Relatório dos Treinamentos para Atualização em DST/HIV/AIDS e Controle Social de Políticas Públicas de Saúde pelos Terreiros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório dos Treinamentos para Atualização em DST/HIV/AIDS e Controle Social de Políticas Públicas de Saúde pelos Terreiros"

Transcrição

1 Relatório dos Treinamentos para Atualização em DST/HIV/AIDS e Controle Social de Políticas Públicas de Saúde pelos Terreiros Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde Consultor: José Marmo da Silva

2 Relatório dos Treinamentos para Atualização em DST/HIV/AIDS e Controle Social de Políticas Públicas de Saúde pelos Terreiros Introdução: As religiões de matrizes africanas, conforme sua origem na África, localização geográfica no Brasil e interação com outros grupos não negros(índios e brancos) tomam diversas denominações: Umbanda, Candomblé (em suas variações de angola, ketu, jejê, ijexá), Tambor de mina, Tambor de caboclo, Terecô, Encantaria, Jurema, Xangô, Xambá e Batuque. O número de terreiros continua crescendo, e segundo pesquisadores já ultrapassam a marca de 60 mil espalhados no país. Apesar da entrada dos brancos nessa tradição religiosa e de pessoas da classe média, a população dos terreiros ainda é constituída, em sua maioria, de negros e negras, de baixa renda, pouca ou nenhuma escolaridade, moradores de subúrbios e periferia. Esse perfil da população dos terreiros certamente interfere no processo saúde-doença, uma vez que a saúde e a doença são determinadas pelo modo como cada sociedade se organiza, vive e produz, tendo uma relação estreita com os determinantes sociais em saúde. A saúde, também, sempre foi uma das preocupações do povo de terreiro pois sendo o corpo a morada dos deuses e deusas, este deve estar sempre bem cuidado. Os terreiros possuem conceitos de saúde e doença de acordo com a sua visão de mundo, e, de acordo com a fala de Makota Valdina(V Seminário Nacional Religiões Afro- Brasileiras e Saúde João Pessoa, 2006), a cura das doenças na perspectiva das religiões afro-brasileiras envolve a ação dos dois mundos: material e imaterial, visível e invisível, nessa tradição nada ocorre sem a interação desses dois mundos. Para o povo de santo, a doença é considerada um desequilíbrio energético, podendo ser de ordem física, mental ou espiritual. Apesar de sabermos que muitas doenças precisam ser tratadas pela medicina dos cientistas, se a pessoa é iniciada, quase

3 sempre busca antes o terreiro para se curar e sempre busca a cura dos dois lados, lembra Makota Valdina (V Seminário Nacional Religiões Afro-Brasileiras e Saúde João Pessoa, 2006). Ela nos informa que as práticas terapêuticas dos terreiros não anula as ações realizadas pela medicina hegemônica, muito pelo contrário, as práticas de saúde e os saberes se complementam. Nos encontros e reuniões realizados pela Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde deparamos com iniciados nos terreiros que não foram bem acolhidas pelo SUS/Sistema Único de Saúde, outros reclamam das filas para marcação das consultas ou demora na realização dos exames, têm aqueles que desconfiam do atendimento e guardam muitas histórias de descaso e desatenção para contar. Mesmo assim, verificamos que uma grande parcela do povo de terreiro conta somente com os serviços oferecidos pelo SUS e que garantir o acesso e a qualidade do atendimento e dos serviços tem sido uma das preocupações da Rede Nacional de Religiões Afro- Brasileiras e Saúde. É importante destacar que o modelo de saúde praticado nos terreiros está alicerçado em uma visão de mundo onde o cuidado, o acolhimento, a cumplicidade, a parceria, a relação com a natureza, formam uma rede de atenção e promoção da saúde que pode servir como base para as práticas de saúde no SUS/Sistema Único de Saúde. As práticas terapêuticas dos terreiros tem como pressupostos: a escuta, o toque, o aconselhamento e a solidariedade, mostrando um diferencial na qualidade de atendimento, proporcionando bem estar e a vivência do acolhimento. Esses pressupostos vivenciados nos terreiros certamente têm forte relação com a Política Nacional de Humanização do SUS. Os terreiros, foram durante muito tempo, um dos espaços privilegiados de acolhimento para a população negra sendo considerados espaços de resistência cultural negra por resguardar valores simbólicos e um dos mais importantes patrimônios culturais brasileiros.

4 Os Terreiros e a Saúde da População Negra no Brasil Para compreender a situação de saúde da população dos terreiros é preciso reconhecer os impactos causados pelas desigualdades raciais e de gênero, uma vez que grande parte dessa população é formada por mulheres e homens negros. É importante ressaltar que por muitos anos os terreiros foram chefiados por mulheres negras e somente nas últimas décadas apresenta a entrada de uma população branca e de classe média mas ainda assim as desigualdades entre brancos e negros permanecem. Essas desigualdades vem sendo pautada por diversos institutos e organizações de pesquisa como : IBGE(Instituto de Geografia e Estatística), IPEA(Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), Dieese(Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-econômicos) e Unifem(Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher). Essas organizações têm divulgando indicadores sócio-econômicos que mostram que em todos os campos da vida social brasileira existem diferenças raciais, expondo a população negra a piores condições de existência e a situações de vulnerabilidades. Em relação a mulher negra, a Unifem apresentou estudos e pesquisas que mostram sua dupla condição de vulnerabilidade devido as desigualdades de gênero e de raça. Essa realidade vai ter repercussão junto ao povo de santo que como afirmamos anteriormente em sua maioria são negros e negras. Em que pesem os esforços de iniciativas sociais governamentais e a criação da SEPPIR/Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, em 2003, pelo governo federal com o objetivo de articular ações de combate as desigualdades raciais e o incremento de uma política de ações afirmativas, a população negra e a população de terreiros continuam em piores condições quando analisamos renda, estabilidade no emprego, escolaridade, saúde, violência, acesso a bens de consumo, expectativa de vida, etc. No campo especifico da saúde, a pressão social do Movimento Negro, do Movimento de Mulheres Negras e afro-religiosos, resultou na Política Nacional de Saúde Integral da População Negra(PNSIPN) que foi aprovada em 2006 pelo Conselho Nacional de Saúde e pactuada na Comissão Intergestores Tripartite(comissão de negociação formada pelos três níveis de governo: federal, estadual e municipal) no início de Muitas das políticas implementadas pelo governo carecem de continuidade, como também de recursos alocados como é o caso da PNSIPN. A PNSIPN tem como objetivo promover a equidade em saúde da população negra, priorizando o combate ao racismo e a discriminação nas instituições e serviços do Sistema Único de Saúde(SUS). É bom lembrar que o SUS adquire importância significativa para a população negra e para a população de terreiros uma vez que estas representam a grande parcela dos usuários do SUS. Somente para visibilizar as diferenças raciais, e tomando como exemplo as mulheres negras(pardas e pretas) que são em maior número nos terreiros, os dados do Saúde Brasil 2007, uma análise da situação de saúde, publicado em 2008, pelo Ministério da Saúde, mostram que as doenças cerebrovasculares foram a principal causa de morte entre as mulheres de cor preta em 2005, com uma taxa de morte de 12,9 por 100 mil mulheres em idade fértil. O risco de uma mulher preta morrer por esse tipo de causa foi 2 vezes maior que as mulheres brancas. A Aids e a segunda causa de morte entre mulheres negras e o risco de morte por HIV/Aids foi de 2,6 vezes maior que entre as mulheres brancas de 10 a 49 anos de idade. As doenças isquêmicas do coração e a hipertensão são respectivamente a terceira e quarta causas de morte de mulheres negras no pais. Em relação a morte materna, o Saúde Brasil 2007 apresenta uma redução de óbitos em relação as mulheres brancas e um aumento nas mulheres negras. De acordo com

5 as informações do Painel de Indicadores do SUS número 3 (SEGEP/Ministério da Saúde outubro de 2007) a hipertensão foi um dos maiores responsáveis pela mortalidade materna no país e as mulheres negras foram as principais vítimas. Essas informações mostram as dificuldades existentes e a necessidade de reforçar políticas públicas de saúde que assegurem para as mulheres negras maior expectativa de vida. A situação de saúde da população negra apresentada acima evidencia as iniqüidades em saúde e que as ações visando a equidade e promoção da igualdade racial ainda não foram incorporadas pelo Sistema Único de Saúde. Essa situação requer um esforço da sociedade civil que deve continuar pressionando e cumprindo um papel importante no controle social de políticas publicas de saúde. Os dados da epidemia de HIV/Aids no Brasil Segundo dados do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde(ano V n. 1 janeiro a junho de 2008) foram identificados casos de Aids no Brasil(período ). Ao longo dos anos a razão por sexos vem diminuindo e se no inicio da epidemia era 21 homens para 1 mulher, hoje temos 2 casos em homens para 1 caso em mulheres, o que demonstra que a epidemia de HIV/Aids vem aumentando significativamente entre as mulheres. É importante observar as mudanças em relação a epidemia que torna-se mais feminina e avança para o interior do país, que começa a atingir os mais velhos, os mais pobres e a população negra. O numero de casos de aids em indivíduos com 50 anos ou mais anos de idade também vem aumentando, sendo maior na região sudeste do pais, e para ambos os sexos dessa faixa etária a categoria de exposição sexual continua sendo a mais frequente. Os dados em relação a raça/cor mostram que os casos de aids na população negra também vem aumentando e de acordo com as pesquisas existem vários fatores de vulnerabilidade da população negra frente a epidemia de HIV/Aids que explicam esse aumento.

6 Os óbitos por aids no Brasil vem diminuindo o que pode ser reconhecido como um reflexo do avanço das políticas públicas em HIV/Aids no Brasil e da mobilização da sociedade civil no controle social de políticas públicas de saúde. Atualmente podemos constatar também a diminuição dos casos de aids entre trabalhadores do sexo e usuários de drogas injetáveis fruto de uma política de prevenção e de redução de danos. As ações realizadas pelo projeto Foram realizadas 7 oficinas de treinamento de lideranças de terreiro nos meses e núcleos da Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde de acordo com a tabela abaixo: Mês Núcleo da Rede Estado Maio 2008 Belém Pará Junho 2008 Manaus Amazonas Julho 2008 Fortaleza Ceará Agosto 2008 Porto Alegre Rio Grande do Sul Agosto 2008 Maceió Alagoas Outubro 2008 Natal Rio Grande do Norte Novembro 2008 Vitória Espírito Santo Cada treinamento contou com apoio da UNFPA e das Secretarias de Saúde local, mas em alguns casos foram acionados também outros parceiros como as Secretarias de Cultura(em Belém e Maceió), Fórum ONGS-Aids (em todos os locais),

7 Universidades(em Porto Alegre), Assembléias Legislativa(Manaus), Coordenações de Promoção de Igualdade Racial(Vitória). As parcerias locais mostraram a capacidade de cada Núcleo em interagir com o poder público e privado, assim como a ampliação dessa discussão para além dos espaços específicos da saúde. Os dias, horários e locais dos treinamentos foram pactuados com as coordenações de cada Núcleo da Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde que se responsabilizavam pelo apoio logístico (local do treinamento, alimentação dos participantes, lanches, data-show, telão, computador, etc), assim como a tarefa de convidar os participantes e as coordenações de DST/Aids local. Devido ao grande número de mulheres nos terreiros e ao fato dessa tradição religiosa ter como prática o acolhimento das diversas orientações sexuais, foi consensuado com os Núcleos que em todos os treinamentos convidaríamos os gestores locais para apresentar o Plano de Enfrentamento da Feminização da Epidemia de Aids e Outras DST, assim como o movimento gay da cidade apresentaria o Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de Aids e de Outras DST entre Gays, HSH e Travestis. Essa pactuação tinha como finalidade facilitar a interlocução das lideranças dos terreiros com os gestores e com as lideranças do movimento gay para além dos treinamentos, estimulando inclusive ações em parceria. Em cada treinamento a presença da coordenação de DST/Aids foi fundamental para realizar uma análise de conjuntura das políticas publicas em HIV/Aids no Brasil, trazer os dados de cada estado sobre a epidemia de HIV/Aids, assim como os recursos financeiros aplicados, os insumos e estratégias de prevenção e assistência, informações sobre planejamento e orçamento para os estados referentes a DST/HIV/Aids. Nessa fase do treinamento as perguntas e demandas mais freqüentes foram: - como garantir o direito a ter filhos mesmo vivendo com HIV/Aids, - qual o motivo da falta de preservativos em alguns postos de saúde e porque esses não são distribuídos durante os finais de semana, - porque tanto controle de preservativos para a população jovem, uma vez que estão em fase sexual ativa e alguns descobrindo a sexualidade, - o que explica a falta de campanhas educativas direcionadas para o povo de terreiro - como os terreiros que realizam trabalho de prevenção poderiam participar da concorrência de projetos com recursos do governo - qual o procedimento para que as lideranças de terreiros possam participar do Plano de Ações e Metas(PAM) - porque os dados sobre os recursos não estão disponibilizados para a sociedade em alguns estados - porque os dados referentes a recursos e insumos do governo federal repassados para as Secretarias de Saúde não conferem com os dados apresentados pelas Secretarias, - quais os motivos da epidemia de Aids hoje estar atingindo mais as mulheres - porque as campanhas do governo não conseguem sensibilizar a população - qual a razão da pequena quantidade de distribuição da camisinha feminina pelo governo - qual o motivo da não inclusão da população jovem como parceira na execução de campanhas - porque tanta demora na realização de exames e tratamentos quando estes já foram indicados pelos médicos

8 - existe falta de remédios ou falta de logística do governo que garanta a compra e distribuição - porque existe ainda tanto preconceito entre os gestores e profissionais de saúde que trabalham com HIV/Aids - qual a dificuldade das coordenações em interagir com os diversos segmentos religiosos uma vez que as lideranças religiosas são formadoras de opinião e poderiam comprometer-se na luta contra o HIV/Aids, A presença dos responsáveis pela Coordenação de DST/Aids foi muito importante para que as lideranças de terreiro compreendessem a dinâmica e o impacto da epidemia em seu local de origem, assim como as ações empreendidas pelas Secretarias de Saúde. O fato dos treinamentos acontecerem nas capitais dos estados facilitou as presenças da coordenação estadual e municipal de Aids. Essa fase pareceu-nos muito empolgante para o povo de terreiro pois foram muitas perguntas, muitas dúvidas, situações vivenciadas foram expostas, muitas propostas lançadas para os gestores. Em alguns casos foram iniciados processos de ações em parcerias entre os terreiros e as Secretarias de Saúde e como exemplos citamos as cidades de Belém, Maceió e Natal, que incorporaram as recomendações do I Seminário Nacional Religiões Afro-Brasileiras e a Epidemia de HIV/Aids(realizado pela Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde, Belém 2007) e incluíram também as demandas locais.

9 Nas oficinas Religiosidade Afro- Brasileira, Corpo e Saúde foram discutidas a construção simbólica do corpo nas religiões de matrizes africanas e as noções de saúde e doença. Ficou evidente em cada oficina realizada que a visão de mundo dos terreiros não coincide com a visão de mundo ocidental de corpo e de saúde. Para os terreiros o corpo é parte do sagrado e a noção de saúde está relacionada ao equilíbrio do corpo com o meio ambiente e a espiritualidade. A doença seria uma ruptura entre o mundo natural e sobrenatural causando desequilíbrio nas pessoas. Grande parte das lideranças dos terreiros abordaram a dificuldade dos profissionais de saúde no lidar com o povo dos terreiros, na desqualificação dessa tradição religiosa e na falta de compreensão das quizilas (restrição a determinados procedimentos como por exemplo o uso de roupas pretas, alimentação como abóbora e caranguejo, peixe de pele). Alguns reclamaram do desrespeito a legislação que garante a presença de sacerdotes para visitar seus doentes nos hospitais e a preferência dos profissionais de saúde por algumas religiões facultando o acesso aos padres e pastores na visita aos doentes nos serviços de saúde e dificultando o acesso de mães e pais de santo ao mesmo tipo de serviço. Foi discutido também o conceito de cura que não pode ser estabelecido apenas como não ter mais a doença ou o problema de saúde solucionado mas sim um equilíbrio de energias vitais que permita uma vida com mais qualidade. Os pais e mães de santo afirmaram que um estilo de vida mais saudável e o fortalecimento do corpo com determinados rituais é fundamental para as pessoas vivendo com HIV, mas reconhecem que o tratamento médico precisa ser estimulado pois muitas pessoas abandonam os tratamentos, como é o caso de outras doenças como por exemplo a tuberculose. Para agilizar o processo as apresentações do Plano Integrado de Enfrentamento da Feminização da Aids e Outras DST foi junto com o Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de Aids e de Outras DST entre Gays, HSH e Travestis. Cada estado apresentou o Plano Nacional e seu respectivo correspondente o Plano Estadual. Verificamos que muitos estados não

10 conseguem cumprir as propostas dos Planos, seja por falta de recursos humanos não conseguindo dar conta das suas atividades planejadas, seja por falta de vontade política em agir em outros espaços que ultrapassem os domínios das Secretarias de Saúde. Observamos no entanto que em alguns estados do norte(belém) e nordeste(fortaleza e Natal) faltam informações atualizadas, seja por parte do gestor, seja por parte da população. Exemplo disso é o desconhecimento de algumas políticas e programas empreendidas pelo Ministério da Saúde que em muito poderia beneficiálos, como a Área Técnica de Saúde da Mulher, assim como uma ação envolvendo outros setores governamentais como por exemplo a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Outra informação importante é que somente uma gestora de Natal mostrou conhecimento sobre o Programa Estratégico População Negra e Aids (Programa Nacional de Aids) fazendo uma relação com a necessidade de discutir as questões raciais, aproveitando os terreiros para iniciar essa discussão. O povo de terreiros mostrou que tinha pouco conhecimento sobre o assunto sugerindo um encontro com mulheres de terreiros para dar continuidade as discussões sobre o Plano de Enfrentamento da Feminização da Aids e o II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres no ano de Foi sugerido também que tanto o Ministério da Saúde como as Secretarias de Saúde devem continuar dando suporte para os grupos gays e de lésbicas no enfrentamento da epidemia. Ficou acertado a criação de grupos locais para monitorar o Plano de Enfrentamento da Feminizacão da Epidemia e que os terreiros reforçariam a atuação dos grupos gays no que se refere ao Plano de Enfrentamento entre Gays, HSH e Travestis. A grande polemica ficou por conta das mulheres lésbicas que não se sentiam contempladas em nenhum dos dois planos e reclamavam que se os gays tem plano próprio porque elas não tinham também. Em quase todos os treinamentos, exceto em Vitória, essa foi um questão que gerou polemica. Em Porto Alegre, uma liderança de grupo de mulheres negras lésbicas enfatizou que o preconceito, machismo e sexismo se perpetuava inclusive nas ações e nos programas de Aids. Ela lembrou que essa situação precisava mudar imediatamente pois impedia que as lésbicas se identificassem com a situação e se achassem fora da epidemia, o que poderia ser contabilizado no futuro como grandes perdas. As lideranças de terreiros ficaram de aprofundar essa questão e propuseram algumas ações em parceria com os grupos de mulheres lésbicas negras. Em relação a Participação e Controle Social de Políticas Públicas em HIV/Aids verificamos que dos sete núcleos que participaram do treinamento somente os núcleos Belém e Manaus já tinham alguma inserção específica no tema pois participam do Fórum Ongs/Aids de seus respectivos estados.

11 Os outros núcleos mostraram-se sensibilizados para uma atuação de monitoramento das políticas públicas em HIV/Aids mas perceberam a necessidade de aprofundar seus conhecimentos e organizar uma ação em rede que possibilite a entrada de outros atores que já vem desenvolvendo estratégias para o controle social de políticas públicas em HIV/Aids como é o caso das Ongs Aids, referências nesse tipo de atuação. As lideranças de terreiros entenderam que esse treinamento que estava acontecendo seria o primeiro passo para estimular o controle social de políticas públicas em HIV/Aids e uma aproximação com os gestores, profissionais de saúde e ativistas de Ongs/Aids facilitando o processo posterior. Alguns terreiros expuseram que realizam ações de prevenção com palestras educativas sobre o tema e funcionam como pólos de distribuição de preservativos para suas comunidades porém necessitam de maior apoio logístico por parte do governo. Outros reclamaram que fazer prevenção não é só distribuir camisinha e colocar cartazes nos terreiros e na comunidade do entorno e que o governo têm a obrigação de realizar mais do que isso. Em quase todos os núcleos comentou-se a necessidade da utilização dos programas de rádio uma vez que existem muitos deles voltados para o povo de terreiros e a realização de uma campanha educativa pelo rádio que esclarecesse as dúvidas dos ouvintes, assim como abordando os direitos das pessoas soropositivas e denunciando os serviços que não estão funcionando bem. Dos sete núcleos, apenas o de Belém conta com ações de educação e prevenção no PPA da Secretaria Estadual de Saúde, com financiamento garantido para executá-las em Todos os treinamentos foram publicizados no Blog da Rede Nacional de Religiões Afro- Brasileiras e Saúde(WWW.religrafosaude.blogspot.com). Conclusão e possíveis desdobramentos: Verificamos que as lideranças funcionam como formadores de opinião podendo servir como importante recurso no combate ao HIV/Aids e a todas as formas de discriminação e intolerâncias. As lideranças de terreiros mostraram durante o treinamento, que apesar das dificuldades encontradas, consideram estratégico dar continuidade a: ações de prevenção, atividades que auxiliem na garantia dos direitos as pessoas vivendo com HIV/Aids, a continuidade da qualificação das lideranças para o monitoramento de políticas públicas em HIV/Aids e a realização de uma oficina para elaboração de projetos que permita os terreiros concorrer aos convênios do governo em nível de igualdade com as Ongs que já possuem essa experiência. Foi sugerido pelos participantes o fortalecimento da área de comunicação da Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde com a elaboração de folhetos, boletins, informes com atualizações sobre a epidemia de HIV/Aids. Também foi ressaltada a utilização de rádios comunitárias e os programas de rádios direcionados para o povo de terreiro, uma vez que são veículos difusores de informações e portanto devem ser utilizados para divulgação de informações sobre HIV, dicas de saúde, direitos e saúde, entrevistas com os responsáveis pela coordenação de DST/Aids e a população local que utilizam os serviços do SUS para HIV/Aids, etc. Ficou estabelecido que os núcleos também realizariam alguns encontros com a juventude dos terreiros para discutir sexualidades e a participação dos jovens nas políticas de saúde. Do grupo de mulheres participantes nos treinamentos foi veiculada a proposta do I Encontro Nacional Mulheres de Axé juntando lideranças femininas de vários estados com a finalidade de discutir temas que dizem respeito as mulheres dos terreiros, enfatizando as políticas para as mulheres e o papel e importância das mulheres de terreiro em nossa sociedade.

12 Momentos dos treinamentos nos núcleos da Rede Treinamento em Maceió Treinamento em Manaus Treinamento em Maceió Treinamento em Porto Alegre

13 ANEXOS Programa dos Treinamentos para Atualização em DST/HIV/AIDS e Controle Social de Políticas Públicas de Saúde pelos Terreiros Primeiro dia 8:30h - Mesa de Abertura e apresentação dos participantes 9:00h - As recomendações do I Seminário Nacional Religiões Afro-Brasileiras e a Epidemia de HIV/Aids 9:30h Uma análise de conjuntura brasileira em Políticas Públicas para HIV/Aids 10:30h Religiosidade Afro-Brasileira, Corpo e Saúde 12:30h Almoço 14h- Comunicações Comunicação 1 - Plano Integrado de Enfrentamento da Feminização da Aids e Outras DST Comunicação 2 - Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de Aids e de Outras DST entre Gays, HSH e Travestis 17h Lanche Segundo dia 9h Participação e Controle Social de Políticas Públicas em HIV/Aids 11h - Encerramento

14 folder da Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde

15 folder com dicas de prevenção do núcleo Belém da Rede

16 folder com dicas de prevenção do núcleo Piracicaba(SP) da Rede

17 folder com dicas de prevenção do núcleo São Luis(MA) da Rede

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009 COORDENADORIA DE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO À SAÚDE - COPROM NÚCLEO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS NUPREV PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009 Responsáveis pela elaboração:

Leia mais

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis.

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis. Histórico 1º semestre de 2008 Elaboração do Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de Aids e das DST entre gays, hsh e travestis Agos/08 Oficina Macro Sudeste para apresentação do Plano Nacional Set/08

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS 1 Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ Objetivo 1 - Garantir ações de enfrentamento do HIV/DST/aids para gays, outros HSH e travestis, do ponto

Leia mais

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS Carta ANAIDS 1º de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a AIDS Cada um tem sua cara e a aids também tem... A ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra Aids - colegiado que reúne os Fóruns de ONG Aids

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO DE JANEIRO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO DE JANEIRO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO DE JANEIRO Objetivo 1 - Apresentar e difundir o Plano Enfrentamento do HIV/Aids e outras DST junto à

Leia mais

O papel das Organizações do Movimento Negro no enfrentamento da epidemia. RAQUEL SOUZAS

O papel das Organizações do Movimento Negro no enfrentamento da epidemia. RAQUEL SOUZAS O papel das Organizações do Movimento Negro no enfrentamento da epidemia. RAQUEL SOUZAS O processo de construção da informação a partir do quesito cor O Movimento( DE MULHERES) NEGRO(AS) e a Saúde DIRETOS

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO OBJETIVO GERAL DO PLANO ESTADUAL Enfrentar a epidemia do HIV/aids e das DST entre gays, outros HSH

Leia mais

de Gays, HSHe Travestis, criado em março de 2008, pelo Governo Federal. Considerando que o plano traça diretrizes de combate às vulnerabilidades

de Gays, HSHe Travestis, criado em março de 2008, pelo Governo Federal. Considerando que o plano traça diretrizes de combate às vulnerabilidades GOVERNO DAPARAIBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE Resolução n Q 174/11 João Pessoa, 14 de outubro de 2011 o Presidente da Comissão Intergestores Bipartite no uso de suas

Leia mais

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor.

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE

Leia mais

Salvador e Lauro de Freitas discutem saúde e religiões afro-brasileiras

Salvador e Lauro de Freitas discutem saúde e religiões afro-brasileiras Salvador e Lauro de Freitas discutem saúde e religiões afro-brasileiras Fotos: Alberto Lima Nos dias 14 e 15 de setembro, as Secretarias da Saúde de Salvador e Lauro de Freitas, Bahia, promoveram o I Seminário

Leia mais

Termos de Referência Consultoria Aids Tchê Grupos focais Projeto Promotor@s de Saúde da População negra BRA5U201 (2 cópias)

Termos de Referência Consultoria Aids Tchê Grupos focais Projeto Promotor@s de Saúde da População negra BRA5U201 (2 cópias) Termos de Referência Consultoria Aids Tchê Grupos focais Projeto Promotor@s de Saúde da População negra BRA5U201 (2 cópias) Data limite para apresentação de candidaturas: 26/08/2013 Endereço eletrônico

Leia mais

Termos de Referência Projeto BRA5U201

Termos de Referência Projeto BRA5U201 Plano Integrado de enfrentamento à epidemia Projeto: BRA5U201 Fortalecimento das capacidades nacionais para a promoção e atenção à saúde sexual e reprodutiva e redução da morbi-mortalidade materna Produto

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL Criar dados sobre a população de gays, HSH e travestis. Encaminhamentos (SINAN x campos

Leia mais

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO KOLLER, Evely Marlene Pereira 1 RAMOS,Flávia Regina Souza 2 O Brasil conta com uma população

Leia mais

Fórum Paranaense de ONG AIDS.

Fórum Paranaense de ONG AIDS. RELATÓRIA TRABALHO DE SUBTEMAS XVII ERONG PR SUL 2013 REGIÃO SUL CURITIBA. ERONG PR SUL 2013 Cidade: CURITIBA UF: PARANÁ Pessoa/s de contato:amauri Instituição/es: Fórum Paranaense de ONG AIDS, Ferreira

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS OBJETIVOS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS E PARCERIAS Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

1º de Dezembro Dia Mundial de Lutra Contra a Aids. Una-se a esta causa! Diga não ao preconceito e a discriminação.

1º de Dezembro Dia Mundial de Lutra Contra a Aids. Una-se a esta causa! Diga não ao preconceito e a discriminação. 1º de Dezembro Dia Mundial de Lutra Contra a Aids. Una-se a esta causa! Diga não ao preconceito e a discriminação. Estaremos vivendo e aprendendo com a Aids, afastando a diferença, entendendo que a epidemia

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social O XVIII Concurso do ELAS Fundo de Investimento Social, em parceria com a MAC AIDS Fund, visa fortalecer, por meio de apoio técnico e

Leia mais

Informação e Prevenção na Internet. Ferramentas possíveis frente aos novos desafios no campo da prevenção

Informação e Prevenção na Internet. Ferramentas possíveis frente aos novos desafios no campo da prevenção Informação e Prevenção na Internet Ferramentas possíveis frente aos novos desafios no campo da prevenção Acesso às tecnologias de informação e comunicação no Brasil A penetração da Internet e do número

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS. Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015

Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS. Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015 Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015 E como está a juventude HOJE aos olhos da sociedade? - 22% perderam a virgindade antes dos 15 anos - 18%

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS Diagnóstico Operacionalização do Plano Estadual Contexto de vulnerabilidade 1. Relações desiguais de gênero Ações governamentais

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

AGENDA DE ENFRENTAMENTO

AGENDA DE ENFRENTAMENTO AGENDA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS JUVENTUDES novembro 2012 INDIGNAÇÃO Será preciso maltratar e dizimar toda uma geração para que a violência contra as juventudes se torne visível? ENTENDIMENTO

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS DISTRITO FEDERAL

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS DISTRITO FEDERAL PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS DISTRITO FEDERAL Objetivo 1: Contribuir para a redução das vulnerabilidades às DST, hepatites e HIV/aids,

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de materiais de comunicação sobre o Plano Juventude Viva - Alagoas.

TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de materiais de comunicação sobre o Plano Juventude Viva - Alagoas. TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de materiais de comunicação sobre o Plano Juventude Viva - Alagoas. Data limite para apresentação de propostas: 04 de Novembro de 2013, às 12h00. Endereço eletrônico para

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Gabriela Calazans FCMSCSP, FMUSP II Seminário Nacional sobre Vacinas e novas Tecnologias de Prevenção

Leia mais

Por que esses números são inaceitáveis?

Por que esses números são inaceitáveis? MANIFESTO DAS ONGS AIDS DE SÃO PAULO - 19/11/2014 AIDS: MAIS DE 12.000 MORTOS POR ANO NO BRASIL! É DESUMANO, É INADMISSÍVEL, É INACEITÁVEL. PRESIDENTE DILMA, NÃO DEIXE O PROGRAMA DE AIDS MORRER! Atualmente,

Leia mais

Assembleia Legislativa do RS Comissão de Saúde e Meio Ambiente. Planejamento 2015-2016

Assembleia Legislativa do RS Comissão de Saúde e Meio Ambiente. Planejamento 2015-2016 Assembleia Legislativa do RS Comissão de Saúde e Meio Ambiente Planejamento 2015-2016 Um sonho sonhado sozinho é um sonho. Um sonho sonhado junto é realidade. Raul Seixas Assembleia Legislativa do RS Comissão

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local Histórico Esta campanha tem sua origem no contexto do V Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) em agosto de 2010 no Recife PE. Nessa ocasião, o enfoque do evento foi: Transformando

Leia mais

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS)

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) Brasília, 20 de novembro de 2014 II Encontro Nacional das Mesas de Negociação do SUS Agenda Nacional de Trabalho

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Secretaria Nacional de Justiça promove a prevenção ao Tráfico de Pessoas em parceria com ONGs

Secretaria Nacional de Justiça promove a prevenção ao Tráfico de Pessoas em parceria com ONGs Secretaria Nacional de Justiça promove a prevenção ao Tráfico de Pessoas em parceria com ONGs Nos últimos anos conhecemos histórias de vida de algumas mulheres acompanhadas na nossa entidade, que estiveram

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites

Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites Apoio: Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS Secretaria de Estado da Saúde VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO

Leia mais

EDITAL ONU MULHERES 2011

EDITAL ONU MULHERES 2011 EDITAL ONU MULHERES 2011 O Escritório Sub-Regional da ONU Mulheres para Brasil e países do Cone Sul (Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai) convida organizações da sociedade civil a apresentarem projetos

Leia mais

Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de

Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de TERMO DE REFERÊNCIA Título do Projeto Gênero, Raça e Etnia Designação funcional Tipo de contrato Duração do contrato Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Consultoria por produto SSA 5 meses

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

A CONSULTA NACIONAL SOBRE DST/AIDS, DIREITOS HUMANOS E PROSTITUIÇÃO

A CONSULTA NACIONAL SOBRE DST/AIDS, DIREITOS HUMANOS E PROSTITUIÇÃO A CONSULTA NACIONAL SOBRE DST/AIDS, DIREITOS HUMANOS E PROSTITUIÇÃO ocorreu em Brasília de 26 a 28 de fevereiro de 2008. Contou com participação de representantes da ANTRA Associação Nacional de Travestis,

Leia mais

Fórum sobre Violações de Direitos dos Povos Indígenas 1. Nota Técnica. O sonho vira pesadelo : sobre as violações do direto à Saúde Indígena no Brasil

Fórum sobre Violações de Direitos dos Povos Indígenas 1. Nota Técnica. O sonho vira pesadelo : sobre as violações do direto à Saúde Indígena no Brasil Fórum sobre Violações de Direitos dos Povos Indígenas 1 Nota Técnica O sonho vira pesadelo : sobre as violações do direto à Saúde Indígena no Brasil Descaso na Saúde Indígena: O sonho vira pesadelo são

Leia mais

Informes dos Membros da CNAIDS

Informes dos Membros da CNAIDS Informes dos Membros da CNAIDS 119ª Reunião da Comissão Nacional de DST, AIDS e Hepatites Virais Local: Brasília-DF Data: 26 de agosto de 2014 Capacitações Regionais do Projeto Advocacy em Saúde (PAS)

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Expansão das liberdades individuais

Leia mais

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014 Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014 Jornal Diário do Amazonas - Brasil Pág. 15-30 de dezembro de 2014 Jornal Diário do Amazonas Radar de Notícias Pág. 32-30.12. 2014 Portal D24AM - Saúde 29

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 PREVENÇÃO ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DIREITOS HUMANOS COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESAFIOS PREVENÇÃO Mais de 30 campanhas de massa para

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE II CONFERÊNCIA DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL Instrumental de Trabalho baseado nas Propostas Aprovadas na I Conferencia Estadual

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL Criar dados sobre a população de gays, HSH e das travestis. Encaminhamentos (SINAN x campos

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM. Frei David Santos, OFM - out de 2012

Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM. Frei David Santos, OFM - out de 2012 Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM Frei David Santos, OFM - out de 2012 Dados disponibilizados pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Contratação de Consultoria Elaboração de materiais de comunicação sobre o Plano Juventude Viva na perspectiva das/os jovens do Distrito Federal.

Contratação de Consultoria Elaboração de materiais de comunicação sobre o Plano Juventude Viva na perspectiva das/os jovens do Distrito Federal. TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de Consultoria Elaboração de materiais de comunicação sobre o Plano Juventude Viva na perspectiva das/os jovens do Distrito Federal. Data limite para o envio das candidaturas:

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde;

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde; EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 05/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP 2012 6º Objetivo de Desenvolvimento do Milênio COMBATER O HIV/AIDS, A MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS A inclusão do combate ao HIV/Aids nas Metas do Milênio, foi

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica Rede Cegonha SUMÁRIO Apresentação... 05 1. Introdução... 07 2. Implantação dos Testes Rápidos de HIV e sífilis e Aconselhamento

Leia mais

Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro

Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro 1 - Qual será o cronograma do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais para as próximas videoconferências sobre

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais