A dor no feminino: reflexões sobre a condição da mulher na contemporaneidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A dor no feminino: reflexões sobre a condição da mulher na contemporaneidade"

Transcrição

1 A dor no feminino: reflexões sobre a condição da mulher na contemporaneidade Alcione Alves Hummel Monteiro 1 Vanusa Balieiro do Rego 2 Roseane Freitas Nicolau 3 Susette Matos da Silva 4 A arte dá ao artista uma chave que permite penetrar facilmente os corações femininos, enquanto nós outros permanecemos constrangidos em face dessa estranha fechadura e somos obrigados a torturar o nosso espírito, para descobrir a chave que convém, (Freud, 1894, correspondências Freud-Fliess). O que seria esse feminino? Começar com uma pergunta talvez direcione o percurso por esse continente tão misterioso e velado como o que dá vida ao feminino e que perpassa por todos os tipos de relações que reconhecemos. Outras tantas questões poderiam ser formuladas dando ênfase a esse tema que faz com que ilustres autores tentem adentrar a esse universo, deixando sempre ao final de seus escritos algo que nos remeta a uma parcela de frustração, por se tratar de um universo ainda em vista de ser analisado e compreendido na literatura e na ciência. Com a construção da Psicanálise, Freud inaugurou um olhar especial sobre a mulher histérica, oferecendo uma escuta diferente das até então disponibilizadas. Pois, até o século XIX, o que se conhecia sobre a mulher provinha de descrições do referencial masculino. Após gerações de estudos, o campo que compreende o feminino está para além da diferenciação homem e mulher. Continuaremos nesse caminho, porém é necessário uma breve pincelada acerca dos Complexos de Édipo e de Castração, que fornecem a luz para a sexualidade, na qual uma delas é a feminina, assim nos debruçaremos sobre esta.

2 Freud em seu texto sexualidade feminina de 1931 anuncia que o processo psíquico e sexual da mulher será mais longo e mais complexo que o do menino, partindo destas considerações e de outras que já havia feito em outro tempo, ele afirma: Há muito tempo compreendemos que o desenvolvimento da sexualidade feminina é complicado pelo fato de a menina ter a tarefa de abandonar o que originalmente constitui sua principal zona genital o clitóris em favor de outra vagina. Agora, no entanto, parecenos que existe uma segunda alteração da mesma espécie, que não é menos característica e importante para o desenvolvimento da mulher: a troca de seu objeto original a mãe pelo pai (FREUD, 1931/1996, p. 233). Na trama edípica nos deteremos à fase que a antecede, a pré-edipica determinante na construção da relação mãe e filha que dará o norte para a constituição da mulher, posterior a este, Zalcberg (2003) acrescenta que: Através desse processo de separação com a mãe pelo qual uma filha adquire uma substância para si mesma, Lacan diz que a mulher faz da solidão o seu parceiro. Esse parceiro, a solidão, como possibilidade de ser ela mesma, leva a mulher à liberdade. A menina torna-se mulher. (Zalcberg, 2003, p.194). Compreendendo a relação mãe/menina como relevante, como ficará a questão do complexo de Édipo? Sendo que, este se dá através da união do menino ou da menina ao genitor do sexo oposto, enquanto seu relacionamento com o mesmo sexo é oponente. O menino encontra na mãe suporte para seu amor e seu desenvolvimento psíquico, porém no caso da menina, ocorre um impasse, haja vista, que o primeiro objeto da menina é a mãe, isso deflagra a necessidade de traçar uma outra escolha em direção ao pai, que proporcione a entrada no complexo de Édipo pela menina, e uma possibilidade de tornar-se sujeito, para além de objeto de desejo da mãe. A ligação da menina com a mãe é dispendiosa, sua duração prolonga-se por um tempo indeterminado. Em alguns casos como elucida Freud, a menina permanece pressa à mãe impossibilitando seu enlace com o pai, isso corrobora a importância da fase préedipica na menina. Essa configuração terá um novo desfecho no que circunscreve os vínculos amorosos entre menina e mãe, menina e pai, e no futuro, a mulher e o homem. Pensando então no complexo de Édipo vivido pela menina Zalcberg (2007) postula: Bem diferente é o caminho edípico da menina: ela já entra no Édipo não tendo e, portanto, não tendo nada a perder, pelo menos em termos de órgão, pois que, Freud diz, castrada ela já é. Porém algo desperta o medo na menina, ela constata a impossibilidade de proporcionar um substituto fálico a sua mãe, pois o menino,

3 diferentemente, oferece isso a mãe. Essa desilusão deixará sinais no destino da mulher. O medo de nesse momento perder o amor tem o peso da castração, visto que, a menina necessita ser amada para ser, isto é, o amor da mulher está articulado como declara Zalcberg (2007) à ausência do Outro. Com a separação da mãe e a impossibilidade de satisfazê-la, a menina entrará em contato com a dor da ferida narcísica. Quando uma dor aparece, podemos acreditar, estamos atravessando um limiar, passamos por uma prova decisiva. Que prova? A prova de uma separação, da singular separação de um objeto que, deixando-nos súbita e definitivamente, nos transtorna e nos obriga a reconstituirnos. A dor psíquica é dor de separação, sim, quando erradicação e perda de um objeto ao qual estamos tão intimamente ligados...esse laço é constitutivo de nós próprios. Isso diz como o nosso inconsciente é o fio sutil que liga as diversas separações dolorosas da nossa existência. (Nasio, 1997, p.18) Nesse momento como explica Zalcberg (2007)... o pai representa um refúgio, um porto seguro, para a filha, é porque a resgata da submissão inicial à figura materna, dando-lhe a condição de sujeito em seu pleno direito.. Diante desse cenário, muitos pontos que tentam compreender a mulher caíram por terra, inclusive no que designa a mulher como sexo frágil, dotada de subjetividade e de difícil compreensão. Atualmente a clinica psicanalítica se mostra desejosa em vislumbrar o mundo feminino, para além do masculino. Esta se sustenta, mesmo ainda, na possibilidade de construir um saber sobre a subjetividade.

4 Referências Bibliográficas: FREUD, S. Sexualidade Feminina. In: O futuro de uma ilusão, o Mal-estar na civilização. E outros trabalhos. Rio de Janeiro:.Imago. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 21, PP. 233). NASIO, J.-D. O livro da dor e do amor Rio de Janeiro: Jorge Zahar, ZALCBERG, M. A relação mãe e filha. Rio de Janeiro: Elsevier, ZALCBERG, M. Amor paixão feminina. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

5 1 Psicóloga, aluna especial do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFPA, membro do Grupo de Pesquisa Psicanálise, sintoma e instituição, cadastrado no CNPQ e coordenado pela Profª. Drª. Roseane Freitas Nicolau. Endereço: Tv.: Chaco Conjunto Guanabara, 2502 cs48, Bairro Marco, Belém Pa. CEP: Psicanalista, aluna especial do programa de pós-graduação em psicologia da UFPA, membro do Grupo de Pesquisa Psicanálise, sintoma e instituição, cadastrado no CNPQ e coordenado pela Profª. Drª. Roseane Freitas Nicolau. Endereço eletrônico: 3 Psicanalista, Professora-Doutora do Programa em Psicologia da Universidade Federal do Pará (UFPA) e coordenadora do Grupo de Pesquisa Psicanálise, sintoma e instituição, cadastrado no CNPQ. Endereço eletrônico: 4 Psicóloga, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFPA, membro Grupo de Pesquisa Psicanálise, sintoma e instituição, cadastrado no CNPQ e coordenado pela Profª. Drª Roseane Freitas Nicolau. Endereço eletrônico:

AS CONSEQUÊNCIAS PSÍQUICAS DA RELAÇÃO MÃE E FILHA

AS CONSEQUÊNCIAS PSÍQUICAS DA RELAÇÃO MÃE E FILHA 1 AS CONSEQUÊNCIAS PSÍQUICAS DA RELAÇÃO MÃE E FILHA Alcione Alves Hummel Monteiro 1 e Roseane Freitas Nicolau 2 Ô mãe, me explica, me ensina me diz, o que é feminina? Ô mãe, então me ilumina me diz, como

Leia mais

AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA

AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA Fernanda Samico Küpper Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Leia mais

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 15 novembro 2014 ISSN 2177-2673 e o amor no real Gresiela Nunes da Rosa Diante da constatação de que o menino ou o papai possui um órgão fálico um tanto quanto

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

Amar uma questão feminina de ser

Amar uma questão feminina de ser Amar uma questão feminina de ser Flavia Braunstein Markman Desde Freud, sabemos que estamos diante de um conceito psicanalítico bastante complexo, de difícil delineamento e de significados pouco precisos.

Leia mais

O amor e a mulher. Segundo Lacan o papel do amor é precioso: Daniela Goulart Pestana

O amor e a mulher. Segundo Lacan o papel do amor é precioso: Daniela Goulart Pestana O amor e a mulher O que une os seres é o amor, o que os separa é a Sexualidade. Somente o Homem e A Mulher que podem unir-se acima de toda sexualidade são fortes. Antonin Artaud, 1937. Daniela Goulart

Leia mais

ENTRE PASSOS E IMPASSES: A PESQUISA EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE. Este trabalho propõe discutir a especificidade da pesquisa em psicanálise na

ENTRE PASSOS E IMPASSES: A PESQUISA EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE. Este trabalho propõe discutir a especificidade da pesquisa em psicanálise na ENTRE PASSOS E IMPASSES: A PESQUISA EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE Ingrid de Figueiredo Ventura Roseane Freitas Nicolau Este trabalho propõe discutir a especificidade da pesquisa em psicanálise na universidade.

Leia mais

Incurável. Celso Rennó Lima

Incurável. Celso Rennó Lima 1 Incurável Celso Rennó Lima Em seu primeiro encontro com o Outro, consequência da incidência de um significante, o sujeito tem de lidar com um incurável, que não se subjetiva, que não permite que desejo

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

AH, O AMOR! IMPLICAÇÕES PSICANALÍTICAS RELATIVAS AO DESENVOLVIMENTO DA RELAÇÃO DE CIÚMES NO GÊNERO FEMININO

AH, O AMOR! IMPLICAÇÕES PSICANALÍTICAS RELATIVAS AO DESENVOLVIMENTO DA RELAÇÃO DE CIÚMES NO GÊNERO FEMININO AH, O AMOR! IMPLICAÇÕES PSICANALÍTICAS RELATIVAS AO DESENVOLVIMENTO DA RELAÇÃO DE CIÚMES NO GÊNERO FEMININO Mariana Widerski* Lucivani Soares Zanella** JUSTIFICATIVA O ciúme pode ser entendido como um

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Carga horária total: 04 Prática: 04 Teórico Prática: Semestre Letivo 1º/2012 Ementa

Carga horária total: 04 Prática: 04 Teórico Prática: Semestre Letivo 1º/2012 Ementa Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina Psicopatologia Psicodinâmica Professor(es) e DRTs Fernando Genaro Junior 114071-3 Sandra Fernandes de Amorim

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA Curso de Graduação em Psicologia Versão Curricular 2009/1 Disciplina: Tópicos Especiais em Psicanálise:

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no CRAS? Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2

Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no CRAS? Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2 CRAS? Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2 Este trabalho discute as possibilidades de operar com o saber

Leia mais

O gozo, o sentido e o signo de amor

O gozo, o sentido e o signo de amor O gozo, o sentido e o signo de amor Palavras-chave: signo, significante, sentido, gozo Simone Oliveira Souto O blá-blá-blá Na análise, não se faz mais do que falar. O analisante fala e, embora o que ele

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA VERSÃO CURRICULAR 2009/1 DISCIPLINA: Psicanálise I CÓDIGO: PSI

Leia mais

Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud

Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud Alexandre Rambo de Moura Nosso trabalho se desdobra das questões que emergem a partir do livro Desejos Secretos,

Leia mais

AMOR ÓDIO DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA

AMOR ÓDIO DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA AMOR ÓDIO DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA Flavia Bonfim* Desde Freud, a problemática mãe e filha já se inscreve na psicanálise. Na postulação freudiana, amor e ódio marcam a relação da menina para com

Leia mais

O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1

O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1 O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1 Joseane Garcia de S. Moraes 2 Na abertura do seminário 20, mais ainda, cujo título em francês é encore, que faz homofonia com en corps, em corpo,

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

A disciplina apresenta as principais teorias do desenvolvimento biopsicossocial infantil, com ênfase na abordagem psicanalítica.

A disciplina apresenta as principais teorias do desenvolvimento biopsicossocial infantil, com ênfase na abordagem psicanalítica. Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina Psicologia do Desenvolvimento Infantil Professor(es) e DRTs Priscila Palermo Felipini 113088-8 Santuza Fernandes

Leia mais

O amor: esse encontro faltoso

O amor: esse encontro faltoso O amor: esse encontro faltoso Profa. Ms. Célia Ferreira Carta Winter 1 Sumário: 1.Contextualização.2 O amor em Freud e Lacan 3. O amor e a Linguagem. 4. Considerações Finais 1.Contextualização: O tema

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

FREUD E OS ENIGMAS DA DIFERENÇA SEXUAL

FREUD E OS ENIGMAS DA DIFERENÇA SEXUAL FREUD E OS ENIGMAS DA DIFERENÇA SEXUAL Carlos Alexandre de Oliveira Antonio Enquanto estudiosos da sexualidade, devemos à psicanálise uma série de esclarecimentos sobre a vida sexual humana. A ambigüidade

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo

DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo DISCUTIDO PELA ESCOLA FREUDIANA DA ARGENTINA NOEMI SIROTA O trabalho permite

Leia mais

A CASTRAÇÃO É UMA IDEIA, A PRIVAÇÃO É UM FATO (NASIO, 2007).

A CASTRAÇÃO É UMA IDEIA, A PRIVAÇÃO É UM FATO (NASIO, 2007). A CASTRAÇÃO E O AMBIENTE HOSPITALAR MULTIDISCIPLINAR: UMA REFLEXÃO 1 CARLA CRISTINA DE OLIVEIRA A CASTRAÇÃO É UMA IDEIA, A PRIVAÇÃO É UM FATO (NASIO, 2007). Em psicanálise, o conceito de "castração" não

Leia mais

O AMOR NA PSICOSE. fórmulas da sexuação, entre o homem e a mulher. Já na articulação amor / suplência 3 o sujeito

O AMOR NA PSICOSE. fórmulas da sexuação, entre o homem e a mulher. Já na articulação amor / suplência 3 o sujeito O AMOR NA PSICOSE Nancy Greca de Oliveira Carneiro 1 A doutrina da foraclusão generalizada faz ver que há para o sujeito, e não apenas para o psicótico, um objeto indizível, o que estende a foraclusão

Leia mais

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Prof. Dr. Mario Eduardo Costa Pereira PROGRAMA - Io. SEMESTRE Março/2014 14/03/2014 CONFERÊNCIA INAUGURAL : Contextualização do seminário

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

Conceitos Básicos e História

Conceitos Básicos e História Psicologia na Educação Aula 1 Conceitos Básicos e História Profa. Adriana Straube Nesta aula discutiremos sobre o conceito de psicologia. As origens da psicologia como ciência nascendo na Alemanha. História

Leia mais

ANEXOS PUC-Rio - Certificação Digital Nº /CA

ANEXOS PUC-Rio - Certificação Digital Nº /CA ANEXOS 33+ ROTEIRO DAS PALESTRAS Situações determinantes do psiquismo humano: história mítica (situações anteriores à concepção e ao nascimento de uma criança), projeção do futuro da criança. primeiro

Leia mais

Filmes Avaliação dos conteúdos específicos (de 0 a 4): Ação (AC), Amor (AM), Lágrimas(L), Risos(R), Sexo (S), Violência (V)

Filmes Avaliação dos conteúdos específicos (de 0 a 4): Ação (AC), Amor (AM), Lágrimas(L), Risos(R), Sexo (S), Violência (V) Com quem? Filmes Avaliação dos conteúdos específicos (de 0 a 4): Ação (AC), Amor (AM), Lágrimas(L), Risos(R), Sexo (S), Violência (V) P&G Obrigado, Mãe (2014). // Oral-B Power of Dad (anúncios) Ano N/A

Leia mais

PRODUÇÕES DISCURSIVAS DE PSICANALISTAS SOBRE A SUBJETIVAÇÃO DA DIFERENÇA SEXUAL NA FAMÍLIA HOMOPARENTAL

PRODUÇÕES DISCURSIVAS DE PSICANALISTAS SOBRE A SUBJETIVAÇÃO DA DIFERENÇA SEXUAL NA FAMÍLIA HOMOPARENTAL PRODUÇÕES DISCURSIVAS DE PSICANALISTAS SOBRE A SUBJETIVAÇÃO DA DIFERENÇA SEXUAL NA FAMÍLIA HOMOPARENTAL Anna Luzia de Oliveira Myrna Agra Maracajá Maia A família sofreu mudanças em sua configuração ao

Leia mais

5. Referências bibliográficas:

5. Referências bibliográficas: 82 5. Referências bibliográficas: ASSOUN, P. Lecciones Psicoanalíticas sobre Hermanos y Hermanas., Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1998. BENGHOZI, P. E FERÉS- CARNEIRO, T. Laço frátrio e continente

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

Título. O Amor entre a histeria e a Obsessão. Autor: Waieser Matos de Oliveira Bastos 1. Palavras Chave: Amor, histeria, obsessão SUMÁRIO

Título. O Amor entre a histeria e a Obsessão. Autor: Waieser Matos de Oliveira Bastos 1. Palavras Chave: Amor, histeria, obsessão SUMÁRIO 1 Título O Amor entre a histeria e a Obsessão Autor: Waieser Matos de Oliveira Bastos 1 Palavras Chave: Amor, histeria, obsessão SUMÁRIO Esse artigo pretende discutir os impasses apresentados a partir

Leia mais

SINTOMA DA CRIANÇA: MANIFESTAÇÃO DO SUJEITO FRENTE AO OUTRO. ao Programa de Mestrado da Universidade Federal de São João del Rei.

SINTOMA DA CRIANÇA: MANIFESTAÇÃO DO SUJEITO FRENTE AO OUTRO. ao Programa de Mestrado da Universidade Federal de São João del Rei. SINTOMA DA CRIANÇA: MANIFESTAÇÃO DO SUJEITO FRENTE AO OUTRO Jane Mara dos Santos Barbosa Wilson Camilo Chaves Esse texto é resultado de alguns apontamentos feitos em meu anteprojeto apresentado ao Programa

Leia mais

Amar demais: um destino inevitável na sexuação feminina?

Amar demais: um destino inevitável na sexuação feminina? 1 Amar demais: um destino inevitável na sexuação feminina? Este trabalho faz parte da mesa redonda intitulada Sexuação: amor, desejo e gozo na clínica psicanalítica, coordenada por Tania Coelho dos Santos,

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Devastação, o que há de novo?

Devastação, o que há de novo? Opção Lacaniana online nova série Ano 7 Número 21 novembro 2016 ISSN 2177-2673 Maria Luiza Rangel A devastação (ravage) aparece tardiamente em Lacan. No escrito O Aturdito 1 de 1973, ela é articulada à

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

INTRODUÇÃO - GENERALIDADES SOBRE AS ADICÇÕES

INTRODUÇÃO - GENERALIDADES SOBRE AS ADICÇÕES SUMÁRIO PREFÁCIO - 11 INTRODUÇÃO - GENERALIDADES SOBRE AS ADICÇÕES DEFINIÇÃO E HISTÓRICO...14 OBSERVAÇÕES SOBRE O CONTEXTO SOCIAL E PSÍQUICO...19 A AMPLIDÃO DO FENÔMENO ADICTIVO...24 A ADICÇÃO VISTA PELOS

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Professor(es): Claudio Bastidas Martinez DRT: Etapa: 1 a

Professor(es): Claudio Bastidas Martinez DRT: Etapa: 1 a Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso: Nutrição Disciplina: PSICOLOGIA Código da Disciplina: 083.1101.3 Professor(es): Claudio Bastidas Martinez DRT: 113206-6 Etapa: 1 a

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

O real escapou da natureza

O real escapou da natureza Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 10 março 2013 ISSN 2177-2673 Sandra Arruda Grostein O objetivo deste texto é problematizar a proposta feita por J.-A. Miller de que o real emancipado da natureza

Leia mais

Especulações sobre o amor

Especulações sobre o amor Especulações sobre o amor Janete Luiz Dócolas, Psicanalista O amor é um mistério que há muito tempo, talvez desde que fora percebido, os homens vem tentando compreender, descrever ou ao menos achar um

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES

PROGRAMA DE ATIVIDADES PROGRAMA DE ATIVIDADES com amor e sexualidade. Ano letivo 2013-2014 Alunos ANO TEMA PÚBLICO- ALVO COMPETÊNCIAS DATAS DURAÇÃO 1 º ano gostar de ti I Alunos do 1º ano Estabelece a ligação entre pensar e

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SEXUAL INFANTIL

DESENVOLVIMENTO SEXUAL INFANTIL DESENVOLVIMENTO SEXUAL INFANTIL 2016 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo clínico graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduado em Clínica Psicanalítica pela Pontifícia Católica

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

Teoria Psicanalítica II - manhã

Teoria Psicanalítica II - manhã Teoria Psicanalítica II - manhã 12-09-05 Narcisismo e auto-erotismo: Texto: Freud, S. (1914). À guisa de introdução ao narcisismo. In. Escritos sobre a psicologia do Inconsciente. Rio de Janeiro: Imago,

Leia mais

Famílias sintomáticas

Famílias sintomáticas Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 10 março 2013 ISSN 2177-2673 1 Fabian Fajnwaks O desejo de formar família encontrou uma espécie de interpretação na resposta recente de nossos governantes:

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7 A CASTRAÇÃO E O TEMPO Autora: Renata Lucindo Mendonça Psicóloga, aluna do Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais, pós-graduada em saúde mental e psicanálise E-mail: renatalucindopsi@yahoo.com.br

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Este trabalho tem por intuito verificar quais as transformações sofridas pelos sintomas histéricos ao longo dos anos. Esta indagação se deve

Leia mais

1 Algumas Considerações sobre a Problemática do Falo em Freud e Lacan

1 Algumas Considerações sobre a Problemática do Falo em Freud e Lacan 1 Algumas Considerações sobre a Problemática do Falo em Freud e Lacan 1.1 O conceito de falo O termo falo aparece na teoria psicanalítica primeiramente em Freud e é retomado posteriormente por Lacan. Trata-se

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1 Alejandro Luis Viviani 2 Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos importantes na obra de Lacan; falar deles implica fazer uma

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Valor da Sexualidade na Adolescência

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Valor da Sexualidade na Adolescência UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Valor da Sexualidade na Adolescência energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura e intimidade; que se integra no modo como nos sentimos,

Leia mais

LEILA FERREIRA. jornalista, escritora e palestrante

LEILA FERREIRA. jornalista, escritora e palestrante LEILA FERREIRA jornalista, escritora e palestrante PERFIL Leila é filha de uma professora de português de uma cidade do interior de Minas e aprendeu com ela a dependurar na mangueira de sua casa todas

Leia mais

Os efeitos nocivos da PORNOGRAFIA numa pessoa. e o socorro oferecido pelo Celebrando a Recuperação

Os efeitos nocivos da PORNOGRAFIA numa pessoa. e o socorro oferecido pelo Celebrando a Recuperação Os efeitos nocivos da PORNOGRAFIA numa pessoa e o socorro oferecido pelo Celebrando a Recuperação Como eu POSSO me tornar puro? O que a BÍBLIA diz sobre sexo? GENESIS ˆ 2.15-25 15 O Senhor Deus colocou

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

A Educação Médica entre o Tecnicismo e o Humanismo

A Educação Médica entre o Tecnicismo e o Humanismo A Educação Médica entre o Tecnicismo e o Humanismo Abram Eksterman A. Einstein Nem tudo que conta pode ser contado; e nem tudo que pode ser contado, conta. A. Einstein Educação é o que permanece depois

Leia mais

Vingança pornô, versão atualizada. degradação da vida amorosa? 1 Patricia Badari

Vingança pornô, versão atualizada. degradação da vida amorosa? 1 Patricia Badari Opção Lacaniana online nova série Ano 6 Número 18 novembro 2015 ISSN 2177-2673 "Vingança Pornô", versão atualizada da degradação da vida amorosa? 1 Patricia Badari Uma mulher tem que ter qualquer coisa

Leia mais

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos,

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1 Alejandro Luis Viviani A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, supondo veladamente uma resposta sobre a origem da sexualidade. Jogo em espelho onde,

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Personalidade(s) e Turismo

Personalidade(s) e Turismo Personalidade(s) e Turismo O que é Personalidade? Ela é inata ou aprendida? Personalidade/Personalidades É uma organização dinâmica de partes interligadas, que vão evoluindo do recém-nascido biológico

Leia mais

DO MAL-ESTAR NA CULTURA PARA O SOFRIMENTO NO CORPO. Tiago Ravanello 1. Flavia Milanez de Farias 2. Lindayane dos Santos Amorim de Sá 3

DO MAL-ESTAR NA CULTURA PARA O SOFRIMENTO NO CORPO. Tiago Ravanello 1. Flavia Milanez de Farias 2. Lindayane dos Santos Amorim de Sá 3 DO MAL-ESTAR NA CULTURA PARA O SOFRIMENTO NO CORPO Tiago Ravanello 1 Flavia Milanez de Farias 2 Lindayane dos Santos Amorim de Sá 3 RESUMO A partir do viés freudo-lacaniano, destacaremos como o discurso

Leia mais

II SEMINÁRIO DE PRÁTICA DE PESQUISA EM PSICOLOGIA Universidade Estadual de Maringá 28 a 30 de Novembro de 2012

II SEMINÁRIO DE PRÁTICA DE PESQUISA EM PSICOLOGIA Universidade Estadual de Maringá 28 a 30 de Novembro de 2012 AS CONCEPÇÕES DE PSICÓLOGOS SOBRE ANGÚSTIA/ANSIEDADE DE SEPARAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA CLÍNICA Mayara Lúcia Embercics Calazans (Departamento de Psicologia,, Fundação Araucária, PIBIC); Paulo José

Leia mais

PARTE 1. O que você sempre quis saber

PARTE 1. O que você sempre quis saber PARTE 1 O que você sempre quis saber Vamos ser francos. Namoro é um dos temas mais falados entre os jovens cristãos. As reações à abordagem repetitiva do tema combinam fascínio e cansaço. Por quê? Acreditamos

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 Chistophé Honoré, diretor do filme A bela Junie, inspira-se no romance A Princesa de Clèves, publicado anonimamente por Madame de Lafayette,

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

Prevenção do cancro do colo do útero

Prevenção do cancro do colo do útero Prevenção do cancro do colo do útero http:// Iechyd Cyhoeddus Cymru Public Health Wales Este folheto pretende dar informações que podem ajudar na prevenção do cancro do colo do útero. Ao realizar testes

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS CHF 907 PSICOLOGIA APLICADA À SAÚDE --

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS CHF 907 PSICOLOGIA APLICADA À SAÚDE -- UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS CHF 907 PSICOLOGIA APLICADA À SAÚDE -- CARGA HORÁRIA CRÉDITOS PROFESSOR(A) T

Leia mais

Cadernos da Escola de Saúde O AMOR NA FEMINILIDADE

Cadernos da Escola de Saúde O AMOR NA FEMINILIDADE Cadernos da Escola de Saúde ISSN 1984 7041 O AMOR NA FEMINILIDADE THE LOVE IN FEMININITY Nicolle Shigueoka de Oliveira 1 Ana Suy Sesarino Kuss 2 Recebido em 03 de julho de 2015 Aceito em 05 de agosto de

Leia mais

O ATO INFRACIONAL ADOLESCENTE UM APELO AO PAI

O ATO INFRACIONAL ADOLESCENTE UM APELO AO PAI O ATO INFRACIONAL ADOLESCENTE UM APELO AO PAI Christiane da Mota Zeitoune Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica da UFRJ Mestre em Psicologia Clinica PUC/RJ Psicóloga do Departamento

Leia mais

AS RELAÇÕES AFETIVAS DAS MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UM OLHAR PSICANALÍTICO. PINTO, Evelyn Gonçalves de Arruda

AS RELAÇÕES AFETIVAS DAS MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UM OLHAR PSICANALÍTICO. PINTO, Evelyn Gonçalves de Arruda AS RELAÇÕES AFETIVAS DAS MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UM OLHAR PSICANALÍTICO PINTO, Evelyn Gonçalves de Arruda evelyn_pse@yahoo.com.br Resumo Este trabalho é resultado de um estágio prático

Leia mais

Porque a perda de alguém nos faz sofrer? Todo mundo é capaz de suportar uma dor, com exceção de quem a sente.

Porque a perda de alguém nos faz sofrer? Todo mundo é capaz de suportar uma dor, com exceção de quem a sente. Porque a perda de alguém nos faz sofrer? Todo mundo é capaz de suportar uma dor, com exceção de quem a sente. William Shakespeare Dayene Batista Ferreira 1 Resumo O presente trabalho aborda a singularidade

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso: Psicologia Disciplina: Psicanálise II Professor(es) e DRTs Carmen Silvia de Souza Nogueira DRT: 112426-1 Fernando Genaro Junior

Leia mais

TORNAR-SE HOMEM Eliane Mendlowicz Freud, ao desenvolver o complexo de Édipo e suas determinações nas identificações sexuais, definiu a sexualidade humana como dependente das vicissitudes edípicas, ou seja,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CLÍNICA PCL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CLÍNICA PCL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CLÍNICA PCL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TEORIA PSICANALÍTICA 2011-2013 Coordenadora:

Leia mais

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO Autoras: Tânia Regina Goia; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO RELAÇÕES AMOROSAS Gislaine Naiara da Silva Daniela Cristina Oliveira

Leia mais

De amor também se morre

De amor também se morre Vanessa Campos Santoro De amor também se morre Vanessa Campos Santoro Resumo O amor paixão tomado aqui no sentido do pathos aparece na clínica psicanalítica na vertente dos parceiros sintomáticos ou na

Leia mais

12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3

12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3 12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3 As propagandas as quais somos expostos diariamente demonstram um mundo

Leia mais

O Édipo feminino com Wonder Woman e Lara Croft

O Édipo feminino com Wonder Woman e Lara Croft O Édipo feminino com Wonder Woman e Lara Croft Freud considera que a fase fálica é comum a meninos e meninas. Ambos atribuem um falo tanto aos seres masculinos como femininos e até aos seres inanimados.

Leia mais

Mãe não tem limite, é tempo sem hora : sobre o luto na relação mãe e filha

Mãe não tem limite, é tempo sem hora : sobre o luto na relação mãe e filha Mãe não tem limite, é tempo sem hora : sobre o luto na relação mãe e filha Ericka Dominguez Melquíades,Flávia Lana Garcia de Oliveira, Rafaela Ferreira de Souza Gomes Introdução O presente trabalho surgiu

Leia mais