A GESTÃO PARA RESULTADOS COMO FERRAMENTA ADMINISTRATIVA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO PARA RESULTADOS COMO FERRAMENTA ADMINISTRATIVA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR"

Transcrição

1 A GESTÃO PARA RESULTADOS COMO FERRAMENTA ADMINISTRATIVA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR Banca Examinadora Prof. Orientador Luiz Carlos Merege Prof. Marilson Alves Gonçalves Prof. Peter Kevin Spink

2 À Juliana e Ana Thereza, pelo amor, estímulo e paciência Aos meus pais, pelos valores e educação À Sra. Nena e ao Sr. Galves, pelo exemplo de solidariedade FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

3 ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO LUIZ RODOVIL ROSSI JR. A GESTÃO PARA RESULTADOS COMO FERRAMENTA ADMINISTRATIVA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR Dissertação apresentada ao Curso MBA da FGV/EAESP Área de Concentração : Organização, Recursos Humanos e Planejamento, como requisito para obtenção de título de Mestre em Administração. Orientador : Prof. Dr. Luiz Carlos Merege SÃO PAULO 1998

4 ROSSI Jr., Luiz Rodovil. A Gestão para Resultados como Ferramenta Administrativa nas Organizações do Terceiro Setor: São Paulo: EAESP/FGV, p. ( Dissertação de Mestrado apresentada ao curso de Master in Business Administration da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, Área de Concentração: Organização, Recursos Humanos e Planejamento) Resumo: Trata de apresentar a gestão para resultados como ferramenta administrativa na aplicação do planejamento estratégico na organização do terceiro setor. Parte da premissa que o desempenho de uma organização que não visa o lucro só poderá ser otimizado e apresentado corretamente através de objetivos claros vinculados à missão e com a elaboração e o monitoramento de metas e indicadores de desempenho quantificáveis que levantem informações que sirvam de referência para planos de ação. Palavras-Chaves: Terceiro setor; planejamento estratégico; gestão para resultados; eficiência e eficácia; missão, objetivos estratégicos, planejamento de metas e monitoramento de indicadores de desempenho. ÍNDICE

5 Introdução Primeira Parte : Terceiro Setor Significado Motivos de crescimento Parceiro do Estado Parceiro de empresas Promotor de empregos Promotor da cidadania, valores e satisfação pessoal Segunda Parte : Resultados como Veículo para a Credibilidade Terceira Parte : Gestão para Resultados Planejamento, ação e controle A ferramenta administrativa de gestão para resultados Missão Diagnóstico do ambiente Objetivos estratégicos Indicadores de desempenho Metas de desempenho Monitoramento do desempenho Planos de ação Exemplo de aplicação Considerações Finais Bibliografia Anexos AGRADECIMENTOS

6 Almir Pereira Júnior, Antonio Jacinto Caleiro Palma, Clovis Bueno de Azevedo, Ines Pereira, Liane Marcondes, Maria Célia Cruz, Maria Rita Loureiro Durand, Mário Aquino Alves, Marilson Alves Gonçalves, Peter Spink e Rebeca Raposo pelos ensinamentos. Faezeh Shaikhzadeh Santos, João Roncati, Marcos Kisil, Oded Grajew Roberto Galassi Amaral pela atenção e auxílio. e Luiz Carlos Merege, pelos ensinamentos e orientação.

7 Qualquer coisa que você possa fazer ou sonhar, comece. A ousadia contém genialidade, poder e mágica. Goethe

8 INTRODUÇÃO 1

9 Cresce a confiança depositada nas organizações de um setor em constante e forte expansão no Brasil e no mundo: o chamado terceiro setor. Neste setor as organizações são privadas e sem fins lucrativos e complementam as iniciativas do setor governamental e do setor privado no atendimento de diversas necessidades da sociedade e na formação de um sistema econômico mais justo e democrático. Nestas organizações se encontram, em sua grande maioria, os indivíduos que valorizam o ser humano de uma maneira intensa e que estão inconformados com as desigualdades sociais e econômicas que a lógica da economia de mercado acaba ignorando, e que o Estado do bem-estar social se mostrou incapaz de resolver. O crescimento da consciência comunitária encontra, nestas organizações, um ambiente favorável a sua aplicabilidade. Os valores predominantes, bastante adequados para o desenvolvimento dos que trabalham nestas organizações, são: democracia, transparência, coletividade, flexibilidade e criatividade. As organizações do terceiro setor conseguem, pela qualidade intrínseca de sua missão, motivar e comprometer seus colaboradores, facilitando a criação de um ambiente participativo e recompensador. Quem nelas trabalha sabe que está construindo sua felicidade pessoal e social e que lá existe uma via de mão dupla onde quem ajuda está se ajudando. A busca da eficiência e eficácia no atendimento da missão das organizações do terceiro setor é o principal escopo deste trabalho. Estas organizações, que 2

10 não têm o lucro como objetivo, tendem a não dar prioridade ao desempenho e aos resultados, além destes serem difíceis de medir e controlar. A crescente consciência por parte das organizações do terceiro setor da necessidade de demonstrar resultados para todas as partes interessadas, os stakeholders, aliada a uma maior competição por recursos nem sempre facilmente disponíveis, propiciou uma abertura cada vez maior nestas organizações para a utilização de métodos administrativos profissionais, habitualmente utilizados no setor privado ou mesmo público. A gestão para resultados é a ferramenta administrativa apropriada para um gerenciamento focado em resultados, que une a missão aos planos de ação que fazem parte do dia a dia da organização, e que também serve como importante instrumento de comunicação do desempenho tanto interna como externamente. A gestão para resultados já é utilizada no setor privado e é especialmente útil para as organizações do setor público e do terceiro setor, que normalmente carecem de indicadores quantitativos para justificar com resultados mensuráveis a sua atuação. A primeira parte deste trabalho define o terceiro setor e apresenta através de informações coletadas em seminários, livros, e artigos de jornais e revistas, os principais motivos de seu crescimento: a parceria com os setores público e privado e a constatação do potencial das organizações da sociedade civil em gerar empregos e em promover a cidadania, valores e a satisfação pessoal. 3

11 A segunda parte é a apresentação de entrevistas com importantes dirigentes de organizações do terceiro setor que confirmam a importância fundamental de apresentar resultados como veículo para a credibilidade das organizações do terceiro setor, ao mesmo tempo que validam a gestão para resultados como uma ferramenta administrativa adequada para este fim. A terceira parte apresenta a ferramenta de gestão para resultados. Inicialmente é destacada a importância do ciclo planejamento, ação e controle estar implantado na organização que pretende ser eficiente e eficaz. A seguir, é explicada a ferramenta administrativa gestão para resultados e todas as etapas necessária para sua implantação: declaração da missão, diagnóstico do ambiente, definição dos objetivos estratégicos, desenvolvimento dos indicadores, determinação das metas de desempenho com o uso de referenciais, monitoramento dos indicadores de desempenho e a prática e o acompanhamento dos planos de ação. A terceira parte é concluída com um exemplo de aplicação da ferramenta gestão para resultados e, por fim, são apresentadas as considerações finais. 4

12 PRIMEIRA PARTE TERCEIRO SETOR 5

13 1. Significado O terceiro setor compreende as organizações sociais que não são nem estatais nem privadas, ou seja, mesmo sendo privadas não visam o lucro e, por outro lado, mesmo sendo motivadas por objetivos sociais, não são estatais. Estas organizações da sociedade civil abrangem as fundações, institutos, organizações não governamentais, organizações ambientalistas, associações de bairro, cooperativas, entidades assistenciais e instituições religiosas de assistência. Gilberto Dimenstein no livro Aprendiz do futuro: cidadania hoje e amanhã, define assim o terceiro setor: O conjunto de atividades das organizações da sociedade civil, portanto das organizações criadas por iniciativas privadas de cidadãos, com o objetivo de prestação de serviços ao público ( saúde, educação, cultura, habitação, direitos civis, desenvolvimento do ser humano, proteção do meio ambiente). Alardeado como um novo setor da economia na mais franca expansão, pode ser o equilíbrio buscado entre as atividades capitalistas - por gerar empregos - e as de assistência social - por não ter o lucro como meta principal, mas o bem-estar da sociedade, neste problemático final de milênio para as economias tradicionais. O que principalmente agrupa estas organizações em um setor é serem iniciadas e administradas por indivíduos que acreditam que mudanças são necessárias e que eles mesmos podem fazer alguma coisa para que estas mudanças aconteçam. 6

14 No livro Privado porém público: o terceiro setor na América Latina, Rubem César Fernandes coloca como razão de ser das organizações do terceiro setor o exercício e a promoção aos valores que ultrapassam a utilidade, enquanto um fim em si mesmos: Palavras como gratidão, lealdade, caridade, amor, compaixão, responsabilidade, solidariedade, verdade, beleza, etc. são moedas de troca correntes que alimentam o patrimônio do setor. Quanto mais sonoras e convincentes forem, maiores recursos advirão para as atividades que o compõem. Sua existência oferece um índice de vitalidade social de valores morais, estéticos e religiosos. No mesmo livro, Dr. Marcos Kisil, diretor regional para a América Latina e Caribe da W. K. Kellogg Foundation, menciona as seguintes características para analisar as organizações do terceiro setor, quando comparadas com outros tipos de organizações: Elas não têm fins lucrativos, são formadas, total ou parcialmente, por cidadãos que se organizam de maneira voluntária, o corpo técnico normalmente resulta de profissionais que geralmente se ligam à organização por razões filosóficas e tem um forte compromisso com o desenvolvimento social, são organizações voltadas para a ação, são flexíveis, inovadoras, rápidas e próximas às comunidades locais, e geralmente fazem um papel intermediário: ligam o cidadão comum com entidades e organizações que podem participar da solução de problemas identificados. 2. Motivos do crescimento 7

15 Nos últimos anos percebemos um despertar no Brasil para os benefícios de um terceiro setor fortalecido. Os seminários, cursos, livros e artigos na mídia impressa tem se multiplicado e partem de entusiastas de todos os setores da economia, que independente de suas ideologias, promovem o crescimento do terceiro setor. Em pesquisa para mensurar o tamanho do terceiro setor no Brasil, coordenada por Leilah Landim do ISER - Instituto de Estudos da Religião em conjunto com a Universidade John Hopkins dos Estados Unidos, é constatado um crescimento da mão-de-obra ocupada pelas organizações não governamentais no Brasil entre 1991 e 1995 de 45,16%. Este número se torna ainda mais relevante se compararmos com o crescimento no mesmo período de 9,76% no setor público e 27,09% no setor privado. O potencial de crescimento é percebido com a verificação que no Brasil o terceiro setor ainda representa 8,8% de toda atividade social enquanto que nos Estados Unidos é 33%, na Inglaterra 34% e na França 30%. Nos Estados Unidos existem 32 mil fundações com patrimônio aproximado de US$ 32 bilhões, distribuindo anualmente cerca de US$ 8,3 bilhões em verbas. Lá as contribuições individuais superam os US$ 100 bilhões anuais e respondem por 90 % dos fundos doados às entidades. A estes valores adiciona-se ainda o valor das horas de contribuições voluntárias que esta calculado em US$ 176 bilhões. Uma pesquisa realizada com a coordenação da John Hopkins University apresentou dados do terceiro setor para sete países: Estados Unidos, Japão, 8

16 reino Unido, Alemanha, França, Itália e Hungria. Esta pesquisa aponta que o terceiro setor movimenta anualmente US$ 340 bilhões nos Estados Unidos, US$94 bilhões no Japão, US$ 21 bilhões na Itália, US$ 4 bilhões na Hungria e cerca de US$ 40 bilhões na Alemanha, no Reino Unido e na França. O terceiro setor gera nestas economias emprego remunerado para cerca de 12 milhões de pessoas sendo que 7 milhões só nos Estados Unidos. São várias as razões para o crescimento: reconhecimento pelo Estado da necessidade de fazer parcerias com organizações da sociedade civil para o atendimento das diversas carências da sociedade; reconhecimento por parte das empresas privadas da necessidade e vantagens em mostrar sensibilidade aos problemas sociais; reconhecimento do potencial de absorção por parte das organizações da sociedade civil de mão de obra dispensada pelo Estado e pela iniciativa privada; percepção da maior satisfação e realização pessoal dos que trabalham nas organizações da sociedade civil e da capacidade elevada destas organizações em promover a cidadania e os valores éticos. Estes motivos de crescimento do terceiro setor foram identificados em diversos congressos, seminários, livros e artigos de jornais e revistas. 2.1 Parceiro do Estado 9

17 O crescimento do terceiro setor acontece principalmente pela evidente incapacidade atual do Estado em suprir as necessidades da sociedade. A tendência é que a reforma do Estado e a conseqüente diminuição de seu tamanho, como solução para seu enorme déficit, abra caminho a uma parceria cada vez maior com o terceiro setor no atendimento da sociedade. Luiz Carlos Bresser Pereira, ministro da Administração Federal e Reforma do Estado e professor da Fundação Getúlio Vargas, em artigo no jornal Folha de São Paulo, prevê: O século 21 será o século da propriedade pública nãoestatal, uma forma de defesa dos direitos sociais mais eficiente, porque mais competitiva e flexível ( a burocracia estatal é, por definição, monopolista), e mais democrática, porque diretamente submetida ao controle social. O Estado que está surgindo da crise garantirá os direitos sociais ao financiar as organizações públicas não-estatais. Dessa forma, continuará a ser um Estado social, mas deixará de ser um estado burocrático. Como parte do projeto de reforma do Estado encaminhado pelo ministro Bresser Pereira foram criadas as Organizações Sociais. Elas são uma forma de organização pública não-estatal constituídas pelas associações civis sem fins lucrativos destinada a absorver atividades publicizáveis mediante qualificação específica. Publicização é um movimento em direção ao terceiro setor no sentido de responsabilizá-lo, através de um contrato de gestão, pela execução de serviços que não envolvem o exercício do poder de Estado, mas devem ser subsidiados pelo Estado, como é o caso dos serviços de educação, saúde, 10

18 cultura e pesquisa científica. É portanto uma parceria entre Estado e sociedade para seu financiamento e controle. O modelo institucional das organizações sociais apresenta vantagens claras sobre as organizações estatais atualmente responsáveis pela execução de atividades não-exclusivas. Do ponto de vista da gestão de recursos, as organizações sociais não estão sujeitas às normas que regulam a gestão de recursos humanos, orçamento e finanças, compras e contratos na administração pública. Há portanto ganhos significativos de agilidade e qualidade na seleção, contratação, manutenção e desligamento de funcionários, e nas aquisições de bens e serviços. A avaliação da gestão de uma organização social se dá mediante o cumprimento de metas estabelecidas no contrato de gestão, ao passo que nas entidades estatais o que predomina é o controle dos meios. O ministro do trabalho Edward Amadeo, em artigo Cresce a importância das ONG no jornal Gazeta Mercantil sobre o seminário A contribuição do terceiro setor para o desenvolvimento sustentado do País, destaca o crescimento e a importância das organizações sociais e sem fins lucrativos à medida que se reconhece a impossibilidade do setor público e privado de suprirem as necessidades sociais. Para ele as metas sociais do governo incluem a busca da ação integrada, a descentralização do governo federal e a interação entre a sociedade e o Estado. A primeira dama Ruth Cardoso, no livro 3º Setor: desenvolvimento social sustentado, organizado por Evelyn Ioschpe, mostra sua convicção que o 11

19 conceito de terceiro setor descreve um espaço de participação e experimentação de novos modos de pensar e agir sobre a realidade social. Ela reconhece que a ação do terceiro setor no enfrentamento de questões diagnosticadas pela própria sociedade, oferece modelos de trabalho que representam modos mais eficazes de resolver problemas sociais: A grande contribuição do terceiro setor, é a busca e experimentação, ainda que em pequena escala, de soluções inovadoras para os problemas que ele se propõe a enfrentar. As organizações da sociedade civil ganharam uma competência no modo de se relacionar e intervir junto a grupos sociais específicos. Para serem bem sucedidas, iniciativas voltadas para estes grupos mais frágeis e vulneráveis requerem regras e modos de atuação que só se constróem através da ação e experimentação. Foi a crença na existência, relevância e potencialidade de um terceiro setor, não-lucrativo e não-governamental, que inspirou o desenho do programa que Ruth Cardoso coordena através do Conselho da Comunidade Solidária. 2.2 Parceiro de empresas O professor Luiz Carlos Merege, economista, professor titular da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo e coordenador do CETS, Centro de Estudos do Terceiro Setor da FGV, em artigo O terceiro setor e a nova ética empresarial na Revista da Indústria da FIESP - Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, destaca também a importância crescente que será dada no julgamento das 12

20 empresas ao balanço social, e não só aos seus resultados econômicosfinanceiros. O balanço social já faz parte da campanha publicitária de algumas empresas que tem se engajado em causas sociais ou ambientais. A tendência é que esta conduta tenha um efeito multiplicador a partir do reconhecimento da sociedade, do serviço público que estas empresas estão cumprindo. Oded Grajew, empresário e coordenador geral da Cives, Associação Brasileira de Empresários pela Cidadania, em artigo da revista Caros Amigos, cita uma publicação americana, Melhores Empresas para Você Trabalhar, que será feita também no Brasil, que indica as empresas que tem responsabilidade social. Esta indicação acaba influenciando a escolha dos formandos talentosos na busca de emprego e ainda: Muitos fundos de investimento hoje só tem ações de empresas consideradas responsáveis. São as que tem critério, pensam no meio ambiente, tem auditoria social etc. E as pessoas só colocam seus recursos nelas por causas desses valores sociais. As empresas se interessam em ser socialmente responsáveis. Porque dá mais lucro. Stephen Kanitz, professor e consultor, criador do prêmio Bem Eficiente, em artigo Capitalismo beneficente, na revista Veja, fala da necessidade de aprimorar o capitalismo para que ele produza bens e serviços de que as pessoas precisam. A este respeito acredita que alguns empresário estão indo para esta direção: Estão gastando tempo, recursos organizacionais e dinheiro em atividades beneficentes e filantrópicas simplesmente porque 13

21 acreditam que as empresas precisam produzir também bens que a sociedade quer. 2.3 Promotor de empregos O professor Luiz Carlos Merege em artigo na revista Isto É, além de ressalvar a importância do apoio mútuo entre os setores público, privado e terceiro setor, aponta o crescimento deste último: Um fenômeno está mudando a cara do capitalismo. Trata-se da formalização de um setor que até recentemente permaneceu sem identidade. Além de ganhar visibilidade, este setor quando mensurado em termos econômicos, tem causado surpresas aos estudiosos. A sua participação no PIB e o seu peso no mercado de trabalho são bastantes significativos. O que mais chama a atenção é que enquanto no Estado e no setor privado o emprego vem minguando em todos países, o crescimento do emprego nesse setor é um fato que gera esperança na nossa era de exclusão social. O economista americano Jeremy Rifkin, autor de mais de uma dúzia de livros sobre tendências econômicas e questões relacionadas à ciência, tecnologia e cultura, apresenta em seu livro O fim dos empregos a sua visão sobre a importância do terceiro setor na geração de empregos no futuro próximo: Até agora, o mundo tem estado tão preocupado com o funcionamento da economia de mercado que a idéia de dar mais atenção à economia social tem sido pouco considerada, tanto pelo público quanto pela política governamental. Isto deve mudar nos próximos anos, quando ficar cada vez mais claro que um terceiro setor transformado oferece a única arena viável para canalizar de modo construtivo a mão-de-obra excedente, descartada 14

22 pelo mercado global. A globalização do setor de mercado e a diminuição do papel do setor governamental significarão que as pessoas serão forçadas a se organizarem em comunidades de interesses próprios para garantirem seu próprio futuro. O sucesso da transição para uma era pós-mercado dependerá em grande parte da capacidade de um eleitorado motivado, trabalhando em coalizões e movimentos, para transferir efetivamente, tanto quanto possível, os ganhos de produtividade do setor de mercado para o terceiro setor, para fortalecer os vínculos comunitários e as infra-estruturas locais. Apenas com a construção de comunidades locais fortes e auto-sustentadas as pessoas em todos os países serão capazes de resistir às forças do deslocamento tecnológico e da globalização do mercado que ameaçam o sustento e a sobrevivência de grande parte da família humana. No seminário internacional Sociedade e Reforma do Estado, promovido pelo Ministério da Administração e Reforma do Estado, houve um consenso entre os especialistas e expositores que a participação da sociedade civil na reforma do Estado deve ser valorizada e reforçada. Um dos palestrantes, Claus Offe, sociólogo alemão, professor da Universidade Humboldt, em Berlim, aponta que as ideologias acabaram e, que as entidades comunitárias como as organizações não governamentais e as igrejas, vão formar ao lado do estado e do mercado, uma nova ordem social. Em entrevista para a revista Veja ele diz: Os problemas de um país não vão ser resolvidos apenas pela ação do Estado ou do mercado. É preciso um novo pacto, que ressalve o dever do Estado de dar condições básicas de cidadania, garanta a liberdade do mercado e da competição econômica e, para evitar o conflito entre estes 15

23 dois interesses, permita a influência de entidades comunitárias. As organizações não governamentais atuam como uma válvula de escape nas deficiências do Estado e do mercado. É a entidade de direitos civis que vai defender os interesses dos cidadãos junto à Justiça e ao Congresso. É a solidariedade de uma organização religiosa que vai ajudar muitos desempregados excluídos pelo mercado. Peter Drucker em Sociedade pós-capitalista, relata que as organizações sem fins lucrativos tornaram-se as maiores empregadoras dos Estados Unidos. Um em cada dois adultos americanos, cerca de 90 milhões de pessoas ao todo, trabalha pelo menos três horas por semana como pessoal não remunerado, isto é como voluntário, para uma organização sem fins lucrativos, para igrejas e hospitais, para agências de serviços de saúde, para serviços comunitários, para serviços de reabilitação, para abrigos de pessoas maltratadas e para serviços de tutela em escolas nas áreas centrais das cidades. Ele prevê que no ano 2000 o número dessas pessoas que trabalham sem remuneração deverá chegar a 120 milhões, e suas horas médias de trabalho a cinco por semana. Para ele a principal razão para esse crescimento na participação de voluntários nos Estados Unidos não é o aumento da necessidade, mas a busca por parte dos voluntários de compromisso e contribuição. Destaca ainda que a sociedade pós-capitalista e a forma de governo póscapitalista exigem um novo setor social, tanto para satisfazer as necessidades sociais como para restaurar um senso significativo de cidadania e comunidade. Lembra que o governo tem conseguido muito pouco como 16

24 executor nesta esfera e que as ações não-governamentais de organizações comunitárias autônomas produziram ótimos resultados: A primeira conclusão a ser tirada é que o governo deve deixar de ser um executor e gerente na esfera social e limitar-se a definir a política. Isto significa que na esfera social, assim como na econômica, existe a necessidade de terceirizar. O governo é o maior empregador de trabalhadores em serviços, mas seus funcionários são os menos produtivos. E enquanto eles forem funcionários públicos, sua produtividade não poderá subir. Uma repartição pública age necessariamente como uma burocracia. Ela precisa subordinar a produtividade a regras e regulamentos. Precisa focalizar os formulários adequados ao invés dos resultados, caso contrário em pouco tempo ela se transforma numa quadrilha de ladrões. Portanto, o incentivo às organizações comunitárias autônomas no setor social é um passo importante na reformulação do governo para que este recupere seu desempenho. Mas a maior contribuição que essas organizações podem dar é como novos centros de cidadania. O megaestado praticamente destruiu a cidadania. Para restaurá-la, o governo pós-capitalista precisa de um terceiro setor em adição aos dois já conhecidos. 2.4 Promotor da cidadania, valores e satisfação pessoal José Mindlin, empresário e membro do conselho da Fundação Vitae, em artigo na Folha de São Paulo, Filantropia, exercício de cidadania, considera o apoio financeiro privado à cultura, à educação e a programas sociais uma obrigação social e acrescenta : Aliás a contribuição da sociedade não se deve limitar ao suprimento de recursos financeiros. É da maior importância 17

25 que haja também uma participação pessoal nas iniciativas financiadas. Nos EUA, essa participação, que se traduz por tempo dedicado às atividades filantrópicas - tempo que representa um valor -, é equivalente e, por vezes, até mesmo maior do que a contribuição financeira. Criou-se lá, e felizmente começou a surgir aqui, mas em escala ainda insuficiente, o que vem sendo chamado de terceiro setor. Temos pela frente como vê, um grande desafio, mas inegavelmente um desafio estimulante. Como membro do conselho da Vitae, uma das muitas instituições filantrópicas que existe entre nós, posso confirmar a satisfação que essa atividade proporciona. Oded Grajew, empresário e coordenador geral da Cives, Associação Brasileira de Empresários pela Cidadania em artigo na Folha de São Paulo, Educação para a cidadania preocupado com o grau de alienação dos jovens: No Brasil, o país campeão mundial de desigualdade social, os filhos de famílias mais privilegiadas acabam se afastando dos problemas da comunidade, isolados no gueto da escola, do transporte e da segurança privados, cercados pelos muros dos condomínios fechados. O serviço comunitário oferece ao jovem a oportunidade de romper o isolamento, de conhecer e se identificar com o lugar onde vive e com as pessoas que moram na localidade. Os jovens que prestam serviços comunitários aumentam seu senso de responsabilidade e solidariedade e descobrem novo sentido às suas vidas. Adquirem conhecimentos para trabalhar no terceiro setor e ampliar programas e número de organizações sociais. 18

26 Oded Grajew em outro artigo da Folha de São Paulo, ONGs, um passo adiante, fala também da satisfação do trabalho nas organizações do terceiro setor: A cada dia surgem novas organizações e empresas engajadas em empreendimentos sociais. Estar envolvido com o trabalho das organizações sociais dá um sentido à vida e traz muita gratificação. Sabemos estar contribuindo para aliviar as carências de muitas pessoas, famílias e comunidades. No livro Reiventando o Governo de David Osborne e Ted Gaebler, é feita uma análise das forças e fraquezas na prestação de serviços à sociedade de cada um dos setores privado, público e terceiro setor. O autor aponta que o terceiro setor é o melhor quando se trata de implementar normas morais e reforçar a responsabilidade individual pela conduta já que suas organizações existem tipicamente para cumprir uma missão e quase sempre têm um forte sentido dos valores e o desejo de respeitá-los na prática. Os quadros a seguir foram extraídos do livro citado acima e permite uma visão ampla do perfil dos setores público, privado e do terceiro setor: QUALIDADES DESEJADAS NOS PRESTADORES DE SERVIÇOS AO PÚBLICO ( A = existente em alto grau ) ( B = existente em baixo grau ) ( M = existente em grau moderado) Setor Setor Terceiro Público Privado Setor 19

27 Qualidades do setor público: Estabilidade A B M Capacidade de tratar assuntos circunstanciais A B M Imunidade ao favoritismo A M B Qualidades do setor privado: Capacidade de reagir a mudanças rápidas B A M Capacidade de inovar M A M Tendência a repetir o sucesso B A M Tendência a abandonar o obsoleto ou mal sucedido B A M Capacidade de assumir riscos B A M Capacidade de gerar capital M A B Habilitação profissional M A M Utilização das economias de escala M A B Qualidades do terceiro setor: Capacidade de atender populações diferenciadas B M A Compaixão e comprometimento M B A Abordagem holística dos problemas B B A Capacidade de gerar confiança M B A TAREFAS MAIS ADEQUADAS A CADA SETOR ( E = efetiva ) ( I = inefetiva ) ( D = dependente do contexto ) SETOR PÚBLICO Setor Setor Terceiro Público Privado Setor 20

28 Administração de políticas E I D Regulamentação E I D Eqüidade E I E Prevenção da discriminação E D D Prevenção da exploração E I E Promoção da coesão social E I E SETOR PRIVADO Atividades econômicas I E D Investimento I E D Geração de lucros I E I Auto-suficiência I E D TERCEIRO SETOR Atividades sociais D I E Atividades que exigem voluntários D I E Atividades que geram pouco lucro D I E Promoção da responsabilidade individual I D E Promoção da comunidade D I E Promoção do comprometimento com o bem-estar social D I E 21

29 SEGUNDA PARTE RESULTADOS COM VEÍCULO PARA A CREDIBILIDADE A credibilidade é fundamental para a sustentabilidade das organizações do terceiro setor, que operam na sua grande maioria com recursos provenientes de seus parceiros. Em entrevistas com diversos dirigentes de organizações do terceiro setor ficou clara a necessidade da apresentação de resultados como um meio de aumentar sua credibilidade. Todos os entrevistados são profissionais de 22

A GESTÃO PARA RESULTADOS COMO FERRAMENTA ADMINISTRATIVA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR

A GESTÃO PARA RESULTADOS COMO FERRAMENTA ADMINISTRATIVA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR 1199901944 li 11111111111111111111111111111111111111., // A GESTÃO PARA RESULTADOS COMO FERRAMENTA ADMINISTRATIVA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR Banca Examinadora Prof. Orientador Luiz Carlos Merege

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br PROJETOS ESPECIAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 10º EVENTO TEMA: Investimento Social Privado: é possível

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Responsabilidade Social Empresarial. Aula 6. Contextualização. Definições, Conceitos e Terminologia

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Responsabilidade Social Empresarial. Aula 6. Contextualização. Definições, Conceitos e Terminologia Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 6 Responsabilidade Social Empresarial Prof. Esp. Felipe Luiz Contextualização Instrumentalização Definições, Conceitos e Terminologia Responsabilidade obrigação

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 81 O Ajuste Fiscal e as ONGs 08 de maio de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

Jorn. Esp. Cris Guimarães

Jorn. Esp. Cris Guimarães As Relações Institucionais como Estratégia de Fortalecimento das Causas Sociais Jorn. Esp. Cris Guimarães Quem somos Missão: Potencializar o desenvolvimento integral da criança, adolescente e jovem numa

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Identificação e Escolha do Investimento Social. Britcham Fernando Nogueira

Identificação e Escolha do Investimento Social. Britcham Fernando Nogueira Modalidades, Mecanismos, Identificação e Escolha do Investimento Social Britcham Fernando Nogueira NÃO É UMA QUESTÃO RECENTE Qualquer um pode dar seu dinheiro ou gastá-lo; mas fazê-lo à pessoa certa, na

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Premiação para associações comunitárias, empreendedores sociais, institutos de pesquisa, micro e pequenas empresas, ONGs e universidades sobre Iniciativas Inovadoras em Sustentabilidade R E G U L A M E

Leia mais

HSM Management Update nº 28 - Janeiro 2006

HSM Management Update nº 28 - Janeiro 2006 Em entrevista exclusiva, a consultora de marketing estratégico Kavita Hamza conta o que descobriu sobre a capacidade de comunicação de organizações não-governamentais brasileiras em um estudo com 35 delas

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Liderança e Gestão Pedagógica: foco nos resultados da aprendizagem dos alunos

Liderança e Gestão Pedagógica: foco nos resultados da aprendizagem dos alunos Liderança e Gestão Pedagógica: foco nos resultados da aprendizagem dos alunos Encontro de Lideranças do PIP - Municipal Belo Horizonte, 05 e 06 de setembro de 2013 Implementação dos CBC Secretaria de Estado

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação.

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação. 5 INTRODUÇÃO O terceiro setor é composto por uma grande diversidade de organizações do setor privado que realizam atividades para o público em geral, isto é, para a sociedade. Estas organizações não têm

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009 Responsabilidade Social Empresarial em Empresas Construtoras case Even Ruth Goldberg 04 de junho de 2009 Alinhando conceitos: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E C O N Ô

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

O que é o Ação Integrada?

O que é o Ação Integrada? O que é o Ação Integrada? Resultado de uma articulação entre a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE/MT), o Ministério Público do Trabalho (MPT/MT), a Fundação Uniselva da Universidade

Leia mais

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia Nome da empresa: BIT Company Data de fundação: Julho de 1993 Número de funcionários: 49 funcionários Localização (cidade e estado em que estão sede e franquias): Sede em São Paulo, com franquias em todo

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE Jardim Fim de Semana Bruna de Carvalho Raggi Terra Carolina Ramos Troeira Fabio Jose Cação Kono Gustavo Perticarati Ruiz Polido

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Evolução Estratégica do Movimento Qualidade RS 13 anos de atividade Instalação do Programa Cumulativo Consolidação do Programa como Promotor da Causa Evolução

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil

Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil Marcos Kisil idis@idis.org.br 3 de abril de 2008 5º Congresso GIFE de Investimento Social Privado 1 Contexto do Investimento Social na América

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

POLÍTICA DE ACEITAÇÃO DE DOAÇÕES & PROGRAMA DO ADVANCEMENT DO ISC

POLÍTICA DE ACEITAÇÃO DE DOAÇÕES & PROGRAMA DO ADVANCEMENT DO ISC POLÍTICA DE ACEITAÇÃO DE DOAÇÕES & PROGRAMA DO ADVANCEMENT DO ISC I. Introdução A Política de Doações para o programa de Advancement do International School of Curitiba é responsável por identificar as

Leia mais

PMI Project Management Institute

PMI Project Management Institute PMP - Project Management Professional desde 1998 Presidente do Project Management Institute RS 00/04 Coordenador Latino-Americano do PMI-ISSIG por Projetos na Abordagem PMI Vice-Presidente da SUCESU-RS

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação.

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Gestão e Sustentabilidade para o 3 Setor Orientações Técnicas CONCEITOS No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Pessoa Jurídica:

Leia mais

GABARITO. Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão.

GABARITO. Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão. GABARITO Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão. Questão 1: Sobre os princípios da administração pública, é incorreto afirmar: (a)

Leia mais

Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais

Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais O trabalho voluntário vem assumindo um papel expressivo na sociedade. Adeptos da prática vêm de todas as classes sociais. Por Mayara Kelly Há seis anos,

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos

Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos Publicado em 25 de junho de 2013 por Itamar Pelizzaro Gart Capote, presidente da ABPMP Association of Business Process Management Professionals

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais