O TOQUE COMO ESTRATÉGIA COMUNICATIVA DE PROMOÇÃO DO BEM-ESTAR: PERCEPÇÕES DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TOQUE COMO ESTRATÉGIA COMUNICATIVA DE PROMOÇÃO DO BEM-ESTAR: PERCEPÇÕES DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS."

Transcrição

1 O TOQUE COMO ESTRATÉGIA COMUNICATIVA DE PROMOÇÃO DO BEM-ESTAR: PERCEPÇÕES DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. SANTOS, Maria Marta Oliveira. Graduanda do Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia -Bahia. SANDOVAL, José Maximiliano Henriquez. Doutor e Pós-doutor em comunicação. Professor do Departamento de saúde da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Bahia. RESUMO O toque pode ser considerado como um fator determinante do tipo de relações comunicativas que o profissional fisioterapeuta pode estabelecer junto ao idoso institucionalizado. Assim, o objetivo do presente estudo foi averiguar que opiniões idosos institucionalizados têm a respeito da prática do toque. Para tal, o estudo foi realizado em um abrigo de idosos no interior do estado da Bahia, onde foram selecionados e entrevistados vinte idosos. Dos resultados obtidos destacamos que: os idosos explicitam a falta do toque e manifestações de afeto; a maioria expressa que quando são tocados sentem uma sensação de bem-estar; do mesmo modo, expressam que gostariam de participar de práticas recreativas que privilegiem o toque, visto que com elas poderão obter uma melhor integração entre eles; conclui-se, pois, que faz-se necessário estabelecer estratégias para que a necessidade de afeto explicitada por tais informantes possa ser satisfeita, e, desse modo, contribuir para a promoção do bem-estar dos mesmos. 1- BUSCANDO COMPREENDER TEORICAMENTE O TEMA EM ESTUDO 0 ser humano, em qualquer fase da vida, tem a necessidade de ser tocado, acarinhado. Na Terceira Idade, o toque se torna ainda mais importante, já que outros estímulos (tais como o sexual) são muitas vezes suprimidos. 0 toque tem que, mais do que um contato físico, ser considerado uma prova de amor. Tal fato merece destaque quando nos referimos à pessoas idosas que, dada as condições próprias do envelhecimento, modificam seus aspectos físicos e sua funcionalidade. No entanto, o tato continua presente. Seu viço e maciez percebidos na mocidade, cede lugar a um tato um tanto crespo e sem luminosidade ao entardecer da vida. À medida que envelhecemos, pois, começamos a visualizar virtudes de nosso corpo que antes não percebíamos, como viço, luminosidade, textura da pele. Contudo, esta percepção ocorre quando os anos já passaram e as tais qualidades foram perdidas com o avanço daqueles. Geralmente, quando as pessoas atestam da irremediável

2 passagem do tempo, se angustiam com esta notoriedade estampada no rosto, mãos, corpo inteiro. A angústia e o medo advém de uma questão sócio-econômica: em nosso atual mundo capitalista, o belo é aquele que é magro, jovem e sem rugas. Por quê?! Porque esses padrões de beleza são rentáveis para as grandes empresas de cosméticos e todas as outras indústrias que fazem parte dessa "engrenagem da beleza". Assim, estes padrões estão tão impregnados na sociedade, que os seguimos alienadamente. Se as regras ditam que o indivíduo tem que ser magro e jovem, onde está o espaço para aqueles que não mais o são, no caso específico, os idosos que geralmente estão acima do peso e com as rugas inerentes à sua idade? Sua pele fora viçosa e macia, no entanto, o tempo as enrugou. É de conhecimento, pois, que o organismo ao longo da vida, passa por quatro fases: desenvolvimento, puberdade, maturidade e envelhecimento. Podemos perceber as transições entre as três primeiras fases, afinal, as mudanças físicas e orgânicas são evidentes. Porém, o processo de envelhecimento é mais complicado de ser visualizado. 0 seu início é precoce, quando o indivíduo tem em média 25 anos; seguido por um período de tempo estável, com alterações pouco notáveis, e, a partir dos quarentas anos de idade aproximadamente, é que a pessoa começa a perceber modificações do seu corpo, na textura da pele, enfim características da passagem do tempo. 0 envelhecimento, então, manifesta-se por declínio das funções dos diversos órgãos no decorrer dos anos. Essas pessoas estão hoje totalmente dependentes de parentes que os sustentem, ou dependentes do estado, sendo então indigentes. Se pararmos para pensar melhor nesta questão, iremos perceber que vivemos em uma sociedade que tem uma visão usuária, utilitarista do ser humano. Normalmente as pessoas são valorizadas pelo critério de ter ou poder, mais do que pelo ser. 0 idoso, geralmente improdutivo materialmente e intelectualmente diminuído, corre o risco de ser considerado um individuo inútil e por isso, menos digno, não só pela sociedade, mas também, infelizmente, por muitos profissionais da saúde. Cabe aos fisioterapeutas (a quem o presente trabalho se aplica) defender quando necessário esta dignidade humana presente nos pacientes que não possam assumir essa mesma defesa; e cabe também aos acadêmicos cultivarem dentro de si e no seu dia-a-dia o respeito para

3 com seus pacientes, não permitindo que a frieza adquirida com o passar dos anos e o "acostumar da profissão" faça-os perder a humanidade dos tempos de acadêmicos. Um fator contribuinte para a institucionalização do idoso são os conflitos familiares. Tais conflitos podem existir, até mesmo, desde o passado, culminando na primeira dificuldade que surge, em internação asilar. A institucionalização propicia ainda mais o isolamento, a privação sensorial, a imobilização, acarretando com freqüência queda do estado geral. A idéia da permanência em casa de repouso é estressante para o idoso, fazendo-o utilizar a negação para diminuir a percepção de um ambiente que não lhe é agradável e que se sente impotente para sair. No meio institucionalizado, o idoso se vê isolado do seu convívio social e adota um estilo de vida diferente do seu (horário de refeições e atividades, falta de intimidade, controle de medicações, etc.). Este isolamento social pode levá-lo à perda de identidade, de liberdade, de auto-estima, solidão e muitas vezes, recusa da própria vida, o que justifica a alta incidência de doenças mentais nos asilos. A fim de ilustrar o exposto acima, faço referência ao "Abrigo dos Velhos", já referido anteriormente, palco da presente pesquisa. Percebi que na instituição não há quase contato algum entre os internos, muitos inclusive, sequer conhecem o nome uns dos outros. Apesar de não haver restrições quanto à aproximação homem/mulher, não foi percebido o mínimo interesse das partes para que houvesse um "maior contato". É evidente também, a prevalência de mulheres demenciadas em relação aos homens; poucas são aquelas realmente lúcidas. Assim, podemos perceber que muito mais do que cuidados médicos, estes homens e mulheres necessitam ser acarinhados, tocados, a fim de se sentirem mais seguros, amados, otimizando, a partir da saúde mental, sua saúde física. Defendemos a idéia, pois, que em idosos, a sensação do toque é essencial para o seu bem-estar. Além das ações fisiológicas no organismo, atua de modo a "melhorar seu estado psicológico". 0 idoso sente-se mais seguro e confiante, aumentando sua autoestima. Na terceira idade, a necessidade do toque é imensa, visto que ele pode se constituir uma forma de comunicação e expressão de sentimento. É o período da vida em que a pessoa volta a depender tanto dos outros como na infância. Tem ânsia de ser abraçado, acarinhado, enfim, ser "escutado" através do toque, a fim de ter a

4 oportunidade de corresponder da mesma maneira. É onde a necessidade de afeto parece estar bastante presente. Entretanto, é justamente neste sentido que deixamos muito a desejar em relação à assistência ao idoso, como aliás, em tantas outras áreas de atuação profissional. 0 idoso não quer nem ser protegido, nem tolerado, e sim compreendido, respeitado e digno do amor que deu aos outros um dia. Em razão de não estarmos dispostos a enfrentar os fatos do envelhecimento, comportamo-nos como se isso não existisse. Essa fuga maciça é a razão principal de nossa incapacidade de compreender as necessidades da terceira idade. 0 toque e tão poderoso, que pode constituir-se fator determinante no desenlace de doenças: sua melhora ou piora. Um idoso enfermo responderá melhor à doença se desfrutar da companhia de parentes e amigos, acarinhando-o a todo tempo. Ou até mesmo, de um "desconhecido", que no caso, refiro-me aos cuidadores; basta que toqueo com carinho, para que o idoso se sinta seguro, e passe a acreditar em sua reabilitação, pois sabe, e acima de tudo, sente, que está sendo cuidado com zelo. Na atualidade, existe forte tendência para considerar o toque como uma estratégia terapêutica, é o chamado toque terapêutico. Esta prática foi criada por Dora Kunz. Abordagens interessantes sobre o toque terapêutico são feitas, em Montagu (1998: p ), obra que nos inspirou fundamentalmente para as reflexões aqui apresentadas. Há uma crítica bastante interessante escrita por Dra. Judith Smith (enfermeira) citada por MONTAGU(1986; P. 384), sobre alegações feitas em favor do toque terapêutico. Ela diz que O significado de curar é o que o curador comunica. 0 meio eficaz de estabelecer uma transação com a pessoa doente é o amor, o cuidado, o profundo desejo de ajudar. 0 curador está comunicando de modo ativo sentimentos de preocupação, interesse, cuidado, e o paciente responde com uma esperança confiante. Dentro desta perspectiva, pode-se presumir que os gestos e manipulações do curador, no toque terapêutico, funcionem como uma forma de comunicar a atitude do curador. É sabido que os idosos normalmente têm dificuldades de audição, acuidade visual, mobilidade e vitalidade, problemas estes que podem fazê-los se sentir desamparados e vulneráveis, sendo por meio do envolvimento emocional do tato que

5 pode se conseguir atravessar a distância do isolado idoso e comunicar-lhe amor, confiança, afeto e calor humano. Muitos acadêmicos da área de saúde, infelizmente, evitam tocar pacientes idosos, especialmente aqueles que padecem de enfermidades desagradáveis ao olhar. Entretanto, esta atitude (ou melhor, falta da mesma), prejudica substancialmente o ancião. Já que o tocar, como acontecimento terapêutico, não é tão simples quanto um procedimento mecânico, ou tampouco um medicamento, porque, acima de tudo, é um ato de comunicação. 0 uso do toque e da proximidade física pode ser a maneira mais importante de iniciar uma comunicação com um idoso enfermo, transmitindo-lhe a noção de que é importante como ser humano e que sua reabilitação está relacionada à sua própria vontade de melhorar. Assim a opção pela temática "O toque como estratégia comunicativa de promoção do bem-estar" ocorreu quando, conversando com os idosos do abrigo, a partir do momento em que eram tocados foi percebido o quanto tornaram-se mais receptivos e confiantes. Essa temática estudada é de grande relevância para a profissão de Fisioterapia, visto que ela tem a capacidade de promover a potencialização da relação entre o fisioterapeuta e o idoso à medida que utiliza o toque como instrumento fundamental na prática comunicacional entre o profissional de saúde e aquele que necessita de cuidados. Isso é fisiologicamente explicado como uma reação em cadeia, onde, a partir do momento que o paciente idoso é tocado, há reações fisiológicas em seu organismo como, liberação de substâncias inibidoras da dor, substâncias facilitadoras da cicatrização, enfim, inúmeras substâncias tendentes à melhora do sistema orgânico e psicológico. Assim, nos propomos neste estudo a averiguar que opiniões idosos institucionalizados têm a respeito da prática do toque. 2- NOS CAMINHOS DA OBSERVAÇÃO EMPÍRICA 2.1- Campo de Estudo O campo de estudo para realizar esta pesquisa foi a Fundação Leur Brito, popularmente conhecida como "Abrigo dos Velhos", instituição pública e ao mesmo tempo filantrópica de amparo aos idosos.

6 Logo na entrada, podemos perceber uma área arborizada; duas enormes árvores fazem uma sombra convidativa no jardim. Completando o "quadro", há sempre um ou dois idosos monitorando o portão eletrônico de entrada da instituição, controlando assim, o trânsito dos visitantes. Após o jardim, já adentrando na casa, há uma sala de espera dotada de móveis antigos. Ainda neste local, há na parede um enorme quadro com a imagem do fundador da instituição, e um mural com os nomes dos idosos aniversariantes do mês. Saindo da sala de entrada, há um corredor à direita que termina na ala feminina e outro corredor à direita que termina na ala masculina. Voltando aos corredores, aqui faço algumas observações: no corredor à esquerda, há uma sala fisioterápica de mecanoterapia, com equipamentos suficientes para atender aos 60 idosos ali residentes. Entretanto, esta sala está desativada devido à falta de um profissional fisioterapeuta. No corredor à direita, há uma sala que tem dupla função: administração e enfermaria. Em um dos corredores ainda, se localiza uma ampla sala com televisão, e o refeitório, também amplo; no entanto, as mulheres se alimentam em um lado, e os homens no lado oposto do recinto. As alas feminina e masculina são semelhantes, embora sejam situadas em direções contrárias. Ambas têm um pátio rodeado de bancos de alvenaria azulejados para facilitar a higiene. É nesse local que os idosos permanecem maior parte do dia Informantes da Pesquisa Como já foi dito anteriormente, há 60 idosos no abrigo, dos quais, 35 são mulheres e 25 são homens. Desses, foram escolhidos 20 informantes (10 mulheres e 10 homens). A seleção foi parcialmente aleatória, tendo como único critério, o fator lucidez do idoso. Inicialmente eu não havia estabelecido critério algum, no entanto, algumas entrevistas foram infrutíferas, já que os informantes das tais entrevistas possuíam demência em grau elevado Instrumento e Procedimentos Para tal foi elaborado um roteiro de entrevista com as seguintes questões: Você recebe aqui na instituição manifestações de afeto como abraço, aperto de mão?

7 Quais sensações você tem quando é tocado (acarinhado, abraçado) por alguém? Você gostaria que nas recreações houvessem técnicas de integração entre você e os demais internos envolvendo o toque, carinho? 2.4- Procedimentos de Coleta de Informações Foi elaborado um termo de Consentimento e encaminhado ao Conselho de Ética do Departamento de saúde da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Após esta etapa, pude iniciar efetivamente a coleta de informações no Abrigo dos Velhos. Utilizamos o termo "efetivamente" porque já havíamos feito três visitas à instituição antes do envio do Termo de Consentimento, não com o objetivo de colher informações, e sim, com a finalidade de conhecer o Campo de estudo e escolher o objeto de pesquisa. A abordagem dos informantes variava de acordo com a percepção que tínhamos do idoso. Ao aproximarmo-nos dele, muitas vezes percebíamos sua timidez, entretanto, a medida que iniciávamos uma conversa informal e quando explicávamos o motivo da nossa presença, os idosos iam se tornando mais receptivos. A partir daí, iniciávamos a Coleta de Informações propriamente dita. O segundo momento era diferente do momento anterior. Como muitos já me conheciam, eu os abordava explicando-ihes que eu estava fazendo uma pesquisa (para grande maioria eu não dizia sobre o quê estava pesquisando). Enquanto era realizada a entrevista, gradativamente, ia-se tocando a mão do informante, tocando o braço, acarinhando seus cabelos; percebíamos que os informantes tornavam-se mais à vontade. Quanto ao registro das entrevistas, houveram duas formas de coleta de registros, a depender do informante: ou escrita simultânea da entrevista (que foi a maioria), ou ouvia-se o informante e imediatamente após a entrevista, as respostas eram registradas por escrito. A maioria das reações dos informantes quanto à receptividade para a realização das entrevistas era positiva. No entanto, quando eram indagados sobre o toque, alguns (poucos) entrevistados se mostravam relutantes e desconfiados para afirmarem que gostavam de receber carinho; especialmente alguns informantes do sexo masculino. Desses "relutantes ao toque", um deles dizia que não gostava de ser tocado, que a sensação do toque era ruim... por quê? Foi descoberto que ele ansiava carinho da família

8 e não tinha.. Outros dois informantes não referiam não ter nenhuma sensação quando eram tocados. Como não sentiam?! Um desses informantes era do sexo feminino e a cada momento de aproximação, ela abria um sorriso enorme e se envergonhava toda.. Tanto ela como outro informante falavam que nada sentiam, possivelmente devido à rigorosa criação dos pais que tiveram no passado; possivelmente, o que lhes assustava era o fato de utilizar o termo "toque", por isso, foi substituída pela palavra "carinho"... a aceitação era melhor. Com relação ao tempo de duração das entrevistas, era variável a depender dos entrevistados. 3. RESULTADOS OBTIDOS Do número total de informantes, 10 eram do sexo masculino e 10 do sexo feminino com idades que variam desde 55 até 80 anos; a maior parte dos anciãos são solteiros (dado compreensível, já que muitos daqueles que se encontram no abrigo não têm família- filhos, cônjuge - que os ampare); o tempo de permanência é variável, sendo que 10 dos informantes estadiam há menos de um ano e apenas 2 dos informantes permanecem há mais de cinco anos na instituição. Segundo os informantes, a maioria deles (12) não recebem quaisquer manifestações de afeto e aqueles que recebem estão assim distribuídos: aperto de mão + abraço (5); aperto de mão (2); abraço (1). De acordo com BUARQUE (1988:5), abraço significa: 1) ato de abraçar; 2) demonstração de amizade; acolhimento; 3. Ligação, fusão, união. Quanto ao aperto de mão, seu conceito na íntegra não se encontra no dicionário; é popularmente utilizado como um cumprimento, ou demonstração de respeito e estima. Para PAPALÉO NETTO (1996: p.408), Cuidar do idoso, não importa a sua fragilização ou confusão, requer uma abordagem holística ou uma visão de totalidade. Portanto, não basta mantê-lo limpo, alimentado com todos os nutrientes, se ele não for visto como um ser humano que necessita de carinho e atenção. De acordo com observações feitas no abrigo, acerca da relação cuidadoras/idosos no Abrigo, pôde ser visualizado que a escassez de manifestações de afeto por parte das cuidadoras se deve principalmente ao fato de que estas em número

9 pequeno têm que cuidar de 60 idosos, sendo que muitos são demenciados, necessitando assim, de uma maior dedicação. É válido ressaltar que as cuidadoras são atenciosas sim, tendo inclusive o reconhecimento da grande maioria dos internes. No entanto, a questão estabelecida no estudo da presente tabela é o que pode acarretar no idoso a falta de manifestações de afeto. Eles precisam de carinho, atenção, principalmente porque estão cercados de pessoas estranhas; é natural que se sintam indefesos, tristes, depressivos. Vejamos os seguintes depoimentos: "Não recebia carinho nem do meu marido, porque ele nunca me amou de verdade. Nem antes de casar e muito menos depois de casada. Antigamente, não tinha esses amores todos que tem hoje em dia. Eu me sinto uma pessoa desprezada; só recebia carinhos dos netos quando eram pequenos; que me abraçavam, me beijavam, mas depois que cresceram... antes eles me chamavam de vozinha, vovó, mas hoje eles nem me ligam." "Tem as moças que trabalham aqui; abra^am a gente na brincadeira, sinto o cora^ao alegre, satisfação." "Das que moram aqui, não recebo carinho não, porque cada um tem seus problemas na mente... e depressão, o povo aqui é desligado; mas as moças daqui são amorosas, faz carinho mais do que as pessoas da gente (família)" "Recebo carinho do pessoal ai (visitantes), mas do Abrigo não, me sinto meio triste." "Claro que não (quanto a receber carinho no Abrigo), minha filha! 0 tempo passou, estou velha. Quando eu era moderna, aí sim, minha pele era nova e o pai de meus filhos me abraçava e beijava, mas agora, não; to um bagaço. Eu não quero saber dessas coisas não." Sensações dos idosos quando são tocados A alegria e bem-estar foram as principais sensações expressas pelos informantes ao serem tocados. Conforme BUARQUE (1988: p. 91) Bem-estar é definido como "estado de perfeita satisfação física, ou moral; conforto. Alegria (p.25) significa "contentamento" satisfação, júbilo, exultação; prazer moral, felicidade." Segundo MONTAGU (1986; p.371), "a mais importante e negligenciada dessas necessidades é a de estimulação tátil...precisamos apenas observar as respostas de

10 pessoas idosas a um carinho, a um abraço, a um tapinha de leve em sua mão, a um apertão afetuoso, para sentir quão vitalmente necessárias essas experiências são para seu bem-estar." O referido autor comenta que o beneficio do toque humano é fisiológico (p.7) e que o grande número de terminações nervosas na superfície da pela acarreta liberação de substâncias que conferem sensação de bem-estar ao indivíduo. Como o idoso não ocorre diferente, embora a funcionalidade esteja diminuída. A sensação de mal-estar pode ocorrer a depender das experiências, projeções de toque que o indivíduo tenha tido, como por exemplo, um pai violento, ou desilusão com a família; o toque em si e bom, mas na memória deste indivíduo, o contato físico é nocivo, ruim. Então, apresentarei a seguir, alguns depoimentos interessantes ao nosso estudo: "Recebo carinho das amigas (cuidadoras) daqui. Se sinto bem, porque as amigas dá banho. Gosto de receber carinho de manhã porque tá dando banho, pegando nos pés, no corpo, é bom." "Recebo agrado do pessoal que chega; abraça a gente, pega na mão. Me sinto melhor, porque quando nada, pega conhecimento com o povo, né? "Quando recebo carinho, eu me sinto alegre, uma emoção. Me sinto tão bem com o amor de vocês (acadêmicos). A hora que eu mais gosto de receber carinho é quando estou triste." "Qualquer hora carinho é bom... quem acarinha é porque gosta da pessoa." "Sentir? Homem não sentem essas coisas não. Só gosto de receber carinho de meu amigo. Como sou cego, ele segura minha mão e me guia. Não sinto nada dessas coisas não" "Não, nós num pode andar alisando as pessoas. Eu sou velho e Já sofri demais. Camaradagem demais o outro vem e trai a gente por trás." Aceitação dos idosos quanto a sua participação em práticas recreativas que envolvem o toque com o objetivo de integração. Quanto à realização de prática recreativas que envolvem o toque com o objetivo de integração dos idosos na instituição, 12 dos informantes disseram que gostariam de realizar essas práticas e 8 deles disseram que não gostariam de participar dessas práticas. De acordo com NETTO (1996: p.407)

11 No microcosmo da instituição, a realidade costuma ser bem distinta da imaginada: as perdas auditivas ou visuais sofridas por muitos idosos podem dificultar a comunicação... em contrapartida há o desejo de interar-se com os colegas, fugindo assim, de mais uma exclusão social. 0 confinamento na instituição e a companhia de pessoas estranhas, um ambiente estranho, pode causar em muitos idosos tristeza, melancolia, depressão. 0 estado depressivo, por sua vez, pode levar o idoso a ter um sentimento de negação com a realidade, com o mundo à sua volta, ignorando inclusive as pessoas que dele fazem parte (tais como os demais internos); assim, muitos idosos institucionalizados podem tender a evitar contatos entre si, como as recreações. Além disso, alguns são discriminados por serem demenciados, que, no caso do "Abrigo dos Velhos", representa grande partes da mulheres e pequena porcentagem dos homens. No entanto, a tristeza, a melancolia e a depressão podem não evoluir para o sentimento de negação. Quando isso ocorre, como pôde ser percebido com muitos idosos do abrigo, o ancião quer se alegrar, se divertir, a qualquer custo, até mesmo com os demais internos; maximiza qualquer atitude externa de atenção, carinho, alegria. Fazem de tudo para fugir da solidão. "Não quero brincar porque as pessoas são assim... diferentes, são tudo velho, não tem graça para nada. Aqui só é comer e dormir. Essas véias aqui não gosta de brincadeira nenhuma, não." "Gosto muito de brincadeiras, e vocês carinham a gente mais do que os nossos próprios filhos; me sinto tão bem com o amor de vocês..." 4- CONS1DERAÇÕES FINAIS A cada dia que nos aprofundávamos no processo de coleta de informações constatávamos a relevância e a necessidade de implementar estudos como o que estávamos realizando. Isto porque, os momento de alegria eram visivelmente constatados. Sabíamos, entretanto, que muitos idosos eram demenciados, mas tínhamos a convicção de que não importava tal estado, visto que, se tratavam de seres humanos necessitando de, pelos menos, vivenciar momentos de bem-estar. Os sorrisos por eles emitidos anunciavam o efeito da nossa presença. Percebíamos sinais de gratidão nos seus olhares. Quando terminávamos de realizar as entrevistas de todos os informantes, apesar de não constar no roteiro, realizamos uma prática recreativa envolvendo o toque, a nível de complementar as informações para o estudo. Esta prática consistia em

12 escolher aleatoriamente alguns idosos, pô-los em roda, e no meio desta, um idoso com os olhos vendados (procedimento que o impedia de reconhecer visualmente os demais). 0 objetivo desta prática era o idoso do centro reconhecer através do tato, quem era a pessoa que ele estava tocando com suas mãos. Inicialmente eles ficavam meio receosos, envergonhados, mas depois foram se tornando menos acanhados. Ao final da prática, o objetivo foi alcançado parcialmente, ou seja, poucos idosos se reconheceram simplesmente porque quase não conversam, não se tocam com freqüência. Foi constatado, então, que os idosos necessitam de um contato maior, afinal, fazem parte do mesmo meio social; a aproximação é importante até para tornar a permanência dos idosos no Abrigo a melhor possível. Assim, a importância do toque como estratégia de comunicação entre o fisioterapeuta e o idoso institucionalizado se dá no sentido de promoção da saúde deste. Com o toque, o idoso, já durante a anamnese, poderá sentir-se mais a vontade para discorrer sobre o problema (patologia) que o levou a procurar o fisioterapeuta. Além disso, ao longo do tratamento, o toque poderá promover no idoso, uma maior confiança, segurança em relação ao terapeuta e à intervenção fisioterapêutica a ser realizada. Assim, pois, a temática estudada é de grande relevância para a profissão de Fisioterapia, visto que ela tem a capacidade de promover a potencialização da relação entre o fisioterapeuta e o idoso a medida que utiliza o toque como instrumento fundamental na prática comunicacional entre o profissional de saúde e aquele que necessita de cuidados. Verificou-se, ainda, a importância deste estudo, para a própria temática estudada, visto que esta, apesar de ter atraído nos últimos tempos olhares atentos das universidades do Brasil e dos profissionais da área de saúde, e por conta da sua importância, possui ainda em sua maioria dos estudos, dados bastante empíricos. Além disso, existe relevante acréscimo de informações da pesquisa para a temática estudada de acordo com as experiências vivenciadas no campo de prática, que por terem sido realizadas com indivíduos únicos e inigualáveis, e tendo sido pesquisado por uma pessoa que carrega sua própria experiência de vida, possui a característica de ser um estudo diferente dos demais, possuindo seus próprios aspectos fundamentais. O presente estudo, finalmente, é relevante para toda a sociedade, no sentido de que buscou focalizar uma parcela desta, a parcela de indivíduos idosos, que tem

13 crescido em quantidade e expressividade no Brasil e que, pôr conta desse crescimento altamente significativo, acabou enfrentando alguns problemas que merecem uma especial atenção dos novos pesquisadores, para estar buscando soluções cada vez mais concretas. É totalmente coerente inferir que todo e qualquer indivíduo tende a tornar-se idoso com o avanço do tempo, e procurar melhorar a qualidade de vida dos anciãos é estar se atentando para todo o cidadão. Nossa sociedade, utilitarista por essência, tem o idoso como descartável, em decorrência da sua pouca produtividade e consumo. Assim, são colocados à margem dentro de casa e quando não é o bastante, são internados em casas de repouso. Então, este trabalho vem a contribuir de modo a alertar a sociedade a enxergar o idoso como um ser humano que tem que ser cuidado com amor e tocado com carinho. Na tentativa de expressar "uma prova de amor" em relação ao objeto de estudo aqui apresentado, finalizamos este trabalho com o seguinte poema: Toque de piano Mãos, olhos, ouvido, nariz, boca 0 tempo passou, Mas seus sentidos permanecem... Jovens como nunca. Ela precisa ser tocada Um toque de piano Tão profunda e gentilmente Como um toque de piano Sua pele fora viçosa Os anos galopantes a enrugaram Que importa?! Ela anseia ser tocada Como uma criança, enfim Aconchegue-a nos braços Mostre-lhe amor Ela será VOCÊ no futuro. Maria Marta Oliveira Santos

14 5- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MONTAGU, Ashley. Tocar - O significado Humano da Pele. Summus editorial. São Paulo, NETTO, Matheus Papaléo. Gerontologia - A Velhice e o Envelhecimento em visão Globalizada. Editora Atheneu. São Paulo, HOLANDA, Aurélio Buarque. São Paulo, 1986.

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

Relacionamentos. Laços familiares, amizades e atividades sociais fazem bem à saúde.

Relacionamentos. Laços familiares, amizades e atividades sociais fazem bem à saúde. Relacionamentos Relacionamentos Laços familiares, amizades e atividades sociais fazem bem à saúde. Dependendo de como você leva a sua vida, pode prevenir ou não as chamadas doenças da civilização (cardiovasculares,

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos

Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos Seja Bem Vindo! Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Psiquiatra

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO NO SERVIÇO ODONTOLÓGICO Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br É a proposta de uma nova relação entre usuário, os profissionais que o atendem e os serviços. Todos

Leia mais

NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA

NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA Criando Filhos Edificação da Família 45 Sétima Lição NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA Todo ser humano tem necessidades que são básicas em sua vida. A primeira delas todos

Leia mais

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli.

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli. Então você quer experimentar o poliamor Ginny Brown, 7 de abril de 2014, Everyday Feminism http://everydayfeminism.com/2014/04/so-you-want-to-try-polyamory/ Então você tem lido sobre poliamor e decidiu

Leia mais

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Entrevista de Estudo E06 Sexo Masculino Profissão - Médico Data 6

Leia mais

Você, sua família e a doença crônica

Você, sua família e a doença crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - VOCÊ, SUA FAMÍLIA E A DOENÇA CRÔNICA - EDIÇÃO REVISADA 01/2006 Você, sua família e a doença crônica Estamos

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

TRABALHO VOLUNTÁRIO & QUALIDADE DE VIDA

TRABALHO VOLUNTÁRIO & QUALIDADE DE VIDA SER VOLUNTÁRIO Gosto de você pelo que sou quando estou com você, pelo que você está fazendo de mim. Gosto de você por saber extrair o que há de bom em mim, por tocar meu coração, passando por cima de todas

Leia mais

RESPEITO AOS IDOSOS COMO VALOR HUMANO

RESPEITO AOS IDOSOS COMO VALOR HUMANO RESPEITO AOS IDOSOS COMO VALOR HUMANO Fernando Antônio de Andrade Morais 1 RESUMO A cada dia que passa assistimos cenas de falta de respeito ao próximo, principalmente para grupos frágeis como idosos por

Leia mais

Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica

Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior Formação Social e Humana Unidade optativa do Mestrado Integrado em Medicina

Leia mais

moralista para com os idosos. Não é muito fácil assumir o ódio contra a natureza do humano quando ele se refere à velhice. Existe uma tendência a

moralista para com os idosos. Não é muito fácil assumir o ódio contra a natureza do humano quando ele se refere à velhice. Existe uma tendência a José Carlos Zeppellini Junior: Especialista em Psicopatologia pelo NAIPPE/USP, Mestrado em Psicologia Clínica realizado no Laboratório de Psicopatologia Fundamental da PUCSP e Segundo Secretário da Associação

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

Conte-me sobre você!

Conte-me sobre você! Reunião Cultural Data: 22/09/2006 Petiana: Monique Koerich Simas Conte-me sobre você! Ao chegar em algum lugar onde não conhecemos ninguém, nos sentimos solitários. Chegar, por exemplo, numa festa, num

Leia mais

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas.

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NÚCLEO DE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Caro(a) participante: Esta é uma pesquisa do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná e

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

Autores: Katia Cherix, Cintia Honda, Liliana Prado, Eloisa Roncaratti

Autores: Katia Cherix, Cintia Honda, Liliana Prado, Eloisa Roncaratti Autores: Katia Cherix, Cintia Honda, Liliana Prado, Eloisa Roncaratti Resumo Este trabalho usa alguns fragmentos clínicos de acompanhamentos terapêuticos (AT) para falar sobre a importância de se ter um

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

[ADOPÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS]

[ADOPÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS] Moção Sectorial: [ADOPÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS] Os interesses e os direitos das crianças são prioritários em relação a quaisquer outros. Por isso mesmo, a Juventude Socialista da FAUL tem a obrigação

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

SEMINÁRIO A PESSOA SURDA E A EXCLUSÃO SOCIAL O IDOSO SURDO: DUPLO ISOLAMENTO NA VELHICE. Junta de Santo Ildefonso Porto 27 de Novembro de 2004

SEMINÁRIO A PESSOA SURDA E A EXCLUSÃO SOCIAL O IDOSO SURDO: DUPLO ISOLAMENTO NA VELHICE. Junta de Santo Ildefonso Porto 27 de Novembro de 2004 SEMINÁRIO A PESSOA SURDA E A EXCLUSÃO SOCIAL O IDOSO SURDO: DUPLO ISOLAMENTO NA VELHICE Junta de Santo Ildefonso Porto 27 de Novembro de 2004 SURDOS IDOSOS: PLENITUDE DA FELICIDADE OU DUPLO ISOLAMENTO?

Leia mais

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com. MESA 4 AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.br Relatores: Carmen Lúcia Souza Izilda Malta Torres Ruth

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

Para aprender e colorir!

Para aprender e colorir! Para aprender e colorir! A Ampara Animal é uma organização não governamental (ONG) de proteção animal cuja missão é atuar de modo preventivo na transformação da realidade em que se encontram os cães e

Leia mais

Palavras-chave: Mulher idosa. Família. Institucionalização de longa permanência.

Palavras-chave: Mulher idosa. Família. Institucionalização de longa permanência. A institucionalização da mulher idosa como fragilização de vínculos familiares Resumo Débora Braga Zagabria 1 Claudia Bragança Pedro 2 O objetivo do estudo é conhecer o significado da família para mulheres

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão...

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... Sumário Prefácio... 7 Nota do autor... 9 Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... 27 Parte 2: Passado doloroso 3. Entenda o passado... 45 4. Lide com

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade A Apresentação Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade desde 1966, ano da minha graduação na faculdade de Medicina. É difícil imaginar outro período de tempo assim curto no qual tenham ocorrido

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

CAPELANIA HOSPITALAR EVANGÉLICA: ASPECTOS FORMATIVOS DO TRABALHO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE DOENÇAS E ENFERMIDADES 1

CAPELANIA HOSPITALAR EVANGÉLICA: ASPECTOS FORMATIVOS DO TRABALHO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE DOENÇAS E ENFERMIDADES 1 CAPELANIA HOSPITALAR EVANGÉLICA: ASPECTOS FORMATIVOS DO TRABALHO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE DOENÇAS E ENFERMIDADES 1 Tamara Souza da Silva 2 Lenise Maria Ribeiro Ortega 3 Sessão temática: Educação e Trabalho

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD SIGNIFICADO DO TRABALHO PARA O IDOSO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Marina Menezes Ladeira Débora Vargas Ferreira Costa Victor Cláudio Paradela Ferreira Rejane Prevot Nascimento

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte)

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) Sejam bem vindos no Apresentação do Serviço de Psicologia Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) CRI Norte C.R.I. - Centro de Referencia

Leia mais

TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO

TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

Leia mais

JOGOS PSICODRAMÁTICOS COM IDOSOS

JOGOS PSICODRAMÁTICOS COM IDOSOS JOGOS PSICODRAMÁTICOS COM IDOSOS PSYCHODRAMATIC GAMES WITH ELDERLY Alexia Janine Padovani Dias Graduanda em Psicologia Unisalesiano Lins alexiajanine@hotmail.com Vinicius Espaciani Bueno Graduando em Psicologia

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL Larissa Camila Dianin 3 Paolla Furlan Roveri 2 Darci

Leia mais

Des estresse! 01. Afinal de contas, o que é estresse?

Des estresse! 01. Afinal de contas, o que é estresse? Akira Nakao Des estresse! Você é competitivo, estressado, equilibrado, acomodado, tranquilo ou couraceiro? Lembra do material da nossa primeira semana? 01. Afinal de contas, o que é estresse? É um mecanismo:

Leia mais

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Angela Valença médica Neurologista Este tema é muito actual. A situação de dependência não é exclusiva de pessoas idosas mas o

Leia mais

PONTO DE APOIO SEREM DESENVOLVIDAS NAEDUCAÇÃOINFANTIL EENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERANDO AS HISTÓRIAS PUBLICADAS NA REVISTA PLANETA AZUL EDIÇÃO 142

PONTO DE APOIO SEREM DESENVOLVIDAS NAEDUCAÇÃOINFANTIL EENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERANDO AS HISTÓRIAS PUBLICADAS NA REVISTA PLANETA AZUL EDIÇÃO 142 CAPA PONTO DE APOIO CUIDAR RECONHECER QUE A HORTA ENVOLVE CUIDADOS, COMO IRRIGAÇÃO, DESBASTAÇÃO, ESPAÇAMENTO ENTRE AS MUDAS, COMPOSTAGEM, PODA, ENTRE OUTROS, ALÉM DO MONITORAMENTO DAS FASES DE CRESCIMENTO,

Leia mais

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br 14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor Este e-book é um dos BÔNUS que fazem parte do Processo Despertar do Amor. Para saber mais sobre este trabalho, acesse: INTRODUÇÃO O grande

Leia mais

A formação de um Centro de convivência inspirado na Antroposofia. Mônica Rosales

A formação de um Centro de convivência inspirado na Antroposofia. Mônica Rosales A formação de um Centro de convivência inspirado na Antroposofia Maria Lucia D Andréa Andrade Mônica Rosales O Centro de Convivência da Associação Joaquim está inspirado na Antroposofia, O estudo do Homem,

Leia mais

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014.

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. As Mulheres e o Trabalho de Cuidar MYRIAN MATSUO II Seminário de Sociologia da FUNDACENTRO: Condições de Trabalho das Mulheres no Brasil SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. Doutora em Sociologia pelo Departamento

Leia mais

ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR

ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR 699 ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR Uliane Marcelina de Freitas Almeida (Unifran) Tatiana Machiavelli Carmo Souza (Unifran) INTRODUÇÃO O seguinte estudo teve início através de um primeiro

Leia mais

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental Escola Básica 1º ciclo Prista Monteiro O que é a sexualidade? Sexualidade na infância Acção de Educação Parental A sexualidade tem uma vertente emocional, sendo um elemento essencial na formação da identidade

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTOS

TIPOS DE RELACIONAMENTOS 68 Décima-Segunda Lição CONSTRUINDO RELACIONAMENTOS DE QUALIDADE Quando falamos de relacionamentos, certamente estamos falando da inter-relação de duas ou mais pessoas. Há muitas possibilidades de relacionamentos,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico 1. INTRODUÇÃO Artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica que pode afetar diferentes áreas da vida.1 Como parte do controle de longo prazo da AR, seu médico* irá ajudá-lo a controlar melhor

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt IBH Transtorno de personalidade dependente Dra. Lislie Schoenstatt Transtorno de Personalidade Dependente - TPD É uma necessidade invasiva e excessiva de ser cuidado, que leva a um comportamento submisso

Leia mais

capítulo 2 Percepção da 3ª idade e auto-imagem do idoso

capítulo 2 Percepção da 3ª idade e auto-imagem do idoso capítulo 2 Percepção da 3ª idade e auto-imagem do idoso Percepção da 3ª idade e auto imagem do idoso [em %] De modo geral a imagem da velhice é mais negativa que positiva mas está longe de ser apenas negativa,

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO E-mail ÁREA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO E-mail ÁREA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PROJETO UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR NA ASSOCIAÇÃO METROPOLITANA PARA A ERRADICAÇÃO DA MENDICÂNCIA AUTORES: Danyelle Monteiro Cavalcante, Isabelly Araújo Portela, Karina

Leia mais

Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1

Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1 Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1 Marleyde Alves dos SANTOS 2 Daniel Cardoso Pinto COELHO 3 Cláudia CONDÉ 4 Raísa moysés GENTA 5 Bruno César de SOUZA

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA: UMA CONVERSA SOBRE EMOÇÕES

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA: UMA CONVERSA SOBRE EMOÇÕES INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA: UMA CONVERSA SOBRE EMOÇÕES INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA: UMA CONVERSA SOBRE EMOÇÕES O que é insuficiência renal A insuficiência renal é como se fosse um defeito, uma falha no

Leia mais

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos Programa de Preparação para

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

CARTILHA DO ALUNO CIDADÃO

CARTILHA DO ALUNO CIDADÃO CARTILHA DO ALUNO CIDADÃO Esta cartilha visa informar e esclarecer algumas questões relevantes a cerca do trabalho com crianças, adolescentes e idosos em situação de exclusão, e auxiliar no desenvolvimento

Leia mais

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito 9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Imagem Corporal no Envelhecimento Maria João Sousa e Brito Envelhecimento Envelhecer não é difícil difícil é ser-se velho Goethe O prolongamento da vida coloca novos cenários,

Leia mais

APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR

APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR ROTEIRO O QUE É ENVELHECIMENTO? APOSENTADORIA : UMA TRANSIÇÃO BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE DO VOLUNTÁRIO O Envelhecimento O que é? Conceito

Leia mais

Simbolicamente, associo o girassol àquele que busca e se volta diariamente em direção a luz.

Simbolicamente, associo o girassol àquele que busca e se volta diariamente em direção a luz. A JANELA DA RECUPERAÇÃO Autora: Marília Teixeira Martins UNIVERSO ADICTO Muitos de vocês já me ouviram dizer ou escrever, que a minha vida tem Deus, música e um girassol na janela. Quero falar um pouco

Leia mais

Atendimento Domiciliar

Atendimento Domiciliar Atendimento Domiciliar Definição da Unimed Porto Alegre sobre Home Care O Home Care é um beneficio de prestação de serviço de assistência à saúde, a ser executado no domicilio do paciente com patologias

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version A FAMÍLIA COMO CUIDADOR DO IDOSO: UMA RELAÇÃO FORTALECIDA PELA AJUDA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE OLIVEIRA, Monica Caldas de RESUMO Este artigo acerca da família como cuidador do idoso: uma relação fortalecida

Leia mais

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 GOYAZ, M. - Vida ativa na melhor idade. Revista da UFG, Vol. 5, No. 2, dez 2003

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA Nome: YURI MENDES ROSA Professor: ANDERSON FONSECA GARCIA, ESPECIALISTA, EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Forma de Apresentação: Painel Escola: INTERATIVA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS Ao se levantar para trabalhar, pela manhã, todos enfrentamos, sentados na beira da cama, a mesma questão: eu seria mais feliz e satisfeito fazendo

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET INTRODUÇÃO Olá pessoal! Antes de começar a análise dos dados queria agradecer a participação de todos que responderam a pesquisa desse ano do projeto Este Jovem Brasileiro.

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação,

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais