PAINÉIS SOLARES FOTOVOLTAICOS DE SILÍCIO CRISTALINO: MÉTODOS QUÍMICOS DE SEPARAÇÃO DE COMPONENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAINÉIS SOLARES FOTOVOLTAICOS DE SILÍCIO CRISTALINO: MÉTODOS QUÍMICOS DE SEPARAÇÃO DE COMPONENTES"

Transcrição

1 PAINÉIS SOLARES FOTOVOLTAICOS DE SILÍCIO CRISTALINO: MÉTODOS QUÍMICOS DE SEPARAÇÃO DE COMPONENTES Mariana Gonçalves Benevit Universidade Federal do Rio Grande do sul Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Av. Bento Gonçalves, 9500 Setor IV Prédio 74 Campus do Vale Bairro Agronomia CEP: Porto Alegre RS Pablo Ribeiro Dias Universidade Federal do Rio Grande do sul Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Av. Bento Gonçalves, 9500 Setor IV Prédio 74 Campus do Vale Bairro Agronomia CEP: Porto Alegre RS Prof. Dr. Hugo Marcelo Veit Universidade Federal do Rio Grande do sul Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Av. Bento Gonçalves, 9500 Setor IV Prédio 74 Campus do Vale Bairro Agronomia CEP: Porto Alegre RS Resumo: A busca por fontes alternativas de geração de energia tem se intensificado nos últimos anos. Uma destas alternativas é a energia solar, pois trata-se de uma fonte praticamente inesgotável, além de gerar impacto ambiental relativamente pequeno se comparada a outras fontes tradicionais de geração. A coleta da energia solar e sua transformação em energia térmica ou elétrica só é possível através do uso de painéis fotovoltaicos. Estes painéis têm uma vida útil limitada, ou seja, em algum momento serão substituídos por novos. Dessa forma, em um futuro próximo, grandes quantidades de módulos solares podem ser descartadas como resíduo eletroeletrônico. A fim de

2 recuperar matérias-primas importantes, reduzindo os custos de produção, bem como os impactos ambientais, a reciclagem de tais materiais assume grande importância. Em busca de contribuir com a elaboração de métodos de reciclagem de painéis de silício cristalino que sejam universais, independentes do modelo que está sendo processado, submeteu-se amostras de dois módulos a tratamentos químicos variados a fim de se obter uma segregação entre os materiais presentes, sendo o primeiro passo para efetivar uma rota de reciclagem viável. Tendo em vista os resultados obtidos de três experimentos de separação química, foi possível verificar que o uso do ácido sulfúrico foi o mais efetivo na segregação dos materiais presentes, facilitando uma etapa posterior de reciclagem. Palavras-chave: Painel solar, silício cristalino, reciclagem PHOTOVOLTAIC SOLAR PANELS OF CRYSTALLINE SILICON: CHEMICAL METHODS OF SEPARATION OF COMPONENTS Abstract: The search for alternative sources of power generation has been intensified in recent years. One of these alternatives is solar energy, since it is a virtually inexhaustible source and generates relatively small environmental impact compared to other traditional generation sources. The collection of solar energy and its conversion into thermal or electrical energy is only possible through the use of photovoltaic panels. These panels have a limited lifespan and will eventually be replaced by new ones. Thus, in the near future, large amounts of solar modules can be discarded as waste electronics. In order to retrieve important raw materials, reducing production costs and environmental impacts, recycling such materials is of great importance. Seeking to contribute to the development of methods for recycling crystalline silicon panels that are universal -- independent of the model being processed --, samples of two modules were submitted to various chemical treatments in order to achieve segregation of materials present, as the first step to enforce a viable route of recycling. Given the results of three experiments of chemical separation, it was found that the use of sulfuric acid was the most effective method of segregation of the present materials, facilitating a later stage of recycling. Keywords: Solar panel, crystalline silicon, recycling 1. INTRODUÇÃO O temor da redução dos estoques mundiais de combustíveis fósseis e seu subsequente aumento de valor, causados pela crescente demanda global por energia, bem como os riscos de uma alteração climática irreversível causada por emissões excessivas de gases causadores do efeito estufa tem colocado a humanidade em sério impasse. Frente a essas questões, o desenvolvimento de energias chamadas alternativas surge como uma forma de transpor esses problemas, principalmente quando se trata do aproveitamento de recursos renováveis. Ainda que não possua atualmente o poder de suplantar a economia do petróleo, o desenvolvimento de novas matrizes energéticas tem se dado de forma crescente, como também é crescente sua participação na economia de diversos países. Dentre os métodos alternativos em expansão, encontra-se a energia solar fotovoltaica. Segundo relatório publicado em 2013 pela Comissão Européia, o mercado de painéis fotovoltaicos cresceu cerca de 30% em 2011 e 11% em 2012, apesar da situação econômica

3 desfavorável a nível internacional. Do total de novos investimentos em matrizes renováveis, a energia solar obteve 57,7% do valor, cerca de bilhões de dólares. De acordo com o documento, desde 2008 os valores dos módulos caíram 80%; somente em 2012 a queda nos preços foi de 20%. Ainda segundo o relatório, mesmo que com força reduzida, o crescimento na produção anual de energia solar fotovoltaica continua a crescer, sendo encabeçado, nos últimos anos, pela atuação da China. Em 2012, a produção mundial aproximou-se dos 40 GW. Imagem 1 - Produção mundial de energia solar fotovoltaica em GW (EUROPEAN COMMISSION, 2013) No Brasil, as matrizes renováveis são uma importante fonte de energia. No caso da geração de eletricidade, elas são responsáveis por 85% do total (EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA, 2013). No entanto, é possível perceber que o país ainda não avançou muito na exploração da energia solar, sendo inexpressivos os valores obtidos frente aos demais modelos. Com potencial geral médio de 2522 horas por ano de insolação (aproximadamente sete horas diárias, valor considerado alto) destacam-se as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país (FUNARI & TARIFA, 1983). Apesar do alto potencial verificado, no final de 2012, o Brasil possuía apenas 45MW de capacidade instalada (INTERNATIONAL ENERGY AGENCY, 2013). Dos painéis fabricados atualmente no mundo, aproximadamente 85% da produção emprega tecnologias baseadas em silício cristalino (EUROPEAN COMMISSION, 2013). Como o tempo de vida útil desses equipamentos ultrapassa os vinte anos, ainda não existe uma grande quantidade deste resíduo eletroeletrônico sendo produzido. A previsão, no entanto, é de que a partir de 2020 a quantidade de módulos descartados adquira grandes proporções. Em 2035, por exemplo, estima-se que aproximadamente um milhão de toneladas de módulos solares sejam descartados (INTERNATIONAL ENERGY AGENCY, 2013). Assim, é necessário que exista planejamento quanto à disposição desses produtos, de modo a evitar o descarte no ambiente. A reciclagem, portanto, apresenta-se como uma alternativa importante econômica e ambientalmente, a fim de reduzir os gastos com produção, bem como os impactos ambientais gerados na elaboração destes equipamentos. Dada a importância do assunto, o trabalho desenvolvido busca identificar a composição dos painéis de silício cristalino, explorando possibilidades de separar os componentes, de maneira a facilitar e incentivar os processos de reciclagem desses materiais.

4 1.1. Reciclagem e Identificação de Componentes em Módulos Cristalinos Para posicionar-se mundialmente como energia limpa, é necessário focar muito além do processo de captação de energia: é preciso um estudo aprofundado que leve em conta a análise do ciclo de vida de equipamentos e serviços que provêm essa matriz. Na atualidade, estão diponíveis inúmeras tecnologias diferentes para aproveitamento da energia solar fotovoltaica. Existem módulos que empregam silício multicristalino (Ribbon Multi-Si e Multi-Si), monocristalino, (Mono-Si), Cádmio e Telúrio (CdTe) e Cobre, Índio, Gálio e Selênio (CIS/CIGS), além de tecnologias como as denominadas "Dye-Sensitized Photovoltaic" (DSPV) e "Quantum Dot" (QDPV). Imagem 2 - emissões de SOx e NOx (em mg) por kwh produzido, na cadeia de produção, de acordo com o tipo de painel solar. (TYAGI et al., 2013) Imagem 3 - emissões de elementos tóxicos (em μg) por kwh, na cadeia de produção, de acordo com o tipo de painel solar. (TYAGI et al., 2013) A partir dos dados apresentados, constata-se que os painéis de silício cristalino estão em 3 e 4 lugar na produção de SOx e NOx na cadeia de produção desses materiais, dentre as sete tecnologias apresentadas. Quanto à liberação de elementos tóxicos, encontram-se, na maior parte dos casos, em segundo e terceiro lugar (dentre cinco tecnologias apresentadas).

5 É importante comparar tais valores com os de energias de fonte não-renovável, como o carvão, por exemplo. Cada GWh de energia solar fotovoltaica evitaria a emissão de cerca de 10 toneladas de SO 2, 4 toneladas de NOx, 0,7 toneladas de particulados e mais de 1000 toneladas de CO 2. (GIACCHETTA et al., 2013). Para reduzir os impactos ambientais, com relação aos equipamentos, além de prezar pela eficiência, durabilidade e pelo menor impacto na escolha de matérias-primas, é importante buscar a reciclagem do material após a perda de suas funções, evitando que este se torne resíduo eletroeletrônico. Como é possível perceber, ainda que a energia solar fotovoltaica seja classificada como limpa (em comparação com as tecnologias mais antigas), ocorrem emissões de gases prejudiciais, bem como de elementos tóxicos na cadeia produtiva dos painéis Características dos Painéis de Silício Cristalino Grande parte da produção mundial de módulos solares é de silício cristalino. Nestes, a primeira camada geralmente é feita de vidro (podendo também ser composta por filmes poliméricos). Em seguida é empregado o material encapsulante (mais comum e barato sendo o etil vinil acetato - EVA; outros componentes utilizados podem ser, dentre outros, poliuretano termoplástico -TPU, polivinil butiral - PVB ou Silicones), que funciona como adesivo, além de conectar os demais componentes do módulo (PERN, 2008). Os contatos elétricos são importantes componentes, principalmente quando trata da questão da reciclagem, pois estes podem conter metais de interesse econômico como o Cobre e a Prata. A reutilização destes compostos pode significar grande economia de energia, corte de gastos e redução nos impactos ambientais. A célula solar de silício (monocristalino ou policristalino) é colocada, juntamente com os contatos elétricos, entre duas camadas de material encapsulante (BROUER et al., 2011). A camada traseira da célula pode ter composições diferentes, tais como TPT (Tedlar/PET/Tedlar), TPE (Tedlar/PET/EVA), TPOT (Tedlar/PET/Oxide/Tedlar), dentre outras. A moldura, por fim, é geralmente feita de alumínio, o que confere resistência e leveza à estrutura do painel. Para selar a interface entre o vidro e a moldura em alumínio frequentemente são empregados seladores de silicone ou polibutil (PERN, 2008). Imagem 4 - Modelo de disposição de componentes em módulo solar fotovoltaico de silício cristalino (PERN, 2008) 1.3. Métodos de Reciclagem Alguns métodos de reciclagem dos módulos solares realizam processamento mecânico nos painéis para reduzir o módulo a pedaços pequenos. Após essa etapa, ocorre o processo químico,

6 para a separação do material semicondutor do plástico e do vidro descartados (INTERNATIONAL ENERGY AGENCY, 2013). Tal metodologia, no entanto, não é regra. Desde 2003, a empresa Deutsche Solar realiza processos de reciclagem de módulos que empregam tratamento térmico (BROUER et al., 2011). Os componentes plásticos são separados do painel em recipientes submetidos a altas temperaturas, com a remoção manual de partes remanescentes e reagrupamento dos painéis de silício. A empresa First Solar, por sua vez, utiliza para a reciclagem de painéis solares de filme fino um processo realizado em cinco etapas (GIACCHETTA et al., 2013): Redução de tamanho (quebra dos módulos), remoção do filme fino (utilizando H 2 SO 4 e H 2 O 2 ), separação sólido-líquido, separação da interface vidro-eva, lavagem do vidro, precipitação e secagem. O método desenvolvido através do projeto europeu RESOLVED (Recovery of Solar Valuable Materials, Enrichment and Decontamination) também para o tratamento de filmes finos, utiliza apenas o tratamento térmico para a separação de materiais. Através de uma temperatura entre 450 C e 500 C, consegue-se destruir a camada de EVA e separar as camadas do módulo (GIACCHETTA et al., 2013). 2. MATERIAIS E MÉTODOS Para a realização do estudo de separação de componentes, foram adquiridos painéis de silício cristalino de marcas diferentes, denominados de A e B. A imagem 5 apresenta os dois painéis antes de qualquer processo de desmontagem. Imagem 5 módulos A e B, antes da desmontagem

7 trabalho. A tabela 1 apresenta alguns dados técnicos relativos aos dois painéis utilizados no Tabela 1 - Dados fornecidos pelos fabricantes acerca dos módulos adquiridos A B Ano Pmax 20,0W 25,0W Ipmax 1,16A 1,42A Vpmax 17,4V 17,62V Isc 1,24A 1,63A Voc 21,7V 21,10V Na primeira etapa de separação ocorreu a remoção, de forma mecânica, das molduras de alumínio de ambos os painéis. Na etapa seguinte, foram coletadas amostras do vidro presente nos painéis e analisadas através de FRX (fluorescência de raio-x). Após, foram realizados testes com processos de tratamento químico, que pudessem remover componentes de interesse para reciclagem. Os testes foram realizados com três solventes diferentes: HF, H 2 SO 4 e uma solução contendo HF, HNO 3, NH 4 F e água deionizada. No primeiro experimento foi utilizado HF 40% P.A.. Selecionou-se duas amostras do módulo B, com tamanho aproximado 2x2cm. Na primeira, foi removida a cobertura de vidro, enquanto na segunda essa cobertura foi mantida. As amostras foram colocadas em recipientes contendo a solução por oito dias. A escolha do módulo B para esse experimento ocorreu pela dificuldade de separação mecânica do vidro de cobertura, motivada em parte por rugosidades existentes na interface do material encapsulante com o vidro. No segundo experimento, duas amostras do módulo B (tamanho aproximado 2x2 cm) foram separadas. Na primeira, foi removida a cobertura de vidro, enquanto na segunda essa cobertura foi mantida. Ambas as amostras continham a camada de substrato, e foram colocadas em H 2 SO 4 P.A por dez dias. Após este período, as amostras foram submetidas à agitação em recipiente contendo água deionizada por cinco dias. Ainda no segundo experimento, uma amostra do módulo A (com vidro e substrato) também foi adicionada a um recipiente contendo H 2 SO 4 P.A., sendo mantida por dois dias para verificação. Já no terceiro experimento, duas amostras do módulo B (tamanho aproximado 2x2 cm) foram separadas. Na primeira, foi removida a cobertura de vidro, enquanto na segunda essa cobertura foi mantida. As amostras foram colocadas em recipientes contendo solução preparada a partir de 300 ml de HF 40% P.A., 30 ml de HNO 3 65% P.A., 90 ml de água deionizada e 3 g de NH 4 F (solução baseada em experimentos documentados 1 ). As amostras foram mantidas no recipiente por seis dias. A escolha do módulo B, neste caso, também se deve às rugosidades presentes na interface entre o vidro e o material encapsulante, e sua consequente dificuldade em separação. Neste terceiro experimento, a solução obtida da amostra sem a cobertura de vidro foi analisada pela técnica de absorção atômica. 1 An J, Shi Y, Liu Z G, et al. The influence of NH4F on silicon etching in HF/HNO3/H2O system. Proc ISES World Congress 2007 (Vol. I Vol. V), 4, p , 2009

8 3. RESULTADOS O primeiro resultado obtido foi a análise do vidro presente no painel A. O resultado está apresentado na tabela 2. Foi possível verificar que o vidro utilizado no painel não apresentou componentes diversos daqueles usualmente encontrados em vidros comuns, o que indica que após a sua segregação, é possível enviá-lo para processos já conhecidos de reciclagem de vidro. Tabela 2 porcentagem de componentes presentes no vidro de amostra retirada do módulo A Analito Porcentagem na amostra SiO % CaO % Na 2 O % MgO % Al 2 O % SO % K 2 O % Fe 2 O % No primeiro experimento, em que se utilizou HF 40% P.A., foram obtidos resultados distintos. Na amostra do módulo B que continha o vidro (imagem 6), ocorreu o completo desprendimento deste, que reagiu com o ácido e depositou-se no fundo do recipiente, sendo parcialmente dissolvido. Houve esbranquiçamento e desprendimento parcial do material encapsulante, no qual foi possível verificar a adesão dos contatos metálicos menores. Já na amostra que não continha a cobertura de vidro (imagem 7), o material encapsulante ficou esbranquiçado, desprendendo-se parcialmente das demais partes. Neste caso, também foi possível verificar que os contatos metálicos menores ficaram aderidos ao material encapsulante. Todo o semicondutor contido na amostra depositou-se no fundo do recipiente. Imagem 6 - resultados obtidos com HF 40% P.A na amostra de B que continha a cobertura com vidro

9 Imagem 7 - resultados obtidos com HF 40% P.A na amostra de B em que a cobertura com vidro foi removida No segundo experimento, no qual foi empregado H 2 SO 4 P.A., verificou-se dissolução do substrato no ácido na amostra B que continha o vidro (imagem 8). Dessa forma, o ácido adquiriu coloração esbranquiçada e aumento na viscosidade. Ocorreu desprendimento completo do vidro e enegrecimento do material encapsulante. Não houve precipitação de material. Na amostra sem a cobertura de vidro (imagem 9), ocorreu dissolução do substrato no ácido, que adquiriu coloração esbranquiçada e teve aumento da viscosidade. Houve enegrecimento do material encapsulante sem que ocorresse precipitação de material. Imagem 8 - resultados obtidos com H 2 SO 4 P.A. na amostra B com cobertura de vidro

10 Imagem 9 - resultados obtidos com H 2 SO 4 P.A. na amostra B sem cobertura de vidro Após a remoção das duas amostras (pertencentes ao painel B) da solução, verificou-se mudança de textura no material encapsulante, que perdeu a resistência mecânica, tornando-se completamente quebradiço. O material foi então colocado em recipiente contendo água deionizada e submetido à agitação por cinco dias, o que ocasionou em liberação do semicondutor. Quanto à amostra A que foi adicionada (imagem 10), verificou-se enegrecimento e mudança de textura do material encapsulante. Houve modificação na cor do solvente e desprendimento completo do vidro. Imagem 10 - resultados obtidos com H 2 SO 4 P.A. na amostra A (com vidro) No terceiro experimento, com a solução de HF, HNO 3, NH 4 F e água deionizada, ocorreram diferenças significativas entre o resultado das amostras. Na amostra que continha a cobertura de vidro (imagem 11), houve desprendimento parcial deste, com sua parcial dissolução. Ocorreu oxidação de contatos metálicos, sem que houvesse ruptura significativa no material encapsulante. Não houve precipitação de material semicondutor. Já na amostra sem a cobertura com o vidro (imagem 12), ocorreu ruptura do material encapsulante e dissolução completa do semicondutor e contatos elétricos. Não houve modificação na cor da solução. Uma posterior análise de absorção atômica do líquido da amostra sem vidro revelou a presença de 0,028 mg.l -1 de Ag, provavelmente proveniente dos contatos menores da placa. Na

11 mesma análise, constatou-se grandes quantidades de cobre (altas demais para a medição no equipamento), provavelmente provenientes também de contatos da placa. Imagem 11 - resultados obtidos no terceiro experimento para a amostra de B com vidro Imagem 12 - resultados obtidos no terceiro experimento para a amostra de B sem vidro 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A partir dos resultados obtidos, podemos perceber que a heterogeneidade no modo de fabricação dos módulos fotovoltaicos de silício aumenta a complexidade da elaboração de métodos de reciclagem que sejam universais, não dependendo do modelo de painel que está sendo processado. Primeiramente verificou-se que o vidro empregado na sua fabricação é perfeitamente reciclável, desde que corretamente segregado, pois na sua composição não foram encontrados compostos diversos dos usualmente utilizados. Nos testes de segregação utilizando reagentes químicos, verificou-se a importância de empregar tamanhos reduzidos (amostras inferiores à 4cm²) para aumentar a interface do solvente empregado com o material a ser reciclado. Em conjunto com essa medida, verificou-se que a agitação da amostra reduz notavelmente o período de separação de componentes. Foram encontradas vantagens no médodo que emprega ácido sulfúrico para separação de materiais, por não ocorrer reação do mesmo com o vidro dos módulos, possibilitando assim que este seja encaminhado para reciclagem após a lavagem. A reciclagem do vidro dos módulos fotovoltaicos

12 é uma importante medida para reduzir os impactos causados na elaboração do produto, à medida que diminui sensivelmente as emissões gases agente do efeito estufa. (GIACCHETTA et al., 2013) A presente pesquisa não esgota os inúmeros métodos que podem ser empregados para a separação de componentes de módulos fotovoltaicos de silício. Posteriores análises devem ser realizadas para obter resultados mais avançados que possam universalizar a reciclagem de tais produtos, permitindo sua adoção em cadeia industrial, evitando o desperdício de matéria-prima e minimizando as emissões deletérias dessa cadeia produtiva. 5. REFERÊNCIAS AN J., SHI Y., LIU Z. G., et al. The influence of NH4F on silicon etching in HF/HNO3/H2O system. Proc ISES World Congress 2007 (Vol. I Vol. V), 4, p , 2009 BROUER, Karen Ann; GUPTA, Chhaya; HONDA, Shelton; ZARGARIAN, Mahshad. Methods and Concerns for Disposal of Photovoltaic Solar Panels f. Project Report (Master of Science In Engineering) - Department of General Engineering, San Jose State University, San Jose, Disponível em <http://generalengineering.sjsu.edu/docs/pdf/mse_prj_rpts/fall2011/methods%20and%20conc ERNS%20FOR%20DISPOSAL%20OF%20PHOTOVOLTAICS.pdf> EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço Energético Nacional 2013: Ano base Rio de Janeiro, Relatório. Disponível em <https://ben.epe.gov.br/downloads/relatorio_final_ben_2013.pdf> EUROPEAN COMMISSION. JRC Scientific and Policy Report. PV Status Report Luxembourg, Relatório. Disponível em<http://iet.jrc.ec.europa.eu/remea/pv-status-report-2013> FUNARI, Frederico Luiz; TARIFA, José Roberto. Insolação, radiação solar global e radiação líquida no Brasil. Dissertação de Mestrado, FFLCH, USP, São Paulo, Disponível em <http://www.cbmet.com/cbm-files/17-e518b5bd71c575ff6dd35112f2513d85.pdf> GIACCHETTA, Giancarlo; LEPORINI, Mariella; MARCHETTI, Barbara. Evaluation of the environmental benefits of new high value process for the management of the end of life of thin film photovoltaic modules. Journal of Cleaner Production. Ed. Elsevier. Vol 51, p INTERNATIONAL ENERGY AGENCY. Photovoltaic Power Systems Programme. Trends 2013 in Photovoltaic Applications Relatório. Disponível em <http://www.ieapvps.org/index.php?id=3&eid=dam_frontend_push&docid=1733> PERN, John. Module Encapsulation Materials, Processing and Testing. APP International PV Reliability Workshop. SJTU, Shanghai, China. Dec. 4-5, slides. Apresentação Power-point. TYAGI, V.V. ; RAHIM, Nurul A.A; RAHIM, N.A.; SELVARAJ, A./L.. Progress in solar PV technology: Research and achievement. Renewable and Sustainable Energy Reviews. Ed. Elsevier. Vol 20, p

PAINÉIS SOLARES FOTOVOLTAICOS DE SILÍCIO CRISTALINO: CARACTERIZAÇÃO E SEPARAÇÃO

PAINÉIS SOLARES FOTOVOLTAICOS DE SILÍCIO CRISTALINO: CARACTERIZAÇÃO E SEPARAÇÃO PAINÉIS SOLARES FOTOVOLTAICOS DE SILÍCIO CRISTALINO: CARACTERIZAÇÃO E SEPARAÇÃO P. R. Dias a, M G. Benevit a, H. M. Veit a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Av. Bento Gonçalves, 9500,

Leia mais

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Aluno: Maria Samara Nascimento Amorim Orientador: Álvaro de Lima Veiga Filho 1. Introdução Geral Energia fotovoltaica

Leia mais

Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede Elétrica

Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede Elétrica Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede Elétrica Me. URBANO U. SECUNDES - www.pesquisapa.ifba.edu.br/gpec 1 Tecnologias de Silício Policristalino e Monocristalino - www.pesquisapa.ifba.edu.br/gpec 2 Tecnologia

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS Introdução a Engenharia Professores: Márcio Zamboti Fortes e Vitor Hugo Ferreira (UFF) Bruno Henriques Dias e Flávio Gomes (UFJF)

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO DA COSTA 1, Cinthya Borges Lopes DA SILVA 2, Michele Gomes FERREIRA 3, João Marcelo Dias

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE ROGER NABEYAMA MICHELS JOSÉ AIRTON AZEVEDO DOS SANTOS ESTOR GNOATTO EDWARD KAWANAGH

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

Recuperação de Metais Contidos em Catalisadores Exauridos.

Recuperação de Metais Contidos em Catalisadores Exauridos. Recuperação de Metais Contidos em Catalisadores Exauridos. Flávio de Almeida Lemos Bolsista Capacitação Institucional, D.Sc. Ivan Ondino de Carvalho Masson Orientador, Engenheiro Químico, D. Sc. Resumo

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Energia

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

Energia Fotovoltaica. Hélvio Neves Guerra. Brasília 28 de maio de 2015. Superintendente de Concessões e Autorizações de Geração

Energia Fotovoltaica. Hélvio Neves Guerra. Brasília 28 de maio de 2015. Superintendente de Concessões e Autorizações de Geração Energia Fotovoltaica Hélvio Neves Guerra Superintendente de Concessões e Autorizações de Geração Brasília 28 de maio de 2015 Sumário i. Evolução da fonte solar fotovoltaica ii. Panorama Geral dessa fonte

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

BNDES e a Eficiência Energética

BNDES e a Eficiência Energética BNDES e a Eficiência Energética Maio de 2015 Alexandre Siciliano Esposito Gerente de Estudos Setoriais Departamentos de Energia Elétrica e Energia Alternativa Área de Infraestrutura Líderes Mundiais em

Leia mais

ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA.

ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA. ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA. 1 Quase todas as fontes de energia hidráulica, biomassa, eólica, combustíveis fósseis e energia dos oceanos são formas indiretas de energia solar.

Leia mais

Painel Energias Limpas

Painel Energias Limpas Painel Energias Limpas Délio Malheiros Secretário Municipal de Meio Ambiente Vice Prefeito Prefeitura de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Santa Fé, 11 a 13 de setembro de 2013. 1 Energia Solar no

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Recursos Minerais e Energéticos O que são recursos minerais? Recursos minerais são substâncias naturais inorgânicas que foram descobertas

Leia mais

O SEU PARCEIRO DE ENERGIA SOLAR PRODUZA A SUA PRÓPRIA ENERGIA LIMPA E MELHORE O SEU FUTURO

O SEU PARCEIRO DE ENERGIA SOLAR PRODUZA A SUA PRÓPRIA ENERGIA LIMPA E MELHORE O SEU FUTURO O SEU PARCEIRO DE ENERGIA SOLAR PRODUZA A SUA PRÓPRIA ENERGIA LIMPA E MELHORE O SEU FUTURO Escolha o melhor parceiro LÍDER DE MERCADO COM MAIS DE 50 ANOS DE EXPERIÊNCIA Em 31 de março de 2013, gerimos

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

Atividade experimental Gerando energia elétrica com a luz do Sol

Atividade experimental Gerando energia elétrica com a luz do Sol Atividade experimental Gerando energia elétrica com a luz do Sol É impossível imaginar o mundo atual sem energia elétrica. Pense em todas as atividades que você realiza em um dia na sua casa; em várias

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Pedro Uczai) Dispõe sobre incentivos à utilização da energia solar e dá nova redação ao artigo 82 da Lei nº 11.977, de 7 de julho de 2009. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 1. APRESENTAÇÃO Com o intuito de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira de

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Avaliação de Ciclo de Vida Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Todo produto tem uma história Cada produto que chega às nossas mãos passa por diversos processos diferentes

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO 2 nd International Workshop on Advances in Cleaner Production Orientadora: Profª.Dra. Ana Elena Salvi Abreu, Ricardo M. a ; Lopes, Ricardo W. b ; Azrak, Roberto c a. Universidade

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Prof. Dr. Luciano Schuch Schuch.prof@gmail.com Sumário Potencial energético Previsões Sistemas fotovoltaicos Cenário Nacional Legislação ANEEL Projeto

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Tratamento Químico e Reciclagem de Chapas de Raio-X

Tratamento Químico e Reciclagem de Chapas de Raio-X Tratamento Químico e Reciclagem de Chapas de Raio-X Amanda Quatrocchio LIPORINI 1 Caroline Franceschini MION 1 Maria Cecília H.T. CAVALHEIRO 1 Resumo Os setores hospitalar e de saúde são enormes produtores

Leia mais

Meio-ambiente INFORMAÇÕES DA KODAK

Meio-ambiente INFORMAÇÕES DA KODAK Text-block 1 Meio-ambiente INFORMAÇÕES DA KODAK O Destino e os Efeitos da Prata no Meio-ambiente Os despejos provenientes das instalações de processamento fotográfico são comumente regulamentados através

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA MÓDULOS MONOCRISTALINOS SEM MOLDURA - SI-ESF-M-M125-36

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA MÓDULOS MONOCRISTALINOS SEM MOLDURA - SI-ESF-M-M125-36 Solar Innova usa os últimos materiais para a fabricação de seus módulos solar. Nossos módulos são ideais para qualquer aplicativo que usa o efeito fotoelétrico como uma fonte de energia limpa por causa

Leia mais

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 1. APRESENTAÇÃO Com o objetivo de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

LEVANTAMENTO DO PERFIL E AVALIAÇÃO DA FROTA DE VEICULOS DE PASSEIO BRASILEIRA VISANDO RACIONALIZAR AS EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO

LEVANTAMENTO DO PERFIL E AVALIAÇÃO DA FROTA DE VEICULOS DE PASSEIO BRASILEIRA VISANDO RACIONALIZAR AS EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO LEVANTAMENTO DO PERFIL E AVALIAÇÃO DA FROTA DE VEICULOS DE PASSEIO BRASILEIRA VISANDO RACIONALIZAR AS EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO Leonardo Eustáquio Guimarães Francis Lee RESUMO: O objetivo deste trabalho

Leia mais

ELETRICIDADE SOLAR APOIO INSTITUCIONAL SOBRE O INSTITUTO IDEAL CARTILHA EDUCATIVA

ELETRICIDADE SOLAR APOIO INSTITUCIONAL SOBRE O INSTITUTO IDEAL CARTILHA EDUCATIVA APOIO INSTITUCIONAL ELETRICIDADE SOLAR ISES International Solar Energy Society SOBRE O INSTITUTO IDEAL Criado em 2007, o Instituto Ideal tem o propósito de incentivar junto a governantes, parlamentares,

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

GERAÇÃO SOLAR FOTOVOLTAICA

GERAÇÃO SOLAR FOTOVOLTAICA GERAÇÃO SOLAR FOTOVOLTAICA Pedro Gomes Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Núcleo de Automação e Eletrônica de Potência Juiz de Fora, MG 36036-900 Brasil email: pedro.gomes@ufjf.edu.br Julho de

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

RECICLAGEM DOS MATERIAIS

RECICLAGEM DOS MATERIAIS RECICLAGEM DOS MATERIAIS Bibliografia MANO, E. B., PACHECO, E. B.; BONELLI, C. M. C. Meio ambiente, poluição e reciclagem. São Paulo: Edgard Blucher, cap 10, 2005. C-H Leea, C-T Chang, K-Sh Fan, T-C Chang.

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS ALVES, Jéssica B. 1 NETO, João B. 1 SOBRAL, Jozias M. 1 SILVA, Kelvin L. S. da 1 PETITTO, Sônia 2 PERRI, Ricardo Alves 3 RESUMO A coleta seletiva é uma forma de

Leia mais

Workshop Embalagem & Sustentabilidade

Workshop Embalagem & Sustentabilidade Workshop Embalagem & Sustentabilidade São Paulo/2013 Eduardo Lima Agenda Alumínio e Sustentabilidade - Conceito Embalagens de alumínio Diferenciais das embalagens de alumínio PNRS Reciclagem de alumínio

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2010) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 O IMPACTO DA TECNOLOGIA DE RECICLAGEM DE EMBALAGENS LONGA VIDA EM BARÃO GERALDO

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP)

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Diogo Aparecido Lopes Silva¹, Diego Rodrigues Iritani¹ Paulo Grael¹ e Aldo Roberto Ometto¹ 1- Universidade de São Paulo, Escola

Leia mais

S.O.S TERRA. Associated Press

S.O.S TERRA. Associated Press S.O.S TERRA O mundo atravessa uma fase crítica com relação ao clima e aos desafios energéticos. Se a Terra falasse, com certeza pediria socorro! Mas os desastres naturais já falam por ela e dizem muito

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

Agenda Elétrica Sustentável 2020

Agenda Elétrica Sustentável 2020 Congresso Eficiência Energética Casa Alemã A Casa Ecoeficiente São Paulo, 14 de Abril de 2010 Agenda Elétrica Sustentável 2020 Estudo de Cenários para um Setor Elétrico Brasileiro Eficiente, Seguro e Competitivo

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE. Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório

TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE. Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório Tecnologias para Caracterização e recuperação de metais em REEE Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório

Leia mais

A AMAZÔNIA E O NUCLEAR

A AMAZÔNIA E O NUCLEAR A AMAZÔNIA E O NUCLEAR Witold Lepecki * 1. AMAZÔNIA: CASA DE FORÇA DO BRASIL Segundo o Plano Nacional de Energia até 2030, elaborado pela Empresa de Planejamento Energético (EPE) do MME No cenário de referência,

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

Painéis que transformam energia solar em eletricidade ganham espaço em todo o mundo. outros no que se refere à contenção

Painéis que transformam energia solar em eletricidade ganham espaço em todo o mundo. outros no que se refere à contenção Especial Os fotovoltaicos vieram para ficar Painéis que transformam energia solar em eletricidade ganham espaço em todo o mundo Divulgação / Blue Sol Painéis fotovoltaicos na fachada da sede da Blue Sol,

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Esse grupo também é conhecido como calcogênios. Todos os elementos desse grupo

Esse grupo também é conhecido como calcogênios. Todos os elementos desse grupo O GRUPO DO OXIGÊNIO GRUPO 16 OU VI Esse grupo também é conhecido como calcogênios. Todos os elementos desse grupo possuem 6 elétrons na camada de valência. Carga desses elementos: - 2 OXIGÊNIO O oxigênio

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo;

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo; Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo. Missão Promover o conceito de Gerenciamento

Leia mais

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com.

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com. 1 O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com.br 1. O MÓDULO FOTOVOLTAICO A célula fotovoltaica é o elemento

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 200/200 Neste documento você terá o extrato em números dos dados contidos no Relatório de Sustentabilidade 200/200 da Vonpar. Conforme a versão digital animada (disponível

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA Paulo C. M. Carvalho carvalho@dee.ufc.br Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Ceará Campus do Pici Caixa Postal 6001 CEP 60455-760 Fortaleza

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ANALYSIS OF APPLICATION OF PHILOSOPHY IN LEAN CONSTRUCTION COMPANIES

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Paola Ribas Gonçalves dos SANTOS, Maria Caroliny Camargo FLORENTINO, Jhennyfer Lopes Cerqueira BASTOS, Giselle Vanessa TREVISAN.

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais