A INFLUÊNCIA DA ARTE NA SAÚDE DO IDOSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFLUÊNCIA DA ARTE NA SAÚDE DO IDOSO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÒS GRADUAÇÂO LATO SENSO INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A INFLUÊNCIA DA ARTE NA SAÚDE DO IDOSO Elisangela Moreira Lima Orientadora: Maria Da Conceição Maggioni Poppi Betim, 2009

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÒS GRADUAÇÂO LATO SENSO INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A INFLUÊNCIA DA ARTE NA SAÚDE DO IDOSO Monografia apresentada à disciplina Trabalho de Conclusão de Curso de Pós Graduação Lato Senso Saúde da Família da Universidade Candido Mendes, Instituto a Vez do, como pré-requisito à obtenção do título de Especialista em Saúde da Família. Por: Elisangela Moreira de Lima

3 3 EPÍGRAFE A idade destrói as células A velhice destrói o espírito, Você é idoso quando sonha é velho quando apenas dorme. Você é idoso quando ainda aprende É velho quando já nem ensina. Você é idoso quando o dia de hoje é o primeiro do resto de sua vida. É velho quando todos os dias parecem o último da longa jornada. O idoso é aquela pessoa que tem tido a felicidade de viver uma longa vida produtiva, de ter adquirido uma grande experiência. Ele é uma ponte entre o passado e o presente, como o jovem é uma ponte entre o presente e o futuro. E é no presente que os dois se encontram. Velho é aquele que tem carregado o peso dos anos, que em vez de transmitir experiência às gerações vindouras, transmite pessimismo e desilusão. Por isso nem todo idoso é velho e há velho que ainda nem chegou a ser idoso. (autor desconhecido)

4 4 Agradeço a Deus pela presença nos momentos difíceis e pela realização deste trabalho. Aos meus pais, e a todos os meus familiares pelo carinho, afeto e cumplicidade, expressos ao longo deste curso de pós - graduação e da vida. À Maria da Conceição Maggioni Poppe minha orientadora, por sua disponibilidade, ensinamentos e apoio, fundamentais durante todo o processo de criação e elaboração desta monografia.

5 5 RESUMO Esta monografia procura explicitar a arte como influência na saúde do idoso, considerando as mudanças em curso na sociedade contemporânea, que a afetam diretamente. As atividades artísticas possuem um vasto significado, pois são realizadas e entendidas como interlocução e interação entre as pessoas. A arte é uma forma de comunicação de sentimentos entre diferentes pessoas, harmoniza as relações, possibilitando um novo sentido a vida. Aponta que, frente às carências geradas pelo processo de envelhecimento; o idoso precisa de ações políticas especificas, as quais devem ter como objetivo, uma maior integração do idoso ao seu meio social. O país vem passando por um processo de lutas e movimentos sociais, e, elaborando leis e abrindo novos espaços para reintegração dos idosos, o que leva a sociedade refletir sobre sua realidade. Ainda existe um grande distanciamento entre as leis e a realidade da população idosa, tanto em caráter de conhecimento, quanto na questão da aplicabilidade das mesmas. Através de um centro de convivência, é possível, por meio das atividades oferecidas aos idosos; reduzir alguns problemas característicos da idade; proporcionar uma melhora na saúde física e mental, esclarecer sobre o Estatuto do Idoso, entre outros benefícios. Observa-se a arte com todo seu potencial inovador, como estratégia que leva a reflexão, aceitação de si e do outro e ao desejo de participação. Palavras chaves: Idoso/envelhecimento, saúde, socialização, redes sociais e arte.

6 6 METODOLOGIA Este trabalho teve como base, uma consistente pesquisa bibliográfica, bem como consulta em revistas e internet. O trabalho, de maneira geral, tem como objetivo, ser um instrumento simples de auxílio à reflexão de que envelhecer, não deve ser visto como um processo doloroso. Mas sim, uma etapa, na qual a vida ainda pode ser plena com saúde e com muitas realizações. Por tratar-se de uma pesquisa teórica empírica, o universo escolhido foi a Associação de Proteção e Amparo à Maternidade, Infância e Velhice APROMIV, Núcleo Viver Melhor, no município de Betim. As técnicas de ida a campo utilizadas foram: a observação e a entrevista semi-estruturada. Através da observação, obtivemos informações sobre o cotidiano dos idosos dentro da instituição acima referida, e a entrevista semiestruturada nos permitiu a uma série de perguntas abertas, feitas verbalmente em uma ordem prevista, o que nos possibilitou no decorrer da entrevista acrescentar perguntas de esclarecimentos, as quais contribuíram na obtenção das respostas. A importância dessas técnicas segundo Neta (1994) reside no fato de podermos compreender uma variedade de situações ou fenômenos presentes na saúde e na vivência social dos idosos. A pesquisa de campo foi realizada com 10 idosos, com idade igual ou superior a 60 anos, em sua totalidade mulheres. Portanto, o estudo realizado durante a pesquisa, permitiu-nos observar que a arte com todo o seu potencial inovador torna-se um instrumento estratégico que levará à reflexão, a aceitação de si e do outro e ao desejo de participação, podendo então quebrar as barreiras criadas nas relações que geram e levam ao isolamento, tornando o idoso mais saudável à medida que controlam a pressão, o diabetes, entre outras doenças crônicas.

7 7 Todos autores citados na referência bibliográfica foram importantes, mas foi através da contribuição de Fischer (1987) e Beauvoir (1990) que podemos concluir que há uma necessidade de se estimular uma nova mentalidade de (re)integração do idoso na sociedade e isso só será possível através da conscientização da população como um todo e da utilização da arte, para que esta possa servir como meio de revitalizar a pessoa de idade avançada e trazê-la de volta à ativa, com saúde e tornando-a o mais independente possível e promovendo relações inter-pessoais com pessoas de várias idades. Essa interação social provocará, certamente, a ocorrência de inúmeras transformações nos indivíduos, e o significado de cada ação efetivada permitirá que cada um possa construir ou reconstruir novos laços efetivos e novas formas de compartilhar o aprendizado. Todo processo de regate físico e emocional do idoso, buscado através da arte, pretende reforçar a consciência de sua importância como um ser que se mantém situado no espaço e no tempo, possuindo sua forma própria de viver como humano.

8 8 SUMÁRIO Introdução I Aspectos sociais do Idoso...12 I. 1 Breve contexto histórico sobre o envelhecimento...12 I.2 A dimensão do significado de ser velho...18 II Saúde, socialização e rede social...23 III A arte e o Centro de Convivência...31 Conclusão...36 Referências Anexos

9 9 INTRODUÇÃO A presente monografia é resultado da pesquisa realizada no 1º semestre de 2008, cujo tema foi A influência da arte na saúde do idoso ; trabalho produzido no curso de Pós - Graduação Saúde da Família da Universidade Candido Mendes do Rui de Janeiro - Núcleo Belo Horizonte, Instituto a Vez do Mestre, sob a orientação da professora Maria da Conceição Maggioni Poppe, com o objetivo de compreender em que medida a arte influência na saúde do idoso. Toda estrutura da pesquisa está embasada no convívio dos idosos com a arte, pois segundo Nietzsche (1992), só a arte tem o poder de produzir representações da existência que nos possibilitou viver. Esta por sua vez, desempenha um papel fundamental no desenvolvimento humano e cultural, o que impulsiona relações entre pessoas e grupos, renovando vivências, laços de solidariedade, criando imaginários para o conhecimento de si e do outro e isso é de fundamental importância quando nos referimos ao idoso, que por questões biológicas, psicológicas, emocionais e sociais, sofre uma redução em sua rede social. Pela natureza do trabalho realizado e dos aspectos subjetivos a serem abordados em relação à arte e seus desdobramentos na vivência dos idosos optamos pela metodologia de abordagem qualitativa, pois, conforme Minayo (2002) esta responde a questões particulares, e se preocupa com um nível dentro da realidade de cada um, que não pode ser quantitativo, valorizando as crenças, aspirações, valores e atitudes, abrangendo um universo profundo das relações, os quais não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis. Para o entendimento do tema proposto, levantamos a hipótese de que a arte influenciaria na saúde do idoso, criando momentos de socialização e

10 10 minimizando o isolamento comum nesta etapa da vida, estimulando também a quebra de barreiras construídas por si mesmo e pela cultura. Portanto, esta se tornaria um instrumento estratégico que levaria à reflexão, a auto-estima, ao autoconhecimento, a sua aceitação e do outro e ao desejo de participação. Cabe esclarecer que o presente trabalho faz parte das exigências da cadeira de trabalho de conclusão do curso de Pos - Graduação Saúde da Família, e que esperamos que este possa gerar contribuições na atuação do especialista em Saúde da Família no sentido de subsidiar, qualificar e ampliar os espaços já existentes, em que se desenvolvem atividades para idosos como os grupos de convivência, oportunizando atividades que ajudem na melhoria da saúde e da qualidade de vida do idoso, fazendo com que o mesmo, interaja com um grupo e se reinsira socialmente através de oficinas de arte, pois a partir desta vivencia de grupo o idoso tende a elaborar um novo modo de viver e formas de participar, o que leva a obter modificações em sua própria vida e no meio social em que está inserido. Portanto, nessa monografia verificamos que as atividades artísticas em geral promovem a saúde, a reintegração e ampliação da rede de relações sociais do idoso com mais de 60 anos, que participa dos Centros de Convivência para a Terceira Idade 1. De acordo com Fischer (1987) a arte, através de suas várias técnicas expressivas, vem possibilitar e facilitar ao idoso a obtenção de um melhor entendimento de seus próprios anseios e necessidades, iniciando concomitantemente um processo coletivo e individual de desmistificação da idéia vigente de que o idoso é ser inválido, inútil ou incapaz. Busca fazê-lo compreender e aceitar o envelhecimento como algo inerente ao processo existencial e saudável. Para tanto, no primeiro capítulo, aborda-se as transformações mais significativas nas questões do envelhecimento, envolvendo os aspectos sociais do 1 [...] terceira idade é uma criação recente das sociedades ocidentais contemporâneas. Sua invenção implica a criação de uma nova etapa na vida que se interpõe entre a idade adulta e a velhice e é acompanhada de um conjunto de práticas, instituições e agentes especializados, encarregados de definir e atender as necessidades dessa população que, a partir dos anos 70 deste século, em boa parte das sociedades européias e americanas, passaria a ser caracterizada como vítima da marginalização e da solidão. (BARROS, 2000, p.53)

11 11 idoso de maneira mais ampla, no qual fazemos um breve contexto sobre como o velho era visto na antiguidade até chegarmos aos tempos atuais, ficando claro, através de dados estatísticos que a população está envelhecendo de maneira alarmante. O interessante neste capítulo fica por conta dos resultados obtidos na pesquisa de campo, onde conseguimos perceber, através das entrevistas, relatos que nos levam a analisar e refletir, sobre a maneira de como o idoso é visto pela sociedade e a maneira como este idoso se sente na realidade em relação a se estar velho ou não. O segundo capítulo mostra a importância da saúde, da socialização e ampliação da rede social do idoso, pois mediante estudos, pode-se perceber que ao longo do envelhecimento humano, algumas pessoas vão perdendo seus contatos sociais e consequentemente se isolam, e na busca por amenizar esse isolamento que pode levar ao sofrimento e agravamento de doenças, acreditamos que a partir da ampliação da rede de relacionamentos do idoso, conseguiremos resultados positivos para o mesmo. Já o terceiro capítulo, faz um apanhado geral da trajetória política social em relação ao idoso, mostrando as principais iniciativas governamentais e não governamentais adquiridas ao longo da história, através de lutas e movimentos sociais que fizeram valer os direitos da pessoa idosa. Para finalizar, trazemos os resultados que respondem ao tema dessa monografia, com várias entrevistas comprovando que as atividades artísticas nos Centros de Convivência são hoje um dos mecanismos a serem utilizados para que o idoso se reinsira novamente na sociedade. Acreditamos que através da participação em grupos o idoso criará em si à vontade de estabelecer novas amizades, de realizar sonhos, de conquistar uma nova maneira de se viver, e assim modificar a sua vida, a sua saúde e o meio em que vive.

12 12 I ASPECTOS SOCIAIS DO IDOSO Para darmos início ao desenvolvimento propriamente dito, faremos um breve contexto histórico sobre o envelhecimento e a dimensão do significado de ser velho, amarrando todo esse processo com a trajetória política, luta constante da sociedade e dos idosos que buscam um envelhecer com saúde, mais digno e humano, no qual os seus direitos possam ser respeitados. Todo esse processo de lutas e movimentos sociais serviu não somente para elaboração de leis e abertura de novos espaços para reintegração do idoso, mas também para levar a sociedade a refletir sobre sua realidade. Salientamos que essa reflexão deveria seguir um caminho, no qual as pessoas pudessem perceber que é preciso derrubar todos os mitos e preconceitos relacionados ao idoso, pois, devemos compreender que a velhice não pode ser vista como uma fase da vida, na qual há apenas perdas e doenças, mas uma etapa com muitos pontos positivos, novas descobertas e muitas realizações, compreendendo que o processo de envelhecimento deve ser vivido com qualidade e alegria, sabendo que viver bem é um direito de todo ser humano. I.1 BREVE CONTEXTO HISTÓRICO SOBRE O ENVELHECIMENTO A juventude é o momento de estudar a sabedoria, a velhice e o momento de praticá-la Jean-Jaques Rousseau ( ). Na antiguidade prestigiava-se a idade madura e a idade avançada.

13 13 Em Ditos e Feitos memoráveis de Sócrates, Xenofonte ( a.c) menciona o respeito que Sócrates ( a.c) aconselhava os filhos a terem pelos pais e principalmente pelas mães. Em a Republica, Platão prega o respeito aos mais velhos nas leis da Cidade Ideal. Na Grécia, em relação aos negócios públicos, não se confiava nos jovens. (MASCARO, 2004, p. 27). Segundo Mascaro (2004), não se tem dados suficientes para calcular a quantidade de idosos na Antiguidade. Para os historiadores conhecer a realidade da velhice em sociedades antigas, só foi possível através de escrituras sobre pedras colocadas em túmulos. Nessa época a vida era muito difícil e era preciso ter bastante saúde e resistência física, pois, a velhice iniciava-se muito cedo e a longevidade era rara. A partir do Cristianismo marca-se o fim do mundo antigo. Na alta Idade Média (século V ao X) há um crescimento do Feudalismo, nesta fase: [...] a vida era árdua principalmente para os idosos que não faziam parte da camada privilegiada dos senhores feudais. [...] o trabalho no campo afastava os velhos das atividades e a grande maioria dos homens idosos estava excluídos da vida pública. (MASCARO, 2004, p. 29). Na baixa Idade Média (século X ao XV), há um renascimento comercial, culminando com o surgimento da burguesia, nessa fase os idosos pertencentes às classes privilegiadas são reverenciados. Portanto, o prestígio em relação aos idosos, se dava apenas àqueles que de uma forma ou de outra, acumulavam riquezas, o que levou a exaltação e valorização da beleza e dos corpos jovens. A velhice do corpo, a decadência física e a perda do vigor da juventude são vistas nessa época como um naufrágio [...] (MASCARO, 2004, p.30). Na Europa do século XVIII, a velhice inicia-se cedo e esses se retiravam da vida social, se não fossem chefes de família, monarcas ou sacerdotes, esta imagem permaneceu até o inicio do século XX. (MASCARO, 2004).

14 14 Com as transformações históricas, após a revolução industrial, os idosos foram beneficiados com o avanço da medicina, das práticas de higiene e saúde pública, e o aumento da expectativa média de vida. Neto (1997) conclui que tais avanços contribuíram para o aumento repentino do número de idosos, denominado como aged-boom. Estudos demográficos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE-2002) facilitaram a visibilidade desse fenômeno, confirmando, que a transição demográfica mundial nas duas últimas décadas, em relação ao envelhecimento, teve um aumento considerável de indivíduos idosos numa faixa etária acima dos 60 anos de idade. MALTEMPI enfatiza que: A problemática social do idoso não representa mais uma questão social que diz respeito a eles próprios, pois o aumento gradativamente alto desse grupo e os efeitos do seu isolamento são circunstâncias que afetam a Sociedade Brasileira e já mobilizam importantes setores na busca de caminhos que obstaculizam sua crescente marginalização. (MALTEMPI) Os idosos representam cerca de 9% da população brasileira, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE-2002). Nas próximas duas décadas, a população idosa do Brasil poderá dobrar, passando de aproximadamente 15 milhões de pessoas com sessenta anos ou mais de idade para cerca de 30 milhões, conforme estimativa desse órgão. Tabela 1 Pessoas residentes de 60 anos ou mais de idade e respectivo crescimento relativo, segundo os grupos de idade Brasil 1991/2000.

15 15 Segundo o IBGE (2002), no Brasil, a proporção de pessoas da terceira idade vem crescendo mais rapidamente que a proporção de crianças. Esse crescimento se deve à soma de dois fatores: a queda da taxa de fecundidade e o aumento da longevidade da população. Em 1980, tínhamos 16 idosos para 100 crianças, em 2000, 30 idosos para 100 crianças. Para se ter uma idéia, de acordo com o IBGE (2002), em 1991 havia centenários no Brasil. Em 2000, o número de pessoas com 100 anos ou mais chegou a , o que representa um aumento de 77%. A maior parte destas pessoas estava concentrada em São Paulo (4.457), depois na Bahia (2.808), seguida de Minas Gerais (2.765) e Rio de Janeiro (2.029). É importante ressaltar sobre a feminização da pessoa idosa no Brasil, que segundo o IBGE (2002) o número de mulheres em 1991 correspondia a 54% da população de idosos, passando para 55,1% em Isto significa que para cada 100 mulheres idosas havia 81,6 homens idosos, relação que, em 1991, era de 100 para 85,2. Tal diferença é explicada nas pesquisas, pelos diferenciais de expectativas de vida entre os sexos, fenômeno mundial, mais que tem bastante significado no Brasil, isto porque, as mulheres vivem em média 8 anos mais que os homens. Essa relação entre o gênero e envelhecimento baseia-se nas mudanças sociais ocorridas ao longo do tempo e nos acontecimentos ligados ao ciclo de vida. A maior longevidade feminina implica transformações nas várias esferas da vida social, uma vez que, o significado social da idade está profundamente vinculado

16 16 ao gênero. Talvez, esse seja um fato que explique o número acentuado de mulheres que participam com mais freqüência no Centro de Convivência, onde foram realizadas a pesquisa. Na verdade, o crescimento da população de idosos, em números absolutos e relativos é um fenômeno mundial, onde o Brasil apresenta uma taxa bem significativa em número de idosos. Portanto, precisamos criar alternativas para dar mais qualidade de vida há estes anos a mais conquistados. Segundo as pesquisas do IBGE (2002) aqui listadas, o brasileiro está vivendo mais, e consequentemente o idoso vive mais também. Hoje a expectativa média de vida de um homem brasileiro aos 60 anos, é de viver mais 16 anos, e da mulher 19,5 anos. Portanto, neste aspecto em que o ritmo acelerado de crescimento da população idosa se torna cada vez mais visível, a preocupação dos diversos

17 17 setores da sociedade torna-se necessária, no sentido de não desamparar o idoso, numa expectativa de melhorar o atendimento em relação à necessidade do idoso. É o que veremos mais adiante, quando apresentaremos num tópico específico sobre a trajetória das políticas sociais em relação ao idoso, um conjunto de medidas governamentais, conquistados através de muitas lutas ao longo da história.

18 18 I.2 A DIMENSÃO DO SIGNIFICADO DE SER VELHO Eu não sinto a idade, são os outros que a sentem em mim. Sartre Pesquisa sobre o envelhecimento ao longo da história da humanidade, tem levado filósofos, cientistas e até mesmo o próprio homem comum, na busca de uma compreensão ou definição que explique o significado do tempo e seus efeitos no momento em que chamamos de velhice (SALGADO, 1990). Envelhecer faz parte de um processo biológico natural que pode ser definido como um conjunto das alterações progressivas sofridas pelo organismo ao longo da vida, estando associado ao fato de ter idade (SILVA, 1990, p.283). Está etapa da vida traz grandes mudanças biológicas, fisiológicas e psicossociais, econômicas e políticas. De acordo com Fraiman (1995), durante a vida do ser humano, existem duas grandes variáveis que regulam de uma forma automática o comportamento social e as relações entre indivíduos e grupos, são elas: as variáveis da idade e do sexo. Cabe, portanto neste momento, uma atenção a variável da idade. Contudo, a idade é uma conceituação, uma dimensão subjacente à agência social. Ela conglomera e torna homogêneas grandes classes de indivíduos, submetendo-os às normas sociais que não apenas não os beneficiam, mas também estigmatizam e até os prejudicam, por desconsiderar as diferenças individuais. (FRAIMAN, 1995, p.19). Assim, verificamos não existir apenas um, mas vários conceitos de idade, os quais são explicitados de forma clara por Fraiman (1995). Estes conceitos são: Idade cronológica: medida criada, principalmente em função de práticas administrativas. É a idade que está em nossos documentos.

19 19 Idade biológica: é a idade de nossos tecidos e órgãos, e não está relacionada necessariamente à cronológica, pois as pessoas envelhecem de forma diferenciada das outras. Idade social: esta vem determinada por regras, e é imposta pela sociedade. Categoriza as pessoas dentro das leis, mostrando os seus direitos e deveres. Idade existencial: trata-se da somatória de todas as experiências vividas por um indivíduo. Em afirmação ao pensamento da autora, Salgado (1990) diz que, a velhice é algo aceito na individualidade de cada um, pois abrange várias questões como: experiência de vida, razões orgânicas particulares, desenvolvimento social e cultural. Portanto, todas essas questões criam em alguns indivíduos o querer aceitar-se como um velho ou não, independente de sua idade cronológica. Assim, acrescentamos os aspectos psicológicos, por julgarmos mediante o estudo até então apresentado, como fundamental na compreensão de que o processo de envelhecimento inclui a subjetividade de cada um. Para compreendermos melhor, Frutuoso (1999), cita que o conceito de pessoa idosa é polissêmico 2, no qual a idade cronológica, critério adotado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que estar com 60 anos para os países em desenvolvimento e 65 para os países desenvolvidos é ser idoso. Mas, deve-se levar em conta outros fatores como: naturezas psicológicas, culturais e os avanços tecnológicos e da medicina, os quais demonstram que a maioria dos indivíduos dentro desta faixa etária estabelecida pela OMS não se consideram idosos. De acordo com Ballone (2002) a percepção do envelhecimento é a manifestação subjetiva das alterações sofridas a níveis somáticos e funcionais, atribuídos ao envelhecimento. E ainda de acordo com Secco: O envelhecimento embora marcado por mutações biológicas visíveis, é também cercado por determinantes sociais que tornam as concepções 2 Relativo à polissemia; que tem mais de um significado (HOUAISS)

20 20 sobre velhice variáveis de indivíduo para indivíduo, de cultura para cultura, de época para época. Deste modo, fica evidente a impossibilidade de pensarmos sobre o que significa ser velho, fora de um contexto histórico determinado. (SECCO, 1999, p.12). Diante deste contexto é impossível definir a priori a idade da velhice, pois está em jogo uma série de fatores individuais, psíquicos, culturais ou físicos, que diferem de uma pessoa para outra (SILVA, 199, p.283). Durante as entrevistas realizadas na instituição, um ponto interessante exemplifica o texto acima, enfocando o lado subjetivo do envelhecimento no quais 80% das entrevistadas não se consideram uma pessoa idosa. (anexo B - Gráfico 1) Eu não! Eu não. Eu me sinto assim. Quer ver. Ah! Eu acho que eu me sinto assim com uns 15 ou 20 anos e acho ótimo (A.F. 60 anos) 3 Não. Não. Eu me considero uma garota (M.P. 65 anos) 4 Não! Me considero jovem. (L.F. 65 anos) 5 Na realidade a idade da velhice é imposta pela sociedade culturalmente, esquecendo-se, que cada um, envelhece numa idade diferente, o que torna claro que este processo é subjetivo. A velhice, como todas as situações humanas, tem uma dimensão existencial: modifica a relação do indivíduo com o tempo e, portanto, sua relação com o mundo e com sua própria história. Por outro lado, o homem nunca vive em estado natural: na sua velhice, como em qualquer idade, um estatuto lhe é imposto pela sociedade a qual pertence. (...) Ela lhe destina lugar e papel, levando em conta sua idiossincrasia individual: sua impotência, sua experiência; reciprocamente, o indivíduo é condicionado pela atitude prática e ideológica da sociedade em relação a ele. Não basta, portanto, descrever de maneira analítica os diversos aspectos da velhice: 3 Anexo C, entrevista 1. 4 Anexo, entrevista 4. c 5 Anexo, entrevista 7. c

21 21 cada um deles reage sobre todos os outros e é afetado por eles: é no movimento indefinido desta circulariedade que é preciso aprendê-la. (BEAUVOIR, 1990, p.15,16) No total de 100% das entrevistas, 50% disseram não depender da idade cronológica, o fato de se estar idoso ou não, o que confirma mais uma vez o que diz os autores acima. (anexo B Gráfico 2) Ser idoso não é questão de idade. A pessoa pode ter 60 anos e ter uma juventude de 20 ou 30 anos. (A.F., 60 anos) 6 Só é idoso quem quer. (M.P, 65 anos) 7 Percebemos que as histórias de vida como: atitudes de fracasso, doenças, pessimismo, falta do que fazer, tristeza e até o sofrimento, servem para definir, na concepção de alguns idosos entrevistados, o que é ser idoso. Ser idoso é sofrimento (M.G., 61 anos) Pessoas que se deixam abater com o tempo (L.F., 65 anos) 8 Eu acho que idoso é aquele que esqueceu da vida e do mundo, tem apatia por tudo e não quer saber de fazer nada. (A.F, 60 anos) 9 Ser idoso é quando a pessoa não tem as coisas para encher a cabeça. E então fica levando aquela vida deprimida. (A.S.S.M, 69 anos) 10 A percepção do envelhecimento pode também ser analisada com mais destaque através das alterações na aparência física: 6 Anexo entrevista 1. c, 7 Anexo c, entrevista 4. 8 Anexo, entrevista 7. c 9 Anexo, entrevista 1. c 10 Anexo, entrevista 2. c

22 22 A grande maioria dos idosos percebe que se estar velho quando está com menos cabelo, cabelos brancos, manchas e rugas na pele, problemas de visão e de audição déficit na força muscular, etc. A isso se associa uma característica psicológica, que é um forte apego ao passado. (BALLONE, 2002) Podemos confirmar esta afirmativa do autor, na fala de uma das entrevistadas. Ficar velho é estar cheio de rugas, doente e sem força. (L.M. 61 anos) 11 Em suma, muitos dos significados subjetivos advindos de cada indivíduo, podem muitas vezes ser analisados e até mesmo explicados a partir de fatores culturais, pessoais, sociais e familiares. Ballone (2002) define a subjetividade da velhice como: Socialmente, está em primeiro lugar, sem dúvida, a contundente influência restritiva que a sociedade exerce sobre os idosos, limitando suas possibilidades de atuação, oprimindo-os sob os modelos e padrões do "velho", e restringindo suas possibilidades de participação. De modo geral, não existe uma velhice típica, padrão, característica e igual. Existem múltiplas velhices; tantas como sociedades, culturas e classes sociais (BALLONE, 2002). 11 Anexo, entrevista 8. c

23 23 II SAÚDE, SOCIALIZAÇÃO E REDE SOCIAL Quando a Organização Mundial da Saúde foi criada, pouco após o fim da segunda Guerra Mundial, houve uma preocupação em traçar uma definição positiva de saúde, que incluiria factores como alimentação, atividade física, acesso ao sistema de saúde etc. O "bem-estar social" foi à definição que veio de uma preocupação com a devastação causada pela guerra, assim como de um otimismo em relação à paz mundial. A OMS foi ainda à primeira organização internacional de saúde a considerar-se responsável pela saúde mental, e não apenas pela saúde do corpo. Ao nascer, o indivíduo traz na sua bagagem apenas a sua natureza individual. Com a vivência em sociedade, o ser humano vai adquirindo a natureza social, e conseqüentemente há uma integração do indivíduo aos grupos e a sociedade (DELLA TORRE, 1986). Pode-se dizer que este é o momento que ele aprende a ser um membro desta sociedade, isto é o que chamamos de socialização. O processo de socialização, no entanto, se baseia em dois momentos, na socialização primária e na socialização secundária, nas quais os sociólogos fazem uma significativa distinção. A socialização primária é o processo por meio do qual a criança se transforma num membro participante da sociedade. A socialização secundária compreende todos os processos posteriores, por meio dos quais o indivíduo é introduzido num mundo social específico. (FORACCHI E MARTINS, 1981, p.213). Neste sentido, Turner (2000) salienta que a socialização nos primórdios da vida é importante, pois, nunca paramos esse processo, ele é contínuo em toda a

24 24 trajetória da vida. Assim, quando aprendemos a interagir, lemos os gestos dos outros, apreendemos nossas primeiras imagens. Começamos a sentir as expectativas dos outros e a experimentar nosso primeiro contato com símbolos culturais; começamos a criar e a desenvolver nossos próprios gestos e desempenhamos papéis que nos ajudam no relacionamento com o outro, o que nos fornece uma base para formação da personalidade social. A socialização secundária introduz o indivíduo já socializado em novos setores da sociedade. É dentro das instituições que se dá a socialização secundária. O indivíduo agora começa a interiorizar conceitos inerentes àquela instituição em que ele vive, ou trabalhar, ou se divertir. Nós últimos anos ocorre à chamada socialização terciária que corresponde à velhice: Esta pode dar inicio a uma crise pessoal, já que o mundo social pode tornar-se, nesta etapa, monótono, no que diz respeito ás mudanças. O problema principal da etapa terciária consiste no fato de o indivíduo muitas vezes ter que abandonar comportamentos aprendidos e/ou deixar de pertencer a grupos que até há bem pouco tempo havia pertencido. Os critérios e valores se alteram e o indivíduo sofre uma dissocialização. Simultaneamente, tem que iniciar um novo processo de aprendizagem social para adaptar-se a este mundo diferente, a ressocialização. (SÁVOIA E CORNICK, 1989,p.56) Portanto, nos tornamos um ser social através da integração com os outros, e assim adquirimos uma personalidade, aprendemos como conviver em sociedade e nos organizamos. O homem usa símbolos culturais a língua sendo o mais óbvio, mais também expressões corporais e faciais, e qualquer coisa que tenha significado para os outros para coordenar suas ações, pois estamos constantemente mandando e recebendo mensagens. Sem tal interação, não poderíamos nos ligar a outras pessoas; não poderíamos produzir cultura e não poderíamos construir e sustentar as estruturas sociais tão essenciais à vida humana. A interação é, portanto, o processo social

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO Ana Paula Sabchuk Fernandes UEPG ana-sabchuk@hotmail.com Rita de Cássia Oliveira soliveira13@uol.com.br Cintia Aparecida Canani cicacanani@yahoo.com.br Eixo

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO Palavras-chave: Idoso, práticas corporais, dança, saúde. INTRODUÇÃO Este relato foi fruto de uma

Leia mais

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia?

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia? Entrevista A13 I Experiência no lar Há quanto tempo trabalha no lar? Há 4 anos. 1 Qual é a sua função no lar? Encarregada de Serviços Gerais. Que tarefas desempenha no seu dia-a-dia? O contacto directo

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

A Universidade Livre da Terceira Idade: a sensibilização do ser humano acima de 50 anos para a volta às atividades.

A Universidade Livre da Terceira Idade: a sensibilização do ser humano acima de 50 anos para a volta às atividades. A Universidade Livre da Terceira Idade: a sensibilização do ser humano acima de 50 anos para a volta às atividades. Profa.Ms. Bernardete B.Silva Imoniana Prof.Ms. Moses Benadiba Resumo O presente artigo

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria Relatório Fotográfico Março, Abril e Maio de 2009 Institucional Realização Patrocínio Parceria Introdução Existe uma grande diferença entre as águas do mar e o azul das ondas. A água é concreta, objetiva,

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE 2008 Paulo Roberto Cardoso Pereira Júnior juniorcamamu@hotmail.com Tatiana Pereira Boureau tatiboureau@hotmail.com Raimundo Francisco Frank Ribeiro frank.ribeiro@terra.com.br

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para aposentadoria Entendendo a saúde na definição da Organização Mundial da Saúde:

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO Terezinha Possa 1 Solânia Durman 2 INTRODUÇÃO: Este é um trabalho monográfico do Curso de Especialização em Saúde

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

A MULHER ADULTA UNIVERSITARIA: perspectiva de uma nova profissão

A MULHER ADULTA UNIVERSITARIA: perspectiva de uma nova profissão 852 A MULHER ADULTA UNIVERSITARIA: perspectiva de uma nova profissão Mirian Paludetto 1 - Uni-FACEF Patrícia S.M.F. Espírito Santo 2 - Uni-FACEF Introdução Atualmente, em relação a um passado não muito

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROJETO JUDÔ NA ESCOLA: A SALA DE AULA E O TATAME Projeto: Domingos Sávio Aquino Fortes Professor da Rede Municipal de Lorena Semeie um pensamento,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Roberta Ortiz Furian Palavra-chave: ecologia, ambiente, desenvolvimento Este trabalho tem como objetivo destacar a teoria Ecologia do Desenvolvimento

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas FUNDACENTRO/SP Novembro 2013 Prof. Dr. Silas Guerriero Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião - PUC-SP silasg@pucsp.br O Ser

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: - Alguns aspectos que interferem na saúde das pessoas - Saúde como Direito Constitucional dos brasileiros

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais