Alfredo Gontijo de Oliveira Presidente do CETEC/MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alfredo Gontijo de Oliveira Presidente do CETEC/MG alfredo@fisica.ufmg.br"

Transcrição

1

2 FIEMG/CIEMG Seminário Nova Energia Células Fotovoltáicas A Força da Energia Solar Alfredo Gontijo de Oliveira Presidente do CETEC/MG Física de semicondutores Crescimento de cristais Padrões auto-organizados

3 Um pequeno ponto azul!

4 Estrela engolindo um planeta (Energia renovável)

5 Não podemos determinar o futuro mas podemos propor tendências. Jörgensen

6 Demanda mundial por energia 2100: TW 2050: TW World Energy Demand total TW industrial 5.00 developing US 0.00 ee/fsu Gap energético ~ 14 TW by 2050 ~ 33 TW by 2100

7 Evolution of the world energy consumption (no biomass). Sources : Schilling & Al. (1977), IEA (2002), Observatoire de l'energie (1997).

8 Energia Renovável Solar: 1.2 x 10 5 TW na superfície da Terra (demanda p/2050: ~30TW) Hidroelétrica 4,6 TW (1,6 tecnicamente viável e 0,6 instalada) Eólica 2 a 4 TW (utilizável) Biomassa 5 a 7 TW (0.29% de eficiência para todas as terras cultiváveis não utilizadas para alimentos)

9 Tópicos em Energia Solar Conversão fotovoltáica Fotoeletroquímica Fotoquímica de inspiração Bio Sistemas naturais de fotosíntese Reações fotocatalíticas Bio combustíveis Conversão de calor e utilizações Processos Síntese de materiais Novas ferramentas

10 Desafios Apesar do rápido crescimento, a conversão fotovoltáica é desprezível ainda. Ainda precisaremos esperar por um decréscimo no custo/watt (tecnologia) Encontrar um método efetivo de estocar a energia.

11 Evolution of the world energy consumption (no biomass). Sources : Schilling & Al. (1977), IEA (2002), Observatoire de l'energie (1997).

12 Eu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim... Gabriela

13 A única componente estável da natureza é a mudança!

14 Cenário da matriz energética 14

15 Núcleo de Materiais Solares - MATEREA VISÃO GLOBAL - Oferta 1 ExaJ = 0,277 x 10 9 MWh

16 Os ciclos de vida de uma empresa Estudar a fase de reorganização é essencial para entender a dinâmica do mercado Deloitte Touche Tohmatsu

17 Evolução da produção mundial

18 Conversão fotovoltáica e - h +

19 Classificação de Células Solares 1. Silicon-based a. Cristalino (monocristal, policristalino) b. Filme fino (amorfo, microcristalino, etc) 2. Compound-base a. Monocristalino (III-V, GaAs-based, etc) b. Policristalino (CdS, CdTe, CuInGeSe, 2 etc) 3. New material-based a. Dye-sensitized b. Organig thin film c. Quantum dot

20 100 $0.10/W p $0.20/W p $0.50/W p Efficiency % Thermodynamic limit at 1 sun $1.00/W p Shockley - Queisser limit: single junction $3.50/W p Cost $/m 2 competitive electric power: $0.40/W p = $0.02/kWh competitive primary power: $0.20/W p = $0.01/kWh assuming no cost for storage I: bulk Si II: thin film dye-sensitized organic III: next generation

21 Perspectivas para P&D em Células Base Si: REDE SIBRATEC Base compostos: CETEC-UFMG Base polimérica: em construção

22 P&D CEMIG-ANEEL-CETEC Abordagem verticalizada

23 Modelo de Gestão da Rede de PD&I em Fotovoltaica ICTs Aplicação E M P R E S A CTI CB-Solar CETEC Módulo CB-Solar CETEC Padrão Célula CB-Solar CETEC Células tipo-n Wafer CETEC CTI BIPV Células HIT Silício UMG/SG Spin-offs PLANTAS PILOTO TECNOLOGIA CETEC CETEM CETEM Quartzo CETEM Aplicação Integração Pesquisa

24 Uma ruptura? A Facile Route to Polymer Solar Cells with Optimum Morphology Readily Applicable to a Roll-to-Roll Process without Sacrificing High Device Performances Hui Joon Par, Myung-Gyu Kang, Se Hyun Ahn, and L.Jay Guo Ad.Matter. 2010, XX, E1-E7

25 Auto-organização molecular em todas escalas O maior custo da conversão da energia solar está relacionada com materiais e processos de fabricação. Auto-organização é uma rota para se ter uma produção barata, eficiente e funcional. O MUNDO NA ESCALA NANOMÉTRICA Convergência Tecnológica NBICS e Materiais (nano, bio, info, cogno, synthetic bio)

26 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional III - P,D&I em Áreas Estratégicas 7. Áreas portadoras de futuro: Biotecnologia e Nanotecnologia 8. Tecnologias da Informação e Comunicação 9. Insumos para a Saúde 10. Biocombustíveis 11. Energia elétrica, hidrogênio e energias renováveis 12. Petróleo, gás e carvão mineral 13. Agronegócio 14. Biodiversidade e recursos naturais 15. Amazônia e Semi-Árido 16. Meteorologia e mudanças climáticas 17. Programa Espacial 18. Programa Nuclear 19. Defesa Nacional e Segurança Pública 26

27 SIBRATEC Sistema Brasileiro de Tecnologia GOVERNANÇA DO SISTEMA Rede de Energia Solar Fotovoltaica 27

28 REDES: SIBRATEC (MCT) & PLASMA (CAPES) 20 ICT s for a de MG Em MG UFMG UFOP UEMG PUC- Minas CEFET (3 unidades) UFSJ Ouro Branco UFV

29 CENTROS DE INOVAÇÃO 1- Microeletrônica 2- Tecnologias Digitais de Comunicação e Informação 3- Manufatura de Partes, Peças e Componentes Eletrônicos 4- Visualização Avançada 5- Tecnologias de Manufatura de Bens de Capital 6- Farmoquímica e Medicamentos 7- Equipamentos e Componentes de uso Médico-Odontológico 8- Bioetanol 9- Tecnologia para o Setor de Transformados Plásticos 10- Tecnologias para Energia Solar Fotovoltaica

30 A REESTRUTURAÇÃO Transformar o CETEC num Centro Tecnológico de terceira ou quarta geração: 1. Múltiplos institutos temáticos públicos 2. Direcionados para o setor privado, a inovação e produtos 3. Inserção globalizada (inovação reversa) 4. Unidades autônomas 5. Institutos organizados como um research park 6. Forte interação com as universidades (RH) 30

31 Ambiente para reestruturação Outros fatores 1. Competitividade assegurada pela incerteza. 2. Processo acelerado com que os produtos são colocados no mercado e são obsoletos. 3. Poderosas ferramentas de controle: versão contemporânea do inquisidor. 4. Paradoxo do controle: controla-se processos. 5. Rainha de copas. 31

32 Ambiente para reestruturação Five Factors Behind Successful 1. A strong science and industry base. 2. The availability of finance. 3. The presence of entrepreneurs. 4. The presence of trust networks at an individual level. 5. The opportunity for collaboration among universities, businesses, and the other organizations. Understanding Research, Science and Technology Parks: global best practices. 32

33 Priorização de Governo 1. Instituto de Energias Renováveis 2. Pólo Aeronáutico 3. Instituto Automotivo 4. Instituto de Metrologia, Ensaios, Avaliação de Conformidade e Parâmetros Ambientais Outros 5. Centro de Excelência da Qualidade da Água 6. Instituto de Prevenção e Remediação de Sinistros e Catástrofes 7. Materiais (de alto valor agregado) 33

34 Eficientização Energética Priorizações no Instituto BIOERG Atuação em REDE FONTES BIOMASSA SOLAR HIDROGÊNIO EÓLICA HIDRÁULICA MODUS OPERANDI MODUS OPERANDI Co-Gera Geração Atuação DIRETA AÇÕES NO CETEC 34

35 COMITÊ GESTOR Gerente Executivo MINAS-BIO Conselho Técnico e Científico RLBIOMG Gestão Tecnológica Inteligência Competitiva Núcleos de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Energia da biomassa Laboratórios: Química da Biomassa Engenharia da Biomassa Energia solar Laboratórios: Fotovoltáica Térmica de alta T Térmica de baixa T Energia do H 2 Laboratórios: Hidrogênio Células de combustível 35

36 Uma planta industrial 50 MW com base em SC compostos 2 a 25 milhões de Euros (depende do grau de automação) Destinação: a. Nichos nobres b. Nichos sociais c. Exportação Oportunidades: instalações.

37 META DE GOVERNO Implantar Clusters avançados em Minas Gerais Exemplos de clusters: 1.Cluster de Materiais Solares 2.Cluster de Materiais Automotivos 3.Cluster de Materiais Aeronáuticos 4.Cluster de Materiais para prevenção de sinistros 5.Cluster de materiais p/ tecnologias ambientais 6.Cluster para materiais p/tecnologias biológicas.

38 OBRIGADO

39 5 Idéias para rupturas Dynamics Open, dynamic, nonlinear systems, far from equilibrium. Closed, static, linear systems in equilibrium. Agents Modeled individually; use inductive rules of thumb to make decisions; have incomplete information; are subject to errors and biases; learn and adapt over time. Modeled collectively; use complex deductive calculations to make decisions; have complete information; make no errors and have no biases; have no need for learning or adaptation (are already perfect).

40 5 Idéias para rupturas Networks Explicitly model interactions between individual agents; networks of relationships change over time. Assume agents only interact indirectly through market mechanisms. Emergence No distinction between micro- and macro; macro patterns are emergent result of micro-level behaviors and interactions. Micro- and macro remain separate disciplines Evolution The evolutionary process of differentiation, selection, and amplification provides the system with novelty and is responsible for its growth in order and complexity No mechanism for endogenously creating novelty, or growth in order and complexity

41 Bases para ruptura

42 Uma conclusão! A Inovação é feita na Empresa. ( ) CERTO ( ) ERRADO

43 Todas as empresas estão codificadas para morrer. Vantagem competitiva sustentável não existe. Existe somente uma infindável corrida para criar novas fontes de vantagens competitivas. Inovação é feita no MERCADO. E a fonte da juventude das empresas de vida longa?

44 Dicotomias Inovação Radical - é a inovação mais importante, que pode originar uma mudanca de técnica em um ou mais ramos da indústria, ou mesmo originar um ou mais novos ramos da indústria. Inovação Incremental - ocorre quando se verificam pequenos melhoramentos nos produtos e processos existentes.

45 do BI ao TRI C&T&I P&D&I Produção&Capital&Conhecimento Universidade&Governo&Empresa CETEC é governo!

46 Tecnologias Físicas e Sociais Tecnologias Físicas (PT) são métodos e projetos para transformar matéria, energia e informação de um estado em outro, para se conseguir algum objetivo. Tecnologias Sociais (ST) são métodos e projetos para organizar pessoas para se conseguir algum objetivo. Eric Beinhocker

47 Emaranhamento Existem fortes ligações entre as PTs e STs. Quando as pessoas se movem através do espaço das adaptações das PTs, elas causam atritos, terremotos e outras convulsões no espaço das STs, e vice versa.

48 NOVAS TRÍADES Commodities & PTs & STs PTs & STs & Planos de Negócios

49 Cresça rápido, morra jovem!

50 Curva S

51 Curva de Voisin

52 GPD produto doméstico bruto

53 Produto Doméstico Bruto

54 Do Tyrannosaurus Rex à Inovação Uma inovação é considerada implementada se foi introduzida para o mercado (produto) ou usada no âmbito de um processo de produção (processo). Uma premissa básica

55 A única certeza é a incerteza! Frankenstein. Mary Shelley Não podemos determinar o futuro mas podemos propor tendências. Jörgensen

56 The only stable component of nature is change! (A única componente estável da natureza é a mudança!) The tentative fourth law of thermodynamics. S.E. Joergensen

57 There is nothing more dangerous than a stable industry. (Não existe nada mais perigoso que uma indústria estável.)

58 The Entrepreneurial Venture FOUR PERIODS of DEVELOPMENT JerryEngel Cash Flow I II III IV Time

59 New Venture Funding Stream $ Sales $80 IPO Cash Flow $40 $1 $8 $20 Time Venture Capital Rounds Financing to Milestones

60 Rainha de Copas Para um sistema em evolução, é necessário um progresso contínuo somente para manter sua aptidão relativa aos sistemas com os quais está co-evoluindo. Corolários Mudar é perigoso! Não mudar é a certeza da extinção. Extinção é vida! Vantagens competitivas são raras e de vida curta.

61

62 Venture Capital Marketplace Informal venture capital love capital angel capital Formal venture capital venture capital funds corporate captive funds government funds pre-seed seed startup first stage second stage expansion mezzanine LBO (leveraged buyout) Sandler

63 A actividade de Business Angel é crítica para o desenvolvimento de novas oportunidades Crescimento Família e Amigos Business Angels IPO Venture Capital IPO - Initial public offering Os Business Angels são fundamentais na fase de maior risco de lançamento dos negócios, antes do venture capital formal ou em co-investimento com este Seed Start-up Early Growth Sustained growth

64 Os Business Angels podem ajudar a consolidar um novo paradigma económico Evolução socio-económica Industrial Triangle Empresas Poupança pessoal Business Angels Venture Capital Entrepreneurial Box Accionistas Dívida Start-Ups Grandes empresas Universidades Governo Governo Sindicatos Propinas Financiamento Público Donativos Impostos Fonte: Carl Schramm - Kauffman Foundation

65 Curva de Voisin

66 New Venture Funding Stream $ Sales $80 IPO Cash Flow $40 $1 $8 $20 Time Venture Capital Rounds Financing to Milestones

67 Na nossa tradição! Adoramos falar sobre a perfeita eficiência de mercados em equilíbrio.

68 A perfeita eficiência Fluxo de $ Ponto de equilíbrio x tempo

69 There is nothing more dangerous than a stable industry. (Não existe nada mais perigoso que uma indústria estável.)

70 Modelo clássico

71 Outro modelo clássico!

72 Os ciclos de vida de uma empresa Estudar a fase de reorganização é essencial para entender a dinâmica do mercado Deloitte Touche Tohmatsu

73 O aumento da riqueza! Fluxo de $ Ponto de equilíbrio x tempo

74

75 Impossível

76 The only stable component of nature is change!

77 Competitividade tempo

78 Uma fonte da juventude! Uma empresa é vencedora não por causa de sua eficiência na alocação no equilíbrio, mas por causa de sua efetividade na inovação no desequilíbrio.

79 Outra fonte da juventude!?

80 Zoom Curva de Voisin

81 Aproximação linear Crescimento Tempo

82 Aproximação linear Crescimento Tempo

83 Uma fonte da juventude! Obter uma posição de vantagem competitiva sustentável exige comprometimentos. Comprometimento: uma ação de difícil e elevado custo para serem revertidos. Sem irreversibilidade não existe geração de riqueza e é a irreversibilidade que faz a geração de riqueza uma atividade de risco.

84 Comportamento diferencial negativo Fluxo de capitais (per capita) tempo 84

85 The Entrepreneurial Venture FOUR PERIODS of DEVELOPMENT Cash Flow I II III IV Time

86 Cria a região de derivada negativa

87

88 Iluminação com um LED de GaAs com 15 ma

89

90 O GRANDE RISCO Novo ponto de estabilização extinção

91 Inovação e ganho de competitividade O processo se repete indefinidamente na evolução da empresa. (Cria-se uma cultura de inovação!) Seguindo uma lei de potência. Seguindo a escada do diabo.

92 Lei de Potência

93 O poder da função escalável. Acaba com as dicotomias. Bons reprodutores reproduzem. Bons amplificadores amplificam.

94 A Escada do Diabo

95 CONCLUSÕES 1. Riqueza é conhecimento e sua origem é a evolução. 2. Uma empresa é vencedora por sua efetividade na inovação no desequilíbrio. a. Uma empresa de longa vida pratica a cultura do comprometimento. 3. Prestação de serviços e consultorias por instituições governamentais têm consistência se estão sendo realizadas para promover inovações.

96 O que queremos do CETEC? Que ele seja o espaço público da INCUBAÇÃO DA INOVAÇÃO Primordialmente direcionado para Tecnologias Fìsicas. COMO?

97 Casos Uma montadora de automóveis. Manufaturas Aços coloridos. Materiais Bioimplantáveis. Al & Sr na hemodiálise. Águas de Minas. Análise Química Kits rápidos para leite. Tecnologia mineral. Outros...

98 Boas Inovações!!!

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Resumo Executivo Prioridade Estratégica I Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Linha de

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Eficiência Energética em tempos de COP-21. Nov 2015

Eficiência Energética em tempos de COP-21. Nov 2015 Eficiência Energética em tempos de COP-21 Nov 2015 1 Schneider Electric, o especialista global em gerenciamento de energia e automação 25 bilhões receita em 2014 ~5% das receitas aplicadas em P&D ~170,000

Leia mais

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco CNI-MEI São Paulo, 19 de outubro de 2015 Agenda Atuação da BNDESPAR em Capital de Risco Participações diretas Participações por meio de Fundos de

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira SENAI Departamento Nacional Brasília, 18 de Setembro

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas Seminário Internacional sobre Finanças Climáticas São Paulo, 26 de fevereiro de 2015 Estrutura da Apresentação 1 O Fundo Clima 2 Ferramenta

Leia mais

Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA. Helena Tenório Veiga de Almeida. Chefe do Departamento de Inovação

Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA. Helena Tenório Veiga de Almeida. Chefe do Departamento de Inovação Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA Helena Tenório Veiga de Almeida Chefe do Departamento de Inovação Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40 ESTRUTURA CURRICULAR DOS CURSOS O desenho curricular do curso de Engenharia de Energias segue as Diretrizes Gerais da UNILAB, as quais preveem os seguintes Núcleos de Formação nos cursos de graduação:

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

Aspectos da Política de Ciência, Tecnologia e Inovação em Redes Elétricas Inteligentes no Brasil

Aspectos da Política de Ciência, Tecnologia e Inovação em Redes Elétricas Inteligentes no Brasil Aspectos da Política de Ciência, Tecnologia e Inovação em Redes Elétricas Inteligentes no Brasil Dante Hollanda Tecnologista em Ciência e Tecnologia Curitiba, 08 de maio de 2014 1 Estrutura do MCTI 2 Secretaria

Leia mais

Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede Elétrica

Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede Elétrica Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede Elétrica Me. URBANO U. SECUNDES - www.pesquisapa.ifba.edu.br/gpec 1 Tecnologias de Silício Policristalino e Monocristalino - www.pesquisapa.ifba.edu.br/gpec 2 Tecnologia

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector Promovendo a cultura de inovação nas Instituições Brasileiras de Ciência e Tecnologia e a sua capacidade de transferir conhecimento para o setor empresarial Fostering the culture of innovation in the Brazilian

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor)

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Principais obstáculos à ampliação da produtividade do trabalho

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Soluções tecnológicas O que é Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Uma das primeiras instituições de P&D&I aplicados

Leia mais

Parque Científico e Tecnológico da PUCRS Ambiente de Inovação e Pesquisa, tendo por base a cooperação entre Universidade, Empresas e Governo, com vistas ao desenvolvimento social e econômico da região.

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Santos Offshore Alfredo Renault Santos, 10 de abril de 2014. Sumário I PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS DO SETOR II A CADEIA DE FORNECEDORES III

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

http://secon.udesc.br/consepe/resol/2010/004-2010-cpe.htm

http://secon.udesc.br/consepe/resol/2010/004-2010-cpe.htm Page 1 of 6 RESOLUÇÃO Nº 4/2010 CONSEPE Aprova alterações no currículo do curso de Engenharia de Produção e Sistemas, do Centro de Ciências Tecnológicas CCT, da Fundação Universidade do Estado de Santa

Leia mais

Doutorado Industrial na Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação

Doutorado Industrial na Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Doutorado Industrial na Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira SENAI Departamento Nacional Brasília, 13

Leia mais

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Aluysio Asti Superintendente da Área de Planejamento- BNDES Abril/2006 Marcos

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Departamento de Tecnologias da Informação e Serviços DTIS Área de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014 BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável 21 de fevereiro de 2014 Em seus 60 anos, o BNDES expandiu sua atuação e tem voltado sua atenção para novos desafios 6ª maior indústria automotiva

Leia mais

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Segundo Fórum Canal Energia/COGEN - Julho de 2013 - Potencial da Energia Solar Fonte: SOLARWORLD 2 Perspectivas da Energia Solar Fonte: The German

Leia mais

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria PROGRAMA SENAI + COMPETITIVIDADE INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção Civil CE EletroMetalmecânica Energias Renováveis RN Petróleo

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

Energia Eólica. Desarrollo de servicios e industria nacionales en el nuevo mercado de generación eólica: El caso de Brasil

Energia Eólica. Desarrollo de servicios e industria nacionales en el nuevo mercado de generación eólica: El caso de Brasil Energia Eólica Desarrollo de servicios e industria nacionales en el nuevo mercado de generación eólica: El caso de Brasil Afonso Carlos B. Aguilar Vice Presidente da ABEEólica Montevideo, 21 de março de

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS Slide 1 O que fazer para melhorar a competitividade da indústria? Mobilização Empresarial pela Inovação MEI Melhorar a infraestrutura Disseminar a cultura

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI. Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho

Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI. Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho 1 1 A CPFL A CPFL é o maior grupo no setor de energia elétrica e tem

Leia mais

O contexto de internacionalização das start-ups. Os desafios dos BA s e suas participadas

O contexto de internacionalização das start-ups. Os desafios dos BA s e suas participadas Os Business Angels O contexto de internacionalização das start-ups Os desafios dos BA s e suas participadas Possíveis apoios governamentais Os BA s têm um papel fundamental no desenvolvimento de ideias

Leia mais

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Parte 1 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico Recomendações tecnológicas Parte 2 Proposta da ABM para ampliar sua participação

Leia mais

Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA

Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Estudo de Caso da Iniciativa Metano Global: o Estado do Kentucky

Estudo de Caso da Iniciativa Metano Global: o Estado do Kentucky Estudo de Caso da Iniciativa Metano Global: o Estado do Kentucky JOHN A. ROGNESS III PH.D. DIRETOR, DIVISÃO DE ANÁLISE FINANCEIRA COMISSÃO DE SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO KENTUCKY 1 A Comissão de Serviço

Leia mais

Salto de Escala para as Grandes Commodities Talento dos nossos profissionais cobiçados mundialmente A internacionalização das Engenharias e Consultorias O grande parque de pesquisa e ensino do Estado O

Leia mais

Power Future 2009 - Exposição Internacional e Seminário das Energias Alternativas e Renováveis - Câmara Brasil-Portugal no Ceará

Power Future 2009 - Exposição Internacional e Seminário das Energias Alternativas e Renováveis - Câmara Brasil-Portugal no Ceará Campinas, 27 de Abril de 2009. (Número 562) Todas as edições do NIPEenergia estão disponíveis na íntegra no site do NIPE: www.nipeunicamp.org.br! EVENTOS Termoeletricidade 2009 27 e 28 de Abril de 2009

Leia mais

Título da Apresentação. ABINEE GS Sistemas Fotovoltaicos

Título da Apresentação. ABINEE GS Sistemas Fotovoltaicos Título da Apresentação ABINEE GS Sistemas Fotovoltaicos 30 de janeiro de 2013 Agenda A FINEP Escopo de Atuação e Prioridades Projetos Apoiáveis Brasil Sustentável A FINEP A FINEP Agência Brasileira da

Leia mais

O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO

O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Goiânia, GO, 16 de Outubro de 2014 Armando Z. Milioni SETEC, MCTI ROTEIRO 1 A ESTRUTURA GERAL DO MCTI 2 A SETEC: FOMENTO

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

MAPEAMENTO DE ÁREAS PRIORITÁRIAS

MAPEAMENTO DE ÁREAS PRIORITÁRIAS MAPEAMENTO DE ÁREAS PRIORITÁRIAS Ambiente Externo Ambiente Externo - Internacional Fonte/Instituição Burril & Co. Life Sciences: Venture Capital, Private Equity, Merchant Banking, Media Documento Biotech

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

Conferência Estadual Paulista de C&TI 12 de abril de 2010 Mesa 1: P&D no setor privado. Sistema de Inovação... Como chegar ao P&D?

Conferência Estadual Paulista de C&TI 12 de abril de 2010 Mesa 1: P&D no setor privado. Sistema de Inovação... Como chegar ao P&D? Conferência Estadual Paulista de C&TI 12 de abril de 2010 Mesa 1: P&D no setor privado Sistema de Inovação... Como chegar ao P&D? Ronald M. Dauscha Agenda - Foco em maturidade de inovação - Serviços para

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Madhu Haridasan Coordenador de Tecnologia da Informação da Rede Brasil de Tecnologia Dispêndios nacionais

Leia mais

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental.

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental. Carvão Mineral: Ações de Mitigação das Mudanças Climáticas Eng. Fernando Luiz Zancan Presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral ABCM Brasília 27 de Junho de 2007 Segurança de suprimento availability

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

Energia Fotovoltaica. Hélvio Neves Guerra. Brasília 28 de maio de 2015. Superintendente de Concessões e Autorizações de Geração

Energia Fotovoltaica. Hélvio Neves Guerra. Brasília 28 de maio de 2015. Superintendente de Concessões e Autorizações de Geração Energia Fotovoltaica Hélvio Neves Guerra Superintendente de Concessões e Autorizações de Geração Brasília 28 de maio de 2015 Sumário i. Evolução da fonte solar fotovoltaica ii. Panorama Geral dessa fonte

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Empreendedorismo de Base Tecnológica

Empreendedorismo de Base Tecnológica Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores (LEIC) Alameda 2005-2006 1º Semestre Empreendedorismo de Base Tecnológica Rui Baptista http://in3.dem.ist.utl.pt/pp/rbaptista/0506ebt/

Leia mais

Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup )

Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup ) Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup ) Palestra: Desafios do Analista de Negócio na Era do Digital Business Agenda Apresentação Trends Analista de Negócio Digital transformation A & Q Apresentação

Leia mais

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação Daniel Bio SAP Brasil Atuação e presença em +120 países, 37 idiomas Cerca de 54.000 funcionários 7 Centros Globais de Suporte, oferecendo

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Energia Solar: Energia Solar: Principais aplicações. Principais aplicações

Energia Solar: Energia Solar: Principais aplicações. Principais aplicações Energia Solar: Principais aplicações Marcio Eli M. Souza Gerência de Engenharia de Desenvolvimento e Ativos da Distribuição TWh X100 MATRIZ ENERGÉTICA GLOBAL Evolução e Perspectivas 60 40 20 Fonte: Shell

Leia mais

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR PLANO MINEIRO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO 2007-2023

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR PLANO MINEIRO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO 2007-2023 PLANO MINEIRO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO 2007-2023 VISÃO DE FUTURO A visão de longo prazo que nos inspira é tornar Minas Gerais o melhor Estado para se viver. Este será o objetivo final de todo o esforço

Leia mais

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Ações MEI Políticas de caráter horizontal (incentivos fiscais, crédito, melhoria de marcos regulatórios); Políticas para setores estratégicos;

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS INTEGRAÇÃO COM A ÁFRICA

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS INTEGRAÇÃO COM A ÁFRICA Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS INTEGRAÇÃO COM A ÁFRICA Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Café da manhã ELO Group

Café da manhã ELO Group Café da manhã ELO Group RIO DE JANEIRO SÃO PAULO BELO HORIZONTE BRASÍLIA Copyright ELO Group 2012 - Confidencial O QUE FAZEMOS ESTRATÉGIA E DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Acreditamos que a base de um bom esforço

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO

HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Porto, 17-19 de outubro de 2014 Sebastião Feyo de Azevedo, professor de engenharia química, Reitor da

Leia mais

Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014

Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014 II Seminário Brasileiro de Terras-Raras Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014 Indústria de Terras Raras no Brasil Proposta de articulação empresarial para integração

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais