Prevenção de iatrogenias em idosos em unidade de terapia intensiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prevenção de iatrogenias em idosos em unidade de terapia intensiva"

Transcrição

1 Prevenção de iatrogenias em idosos em unidade de terapia intensiva Elizângela Pereira Guedes Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Celina Castagnari Marra Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO Os autores descrevem, a partir de pesquisa bibliográfica, as principais ocorrências iatrogênicas em unidade de terapia intensiva realcionadas à assistência de enfermagem. Relacionam as principais causas e identifica as formas de prevenção, enfocam o papel da enfermagem como provedor de qualidade assistencial voltada ao idoso, já que esta é uma população com dificuldades de adaptação e que necessita da enfermeira uma maior atenção, compreensão e preocupação. Descritores: Iatrogenia; Unidade de Terapia Intensiva; Assistência de Enfermagem. Guedes EP, Marra CC. Prevenção de iatrogenias em idosos em unidade de terapia intensiva. Rev Enferm UNISA 2002; 3: INTRODUÇÃO No decorrer dos estágios de graduação da autora deste trabalho, pode-se observar a precariedade no atendimento ao idoso (pela falta de conhecimento dos profissionais de enfermagem com este público específico), surgiu então a idéia de conhecer esse ser na sua integralidade funcional, biológica, social e psíquica. O olhar como um todo, holístico. Mesmo sendo o envelhecimento um processo diferencial, de acordo com a Organização Mundial da Saúde OMS (1984), a definição de idoso é diferenciada para países desenvolvidos e para países em desenvolvimento, pois está ligada à qualidade de vida. Nos países desenvolvidos são considerados idosos indivíduos com 60 anos e mais. No Brasil é idoso quem tem 60 anos e mais, ou ainda por determinadas ações governamentais, aquelas pessoas que mesmo tendo menos de 60 anos, apresentam acelerado processo de envelhecimento, por dificuldade de vida, como os residentes do Norte e Nordeste do país, em relação aos que habitam outras regiões. Segundo a OMS (1984), uma população é considerada estruturalmente envelhecida quando à proporção de pessoas com mais de 60 anos atinge 7% do total e mantém tendência de crescimento. O Instituto Brasileiro de Geográfico de Estatísticas IBGE (2000), referiu que, o que ocorre no Brasil é que 8,3% de toda a população já eram de idosos e a tendência é que em 2010 teremos 10 % de idosos em todo o país, ou seja, o Brasil não é um país de jovens. De acordo com estes dados a autora do trabalho pôde perceber que está aumentando o número de idosos no Brasil e apesar do que se tem pesquisado existe muito pouco estudo a respeito deste assunto e o Brasil por já não ser um país de jovens, se faz necessário aumentar o número de estudos destinados a essa clientela.é necessário então entender que a palavra iatrogenia derivada do grego é composta por iatro que significa médico e gênese origem, sendo definida ora pela ação prejudicial dos profissionais de saúde, inclusive da equipe de enfermagem, durante a prestação da assistência, ora pelo resultado indesejável relacionado à intervenção terapêutica (PADILHA 1998). Brennam et al citado por PADILHA (1998) considera que iatrogenia sob o enfoque profissional, é definida como negligência, quando decorrente de condutas que se encontram abaixo dos padrões estabelecidos, caracterizando um erro profissional e portanto passível de penalidades. Já Hart et al, também citado por PADILHA, a define como um 57

2 evento indesejável de natureza danosa ou prejudicial ao paciente, conseqüente ou não de falha do profissional envolvido na assistência. Segundo PADILHA a unidade de Terapia Intensiva é, um sistema constituído por importantes sub sistemas porque de suas interações dependem os resultados que dele se espera, ou seja, o paciente (no caso o doente crítico), dentro de um ambiente terapêutico com todos os recursos humanos e materiais necessários para minimizar a ocorrência de situações que possam colocar em risco sua integridade fisica e psicológica. Considerando a um sistema abrangente e complexo, inserida no macro sistema hospitalar, cuja finalidade é o restabelecimento das funções vitais do paciente, visando sua saída da unidade sem que tenha sido colocado em situações de riscos desnecessários ou falha humana. Os objetivos do estudo foram: Relacionar as principais ocorrências iatrogênicas em idosos em Terapia Intensiva Identificar as principais formas de prevenção de iatrogenias em idosos Enfocar o papel da enfermagem no processo de prevenção em Terapia Intensiva, METODOLOGIA Esta é uma revisão bibliográfica realizada a partir de uma pesquisa feita no banco de dados DEDALUS e LILACS, onde foi realizada uma pré seleção de 28 artigos científicos que tratavam o tema iatrogenia todos em língua portuguesa e publicados nos últimos dez anos (de 1991 a 2001 no Brasil em periódicos da área da SAÚDE e ENFERMAGEM. Destes foram recuperados 06 artigos científicos que tratavam especificamente da questão iatrogenia relacionada com assistência de enfermagem ao idoso em unidade de terapia intensiva. RESULTADOS E DISCUSSÃO Caracterização do idoso Atualmente, temos observado e a literatura relata um grande aumento da população idosa no mundo, o que, conseqüentemente, compromete cada vez mais leitos hospitalares, principalmente os da UTI. Esses idosos têm, em relação aos pacientes de outras faixas etárias, maiores dificuldades de adaptação pelo processo de envelhecimento, que lhes proporciona alterações tanto fisiológicas quanto psicológicas e sociais. PEDREIRA (2000), observa que esses idosos, muitas vezes, apresentam comportamentos, quando estão internados e principalmente na UTI, que diferem dos comportamentos apresentados por pacientes de outras idades como: desorientação, não aceitação ao tratamento e aos cuidados, entre outros, sendo, por vezes, tidos como desorientados, agitados, avessos ao tratamento ou esclerosados. Quando, na verdade, podem estar apenas apresentando dificuldades de adaptação em um ambiente que não é o seu, ao lado de pessoas com as quais não convive, em uma situação nova e estressante. Assim, é importante atentar para o que está velado, oculto por trás de queixas, agitações e não aceitação ao tratamento. A autora acredita que ao se avaliar a saúde de uma pessoa idosa, não se pode fazê lo apenas em termos biomédicos. As dimensões física, psíquica e social devem ser contempladas. Isso denomina se avaliação geriátrica abrangente ou avaliação global holística, na qual são utilizadas medidas objetivas dos diferentes desempenhos. FERNANDES (1999) apud Rubenstein (1995) ressalta que a avaliação funcional em geriatria visa ao desenvolvimento de um plano abrangente para a terapia e acompanhamento a longo prazo, e constitui um diagnóstico multidisciplinar, designado para quantificar os problemas e capacidades funcionais, médicas e psicossociais de um indivíduo idoso. Para TAVARES; SANTORO (1999), o idoso necessita receber assistência de enfermagem de forma sistematizada, cientificamente fundamentada e com visão holística. CARVALHO et al. (1996), em estudo das complicações iatrogênicas mais freqüentes em indivíduos idosos afirmam que, todos os setores do organismo são afetados pelo processo de envelhecimento. Em decorrência dessas modificações, há progressiva perda da capacidade de adaptação ao meio ambiente e maior vulnerabilidade do indivíduo às diversas formas de agressão, como por exemplo, as intervenções diagnósticas e terapêuticas. Existe então uma maior incidência de processos patológicos e com o progredir da idade, as afecções se tomam mais freqüentes. Assim, arteriosclerose, hipertensão arterial, osteoporose, ostoartrose, bronquite, infecção urinária, catarata, surdez são alguns exemplos de processos habituais do idoso que necessitam manuseio diagnóstico e terapêutico, aumentando a probabilidade de iatrogenia. A autora concorda com FERNANDES (1999) apud Nettina (1998), que a avaliação funcional é essencial na assistência ao idoso, porque: Oferece uma abordagem sistemática para avaliar déficits da pessoa idosa que geralmente passam despercebidos; Ajuda o enfermeiro a identificar problemas e utilizar recursos adequados (tipo de tratamento); Proporciona um meio para avaliar o progresso e a deterioração com o passar do tempo; FERNANDES (1999), considera ainda que a pessoa idosa apresenta peculiaridades distintas do adulto jovem, e é importante que o enfermeiro ao avaliar suas condições físicas, psíquicas e sociais, focalize suas incapacidades, assim como sua capacidade funcional residual. Prncipais iatrogenias Como iatrogenia não é somente sinônimo de procedimento errado, a autora destaca e concorda com VEIGA (1995) apud Coura (1989), que as iatrogenias podem ser classificadas em: IATROGENIA FÍSICA mais comum e generalizada, causada por intervenções instrumentais e manobras semióticas, especialmente os métodos ditos invasivos, uso de medicamentos, contrastes e vacinas, irradiações e toda tecnologia empregada na chamada medicina moderna. IATROGENIA PSÍQUICA é a mais sutil e de diagnóstico negligenciável; causada por inadvertência, ignorância e até 58

3 má fé, como nos casos freqüentes de exagero pelo médico para cobrar mais caro por seu tratamento. IATROGENIA SOCIAL identificada quando da explicitação pública de diagnósticos incorretos ou exagerados, que podem levar o paciente à discriminação social e isolamento, dentro inclusive do seu próprio núcleo familiar. A autora destaca que é preciso que a enfermeira saiba realmente intervir e questionar o número de intervenções médicas e de enfermagem para que não recaia no mesmo erro, pois a falta de intervenções também pode ocasionar ou até promover iatrogenias ao cliente pela escassez de procedimentos, o que comumente acontece com os indivíduos idosos. Quanto ao tipo de ação, as iatrogenias podem ser causadas por excesso, omissão, erro e acidente. Destes, a omissão parece ser o mais freqüente. O excesso de intervenções, de medicamentos e de realizações de exames, muitos dos quais desnecessários, determina comumente, danos físicos e psíquicos aos pacientes, VEIGA (1995). Entendendo por iatrogenia a ocorrência de uma alteração indesejável, de natureza prejudicial ou danosa ao paciente, desencadeada por omissão ou ação inadvertida ou falha, voluntária ou involuntariamente praticada por quem assiste o paciente, parece que, mais importante do que apontar quais são, já que podem ser inúmeras, seria identificar em que circunstâncias elas podem ocorrer. Com base nesta afirmativa, poderíamos dizer que as iatrogenias aconteceriam segundo três hipóteses: a) Quando a demanda do sistema é maior do que a performance de quem cuida, isto é, quando o profissional está sujeito a uma sobrecarga de entradas (solicitações, informações) maior do que é capaz de processar. Esse tipo de situação pode ser comum na UTI, quando se tem uma porcentagem de ocupação muito alta, com muitos pacientes instáveis, com deficiência de recursos humanos, na vigência de intercorrências como parada cárdio-respiratória, admissão e alta de pacientes, solicitação de familiares e visita, dentre outros. Nessas circunstâncias, teríamos uma causa isolada de ocorrência iatrogênica. b) Quando existe uma queda ou baixo desempenho profissional do indivíduo que presta assistência direta ao paciente. Neste sentido, cabe ressaltar que são vários os fatores que levam o indivíduo a ter um desempenho desfavorável na UTI: - Despreparo do profissional (baixos níveis de conhecimento técnico científico; inexperiência de trabalho em UT1; inexperiência no manuseio do paciente crítico); - Grau de fadiga ( no nosso meio, cabe salientar que grande número de profissionais tem duplo e até triplo emprego); - Condições de saúde do profissional; - Condições desfavoráveis de trabalho (insatisfação quanto à remuneração salarial), quanto aos dias de folga, problemas de relacionamento pessoal, insatisfação por estar alocado na UTI, etc.) E por fim, a terceira hipótese que se dá quando existe a combinação desses dois fatores, ou seja, a diminuição da performance do profissional e o aumento da demanda do sistema, o que parece caracterizar a situação da maioria das UTIs brasileiras. Um ponto que vale também ressaltar e que constitui fator significativo para a ocorrência de iatrogenias e que não pode ser esquecido é a própria falibilidade do ser humano. Esta, apesar de certa, é imprevisível e sobre a qual não se tem como interferir, fazendo crer que as iatrogenias podem ser em muito minimizadas, porém nunca totalmente abolidas, PADILHA (1992). Distribuição de iatrogenias por procedimentos de enfermagem segundo VEIGA (1995). Procedimentos e latrogenias: - Sondagem nasogástrica obstrução por resíduos alimentares lesão de aleta nasal, ectópica; - Contenção mecânica escoriação e edema no local da contenção, contenção de membro fraturado, edema e rubor no local da contenção, edema de extremidade de membro contido; - Punção venosa com dispositivo jelco rubor e calor no local da punção, edema no local da punção, obstrução do cateter por término da solução em uso; - Punção venosa com dispositivo scalp calor e rubor no local da punção, obstrução da agulha por término da solução em uso, punção em sentido contrário à circulação venosa, edema por extravasamento de solução no local da punção; - Sondagem vesical adaptação a sistema aberto de drenagem improvisado em frasco de solução venosa, sangramento uretral na introdução do cateter, coletor colocado dentro do balde de lixo; - Oxigenoterapia administração de 02 seco, por término de solução no umidificador; - Dedo de luva - edema de pênis por garroteamento, maceração de pênis; - Administração de medicação venosa - infiltração subcutânea, erro de dosagem, diluição com quantidade inadequada de solução, diluição com substâncias impróprias; - Mobilização de pacientes - queda do leito, mobilização inadequada de paciente com trauma raquimedular; - Curativo - avulsão de dreno de Penrose, corte do cuff de cânula de traquestomia, limpeza de ferida cirúrgica utilizando balde de lixo como suporte para o membro; Principais formas de prevenção Entre as complicações que podem ser evitadas por medidas preventivas, temos como as mais freqüentes os traumas e as escaras. Pacientes com afecções neurológicas são os mais sujeitos a quedas, porém também são fatores de risco medicamentos anti hipertensivos, ansiolíticos, hipnóticos e sedativos. Para evitar essa complicação, diversas medidas devem ser tomadas pela equipe que atende o paciente: - Mostrar a localização e o funcionamento de todos os sistemas de comunicação; - Manter discreta luminosidade no quarto; - Utilizar grades no leito; - Evitar superfícies escorregadias, degraus, tapetes; - Colocar corrimão em todos os locais onde o idoso se locomove. Em relação as úlceras de decúbito ou escaras medidas 59

4 preventivas são de grande importância, tendo sido demonstrado que podem reduzir a incidência de escaras em 50%. Estas medidas visam eliminar os fatores de risco e, principalmente, mobilizar constantemente o paciente. CARVALHO et al (1996) apud Seiler e Stähelin (1985), as seguintes manobras são indicadas em pacientes com risco de desenvolver escara: - Virar o paciente a cada duas horas; - Colocar em posição oblíqua com 30' de inclinação para evitar pressão no sacro, grande trocanter, maléolo lateral e calcanhar; - Não elevar a cabeceira da cama mais de 30', para evitar forças tangentes no local da compressão; - Elevar pacientes sentados durante dez segundos a cada dez minutos, para prevenir escaras sacrais; - Empregar colchões macios de espuma, água ou ar; - Manter condições higiênicas, evitando umidade e irritação cutâneas nos locais de pressão. PADILHA (1997), ressalta que a deficiência de recursos materiais e condições clínicas do paciente são apontados como fatores predisponentes, o que demonstra que enfermeiros visualizam a ocorrência iatrogênica como resultante de vários fatores e não só os relativos ao profissional. Dentro da estruturação física da UTI cabe salientar que muitos elementos que lhe são inerentes podem contribuir para que essa segurança se dê e conseqüentemente para que as iatrogenias não ocorram, podendo se citar entre eles: - Dimensionamento da área física e da unidade do paciente, que devem proporcionar ampla visualização, bem como fácil acesso ao cuidado; - Condições adequadas de ventilação e iluminação que facilitem a avaliação do paciente, bem como a prestação de cuidados, além de evitar ocorrência de problemas emocionais; - Lavabos em quantidade satisfatória de modo a possibilitar higienização freqüente das mãos; - Área que prevê fluxo adequado de material estéril e contaminado; - Sistema de canalização de gases e vácuo que sejam adequados e seguros; - Presença de local específico para a guarda de material e equipamento, visando a total liberação da área de atendimento, dentre outras. Assim, diante desse panorama, resta questionar o que fazer para prevenir o acontecimento de iatrogenias, em condições muitas vezes precárias e deficitárias, sem contudo cair ao nível do desesperador, do conformismo ou da imobilidade. Acredita se que algumas medidas possam ser prontamente adotadas. Uma delas seria o investimento mesmo que individual no próprio desenvolvimento técnico científico. Outro item a ser enfatizado e praticado é a atuação em equipe, a solidificação de um trabalho conjunto onde a identidade do grupo, a sua unidade, a sua confiabilidade sirvam não só para uma melhoria da qualidade de assistência, como também dê força e poder político para se obter das instâncias decisórias da instituição, modificações e recursos necessários que são indispensáveis ( PADILHA, 2000). Autoras como VEIGA(1995); PADILHA (1992); concordam que em relação à estrutura física, há elementos que contribuem para a segurança do paciente, sendo eles: - Espaço físico e da unidade do paciente que possibilite fácil visualização e acesso ao cuidado; - Adequadas condições de ventilação e iluminação, favorecendo a avaliação do paciente e prestação do cuidado; - Quantidade satisfatória de lavabos, facilitando a higienização freqüentes das mãos. - Trânsito adequado de material estéril e contaminado; - Adequado sistema de canalização de gazes e vácuo; - Determinar local específico para guarda de material e equipamentos, deixando livre a área de atendimentos. Quanto aos recursos humanos, temos: - Manter profissionais qualificados, em quantidade suficiente para atender a demanda de serviço na unidade; - Estabelecer, sistematicamente, o processo de educação continuada e; - Executar periodicamente avaliações de desempenho destes profissionais. Enfermagem e qualidade da assistência LIMA et al. (1997), ressaltam que se a instituição formadora e empregadora não tem suprido a demanda de formação dos profissionais para tal atividade, os enfermeiros provavelmente tem procurado capacitar se individualmente, sendo autodidatas, buscando por conta própria desenvolver se uma vez que dele será cobrado desempenho competente e sobre ele recairão os ônus de possíveis iatrogenias, inclusive denúncia caso ocorram. A autora concorda com PEDREIRA (2001), quando diz que a essência da enfermagem é o cuidado, por isso, este não deve ser expressado como manipulação e dominação do outro, mas sim como um cuidado com o outro, permitindo a expressão e a manifestação deste em seu modo de ser, no que lhe é próprio. É preciso repensar o cuidado nas UTIs, para que este não passe a ser orientado pela lógica de um saber dominante, orientado pela técnica, por uma visão mecanicista, estreita, simplificada, que deixa o acontecimento perdido em si, retraído, já que não é visto em sua essência. Embora por determinação da Lei do Exercício Profissional de Enfermagem, a assistência de enfermagem ao doente crítico deva ser exclusiva dos enfermeiros, não e essa a realidade encontrada nem mesmo nas UTIs da região central do Município de São Paulo, considera (PADILHA, 2000). No que diz respeito aos recursos humanos, evidentemente, maior segurança será proporcionada à medida que se dispuser de: - Quantidade suficiente de profissionais; - Qualidade satisfatória desse pessoal; - Processo de educação continuada sistematizado; - Avaliações de desempenho periódicas que possibilitem a retroalimentação do processo. Com relação aos recursos materiais, da mesma forma, a quantidade e qualidade satisfatórias de materiais e equipamentos são elementos que vão predispor a uma maior segurança do paciente na UTI na medida em que permitem: - Execução correta dos vários procedimentos técnicos; 60

5 - A troca sistematizada dos acessórios de respiradores, evitando infecções respiratórias; - Uso exclusivo de materiais e equipamentos dentro da UTI, sem perda de tempo no sentido de providenciá los num momento de urgência; - Possibilidade de manutenção periódica dos equipamentos sem prejuízo da assistência ao doente. (PADILHA, 1992). Para VEIGA (1995) apud Ribeiro (1917), a integração multiprofissional representa maior ou menor dificuldade de operacionalização, estando na dependência do ambiente físico, natureza, volume e complexidade do trabalho, dos recursos materiais e humanos e estrutura organizacional dos serviços. A modernização de aparelhos e equipamentos, isoladamente, não implica melhoria da qualidade da assistência prestada. Na nossa realidade médico hospitalar, por conseguinte, há a utilização de pessoal de enfermagem menos qualificado, sob alegação de que a contratação de mão de obra do enfermeiro é mais onerosa, o que contribui para a minimização da qualidade da assistência de enfermagem, e implica maiores riscos para o paciente. Ainda para que a assistência de enfermagem qualificada se desenvolva, deve se enfatizar: - Equilíbrio entre recursos humanos e demanda de serviço, racionalmente distribuídos nas diversas categorias profissionais que compõem a equipe de enfermagem, desempenhando suas funções afins; - Utilização correta do instrumental necessário à prestação da assistência requerida pelo paciente; - Disponibilidade de recursos materiais para a execução dos vários procedimentos de enfermagem; - Bom sistema de avaliação e de supervisão; - Adequado programa de educação continuada para todos os elementos da equipe; - Adoção de um sistema efetivo de registro de informações; - Ambiente e tecnologias apropriados para atender ao cliente na especificidade de seu caso clínico. Outro fator a ser considerado é a desproporção quantitativa entre o enfermeiro e demais categorias dentro da própria equipe, desviando o do cuidado direto ao paciente, apesar do aumento da complexidade da tecnologia atualmente utilizada, ficando assim condicionado às tarefas gerenciais e de supervisão de pessoal. O fato de alguns procedimentos técnicos terem sido repassados ao longo do tempo durante o ensino de enfermagem e desenvolvidos pelo profissional após a sua formação, do modo como é feito atualmente, não invalida o fato dos mesmos serem repensados em prol da prestação do cuidado de enfermagem de uma forma holística, o que aliás é um dos propósitos deste estudo. Esta preocupação é consoante à nova visão no atendimento de saúde, e que está sendo objeto de preocupação da bioética. Segundo NASCIMENTO e SOUZA (1997) apud Garrafa (1995), entre a dialética questão da beneficência e de não maleficência nascem as principais mudanças com vistas à melhoria da qualidade dos cuidados prestados à população. Desse modo, os procedimentos que foram formalizados a partir da sua prática devem começar a ser questionados. Ainda segundo o autor acima referenciado, a bioética poderia ser definida como sendo: a procura de um comportamento responsável de parte daquelas pessoas que devem decidir tipos de tratamento. O fazer em enfermagem tomou se objeto de poucos estudos em relação a outros de igual valor, que por serem difundidos têm merecido lugar de destaque na nossa profissão. No entanto, é o FAZER que determina através da sua prática a evolução e/ou adaptação de antigos conceitos no ato de assistir, deste modo, a perspectiva de desenvolvimento de novos estudos a partir da descrição das síndromes da assistência de enfermagem observados durante a prática assistencial, propiciará à enfermagem condições de não só readaptar e emancipar as suas técnicas como também respaldá las cientificamente a partir de uma visão crítica e questionadora. (NASCIMENTO; SOUZA; 1995). Devido a consulta de enfermagem proporcionar uma maior interação idoso-enfermeiro, assim como permitir o levantamento de problemas de enfermagem, para o planejamento, execução e avaliação da assistência de enfermagem a ser aplicada ao idoso de maneira efetiva e com qualidade, julgamos ser a consulta de enfermagem Geriátrica e Gerontológica, uma necessidade para a concretização de assistência integral e de qualidade.(tavares; SANTORO; 1999). PEDREIRA (2001) apud Heidegger (1971), reforça a idéia de que nada na terra está solto, o paciente na UTI também não é um corpo doente isolado. Mas ele tem também uma história, têm hábitos de vida, tem rotinas, tem sentimentos e comportamentos que precisam ser compreendidos e respeitados. Por isso, estar próximo ao paciente não é ter uma proximidade corporal ou parar para conversar, é preciso mais, é preciso conhecer a sua essência, reconhecê lo como um ser próprio, individual, pois o paciente na UTI está sempre se relacionando com tudo à sua volta: profissionais, outros pacientes e equipamentos. Para isso, no nosso dia a dia de cuidar a pessoa doente, não podemos separar a doença com sua sintomatologia, e direcionar o olhar somente para ela. É preciso ter em mente este novo conceito de saúde: um completo estado de bem estar físico, mental e social do indivíduo, e ver o paciente de forma integral, pois, quando olhamos apenas a doença, estamos assumindo uma atitude imediatista, dando uma solução paliativa ao desequilíbrio da pessoa. Diferente de quando passamos a compreendê la em seu ser, como ser humano com características próprias, que tem uma história, ocupa um espaço, interagindo com este e com todos à sua volta. Para estar próximo é preciso enxergar o sentido, a essência da coisa, só assim pode se apreendê la. Por isso estar próximo ao idoso crítico é saber escutá lo, prestar um cuidado com ele, e não para ele, é compartilhar, compreender, enxergar o ser humano como alguém que tem uma história, que tem seus costumes próprios, crenças, desejos, e não enxergar o doente como uma doença, sendo tratado apenas pela técnica. É preciso, portanto, resgatar o singelo, aquilo que nos toca como um desabrochar, um acontecimento, e não pensar 61

6 que tudo já tem uma explicação, uma justificativa fechada, definida. Com o idoso crítico, percebemos esse tipo de atitude quando este, muitas vezes desorientado por não ter sido informado sobre o ambiente em que está, apresenta agitação, inquietação, e passa a ser sedado; ou quando o idoso, incomodado ou deprimido pela situação da doença, afastado de familiares e amigos, não aceita o tratamento e os cuidados, sendo, por isso, visto como rebelde, teimoso, agitado, esclerosado ficando então contido no leito. Geralmente, não se para a fim de questionar os acontecimentos em sua essência, não se reflete sobre eles. Essa população, às vezes referida como difícil de lidar, queixosa, não colaboradora, muitas vezes tem dificuldades que no dia a dia, em seu cotidiano o enfermeiro não consegue detectar. Mas, a partir do momento em que este direcionar um olhar mais atentivo, parar para escutar sua clientela, poderá descobrir que o paciente idoso tem inúmeras possibilidades de ser, de expressar seus sentimentos, podendo o profissional, a partir daí, melhorar a qualidade de sua assistência (PEDREIRA, 2001). CONCLUSÃO O idoso crítico necessita de um olhar mais atento e é a enfermeira quem deve encontrar uma forma de assegurar a continuidade de sua assistência, até porque esta é uma população que a cada dia, ocupa mais leitos hospitalares e que tende a ser a grande clientela das UTIs gerais no futuro. É preciso, então, promover a qualidade da assistência de enfermagem, minimizando assim ocorrências iatrogênicas que podem ser diminuídas através de uma assistência específica e não generalizada para cada cliente geriátrico, pensando o ser humano em sua essência, em seu ser como pessoa que esta desabrochando naquilo que lhe é próprio. Necessário se faz promover nas UTIs um processo de educação continuada sistematizado. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL, Organização Mundial da Saúde (OMS), São Paulo, PADILHA, KG. latrogenias em Unidade de Terapia Intensiva: uma abordagem teórica. Rev. Paul. Enf, v. 11, n.2, p , VEIGA, KCG. latrogenias de Enfermagem em Unidade de Emergência. Rev. Baiana. Enf, v.8, n. 1/2, p , CARVALHO FILHO, ETC. et al. latrogenia no Idoso. Rev. Bras. Med, v.53, n.3, p , NASCIMENTO, MAL.; SOUZA, EF. Síndromes da Assistência de Enfermagem. Rev. Bras. Enferm, v.50, n. l,p.7-16,1997. LIMA, AFC. et al. Métodos Dialíticos e Ocorrências latrogênicas de Enfermagem na UTI: análise da formação teórico prática dos profissionais. Rev. Paul. Enf, v. 16, n.1/3, p.20-29, CARVALHO FILHO, ETC. et al. latrogenia em Pacientes Idosos Hospitalizados. Rev. Saúde Pública, v.32, n.1, p.36-42, TAVARES, S.; SANTORO, AC. Consulta de Enfermagem Geriátrica e Gerontológica: Uma necessidade. Acta Paul Enf, v. 12, n. 1, p.78-85, FERNANDES, MGM. Avaliação da Capacidade Funcional em Idosos, Rev. Nursing, v.2, n. 13, p.26-9, BRASIL, INSTITUTO BRASILEIRO GEOGRÁFICO DE ESTATíSTICAS (IBGE). São Paulo, PADILHA, KG. A Prática de Enfermagem em UTI e as Ocorrências latrogênicas: considerações sobre o contexto atual, Rev. Paul. Enf, v. 19, n.3, MENEZES, TMO.; OLIVEIRA, C.; BAQUEIRO, M13. A Enfermagem e o uso de Medicamentos pelos Idosos, Rev. Nursing, v.3, n.30, p.31-4, PEDREIRA, LC. O Cuidado Hedeggeriano e a Assistência de Enfermagem ao Idoso na UTI, Rev. Nursing, v4, n.34, p.22-5,

MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS INTRODUÇÃO A queda do pacientes são motivos de preocupação para os profissionais de saúde e administração hospitalar, por esse motivo

Leia mais

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013 Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO FINALIDADE: Promover a Prevenção da ocorrência de UPP e outras lesões da pele. JUSTIFICATIVAS: A- Longa permanência

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde.

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC Quedas são eventos adversos em que um indivíduo cai inadvertidamente ao chão ou em outro nível. Isto pode ser devido a um escorregão ou tropeço, perda do equilíbrio

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (Lei 8.213 de 1991 Art. 19) 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Adelita Eneide Fiuza Gustavo Costa de Oliveira RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR II NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA Porto Alegre

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO SEMINÁRIO IACS

FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO SEMINÁRIO IACS FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO ENFERMEIRA AGRIPINA TENDER PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFEÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE Formação Investigação IACS Infecção Associada aos Cuidados

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 040 / 2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 040 / 2010 PARECER COREN-SP CAT Nº 040 / 2010 Assunto: Desobstrução de sonda vesical de demora. 1. Do fato Profissional de enfermagem questiona se enfermeiros e técnicos de enfermagem podem realizar desobstrução

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

Diretos do paciente:

Diretos do paciente: Diretos do paciente: Criada no sentido de incentivar a humanização do atendimento ao paciente, a Lei 10.241, promulgada pelo governador do Estado de São Paulo, Mário Covas, em 17 de março de 1999, dispõe

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Respeito Ambiente Ocupacional Saudável Programas integrados PPRA, PCMSO, PGRSS... Visão holística do serviço

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 059/2013 PRCI nº 108.356 Ticket nº 327.807

PARECER COREN-SP CT 059/2013 PRCI nº 108.356 Ticket nº 327.807 PARECER COREN-SP CT 059/2013 PRCI nº 108.356 Ticket nº 327.807 Ementa: Monitoramento de paciente com contenção do tipo luva. 1. Do fato Enfermeira refere utilização de impresso para anotação de dados de

Leia mais

SÃO CONSIDERADAS COMO QUEDAS AS SEGUINTES SITUAÇÕES: FATORES QUE PREDISPÕEM AO RISCO PARA QUEDA

SÃO CONSIDERADAS COMO QUEDAS AS SEGUINTES SITUAÇÕES: FATORES QUE PREDISPÕEM AO RISCO PARA QUEDA PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS: É a assistência multidisciplinar no monitoramento e implementação de medidas para prevenção de quedas em pacientes internados, em atendimento no Pronto Socorro e nos Serviços

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

PARECER COREN-DF Nº 004/2011

PARECER COREN-DF Nº 004/2011 PARECER COREN-DF Nº 004/2011 SOLICITANTE: Dr. Obedes de Souza Vasco, Coren-DF nº 191085-ENF, Sra. Margarida de Souza Queiroz, Dra. Luciana Simionatto e Silva, Coren-DF nº 58827-ENF, e Dra. Christiane Gigante,

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Área: Estágio de Enfermagem em Saúde do Adulto I e II Campo de Atuação: Santa Casa de Tupã; Instituto de Psiquiatria de Tupã e Hospital São

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR Andreza de Jesus Dutra Silva Mestre em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente - UniFOA; Especialista em Enfermagem em Terapia Intensiva - USS; MBA em Administração

Leia mais

Prezados Associados,

Prezados Associados, Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o FISCO SAÚDE traz agora guias de procedimentos por assunto. O conteúdo está distribuído

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL. RODÍZIO EM NEUROINTENSIVISMO PARA RESIDENTES (160h)

HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL. RODÍZIO EM NEUROINTENSIVISMO PARA RESIDENTES (160h) HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PRECEPTOR RESPONSÁVEL Dra. Maria Goreth Pereira: goreth_pereira@hotmail.com PRECEPTORES ENVOLVIDOS Edna Lucia Freitas Daiana

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Em fases que o utente necessite

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Autores: Ilse Maria Tigre Arruda Leitão Roberta Meneses Oliveira Dionisia Mateus Gazos Letícia Lima Aguiar Aline Coriolano Pinheiro

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Autores: Ilse Maria Tigre de Arruda Leitão, Sherida Kananini Paz de Oliveira, Roberta Meneses Oliveira, Nayane Silva Mendes, Renata

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES ÍNDICE PREFÁCIO par. pág. Razão de ser 1-3 13 Os objectivos 4-5 13 A origem 6-8 13 Agradecimentos: aos redactores 9 14 Agradecimentos: aos patrocinadores 10 14 Aos destinatários 11 14 ONDE COMEÇA O MANUAL

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Apresentação Diferente das operadoras que seguem o modelo assistencial predominante no mercado de planos de saúde e focam a assistência

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

CUIDADOS NO DOMICILIO COM CATETER VESICAL DE DEMORA

CUIDADOS NO DOMICILIO COM CATETER VESICAL DE DEMORA CUIDADOS NO DOMICILIO COM CATETER VESICAL DE DEMORA Mateus Antonio de Oliveira Calori 1 Paula de Cássia Pelatieri 2 RESUMO Sondagem vesical de demora é um procedimento invasivo que tem por objetivo o esvaziamento

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

Segurança Comunitária

Segurança Comunitária Segurança Comunitária Ciclos de Palestras Secretaria da Segurança Pública e Justiça Gerência Executiva de Direitos Humanos Gerência Executiva dos CIOpS CICLO I PALESTRAS DE SENSIBILIZAÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 001/CT/2013 Assunto: Solicitação de parecer sobre a legalidade da realização por profissional Enfermeiro de retirada de dreno torácico, fio de marca passo e cateter após cirurgia cardíaca.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1)

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Curso Lideres 2004 Salvador Bahia Brasil 29 de novembro a 10 de dezembro de 2004. PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Capítulo 1: Antecedentes e considerações gerais Considerando-se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III- SERVIÇOS DA REDE HOSPITALAR: UNIDADE DE RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA PORTO ALEGRE

Leia mais

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde I FORUM DE AVALIAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA VULNERÁVEIS: IDOSOS E PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL ABM 05.12.2015

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA.

A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. Diniz, Alice Teixeira 1 ; Medeiros, Rita de Cássia Noronha 1 ; Rolim, Karla Maria Carneiro

Leia mais

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro A importância do treinamento para a equipe de enfermagem Enfª Mariângela B Ribeiro Pontos importantes Porquê treinar? Padronização dos processos Segurança na realização dos procedimentos Redução de custos

Leia mais