Direito do Trabalho CARACTERÍSTICAS. Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito do Trabalho CARACTERÍSTICAS. Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS."

Transcrição

1 CARACTERÍSTICAS Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS. O FGTS consiste em recolhimentos pecuniários mensais feitos pelo empregador em uma conta específica aberta em nome do empregado junto à Caixa Econômica Federal, que é o agente operador do Fundo (art. 4º) DATA DO DEPÓSITO Os empregadores ficam obrigados a depositar na conta do FGTS de cada empregado, até o dia 7 (sete) de cada mês, importância correspondente a 8% (oito por cento) da remuneração paga ou devida no mês anterior. FALTA DO DEPÓSITO O empregador que não realizar os depósitos do FGTS no prazo responderá pela Taxa Referencial (TR) sobre a importância correspondente, por dia de atraso, incluindo ainda juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês e multa de 5% (cinco por cento), se o depósito for efetuado no mesmo mês de vencimento da obrigação, ou de 10% (dez por cento), se o depósito for efetuado a partir do mês seguinte ao do vencimento da obrigação ( art. 22). COMPETENCIA PARA FISCALIZAÇÃO Compete ao Ministério do Trabalho e Emprego a verificação, em nome da Caixa Econômica Federal, do cumprimento das normas referentes ao FGTS especialmente quanto à apuração dos débitos e infrações praticadas pelos empregadores ou tomadores de serviço, notificando-os para efetuarem e comprovarem os depósitos correspondentes (art. 23). INCIDENCIA DO FGTS A contribuição para o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) incide sobre a remuneração mensal devida ao empregado, inclusive horas extras e adicionais eventuais. Súm 63, TST. Incide FGTS sobre o valor correspondente ao aviso prévio, trabalhado ou indenizado. Súm 305, TST.

2 NÃO INCIDÊNCIA DO FGTS Não há incidência de FGTS sobre as parcelas previstas no art. 457, 2º, da CLT, sobre o valor pago a título de participação nos lucros ou resultados (art. 7º, XI, CF), sobre as férias indenizadas (art. 146, CLT) e abono de férias (art. 143,CLT). OJ 195. INTERRUPÇÃO E SUSPENSÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Os depósitos do FGTS são devidos nos casos de interrupção do contrato de trabalho e em alguns casos de suspensão do contrato, tais como prestação de serviço militar obrigatório e licença por acidente de trabalho. (art. 15, 5º). O empregado eleito diretor de sociedade anônima tem seu contrato de trabalho suspenso, salvo se permanecer a subordinação inerente à condição de empregado, sendo que no período da suspensão não serão efetuados depósitos em sua conta do FGTS. Súm 269, TST. Ocorrendo rescisão do contrato de trabalho por parte do empregador, este ficará obrigado a depositar na conta do FGTS do trabalhador os valores relativos ao mês da rescisão e ao imediatamente anterior que não tenha sido depositado (art. 18). PRESCRIÇÃO O direito de reclamar na Justiça do Trab. recolhimentos do FGTS não efetuados pelo empregador prescreve em trinta anos, ou seja, a prescrição é trintenária, desde que observado o prazo de 2 anos após o término do contrato de trabalho. Súm 362, TST. VERBAS TRABALHISTAS PRESCRITAS Não há como pretender os recolhimentos do FGTS sobre verbas que já estejam prescritas. Assim, estando prescritas as parcelas principais (por exemplo, horas extras e diferenças de salários), estará prescrita a pretensão de FGTS sobre elas, já que o acessório segue a mesma sorte do principal. Súm. 206, TST. IMPENHORABILIDADE DOS CRÉDITOS DO FGTS As contas do FGTS dos trabalhadores são absolutamente impenhoráveis (art. 2º, 2º). ABRANGÊNCIA O FGTS é um direito dos empregados urbanos e rurais (art. 7º, III, CF), estendido aos trabalhadores avulsos por força do art. 7º, XXXIV, da CF. Não sendo previsto entre os direitos do empregado doméstico, a inclusão de tal trabalhador no sistema do FGTS é facultada mediante requerimento do empregador (art. 3º-A, Lei 5.859/72).

3 HIPÓTESES DE SAQUE A conta do FGTS aberta em nome do empregado junto à CEF é vinculada, ou seja, sua movimentação é restrita às hipóteses previstas na Lei 8.036/90 e somente pode ser feita nos termos fixados por referida lei. O empregado não pode se utilizar livremente dos depósitos feitos em seu nome no FGTS. As hipóteses de movimentação da conta do FGTS estão expressas no artigo 20 da Lei 8.036/90, podem ser divididas em dois grupos: a. Hipóteses de movimentação em caso de extinção do contrato de trabalho; e b. Hipóteses de movimentação durante a vigência do contrato de trabalho. Em caso de extinção do contrato: 1. Dispensa sem justa causa; despedida indireta, extinção do contrato de trabalho por culpa recíproca ou força maior. Nessas hipóteses, permite-se a movimentação imediata da conta do FGTS pelo trabalhador, com saque dos valores depositados relativos ao último contrato de trabalho. (art. 35, 2º, Decreto /1990). O saque nesses casos depende da apresentação do termo de rescisão do contrato de trabalho, devidamente homologado. O empregado não pode sacar o FGTS se for dispensado por justa causa ou se pedir demissão. Nessas hipóteses, a conta do FGTS continua a ser de titularidade do trabalhador, mas se transforma em conta inativa, ou seja, embora continue a ser corrigida monetariamente, não recebe mais depósitos (art. 21 e art. 13, 2º, da Lei 8.036/90). Da mesma forma, não há que se falar em saque do FGTS em caso de rescisão do contrato de trabalho por acordo entre as partes. Os valores existentes nas contas inativas podem ser sacados quando o trabalhador permanecer três anos ininterruptos fora do regime do FGTS. (art. 20, VIII), e também em caso de aposentadoria ou falecimento do trabalhador. O fato de o trabalhador ter sido dispensado por justa causa não o impede de sacar os valores de sua conta do FGTS caso se aposente ou, ainda, para compra ou quitação de parcelas da casa própria, nem impede o levantamento dos referidos valores por seus dependentes ou herdeiros em caso de falecimento (art. 15, Dec /1990).

4 2. Extinção total da empresa, fechamento de quaisquer de seus estabelecimentos, filias ou agências que implique em rescisão do contrato de trabalho. Não decorrendo de iniciativa do empregado, tais hipóteses de extinção do contrato de trabalho permitem o saque dos valores depositados em sua conta do FGTS, em relação ao último contrato de trabalho (art. 35, 2º. Dec /1990). 3. Falecimento do empregador individual, desde que não haja continuidade do contrato de trabalho. Com a cessação da atividade da empresa por morte do empregador individual, os contratos de trabalho serão extintos (art. 485, CLT), podendo os empregados sacar os valores do FGTS depositados em seu nome durante a vigência do contrato de trabalho. 4. Aposentadoria A aposentadoria requerida voluntariamente por empregado e deixando este de trabalhar em razão de tal concessão, autoriza o saque dos depósitos do FGTS. 5. Falecimento do trabalhador. Nesse caso, os valores existentes na conta do FGTS do trabalhador serão pagos a seus dependentes, para esse fim habilitados perante a Previdência Social. Na falta de dependentes, farão jus ao recebimento dos referidos valores os sucessores do trabalhador, na forma prevista na lei civil, indicados em alvará judicial, expedido a requerimento do interessado, independentemente de inventário ou arrolamento. Movimentação durante a vigência do contrato de trabalho 6. Pagamento de parte das prestações decorrentes de financiamento habitacional junto ao SFH desde que: Conte com o mínimo de 3 anos de trabalho sob o regime do FGTS, na mesma empresa ou empresas distintas; O valor bloqueado seja utilizado, no mínimo, durante o prazo de 12 meses; O valor do abatimento atinja, no máximo, 80% do montante da prestação. 7. Liquidação ou amortização do saldo devedor de financiamento imobiliário. O trabalhador deverá contar com no mínimo 3 anos de trabalho sob o regime do FGTS. 8. Quando o trabalhador ou qualquer de seus dependentes for acometido por neoplasia maligna (câncer), ou for portador do vírus HIV, ou, ainda, estiver em estágio terminal em razão de doença grave.

5 9. Quando o trabalhador tiver idade igual ou superior a setenta anos. 10. Em caso de necessidade pessoal, cuja urgência e gravidade decorra de desastre natural. Em qualquer caso, a movimentação da conta vinculada do FGTS por menor de 18 anos dependerá da assistência do responsável legal (art. 42, Dec /1990). ACRÉSCIMO RESCISÓRIO A relação de emprego é protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, a Lei prevê indenização compensatória dentre outros direitos nesses casos (art. 7º, I, CF) A indenização devida ao empregado na hipótese de dispensa sem justa causa corresponde a 40% do montante de todos os depósitos realizados em sua conta vinculada durante a vigência do contrato de trabalho, atualizados monetariamente e acrescidos dos respectivos juros. A indenização deve ser depositada pelo empregador na conta vinculada do trabalhador no FGTS (art. 18, 1º, Lei 8.036/90). A multa indenizatória é devida também em caso de extinção do contrato de trabalho por falta grave do empregador: despedida indireta. Decorrendo a rescisão do contrato de trabalho de culpa recíproca ou força maior, a indenização será de 20% dos depósitos atualizados do FGTS (art. 18, 2º) As hipóteses de extinção da empresa e de falência inserem-se nos risco do empreendimento econômico, que deverá ser suportado pelo empregador (art. 2º, CLT), razão pela qual é direito do empregado ao recebimento da indenização de 40% dos depósitos atualizados do FGTS.

FGTS E ESTABILIDADE. Paula Freire Unimonte 2014

FGTS E ESTABILIDADE. Paula Freire Unimonte 2014 FGTS E ESTABILIDADE Paula Freire Unimonte 2014 REFERÊNCIAS NORMATIVAS E JURISPRUDENCIAIS: Legislação básica:, art. 7º, III; Lei 8.036/90, art. 1º-30. Legislação para estudo avançado: Decreto 99.684/90.

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

Conceito e Histórico dez anos de serviço estabilidade decenal direito de optar

Conceito e Histórico dez anos de serviço estabilidade decenal direito de optar Bom dia a todos! No nosso último encontro falamos de forma geral sobre as mais recentes alterações relativas ao empregado doméstico. Trataremos aqui de forma mais específica sobre o Fundo de Garantia por

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO ANOTAÇÃO CTPS NA EMPREGADO DISPENSADO, SEM JUSTA CAUSA, NO PERÍODO DE 30 DIAS QUE ANTECEDE A DATA DE SUA CORREÇÃO SALARIAL MULTA DO

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO ANOTAÇÃO CTPS NA EMPREGADO DISPENSADO, SEM JUSTA CAUSA, NO PERÍODO DE 30 DIAS QUE ANTECEDE A DATA DE SUA CORREÇÃO SALARIAL MULTA DO

Leia mais

Lei 8.036/90 ( FGTS: possibilidades e condições de utilização/saque; Certificado de Regularidade do FGTS; Guia de Recolhimento GRF)

Lei 8.036/90 ( FGTS: possibilidades e condições de utilização/saque; Certificado de Regularidade do FGTS; Guia de Recolhimento GRF) Lei 8.036/90 ( FGTS: possibilidades e condições de utilização/saque; Certificado de Regularidade do FGTS; Guia de Recolhimento GRF) FGTS Fundo indenizatório, criado com o objetivo de proteger o trabalhador

Leia mais

CONDIÇÕES DE SAQUE PARA FGTS

CONDIÇÕES DE SAQUE PARA FGTS CONDIÇÕES DE SAQUE PARA FGTS O trabalhador pode sacar os recursos de sua conta vinculada nas situações abaixo. Veja como comprovar para ter direito ao saque: DEMISSÃO SEM JUSTA CAUSA Documento de identificação

Leia mais

MÓDULO 10 RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO DA CONTA VINCULADA DO FGTS 10.6

MÓDULO 10 RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO DA CONTA VINCULADA DO FGTS 10.6 MÓDULO 10 RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO MOVIMENTAÇÃO 10.6 DA CONTA VINCULADA DO FGTS ÍNDICE ASSUNTO PÁGINA 10.6. MOVIMENTAÇÃO DA CONTA VINCULADA DO FGTS... 3 10.6.1. INTRODUÇÃO... 3 10.6.2. FINALIDADE

Leia mais

Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS

Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS Trabalho: Disciplina Direito do Trabalho Professora: Alessandra Tomaz Valor: 10 pontos Trabalho individual manuscrito Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS O FGTS é um depósito bancário destinado

Leia mais

RESCISÕES CONTRATUAIS

RESCISÕES CONTRATUAIS RESCISÕES CONTRATUAIS Regras para o Aviso Prévio Proporcional A Lei 12.506/2011 determinou um acréscimo de 3 (três) dias para cada ano trabalhado, limitado a 90 (noventa) dias de indenização. A nova regra

Leia mais

O BENEFICIO DO FGTS PARA O EMPREGADO.

O BENEFICIO DO FGTS PARA O EMPREGADO. O BENEFICIO DO FGTS PARA O EMPREGADO. Resumo Paola Guariso Crepaldi; Renato Nogueira Perez Avila Sheila Ribeiro Nunes Nos dias de hoje, as Empresas está muito preocupado com as questões trabalhistas, o

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/ Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS

http://www.lgncontabil.com.br/ Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS Sumário Introdução I - Contribuição previdenciária II - FGTS e demais verbas trabalhistas III - Rescisão contratual IV - Entendimentos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 198, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 198, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 198, DE 2014 Altera a Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, que dispõe sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), para permitir o saque do saldo do FGTS quando o trabalhador

Leia mais

X SUSPENSÃO CONTRATUAL E INTERRUPÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

X SUSPENSÃO CONTRATUAL E INTERRUPÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS X SUSPENSÃO CONTRATUAL E INTERRUPÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS I. DIFERENÇA DOS INSTITUTOS II. HIPÓTESE A: COMO TEMPO EFETIVO III. HIPÓTESE B: COMO TEMPO EFETIVO E SALÁRIO IV. HIPÓTESE C: COMO PARALISAÇÃO

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

EFETIVIDADE PARA A GARANTIA DO DÉBITO ALIMENTAR E A POSSIBILIDADE DE PENHORA DO FGTS DO TRABALHADOR/DEVEDOR

EFETIVIDADE PARA A GARANTIA DO DÉBITO ALIMENTAR E A POSSIBILIDADE DE PENHORA DO FGTS DO TRABALHADOR/DEVEDOR EFETIVIDADE PARA A GARANTIA DO DÉBITO ALIMENTAR E A POSSIBILIDADE DE PENHORA DO FGTS DO TRABALHADOR/DEVEDOR Paulo Mazzante de Paula SUMÁRIO: Introdução - 1. O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, o

Leia mais

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Versão 1.0 29/09/2015 Alterações em relação à versão anterior Não se aplica Simples Doméstico esocial 1. O que é o SIMPLES Doméstico? Vivemos um momento

Leia mais

DIREITOS BÁSICOS DO PROFESSOR

DIREITOS BÁSICOS DO PROFESSOR DIREITOS BÁSICOS DO PROFESSOR 1. INTRODUÇÃO Os direitos trabalhistas dos professores do ensino privado encontram-se distribuídos em um conjunto de normas jurídicas. A Constituição Federal (CF/88), a Consolidação

Leia mais

Legislação Específica Professor Carlos Arthur

Legislação Específica Professor Carlos Arthur Legislação Específica Professor Carlos Arthur 1. Os requisitos a serem atendidos pelo proponente que deseja utilizar os recursos da conta vinculada do FGTS na aquisição de imóvel residencial urbano, nas

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

CÓDIGOS DE SAQUES E PROCEDIMENTOS PARA MOVIMENTAÇÃO

CÓDIGOS DE SAQUES E PROCEDIMENTOS PARA MOVIMENTAÇÃO Página 1 de 16 FGTS CÓDIGOS DE SAQUES E PROCEDIMENTOS PARA MOVIMENTAÇÃO (Circular CEF 487/09) CIRCULAR CEF Nº 487, DE 18 DE SETEMBRO DE 2009 (DOU de 21.09.2009) Estabelece procedimentos para movimentação

Leia mais

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO VERBAS RESCISÓRIAS (Antes de qualquer procedimento rescisório, importante ler os cuidados especiais ao final Verbas adicionais) Dispensa Sem Justa Causa AvisoPrévio Dispensa

Leia mais

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS ROTEIRO DO CURSO ROTINAS TRABALHISTAS A A CIRCULAÇÃO O Curso de Rotinas Trabalhistas é composto de 7 módulos que serão remetidos aos cursandos de 15 em 15 dias. AUTORA VERA HELENA PALMA Advogada trabalhista,

Leia mais

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Versão 2.0 21/10/2015 Alterações em relação à versão anterior Alterado: itens 11, 13, 22, 29, 30, 33, 34, 40, 45, 47 e 50 Incluído: itens 12, 14, 15,

Leia mais

Capítulo III Informações Financeiras 93

Capítulo III Informações Financeiras 93 4.9 - MOVIMENTAÇÃO Informar a movimentação, com as datas de afastamento e retorno, no formato DD/MM/AAAA, bem como o código, conforme as situações discriminadas no quadro a seguir: Cód H I1 I2 I3 I4 J

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, critérios e normas de concessão de Empréstimo Pessoal aos participantes da PREVICEL Previdência Privada da CELEPAR, obedecendo as disposições legais vigentes sobre

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO

DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em julho/2015 DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO 1. DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO O presente artigo abordará os direitos do trabalhador

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

Estabelece procedimentos para movimentação das contas vinculadas do FGTS e baixa instruções complementares.

Estabelece procedimentos para movimentação das contas vinculadas do FGTS e baixa instruções complementares. Circular CAIXA nº 537, de 17.01.2011 - DOU 1 de 18.01.2011 Estabelece procedimentos para movimentação das contas vinculadas do FGTS e baixa instruções complementares. A Caixa Econômica Federal - CAIXA,

Leia mais

SAIBA COMO O FGTS PODE FAZER TODA A DIFERENÇA PARA VOCÊ

SAIBA COMO O FGTS PODE FAZER TODA A DIFERENÇA PARA VOCÊ SAIBA COMO O FGTS PODE FAZER TODA A DIFERENÇA PARA VOCÊ O que é o FGTS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) foi criado na década de 60 para assegurar ao trabalhador, quando demitido sem justa

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso CONTRATO DE TRABALHO Empregado Preso Muitas dúvidas surgem quando o empregador toma conhecimento que seu empregado encontra-se preso. As dúvidas mais comuns são no sentido de como ficará o contrato de

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento Básico. Fundação

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO E MÍNIMO... 5 6. PRAZOS... 5 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 7 9. CONDIÇÕES

Leia mais

AS REGRAS DO FGTS E A SEGURANÇA JURÍDICA

AS REGRAS DO FGTS E A SEGURANÇA JURÍDICA AS REGRAS DO FGTS E A SEGURANÇA JURÍDICA FERNANDO B. MENEGUIN 1 DÉBORA COSTA FERREIRA 2 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em

Leia mais

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Discriminação INSS Fundamento legal FGTS Fundamento legal IRRF Fundamento legal Abono de férias - pecuniário

Leia mais

PARECER Nº 003/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS:

PARECER Nº 003/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: PARECER Nº 003/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: PREFEITOS DE DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTOS: O FGTS E A CONVERSÃO DO REGIME CELETISTA PARA O ESTATUTÁRIO. DA CONSULTA: Trata-se de consulta formulada

Leia mais

Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19

Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19 Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19 1.1 NATUREZA JURÍDICA DO DIREITO DO TRABALHO... 19 1.1.1 Teoria do Direito Público... 19 1.1.2 Teoria do Direito

Leia mais

As férias serão concedidas em um só período. Somente em casos excepcionais (a lei

As férias serão concedidas em um só período. Somente em casos excepcionais (a lei 12. FÉRIAS 12.1 AQUISIÇÃO DE FÉRIAS O empregado adquire o direito de férias após 12 meses de vigência do contrato de prestação de trabalho. Não é possível conceder férias individuais a empregados com período

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 4º Semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula. 15º Ponto Aviso Prévio.

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 4º Semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula. 15º Ponto Aviso Prévio. Aviso Prévio 1. Conceito 2. Cabimento 3. Prazo 4. Início da contagem do prazo 5. Ausência do aviso prévio 6. Anotação na CTPS da data do encerramento do contrato de trabalho 7. Renúncia do período de aviso

Leia mais

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções """"'''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho """""""""""""""'''''' 24

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções '''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho '''''' 24 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE DIREITO DO TRABALHO 1 I. Conceito................. I 2. Natureza e autonomia I Competência para legislar sobre Direito do Trabalho 2 Normas de Direito do Trabalho 3 1. Normas Trabalhistas

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO 1 RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO Camila Cristina Verly Vieira 1 Márcia Serafim Alves 2 Resumo: Como base sobre o termo rescisório o objetivo é demonstrar as diversas formas de se rescindir

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS DIRETORIA DO FUNDO DE GARANTIA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS DIRETORIA DO FUNDO DE GARANTIA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS DIRETORIA DO FUNDO DE GARANTIA CIRCULAR CAIXA Nº 296, DE 19 DE SETEMBRO DE 2003 Estabelece procedimentos para movimentação das contas

Leia mais

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015 NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015 1. DA FINALIDADE Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal Modalidade Prestações Pós Fixadas pelo

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal 2 Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Índice CAPÍTULO I DA FINALIDADE... 4 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES ELEGÍVEIS... 4 CAPÍTULO III DOS LIMITES

Leia mais

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador A Personale Consultoria em Recursos Humanos compilou as principais dúvidas referentes aos direitos e deveres dos trabalhadores no Brasil, baseado no

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO PÁGINA 1/7 CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Dados do Contratante Nome: CPF: - Carteira de Identidade: Órgão: Matrícula: - Endereço: Bairro: Cidade: UF: CEP: - Estado Civil: Profissão: Empresa: Lotação: Banco: Agência:

Leia mais

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Simples Doméstico Legislação Lei Complementar n 150/2015 Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Quem é empregado doméstico? Art. 1 o da LC n 150/2015 Ao empregado doméstico, assim considerado

Leia mais

Instruções de Impressão

Instruções de Impressão Instruções de Impressão 1. O modelo deverá ser plano e impresso em papel A4, na cor branca, com 297 milímetros de altura e 210 milímetros de largura em papel com, ao menos, 75 gramas por metro quadrado.

Leia mais

GFIP - GUIA DE RECOLHIMENTO DO FGTS E INFORMAÇÕES À PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO PARA O EMPREGADOR DOMÉSTICO

GFIP - GUIA DE RECOLHIMENTO DO FGTS E INFORMAÇÕES À PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO PARA O EMPREGADOR DOMÉSTICO GFIP - GUIA DE RECOLHIMENTO DO FGTS E INFORMAÇÕES À PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO PARA O EMPREGADOR DOMÉSTICO CAMPO 02 RAZÃO SOCIAL/NOME DO EMPREGADOR Indicar o nome do empregador CAMPO

Leia mais

MANUAL FGTS MOVIMENTAÇÃO DA CONTA VINCULADA

MANUAL FGTS MOVIMENTAÇÃO DA CONTA VINCULADA MANUAL FGTS MOVIMENTAÇÃO DA CONTA VINCULADA VIFUG Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias SUFUG Superintendência Nacional do Fundo de Garantia GEPAS Gerência Nacional de Administração do Passivo

Leia mais

Cargos/Funções necessárias no desenvolvimento das atividades: GERENTE DE ATIVIDADE, ASSISTENTE TÉCNICO ESPECIALIZADO E ASSISTENTE OPERACIONAL

Cargos/Funções necessárias no desenvolvimento das atividades: GERENTE DE ATIVIDADE, ASSISTENTE TÉCNICO ESPECIALIZADO E ASSISTENTE OPERACIONAL Cargos/Funções necessárias no desenvolvimento das atividades: GERENTE DE ATIVIDADE, ASSISTENTE TÉCNICO ESPECIALIZADO E ASSISTENTE OPERACIONAL MACRO FUNÇÃO ATIVIDADE TAREFA Verificar Tabela de Bancos, Analisar

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz na 330ª reunião de 14/09/2011 e na 331ª reunião de 23/09/2011. Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/10/2011. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

AVISO PRÉVIO AVISO PRÉVIO - CONCEITO. (art. 7, XXI, CRFB/88 e art. 487, CLT)

AVISO PRÉVIO AVISO PRÉVIO - CONCEITO. (art. 7, XXI, CRFB/88 e art. 487, CLT) Direito do Trabalho Aviso prévio Maria Inês Gerardo (art. 7, XXI, CRFB/88 e art. 487, CLT) - CONCEITO É comunicação que uma parte do contrato deve fazer à outra de que pretende rescindir o referido pacto

Leia mais

V.1 - Remuneração Exemplo:

V.1 - Remuneração Exemplo: V.1 - Remuneração Exemplo: Salário do empregado R$ 1.000,00 Direito 30 dias 10 dias em abono pecuniário Valor das Férias R$ 1.000,00 : 30 x 20 + 1/3 CF/88 = R$ 666,66 + R$ 222,22 = R$ 888,88 Valor do Abono

Leia mais

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 Altera a Portaria nº 1.621 de 14/07/2010, que aprovou os modelos de Termos de Rescisão do Contrato de Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz em 18 e 25/01/13 (Ata da 401ª e 403ª reunião). Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/03/2013. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ CAPÍTULO I

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 DOU Nº 131, segunda-feira, 9 de julho de 2012 Seção 1 Página 108 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 Altera a Portaria nº 1.621, de 14 de julho de 2010, que aprovou os modelos

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

2. DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Art. 2º A solicitação de empréstimo será efetuada mediante preenchimento de formulário fornecido pelo AGROS.

2. DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Art. 2º A solicitação de empréstimo será efetuada mediante preenchimento de formulário fornecido pelo AGROS. NORMAS PARA HABILITAÇÃO, CONCESSÃO E ADMINISTRAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1. INTRODUÇÃO Art. 1º Estas Normas disciplinam as condições para concessão, manutenção e amortização de Empréstimos Simples, Saúde e Emergência

Leia mais

INQUÉRITO PARA APURAÇÃO DE FALTA GRAVE

INQUÉRITO PARA APURAÇÃO DE FALTA GRAVE ESTABILIDADE ESTABILIDADE DEFINITIVA X ESTABILIDADE PROVISÓRIA (GARANTIA DE EMPREGO) DIRIGENTE SINDICAL Art. 8, VIII CF + Art. 543, 3º CLT + Súmula 369 TST Tanto titulares como SUPLENTES (dirigentes sindicais)

Leia mais

Direitos na Rescisão Folha 1:

Direitos na Rescisão Folha 1: Direitos na Rescisão Folha 1: 1º dia útil após o término do 04 EXPERIÊNCIA c) Férias proporcionais aos meses trabalhados contrato d) Salário família (se for o caso) c) Férias proporcionais aos meses trabalhados

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista www.sato.adm.br 1987 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Relatório Trabalhista Nº 058 22/07/99 DIRETOR NÃO EMPREGADO EMPRESÁRIO O empregado eleito para

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

Faz parte de um grupo empresarial nacional voltado para a prestação de serviços às empresas privadas e públicas.

Faz parte de um grupo empresarial nacional voltado para a prestação de serviços às empresas privadas e públicas. A NK Assessoria Contábil e Fiscal Ltda. Faz parte de um grupo empresarial nacional voltado para a prestação de serviços às empresas privadas e públicas. Nossa organização iniciou suas atividades em 1977,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 05/11/2014 10:02 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002761/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066410/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.007110/2014-12

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC CONDIÇÕES GERAIS DO PIC I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO CNPJ: 23.025.711/0001-16 PIC - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005217/2012-63 WEB-SITE:

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A doença do empregado e o contrato de trabalho Rodrigo Ribeiro Bueno*. A COMPROVAÇÃO DA DOENÇA DO EMPREGADO A justificação da ausência do empregado motivada por doença, para a percepção

Leia mais

O que é o Parcelamento de Débitos do FGTS. Débitos que podem ser parcelados. Onde solicitar o Parcelamento. Versão I 19/08/2013 2

O que é o Parcelamento de Débitos do FGTS. Débitos que podem ser parcelados. Onde solicitar o Parcelamento. Versão I 19/08/2013 2 GIFUG/FL RECUPERAR CRÉDITOS PARCELAMENTO FGTS GUIA DE ORIENTAÇÕES AO EMPREGADOR O que é o Parcelamento de Débitos do FGTS O Parcelamento do FGTS é uma alternativa de liquidação de débitos concedida aos

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 358 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 358 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 358 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901125/2013-97 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

1/7. Prof. Wilson Roberto

1/7. Prof. Wilson Roberto 1/7 5. Contrato individual de trabalho: Contribuição Sindical, INSS, Salário-família, IRRF trabalho assalariado, PIS/PASEP, e CAGED Contribuição Sindical A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Vice-Presidência de Transferência de Benefícios. Superintendência Nacional de Fundo de Garantia

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Vice-Presidência de Transferência de Benefícios. Superintendência Nacional de Fundo de Garantia CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Transferência de Benefícios Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Circular nº.404, de 29 de março de 2007. Estabelece procedimentos para movimentação

Leia mais

Custas, pela reclamada, no valor de R$200,00, calculadas sobre o valor de R$10.000,00, arbitrado à condenação acima.

Custas, pela reclamada, no valor de R$200,00, calculadas sobre o valor de R$10.000,00, arbitrado à condenação acima. 3 - CONCLUSÃO: Face ao exposto, no exercício do poder que emana do povo, na titularidade da 10ª Vara do Trabalho de Maceió/AL., e por tudo que consta dos autos, resolvemos JULGAR PROCEDENTE EM PARTE a

Leia mais

Abordagem nas fiscalizações envolvendo a concessão de salários indiretos e benefícios

Abordagem nas fiscalizações envolvendo a concessão de salários indiretos e benefícios Abordagem nas fiscalizações envolvendo a concessão de salários indiretos e benefícios Antes Delegacia Regional do Trabalho Subdelegacias do Trabalho Agências de Atendimento Hoje Superintendência Regional

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON ANDRADE;

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria Nº 509, de 27

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO 1 CONCEITO O Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PASEP foi criado pelo Governo Federal

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 389 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 389 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 389 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901471/2013-75 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais