PAIXÃO PELO SUCESSO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAIXÃO PELO SUCESSO."

Transcrição

1

2 PAIXÃO PELO SUCESSO. O Banco BNI tem uma nova imagem, um novo símbolo que une a razão ao coração, que une o rigor dos procedimentos à importância que damos à transparência, nas relações que estabelecemos com os nossos Clientes. O BNI mudou por si, pela paixão que tem pelas pessoas, pelo sucesso das empresas e pelo futuro que, juntos, ajudamos a construir em Angola. Bem-vindo ao seu Banco BNI de sempre. Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 1

3 Carta do Editor Esta e outras revistas que publicaremos nos próximos quatro meses serão dominadas pelas eleições gerais que se realizarão no País em Agosto próximo. Procuraremos abordar o desenrolar de todo o processo, fazendo incursão aos programas que dos partidos políticos aprovados pelo Tribunal Constitucional. Pretende-se que as eleições decorram num clima de paz e harmonia, onde se respeite o direito à diferença sem ser necessário, entretanto, o recurso à violência. Para isso, a Comissão Nacional Eleitoral leva à cabo em todo o País uma ampla campanha de educação Cívica que envolve a participação directa e activa de várias sensibilidades. Uma campanha que consideramos oportuna, que permitirá ainda mais aprumar o conceito dos cidadãos em torno de uma democracia participativa, que tem na realização regular das eleições um dos seus eixos mais importantes. Faremos a nossa abordagem em torno das eleições de uma forma profissional, dando espaço aos intervenientes directos no processo, os partidos políticos principalmente, mas para que sejamos bem sucedidos nessa nossa maratona é também importante que as portas para a informação necessária para o conhecimento do público leitor estejam abertas. Infelizmente na edição que vos chega as mãos, surgiram alguns obstáculos que esperamos poder vencer já em próximas edições. Vale recordar que dos mais de setenta partidos registados no Tribunal Constitucional desde a entrada do multipartidarismo em Angola, estão aptos a participar nesse pleito eleitoral apenas nove partidos e duas coligações, porque preencheram os requisitos exigidos por lei, mormente a apresentação de assinaturas de militantes de cada formação política. Sumário Editorial Página Aberta Destaque Ponto de Ordem País Leitores Figuras de Cá Mundo Real Cultura Dossier Economia & Negócios Em Directo Saúde e Bem Estar Reportagem Desporto África Mundo Moda e Beleza Vida Social Figuras de Lá Recado Social Capa: Pedro Hiangalalo Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 2

4 Pág. 68 Destaque 40 Dossier Pág. Pág. Pág. 20 País 94 Moda e Beleza Publicação mensal de economia, negócios e sociedade Ano 12 - n.º 127, Junho 2012 N. º de registo 13/B/97 Director Geral: Victor Aleixo Redacção: Carlos Miranda, Sebastião Félix, Venceslau Mateus e Suzana Mendes Fotografia: Nsimba George e Samy Manuel Colaboradores: Manuel Muanza, Juliana Evangelista, Crisa Santos, Rita Simões, João Barbosa (Portugal), Mário Santos (Inglaterra), Wallace Nunes (Brasil) e Sousa Jamba (EUA). Design e Paginação: Humberto Zage e Sebastião Miguel Publicidade: Paulo Medina (chefe) Secretariado e Assinaturas: Katila Garcia Revisão: Baptista Neto Distribuição e assinaturas: Portugal: René Kunzika Telf: Londres: Diogo Júnior E16-1LD - tel: Tlm: com Brasil: Wallace Nunes Móvel: (55 11) Produção Gráfica: Cor Acabada, Lda Tiragem: exemplares Direcção e Redacção: Edifício Mutamba-Luanda 2º andar - Porta S. Tel: / Fax: Caixa Postal s: Site: Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 3

5 Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 4

6 Separar o Trigo do Joio Começa-se a montar o cenário para os principais intervenientes às eleições gerais de O Tribuna Constitucional já apurou os nove partidos políticos e coligações que, reunindo os requisitos exigidos por lei, estão aptos a fazerem a sua campanha para uma participação condigna no pleito. Este ano, pela primeira vez e em função da alteração da Constituição, será para a eleição simultânea do Presidente e vice-presidente da República e dos parlamentares. É o primeiro ensaio imposto por uma Constituição tida por atípica pelo Presidente José Eduardo dos Santos que, bebendo de outras experiências, entendeuse que melhor se adapta à realidade do nosso País. Facto curioso, das mais de setenta formações políticas que estavam legalizadas no Tribunal Constitucional desde o nascimento do multipartidarismo em Angola, apenas pouco mais de meia dúzia agora reuniram os requisitos da lei para participarem nesse pleito eleitoral. Algumas das formações políticas já vinham da não participação nas eleições anteriores, o que, para já, passam a ser consideradas automaticamente extintas e outras, tendo reunido as exigências em 2008, deverão ter hibernado e agora não tiveram as assinaturas de militantes que os dava o direito de ir ao voto. Se na verdade eram partidos estruturados, com o controle seguro dos seus militantes, esse revez, de não participação nas eleições de Agosto, é um duro golpe aos militantes que pretensamente possuiam tudo por má conclusão dos deveres de casa. Não se pense por isso que a realização de um pleito eleitoral com menos formações políticas possa vir a significar o empobrecimento da democracia. Antes pelo contrário, também pode ser encontrada a causa numa maturidade dos cidadãos eleitores que, vendo a inércia de forças políticas a quem eventualmente depositavam a confiança para o seu voto, decidiram mudar de ares. Na verdade, muitas das forças políticas que surgiram no nosso Editorial processo político como cogumelos não se preocuparam na componente organizativa, na criação de uma empatia com os seus militantes e as suas acções junto da sociedade pouco eram sentidas, o que fez alimentar a esperança de não continuarem a ter direito de participar activamente no jogo político. O mesmo se atribui àquelas formações partidárias que viram no jogo político uma forma mercantilista de actuação para melhor servir os seus interesses pessoais. É a primeira penalização dura que o processo impõe, o que obrigará os partidos políticos que permanecerem depois desse pleito eleitoral a não descuidarem a componente organização, o saber explicar à sociedade o sentido da ideologia da sua linha de actuação na esteira de conseguirem mais eleitores e, por conseguinte, continuarem a ser parte activa do processo. Por isso, a democracia não saiu enfraquecida. Antes pelo contrário, ela é reforçada, tendo-se presente a máxima sagrada de que não se mede a presença dos actores em palco pela quantidade mas sim pela qualidade. Não sendo tarde, porque o País ainda só vai na realização das terceiras eleições, a depuração agora verificada é saudável para o melhor alinhamento dos intervenientes políticos. O número exagerado de formações políticas que existia, ao continuar, não constituia nenhuma mais valia para cimentar as alavancas da democracia. Mais cedo do que se pensava,os angolanos começam a separar o trigo do joio e não sendo profetas, já haviamos afirmado que a nossa realidade não tem espaço para no jogo democrático, estarem perfiladas mais do que nove formações políticas. Rondado nesse número, urge repetir, que esse facto não significa nenhuma penalização para a democracia, que se vê emagrecida com doses cavalares que o Tribunal Constitucional, em respeito da lei, aplicou. É preciso apertar o cerco para que as pessoas não encontrem na política uma forma fácil de se ganhar dinheiro. Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 5

7 Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 6

8 DESPORTO Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 7

9 Página Aberta Carlos Lopes, Secretário Executivo da ONU para África O mundo precisa de um contrato social para o século XXI Carlos Lopes, 52 anos, natural da Guiné Bissau, carrega uma larga experiência no campo da diplomacia internacional. Recentemente foi nomeado Secretário Executivo da Comissão Económica de Africa, ligada a ONU. Ele esteve na recentemente terminada Conferência do Brasil intitulada Rio+20 e, em entrevista à comunicação social, manifestou o interesse de se recuperar a ideia da defesa de um contrato social entre as nações para se enfrentar os desafios económicos e políticos. Ele falou mesmo em propor um novo contrato social para o século XXI e sobre o nosso continente,o africano, Carlos Lopes teme que os africanos tirem lições erradas da experiência brasileira com o meio ambiente. «A Africa corre o risco de copiar melhor os defeitos do que as vantagens do modelo brasileiro»-sublinhou. Pela sua importância, respigamos parte de uma entrevista interessante que Carlos Lopes concedeu à revista Época. Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 8

10 RE - O Brasil recebe a Rio+20 num momento de poucas expectativas quanto a avanços reais na protecção ao meio ambiente. Qual a importância, hoje, desses avanços para soluções na área social? Uma coisa depende da outra? Carlos Lopes (C.L.) - Durante bastante tempo, depois da Segunda Guerra Mundial, houve um período de grande crescimento, que durou mais ou menos 30 anos. Esses anos fizeram com que a preocupação do mundo estivesse na produção de riqueza, e pouco foi feito para a distribuição dessa riqueza. Depois veio a preocupação com a igualdade e a distribuição. Nos últimos anos veio a preocupação com os recursos do planeta. Esses três elementos deram origem ao conceito de desenvolvimento sustentável, e a Rio 92 foi o ponto alto da adopção desse conceito. Estamos no momento de um balanço. Houve bastante progresso,com várias convenções importantes. Hoje em dia, quase todos os países desenvolvidos têm controle de emissão de CO2 e políticas para incentivar a inovação na área de energia renovável. Mas estamos longe da conta,todas as negociações globais estão emperradas, não só as relativas ao desenvolvimento sustentável. Continuamos a ver o problema como sendo em camadas, foi assim que ele evoluiu. A verdadeira transformação será quando virmos a economia como sendo o ponto principal da transformação. O ideal é que uma economia verde aposte na inovação e na transformação dos métodos económicos para que sejam sustentáveis e mais humanos. RE - Numa escala de zero a dez, onde está o mundo hoje na procura desse objectivo? C.L. - A maneira de medir isso são os Objectivos do Milénio (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, definidos pela ONU). Temos oito objectivos, e neles já estão as questões social, económica e ambiental. E o que nos diz o relatório sobre os objectivos, produzidos no final de 2011? Estamos a ponto de atingir algumas das metas, mas não todas. Diria que estamos a meio caminho. Os objectivos são para 2015, portanto ainda temos três anos. Mas todos acreditam que, para 2015, não será possível atingi-los. E olha que foram objectivos realistas, não eram objectivos para a completa transformação do planeta. RE - Apesar de realistas,essas A África tem as maiores reservas de terras aráveis não aproveitadas. Na África e no Brasil temos o futuro da produção alimentar do mundo». metas foram concebidas numa época (ano 2000) em que a economia global estava em franca expansão. Hoje estamos numa situação completamente diferente. Ainda é realista perseguir esses objectivos? C.L. - Segundo o FMI, as zonas mais resilientes à crise, que crescerão mais na próxima década, são precisamente aquelas que precisavam fazer mais progresso. A África é o continente que mais cresce hoje no mundo. Em principio, os objectivos do milénio ainda não foram afectados pela crise. Houve uma dramática redução dos indicadores sociais e económicos em 2010, ano em que a crise atingiu esses países. Depois, rapidamente, eles se recuperaram. E agora podemos, com Página Aberta uma dupla recessão nas economias mais avançadas, ter outro fenómeno equivalente. RE - Tem havido um grande optimismo em relação à situação económica de África. Mas alguns temores começaram a voltar: em Março, houve um golpe militar no Mali e em Abril no seu próprio País, a Guiné Bissau. Fala-se no perigo do norte do Mali se tornar uma futura Somália, com a acção de radicais islâmicos. Isso ameaça os avanços vistos em África? C.L. - É verdade que a África cresce economicamente, com 5,8% de média (crescimento) no continente e cinco economias africanas estão entre as dez que mais crescem no Mundo. Mas a África tem quatro tendências, não completamente estudadas, que influenciarão muito a qualidade desse crescimento. Haverá uma alteração demográfica gigantesca em Africa, que tem hoje 1 bilhão de habitantes. Até o final do século serão 2 bilhões. Essa população jovem será muito urbana, conectada com as novas tecnologias. Em segundo lugar, há uma interconexão de conflitos de baixa intensidade em duas grandes bacias: no Sahel, ao sul do Sahara, e no Vale do Rift, desde o Corno de Africa até os Grandes Lagos, nos Congos, Ruanda e Burundi. Esses conflitos são interconectados com outros fenómenos novos, como o tráfico de drogas, terrorismo e extremismo religioso. A terceira tendência: a composição do PIB dos países africanos, que está a ficar menos rural. Em quarto lugar, a Africa tem as maiores reservas de terras aráveis do mundo ainda não aproveitadas. Na África e no Brasil,temos o futuro da produção alimentar do mundo. RE - A Africa tem condições de explorar essas terras de uma maneira que não prejudique o meio ambiente? C.L. - Neste momento, não. É Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 9

11 Página Aberta A África tem as maiores reservas de terras aráveis do mundo ainda não aproveitadas um desafio enorme, que precisará de atenção mundial, de códigos de conduta por parte dos investidores, de estudos sobre políticas agrícolas e defesa dos direitos dos mais vulneráveis. Isso é um grande campo que se abre. Pode levar a tremendas consequências negativas para a África, mas é uma grande tendência, inevitável por causa da demanda mundial que baterá nessa porta. RE - O Brasil é um bom ou um mau exemplo de coexistência das necessidades de progresso económico e protecção ambiental? C.L. - Há coisas positivas e negativas que os africanos devem aprender com o Brasil. Como positivas, houve uma adaptação à agricultura tropicalizada com conhecimento científico, o que é muito próximo das necessidades africanas. O que faz a Embrapa no Cerrado é muito equivalente ao que é necessário nas savanas e nas zonas mais afectadas pela desertificação em África. O que faz a Embrapa em termos de apoio a novas formas de produção de gado que sejam compatíveis com determinados microssistemas climáticos é muito interessante para a Africa. Outra parte positiva é o uso do etanol. Se for bem feito, é uma oportunidade para pequenos países africanos produzirem as suas fontes de energia com um pouco mais de independência. Mas também temos os aspectos negativos da experiência brasileira, como a proliferação de um sistema de ocupação latifundiária que não está completamente regulado e é sempre regulado a posteriori. Isso é uma tendência que já existe em África e pode ser amplificada por uma importação fácil do modelo brasileiro. A África corre o risco de copiar melhor os defeitos do que as vantagens do modelo brasileiro. RE - Considerando o papel brasileiro actual, como referência ambiental e potência emergente no mundo, o Brasil explora bem a sua posição de nova liderança? C.L. - Acho que o Brasil não é visto como um líder ambiental. O Brasil é visto como o país com maior biodiversidade do planeta, e isso merece enorme carinho, respeito e admiração. A Bacia Amazónica é fundamental para o conjunto da sobrevivência da Terra. Mas aí, apesar do Brasil ter acolhido a Rio92 e agora a Rio+20, considerar que o Brasil já lidera em termos de meio ambiente, vai uma distância que o Brasil tem de ocupar.mas ainda não ocupou. Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 10

12 Página Aberta Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 11

13 Destaque Rio+20 Avanço nas ideias, mas fracasso nos resulta A Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável terminou sem ninguém comentar os problemas da falta de desenvolvimento sustentável no continente africano Por: Wallace Nunes (Texto e Fotos) O documento final O Futuro que Queremos, concluído na Rio+20, Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que terminou na última semana de junho, causou descontentamento tanto à sociedade civil quanto a representantes do governo brasileiro e, também, em ONG's internacionais. A reportagem de Figuras&Negócios ouviu especialistas na área do meio ambiente sobre o texto apresentado e eles concordam num ponto: a Rio+20 apresentou uma nova agenda sem se aprofundar em temas urgentes, como oceanos, financiamento de políticas sustentáveis e direitos das mulheres, questões para o continente africano e tampouco definiu modos e metas para implementação de propostas. De acordo com Yolanda Kakabase, presidente do conselho do WWF Internacional, o resultado final deixou dúvidas sobre como as nações irão adoptar as medidas incluídas Líderes mundiais celebram documento no documento. Para ela, faltou mais ousadia à conferência que serviu somente para confraternização entre os líderes mundiais. "Os países vieram aqui, os chefes apertaram as mãos, mas ninguém fez nada para melhorar o documento. Se eles quisessem fazer a diferença, poderiam ter dito: não aceitamos o documento, e teriam proposto mudanças." Para o coordenador do programa de mudanças climáticas e energia da ONG WWF, Carlos Rittl, a Rio+20 foi uma "oportunidade mal aproveitada" e serão necessários anos de conversas e diálogos entre os países para que os problemas que envolvem o desenvolvimento sustentável sejam definitivamente resolvidos. "Ao invés de trazer decisões concretas, a Rio+20 colocou à nossa frente uma nova agenda de negociações. E agenda de negociações nós nunca sabemos quando começa, muito menos onde vai chegar." A Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, no entanto, comemorou a Rio+20 durante o discurso de encerramento da cimeira. Para ela, o documento final da conferência é "um ponto de partida". "Agora, o que nós temos de exigir é que, a partir desse documento, as nações avancem. O que não podemos conceber é que alguém fique aquém dessa decisão." Maior decepção - O texto não trata de forma concreta a questão Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 12

14 Destaque tados práticos do financiamento para o desenvolvimento sustentável. De acordo com Rittl, trata-se de medidas urgentes, mas que não foram bem definidas no documento. "Esperávamos resultados mais concretos. Sequer foram definidos os termos que serão trabalhados. Saímos da Rio+20 sem nada. Não sabemos o quanto vai custar, o que é necessário investir, quais deveriam ser os compromissos dos países ricos para colocar dinheiro na mesa e quais os mecanismos que vão contribuir para pagar a conta do desenvolvimento sustentável." Para Dilma, um próximo passo deve envolver o financiamento de medidas para o desenvolvimento sustentável. As nações ricas, por sua vez, atribuíram à crise económica a impossibilidade de se comprometerem com recursos para o meio ambiente, e um fundo proposto de US$ 30 bilhões para ajudar países em desenvolvimento a implantar medidas de proteção ao meio ambiente foi descartado. A ministra do Meio Ambiente do Brasil, Izabella Teixeira, lamentou que temas como preservação dos oceanos, "embora aprovado no tratado, e direitos reprodutivos das mulheres, em que o Brasil já avançou tremendamente", não tenham evoluído na Rio+20. Essa última questão também decepcionou o ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, que afirmou estar pessoalmente frustrado sobre os direitos reprodutivos da mulher. "Eu, particularmente, me sinto frustrado em relação à questão dos direitos reprodutivos da mulher. Este não é um tema que será Dilma Rousself, Presidente do Brasil e Ban Ki Moon, Secretário Geral da ONU resolvido nesta conferência." Cimeira dos chefes e dos Povos - Embora a Rio+20 tenha decepcionado, a conferência atraiu milhares de representantes de movimentos sociais, empresariais e ONGs. Para Rittl, a participação da Cimeira dos Povos, evento que ocorreu paralelamente a Rio+20, foi positiva. Segundo o coordenador, ONGs e empresas mostraram caminhos para propor soluções para o desenvolvimento sustentável. Porém, ele advertiu que essas decisões precisam de estar associadas a compromissos políticos. Conforme anunciou o Secretário-Geral da ONU para a Rio+20, Sha Zukang, foram firmados 692 compromissos entre essas entidades, com investimento de, aproximadamente, R$ 1,3 trilhões, qualquer coisa como 900 bilhões de doláres em energia limpa, emprego e erradicação da pobreza. Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 13

15 Destaque Rio+20 A grande oportunidade qu A sociedade mundial organizada se mobilizou, para que a conferência, no Rio de Janeiro, fosse muito mais que um balanço da ECO 92 e priorizasse acções efectivas, mas nada disso aconteceu Por: Wallace Nunes (Texto e Fotos) Plenária de alto nível Frustração. Essa é a palavra que mais se ouviu após o término da Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). Se houver uma comparação efectiva sobre o que aconteceu na reunião do G-20 em Los Cabos, México, na cimeira dos líderes das maiores economias mundiais, pode-se afirmar com muita certeza que a palavra fracasso será repetida duas vezes. Pelo lado das acções, nada em uma nem na outra. Pelo lado dos conceitos, um choque estrondoso. Ao sul, mais do que esperado, concluiu-se por postergar as decisões. Uma nova agenda foi criada, mas para Três anos serão suficientes para recauchutar as apresentações em PowerPoint feitas para os Objectivos do Milênio da UNCTAD, Rodada de Doha, ou COP. Ao norte, a necessidade de estimular o crescimento económico e ajudar os bancos, agora os europeus, a manterem a unidade em torno do Euro. Claro que o feito deverá ocorrer estimulando a demanda interna dos países, mas sem tirar os olhos da austeridade fiscal. Não se sabe se a complexa missão ficará a cargo do mágico Mandrake ou do Fantasma, célebres figuras de histórias aos quadradinhos, criadas por Lee Falk. O que transparece dos dois encontros, que coincidem em difícil momento das política e economia mundiais, é a imagem de um acirrado cabo de guerra. De um lado, com uniforme verde e rosa, a equipa do para o mundo que eu quero descer ; do outro, vestida de preto, a se parar não vai dar tempo de ninguém descer. Resquícios da ECO-92 e da esquecida Rio+10 - Não há como negar que a comemoração de duas décadas da Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento, a ECO 92, também conhecida por Cimeira da Terra, teve um pequeno e simbólico significado durante a realização da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável Rio+20. Até o encerramento da cimeira no Rio de Janeiro, o evento era considerado o principal marco histórico sócio-ambiental, mas o que muitos temiam, que aconteceu, nos bastidores da preparação da futura conferência era a possibilidade de o evento se restringir a um simples balanço e propostas no papel, já que não tinha caráter deliberativo, não se representar avanços significativos na busca pela sustentabilidade no planeta. Organizações não-governamentais (ONGs) e movimentos sociais e empresariais já se mobilizaram para Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 14

16 Destaque ue resultou em nulidade pressionar e propor pautas de políticas públicas aos governos, a fim de que a Rio+20 pudesse resultar em acções efectivas. Para isso, houve a elaboração de uma agenda de eventos extra-oficiais que antecederam o encontro oficial. No centro das discussões está o tema Economia Verde, no contexto do desenvolvimento sustentável e da extrema pobreza. Nesse sentido, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) chegou a lançar, em fevereiro deste ano, o relatório Rumo a uma Economia Verde: Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza. O documento sinaliza que, para concretizar a transição para uma economia verde, seria necessário um investimento de 2% do Produto Interno Bruto Global (PIB) cerca de US$ 1,3 trilhão em dez sectores: agricultura, edificações, energia, pescas, silvicultura, indústria, turismo, transporte, água e gestão de resíduos. Mas diretrizes sobre essa pauta estão ainda longe de serem definidas. A Rio+20 também foi palco para se avaliar os resultados práticos de importantes documentos gestados a partir da ECO 92, como a Agenda 21, as Convenções sobre Mudança do Clima e a Diversidade Biológica, a Declaração de Princípios sobre as Florestas, de Combate à Desertificação, entre outros, que foram elaborados posteriormente, como a Carta da Terra, em Mobilização da sociedade e o FSM No Brasil, foi formado o Comité Facilitador da Sociedade Civil Brasileira para a Rio+20. Segundo Aron Belinky, coordenador de Processos Internacionais do Instituto Vitae Civilis, que representou o Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS) na Coordenação Nacional do Comité, o papel do grupo actualmente formado por 14 redes trouxe mais participantes para o debate até o ano que vem. As nossas acções são elaboradas por meio de grupos de trabalhos. Um deles é o de formação e mobilização, que deverá levar os temas em discussão para a sociedade e cuidará da organização do evento paralelo previamente chamado de Cimeira dos Povos, que terá a participação da sociedade civil, pontua. Representantes do Brasil, do Canadá, da França, do Japão, e de alguns países da América Latina já estão envolvidos nestas ações, adianta o ambientalista. Na Cimeira dos Povos, queríamos que fosse garantido que a economia verde fosse avaliada como um interessante indutor de sustentabilidade, desde que abrangesse as questões sociais, além das ambientais, e tenha sempre presente a questão da qualidade de vida dos cidadãos, além da ecoeficiência. Uma outra frente da sociedade civil da Rio+20 se deu no âmbito do Fórum Social Mundial (FSM). A decisão foi tomada no final da edição deste ano, em Dakar, no Senegal. Segundo o empresário e activista da área de responsabilidade social, Oded Grajew, que integra o Comitê Internacional do FSM, a edição internacional descentralizada do evento teve como principal pauta a temática ambiental, voltada à conferência. O FSM não representa as elites económicas e exigirá uma demanda de mobilização da sociedade sobre outro modelo de desenvolvimento. Tratamos de propostas de mudança da matriz energética para a renovável, da questão nuclear, das hidroelétricas em confronto com as populações indígenas, do modelo de consumo e resíduos orgânicos, entre outros, aponta Grajew. Segundo ele, a meta é propor políticas públicas ao governo e informações sobre indicadores quanto à grave situação do modelo actual de desenvolvimento, que leva ao esgotamento de recursos naturais e ao aumento das desigualdades. Como 2012 será também um ano de eleições em alguns países Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 15

17 Destaque importantes como EUA, Alemanha, em nações asiáticas e, também, africanos como Angola, isso prejudica as decisões. Talvez essas nações não queiram assumir alguns compromissos que podem comprometer os resultados nas urnas, alerta. Ele reforça que, no contexto da Economia Verde, as discussões do FSM permanecerão voltadas a questões sociais, ao combate às desigualdades. No campo empresarial, Grajew informou que algumas iniciativas em andamento são do Instituto Ethos, que lançou, em fevereiro deste ano, a Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável. A proposta é que possa ser apresentada, também, uma agenda de sustentabilidade urbana para os candidatos às eleições municipais brasileiras no ano que vem. O projeto será amadurecido na Conferência Ethos, em Agosto deste ano. Governança e desenvolvimento sustentável - Este tema está a ser pouco debatido oficial e extraoficialmente. Deve ser visto não como uma discussão sobre burocracia, mas como uma condição necessária para encaminhar as decisões e recomendações que se tomem na conferência, analisa. Belinky afirma que, se por um lado, hoje se enxerga o desenvolvimento sustentável no conjunto, as instituições internacionais e internas a cada país são estanques. Umas actuam no campo económico, como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o FMI e a Organização Mundial do Comércio (OMC), que não se conectam nas dimensões sociais e ambientais. Já a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização Mundial do Trabalho (OIT), que têm algum poder político, estão desconectadas do lado ambiental. A ideia é integrálas à questão do desenvolvimento sustentável. No caso da questão ambiental, as discussões levam à constatação de que não existe nenhuma organização internacional com real poder regulatório. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) é um dos com menor orçamento na ONU e depende de adesões voluntárias. Não é essencial dentro do sistema, participa quem quer. Pode encaminhar, no máximo, estudos, recomendações, mas sem poder regulatório. Como primeiro passo, uma das propostas que serão defendidas pela sociedade civil é que haja uma resolução para se criar uma agência ambiental internacional, aprimorando o funcionamento do PNUMA ou por meio da sua união com outras agências. O governo brasileiro, inclusive, tem defendido uma agência guarda-chuva, que tenha sob ela várias agências internacionais do sistema ONU. As entidades, Embaixador de Angola em audiência na Câmara dos Deputados antes da RIO+20 segundo Belinky, enxergam que existe uma necessidade tanto ética quanto política e económica de tirar as pessoas da pobreza. Isso não significa que deverão ter padrão de consumo insustentável, como o norte-americano e europeu. Não é objectivo estender a sociedade perdulária, adverte. As expectativas sobre os resultados da Rio+20 caminharam na direcção de dois extremos. Foi uma grande oportunidade que resultou na nulidade. A conferência pode fazer uma convergência, desatar nós ou, então, se não se dispuser, será um ponto de jogar conversa fora. Mas, de qualquer forma, a mobilização de propostas da sociedade civil será um avanço. Ou os governos são capazes de mostrar relevância no mundo contemporâneo ou são incapazes de acompanhar o ritmo que a sociedade avança, tornandose um empecilho. Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 16

18 Victor Aleixo Ponto de Ordem Educação Cívica Oportuna A campanha de educação cívica em torno das eleições gerais que se registarão em Agosto de 2012, lançada pela Comissão Nacional Eleitoral é bastante oportuna e deve merecer o engajamento das forças vivas da nação,com especial realce para os actores principais da vida política do País. Vai-se participar numa competição democrática para a eleição daqueles que nos próximos cinco anos governarão o País, e sabe-se que em períodos como esse, em várias partes do mundo, os militantes dos diferentes partidos políticos directamente engajados no processo, exacerbamse nos comportamentos e em alguns casos, compremete-se mesmo o clima de pacificidade que se pretende e se reclama. Angola não vai ser diferente, disso se tem a certeza. Mas é importante que esse exacerbar de ânimos, da manifestação da contradição de ideias entre os militantes das diferentes formações políticas em disputa por uma melhor posição no xadrez político angolano, seja só isso mesmo: uma divergência de opiniões que termina tão logo se venham a conhecer os resultados. Nunca é demais repetir: há pouco mais de dez anos conhecemos o calar definitivo das armas e os angolanos decididamente engajaram-se nas tarefas da reconstrução. O País, disso ninguém pode duvidar, está transformado num verdadeiro canteiro de obras, pelo que é um processo que urge continuar, senão mesmo acelerar, tendo em vista o seu desenvolvimento harmonioso. Não interessando incitar a cultura do ódio e violência, infelizmente praticas que se materializam em alguns processos eleitorais, sobretudo no continente africano, tem de se apadrinhar essa medida da CNE pela generalização das jornadas de educação cívica. Urge eliminar pela raiz todos focos que possam criar espaço para a violência, e isso passa, primeiro, por sensibilizar os cidadãos sobre a importância das eleições, o papel dos políticos e respectivas formações políticas na Sociedade, o respeito pelas instituições e pela diferença de opiniões. Realçante também fazer sentir que em qualquer competição tem de haver vencidos e vencedores e por isso urge respeitar os resultados do escrutínio. A lisura e transparência nas eleições terão de ser princípios sagrados seguidos pelos interventores directos de todo processo eleitoral. Cumprindo rigorosamente esses preceitos, não se pode acreditar que fica porta aberta para a confusão, para a anarquia depois do pleito. A democracia que queremos para Angola deve se cimentar na vontade do Povo e esse já manifestou que sabe julgar os seus representantes nas urnas em função dos objectivos que prometem materializar se eleitos. As terceiras eleições que o País conhecerá, depois da adopção do multipartidarismo em Angola, têm o condão de encontrar o povo mais maduro, mais consciente das suas responsabilidades e do seu dever cívico na implantação de uma sociedade democrática onde estejam esbatidas as grandes assimetrias. Um Povo que sabe que esse desiderato só se consegue com a paz, a liberdade de opinião e de escolha. Sabendo-se dessa vontade, é importante exigir dos políticos leituras correctas da situação, não podendo ser eles, em nenhuma circunstância,os instigadores para uma mudança adversa ao que todos querem. Sem vencedores antecipados, o povo angolano vai para o pleito eleitoral escolher o Partido e representantes da sua justiça. Desde logo, com a ambição de ver escrupulosamente respeitado o resultado que as urnas eleitorais ditarão. Não interessa, porque não é próprio da regra de jogo limpa que o xadrez da democracia defende, antecipar-se políticas argumentatórias de fraude ou falta de transparência de processos, porque esta é a prática de actuação daqueles que, com o mau trabalho de casa feito, sentem-se sempre derrotados. Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 17

19 Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 18

20 Figuras&Negócios - Junho 2012 Pág. 19

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas MISSAO PERMANENTE DE PORTUGAL JUNTO DAS NaфEs UNIDAS EM NOVA IORQUE Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal Jorge Sampaio Reunião de Alto Nîvel da Assembleia Geral das Nações Unidas Nova Iorque

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO 1 FICHA TÉCNICA Regulamento Geral de Organização e Funcionamento das Estruturas do MPLA Edição: COMITÉ CENTRAL DO MPLA Ano de

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE Discurso de SE o Sr. Presidente da Assembleia Nacional por ocasião da sessão inaugural da III edição do Curso de Liderança e Inovação na Gestão do Desenvolvimento,

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho)

MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho) REPUBLICA DEMOCRATICA DE S. TOMÉ E PRINCIPE MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho) CONCLUSÕES E PROPOSTAS DA 1ª CONFERÊNCIA DO TURISMO DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

DEMOLIÇÕES E REALOJAMENTO

DEMOLIÇÕES E REALOJAMENTO DEMOLIÇÕES E REALOJAMENTO INSTITUTO PARA A CIDADANIA Perfil do Núcleo de Direitos Humanos da Matala O Núcleo de Direitos Humanos da Matala (NDHM), é uma associação de âmbito local, sem fins lucrativos,

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

MINISTRO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sua Exa. Kevin Rudd MP

MINISTRO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sua Exa. Kevin Rudd MP MINISTRO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sua Exa. Kevin Rudd MP DECLARAÇÃO AUSTRALIANA REUNIÃO PLENÁRIA DE ALTO NÍVEL DA ASSEMBLEIA-GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS (CIMEIRA DOS OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÉNIO)

Leia mais

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe?

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe? TV Ciência: É considerado que as forças da globalização e marginalização são responsáveis por criarem dificuldades ao desenvolvimento. Pode concretizar esta ideia? Jessica Schafer: A globalização como

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis.

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis. Apresentação O Manifesto de Lima a Paris foi apresentado no encontro denominado Que Responsabilidades o mundo necessita frente às mudanças climáticas? Por uma nova governança ambiental. O evento foi realizado

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência

Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência OS NOVOS DESAFIOS DO MUNDO GLOBALIZADO: O TRABALHO FORÇADO E O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * Carmen Sottas ** Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência de milhares de trabalhadores

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO O Código da Ética no Desporto do Conselho da Europa para o Fair play no desporto é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto.

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323 Portugal tem futuro! Liderar com responsabilidade Introdução: A ACEGE em parceria com a CIP e o IAPMEI está a desenvolver o programa Liderar com Responsabilidade, que quer potenciar a acção dos líderes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Podíamos estar muito mais longe do que estamos, revela a Coordenadora Nacional do PAR em

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

FERNANDO LEAL DA COSTA: "FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL" 1

FERNANDO LEAL DA COSTA: FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL 1 FERNANDO LEAL DA COSTA: "FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL" 1 FERNANDO LEAL DA COSTA: "FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL" "Fiscalização e punição dos infractores

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República Mensagem de Ano Novo do Presidente da República Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2015 Boa noite. Desejo a todos um Feliz Ano de 2015. Os meus votos dirigem-se a todos os Portugueses, quer aos que residem

Leia mais

Angola Recomendações aos observadores eleitorais

Angola Recomendações aos observadores eleitorais Angola Recomendações aos observadores eleitorais Nas vésperas das eleições parlamentares em Angola, que deverão ter lugar no dia 5 de Setembro de 2008, a Amnistia Internacional apela aos observadores eleitorais

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES

DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES 1. Nós, representantes dos governos nacionais e locais, grupos comunitários, comunidade científica, instituições profissionais, empresas,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE PEQUENOS ESTADOS-ILHA EM VIAS DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Declaração Politica do MpD Instrumentalização do INPS Senhor Presidente da Assembleia Nacional, Colegas Deputados, Senhores Membros do Governo, No

Declaração Politica do MpD Instrumentalização do INPS Senhor Presidente da Assembleia Nacional, Colegas Deputados, Senhores Membros do Governo, No Declaração Politica do MpD Instrumentalização do INPS Senhor Presidente da Assembleia Nacional, Colegas Deputados, Senhores Membros do Governo, No quotidiano da vida, os cabo-verdianos querem ter trabalho

Leia mais

Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL

Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Objecto e Princípios Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Código estabelece os princípios e as regras disciplinadoras

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis Maria Luís Albuquerque 25 de agosto de 2015 Universidade de Verão do PSD Castelo de Vide 25 de agosto de 2015 Tema: Portugal com Futuro: Finanças Públicas

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia do Dia Nacional de Combate a Cartéis

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia do Dia Nacional de Combate a Cartéis , Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia do Dia Nacional de Combate a Cartéis Ministério da Justiça Brasília-DF, 08 de outubro de 2009. Meu querido companheiro José Alencar, vice-presidente da República,

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU

MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU OS REFUGIADOS: * A MAIOR TRAGÉDIA HUMANA DA NOSSA ÉPOCA * A AMEAÇA DE MORTE VIOLENTA DOS REFUGIADOS * E A MORTE CERTA PELA MISÉRIA E PELA FOME * DESAFIO DE UMA UNIVERSIDADE

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento da Campanha Contra a Poliomielite

Leia mais

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Das origens ao futuro 1. Nós, representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em Joanesburgo,

Leia mais

COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? e as oficinas têm de se adaptar às novas

COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? e as oficinas têm de se adaptar às novas COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? 1 1 Com esta crise, já não há filas à porta das oficinas, nem listas de marcações com vários dias de espera. Era bom, era, mas já foi! Os tempos são de mudança

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013

UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013 UNIÃO EUROPEIA MISSÃO DE ACOMPANHAMENTO ELEITORAL MOÇAMBIQUE 2013 RESUMO Julho 2013 As Missões de Acompanhamento Eleitoral da União Europeia são independentes das instituições da União Europeia. O presente

Leia mais

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE Fundamentação Originalmente, as micro-finanças (MF) surgiram como uma forma alternativa de finanças para os pobres que eram antes

Leia mais

Europeus querem contribuição maior de países emergentes

Europeus querem contribuição maior de países emergentes Europeus querem contribuição maior de países emergentes Por Daniela Chiaretti De São Paulo A fala recorrente do espanhol Miguel Arias Cañete, 65, abre a caixa de Pandora das negociações climáticas. O principal

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

A Luta Contra as Alterações Climáticas e a Conferência Climática de Copenhaga (COP15)

A Luta Contra as Alterações Climáticas e a Conferência Climática de Copenhaga (COP15) DEBATER A EUROPA Periódico do CIEDA e do CIEJD, em parceria com GPE, RCE e o CEIS20. N.1 Junho/Dezembro 2009 Semestral ISSN 1647-6336 Disponível em: http://www.europe-direct-aveiro.aeva.eu/debatereuropa/

Leia mais

Excelentíssimo Senhor. Presidente da República Portuguesa. Doutor Aníbal Cavaco Silva

Excelentíssimo Senhor. Presidente da República Portuguesa. Doutor Aníbal Cavaco Silva Excelentíssimo Senhor Presidente da República Portuguesa Doutor Aníbal Cavaco Silva Assunto: carta aberta sobre riscos e oportunidades do novo pacote de Reabilitação Urbana. Pedido de ponderação do exercício

Leia mais

República de Moçambique. Presidência da República

República de Moçambique. Presidência da República República de Moçambique Presidência da República Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique e Comandante-Chefe das Forças de Defesa e Segurança, por ocasião

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na cerimónia de apresentação

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

OS DESAFIOS ECONÓMICOS E SOCIAIS E A ESTRATÉGIA DE LISBOA

OS DESAFIOS ECONÓMICOS E SOCIAIS E A ESTRATÉGIA DE LISBOA OS DESAFIOS ECONÓMICOS E SOCIAIS E A ESTRATÉGIA DE LISBOA Assembleia da República, 30 de Maio de 2007 José A. Silva Peneda 1. Os Desafios do Futuro da Europa é a designação que serve de pano de fundo a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Pronunciamento na primeira reunião

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 Por forma a melhor esclarecer os membros da OA quanto à posição e actuação da Ordem, nos últimos dois

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais

PARECER N.º 7/CITE/2010

PARECER N.º 7/CITE/2010 PARECER N.º 7/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento por facto

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senhor presidente, Senhoras senadoras, senhores senadores Amigos das redes sociais que também estão nas ruas Estamos em época de competição de futebol. Nosso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 50 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

O Pacto Global. Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002

O Pacto Global. Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002 O Pacto Global Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002 Em nome do Secretário-Geral Kofi Annan e do Gabinete do Pacto Global, que

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

A TROIKA, OS AÇORES E O BLOCO FRANCISCO LOUÇÃ 485 29.07.2012. 03 REPORTAGEM Eliseu. 04 REPORTAGEM Nuno Ferreira. 06 Maduro-Dias. 07 Fagundes Duarte

A TROIKA, OS AÇORES E O BLOCO FRANCISCO LOUÇÃ 485 29.07.2012. 03 REPORTAGEM Eliseu. 04 REPORTAGEM Nuno Ferreira. 06 Maduro-Dias. 07 Fagundes Duarte WWW.DIARIOINSULAR.COM 485 29.07.2012 DIRETOR JOSÉ LOURENÇO JORNAL DIÁRIO ANO LX V Nº20541 0,60 FUNDADO EM 1946 TERCEIRA AÇORES 03 REPORTAGEM Eliseu 04 REPORTAGEM Nuno Ferreira 06 Maduro-Dias 07 Fagundes

Leia mais

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas - Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas curiosidades. Se quiseres, depois deixo-te ler. - Tu sabes

Leia mais