1. GENERALIDADES 2. RECURSOS HUMANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. GENERALIDADES 2. RECURSOS HUMANOS"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO O Instituto Superior de Ciências da Educação de Luanda (mais adiante ISCED de Luanda) é uma Instituição do ensino superior público que está ao serviço da formação de professores, gestores escolares e outros profissionais da educação e da investigação científica, desde a década de 80. Actualmente com autonomia científica, pedagógica, administrativa e financeira, ao abrigo da legislação que cria as universidades públicas de Angola e do Decreto Presidencial nº 146/12 de 27 de Junho, o ISCED de Luanda obedece a uma estrutura baseada numa Direcção Geral, coadjuvada por duas Áreas estratégicas (Área Científica e Área dos Assuntos Académicos). O ISCED de Luanda possui um (1) Centro de Estudos Multidisciplinares, um (1) Centro de Língua Portuguesa, sete (7) Departamentos de Ensino e Investigação, ministra dez (10) cursos de licenciatura e cinco (5) cursos de mestrado. Tem mais de 3000 estudantes e mais de 100 docentes com graus de Doutores, Mestres e Licenciados obtidos em algumas das mais prestigiadas universidades europeias, africanas e americanas. O Instituto tem parcerias com o Ministério da Educação, com o Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, com a Universidade de Évora, com a Universidade Pedagógica de Moçambique e, em curso, parcerias com a Universidade Eduardo Mondlane, com o Instituto de Ciências da Educação da Universidade Lusófona e com outras instituições. O ISCED de Luanda, na procura da excelência pedagógica, da inovação e da transparência, na expectativa de responder aos anseios da comunidade académica e aos desafios da estratégia nacional de formação de quadros, desenvolveu no período compreendido entre Janeiro a Dezembro de 2012 vários projectos, actividades e acções. Assim, correspondendo aos propósitos espelhados na circular nº 01/GMF/2013, subscrita por Sua Excia o Sr. Ministro das Finanças e na circular nº 001/Gab. MÊS/2013 do Gabinete do Ministro do Ensino Superior, produziu-se o presente Relatório, com o objectivo de referir todas as actividades académicas e científicas realizadas e contribuir, efectivamente, na prestação de contas do executivo, nos termos da lei do OGE e da lei do Tribunal de Contas.

2 1. GENERALIDADES 6 As actividades exercidas ao longo do ano por cada Departamento pertencente à instituição são aqui delineadas. Procuramos dar um tratamento mais voltado às actividades de carácter pedagógico e científico. As de âmbito científico são espelhadas ao pormenor na Secção sobre Investigação Científica e Pós- Graduação, à excepção da área de Administração e Finanças e dos Recursos Humanos, cujo objecto institucional menos se interliga às respectivas actividades. 2. RECURSOS HUMANOS O Departamento dos Recursos Humanos tem Duas (2) Repartições Auxiliares, nomeadamente os Recursos Laborais e a Formação de Quadros com as respectivas Secções. No ano em referência, a instituição funcionou com 157 docentes, dos quais 136 efectivos em tempo integral, 19 colaboradores, 2 contratados por tempo determinado, agrupados nas seguintes categorias: Professores Titulares 11 Professores Associados 8 Professores - Auxiliares 52 Assistentes 49 Assistentes Estagiários 35 Contratados 2 Existem 90 funcionários não docentes, dos quais 71 efectivos e 19 contratados. No âmbito da política de formação de superação, 11 funcionários beneficiaram da formação nas seguintes especialidades: -Arquivo-1; Bibliotecnomia-1; Motorista-1; Estatísitica-2; Gestão de Recursos Humanos-2; Informática-1; Secretariado Executivo-2.

3 2.1- Serviços Prestados Ao longo do ano foram emitidos 121 declarações para diversos fins, 113 guias médicas, 168 despachos diversos e 3 Ordens de serviço. Pela necessidade de se atenuar a sobrecarga laboral dos funcionários existentes, efectuou-se a admissão e a promoção do pessoal docente e não docente através do concurso público. Foram admitidos e promovidos os seguintes docentes e não docentes com base no Estatuto da Carreira Docente Universitária e na legislação da função pública: Docentes admitidos Nº Designação por categoria Quantidade 1 Professor Auxiliar 1 2 Assistente 3 Funcionários Administrativos admitidos Nº Designação por categoria Quantidade 1 Técnicos Superiores de 2ª Classe 4 2 Técnicos de 3ª Classe 5 Dos quais 1 antigo 3 Técnicos Médios de 3ª Classe 5 4 Escriturários Dactilógrafo 1 5 Auxiliares Administrativos de 2ª Classe 4 6 Motoristas 3 7 Operário Qualificado de 2ª Classe 1 8 Operário não Qualificado de 2ª Classe 1 9 Auxiliares de limpeza 4 Docentes Promovidos Nº Designação por categoria Quantidade 1 Professor Associado 1 2 Professor Auxiliar 1 3 Assistente 3 Docentes promovidos à categoria de Prof. Associado Nº Nome Departamento 1 Celeste Ana da Glória Eduardo Sambeny Letras Modernas Docentes promovidos à categoria de Prof. Auxiliar Nº Nome Departamento 1 Nvindu Nsumbu Ciências Sociais Docentes promovidos à categoria de Assistente Nº Nome Departamento 1 Arnaldina Adalgisa Januário Dimas David Coelho Ciências da Educação 7

4 2 Francisco Siku Dia Mpaka Línguas e L. Africanas 3 Salvador António Ferreira Ciências Sociais Funcionários promovidos a categoria de motorista de Pesados de 1ª Classe. Nº Nome Departamento 1 Costa Vunge Mangange Administração e Finanças Funcionários com Contrato de Prestação de Serviços (Contratados) Nº Nome Categoria 2 Alberto Cassinda Electricista 3 Adresa Santos Morias Técnica Média de 3ª Classe 4 António Bondo Bula Aux. Administrativa de 2ª 5 César Tomé Palanca Operário Qual. De 2ª 6 Edilson Mendes Zumba Técnico Médio de 3ª 7 Felix Teixeira Bernardo Técnico Médio de 3ª 8 Filipe António Quissanga Motorista de pesados de 2ª 9 Francisco Graça Bussulo Técnico de 3ª Classe 10 Gaspar dos Santos Martins Operário Qualificado de 2ª 11 Joana Francisco Ambrósio Técnica Média de 3ª 12 Juary dos A. P. Gabriel Técnico Médio de 3ª 13 Júlio Hamilton Bravo Técnico de 3ª Classe 14 Manuel Gomes Pimpão Operário Qualificado de 2ª 15 Marcolino Manuel Mateus Motorista de Ligeiros de 2ª 16 Maria Filomena Tavares Mendes Técnica Média de 3ª 17 Martins Salvador Cassua Operário Qualif. de 2ª 18 Osvaldo Santana Assistente Estagiário 19 Sulimar Eneide Jorge Técnica Média de 3ª Classe Funcionários desvinculados Nº Nome Categoria 1 Yara Ualissa André Pinto Técnica Superior de 2ª Classe Docentes e não docentes aposentados no ano 2012 Nº Nome Categoria 1 Antonica António João Auxiliar de Limpeza Principal 2 Domingas João Bombo Jorge Auxiliar Adm. de 2ª Classe 3 Francisco Quino Chefe de Repartição 4 Fernando Rosário Prof. Auxiliar 5 Maria Manuel José Auxiliar de Limpeza de 1ª 6 Snejana Ditrova Toulekova Prof. Auxiliar Funcionários falecidos Nº Nome Categoria/Função 1 Augusto José da Silva Chefe de Secção 2 José Simão António de Lemos Prof. Auxiliar 8

5 Mestrados em Formação Nº Nome Especialidade Pais de Formação 1 Pedro Domingos Miguel Ensino de Filosofia Moçambique 2 Pedro de Castro Maria Sociologia Angola 3 Jeremias Pedro Uchila Ciências da Educação Angola 4 Américo Chivucuvucu Ciências Sociais e História Angola 9 Mestrados Concluídos No Nome Especialidade Pais de Formação 1 António Filipe Augusto Linguística Crítica (Sociolinguística) África do Sul 2 Francisco Tandu Sikku dia Mpaka Didáctica do Francês, Língua Estrangeira e Engenharia de Formação 3 Muanza Jarel Didáctica do Francês, Língua Estrangeira e Engenharia de Formação 4 Mafuila Lídia Zola Didáctica do Francês, Língua Estrangeira e Engenharia de Formação Angola Angola Angola Doutoramentos em Formação Nº Nome Especialidade País 1 Isaac Pedro Viera Paxe Políticas Púbicas da Educação Brasil 2 Adão Alexandre Sociolinguística África do Sul 3 José Capitango Pedagogia Espanha 4 Palmira Caseiro Matemática/Estatística Portugal 5 Manuel Neto Psicologia Espanha 6 Filemon Buza Estudos Africanos/Educação Portugal -Porto 7 Bukusu N. Hachim Linguística Francesa França 8 José Sami Baza Ciências Pedagógicas/Matemática Cuba 9 Martha Teresinha Ciências Pedagógicas/ Cuba 10 Celeste Sambeny Linguística Aplicada África do Sul 11 Maria das Dores José Ciências Pedagógicas/Matemática Cuba 12 Mbiayavanga Bemba Queria Ciências pedagógicas/matemática Cuba 13 Makiese Mpembele Ciências Pedagógicas/Matemática Cuba 14 Domingos Manaça Joaquim Literatura em Língua Portuguesa Espanha 15 Teresa Manuela C. José da Linguística Portuguesa Portugal Costa 16 Manuel Muanza Literatura em Língua Portuguesa Portugal 17 Afonso João Miguel Linguística Portuguesa Portugal 18 Adelina Alexandra Carlos Pio Ciências da Educação Lisboa de Kandingi 19 Mário Felizardo Lucoqui Psicologia Social Espanha

6 Doutoramentos Concluídos Nº Nome Especialidade Pais de Formação 1 Alfredo Sango Psicologia Social Espanha 2 Elisabeth Hama Psicologia Espanha (2011) 3 Carlos José Dos Santos Van-Dúnem Matemática Cuba 4 Augusto de Oliveira Matemática Cuba 5 Mbiavanga Fernando Linguística Africana África do Sul 6 Ana Sofia Gonzalez Linguística Aplicada Inglaterra Assuntos Sociais - Tendo em consideração a necessidade de se minimizar as carências no campo da saúde, foi assinado um acordo de prestação de serviços com a clínica Meditex para o atendimento dos funcionários administrativos da Instituição. - De igual modo, foi assinado um acordo de prestação de serviços com o Supermercado Jumbo para o abastecimento dos funcionários administrativos em bens alimentares e duradouros. - No mês de Dezembro, foram adquiridos os cabazes para todos os funcionários (docentes e não docentes) da nossa Instituição. Também foram apoiados todos os funcionários que tiveram situações de infelicidade (óbitos). 3. ASSUNTOS ACADÉMICOS O Departamento dos Assuntos Académicos é constituído por dois sectores, nomeadamente o Sector Académico e o Sector Pedagógico e uma Secretaria Académica, que é responsável por toda a actividade académica da instituição. O campo de acção do DAAC, durante o ano académico, alargou-se e correspondeu às metas delineadas no plano estratégico do corpo directivo. Naturalmente, nem tudo foi cumprido na íntegra, mas alcançaram-se satisfatoriamente óptimos resultados.

7 Actividades desenvolvidas 3.1- Quadro Académico 11 No quadro dos seus objectivos para o ano académico, o DAAC, com o auxílio de todos os DEI s, foi realizando actividades de âmbito diversificado, às quais enumeramos a seguir: Admissões 2012 As candidaturas para os exames de admissão tiveram início no dia 5 de Janeiro, com o atendimento das 8 às 12 horas. O referido processo decorreu nas instalações do ISCED-Luanda até ao dia 20 de Janeiro, ocupando 7 salas, geridas por agentes para recepção da documentação requerida aos candidatos e a inserção dos dados no software de registo usado pela instituição. Supervisão - Após aprovação pelo Conselho de Direcção, o processo foi supervisionado pelo Director-Geral-Adjunto para a Área Académica, Dr. Manuel Muanza, a chefe do DAAC, Dra. Alice Mateus, do Sector Académico Dra. Débora Gourgel, interino do Sector Pedagógico, José César, uma engenheira de Informática, Yara Pinto, os Chefes dos Departamentos e as diferentes comissões. - Criou-se uma sala de apoio, com o objectivo de responder a todas as inquietações e fornecer instruções a cada candidato que visitou a instituição. Disponibilizou-se, de igual modo, material de apoio para todos os cursos (tópicos), disponíveis na secretaria académica da instituição. - Elaborou-se uma estratégia de personalização dos serviços, pela criação de anúncios, reclames-guia (indicadores) e um serviço informativo fácil e adequado (disponíveis em todas as vitrinas da instituição), para guiar os candidatos, infundido assim conforto e satisfação pelo serviço prestado. Resultados - Em função da estratégia, não se registaram filas para as inscrições, tendo cada candidato sido atendido em menos de cinco minutos.

8 - O serviço foi salutar com auxílio da tecnologia digital. Serviu-se do Website, criado pela instituição (www.isced.ed.ao), onde se publicaram informações, dispondo também aos candidatos fichas de inscrição e tópicos de auxílio em formato PDF. - Seguiu-se o rigor do calendário de actividades relativas às inscrições. À excepção do calendário académico, os quadros seguintes apresentam o resumo estatístico de todo o processo de inscrição, com os referidos gráficos referentes às admissões e às frequências ao longo do académico. I SEMESTRE Calendário para o Ano Académico 2012 ACTIVIDADES DATAS Nº DE SEMANAS Abertura oficial 05/03/12 Aulas 06/03/12 16/06/12 15 Semanas Semanas de Orientação académica 06/03/12 17/03/12 2 Semanas Defesa de Trabalhos de Fim de Curso 12/03/12 22/06/12 15 Semanas Pausa pedagógica 18/06/12 22/06/12 1 Semana Exames de época normal 25/06/12 07/07/12 2 Semanas Exames de época de recurso 09/07/12 21/07/12 2 Semanas Semana de avaliação interna (cumprimento dos objectivos de ensino, assiduidade e qualidade) 12 16/07/12 21/07/12 1 Semana Férias Inter-semestrais para os estudantes 16/07/12 21/07/12 1 Semana Confirmação de matrículas para o II Semestre 16/07/12 21/07/12 1 Semana II SEMESTRE ACTIVIDADES DATAS Nº DE SEMANAS Aulas 23/07/12 03/11/12 15 Semanas Defesa de Trabalhos de Fim de Curso 30/07/12 28/09/12 9 Semanas Entrega de mini-pautas I Semestre 01/08/12-01/08/12 Pausa pedagógica 05/11/12 10/11/12 1 Semana Exames de época normal 12/11/12 01/12/12 3 Semanas Exames de época de recurso 03/12/12 22/12/12 3 Semanas Semana de avaliação interna 17/12/12 22/12/12 1 Semana Férias anuais 24/12/12 24/01/13 1 Mês

9 3.2- Processo de inscrições Quadro de candidatos inscritos por dia, por curso e por turno Regular (Diurno) TOTAL CURSOS RECLAMAÇÕES FILOSOFIA FRANCÊS HISTÓRIA INGLÊS L. E LITERAT MATEMÁTICA PEDAGOGIA PORTUGUÊS PSICOLOGIA Total Pós - Laboral TOTAL CURSOS RECLAMAÇÕES INGLÊS MATEMÁTICA PEDAGOGIA PORTUGUÊS PSICOLOGIA SOCIOLOGIA Total Total Geral 8862

10 14 FILOSOFIA FRANCÊS HISTÓRIA INGLÊS L. E LITERAT. MATEMÁTICA PEDAGOGIA PORTUGUÊS PSICOLOGIA INGLÊS MATEMÁTICA PEDAGOGIA PORTUGUÊS PSICOLOGIA SOCIOLOGIA Gráfico e Quadro percentual do processo de Inscrições (Regular) Diurno Gráfico e Quadro percentual do processo de Inscrições (Pós-Laboral) CURSOS Filosofia 2% Inglês 13% Francês 2% Matemática 7% História 12% Pedagogia 25% Inglês 12% Português 11% L. Lit. Africanas 1% Psicologia 24% Matemática 12% Sociologia 20% Pedagogia 21% Português 17% Psicologia 21%

11 Quadro de candidatos admitidos por vagas disponíveis Curso Diurno Pós-Laboral 1. Filosofia Francês História Inglês Línguas Literaturas Africanas Matemática Pedagogia Português Psicologia Sociologia 45 Cursos Ministrados Curso Diurno 1º Ano 2º Ano 3º Ano 4º Ano 5º Ano Filosofia Francês História Inglês Líng. Lit. Africana Matemática Pedagogia Português Psicologia Sociologia Curso Pós-laboral 1º Ano 2º Ano 3º Ano 4º Ano 5º Ano História Inglês Matemática Pedagogia Português Psicologia Sociologia Obs. As zonas pintadas representam os anos em funcionamento.

12 3.3- Organização Interna (DAAC) Duas semanas depois do início do ano académico, efectuaram-se visitas às salas de aulas com vista a alistar as dificuldades que os estudantes e professores enfrentavam. 2- Procedeu-se a uma reorganização dos arquivos em função das inquietações colocadas pelos estudantes. 3- Os estudantes com a primeira frequência em 2012 tiveram o seu processo de integração ajustado, com o cumprimento da semana de orientação académica. Foram potenciados com instrução genérica sobre o funcionamento da Instituição, as vias para contactar os DEI s, efectuar solicitações e consultas ao DAAC, sobre os cartões de estudante, o calendário académico, os horários, o processo de ensino-aprendizagem, docentes e as formas de avaliação das cadeiras semestrais e anuais (Regime Académico). - As duas reuniões de Conselho Pedagógico (no 1º e 2º semestre) serviram para efectuar uma avaliação das metodologias utilizadas pela Direcção para a Área Académica, onde se observou que: - Até então a Área Académica trabalhou com uniformidade, transparência e rigor, valorizando o cumprimento das datas previstas no calendário de actividades do respectivo ano académico. - Os eixos estabelecidos com os diferentes DEI s para informar, solicitar, requerer e autorizar actividades e/ou serviços foram plausíveis. - As informações genéricas foram gradualmente publicadas nos dois painéis disponíveis (vitrinas e website) aos estudantes e docentes Estatística Académica - No ano académico em curso foram matriculados estudantes, no curso regular, distribuídos em 10 cursos e estudantes no curso pós-laboral, distribuídos em 7 cursos, segundo os mapas abaixo indicados, perfazendo um total de Veja-se os quadros a e b.

13 a) Estudantes Matriculados nos Cursos do Período Regular (Diurno) CURSOS 1º Ano 2º Ano 3º Ano 4º Ano TOTAL MASC. FEM. MASC. FEM. MASC. FEM. MASC. FEM. FILOSOFIA FRANCÊS HISTÓRIA INGLÊS L. e L AFRICANAS MATEMÁTICA PEDAGOGIA PORTUGUÊS PSICOLOGIA SOCIOLOGIA TOTAL b) Estudantes Matriculados nos Cursos do Período Pós-Laboral CURSOS 1º Ano 2º Ano 3º Ano 4º Ano TOTAL MASC. FEM. MASC. FEM. MASC. FEM. MASC. FEM. INGLÊS MATEMÁTICA PEDAGOGIA PORTUGUÊS PSICOLOGIA HISTÓRIA SOCIOLOGIA TOTAL TOTAL GERAL Foram matriculados ainda neste ano estudantes com frequência em aulas de seminário, por insuficiência de salas na instituição. Somam-se 219 pertencentes ao curso regular e 57 com frequência nos cursos do pós-laboral, totalizando 276 que, adicionados ao total geral de estudantes matriculados em 2012, são Convém lembrar que no ano 2011 registamos um total de 429 estudantes, do período regular e 176 do pós-laboral, que terminaram o plano curricular, dos quais foram licenciados 401 estudantes. Veja-se o quadro nº1 e 2.

14 - Os restantes adicionaram-se ao elenco que defendeu até ao final do ano académico Contudo, até ao referido final, licenciaram-se mais 173, totalizando 574 estudantes, cuja cerimónia de entrega de diplomas destes perspectivada para Quadro 1- Estudantes Licenciados no Ano Académico 2011 CURSOS/DIURNO MASCULINO FEMININO TOTAL FILOSOFIA 4 4 FRANCÊS HISTÓRIA INGLÊS L. e LIT. AFRICANAS 2 2 MATEMÁTICA PEDAGOGIA PORTUGUÊS PSICOLOGIA SOCIOLOGIA 7 7 TOTAL GERAL CURSOS PÓS-LABORAL MASCULINO FEMININO TOTAL FRANCÊS INGLÊS 1 1 L. e LIT. AFRICANAS 4 4 PEDAGOGIA MATEMÁTICA PORTUGUÊS PSICOLOGIA HISTÓRIA SOCIOLOGIA TOTAL GERAL Quadro 2- Estudantes Licenciados no Ano Académico 2012 TURNO GÉNEROS CURSOS REGULAR PÓS- MASCULINO FEMININO LABORAL FILOSOFIA FRANCÊS HISTÓRIA INGLÊS L. e LIT. AFRICANAS MATEMÁTICA PEDAGOGIA PORTUGUÊS PSICOLOGIA SOCIOLOGIA TOTAL TOTAL GERAL

15 - A equipa, agora auxiliada por novo elenco recém-admitido ao quadro do pessoal administrativo da instituição, proporcionou uma nova dinâmica ao trabalho. Assim, as tarefas foram reavaliadas e repartidas equitativamente, o que proporcionou um maior desempenho no exercício das actividades INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS GRADUAÇÃO Esta Área é responsável por todas actividades de carácter científico que envolve a Instituição, realizadas no país ou no estrangeiro. Entretanto, no quadro de actividades científicas, apresentadas no último Conselho Científico de 2011 e aprovadas pelo Conselho de Direcção, o Departamento projectou para o ano 2012, uma série de realizações que envolveram todos os Departamentos. Damos aqui o tratamento adequado a todas as manifestações científicas das respectivas áreas Actividades Desenvolvidas - Foram realizadas três (3) reuniões ordinárias das quatro (4) previstas no regulamento e uma (1) extraordinária. Na Reunião Extraordinária tratou-se do processo de provimento de categoria docente e da aprovação dos júris para as provas públicas de candidatos a professor titular e a professores assistentes. As agendas desenvolvidas nos CC s alistaram questões mais importantes e decisivas para o cumprimento dos planos de actividades científicas estabelecidos, assim como aquelas questões que, pela sua urgência, necessitavam de soluções imediatas. - Realizaram-se também todas as reuniões com as subcomissões organizadoras das X Jornadas Científico - Pedagógicas do ISCED Conselhos Científicos dos DEI s O Departamento de Ciências Exactas realizou seis (6) reuniões de CC, sendo quatro (4) ordinárias e duas (2) extraordinárias e o de Ciências da Educação realizou 2 ordinárias e uma extraordinária. O Deparatamento de Letras Modernas realizou dez (10) reuniões ao longo do ano, sendo três (3) da

16 Repartição de Inglês, três (3) da Repartição de Francês, duas (2) do Conselho Científico e duas (2) do Departamento. Um número significativo de DEI s realizou eventos científicos, conforme se poderá notar no quadro de actividades dos DEI s. Portanto, em comparação aos anos anteriores, reconheceu-se avanços no funcionamento destes órgãos, para além de uma melhoria na planificação das actividades e na realização das reuniões dos Conselhos Científicos Processo de Provimento de Categoria Docente No âmbito da autonomia que lhe foi atribuída, o ISCED abriu e administrou com sucesso o processo de provimento de categoria docente para todas as categorias. Deve-se destacar que, tanto a realização das Dissertações como da Aula Magna, foram organizadas, planificadas e executadas de forma satisfatória, o que não deixou de ser um reflexo da maturidade científica e académica, embora alguns professores ainda não estejam a auferir remunerações pelas novas categorias Eventos Científicos Realizados no ISCED Jornadas Científico - Pedagógicas do ISCED No ISCED de Luanda realizaram-se, nos dias 27 e 28 de Setembro de 2012, as 10 as Jornadas Científico - Pedagógicas, sob o lema: " A Profissionalização e a Investigação para a Excelência da Educação Universitária, em que apresentaram-se 28 comunicações, em 3 painéis temáticos, subdivididos por 7 sessões: - Painel 1. Modelos, Realidades e Perspectivas do Uso das TIC e as Estratégias Especiais na Transformação dos Processos Universitários; (Moderadores: Francisco Casanova e Maria das Dores (DEC)). Painel 2. A Profissionalização e a formação dos Docentes; (Moderadores: Adelina Kandinji e Pedro Lupini (DCS)). Painel 3. A Interdisciplinaridade das Ciências. 20

17 (Moderadores: Dominique S. Chipango (DCS) e Luisa Faria (DLM)). Quadro das Principais Comunicações apresentadas Nº Nome do Docente Título da Comunicação Departamento 01 Trinh D. Khoi, Ta Thi Oanh Olimpíadas de Matemática um Ambiente Recreativo Matemático Extra-Aulas Ciências Exactas 02 José Samy Uso de um ambiente virtual para o processo de Ciências Exactas ensino-aprendizagem significativo de Geometria dinâmica nas ciências exactas 03 Mbiyavanga B. Queria A heurística como ferramenta importante para elevar a qualidade de formação do professor de Ciências Exactas Matématica do II ciclo do ensino secundário 04 Bruno Júlio Kambundo A profissionalização docente em Angola Ciências Sociais 05 Diyangi Diambele Primar pelo profissionalismo na selecção de Letras Modernas candidatos para profesores 06 Francisco A. C. Romero Sistema de acções estratégicas para incentivar a formação de profissionais com grau científico no Ciências Exactas ISCED de Luanda 07 Vera Stanojevic Matos A formação dos profissionais da educação e formadores de profesores Ciências da Educação 08 Manuel Neto A formação contínua do professor para um melhor aproveitamento académico Ciências da Educação 09 Luís de Barros A importância da formação de professores para o Ciências Sociais aperfeiçoamento da Docência 10 Filemon Buza A formação, profissionalização, empregabilidade Ciências da Educação 11 Ana Luzia Lobo Reflexão para o melhoramento da disciplina de Ciências Sociais Prática Docente no curso de História 12 Anabela Cunha Plano de aulas e a sua importância para o trabalho docente na sala de aulas Ciências Sociais Pedro Domingos Miguel A deontologia e a avaliação: substrato da qualidade de ensino superior em Angola 14 Helena Gonçalves Serrão Desenvolvimento da habilidade de direcção do Baxe processo de ensino-aprendizagem nos estudantes. Desafios actuais Ciências Sociais Ciências da Educação 15 Maria P.de Sousa Matos Queiroz A inserção da Geografia Histórica nos currículos do ISCED-Luanda Ciências Sociais 16 José Lencastre O papel das Ciências Sociais na resolução de problemas da sociedade 17 Alfredo Sango Estilos de gestão de conflitos interpessoais em contexto educativo 18 António Filipe Augusto (Des)Acordo ortográfico da Língua Portuguesa: uma agenda oculta uma Abordagem de Análise Crítica do discurso Ciências Sociais Ciências da Educação Letras Modernas

18 22 19 Celeste Sambeny Uma abordagem do estudo sobre o processo de pesquisa para os trabalhos de fim de curso no ISCED de Luanda 20 Domingos M. Joaquim O campo jornalístico e o campo literário em Angola (1900 a 1934): cumplicidades 21 Pedro de Castro Maria Ciências, modernidade e pós-modernidade por um projecto científico ao serviço da Humanidade Letras Modernas Língua Portuguesa Ciências Sociais - O DDI também participou activamente nas 10 as Jornadas Científico Pedagógicas da instituição, com o objectivo de promover e estimular o hábito de leitura, influenciando os estudantes à investigação. Foi organizada durante as Jornadas Científicas uma Feira do Livro, em que estiveram presentes as seguintes entidades: Texto Editora; Plural editora; Livraria Mestria; Livraria Universitária (Chá- de Cachinde); I.N.C; E.T.M. English Taching; Livraria Instituto Psico-pedagógico; Editora Mayamba; Livraria Barquinho; Livraria Encarnação; Livraria Alfarrabista. - O Chefe do Departamento apresentou uma comunicação em que divulgou todos os recursos e as actividades sob a responsabilidade da Biblioteca. Conferência Magistral e Mesa Redonda - Como previa o programa, foi realizada uma Conferência Magistral intitulada Os Desafios da Gestão e da Qualidade do Ensino Superior em Angola, apresentada pelo Prof. Doutor Adão do Nascimento. - De igual modo, foi realizada uma Mesa Redonda com o tema A Formação de Professores em Angola: Profissionalização, Contextualização e Perspectivas, em que participaram os professores dos Departamentos de Ciências da Educação, Ciências Exactas, Ciências Sociais e uma representante do Ministério da Educação, nomeadamente, Filemon Buza, moderador, e os oradores (Professores) Azancot de Menezes; Luísa Filomena; Adérito Manuel; Francisco Romero Casanova e Maria Cristina Paiva Amaro. - Foi organizada ainda, no dia 01 de Dezembro, uma Mesa Redonda alusiva ao dia mundial da SIDA, intitulada O Trabalho Docente e a Orientação Social: o seu Papel na Educação para a Saúde. É de salientar que, paralelamente à

19 essa actividade, a Associação de Estudantes realizou uma campanha de sensibilização da massa estudantil do ISCED de Luanda. - O docente Tandu Sikku dia Mpaka apresentou, logo após a sua defesa de tese de mestrado, uma Aula Magna com o tema Análise Didáctica dos Exercícios contidos no Manual da 1ª Classe em Língua Kikongo Ntangilu ye Nsonekeno ya mpa. - Conferência Intitulada Angola 10 anos de Paz: Balanço e Perspectivas do dia 30 de Março, organizado pelo Departamento de Investigação Científica e Pós- Graduação, com os seguintes Prelectores: Daniel Mingas; Jaka Jamba. Moderador: Mário Pinto de Andrade - Realizou-se uma Mesa Redonda, no dia 23 de Maio, com o tema: O Ensino Superior em África cujos prelectores foram: Ambrósio Lukoki; João Ferreira e Jean Martial Mbah Moderador: Mbiavanga Fernando Note-se que os Departamentos de Ciências da Educação e de Letras Modernas organizaram as seguintes actividades de carácter Científico: 1- Workshop sobre trabalho Científico (D. Ciências da Educação). Prelectores: Pedro D. Peterson; Adelina Kandingi, Laurindo Vieira, Filemon Buza, Alberto Nguluve, cujos objectivos foram: a) Proporcionar a actualização de competências no domínio pedagógico, essenciais para o exercício da função docente no ensino superior, bem como capacitar para a partilha de conhecimento científico no meio académico; b) Proporcionar formação em competências destinadas à redacção de trabalho científico, nomeadamente artigos científicos, recensões críticas e recensões temáticas, familiarizando-os com as regras de escrita científica, inerentes à disseminação do conhecimento académico e científico produzido entre os pares da comunidade académica; c) Desenvolver competências necessárias para a orientação da elaboração e redacção do TFC por parte dos estudantes. 23

20 2- Workshop sobre redacção de trabalhos de fim do curso com o fim de atenuar as dificuldades que os estudantes encontravam na projecção e elaboração do mesmo. Para a Repartição de Francês, 2 docentes, 5 estudantes e 1 licenciado tiveram a sua participação, apresentando comunicações. Veja-se o quadro de actividades do DEI. Alguns professores contratados do exterior do País para ministrar aulas no Mestrado em Ciências da Educação proferiram as seguintes conferências: 24 Nº Prelectores Conferência Destinatários Organização Data 01 Prof. Doutor Henriques Manuel Guimarães 02 Prof. Doutor Fernando Albuquerque Costa 03 Prof. Doutor Joaquim Pintassilgo 04 Prof. Doutora Maria João Mogarro 05 Prof. Doutor Feliciano Veiga, Prof. Doutor João Pinhal Seminário sobre Paradigmas na Investigação em Ciências Humanas e Sociais: Entre consensos e dissensões Seminário sobre: Experiências e desafios do e-learning na Universidade: Questões pedagógicas e tecnológicas Conferência intitulada: Profissão Docente e Formação: Reflexões entre o Passado e o Presente Conferência sobre Perspectivas Actuais Sobre Desenvolvimento Curricular Conferência sobre Comunicação Interpessoal em Contextos Educativos: Investigação e Activação e O Território Educativo e o Projecto Educativo Local Participantes: Professores, Mestrandos e o público interessado Docentes, Investigadores, técnicos do ISCED de Luanda e outros interessados Participantes: Professores, Mestrandos e o público interessado Professores do ISCED/Luanda; Mestrandos e o Público interessado Participantes: Professores, Mestrandos e o público interessado Comissão Científica do Curso de Mestrado em Ciências da Educação Comissão Científica do Curso de Mestrado em Ciências da Educação Comissão Científica do Curso de Mestrado em Ciências da Educação Comissão Científica do Curso de Mestrado em Ciências da Educação Comissão Científica do Curso de Mestrado em Ciências da Educação 19/01/ /02/ /05/ /10/ /10/2012

Instituto Superior de Ciências da Educação CALENDÁRIO PARA O ANO ACADÉMICO 2015

Instituto Superior de Ciências da Educação CALENDÁRIO PARA O ANO ACADÉMICO 2015 Instituto Superior de Ciências da Educação CALENDÁRIO PARA O ANO ACADÉMICO 2015 I SEMESTRE ACTIVIDADES DATAS PERÍODO Confirmação de matrículas dos estudantes internos 19.01.15 30.01.15 2 Semanas Exames

Leia mais

XIII JORNADAS CIENTÍFICO-PEDAGÓGICAS 1.ª CHAMADA. DATA: 10-11 de Setembro 2015

XIII JORNADAS CIENTÍFICO-PEDAGÓGICAS 1.ª CHAMADA. DATA: 10-11 de Setembro 2015 INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ISCED DIRECÇÃO-GERAL ADJUNTA P/ INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS- GRADUAÇÃO XIII JORNADAS CIENTÍFICO-PEDAGÓGICAS 1.ª CHAMADA LEMA: GESTÃO E AVALIAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ANO ACADÉMICO 2015 Iº SEMESTRE I :ANO HORÁRIO DO PERÍODO PÓS-LABORAL

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ANO ACADÉMICO 2015 Iº SEMESTRE I :ANO HORÁRIO DO PERÍODO PÓS-LABORAL Iº SEMESTRE I :ANO CURSO: Português HORAS 2ª Feira 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Expressão de L. Portuguesa da I Introd. aos Estudos Linguísticos T. Costa T. Costa Introd. aos Expressão de

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA

REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.º (Âmbito) Sem prejuízo do disposto

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Maria Luísa de Solla Mendes da Fonseca Data de nascimento: 7 de Novembro de 1950 BI nº 6065179 Lisboa Rua Sacadura Cabral, 76, 1ºEsq.- Cruz Quebrada 1495-713 Lisboa Telefone: 965009978

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior Autores: Maida Abdulssatar Khan, Eduardo Chiziane, Luisa Santos e

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO Setembro de 2012 Luanda CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) Artigo 1.º (Natureza) O Trabalho de Conclusão do Curso, neste regulamento designado abreviadamente

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1;

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1; EDITAL 1- Faz-se público que está aberto concurso, de 3 de Julho a 19 de Setembro de 2008, para admissão ao Curso de Formação Especializada em Ensino da Língua Estrangeira (Inglês e Francês) na Educação

Leia mais

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Educação, ou os seus representantes, de Angola, Brasil,

Leia mais

MESTRADO EM. Métodos Quantitativos e Gestão

MESTRADO EM. Métodos Quantitativos e Gestão MESTRADO EM Métodos Quantitativos em Economia e Gestão ANO LECTIVO 2011/2012 Mestrado em Métodos Quantitativos em Economia e Gestão Apresentação O Mestrado em Métodos Quantitativos em Economia e Gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ANO LECTIVO 2008/2009 O Presidente do Conselho Directivo da Escola Náutica Infante D. Henrique,

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Formador Profissional / Coordenador Pedagógico / Consultor de Formação Nome POEIRAS, VITOR JOAQUIM GALRITO Naturalidade Sumbe, Quanza Sul, Angola

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL Índice Introdução 1 Recursos Humanos afectos ao PSE... 3 1.1 Caracterização...

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR Proposta de Os cursos profissionais regem-se pela seguinte legislação: Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 24/2006,

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO

ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO De acordo com a alínea b) do n.º 2 do artigo 74.º-A do ECDU, a avaliação dos docentes deve considerar as quatro vertentes de actividade académica: a) Investigação; b) Ensino;

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS O presente regulamento foi homologado pelo Presidente

Leia mais

Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores

Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores Faculdade de Ciências, Universidade do Porto Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 2006-2008 http://www.dcc.fc.up.pt/mi

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO LICENCIATURA EM SERVIÇO SOCIAL 2015 1 PREÂMBULO A Licenciatura em Serviço Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (adiante designada por

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires 2014- Doutoramento em Ecologia Coordenação Científica Profª Iva Pires Guia do Curso Ano Académico 2014/ Coordenação Científica Profª Iva Pires im.pires@fcsh.unl.pt pires.iva.fcsh@gmail.com Para mais informações

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E

M O D E L O E U R O P E U D E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Rua António Pereira Carrilho, n.º 38, 4.º, 1000-047 Lisboa Telefone/Fax +351.218.444.200 / +351.218.444.209 Correio

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DA FACULDADE DE ENGENHARIA TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I ÂMBITO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE, PRINCÍPIOS E OBJECTIVOS Artigo 1 Âmbito 1. Ao abrigo do disposto

Leia mais

Proposta de Decreto Legislativo Regional

Proposta de Decreto Legislativo Regional Proposta de Decreto Legislativo Regional Regulamenta na Região Autónoma dos Açores, os aspectos relativos à realização, em escolas da rede pública, do estágio pedagógico das licenciaturas em ensino e dos

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 185/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

CURRICULUM VITAE. José Carlos Salgueiro Vasconcelos e Sá. Lisboa, Fevereiro de 2015

CURRICULUM VITAE. José Carlos Salgueiro Vasconcelos e Sá. Lisboa, Fevereiro de 2015 CURRICULUM VITAE DE José Carlos Salgueiro Vasconcelos e Sá Lisboa, Fevereiro de 2015 I - DADOS PESSOAIS NOME - José Carlos Salgueiro de Vasconcelos e Sá MORADA - Rua Prof. Henrique Vilhena 11, 1 - D 1600

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe Curso Coordenação Direção CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe ESEnfCVPOA Mestre Henrique Pereira Código: 3451 Descrição Objetivos Destinatários

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

Guia de Curso. Administração e Gestão Educacional. Mestrado em. 15ª Edição. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância

Guia de Curso. Administração e Gestão Educacional. Mestrado em. 15ª Edição. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Universidade Aberta Sede R. da Escola Politécnica, 147 1269-001 Lisboa Campus do Taguspark Av. J. Delors, Edifício Inovação I 2740-122 Porto Salvo, Oeiras Coordenadora: Guia de Curso Lídia Grave-Resendes

Leia mais

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre O presente regulamento procura dar unidade e consistência lógica ao regime a que devem obedecer

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino

Leia mais

Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009. 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda

Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009. 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda Formação em Gestão de Fundos Imobiliários A formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário

Leia mais

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05)

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Instituto Politécnico de Portalegre ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE ELVAS Normas regulamentares dos Cursos de Especialização Tecnológica (Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Elvas Julho de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

Mestrado em Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais. Edição 2009/2010. Cidade da Praia, Cabo Verde

Mestrado em Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais. Edição 2009/2010. Cidade da Praia, Cabo Verde Mestrado em Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais Edição 2009/2010 Cidade da Praia, Cabo Verde A ponte para o futuro Mestrado em Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais Edição 2009/2010

Leia mais

Relatório de Actividades - 2014 ANO 2014. Investir na competência sustentar o desenvolvimento

Relatório de Actividades - 2014 ANO 2014. Investir na competência sustentar o desenvolvimento ANO 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 4 I. DESENVOLVIMENTO DAS ACTIVIDADES DE FORMAÇÃO 6 QUADRO Nº 2: FORMADOS POR ÁREAS TEMÁTICAS QUADRO Nº 3: FORMADOS POR MODALIDADES DE FORMAÇÃO QUADRO Nº4: DISTRIBUIÇÃO DOS FORMADOS

Leia mais

43220 Diário da República, 2.ª série N.º 155 11 de Agosto de 2010

43220 Diário da República, 2.ª série N.º 155 11 de Agosto de 2010 43220 Diário da República, 2.ª série N.º 155 11 de Agosto de 2010 11 Plano de estudos: Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Curso de Ciências da Educação Grau de Mestre Área

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir

Leia mais

CANDIDATURA AO 10º ANO PROFISSIONALIZANTE (NÍVEL II)

CANDIDATURA AO 10º ANO PROFISSIONALIZANTE (NÍVEL II) CANDIDATURA AO 10º ANO PROFISSIONALIZANTE (NÍVEL II) Designação: I IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Curso de Electricista de Instalações 1.1 Direcção Regional de Educação de Lisboa 1.2 Centro de Área Educativa de

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA. MÓDULO III Bolsas e Estágios

AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA. MÓDULO III Bolsas e Estágios AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA MÓDULO III Bolsas e Estágios Bolsas e Estágios Bolsas Acção Social do Ensino Superior Fundação para a Ciência e a Tecnologia Fundação Calouste Gulbenkian Instituto

Leia mais

MODALIDADES PARA A ATRIBUIÇÃO DE GRAUS ACADÉMICOS

MODALIDADES PARA A ATRIBUIÇÃO DE GRAUS ACADÉMICOS AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone: 251 11 5517700 Fax: 251 11 5 517844 website: www.africa-union.org DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS, CIÊNCIA

Leia mais

Protocolo.com.pt. Acção de Formação para a ASP. 17 de Maio de 2008. Cristina Fernandes Susana Casanova http://protocolopt.blogspot.

Protocolo.com.pt. Acção de Formação para a ASP. 17 de Maio de 2008. Cristina Fernandes Susana Casanova http://protocolopt.blogspot. Acção de Formação para a ASP 17 de Maio de 2008 17 de Maio de 2008 Imagem Duração: 1 dia (7h) Carga horária: 09H30-13H00 14H30-18H00 17 de Maio de 2008 A importância da Imagem Uma imagem positiva é a soma

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria

Leia mais

Guia de Curso. Arte e Educação. Mestrado em. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância

Guia de Curso. Arte e Educação. Mestrado em. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Universidade Aberta Sede R. da Escola Politécnica, 147 1269-001 Lisboa Coordenador e Vice Coordenador do Curso Amílcar Martins E-mail: Amilcar.Martins@uab.pt Guia de Curso Daniela Melaré Vieira Barros

Leia mais

ISCTEM/UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Actualmente a frequentar o 2º Ano do Doutoramento em Direito Área de Concentração em Direito Público

ISCTEM/UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Actualmente a frequentar o 2º Ano do Doutoramento em Direito Área de Concentração em Direito Público CURRICULUM VITAE 1. DADOS BIBLIOGRÁFICOS NOME Gildo Manuel Espada DATA DE NASCIMENTO 19.02.79 NACIONALIDADE Moçambicana 2. HABILITAÇÕES ACADÉMICAS ISCTEM/UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Actualmente a frequentar

Leia mais

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Universidade Agostinho Neto Faculdade de Direito Workshop sobre Formação Pós-Graduada e Orientação A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Por: Carlos Teixeira Presidente

Leia mais

EDITAL PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA ACTIVIDADE IMOBILIÁRIA. (1.ª Edição - 2011)

EDITAL PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA ACTIVIDADE IMOBILIÁRIA. (1.ª Edição - 2011) EDITAL PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA ACTIVIDADE IMOBILIÁRIA (1.ª Edição - ) Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado pela Lei n.º 62/2007,

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

DADOS PESSOAIS CONTACTOS

DADOS PESSOAIS CONTACTOS DADOS PESSOAIS CONTACTOS Pessoais: Fernando Luís Santos Praceta António Andrade nº8 4ºC Santa Marta do Pinhal 2855-579 Corroios Portugal Telef. 968178874 email. fl_santos@hotmail.com URL: http://matematicaludica.cjb.net

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18 de maio

Leia mais

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012 Mestrado Construção Civil Edital 3ª Edição 2011-2012 Barreiro, Maio de 2011 ENQUADRAMENTO O curso de Mestrado em Construção Civil da Escola Superior de Tecnologia do Barreiro do Instituto Politécnico de

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Faculdade de Direito da Universidade de Macau Regulamento Pedagógico do Curso de Mestrado em Direito (Prática Jurídica em Macau) Artigo 1 Grau de Mestre 1. A Universidade de Macau, através da Faculdade

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Faculdade de Direito da Universidade de Macau Regulamento Pedagógico do Curso de Mestrado em Direito (Tradução Jurídica) Artigo 1 Grau de Mestre 1. A Universidade de Macau, através da Faculdade de Direito,

Leia mais

Suplemento ao Diploma

Suplemento ao Diploma Suplemento ao Diploma 1. Informação sobre o titular da qualificação 1.1 Apelido(s): Fotografia 1.2 Nome(s) próprio(s): 1.3 Data Nascimento: dd/mm/aaaa 1.4 Número de identificação do estudante: XXXXXXXXXXXXXXXX

Leia mais

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / /

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões REGULAMENTO GERAL DE CURSOS NÃO CONFERENTES DE GRAU Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Lisboa 2007 2 Regulamento Geral de Cursos não Conferentes

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial.

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial. NOTA EXPLICATIVA 1. Introdução A recente alteração da legislação sobre a organização e funcionamento dos Institutos Públicos, pelo Decreto Legislativo Presidencial n.º 2/13, de 25 de Junho, que revoga

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização de Obras ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998

Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998 Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998 Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição,

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Ana Teresa Bernardo Guia RUA CENTRO REPUBLICANO, 70 2º ESQ 2300 359 TOMAR, PORTUGAL Telefone 966 166 243 Correio

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. EDITAL N o 003/2007

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. EDITAL N o 003/2007 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS EDITAL N o 003/2007 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES E/OU PESQUISADORES COM TITULAÇÃO ACADÊMICA DE MESTRES OU DOUTORES A Fundação Universidade

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO Coimbra 2014-2015 1 Introdução 1. Competências gerais do estágio

Leia mais

(Aprovado em reunião do Colegiado de Diretores de Escola da Magistratura, em Florianópolis, Santa Catarina, no dia 29/07/2011)

(Aprovado em reunião do Colegiado de Diretores de Escola da Magistratura, em Florianópolis, Santa Catarina, no dia 29/07/2011) COLÉGIO PERMANENTE DE DIRETORES DE ESCOLAS DA MAGISTRATURA ESTADUAIS COPEDEM ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO ESTADO DE PERNAMBUCO ESMAPE Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa FDUL PROGRAMA

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais