Estudo sobre a prática de um programa de exercícios regulares na geriatria: Revisão de Literatura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo sobre a prática de um programa de exercícios regulares na geriatria: Revisão de Literatura"

Transcrição

1 Estudo sobre a prática de um programa de exercícios regulares na geriatria: Revisão de Literatura Railene de Araújo Nascimento 1 Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação em ortopedia e traumatologia com ênfase em terapias manuais Faculdade Ávila Resumo Estudo sobre a prática de um programa de exercícios regulares na geriatria: Revisão de Literatura tem como objetivo geral expor as consequências da prática de exercícios mantidos de maneira regular em pacientes idosos para a comunidade científica. Os objetivos específicos estão voltados para pesquisar como se dá o envelhecimento, identificar as alterações biomecânicas e fisiológicas, além de demonstrar como será realizado o programa de exercícios regulares. O envelhecimento é um processo natural fisiológico que vem sido visto de maneira errônea como sendo similar à perda da capacidade funcional do indivíduo, bem como de sua saúde. Trata-se de um momento da vida onde ocorre o declínio das funções fisiológicas que irão reduzir a capacidade de adaptação a sobrecargas funcionais. Nesta pesquisa indagamos se a prática de exercícios regulares para idosos é um fator gerador de benefícios que amenizam os declínios fisiológicos comuns nesta fase. Para a efetiva pesquisa utilizaremos a revisão bibliográfica, através de acervo público, artigos, monografias e teses retiradas da internet de fontes seguras como Scielo, Pubmed e Lilacs. Palavras-chave: Exercícios; Geriatria; Envelhecimento; Capacidade Funcional. INTRODUÇÃO O envelhecimento é um processo natural fisiológico que vem sido visto de maneira errônea como sendo similar à perda da capacidade funcional do indivíduo, bem como de sua saúde. Trata-se de um momento da vida onde ocorre o declínio das funções fisiológicas que irão reduzir a capacidade de adaptação a sobrecargas funcionais. Se por um lado a expectativa de vida vem aumentando de forma significativa, por outro, muito se discute sobre envelhecer de forma saudável (COSTA, 2008). A população idosa no país tende a ser crescente de acordo com sua expectativa de vida. Ao contrário do que se imagina, o aumento do nível de qualidade de vida não avança à mesma medida do seu crescimento (MEIRELES, 2008). No envelhecimento são notadas várias alterações, dentre as quais devemos dar ênfase nas que afetam o desempenho das habilidades motoras, o que irá dificultar a adaptação do idoso ao meio ambiente, bem como causar modificações psicológicas e de cunho social (CUNHA, 2009). Teremos como objetivo geral expor as consequências da prática de exercícios mantidos de maneira regular em pacientes idosos para a comunidade científica. Os objetivos específicos estão voltados para pesquisar como se dá o envelhecimento, identificar as alterações biomecânicas e fisiológicas, além de demonstrar como será realizado o programa de exercícios regulares. A recomendação de programas de atividade física e exercícios é importante como hábito de vida saudável e precisa ser quantificada para o entendimento de sua contribuição para a saúde e para a capacidade funcional da população idosa (CARVALHO, 2008). 1 Pós-graduando em traumato-ortopedia com ênfase em terapias manuais. 2 Mestrando em Bioética e Direito em Saúde, Especialista em Metodologia do Ensino Superior, Graduada em Fisioterapia.

2 2 Um dos grandes desafios a serem enfrentados com o passar dos anos é o envelhecimento, onde a sociedade terá que encontrar meios que possam estar sanando o aumento da incapacidade funcional, comprometimento da independência física, mental e autonomia pessoal que muitos idosos enfrentam (COSTA, 2008). Nesta pesquisa indagamos se a prática de exercícios regulares para idosos é um fator gerador de benefícios que amenizam os declínios fisiológicos comuns nesta fase. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O envelhecimento O envelhecimento é um processo natural fisiológico que vem sido visto de maneira errônea como sendo similar à perda da capacidade funcional do indivíduo, bem como de sua saúde. Trata-se de um momento da vida onde ocorre o declínio das funções fisiológicas que irão reduzir a capacidade de adaptação a sobrecargas funcionais. Envelhecimento pode ser compreendido como um conjunto de alterações estruturais e funcionais desfavoráveis do organismo que se acumulam de forma progressiva, especificamente em função do avanço da idade (CUNHA, 2009). Dentro da população geriátrica em expansão, o segmento de idosos acima dos 75 anos é o que mais cresce o que nos leva a nos depararmos com idosos vivendo em situação de pobre saúde, dependência funcional e restrição ao leito (JÚNIOR, 2007). O processo de envelhecer é um fenômeno mundial e levando em consideração as complexidades que apresenta se faz necessária a atuação de uma equipe interdisciplinar para estabelecer relações preventivas que possam propiciar qualidade de vida e autoestima ao idoso (FILHO, 2005). A população idosa no país tende a ser crescente de acordo com sua expectativa de vida. Ao contrário do que se imagina o aumento do nível de qualidade de vida não avança à mesma medida do seu crescimento (MEIRELES, 2008). Pesquisas informam que são esperados um aumento de 300% no número de idosos somente nos países da América Latina (FILHO, 2005). O envelhecimento é um processo ou conjunto de processos que ocorrem em organismos vivos, que com o passar do tempo, levam a uma deficiência funcional, diminuição da adaptabilidade, e, finalmente, à morte (COSTA, 2008). No envelhecimento são notadas várias alterações, dentre as quais devemos dar ênfase nas que afetam o desempenho das habilidades motoras, o que irá dificultar a adaptação do idoso ao meio ambiente, bem como causar modificações psicológicas e de cunho social (CUNHA, 2009). As alterações causadas pelo envelhecimento estão relacionadas aos aspectos funcionais e psíquicos do corpo humano (MEIRELES, 2008). Não podemos deixar de lado a longevidade do homem ao decorrer do tempo. Contudo, se faz necessário a compreensão do processo natural, dinâmico, progressivo e irreversível, é um ato necessário e emergente (COSTA, 2008). O declínio da capacidade funcional é uma cracterística marcante durante a fase do envelhecimento. As variáveis afetadas diretamente durante este período são a força, o equilíbrio, a flexibilidade, a agilidade e a coordenação motora, estando diretamente ligadas por alterações neurológicas e musculares (MEIRELES, 2008). Com o aumento da longevidade, o número de pessoas idosas vem aumentando consideravelmente, sendo o processo de envelhecimento da população humana um fenômeno mundial. Estima-se que, no ano de 2030, o número de idosos poderá chegar a setenta milhões nos países desenvolvidos.

3 3 No Brasil, as projeções para o ano de 2025, indicam que a população total aumentará cinco vezes em relação à de Ainda que, o número de indivíduos acima de 65 anos terá aumentado quinze vezes. Segundo dados do Ministério da Saúde, a população brasileira idosa, em 1996, era de 7,8 milhões, e entre 1950 e 2020, esta estatística crescerá 16 vezes o número de pessoas acima de sessenta anos de idade no país (COSTA, 2008). O comprometimento no desempenho neuromuscular, evidenciado por paresia, incoordenação motora, lentidão e fadiga muscular, constitui um aspecto marcante neste processo (MEIRELES, 2008). Se por um lado, a expectativa de vida tem aumentado significativamente nas últimas décadas, por outro, discute-se sobre a qualidade de vida de indivíduos em idade mais avançada (COSTA, 2008). Apesar da possibilidade de se constar alterações em ambos os casos, as modificações não se correlacionam na mesma magnitude quando comparado o idoso saudável àquele submetido a doenças (MEIRELES, 2008). Algumas da influências do envelhecimento são: diminuição do equilíbrio, alterações na postura e marcha, que podem se transformar em um importante risco de saúde para pessoas idosas (COSTA, 2008). O comprometimento no desempenho neuromuscular, evidenciado por paresia, incoordenação motora, lentidão e fadiga muscular, constitui um aspecto marcante neste processo (MEIRELES, 2008). O motivo pelo qual as quedas se transformam em um importante risco de saúde nas pessoas de idades mais avançadas é consequência de diversos fatores: diminuição do equilíbrio, alterações na postura e na marcha, onde, por sua vez, sofrem várias influências do envelhecimento normal e patológico (COSTA, 2008). Em relação ao déficit do sistema músculo-esquelético, podem-se notar efeitos deletérios significantes e associativos sobre a eficiência em outros sistemas, como o respiratório, o sensorial e o vestibular (MEIRELES, 2008). Os sistemas de saúde terão de fazer frente a uma crescente demanda por procedimentos diagnósticos e terapêuticos das doenças crônicas não transmissíveis, principalmente as cardiovasculares e as neuro-degenerativas (FILHO, 2005). O envelhecimento de fato causa déficits sobre o sistema mantenedor do equilíbrio humano. Isso se deve porque as estruturas afetadas pelo processo de envelhecimento cerebral desempenham importante função na dinâmica corporal (MEIRELES, 2008). Ao considerarmos a complexidade que é o cuidado com o idoso, a atuação de uma equipe interdisciplinar torna-se fundamental para a integração de conhecimentos variados para a mesma finalidade. Essas ações visam sobretudo, a manutenção da saúde e da qualidade de vida do paciente idoso (FILHO, 2005). Alterações fisiológicas e biomecânicas decorrentes do processo de envelhecimento Um dos grandes desafios a serem enfrentados com o passar dos anos é o envelhecimento, onde a sociedade terá que encontrar meios que possam estar sanando o aumento da incapacidade funcional, comprometimento da independência física, mental e autonomia pessoal que muitos idosos enfrentam (COSTA, 2008). De um modo geral, dois eventos marcam o envelhecimento no sistema nervoso: a diminuição do peso total do encéfalo; e a redução na camada cortical, que leva a um concomitante aumento das cavidades ventriculares e dos sulcos (MEIRELES, 2008).

4 4 O equilíbrio é muito afetado com o decorrer do tempo, principalmente em indivíduos que se mantém parados, onde a amplitude e a frequência de oscilações da postura são maiores que nos indivíduos mais jovens. O equilíbrio pode ser definido como a capacidade de manter o centro de gravidade sobre a base de sustentação do corpo durante situações estáticas e dinâmicas (COSTA, 2008). A ação dos reflexos, os movimentos rítmicos automatizados e os movimentos voluntários dependem da integridade dos pilares do circuito motor, tais são alterados como resposta aos distúrbios de equilíbrio no envelhecimento. Com maior incidência no envelhecimento as associações musculares agonistas-sinergistas-antagonistas são as comumente afetadas (MEIRELES, 2008). A postura é descrita como o alinhamento das partes do corpo em relação a outras, em um dado momento (COSTA, 2008). Pesquisas comprovam que o declínio desencadeado pelo envelhecimento incidiu especialmente nas tarefas que exigiam rapidez, atenção, concentração e raciocínio indutivo do idoso (FILHO, 2005). A postura envolve interações complexas entre os músculos esqueléticos, o tecido conjuntivo, as articulações, os ossos e os sistemas nervosos centrais e periféricos. Essas interações promovem o equilíbrio humano, o controle motor e o movimento em relação à gravidade. Mas com o passar dos anos, os organismos sofrem alterações devido a patologias no tecido conjuntivo, lesões francas, micro traumatismos nos músculos e nos mecanismos do controle neural, resultando assim, nas variações da postura do idoso (COSTA, 2008). Indiscutivelmente, o maior desafio do século XXI será pertinente à população de idosos que é de fato crescente, onde a maioria se apresenta com níveis socioeconômico e educacional baixos e com uma prevalência de doenças crônicas e incapacitantes relativamente alta (FILHO, 2005). O uso pertinente de informações externas e internas para reagir às modificações de estabilidade e tornar ativos os músculos para que trabalhem em conjunto de modo a prevenir as mudanças no equilíbrio é classificado como equilíbrio dinâmico (COSTA, 2008). No entanto acredita-se que, com o avançar da idade, o indivíduo passe a apresentar deficiências no controle genético da produção de proteínas estruturais, de enzimas e dos fatores neurotróficos. Esse déficit, por sua vez, repercute de maneira negativa na função das células nervosas e das neuróglias, tornando mais difícil a neurogênese, a plasticidade, a condução e transmissão dos impulsos nervosos. Com isso, déficits consideráveis no equilíbrio estático e dinâmico são gerados (MEIRELES, 2008). Os sistemas envolvidos no equilíbrio são o visual, o vestibular e o somatossensorial (COSTA, 2008). É de extrema importância para o controle do equilíbrio corporal a integração dos vários sistemas corporais sob o comando central. Os componentes afetados com o envelhecimento são o sensorial (visual, somatosensorial, e vestibular), efetor (força, amplitude de movimento, alinhamento biomecânico, flexibilidade) e central (MEIRELES, 2008). Para se manter o equilíbrio, os dados sensoriais primordiais são fornecidos principalmente pelo sistema visual, pois ajuda quanto à orientação do corpo no espaço. Se os olhos estiverem fechados ou se a situação exigir um

5 5 equilíbrio diferente do normal, a oscilação será exagerada. Já o sistema vestibular apresenta informações necessárias para o controle da oscilação postural e do equilíbrio dinâmico. O sistema somatossensorial é de grande importância para o equilíbrio, pois inclui informações das articulações, da pele e dos sensores vibratórios, onde todos eles fornecem informações quanto às posições do corpo (COSTA, 2008). Todo esse trabalho também deve preocupar-se com a qualidade de vida do idoso e conter uma ampla avaliação funcional em busca de perdas possíveis dessas funções (FILHO, 2005). A oscilação postural é de fundamental importância, pois está relacionada aos riscos de quedas, sendo de grande interesse para proporcionar e desenvolver estratégias comportamentais que ajudem a prevenir as quedas e a estabilidades (COSTA, 2008). Indo adiante, parece-nos que o conceito de envelhecimento saudável ou envelhecimento bem-sucedido é um construto teórico que merece um pouco de dedicação, e, talvez, se apresente como um aglutinador (ACOSTA, 2007). Entretanto, autores afirmam que as alterações morfofuncionais decorrentes da idade podem ser retardadas ao manter um estilo de vida ativo e saudável (COSTA, 2008). Os idosos apresentam uma amplitude de passada reduzida, e isso faz parte de uma série de alterações sofridas em decorrência do envelhecimento, onde por se moverem lentamente passam um tempo maior para adaptar-se às mudanças do meio ambiente, o centro de massa e o centro de pressão também sofrem modificações (MEDEIROS, 2010). As alterações no sistema respiratório abrangem mudanças nas cartilagens costais, nas articulações costoesternais, nos pulmões e no nariz onde promove aumento progressivo das cartilagens, que apresentam crescimento deste de cerca de 0,5 cm tanto na largura quanto no comprimento (COSTA, 2008). Com a perda da integridade do sistemas sensoriais provenientes dos sistemas visual, vestibular e somatosensorial, a postural é afetada. Levando a uma redução na qualidade e talvez na quantidade da informação sensorial, em decorrência de menor eficiência na captação de estímulos, o que irá alterar o seu comportamento (MEDEIROS, 2010). O envelhecimento encontra-se associado a alterações nas estruturas cardíacas e pulmonares, que tendem a ser individualizadas (COSTA, 2008). A aptidão cardiorrespiratória tem sido apontada como o componente mais importante da aptidão física, podendo ser influenciada por vários fatores, tais como idade, sexo, condições de saúde, genética e, principalmente, o nível de atividade física, que, portanto, é menor entre os idosos como decorrência do envelhecimento e hábitos de vida (CARVALHO, 2008). Aos 70 anos o volume máximo de ar inspirado é a metade do ar que entra aos 30 anos, com isso, o idoso utiliza com maior intensidade o músculo diafragma para compensar a perda de elasticidade da caixa torácica (COSTA, 2008). O avançar da idade também é gerador de prejuízos quanto a capacidade funcional do indivíduo, indo em torno de alterações motoras e do sistema musculo esquelético (MEDEIROS, 2010). A união das cartilagens costais com o osso esterno bem como as cartilagens dos brônquios e da traquéia calcifica-se, onde se tornam cada vez mais rígidas. Encontra-se também rigidez na articulação do manúbrio com o corpo do esterno, pois, com o envelhecimento, eles se fundem formando um único

6 6 osso. Em decorrência disso, obter uma caixa torácica com menor mobilidade resume-se na importante diminuição de sua complacência (COSTA, 2008). Quando o equilíbrio se altera, dependendo das modificações, diante das perturbações, o indivíduo poderá adotar inicialmente dois mecanismos (feedback e feedforward) e três tipos de estratégias (tornozelo, quadril e da passada) (MEDEIROS, 2010). Conforme o esforço físico respiratório alguns volumes variam. Além disso, há variação de indivíduo para indivíduo dentro da normalidade, podendo ser alterados os percentuais em decorrência de pneumopatias (COSTA, 2008). As alterações provocadas pelo envelhecimento nos sistema pulmonar são bem descritas pela literatura, destacando-se a diminuição da complacência torácica, a diminuição da força muscular inspiratória, o declínio na taxa de fluxo expiratório e a redução na mobilidade da articulação costo-vertebral. Sabe-se também que a função dos músculos respiratórios pode estar relacionada à capacidade funcional, pois o treinamento desses músculos, que segue os mesmos princípios do treinamento para os músculos esqueléticos, melhora a capacidade funcional em idosos (CARVALHO, 2008). Uma das medidas mais confiáveis de volume pulmonar, a capacidade residual funcional, é ligeiramente elevada em função da idade (COSTA, 2008). O mecanismo a ser utilizado para o restabelecimento do equilíbrio depende da origem da perturbação, este pode ser inicialmente de duas formas: externas ou internas (MEDEIROS, 2010). Com o aumento da idade, observa-se uma diminuição na velocidade de contração muscular e uma atrofia das fibras que compõem esses músculos. Havendo então, uma perda de massa muscular total (COSTA, 2008). Alguns estudos também demonstram que a redução da força muscular associada à diminuição no tamanho de números de fibras musculares e da quantidade de motoneuronios ocorrida no envelhecimento pode está indiretamente relacionada (MEDEIROS, 2010). Há uma perda de força muscular de 6% por década dos 35 anos ao 50 anos de idade, podendo ser aumentado este número quando para 10% dos 50 anos em diante. Já em relação a osteoporose existe uma relação intrínseca envolvida devido a própria senescência, hábitos alimentares incorretos, falta de armazenamento correto de cálcio no organismo e primordialmente a ausência de uma atividade física regular (COSTA, 2008). O desbalanço entre a formação e a reabsorção óssea, que propicia o aparecimento de osteopenia e osteoporose, potencializa o risco de incapacidade na população idosa (MEIRELES, 2008). O sistema musculoesquelético sofre deterioração das articulações zigapofisárias e espinhais, achatamento e perda de resistência nos discos intervertebrais, estreitamento do canal espinhal/forame neural, perda do espaço disco intervertebral, calcificação do tecido conjuntivo periarticular, osteoporose e doenças degenerativas, o que irá tornar os ossos mais porosos (COSTA, 2008). Existe uma série de alterações, no mecanismo de controle postural, dentre elas estão: as comportamentais, onde encontramos as modificações que estão relacionadas com a locomoção (MEDEIROS, 2010). As alterações podem causar dor e reduzir os movimentos da coluna vertebral por causa dos esforços, o que faz com que os indivíduos idosos se movam mais do que o necessário (COSTA, 2008).

7 7 Eventos nacionais enfatizam a necessidade de formação de recursos humanos para atuar com pessoas idosas no Brasil, como exemplo: Fórum Nacional de Coordenadores de Projetos da Terceira Idade de Instituições de Ensino Superior (MAZO, 2010). Permanecer sentado por muito tempo pode levar a aumentar ainda mais o desequilíbrio postural, devido aumentar a curvatura do pescoço, coluna lombar e dos ombros. Não podemos deixar de citar que com o desgaste, contraturas por uma vida inteira, pode produzir diferenças de discrepâncias dos membros inferiores, causando compensações posturais, que irá afetar a marcha e ao ficar de pé, conduzindo a quedas (COSTA, 2008). As manifestações da síndrome do desequilíbrio tem grande impacto para os idosos, podendo levá-los à perda de sua autonomia, por comumente afetar a realização das atividades de vida diária e predispor o indivíduo a quedas e fraturas (MEIRELES, 2008). O envelhecimento, pela deterioração funcional dos vários sistemas, diminui a mobilidade dos indivíduos, principalmente pela perda de força dos músculos dos membros inferiores, pela diminuição da sensibilidade vibratória, da visão e dos reflexos posturais (CARVALHO, 2008). As quedas são ocorrências relativamente comuns nos idosos e constituem uma importante causa de morbidade e mortalidade em sujeitos com mais de 65 anos de idade (MEIRELES, 2008). A marcha é de fundamental importância nas atividades de vida diária, bem como para a funcionalidade de qualquer indivíduo, parecendo ser relativamente simples, porém na verdade é um processo complexo que envolve diversos sistemas fisiológicos (COSTA, 2008). Para se conseguir uma postura ereta é necessário que os sistemas nervoso e osteo-mioarticular estejam em bom funcionamento. Entretanto, com a chegada do envelhecimento há um declínio da força, atrofias e fibroses, presença de cifose, artropatias, degeneração nervosa, distúrbios endócrinos, metabólicos ou nutricionais, causando mais instabilidade e insegurança ao andar para o idoso acometido (MEIRELES, 2008). A visão também engloba a marcha para monitorar a velocidade do movimento, direção, mantendo também o equilíbrio e fornecendo informações proprioceptivas aos músculos, articulações e pele (COSTA, 2008). Para a manutenção de um estilo de vida saudável durante o envelhecimento é indiscutível que o paciente deixe o estado sedentário para começar a prática de atividades físicas regulares, principalmente se forem realizadas em grupo (MAZO, 2010). Pode-se dizer também que os indivíduos idosos adotam os passos mais curtos, pois a resistência dos músculos mais fracos nos membros inferiores é maximizada com esses passos, e praticamente não apresentam custo de energia (COSTA, 2008). A perda de força muscular é a principal responsável pela deterioração na mobilidade e na capacidade funcional do indivíduo que está envelhecendo (GUERRA, 2009). A característica principal do movimento dos idosos é que eles movem-se muito mais lentamente do que as pessoas mais jovens, devido ao condicionamento físico. Essa associação de condicionamento físico e velocidade da marcha são compatíveis com a hipótese de que quanto mais atividade física, maior o condicionamento e a velocidade da marcha, então, mantendo um estilo de vida ativo, incluindo caminhadas, pode-se manter a marcha normal preservando assim a força e estimulando o equilíbrio. As alterações sensoriais como acuidade visual e a sensibilidade plantar também

8 8 podem influenciar na marcha, podendo estar associadas a quedas (COSTA, 2008). Um dos riscos potenciais que afetam os idosos são as quedas. É definida como uma incapacidade de correção do deslocamento do corpo durante sua movimentação no espaço (CUNHA, 2009). Programa de exercícios regulares para idosos É dever do fisioterapeuta atuar nos níveis primário, secundário e terciário voltado para os cuidados e atenção à saúde do idoso. Sua meta consiste em muitos casos tratar as alterações motoras e funcionais decorrentes de doenças e problemas associados, bem como trabalhar a reabilitação do idoso dentro de suas especificidades e peculiaridades (COSTA, 2008). Adotar medidas que levam a condutas e políticas preventivas são importantes para combater as consequências do desequilíbrio, uma vez que são potencialmente sérias (MEIRELES, 2008). A Organização Mundial de Saúde (OMS) estabelece que a saúde seja o estado de completo bem-estar mental, físico e social, e não somente ausência de enfermidade ou moléstia (COSTA, 2008). Para seguir um roteiro de exercícios que o paciente de seguir, podemos utilizar na avaliação fisoterapêutica o Perfil de Deambulação Funcional (FAP), desenvolvido por Arthur J. Nelson (membro da sociedade americana de fisioterapia) que pretende examinar as habilidades funcionais do paciente em relação a marcha, que vai do equilíbrio em pé, em barras paralelas, até a deambulação independente. Neste teste usase o cronômetro para que seja feita a medição do tempo que o indivíduo leva para realizar determinadas tarefas e assim trabalhar objetivando ganhos de tempo na mesma atividade (O SULLIVAN; SCHMITZ, 2010). Para inserirmos o papel do fisioterapeuta na saúde do idoso, poderemos iniciar a partir do momento da prevenção, sendo definida como o ato ou efeito de prevenir-se. A prevenção é definida em três níveis: prevenção primária, secundária e terciária (COSTA, 2008). A fisioterapia tem um papel essencial no treino do equilíbrio em pacientes idosos que apresentam algum tipo de instabilidade no sistema de manutenção do equilíbrio. O processo reabilitativo atua no fortalecimento muscular, treino de marcha, seja em terreno estável como em terrenos instáveis, além de melhorar a postura e o quadro proprioceptivo do paciente (MEIRELES, 2008). Imagem 1 Uma passada direita e uma esquerda (O SULLIVAN; SCHMITZ, 2010)

9 9 A marcha deve ser avaliada, mantida e treinada, uma vez que é um suporte fundamental para a funcionalidade do idoso. As fases da marcha são divididas em apoio, onde acontece o contato do calcanhar, pé plano, apoio médio, saída do calcanhar e saída dos dedos; e o balanço, que é a fase da aceleração, balanço médio e desaceleração. A imagem 1 ilustra uma passada direita e uma passada esquerda (O SULLIVAN; SCHMITZ, 2010). O exercício físico, principalmente em idades avançadas, atua na manutenção da função, para conservar ativos todos os sistemas que formam o organismo, como: sistema muscular, sistema nervoso e sistema osteoarticular (COSTA, 2008). Quando associado a outros quadros patológicos, é essencial que a intervenção esteja voltada para a readequação cognitivo-motora-sensorial do paciente. Outras estratégias importantes envolvem a melhora da flexibilidade e a prevenção de deformidades (MEIRELES, 2008). A recomendação de programas de atividade física e exercícios é importante como hábito de vida saudável e precisa ser quantificada para o entendimento de sua contribuição para a saúde e para a capacidade funcional da população idosa (CARVALHO, 2008). A educação voltada à saúde, exercícios físicos globais e específicos, orientações posturais, realizados tanto individualmente quanto em grupo, pode ser definida como medidas primárias da fisioterapia para tratar o envelhecimento motor (COSTA, 2008). É importante citar que muitas pesquisas anteriores têm delineado a importância da participação dos músculos da parede abdominal como agentes que irão estabilizar a coluna, garantindo a estabilização segmentar da coluna através destes exercícios na promoção da estabilidade (CARVALHO, 2008). Diante de esforços intensos e breves, o idoso tem dificuldades para adaptar-se. Com isso, em princípio, os exercícios rápidos e violentos não são indicados para pessoas com idade mais avançadas (COSTA,2008). Aumentar o acesso às atividades físicas, educacionais, incentivando a adoção de um estilo de vida sadio e promovendo benefícios para a saúde e qualidade de vida dos idosos são propostas aceitáveis e que garantem bons resultados aos praticantes (MAZO, 2010). Com o aumento da idade, eleva-se a probabilidade de aparecimento de enfermidades, onde sua prevenção pode ser realizada pela prática regular de exercício físico, retardando ou atenuando o envelhecimento, atuando diretamente na promoção da saúde e na prevenção de agravos, tais como, distúrbios osteomusculares, doenças cardiovasculares, obesidade, melhoras na capacidade respiratória, na reserva cardíaca, no tempo de reação, na força muscular, na memória recente, na cognição e nas habilidades sociais, entre outras (COSTA, 2008). Na terceira idade os exercícios que atuam revertendo perdas como a da massa óssea, muscular e força, são os mais eficazes já que contribuem para uma maior autonomia funcional (GUERRA, 2009). Os efeitos positivos que a atividade motora regular e contínua pode trazer aos idosos refletem não somente na capacidade de resistência ao exercício e, portanto, o esforço, como também nas capacidades intelectuais, como vivacidade intelectual e estado de desenvolvimento psíquico superior (COSTA, 2008).

10 10 O baixo risco de lesões, controle de freqüência cardíaca e pressão arterial são fatores que tornam certos exercícios seguros, portanto preferíveis nesta faixa etária (GUERRA, 2009). A prática regular de exercícios físicos se consegue fortalecimento da musculatura, melhora do equilíbrio e da estabilidade postural, com isso, resulta na diminuição do risco de quedas, consequentemente, reduz a imobilização, aumentando a independência nas atividades de vida diária (AVD) e ajudando tanto no seu contato social, reduzindo assim problemas psicológicos (COSTA, 2008). Podemos utilizar vários meios de recursos terapêuticos manuais, entre tantos podemos citar o isostretching. O isostretching é uma modalidade de atividade física com finalidades terapêuticas e é considerado como terapia complementar para o tratamento dos desequilíbrios posturais (CARVALHO, 2008). O isostretching é uma técnica postural global que tem por objetivo fortalecer e flexibilizar a musculatura de maneira a corrigir a postura e melhorar a capacidade funcional respiratória. Os exercícios são realizados em uma posição vertebral de máximo alinhamento e exigindo da coluna vertebral uma atitude de alongamento (CARVALHO, 2008). METODOLOGIA Para a efetiva pesquisa utilizaremos a revisão bibliográfica, através de acervo público, artigos, monografias e teses retiradas da internet de fontes seguras como Scielo, Pubmed e Lilacs. A relação de dados colhidos na revisão bibliográfica deste artigo consta dos anos de 1998 ao ano de Procuramos nos focalizar em pesquisar fontes que retratassem de maneira direta e indireta os benefícios que a prática de um programa de exercícios pode proporcionar aos idosos, uma vez que pretende-se minimizar as alterações fisiológicas que os mesmos hão de sofrer no decorrer do processo de envelhecimento. A fonte utilizada no artigo científico é Times New Roman, tamanho da fonte 12, espaçamento simples, Microsoft Office Word para posteriormente ser salvo em PDF de acordo com as normas exigidas pela instituição de ensino. RESULTADOS E DISCUSSÃO Na utilização da abordagem dos sistemas, o fisioterapeuta deverá determinar, sempre que possível, os problemas referentes à idade, qual alteração é patológica e qual é causado pelo desuso (COSTA, 2008). A Fisioterapia deve intervir sobre as alterações fisiológicas ao envelhecimento, promovendo saúde e qualidade de vida à população (MEIRELES, 2008). A fisioterapia é de grande importância na reabilitação geriátrica. Compreender o processo de encaminhamento e as potenciais intervenções e contribuições permitirão que membros de outras equipes de reabilitação passem a utilizar os serviços que essa profissão proporciona (COSTA, 2008). Há sem dúvida um crescente aumento no interesse da comunidade científica em estudar e pesquisar o processo do envelhecimento nas suas mais diversas abordagens para gerar novos dados em ciências da saúde (FILHO, 2005).

11 11 O fisioterapeuta está envolvido na avaliação, no exame, no tratamento e prevenção de distúrbios cardiovasculares, pulmonares, neuromusculares e musculoesqueléticos (COSTA, 2008). Constatou-se que o declínio desencadeado pelo envelhecimento incidiu especialmente nas tarefas que exigiam rapidez, atenção, concentração e raciocínio indutivo (FILHO, 2005). O Ministério da Educação (MEC) distinguiu o fisioterapeuta como um profissional generalista, onde pode ser capaz, de atuar em todos os níveis de prevenção e atenção a saúde, não necessariamente devendo ficar restrito as ações reabilitadoras e curativas (COSTA, 2008). No Brasil, para isso a Política Nacional de Saúde do Idoso tem contribuído de forma relevante e tem como propósito básico a promoção do envelhecimento saudável, pela manutenção e melhoria, ao máximo, da capacidade funcional dos idosos (FILHO, 2005). O fisioterapeuta tem excelente formação acadêmica, para atuar na execução de programas de promoção de saúde. Porém, normalmente, suas atividades profissionais mais reconhecidas são a recuperação e a reabilitação de pessoas fisicamente lesadas com atuação, por conseguinte, em níveis de atenção secundária e terciária à saúde (COSTA, 2008). Tarefas como a adoção de bons hábitos alimentares, prática de atividades físicas, direito ao lazer, entre outras, são propostas que já contribuíram para modificar a situação da terceira idade no país em relação às décadas anteriores que precisam ser levadas mais a sério para contribuição na manutenção da saúde, realização das atividades de vida diária e principalmente da qualidade de vida (FILHO, 2005). A potencialização das capacidades físicas, como força, flexibilidade, potência aeróbia, equilíbrio, entre outras, promovem uma melhoria significativa nas atividades de vida diária, reduzindo a fadiga a pequenos esforços, minimizando o risco de quedas (COSTA, 2008). A conduta fisioterápica de exercícios em solo e em meio aquático são eficazes no aumento do equilíbrio e mobilidade funcional de idosos, conforme estudos realizados anteriormente (CUNHA, 2009). Em idosos submetidos ao método isostretching foi constatado melhora significativa a partir da quinta sessão, onde sua capacidade funcional foi amplamente evidenciada (CARVALHO, 2008). O envelhecimento humano é um processo em que o declínio fisiológico é caracterizado por medidas dos parâmetros globais do organismo, diante disto, vários estudos mostram que o envelhecimento possui características próprias. Por outro lado, os autores relataram que o exercício físico pode produzir um profundo aumento de aptidão física de idosos e das funções essenciais. Isto é um aspecto que chama atenção referente à utilização da prática do exercício físico dirigida para a qualidade de vida e a saúde (COSTA, 2008). A crescente preocupação com o desenvolvimento científico na prevenção em relação com o envelhecimento, pode ser constatada através de revistas indexadas no PubMed, não somente em relação a nível nacional mas em termos mundiais (FILHO, 2005). Os exercícios físicos sistematizados reduzem a vulnerabilidade e a fragilidade causadas pela inatividade, minimizam as mudanças biológicas trazidas pelo envelhecimento e ajudam no controle de doenças crônicas (COSTA, 2008).

12 12 A literatura corrobora com o conceito de que uma menor eficiência do sistema neuromuscular pode levar tanto ao prejuízo do desempenho quanto a lesões, e que a estabilidade do tronco é um componente importante para prover uma base sólida e exercer ou resistir às forças (CARVALHO, 2008). Os protocolos de exercício para essa população estão centrados na prevenção, proteção e promoção osteoarticulares e cardiovasculares (COSTA, 2008). Como foi citado anteriormente, o aumento de idosos na população mundial é um fenômeno crescente, onde todos os processos relacionados direta ou indiretamente ao envelhecimento necessitam ser cada vez mais estudados, no propósito de assegurar uma melhor qualidade de vida para essa população (FILHO, 2005). CONCLUSÃO Pelos achados pode-se considerar que a fisioterapia específica no envelhecimento humano, usufrui de aplicação de exercícios físicos gerando efeitos positivos na saúde do idoso e sua qualidade de vida (COSTA, 2008). É certo que falar em qualidade de vida virou não somente um modismo mas algo que vem preocupando a comunidade científica com a finalidade de lançar novos meios que possam propiciar o que muitos querem e que nem todos conseguem obter, a qualidade de vida. Apesar de ser impossível evitar que as alterações comuns ao processo do envelhecimento não apareçam com o avançar da idade, podemos minimizá-las por meio de atitudes e bons hábitos realizados ao longo da vida (MEIRELES, 2008). A fisioterapia, cujo objetivo de estudo é principalmente o movimento humano, vem colaborar lançando mão de conhecimentos e recursos fisioterápicos, com o intuito de compreender os fatores que possam acarretar perda ou diminuição da qualidade de vida e bem-estar nos idosos (GUERRA, 2009). É notório a necessidade da realização de novas pesquisas neste âmbito de tratamento, uma vez que o número de idosos no país tende a crescer assim como a necessidade de profissionais capacitados para prestar atendimento e tratamento a estes pacientes. Contudo, após uma longa coleta de materiais para a realização deste artigo foi satisfatória a conclusão que a fisioterapia pode colaborar com o desenvolvimento das potencialidades e capacidade funcional de pacientes no período do envelhecimento através de exercícios que promovam mobilidade articular, flexibilidade, resistência à fadiga, fortalecimento muscular, potência aeróbia e melhora do equilíbrio para a garantia significativa na qualidade de vida do idoso. O conceito de qualidade de vida é muito amplo, entretanto podemos defini-la como o que cada um de nós pode considerar como importante para viver bem. Haja vista que é um bem muito almejado na atualidade e proposta de mais estudos para sua evolução no futuro. Referências ACOSTA, Marco Aurélio. Diagnóstico da produção científica na temática terceira idade no período Santa Maria, Diponível em: <http://cbce.tempsite.ws/revista/index.php/rbce/article/view/14/20>. Acesso: 16 Jun BEAR, M. F.; COMMORS, B. W.; PARADISO, M. A. Neurociências: desvendando o sistema nervoso. Porto Alegre: Artes Médicas, CARVALHO, A. R. Aprimoramento da capacidade funcional de idosos submetidos a uma intervenção por isostretching. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 12, n. 4, p , Disponível em:< >. Acesso: 10 Mar CHANDLER, J. M. Equilíbrio e quedas no idoso: questões sobre a avaliação e o tratamento. Fisioterapia geriátrica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

13 COSTA, Aline Herrera. Fisioterapia na saúde do idoso: exercícios físicos na promoção da qualidade de vida. Revista Hórus Volume 4, número 1. São Paulo, Disponível em: < >. Acesso: 20 Jun CUNHA, Márcio Fernandes. A influência da fisioterapia na prevenção de quedas em idosos na comunidade: estudo comparativo. Rio Claro, Disponível em: < >. Acesso: 05 Mai DELIBERATO, P. C. P. Fisioterapia Preventiva Fundamentos e Aplicações. Barueri: Manole, DORETTO, D. Fisiopatologia Clínica do Sistema Nervoso: Fundamentos da Semiologia. São Paulo: Atheneu, FILHO, Sebastião David Santos. O interesse científico no estudo do envelhecimento e prevenção em ciências biomédicas. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano. Passo Fundo, Disponível em: <http://www.perguntaserespostas.com.br/seer/index.php/rbceh/article/view/80/76>. Acesso: 09 Jun GEIS, P. P. Atividade física e saúde na terceira idade teoria e prática. Porto Alegre: Artmed, GONÇALVES, A.; VILARTA, R. Qualidade de vida e atividade física: explorando teorias e práticas. São Paulo: Manole, GUERRA, Heloísa Silva. Exercício físico na terceira idade. Goiás, Disponível em: <http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/variedades/exerc_terceira_idade_helois a.htm>. Acesso: 23 Jul GUYTON, A. C.; HALL, J. E.; Fisiologia humana e mecanismos das doenças. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan JOHNSON, J. Fisioterapia para o idoso. Manual de reabilitação geriátrica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, JÚNIOR, C. M. P.; HECKMAN, M. F. Distúrbios da postura marcha e quedas. Tratado de geriatria e gerontologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, JÚNIOR, Luiz Carlos dos Reis. Cuidados paliativos no paciente idoso: o papel do fisioterapeuta no contexto multidisciplinar. Curitiba, Disponível em: <http://www2.pucpr.br/reol/public/7/archive/ fisio_v._20_n._2._-_0014.pdf>. Acesso: 27 Jul KAUFFMAN, T. L. Manual de reabilitação geriátrica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, LORENZO, V. A. P. D.; VELLOSO, M. Mudanças anatômicas e fisiológicas no sistema respiratório determinadas pelo envelhecimento. Fisioterapia Geriátrica: a prática da assistência ao idoso. Barueri, SP: Manole, LUSTRI, W. R.; MORELLI, J. G. S. Alterações no sistema cardiorrespiratório. Fisioterapia Geriátrica: a prática da assistência ao idoso. Barueri, SP: Manole, MAZO, Giovana Zarpellon. Progarama de extensão grupo de estudos da terceira idade GETI: uma proposta de promoção de saúde voltada à pessoa idosa. Santa Catarina, Disponível em: <http://revistas.udesc.br/index.php/udescemacao/article/view/2102/pdf_41>. Acesso: 07 Ago MEDEIROS, Valéria Matos Leão. Equilíbrio, controle postural e suas alterações no idoso. Pernambuco, Disponível em: <http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/variedades/idoso_fabiola.htm>. Acesso: 22 Ago MEIRELES, Aline Estrela. Alterações neurológicas fisiológicas ao envelhecimento afetam o sistema mantenedor do equilíbrio. Goiânia, Disponível em:< Acesso: 02 Abr O SULLIVAN, Susan B.; SCHMITZ, Thomas. Fisioterapia: avaliação e tratamento. São Paulo: Manole, PEREIRA, L. S. M. Fisioterapia em gerontologia. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, REDONDO, B. Isostretching: a ginástica da coluna. São Paulo: Skin, SPIRDUSO, W. W. Dimensões Físicas do Envelhecimento. Barueri: Manole,

14 14 ANEXOS Imagem 1 Prática de atividades físicas em grupo Imagem 2 Idosas em prática de atividades lúdicas

15 15 Imagem 3 Idosos em prática de atividade para condicionamento físico Imagem 4 Idosos mantendo sua flexibilidade com exercícios de alongamento

16 16 Imagem 5 Idosos realizando exercícios de fortalecimento muscular com uso do Thera Band Imagem 6 Idosos realizando exercícios proprioceptivos para o equilíbrio com uso da bola suíça

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

FISIOTERAPIA NA SAÚDE DO IDOSO: EXERCÍCIOS FÍSICOS NA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA. Aline Herrera Costa 1, Carla Cristiane da Silva 2

FISIOTERAPIA NA SAÚDE DO IDOSO: EXERCÍCIOS FÍSICOS NA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA. Aline Herrera Costa 1, Carla Cristiane da Silva 2 FISIOTERAPIA NA SAÚDE DO IDOSO: EXERCÍCIOS FÍSICOS NA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA Aline Herrera Costa 1, Carla Cristiane da Silva 2 RESUMO O envelhecimento populacional é um dos grandes desafios a serem

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Consciência cinestésica como prática da Terapia Ocupacional no ambiente do trabalhador* Wilson C. Garves

Consciência cinestésica como prática da Terapia Ocupacional no ambiente do trabalhador* Wilson C. Garves Consciência cinestésica como prática da Terapia Ocupacional no ambiente do trabalhador* Wilson C. Garves *Trabalho apresentado no VIII Congresso Latino Americano de Terapia Ocupacional Lima - Peru, abril

Leia mais

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura Efeitos da fisioterapia na força respiratória do idoso: revisão de literatura Flávia Alves de Abreu 1, Ingrid Maziero Cheles 1, Maíra de Freitas Souza 1, Michelle Pereira Lima 1, Rafael Bossolan 1, Andréa

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS Raphaella Ortega Leite 1, Eveline Campaneruti Esteves¹; Siméia Gaspar Palácio 2

Leia mais

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 GOYAZ, M. - Vida ativa na melhor idade. Revista da UFG, Vol. 5, No. 2, dez 2003

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE Bianca Emanuelle Silva Constâncio Acadêmica do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de João Pessoa UNIPÊ, email: biancaemanuelle@live.com

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS.

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. Marcela Maria Medeiros de Melo¹; Ádila Siqueira de Basto Lima¹; Mirella Bruna Felix de Freitas¹; Elma Eloi Melo da Silva¹;

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso

A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso Apresentação: O objetivo deste texto é apresentar a Terapia Ocupacional, em sua atuação específica junto ao idoso (área geronto-geriátrica). No mundo atual

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Ementas das Disciplinas CURSO DE GRADUAÇÃO DE FISIOTERAPIA ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares correspondem a 204 horas realizadas nos diferentes espaços proporcionados

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte III PREPARO E APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Aquecimento com movimentos leves, repetitivos e alongamentos. Aplicar a resistência de forma distal, na região onde o músculo

Leia mais

TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA

TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA As dores musculoesqueléticas atingem 40% da população e representam

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece?

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Não está exatamente claro como nosso corpo

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Geriatria Código: Fisio 229 Pré-requisito: -------- Período Letivo:

Leia mais

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES INTRODUÇÃO Um número cada vez maior de pessoas apresenta, em seu cotidiano, atividades repetitivas e restritivas, que conduzem a uma perda do sinergismo

Leia mais

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ O GRANDE guia de PILATES E BEM-ESTAR 40 exercícios para fazer com bola, no solo e nos aparelhos MELHOR IDADE DE VERDADE Conheça o segredo para ganhar mais vitalidade e ainda evitar quedas GESTANTE FELIZ

Leia mais

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS 1INTRODUÇÃO A partir dos 40 anos, a estatura começa a se reduzir em torno de um centímetro por década¹.a capacidade de manter o equilíbrio corporal é um prérequisito

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PILATES

PLANO DE TRABALHO PILATES PLANO DE TRABALHO PILATES Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

Mais saúde, menos stress

Mais saúde, menos stress iate especial Mais saúde, menos stress conheça Os BenefÍcIOs DA prática esportiva e AprOveIte para escolher A MODALIDADe IDeAL por JOãO rodrigues Um dos maiores diferenciais da Academia do Iate Clube de

Leia mais

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

PLANO DE CURSO. EMENTA: Disciplina específica que visa embasar a avaliação fisioterápica nos aspectos teóricos e práticos.

PLANO DE CURSO. EMENTA: Disciplina específica que visa embasar a avaliação fisioterápica nos aspectos teóricos e práticos. PLANO DE CURSO CURSO: Curso de Fisioterapia DEPARTAMENTO: RECURSOS TERAPÊUTICOS E FÍSICO FUNCIONAIS DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CRÉDITOS: 4 (4 0) PROFESSOR: LEANDRO DE MORAES KOHL EMENTA: Disciplina específica

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA WELLINTON GONÇALVES DO SANTOS ¹ RICARDO BASÍLIO DE OLIVEIRA CALAND² LUCIANA ALVES BRANDÃO³ SONNALE DA SILVA ARAÚJO4 RESUMO A dor lombar é um mal recorrente

Leia mais

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI INTRODUÇÃO Luana Gabrielle de França Ferreira NOVAFAPI Luciana Gomes Cariri NOVAFAPI Maria José Magalhães

Leia mais

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos Protocolos de Enfermagem IDENTIFICAÇÃO DE RISCO E PREVENÇÃO DE QUEDAS HEMORIO - 2010 1ª Ed. PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos Colaboradores: Ana Cristina Amorim

Leia mais

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Treinamento Personalizado para Idosos Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Idosos Indivíduos com idade superior a 60anos Segundo o estatuto do idoso -é assegurando o direito à vida, à saúde, à alimentação,

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS: REVISÃO

ATIVIDADE FÍSICA NA PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS: REVISÃO ATIVIDADE FÍSICA NA PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS: REVISÃO Eder Rodrigues Machado (ederrodriguesmachado@gmail.com) UNIFAN Patrícia Cândida de Matos Lima Martins (patycandida@hotmail.com) UNIFAN Denise

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador

A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador 23 A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador Maria Lúcia Cimadon Silvestre Graduada em Psicologia na Universidade São Francisco Especialista em Gestão da Qualidade de Vida

Leia mais

FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO PETTER, Gustavo; DALLA NORA, Daniel; SANTOS, Tarciso Silva dos; BRAZ, Melissa Medeiros; LEMOS, Jadir Camargo Trabalho de

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL Daniela da Maia José Marques de Carvalho Júnior Antonio Vinicius Soares 2010 INTRODUÇÃO É um laboratório especializado em análise biomecânica

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA

H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA FISIOTERAPIA EM GERIATRIA E GERONTOLOGIA Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisor: José Eduardo Pompeu Características: (duração 12 meses)

Leia mais

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Processo de Trabalho em saúde: Integralidade e Cuidado do 6º ou 7º Biossegurança no trabalho, aspectos legais, suas classificações

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Ádila Siqueira de Basto Lima Wilkelane Ferreira da Silva Marcela Medeiros Melo Mirella Oliveira Barata Thayane de Cácia Brito A fibromialgia

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚ ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

VOCÊ CONHECE SUA PISADA?

VOCÊ CONHECE SUA PISADA? ANO 2 www.instituodetratamentodador.com.br VOCÊ CONHECE SUA PISADA? Direção: Dr José Goés Instituto da Dor Criação e Diagramação: Rubenio Lima 85 8540.9836 Impressão: NewGraf Tiragem: 40.000 ANO 2 Edição

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO Bruna de Moraes Perseguim - bruna_kimi@yahoo.com.br Fernanda Aline de Alencar - fernandinha24_aline@hotmail.com Ana Cláudia

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO MARÇO 04/03 Teórica Noções em Geriatria e Gerontologia - Histórico - Temas básicos: saúde, autonomia, independência, incapacidade e fragilidade - Epidemiologia do envelhecimento - Papel do cuidador - Qualidade

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 Reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia Cardiovascular. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO),

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO Ana Coely Araujo Vieira¹; Fernanda Naiene Rodrigues Valadares²; Rebecca Pessoa de Almeida Lima³; Joventina

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Introdução Afirma-se que a

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO(ESPECIALIZAÇÃO)

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO(ESPECIALIZAÇÃO) CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO(ESPECIALIZAÇÃO) APRESENTAÇÃO, Os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade La Salle de Manaus estão amparados pelo Art.34 de seu Regimento Interno

Leia mais

Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson

Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson Gustavo Nunes Pereira Fisioterapeuta Graduado PUCRS Coordenador Grupo de Interesse em Fisioterapia SBGG-RS Doutorando em Gerontologia Biomédica

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO Curso: FISIOTERAPIA Disciplina: FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO SISTEMA OSTEO-MIO- ARTICULAR Professor:

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

No contexto epidemiológico do Brasil, as alterações da. Postura Corporal e Qualidade de Vida na Escola

No contexto epidemiológico do Brasil, as alterações da. Postura Corporal e Qualidade de Vida na Escola 8 Postura Corporal e Qualidade de Vida na Escola Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física - Unicamp Estela Marina Alves Boccaletto Mestre em Educação Física - Unicamp Frederico Tadeu Deloroso

Leia mais