serviços Financeiros no Varejo Produto Private Label fortalecendo a parceria entre varejo e instituições financeiras Marcelo Noronha Agenda Parceria Produto Private Label Bradesco

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Tabela de Preços das Consultas Serasa

Tabela de Preços das Consultas Serasa Tabela de Preços das Consultas Serasa DESCRIÇÃO DO PRODUTO ALERTA (AL05) R$ 1,60 ALERTA DE CHEQUES PF R$ 1,60 ALERTA DE CHEQUES PJ R$ 1,92 ALERTA DE IDENTIDADE R$ 3,20 ALERTA DE IDENTIDADE - CREDNET PEFIN

Leia mais

Modelos de Escoragem de Crédito Aplicados a Empréstimo Pessoal com Cheque

Modelos de Escoragem de Crédito Aplicados a Empréstimo Pessoal com Cheque Fundação Getúlio Vargas Escola de Pós-Graduação em Economia Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Modelos de Escoragem de Crédito Aplicados a Empréstimo Pessoal com Cheque Dissertação de Mestrado

Leia mais

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros Categoria Setor de Mercado Seguros 1 Apresentação da empresa e sua contextualização no cenário competitivo A Icatu Seguros é líder entre as seguradoras independentes (não ligadas a bancos de varejo) no

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO A análise de crédito é o momento no qual o agente cedente irá avaliar o potencial de retorno do tomador do crédito, bem como, os riscos inerentes à concessão. Tal procedimento

Leia mais

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento (Versão 05/2014) Estas são as Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento, solicitado por você e contratado por meio de digitação de senha ou ligação

Leia mais

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO

GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO 2013 GUIA INFORMATIVO - CARTÕES DE CRÉDITO CARTÕES DE CRÉDITO Definição Cartão de crédito é modalidade de pagamento à vista, objeto de um contrato de adesão entre o consumidor e uma administradora de cartões,

Leia mais

Crédito ao Consumo. Principais Produtos CORRENTISTAS NÃO CORRENTISTAS CRÉDITO PESSOAL CHEQUE ESPECIAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTOS DE VEÍCULOS

Crédito ao Consumo. Principais Produtos CORRENTISTAS NÃO CORRENTISTAS CRÉDITO PESSOAL CHEQUE ESPECIAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTOS DE VEÍCULOS 1 Crédito ao Consumo Principais Produtos CRÉDITO PESSOAL CHEQUE ESPECIAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO CORRENTISTAS NÃO CORRENTISTAS FINANCIAMENTOS DE VEÍCULOS CARTÕES DE CRÉDITO CRÉDITO CONSIGNADO 2 2 Crédito ao

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

Condições Gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ou benefício do INSS

Condições Gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ou benefício do INSS Condições Gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ou benefício do INSS Estas são as condições gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação

Leia mais

Cartilha do Crédito Consignado

Cartilha do Crédito Consignado Cartilha do Crédito Consignado Guia Prático para o Aposentado e Pensionista do INSS apoio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS Caro aposentado ou pensionista Esta cartilha foi elaborada para o seu bem-estar.

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

Marisa Lojas S.A. RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2012

Marisa Lojas S.A. RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2012 Dados de Negociação AMAR3 em 31/mar/12: Preço por ação: R$ 24,85 Número de ações: 185.301.230 Valor de mercado: R$4.605 milhões Teleconferência de Resultados do 1T12: Data: 4 de maio de 2012 Horário: 14:00

Leia mais

Ampla visão corporativa

Ampla visão corporativa Ampla visão corporativa Sobre a DTS Latin America Uma das principais provedoras em alta tecnologia e negócio com atuação na América Latina. Desenvolvemos projetos inovadores para nossos clientes, em diversas

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Estas são as condições gerais do Empréstimo, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições gerais, que serão aplicáveis durante todo o período

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia 1 DE 28 1 Crédito Imobiliário no Brasil Crescimento contínuo e sustentável nos últimos anos, aumento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12 Do Plano de Recuperação ANEXO I 1 A Operadora deverá mencionar em seu Plano de Recuperação, o(s) motivo(s) e problema(s) exposto(s) pela ANS, indicando

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

O atual estágio da implantação do BANCO DO BRASIL

O atual estágio da implantação do BANCO DO BRASIL O atual estágio da implantação do modelo de risco operacional no BANCO DO BRASIL 14 de maio de 2010 1 Agenda I OBancodoBasil Brasil - GandesNúmeos Grandes Números II Estrutura de Gerenciamento de RO III

Leia mais

Material disponível no Espaço Gestor. Material apresentado na reunião do PEX dia 19/11/2015 - Chapecó

Material disponível no Espaço Gestor. Material apresentado na reunião do PEX dia 19/11/2015 - Chapecó Material disponível no Espaço Gestor Material apresentado na reunião do PEX dia 19/11/2015 - Chapecó Criciúma 10/11/2015 CONSEQUÊNCIAS VENDAS INADIMPLÊNCIA O PROBLEMA DO ASSOCIADO É O NOSSO PROBLEMA Vender

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

CRÉDITO Á IMOBILI RIO BB

CRÉDITO Á IMOBILI RIO BB CRÉDITO IMOBILIÁRIO BB Histórico i Mar/2008 Res. 3.549 CMN possibilita ao BB a captar poupança na modalidade SBPE Saldo da Carteira: R$ 384 mil Set/2008 Carteira da Bescri (R$ 63 milhões) é incorporada

Leia mais

Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população

Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população Agenda Missão do Banco Central do Brasil Inclusão Financeira

Leia mais

Análise de Risco de Crédito em Correspondentes Bancários através de Redes Neurais

Análise de Risco de Crédito em Correspondentes Bancários através de Redes Neurais Análise de Risco de Crédito em Correspondentes Bancários através de Redes Neurais Marcelo França Corrêa, Marley Vellasco ICA: Applied Computational Intelligence Laboratory Department of Electrical Engineering

Leia mais

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto:

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto: 1- Do Projeto: O projeto visa dar acesso aos associados de associações comunitárias de Rio Pardo de Minas/MG à compra de produtos em uma rede credenciada local através de um cartão de compras que garanta

Leia mais

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros A experiência da Copel na implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros COPEL Projeto

Leia mais

Estimando Risco e Retorno em Operações de Empréstimo: Estudo de Caso Em Uma Cooperativa de Crédito

Estimando Risco e Retorno em Operações de Empréstimo: Estudo de Caso Em Uma Cooperativa de Crédito Estimando Risco e Retorno em Operações de Empréstimo: Estudo de Caso Em Uma Cooperativa de Crédito RESUMO Autoria: Rudson Franz Rudio Neste trabalho estimou-se os determinantes do lucro (retorno) e da

Leia mais

7ª Edição. A evolução da cobrança: os desafios de um segmento em consolidação. 17 de Julho. HB Hotels São Paulo

7ª Edição. A evolução da cobrança: os desafios de um segmento em consolidação. 17 de Julho. HB Hotels São Paulo 7ª Edição A evolução da cobrança: os desafios de um segmento em consolidação 17 de Julho HB Hotels São Paulo Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização Perfil dos Participantes Diretores, gerentes,

Leia mais

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito Data base 31/12/2014 WU Brasil Rua Tabapuã, 1227, 7º andar - Itaim

Leia mais

Grupo Citi no Brasil

Grupo Citi no Brasil Crédito Consignado Grupo Citi no Brasil Grupo Citi no Brasil Segmento voltado a pessoas físicas e pequenas empresas, com variada gama de produtos e serviços diferenciados. Atendimento exclusivo a pessoas

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO,

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Março de 2015 PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar mar/14 61,0% 20,8%

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Sistema Simulador de Negócios

Sistema Simulador de Negócios Sistema Simulador de Negócios Manual do Usuário Versão 1.4.1 INFORMAÇÕES Setor: Tipo de Documento: CTT Centro de Treinamento Tecnocred Manual de Sistema Última Revisão: 21/09/2012 Versão do Template: 1.0

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista. Fecomercio

Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista. Fecomercio Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista Fecomercio SOBRE A FECOMERCIO Principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços Congrega 152 sindicatos patronais, que abrangem mais

Leia mais

Tudo para que os seus associados tenham ainda mais vantagens nos serviços prestados pela sua cooperativa.

Tudo para que os seus associados tenham ainda mais vantagens nos serviços prestados pela sua cooperativa. Segmento FINANCIAL SERVICES COOPERATIVAS DE CRÉDITO A TOTVS tem soluções de software de gestão que atendem, às necessidades das cooperativas de crédito centrais ou singulares (ligadas ou não a uma cooperativa

Leia mais

CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER

CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER Entenda o que é e como funciona o Cadastro Positivo, antes de optar por aderir ou não. Quanto mais informado, melhor e mais consciente poderá ser a sua opção. Algumas

Leia mais

Valor. Cód. PRODUTO. 13 SPC Mix. 240 SPC Mix Mais. 241 SPC Mix Mais + Participação em empresas. 242 SPC Mix Mais + Ação

Valor. Cód. PRODUTO. 13 SPC Mix. 240 SPC Mix Mais. 241 SPC Mix Mais + Participação em empresas. 242 SPC Mix Mais + Ação Cód. PRODUTO 13 SPC Mix 240 SPC Mix Mais 241 SPC Mix Mais + empresas 242 SPC Mix Mais + Ação 243 SPC Mix Mais + Ação + Participação em empresas 244 SPC Mix Mais + Score 3 245 SPC Mix Mais + Score 12 246

Leia mais

ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA

ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA Segundo deliberação da Diretoria Executiva do Sicoob Cecremef, a partir de 03/12/2012, passam a complementar as Normas para concessão

Leia mais

Teleconferência Resultados 1T10

Teleconferência Resultados 1T10 Teleconferência Resultados 1T10 18 de maio de 2010 Visão Geral da Administração Venda da estrutura de Varejo + Foco no segmento de crédito a Empresas Transferência das atividades de originação e crédito

Leia mais

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado O Caso CREDIAMIGO Conceitos Microfinanças: todos os serviços financeiros para populações de baixa renda, inclusive financiamento ao

Leia mais

TABELA DE CAPTAÇÃO DAS TAXAS DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA PRATICADAS PELAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM 02/05/12

TABELA DE CAPTAÇÃO DAS TAXAS DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA PRATICADAS PELAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM 02/05/12 TABELA DE CAPTAÇÃO DAS S DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA EM 02/05/12 BANCO DO BRASIL BRADESCO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL HSBC MODALIDADES DE CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO 2,94* 13,56* 2,10* 14,99* 1,90* 2,85** 6,03*

Leia mais

IMPORTANTE: O SEU CARTÃO DE CRÉDITO É DIFERENTE DOS CARTÕES DE CRÉDITO TRADICIONAIS NO BRASIL.

IMPORTANTE: O SEU CARTÃO DE CRÉDITO É DIFERENTE DOS CARTÕES DE CRÉDITO TRADICIONAIS NO BRASIL. Sumário Executivo do Contrato de Cartão de Crédito Preocupados em manter a total transparência com você, preparamos um resumo do contrato do seu Cartão. Lembre que este é apenas um resumo e não dispensa

Leia mais

Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada

Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada Estudo elaborado por: Boanerges Ramos Freire boanerges@boanergesecia.com.br Rafael Durer rafael@boanergesecia.com.br Fabricio Winter

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Controle e Venda com o PN Consig O MERCADO

Controle e Venda com o PN Consig O MERCADO O MERCADO Controle e Venda com o PN Consig Mais de 40 milhões de consumidores Deste mercado, estima-se que 58% já realizaram no mínimo uma operação de crédito com desconto consignado. COMO CONTROLAR E

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

Pesquisa de Satisfação

Pesquisa de Satisfação Pesquisa de Satisfação Anualmente a Visão Prev realiza uma Pesquisa de Satisfação com seus participantes. A ação é uma das ferramentas utilizadas pela Entidade para ouvir a opinião dos participantes e

Leia mais