PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS EFEITO DO FATOR DE CRESCIMENTO EPIDERMAL (EGF) EXÓGENO NA MOVIMENTAÇÃO ORTODÔNTICA EM RATOS:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS EFEITO DO FATOR DE CRESCIMENTO EPIDERMAL (EGF) EXÓGENO NA MOVIMENTAÇÃO ORTODÔNTICA EM RATOS:"

Transcrição

1 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS EFEITO DO FATOR DE CRESCIMENTO EPIDERMAL (EGF) EXÓGENO NA MOVIMENTAÇÃO ORTODÔNTICA EM RATOS: AVALIAÇÃO HISTOQUANTITATIVA RENATA KARINA GOMES CIMINI SADDI Belo Horizonte 2004

2 2 RENATA KARINA GOMES CIMINI SADDI EFEITO DO FATOR DE CRESCIMENTO EPIDERMAL (EGF) EXÓGENO NA MOVIMENTAÇÃO ORTODÔNTICA EM RATOS: AVALIAÇÃO HISTOQUANTITATIVA Dissertação apresentada ao curso de Mestrado da Faculdade de Odontologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Área de concentração: Ortodontia. Orientador: Dr. José Bento Alves. Belo Horizonte 2004

3 3 Dedico esta dissertação, fruto de muita fé e trabalho, aos meus pais Sônia e Darcy e ao meu marido Jean Joseph, que fizeram seus os meus sonhos e me apoiaram incondicionalmente em todos os momentos, sempre acreditando que eu saberia chegar ao meu destino.

4 4 AGRADECIMENTO ESPECIAL Agradeço a Deus, que se faz presente em todos os momentos da minha vida, guiando todos os meus passos. Agradeço principalmente por ter colocado no meu caminho, como meu orientador, o professor Doutor José Bento Alves, que, com maestria e paciência, me iniciou no caminho da pesquisa. À sua esposa, Dra. Marlene, que juntamente com ele abriram as portas de sua casa para me receber nos finais de semana para que pudéssemos finalizar este nosso trabalho.

5 5 AGRADECIMENTOS Aos meus pais, por sempre me apoiarem e acreditarem no meu potencial, dando-me suporte emocional e financeiro para que eu chegasse ao meu objetivo. Ao Jean, que esteve ao meu lado em todos os momentos desta caminhada, apoiandome e vivendo comigo as angústias e vitórias. Aos meus irmãos Keyla e Tadeu, que sempre acreditaram em mim. À minha avó Jacy, à minha sogra Yvone e à tia Geta, minhas intercessoras. Às minhas sobrinhas Jéssica e Luana, ao meu cunhado Aldair por entenderem minha ausência. Ao amigo professor Antônio Barbosa da Silveira, por suas sugestões na redação deste trabalho. Ao professor Wellington Pacheco, que me incentivou a buscar os meus sonhos. Aos professores Hélio Brito e Tarcísio Junqueira, nossos exemplos de dedicação ao ensino. Aos professores do COP Ênio Mazzieiro, Heloísio Resende Leite, Bernardo Quiroga Souki, Armando Lima, José Maurício Barros Vieira, José Eymard Bicalho, Júlio Brant, Henrique Tôrres, Flávia Mourão e Flávio Almeida, pela amizade, conhecimento e dedicação para que obtivéssemos o melhor do curso. Ao professor Eustáquio Afonso Araújo, exemplo de dedicação à Odontologia. Ao professor Roberval de Almeida Cruz, por sua determinação em formar novos mestres. Aos meus colegas de turma: Antônio, pelo carinho e dedicação ao curso. André, pela amizade e pelo incentivo a todo o momento.

6 6 Max, pelo carinho, tranqüilidade e sinceridade. Karen e Simone, pela amizade, pelo apoio, pela solidariedade, tornando mais suave o nosso convívio diário. Adauto, Sérgio e Leandro, pela convivência agradável. Ludimila, Cássio, Jordana, Lívia, Milena e Valéria, pela amizade e pelo companheirismo. À professora Gerluza, que abriu as portas do laboratório de Morfologia do ICB UFMG. Ao professor Pietro Ciancaglini, por sua contribuição fundamental para a elaboração deste trabalho. A Ana Cristina Aguiar, Suzana Cruz, Cristiane, Marcelo e Polyanna pela disponibilidade em me ajudar. Aos funcionários da administração do COP: Ana Paula, Angélica, Edna, Denise, Roberto, Silvânia e Vitório, pela paciência, carinho e disponibilidade. Às funcionárias da Clínica de Ortodontia, Andreza, Antônia, Cida, Luzia, Mara, Mariângela, Poliana e Raquel, pela compreensão, paciência, carinho e prontidão em nos atender. Aos pacientes, pela paciência e confiança. Ao Fundo de Incentivo à Pesquisa FIP -, por viabilizar economicamente a realização deste trabalho. A Solange e ao Rafaelo, pelo carinho com que atenderam aos meus pedidos. Aos animais que doaram suas vidas pela ciência. A todas as pessoas que, de certa forma, concorreram para a realização e elaboração deste trabalho, meus sinceros agradecimentos.

7 7

8 8 RESUMO O processo de remodelação óssea envolve um mecanismo complexo, mediado por uma cascata de eventos moleculares, nos quais participam moléculas sinalizadoras, tais como fatores de crescimento e seus receptores. Fatores de crescimento são citocinas que têm função biológica importante na diferenciação e multiplicação celular. A participação de fatores de crescimento em vários processos biológicos, incluindo reparo e remodelação óssea, evidencia que a utilização de fatores de crescimento exógenos pode facilitar o processo de remodelação óssea durante a movimentação ortodôntica. Este trabalho tem como objetivo avaliar os efeitos da administração do fator de crescimento epidermal EGF na movimentação ortodôntica e fornecer subsídios para o entendimento dos mecanismos biológicos, mediados por fatores de crescimento, na referida movimentação. Foram selecionados 30 ratos Holtzman, machos, com peso corporal variando entre 237e 390 g. Após a instalação dos dispositivos ortodônticos e a administração local de EGF carreado pelos lipossomas, os animais foram sacrificados após cinco dias. As maxilas foram moldadas, e, por meio de medições feitas nos modelos de gesso, foi quantificada a movimentação ortodôntica. Fragmentos de maxilas foram processados para técnicas histológicas e histométricas, e foi quantificado o número de osteoclastos presentes durante a movimentação ortodôntica. Os resultados histométricos mostraram aumento do número de osteoclastos no processo de remodelação óssea no subgrupo no qual foi administrado o EGF durante a movimentação ortodôntica, e os resultados da quantificação da movimentação dentária mostraram um aumento estatisticamente

9 9 significante neste grupo. Concluiu-se que o EGF promove aumento do recrutamento de osteoclastos durante a fase inicial da movimentação ortodôntica e aumenta a quantidade de deslocamento dentário, e que os lipossomas foram efetivos no carreamento do EGF para o local desejado.

10 10 ABSTRACT Bone remodelling is a complex process regulated by several mediators. Cytokines and growth factors have significant effects on bone cell metabolism. Growth factors are cytokines with important biological function, such as activating cellular proliferation and or differentiation. The role of growth factors on several processes, such as bone repair and remodelling, shows up that the use of exogenous growth factors may enhance bone remodeling during the tooth movement. The purpose of this study is to asses the effect of the EGF exogenous carried by lyposomes in the tooth movement and provides subsidies for the understanding of the biological mechanisms mediated by growth factors. The sample consisted of 30 male animals of the Holtzman strain that were sacrificed at the end of five days. The histometric data revealed an increased number of osteoclast on the remodeling process on the EGF group. The tooth movement quantization showed a statistically significant increase of tooth movement in the same group. It suggests that the EGF increased the osteoclastic differentiation and migration and accelerated tooth movement. The lyposomes showed to be effective on carrying EGF to the sites where it is requested.

11 11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Recrutamento e diferenciação de osteoclastos Figura 2 Ciclo da remodelação óssea Figura 3 Estrutura do EGF Figura 4 Vias de sinalização do EGF. IGF1-R - receptor do fator de crescimento semelhante a insulina-1; GPCR- proteína G duplo receptora; MMP- metaloproteinases da matriz; HB-EGF- receptor do ligante do fator de crescimento epidermal heparina Figura 5 Interação entre o EFGR e a via de sinalização da COX-2. Proteína Mitogênica Ativadora quinase-quinase (MAPKK); Proteína Mitogênica Ativadora quinase (MAPK); tirosina residual (TYR); cicloxigenase-2 (COX-2); fatores de transcrição nuclear (C-myc, C- fos, C-jun) Figura 6 Estrutura do lipossoma Figura 7 Preparação do lipossoma Figura 8 Animal posicionado na mesa operatória Figura 9 Ilustração da instalação do aparelho para movimentação dentária Figura 10 Aparelho instalado Figura 11 Medição da força ortodôntica Figura 12 Representação esquemática do movimento experimental da banda elástica Figura 13 Seringa de precisão Hamilton Figura 14 Coleta da amostra: maxila dissecada Figura 15 Paquímetro usado para as medições da quantidade de movimentação dentária. Paquímetro Digimess-Brasil Figura 16 Medição da quantidade movimentação dentária Figura 17 Adaptação do desenho esquemático de Waldo e Rothblatt (1954), para mostrar a área avaliada histométricamente Figura 18 Retículo + Fotomicrografia... 68

12 12 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Representação gráfica da variação do peso corporal dos animais do grupo I Gráfico 2 Número de osteoclastos por área nos diferentes subgrupos estudados Gráfico 3 Correlação entre a quantidade de deslocamento dentário e número de osteoclastos ( Análise de Spearman)... 81

13 13 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Caracterização dos ratos quanto ao peso inicial e final do grupo I Tabela 2 Comparação dos pesos iniciais e finais de todos os subgrupos do grupo II Tabela 3 Caracterização das medidas descritivas da quantidade de deslocamento dentário do grupo I Tabela 4 Análise descritiva da quantidade de deslocamento dentário nos diferentes tratamentos.do grupo II Tabela 5 Avaliação da diferença da quantidade de deslocamento dentário entre os subgrupos considerando-se o tratamento Tabela 6 Análise descritiva das medidas do grupo I e dos subgrupos S/Trat e Banda EGF/Lipo Tabela 7 Avaliação da diferença da quantidade de deslocamento dentário entre o grupo I e os subgrupos S/Trat e Banda/EGF/Lipo Tabela 8 Análise descritiva do numero de osteoclastos nos diferentes tratamentos. Avaliados segundo valores das médias, medianas, minimo e máximo Tabela 9 Comparação do número de osteoclastos entre os diferentes tratamentos, considerando-se o lado controle e experimental. 79

14 14 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BMP EGF EGFR FGF GPCR M-CSF proteína morfogenética do osso fator de crescimento epidermal receptor do fator de crescimento epidermal fator de crescimento fibroblástico proteína G duplo receptora fator de crescimento formador de colônia de macrófago HB-EGF receptor do fator de crescimento epidermal-heparina IGF LUV MAPK fator de crescimento semelhante a insulina vesícula unilamelar grande proteína mitogênica ativadora quinase MAPKK proteína mitogênica ativadora quinase-quinase MLV NITI PBS PDGF PGE 2 PGs SUV 7*) TNF TYR VEGF vesícula multilamelar grande liga de níquel-titânio solução salina tamponada fator de crescimento derivado de plaqueta prostaglandina E Prostaglandinas vesícula unilamelar pequena fator de crescimento fibroblástico fator de crescimento de necrose tumoral tirosina residual fator de crescimento vascular endotelial IL-1 interleucina 1 COX 2 cicloxigenase 2

15 15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA Biologia do periodonto Ligamento Periodontal Cemento Tecido ósseo e o processo da remodelação óssea Biologia do movimento ortodôntico Movimento ortodôntico Modelo experimental em ratos Drogas na movimentação ortodôntica Citocinas e fatores de crescimento Carreadores de substâncias lipossomas OBJETIVOS Objetivo geral Objetivo específico MATERIAL E MÉTODO Seleção dos animais Divisão da amostra Preparação das drogas Pesagem dos animais Anestesia dos animais Inserção e ativação dos dispositivos ortodônticos Administração das drogas... 60

16 Sacrifício dos animais e moldagem final Quantificação do movimento Preparação dos espécimes Análise histométrica Análise estatística RESULTADOS Variação de peso dos animais Análise da quantidade de deslocamento dentário Quantidade histométrica contagem de osteoclastos DISCUSSÃO CONCLUSÃO PERSPECTIVAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 93

17 17 1 INTRODUÇÃO

18 18 1 INTRODUÇÃO Os aspectos biológicos do movimento dentário têm sido avaliados dentro do programa de Mestrado em Ortodontia da PUC Minas. Nessa linha de pesquisa, foram concluídas quatro dissertações sob a orientação do professor Dr. José Bento Alves. A abordagem da ação de fatores de crescimento constitui, sem dúvida, uma nova perspectiva de integração da área básica com a prática clínica. O osso está em constante remodelação (HILL & ORTH, 1998), e o turnover ósseo ocorre graças à atividade celular dos osteoblastos, osteócitos, macrófagos e clastos (FRANCISCHONE et al., 2002). A remodelação óssea e o movimento dentário resultante são processos complexos regulados por vários mediadores e, em ortodontia, esses processos são iniciados pela aplicação da força mecânica (YOKOYA et al., 1997). Trabalhos recentes revelaram que citocinas e fatores de crescimento têm efeitos significantes no metabolismo celular ósseo (UEMATSU et al., 1996b; GAO et al., 2002; KOHNO et al., 2003). O estresse mecânico parece produzir respostas bioquímicas e estruturais em uma variedade de tipos de células in vivo e in vitro. Numa fase precoce da movimentação dentária, ocorre uma resposta inflamatória caracterizada por vasodilatação periodontal e migração dos leucócitos para fora dos capilares do ligamento periodontal (DAVIDOVITCH et al., 1988). Um grande número de agentes estimulantes de células ósseas têm sido identificados, tais como paratormônio, hormônio tireoidiano, calcitonina, testosterona, esteróides, 1,25-dihidroxivitamina D 3, prostaglandinas, endotoxinas, fatores ativadores de osteoclastos e uma variedade de drogas que interagem com

19 19 transporte de minerais e de enzimas ou com síntese de proteínas (DAVIDOVITCH, 1979). O mecanismo de reabsorção óssea pode ser influenciado também pela liberação de mediadores inflamatórios. A prostaglandina E (PGE) e a interleucina I (IL)-1 interagem com as células ósseas, a LQWHUOHXFLQD estimula a reabsorção óssea e induz a proliferação de osteoclastos, o fator de necrose tumoral (TNF)-. estimula a reabsorção óssea e a multiplicação de células ósseas, a interleucina 6 e a 2- microglobulina potenciam a ligação do fator de crescimento semelhante à insulina I (IGF-I) às células ósseas, resultando em formação óssea, e o fator de crescimento epidermal (EGF) acelera a erupção dos incisivos em animais recém-nascidos e é importante na proliferação celular (UEMATSU et al., 1996). O fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) tem a capacidade de induzir a diferenciação de osteoclastos funcionais e a neovascularização (BOOTH et al., 1998; RABIE et al., 2002; KOHNO et al., 2003). Os fatores de crescimento possuem efeitos sobre células da mesma classe (fatores autócrinos) ou sobre células de outra classe, dentro do tecido (fatores parácrinos), e estão presentes na circulação, podendo agir como reguladores sistêmicos do metabolismo esquelético ou ser produzidos localmente. Possuem ação direta e importante tanto no crescimento celular como na aposição e reabsorção óssea e, possivelmente, na fisiopatologia das disfunções ósseas (HILL & ORTH, 1998). Levando em consideração que, como ortodontistas, objetivamos uma movimentação dentária mais rápida, com formação óssea de qualidade e diminuição do tempo de tratamento, julgamos que a pesquisa sobre a avaliação do efeito da administração dos fatores de crescimento durante a movimentação ortodôntica experimental oferece base científica para sua utilização na prática ortodôntica.

20 20 2 REVISÃO DE LITERATURA

21 21 2 REVISÃO DE LITERATURA Para melhor compreensão, este capítulo foi dividido em: Biologia do Periodonto; Biologia do Movimento Ortodôntico; Citocinas e Fatores de Crescimento; e Lipossomas. 2.1 BIOLOGIA DO PERIODONTO O periodonto, definido como tecido de suporte e revestimento dos dentes, consiste em gengiva, ligamento periodontal, cemento radicular e osso alveolar, o qual se divide em osso alveolar propriamente dito e processo alveolar (LINDHE & KARRING, 1999; TEN CATE, 2001) Ligamento Periodontal O ligamento periodontal é composto por um tecido conjuntivo frouxo, ricamente, vascularizado e celular, que une o cemento radicular à lâmina dura do osso alveolar propriamente dito. Comunica-se com os espaços medulares do osso alveolar através dos canais de Volkmann, sendo composto por fibras colágenas e células como fibroblastos, osteoblastos, cementoblastos, osteoclastos, células

22 22 mesenquimais indiferenciadas, células epiteliais e nervosas. O ligamento periodontal, intimamente ligado à lâmina dura, torna possível a distribuição e a absorção de forças produzidas durante a função mastigatória e a deglutição através do osso alveolar, que é viscoelástico e resistente a deslocamentos (ROBERTS et al., 1981; LINDHE & KARRING, 1999). Os fibroblastos são células predominantes do ligamento periodontal que possuem a função de regeneração do aparato de suporte dentário, podendo se diferenciar em cementoblastos ou em osteoblastos, dependendo das condições às quais estão submetidos, pois migram através dos tecidos, ao longo das fibras colágenas para o cemento ou para o osso. São capazes de degradar e sintetizar colágeno simultaneamente, e, utilizando essa capacidade, controlam a remodelação de colágeno dentro do ligamento periodontal (TEN CATE, 1976; TEN CATE, 2001). Nos tecidos periodontais com função normal, há um turnover moderado de células, no qual há um equilíbrio entre a morte por apoptose e a proliferação celular (TEN CATE, 2001). As fibrilas do ligamento periodontal estão incluídas em uma substância fundamental amorfa, que contém glicosaminoglicanos, sais, proteoglicanas, glicoproteínas e água. A compressão deste faz com que o fluido tissular seja comprimido para fora da área, mas a substância fundamental permanece no tecido fibroso (REITAN & RYGH, 1996; TEN CATE, 2001). Estendem-se, continuamente, do dente ao osso alveolar propriamente dito. Os feixes individuais seguem um curso ligeiramente ondulado que permite ao dente mover-se em seu alvéolo (mobilidade fisiológica) (LINDHE & KARRING, 1999; TEN CATE, 2001).

23 Cemento O cemento radicular é um tecido mineralizado, especializado, que recobre as superfícies radiculares dos dentes. Não contêm vasos sangüíneos e linfáticos, sendo constituído de fibras colágenas e cristais de hidroxiapatita (LINDHE & KARRING, 1999). Desempenha diferentes funções, insere as fibras do ligamento periodontal à raiz e contribui para o processo de reparo, após danos à superfície radicular. Não exibe períodos alternados de reabsorção e aposição, mas aumenta de espessura durante toda a vida, pela deposição sucessiva de novas camadas, consideravelmente mais pronunciada na porção apical da raiz do que na porção cervical (LINDHE & KARRING, 1999) Tecido ósseo e o processo da remodelação óssea O osso é um tecido dinâmico que sofre remodelação constantemente (HILL et al., 1998). É um tecido conjuntivo mineralizado, especializado, formado basicamente por matriz orgânica constituída por proteínas colágenas, como colágeno tipo I (28%), e não colágenas, como osteocalcina, osteonectina, sialoproteína, fosfoproteína, proteínas específicas (5%), totalizando 33%, e por fração inorgânica composta por vários elementos minerais entre eles o cálcio, o fósforo, o magnésio, e o sódio, agrupados sob a forma de cristais de hidroxiapatita (67%) (TEN CATE, 2001).

24 24 Macroscopicamente, pode-se observar no osso, tanto em secções transversas quanto longitudinais, uma camada externa mais compacta, chamada de osso cortical, circunscrevendo a parte interna ou cavidade medular, que in vivo é preenchida por medula óssea amarela ou vermelha. Nessa cavidade medular, podese observar ainda uma rede reticular, extremamente porosa, de tecido mineralizado, que constitui o osso esponjoso ou trabecular (TEN CATE, 2001). Do ponto de vista histológico, o osso pode ser classificado como: osso não lamelar embrionário, osso imaturo e osso maduro (osso lamelar) (TEN CATE, 2001). Revestindo o osso compacto, encontra-se uma membrana externa, de tecido conjuntivo, com potencial osteogênico, o periósteo, que possui duas camadas diferentes e contíguas. A camada mais externa, onde se encontram os fibroblastos, é mais fibrosa, dá suporte às fibras de Sharpey que penetram na camada interna e se inserem no osso. Já a camada interna é mais celular, possui os osteoblastos e está em contato íntimo com a superfície óssea (TEN CATE, 2001; CONSOLARO et al., 2001). Internamente, o osso é revestido pelo endósteo, que também apresenta potencial osteogênico, e é formado por uma fina camada reticular de células ósseas que cobre todas as paredes internas do osso, incluindo as trabéculas, estabelecendo a separação física entre a superfície óssea interna e a medula óssea (TEN CATE, 2001). O processo alveolar origina-se do folículo dentário, em íntima associação com o desenvolvimento e a erupção dos dentes, e é gradualmente reabsorvido quando os dentes são perdidos (LINDHE & KARRING, 1999; TEN CATE, 2001). Os principais componentes celulares encontrados no osso são osteoblastos, osteoclastos e osteócitos (TEN CATE, 2001).

25 25 Os osteoblastos são reconhecidos como as células que controlam a formação e a reabsorção óssea, no ciclo de remodelação óssea (SANDY, 1992; TEN CATE, 2001). São células uninucleadas, derivadas de células mesenquimais multipotentes, geralmente consideradas diferenciadas de células precursoras, os pré-osteoblastos, que sintetizam colágeno e proteínas ósseas não colagenosas (matriz orgânica, osteóide). São responsáveis pela mineralização do tecido ósseo. Constituem uma camada celular sobre a camada óssea, formando uma membrana óssea que controla o fluxo de íons dentro e fora do osso (TEN CATE, 2001). Quando o osso não está sendo formado, a camada de osteoblastos torna-se inativa e é chamada de células de revestimento. O núcleo de tais células torna-se achatado, formando uma camada de menos de 0,1µm de espessura. Essa camada de células mantém sua ligação com os osteócitos criando, assim, um sistema que controla a homeostase mineral e assegura a vitalidade óssea. Pré-osteoblastos, e em menor extensão, os osteoblastos, exibem altos níveis de fosfatase alcalina. Esta enzima, a qual é usada experimentalmente como marcador citoquímico, distingue o osteoblasto do fibroblasto. Funcionalmente, acredita-se que o fosfato liberado parece contribuir para o início e progressivo crescimento dos cristais de minerais ósseos (TEN CATE, 2001). Os osteoblastos, nos seus diferentes estágios de diferenciação, podem produzir fosfatase alcalina, colágeno tipo I, osteocalcina, osteopontina, fatores de crescimento, citocinas, fatores estimulantes de colônias, colagenase, TIMP (tecido inibidor de metaloproteinases) e ativador de plasminogênio (SANDY, 1992; TEN CATE, 2001).

26 26 Estes fatores autócrinos e parácrinos, os quais incluem os fatores de crescimento, ajudam a regular o metabolismo celular (TEN CATE, 2001). Os osteoblastos secretam também, vários tipos de proteínas morfogenéticas do osso (BMP) incluindo a BMP2, BMP7, fator de crescimento transformador beta 7*) IDWRU GH FUHVFLPHQWR VHPHOKDQWH à insulina (IGF-I e IGF-II), fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF) e fator de crescimento fibroblástico beta )*)$FRPELQDção dos IGF-I, TGF-H3'*)SDUHFHDXPHQWDUDYHORFLGDGHGH formação e reparo ósseo, e parece ser muito importante no futuro da terapia dentária (TEN CATE, 2001). Os hormônios mais importantes no metabolismo ósseo são o hormônio da paratireóide, 1,25 dihidroxivitamina D, calcitonina, estrógeno, e os glicocorticóides (TEN CATE, 2001). Os osteócitos, que representam o estágio terminal de diferenciação da linhagem dos osteoblastos, são células que foram incorporadas dentro da nova matriz óssea formada. Durante esse processo, as células tornam-se menores, com poucas organelas celulares, e mantêm contato entre si e com os osteoblastos, através de prolongamentos celulares (SANDY, 1992; TEN CATE, 2001). Os osteoclastos são macrófagos multinucleados originados da fusão de células mononucleares de origem hematopoiética (TSAY et al., 1999; RODY et al., 2001). São células assimétricas que apresentam a região da borda irregular, que se liga à superfície óssea, onde a atividade de reabsorção ocorre. Devido ao seu tamanho, podem ser facilmente identificadas à microscopia de luz. São identificadas citoquimicamente pelo processo do fosfatase ácida resistente ao tartarato (TRAP) positivo, o que as distingue de células gigantes. Normalmente, são encontradas na

27 27 superfície óssea, ocupando depressões criadas por eles, chamadas de lacunas de Howship (TEN CATE, 2001). A regulação do desenvolvimento dos osteoclastos é carreada por numerosas substâncias, tais como hormônios, citocinas, fatores de crescimento e constituintes da matriz óssea (TEN CATE, 2001). No ciclo da remodelação óssea normal, ocorre reabsorção osteoclástica, uma fase reversa, seguida por formação de novo osso para reparar o defeito. Inicialmente, a ativação dos osteoblastos que revestem a superfície óssea, dá-se através do hormônio da paratireóide (PTH), hormônio do crescimento (GH) e interleucina-1 (IL-1), que produzem uma cascata de sinais, com a liberação de citocinas tais como, IL-1, IL -6, IL -11, fator de crescimento estimulante de colônias de macrófagos (M-CSF), fator de crescimento de necrose tumoral (TNF), e fator de crescimento transformador beta (TGF- TXH SURPRYHP R UHFUXWDPHQWR GH osteoclastos e seus precursores (HILL & ORTH, 1998; TEN CATE, 2001). Esses sinais intercelulares aumentam o recrutamento e a diferenciação de células multinucleadas, originadas das células do tecido hematopoiético (HILL & ORTH, 1998). Várias moléculas são de grande importância para a regulação da diferenciação dos osteoclastos, como o fator de transcrição PU-1, expresso nos precursores dos osteoclastos, necessário para os estágios iniciais da diferenciação dos osteoclastos e monócitos, enquanto outros fatores de transcrição, incluindo o c- fos e NFkB desempenham um papel essencial na estimulação e diferenciação dos precursores em osteoclastos maduros. A formação e ativação dos osteoclastos dependem também do contato entre os precursores de osteoclastos e células mesenquimais da medula óssea. Essas células secretam a citocina M-CSF, que é essencial para diferenciação de ambos, osteoclastos e macrófagos, a partir de um

28 28 precursor comum. Na superfície de uma célula mesenquimal, uma molécula chamada ligante do RANK (RANKL) interage com outro receptor, presente na superfície celular do precursor do osteoclasto, chamado RANK (receptor ativador do fator nuclear Kappa B), promovendo a sua diferenciação em osteoclasto maduro. A interação RANK-RANKL pode ser bloqueada por outra molécula chamada osteoprotegerina (OPG), que é um falso ligante para o receptor RANK e que age como um potente inibidor da formação osteoclástica (CHAMBERS, 2000; MENAA et al., 2000; RODAN & MARTIN, 2000; RALSTON, 2002) (Fig 1). Células Hematopoiéticas Célula do tecido conjuntivo Macrófago Pré-osteoclastos Osteoclasto Maduro Próton H+ Enzimas Proteolíticas Regulados pelos: Hormônios calciotrópicos Citocinas Hormônios esteróides FIGURA 1 Recrutamento e diferenciação de osteoclastos. IL-3 = interleucina -3; M-CSF= fator de crescimento estimulante de colônia de macrófagos; GM-CSF= fator de crescimento estimulante de colônias de macrófagos e granulócitos; OPG= osteoprotegerina; RANK = receptor do ativador do fator nuclear kappa B; RANKL= ligante do receptor de ativador do fator nuclear kappa B. FONTE: Adaptação de RALSTON, 2002 Na fase de reabsorção ocorre, inicialmente, a aderência dos osteoclastos, na superfície óssea, através de sua borda franjada. A formação dessa borda depende

29 29 da presença da c-src, uma proteína sinalizadora de membrana. O meio acidificado pela ação do próton H+ desmineraliza o osso (hidroxiapatita) e expõe a matriz orgânica; ocorre, então, a degradação desta matriz exposta pela ação de enzimas como catepsina B e fosfatase ácida. A anidrase carbônica II também participa na regulação da atividade osteoclástica. Após a reabsorção induzida pelos osteoclastos, componentes da matriz, comr7*)h,*)-i, colágeno, osteocalcina, outras proteínas e componentes minerais são liberados no micro-ambiente. Os fatores de crescimento liberados pela reabsorção contribuem para o recrutamento de novos osteoblastos para a superfície óssea. Nessa fase, chamada reversa, os osteoclastos desaparecem (apoptose), e com a degradação da matriz orgânica, os fatores de crescimento que estavam seqüestrados no micro-ambiente são liberados inibindo os osteoclastos e estimulando os osteoblastos a iniciarem um novo processo de síntese de colágeno e mineralização do tecido osteóide (TEN CATE, 2001; RALSTON, 2002). Após esse processo, os osteoblastos tornam-se achatados, formando uma camada de células de revestimento em repouso. Alguns osteoblastos diferenciam-se em osteócitos e ficam submersos na matriz óssea. No final do ciclo de remodelação, sob circunstâncias ideais, a quantidade de osso formado deverá ser igual à quantidade de osso reabsorvido (TEN CATE, 2001; RALSTON, 2002) (Fig. 2).

30 30 Osteoclasto - recrutamento - Diferenciação - Ativação Osteoblastos em repouso Mineralização Fase de repouso Fase de Reabsorção Fase de formação Osteoclastos - apoptose Fase reversa Síntese de matriz Osteoblasto - Recrutamento - Diferenciação - Ativação FIGURA 2 Ciclo da remodelação óssea. FONTE: adaptação de RALSTON, BIOLOGIA DO MOVIMENTO ORTODÔNTICO Movimento Ortodôntico Desde 1911, no seu clássico trabalho, Oppenheim demonstrou que a reação das estruturas de suporte ao stress não ocorria devido à elasticidade, compressão ou extensão do osso, mas sim, devido a uma série de mudanças no tecido ósseo, caracterizadas por áreas de deposição e reabsorção, mediadas pela tensão e

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

III. 4 - Tecido Ósseo

III. 4 - Tecido Ósseo Capítulo 2: Parte 4 1 III. 4 - Tecido Ósseo É um tecido conjuntivo resistente em virtude da impregnação da sua substância fundamental pelos sais de cálcio, principalmente o fosfato e o carbonato de cálcio.

Leia mais

Sinalização Celular. Por que sinalizar?

Sinalização Celular. Por que sinalizar? Comunicação Celular Sinalização Celular Por que sinalizar? Sinalização Celular Quando sinalizar? Sinalização Celular Como sinalizar? Sinalização Celular Onde sinalizar? Relevância Biológica Alteração no

Leia mais

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Anatomia do Periodonto Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com Periodonto Normal Anatomia macroscópica Anatomia microscópica Anatomia macroscópica Gengiva Ligamento

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea André Montillo UVA Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea O Tecido ósseo é o único que no final de sua cicatrização originará tecido ósseo verdadeiro e não fibrose como os demais tecidos

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO HISTOLOGIA 2011/12 PROFESSOR PEDRO CÂMARA FUNÇÕES FUNÇÕES DOS S MECÂNICA SUPORTE DUREZA ARQUITECTURA INTERNA MOVIMENTO

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão TECIDO CONJUNTIVO derme tendão Tecido adiposo cartilagem sangue osso http://medinfo.ufl.edu/~dental/denhisto/lecture_materials/conntiss1_07_nxpowerlite_1.ppt Tecido Conjuntivo Característica: vários tipos

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Papel conferido pela Matriz Extracelular MEC principal constituinte do Tecido

Leia mais

Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos observar os sistemas de Havers e os sistemas intermediários com facilidade.

Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos observar os sistemas de Havers e os sistemas intermediários com facilidade. 1. Tecido Ósseo Compacto desgastado Material: Diáfise de osso em corte transversal Técnica: Desgaste com a utilização de disco de Carborundum Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato Sinalização celular Profa. Dra. Monica Akemi Sato Mensageiros Químicos Número de células Corpo Humano ~75 trilhões As células são especializadas na execução da função específica Ex: secreção ou contração.

Leia mais

Lipossomas e as suas aplicações na actualidade

Lipossomas e as suas aplicações na actualidade Universidade de Évora Departamento de Química Célia Antunes Lipossomas e as suas aplicações na actualidade Os lipossomas foram descobertos em 1960 pelo cientista inglês Alec Bangham. No entanto, somente

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante Células Tecido conjuntivo Matriz Extracelular (MEC) Abundante Tecido conjuntivo I Matriz Extracelular (MEC) Tipos de tecido conjuntivo Tecido conjuntivo II Células residentes Células transitórias Tecido

Leia mais

Aula6 TECIDO ÓSSEO. Shirlei Octacílio da Silva

Aula6 TECIDO ÓSSEO. Shirlei Octacílio da Silva Aula6 TECIDO ÓSSEO META Descrever a composição do tecido ósseo, correlacionando as características estruturais do osso com suas funções no corpo, ressaltando que os mesmos componentes que trazem a rigidez

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

UNIDADE 7 SINALIZAÇÃO CELULAR

UNIDADE 7 SINALIZAÇÃO CELULAR UNIDADE 7 SINALIZAÇÃO CELULAR 1. VISÃO GERAL A sinalização celular é um mecanismo de comunicação entre as células que se encontra presente nas mais diversas formas de vida, desde organismos unicelulares,

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO Poucas células, encontram-se separadas; Presença de grande quantidade de substância intercelular; Substância intercelular ou matriz extracelular Substância fundamental amorfa:

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das TIREÓIDE

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das TIREÓIDE SISTEMA ENDÓCRINO Jatin Das Os hormônios tireoidianos são fundamentais para o desenvolvimento de vários órgãos no período embrionário, rio, mas também m são responsáveis pelo crescimento, a diferenciação

Leia mais

Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia

Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia Dra. Patricia Fretes Coord. do curso de atualização em Implantodontia IOA PY Profa. adjunta do curso de especialização em Implantodontia IOA PY Especialista em Implantes

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO MORFOLOGIA MICROSCOPICA

ESTUDO DIRIGIDO MORFOLOGIA MICROSCOPICA 1 ESTUDO DIRIGIDO MORFOLOGIA MICROSCOPICA 1- As glândulas adrenais têm uma das mais altas taxas de fluxo sanguíneo por grama de tecido do organismo, sendo que o córtex abrange 80% e a medula, 20% do órgão.

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO-ESTERÓIDES NA MOVIMENTAÇÃO ORTODÔNTICA EM RATOS: ANÁLISES HISTOLÓGICAS E HISTOQUANTITATIVAS

ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO-ESTERÓIDES NA MOVIMENTAÇÃO ORTODÔNTICA EM RATOS: ANÁLISES HISTOLÓGICAS E HISTOQUANTITATIVAS Ana Cristina Fernandez Aguiar ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO-ESTERÓIDES NA MOVIMENTAÇÃO ORTODÔNTICA EM RATOS: ANÁLISES HISTOLÓGICAS E HISTOQUANTITATIVAS Belo Horizonte 2002 1 Ana Cristina Fernandez Aguiar ANTIINFLAMATÓRIOS

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS Por Dr.Marcelo Bonanza PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS O que é a aplicação de Plasma Rico em Plaquetas? As Plaquetas são formadas a partir do Megacariócito que tem origem na medula óssea. Cada Plaqueta guarda

Leia mais

Osteoporose. Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07

Osteoporose. Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07 FBC0417 - Fisiopatologia III Osteoporose Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07 Prof. Mario H. Hirata FCF-USP

Leia mais

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br M!K! Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br Objetivos Tipos de consolidação: Primária e Secundária Tipos de estabilidade: Absoluta e Relativa O Osso 1 Estrutura Óssea OSTEOCLASTOS OSTEOBLASTOS MATRIZ

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

Os fatores que promovem o crescimento de um órgão ou organismo podem ser funcionalmente divididos em três classes principais:

Os fatores que promovem o crescimento de um órgão ou organismo podem ser funcionalmente divididos em três classes principais: 1 Os fatores que promovem o crescimento de um órgão ou organismo podem ser funcionalmente divididos em três classes principais: 1. Mitógenos, que estimulam a divisão celular, principalmente por aliviar

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO EPITELIAL MUITAS CÉLULAS; CÉLULAS JUSTAPOSTAS; POUCA OU NENHUMA SUBSTÂNCIA INTERCELULAR; FORMADO POR UMA OU VÁRIAS CAMADAS DE CÉLULAS; NÃO POSSUI FIBRAS; É AVASCULARIZADO;

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema Tecido Conjuntivo Prof Leonardo M. Crema Variedades de Tecido Conjuntivo Propriamente dito (frouxo, denso modelado e não modelado) Com propriedades especiais (tecido elástico, reticular, adiposo, mielóide,

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO 28/07/2015. Origem mesodérmica; Grande quantidade de substância intercelular: Profº Fernando Teixeira @biovestiba. Vascularizado.

TECIDO CONJUNTIVO 28/07/2015. Origem mesodérmica; Grande quantidade de substância intercelular: Profº Fernando Teixeira @biovestiba. Vascularizado. TECIDO CONJUNTIVO Origem mesodérmica; Profº Fernando Teixeira @biovestiba Grande quantidade de substância intercelular: o Substância fundamental; o Proteínas colágenas ou elásticas; Vascularizado. Preenchimento;

Leia mais

HISTOLOGIA. Tecidos Conjuntivos

HISTOLOGIA. Tecidos Conjuntivos HISTOLOGIA Tecidos Conjuntivos TECIDOS CONJUNTIVOS Características: Vários tipos de células separadas por muito material intercelular. Funções diversas como: Sustentação estrutural; Preenchimento; Defesa

Leia mais

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE O sangue é um tecido conectivo especializado constituído por diferentes tipos celulares em suspensão em um meio líquido denominado de plasma. Funciona primordialmente

Leia mais

Regeneração e Cicatrização

Regeneração e Cicatrização Aula de Biopatologia Regeneração e Cicatrização Prof. Fernando Schmitt Aula desgravada por: Rita Mendes e Chiara Rodriguez 16 de Outubro de 2006 A cicatrização e regeneração não são processos degenerativos,

Leia mais

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS TECIDO CONJUNTIVO células pouco numerosas e bastante espaçadas Substância intercelular composição varia de acordo com o tipo de tecido, ex: derme: há uma substância gelatinosa que dá resistência e elasticidade

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO É uma reação dos tecidos a uma agente agressor caracterizada morfologicamente

Leia mais

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Composto de ossos, músculos, cartilagem, ligamentos e fáscia, proporcionando ao corpo, com sua armação estrutural uma caixa

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

WWW.INSTITUTOWERNECK.COM. REABSORÇÃO RADICULAR EXTERNA De quem é a culpa?

WWW.INSTITUTOWERNECK.COM. REABSORÇÃO RADICULAR EXTERNA De quem é a culpa? WWW.INSTITUTOWERNECK.COM REABSORÇÃO RADICULAR EXTERNA De quem é a culpa? Gera estresse celular (forma das células) + Alteração de PH Processo Inflamatório Prostaglandina - Leucotrieno Lesões na membrana

Leia mais

Prof André Montillo www.montillo.com.br

Prof André Montillo www.montillo.com.br Prof André Montillo www.montillo.com.br Qual é a Menor Unidade Viva? Célula Qual é a Menor Unidade Viva? Tecidos Órgãos Aparelhos Sistemas Célula Células Tecidos Órgãos Sistemas ou Aparelhos Sistemas ou

Leia mais

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue:

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue: 8 - O câncer também tem fases de desenvolvimento? Sim, o câncer tem fases de desenvolvimento que podem ser avaliadas de diferentes formas. Na avaliação clínica feita por médicos é possível identificar

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) Chamada Pública Universal 03/2006 1.1. N do Contrato:

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO - 1 Figuras desta aula são do livro de Silverthorn

SISTEMA ENDÓCRINO - 1 Figuras desta aula são do livro de Silverthorn SISTEMA ENDÓCRINO - 1 Figuras desta aula são do livro de Silverthorn Bernardo Baldisserotto Departamento de Fisiologia e Farmacologia Universidade Federal de Santa Maria, Brasil Sistema nervoso: usualmente

Leia mais

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa:

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa: 1 - A respeito da inflamação crônica, analise as assertivas a seguir: I) A inflamação crônica sempre tem início após a inflamação aguda. II) A inflamação crônica inespecífica é observada em resposta à

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

Membranas biológicas. Profa Estela Rossetto

Membranas biológicas. Profa Estela Rossetto Membranas biológicas Profa Estela Rossetto Membranas Biológicas Delimitam e permitem trocas entre compartimentos http://www.accessexcellence.org/rc/vl/gg/pmembranes.html Composição e Estrutura Lipídios

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA Processos Imunológicos e Patológicos INFLAMAÇÃO Prof.: Hermínio M. da R.Sobrinho PROCESSO INFLAMATÓRIO A inflamação constitui uma resposta imune

Leia mais

Técnico em Biotecnologia Módulo I. Biologia Celular. Aula 4 - Sistema de Endomembranas. Prof. Leandro Parussolo

Técnico em Biotecnologia Módulo I. Biologia Celular. Aula 4 - Sistema de Endomembranas. Prof. Leandro Parussolo Técnico em Biotecnologia Módulo I Biologia Celular Aula 4 - Sistema de Endomembranas Prof. Leandro Parussolo SISTEMA DE ENDOMEMBRANAS Se distribui por todo o citoplasma É composto por vários compartimentos

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR

HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO TECIDO CONJUNTIVO DE PROPRIEDADES ESPECIAIS TECIDO CONJUNTIVO ESPECIALIZADO TECIDO

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

ESTUDO BASE 8 ANO. Prof. Alexandre

ESTUDO BASE 8 ANO. Prof. Alexandre ESTUDO BASE 8 ANO Prof. Alexandre FORMA E FUNÇÃO Natureza FORMA E FUNÇÃO Artificiais FORMA E FUNÇÃO Todos os objetos apresentam uma relação intíma entre sua forma e função Relação = FORMA/FUNÇÃO BIOLOGIA

Leia mais

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br Como citar este documento: Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. Disponível em:, acesso em: (coloque a data aqui). ROTEIRO PARA AULA PRÁTICA DE HISTOLOGIA BÁSICA Roteiro de

Leia mais

DENTINOGÊNESE BANDA EPITELIAL CAVIDADE BUCAL PRIMITIVA. Morfologia II UNINOVE. Ü 22 o dia: formação da mb bucofaríngea. 2º Mês de V.I.U.

DENTINOGÊNESE BANDA EPITELIAL CAVIDADE BUCAL PRIMITIVA. Morfologia II UNINOVE. Ü 22 o dia: formação da mb bucofaríngea. 2º Mês de V.I.U. ODONTOGÊNESE Morfologia II UNINOVE ODONTOGÊNESE CAVIDADE BUCAL PRIMITIVA - ESTOMODEO GERME DENTÁRIO AMELOGÊNESE DENTINOGÊNESE DESENVOVIMENTO RADICULAR EMBRIOGÊNESE FACIAL RELEMBRANDO... Tecidos Embrionários

Leia mais

Os hormônios não são os únicos sinalizadores intercelulares.

Os hormônios não são os únicos sinalizadores intercelulares. 6. O que são e para que servem os hormônios? Introdução Em 1902, Bayliss e Starling verificaram que, em resposta à introdução de substâncias ácidas, a mucosa do duodeno e do jejuno liberava um mensageiro

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo Tecido Conjuntivo Tecido com diversos tipos de células c separadas por abundante material intercelular sintetizado por elas. - Origem: mesênquima (derivado do mesoderma); conjuntivo Coloração depende muito

Leia mais

RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO

RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO TECIDO ÓSSEO - Características: apresenta matriz calcificada e atua como o principal depósito de cálcio e fósforo

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO AUTORES: André Zétola Rafaela Larson Introdução A procura

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito)

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito) Definições gerais Estabelece conexões e une os demais tecidos; Sustentação e manutenção da forma (estroma); Caminho para vasos e fibras nervosas; Origem: Mesoderma Características gerais formado por matriz

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Ossos

Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Ossos Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Ossos Resumo da aula Classificação Estrutura óssea Funções Remodelagem Cargas Torque/ Momento Stress em função da Geometria Óssea Resumo da aula Esqueleto axial

Leia mais

Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Questão Qual é a melhor atividade física para o aumento da densidade óssea em todo o corpo? Natação? Corrida? Tênis?

Leia mais

Tecido conjuntivo 1º ano Pró Madá Componentes da matriz extracelular A matriz é uma massa amorfa, de aspecto gelatinoso e transparente. É constituída principalmente por água e glicoproteínas e uma parte

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

- Preenchimento; - Armazenamento; - Transporte; - Defesa; Coloração depende muito de. mesoderma). genas, Elásticas, Reticulares

- Preenchimento; - Armazenamento; - Transporte; - Defesa; Coloração depende muito de. mesoderma). genas, Elásticas, Reticulares Tecido Conjuntivo Tecido com diversos tipos de células c separadas por abundante material intercelular sintetizado por elas. - Origem: mesênquima; Tecido Conjuntivo FUNÇÕES conjuntivo componentes 1. Fibras;

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado CITOCINAS/INTERLEUCINAS Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado Introdução Respostas imunes: interações entre as diferentes populações celulares.

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecidos Conjuntivos Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecidos Conjuntivos Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecidos Conjuntivos Prof. Enrico Blota Biologia Moléculas, células e tecidos - Tecidos animais Tecidos conjuntivos São constituídos predominantemente por material

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR

CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR Plano de Aula -Desenvolvimento embrionário -Diferenciação celular -Células-tronco em diversos tecidos - Profª Juliana Schmidt

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária GH e PROLACTINA Prof. Fabio Otero Ascoli GH Sinônimos: Hormônio do crescimento ou somatotrópico ou somatotropina Histologia: Em torno de 30 a 40% das células da hipófise

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS MARIA CLARA NASCIMENTO ELYOTE DOS SANTOS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS MARIA CLARA NASCIMENTO ELYOTE DOS SANTOS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS MARIA CLARA NASCIMENTO ELYOTE DOS SANTOS USO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS E ANALGÉSICOS DURANTE O TRATAMENTO ORTODÔNTICO A influência na movimentação dentária

Leia mais

3º PROVA PATOLOGIA GERAL

3º PROVA PATOLOGIA GERAL 1 - A imunoterapia tem sido usado no tratamento de tumores e em alguns casos com sucesso significativo, meios de imunização ativo e passivo foram empregados para estimular o sistema imune. A melhor resposta

Leia mais

Regulação do metabolismo do glicogênio

Regulação do metabolismo do glicogênio Regulação do metabolismo do glicogênio A U L A 27 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Aprender sobre as vias de regulação do metabolismo de glicogênio. Reforçar os conceitos adquiridos

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL Regeneração, cicatrização e fibrose http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Reparação Tecidual "Processo de reposição do tecido

Leia mais

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares:

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: Capítulo 1: Parte 3 1 II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: O epitélio que participa principalmente da secreção está geralmente disposto em estruturas denominadas glândulas. As substâncias

Leia mais

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano.

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano. Anatomia Humana Sistema Esquelético Ed. Física Prof. Cláudio Costa Osteologia: É o estudo dos ossos. Composição do Sistema Ósseo: 206 peças duras, resistentes e flexíveis chamadas ossos, pelas cartilagens

Leia mais

Butylene Glycol; Water (Aqua); Dihydromyricetin. Modelador do tecido adiposo: a solução cosmética para o tratamento da gordura localizada.

Butylene Glycol; Water (Aqua); Dihydromyricetin. Modelador do tecido adiposo: a solução cosmética para o tratamento da gordura localizada. Produto INCI Definição MYRICELINE Butylene Glycol; Water (Aqua); Dihydromyricetin Modelador do tecido adiposo: a solução cosmética para o tratamento da gordura localizada. Propriedades Os tratamentos cosméticos

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

Onde surge uma célula, existia uma célula prévia, exatamente como os animais só surgem de animais e as plantas de plantas. Rudolf Virchow, 1958

Onde surge uma célula, existia uma célula prévia, exatamente como os animais só surgem de animais e as plantas de plantas. Rudolf Virchow, 1958 Onde surge uma célula, existia uma célula prévia, exatamente como os animais só surgem de animais e as plantas de plantas Rudolf Virchow, 1958 CICLO CELULAR A vida das células é formada por dois períodos:

Leia mais

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Aplicação do t Manual INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Classificação Geral Identificação dos instrumentos t SONDAS PERIODONTAIS EXPLORADORES CURETAS ENXADAS FOICES LIMAS Instrumentos Exploradores

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO 9º ano

TECIDO CONJUNTIVO 9º ano TECIDO CONJUNTIVO 9º ano O tecido conjuntivo apresenta células separadas por matriz intercelular. É quase sempre vascularizado. (exceção tecido cartilaginoso) TIPOS DE TECIDO CONJUNTIVO TCP D TCP D Frouxo

Leia mais

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas.

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Fisiologia Animal Excreção Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Sistema urinario Reabsorção de açucar, Glicose, sais, água. Regula volume sangue ADH: produzido pela

Leia mais

ESTRUTURA E DINÂMICA TECIDO ÓSSEO

ESTRUTURA E DINÂMICA TECIDO ÓSSEO ESTRUTURA E DINÂMICA DO TECIDO ÓSSEO Fernando Judas 1,2 Paulo Palma 2 Rui Isidro Falacho 2 Helena Figueiredo 2 Clínica Universitária de Ortopedia dos HUC-CHUC 1 Faculdade de Medicina da Universidade de

Leia mais