Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero"

Transcrição

1 Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero Maria Eduarda Ramos (UFSC) 1 Cotidiano ; mulheres; trabalho doméstico. ST 55 - Música popular brasileira & relações de gênero Na composição da música Cotidiano de Chico Buarque a idéia ocorreu ao autor debaixo do chuveiro e foi inspirada em um sonho que Chico teve com uma senhora que ao fundo de uma cozinha falava: Feche a porta! (Werneck, Humberto, 1989). Em DVD recente 2 sobre a temática feminina na composição de Chico Buarque e que contempla Cotidiano, este fala sobre mulheres na música e em diferentes momentos. Chico afirma que em determinadas épocas era impossível de se pensar uma música em que a mulher tivesse um papel ativo ou independente. As mulheres, chamada por ele de saídas, foram cantadas a partir dos anos 60, 70. Ele próprio diz que acha que a primeira música que fez sobre uma mulher cantando sua liberdade foi encomendada por Gal Costa, Olhos nos olhos (1976). E ressalva que nos anos 40 jamais uma música como esta poderia existir. Cotidiano ainda canta uma mulher no espaço privado. A música Cotidiano, de 1971, retrata a rotina de um casal em que a mulher fica em casa, acorda o marido e o espera no portão no final do dia. Expõe assim uma época em que a mulher era associada ao espaço privado. Mas será que atualmente há mulheres como a música? Neste artigo, além de fazer uma discussão relacionando o poema musicado de Chico com os afazeres das mulheres no espaço doméstico, pretendo apresentar duas experiências com a música. Numa delas um grupo de mulheres vítimas de violência doméstica participou de uma reflexão sobre a letra da música Cotidiano, falando sobre suas rotinas em casa e com o marido. A outra ocorreu em um acesso que fiz ao site de relacionamentos Orkut, na comunidade denominada Analisando Chico Buarque, onde a música foi alvo de comentários dos participantes dessa comunidade virtual. As pessoas escreveram a respeito do que pensavam e o que sabiam sobre a música, aparecendo alguns comentários referidos às relações de gênero. Todo dia ela diz que é pra eu me cuidar Grupo de mulheres No grupo reflexivo de mulheres vítimas de violência doméstica 3 a música Cotidiano fez parte de uma atividade em que eu e uma colega, coordenadoras do grupo, levamos algumas músicas para discutir com as participantes. Dentre várias músicas, foi sobre Cotidiano que elas mais dialogaram.

2 2 Colocamos a música para elas escutarem. Logo depois uma das participantes, que irei chamar aqui de Carmem 4, falou: A música está certa. É isso que tem que fazer. Ana se manifestou a favor do que foi falado. Então, Alice diz não concordar com elas, já que tinha cuidado do marido e da casa sempre e só recebeu o desprezo de seu cônjuge. Além disso, ela acreditava que estavam no grupo justamente porque serviam seus maridos, Os homens querem uma Maria, uma Amélia que se encontra nos jornais, nos classificados. As outras duas disseram que concordavam com ela, e que costumavam falar a seus maridos que eles queriam uma empregada e não uma esposa. Entretanto, por mais que soubessem que é errado ficar servindo o marido, acreditavam que elas tinham que fazê-lo. Carmem dizia ser dever dela fazer o serviço da casa e cuidar do marido, mas já que ele a vinha xingando, me chamando de feia e preguiçosa na frente dos amigos, ela decidiu parar de fazer comida para o marido. Porém, ele continuou com as ofensas. Carmem é uma senhora que tem seus quase 60 anos. Enquanto Ana, que parece concordar com Carmem, tem 20 e poucos anos. Alice e Lúcia (outra participante) têm entre anos. Por mais que sejam de idades diferentes, em algumas idéias elas se aproximam: falam do dever do cuidado, das violências psicológicas, saí da casa da minha mãe para morar com ele, para casar. E agora isso, ele me desprezando. Pode-se dizer que essas mulheres por alguns momentos tomam papéis socialmente estabelecidos como naturais. Gênero entende-se como os aspectos relacionais da construção do feminino e do masculino, rejeitando o determinismo biológico. Portanto, homens e mulheres se aprisionam em um padrão de normalidade, sem questionar justamente a construção social, histórica e cultural desse padrão (Testoni; Raquel J. F.; Tonelli, Maria J. F., 2006, p. 41). Os estudos de gênero denunciam esta regulação da constituição da subjetividade (Testoni; Tonelli, 2006). Outras questões faladas por Alice e Carmem giraram em torno do fato de elas terem ajudado os maridos a adquirir o que eles têm atualmente. Alice diz ter montado um negócio com o marido, trabalhado com ele, feito empréstimos em seu nome. Só fiquei com as dívidas e com a violência psicológica. Carmem relata que quando conheceu seu marido, ela trabalhava e ganhava seu dinheiro. Já ele, só tinha uma roupa. Minhas amigas falavam: como eu tinha coragem de namorar um homem que só tinha uma roupa. Eu tinha vergonha, porque eu trabalhava e comprava roupas para mim. Daí, comecei a comprar roupa para ele. E hoje é meu aniversário. Ele não fez nada. Ficou renando em casa. Lúcia finaliza a discussão sobre a música com a reflexão: fazendo tudo que eles querem, dar tudo pronto, é como se a gente fosse mãe deles. Todas concordam com ela. Ana era a única que não trabalhava, por motivo de doença. Carmem trabalhou por muito tempo como empregada doméstica e atualmente está aposentada. Ela tem duas casas que aluga. Lúcia trabalha e sustenta a família, já que o marido não trabalha. Ela estava em processo de separação. Alice trabalhava na empresa de um amigo, mas sem remuneração. Portanto, ainda

3 3 financeiramente dependente do marido o casal morava na mesma casa, mas não viviam como casados. São mulheres que quase todas trabalhavam ou trabalham, mas que por algumas questões (uma destas, a crença de que servir é o dever da mulher) permanecem na situação de violência. Seis da tarde como era de se esperar - Comunidade do Orkut Uma comunidade no site de relacionamento Orkut, chamada Analisando Chico Buarque, teve uma proposta de discutir a música Cotidiano. As reflexões diferem do grupo de mulheres, uma vez que os comentários giram em torno da positividade e da negatividade de se ter uma rotina, tudo sempre igual. Há comentários de que na música talvez não seja uma mulher, mas a própria rotina que acorda o personagem. Outro comentário interessante é sobre uma possível questão política presente. A participante tece o comentário de que a música é de 1971, época em que o Chico acabava de voltar do exílio. A letra reflete a tensão do período duro da repressão política. Pois a rotina do casal pode ser quebrada a qualquer momento, há insegurança, me morde com a boca de pavor. Um outro comentário centra-se em como a música descreve bem os personagens. Principalmente a mulher que cuida da casa e do marido. A pessoa que comenta escreve que se a personagem fosse real ela talvez a reconhecesse na rua. Outro participante comenta que a rotina é positiva. Elogia a rotina linda que há no carinho com que a mulher trata o marido cuidado de buscá-lo no portão, o beijo de recepção. Mas ressalva apesar do carinho e da rotina agradável, ela o sacode de manhã e fala coisas que diz toda mulher. Num comentário semelhante a esse, é exposto que no meio de uma rotina de tédio, o compositor exalta o amor e a preocupação que a mulher tem por seu marido. Quem tece o comentário reforça que um casal pode ser feliz apesar da rotina. Outra nota que destaco, é uma mulher que diz ter criado uma briga com seu marido por causa de Cotidiano, porque ele elege o poema musicado como nossa música. Ela interpreta a música como um homem que quer se separar de sua mulher, mas não o faz porque pensa na vida pra levar. Além de na estrofe: Toda noite ela diz pra eu não me afastar / Meia-noite ela jura eterno amor / E me aperta pra eu quase sufocar / E me morde com a boca de pavor, ela achar que o marido diz que o amor de sua esposa é sufocante. Todo dia ela faz tudo sempre igual Reflexões Este poema musicado incita-nos a pensar sobre as questões das mulheres no espaço privado, os afazeres domésticos e as relações de cuidado com o marido. A música foi escrita no ano de 1971, época em que ao mesmo tempo que algumas mulheres ainda não tinham como objetivo a

4 4 qualificação para o trabalho no espaço público, outras participavam da segunda onda do feminismo que envolvia a saída das mulheres para o mercado de trabalho. Estatísticas sobre trabalho feminino no Brasil apontam que a partir dos anos 70 se intensificou e diversificou o mercado de trabalho para as mulheres (Bruschini, Cristina e Lombardi, Maria Rosa, 1996). A participação feminina no trabalho é cada vez mais expressiva nas últimas décadas ( %; %; %; %; %). Entretanto, houve uma maior participação das mulheres no setor terciário da economia. A este setor são atribuídos baixo prestígio e rendimentos menores. Mas de 1970 para 1980 o número de mulheres profissionais com nível superior aumentou de 18% para 35%, facilitando a entrada delas em outros setores econômicos mais prestigiados. O aumento da entrada das mulheres nas universidades se deu principalmente em 1961/1971, com a ampliação das vagas. No ano de 1971, a participação feminina nestes espaços era de 40% da população estudantil (Machado, Maria Helena, 1986). Vários fatores influenciam para esse crescimento do número de mulheres no mercado de trabalho: culturais, econômicos e demográficos (Bruschini; Lombardi, 1996). Algumas das mudanças foram conquistadas pelo movimento feminista. Um exemplo simples de como o movimento feminista discutia as questões do trabalho são os artigos de Carmem da Silva na revista Cláudia intitulados Trabalhar para não ser bibelô, Independência, entre outros (Teles, Maria A. de A., 1999). Ser mulher, até aproximadamente o final dos anos 1960, significava identificar-se com a maternidade e a esfera privada do lar, sonhar com um bom partido para um casamento indissolúvel e aperfeiçoar-se a atividades leves e delicadas, que exigissem pouco esforço físico e mental (Rago, Margareth, 2004, p. 31) 5. Em muitas contextos, na divisão de papéis ditos masculinos e femininos, as mulheres eram consideradas como confinadas ao espaço privado. A chamada mulher pública por muito tempo foi sinônimo de mulher da vida, expressão negativa e que estigmatizava e marginalizava algumas mulheres (Rago, 2004). A vida privada não é uma realidade natural, dada desde a origem dos tempos: é uma realidade histórica, construída de diversas maneiras por sociedades determinadas (Prost, Antoine; Vicent, Gérard, 1992, p.15). O sentido da vida privada modifica-se em diferentes meios sociais e tradições culturais (Prost; Vicent, 1992). Alguns problemas ainda ocorrem com as mulheres no mercado de trabalho: muitas vezes o trabalho feminino foi/é encarado como apenas complemento da renda familiar. Também é necessário citar que ainda há diferença de salários, em que as mulheres recebem menos do que homens desempenhando os mesmos cargos. Outro problema que podemos apontar quanto a esta temática, é quando não ocorre contratação de mulheres por estas terem a possibilidade de engravidar. A dupla jornada de trabalho (casa e fora) é outro fator que influencia na profissão das

5 5 mulheres. Ainda é a maioria delas que cuida da casa e dos filhos, mesmo trabalhando fora (Rago, 2004; Teles, 1999; Machado, 1986). Nas duas interpretações que apresentei sobre a música foi possível ver que há diferença entre os grupos. O grupo, com a presença de mulheres, estava num contexto em que a reflexão era sobre si mesmas na situação de violência que vivenciavam. Já no Orkut, quase não se vê a preocupação de discutir as questões de gênero. Não há um estranhamento da posição doméstica em que a mulher da música se encontra. No grupo de mulheres emergiu essa discussão porque se aproximava da realidade delas. Penso que são vivências diferentes, mas que denunciam desigualdades. Pode-se afirmar que foram criadas as condições de possibilidades para novas relações de gênero que sejam não-assimétricas. Condições que permitem começar, ou seja, não são pontos finais. De um lado, as mulheres se fortalecem e dão visibilidade aos efeitos do movimento feminista. Por outro lado, ainda há muitas mulheres que dizem conviver bem com sua condição feminina, mesmo com problemas e queixas, segundo pesquisa da Fundação Perseu Abramo (Rago, 2004). Por isso, as questões do trabalho feminino, na casa e fora, ainda necessitam de problematização. E estas reflexões ficam mais agradáveis feitas com o recurso da arte, como a música belíssima de Chico Buarque. Referência Bibliográfica BRUSCHINI, Cristina e Lombardi, Maria Rosa. O trabalho da mulher brasileira nos primeiros anos da década de noventa, Disponível em: <http://www.abep.nepo.unicamp.br/docs/anais/pdf/1996/t96v1a24.pdf>. Acesso em: 19 de junho de MACHADO, Maria Helena. A participação da mulher no setor saúde no Brasil /80. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.2, n.4, Disponível em: <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s x &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 Junho de PROST, Antoine; VICENT, Gerard (org). História da vida privada 5: da Primeira Guerra a nossos dias. São Paulo: Companhia das Letras, RAGO, Margareth. Ser mulher no século XXI ou Carta de Alforria. In: Venturi, Gustavo; Recamán, Marisol e Oliveira, Suely (org). A mulher brasileira nos espaços público e privado. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, TESTONI, Raquel Jaqueline Freiberger.; TONELLI, Maria Juracy Filgueiras Permanências e rupturas: sentidos de gêneros em mulheres chefes de família. Psicologia & Sociedade; 18 (1): 40-48; jan/abr, WERNECK, Humberto. Gol de letras, em Chico Buarque Letra e Música. Cia da Letras, Disponível em: <http://www.chicobuarque.com.br>. Acesso em: 15 de maio de 2008.

6 6 1 Mestranda no Programa de Pós- Graduação em Psicologia da UFSC. Orientada pela Professora Dra. Mara Coelho de Souza Lago. 2 DVD Chico Buarque À flor da pele. 3 As participantes do grupo eram mulheres que sofreram violência doméstica em que os agressores são os cônjuges. Violência física, sexual e principalmente, psicológica. 4 Todos os nomes usados neste artigo são fictícios. 5 Não se pode afirmar que todas as mulheres brasileiras vivenciavam esta realidade até 1960, nem em outras épocas. Algumas mulheres já trabalhavam na esfera pública, principalmente aquelas de camadas populares que necessitavam trabalhar para auxiliar no sustento da família.

Todos os dias Leitura: atividades

Todos os dias Leitura: atividades Todos os dias Leitura: atividades 1. Escreva Certo (C) ou Errado (E) para as afirmações a seguir. A) O marido acorda a esposa todos os dias de manhã. ( ) B) Às seis da tarde ele volta para casa depois

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012.

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012. A DUPLA JORNADA DE TRABALHO: REFLEXÃO SOBRE O VÍNCULO DA MULHER COM O TRABALHO DOMÉSTICO EM CONTEXTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE SOCIOLOGIA PARA O NÍVEL MÉDIO 1 Natalia Taiza Schmidt 2 RESUMO: O presente

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Para um mundo melhor, relações. compartilhadas

Para um mundo melhor, relações. compartilhadas Para um mundo melhor, relações compartilhadas 6 Quem coloca a roupa na lavadora? 7 Quem vai à reunião da escola dos filhos? 8 Quem vai ao supermercado fazer as compras? Responda as questões abaixo optando

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Dra. em Ciências Sociais (UNICAMP) Bom dia, Primeiramente gostaria de cumprimentar a todos e a todas

Leia mais

A CONDIÇÃO FEMININA: DUPLA JORNADA DE TRABALHO

A CONDIÇÃO FEMININA: DUPLA JORNADA DE TRABALHO 1 A CONDIÇÃO FEMININA: DUPLA JORNADA DE TRABALHO Taysa Silva Santos 1 Orientadora: Drª Suzana Maia 2 "Eu não sou tão triste assim, é que hoje eu estou cansada." (Clarice Lispector). [...] Tem o trabalho,

Leia mais

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INCLUSÃO

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório I Seminário de Enfrentamento à Violência de Gênero no Município de Natal 26 e 27/03/2015 Local: Auditório do Conselho Regional

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente INTRODUÇÃO Basta ficar atento ao noticiário para ver que o assunto mais citado nos últimos tempos varia entre os temas de estresse, equilíbrio e falta de tempo. A Qualidade de Vida está em moda no mundo

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

Planejamento Familiar: Conflitos e Soluções

Planejamento Familiar: Conflitos e Soluções Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Planejamento Familiar: Conflitos e Soluções Maria Aparecida Rodrigues de Oliveira Lima (Prefeitura Municipal de Piraí);

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO, TRABALHO E FAMÍLIA NAS IMAGENS DE LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS

REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO, TRABALHO E FAMÍLIA NAS IMAGENS DE LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO, TRABALHO E FAMÍLIA NAS IMAGENS DE LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS Zaida Barros Dias 1 Este texto tem como objetivo analisar as representações de gênero, trabalho e família nas imagens

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da PROSTITUIÇÃO E A LIBERDADE DO CORPO 1 Primeiramente quero agradecer o convite e falar que estou encantada de falar deste tema para uma platéia tão especial. Bom, na minha comunicação pretendo levantar

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

CURSO CASAMENTO FELIZ COMUNICANDO - SE ESBOÇO DA NOITE: O QUE É COMUNICAÇÃO? PALESTRA DE JORGE - LADO TEOLÓGICO O PODER DA PALAVRA CRIAÇÃO

CURSO CASAMENTO FELIZ COMUNICANDO - SE ESBOÇO DA NOITE: O QUE É COMUNICAÇÃO? PALESTRA DE JORGE - LADO TEOLÓGICO O PODER DA PALAVRA CRIAÇÃO CURSO CASAMENTO FELIZ COMUNICANDO - SE ESBOÇO DA NOITE: Contar as experiências com as surpresas Modelo de comunicação Palestra Jorge Palestra Judite Conversa Tarefa O QUE É COMUNICAÇÃO? Uma mensagem somente

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Os ciúmes são vividos de modo diferente pela mulher e pelo homem, e também o são, em cada sexo, de acordo com o tipo de Amor.

Os ciúmes são vividos de modo diferente pela mulher e pelo homem, e também o são, em cada sexo, de acordo com o tipo de Amor. Escolha do tema: Escolha um dos três temas propostos para redação e assinale sua escolha no alto da página que será entregue. Você deve desenvolver o tema conforme o tipo de texto indicado, segundo as

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba

Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba 1 A dignidade do ser humano é inviolável. Deve ser respeitada e protegida Artigo 1º da

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 Sofia Z. Na parte anterior vimos algumas das razões do declínio do tesão entre os casais que têm uma relação estável. Nesta parte vamos fazer algumas considerações

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

AS MULHERES DE JACÓ Lição 16

AS MULHERES DE JACÓ Lição 16 AS MULHERES DE JACÓ Lição 16 1 1. Objetivos: Ensinar que Jacó fez trabalho duro para ganhar um prêmio Ensinar que se nós pedirmos ajuda de Deus, Ele vai nos ajudar a trabalhar com determinação para obter

Leia mais

Elas trabalham mais e ganham menos

Elas trabalham mais e ganham menos Estudo Elas trabalham mais e ganham menos Relatório da OIT mostra que, no período de um ano, as mulheres trabalham dez dias a mais que os homens Lídia Borges e Karina Ribeiro 20 de julho de 2012 (sexta-feira)

Leia mais

QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA

QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA I. INTRODUÇÃO Cleonides Silva Dias Gusmão cleonides_silva@hotmail.com Ana Alayde Werba Saldanha Pichelli analayde@gmail.com Francisca Marina de Souza Freire

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Acasos da Vida. Nossas Dolorosas Tragédias

Acasos da Vida. Nossas Dolorosas Tragédias Acasos da Vida Nossas Dolorosas Tragédias Vanessa Araujo Acasos da Vida Nossas Dolorosas Tragédias Para os meus filhos. Para os meus amigos. Para os meus pais, por tudo o que fizeram por mim. Para

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960

MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960 MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960 TOMÉ, Dyeinne Cristina (UEM) MACHADO, Maria Cristina Gomes (Orientadora/UEM) Este estudo é o resultado da dissertação de

Leia mais

Violência Doméstica contra Crianças sob a

Violência Doméstica contra Crianças sob a Apresentação Maria Alice Barbosa de Fortunato Autores: Kássia Cristina C. Pereira* Maria Alice B. Fortunato* Marilurdes A. de M. Álvares* Orientadora: Lygia Maria Pereira da Silva** * Fiocruz CPQAM/ NESC

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER Fevereiro/2009 2 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas têm medo de denunciar os agressores O destaque da terceira

Leia mais

Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993)

Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993) Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993) Jessica Caroline Zanella* 1 Luciana Rosar Fornazari Klanovicz** 2 Resumo: As telenovelas tem um importante papel na cultura

Leia mais

Características de um casamento duradouro

Características de um casamento duradouro Características de um casamento duradouro Características de um casamento duradouro Introdução: Ainda é possível ver um casal já bem idoso de mãos dadas, e que mesmo depois de tantos anos ainda se olham

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Quando a violência quebra o tabu pneves@usp.br 14/11/2015 Conceito de Gênero Gênero = Estudo de mulheres Construído em oposição ao conceito de sexo Fugir

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

CURSO CASAMENTO FELIZ NAMORANDO - SE ESBOÇO DA NOITE: INTRODUÇÃO - JÖRG PALESTRA JÖRG - LADO TEOLÓGICO UMA DADIVA DE DEUS!

CURSO CASAMENTO FELIZ NAMORANDO - SE ESBOÇO DA NOITE: INTRODUÇÃO - JÖRG PALESTRA JÖRG - LADO TEOLÓGICO UMA DADIVA DE DEUS! CURSO CASAMENTO FELIZ NAMORANDO - SE ESBOÇO DA NOITE: Colocar as perguntas na caixa Introdução Rodada: Quem te explicou a sexualidade e como? Palestra Jorge Palestra Judite Respostas Conversa Tarefa INTRODUÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu

A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu Por: Ana Keli Lourenço da Rocha Tomé Sob a supervisão do

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Prevenção da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

Prevenção da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher Prefeitura Municipal de Duque de Caxias Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos Departamento dos Direitos da Mulher Centro de Referência e Atendimento à Mulher (CR Mulher) Centro

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

SOUZA-LOBO E AS RELAÇÕES DE GÊNERO E TRABALHO Autor: Marcelo Rodrigues Lemos Orientadora: Eliane Schmaltz Ferreira

SOUZA-LOBO E AS RELAÇÕES DE GÊNERO E TRABALHO Autor: Marcelo Rodrigues Lemos Orientadora: Eliane Schmaltz Ferreira SOUZA-LOBO E AS RELAÇÕES DE GÊNERO E TRABALHO Autor: Marcelo Rodrigues Lemos Orientadora: Eliane Schmaltz Ferreira Este ensaio pretende lançar luz sobre reflexões desenvolvidas por Elisabeth Souza- Lobo

Leia mais

PREPARANDO-SE PARA O CASAMENTO UMA PALESTRA PARA FILHOS E PAIS

PREPARANDO-SE PARA O CASAMENTO UMA PALESTRA PARA FILHOS E PAIS PREPARANDO-SE PARA O CASAMENTO UMA PALESTRA PARA FILHOS E PAIS Judith Sonja Garbers - Psicóloga Jörg Garbers Ms. de Teologia PERGUNTAS FREQUENTES Quem deve pedir em casamento? Que idade deve ter? Quanto

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP Sandra Mara Pereira dos Santos soul_mara@yahoo.com.br PPGCSo-UNESP Doutoranda Analiso que na questão de gênero no rap nacional existe

Leia mais

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 1. Um músico muito importante do nosso país é Milton Nascimento, cantor e compositor brasileiro, reconhecido, mundialmente, como um dos mais influentes e talentosos cantores

Leia mais

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO Juliana Medeiros da Silva 1 A violência doméstica praticada pelo parceiro íntimo é uma das formas mais comuns de violência

Leia mais

Algumas ideias para a produção textual!!!

Algumas ideias para a produção textual!!! Algumas ideias para a produção textual!!! O que é texto? Desmitificar as tradicionais aulas de produção de texto Produção escrita de diversos gêneros de textos Ter ou não aulas específicas para produção

Leia mais

O OLHAR MASCULINO SOBRE O TRABALHO FEMININO: o lar e o trabalho na perspectiva masculina 1

O OLHAR MASCULINO SOBRE O TRABALHO FEMININO: o lar e o trabalho na perspectiva masculina 1 O OLHAR MASCULINO SOBRE O TRABALHO FEMININO: o lar e o trabalho na perspectiva masculina 1 Márcia Karina da Silva 2 Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Resumo O presente trabalho toma como objeto

Leia mais

O Almoço 1. Taísa SZABATURA 2 Laura SELIGMAN 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC

O Almoço 1. Taísa SZABATURA 2 Laura SELIGMAN 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC O Almoço 1 Taísa SZABATURA 2 Laura SELIGMAN 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC RESUMO "O Almoço" é crônica que aborda a realidade de um aposentado em uma cidade litorânea. Insipirada na música

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

Saúde Financeira: Educação Financeira Doméstica

Saúde Financeira: Educação Financeira Doméstica Saúde Financeira: Educação Financeira Doméstica Rosilane Motta da Silva 1 GD3- Educação Matemática no Ensino Médio RESUMO: A grande maioria das pessoas encontram dificuldades em administrar seus recursos

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil

Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil Jornalista responsável/design: Beth Rezende Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil SECRETARIA DA MULHER Sindicato dos Metalúrgicos da Região Sul Fluminense? Apresentação Nos últimos

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais 1016327-7 - set/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

Desafios da guarda compartilhada: (des)construções sobre a paternidade e a parentalidade no Brasil Carolina de Campos Borges 1

Desafios da guarda compartilhada: (des)construções sobre a paternidade e a parentalidade no Brasil Carolina de Campos Borges 1 1 Desafios da guarda compartilhada: (des)construções sobre a paternidade e a parentalidade no Brasil Carolina de Campos Borges 1 Este trabalho discute um dos desafio que se impõe à aplicação da guarda

Leia mais

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade A Apresentação Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade desde 1966, ano da minha graduação na faculdade de Medicina. É difícil imaginar outro período de tempo assim curto no qual tenham ocorrido

Leia mais

Espero do fundo do meu coração que possamos também contar a sua história, conte com a gente!

Espero do fundo do meu coração que possamos também contar a sua história, conte com a gente! PROPOSTA BRASIL - 2016 / 2017 WWW.EDUARDOPERAZZOLI.COM.BR Olá! Aqui começamos a desenhar uma relação que precisa ir além de um contrato, a escolha do seu fotógrafo precisa ser fundamentada em uma base

Leia mais

Articulando Gênero e Geração aos Estudos de Saúde e Sexualidade. GT14 Maria Ignez Costa Moreira PUC Minas Palavras-chave: Gênero Geração Gravidez.

Articulando Gênero e Geração aos Estudos de Saúde e Sexualidade. GT14 Maria Ignez Costa Moreira PUC Minas Palavras-chave: Gênero Geração Gravidez. 1 Articulando Gênero e Geração aos Estudos de Saúde e Sexualidade. GT14 Maria Ignez Costa Moreira PUC Minas Palavras-chave: Gênero Geração Gravidez. Jovens Avós e Mães Adolescentes Os altos índices de

Leia mais

EMANANCIPAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO: AS TRABALHADORAS DOS SUPERMERCADOS

EMANANCIPAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO: AS TRABALHADORAS DOS SUPERMERCADOS 1 EMANANCIPAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO: AS TRABALHADORAS DOS SUPERMERCADOS Deanne Teles Cardoso - Mestranda em Geografia/PPG/UFG/CAC/Membro do NEPSA/UFG/CAC. deannetc@hotmail.com José Vieira

Leia mais

INDICE Introdução 03 Você é muito bonzinho 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade Pg: 05 Evite pedir permissão

INDICE Introdução 03 Você é muito bonzinho 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade Pg: 05 Evite pedir permissão 1 INDICE Introdução... Pg: 03 Você é muito bonzinho... Pg: 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade... Pg: 05 Evite pedir permissão... Pg: 07 Não tenha medo de ser você mesmo... Pg: 08 Não

Leia mais

Os homens no cenário da Lei Maria da Penha

Os homens no cenário da Lei Maria da Penha Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Os homens no cenário da Lei Maria da Penha Maria Lúcia Chaves Lima (UFP), Ricardo Pimentel Mello (UFC) Lei Maria

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas.

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NÚCLEO DE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Caro(a) participante: Esta é uma pesquisa do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná e

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: - Alguns aspectos que interferem na saúde das pessoas - Saúde como Direito Constitucional dos brasileiros

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Gerações e gerações viveram uma realidade em que as mulheres eram consideradas inferiores aos homens. Como isso era encarado como parte do destino das mulheres

Leia mais