Sustentabilidade no Mercado de Capitais. Sonia Bruck 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sustentabilidade no Mercado de Capitais. Sonia Bruck 1"

Transcrição

1 Sustentabilidade no Mercado de Capitais Sonia Bruck 1 Minha missão nesse evento é um pouco ingrata, pois é difícil tratar de Mercado de Capitais, um assunto pouco conhecido de todos. Posso dizer a vocês que Mercado de Capitais é uma opção que as empresas têm de se financiarem. Então, uma Bolsa de Valores o que é? Ela é capaz de intermediar as ações dos investidores e das empresas: de um lado, há empresas que precisam de investimentos e, do outro, há investidores que buscam empresas para investir. O papel da bolsa de valores, então, é intermediar essa relação. E como abordar a Sustentabilidade no Mercado de Capitais? Proponho começar com uma reflexão sobre esta frase: O futuro não é o resultado de escolhas entre caminhos alternativos oferecidos no presente, mas, um lugar que é criado criado antes na mente e na vontade, depois criado na ação. O futuro não é um lugar para onde estamos indo, mas um lugar que estamos criando. Os caminhos não devem ser encontrados, mas construídos e o ato de construção muda ambos, quem os constrói e o destino. 2 Isso que dizer o quê? Que a sustentabilidade é o futuro? Não, a sustentabilidade é aqui, é agora. O que podemos perceber, pela forma como o mundo está lidando com seus recursos, é que estamos sacando a descoberto. Estamos gastando mais do que a Terra é capaz de produzir. A sustentabilidade exige mudança de paradigma e sabemos que os paradigmas podem demorar muito para serem substituídos por outros. No Século I, Ptolomeu dizia que a Terra era o centro do universo. Essa compreensão, esse modelo de verdade figurou no mundo por pelo menos 1,5 mil anos. Só no Século XVI, Copérnico afirmaria que a Terra não era o centro do universo. Podemos dizer que essa foi uma das maiores mudanças de paradigma científico da humanidade. Percebam que essa mudança levou um século para ser aceita! A questão da sustentabilidade precisa passar pela mudança do paradigma vigente, que se apoia no uso indiscriminado dos recursos. E quais seriam os indutores que poderiam levar a essa mudança necessária? Eu diria que uma mudança de consciência. Para mudar é preciso uma nova consciência. 1 Mestre em Administração e Finanças pela FGV de São Paulo e MBA em Gestão e Empreendedorismo Social na FIA/FEA/USP. Membro do Comitê Brasileiro do Pacto Global e Gerente de Sustentabilidade na BM&F Bovespa SA. Entre outras atividades, já foi coordenadora administrativo-financeira da Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação. É consultora nas áreas de planejamento financeiro e econômico, em análise de projetos e cenários macroeconômicos, gestão e estratégia financeira e avaliação econômica e financeira de empresas. 2 John Scharr

2 O Instituto Ceres 3 trabalha com investidores ao redor do mundo com a proposta de melhorar políticas ambientais, sociais, de governança corporativa e de mudanças climáticas no meio público e empresarial. Como parte da sua missão, lançou e coordena a Investor Network on Climate Risk (INCR), uma aliança de mais de 80 investidores institucionais e instituições financeiras que, juntos, gerenciam mais de $7 trilhões de ativos, por volta de 12% do PIB global. Essa instituição trabalha na perspectiva de que: O mundo não pode mais arcar com o business as usual 4, não tem mais recursos. Nós devemos começar a premiar atividades que assegurem o futuro e desencorajar práticas que degradam nosso meio ambiente e sociedade. (...) Oportunidades crescem destes desafios. Os desarranjos que estamos vendo de uma economia focada nos resultados de curto prazo e crescimento a qualquer custo estão abrindo portas para uma renovação nas práticas de governos, de negócios e de investimentos. Essa é, sem dúvida, uma iniciativa capaz de provocar mudanças! Porque ela sugere e propõe o Investimento Socialmente Responsável (ISR), um processo de investimento que combina a análise das questões ESG ambientais, sociais e de governança com a análise financeira tradicional, buscando otimizar o retorno para os investidores e para a sociedade. Os investidores consideram que empresas sustentáveis geram valor para o acionista no longo prazo, pois elas estão mais preparadas para enfrentar riscos econômicos, sociais e ambientais. O ISR busca a maximização aliada à otimização e isso é difícil num ambiente cada vez mais complexo, em que há muitas variáveis a serem consideradas e interesses, muitas vezes, conflitantes. A solução passa pela conciliação desses interesses, a partir de iniciativas que estimulem o ISR. Iniciativas de Investimento Socialmente Responsável Principles Responsible Investment (PRI) Uma iniciativa de investidores em parceria com UNEP-IF e UN Global Compact, lançada em abril de 2006 e, no Brasil, em 2007, na BM&FBOVESPA. Atualmente, o PRI conta com 860 signatários de 45 países, com mais de US$25 trilhões de ativos sob gestão. O PRI inclui critérios ambientais, sociais e de governança e fornece um marco para o alcance de melhores retornos de investimentos de longo prazo e mercados mais sustentáveis. No Brasil, são 44 signatários. Carbon Disclosure Project (CDP) Uma organização independente, sem fins lucrativos, criada em 2000, financiada pelo Carbon Trust do Governo Britânico e por um grupo de fundações lideradas pela Rockefeller Foundation. A 3 O Instituto Ceres é uma rede de investidores, organizações ambientais e outros grupos de interesse público, sediada em Boston (EUA), que atua com empresas e investidores para lidar com os desafios da sustentabilidade. (www.ceres.org). 4 No mundo dos negócios, segundo a palestrante, a expressão corresponde a dizer que se sempre foi feito dessa forma, deve-se continuar a ser feito dessa forma.

3 organização detém o maior banco de dados global em impacto climático corporativo do mundo. A CDP tem como finalidade acelerar a criação de soluções para mitigar os efeitos do câmbio do clima e representa uma aliança global de 534 investidores institucionais, que administram US$ 64 trilhões de ativos financeiros. As empresas do CDP Brasil são escolhidas com base no índice IBrX da BM&FBOVEPSA, por ordem de liquidez, pertencendo a diversos setores da economia brasileira. As empresas preenchem um questionário, que aborda perguntas sobre estratégias e ações corporativas em torno de Mudanças Climáticas, visando identificar riscos e oportunidades para adequação na decisão de investimento. Em 2010, 54 empresas preencheram o questionário. Eurosif (European Sustainable Investment Fórum) É uma rede pan-europeia e de reflexão, cuja missão é desenvolver a sustentabilidade através dos mercados financeiros. Membros Afiliados da atual Eurosif incluem investidores institucionais, prestadores de serviços financeiros, instituições acadêmicas, associações de pesquisa, sindicatos e ONGs. A entidade, sem fins lucrativos, representa 19 países europeus. Fórum de Investimento Social (FIS) É a associação de membros dos EUA para profissionais, empresas, instituições e organizações envolvidas no investimento socialmente responsável e sustentável. Considera os critérios de governança ambiental, social e empresarial para gerar retorno financeiro e impacto social positivo. Investimento Socialmente Responsável no Brasil º serviço de pesquisa ISR (mercados emergentes) Unibanco; º fundo em mercados emergentes Banco Real (Ethical); 2001 a 2003 Fundos de alcance comunitário dedicam parte da taxa de administração a programas sociais executados por ONGs. Exemplo: CEF (Fome Zero), HSBC (Ação Social); 2004 Itaú Excelência Social adota critérios de seleção: transparência e RSC; 2005 Bovespa lança o Índide de Sustentabilidade Empresarial (ISE). Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) É o quarto índice de sustentabilidade criado no mundo. Podemos definir o ISE como um índice que mede o retorno médio de uma carteira teórica de ações de empresas de capital aberto e listadas na BM&FBOVESPA, semelhante ao Ibovespa. Suas funções são identificar as empresas que se destacam pelo seu compromisso com o desenvolvimento sustentável e alinhamento estratégico com a sustentabilidade, diferenciando-as para os investidores como empresas que têm outras preocupações, que não apenas aquelas ligadas ao retorno financeiro de curto prazo.

4 Essa preocupação com a diferenciação cria um ambiente de investimento compatível com as demandas da sociedade, incentivando a criação de fundos de investimento responsáveis e tornando-se padrão de comparação de seus desempenhos. O ISE é composto por até 40 empresas selecionadas dentre as emissoras das 200* ações mais líquidas. A participação é voluntária e a carteira é revista anualmente, com vigência que vai de 1º de janeiro a 31 de dezembro. A metodologia da seleção baseia-se no questionário elaborado por meio de processo participativo. Esse questionário apresentado às empresas usa critérios relacionados à sustentabilidade em suas diversas facetas e não apenas à liquidez. Essas questões são reunidas em sete grupos: geral, natureza do produto, mudanças climáticas, ambiental, social, economico-financeira e governança corporativa. Os limites do questionário Pode ser considerado suficientemente genérico para se aplicar a diferentes empresas (diferentes por porte e setores de atuação); Equilíbrio entre generalidade x efetividade; Dificuldade em comparar desempenhos qualitativos; Extensão x Profundidade: número de questões viáveis para cada empresa; Questões fechadas e objetivas. Conselho Deliberativo do ISE (CISE) Órgão máximo de governança do índice; Tem como missão garantir um processo transparente de construção do índice e de seleção das empresas; Composto por representantes de nove instituições e presidido pela BM&FBOVESPA Carteira 2010/2011 AES TIETE DURATEX NATURA ANHANGUERA ELETROBRAS REDECARD BICBANCO ELETROPAULO SABESP BRADESCO EMBRAER SANTANDER BANCO DO BRASIL ENERGIAS BR SUL AMERICA BRASKEM EVEN SUZANO PAPEL BRF FOODS FIBRIA TELEMAR CEMIG GERDAU TIM PART S/A CESP GERDAU MET TRACTEBEL COELCE INDS ROMI ULTRAPAR COPASA ITAUSA VALE COPEL ITAUUNIBANCO VIVO CPFL ENERGIA LIGHT S/A

5 Índice Carbono Eficiente (ICO2) Mede o retorno de uma carteira teórica constituída por ações de empresas do IBrX-50 formado pelas 50 ações mais negociadas na Bolsa que aderiram à iniciativa. O indicador é ponderado pelo free float 5 e pelo coeficiente de emissões de gases de efeito estufa (GEE) das empresas. Além das companhias atualmente presentes no IBr-X 50, foram convidadas, no lançamento da primeira carteira, em dezembro de 2010, outras empresas emissoras de ações com alta liquidez na Bolsa e potencial para futuramente ingressar no IBrX-50. Aceitaram voluntariamente participar do ICO2 51 das 58 companhias abordadas. A criação do índice trabalha com a expectativa de gerar impactos nas empresas e no mercado. Nas empresas: espera-se prepará-las para o ambiente competitivo em uma economia de baixo carbono e ainda criar incentivo para divulgação e gestão das emissões nas empresas. No mercado: espera-se dar transparência ao mercado sobre as emissões das empresas brasileiras, criar oportunidades de investimento para investidores sensíveis às questões ambientais e ainda sinalizar ao mercado que as empresas brasileiras estão se preparando para uma economia de baixo carbono. As principais características do ICO2 são: Pioneirismo: metodologia do ICO2 é pioneira no mercado brasileiro e global; Abordagem inclusiva: todas as empresas do índice de referência foram convidadas a participar e interagir para o desenvolvimento da metodologia; Adesão voluntária; Metodologia de cálculo de emissões evolutiva: será revista pela BM&FBOVESPA e BNDES periodicamente, no sentido de promover o progressivo engajamento das empresas nas políticas de mudanças climáticas; Especificidade brasileira: considera aspectos locais no cálculo de emissões. Esse, então, foi um panorama sobre a questão da sustentabilidade e o mercado de capitais no Brasil e no mundo. Eu quero dizer a vocês que essas questões dependem de mudanças e elas ocorrem por três motivações: Pelo amor: são iniciativas de pessoas apaixonadas pelo tema dentro de uma empresa, que acreditam na causa e que trazem o debate à tona, estimulando os investimentos capazes de gerar mudanças. Pela dor: quando ocorrem perdas financeiras ou de imagem ou ainda quando a adesão ocorre em função de imposição legal ou do próprio mercado. É quando 5 Significa o número de ações livres de uma empresa cotadas na bolsa de valores.

6 alguém diz ou você adota práticas sustentáveis ou não fazemos mais negócios com sua empresa. Pela inteligência: essa é a melhor forma e se constitui em um diferencial que distingue a empresa pela inovação e pela liderança.

Desafios e Perspectivas no Ambiente Interno como Agente de Indução e Mobilização 14/09/2010

Desafios e Perspectivas no Ambiente Interno como Agente de Indução e Mobilização 14/09/2010 Desafios e Perspectivas no Ambiente Interno como Agente de Indução e Mobilização 14/09/2010 31 de março de 2010 Uma das maiores bolsas do mundo É a terceira maior bolsa do mundo, com valor de mercado de

Leia mais

Aspectos e Impactos de Responsabilidade Social

Aspectos e Impactos de Responsabilidade Social Aspectos e Impactos de Responsabilidade Social Redes sociais O que está impulsionando as empresas www.propagandasustentavel.com.br O que está impulsionando as empresas Rentabilidade: O ISE tem por objetivo

Leia mais

Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1

Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Sustentabilidade em Bolsas de Valores Estímulo à transparência e ao desempenho socioambiental das empresas listadas Critérios mínimos de listagem.

Leia mais

METODOLOGIA DO ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (ISE)

METODOLOGIA DO ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (ISE) METODOLOGIA DO ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (ISE) Abril/2015 [data] METODOLOGIA DO ÍNDICE DE O ISE é o resultado de uma carteira teórica de ativos, elaborada de acordo com os critérios estabelecidos

Leia mais

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade OQUEABOLSATEMA A VER COM SUSTENTABILIDADE? Aplicar na Bolsa, visando à formação de patrimônio ou reservas para a utilização futura, envolve normalmente um horizonte de longo prazo. Selecionar empresas

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Comunitas e BISC 2013

Comunitas e BISC 2013 Comunitas e BISC 2013 A Comunitas: parcerias para o desenvolvimento solidário foi criada em 2000 pela Dra. Ruth Cardoso com o objetivo de promover o desenvolvimento social do Brasil por meio do engajamento

Leia mais

Dimensão Ambiental das Empresas do ISE da BM&FBOVESPA em 2013: Classificação pelo Impacto da Escala Econômica

Dimensão Ambiental das Empresas do ISE da BM&FBOVESPA em 2013: Classificação pelo Impacto da Escala Econômica Dimensão Ambiental das Empresas do ISE da BM&FBOVESPA em 2013: Classificação pelo Impacto da Escala Econômica DI AGUSTINI, C. A. a*, VENDRAMETTO, L. P. b, GIANNETTI, B. F. c a. Universidade Municipal de

Leia mais

Análise das empresas excluídas da carteira do ISE no período de 2005 a 2012

Análise das empresas excluídas da carteira do ISE no período de 2005 a 2012 Análise das empresas excluídas da carteira do ISE no período de 2005 a 2012 Resumo Este trabalho teve por objetivo identificar quais as empresas que foram excluídas da carteira que compõe o Índice de Sustentabilidade

Leia mais

O valor de ser sustentável

O valor de ser sustentável Visão Sustentável O valor de ser sustentável Os investimentos socialmente responsáveis vêm ganhando espaço mundialmente. No Brasil, há fundos de ações com foco em sustentabilidade, além do ISE Criselli

Leia mais

Objetivos do Pacto Global da ONU

Objetivos do Pacto Global da ONU nossa missão global Objetivos do Pacto Global da ONU A maior iniciativa voluntária do mundo para a responsabilidade corporativa está presente em 145 países com mais de 8 mil participantes corporativos.

Leia mais

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade OQUEABOLSATEMA A VER COM SUSTENTABILIDADE? Aplicar na Bolsa, visando à formação de patrimônio ou reservas para a utilização futura, envolve normalmente um horizonte de longo prazo. Selecionar empresas

Leia mais

A experiência do Carbon Disclosure Project no Brasil, para a governança climática de companhias de capital aberto

A experiência do Carbon Disclosure Project no Brasil, para a governança climática de companhias de capital aberto A experiência do Carbon Disclosure Project no Brasil, para a governança climática de companhias de capital aberto Contexto empresarial: Impactos financeiros e vantagem competitiva GOVERNANÇA CLIMÁTICA

Leia mais

O ÍNDICE I) CARACTERÍSTICAS GERAIS

O ÍNDICE I) CARACTERÍSTICAS GERAIS O ÍNDICE I) CARACTERÍSTICAS GERAIS O Índice Carbono Eficiente (ICO2) Brasil, registrado sob o código ISIN BRECOOCTF008, é um índice de mercado que mede o retorno de um investimento em uma carteira teórica

Leia mais

Principais estudos e a perspectiva dos investidores. Roberta Simonetti GVces

Principais estudos e a perspectiva dos investidores. Roberta Simonetti GVces O VALOR DO ISE Principais estudos e a perspectiva dos investidores Roberta Simonetti GVces Conteúdo Principais tendências: investidores e executivos Risco vs. Retorno Ganhos de valor Valores tangíveis

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

A popularização e expansão do mercado de capitais. Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010

A popularização e expansão do mercado de capitais. Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010 A popularização e expansão do mercado de capitais Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010 POPULARIZAÇÃO Objetivos dos Programas de Popularização Divulgar os segmentos de atuação da

Leia mais

ENEGEP 2013. Relatórios de Sustentabilidade GRI

ENEGEP 2013. Relatórios de Sustentabilidade GRI ENEGEP 2013 Relatórios de Sustentabilidade GRI 11 de Outubro 2013 1 Sustentabilidade, Sociedade e Mercado Recursos Ambientais Recursos Sociais SUS TENTA BILIDADE Recursos Econômico- Financeiros Adaptado

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

Sustentabilidade e formação de lideranças

Sustentabilidade e formação de lideranças Sustentabilidade e formação de lideranças ForGRAD Fórum de Pró-Reitores de Graduação das Universidades Brasileiras Foz do Iguaçu, 24 de novembro de 2011 O MUNDO MUDOU... A sociedade se organiza em redes,

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br PROJETOS ESPECIAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 13º EVENTO TEMA: Investimentos socialmente responsáveis:

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial

Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial Referência mundial em sustentabilidade, com Bolsa de Johanesburgo, pelo Relatório Bolsas de Valores Sustentáveis Relatório de Progresso,

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DE INVESTIMENTO SOCIAL: UM ESTUDO DAS CEM MAIORES EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO BRASIL NO ANO DE 2009.

ANÁLISE DO PERFIL DE INVESTIMENTO SOCIAL: UM ESTUDO DAS CEM MAIORES EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO BRASIL NO ANO DE 2009. ANÁLISE DO PERFIL DE INVESTIMENTO SOCIAL: UM ESTUDO DAS CEM MAIORES EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO BRASIL NO ANO DE 2009. Maria Carolina Domingues Franco 1 ; Michel Mott Machado 2 ; Ricardo Trovão 3 Estudante

Leia mais

Investimento Sustentável no Brasil 2009

Investimento Sustentável no Brasil 2009 RelatóriosNacionaisdaIFCsobreInvestimentoSustentável: InvestimentoSustentávelnoBrasil2009 Relatório Final Abril de 2009 w w w. t e r i e u r o p e. o r g w w w. d e l s u s. c o m RelatóriosNacionaisdaIFCsobreInvestimentoSustentável:

Leia mais

Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional,

Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional, Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional, Planejamento Estratégico e Governança Corporativa Palestras Temáticas e Motivacionais v.03/15 Neurotreinamentos Neurobusiness

Leia mais

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 www.cdp.net @CDP Agenda O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 O que é Organização internacional que trabalha com as principais forças do mercado para motivar as empresas e cidades

Leia mais

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança Favor indicar o departamento no qual opera: 16% 5% Relações externas, Comunicação N=19 79% Estratégia e inovação Gestão de Risco Outros Meio Ambiente, saúde e segurança Outros: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009 Responsabilidade Social Empresarial em Empresas Construtoras case Even Ruth Goldberg 04 de junho de 2009 Alinhando conceitos: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E C O N Ô

Leia mais

Reunião do Conselho Empresarial de Responsabilidade Social. Sustentabilidade Corporativa

Reunião do Conselho Empresarial de Responsabilidade Social. Sustentabilidade Corporativa Reunião do Conselho Empresarial de Responsabilidade Social Sustentabilidade Corporativa F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O S U S T E N T Á V E L Índice A FBDS Sustentabilidade

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade

Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade SUSTENTABILIDADE Fonte figura: Projeto Sigma Paula Chies Schommer CIAGS/UFBA Novembro 2007 O que define uma empresa como sustentável? 2 Objetivos

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

Workshops de Revisão Março 2015

Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de revisão do questionário Agenda 14h-15h Abertura / Rodada de apresentações / Introd. do Coord. (1h) 15h- 16h Debate em grupos (1h) 16h- 16h15 Intervalo (15')

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

O Investimento Social no Brasil & Inglaterra

O Investimento Social no Brasil & Inglaterra O Investimento Social no Brasil & Inglaterra Márcia Woods IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social 1ª Conferência sobre Investimento Social Estrangeiro no Brasil 23 de novembro de 2009

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Evento de Lançamento do Processo ISE 2015

Evento de Lançamento do Processo ISE 2015 Evento de Lançamento do Processo ISE 2015 25 de fevereiro de 2015 Carteira ISE 2015 R$ 1.224.784.660.586,93-49,87% do valor total de mercado (base 24/11/2014) Carteira ISE 2015 R$ 1.224.784.660.586,93-49,87%

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade 1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade Curitiba 30 de outubro de 2012 Agenda Sustentabilidade: Várias Visões do Empresariado Desenvolvimento sustentável;

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

09:00h Abertura: Alex Costa Cavalcante Gerente Executivo de Compras Bradesco. 09:10h Vídeo Institucional do Bradesco

09:00h Abertura: Alex Costa Cavalcante Gerente Executivo de Compras Bradesco. 09:10h Vídeo Institucional do Bradesco Agenda 09:00h Abertura: Alex Costa Cavalcante Gerente Executivo de Compras Bradesco 09:10h Vídeo Institucional do Bradesco 09:20h CDP Mudanças Climáticas e CDP SupplyChain: Marcelo Rocha -Diretor do CDP

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas

Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas 2 www.nbs.com.br Soluções eficazes em Gestão de Negócios. Nossa Visão Ser referência em consultoria de desenvolvimento e implementação de estratégias,

Leia mais

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios Princípios de Emponderamento da Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade significa negócios Igualdade significa Negócios Igualdade significa Negócios da Mulheres Princípios de Emponderamento

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS?

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia, romeroalbuquerque@bol.com.br

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

O papel da comunicação na formação da reputação corporativa

O papel da comunicação na formação da reputação corporativa O papel da comunicação na formação da reputação corporativa Nelson Letaif Porto Alegre, 22 de janeiro de 2007 1 Grandes Mudanças Contexto Global De regras para valores Da informação para o conhecimento

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

COP 2011 - Visão Sustentável

COP 2011 - Visão Sustentável COP 2011 - Visão Sustentável A Visão Sustentável é uma consultoria brasileira especializada em Responsabilidade Social Corporativa e Sustentabilidade, trabalhando com o desenvolvimento de ferramentas e

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011 Pesquisa IBOPE Ambiental Setembro de 2011 Com quem falamos? Metodologia & Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas telefônicas. Objetivo geral Identificar

Leia mais

Workshops de Revisão Março 2015

Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de Revisão Março 2015 Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVces) Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP) GVces Criado em 2003, o GVces é uma iniciativa da

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

O papel das instituições financeiras na transição para uma economia verde

O papel das instituições financeiras na transição para uma economia verde 191 1 O debate começou a ganhar corpo na década de 1970 e se intensificou na virada do século: deve haver um limite para o crescimento, já que a economia faz parte de um sistema, o planeta Terra, cujo

Leia mais

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE Roberto Strumpf 01.06.2011 Mensuração e Gestão de GEE Conteúdo A economia de baixo carbono Mensuração de emissões Programa Brasileiro GHG Protocol Gestão de emissões Plataforma Empresas Pelo Clima Economia

Leia mais

Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade

Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade Mudanças Climáticas - Caminhos e Soluções Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade ECOLATINA - 2007 Breve histórico: 1972: Conferência sobre Meio Ambiente ONU / Estocolmo 1980: Superfund -

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal Discurso 04/12/2003 Dr. Alfredo Setubal Presidente do Conselho de Administração do IBRI - Instituto Brasileiro de Relações com Investidores Boa Noite! Esta cerimônia de final de ano é a minha última à

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL

DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL 3T11 Sumário Sumário...1 Índice de Tabelas...2 Índice de Figuras...3 Desempenho Socioambiental...4 Negócios com Ênfase Socioambiental...5 Ecoeficiência...7 Relações com Funcionários...9

Leia mais

Na sexta-feira (24), são aguardados os resultados de Fibria, Hypermarcas, Souza Cruz e Tractebel.

Na sexta-feira (24), são aguardados os resultados de Fibria, Hypermarcas, Souza Cruz e Tractebel. Page 1 of 5 20/4/2015 07:41:42 - EMPRESAS E SETORES CALENDÁRIO DE BALANÇOS: USIMINAS, FIBRIA E HYPERMARCAS INAUGURAM SAFRA DE DIVULGAÇÃO DO 1TRI15 São Paulo, 20/04/2015 - A temporada de divulgação de balanços

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Filmes. Na mídia... Gestão de RH. Responsabilidade Social Empresarial. Prof. Rafael Marcus Chiuzi. Sesi responsabilidade social Duração: 2 09

Filmes. Na mídia... Gestão de RH. Responsabilidade Social Empresarial. Prof. Rafael Marcus Chiuzi. Sesi responsabilidade social Duração: 2 09 Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Responsabilidade Social Empresarial Filmes Sesi responsabilidade social Duração: 2 09 Na mídia... Empresa socialmente responsável. Responsabilidade social corporativa.

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Lançamento da 7ª carteira Perfil das empresas

Lançamento da 7ª carteira Perfil das empresas Lançamento da 7ª carteira Perfil das empresas CARACTERÍSTICAS Composto por até 40 empresas selecionadas entre as Emissoras das 200 ações mais líquidas na BM&FBOVESPA. Participação voluntária Carteira revista

Leia mais

FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS

FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) abre inscrições para o curso elearning:

Leia mais

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS www.empreende.com.br emp@empreende.com.br FAZENDO ACONTECER Programa de ensino de empreendedorismo inovador em nível mundial, desenvolvido

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Estratégia e Desenvolvimento Sustentável. Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial. Aula 6

Estratégia e Desenvolvimento Sustentável. Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial. Aula 6 Estratégia e Desenvolvimento Sustentável Aula 6 Prof. Marcos Rogério Maioli rogeriomaioli@grupouninter.com.br Investimentos com Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial MBA em Planejamento

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais