PORTUGUÊS DO DIA-A-DIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTUGUÊS DO DIA-A-DIA"

Transcrição

1 PORTUGUÊS DO DIA-A-DIA Língua C Arlindo J. N. Castanho ANO ACADÉMICO DE 2007/08 1

2 PROGRAMMA DEL CORSO A.A I. Portoghese Lingua C 4 crediti Prerequisiti: nessuno. Obiettivi formativi: 1. Acquisizione di una visione sincronica, riferita all'attualità, dell'espansione della lingua, e dei più importanti tratti distintivi delle due norme del portoghese: quella europea e quella brasiliana. 2. Acquisizione di capacità mediane di comprensione dell'orale e dello scritto e di lettura ad alta voce. 3. Acquisizione di capacità minime di espressione libera, orale e scritta: presentazione personale; saluti iniziali e terminali; domande riguardanti l'orientamento e l'acquisto dei più elementari beni di consumo. 4. Padronanza della lettura dei modelli più correnti, in Portogallo, di trascrizione fonetica, e capacità di impiego attivo della trascrizione fonetica nei casi segnalati in II. 2. Contenuto del corso: I. Il portoghese nel mondo: espansione geografica (con speciale riguardo alla situazione attuale) e varianti linguistiche. II. Formazione linguistica di base: 1. L'alfabeto; digrammi consonantici, digrammi vocalici, la lettera composita aggiuntiva ç. Segni di punteggiatura e notações léxicas. 2. Nozioni basiche di fonetica e fonologia. Trascrizione fonetica: oltre alla capacità di lettura dei modelli di trascrizione più correnti in Portogallo, sarà richiesta la capacità di ricorrere attivamente alla trascrizione fonetica nei casi in cui si pretende che, attravverso la trascrizione, lo studente faccia prova di capire la differenza fonetica tra ovo e ovos, ele e ela ecc. 3. L'impiego dell'articolo coi nomi di persona. Uso delle diverse formule di allocuzione. Allocuzione diretta e allocuzione inversa. 4. Pronomi: personali, possessivi, dimostrativi. 5. Preposizioni e regenze preposizionali dei verbi più correnti. 6. Uso contrastivo di ser e estar. 2

3 7. Flessione dei principali verbi irregolari (ser, estar, ter, haver, pôr, trazer, perder, ir, vir...) e dei verbi regolari delle tre coniugazioni: Indicativo: presente, imperfetto, perfeito simples, futuro. Modi indefiniti o "forme nominali". 8. La formazione del futuro nelle lingue romanze in generale e nel portoghese in particolare. Il futuro perifrastico con haver de. 9. L'espressione del tempo 9.1. I nomi dei giorni della settimana 9.2. Luogo e data completa del giorno, per esteso e senza ciffre 9.3. L'espressione di un intervallo temporale attraverso l'esplicitazione dei suoi punti iniziale e terminale (v. g., dalle due alle quattro/das duas às quatro, desde as duas até às quatro); 9.4. L'espressione dell'intervallo temporale trascorso da un momento specificato del passato fino al momento dell enunciazione: quando l'intervallo è definito attraverso l'esplicitazione del momento nel passato in cui esso ha avuto inizio (Non lo vedo da febbraio/não o vejo desde Fevereiro); quando l'intervallo è definito attraverso la quantificazione del tempo trascorso (Non lo vedo da sei mesi/não o vejo há seis meses). 10. Numerali cardinali fino alle migliaia, numerali ordinali fino alle centinaia. 11. I colori in portoghese. Testi obbligatori per i frequentanti A. J. Nicau Castanho, Português do dia-a-dia (dispensa). A. J. Nicau Castanho, As cores em português (dispensa). Testi obbligatori per i non frequentanti Gli stessi che per i frequentanti e, in più: Arlindo José Nicau Castanho/Valeria Tocco, Esercizi di portoghese con tutte le soluzioni, Milano, A.Vallardi, 1999: tutti gli appunti grammaticali e gli esercizi quelli dai coeficienti minimo e medio di difficoltà riguardanti i contenuti programmatici. 3

4 Isabel Coimbra Leite/Olga Mata Coimbra, Português Sem Fronteiras, Lisboa Porto Coimbra, LIDEL, 1995: tutto il 1 volume, con l'ascolto delle due audiocassette. Materiali didattici acessori È indispensabile un vocabolario bilingue, preferentemente il Dizionario compatto portoghese-italiano/italiano-portoghese, Bologna, Zanichelli Porto Editora, È consigliabile, per la grammatica, il possesso di uno tra i seguenti manuali: Arlindo José Nicau Castanho/Valeria Tocco, Esercizi di portoghese con tutte le soluzioni, Milano, A.Vallardi, 1999; Clara Amorim/Catarina Sousa, Gramática da Língua Portuguesa, Porto, Areal, 2006; Maria Helena Araújo Carreira/Maryvonne Boudoy, Grammatica pratica del portoghese dalla A alla Z, Milano, Hoepli, Struttura della verifica del profitto: scritto + orale. La prova scritta per la quale non è ammesso il ricorso a qualsiasi dizionario è propedeutica alla prova finale orale. Per poter partecipare agli esami, sia agli scritti che agli orali, l'iscrizione è obbligatoria. Modelli di prove scritte finali: nella pagina personale del docente, sul sito omero. Esercitazioni di dettato (elemento costitutivo delle prove scritte): Ana Tavares, Ditados de Português, Lisboa Porto Coimbra, LIDEL, 2000 (reperibile al Centro Linguistico). Lingua di insegnamento: italiano + portoghese. Altre informazioni: Non frequentanti I non frequentanti sono soggetti alle stesse verifiche del profitto dei frequentanti e si dovranno rivolgere direttamente al docente, in modo da potersi preparare adeguatamente alle prove finali. 4

5 II. Portoghese Lingua C 6 crediti Il programma è uguale a quello di Lingua C 4 crediti, con l'aggiunta della lettura, in lingua originale, di uno dei seguenti testi letterari: Identificazione Reperibilità Attività specifica connessa 1 Miguel Torga, "O Alma-Grande" (in id., In biblioteca Riassunto Novos Contos da Montanha) 2 Miguel Torga, "Fronteira" (ibid.) In biblioteca Riassunto 3 António Lobo Antunes, "Os meus In biblioteca Riassunto o domingos" (in id., Livro de Crónicas) commento 4 António Lobo Antunes, "As pessoas In biblioteca Riassunto o crescidas" (ibid.) commento 5 António Lobo Antunes, "A propósito de In biblioteca Riassunto o ti" (ibid.) commento 6 António Lobo Antunes, "Os In biblioteca Riassunto o pobrezinhos" (ibid.) commento 7 Eça de Queirós, "A Aia" (in id., Contos) In biblioteca Riassunto 8 Eça de Queirós, "O Tesouro" (ibid.) In biblioteca Riassunto 9 Luís Bernardo Honwana, "As Mãos dos Pretos" (in id., Nós Matámos o Cão Tinhoso) 10 Lygia Fagundes Telles, "Verde Lagarto Amarelo" (in id., Antes do Baile Verde) 11 Lygia Fagundes Telles, "Apenas Um Saxofone" (ibid.) In biblioteca Copia messa a disposizione docente dal Copia messa a disposizione docente 12 Lygia Fagundes Telles, "Helga" (ibid.) Copia messa a 13 Fernando Pessoa (Álvaro de Campos), Tabacaria 14 António Gedeão, Lágrima de preta + Poema do fecho éclair disposizione docente In biblioteca In biblioteca dal dal Riassunto Riassunto Riassunto Riassunto Commento Commento 5

6 Il testo prescelto sarà portato dallo studente alle prove orali, nel decorso delle quali dovrà dimostrare di essere in grado di: farne una lettura comprensibile, ad alta voce; svolgere la traduzione, informale ma adeguata, dei brani del testo che gli vengano indicati sul momento; produrre, in lingua portoghese, un riassunto o (a seconda del genere letterario) un breve commento del testo. Il docente metterà a disposizione degli studenti: i testi che non siano reperibili in biblioteca; la lettura registrata di ogni testo dell'elenco. Le traduzioni e i riassunti/commenti possono (e debbono) essere preparati con l'aiuto del docente, durante l'orario di ricevimento. 6

7 Considerações prévias Este pequeno manual de língua é destinado aos estudantes universitários italianos, tomando como base o ensino da língua num só módulo, de entre 30 e 40 horas de lições frontais. Um tão exíguo número de horas de lição faz com que os elementos necessários à aquisição de capacidades mínimas de compreensão e de expressão em português, por parte dos estudantes, alcancem no manual um grau de concentração superior ao que seria normalmente de esperar ainda que se tenha procurado evitar cair em exageros de superabundância informativa. Perante a feliz circunstância de o português escrito não oferecer grandes dificuldades interpretativas a um italiano, e fortalecido nessa certeza por largos anos de experiência do ensino da língua portuguesa nas universidades italianas, decidi redigir todo o manual na língua a aprender, sem a menor referência à língua-mãe dos discentes: esta última não deixará de ser empregue, porém, nas lições frontais. É claro que esta estratégia de ensino implica o recurso sistemático, por parte do estudante, a um dicionário (monolíngue ou bilíngue) e a uma gramática de base. Estes são os instrumentos de que o estudante não poderá de modo algum prescindir. O professor lhe facultará depois, ao longo das lições, uma variada documentação suplementar constituída por artigos de jornais e de revistas, filmes, gravações de canções, etc. Os textos e as noções gramaticais apresentados espelham a norma portuguesa da língua isto é, o português falado e escrito em Portugal e nos restantes territórios de língua portuguesa, com a excepção do Brasil. Não se dão exemplos sistemáticos dos casos em que o português do Brasil preconiza soluções diversas das que são aqui propostas, apenas para não complicar excessivamente estas fases iniciais da aprendizagem da língua. Após ter adquirido um domínio satisfatório da norma do português de Portugal, será fácil ao estudante dar-se conta das circunstâncias em que a norma brasileira difere daquela. Isso não quer dizer que se não dê notícia de algumas realizações paralelas ou divergentes nas duas normas referidas, sempre que tal se demonstrar oportuno. 7

8 Unidades de aprendizagem meramente expositivas (ou, simplificando, Unidades expositivas) I. O Mundo Lusófono A língua portuguesa é falada, em todo o mundo, por quase duzentos milhões de pessoas; o que faz dela a sétima língua mais falada no planeta, após (e por esta ordem decrescente) o chinês mandarim, o inglês, o hindi, o espanhol, o russo e o bengali 1. Regiões onde se fala português 2 Todas as regiões consideradas no mapa equivalem a unidades políticas independentes a países, em suma, excepto Goa. Na verdade, as colónias portuguesas na Península Indiana compreendiam ainda, até aos anos 60 do século passado, os territórios de Damão e de Diu; mas o uso do português quase desapareceu, nestes dois últimos. Também em Goa o português estava seguindo pelo mesmo caminho: mas recentemente, graças à progressiva melhoria das relações 1 Esta escala obedece ao critério de contar apenas os falantes que se servem de uma língua como língua-mãe, ou como segunda língua que funcione como "língua franca", dentro de alguns dos países envolvidos no cômputo. O árabe não foi incluído neste escalonamento, por causa das profundas diferenças observáveis entre as suas diversas variedades regionais. 2 Não se toma em consideração o território de Macau, há pouco restituído à administração chinesa. O português sempre aí foi falado apenas por uma escassa minoria da população e, compreensivelmente, mesmo esse pequeno número de lusofalantes tende a diminuir cada vez mais ainda que algumas notícias relativamente recentes testemunhem uma tendência crescente à inversão dessa progressão negativa em positiva: nova tendência de que será necessário, porém, conhecer bem as causas e verificar, a médio prazo, a eventual "longevidade". 8

9 entre o estado português e a União Indiana, algumas eficazes iniciativas culturais portuguesas in loco parecem estar produzindo bons frutos, no sentido da revivificação da lusofonia nessa ex-colónia. O quadro seguinte tem a finalidade de proporcionar-vos uma visão sintética das dimensões territoriais e demográficas de cada um dos países de língua oficial portuguesa. A Itália vem aí considerada, por último, para facilitar as comparações. Países Área (aprox.) em População km 2 (aproximada) BRASIL ANGOLA MOÇAMBIQUE PORTUGAL GUINÉ-BISSAU TIMOR-LESTE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ITÁLIA Tenha-se ainda em consideração que só uma certa percentagem variável de país para país e, de qualquer modo, dificilmente quantificável da população dos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) e de Timor-Leste fala efectivamente português. Exercício: Escolha um de entre os países lusófonos e redija, em italiano, uma pequena pesquisa sobre a sua história, os aspectos antropológicos mais salientes, o sistema político vigente, etc. (cerca de uma página). II. Discriminações prévias ao nível sincrónico: língua, variedades da mesma língua, dialectos Separar claramente as noções de língua e dialecto é tarefa altamente problemática. O único elemento distintivo que parece impor-se, a um nível global, não é inerente à estrutura das línguas ou dos chamados dialectos de cada uma delas, mas externo e, por assim dizer, contextual: são 9

10 avaliações que têm por pano de fundo o poderio político e o prestígio cultural, a nível internacional, alcançado pelas comunidades que através dessas variantes linguísticas se exprimem. Creio, pois, que haverá sérias dificuldades em estabelecer se o mirandês é uma língua ou um dialecto da mesma maneira que, em Itália, tanto as correntes da opinão pública como as preferências classificativas dos especialistas se digladiam em torno à pertinência, ou não, da atribuição do "estatuto" de língua ao bergamasco, ao piemontês, ao véneto, etc. Um caso de indefinição isento de actualidade política e, até por isso mesmo, ainda mais emblemático é o representado pelo problema da colocação do sardo no quadro das línguas românicas: muitos textos de referência, quer no campo da dita Filologia Românica quer no da Linguística do Italiano, isolam o sardo como língua à parte; enquanto outros, igualmente abalizados e prestigiosos, o confinam ao âmbito dialectal e isto, sem que uns ou outros forneçam indicadores ou parâmetros precisos, que possam justificar o recorte taxonómico a que dão preferência. Existe um critério distintivo entre as línguas e os seus respectivos dialectos, a que muitos estudiosos recorrem de forma mais ou menos explícita o qual, porém, não incide directamente sobre as realidades linguísticas passíveis deste tipo de discriminação, mas apenas sobre um aspecto secundário das mesmas (ainda que não propriamente marginal): é o que se centra na existência, ou não, de um código linguístico substitutivo ou de segundo grau em suma, de um sistema de escrita consolidado, homogeneizado e amplamente difundido. Este persistente preconceito, que faz com que se atribua uma importância prioritária ao que constitui, no fundo, um aspecto secundário, é amplamente exemplificado pelos esforços tendentes a criar rupturas artificiais no seio de línguas unitárias: é o que sucede no caso das tentativas, actualmente em curso, para cindir o servo-croata em sérvio e croata quando se trata, afinal, da mesma língua, ainda que escrita em caracteres cirílicos pelos sérvios, e em caracteres latinos pelos croatas; e deparar-nos-emos com outro esforço "cisionista" semelhante, se nos debruçarmos sobre a insistência com que as autoridades (políticas e académicas) da República Socialista da Moldávia procuram impor o "moldavo" como língua distinta do romeno ainda que a diferença de fundo resida, mais uma vez, na oposição superficial entre o recurso ao alfabeto latino ou ao alfabeto cirílico. Existem ainda casos em que uma língua apresenta variações significativas, ao nível sincrónico, consoante a diversidade do espaço geográfico em que a mesma se manifesta, sem que por isso se sinta a necessidade, ou sequer a pertinência, de considerar uma dessas variedades como "hierarquicamente superior" às restantes isto é, uma como língua propriamente dita, e as outras como seus dialectos: é o que sucede com o inglês da Grã-Bretanha, em relação ao dos Estados Unidos; e o mesmo se passa com o português de Portugal, em relação ao do Brasil. Em casos do género, face à paridade de prestígio das variedades em apreço, é preferível falar de padrões (fixados 10

11 ulteriormente como normas) da língua ou, simplesmente, de variedades da língua. O português contemporâneo apresenta, assim, duas grandes variedades, ou padrões, ou normas: o português do Brasil e o português de Portugal. No lugar desta dicotomia, talvez se possa revelar ainda mais correcta uma tricotomia que inclua o galego contemporâneo abstraindo, como convém, das vicissitudes históricas que têm marcado o desenvolvimento de tal variedade; e ignorando voluntariamente, sobretudo, as persistentes polémicas em torno à normalização da sua escrita. Em relação a estes padrões, o português normalizado de cada um dos países africanos de língua portuguesa (isto é, o português dos discursos e dos documentos oficiais destes países) deve ser considerado como adscrito ao menos, por agora à norma do português de Portugal. Para concluir, tenho a impressão de que talvez se pudesse obter uma sistematização mais apropriada e abrangente se se estabelecesse um quadro "hierárquico" ordenado, do mais geral para o mais particular, nos seguintes termos: (1) língua o português, tout court; (2) macro-sistemas diatópicos norma galega, norma portuguesa, norma brasileira; (3) sistemas diatópicos o português angolano, moçambicano, etc.; (4) subsistemas diatópicos os dialectos dos Açores, da Madeira, do Alentejo ou do Minho, etc.; (5) micro-sistemas diatópicos os "falares" característicos, por exemplo, de dadas sub-regiões ou micro-regiões do Portugal Continental ou do Brasil; como, por exemplo, o "falar" dos Fortios, que se apresenta como uma subunidade dentro do subsistema do "dialecto" alentejano. Os macro-sistemas e os sistemas diatópicos considerados viriam, até, a unificar-se sob a etiqueta única de sistemas diatópicos, a partir do momento em que os países africanos possuíssem (ou cada um deles possuísse) uma norma própria, estruturada de modo coerente e de patente originalidade. 11

12 III. O alfabeto português 1. O ALFABETO PROPRIAMENTE DITO 1. A o á /u a/ 2. B o bê /u be/ 3. C o cê /u se/ 4. D o dê /u de/ 5. E o é /u / 6. F o efe /u f / 7. G o guê /u e/ 8. H o agá /u a/ 9. I o i /u i/ 10. J o jota /u t / L o ele /u l / 12. M o eme /u m / 13. N o ene /u n / 14. O o ó /u / 15. P o pê /u pe/ 16. Q o quê /u ke/ 17. R o erre /u r / 18. S o esse /u s / 19. T o tê /u te/ 20. U o u /u u/ 21. V o vê /u ve/ 22. X o xis /u i / 3 Para não se enganarem na pronúncia desta letra, lembrem-se de Rio de Janeiro! 12

13 23. Z o zê /u ze/ 2. LETRA COMPÓSITA ACESSÓRIA: Ç o cê cedilhado (que nunca encontraremos como letra inicial de uma palavra, no português moderno) 3. LETRAS ESTRANGEIRAS K o capa W o dâblio Y o ípsilon/o i grego 4. DIGRAMAS (DÍGRAFOS) CONSONÂNTICOS: rr, ss (que nunca encontraremos no início de uma palavra, no português moderno): correspondência, assassino ch, lh, nh (e, excepcionalmente, nn e mm: connosco; comummente, ruimmente, virgemmente) 5. DIGRAMAS VOCÁLICOS 1. (...) VOGAL + CONS. NASAL (+ OUTRA CONS.) (...): anterior, pentagrama, recinto, também 2. DITONGOS, CASOS ESPECIAIS Ditongos nasais decrescentes / w / comprarão, etc. realização ortográfica -ão (em final de palavra aguda): concepção, 13

14 compraram, etc. realização ortográfica -am (em final de palavra grave): compram, / j / realização ortográfica -ãe: mãe, pães... e também, excepcionalmente, -ãi: cãibra(s). /e j / realização ortográfica -em: levem, bem, também... /o j / realização ortográfica -õe: põe, concepções... / uj /, / u j / realização ortográfica -ui, na palavra muito 6. SOLETRAR, COM "AJUDAS" Com os nomes próprios (ainda que eventualmente se possa recorrer a nomes de cidades, países, continentes, quando os nomes de pessoa são excessivamente raros ou abstrusos): A de António/Álvaro/Alberto/Amélia B de Beatriz/Benjamim C de Carlos/Catarina D de Daniel/David E de Evaristo/Eduardo/Ernesto F de Francisco/Fernando G de Guilherme H de Helena I de Irene/Isidoro J de José/João L de Luís/Laura/L(o)urdes M de Maria/Mário N de Natália/Natércia O de Óscar/Osvaldo/Odet(t)e P de Pedro/Paulo Q de Quirino (mas o nome é pouco corrente, e prefere-se em geral um topónimo Quarteira, por exemplo ou um nome comum, como quarto) R de Raul/Roberto/Rui 14

15 S de Serafim/Sérgio/Sílvia T de Teodora/Tomás/Tomé/Tiago U de Ulisses V de Vítor X de Xavier Z de Zacarias/Zélia/Zeferino 7. NOTAÇÕES LÉXICAS acentos (o falso acento grave*, o acento agudo, o acento circunflexo) * Só se pode encontrar sobre um a, isolado (caso do primeiro dos exemplos que se seguem) ou constituindo a primeira sílaba duma palavra. Nunca recobre a função de um verdadeiro acento, mas a de diacrítico de contracção e de abertura vocálica: à, àquele, àquela, àqueles, àquelas, àquilo. o til que, na ausência de acentos gráficos sobre a palavra, serve de acento, indicando a sílaba tónica. Ex.s: cristão, correrão... Se a palavra tem o acento noutra sílaba que não a do til, o acento gráfico é obrigatório: bênção, órfão, órgão... Atenção: o til surge quase sempre em sílaba final, com as seguintes excepções: no campo dos substantivos, só no caso de cãibra (que eu saiba); no âmbito dos advérbios de modo em -mente, nos casos em que estes sejam formados com base num adjectivo com o feminino singular em -ã: chãmente, cristãmente, irmãmente. o trema Só no Brasil: agüentar, lingüística... o apóstrofo usa-se em poucos casos: 15

16 na representação gráfica de pronúncias populares, aferéticas ou sincopadas: 'tou, 'tamos por estou, estamos; p'ra, por para; no encontro entre uma preposição e o artigo definido com que se inicia um título: «o autor d'os Lusíadas», «é um episódio que se encontra n'os Três Mosqueteiros» (mas tende a desaparecer: «o autor dos Lusíadas», «nos Três Mosqueteiros») a cedilha: só sob c antes de a, o ou u, para representar o som /s/: caçar, poço, alcaçuz o hífen, que se usa: na conjugação pronominal (vi-o, chama-se); com muitas das formas do futuro perifrástico, conjugado com o auxiliar haver (eu hei-de fazer, tu hás-de comprar, etc.); na translineação 4 ; em palavras compostas por justaposição (guarda-chuva), ou nalgumas das derivadas por prefixação (pré-escolar, ex-director, recém-nascido). Nota ao último caso considerado (palavras derivadas por prefixação): Na maior parte das palavras derivadas por prefixação, o prefixo funde-se completamente com a forma-base. Mas há casos em que o prefixo se mantém separado daquela por um hífen: quando o recurso à aglutinação repugnar aos hábitos ortográficos vigentes (é o caso, por exemplo, de super-homem e de sub-humano mas já não de desumano); quando a ausência do hífen induzir a uma leitura errada: é essa a razão que nos impõe o emprego do hífen em, por exemplo, ab-rogar, circum-navegação, inter-relação, sub-região, subreptício, sub-rogar. 4 Translineação que só não coincide com a italiana nos seguintes casos: nas sequências de c ou g + outra consoante que não seja c ou t: té-/cnico, paradi-/gma; nas sequências de m + outra consoante: ana-/mnese; nas sequências de s + outra consoante: des-/travar, es-/colher; nas sequências de t + outra consoante: ari-/tmética, Eri-/treia. Outras sequências que podem levantar dúvidas: adop-/tar, bap-/tizar; reac-/ção, convic-/ção; reac-/tor, convic-/to. 16

17 8. SINAIS DE PONTUAÇÃO Vírgula (,), ponto (.), ponto e vírgula (;), dois pontos (:), ponto de interrogação (?), ponto de exclamação (!), reticências (...), aspas () 5, parênteses ( ), colchetes (= parênteses rectos) [ ], chavetas { }, barra / 6, travessão / (a não confundir com o hífen!). 9. OUTROS ARTIFÍCIOS GRÁFICOS O sublinhado, o negrito 7, os versaletes, o itálico, o parágrafo, o asterisco 8. 5 Estas são as aspas duplas, baixas as únicas tomadas em consideração na Nova Gramática do Português Contemporâneo de Lindley Cintra e Celso Cunha (Lisboa, Sá da Costa, , pp ); mas também as há simples, baixas; e altas, tanto simples como duplas. 6 Sinal gráfico que, se não me engano, a referida Gramática de Cunha/Cintra nem sequer toma em consideração e que, pelo contrário, em La lingua italiana de Maurizio Dardano e Pietro Trifone (Bologna, Zanichelli, 1985) é inserido entre os sinais de pontuação (p. 399). 7 Termo brasileiro com que se designa o bold (it. grassetto) e que prefiro ao negro do português de Portugal, porque mais claro. Informação relativamente recente: Só em Fevereiro de 2005 tive acesso ao «Diário da República (Portuguesa)» de 24 de Dezembro de 2004, que publica uma portaria dedicada à Nomenclatura Gramatical Portuguesa. Nesta finalmente, é adoptado o termo negrito que há já vários anos venho privilegiando. 8 É igualmente válido, para este caso, tudo quanto se referiu na nota 4. 17

18 IV. Aspectos fonológicos básicos IV.1. Classificação articulatória dos fonemas do português 18

19 IV.2. Modelos correntes de transcrição fonética Giuseppe Mea, Dicionário Português-Italiano, Porto, Porto Editora,

20 AA. VV., Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, Lisboa, Editorial Verbo,

21 IV.3. Transcrição de traços prosódicos (ou suprassegmentais) IV.3.1. Acento (na dimensão palavra, portanto) Quanto ao acento, sinalizá-lo-emos apenas com o diacrítico ', antes da sílaba tónica. Exemplo: assassino s 'sinu IV.3.2. Entoação (o que já implica a dimensão frase) Prescidir-se-á de qualquer sinal distintivo para a entoação das palavras terminais das frases de tom neutro (mas, a empregá-lo, seria ou.., no fim da frase) 9. Nas frases interrogativas marcar-se-á apenas a subida de tom na última sílaba da palavra final, com ou.. após a mesma. Nas frases exclamativas marcar-se-á apenas o aumento da intensidade na última sílaba tónica da frase precedida de '' ou no final da frase, com. Exemplos: Saímos. s imu s imu.. Saímos? s imu s imu.. Saímos! s imu s imu Nota sobre as transcrições fonéticas presentes neste manual: Só em casos excepcionais, quando se tornar necessário marcar o limite das sílabas na transcrição fonética duma palavra, introduziremos um ponto (. ) entre elas como sucederá, por exemplo, a pp. 35 e A dupla possibilidade de representação reflecte, seja no caso anterior seja nos seguintes, a lição de Henrique Barroso (Forma e Expressão da Substância da Língua Portuguesa, Coimbra, Almedina, 1999, pp ), na representação do primeiro diacrítico para cada situação, e a de Luciano Canepari (Introduzione alla fonetica, Torino, Einaudi, 1979, pp ), para o segundo. 21

22 V. Unidades de aprendizagem (textos, gramática, exercícios) introduzidas pela simulação de uma situação comunicativa (ou, simplificando, Unidades comunicacionais) Unidade 1: Chegada a Portugal A Anna chega a Portugal, de avião. Desembarca no aeroporto lisboeta da Portela. Apanha um táxi. O taxista mete a mala no porta-bagagens e, depois de partirem, dá-se o diálogo: Boa tarde. Leve-me ao Largo do Rato, por favor. Boa tarde. Com certeza, é para já!... A menina não é portuguesa, pois não? Não, sou italiana. Mas venho a Portugal muitas vezes, tenho cá muitos amigos. Parabéns, fala muito bem a nossa língua. Se não apanhamos muito trânsito pelo caminho, dentro de dez minutos já está no Rato. Óptimo 10!... Cá estamos. São 12 euros, se faz favor. Aqui estão 15, guarde o troco. Obrigado e boa estada em Lisboa! Mas espere aí, ainda tenho que lhe dar a mala! Ah, é verdade, estava mesmo distraída de todo! 10 Atenção à pronúncia de adoptar, baptismo/baptista, Egipto (v. p. 29; mas egípcio = /e' i.psju/), contrastante com a de adaptar, apto, optar. 22

23 Conteúdos gramaticais 11 A. Formas de tratamento Partindo do princípio que, no diálogo precedente, o enunciador da pergunta «A menina não é portuguesa, pois não?» é uma pessoa muito mais velha do que a interrogada, chamar à Anna «a menina» é, nessas circunstâncias, uma "escolha obrigada" que constitui, por assim dizer, "o mal menor": tratá-la por «você» poderia parecer pouco respeitoso, e tratá-la por «a senhora» seria, por sua vez, decididamente deslocado. Uma solução para o impasse poderia ser a de esquivar o problema, elidindo pura e simplesmente o pronome ou a locução pronominal empregada como forma de tratamento. Mas esse «Não é portuguesa, pois não?», assim, sem sujeito explícito, poderia suscitar dúvidas no interlocutor, com a consequente pergunta "de ricochete", por parte deste: «Quem, eu?» com o que o problema inicial tornaria a repropor-se ao locutor... «Você» poderia ser uma alternativa aceitável naquela situação, se os interlocutores fossem ambos jovens e aproximadamente coetâneos. «Você» será, mesmo, a única alternativa válida, quando dois jovens, ambos mais ou menos da mesma idade, não se atrevem a tratar-se imediatamente por «tu»: é o caso deste excerto de diálogo entre a Anna e o rapaz que ficou ao lado dela no avião, e com o qual ela trocou algumas palavras durante a viagem: Permita que me apresente: chamo-me Artur. E você, como se chama? Muito prazer, chamo-me Anna. O prazer é todo meu. Você não é portuguesa, pois não? Não, sou italiana. Ah, eu gosto muito da Itália e dos italianos. Infelizmente, não sei dizer quase nada na sua língua... Pronomes rectos (i. e., que funcionam como sujeitos da oração): Eu / ew / Tu / tu / Ele / el / Ela / l / Nós / n / Vós / v / Eles / el / Elas / l / 11 Gramaticais, em sentido lato. 23

24 Notas: O / / das formas plurais dos pronomes, dos substantivos, dos adjectivos, dos verbos... pode transformar-se em /z/ ou em / /, em certos contextos que serão devidamente explicitados nas lições. Repare na diferença de timbre da vogal tónica, entre os pronomes masculinos e femininos da terceira pessoa. Emprego dos pronomes rectos pressupostos teórico-funcionais decorrentes da Teoria da Comunicação (quadro de síntese) Eu referência do locutor a si próprio Tu o locutor dirige-se directamente ao alocutário Ele referência que o locutor faz ao alocutário, sobre um terceiro (presente ou ausente) Nós o locutor fala em nome de um grupo (de dois ou mais indivíduos) em que ele próprio se inclui, e do qual se assume como "porta-voz" Vós o locutor dirige-se a um alocutário, considerando este como um conjunto plural Eles referência que o locutor faz ao alocutário sobre um terceiro (presente ou ausente), encarado como um conjunto constituído por dois ou mais indivíduos Extensões do emprego dos pronomes rectos (como formas de tratamento) 1. Nós para a 1.a pessoa singular: plural de modéstia, plural majestático 12 com o verbo conjugado na 1.a pessoa plural. 2. A terceira pessoa do singular pela primeira, como fórmula de cortesia 13 empregada exclusivamente, ou quase, nos requerimentos e declarações de carácter marcadamente burocrático 12 O qual, em princípio, terá nascido também como plural de modéstia: cfr. Cunha/Cintra, Gramática do Português Contemporâneo, p

Olá! Como está? ser / ser de ter / em chamar-se; morar (em); falar

Olá! Como está? ser / ser de ter / em chamar-se; morar (em); falar Olá! Como está? 1 Apresentar-se Cumprimentar Despedir-se Dar informações de carácter pessoal Nome Morada Estado civil Nacionalidades Países / Cidades Profissões Números (até 20) Adjetivos Pronomes pessoais

Leia mais

TIMI 3. 1 Observa a imagem e escreve frases. 2 Lê e completa. Ex.: No quarto há duas camas. do segundo esquerdo. um irmão.

TIMI 3. 1 Observa a imagem e escreve frases. 2 Lê e completa. Ex.: No quarto há duas camas. do segundo esquerdo. um irmão. TIMI 3 1 Observa a imagem e escreve frases. Ex.: No quarto há duas camas. 2 Lê e completa. Tu Eles Ela Vocês Tu Eu O pássaro Eu Ele Vocês 4 / quatro do segundo esquerdo. um boné. um irmão. gémeos. muitos

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Acentuação. É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo

Acentuação. É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo Acentuação É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: ela e a minha amiga ela é a minha amiga o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo sai à rua saí à rua 1 Sílaba / vogal

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE LÍNGUA PORTUGUESA 1. ano - 1. volume UNIDADE 1 Símbolos Letras do alfabeto UNIDADE 2 Alfabeto (vogais e consoantes) Crachá Letras do próprio nome, do nome do professor e dos colegas

Leia mais

VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 3ª CLASSE 4ª CLASSE 5ª CLASSE

VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 3ª CLASSE 4ª CLASSE 5ª CLASSE VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 19 Família : - a minha história A família: - tipos de família - membros da família e suas funções - regras de convivência na família - a minha infância A família do meu amigo,

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS (Planificação anual) 3º ano de escolaridade 1º Período

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS (Planificação anual) 3º ano de escolaridade 1º Período PROGRAMÁTICOS (Planificação anual) 3º ano de escolaridade 1º Período DISCIPLINA: Língua Portuguesa Compreensão do oral; Ouvinte (DT); Vocabulário; Notas, esquemas; Oralidade (DT); Texto oral e texto escrito

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas)

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Nome: Data: A Importa-se de responder a umas perguntas? Está bem. Obrigado. 1 Como é que se chama? 2 O que é que faz? 3 Vive aqui agora? 4 Há quanto tempo

Leia mais

PArte I. O ALfAbetO POrtuguês. Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: érre ésse. jóta. dablio cápa ipsilon

PArte I. O ALfAbetO POrtuguês. Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: érre ésse. jóta. dablio cápa ipsilon PArte I guia de fonética O ALfAbetO POrtuguês Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: a á n éne b bê o ó c cê p pê d dê q quê e é r érre f éfe s ésse g guê t tê h agá u ú i i v vê j jóta w dablio k cápa

Leia mais

PORTUGUÊS DO DIA-A-DIA

PORTUGUÊS DO DIA-A-DIA PORTUGUÊS DO DIA-A-DIA Módulo A Arlindo J. N. Castanho UNIVERSIDADE DE BÉRGAMO ANO ACADÉMICO DE 2006/07 1 PROGRAMMA DEL CORSO A.A. 2006-07 Codice: 3043 Denominazione insegnamento: Lingua portoghese A Settore

Leia mais

Artigos. Artigo Subclasse de determinantes que se antepõem ao nome para identificar e determinar o que este exprime. Artigo. Definido.

Artigos. Artigo Subclasse de determinantes que se antepõem ao nome para identificar e determinar o que este exprime. Artigo. Definido. Artigos Artigo Subclasse de determinantes que se antepõem ao nome para identificar e determinar o que este exprime. Indefinido Artigo Definido 1 Masculino um uns Masculino o os Feminino Artigo indefinido

Leia mais

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica COMENTÁRIOS E RESPOSTAS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DE NÍVEL MÉDIO PARA AGENTE ADMINSITRATIVO AUXILIAR PORTO ALEGRE DO CONCURSO DA FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E PESQUISA EM SAÚDE FEPS PROVA REALIZADA

Leia mais

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo.

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. RESUMÃO 2º SIMULADO DE PORTUGUÊS Aula 05 Adjetivo e suas flexões Adjetivo = palavra que qualifica o substantivo. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. Os adjetivos

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

Bem-vindos! 8 oito. Como é o seu nome? Eu sou a Teresa e esta é a Camille. Exercício em cadeia. esta a Teresa. este o Paulo

Bem-vindos! 8 oito. Como é o seu nome? Eu sou a Teresa e esta é a Camille. Exercício em cadeia. esta a Teresa. este o Paulo Primeiros Contatos A Bem-vindos! Como é o seu nome? Loreno. E o seu? Bom dia. O meu nome é Camille. Como é o seu nome? O meu nome é Boa noite. cumprimentar alguém e despedir-se apresentar-se e apresentar

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 1 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 1 - I Pronomes pessoais Eu Tu 1 Você 2 / ele/ela A gente 3 Nós Vós 4 Eles/ elas

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 Sumário Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 1 Variação lingüística / 15 1.1 Os níveis de linguagem / 17 1.1.1 O nível informal /17 1.1.2 O nível semiformal /1 7 1.1.3 O nível formal/18

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Curso Grandes temas da atualidade: o 10º tema é a Reforma Ortográfica O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa não será exigido nos vestibulares de

Curso Grandes temas da atualidade: o 10º tema é a Reforma Ortográfica O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa não será exigido nos vestibulares de Curso Grandes temas da atualidade: o 10º tema é a Reforma Ortográfica O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa não será exigido nos vestibulares de 2009, pelo menos quanto às mudanças na escrita. No entanto,

Leia mais

Conteúdo Programático 5º ano Ensino Fundamental I LÍNGUA PORTUGUESA 1º PERÍODO 2º PERÍODO. LIVRO: PORTUGUÊS - SM ( Textos / Produção de textos)

Conteúdo Programático 5º ano Ensino Fundamental I LÍNGUA PORTUGUESA 1º PERÍODO 2º PERÍODO. LIVRO: PORTUGUÊS - SM ( Textos / Produção de textos) Conteúdo Programático 5º ano Ensino Fundamental I LÍNGUA PORTUGUESA LIVRO: PORTUGUÊS - SM ( Textos / Produção de textos) 1º PERÍODO UNIDADE 1 O DESEJO HUMANO DE EXPLORAR I. EM ALTO-MAR Estamos em alto-mar...

Leia mais

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS PORTUGUÊS PARA CONCURSOS Sumário Capítulo 1 - Noções de fonética Fonema Letra Sílaba Número de sílabas Tonicidade Posição da sílaba tônica Dígrafos Encontros consonantais Encontros vocálicos Capítulo 2

Leia mais

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO (*) A revisão deste texto já considera as novas normas do Acordo Ortográfico. O Acordo Ortográfico da Língua

Leia mais

Observação directa: ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL SECUNDÁRIO DISCIPLINA: PLNM (A1) ANO: 11º ANO LECTIVO 2010/2011

Observação directa: ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL SECUNDÁRIO DISCIPLINA: PLNM (A1) ANO: 11º ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL SECUNDÁRIO DISCIPLINA: PLNM (A1) ANO: 11º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS

Leia mais

Conteúdos Programáticos Bolsão 2016. Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I. Conteúdo para ingresso no 2 o ano

Conteúdos Programáticos Bolsão 2016. Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I. Conteúdo para ingresso no 2 o ano Conteúdos Programáticos Bolsão 2016 Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I Conteúdo para ingresso no 2 o ano LÍNGUA PORTUGUESA: Alfabeto (maiúsculo e minúsculo); vogal e consoante; separação silábica;

Leia mais

Índice. A Listas úteis 13-23. D Comer fora 41-50. B Formas de. E Na estrada 51-63. C Conversar 31-40. F Transportes. cortesia 24-30.

Índice. A Listas úteis 13-23. D Comer fora 41-50. B Formas de. E Na estrada 51-63. C Conversar 31-40. F Transportes. cortesia 24-30. Índice I ntrodução 9 Q uadro de pronúncia 10 A lfabeto russo 11 A Listas úteis 13-23 1.1 Hoje ou amanhã 14 1.2 Feriados nacionais 15 1.3 Que horas são? 15 1.4 Um, dois, três 17 1.5 O tempo 19 1.6 Aqui,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Turma Regular Semanal Manhã

Turma Regular Semanal Manhã A) ARTIGOS CORRELATOS CONCORDÂNCIA NOMINAL Introdução Leia a frase abaixo e observe as inadequações: Aquele dois meninos estudioso leram livros antigo. Note que as inadequações referem-se aos desajustes

Leia mais

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016 Planificação anual Período: 1.º Ano Número total de aulas previstas: 75-78 Competências Compreensão oral: seleção da mensagens emitidas em situação de presença, sobre temas familiares para os alunos e

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

Exame unificado de acesso (Línguas e Matemática) às 4 Instituições do Ensino Superior (2017)

Exame unificado de acesso (Línguas e Matemática) às 4 Instituições do Ensino Superior (2017) Exame unificado de acesso (Línguas e Matemática) às 4 Instituições do Ensino Superior (2017) Português B 澳 門 四 高 校 聯 合 入 學 考 試 ( 語 言 科 及 數 學 科 )2017 Exame unificado de acesso (Línguas e Matemática) às

Leia mais

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica:

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica: Revisão sobre: - Orações complexas: coordenação e subordinação. - Análise morfológica e análise sintáctica. - Conjugação verbal: pronominal, reflexa, recíproca, perifrástica. - Relação entre palavras.

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

CRASE TEORIA. REGRA GERAL A crase ocorrerá sempre que o termo anterior exigir a preposição a e o termo posterior admitir o artigo a ou as.

CRASE TEORIA. REGRA GERAL A crase ocorrerá sempre que o termo anterior exigir a preposição a e o termo posterior admitir o artigo a ou as. CRASE TEORIA (Aluna do Curso de Secretariado Executivo Trilíngüe da Universidade Estácio de Sá) Crase é a fusão da preposição a com o artigo a ou com o a inicial dos pronomes demonstrativos aquele, aquela,

Leia mais

c) O verbo ficará no singular ou no plural se o sujeito coletivo for especificado com substantivo no plural.

c) O verbo ficará no singular ou no plural se o sujeito coletivo for especificado com substantivo no plural. Concordância Verbal a) O verbo vai para a 3ª pessoa do plural caso o sujeito seja composto e anteposto ao verbo. Se o sujeito composto é posposto ao verbo, este irá para o plural ou concordará com o substantivo

Leia mais

Problemas Notacionais da Língua

Problemas Notacionais da Língua Problemas Notacionais da Língua Problemas Notacionais da Língua Neste encontro, analisaremos algumas particularidades que nossa língua apresenta e, muitas vezes, devem ter deixado você com dúvidas. É muito

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

VAMOS ESTUDAR OS VERBOS

VAMOS ESTUDAR OS VERBOS VAMOS ESTUDAR OS VERBOS Autores: Ana Catarina; Andreia; Bibiana; Pedro Cardoso. Ano/Turma: 6º A Ano Lectivo: 2007/2008 Índice. 1 Introdução... 2 Pág. Primeira Parte 1-OS VERBOS 1.1 Conceito.. 3 1.2 Tempo.

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 4º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL LÍNGUA PORTUGUESA (Unidades 1, 2, 3 e 4) Gêneros Poema Crônica História em quadrinhos Conto de fadas Conto maravilhoso História de

Leia mais

Crase. Regra Geral. Maria vai a + a festa. Maria vai à festa

Crase. Regra Geral. Maria vai a + a festa. Maria vai à festa Crase Regra Geral prep artigo Maria vai a + a festa Maria vai à festa 1. Em locuções adverbiais de que participam palavras femininas: às vezes à toa à vontade às cegas à tarde / à noite / à beça / às moscas

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Bilinguismo e Aprendizagem de uma língua segunda

Bilinguismo e Aprendizagem de uma língua segunda Bilinguismo e Aprendizagem de uma língua segunda Maria Helena Mira Mateus Cabo Verde, Cidade da Praia Fevereiro de 2009 Agradecimentos. Justificação da introdução: línguas minoritárias, várias línguas

Leia mais

Unidade 1. Como é que se chama? Áreas gramaticais / estruturas. Pronomes pessoais sujeito: eu, você, ele, ela

Unidade 1. Como é que se chama? Áreas gramaticais / estruturas. Pronomes pessoais sujeito: eu, você, ele, ela Unidade 1 Como é que se chama? Áreas gramaticais / estruturas Pronomes pessoais sujeito: eu, você, ele, ela As formas verbais: me chamo, se chama, chamo-me, chama-se / sou, é Artigos definidos (singular):

Leia mais

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI]

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Informação para os pais Estimulando a linguagem das crianças Do nascimento aos 2 anos O bebé recém-nascido tenta comunicar com os pais através

Leia mais

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998.

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 1) Comentar a citação inicial de William Labov. R:

Leia mais

CRASE. CONCEITO - É a fusão de duas vogais idênticas. Representa-se graficamente a crase pelo acento grave (`).

CRASE. CONCEITO - É a fusão de duas vogais idênticas. Representa-se graficamente a crase pelo acento grave (`). CRASE CONCEITO - É a fusão de duas vogais idênticas. Representa-se graficamente a crase pelo acento grave (`). A crase pode ocorrer entre: 1) Preposição A e os artigos A, AS Há limites a+a tolerância humana

Leia mais

Teste de diagnóstico de Português Língua Não Materna. Alunos do primeiro e do segundo anos do Ensino Básico

Teste de diagnóstico de Português Língua Não Materna. Alunos do primeiro e do segundo anos do Ensino Básico Teste de diagnóstico de Português Língua Não Materna Alunos do primeiro e do segundo anos do Ensino Básico Este trabalho foi desenvolvido pelo grupo Língua e Diversidade Linguística do Instituto de Linguística

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Língua Portuguesa 9º ano

Língua Portuguesa 9º ano Língua Portuguesa 9º ano Conteúdos por unidade didática 1º Período A - Comunicação Oral.. Intencionalidade comunicativa. Adequação comunicativa: Ideia geral. Ideias principais. Ideias secundárias. Informação

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

1 Que línguas fala? Gramática Vocabulário Fonética/Ortografia Cultura

1 Que línguas fala? Gramática Vocabulário Fonética/Ortografia Cultura Que línguas fala? Nesta unidade, as minhas tarefas são: Apresentar-me. Dar e pedir informações pessoais (nome, idade, nacionalidade, línguas). Relacionar línguas, países e nacionalidades. Identificar objetos

Leia mais

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto

7 Tal pai, tal filho. Acabada a assembléia da comunidade de. Cenatexto JANELA A U L A 7 Tal pai, tal filho Cenatexto Acabada a assembléia da comunidade de Júpiter da Serra, em que se discutiu a expansão da mineradora, dona Ana volta para casa com o Samuel, seu garotinho.

Leia mais

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula!

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! Bete Masini A pontuação é, sem dúvida, um dos principais elementos coesivos do nosso texto. Certamente, não podemos crer no que muitos já falaram (e ainda falam):

Leia mais

- 1º ano. História: - Eu, criança; - Todos temos nomes; - O tempo passa (Nem todos os dias são iguais). Páginas: 06 até 18

- 1º ano. História: - Eu, criança; - Todos temos nomes; - O tempo passa (Nem todos os dias são iguais). Páginas: 06 até 18 - 1º ano Língua Portuguesa: - Alfabeto; - Vogais; - Famílias silábicas: BA, BE, BI, BO, BU; // CA, CO, CU; // DA, DE, DI, DO, DU; // FA, FE, FI, FO, FU; // GA, GO, GU; // HA, HE, HI, HO, HU; // JA, JE,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 Agrupamento de Escolas Domingos Sequeira Área Disciplinar: Português Ano de Escolaridade: 3º Mês: outubro Domínios de referência Objetivos/Descritores Conteúdos Oralidade 1

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 14

Transcrição de Entrevista nº 14 Transcrição de Entrevista nº 14 E Entrevistador E14 Entrevistado 14 Sexo Feminino Idade 50anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e dos Computadores Professor Ensino Superior - Investigação E -

Leia mais

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA:

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: A LÍNGUA PORTUGUESA NA ERA DIGITAL ÁGORA Ciência e Sociedade, ciclo de conferências Universidade de Lisboa Auditório do Instituto para a Investigação Interdisciplinar,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

2003-2005. www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt

2003-2005. www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Primeiros resultados do projecto desenvolvido pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC) em colaboração com a Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular (Ministério da

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo de Manuel da Fonseca Curso Profissional de Turismo

Escola Secundária com 3º ciclo de Manuel da Fonseca Curso Profissional de Turismo Domínios de Referência Competência Linguística Componentes Competência Funcional e Discursiva Competência Sociocultural Nº Horas Estratégias Recursos Avaliação Módulo 1: Nós e o mundo à nossa volta Pronomes

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) PORTUGUÊ DOMÍNO OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE Oralidade 1. Escutar para aprender e construir conhecimentos 2. Produzir um discurso oral com correção 3.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 7 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 7 I Ser + adjetivo Estar + adjetivo Eu sou Eu estou Você/ ele/ ela é Você/ ele/

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas

LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas As questões 1 a 7 referem-se ao texto 1. Texto 1 NÃO HÁ ESTRANHOS, APENAS AMIGOS. Susan Andrews Revista Época, 17 de setembro de 2007. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Leia mais

Português Língua Estrangeira Teste (30 horas)

Português Língua Estrangeira Teste (30 horas) Português Língua Estrangeira Teste (30 horas) Nome: Data: A Posso fazer umas perguntas? (Can I ask you a few questions?) Obrigado. 1 Como é que se chama? 2 Onde vive? 3 Onde é que trabalha? 4 O que é que

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

MINIGUIA DA EUROPA 2011 Comunicar com os Europeus Línguas Na Europa fala-se muitas línguas, cujas principais famílias são a germânica, a românica, a eslava, a báltica e a céltica. As instituições da União

Leia mais

Da Flip para Frankfurt, com uma mala de novos livros

Da Flip para Frankfurt, com uma mala de novos livros DW-WORLD.DE DEUTSCHE WELLE Cultura 05.07.2009 Da Flip para Frankfurt, com uma mala de novos livros A agente literária Nicole Witt, em Paraty A agente literária Nicole Witt sucede Ray-Güde Mertin como embaixadora

Leia mais

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA EM MARKETING E PROCESSOS GERENCIAIS UC: COMUNICAÇÃO

Leia mais

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Ana Rita Bernardo Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa, área de PLE/L2 Cientes do apelo que se impõe

Leia mais

COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO SABER FAZER UM RESUMO. Saber comunicar a informação de forma eficaz. Literacia da informação

COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO SABER FAZER UM RESUMO. Saber comunicar a informação de forma eficaz. Literacia da informação COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO SABER FAZER UM RESUMO Saber comunicar a informação de forma eficaz Literacia da informação Rute Simões 30 de Março de 2012 Segundo G. Vigner 1, o resumo é uma operação de tradução

Leia mais

O resumo Se procurares num dicionário o verbo resumir encontrarás uma definição semelhante a esta: dizer em poucas palavras o que se disse ou escreveu mais extensivamente; condensar. Sendo uma forma de

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano Letivo 2014/2015 Português 3.º Ano DISCIPLINA DOMÍNIOS CONTEÚDOS INTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO PORTUGUÊS Pesquisa

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

Adjunto adnominal. Os dois primeiros colocados disputarão a medalha de ouro. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj: adn.

Adjunto adnominal. Os dois primeiros colocados disputarão a medalha de ouro. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj: adn. Professor Jailton Adjunto adnominal é o termo da oração que sempre se refere a um substantivo que funciona como núcleo de um termo, a fim de determiná-lo, indeterminá-lo ou caracterizá-lo. adj. adn. adj.

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL

Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL CONCORDÂNCIA VERBAL Regra geral O verbo e seu sujeito deverão concordar em número e pessoa: Eu Tu Ele Os alunos sujeito cheguei. chegaste. chegou. chegaram. verbo

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Apresentação das Iniciativas e.escola e.professor e.oportunidades Escola Secundária Eça de Queiroz,

Leia mais

Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital. Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006

Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital. Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006 Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006 Vêm de todo o lado, atraídos pela lendária hospitalidade portuguesa, mas sobretudo pelo clima,

Leia mais

5 DUAS FOTOGRAFIAS IDENTIFICADAS COM NOME E NUMERO DE PRE- REGISTO 2 CI-CEPPQ

5 DUAS FOTOGRAFIAS IDENTIFICADAS COM NOME E NUMERO DE PRE- REGISTO 2 CI-CEPPQ 1 FICHA DE INSCRIÇÃO 1 2 FICHA DO CANDIDATO 2 3 CÓPIA DE DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO 4 CÓPIA DE COMPROVATIVO DE PAGAMENTO 5 DUAS FOTOGRAFIAS IDENTIFICADAS COM NOME E NUMERO DE PRE- REGISTO 2 CI-CEPPQ Universidade

Leia mais

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 RESPOSTAS AOS RECURSOS Cargo: ART - PROFESSOR P2 / ARTE Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA (LPO) 5 - Gab.:V B 5 - Gab.:W C 5 - Gab.:X D 8 - Gab.:V

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais