TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS:"

Transcrição

1 TELE - ENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS: PROA DE LÂMPADAS Testando a Lâmpada Com a lâmpada fora do soquete, encoste uma ponta de prova no encaixe e a outra ponta no pólo como é mostrado na figura ao lado. Neste teste poderão haver as seguintes possibilidades: Baixa Resistência Infinito Queimada As especificações que estão gravadas nas Lâmpadas em Watts, refere-se a Tipos de Lâmpadas potência em Lâmpadas incandescentes à frio exercem uma menor resistência do que as lâmpadas incandescentes à quente. Para algumas lâmpadas podemos exemplificá-los ilustrando essa condição de acordo com a tabela ao lado: funcionamento à quente. Lâmpada Resistência à Frio ( ) Resistência à Quente ( ) 7121 (6x50mA) GE57 (12x200mA) 5 60 PROA DE FUSÍEIS amos destacar dois tipos de testes: Fora do circuito. Instalado no circuito. Teste com Fusível Fora do Circuito Com o seletor do multímetro na escala mais baixa de resistência, zere o instrumento colocando as pontas de prova em curto-circuito. Após a calibração, encoste as pontas de prova nos terminais do fusível (conforme a figura). Neste caso poderemos ter duas condições: Resistência nula ou muito baixa (menor que 1ohm) Resistência infinita ou maior que alguns Mega ohms Fusível aberto ou queimado

2 TELE - ENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS: Teste com Fusível Instalado no Circuito Neste teste utilizaremos o voltímetro para detectar a tensão no circuito, vamos mostrar dois testes onde você pode verificar o fusível e também a instalação. Teste 1: Com as pontas de prova encostadas nas extremidades do fusível instalado e com o equipamento ligado. Poderemos ter as seguintes condições: Leitura na escala do voltímetro Tensão Nula Bom Tesnsão Igual da Bateria Queimado Teste 2: Existem ainda dois procedimentos neste teste: 1) Com a ponta de prova positivo(+) ligada ao terminal do fusível alimentado pela chave de contato e a outra ponta de prova negativa(-) conectada ao equipamento ou outra conexão (massa ou pólo negativo). Poderemos ter as seguintes condições: Leitura na escala do voltímetro Tensão Nula Chave Contato c/ problemas ou não está Alimentando o Fusível. Tesnsão Igual a da Alimentação O Fusível está sendo Alimentado 2) Agora a ponta de prova positiva (+) será encostada no outro terminal do mesmo fusível, ou seja, na linha após este fusível, como é mostrado na figura ao lado: Neste caso teremos as seguintes possibilidades do fusível em teste: Leitura na escala do voltímetro Tensão Nula O Fusível Encontra-se Aberto Tesnsão Igual a da Alimentação Bom

3 PROA DE INTERRUPTORES E CONECTORES Para fazer o teste dos interruptores usamos os mesmos procedimentos do teste com os fusíveis: Interruptor fora do sistema. Interruptor instalado no sistema. Teste com Interruptor Fora do Sistema O teste é feito com o ohmímetro calibrado e com as pontas de prova nos terminais do interruptor à ser testado. Caso o ponteiro do ohmímetro faça algum movimento no momento de ligar o interruptor, isto significa que ele encontra-se em bom estado de funcionamento, não havendo movimento, o interruptor está danificado e será necessário fazer a troca. Fique Ligado!!! Ligando e desligando duas a três vezes o interruptor você pode ter certeza que seu teste está correto. Algum Movimento Sem Nenhum Movimento Bom Danificado O interruptor cria um caminho (ponte) para a passagem da corrente elétrica. erificando onde está ligado o interruptor, poderemos encontrar na corrente elétrica o conector de entrada e saída. Conectores A Para testar os conectores, deveremos selecionar então o amperímetro de corrente contínua, colocamos os pontos de prova em cada terminal do conector, se houver passagem de corrente e o ponteiro fazer algum movimento o sistema está em ótimo estado de funcionamento. Caso isto não ocorra deveremos verificar todos os componentes deste circuito. Leitura na escala do amperímetro Passagem de Corrente Sem Passagem de Corrente Ótima erificar Componentes do Circuito

4 Teste com Interruptor Instalado no Sistema Este teste também é semelhante ao utilizado nos fusíveis, é importante verificar antes e depois do interruptor e também fazer o movimento de liga e desliga do interruptor. No teste podemos encontrar duas situações: Devemos observar atentamente a leitura da tensão. Situação nº 1: Leitura de tensão com mais de 0,1 olts com o voltímetro na posição ligado ou fechado pode ser que tenha resistência no contato. oltímetro Ligado ou Desligado com Leitura de 0,1 olts Resistência no Contato Situação nº 2: Com o voltímetro ligado em paralelo ao interruptor e medindo a entrada e saída do interruptor esta tensão deverá ser igual a da fonte de alimentação. oltímetro em Paralelo Quando substituir o interruptor observar a sua capacidade de corrente e tensão. I (Corrente) U (Tensão) Medindo Entrada e Saída Tensão Igual a da Fonte de Alimentação Nestas duas situações não significa a sua imadiata substituição, lembre-se que na condição fechada, dependendo da corrente que circula, essa resistência poderá prejudicar o desempenho do equipamento. Lembre-se, não faça as substituições sem antes verificar todo o sistema elétrico. eja abaixo um quadro de resumo das análises: Para não cometer erros, mantenha seu multímetro sempre em boas condições. Posição Aberto (ou desligado) Fechado (ou ligado) Aberto Fechado Leitura na escala do voltímetro Resistência Infinita Resistência Nula Resistência Nula ou muito Baixa Resistência Alta ou Infinita Ruim Ruim

5 PROA DE CHAE DE CONTATO E COMUTADOR O procedimento neste teste é o mesmo dos interruptores, mas devemos observar que a chave de contato ou comutador são identificados em seus terminais com duas numerações, 15 e 30. A identificação do terminal número 15, indica uma conexão positiva que é ligada da chave ao equipamento ou à caixa de fusíveis. A identificação do terminal número 30, indica uma conexão que vem do positivo da bateria à chave. Normalmente nas chaves existem outros terminais que servem para outras ligações. Prova de Chave ou Comutador fora do Circuito Com o ohmímetro encoste a ponta de prova no terminal 30, com a chave ligada vamos testar os outros terminais 15, 58, 58b e etc, girando a chave no sentido horário e antihorário. Se a chave possuir uma ou duas posições, verificar qual é o terminal que fecha com PROA DE RELES É muito importante que o rele esteja totalmente desligado da caixa de fusíveis ou central elétrica do veículo. Rele Eletrônico (de Pisca) No rele eletrônico (ex.: pisca), devemos fazer a identificação dos terminais seguindo a tabela abaixo: 31 49a 49 Nº do Terminal Descrição 31 Negativo ou massa 49 Positivo (entrada) 49a Positivo pulsante (saída) para a chave de seta Neste teste vamos utilizar uma lâmpada e faremos a ligação junto com a fonte de energia. Caso a lâmpada fique piscando podemos concluir que o sistema está funcionando, poderemos realizar o teste de continuidade no conector do rele.

6 Teste com oltímetro: Utilizando um voltímetro, identificar no conector onde o rele será instalado, os terminais de ligação. Utilizando a ponta de prova positiva, encostar no terminal nº 49 e a outra ponta negativa, no terminal nº 31. Lembre-se este teste deve ser realizado com a chave de ignição ligada. Havendo tensão igual a alimentação é sinal que a corrente está alimentando o rele a 31 A tensão não deve ser menor que 10,0. Teste com Amperímetro: A Com um amperímetro, colocar a ponta de prova positiva, encostar no terminal nº 49 e a outra ponta negativa, no terminal nº 49a. Com a chave de ignição ligada, acione a 49 49a chave de seta para os lados esquerdo e direito. 31 Podemos constatar neste teste a condição de funcionamento do conector e da chave seta, podendo ter as seguintes possibilidades: Chave de Seta Posição da chave seta Lado esquerdo e direito Leitura do amperímetro e situação da lâmpada De 3,5 à 4A. e as lâmpadas do lado esquerdo acesas, se forem duas de 21W. e ação corretiva Sistema bom Lado esquerdo e direito Nenhuma leitura e as lâmpadas estão apagadas. erificar os condutores que vão do terminal 49a até a chave de seta, da chave de seta até às lâmpadas e até os fusíveis. Legal, com essas dicas, agora vai ser fácil!!! Com a chave de seta desligada, acione o pisca alerta e teremos as seguintes possiblidades: Leitura no amperímetro De 7 a 8A. e as quatro lâmpadas de 21W, e se tiver mais duas de 4W acenderem. Não há leitura e nenhuma lâmpada acende. e ação corretiva Sistema bom Fazer as mesmas verificações da tabela anterior, inclusive o interruptor do pisca alerta.

7 Rele Auxiliar Os reles auxiliares são compostos por uma ou duas bobinas eletromagnéticas e contatos que são chamados de NF (normal fechado) e NA (normal aberto). Uma grande maioria dos reles possuem seus contatos NA. Os reles com contatos NF são chamados de reles reversores. No teste do rele fora do contato do conector ou central elétrica do veículo, liga-se o pólo positivo da bateria no terminal nº 85, o polo negativo no terminal nº 86 (se a ligação for invertida funcionará também) calibrar o ohmímetro e encostar as pontas de prova no terminal de nº 30 e P o d e r e m o s t e r a s s e g u i n t e s possibilidades: Resistência Nula ou Menor que 0,1 ohms Resistencia Infinita ou Muito Alta Bom Ruim Teste com oltímetro: Utilizamos o voltímetro para identificar os terminais de ligação nº 85 e nº 86 no conector onde o rele será instalado. Ligue a chave logo após encostar as pontas de prova nos terminais. A tensão deverá ser igual a da bateria do veículo Fique Ligado!!! Se não houver tensão igual a da bateria, fazer uma verificação na chave, fios e fusíveis.

8 Teste com Amperímetro: Colocar a ponta de prova positiva no terminal nº 30 e a ponta de prova negativa no terminal nº 87. Neste teste poderemos observar as seguintes condições: A Leitura do Amperímetro Corrente Correspondente ao Equipamento Corrente Muito Acima do Específicado No caso de indutores e motores, há algum problema de travamento. Sem Leitura erificar a instalação PROA DE CABOS DE IGNIÇÃO Utilizaremos o ohmímetro calibrado, colocando as pontas de prova nas extremidades do cabo de ignição. Será medido apenas a resistência dos cabos, sendo estes testados fora do sistema de ignição. No caso dos cabos não resistivos ou supressivos encontraremos o seguinte quadro: Resistência Nula Resistencia Muito Alta ou Infinita Ruim, c/ Rupturas no Fio Cabos com Supressor nos Terminais: São cabos com resistor apenas em suas extremidades, fio intermediário é de cobre. Resistência de 5 à 6 kohms É importante medir a resitência do Cabo da Bobina e Rotor, a soma da resistência do Cabo de elas + Rotor + Cabo da Bobina não deverá passar de 20 kohms. Resistencia acima de 6 kohms Fazer a Troca Cabos com Supressor no Fio: Os supressores estão presente em todo o fio, pois não existe a presença do cobre. Resistência de até 10 kohms (ou ohms) Resistencia acima de 10 kohms Fazer a Troca

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Área de Concentração: Elétrica de Autos 1. O movimento ordenado de elétrons livres em um condutor

Leia mais

O USO DO SIMULADOR PhET PARA O ENSINO DE ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES. Leonardo Dantas Vieira

O USO DO SIMULADOR PhET PARA O ENSINO DE ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES. Leonardo Dantas Vieira Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão Instituto de Física e Química Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física O USO DO SIMULADOR PhET PARA

Leia mais

Observação: É possível realizar o experimento com apenas um multímetro, entretanto, recomenda-se um multímetro por grupo de alunos.

Observação: É possível realizar o experimento com apenas um multímetro, entretanto, recomenda-se um multímetro por grupo de alunos. Lista de Materiais 1 multímetro. 4 pilhas de 1,5V. 2 resistores com resistências da mesma ordem de grandeza. Exemplo: R1 = 270 Ω e R2 = 560 Ω. Lâmpada com soquete com bulbo esférico (6,0V-500 ma). Resistor

Leia mais

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO t RESOLÇÃO COMECE DO BÁSICO SOLÇÃO CB. 01 Para ser resistor ôhmico o gráfico deve ser linear. Neste caso, a linearidade se observa no trecho BC. SOLÇÃO CB. 0 ' r '. i ( Equação 10 7 r'.4 4r 48 do receptor)

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Exper. 4 Objetivo Associação de esistores dentificar em um circuito resistivo as associações serie, paralela e mista. Determinar a resistência equivalente entre dois pontos de um circuito elétrico resistivo,

Leia mais

Em caso de dúvidas, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série.

Em caso de dúvidas, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série. 1 REV 00 07/15 Parabéns, você acaba de adquirir um produto REI. Em caso de dúvidas, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série. www.reibrasil.com.br E-mail: sat@reibrasil.com.br

Leia mais

Associações de componentes elétricos em série e em paralelo

Associações de componentes elétricos em série e em paralelo Componentes de um circuito elétrico Gerador Transforma qualquer tipo de energia em energia elétrica, fornecendo-a ao circuito elétrico. As pilhas são geradores de tensão contínua. Símbolo de gerador. Um

Leia mais

Questão 4. Questão 5. Questão 6

Questão 4. Questão 5. Questão 6 Questão 1 Por uma bateria de f.e.m. (E) e resistência interna desprezível, quando ligada a um pedaço de fio de comprimento Ø e resistência R, passa a corrente i (figura 1). Quando o pedaço de fio é cortado

Leia mais

INSTITUTO SÃO JOSÉ - RSE LISTA PREPARATÓRIA PARA PROVA DO TERCEIRO TRIMESTRE

INSTITUTO SÃO JOSÉ - RSE LISTA PREPARATÓRIA PARA PROVA DO TERCEIRO TRIMESTRE 1. (Unesp) Mediante estímulo, 2 10 íons de K atravessam a membrana de uma célula nervosa em 1,0 milisegundo. Calcule a intensidade dessa corrente elétrica, sabendo-se que a carga elementar é 1,6 10 ª C.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO

UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO OBJETIVOS: Aprender a utilizar um voltímetro e um amperímetro para medida de tensão e corrente contínua. MEDIDA DE TENSÕES: INTRODUÇÃO TEÓRICA A medida de tensões

Leia mais

Eletrotécnica básica Atividade prática

Eletrotécnica básica Atividade prática Eletrotécnica básica Atividade prática 1 SUMÁRIO Apresentação... 3 Identificação dos terminais de motor trifásico... 5 Chave de Partida direta automática (com contator)... 7 Comando com acionamento de

Leia mais

EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM

EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM 2.1 OBJETIVOS Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Medir as resistências equivalentes das associações Verificar o comportamento

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDAS

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDAS Nome: Nota: LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDAS OBJETIVOS O objetivo deste experimento é orientar os alunos quanto à utilização correta de instrumentos de medidas elétricas,

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica 1. (Espcex (Aman) 2013) A pilha de uma lanterna possui

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos

Laboratório de Circuitos Elétricos Laboratório de Circuitos Elétricos 3ª série Mesa Laboratório de Física Prof. Reinaldo / Monaliza Data / / Objetivos Observar o funcionamento dos circuitos elétricos em série e em paralelo, fazendo medidas

Leia mais

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II PROF JOÃO RODRIGO ESCALARI ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSICA II GERADORES E LEI DE POULIETT

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II PROF JOÃO RODRIGO ESCALARI ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSICA II GERADORES E LEI DE POULIETT FÍSIC GERL E EXPERIMENTL II PROF JOÃO RODRIGO ESCLRI - 2012 ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSIC II GERDORES E LEI DE POULIETT 1. 4. figura representa um trecho de um circuito percorrido por uma corrente com intensidade

Leia mais

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Na figura abaixo, exemplificamos um circuito simples, onde aplicamos uma fonte de energia (V), ligada a um resistor (R) e que resultará em uma corrente

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Associação de Resistores Objetivo: Medir a corrente elétrica e a diferença de potencial em vários ramos e pontos de um circuito elétrico resistivo. Materiais: (a) Três resistências nominadas R 1, R 2 e

Leia mais

Identificação do Valor Nominal do Resistor

Identificação do Valor Nominal do Resistor Conteúdo complementar 1: Identificação do Valor Nominal do Resistor Os resistores são identificados por um código de cores ou por um carimbo de identificação impresso no seu corpo. O código de cores consiste

Leia mais

Manutenção de Computadores Fontes de alimentação para Computadores. Professor: Francisco Ary

Manutenção de Computadores Fontes de alimentação para Computadores. Professor: Francisco Ary Manutenção de Computadores Fontes de alimentação para Computadores Professor: Francisco Ary Introdução A fonte de alimentação é um equipamento vital para o funcionamento de qualquer computador; Responsável

Leia mais

DEVE-SE SUBSTITUIR UM SOLENÓIDE SEMPRE QUE O CÓDIGO DE FALHAS ACUSAR DEFEITO NO SOLENÓIDE?

DEVE-SE SUBSTITUIR UM SOLENÓIDE SEMPRE QUE O CÓDIGO DE FALHAS ACUSAR DEFEITO NO SOLENÓIDE? DEVE-SE SUBSTITUIR UM SOLENÓIDE SEMPRE QUE O CÓDIGO DE FALHAS ACUSAR DEFEITO NO SOLENÓIDE? É uma ocorrência comum trocar-se um solenóide porque a definição do código de falhas contém a palavra solenóide...

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA

CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA Professor: Vilson Mendes Lista de exercícios de Física I Lista 6 Associação de resistores ENSINO MÉDIO NOTA: Aluno (: Data SÉRIE/TURMA 3ª 1. Em cada um dos esquemas abaixo,

Leia mais

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do voltímetro, amperímetro e do multímetro na função ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO CIRCUITOS 1

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO CIRCUITOS 1 1. (Unesp 94) Por uma bateria de f.e.m. (E) e resistência interna desprezível, quando ligada a um pedaço de fio de comprimento Ø e resistência R, passa a corrente i (figura 1). Quando o pedaço de fio é

Leia mais

Índice. Introdução 03. Cuidados ao manusear o equipamento 05. Acessórios Inclusos 06. Definições do equipamento 07

Índice. Introdução 03. Cuidados ao manusear o equipamento 05. Acessórios Inclusos 06. Definições do equipamento 07 Manual 1 Índice. Introdução 03 Cuidados ao manusear o equipamento 05 Acessórios Inclusos 06 Definições do equipamento 07 Conectando o Pin Out 11 Fazendo medições 13 Testando com injetores e bobinas reais

Leia mais

Presente em seus projetos.

Presente em seus projetos. Manual de configuração do módulo de relê receptor RF de 1 canal para tensões de 12V, 127V e 220V Objetivos: Explicar como configurar os modos de funcionamento, cadastrar controles e apagar os controles

Leia mais

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 3.1 OBJETIVOS Verificar experimentalmente as Leis de Kirchhoff 3.2 INTRODUÇÃO Para a resolução de um circuito de corrente contínua (cc), com várias malhas,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO CARREGADOR DE BATERIA MODELO: KA-043

MANUAL DO USUÁRIO CARREGADOR DE BATERIA MODELO: KA-043 1 MANUAL DO USUÁRIO CARREGADOR DE BATERIA MODELO: KA-043 Neste manual você vai encontrar informações importantes a respeito do funcionamento do equipamento. Observe primeiramente os cuidados necessários

Leia mais

Este boletim tem por finalidade apresentar uma análise de defeitos comuns do VF50F/E.

Este boletim tem por finalidade apresentar uma análise de defeitos comuns do VF50F/E. Este boletim tem por finalidade apresentar uma análise de defeitos comuns do VF50F/E. Introdução Os equipamentos VF50F/E são conhecidos pela complexidade de seus esquemas elétricos, isso se deve ao fato

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (VT01 / VT09)

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (VT01 / VT09) MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (VT01 / VT09) Pagina 1 / 5 1.0) VOLTÍMETRO - RACETRONIX A principal função do Voltímetro é indicar o valor da tensão (em volts) do sistema elétrico do veículo. O Voltímetro

Leia mais

em série e aplica à associação uma ddp de 220V. O que é 0,5A. Calcule a resistência elétrica R L da lâmpa- acontece com as lâmpadas? da.

em série e aplica à associação uma ddp de 220V. O que é 0,5A. Calcule a resistência elétrica R L da lâmpa- acontece com as lâmpadas? da. FÍSIC - ELETICIDDE - SSOCIÇÃO DE ESISTOES S ESPOSTS ESTÃO NO FINL DOS EXECÍCIOS.. Um resistor de e um resistor de são associados 9. Um resistor de resistência elétrica tem dissipação em série e à associação

Leia mais

Laboratório de Física UVV

Laboratório de Física UVV Laboratório de Física U 1/6 Comportamento xi de Dispositivos Elétricos Objetivos: Estudar o comportamento corrente x tensão de dispositivos elétricos; Opera fonte de corrente, tensão regulada. Material:

Leia mais

Informativo de Assistência Técnica

Informativo de Assistência Técnica Informativo de Assistência Técnica Circular N.º: 018/03 Responsável: André Betarello Data: 06/01/2005 Revisão: 003 Para: Técnicos PST Eletrônica e Instaladores Assunto: Instruções de Instalação para o

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 01

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 01 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 01 1) Um par de faróis de automóvel é ligado a uma bateria de

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro

Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro Objetivos: - Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; - Utilizar o ohmímetro para as medidas de resistência elétrica. Teoria.

Leia mais

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução 8aula Multiteste 43 8aula MULTITESTE Objetivo Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução O Multímetro básico permite fazer medidas de resistência elétrica, diferença de

Leia mais

NOME: N RECUPERAÇÃO PARALELA DE FÍSICA I - TURMA 232 PROFº RODRIGO 1º BIMESTRE (VALENDO 2 PONTOS) FAZER EM PAPEL ALMAÇO COM LETRA LEGÍVEL)

NOME: N RECUPERAÇÃO PARALELA DE FÍSICA I - TURMA 232 PROFº RODRIGO 1º BIMESTRE (VALENDO 2 PONTOS) FAZER EM PAPEL ALMAÇO COM LETRA LEGÍVEL) 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2015 90 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO DATA: / / NOTA: NOME: N RECUPERAÇÃO PARALELA DE FÍSICA I - TURMA 232 PROFº RODRIGO 1º BIMESTRE

Leia mais

14,4V: Mantêm a fonte operando constantemente com a tensão de saída em 14,4V.

14,4V: Mantêm a fonte operando constantemente com a tensão de saída em 14,4V. MANUAL DO USUÁRIO PARABÉNS! Você acaba de adquirir um produto com a qualidade JFA Eletrônicos, o qual foi desenvolvido com tecnologia avançada e design exclusivo. Leia atentamente as instruções de uso

Leia mais

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Disciplina Eletrotécnica Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Conceitos básicos Eletricidade Eletrostática Eletrodinâmica Cargas elétricas em repouso

Leia mais

Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm. 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor.

Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm. 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor. Respostas Questões relativas ao resultado Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor. Resposta: O valor encontrado

Leia mais

reehn 30.000 btus ERRO. Ao ligar e se deparar com o erro E4, devem ser feitos os testes abaixo indicados antes de trocar a placa da evaporadora:

reehn 30.000 btus
ERRO. Ao ligar e se deparar com o erro E4, devem ser feitos os testes abaixo indicados antes de trocar a placa da evaporadora: ERRO E-4 O erro ocorre quando o sensor de imersão da serpentina da evaporadora informa à placa principal da própria evaporadora que a serpentina está numa temperatura anormal (ou muito fria ou muito quente

Leia mais

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR.

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR. Resistores A existência de uma estrutura cristalina nos condutores que a corrente elétrica percorre faz com que pelo menos uma parte da energia elétrica se transforme em energia na forma de calor, as partículas

Leia mais

GERENCIE SEUS VEÍCULOS E REDUZA CUSTOS

GERENCIE SEUS VEÍCULOS E REDUZA CUSTOS 1 CONTEÚDO POR VEÍCULO A B C D E F G 1 Módulo Rastreador 1 Antena GPS 1 Antena GSM 1 Chicote elétrico com botão de pânico 1 Leitor de Chave do Motorista (opcional) Chaves do motorista (opcional) Relê de

Leia mais

Aula Prática 5 Ligação Série e Paralelo, Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff

Aula Prática 5 Ligação Série e Paralelo, Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff Aula Prática 5 Ligação Série e Paralelo, Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff Disciplinas: Física III (DQF 06034) Fundamentos de Física III (DQF 10079) Depto Química e Física- CCA/UFES Estratégia: Montagem e

Leia mais

Comandos Elétricos Parte 1 Prof. Mauricio Martins Taques CAMPUS JOINVILLE

Comandos Elétricos Parte 1 Prof. Mauricio Martins Taques CAMPUS JOINVILLE Comandos Elétricos Parte 1 Prof. Mauricio Martins Taques CAMPUS JOINVILLE Fevereiro/2016 1 SUMÁRIO Simbologia...4 Lista de Tarefas...8 Tarefas....10 Simbologia Fases Fusível Interruptor Simples de 1 tecla

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

Motor Monofásico de Fase Auxiliar. Ligações, Fechamentos e Polarização

Motor Monofásico de Fase Auxiliar. Ligações, Fechamentos e Polarização Motor Monofásico de Fase Auxiliar Ligações, Fechamentos e Polarização ÍNDICE 1 Introdução 2 Motor Monofásico 3 Motor sem capacitor 4 Motor com capacitor 5 Terminais do Motor 6 Fechamentos e Ligações 7

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR MÁQUINAS SÍNCRONAS (2º RELATÓRIO PARALELISMO DE ALTERNADORES) UBERLÂNDIA MG 2013 INTRODUÇÃO O paralelismo

Leia mais

TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série

TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série Site 02 01 - (Mackenzie SP) No circuito desenhado abaixo, a intensidade de corrente elétrica contínua que passa pelo resistor de 50 é de 80 ma. A força eletromotriz

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SAP

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SAP MANUAL DE UTILIZAÇÃO SAP Sistema de Aquisição Portátil ÍNDICE 1 DESCRIÇÃO : 3 2 - APLICAÇÃO: 4 3 - UTILIZAÇÃO: 5 3.1 - Colocação do notebook na maleta 5 3.2 - Rodar o programa desejado 5 3.3 Medição 5

Leia mais

B D B D

B D B D B D - 2 5 0. 1 B D - 2 5 0. 2 02... Especificações técnicas 03... Unidades de entrada e saída 04... Exemplos de entrada 05... Exemplos de ligação BD-250.1 06... Exemplos de ligação BD-250.2 07... Sistema

Leia mais

Shift light e PRO SHIFT LIGHT

Shift light e PRO SHIFT LIGHT Shift light e PRO SHIFT LIGHT MANUAL DE INSTALAÇÃO E INSTRUÇÕES Pág. 1 Descrição Ajustando a Shift Light Instalação elétrica Montagem Substituição da lâmpada Cuidados e limpeza DESCRIÇÃO Pág. 2 A Shift

Leia mais

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série.

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série. Circuitos em Série Um circuito consiste em um número qualquer de elementos unidos por seus terminais, com pelo menos um caminho fechado através do qual a carga possa fluir. Dois elementos de circuitos

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Módulo Transformador para Iluminação de Emergência, até 2 Lâmpadas, Autonomia 1,5 h. Código AFILSI-NICAD Equipamento com a função de transformar uma ou mais luminárias fluorescentes comuns, instalada em

Leia mais

Aluno(a):... nº:... - Data:.../.../2010

Aluno(a):... nº:... - Data:.../.../2010 SENAI - Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini Curso Técnico em Eletrônica 1º Período Avaliação de Tecnologia Eletrônica 7 pontos Instrutor: Gabriel Vinicios Silva Maganha Aluno(a):... nº:...

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

PC-SCAN 2010 SISTEMA DE DIAGNÓSTICO VEICULAR

PC-SCAN 2010 SISTEMA DE DIAGNÓSTICO VEICULAR SISTEMA DE DIAGNÓSTICO VEICULAR Manual de Operação MARELLI IAW-6R TWINGO RENAULT Seção A : Versão : 1.00G / 99 A1 ÍNDICE Introdução... A3 Auto-Diagnóstico... A4 Conectando o seu PC-SCAN 2010... A4 Consultas

Leia mais

Circuitos de Corrente Contínua

Circuitos de Corrente Contínua UNVESDDE nstituto de Física de São Carlos Nesta prática estudaremos as leis de Kirchoff para análise de circuitos de corrente contínua. Nos experimentos, investigaremos alguns circuitos simples formados

Leia mais

Departamento Técnico: (011) (011)

Departamento Técnico: (011) (011) ELETRONIC FUEL INJECTOR CONTROLLER Este produto tem como função controlar bico(s) injetor(es) suplementares a fim de suprir a falta de combustível em motores com sobre-alimentadores de ar instalados (turbo

Leia mais

Eletrodinânica - Exercícios

Eletrodinânica - Exercícios Eletrodinânica - Exercícios Professor Walescko 13 de outubro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 Vestibulares UFRGS 7 3. O gráfico representa a corrente elétrica i em função da diferença de potencial V aplicada

Leia mais

Filtros Passa alta e passa baixa

Filtros Passa alta e passa baixa Filtros Passa alta e passa baixa Objetivo: Medir a corrente elétrica sobre o indutor e o capacitor em um circuito em paralelo de corrente alternada (AC). Materiais: (a) Dois resistores de igual resistência

Leia mais

Informativo de Assistência Técnica

Informativo de Assistência Técnica Prezado Instalador - O Fiat Stilo é um veículo com um grande volume de tecnologia eletrônica e a utilização de ferramental inadequado pode causar sérios danos ao sistema elétrico. IMPORTANTE: Antes de

Leia mais

Em caso de dúvidas, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série.

Em caso de dúvidas, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série. 1 REV 00 07/15 Parabéns, você acaba de adquirir um produto REI. Em caso de dúvidas, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série. www.reibrasil.com.br E-mail: sat@reibrasil.com.br

Leia mais

Aluno. Resposta do exercício - Questões de concurso

Aluno. Resposta do exercício - Questões de concurso Aluno Resposta do exercício - Questões de concurso 1) (PETROBRÁS 2008) Qual a potência, em, dissipada na carga 17,2Ωquando esta consome uma corrente de 0,5 A? (A) 9,0 (B) 6,0 (C) 4,6 (D) 4,3 (E) 3,0 Sabendo

Leia mais

Capítulo 4 Ohmímetros

Capítulo 4 Ohmímetros Capítulo 4 Ohmímetros 4.1. Introdução Dá-se o nome de ohmímetro ao instrumento capaz de medir o valor de resistências. O ohmímetro também é construído a partir de um galvanômetro de bobina móvel e pode

Leia mais

Medidores de grandezas elétricas

Medidores de grandezas elétricas LEB 5030 Instrumentação e Automação para Sistemas Agrícolas Medidores de grandezas elétricas Prof. Dr. Rubens Tabile tabile@usp.br FZEA - USP INSTRUMENTOS ANALÓGICOS E DIGITAIS Instrumentos de medidas

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01)

ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01) ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01) 1.0 Instrumentos e Medições: O MULTITESTE O multiteste é um instrumento de medida elétrica que, geralmente, permite executar medidas de diversas grandezas elétricas: tensão,

Leia mais

Diagnósticos Cambio dualogic 1.8/1.9 flex

Diagnósticos Cambio dualogic 1.8/1.9 flex Câmbio Dualogic Diagnósticos 21-001- Câmbio Dualogic 1.8 / 1.9 Flex INCONVENIENTE: Veículo em trânsito demora a desacoplar a embreagem. DIAGNOSE: 1) - Verificar se o interruptor de freio esta queimado

Leia mais

Simulador de sonda lambda inteligente

Simulador de sonda lambda inteligente t65 Simulador de sonda lambda inteligente APRESENTAÇÃO E CARACTERÍSTICAS O Simulador de sonda lambda inteligente T65 é um módulo eletrônico desenvolvido para efetuar a simulação do sinal do sensor de sonda

Leia mais

Catálogo Técnico 2013

Catálogo Técnico 2013 Catálogo Técnico 203 Design e Tecnologia incomparáveis Identificação Esquema de ligação Interruptor imples - 0A/250V~ 2 FAE Permite comandar uma o u m a i s l â m p a d a s exclusivamente de um único local.

Leia mais

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Um elemento pode ser ativo (capaz de gerar energia), passivo (apenas dissipam

Leia mais

DISPOSITIVOS. Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores. De Proteção Contra Curto-Circuito

DISPOSITIVOS. Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores. De Proteção Contra Curto-Circuito DISPOSITIVOS Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores Contra Sobrecarga De Proteção Contra Curto-Circuito Relé Térmico Fusíveis Sobrecarga - corrente elétrica acima da corrente nominal projetada

Leia mais

APLICATIVOS VW. DIGIFANT Mi

APLICATIVOS VW. DIGIFANT Mi Página 1 de 16 CAPITULO 70 APLICATIVOS VW DIGIFANT Mi GOLF GL/GLX 2.0 - Mi. COMO FUNCIONA O SISTEMA DIGIFANT Mi GOLF 2.0 Este sistema de injeção é digital multiponto ou seja com quatro válvulas injetoras

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO CARREGADOR DE BATERIA ANALÓGICO

MANUAL DO USUÁRIO CARREGADOR DE BATERIA ANALÓGICO 1 MANUAL DO USUÁRIO CARREGADOR DE BATERIA ANALÓGICO MODELO: KA-078 2 APRESENTAÇÃO DO EQUIPAMENTO O CARREGADOR DE BATERIA ANALOGICO KA-078 é um equipamento voltado à recarga de baterias automotivas de fácil

Leia mais

USO DO APARELHO DE TESTE DE EQUIPAMENTO AUXILIAR DE IP

USO DO APARELHO DE TESTE DE EQUIPAMENTO AUXILIAR DE IP 1/5 1. Objetivo Estabelecer procedimentos para testes de reator, ignitor e polaridade com o aparelho de teste de equipamento auxiliar de IP, para execução de trabalhos de construção e manutenção em iluminação

Leia mais

EXPLORANDO A LEI DE OHM

EXPLORANDO A LEI DE OHM EXPLORANDO A LEI DE OHM Problematização inicial Qual é a relação matemática que existe entre a tensão, a corrente elétrica e a resistência? Organização do conhecimento 1ª Demostração: Monte o circuito

Leia mais

Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff

Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff Circuitos Complexos Regra de Kirchhoff Existem alguns circuitos em que não é possível fazer a separação de partes em série e/ou em paralelo e além disto podem ter

Leia mais

Turma: _3º ANO FG e TI

Turma: _3º ANO FG e TI COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2012 Disciplina: FÍSICA Ano: 2012 Professor (a): Marcos Vinicius Turma: _3º ANO FG e TI Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Experiência Número 03 Instrumentos para Medidas Elétricas

Experiência Número 03 Instrumentos para Medidas Elétricas OBJETIVOS Compreender o funcionamento do voltímetro e do amperímetro. Utilizar o voltímetro e o amperímetro para medições em circuitos simples de corrente contínua. MÉTODO EXPERIMENTAL INTRODUÇÃO: Quase

Leia mais

CAPÍTULO 16. A unidade central opera no modo emergência quando um sensor falha, assim o motorista conseguirá levar o carro até a oficina.

CAPÍTULO 16. A unidade central opera no modo emergência quando um sensor falha, assim o motorista conseguirá levar o carro até a oficina. 1 of 32 21/07/2014 19:28 CAPÍTULO 16 AUDI A4 1.6 ADP 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é Mutliponto sequencial, com 4 válvulas injetoras que possui autodiagnose ou seja que caso tenha

Leia mais

PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS

PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS UNIDADE II PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS 1. INTRODUÇÃO Para diagnosticar o comportamento de uma instalação elétrica é necessário medir os seus parâmetros elétricos, relacioná-los, analisar os seus resultados

Leia mais

CORRECÇÃO 1. Indica três regras de segurança e de prevenção de acidentes na utilização de equipamento eléctrico.

CORRECÇÃO 1. Indica três regras de segurança e de prevenção de acidentes na utilização de equipamento eléctrico. 4 DISCIPLINA C.F.Q. 9ºANO Março 2011 CORRECÇÃO 1. Indica três regras de segurança e de prevenção de acidentes na utilização de equipamento eléctrico. Não manusear equipamentos eléctricos com as mãos molhadas,

Leia mais

CORRECÇÃO. 1 pilha; 1 interruptor; 3 lâmpadas; 1 resistência

CORRECÇÃO. 1 pilha; 1 interruptor; 3 lâmpadas; 1 resistência 4 DISCIPLINA C.F.Q. 9ºANO Março 2011 CORRECÇÃO 1. Indica três regras de segurança e de prevenção de acidentes na utilização de equipamento eléctrico. Não manusear equipamentos eléctricos com as mãos molhadas,

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

PARÂMETROS ELÉTRICOS PARA SELEÇÃO DE CONDUTORES

PARÂMETROS ELÉTRICOS PARA SELEÇÃO DE CONDUTORES Instalações Elétricas Internas UNIDADE II PARÂMETROS ELÉTRICOS PARA SELEÇÃO DE CONDUTORES 1. INTRODUÇÃO Para diagnosticar o comportamento de uma instalação elétrica é necessário medir os seus parâmetros

Leia mais

SW420S 420 WATTS HIGH POWER 1 CHANNEL

SW420S 420 WATTS HIGH POWER 1 CHANNEL SW420S 420 WATTS HIGH POWER 1 CHANNEL O amplificador automotivo SW420S que você adquiriu, é um produto de alta tecnologia projetado em um moderno laboratório de acordo com as mais modernas técnicas eletrônicas,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES FONTE CARREGADOR DE BATERIA USINA Fonte Chaveada Usina 30A-14,4V Antes de Efetuar qualquer ligação em sua fonte, leia atentamente o manual de instruções. Apresentação Parabéns, você

Leia mais

Técnicas de Manutenção de Computadores

Técnicas de Manutenção de Computadores Técnicas de Manutenção de Computadores Professor: Luiz Claudio Ferreira de Souza Componentes e Periféricos do Computador Fonte de Alimentação As fontes de alimentação tem como função a conversão da corrente

Leia mais

Ohmímetro, Amperímetro e Voltímetro

Ohmímetro, Amperímetro e Voltímetro PONTIFÍCI UNIERSIDDE CTÓLIC DE GOIÁS ESCOL DE ENGENHRI Engenharia de Controle e utomação (Mecatrônica) Exper. 1 Ohmímetro, mperímetro e oltímetro Objetivo Realizar medidas de resistência, tensão e corrente

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 1007 ELETRICISTA ANÁLISES E JUSTIFICATIVAS DOS RECURSOS. Nº da Questão Análise do Recurso 1 DEFERIDO 3 INDEFERIDO 7 INDEFERIDO

PROCESSO SELETIVO 1007 ELETRICISTA ANÁLISES E JUSTIFICATIVAS DOS RECURSOS. Nº da Questão Análise do Recurso 1 DEFERIDO 3 INDEFERIDO 7 INDEFERIDO PROCESSO SELETIVO 1007 ELETRICISTA ANÁLISES E JUSTIFICATIVAS DOS RECURSOS Nº da Questão Análise do Recurso 1 DEFERIDO 3 INDEFERIDO 7 INDEFERIDO 9 DEFERIDO 13 INDEFERIDO 17 DEFERIDO 18 INDEFERIDO 19 INDEFERIDO

Leia mais

ELETRICIDADE INDUSTRIAL. Dispositivos de Acionamentos Elétricos

ELETRICIDADE INDUSTRIAL. Dispositivos de Acionamentos Elétricos ELETRICIDADE INDUSTRIAL Dispositivos de Acionamentos Elétricos Contatos Em acionamentos, as chaves podem assumir duas posições: NA (normalmente aberto) inglês NO Os pinos recebem dígitos 3 e 4 NF (normalmente

Leia mais

Física II - AV 1 (parte 2.2) 3º período de Eng. Civil Prof. Dr. Luciano Soares Pedroso Data: / /2014 valor: 10 pontos Aluno (a) Turma

Física II - AV 1 (parte 2.2) 3º período de Eng. Civil Prof. Dr. Luciano Soares Pedroso Data: / /2014 valor: 10 pontos Aluno (a) Turma Física II - AV (parte 2.2) 3º período de Eng. Civil Prof. Dr. Luciano Soares Pedroso Data: / /204 valor: 0 pontos Aluno (a)turma _. Considere que um determinado estudante, utilizando resistores disponíveis

Leia mais

Experimento 1 Associação de Capacitores. Este relatório deve ser entregue no dia 18/08 no horário da aula

Experimento 1 Associação de Capacitores. Este relatório deve ser entregue no dia 18/08 no horário da aula Eletricidade e Magnetismo II 2 o Semestre/ 2014 Experimento 1 Associação de Capacitores Nome: N o USP Este relatório deve ser entregue no dia 18/08 no horário da aula Informações Importantes! Antes de

Leia mais

INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DO PAINEL E LIGAÇÕES

INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DO PAINEL E LIGAÇÕES Manual do Usuário INTRODUÇÃO O Turbo 1400 é uma fonte de alimentação de alta potência que possibilita alimentar e carregar bateria(s) automotiva(s) com 14,4V e 140 Amperes. Foi desenvolvida para proporcionar

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I Data: / / 20 Aluno(a): Aula 4 : Motores de indução trifásicos (MIT). Partida manual, reversão e ligação em estrela/triângulo. 1 - Introdução: Chaves manuais de partida de motores de indução trifásicos

Leia mais

Objeto de aprendizagem

Objeto de aprendizagem 3ª Ciências 4º Ano E.F. Objeto de aprendizagem O que é eletricidade? - Interação entre ímãs e entre cargas elétricas forças de atração e de repulsão. Perceber a existência de cargas elétricas. Objetivos

Leia mais

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1 Diretoria Regional de Ensino de Araguaína Colégio Estadual Campos Brasil Tocantins - Brasil Um circuito elétrico pode ser definido como uma interligação de componentes básicos formando pelo menos um caminho

Leia mais

Manual Do Usuário MPA-4000/GII. Teste de MP, AML, AML-Astra e Bico Injetores MPA-4000/GII

Manual Do Usuário MPA-4000/GII. Teste de MP, AML, AML-Astra e Bico Injetores MPA-4000/GII Manual Do Usuário Teste de MP, AML, AML-Astra e Bico Injetores MPA-4000/GII O MPA-4000/GII é um equipamento desenvolvido para teste, limpeza e lubrificação de Motores de Passo Bosch, Delphi (Linha GM),

Leia mais