Especial Unicamp PROPOSTA DE REDAÇÃO - 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Especial Unicamp PROPOSTA DE REDAÇÃO - 1"

Transcrição

1 Especial Unicamp O ensino de língua portuguesa deve promover no aluno o desenvolvimento do potencial crítico, sua percepção das múltiplas possibilidades de expressão linguística, sua capacitação como leitor dos mais diversos textos representativos de nossa cultura. (PCNEM, 2006, p.55) PROPOSTA DE REDAÇÃO A prova de Redação da Unicamp sempre teve como objetivo principal avaliar a leitura e a escrita como processos integrados de construção de sentidos. Buscamos não apenas salientar a importância da escrita e da leitura para o aluno de nossa Universidade, mas também promover novas possibilidades para a escola investir em práticas mais profícuas de recepção e produção textuais. Ao apresentar duas propostas obrigatórias de produção de texto, sem que os candidatos saibam de antemão quais serão os gêneros solicitados, a prova de redação da Unicamp oferece a possibilidade de uma relação mais substantiva com a leitura e com a escrita. Cada uma das propostas é, portanto, antecedida por um enunciado que fornece as condições de produção textual, situando o candidato em relação ao propósito de sua escrita (aproveitamento do texto lido, motor gerador da razão de escrever o texto, lugar de avaliação da compreensão em leitura), ao gênero do texto que deverá ser produzido e à interlocução (enunciador e interlocutor) a ser construída. Propósito, interlocução, gênero e modalidade escrita (coesão e adequação léxico-gramatical) fornecem ao candidato as condições para a produção de seu texto e, portanto, definem os elementos balizadores para a correção. Número de linhas estipulado para cada texto: até 24 linhas. Valor de cada texto: de 0 a 24 pontos. Total da prova de Redação: 48 pontos. Só haverá anulação da prova de Redação se os dois textos forem anulados. Em face da grande diversidade de gêneros textuais, a Banca Examinadora espera que o candidato esteja preparado para produzir, entre outros, dois dos gêneros abaixo listados: carta pessoal, , diário, blog, relato pessoal, depoimento, texto de divulgação científica, relatório, texto de campanha social, artigo de opinião, notícia, reportagem, entrevista, crônica, anúncio publicitário, editorial, carta ao leitor, manifesto, abaixo-assinado, manual de instruções, verbete, resumo, resenha etc. ATENÇÃO! É importante que o candidato atente às instruções da Banca Examinadora, a fim de mobilizar os recursos mais adequados ao propósito de cada tarefa. Se lhe for solicitada a produção de um texto informativo, por exemplo, caberá ser mais direto e objetivo, em vez de preocupar-se com criatividade ou originalidade. Clareza e precisão devem caracterizar seu texto. Ao ler as instruções, recomenda-se perguntar: 1. Qual o gênero textual solicitado? 2. Em que pessoa deverá ser escrito o texto? 3. Qual o propósito do texto? 4. A quem será destinado o texto? 5. Qual a linguagem mais adequada ao texto? - 1

2 2- DEFINIÇÃO DE ALGUNS GÊNEROS TEXTUAIS QUE PODEM SER SOLICITADOS Blog: é um site cuja estrutura permite a atualização rápida a partir de acréscimos dos chamados artigos ou posts. Muitos blogs fornecem comentários ou notícias sobre um assunto em particular; outros funcionam mais como diários online. (Wikipédia) Notícia: escrito sintético sobre um assunto qualquer; relato de fatos e acontecimentos, recentes ou atuais, ocorridos no país ou no mundo, veiculado em jornal, televisão, revista etc. (Houaiss) Reportagem: atividade jornalística que compreende geralmente cobertura de acontecimento, apuração de fatos, pesquisa de assunto, interpretação de informações e redação de texto final. (Aulete) Crônica: texto literário breve, em geral narrativo, de trama quase sempre pouco definida e motivos, na maior parte, extraídos do cotidiano imediato. (Houaiss) Obs.: a crônica pode ser também reflexiva, isto é, conter as impressões pessoais do autor sobre determinado assunto. Carta: mensagem, manuscrita ou impressa, a uma pessoa ou a uma organização, para comunicar-lhe algo. (Houaiss) Obs.: a Unicamp pode, eventualmente, solicitar uma carta pessoal. Nesse caso, recomenda-se levar em conta não apenas o autor da carta (definido pela Banca), mas também o interlocutor (destinatário da carta), a fim de escolher a linguagem mais apropriada. Depoimento: declaração da testemunha sobre determinado fato, do qual tem conhecimento ou que se relacione com seus interesses e que figura no processo como prova testemunhal. (Houaiss) Obs.: a Unicamp pode vir a propor a elaboração de um depoimento num contexto diferente do jurídico. Um relato pessoal, de caráter instrutivo, é um exemplo do que pode ser solicitado. Diário: caderno, livro etc. em que alguém registra diária ou quase diariamente os acontecimentos de sua vida, seus pensamentos etc. (Aulete) Resumo: condensação em poucas palavras do que foi dito ou escrito mais extensamente. (Michaelis) Resenha: análise crítica ou informativa de um livro; recensão. (Houaiss) Entrevista: diálogo conduzido por um jornalista com o fim de realizar matéria sobre a pessoa escolhida ou assunto de sua especialidade. (Aulete) Editorial: artigo em que se discute uma questão, apresentando o ponto de vista do jornal, da empresa jornalística ou do redator-chefe; artigo de fundo. (Houaiss) Texto científico: transmite, de modo claro e inteligível, conhecimento de natureza científica. Utiliza-se de recursos variados, como exemplos, comparações, relações de causa e efeito, resultado de pesquisas e testes, dados estatísticos, circunstância etc. (Aulete) Sinopse: relato breve; síntese, sumário. Ex.: sinopse de um filme, de um livro, de uma ópera. (Houaiss) Anúncio: mensagem que procura transmitir ao público, por meio de recursos técnicos e através dos veículos de comunicação, as qualidades e eventuais benefícios de determinada marca, produto, serviço ou instituição. (Houaiss) Panfleto: texto curto, violento e sensacionalista, geralmente sobre assuntos políticos, impresso em folha avulsa ou folheto, e de distribuição limitada. (Houaiss) Folder: impresso de pequeno porte, constituído de uma só folha de papel com uma ou mais dobras, e que apresenta conteúdo informativo ou publicitário; folheto. (Houaiss) Obs.: o folder pode também ter utilidade educativa, visando a oferecer orientação sobre assuntos como saúde, prevenção, segurança etc. Pode ainda conter instruções sobre como comportar-se diante de determinada ocorrência. Abaixo-assinado: documento coletivo, de caráter público ou restrito, que torna manifesta a opinião de grupo e/ou comunidade, ou representa os interesses dos que o assinam. (Houaiss) Artigo de opinião: texto jornalístico que expõe a opinião do autor sobre determinado assunto, em geral de interesse dos leitores de periódicos como jornais e revistas. Verbete: cada uma das entradas (palavras listadas) de um dicionário, enciclopédia etc., que contém informações sobre um assunto (o significado de uma palavra, p. ex.) (Aulete) Comentário: apreciação, análise, opinião expressa sobre um fato, uma situação, uma circunstância etc. (Aulete)

3 Especial Unicamp - 3

4 4-

5 - 5

6 6-

7 Simulado Unicamp Texto 1 Leia a matéria abaixo, publicada no site Imagine que você seja um professor de uma escola particular que se interessou pelo artigo sobre educação inclusiva e decidiu divulgá-lo no site de sua escola. Para isso, fez uma pequena entrevista com o fundador do Instituto Rodrigo Mendes, que assina o texto abaixo. Crie essa entrevista, marcada pelo discurso oral formal, na qual deverão constar, necessariamente: três perguntas que explorem dados importantes da matéria; e as respectivas respostas, também com base na matéria. Lembre-se de que não deverá recorrer à mera colagem de trechos do texto lido. A MIOPIA DO MODELO SEGREGADOR DE ENSINO Recentemente, visitei a escola estadual Clarisse Fecury, situada na periferia de Rio Branco (Acre). Ela atende a 611 estudantes, dos quais 27 têm algum tipo de deficiência. A natural interação entre crianças que, até pouco tempo, eram privadas do convívio social, é inspiradora. Alunos com limitações cognitivas e motoras participam da sala de aula comum e recebem atendimento especializado na própria escola, em horário complementar. As aulas de Libras (Língua Brasileira de Sinais) são frequentadas por todos, não só por crianças surdas. Liderança comunitária, investimento contínuo em formação de educadores e reuniões diárias de planejamento são algumas das estratégias que explicam o êxito da escola na criação de condições genuínas de socialização e aprendizagem. De acordo com a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, promulgada pela ONU em 2006, os países devem assegurar um sistema de educação inclusiva em todos os níveis de ensino. O Brasil, signatário, aprovou uma avançada legislação a respeito no governo Lula. A diretriz é que toda criança com deficiência, transtorno global de desenvolvimento ou altas habilidades (segmentos tradicionalmente encaminhados para escolas especiais) seja matriculada na rede regular de ensino e estude em classes comuns. O atendimento especializado continua a existir, porém, como um complemento realizado no contraturno do ensino regular. Apesar de coerente com o pensamento contemporâneo sobre pedagogia e direitos humanos, temos observado uma série de grupos que resistem a esse modelo. Em resumo, argumentam que os educadores não estão preparados, as escolas não têm infraestrutura adequada e as crianças com deficiência não conseguirão acompanhar o desenvolvimento dos outros alunos, podendo até atrapalhá-los. Defendem, portanto, a permanência dessas crianças na escola especial onde, duvidosamente, seriam melhor acolhidas e teriam maiores possibilidades de aprendizagem. Para quem nunca teve a oportunidade de refletir sobre o assunto, tais argumentos podem soar razoáveis. No entanto, em primeiro lugar, não é de hoje que as pesquisas sobre o processo de aprendizagem indicam que toda criança aprende, sejam quais forem suas particularidades intelectuais, sensoriais e físicas. Esse processo é singular e significativamente estimulado pela interação com pessoas diferentes. Em segundo lugar, não há dúvida de que a construção de uma rede de ensino inclusiva é extremamente desafiadora. Entre outras coisas, exige comprometimento e disposição para mudanças estruturais. Além de ser um direito, a educação inclusiva é uma resposta inteligente às demandas do mundo contemporâneo. Incentiva uma pedagogia não homogeneizadora e desenvolve competências interpessoais. A sala de aula deveria espelhar a diversidade humana, não escondê-la. Claro que isso gera novas tensões e conflitos, mas também estimula as habilidades morais para a convivência democrática. O resultado final, desfocado pela miopia de alguns, é uma educação melhor para todos. Rodrigo Hübner Mendes, fundador do Instituto Rodrigo Mendes - 7

8 Texto 2 Imagine que você seja um estudante do Ensino Médio que, ao navegar em uma página da internet especializada em saúde, se depara com uma reportagem que revela um aumento no número de jovens contaminados pela Aids. Você decide, então, criar um folder, a ser distribuído na escola em que você estuda. No folder, você deverá: destacar o aumento do número de jovens infectados pelo vírus HIV; apontar três causas desse aumento; oferecer dicas de prevenção da contaminação; incentivar os jovens a buscarem informação, indicando os locais onde poderão obter orientação. Uma geração que desconhece a Aids Dúvidas sobre a doença representam 85% das perguntas enviadas a uma rede social gerenciada pelo governo e que tem os jovens como público-alvo. O aumento no índice de pessoas com idade entre 15 e 24 anos infectadas pelo vírus da Aids, confrontado com o fato de as principais dúvidas registradas em rede social montada pelo governo estarem relacionadas ao tema, mostra que a doença ainda é uma incógnita entre os jovens brasileiros. O perfil do Ministério da Saúde na internet dedicado a perguntas e respostas, o Formspring, é recheado de questionamentos com relações ao vírus, aos sintomas, ao diagnóstico e às formas de contágio. Um levantamento realizado pela pasta a pedido do Correio mostra que, de 1º de dezembro de 2011 a 15 de janeiro deste ano, 85% das 475 perguntas registradas na rede foram relacionadas à Aids e a outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). A falta de informação não é novidade para a coordenadora do Instituto Vida Positiva, Vicky Tavares. Segundo ela, os números só mostram que os jovens não entendem a gravidade da doença. "Eles acham que nunca serão contaminados. Quem tem menos de 30 anos não viveu o horror da doença nas décadas de 1980 e 1990", frisa. Vicky acredita que o fato de existir tratamento e de ter como controlar a doença faz com que os jovens assumam outras prioridades. "Eles têm mais medo da gravidez do que da Aids", destaca. O último Boletim Epidemiológico (ano-base 2010) mostra que, enquanto o índice de pessoas infectadas em todo o país estabilizou, o número de casos entre jovens passou de em 2005 para em O Distrito Federal é um exemplo desse aumento. De modo geral, houve queda nos registros de casos da doença na capital do país, mas [houve] um avanço no número de mortes de jovens de 15 a 24 anos soropositivos de dois casos em 2006 para sete em Em todas as faixas etárias, foram registradas 116 mortes, o mesmo índice de Soropositivo, Roberto Pereira*, 15 anos, contraiu a doença no parto. Ele conta que seus amigos não têm ideia do que seja ter Aids nem acreditam estar sujeitos ao vírus. "Eles acham que só quem é magro tem HIV. Pensam que meninas bonitas nunca poderão contaminar alguém. Alguns ainda acham que é mentira, que a transmissão não é fácil", afirma o jovem alto e de porte atlético. O psicólogo e coordenador do Polo de Prevenção à DST/Aids da Universidade de Brasília, Mário Ângelo Silva, explica que existe uma relação muito estreita entre o aumento no número de infectados e a falta de consciência do risco, considerando que os jovens estão em uma situação de maior vulnerabilidade por estarem iniciando a vida sexual. A desinformação aliada ao preconceito, segundo ele, faz com que os jovens, quando têm dúvidas sobre a doença, procurem canais de comunicação que vão além da família, dos médicos e dos professores. "A dificuldade no acesso aos postos de saúde é grande, tanto para conseguir preservativo quanto para tirar dúvidas. Em alguns casos, é preciso marcar uma consulta. Isso faz com que os jovens apelem para esses canais, muitas vezes de forma anônima, para que possam mostrar quais preocupações e problemas estão enfrentando", destaca. "O assunto ainda é um tabu e também não faz parte do que é discutido na escola". *Nome fictício Disponível em: 8-

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Colégio Monteiro Lobato

Colégio Monteiro Lobato Colégio Monteiro Lobato Disciplina: Anual 2013 Redação Professor (a): Barbara Venturoso Série: 6º ano Turma: A PLANEJAMENTO ANUAL 2013 Plano de curso Conteúdos Procedimentos Objetivos Avaliações 1º Trimestre

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco NOTÍCIAS Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco Mobilizar. Colaborar. Transformar. Muitas foram as motivações que levaram você e mais 791 colaboradores Itaú Unibanco (e

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL

OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL Caro Monitor, A proposta desta oficina é conduzir o aluno ao exercício da escrita por meio de temas relacionados à Biologia. O presente material sugere diferentes temas para

Leia mais

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR AIDS Preocupa Terceira Idade 1 Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR RESUMO Os primeiros casos de HIV, vírus da síndrome da imunodeficiência

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

Capítulo 30 Redação Págs. 128 a 141. Professora Rosa Barreiros abr / 2014 SER!PRÉ-VESTIBULAR

Capítulo 30 Redação Págs. 128 a 141. Professora Rosa Barreiros abr / 2014 SER!PRÉ-VESTIBULAR Capítulo 30 Redação Págs. 128 a 141 Professora Rosa Barreiros abr / 2014 SER!PRÉ-VESTIBULAR A REDAÇÃO NA UNICAMP Uma prova de leitura e escrita O que diz a Unicamp sobre sua prova de redação A longa tradição

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites

Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites Apoio: Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS Secretaria de Estado da Saúde VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

COMO TORNAR O ESTUDO E A APRENDIZAGEM MAIS EFICAZES

COMO TORNAR O ESTUDO E A APRENDIZAGEM MAIS EFICAZES COMO TORNAR O ESTUDO E A APRENDIZAGEM MAIS EFICAZES 1 Eficácia nos estudos 2 Anotação 2.1 Anotações corridas 2.2 Anotações esquemáticas 2.3 Anotações resumidas 3 Sublinha 4 Vocabulário 5 Seminário 1 EFICÁCIA

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Maranhão SEBRAE/MA

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Maranhão SEBRAE/MA ANEXO I DEMONSTRATIVO DOS CARGOS, REQUISITOS, JORNADA DE TRABALHO, VENCIMENTOS E NÚMERO DE CADASTROS RESERVA 1. Analista Técnico I Nível 1 CÓD PÓLO / MUNICÍPIOS REQUISITOS JORNADA DE TRABALHO (semanal)

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PROJETO PLUGADOS NA PREVENÇÃO : UMA PESQUISA COM ADOLESCENTES DE PONTA GROSSA, RELACIONANDO AS TEMÁTICAS FAMÍLIA E SEXUALIDADE

PROJETO PLUGADOS NA PREVENÇÃO : UMA PESQUISA COM ADOLESCENTES DE PONTA GROSSA, RELACIONANDO AS TEMÁTICAS FAMÍLIA E SEXUALIDADE 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROJETO PLUGADOS NA PREVENÇÃO : UMA PESQUISA COM ADOLESCENTES

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

Admissão de alunos 2016

Admissão de alunos 2016 Tradição em Excelência Admissão de alunos 2016 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 8⁰ ANO ENSINO FUNDAMENTAL II CIÊNCIAS 1. ORIGEM DA TERRA 1.1. Origem da vida no Planeta Terra (principais teorias). 1.2. Fósseis,

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 1. Tema As relações interpessoais na atualidade. 2. Delimitação do tema As relações humanas e a socialização. 3. Problema Qual a importância das relações interpessoais

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE NEDEL¹, Vera SILVA²,Maria Elena Neves da Resumo O presente artigo relata a importância do uso das tecnologias. As lutas dos surdos pelo direito

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Mesa-redonda: Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Debatedores: Profª, mestranda em Letras (UFSM) e professora de ensino médio público estadual; e Profª Me. Tânia Maria

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA 2015 (7ª EDIÇÃO)

REGULAMENTO DO CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA 2015 (7ª EDIÇÃO) REGULAMENTO DO CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA 2015 (7ª EDIÇÃO) 1. Regulamento do Concurso Tempos de Escola 2015 1.1. O concurso O Concurso Tempos de Escola - 7ª edição é uma iniciativa do Instituto Votorantim,

Leia mais

Oficina inaugural sobre o texto dissertativo-argumentativo

Oficina inaugural sobre o texto dissertativo-argumentativo Caro Monitor, Oficina inaugural sobre o texto dissertativo-argumentativo Esta oficina tem como objetivo geral favorecer o primeiro contato do aluno da EJA Ensino Médio com o tipo textual que será exigido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Página 1 de 8 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COMISSÃO DO CONCURSO PÚBLICO ESPELHO DA PROVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Página 1 de 8 PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COMISSÃO DO CONCURSO PÚBLICO ESPELHO DA PROVA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Página 1 de 8 CONCURSO PÚBLICO 2012 - PROVIMENTO DE CARGOS TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS CATEGORIA: REDATOR DE TV ESPELHO DA PROVA QUESTÃO 01 Redija uma nota coberta para telejornal

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

ESTRUTURA DO TIID 2010

ESTRUTURA DO TIID 2010 ESTRUTURA DO TIID 2010 7. Anexos c 7. A ficha de entrevista, agora com as respostas, deve ser apresentada como anexo, após as referências bibliográficas. 6. Referências Bibliográficas 6. As referências

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu. A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.br RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar algumas sugestões de

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Vídeo sobre educação preventiva ao HIV/Aids é apresentado pelo Escritório da UNESCO em Brasília no III Jamboree Nacional Escoteiro 27 de julho de

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ALEMÃO, FRANCÊS, INGLÊS LE I 1º, 2º e 3º CICLOS Direcção Regional da Educação e Formação 2011 Metas de Aprendizagem para as Línguas Estrangeiras Alemão,

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA A IMPORTÂNCIA DA LEITURA Quem não possui o hábito da leitura, precisa desenvolvê-lo, pois é difícil uma formação de qualidade sem muita leitura. Como você costuma selecionar seu material de leitura? O

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

MÍDIA FJU - A VOZ DA FORÇA JOVEM

MÍDIA FJU - A VOZ DA FORÇA JOVEM P R O J E T O ANO 2015 MÍDIA FJU - A VOZ DA FORÇA JOVEM #QUEMSOMOS O MÍDIA FJU é o projeto da Força Jovem Universal responsável por divulgar e fazer conhecido tudo o que acontece na FJU, tanto para o público

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês

Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês 09 dezembro de 2010 Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês Mais da metade das novas infecções pelo HIV/aids que ocorrem no Brasil atinge adolescentes e jovens com idade entre 15 e 24

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar).

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Projeto Blogs! Paraná Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Introdução Enquanto a tecnologia avança vertiginosamente, o problema da exclusão digital persiste

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Vinícius DAMAZIO 2 Luciana PACHECO 3 Gabriel SAMPAIO 4 Sylvia MORETZSOHN 5 Ildo NASCIMENTO 6 Universidade Federal Fluminense, Niterói,

Leia mais

Comunicação para dois Egos - Anexos. Anexos

Comunicação para dois Egos - Anexos. Anexos Comunicação para dois Egos - Anexos Anexos Índice de Anexos: Anexo 1 Exemplos dos Géneros Jornalísticos apresentados nas revistas em análise: Editorial 3 Artigo 4 Notícia 6 Reportagem 7 Grande Reportagem

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: : Gestão e Negócios MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Superior em Administração/Bacharelado FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 4º Querido (a) aluno(a), SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade ajudá-lo (a) a se organizar melhor em seu hábito de estudo

Leia mais

SÍNTESE DOS PROJETOS DESENVOLVIDOS NA ESCOLA.

SÍNTESE DOS PROJETOS DESENVOLVIDOS NA ESCOLA. SÍNTESE DOS PROJETOS DESENVOLVIDOS NA ESCOLA. Caracterização da Escola. A escola define se como fonte de cultura e vida, subsidiando o indivíduo para exercer o papel participativo, consciente e crítico,

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Secretária de Educação Especial Claudia Pereira Dutra MINISTÉRIO

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão em Saúde Mental. PERFIL PROFISSIONAL: Entender

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

ANO 2014. As provas do DELE são compostas por seis níveis. Cada um deles é obtido após a aprovação do mesmo.

ANO 2014. As provas do DELE são compostas por seis níveis. Cada um deles é obtido após a aprovação do mesmo. REGULAMENTO PARA A INSCRIÇÃO EM PROVA DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA ESPANHOLA PARA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL 1. ABERTURA ANO 2014 A Universidade

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

Curso de Especialização EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL

Curso de Especialização EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL Curso de Especialização EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação Gestão Educacional NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Administração

Leia mais

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Thaísa Fortuni Thaísa Fortuni 15 dicas de Mídias Sociais para Moda Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Sobre Thaísa Fortuni Publicitária por formação, escritora e empreendora digital. Trabalha

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

Jornal na sala de aula

Jornal na sala de aula Professora Orientadora: Silvânia Maria da Silva Amorim Cruz Titulação: Pós-graduada em Língua Portuguesa Instituição: Escola Estadual Cônego Olímpio Torres Tuparetama/PE E-mail: silvania26@bol.com.br Jornal

Leia mais

Universidade de Cuiabá. Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas

Universidade de Cuiabá. Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas Universidade de Cuiabá Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente:

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: Dúvidas, Mitos e Verdades.

EDUCAÇÃO ESPECIAL: Dúvidas, Mitos e Verdades. EDUCAÇÃO ESPECIAL: Dúvidas, Mitos e Verdades. EDUCAÇÃO ESPECIAL E EDUCAÇÃO INCLUSIVA É A MESMA COISA? Educação Especial Modalidade de ensino que perpassa todos os níveis, sendo ofertada aos alunos com

Leia mais

Língua Portuguesa 1ºEM

Língua Portuguesa 1ºEM ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO PROVÍNCIA DO PARANÁ Colégio Social Madre Clélia Língua Portuguesa 1ºEM Prof. Eliana Martens A prova de redação é extremamente importante em vestibulares e em concursos Avalia diferentes

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias Competências.Adquirir conhecimentos sobre a cultura e civilização Anglo- Americana numa perspectiva intercultural. - Aprofundar o conhecimento da realidade Portuguesa através do confronto com aspectos

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E ESPECIAL

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E ESPECIAL Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E ESPECIAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E ESPECIAL. AMPARO LEGAL E

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Habilitação Profissional: Técnico em Transações Imobiliárias

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Habilitação Profissional: Técnico em Transações Imobiliárias Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte Código: 135 Município: Bauru/SP Área Profissional: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em

Leia mais