Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo da Ampla)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo da Ampla)"

Transcrição

1 ITA Rev. 0 MAIO / 2005 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo da ) Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia Engenharia e Obras 10 Páginas

2 Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo da ) Esta ITA substitui e cancela o desenho DQN No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO ELABORAÇÃO DATA : 03/05/2005 RESPONSÁVEL TÉCNICO (NOME E CREA) EDUARDO RIBEIRO DE MORAES CREA-RJ /D RUBRICA NOTAS DE CRÉDITO A ELABORAÇÃO DESTA ITA TEVE A PARTICIPAÇÃO DA GERÊNCIA DE NORMALIZAÇÃO VISTO EMISSÃO APROVAÇÃO VANDERLEI ROBADEY CARVALHO ANTONIO CARLOS DA S. ALVES CESAR PEREIRA FERNANDES

3 1- Introdução Esta ITA Instrução Técnica estabelece os procedimentos técnicos internos para o fornecimento provisório de energia elétrica em baixa tensão, complementando as informações do Padrão de Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em BT, no que se refere à execução das instalações. 2- Carga Instalada As cargas instaladas ou potências elétricas disponíveis para contratação são as constantes da Tabela 1 e devem ser estimadas de acordo com a carga elétrica declarada pelo cliente. Para a conversão de potência ativa (W) em potência aparente (VA), e vice e versa, utilizar fator de potência unitário para cargas puramente resistivas, e fator de potência igual a 0,92 para os demais tipos de cargas. Cabe a o fornecimento de todo o material necessário para a ligação. 3- Diagramas de Ligações Os diagramas de ligações são variáveis em função das faixas de carga instalada e do dispositivo antifurto adotado, conforme descriminado a seguir Dispositivo antifurto Tipo 1 - Limitador de carga, monofásico, com reposição automática (Padrão de Material - PM n 2192) utilizado nas seguintes faixas de carga instalada: Ligações monofásicas com carga instalada até 1,9 kva; Ligações bifásicas com carga instalada até 3,3 kva; Ligações trifásicas com carga instalada até 5,7 kva. Rede de Baixa Tensão Caixa de derivação Caixa para disjuntor de BT até 100 A (Nota 1 ) Caixa para disjuntor de BT até 100 A com tomadas Cabo concêntrico Limitador de carga monofásico com reposição automático (Desenho 3) Cabo concêntrico Disjuntor termomagnético de BT (Desenho 5) 1) Obrigatoriamente deverão ser utilizados parafusos de segurança, exceto em Rede AMPLA. 2) Utilizar parafusos de segurança. 3) As seções nominais dos cabos concêntricos estão descritas na Tabela 1. 4) Este Padrão cancela e substitui o desenho DQN Engenharia e Obras Página 1 / 10

4 3.2- Dispositivo antifurto Tipo 2 - Seccionador de BT com controle de falta à terra (Padrão de Material DQN-2125) utilizado nas seguintes faixas de carga instalada: Ligações monofásicas com carga instalada superior a 1,9 kva e menor ou igual a 5,0 kva; Ligações bifásicas com carga instalada superior a 3,3 kva e menor ou igual a 11,0 kva; Ligações trifásicas com carga instalada superior a 5,7 kva e menor ou igual a 19,0 kva. Rede de Baixa Tensão Caixa de derivação Caixa para disjuntor de BT até 100 A (Nota 1 ) Caixa para disjuntor de BT até 100 A com tomadas (Nota 2 ) Cabo concêntrico Seccionador de BT com controle de falta à terra (Desenho 4) Cabo concêntrico com piloto Disjuntor termomagnético de BT (Desenho 6) 1) Obrigatoriamente deverão ser utilizados parafusos de segurança, exceto em Rede AMPLA. 2) Utilizar parafusos de segurança. 3) As seções nominais dos cabos concêntricos estão descritas na Tabela 1. 4) Este Padrão cancela e substitui o desenho DQN Engenharia e Obras Página 2 / 10

5 4- Desenhos de Estruturas e Detalhes de Montagem 1) Quando não for possível a fixação, no mesmo poste, de caixas adicionais destinadas a instalação de dispositivos antifurto (tipos 1 ou 2), recomenda-se a utilização de Caixa de derivação para seccionadores de BT (DQN-2129) fixada ao poste através de Cinta ajustável - tipo BAP (DDT-1742). 2) Em caráter excepcional, na impossibilidade de instalação de Caixa de derivação para seccionadores de BT (DQN-2129) no próprio poste, a instalação poderá ser realizada na própria rede de BT através de suporte para caixa de derivação em vão secundário (DQN-2131). Desenho 1 Fornecimento Provisório Através de Rede Convencional Engenharia e Obras Página 3 / 10

6 1) Obrigatoriamente deve ser mantida a distância mínima de 800 mm entre qualquer caixa destinada a instalação de dispositivos antifurto (tipo 1 ou 2) e a rede de MT. 2) Quando não for possível a fixação, no mesmo poste, de caixas adicionais destinadas a instalação de dispositivos antifurto (tipos 1 ou 2), recomenda-se a utilização de Caixa de derivação para seccionadores de BT (DQN-2129) fixada ao poste através de Cinta ajustável - tipo BAP (DDT-1742). 3) Em caráter excepcional, na impossibilidade de instalação de Caixa de derivação para seccionadores de BT (DQN-2129) no próprio poste, a instalação poderá ser realizada na própria rede de BT através de suporte para caixa de derivação em vão secundário (DQN-2131). Desenho 2 Fornecimento Provisório Através de Rede Engenharia e Obras Página 4 / 10

7 1- O exemplo acima ilustra uma ligação trifásica. Para ligações monofásicas e bifásicas utilizar 1 (um) ou 2 (dois) limitadores de carga monofásicos com 1 (um) ou 2 (dois) cabos concêntricos bipolares, respectivamente. Desenho 3 Montagem de Limitador de Carga Monofásico com Reposição Automática (Dispositivo Antifurto Tipo 1) Engenharia e Obras Página 5 / 10

8 1- O exemplo acima ilustra uma ligação trifásica. Para ligações monofásicas e bifásicas utilizar 1 (um) ou 2 (dois) fios pilotos, respectivamente. 2- Para a isolação dos fios pilotos devem ser utilizados tubos de borracha siliconada DQN-2133, conforme cores indicadas. 3- Para ligações monofásicas e bifásicas, utilizar 1(um) ou 2 (dois) cabos concêntricos bipolares com piloto, respectivamente. 4- Para a fixação dos seccionadores deverá ser prevista a utilização de trilho DIN, de tamanho apropriado, fixado aos parafusos da caixa para disjuntor de BT. 5- Em Rede AMPLA não há necessidade de instalação de micro switch. Desenho 4 Montagem de Seccionador de BT com Controle de Falta a Terra (Dispositivo Antifurto Tipo 2) Engenharia e Obras Página 6 / 10

9 1- O exemplo acima ilustra uma ligação trifásica. Para ligações monofásicas e bifásicas, utilizar 1(um) e 2 (dois) cabos concêntricos bipolares, respectivamente. 2- A união dos neutros deve ser isolada com fita, para evitar curto-circuito através do contato elétrico com os demais componentes. Desenho 5 Montagem de Disjuntor Termomagnético de BT com dispositivo Antifurto TIPO 1 Engenharia e Obras Página 7 / 10

10 1. O exemplo acima ilustra uma ligação trifásica. 2. Para a isolação dos fios pilotos devem ser utilizados tubos de borracha siliconada DQN-2133, conforme cores indicadas. 3. A união dos neutros deve ser isolada com fita, para evitar curto-circuito através do contato elétrico com os demais componentes. 4. Para ligações monofásicas e bifásicas, utilizar 1 (um) e 2 (dois) cabos concêntricos bipolares com piloto, respectivamente. Desenho 6 Montagem de Disjuntor Termomagnético de BT com dispositivo Antifurto TIPO 2 Engenharia e Obras Página 8 / 10

11 TABELA 1 Tipo de Fornecimento Carga Instalada (CI) Condutor Concêntrico FP Fio Piloto Limitador de carga monofásico com reposição automática Seccionador de BT com controle de falta à terra Disjuntor Termomag nético de BT Condutor isolado em PVC 750 V Tomadas Prensa cabos Padrão DDT (kva) (mm²) (A) (A) (A) (mm²) (A) N de pólos (P) Código Mono Até CI = 0,25 1 x 4 (4) x 1,5 (1,5) 10 2 (1P+T) Mono 0,25 < CI 0,50 1 x 4 (4) x 1,5 (1,5) 10 2 (1P+T) Mono 0,50 < CI 0,75 1 x 4 (4) x 1,5 (1,5) 10 2 (1P+T) Mono 0,75 < CI 1,25 1 x 4 (4) x 2,5 (2,5) 10 2 (1P+T) Mono 1,25 < CI 1,90 1 x 4 (4) x 2,5 (2,5) 20 2 (1P+T) Mono 1,90 < CI 2,50 1 x 4 (4) c/ FP x 4 (4) 20 2 (1P+T) Mono 2,50 < CI 3,80 1 x 4 (4) c/ FP x 4 (4) 2 x 20 2 (1P+T) Mono 3,80 < CI 5,00 1 x 6 (6) c/ FP x 10 (10) 3 x 20 2 (1P+T) Bi Até CI = 0,90 2 x 1 # 4 (4) 2 x x 1 # 1,5 (1,5) 10 3 (2P+T) Bi 0,90 < CI 1,30 2 x 1 # 4 (4) 2 x x 1 # 1,5 (1,5) 10 3 (2P+T) Bi 1,30 < CI 2,20 2 x 1 # 4 (4) 2 x x 1 # 1,5 (1,5) 10 3 (2P+T) Bi 2,20 < CI 3,30 2 x 1 # 4 (4) 2 x x 1 # 2,5 (2,5) 20 3 (2P+T) Bi 3,30 < CI 4,40 2x1 #4(4) c/ FP x 1 # 2,5 (2,5) 20 3 (2P+T) Bi 4,40 < CI 8,80 2x1 #6(6) c/ FP x 1 # 6 (6) 2 x 20 3 (2P+T) Bi 8,80 < CI 11,00 2x1 #6(6) c/ FP x 1 # 10 (10) 3 x 20 3 (2P+T) Tri Até CI = 1,50 3 x 1 # 4 (4) 3 x x 1 # 1,5 (1,5) 10 3 (3P) Tri 1,50 < CI 2,30 3 x 1 # 4 (4) 3 x x 1 # 1,5 (1,5) 10 3 (3P) Tri 2,30 < CI 3,80 3 x 1 # 4 (4) 3 x x 1 # 1,5 (1,5) 10 3 (3P) Tri 3,80 < CI 5,70 3 x 1 # 4 (4) 3 x x 1 # 2,5 (2,5) 20 3 (3P) Tri 5,70 < CI 7,60 3x1 #4(4) c/ FP x 1 # 2,5 (2,5) 20 3 (3P) Tri 7,60 < CI 15,20 3x1 #6(6) c/ FP x 1 # 10 (10) 2 x 20 3 (3P) Tri 15,20 < CI 19,0 3x1 #6(6) c/ FP x 1 # 10 (10) 3 x 20 3 (3P) Engenharia e Obras Página 9 / 10

12 1- A quantidade do condutor do ramal de ligação é variável e dependente das condições de instalação. 2- A quantidade do condutor de ligação do disjuntor à tomada, deverá ser dimensionada em função da quantidade das fases, da carga instalada e da posição das tomadas. 3- Deverá ser prevista a utilização de 04 (quatro) abraçadeiras de nylon de 1094 mm (padrão DDT-1750 item 04), sendo 02 (duas) para a fixação do ramal de ligação e 02 (duas) para fixação das caixas para disjuntores de BT até 100 A. 4- Deverá ser prevista a utilização de caixas para disjuntor de BT até 100 A (Padrão de Materiais N 1759 item 02) ou Caixa de derivação para seccionadores de BT (DQN-2129), nas quantidades adequadas ao tipo de montagem. 5- Prever a utilização de suporte para caixa de derivação em vão secundário (DQN- 2131) e respectivas abraçadeiras adequadas (DDT-1750), quando não for tecnicamente viável a instalação de caixas para disjuntor de BT nos postes ou cruzetas. 6- Codificação das tomadas: - Tomada tipo universal 2 pólos (1P+T) 10 A 250 V s/ tampa código ; - Tomada tipo universal 2 pólos (1P+T) 20 A 250 V s/ tampa código ; - Tomada tipo universal 3 pólos (2P+T) 10 A 250 V s/ tampa código ; - Tomada tipo universal 3 pólos (2P+T) 20 A 250 V s/ tampa código ; - Para a aquisição de tomadas de 10 A de 3 pólos (3P) e de 20 A de 3 pólos (3P), deve-se utilizar os códigos e respectivamente, por tratar-se do mesmo material. 7- Para a fixação dos seccionadores de BT com dispositivo de falta à terra nas caixas para disjuntor de BT de 100 A, deverá ser prevista a utilização de trilho DIN 50022, 35 mm, tipo C, de comprimento adequado. Engenharia e Obras Página 10 / 10

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 CT-63 NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 Norma Técnica da AES Eletropaulo Diretoria de Planejamento, Engenharia

Leia mais

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal DDI/SCD/SED Maio/2010 Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual, originalmente desenvolvido para Entrada

Leia mais

Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia Engenharia e Obra

Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia Engenharia e Obra PADRÃO DE MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO COMUNICADO A Ampla Energia e Serviços S/A comunica que visando favorecer ao consumidor na construção de instalação para medição de energia em baixa

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA MÊS DE REFERÊNCIA DOS S: MAIO / 2009 ITEM MATERIAL UN QUANT. 1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO: Rede de distribuição a ser executada parte no sistema embutido e parte no sistema aparente com eletroduto de pvc, fiação,

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

INSTRUÇÃO ÍNDICE. Revisão Data Natureza da Revisão APROVAÇÃO. Emissão inicial cancela e substitui a PRA-D-20098

INSTRUÇÃO ÍNDICE. Revisão Data Natureza da Revisão APROVAÇÃO. Emissão inicial cancela e substitui a PRA-D-20098 1/5 ÍNDICE ITEM TÓPICO I OBJETIVO 02 II ABRANGÊNCIA 02 III RESPONSÁVEIS 02 IV DOCUMENTOS RELACIONADOS 02 V NORMAS GERAIS 02 VI PROCEDIMENTOS 03 Revisão Data Natureza da Revisão APROVAÇÃO Emissão inicial

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0. 2. APLICAÇÃO O projeto expresso visa atender as ligações

Leia mais

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2 UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO Módulo 3 Módulo FRENTE MEDIDAS: Comprimento Total 2,0 m Comprimento módulo, m Comprimento módulo 2,00 m Comprimento módulo 3,0 m Largura 2,3 m

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA Condições de atendimento Coordenação de Engenharia Gerência de Planejamento da Expansão e Engenharia da Distribuição

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T ITA 012 Rev. 1 Janeiro / 2007 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

Remoção de entulho de obra com caçamba metálica - material volumoso misturado por alvenaria, terra, madeira, papel, plástico e metal. total 10.

Remoção de entulho de obra com caçamba metálica - material volumoso misturado por alvenaria, terra, madeira, papel, plástico e metal. total 10. PREFEITURA MUNICIPAL ARTUR NOGUEIRA PREFEITURA PREFEITURA MUNICIPAL MUNICIPAL ARTUR FONTE CÓDIGO ÍTEM SCRIÇÃO UNID. QUANT. VALOR VALOR TOTAL 1- Serviço Preliminar 20308 1.1 Fechamento provisório de vãos

Leia mais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais OBJETIVO Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais Garantir o funcionamento adequado da instalação e a conservação

Leia mais

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 Página 1 de 12 NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE INSTALAÇÃO DE GRUPOS GERADORES PARTICULARES Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Planejamento do Sistema Gerência da

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 52

COMUNICADO TÉCNICO Nº 52 Página 1 de 8 COMUNICADO TÉCNICO Nº 52 INSTALAÇÃO DE TRANSFORMADOR EM SEE SIMPLIFICADA QUE UTILIZA CONJUNTO BLINDADO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição ELABORADO

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz Esquemático Simplificado Instalação residencial 3-Medidor 1-levantamento das potências (cargas) a serem instaladas na residência. NT-001 NT-001 Potência Total instalada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS UBS MANCHINHA

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS UBS MANCHINHA MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS UBS MANCHINHA MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 1.IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DA OBRA: NOME UBS MANCHINHA ENDEREÇO LAJEADO MANCHINHA, INTERIOR SANTA

Leia mais

Prefeitura Municipal de Não-Me-Toque Secretaria da Fazenda [daianeluisa] Anexo Itens Página : 1 de 4 Tomada de Preços N 9/2015 ITEM QTD UN ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL/SERVIÇO MARCA PR.UN TOTAL 1 3 UN CENTRO

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. 499-008 Recon BT_Energia

Leia mais

REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E

REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E CT-69 REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E 20. Comunicado Técnico Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerencia de Tecnologia da Distribuição 2 de 10 FOLHA DE CONTROLE Comunicado

Leia mais

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA.

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina

Leia mais

Apostila de Instalações Elétricas

Apostila de Instalações Elétricas 6.10.9 - Mista: combina uma incandescente e um tubo de descarga com alta pressão. Funciona em tensão de 220 V, sem reator. Emite cerca de 30 lumen/w. Possui vida útil de cerca de 6.000h. É uma alternativa

Leia mais

ND CÁLCULO DE DEMANDA

ND CÁLCULO DE DEMANDA ND-5-2 5-1 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS CÁLCULO DE DEMANDA O dimensionamento dos componentes de entrada de serviço (ramais de ligação e de entrada, alimentadores) das edificações de uso coletivo e dos agrupamentos

Leia mais

Transdutor Digital MKM-01

Transdutor Digital MKM-01 [1] Introdução O Transdutor é um instrumento digital microprocessado, para instalação em fundo de painel, que permite a medição de até 33 parâmetros elétricos em sistema de corrente alternada (CA). Para

Leia mais

QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO

QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO perfeitos para o seu projeto www.alumbra.com.br beleza e segurança agora em uma linha completa em uma instalação elétrica, toda escolha é muito importante: seja na etapa de infraestrutura,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014 MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de instalações elétricas para implantação de iluminação pública nas dependências internas da Praça da Biblia Quadra R22 e R23 com a instalação de projetores embutidos

Leia mais

lectra Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional

lectra Material Didático  INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional lectra Centro de Formação Profissional Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS WWW.ESCOLAELECTRA.COM.BR ÍNDICE 1 Introdução - 5 Definição de eletricidade. Causas e efeitos da eletricidade. Geração, transmissão

Leia mais

Potência total de iluminação prevista (VA) = 900 (VA)

Potência total de iluminação prevista (VA) = 900 (VA) MEMORAL DESCRTVO E DE CÁLCULO PROJETO......... ELÉTRCO PREDAL RESDECAL ORA............FSC. LOCALDADE...... Rua Pavão, 13,37 Costa e Silva - Joinville. PROPREDADE..... Dilma Rousseff. OJETVO........ APROVAÇÃO

Leia mais

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA FINALIDADE Este memorial refere-se ao projeto(de acordo com a NT-002/2011 R03 da COELCE) de implantação de uma subestação aérea de 225kVA, atendendo à BM Pré-Moldados LTDA. Localidade:, Rodovia BR 222,

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA

INVERSOR DE EMERGÊNCIA INVERSOR DE EMERGÊNCIA O Inversor de Emergência trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação normal e emergência.

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito -É assim chamado todo material que possui a propriedade de conduzir ou transportar energia elétrica. -Os condutores devem ser analisados sobre seguintes aspectos.

Leia mais

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade.

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade. O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, que entrará em vigor a partir de 1º de novembro de 2014. TEXTO Item 10.3.2 (Pág. 26) Foi

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM O Inversor de Emergência SLIM trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação

Leia mais

Luminárias Outdoor. UrbanStep. Iluminando o futuro. Segurança para os moradores

Luminárias Outdoor. UrbanStep. Iluminando o futuro. Segurança para os moradores Luminárias Outdoor UrbanStep Iluminando o futuro Segurança para os moradores Oferecendo para você a melhor relação custo-benefício em iluminação viária. Com design otimizado para uso em vias públicas e

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PLANILHA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 9 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 9.1 RAMAIS ALIMENTADORES 9.1.1 Barramento de cobre Ø5,16mm (0,187kg/m) m 10,00 25,20 252,00 1,69 9.1.2 Chave seccionadora de média tensão, com fusível incorporado, sem carga, uso

Leia mais

GE Industrial Solutions. Fix-o-Rail. Quadros de embutir e sobrepor. GE imagination at work

GE Industrial Solutions. Fix-o-Rail. Quadros de embutir e sobrepor. GE imagination at work GE Industrial Solutions Fix-o-Rail Quadros de embutir e sobrepor GE imagination at work Fix-o-Rail Quadros de distribuição de baixa tensão em conformidade com a Norma NBR IEC 60439-3. Fix-o-Rail são quadros

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL - ESTRUTURAS BÁSICAS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL - ESTRUTURAS BÁSICAS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Termos e definições 6. Condições Gerais 7. Engastamento 7.1. Engastamento Simples 7.2. Engastamento F1

Leia mais

Entre (F / N), (F / PE) e (F / PEN) Tecnologia de proteção. Varistor de Óxido de Zinco - MOV Tempo de resposta

Entre (F / N), (F / PE) e (F / PEN) Tecnologia de proteção. Varistor de Óxido de Zinco - MOV Tempo de resposta VC L Dispositivo de Proteção contra Surtos (DPS) com tecnologia de proteção baseada na utilização de varistor de óxido de zinco (). -Três locais para marcadores/identificadores; -Encaixe em trilho ( linha

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27 Fundamentos Prof. Dr. Gustavo Della Colletta Universidade federal de Itajubá-UNIFEI 1 / 27 Agenda 1 Introdução Definições 2 Legislação NBR 5410 Normas específicas 3 Componentes das instalações Componente

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Dimensionamento de Condutores Elétricos I Circuitos Elétricos Residenciais Dimensionamento Consiste em determinar a seção mínima

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria) Projeto Elétrico TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS INICIAIS

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 44/81 3. Deverão ser afixadas, com parafusos, placas identificando as chaves-facas com os dizeres FONTE, CARGA e BY PASS ; 4. Todos os reguladores de tensão deverão ser solidamente conectados ao neutro

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTE PADRÃO PRÉ-FABRICADO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA NTE PADRÃO PRÉ-FABRICADO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÃO PRÉ-FABRICADO Cuiabá Mato Grosso - Brasil 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; frequência nominal; potência ou

Leia mais

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO COM TRÊS FIOS

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO COM TRÊS FIOS SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO COM TRÊS FIOS Você já notou como é feita a distribuição da energia em sua casa? Se você mora em São Paulo, por exemplo, observará que na entrada de sua casa existe uma caixa de

Leia mais

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00014/2015

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00014/2015 13/01/2016 COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO Pregão Eletrônico Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00014/2015 Às 16:55 horas do dia 28 de dezembro de 2015, após constatada a regularidade

Leia mais

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A Descrição do Produto A fonte de alimentação é uma solução para aplicações de uso geral no que se refere a alimentação de controladores programáveis, sensores e comando de quadro elétricos. Tem uma saída

Leia mais

w w w. e l e t r o n p l a s t. c o m. b r

w w w. e l e t r o n p l a s t. c o m. b r w w w. e l e t r o n p l a s t. c o m. b r TRUE CHARGE ECB110F30-A/00 (24V) Manual de Instruções e recomendações de segurança LEGENDA: Risco de Choque Elétrico Advertência Corrente contínua ~ Corrente

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

Segurança total em todos os momentos

Segurança total em todos os momentos Segurança total em todos os momentos Fusíveis de Baixa Tensão www.siemens.com.br/fusiveis Tecnologia Por mais de um século o fusível tem sido usado como meio de proteção contra altas correntes indesejáveis.

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

Fatores de Correção da Capacidade de Condução de Corrente

Fatores de Correção da Capacidade de Condução de Corrente Considerações iniciais Neste módulo, apresentaremos os fatores de correção das capacidades de condução de corrente, relativos à temperatura ambiente e o agrupamento de circuitos, de acordo com as prescrições

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 015

NORMA TÉCNICA NTC 015 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 015 POSTE DE DIVISA Divisão de medição e fiscalização Emissão: 2015 Versão : 01/2015 1 2 Sumário 1. OBJETIVO... 4 2. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES...

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-22/07/2014 05/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

Derivador e terminação para rede RS485

Derivador e terminação para rede RS485 Descrição do Produto O derivador/terminador é um módulo integrante da Série Ponto de controladores programáveis. Sua função é facilitar a instalação de diversas UCPs da Série Piccolo e Ponto com interface

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANGELO RS TIC Tecnologia da Informação e Comunicações Departamento de Processamento de Dados

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANGELO RS TIC Tecnologia da Informação e Comunicações Departamento de Processamento de Dados PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO ANEXO-I Especificação técnica mínimas dos serviços a serem realizados Projeto EDUCAR José Fioravante Schneider 09/09/2014 Página 1 de 14 ANEXO-I Especificação técnica

Leia mais

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OUTRAS ISTALAÇÕES ELÉTRICAS Documento complementar ao Guia de medição, leitura e disponibilização de dados Regras e esquemas de ligações de equipamentos de medição e contagem e aparelhos de corte de entrada,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 78099

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 78099 INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE Av. Prof. Luciano Gualberto, 1289 Cidade Universitária Butantã CEP 05508-010 São Paulo SP BRASIL www.iee.usp.br CNPJ: 63.025.530/0042-82 Inscrição Estadual: isento 1 de

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

Projeto Instalação Sala 3D v. 1.0 Pearson Sistemas do Brasil

Projeto Instalação Sala 3D v. 1.0 Pearson Sistemas do Brasil / 2 v..0 Pearson Sistemas do Brasil Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág./2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6) 3603 9272 2/ 2

Leia mais

REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO DA MÁQUINA UNIPLASMA

REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO DA MÁQUINA UNIPLASMA REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO DA MÁQUINA UNIPLASMA 2011 Rev 01_R&J Senhores, Para que possamos agendar a Instalação Técnica do equipamento, será necessário que os itens abaixo estejam prontos. Nota: Caso

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

Procedimento para ligações provisórias

Procedimento para ligações provisórias Procedimento para ligações provisórias Da Resolução Art. 44. É de responsabilidade exclusiva do interessado o custeio das obras realizadas a seu pedido nos seguintes casos: I extensão de rede de reserva;

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO Edição de Julho de 2.002 OBJETIVO Este fascículo compõe um regulamento geral, que tem por objetivo estabelecer

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos fios existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor do núcleo dos átomos. Quando uma força,

Leia mais

SERIE SMT125 STD DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS * GRADE MOVEL * GRADE FIXA * DUTO FLEXIVEL MEDIDAS INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES TÉCNICAS RPM 2100.

SERIE SMT125 STD DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS * GRADE MOVEL * GRADE FIXA * DUTO FLEXIVEL MEDIDAS INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES TÉCNICAS RPM 2100. SERIE SMT125 STD DADOS TÉCNICOS Ø MM 125 mm RPM 2100 POTENCIA 25 W VAZÃO 200/270 m³/h PRESSÃO 14/20 mmca RUIDO (db) 00 db ÁREA ATÉ 14 m² 26,2 x 21,7 x 20 cm ACABAMENTO PLÁSTICO BRANCO OPCIONAIS * GRADE

Leia mais

Bairro: Zona Rural N e data da ART de projeto: N e data da art de execução:

Bairro: Zona Rural N e data da ART de projeto: N e data da art de execução: P A R A Carga Instalada: Demandas: 86,6 kw KW: 52 KVA: 56 U S O D A C E M I G Desenho: Conteúdo: Cálculo de demanda, carga instalada, situação, diagrama unifilar, quadro de medidores, dimensionamentos

Leia mais

CANALETAS SISTEMA DLP

CANALETAS SISTEMA DLP Sistema DLP canaleta rodapé 80 x 20!!"#$$ %&'(&#)* *+,-*'.)&)* /$0"#!! 23&4&#2.&3(3BC /$0"#51 6&.+& /$0"#55 6&.+&!!/#/0 DB8& /$0"#!1 23&4& 6&

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil Instalações Elétricas Prof.ª Letícia Chaves Fonseca Normas Técnicas: Instalações Elétricas ABNT NBR 5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão CELG-D: NTC-04 Fornecimento de Energia

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO TÍTULO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-06//2009 06//2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior TÍTULO SUMÁRIO. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Sistema X. Sistema DLP. O novo Sistema X é a solução ideal para evitar fios aparentes, e o quebra-quebra das paredes. Canaleta Evolutiva

Sistema X. Sistema DLP. O novo Sistema X é a solução ideal para evitar fios aparentes, e o quebra-quebra das paredes. Canaleta Evolutiva Sistema X O novo Sistema X é a solução ideal para evitar fios aparentes, e o quebra-quebra das paredes. Canaletas 20 x 10 308 01 / 308 02 Canaletas 50 x 20 300 24 Canaletas 110 x 20 300 46 Acoplador 6750

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS

CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS Regras para a concepção dos quadros ou painéis de contagem Elaboração: DPR Homologação: Edição: 2ª Emissão: Av. Urbano Duarte, 100 3030-215 Coimbra Tel.: 239002000

Leia mais

Motores Automação Energia Tintas. Disjuntores em Caixa Moldada

Motores Automação Energia Tintas. Disjuntores em Caixa Moldada Motores Automação Energia Tintas da Tabela de Escolha Tensão Nominal Modelos Tripolares (versões de 2 e 4 pólos sob consulta) DWA 160 DW 161 Un Vca 690 690 690 690 690 Vcc 250 250 250 250 250 Corrente

Leia mais

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO A : Engenheiros

Leia mais

Soluções de ligação à rede Miniprodução

Soluções de ligação à rede Miniprodução 1 - Instalação de consumo BT monofásica ou trifásica Instalação de miniprodução monofásica 1A - Esquema de pormenor (multifilar) - Ligação à rede através dos terminais de entrada do contador de miniprodução

Leia mais

Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas. Norma. Revisão 04 03/2014 NORMA ND.

Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas. Norma. Revisão 04 03/2014 NORMA ND. Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas Norma 03/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de

Leia mais

Tipo Contator de Potência

Tipo Contator de Potência Fabricante de relés e temporizadores desde 1954 Tipo Contator de Potência Características Contator de Potência Contatos NA com abertura > 3mm com dupla abertura Energização contínua para bobina e contatos

Leia mais

Catálogo Técnico 2013

Catálogo Técnico 2013 Catálogo Técnico 2013 Agilidade e criatividade nas instalações Esquema de ligação Interruptor Simples - A/250V~ LÂMPADA RETORNO Permite comandar uma ou mais lâmpadas exclusivamente de um único local. Utiliza-se

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Dimensionamento de Condutores Elétricos Livro: João Mamede Filho Instalações Elétricas Industriais 2 Dimensionamento de

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) - Objetivo: Manter o FP 0,92 Q

Leia mais

Planilha Orçamentária Início, apoio e administração da obra 7.547,90 1,02%

Planilha Orçamentária Início, apoio e administração da obra 7.547,90 1,02% 020000 Início, apoio e administração da obra 7.547,90 1,02% 020200 Container 020202 CPOS Container alojamento - mínimo 9,20 m² unxmês 2,00 253,33 2,24 511,14 0,069% 020204 CPOS Container sanitário - mínimo

Leia mais

Modelo da Estrutura Tipo IP-E3

Modelo da Estrutura Tipo IP-E3 1/9 Modelo da Estrutura Tipo IP-E3 Seguir o POP-IP 001.01.02 Regras Básicas do de Iluminação Pública. Passo 01: Executar os passos 01 a 13 do POP-IP 001.01.03 Diretriz do eletricista de Iluminação Pública.

Leia mais

FUSÍVEIS. Tensão nominal: 250 VCC. Base. Indicador de atuação. Indicador de atuação

FUSÍVEIS. Tensão nominal: 250 VCC. Base. Indicador de atuação. Indicador de atuação NH dicador de atuação no topo dicador de atuação frontal Categoria de utilização: gg ( para aplicação geral e com capacidade de interrupção em toda zona tempocorrente ) : 0 VC e 90 VC VCC Capacidade de

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de unidades consumidoras do Grupo

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOCUMENTAÇÃO (LEGAL) REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL REGRAS DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Portaria 949-A/2006 de 11 de Setembro DIRECTIVA DE BAIXA TENSÃO 2006/95/CE - Decreto-lei 6/2008,

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 30/11/2007 Revisão e atualização do texto, e adequação ao modelo atual de normativo.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 30/11/2007 Revisão e atualização do texto, e adequação ao modelo atual de normativo. Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada em Baixa Tensão Processo `Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elabora Projetos e Orçamentos Código Edição Data VR01.02-01.07 2ª Folha

Leia mais

Caro aluno, segue uma lista de exercícios para a V2, no entanto estude toda a matéria dada: 1) Qual a diferença de um gerador para um motor elétrico?

Caro aluno, segue uma lista de exercícios para a V2, no entanto estude toda a matéria dada: 1) Qual a diferença de um gerador para um motor elétrico? Lista de Exercício para a V2 Instalações Elétricas II 1 Caro aluno, segue uma lista de exercícios para a V2, no entanto estude toda a matéria dada: 1) Qual a diferença de um gerador para um motor elétrico?

Leia mais

Padrão de entrada PCI-3

Padrão de entrada PCI-3 Padrão de entrada PCI-3 padrão de entrada Relação de Materiais Item Qtde. Un. Descrição 01 01 pç 02 Fornecido e instalado pela EDP 03 Variável m Poste com caixa incorporada tipo PCI-3 (ver nota 4) Ramal

Leia mais

Nobreaks. Smart-UPS C. Proteção e disponibilidade para aplicações críticas.

Nobreaks. Smart-UPS C. Proteção e disponibilidade para aplicações críticas. Nobreaks Smart-UPS C Proteção e disponibilidade para aplicações críticas. APC Smart-UPS C Proteção inteligente e eficiente de energia, ideal para servidores, pontos de venda e equipamentos de rede. Design

Leia mais

ENE082: Intalações Elétricas

ENE082: Intalações Elétricas UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ENE082: Intalações Elétricas (Turma A) Aula 01: Informações Gerais P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Tipo 3NP 1 3K 3NJ4

Leia mais