Neovascularização coroideia (NVC) Estratégias das novas terapêuticas (*)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Neovascularização coroideia (NVC) Estratégias das novas terapêuticas (*)"

Transcrição

1 Neovascularização Acta Oftalmológica coroideia 11; 5-11, (NVC) Estratégias das novas terapêuticas. 5 Neovascularização coroideia (NVC) Estratégias das novas terapêuticas (*) J. Castro-Correia, Vitor Rosas e Rui Martinho Depois de analisar os conceitos etiopatogénicos da neovascularização coroideia e das patologias associadas, os autores descrevem as terapêuticas profiláticas e curativas que têm sido usadas, fazendo considerações críticas sobre cada uma delas. Palavras-chave: Neovascularização coroideia; Terapêutica profilática da NVC; Terapêutica curativa da NVC; Terapêutica fotodinâmica; Etiopatogenia da NVC INTRODUÇÃO A neovascularização coroideia consiste na proliferação de vasos coroideus que invadem a membrana de Bruch e formam uma rede vascular que fica subjacente quer ao epitélio pigmentado da retina, quer à retina sensorial. As estratégias terapêuticas dependem, essencialmente, dos seguintes factores: 1. Conceito etiopatogénico da neovascularização coroideia; 2. Patogenia das patologias associadas Degenerescência macular da idade (DMI), Miopia patológica e outras doenças degenerativas (Estrias angióides, Doença de Best), Patologia inflamatória (Histoplasmose, Toxoplasmose, Behçet, Coroidites multifocais, Sarcoidose, Harada, Retinopatia da rubéola, etc.), Patologia traumática, Patologia idiopática; 3. Situação da membrana vascular relativamente ao epitélio pigmentado; 4. Estado do epitélio pigmentado da retina; 5. Localização da membrana vascular relativamente à mácula Subfoveolar, Justafoveolar ou Extrafoveolar; 6. Clássica, Oculta ou Mista; 7. História natural das diversas patologias; 8. Tecnologia disponível. Após a enumeração dos diversos factores que têm de ser considerados quando se propõe determinada estratégia terapêutica deve ser imediatamente afirmado que, praticamente em todos os casos de neovascularização coroideia, seja qual for a patologia associada, todos estes factores são factores actuantes, devendo por isso ser avaliados em conjunto, pois constituem um complexo somatório factorial que não pode ser parcelarmente dividido. A proliferação de neovasos é um facto comum (*)Conferência realizada nos Colóquios de Oftalmologia FML 2001 HSM, de Fevereiro 2001, Hotel Sheraton, Lisboa. a todas as patologias e, por isso, a patogenia da angiogénese será a primeira a ser descrita, bem como as respectivas terapêuticas. A introdução do factor «Patologias associadas», aparentemente destruidor desta unidade, resulta, por um lado, da real necessidade de conjugar a patologia com a clínica, exegese indispensável ao conhecimento das doenças, sem impedir contudo que se reconheça a impossibilidade de destruir um todo, cujos componentes são comuns, tais como, além da angiogénese, o tipo da neovascularização, a localização dos neovasos, o estado do espitélio pigmentado da retina, a história natural e a tecnologia disponível, e, por outro lado, de uma necessidade didática que persegue o objectivo de valorizar a importância de factores só aparentemente separados e dispersos. PATOGENIA DA NEOVASCULARIZAÇÃO COROIDEIA Como já referimos, a neovascularização coroideia é uma proliferação vascular dos vasos da coroide e, como tal, inclui-se no problema mais vasto da angiogénese. A angiogénese, tal como hoje a concebemos, resulta de uma complexa interacção de factores celulares e extra-celulares de que se destacam os factores de crescimento solúveis e os moduladores insolúveis. Pensa-se que os factores de crescimento solúveis são angiogénicos e que uma das possíveis causas da sua entrada em acção é a isquemia, tal como foi proposto por Michaelson, em De entre os vários factores de crescimento solúveis destaca-se o factor de crescimento vascular endotelial (VEGF) como sendo o factor com maiores potencialidades angiogénicas 2,3,4,5,6,7, embora, re-

2 6 J. Castro-Correia, Vitor Rosas e Rui Martinho centemente, se admita que a hormona de crescimento e o factor de crescimento insulin-like também têm grande importância na angiogénese ocular 8. Quanto aos factores insolúveis moduladores da angiogénese devem citar-se os elementos da matriz extracelular 9 e as moléculas de aderência intercelular 10, sendo ainda de acrescentar a activação das células por intermédio da ligação de todos estes mediadores com os receptores da superfície celular, dando assim origem à formação de mediadores intermediários. Estes mediadores intermediários, por sua vez, eventualmente enviam um sinal ao núcleo com a consequente regulação das proteínas celulares e a modificação do comportamento da célula, incluindo a neovascularização INIBIÇÃO DA ANGIOGÉNESE Na sequência dos conhecimentos já adquiridos sobre a angiogénese, pode concluir-se que a utilização de agentes farmacológicos que produzam a sua inibição constitui uma importante estratégia terapêutica. Dos vários fármacos com actividade angiogénica, alguns há que já têm sido usados em patologia humana. Estão neste caso, por exemplo, o interferão alfa cuja acção, todavia, não se revelou comprovadamente benéfica em todos os casos de neovasos coroideus subfoveolares em que foi utilizada 11,12,13,14,15. Anti-angiogénicos são também os retinoides, cujos efeitos sobre o crescimento e a diferenciação celular são devidos à modulação exercida sobre os componentes da matriz extracelular das células endoteliais 16. Os corticosteroides que se sabe serem angiostáticos por interferirem com a degradação da matriz extracelular também têm sido utilizados com algum, embora não comprovado, benefício 17,18. A Talidomida é outro agente anti-angiogénico que tem sido investigado, aguardando-se os resultados da sua aplicação em casos de DMI 19. Em fase experimental estão ainda o Amiloride, diurético inibidor da uroquinase, enzima que produz a lise da matriz extracelular, facilitando a progressão dos neovasos 20,21, o Tamoxifen, com efeitos angio-estáticos mas com resultados ainda inconcludentes 22, a Angiostatina (fragmento do plasminogénio) e a Endostatina (fragmento do colagénio 18) 23,24, proteínas antitumorais e antiangiogénicas. PATOGENIA DAS PATOLOGIAS ASSOCIADAS A histopatologia das doenças associadas à neovascularização coroideia permite-nos, desde logo, estabelecer uma separação entre as patologias degenerativas e as patologias inflamatória e traumática, deixando de lado, pelo menos transitoriamente, a patologia idiopática pela sua própria condição. Torna-se necessário acrescentar, porém, que se a histologia permite estabelecer certos factos distintivos entre os dois grupos, não é menos certo que os restantes factores enunciados são comuns a ambos, tendo, por isso mesmo, de ser sempre incluídos na sua análise. PATOLOGIAS DEGENERATIVAS Relativamente à frequência do aparecimento de neovascularização coroideia, a importância das diversas patologias degenerativas está longe de ser igual. Com efeito, o número de casos de maculopatia exsudativa que complicam a evolução da degenerescência macular da idade (DMI) é muito superior ao número de casos com neovascularização coroideia encontrados na miopia degenerativa, nas estrias angióides ou na distrofia viteliforme, como demonstram os estudos epidemiológicos. Todavia, no aspecto específico que neste momento estudamos, isto é, no que estritamente respeita à neovascularização, estas patologias aproximam-se pela partilha de vários factores comuns. Comecemos então por analisar as características comuns à DMI, à miopia degenerativa, às estrias angioides e à distrofia viteliforme. Em todas estas afecções há uma alteração generalizada do epitélio pigmentado e em todas elas a neovascularização coroideia, além de poder ter localização extrafoveolar, justa ou subfoveolar, encontra-se situada na porção mais interior da membrana de Bruch, imediatamente subjacente à membrana basal do epitélio pigmentado. Em todas estas afecções a membrana de Bruch apresenta uma ou mais rupturas através das quais os neovasos irrompem para se situarem por debaixo da membrana basal do epitélio pigmentado. Os neovasos, todavia, podem romper o epitélio pigmentado e colocarem-se por debaixo da retina sensorial ou, algumas vezes, coexistirem nas duas situações, isto é, estarem simultâneamente debaixo do epitélio pigmentado e do neuro-epitélio. Os neovasos coroideus, durante a sua emigração da córiocapilar, são sempre acompanhados por fibroblastos, cuja proliferação é progressiva,levando à formação das cicatrizes para que sempreevoluem as neovascularizações coroideias. De facto, estas cicatrizes são muitas vezes constituidas por tecido fibrovascular, o que explica não só o aparecimento de hemorragias nas cicatrizes, mas também a sua hiperfluorescência com leakage. Por outro lado, a situação dos neovasos relativamente

3 Neovascularização coroideia (NVC). Estratégias das novas terapêuticas. 7 ao epitélio pigmentado, contribui para a classificação angiográfica das neovascularizações coroideias em clássicas, ocultas ou mistas, consoante a delineação dos vasos se faz de forma bem delimitada e precoce ou de forma mal delimitada e tardia, mais ou menos tardia conforme a quantidade de tecido fibroso presente, a densidade do exsudado ou a existência de hemorragia subretiniana. PATOLOGIAS INFLAMATÓRIAS E PATOLOGIA TRAUMÁTICA No caso destes dois tipos de patologia há factos que são idênticos aos das patologias degenerativas, tais como, por exemplo, a localização dos neovasos no fundo ocular e a evolução para uma cicatriz fibrosa que, obviamente, será mais ou menos extensa conforme a extensão, a gravidade da lesão e o tempo de evolução da doença causal. Mas há características particulares de interesse para a escolha da estratégia terapêutica. Em primeiro lugar deve ser salientado que, ao contrário do que acontece nas patologias degenerativas, em que o epitélio pigmentado está sempre difusamente alterado, nas patologias inflamatórias e traumática a alteração do epitélio pigmentado é apenas focal, limitada à área do foco inflamatório ou da ruptura traumática da coroide ou da retina, o que é bem indicado pela presença de um anel de pigmento localizado sobre as lesões e que é devido ou à proliferação do epitélio pigmentado que margina o local de destruição desse mesmo epitélio, ou à presença de macrófagos carregados de melanina e dispostos na periferia da lesão inflamatória focal ou da lesão traumática. Ora a presença deste anel de pigmento é quase constante nas neovascularizações coroideias que vêm complicar a evolução de diversas doenças inflamatórias tais como, por exemplo, a Histoplasmose, a Rubéola, a Retinite Toxoplásmica, as Coroidites Multifocais não sistémicas (Vitiliginosa ou Birdshot, Serpiginosa ou Geográfica, Coroidite multifocal com uveíte, Epiteliopatia placóide aguda multifocal posterior, ou sistémicas (Sarcoidose, Behçet, Harada). O anel de pigmento marca a zona em que o epitélio pigmentado destruido pelo foco inflamatório é atravessado pelos neovasos coroideus que vão colocar-se pordebaix o do neuro-epitélio, constituíndo uma neovascularização do tipo clássico, com vasos bem identificados pela angiografia fluoresceínica. PATOLOGIA IDIOPÁTICA Apesar da condição idiopática da afecção e da inexistência de material para estudo histológico, a natureza inflamatória do foco lesional que origina a neovascularização permite incluir estes casos no grupo anterior, devendo pois a atitude terapêutica a tomar ser também idêntica. ESTRATÉGIAS TERAPÊUTICAS Quanto à estratégia terapêutica da neovascularização coroideia podemos dizer que ela assume duas atitudes fundamentais, uma profilática e outra curativa. ESTRATÉGIAS PROFILÁTICAS Pelo que respeita à estratégia profilática as considerações que vamos fazer dizem fundamentalmente respeito à degenerescência macular relacionada com a idade (DMI). De facto, quanto à miopia patológica, cujo padrão hereditário ainda está mal definido, a sua profilaxia não é por enquanto possível, outro tanto sucedendo com as estrias angióides e com a distrofia viteliforme. PROFILAXIA DA NEOVASCULARIZAÇÃO COROIDEIA DA DMI Profilaxia cirúrgica (Tratamento profilático das drusas) Consiste no tratamento das drusas serosas com laserterapia térmica. Várias técnicas de aplicação deste tipo de laser têm sido propostas mas todas aceitam que a fotocoagulação pode ser feita, quer ao lado das drusas quer sobre elas, utilizando intensidades mínimas, para evitar o desenvolvimento de atrofia geográfica ou de neovasos, e um número de impactos variável mas sempre pequeno (12 a 20). O mecanismo de acção desta terapêutica não é conhecido mas admite-se que provocaria a activação dos macrófagos que efectuariam a remoção das drusas. Os resultados obtidos variam entre o êxito, 25,26 com remoção total ou parcial das drusas, e a ineficácia. PROFILAXIA MÉDICA A profilaxia médica da forma exsudativa da DMI tem de fundamentar-se na patogenia da doença. Contudo, como a patogenia da degenerescência macular relacionada com a idade não é perfeitamente conhecida, a apresentação de uma estratégia de terapêutica profilática racional reveste-se de grandes dificuldades. Convém, por isso, reflectir, em primeiro lugar, sobre os dados já adquiri-

4 8 J. Castro-Correia, Vitor Rosas e Rui Martinho dos para, depois, tentar escolher as propostas terapêuticas mais plausíveis. Dos estudos histológicos efectuados em olhos com DMI recolhem-se as seguintes informações: 1) Ao nível do epitélio pigmentado, há alterações degenerativas progressivamente mais intensas que conduzem à sua atrofia e apoptose, à formação de depósitos laminares e epiteliais basais, àformação de drusas duras, difusas e serosas, e ao espessamento da membrana de Bruch; 2) Ao nível da córiocapilar, observa-se atrofia e redução da malhacapilar. Os estudos electrofisiológicos revelam uma alteração grave e difusa do epitélio pigmentado. Os estudos fluxométricos realizados com a técnica doppler demonstram que a redução da perfusão da córiocapilar verificada durante o envelhecimento está consideravelmente agravada na degenerescência macular relacionada com a idade. Os estudos angiográficos, efectuados com fluoresceína e com indocianina, documentam atraso e diminuição da perfusão capilar na DMI. Os estudos epidemiológicos individualizam diversos factores de risco, devendo ser destacados os cardiovasculares, os fototóxicos e os dietéticos. Por último, os estudos genéticos confirmam uma maior prevalência de DMI não só familiar, mas também em gémeos univitelinos. Além disso, a análise pela técnica linkage dos genes candidatos á ligação causal com a DMI individualiza o gene ABCR do locus 1p21-p23 como sendo o gene mais provavelmente responsável pelo menos por uma parte dos casos de DMI. Da análise deste conjunto de dados podem retirar-se orientações terapêuticas, sabendo-se, porém, que só algumas podem ser praticadas de imediato, pois que outras se encontram ainda em fase experimental. Das que podem ser postas em prática devem ser citadas as seguintes: 1. Medidas de protecção da luz solar, sobretudo nas áreas geográficas em que a luz solar é mais intensa; 2. Cuidados dietéticos que tenham em atenção sobretudo a diminuição das dietas lipídicas (as drusas difusas são constituídas por restos celulares membranários e uma grande quantidade de vesículas lipo-proteicas) e a administração de suplementos anti-oxidantes, tais como as vitaminas C e E que, reduzindo a acção oxidativa da luz, teriam efeito protector contra a degenerescência macular. 3. Tratamento da hipertensão arterial de forma a evitar que se crie um acentuado desequilíbrio tensional entre a circulação geral e a circulação coroideia, desequilíbrio que, quando favorável à circulação geral, favoreceria o aparecimento das lesões exsudativas da DMI drusas serosas, descolamentos do epitélio pigmentado e neovascularização coroideia. 4. Modificação das condições reológicas Esta estratégia terapêutica fundamenta-se no conceito patogénico da DMI segundo o qual as alterações do epitélio pigmentado e a hipoperfusão capilar são atribuíveis, pelo menos parcialmente, à lipidização da membrana de Bruch e da esclera, a qual condicionaria a atrofia do epitélio pigmentado e da córiocapilar 27,28. Esta terapêutica utiliza a técnica da filtração diferencial extracorporal com o objectivo de eliminar proteínas de alto peso molecular e lipídeos de forma a melhorar vários parâmetros reológicos, tais como o plasma, a viscosidade sanguínea e a agregação plaquetária 29. TERAPÊUTICA GENÉTICA Relativamente à intervenção genética, que certamente virá a ser uma poderosa arma preventiva, teremos por enquanto de aguardar que os trabalhos experimentais em curso nos tragam rapidamente a possibilidade da sua aplicação prática. ESTRATÉGIAS CURATIVAS Contrariamente ao que dissemos a propósito das Estratégias Profiláticas, na realidade apenas aplicaveís à DMI, as Estratégias Curativas da neovascularização coróideia são comumns atodas as Patologias Associadas que referimos. Os factores que neste caso importa considerar são o estado do epitélio pigmentado, a situação da neovascularização coroideia relativamente ao epitélio pigmentado, a localização dos neovasos relativamente à fovéola, o tipo da neovascularização, a história natural e as tecnologias disponíveis. As estratégias curativas actuais são a laserterapia térmica, a laserterapia potenciada ou terapêutica fotodinâmica, a radioterapia e a cirurgia. CIRURGIA A cirurgia da neovascularização coroideia consiste essencialmente em duas técnicas, a remoção da membrana fibrovascular e a translocação daretina. Em que situações pode ser proposta a cirurgia? REMOÇÃO DAS MEMBRANAS VASCULARES SUBFOVEOLARES A remoção cirúrgica das membranas vasculares só deve ser considerada quando a localização dos neovasos é subfoveolar, quando a membrana está

5 Neovascularização coroideia (NVC). Estratégias das novas terapêuticas. 9 situada por cima do epitélio pigmentado e quando a neovascularização é do tipo clássico. Nestas condições tem de concluir-se que a remoção das membranas subretinianas subfoveolares está especialmente indicada nas patologias inflamatórias e traumáticas, porque nestes casos a neovascularização subfoveolar está situada por cima do epitélio pigmentado e é do tipo clássico. Na DMI, pelo contrário, os neovasos estão quase sempre situados por debaixo do epitélio pigmentado, total ou parcialmente, o que implica a extracção simultânea deste epitélio com a membrana vascular e, consequentemente, a perda dos respectivos foto receptores. Assim se explicam os maus resultados da cirurgia macular na DMI. Deve dizer-se, no entanto, que mesmo nos casos mais favoráveis das membranas subfoveolares da patologia inflamatória, os melhores resultados visuais da sua remoção cirúrgica nunca ultrapassam os 20/ TRANSLOCAÇÃO DA RETINA A translocação da retina tem como objectivo deslocar a retina foveolar para uma outra zona em que não haja neovasos. No caso da DMI a sua ineficácia é aparente desde logo, pois se sabe que as alterações do epitélio pigmentado são generalizadas e difusas, pelo que a mudança de posição da retina não trará qualquer benefício, pelo menos após algum tempo, sempre mais ou menos curto. O mesmo sucede, de resto, nas outras patologias degenerativas consideradas (a miopia, as estrias angióides e a distrofia viteliforme), pois em todas há alterações generalizadas do epitélio pigmentado. De resto, tal como os estudos histológicos mostram, além da degenerescência do epitélio pigmentado, também há extensa degenerescência dos foto-receptores. Por outro lado, a técnica da translocação da retina está sujeita a numerosas complicações sendo a mais preocupante, em termos de recuperação visual, a diplopia torsional no pós-operatório que pode desaparecer em semanas ou meses mas que também pode persistir durante anos 31. HEMORRAGIAS SUBMACULARES Como os efeitos do ferro libertado pela hemoglobina são tóxicos para os foto-receptores, as hemorragias submaculares, seja qual for a sua origem, devem ser drenadas precocemente. Para que a libertação do coágulo não arraste os foto-receptores, antes da sua extracção, deve proceder-se à sua liquefacção prévia por meio da injecção de activador de plasminogénio através da micro- -retinotomia realizada à distância de cerca de meio a um disco de diâmetro do bordo da hemorragia 32. RADIOTERAPIA Dada a grande radiosensibilidade das células endoteliais, sobretudo das células endoteliais dos vasos neoformados, a Radioterapia foi proposta como tratamento alternativo da neovascularização coroideia. Embora alguns estudos indiquem que quer a radiação externa quer a braquiterapia, administradas em baixas doses (10 a 15 Gy) podem manter a visão central e induzir a regressão da NVC, tem de reconhecer-se que estes estudos contêm amostras pequenas, não são randomizados e o seu follow-up é curto 33,34,35. Os estudos randomizados são poucos e alguns estão ainda em curso. O primeiro destes estudos, realizado em 74 doentes com NVC subfoveolar, do tipo clássico, oculto ou misto, com teleterapia administrada em doses fraccionadas de 4 Gy até atingir um dose total de 24 Gy, obteve melhores resultados nos tipos oculto e misto do que no tipo clássico, mas o follow-up é apenas de 1 ano, desconhecendo-se, pois, os efeitos a longoprazo 36. São necessários mais estudos randomizados, com amostras numerosas e longos follow-up para poder julgar sobre o valor desta terapia, tanto mais que não é inócua para o globo ocular, sendo particularmente de temer a maculopatia, a neuropatia óptica, a catarata e as lesões corneanas. LASERTERAPIA A laserterapia térmica é a única terapêutica com eficácia comprovada no tratamento da neovascularização coroideia 37,38,39,40,41,42,43. Os trabalhos do Grupo de Estudos de Fotocoagulação Macular demonstraram que a laserterapia térmica é benéfica no tratamento das neovascularizações clássicas extra-foveolares e justa-foveolares. Apesar disso, cerca de 50% dos olhos tratados experimentam acentuadaperda da acuidadevisual, por causa da persistência ou da recorrência da neovascularização. Relativamente à laserterapia dos neovasos subfoveolares, apesar dos melhores resultados obtidos a longo prazo, o tratamento com laser térmico dos neovasos subfoveolares continua controverso porque o resultado imediato é sempre uma perda visual. Nesta condições, e também porque a fotocoagulação térmica não tem aplicação útil nas neovascularizações ocultas ou mistas que, afinal, constituem a grande maioria, torna-se necessário procurar terapêuticas alternativas.

6 10 J. Castro-Correia, Vitor Rosas e Rui Martinho Como terapêuticas alternativas, além das que já foram mencionadas anteriormente, merece especial referência a terapêutica fotodinâmica. TERAPÊUTICA FOTODINÂMICA A estratégia básica da terapêutica fotodinâmica consiste na utilização de um pigmento fotosensível injectado na circulação sanguínea que, quando activado por um feixe de luz monocromática de comprimento de onda apropriado, promove alesão endotelial dos neovasos e a sua oclusão específica, sem produzir graves alterações dos tecidos vizinhos não vasculares 44,45,46,47. Depois de vários modelos experimentais, recorreu-se à verteporfina, uma porfirina modificada derivada da benzoporfirina, com um máximo de absorpção perto dos 689 nm e que é eliminada do organismo entre 1-3 dias após a sua administração. Depois de injectada na forma de uma preparação liposómica que aumenta a sua solubilidade, a verteporfina liga-se com lipoproteínas de baixa densidade (LDL) e vai fixar-se electivamente no endotélio dos neovasos coroideus que possuem elevado número de receptores para as LDL. A aplicação do laser diodo monocromático nos neovasos durante 83 segundos com uma intensidade de 600 mw/cm2, liberta radicais livres que lesam as células endoteliais e promovem a subsequente agregação plaquetária que leva à trombose do vasos proliferados obtendo-se, assim, a oclusão dos neovasos coroideus. A oclusão selectiva dos neovasos com conservação da integridade dos tecidos não vasculares vizinhos possibilita a aplicação desta técnica em todos os tipos de neovascularização coroideia, seja qual for a sua localização e a patologia associada. De facto a terapêutica fotodinâmica começa a ser utilizada em patologias diferentes da DMI, como, por exemplo, na miopia, na histoplasmose, nas estrias angioides e em situações idiopáticas 48. Não sendo uma panaceia, porque a cura não se obtém em todos os casos e porque por vezes é necessário repetir as aplicações, a técnica fotodinâmica constitui, contudo, um excelente meio de tratamento das neovascularizações coroideias. A investigação de novos pigmentos fotosensíveis continua por isso em grande actividade. SUMMARY After analysis of the pathogeny of the choroidal neovascularization in different pathologies, the authors describe the prophylaxis and curative techniques that have been used and make critical considerations about each one, defining this correct application. Key-words: Choroidal neovascularization; Prophylatic of CNV; Curative treatment of CNV; Photodynamic therapy; Etiopathogenesis of CNV. BIBLIOGRAFIA 1. Michaelson IC: The mode of development of the vascular system of the retina, with some observations on its significance for certain retinal diseases. Trans Ophthalmol Soc U K, 68: , Adamis AP, Shima DT, Tolentino MJ, et al: Inhibition of vascular endothelial growth factor prevents retinal ischemia-associated iris neovascularization in a nonhuman primate. Arch Ophthalmol, 114: 66-71, Aiello L. Pierce E, Foley E, et al: Inhibition of vascular endothelial growth factor (VEGF) reduces retinal neovascularization in the mouse (abstract). Invest Ophthalmol Vis Sci, 3 (Suppl): 401, Aiello LP, Pierce EA, Foley ED, et al: Suppression of retinal meovascularization in vivo by inhibition of vascular endothelial growth factor (VEGF) using soluble VEGFreceptor chimeric proteins. Proc Natl Acad Sci USA, 92: , Miller J, Shima D, Tolentino M, et al. Inhibition of VEGF prevents ocular neovascularization in a monkey model (abstract). Invest Ophthalmol Vis Sci, 36 (Suppl): 401, Okamoto N, Tobe T, Hackett SF, et al: Transgenic mice with increased expression of vascular endothelial growth factor in the retina: a new model of intraretinal and subretinal neovascularization. Am J Pathol, 151: , Yi X, Ogata N, Komada N, et al: Vascular endothelial growth factor expression in choroidal neovascularization in rats. Graefes Arch Clin Ophthalmol, 235: , Smith LE, Kopchick JJ, Chen W, et al: Essential role of growth hormone in ischemia-induced retinal neovascularization. Science, 276: , D Amore P: Mechanisms of endothelial growth control. Am J Respir Cell Mol Biol, 6: 1-8, Bischoff J: Approaches to studying cell adhesion molecules in angiogenesis. Trends Cell Biol, 5: 69-74, Chan CK, Kempin SJ, Noble SK, Palmer, GA: The treament of choroidal neovascular membranes by alpha interferon. An efficacy and toxicity study. Ophthalmology, 101: , Engler C, Sander B, Villumsen J, Lund-Andersen H: Interferon alfa-2a modifies the course of subfoveal and juxtafoveal choroidal neovascularization. Br J Ophthalmol, 78: , Jaakkola A, Antila PM, Immonen I: Interferon alpha-2a in the treatment of exudative macular degeneration. Acta Ophthalmol (Copenh), 72: , Pharmacologic Therapy for Macular Degeneration Study Group: Interferon alpha-2a is inneffective for patients with choroidal neovascularization secondary to age-related mavular degeneration. Arch Ophthalmol, 115: , Thoelen A, Menozzi M, Huber C, Messmer E: Treatment of choroidal neovascularization in age-related macular degeneration with interferon alpha-2a: a short term, nonrandomized pilot study. Ger J Ophthalmol, 4: , Chu H, Garcia C, McMullen W, Franklin R: Effect of Accutane on CNV in ARMD (abstract). Invest Ophthalmol Vis Sci, 37(Suppl): 117, 1996.

7 Neovascularização coroideia (NVC). Estratégias das novas terapêuticas Folkman J, Ingber D: Angiostatic steroids. Ann Surg, 206: , Penfold P, Gyory J, Hunyor A, Billson F: Exudative macular degeneration and intravitreal triamcinolone. A pilot study. Aust N Z J Ophthalmol, 23: , Ciulla TA, Danis RP, Harris A: Age-related macular degeneration: a review of experimental treatments. Surv Ophthalmol, 43: , Pepper MS, Vassali JD, Montsano R, et al: Urokinase-type plasminogen activator is induced in migrating capillary endothelial cells. J Cell Biol, 105: , Jerdan J, Kristensen P, Maglione A, et al: New blood vessel formation is associated with urokynase-type plasminogen activator. Invest Ophthalmol Vis Sci, 29 (Suppl): 109, Gomolin JES, Pollak MN: Tamoxifen in the management of choroidal neovascularization. In Syposium on age-related macular degeneration, June 17-18, 1994, Montreal, Quebec, Canada. 23. O Reilly MS, et al: Angiostatin: a novel angiogenesis inhibitor that mediates the suppression of metastasis by a Lewis lung carcinoma. Cell, 79: , O Reilly MS, et al: Endostatin: na endogenous inhibitor of angiogenesis and tumor growth. Cell, 88: , Little H, Showman J, Brown B: A pilot randomized controlled study on the effect of laser photocoagulation of confluent soft macular drusen. Ophthalmology, 104: , Frennesson C, Nilson S: Significant decrease in exudative complications after prophylactic laser treatment of soft drusen maculopathy in a randomized study (abstract). Invest Ophthalmol Vis Sci, 38 (Suppl):18, Pauleikhoff D, Chen JC, Chisholm IH, Bird AC: Choroidal perfusion abnormality with age-related Bruch s membrane change. Am J Ophthalmol, 109: , Friedman E: A hemodynamic model of the pathogenesis of age-related macular degeneration. Am J Ophthalmol, 124: , Brunner R, et al: Influence of membrane differential filtration on the natural course of age-related macular degeneration. A randomized trial. Retina, 20: , Melberg NS, Thomas MA, Burgess D: The surgical removal of subfoveal choroidal neovascularization: ingrowth site as a predictor of visual outcome. Retina, 16: , Toth C, Machemer R: Macular translocation: technique and results, Vitreoretinal Update, American Academy of Ophthalmology Subspecialty Day, October Lewis H: Management of submacular hemorrhage. In Medical and Surgical Retina, advances, controversies and management, Lewis H and Ryan SJ eds, St. Louis,1994, The C V Mosby Co., p Chakravarthy U, Houston RF, Archer DB: Treatment of agerelated subfoveal neovascular membranes by teletherapy: a pilot study, Br J Ophthalmol, 77: , Finger PT, et al: Radiation therapy for subretinal neovascularization. Ophthalmology, 103: , Berson AM, et al: Radiotherapy for age-related macular degeneration: preliminary results of a potentially new treatment. Int J Radiat Oncol Biol Phys, 36: , Bergink, et al: A randomized controlled clinical trial on the efficacy of radiation therapy in the control of subfoveal choroidal neovascularization in age-related macular degeneration: radiation versus observation. Graefes Arch Clin Exp Ophthalmol, 236: , Macular Photocoagulation Study Group: Argon laser photocoagulation for senile macular degeneration: results of a randomizaed clinical trial. Arch Ophthalmol, 100: , Macular Photocoagulation Study Group: Laser photocoagulation for juxtafoveal choroidal neovascularization: five-year results from randomized clinical trials. Arch Ophthalmol, 112: , Macular Photocoagulation Study Group: Argon laser photocoagulation for neovascular maculopathy after five years: results from randomized clinical trials. Arch Ophthalmol, 109: , Macular Photocoagulation Study Group: Laser photocoagulation of subfoveal neovascular lesions in age-related macular degeneration: updated findings from two clinical trials. Arch Ophthalmol 111: , Macular Photocoagulation Study Group: Visual outcome after laser photocoagulation for subfoveal choroidal neovascularization secondary to age-related macular degeneration: the influence of initial lesion size and initial visual acuity. Arch Ophthalmol, 112: , Macular Photocoagulation Study Group: Laser photocoagulation of subfoveal neovascular lesions in age-related macular degeneration. Arch Ophthalmol, 109: , Macular Photocoagulation Study Group: Laser photocoagulation of subfoveal recurrent neovascular lesions in agerelated macular degeneration: results of a randomized clinical trial. Arch Ophthalmol, 109: , Donati G, Kapetanios AD, Pournaras CJ: Principles of treatment of choroidal neovascularization with photodynamic therapy in age-related macular degeneration. Semin Ophthalmol, 14: 2-10, Lin SC, et al: The photodynamic occlusion of choroidal vessels using benzoporphyrin derivative. Curr Eye Res, 13: , Sctt LJ, Goa KL: Verteporfin. Drugs Aging, 16: , American Academy of Ophthalmology: Photodynamic therapy with verteporfin for age-related macular degeneration. Ophthalmology, 107: , Sickenberg M, et al: A preliminary study of photodynamic therapy using Verteporfin for choroidal neovascularization in pathologic myopia, ocular histoplasmosis syndrome, angioid streaks, and idiopathic causes. Arch Ophthalmol, 118: , 2000.

8 12 J. Castro-Correia, Vitor Rosas e Rui Martinho

Tratamento Laser e Tratamentos Alternativos da Degenerescência Macular Relacionada com a Idade (Forma Exsudativa)

Tratamento Laser e Tratamentos Alternativos da Degenerescência Macular Relacionada com a Idade (Forma Exsudativa) Tratamento Acta Oftalmológica Laser e 12; Tratamentos 35-40, 2002 Alternativos da Degenerescência Macular Relacionada com a Idade (Forma Exsudativa) 35 Tratamento Laser e Tratamentos Alternativos da Degenerescência

Leia mais

Rua Guadalajara, nº 175, Barra (Morro do Gato). Salvador - Bahia. CEP: 40.140-460

Rua Guadalajara, nº 175, Barra (Morro do Gato). Salvador - Bahia. CEP: 40.140-460 PARECER CREMEB 11/11 (Aprovado em Sessão da 2ª Câmara em 03/06/2011) Expediente Consulta Nº 176.964/11 Assunto: Tratamento de Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) Relatora: Consª. Nedy Maria

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2 Nota Técnica 94/2013 Data: 15/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Dr. José Hélio da Silva 4ª Vara Cível da Comarca de PousoAlegre - MG Processo número:0103076-29.2013 TEMA:

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica

RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica SOLICITANTE Dra. Denise Canêdo Pinto Juíza de Direito da Segunda Vara Cível da Comarca de Ponte Nova

Leia mais

Departamento de Oftalmologia da A

Departamento de Oftalmologia da A Departamento de Oftalmologia da A CBHPM: 3.03.12.12-4 Página 51 Porte 10C, 1 aux, Porte anestésico 5 50 mil crianças cegas no mundo Se não ttar doença limiar: 50% evolui anatomica e funcionalmente mal

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS. António Ramalho 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS 1 5 DOENÇAS INFLAMATÓRIAS Epiteliopatia placóide multifocal posterior aguda (APMPPE) Também chamada Epiteliopatia em placas. Pouco frequente. Idiopática. Bilateral habitualmente.

Leia mais

NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO)

NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO) 17/04/2015 NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO) SOLICITANTE : Juiz Paulo Roberto Maia Ferreira 1ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

372/2014. Ranibizumabe para Retinopatia diabética

372/2014. Ranibizumabe para Retinopatia diabética 11/07/2014 372/2014 Ranibizumabe para Retinopatia diabética SOLICITANTE : Dr Fabiano Teixeira Perlato Juiz de Direito da Comarca de Carmo do Rio Claro /MG NÚMERO DO PROCESSO: 0026614-73.2014.8.13.0144

Leia mais

PARTICULARIDADES ANATÓMICAS VÍTREO O vítreo é um gel transparente, não fluorescente, situado entre o cristalino e a

PARTICULARIDADES ANATÓMICAS VÍTREO O vítreo é um gel transparente, não fluorescente, situado entre o cristalino e a ANGIOGRAFIA FLUORESCEÍNICA OCULAR PRINCÍPIOS BÁSICOS A fluoresceína sódica é o corante correntemente usado na realização do exame Angiografia Fluoresceínica Ocular. A fluoresceína absorve energia com um

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA À MIOPIA.

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA À MIOPIA. NOTA TÉCNICA Solicitante Juiz Rodrigo da Fonseca Caríssimo - 1ª Vara Cível de Araxá Refere-se ao Processo nº. 0140492-65.2012.8.13.0040 Data: 05/12/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico

Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico Síndrome Acta Oftalmológica de Múltiplas 13; Manchas 27-32, 2003 Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico 27 Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico

Leia mais

4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI)

4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI) PARTE 3 OCT de patologias específicas 4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI) DRUSENS SEROSOS Os drusens, especialmente se volumosos, são bem visíveis no OCT, sob a forma de elevações arredondadas,

Leia mais

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Centro de Responsabilidade de Oftalmologia Associação para a Investigação Biomédica e Inovação em Luz e Imagem Sociedade Portuguesa de Oftalmologia Workshop

Leia mais

Highlights on age-related macular

Highlights on age-related macular ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA... Bellini et al. Atualização no diagnóstico e tratamento da degeneração macular relacionada à idade Highlights on age-related macular degeneration diagnosis

Leia mais

Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho

Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho MESTRE, DOUTOR E

Leia mais

Hemangioma da Coróide: Um Caso Clínico

Hemangioma da Coróide: Um Caso Clínico Oftalmologia - Vol. 34: pp. 337-341 Hemangioma da Coróide: Um Caso Clínico Miguel Gomes 1, Miguel Lume 1, Maria Araújo 2, Marinho Santos 2 1 Interno Complementar de Oftalmologia 2 Assistente Hospitalar

Leia mais

O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA )

O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA ) O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA ) A tomografia de coerência óptica é um MÉTODO DIAGNÓSTICO rápido não invasivo indolor não contacto transpupilar realizado com o mínimo desconforto para o doente de

Leia mais

RR 445/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética

RR 445/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética 03/08/2014 RR 445/2014 Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética SOLICITANTE : Giovanna Elizabeth Costa de Mello Paiva.. Juiz de Direito da Comarca de Contagem/MG NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Dr. Evandro Luís Rosa CRM-SC 5957

Dr. Evandro Luís Rosa CRM-SC 5957 Dr. Evandro Luís Rosa CRM-SC 5957 Graduado em Medicina pela Universidade Federal de Santa Catarina 1992. Especializado em Oftalmologia no Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem. Oftalmologista pelo Conselho

Leia mais

QUEIMADURAS OCULARES

QUEIMADURAS OCULARES QUEIMADURAS OCULARES As queimaduras oculares classificam-se em químicas e térmicas. As complicações graves da superfície ocular, após uma queimadura ocular, são relativamente raras. No entanto, são uma

Leia mais

TRATAMENTO DO EDEMA MACULAR NÃO DIABÉTICO

TRATAMENTO DO EDEMA MACULAR NÃO DIABÉTICO TRATAMENTO DO EDEMA MACULAR NÃO DIABÉTICO INTRODUÇÃO O edema macular é uma das principais causas de baixa da acuidade visual no Ocidente. O edema macular resulta dum desequilíbrio em que a taxa de filtração

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA Questões associadas à aplicação dos lasers na Medicina Princípios Físicos e aspectos técnicos do equipamento Interacção da luz laser com os tecidos: fotocoagulação, fotovaporização,

Leia mais

RT 05 /2015. Antiangiogênicos na retinopatia diabética

RT 05 /2015. Antiangiogênicos na retinopatia diabética 27/03/2015 RT 05 /2015 Antiangiogênicos na retinopatia diabética SOLICITANTE : Juíza Cláudia Helena Batista, da 3ª Unidade Jurisdicional do Juizado Especial de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO: 9018733.24.2015.813.0024

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações para a utilização de anticorpos anti fator de crescimento do endotélio vascular

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta )

AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta ) AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta ) É a mais frequente dos síndromes AZOR. Individualizada em 1993, por Gass. O nome AZOOR integra as seguintes características típicas: - AGUDA - perda súbita

Leia mais

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética Conselhos Directivos das Administrações Regionais

Leia mais

TEMA: Anti-VEGF ranimizumabe (Lucentis ) para tratamento da oclusão da veia central da retina

TEMA: Anti-VEGF ranimizumabe (Lucentis ) para tratamento da oclusão da veia central da retina NOTA TÉCNICA 61/2014 Solicitante: Nayara Henriques Número do processo: 0024.14.084.721-1 Data: 02/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Réu: Município de Belo Horizonte TEMA: Anti-VEGF

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA NOTA TÉCNICA 207/2013 Solicitante Juíza MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA Processo número: 166.13.001954-9 (0019549-92.2013.8.13.0166) Data: 29/10/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

CORIORETINOPATIA CENTRAL SEROSA (CRCS)

CORIORETINOPATIA CENTRAL SEROSA (CRCS) 8) ONÇS MÁUL ORIORTINOPTI NTRL SROS (RS) aracterizada pela acumulação de fluido claro no polo posterior, causando uma área de descolamento neurosensorial da retina, bem circunscrito. SS NGIOGRI LUORSÍNI:

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 49/2013 Data: 23/03/2014 Solicitante: Dr. José Hélio da Silva Juíz de Direito da 4a Vara Civel Comarca de Pouso Alegre em Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo:

Leia mais

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP.

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Gabriela Preturlan Capitani Anna Paula Romero Mariana Braga Falcão Giovanna Cardia Caserta Marcelo Silva Soares²

Leia mais

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Fundo de Olho e Retinopatia Diabética Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Exame de Fundo de Olho Importância - Patologias nervo óptico, coróide e retina Doenças oculares e

Leia mais

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes.

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. Retinopatia diabética Introdução A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. A retinopatia é a lesão dos pequenos vasos

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES. António Ramalho 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES 1 8 - DOENÇAS TRAUMÁTICAS Pregas coroideias Consistem em estrias ou sulcos, paralelos, localizados ao nível da coróide interna, membrana Bruch, EPR e, por vezes, da retina

Leia mais

TEMA: Neovite Luteim para tratamento de descolamento de retina congênito

TEMA: Neovite Luteim para tratamento de descolamento de retina congênito NT 142/2014 Solicitante: Dra. Patrícia Bitencourt Moreira Juizado Especial da Comarca de Manhuaçu Data: 20/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0052611-84.2014.8.13.0394

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 6. DOENÇAS INFECCIOSAS. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 6. DOENÇAS INFECCIOSAS. António Ramalho 6. DOENÇAS INFECCIOSAS 1 6 DOENÇAS INFECCIOSAS Toxoplasmose Congénita e adquirida. Toxoplasmose congénita é habitualmente a manifestação recorrente da doença congénita. SINTOMAS: Floaters e diminuição

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a neovascularização coroideia (NVC) secundária a miopia patológica Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ANATÓMICA:

CLASSIFICAÇÃO ANATÓMICA: UVEITES POSTERIORES A inflamação intraocular do segmento posterior (inflamação da retina e da coróide) é uma afecção ocular grave, que pode comprometer a acuidade visual a curto ou longo prazo. A inflamação

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM 4294

DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM 4294 DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM 4294 FORMAÇÃO Graduação em Medicina: Escola Paulista de Medicina (1976-1981). Residência Médica em Oftalmologia: Escola Paulista de Medicina (1982-1983). Título de Especialista:

Leia mais

António Ramalho UVEITES

António Ramalho UVEITES UVEITES CLASSIFICAÇÃO ANATÓMICA ANTERIOR o Irite o Iridociclite o Ciclite anterior INTERMEDIÁRIA o Pars planite o Hialite o Cilcite posterior POSTERIOR o Coroidite focal o Coroidite multifocal o Coroidite

Leia mais

TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR. Saúde dos Olhos

TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR. Saúde dos Olhos TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR Saúde dos Olhos Pycnogenol para a Saúde dos Olhos O processo natural de envelhecimento afeta a nitidez da visão, e todos sentem uma diminuição na acomodação

Leia mais

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina.

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina. PRINCIPAIS DOENÇAS OCULARES DESCOLAMENTO DE RETINA Definição O descolamento de retina é a separação da retina da parte subjacente que a sustenta. A malha de nervos que constitui a parte sensível à luz

Leia mais

Complicações oculares e sistémicas das terapêuticas anti-vegf intra-vítreas usadas no tratamento da Degenerescência Macular da Idade

Complicações oculares e sistémicas das terapêuticas anti-vegf intra-vítreas usadas no tratamento da Degenerescência Macular da Idade 2009/2010 Rita Margarida dos Santos Gonçalves Complicações oculares e sistémicas das terapêuticas anti-vegf intra-vítreas usadas no tratamento da Degenerescência Macular da Idade Abril, 2010 Rita Margarida

Leia mais

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças Miopia Miopia patológica, pseudomiopia e miopia nocturna Miopia elevada, associada a mudanças as degenerativas ou patológicas do pólo p posterior do olho. Comprimento axial excessivo Progressiva Alterações

Leia mais

DEFINIÇÃO A retinopatia diabética é uma complicação da Diabettes Mellitus crónica.

DEFINIÇÃO A retinopatia diabética é uma complicação da Diabettes Mellitus crónica. RETINOPATIA DIABETICA Uma abordagem clínica INTRODUÇÃO A incidência de diabetes mellitus (D.M.) varia segundo as características socio-económicas, os hábitos de vida, a localização geográfica, a raça,

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética SOLICITANTE DR BRENO REGO PINTO Juizado Especial da Comarca de Monte Santo de Minas/MG NÚMERO

Leia mais

Degeneração Macular Relacionada à Idade

Degeneração Macular Relacionada à Idade Degeneração Macular Relacionada à Idade Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Elaboração Final: 12 de agosto de 2011 Participantes: Paranhos FRL, Costa RA, Meirelles R, Simões R O Projeto Diretrizes,

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

Neovascularização Ocular do Segmento Posterior: Tratamento (PARTE II)

Neovascularização Ocular do Segmento Posterior: Tratamento (PARTE II) Oftalmologia - Vol. 35: pp.297-309 Artigo de Revisão Neovascularização Ocular do Segmento Posterior: Tratamento (PARTE II) Ana Bastos Carvalho 1,2,3, Ana Miranda 4, Cláudia Loureiro 1, António Castanheira

Leia mais

Utilização off label do bevacizumabe (Avastin ) intraocular: viabilidade do fracionamento

Utilização off label do bevacizumabe (Avastin ) intraocular: viabilidade do fracionamento Utilização off label do bevacizumabe (Avastin ) intraocular: viabilidade do fracionamento STC - Setor de Suporte Técnico-científico Farmoterápica Autora: Janaina Rezende Em 2011, a Câmara Técnica de Oftalmologia

Leia mais

Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa

Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa Ana Sofia Pereira Fernandes Curso de Mestrado em Psicogerontologia (1ª edição) 11/12/2007 Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa Ana

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação TOMOGRAFIA DE COERÊNCIA ÓPTICA PARA AVALIAÇÃO DE DOENÇAS DA RETINA Demandante: Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção à Saúde DAE/SAS/MS 1. O Procedimento A Tomografia de Coerência

Leia mais

Programas de Rastreio. Olho Diabético

Programas de Rastreio. Olho Diabético Programas de Rastreio Olho Diabético Acompanhamento mais de perto e tratamento da retinopatia diabética Closer monitoring and treatment for diabetic retinopathy Informação importante sobre os cuidados

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOSQUISE HEREDITÁRIA RELACIONADA AO CROMOSSOMA X

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOSQUISE HEREDITÁRIA RELACIONADA AO CROMOSSOMA X NT 116 2014 Solicitante: Dr. Leonardo Guimarães Moreira Juizado Especial da Comarca de Guanhães/MG Data: 08/06/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0280.14.002411-6 TEMA:

Leia mais

É uma nova técnica de diagnóstico da retina, não invasiva, que permite realizar um mapa topográfico da distribuição da lipofuscina no seio do EPR.

É uma nova técnica de diagnóstico da retina, não invasiva, que permite realizar um mapa topográfico da distribuição da lipofuscina no seio do EPR. Enciclopédia de Oftalmologia ntónio Ramalho UTOFLUORESÊNI O FUNO OULR. INTROUÇÃO É uma nova técnica de diagnóstico da retina, não invasiva, que permite realizar um mapa topográfico da distribuição da lipofuscina

Leia mais

GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA

GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA Catarina Pedrosa, Inês Coutinho, Cristina Santos, Mário Ramalho, Susana Pina, Isabel Prieto Estágio de Glaucoma Dr. Esperancinha, Dr. Fernando Vaz, Dr. Paulo

Leia mais

As oclusões venosas retinianas são a segunda causa mais comum de patologias vasculares da retina, atrás apenas da Retinopatia Diabética

As oclusões venosas retinianas são a segunda causa mais comum de patologias vasculares da retina, atrás apenas da Retinopatia Diabética INTRODUÇÃO Doença obstrutiva venosa é uma afecção comum da retina. Usualmente as obstruções venosas são reconhecidas facilmente e as suas opções terapêuticas têm sido muito investigadas. As oclusões venosas

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE G.D.x PRINCÍPIO O princípio da polarimetria a laser permite medir a espessura da camada de fibras nervosas, na região peripapilar, devido às propiedades birrefringentes desta camada. BIRREFRINGÊNCIA (Dupla

Leia mais

Doenças sistémicas e implicações para a visão

Doenças sistémicas e implicações para a visão Doenças sistémicas e implicações para a visão O papel do Optometrista é cada vez mais de importante, tanto na detecção de anomalias como no acompanhamento das previamente detectadas por médico. Muitas

Leia mais

Workshop de Ecografia Ocular

Workshop de Ecografia Ocular Workshop de Ecografia Ocular Ana Miguel Quintas, Helena Prior Filipe 1ª Reunião Anual de Internos de Oftalmologia SPO Jovem 14 de Julho de 2012 Apresentação do Workshop Pré-teste (10 ) Prelecção (15 )

Leia mais

No Rasto da Drepanocitose

No Rasto da Drepanocitose Oftalmologia - Vol. 35: pp.341-350 Comunicações Curtas e Casos Clínicos No Rasto da Drepanocitose Ana Rita Azevedo 1 ; Susana Pina 1 ; Filipe Silva 1 ; Samuel Alves 1 ; Graça Pires 2 ; Filomena Silva 2

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF.Nº 178 DOU 13/09/12 seção 1 p.143 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE CONSULTA PÚBLICA Nº 10, DE 12 DE SETEMBRO

Leia mais

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal Fundo de olho normal cap. 04 Fundo de olho normal O exame de fundo de olho é o exame da retina, a qual é uma camada localizada na parte posterior do olho, formando a porção que cobre internamente toda

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA. António Ramalho 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA 1 12 - ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA Rasgaduras da retina SINTOMAS: Quando ocorre um descolamento posterior do vítreo, há sintomas associados como floaters, flash

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

4 APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

4 APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA 4 APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA 4.1. PRINCÍPIOS FÍSICOS DO FUNCIONAMENTO DOS LASERS Como se sabe, a sigla LASER é composta das iniciais de Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation e que

Leia mais

DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM 4294

DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM 4294 DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM 4294 FORMAÇÃO Graduação em Medicina: Escola Paulista de Medicina (1976-1981). Residência Médica em Oftalmologia: Escola Paulista de Medicina (1982-1983). Título de Especialista:

Leia mais

Anatomia e Histologia do Limbo

Anatomia e Histologia do Limbo Anatomia e Histologia do Limbo Introdução: O limbo é a zona intermediária anular com cerca de 1,5mm de largura que fica entre a córnea transparente e a esclera opaca. Sua relativa opacidade se explica

Leia mais

HOSPITAL DA MARINHA CURSO DE MEDICINA HIPERBÁRICA E SUBAQUÁTICA

HOSPITAL DA MARINHA CURSO DE MEDICINA HIPERBÁRICA E SUBAQUÁTICA HOSPITAL DA MARINHA CURSO DE MEDICINA HIPERBÁRICA E SUBAQUÁTICA OSTEORRADIONECROSE MIGUEL DA NÓBREGA OSTEORRADIONECROSE A osteorradionecrose é o patológico que às vezes ocorre após a radiação intensa do

Leia mais

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098 DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP) (1990-1995). Residência médica no Hospital das Clínicas de São Paulo

Leia mais

Secretaria da Administração do Estado da Bahia

Secretaria da Administração do Estado da Bahia PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS TRATAMENTO DA DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA À IDADE DMRI OUTUBRO/2009 PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS TRATAMENTO DA DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio CICATRIZAÇÃO! Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio Gustavo Rêgo Coêlho Cirurgia do Aparelho Digestivo Transplante de Fígado CICATRIZAÇÃO Aquiles

Leia mais

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O cérebro do bebé prematuro é particularmente frágil. Uma das complicações que pode ocorrer é a hemorragia. Felizmente esta hemorragia ocorre, não no tecido nervoso

Leia mais

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 FORMAÇÃO Graduado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP) (1990-1995). Residência médica no Hospital das Clínicas de São Paulo pela Universidade de São Paulo

Leia mais

TUMORES CORÓIDE. N.CILIARES LONGOS E CURTOS AO LADO TUMOR - alargamento. DISSEMINAÇÃO - mais pelos vasos sanguíneos do que pelos linfáticos.

TUMORES CORÓIDE. N.CILIARES LONGOS E CURTOS AO LADO TUMOR - alargamento. DISSEMINAÇÃO - mais pelos vasos sanguíneos do que pelos linfáticos. 1 MELANOMA CORÓIDE - 5ª-6ª década - unilateral TUMORES CORÓIDE N.CILIARES LONGOS E CURTOS AO LADO TUMOR - alargamento DISSEMINAÇÃO - mais pelos vasos sanguíneos do que pelos linfáticos. COLORAÇÃO - distingue

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Trauma ocular Professora Chalita

Trauma ocular Professora Chalita Trauma ocular Professora Chalita Mais comum em homens do que mulheres. Mais comum em jovens. Pode ser classificado em: o Globo fechado (ou trauma contuso) Contusão (como um soco, por exemplo) Laceração

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Gaia, PORTUGAL. Porto, PORTUGAL RESUMO

Gaia, PORTUGAL. Porto, PORTUGAL RESUMO Comparação dos efeitos secundários agudos da Radioterapia por Intensidade Modulada com a Radioterapia Tridimensional Conformada no carcinoma de Próstata A V Pereira 1, D Fonte 2 and L Alves 3 1 Curso de

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Patologia Geral Código: FAR 314 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1 Professor:

Leia mais

DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE

DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: OFTALMOLOGIA PARA O CLÍNICO 30: 69-73, jan./mar. 1997 Capítulo IX DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE VITREOUS, RETINA AND UVEITES Nivaldo Vieira de Souza Docente

Leia mais

Lasers. Lasers em Medicina Diagnóstico e Terapia. Interacção da luz laser com tecidos. OpE - MIB 2007/2008. - Reflexão, absorção e scattering

Lasers. Lasers em Medicina Diagnóstico e Terapia. Interacção da luz laser com tecidos. OpE - MIB 2007/2008. - Reflexão, absorção e scattering Lasers OpE - MIB 2007/2008 - Reflexão, absorção e scattering Lasers II 2 1 - Absorção A luz que se propaga no interior de um material sofre, muitas vezes, absorção pelo material. A atenuação da irradiância

Leia mais

Glaucoma neovascular por retinopatia diabética proliferativa: Relato de caso clínico com o tratamento pela cirurgia antiproliferativa via endoscopia

Glaucoma neovascular por retinopatia diabética proliferativa: Relato de caso clínico com o tratamento pela cirurgia antiproliferativa via endoscopia Glaucoma neovascular por retinopatia diabética proliferativa: Relato de caso clínico com o tratamento pela cirurgia antiproliferativa via endoscopia Abdo Abbas Abed* ; João Borges Fortes Filho** RESUMO

Leia mais

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço A P R E S E N T A D O R : S E L I N A L D O A M O R I M R E S I D E N T E D E C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL Regeneração, cicatrização e fibrose http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Reparação Tecidual "Processo de reposição do tecido

Leia mais

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006 Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS Retinopatia da Prematuridade 2006 BULBO OCULAR Retinopatia da Prematuridade Doença vaso proliferativa multifatorial Uma das

Leia mais

PARECER CFM nº 33/15 INTERESSADO: Sr. M.A.G. Dupla sutura corneana para correção de hipermetropia pósceratotomia

PARECER CFM nº 33/15 INTERESSADO: Sr. M.A.G. Dupla sutura corneana para correção de hipermetropia pósceratotomia PARECER CFM nº 33/15 INTERESSADO: Sr. M.A.G. ASSUNTO: Dupla sutura corneana para correção de hipermetropia pósceratotomia radial RELATOR: Cons. José Fernando Vinagre EMENTA: A aplicação de sutura corneana

Leia mais